Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Natalia Guarino

Tour por algumas cidade de RS e SC - de Porto Alegre a Urubici

Posts Recomendados

Olá amigos, 

Primeiramente quero informar que este é o meu primeiro relato de viagem aqui no Mochileiros.

Sabe aqueles dias em que você se sente um pouco entediado e pensa “Nossa, acho que eu precisava conhecer um lugar novo e ver pessoas que nunca vi”. Bom, acho que pra quem gosta de viajar essa reflexão provavelmente tem com certa frequência.

Foi exatamente assim que essa viagem começou...logo já entrei em contato com uma amiga, e ela falou que entraria em férias em duas semanas (estávamos no final de Abril/2016), e que topava ir! E essa foi nossa primeira viagem que iríamos apenas nós duas.

Logo já começamos discutir possibilidades de destino, ela falou que gostaria de ir pra algum lugar de clima frio, eu pensei no Chile, mas ela falou que gostaria de ir para o sul do país, eu particularmente já conhecia a cidade de Gramado e Canela, porém na época de Natal (época que também é fantástica em Gramado), mas a cidade de Gramado é mágica e sempre vale um repeteco, então decidimos que iríamos fazer um roteiro por algumas cidades do Sul.

O primeiro detalhe foi pensar nas passagens, pesquisamos pelas várias companhias que realizam voos entre São Paulo (seja VCP, CGH ou GRU) a Porto Alegre (POA), acabamos optando pela Gol, pois a ida compramos com milhas que eu tinha e a volta ela comprou.

Fechamos o aluguel de carro pela “Foco”, melhor preço (R$ 604 para diárias com condutor adicional, seguros para terceiros e seguro com co-participação do dia 19 às 14:20 ao dia 27 às 7:15) e o atendimento também foi bom, principalmente quando tivemos um probleminha que contarei mais adiante. Fechamos os hotéis pelo “Booking” (super recomendo, pois nunca tive problemas) e o hotel de Canela  compramos por uma promoção pelo site “Laçador de ofertas” (site de compra coletiva do Sul, também recomendo pois tudo que compramos deu certo).

Partida 19/05/2017

Saímos de Rio Claro (SP) bem cedo, pois nunca sabemos o que espera do transito de São Paulo, no fim chegamos no estacionamento próximo ao aeroporto de Congonhas bem próximo a 1 hora de antecedência antes do voo,  decolamos e em apenas 1 hora e pouquinho já estávamos em Porto Alegre, chegamos no começo da tarde e estava bem friozinho lá.

Lá em Porto Alegre avisamos a locadora de veículos que havíamos chegado, logo já chegaram e nos levaram para retirar o carro, optamos apenas pelo seguro de terceiro e não contratamos o seguro total, pois aumentaria uns quarenta e poucos reais por diária. Lá vamos nós né...eu que fui dirigindo, apenas no sair da locadora já foi possível notar que os gaúchos dirigem de uma forma bem acelerada e adoram uma buzina hahahah.

Fomos almoçar uns pastéis uruguaios que havíamos comprado pela compra coletiva e passeamos pelo arredor, logo após fomos para o hotel Garibaldi fizemos o check-in, e saímos fomos andar nos Antiquários, no Centro Histórico (ruas José do Patrocínio, Coronel Fernando Machado e Marechal Floriano Peixoto), e depois fomos ao Parque Farroupilha que é lindo! E a noite fomos à um barzinho requintado chamado ”Dado Pub” no bairro Moinhos de Vento.

20160519_174420.thumb.jpg.2c4b0c58759049ac1798fc1ea2e246e6.jpg

 

2º dia

Fomos almoçar no Mercado Público e ficamos andando no centro. Sobre Porto Alegre não vimos muitas coisas turísticas para se fazer, a cidade tem seus pontos bonitos, mas não deixa de ser uma capital com seus problemas, durante esses 2 dias que ficamos lá levamos dois sustos, um no centro em que estávamos na porta de loja e ouvimos um tiro, aparentemente nada aconteceu, mas por precaução entramos  na loja e ficamos dando uma enrolada lá, só pra garantir e a outra vez estávamos de carro e um andarilho ameaçou jogar seu carrinho de supermercado na nossa direção.

