Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Membros

Fala galera!

Estava tentando montar um mochilão pela Europa neste ano, sendo que viajaria com a minha irmã. Mas, com esse lance todo da pandemia e a alta das moedas mais fortes, pensamos num outro destino: África do Sul.
Pesquisando sobre as atrações e lendo alguns relatos aqui, também despertamos interesse por conhecer a Namíbia. 
O que não está muito claro pra nós é se seria possível conhecer estes dois países, já que temos um orçamento meio limitado.
A ideia seria fazer Safari na Namíbia (Etosha), dar um rolê no deserto e seguir para a África do Sul, Cape Town.

Rola fazer isso? Se sim, quantos dias levaria, no mínimo? E quanto eu iria gastar? 
 

Agradeco desde já! 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores

Nunca fui a nenhum dos 2 países, então não sei nenhuma média de preços por lá.

Isso de quanto irá gastar, depende muito de como quer se hospedar, comer, locomover, quais passeios, etc.

Para fazer uma média de previsão de gastos sempre faço assim.

Calculo de X dias em hospedagens.

Calculo de X refeições ( almoço, lanches, jantar ).

Preços de transporte público, transfer, taxi.

Preços das atrações que pretendo visitar.

Incluo 20% para cima  para ter margem sobrando.

Mas no mais, sempre ando com cartão da minha conta e cartão de crédito para qualquer eventualidade.

Para ter um calculo exato, somente um roteiro com tudo incluso de agencias de viagens.

Até mais.

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

como já falado acima o roteiro vai depender de vocÊ, quantos dias você está disposto a ficar em cada lugar, a gastar, etc, etc

já estive nos 2 países na mesma viagem e vou tentar de dar um norte, fiquei mais ou menos 9 dias em cada país

adorei muito os 2 lugares, cape town foi uma das cidades que mais gostei no mundo. Achei a áfrica do sul um país barato , na cidade do cabo se come bem em lugares bons, com preços mais em conta se comparado com lugares similares no brasil. existe muitas opções de hoteis e hostels

o transporte na áfrica do sul é bem mais fácil, tem voos para vários lugares, onibus, ubers na cidade

 

a namibia é mais vazia, um dos países com menor densidade demográfica do mundo. as coisas lá são mais caras se comparadas com a áfrica do sul, as opçoes de hotel e hostel são bem menores

Minha viagem lá foi muito foda, aluguei um carro e por 9 dias rodei o país sozinho. foi uma das melhores trips que já fiz sem dúvida nehuma porém mesmo ficando 9 dias não conheci alguns lugares que queria, como o fish river canyon

 

fiz safari tanto no kruger quanto no etosha, que são as reservas mais famosas de cada país

Os 2 safaris foram muito bons, o kruger tem uma infra-estrutura muito melhor e no quesito ver animal, achei o kruger ligeiramente melhor, porém o etosha é mais afastado, bem mais vazio, dá MUITO mais aquela sensação de estar participando de algo do national geographic ou discovery channel. Em ambos os parques dormi dentro dos limites do mesmo, e no kruger os preços são mais em conta e tem quartos mais simples se comparados com o etosha. Além disso se você não quiser gastar mais dormindo dentro do parque, o kruger tem MUITO mais opcoes em volta da reserva e além disso muitas empresas oferecem safaris no estilo day-trip Outro ponto do kruger, como já falei acima, o etosha é mais afastado, e o transporte púbico na namibia é basicamente inexistente, então você teria que alugar um carro ou algum pacote fechado já saindo da capital. No kruger você chega de carro de johannesburgo e além disso tem vário aeroportos em volta e até dentro do kruger

 

outro ponto para se levar em conta que os voos entre a namibia e áfrica do sul, apesar da curta distância, não são tão baratos assim. Eu voei de Cape town para Windhoek, e depois voltei via Johanesburgo

 

eu recomendaria demais conhecer a namibia, agora quantos dias ficar e quanto gastar vai depender do seus planos. aí você tem que sentar montar um esboço de um roteiro e ver quanto ficaria. como falei, fiquei 9  dias na namibia e não conheci tudo que queria, o mesmo sobre a áfrica do sul, onde ainda pretendo voltar no futuro

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros
Em 07/10/2020 em 07:40, RicardoRM disse:

Nunca fui a nenhum dos 2 países, então não sei nenhuma média de preços por lá.

