Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

#dicas #relatos

 

Páscoa com pouco chocolate, porém com muita energia renovada.

Eu e minha namorada decidimos conhecer um canto pouco explorado aqui no Rio, o Saco do Mamanguá. O local é um daqueles onde parece que o tempo parou e que o dia tem mais de 24 horas! Para quem gosta da série Crepúsculo, lá possui uma casa que foi set de filmagem para um dos filmes (não me pergunte qual hahaha).

 

COMO IR:

Saindo de carro do RJ vá até Paraty-Mirim, lá é só parar o carro em um dos estacionamentos e pegar o barco para o Saco do Mamanguá (o "caminho" para os barcos é a direita dos bares no início da praia).

Saindo de ônibus: desça em Paraty e pegue um ônibus para Paraty-Mirim (http://paratyvip.com.br/horacolitur/). O restante é o mesmo esquema acima.

O barco custa R$ 120,00 (mas dá pra negociar por R$ 100,00!) e a viagem dura cerca de 10, 15 minutos com vista privilegiada das águas verdes da  Baía de Paraty.

 

ONDE FICAR:

A praia mais conhecida no Saco do Mamanguá é a Praia do Cruzeiro, onde tem o início da trilha do Pão de Açúcar. Lá também há o camping do Seu Orlando (024 999163532), sua casa e o seu restaurante.

Os valores do camping não mudam em feriados, com a diária custando sempre R$ 30,00 (março/2018). O camping é simples porém com espaço considerável, 1 ducha com água quente e bastante espaço com sombra para por as barracas. Cozinha com fogão, geladeira e alguns utensílios básicos.

Vale dizer que na Praia do Cruzeiro bem como em todas as outras (pelo o que me informei) não há atividade comercial, somente restaurantes e que só aceitam dinheiro! Então se a ideia é levar cooler e cartão de crédito mude os planos :(

O PF no restaurante do Seu Orlando custa R$ 30,00 (março/2018) e serve muito bem 1 pessoa: 1 peixe inteiro, arroz, feijão, farofa e salada. Há também a opção com Omelete por R$ 25,00.

 

O QUE FAZER:

O atrativo principal do lugar sem dúvida é a trilha do pão de açúcar. São 492m de altitude em uma trilha de 1,5km, que pode ser considerada média, porém é bem cansativa pois todo o acesso é bem íngreme. Um ponto positivo é que toda a trilha é feita sob proteção da mata, então não há sol batendo na cabeça e isso ajuda bastante. Eu e minha namorada levamos cerca de 1h30 para subir, sem pressa e parando para descansar/beber água e uns 50 minutos para descer.

Outras atividades: alugar um caiaque e passear por todo o Saco do Mamanguá. A área é de mar abrigado, sendo muito tranquilo remar por ali. Inclusive dá para acessar outras praias assim, uma forma bem mais rápida do que pelas pequenas trilhas que as interligam.

Uma curiosidade interessante: Na praia do Cruzeiro (única que fiquei, já que minha estadia durou só 2 dias) a água bate no joelho mesmo após cerca de 50m.Então é uma boa pedida parar relaxar até mesmo com crianças.

DICA IMPORTANTE: Os mosquitos do local não se intimidam com repelente "padrão". Sugiro levar algum destes de linha "aventura", pois reage de melhor forma.,


Agora a hora das fotos :D (a qualidade das imagens ficou meio ruim quando carreguei. Infelizmente...)

IMG-20180401-WA0001.thumb.jpg.b4b8f7d56a0224c15bc7522c99f05135.jpgIMG-20180401-WA0048.thumb.jpg.6e5f53e092fcc1498f4362820c7b990d.jpgIMG-20180401-WA0034.thumb.jpg.afa486cce83b66ae83bb3fa97dc71d21.jpgIMG-20180401-WA0024.thumb.jpg.cefa5248dc0a084bbe7530466be9f4c0.jpg