E a noite usamos outro cupom de compra coletiva pra ir jantar em um restaurante no bairro de Pedra Redonda chamado “La Piedra”,uma delícia pedimos um prato de peixe Saint Peter com risoto de funghi, decoração diferenciada e após o jantar saímos na parte externa apesar do frio e do vento que estava, durante o dia a vista deve ser maravilhosa pois o restaurante fica bem na beira do lago Guaíba. Na volta paramos para tirar foto do Estádio José Pinheiro Borda, conhecido como Gigante da Beira-Rio (localizado às margens do lago Guaíba) é um estádio de futebol pertencente ao Internacional, localizado às margens do lago Guaíba.

IMG-20160523-WA0035.thumb.jpg.7ecfcb6d53a1b97aca9bdf0fd896de1b.jpg

3º dia

Tomamos café e saímos cedinho do hotel com destino à Gramado, paramos em Novo Hamburgo no “Fashion Outlet” onde compramos algumas coisinhas, perto da hora do almoço chegamos a Gramado e fomos almoçar na “A Mina”, almoço gostoso e bem caseiro, e também visitamos à Mina de Pedras Preciosas e conhecer a loja, também usamos cupom. A chegada à cidade já foi emocionante demais, pois um carro sem condutor começou a descer e bateu no nosso carro, pegamos o telefone da pessoa e o contato do seguro dela e a noite o segurador foi leva no hotel todos os dados e papéis, caso a locadora cobrasse de nós.

20160521_133930.thumb.jpg.08b6bd10a8a81580e531cfe14d7a8317.jpg

E fomos conhecer as lojas de chocolate ao longo da avenida das Hortênsias, uma mais linda que a outra e um chocolate mais gostoso que o outro, porém ao sair de uma das lojas a neblina estava muito densa e acabamos ralando a porta esquerda do Celtinha em um poste. E fomos para a pousada “Villa Allegro” em Canela, onde devido aos ocorridos do dia resolvemos ficar por lá e pedir uma pizza pra jantar.

4º dia

Acordamos cedo, tomamos café e pegamos nossas malas, fomos para o centro de Gramado, aliás é maravilhoso, as construções e os jardins, passamos por mais algumas lojas de chocolate. Almoçamos na “Alemanha Encantada”, também compramos cupom e tem que agendar, almoço gostoso com chopp típico alemão e subimos na torre e conseguimos ver Gramado de cima. Apesar da garoa fomos ver o Lago Negro e a tarde fomos fazer o passeio no “Mundo Gelado” que também já havíamos comprado pela compra coletiva, muito legal, mas é rápido.

20160522_125054.thumb.jpg.dc113f809eb72da324cd270a9cc8dbf7.jpg

20160521_161919.thumb.jpg.7aabd2b5f0eded3c3b77b9db1f3e9dba.jpg

Ai fomos conhecer o centro de Canela e a Catedral de Pedra em Canela, nesse dia tivemos que trocar de hotel, pois como acabamos reservando muito próximo a viagem e tinha um evento na cidade não conseguimos estadia para os 2 dias em um mesmo hotel, então nesse segundo dia ficamos no hotel “Grande Hotel Canela”, fizemos o check-in, um dos colaboradores do hotel falou que dia seguinte faria muito frio, como no nosso dia seguinte iríamos para Urubici, ficamos entusiasmada com a possibilidade de ver neve. Nos arrumamos e saímos pois esse era o dia de ir no fondue, fomos no “La Divina” pois já havíamos também comprado pela site de compra coletiva, o fondue de carne na pedra faz toda a diferença, é bem mais gostoso do que quando é frito, também comemos o fondue de queijo e como sobremesa não pode faltar o fondue de chocolate. Após as comilanças voltamos para o hotel.

5º dia

Acordamos cedo, tomamos café de leve e andamos pelo hotel para conhecer, que por sinal é muito bonito. Era segunda, como ainda estávamos um tanto preocupadas com o estrago na porta do carro fomos até uma concessionária da Chevrolet pedir um orçamento de quanto ficava pra arrumar a porta, para pelo menos ter noção do preço, pra ver se a locadora não cobraria um preço absurdo.