Isso de quanto irá gastar, depende muito de como quer se hospedar, comer, locomover, quais passeios, etc.

Para fazer uma média de previsão de gastos sempre faço assim.

Calculo de X dias em hospedagens.

Calculo de X refeições ( almoço, lanches, jantar ).

Preços de transporte público, transfer, taxi.

Preços das atrações que pretendo visitar.

Incluo 20% para cima  para ter margem sobrando.

Mas no mais, sempre ando com cartão da minha conta e cartão de crédito para qualquer eventualidade.

Para ter um calculo exato, somente um roteiro com tudo incluso de agencias de viagens.

Até mais.

Boa! Valeu Ricardo. Já pratico algumas das dicas

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros
4 horas atrás, FCRO disse:

como já falado acima o roteiro vai depender de vocÊ, quantos dias você está disposto a ficar em cada lugar, a gastar, etc, etc

já estive nos 2 países na mesma viagem e vou tentar de dar um norte, fiquei mais ou menos 9 dias em cada país

adorei muito os 2 lugares, cape town foi uma das cidades que mais gostei no mundo. Achei a áfrica do sul um país barato , na cidade do cabo se come bem em lugares bons, com preços mais em conta se comparado com lugares similares no brasil. existe muitas opções de hoteis e hostels

o transporte na áfrica do sul é bem mais fácil, tem voos para vários lugares, onibus, ubers na cidade

 

a namibia é mais vazia, um dos países com menor densidade demográfica do mundo. as coisas lá são mais caras se comparadas com a áfrica do sul, as opçoes de hotel e hostel são bem menores

Minha viagem lá foi muito foda, aluguei um carro e por 9 dias rodei o país sozinho. foi uma das melhores trips que já fiz sem dúvida nehuma porém mesmo ficando 9 dias não conheci alguns lugares que queria, como o fish river canyon

 

fiz safari tanto no kruger quanto no etosha, que são as reservas mais famosas de cada país

Os 2 safaris foram muito bons, o kruger tem uma infra-estrutura muito melhor e no quesito ver animal, achei o kruger ligeiramente melhor, porém o etosha é mais afastado, bem mais vazio, dá MUITO mais aquela sensação de estar participando de algo do national geographic ou discovery channel. Em ambos os parques dormi dentro dos limites do mesmo, e no kruger os preços são mais em conta e tem quartos mais simples se comparados com o etosha. Além disso se você não quiser gastar mais dormindo dentro do parque, o kruger tem MUITO mais opcoes em volta da reserva e além disso muitas empresas oferecem safaris no estilo day-trip Outro ponto do kruger, como já falei acima, o etosha é mais afastado, e o transporte púbico na namibia é basicamente inexistente, então você teria que alugar um carro ou algum pacote fechado já saindo da capital. No kruger você chega de carro de johannesburgo e além disso tem vário aeroportos em volta e até dentro do kruger

 

outro ponto para se levar em conta que os voos entre a namibia e áfrica do sul, apesar da curta distância, não são tão baratos assim. Eu voei de Cape town para Windhoek, e depois voltei via Johanesburgo

 

eu recomendaria demais conhecer a namibia, agora quantos dias ficar e quanto gastar vai depender do seus planos. aí você tem que sentar montar um esboço de um roteiro e ver quanto ficaria. como falei, fiquei 9  dias na namibia e não conheci tudo que queria, o mesmo sobre a áfrica do sul, onde ainda pretendo voltar no futuro