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Acho que fiz um apanhado geral, mas se alguém tiver qualquer dúvida que restar posso ajudar.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Marcos Nakayama Então, a água lá no geral é um pouco gelada sim. E ai tem uma particularidade interessante: como as correntes são constantes, mesmo que fique parado no mesmo local irá momentos de água gelada/ambiente. Acredito que seja por conta da região em si, existem muitas cachoeiras/rios ali nas reservas ao redor, além da própria área ser, no final dela, um manguezal.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por LaraRomãoAmérico
      Aí galera, sou nova aqui no mochileiros. Nunca viajei e tô sonhando em ir pro Rio, uma coisa rápida de um ou dois dias. E quero saber sobre hotéis mais em conta, os lugares pra ir, como agir lá,enfim essas coisas . VALEU!
    • Por naestradacomasminas
      A Rodoviária Novo Rio é uma das principais portas de entrada do Rio de Janeiro. Localizada no bairro Santo Cristo, próximo ao Centro da cidade, a Rodoviária é um importante conector entre outros municípios e estados. Com a chegada do VLT, sair da rodoviária ficou muito mais fácil, mas para quem ainda têm dificuldades, nós ensinaremos como sair da rodoviária Novo Rio sem muitos traumas.
      Apesar de ser fundamental para o turismo carioca, turistas e moradores locais sofrem para se locomover nas redondezas. A rodoviária que antes causava muito medo e insegurança, por estar em um local “perigoso” e abandonado pelo Estado, ganhou novos ares. O local tem passado por constantes mudanças na estrutura das ruas e no trânsito, o que acaba afetando a locomoção e os itinerários dos ônibus. Mas não temas, jovem padawan. Nós te salvaremos!
      Como sair da rodoviária Novo Rio
      Saindo de ônibus comum
      Para sair da rodoviária de ônibus comum, você precisa sair pelo desembarque na Rua Equador e atravessar a via Binário do Porto até ao Terminal Henrique Otte. Dali saem ônibus para toda a cidade.
      Em frente ao Terminal há um ponto de ônibus para quem vai para a Zona Norte do Rio. Lá passam diversas linhas para vários destinos. Os ônibus comuns são recomendados para quem conhece o trajeto e apesar de serem a opção mais barata, não é muito confortável andar até o ponto para pegar um ônibus cheio de malas.
      Caso você insista em ir de ônibus, o aplicativo Moovit pode ser um bom companheiro durante o trajeto.
      Saindo de ônibus executivo (frescão)
      Se você está seguindo rumo à Barra da Tijuca, uma ótima opção é pegar o frescão dentro da própria rodoviária. É o melhor custo x benefício que você encontrará. Com uma tafifa de R$ 18 (ref. julho/18), o horário de funcionamento desse ônibus é de 5h30 às 22h.
      Itinerário: Av. Brasil / Linha Amarela / Ayrton Senna / Barra Shopping / Alvorada (ponto final).
      O guichê de atendimento fica no saguão do desembarque, da Rua Equador. O embarque nesse ônibus é em uma das plataformas do próprio saguão. Não é preciso nem sair da rodoviária.
      Saindo de VLT + Metrô
      Caso você ainda prefira economizar, mas não esteja muito seguro de pegar o ônibus. Uma ótima opção é mesclar dois meios de transporte: VLT + METRÔ. Essa combinação não tem erro e pode ser uma das melhores no quesito custo.
      Para pegar o VLT, você precisa sair pela Rua Equador e continuar andando na calçada pela esquerda. A faixa de segurança para atravessar para o VLT fica em frente ao terminal do ônibus executivo.
      Atenção: Não esqueça de validar seu cartão no guichê do VLT assim que entrar, pois há fiscais durante o percurso fazendo a validação do cartão. Caso você esqueça ou não ache necessário “pagar”, poderá ser multado em R$ 170.
      Compre o seu bilhete Riocard nos postos de atendimento para garantir mais comodidade na hora de pegar o transporte. Esse cartão dá direito a todos os transportantes públicos do Rio. Para adquirir basta comprar o cartão em um terminal e fazer uma recarga no valor desejado.
      O valor do cartão é de R$ 3 e a recarga mínima de R$ 3,80 (com direito a pegar dois ônibus em um período de 2h), mas como você pegará metrô também, precisará fazer uma recarga maior, já que o metrô custa R$ 4,30.
      Aproveite para recarregar seu cartão para toda sua estadia na cidade. Já que ele não expira, você pode guardar para as próximas visitas ao Rio de Janeiro. Só fique atento nas tarifas, que mudam de acordo com cada transporte.
      LEIA TAMBÉM: 7 DICAS PARA ECONOMIZAR NO RIO DE JANEIRO
      Se você vai para Zona Sul, pegue a Linha 1 (em direção ao Santos Dummont), e salte na estação Carioca. Ao desembarcar, siga pela esquerda, o metrô da Carioca fica em um vão entre dois prédios. Lá você pegará o metrô Linha 1+4 (sentido Jardim Oceânico), na estação Carioca. O tempo médio do trajeto é de 22 minutos.
      Já na estação, perceba que os metrôs passam seguidamente, você poderá conferir na telinha que fica nas estações se ele está indo sentido Botafogo ou Jardim Oceânico. Se por acaso, você pegar por engano o sentido Botafogo, não tem problema. Desça na estação final (Botafogo) e aguarde a chegada do metrô correto.
      Se você vai para a Zona Norte, pegue a Linha 2 do VLT (sentido Praça XV). Salte na estação Central. A viagem dura em média 9 minutos e você precisará andar até a estação Central do Metrô. Recomendamos que você vá por dentro da Central do Brasil. Onde você poderá avaliar também se faz sentido pegar o trem, dependendo de para onde você vai.
      Desça para a estação Central e pegue o metrô Linha 2 (sentido Pavuna).
      Clique para saber como sair da Rodoviária Novo Rio de Uber ou Táxi e escolha a melhor opção.
       