Às 11 no horário que já começavam a servir o café colonial fomos para o “Coelho Café colonial”, também já havíamos comprado, a quantidade de coisas que se serve nos café coloniais de lá é insana, é realmente muita diversidade pra se comer. E assim com a barriga cheia pegamos estrada rumo a Urubici, indo pela BR-101 próximo as cidade de praias, pois havíamos perguntado a várias pessoas de como era a estrada por dentro e todas falaram que apesar de mais longe era melhor irmos pela BR-101, eu fiquei um pouco chateada, pois a minha intenção era conhecer dois caminhos diferentes, mas como não conhecíamos acabamos acatando a opinião das pessoas.

Como acabamos saindo já era às 13 horas acabamos atrasando um poquinho, e chegamos à Serra do Rio do rastro já era fim de tarde, porém como quase não havia movimento na serra foi tempo suficiente para nós subirmos tranquilas admirando a vista que é maravilhosa, porém até chegar em Urubici ainda tínhamos mais 80 km para fazer no escuro e a lua não estava colaborando com a visibilidade nesse dia, infelizmente acabamos acertando um buraco, em que apenas quando chegamos no hotel vimos que um pedacinho da nossa calota havia quebrado e a roda havia entortado um pouco, e o pneu estava um tanto murcho.

Após quase sete horas cansativas na estrada conseguimos chegar no hotel em Urubici, “Pousada Recanto da Serra” que eu reservei pelo site Booking, a pousada fica dentro da cidade e apesar de não ter nada de especial é bem charmosa, nova e limpa; mas  simplesmente tomamos banho e dormimos.

6º dia

Acordamos cedo, tomamos café e para termina nossa onda de azar, fomos pegar o carro e o pneu estava bem murcho, falamos com o dono da pousada e ele nos indicou um lugar para arrumar, como era a apenas uns 3 quarteirões dali, levamos o carro lá, ele desentortou a roda, encheu o pneu e tivemos que comprar uma calota nova.

Após o drama do dia, pegamos nossas coisas e fomos na “cachoeira do Avencal”, e depois apenas pegamos um salgado pra comer e até a cidade de São Joaquim para fazer a visita guiada na vinícola “Villa Francioni”, muito bonita e os vinhos de lá são muito bons.

20160524_153205.thumb.jpg.93a6863c4127d6ad6f1efe7812870afd.jpg

E após a visitação pé na estrada, pois desceríamos rumo a Laguna, paramos para admirar a Serra do Rio do Rastro de cima e é possível até avistar o mar lá de cima, e descemos a serra, chegamos a Laguna já era de noite e infelizmente nosso hotel “Atlântico Sul” estava sem água, mas enquanto essa situação se regularizava fomos jantar. Depois voltamos, pudemos tomar banho e dormir.

7º dia

Acordamos, tomamos café e fomos dar uma voltinha nas lojinhas ali perto do hotel, ai pegamos nossas coisas e fomos ver na beira da praia tem um píer que fala que é realizada pesca artesanal com auxílio dos golfinhos, se eles ajudam eu não sei, mas que eles ficam lá, isso eles ficam e é um espetáculo ficar admirando eles nadando.

Pegamos a estrada e fomos rumo a Torres, no caminho paramos para almoçar e também paramos em um shopping e em uma grande loja de sapatos, e tivemos que comprar uma bolsa de mão para trazermos os chocolates e queijos que havíamos comprado em Gramado.

Conhecemos as belas praias Torres, a praia da Guarita, O morro do meio e o Morro do Farol, com enormes penhascos e falésias a beira mar, fazendo a paisagem ficar única e deslumbrando. Após demos uma voltinha beira ao rio Mampituba e fomos para o Hotel “Pousada Molhes da Barra” que ficava ali perto, que eu reservei com o próprio hotel mesmo, uma gracinha o hotel, começamos a dar uma organizada na nossa mala e depois nos arrumamos e fomos jantar no restaurante “Beira Rio”  próximo dali mesmo que fomo de a pé, e apreciamos a vista do rio a noite. Ai voltamos para o hotel e dormimos.

8º dia

Acordamos, tomamos café e seguimos rumo ao Cânion Itaimbezinho no Parque Nacional de Aparados da Serra, localizado na cidade de Cambará do Sul, a estrada é bem ruim, mas devagar chegamos lá, e a vista de seus paredões verticais cobertos pelas araucárias vale totalmente o esforço de chegar lá. 