Cara, que insana deve ter sido a sua trip. Então, o plano seria ficarmos 12 dias nos dois países. Tudo vai depender da promoção de passagens que a gente pegar.
Vc recomendaria mais dias na Namíbia ou na África do Sul (Cape Town), de acordo com a sua experiência? 
Deve morrer uns r$1000, pelo menos, nesse trajeto Windhoek x Cape, não? Outra coisa, leva muito tempo de Windhoek até Etosha? Vc teria a relação dos seus gastos?
No mais, valeu pelas dicas. Foi de grande ajuda já :)

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros
11 horas atrás, felipeffernandes disse:

Cara, que insana deve ter sido a sua trip. Então, o plano seria ficarmos 12 dias nos dois países. Tudo vai depender da promoção de passagens que a gente pegar.
Vc recomendaria mais dias na Namíbia ou na África do Sul (Cape Town), de acordo com a sua experiência? 
Deve morrer uns r$1000, pelo menos, nesse trajeto Windhoek x Cape, não? Outra coisa, leva muito tempo de Windhoek até Etosha? Vc teria a relação dos seus gastos?
No mais, valeu pelas dicas. Foi de grande ajuda já :)

vou mandar o que achei aqui dos meus gastos

1 diária no campo de okaukuejo no etosha foi 1270 dolares da namibia (N$), a diária no campo de halali foi N$1390. única refeição incluida era café da manhã. outras atividades como safaris guiados não são incluso. Além disso tinha uma taxa de preservação (algo assim) que tinha que pagar em dinheiro na hora do check in, a taxa é diária e vocÊ já paga quantos dias você vai ficar, não lembro o valor...

a diária do carro foi N$552 com seguro parcial (incluia acidentes e roubo), o seguro completo, que inclui proteção de rodas e vidros ficaria N$699. Aluguei um cruze pela hertz, existem opções de carro mais barato, porém lembra-se que na namibia é vazia, dirigia horas por estradas de terra e cascalho sem cruzar com outro carro, então optei por um carro maior, mais potente e mais seguro, porém existia opções como vw polo etc

diária do hostel em Windhoek: N$ 190 

 

diária do hotel próximo ao  sossuvlei:  N$ 600 sem qualquer refeição incluida . Lembrando que para visitar sossuvlei, deadvlei, duna 45 você precisa de um carro 4x4, então mesmo alugando um carro, se for fazer esses passeios, que são imperdiveis, vai ter que pagar um tour. Reservei pelo hotel que fiquei, mas não lembro o valor

esses são os únicos preços que encontrei aqui, infelizmente não costumo manter tabelas detalhadas como alguns fazem

 

O vôo entre cape town e windhoek, fiz uma simulação pra daqui 4 meses e tá saindo 1280 ida e volta.

 

O trajeto entre Windhoek até o portão de entrada do etosha são aprox. 4 horas. foi a melhor estrada de todas que peguei na viagem, toda asfaltada, fiz 2 paradas no caminho.

 

12 dias daria pra fazer sim se for ficar só em cape town na áfrica do sul, seria corrido, teria que ver muito bem pra odne ir

cape town é cheio de atrações tmb, na própria cidade e nas regioes proximas (vinicolas, mergulho com tubarão, cabo da boa esperança, etc) 

já ta contando os deslocamentos? Porque não tem voo direto entre brasil e cape town ou brasil - namibia, vai ter que fazer conexão em algum lugar (addis, luanda ou johanesburgo são os mais comuns) e dependendo do voo vai perder até 3 dias entre ir e voltar

 

muito bom lembrar dessa viagem, como já falei foi uma das melhores que fiz 

qualquer dúvida só mandar 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 3 semanas depois...

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Está pensando em fazer um mochilão pelos Estados Unidos? A América do Norte é um dos principais destinos para mochileiros. Com uma infinidade de regiões que apresentam paisagens e cenários deslumbrantes, você nunca vai ficar sem aventuras para buscar.
      Além dos gastos de um mochilão serem menores do que uma viagem normal, uma vivência imersiva como essa pode te beneficiar aumentando a sua bagagem cultural, fazendo novos amigos de estrada, te dando independência e um sentimento incrível de liberdade. 
      Se for sua primeira vez nos Estados Unidos, você precisará de um planejamento sério porque sua viagem será repleta de espontaneidade, emoção e novas experiências.
       
      Onde fazer mochilão na América em 2021?
      Primeiro, você pode querer fazer uma lista dos lugares que deseja visitar. Você pode fazer sua pesquisa ou perguntar a seus amigos mochileiros que já fizeram a mesma viagem antes.
      Se você precisa de recomendações sobre os melhores lugares para visitar durante um mochilão pela América, aqui está uma lista que pode ser útil:
       
         1. As melhores cidades dos EUA para visitar em 2021
      Se você estiver viajando para a América, aproveite a oportunidade de pousar em uma das mais conhecidas cidades do país. Pense em Nova York, Las Vegas e São Francisco.
      Pode ser um excelente ponto de partida antes de você fazer caminhadas, trekking e acampar. Uma ou duas noites nessas cidades já podem fazer uma grande diferença em sua jornada.
      Você também pode considerar tirar algumas horas do seu itinerário para visitar locais épicos próximos a essas cidades, como o Grand Canyon, que fica de duas a quatro horas de distância de Las Vegas ou Washington, e também fica perto da cidade de Nova York.
      Você pode reservar as passagens de ônibus da Greyhound com antecedência, assim você não terá que se preocupar em chegar a esses locais quando estiver na cidade.
       
         2. Lost Coast Trail no norte da Califórnia
      Se você decidir pousar em São Francisco, um dos destinos que você deve considerar é a Lost Coast Trail, na parte sul da área da baía. Se você está pronto para uma aventura na selva mas quer que ela seja relativamente curta, a Golden Coast da Califórnia é um dos melhores destinos para mochileiros que você deve adicionar à sua lista de desejos.
      As trilhas incluem Black Sands Beach, Mattole Beach e King Range National Conservation Area. Você sentirá o gostinho das dunas de areia e da escalada rochosa, o que é o tipo certo de experiência de mochilão para iniciantes.
       
         3. Parque Nacional Glacier em Montana
      O Parque Nacional Glacier é outro destino para mochileiros que você não deve perder ao viajar pela América. Com mais de 1.100 quilômetros de trilhas para caminhadas, lagos espetaculares, florestas intocadas e montanhas escarpadas, não há razão para não amar e não considerar a geleira como um paraíso definitivo para os caminhantes.
      Alguns dos melhores cenários que você pode querer conferir são o Muro e Túnel de Ptarmigan, a Trilha Highline, a Corrida de Eagle Falls e a Trilha dos Cedros. Se você planeja passar uma ou duas noites no sertão da Geleira, lembre-se de primeiro dar uma passada em um dos postos da guarda-florestal, como o escritório do interior do Apgar, para conseguir uma licença.
       
        Continue lendo em: Mochilão nos EUA: Os 5 Melhores Lugares para Visitar em 2021
    • Por arielbrothers
      E estamos de volta pessoal! Para quem não nos conhece, eu e minha esposa recentemente aproveitamos a pandemia e a impossibilidade de viajar e lançamos um blog das nossas viagens antigas. O blog é osmochilinhas.com, mas também iremos postar na íntegra os relatos aqui. E chegou a hora de falarmos da nossa viagem para a África do Sul em 2017. Os relatos são em forma de diário e eu costumo escrever bastante hehehehe. Para quem quer só pegar as dicas, mapas e preços (embora defasados) das cidades e atrações visitadas, pode pular direto para o post de resumo. Sem mais delongas, segue o relato:
      ÁFRICA DO SUL 1º Dia - Chegando em Joanesburgo e partindo rumo à Neilspruit (14/11/2017)
       