20160526_110128.thumb.jpg.bd090f7d6d0436afc96274474ff52dba.jpg

Ai seguimos de volta para Porto Alegre e nos hospedamos novamente no Hotel Garibaldi e a noite saímos jantar um delicioso Entrecort no Bar e restaurante ”Vila” no bairro Moinhos de Vento. Voltamos ao hotel, organizamos tudo em nossas malas, pois no dia seguinte o nosso voo era na parte da manhã e dormimos

9º dia e volta pra casa

Acordamos cedo, tomamos café e carregamos o carro para partir, fomos até a locadora, resolvemos com eles a questão da porta que por nossa sorte cobrou um terço do valor que havíamos orçado, após acertar todos os detalhes, eles levaram a gente para o aeroporto Salgado Filho (POA) e voando de volta pra São Paulo encerramos a nossa aventura por algumas cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Legal, fiz isso  tb em 2017 porem de carro saindo de Sao Vicente Sp e  fui em varias  cidades do RS que quase nem aparece no mapa... e tem muito lugar bom no RS q  vale a pena conhecer, menos Gramado e  canela essas duas nao volto ... cidade  feita pra turista  gastar dinheiro..

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, Thiago!!

Esses passeios de ir passsando por vários lugares são meus preferidos, *-* com certeza deve haver muitas cidade bonitas em RS! Ah sim....Gramado e Canela são bem turísticas né, e ai acaba sendo uma cidade bem mais cara né, pois eles aproveitam da situação., uma vez fui na época de Natal, nossa...achei um absurdo, de caro hahahaha...

É claro tem uma pequena grande lista na frente, pra depois começar repetir passeio rs rs.....mas mesmo assim, eu voltaria pra Gramado/ Canela. =) 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Diego Minatel
      "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.”
      Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?"
      De pernas pro ar, Eduardo Galeano
       
       
       O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García
      Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão.

      Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. 

      Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minha histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível.
      Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras!
      Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin  Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino  Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta e os reencontros Parte 16 - Reflexões
    • Por Luiza Salles
      Eu e uma amiga estamos planejando mochilão de Porto Alegre-RS para o Uruguai com partida entre os dias 08/02 e 12/02. Estamos em busca de carona até a fronteira, ou até alguma cidade por lá. Podemos contribuir um pouco com a gasolina, mas o orçamento é apertado. Aceito dicas de roteiro, camping, locais baratos para alimentação, custos e também companhias. 
    • Por MARCELO.RV
      Olá pessoal, começando aqui mais um relato da minha segunda viagem pela América do Sul, rodamos 30 dias, saímos de casa dia 22/12 e chegamos dia 21/01, somos eu, minha esposa e minha filha de 13 anos, vou tentar detalhar o que for mais relevante para os viajantes. Em relação a preços, por onde passamos tem hotéis, hostels e campings para todos os gostos e preços, então esta parte aconselho uma boa pesquisa para adequar melhor o orçamento ao estilo da viagem, o que foi bom e barato pra mim talvez não seja para outra pessoa e vice-e-versa, todas as minhas reservas foram feitas pelo Booking e pelo AirBnB, e outros não reservei, cheguei na hora e procurei ou pesquisei antes pela internet e já fui como uma referência. Vale lembrar que viajo com criança, então todo meu planejamento tento considerar no máximo 2 dias seguidos de estrada, senão fica desgastante demais, na parte final da viagem tocamos 6 dias direto, mas não tivemos muita alternativa e vou contar no decorrer do relato. Todos os valores que eu colocar serão em reais, abaixo algumas informações:
      Equipamentos: cambão, extintor, kit primeiros socorros, 2 triângulos, carta verde(Argentina e Uruguai, fiz com a Sul América, 156,00 para 30 dias), Soapex(Chile, faz no site da HDI, super tranquilo a 11 dólares) e colete reflexivo, levem todos, fui roubado em 100,00 por causa do colete, situação que vou narrar abaixo.
      Gasolina: Na minha região o preço estava 4,79 o litro, abasteci em São Paulo a 3,83, em Gramado o preço chegou a 5,00, então não abasteci lá, voltei a abastecer novamente a 4,69 depois de descer a serra. Na Argentina região de Federación 4,59 e descendo rumo a patagônia por volta de 3,35, na patagônia o governo dá um subsídio para a gasolina, então é mais barata.
      Nossa rota principal foi : Gramado/Canela, Federación, Bariloche, Pucón, Puerto Varas, El Chaltén e El Calafate, mas ao longo de toda a rota tivemos diversos lugares interessantes.
      1º dia 22/12 – Cons. Lafaiete – MG X Curitiba – 1000km – Apenas deslocamento, sem nada de atrativo na estrada, ficamos preocupados em passar por São Paulo sendo véspera de feriado, mas correu bem, sem congestionamento que era o meu medo. Basicamente saindo da minha cidade pego a Fernão Dias em Carmópolis de Minas e depois de São Paulo a Régis até Curitiba.
      2º dia 23/12 – Curitiba X Canela – 734 km – Dia também para deslocamento, sem muita coisa, apenas estrada.
      3º dia 24/12 –  Canela – Coloquei no planejamento ficar em Canela e passear em Gramado que estava espetacular por causa do Natal Luz, conseguimos uma apartamento montado por 710,00 as 2 diárias, pela época o preço foi razoável, e o lugar muito bom. Subimos a serra que é muito bonita e pouco antes de Canela a estrada começa e ficar florida com belas plantações de hortênsias.
      Apart em canela https://booki.ng/2G1d7yq
       



