      Começou em 2017, e nos anos posteriores, diversas promoções para a África do Sul. Desde antes da Copa do Mundo que ocorreu lá em 2010, por toda sua história, grande parte dela muito triste, era um país que entrou nos meus planos e, em 2017, aproveitamos o início das promoções para realizar esse sonho. A média das passagens estava em torno de R$1.700 ida e volta saindo de São Paulo. Como infelizmente não moramos em São Paulo e comprar o trecho até lá separado iria sair pelo mesmo preço, compramos a passagem inteira Porto Alegre - São Paulo - Joanesburgo por 2.100 reais. Mal sabíamos que alguns anos depois sairiam outras promoções com preços de até 1.200 reais ida e volta de São Paulo!
      Depois de um dia inteiro viajando, chegamos em Joanesburgo dia 14 de novembro às 9h da manhã no Aeroporto OR Tambo, um dos maiores aeroportos da África (que não é um país) e principal hub do continente, uma das diversas vezes que passaríamos por este aeroporto durante nossa viagem.
        Partindo para mais uma aventura!
      A imigração foi bem tranquila, brasileiros não precisam de visto para a África do Sul e, após algumas perguntas básicas pelo agente da imigração, depois que falei que era funcionário público nos passaram na hora com um grande sorriso: "welcome to south africa".     Welcome to South Africa!
        A fim de não perder nenhum dia no nosso corrido roteiro e também de economizar transporte do aeroporto para a cidade, visto que ele fica bem afastado do centro, já seguimos direto do aeroporto em direção ao Kruger Park, deixando pra conhecer Joanesburgo na volta de lá (e assim poupar ter que duas vezes até o aeroporto para retirar o carro alugado). O transporte intermunicipal público na África do Sul, além de não ser muito organizado em questão de horários das linhas de ônibus, não compensa em questão de valores para duas pessoas (às vezes até para uma), em comparação a alugar um carro. Alugar um carro na África do Sul é muito barato, gasolina também por lá é bastante barato, bem mais barato do que se fossemos utilizar o transporte público, além do que as rodovias na África do Sul são espetaculares, padrão de primeiro mundo e a prática de aluguel de carros é uma coisa bastante popular e utilizada por todos, principalmente estrangeiros que visitam o país.
      Já deixamos o carro reservado e pago aqui do Brasil mesmo pelo site rentalcars.com, o melhor site para aluguel de carros na África do Sul junto com o rentcars.com. E vale a pena reservar com antecedência e através do próprio site, que contempla diversas locadoras pelo mundo, tanto pelos descontos que se consegue, quanto pela praticidade.
      No aeroporto, trocamos alguns Dólares por Rands, a moeda sul-africana. Como a cotação era boa (embora cobrassem uma pequena taxa) e davam uma garantia de devolução dos Rands ao fim da viagem pela mesma cotação da compra, já trocamos o suficiente para nossas despesas até que voltássemos para Joanesburgo (no fim sobrou até chegarmos em Cape Town). Dinheiro trocado, nos dirigimos então para o guichê da locadora de carros da companhia Budget.
      Como dito, pela popularidade do aluguel de carros no país, a fila para retirar o carro é grande. A maioria do pessoal que desembarca no OR Tambo a primeira coisa que faz é se dirigir para as locadoras. Quando chegou nossa vez, já de cara nos deparamos com uma grande característica dos sul-africanos: o inglês com sotaque carregado. Acho que foi o país que visitamos que mais tivemos dificuldade de compreender o inglês de certas pessoas na rua, e isso que é a língua oficial do país (ou talvez exatamente por isso, já que o inglês deles foi se moldando ao longo dos anos à sua maneira de falar). Na verdade, o país conta com 11 línguas oficiais, além de outras tantas reconhecidas e, como ficamos sabendo mais tarde, o inglês é usado apenas como "língua comum", utilizada somente quando precisam se comunicar com alguém que não entende a mesma língua que a pessoa, praticamente os estrangeiros só (nota-se inclusive um certo desdém pelo inglês). Resumindo, tivemos bastante dificuldade de entender todas as instruções do atendente da locadora mas no fim deu tudo certo. Conseguimos inclusive escapar do golpe do GPS: o atendente informou que era 30 reais a mais o aluguel do GPS. Quando íamos fechar o valor, descobrimos que esse valor era por dia, e recusamos.
      Outra característica que nos chamou atenção na prestação de serviços sul-africana é a confiança. Quando nos passou os documentos do carro, já nos foi avisado os locais onde o carro tinha pequenos arranhões e, depois na devolução não há uma inspeção minuciosa, tu simplesmente estaciona o carro na garagem e põe a chave numa caixa de devolução. Também só nos foi informado o local do carro e fomos sozinhos até a garagem, onde ficam todas as chaves nas respectivas ignições (o que no fim fez a gente demorar um pouquinho para achar o nosso hehehehe).
      Dá pra fazer em qualquer DETRAN do Brasil, variando de estado para estado a forma de fazer e a taxa de emissão (no RS por exemplo, bastava na época somente pagar uma taxa de R$60,00). Superadas as tarefas burocráticas de início de viagem, iriamos enfrentar então um dos maiores desafios dessa viagem: dirigir um carro na mão inglesa pela primeira vez. O mais difícil não é nem trocar as marchas com a mão direita, e sim se orientar na faixa contrária do trânsito, com os cruzamentos invertidos (bem bizarro). Como a Juliana é motorista profissional, ela foi a que experimentou primeiro o desafio. Na infinidade de cruzamentos e viadutos da saída do aeroporto fomos se guiando somente pelas placas, já que nosso GPS off-line do maps.me ainda não havia carregado o mapa da cidade, mas foi tranquilo. Quando chegamos na auto estrada propriamente o GPS começou a funcionar e aí nos tranquilizamos e seguimos rumo à Neilspruit.     Rindo, mas de nervosos
      Mas porque Neilspruit se nosso objetivo em ir para o leste era visitar o Kruger Park? Os turistas mais experientes, chegando no horário que chegamos normalmente pegam o carro e fazem os 400 km que separam o aeroporto OR Tambo do Kruger Park em umas 3 horas (devido a excelente qualidade das estradas), chegando no parque ainda antes do horário do check in às 14 horas. Mas nós, sabendo dos nossos limites, tanto físicos quanto à questão de ter que se adaptar à mão inglesa, já prevíamos que iríamos chegar no parque lá pelo final da tarde e, embora o parque feche os portões às 17h, mesmo que chegássemos a tempo de pegar os portões abertos, iríamos "perder" um dia inteiro de parque e uma diária à toa, o que não é barato. Optamos então por pousar essa primeira noite em Neilspruit, umas das cidades bases de quem visita o Kruger e a que encontramos a hospedagem mais barata e, assim no outro dia sair bem cedo e aproveitar de bônus uma manhã inteira no parque. Inclusive, muitos viajantes fazem isso, não se hospedam dentro do parque e sim nas cidades ao redor, somente visitando-o durante o dia. Voltando à estrada, como já havia comentado, as auto estradas sul-africanas são espetaculares! Muito bem asfaltadas, sinalizadas e com várias pistas largas. O limite de velocidade é 120 km/h que dá pra se alcançar sem nem perceber, até com o nosso carrinho alugado Hyundai 1.0.
          Espetaculares estradas sul-africanas
      Também, a manutenção é ininterrupta. Cada mínima rachadura no asfalto que avistávamos no caminho já havia toda uma equipe de manutenção sempre numerosa a postos para consertar (o que acaba atrasando um pouco a viagem até hehehe).   Qualquer buraquinho na pista já tem uma galera pra consertar
      O problema é que conta com muitos e caros pedágios (chegamos a pagar o equivalente a 38 reais em um). Mas como o aluguel de carro e a gasolina é barata (na época estava na média de 13 Rands o litro, um pouco mais de 3 reais), nós brasileiros não podemos reclamar. A paisagem é plana com muitos campos e poucas belezas naturais como árvores e rio. O que mais nos chamou a atenção são as muitas usinas termoelétricas no caminho, com aquelas chaminés típicas de usinas nucleares e muitos conjuntos habitacionais que foram construídos por Nelson Mandela durante seu mandato presidencial, aos moldes dos conjuntos habitacionais do minha casa minha vida aqui no Brasil (bem parecidas as construções inclusive).
              Muitas usinas termoelétricas e conjuntos habitacionais pelo caminho
      Já com mais de duas horas de viagem, paramos para comer num paradouro na beira da estrada. O paradouro que parecia um mini shopping, nos revelou outra característica do país: a infestação de fast foods internacionais! Dificilmente se encontra algum restaurante ou lanchonete caseiro ou local, a não ser em nível bem rudimentar de bairro mesmo. A maioria ou é fast food ou é aqueles restaurantes gourmet (que acabam tendo preços em conta pra nós brasileiros). Sendo assim, comemos uma fatia de pizza numa lanchonete estilo domino´s de "almoço". Depois de almoçados, seguimos viagem agora com a minha vez de experimentar a direção. Se com carros "normais" já não tenho muita habilidade para dirigir, com mão inglesa então... Toda hora batia a minha mão esquerda no vidro procurando a manopla de câmbio para trocar a marcha hahahaha. Seguindo a 80 km/h numa estrada que permite até 120, umas 3 horas depois chegamos finalmente em Neilspruit.