    • Por Diego Minatel
      Para mim é algo realmente complicado traduzir em palavras os momentos vividos nos dias da minha viagem. Viagem esta que não se traduz num simples mochilão ou turismo de longa duração. Foi o encontro de uma pessoa comum com seu sonho de andar por terras que tanto o inspiraram, terras mãe da esperança, terras de homens e mulheres feitos de histórias e de coração, corações gigantescos. O sentimento que fica depois de quase seis meses na estrada é o de gratidão, do agradecimento as infinitas pessoas que ajudaram esse pobre viajante das mil e uma maneiras possíveis, para vocês meu muito obrigado.

      Foto 1 - A companheira de viagem
      Tinha uma vida igual a tantas outras, era bem razoável por sinal, mas a vontade de caminhar e estar frente a frente com o novo me atormentava todos os dias. Queria conhecer com meus olhos as diferenças, os sotaques, as comidas, as belezas. Desejava não ter pressa, fazer tudo no seu tempo necessário, não estar preso a rotina dos dias e principalmente aprender. Sim, aprender, não com fórmulas prontas e nem sentado dentro de uma sala de aula. Queria aprender com experiências. Queria conhecer pessoas. De alguma forma queria fugir da minha vida cotidiana, não por ela ser ruim, mas pelo desejo de se conhecer e assim, quem sabe, voltar uma pessoa melhor. Quando esse sentimento passou a ser insuportável decidi que tinha que partir.
      Por um ano ajuntei algum dinheiro, queria ficar seis meses na estrada. A grana não era o suficiente, mas suficiente era a minha vontade. Dei um ponto final no trabalho. Abri o mapa e não tinha ideia por onde começar. Decidi não ter um roteiro, apesar de ter muitos lugares em que eu queria estar.
      Assim começa a minha história (poderia ser de qualquer um). O relato está dividido da seguinte forma:
      Parte 1: de Rio Claro ao Vale do Itajaí
      Parte 2: Cânions do Sul
      Parte 3: de Torres a Chuí
      Parte 4: Uruguai
      Parte 5: da região das Missões a Chapecó
      Parte 6: Chapada dos Veadeiros e Brasília
      Parte 7: Chapada dos Guimarães
      Parte 8: Rondônia
      Parte 9: Pelas terras de Chico Mendes, Acre
      Parte 10: Viajando pelo rio Madeira
      Parte 11: de Manaus a Roraima
      Parte 12: Monte Roraima y un poquito de Venezuela
      Parte 13: Viajando pelo rio Amazonas
      Parte 14: Ilha de Marajó e Belém
      Parte 15: São Luis, Lençóis Maranhenses e o delta do Parnaíba
      Parte 16: Serra da Capivara
      Parte 17: Sertão Nordestino
      Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres
      Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro
      Parte 20: Pelourinho
      Parte 21: Chapada Diamantina
      Parte 22: Ouro Preto e São Thomé das Letras
      Parte 23: O retorno e os aprendizados
      O período da viagem é de 01/10/2015 a 20/03/2016. De resto não ficarei apegado nas datas exatas em que ocorreram os relatos que irão vir a seguir, tampouco preocupado em valorar tudo. Espero contribuir com a comunidade que tanto me ajudou e sanar algumas dúvidas dos novos/velhos mochileiros.


×