      A cidade tem um certo ar de interior misturado com cidade grande. Para quem é do RS, pode-se comparar com a cidade de Caxias por exemplo. Apesar de contar com ruas limpas e bem organizadas, conseguimos achar nossa pousada somente com a ajuda do GPS, já que ficava numa zona residencial bem "escondida" e chegamos já quase no final da tarde. Com os ombros destroçados de tão tensos de dirigir do lado errado da estrada tantas horas, nem fizemos check in e já pedimos direto duas cervejas superfaturadas no bar do hostel para tomar.
      Experimentamos de cara as duas cervejas mais populares do país: a Castle e a Black Label. Muito boas! Aliás, as cervejas e vinhos da África do Sul estão ainda hoje em 1º lugar no nosso ranking das bebidas que tomamos fora do Brasil.
      Castle, principal cerveja da África do Sul   A pousada que escolhemos foi a Old Vic Travellers Inn, essencialmente pelo preço, já que iriamos só passar a noite mesmo. No entanto, essa pousada fica numa área com bastante verde, aos fundos da reserva natural de Neilspruit, com casas de madeira de vários andares que permitem uma vista privilegiada de toda a natureza da região e com bastante áreas comuns externas super agradáveis para se reunir, fazer um churrasco ou tomar uma coisinha em volta da fogueira à noite. Lugar perfeito para se relaxar por uns vários dias.
        Pousada Old Vic Travellers Inn
      E a pousada é mais voltada para relaxar mesmo, não tendo nenhuma pretensão de ser um hostel, contando somente com um quarto compartilhado, que foi o que nós ficamos. Pegamos nossos latões então (lá na África do Sul os latões vem com 500 ml) e sentamos numas espreguiçadeiras na varanda com vista para a área verde para desestressar da viagem de carro.     Descansando um pouquinho
      Feito o check in na pousada, perguntamos para o dono, Dave, um australiano (ou neo zelândes, não lembro) apaixonado por safáris, o que se percebe pelas milhares de fotos dele espalhados pelo local, se havia algum mercado próximo onde pudéssemos comprar nossa janta. Mostrando conhecer o Brasil, ele nos explicou que, diferente do nosso país, na África do Sul não existem mercadinhos de bairro a cada esquina. Na mesma linha dos restaurantes e lanchonetes no país, este nicho é dominado quase que exclusivamente por grandes franquias de supermercados (e são gigantes mesmo os supermercados na África do Sul) sendo estes as mega franquias SPAR, Checkers, Choppies, Pic n Pay (este o mais "popular"), entre outros. Além disso, lá tudo fecha muito cedo, em média 17h da tarde a maioria do comércio já encerrou suas atividades. Pensávamos que isso acontecia somente ali por se tratar de uma cidade do interior mas depois descobriríamos que é dessa forma em todo o país, inclusive em cidades grandes como Joanesburgo e Cape Town. Sabendo já que não teríamos janta, fomos conhecer o resto das áreas da pousada. Descendo a parte de trás da casa principal, mais área verde e, inclusive, descobrimos um "mini-zoológico" por ali com algumas aves, tartarugas, coelhos e vários filhotes de avestruzes, além de um lagarto gigantesco!
          "Mini zoo" dentro da área da pousada
      Também tinha uma piscina bem bonita e convidativa, com algumas fontes na borda e numa área bem privativa. Só que, como fica no meio das árvores, não batia sol, fazendo a água ser muito gelada ainda mais já no começo de noite. Mesmo assim, a Juju encarou o mergulho (já que estávamos pagando né hehehe).       Piscininha show de bola!
      Apesar dos vários recantos agradáveis na área externa, mal caiu a noite e a pousada parecia ter virado uma casa fantasma (pra quem tá acostumado com hostels né... estranha), inclusive com as luzes do pátio todas apagadas. Sem nada pra fazer e com o frio que fazia à noite, comemos umas barrinhas de cereais que trouxemos na mochila só pra não dizer que fomos dormir de barriga vazia e nos recolhemos, a ideia era acordar bem cedo para seguir rumo ao Kruger Park!
      Nosso Quarto
    • Por Diogo Rodrigues
      Oi Pessoal!
      Meu nome é Diogo, e queria apresentar o meu canal no Youtube e site chamado "Uma Câmera na Mão e o Pé na Estrada"
      Nele mostro locais na natureza, trilhas, praias, cachoeiras, permacultura, e muitas outras experiências, sempre prezando pelo meio ambiente, e com a interação com o mesmo.
      Convido a quem quiser, se inscrever no canal, isso ajuda muito a mim, e além de entregar os vídeos novos pra quem se inscreve.
       
      "Quanto mais os anos passam, fico mais medroso, coloco a culpa na correria, no cansaço, ou no trabalho, mas eu tento sempre me forçar a arriscar, porque no momento que saio de casa pra fazer o que quero, tudo faz sentido. Eu quero chegar na velhice ainda fazendo coisas pela primeira vez."
       

      Endereço do canal: www.youtube.com/umacameraviagens
       
       
      Alguns vídeos do canal:
       
       
       
       
       
       
      Algumas fotos:

       

       

       

       

      Valeu pessoal, espero que gostem!
    • Por EletricFeel
      Oi, gente. Tudo bem?
      Nunca viajei por conta própria então tô arrancando minha cabeça de tanto coçar, cheia de dúvidas kkk
      Eu planejo ficar 24 dias na Grécia, entre jun/jul de 2022 (claro que isso é só se a pandemia estiver controlada)
      Meu desejo é ficar alguns dias em Atenas, Tessalônica, Milos, Santorini e nos meus últimos 4 dias, passar em Istambul.
      Quero muito conhecer Delfos também e queria passar pela ilha de Delos (existe alguma forma de ir sem ser saindo de Mykonos?)
      Em Tessalônica eu não terei gasto com hospedagem nem transporte, pois vou ficar na casa de alguns parentes (e acredito que ficarei 1 semana em média com eles, pois eles planejam fazer alguns passeios comigo)
      Eu não ligaria de cozinhar minha própria comida nos hostels, mas quero experimentar a comida local em alguns restaurantes bem típicos (típico mesmo, onde os locais costumam comer)
      Eu não tenho um roteiro muito certo, mas Atenas, Tessalônica, Milos, Santorini, Istambul e Delfos e Delos precisam estar nele
      O problema é que vou ter apenas 12 mil reais, vocês acham que dá? Que roteiros vocês me sugerem? Dicas pra economizar, etc?
      PFVR gente, eu me sinto muito perdida kkk 
    • Por Breno Medrado
      Como está as restrições do covid para os países do mercosul? ainda tem muita coisa fechada ? E o movimento? Já tem muito gringo voltando a fazer esse roteiro Bolívia Peru e Chile ?? Algum de vocês fez essa viagem tem pouco tempo?? Um abraçp
×
×
  • Criar Novo...