    • Por Jonas Pinheiro Dias
      Oi gente, estou pensando em ir para Paraty, irei ficar do dia 01/11 a 09/11, gostaria de saber locais diferentes para ir, se existem cidades próxima que dê para conhecer, enfim, queria dicas. 
    • Por Henrique Matheus
      Boa noite pessoal.
      Estou a um tempo pensando em fazer essa trilha e decidi fazê-la em 1 ou 2 semanas, eu e mais um amigo. Estamos praticamente no mesmo nível físico, temos certo conhecimento de trilhas e alguma coisa também de escalaminhada, nossas duas últimas foram Pedra da Gávea (carrasqueira) e Pedra do Elefante (Itaipuaçu). Não temos GPS (apenas o Wikloc no celular), vamos tentar levar o máximo de power bank possível para ocnseguir realizar essa trilha com o equipamento; mas apesar disso, vimos vários relatos, alguns dizendo que é necessário ter corda, outros não.
      Alguém que já tenha feito poderia dar algumas dicas? 
      Ah, também aceitamos companhia, pretendemos sair do Rio de Janeiro, mais precisamente Copacabana na sexta feira, por volta de 17h, deixar o carro em Teresópolis (no fim da travessia) pegar um ônibus para Petrópolis e passar a noite lá em algum lugar por lá, acordar sábado cedo e ir direto iniciar a travessia.
      Toda ajuda é bem-vinda.
      Agradeço antecipadamente galera.
    • Por João Guilherme Boni
      Este relato tem o objetivo de tirar muitas das dúvidas que as pessoas têm ao embarcar em uma aventura em um lugar desconhecido. Aqui iremos relatar os lugares por onde passamos: onde nos hospedamos, onde comemos, o que conhecemos e um pouco das conversas que tivemos no local. De início, é relevante explicar a nossa situação e a situação da nossa viagem, super (des)organizada. Criamos um grupo no whatsapp, aproximadamente dois meses antes de partirmos, para colocar em ordem nosso destino. Nós tínhamos apenas uma certeza: Iríamos viajar. Findos os dois meses e faltando uma semana para a partida, decidimos, após perder inúmeras passagens aéreas baratas, que iríamos de carro para Paraty, e foi uma ótima ideia.
       
      A PARTIDA E O TRAJETO (14/07 – 15/07)
      O automóvel
      O carro que usamos era um Renault Clio, básico, 2009, 1.0 e superou todas as nossas expectativas. Gastamos aproximadamente dois tanques de gasolina, aprox. 400 reais, mais aprox. 40 reais de pedágio = 110 pra cada, sendo que fomos em quatro, super econômico! O porta-malas é relativamente grande e comportou as bagagens de nós quatro tranquilamente. O motor mil permitia subir as serras do caminho de quarta ou quinta marcha! definitivamente um carro muito valente. As únicas desvantagens era que a direção não era hidráulica e a embreagem era duríssima. Mas isso era perceptível apenas dentro da cidade, onde era mais usado. Em contrapartida, na rodovia, a direção pesada tornava o carro mais firme e estável.
      Um problema que tivemos foi o GPS. Utilizamos o aplicativo Waze para nos guiar e acredito que seja uma ótima opção para uma viagem desta natureza. Ele avisa os radares do caminho e se adapta aos momentos que o motorista necessita (cruzamentos e saídas). Porém, a desvantagem é que consome muita bateria, o que nos forçou a fazer uma parada só para carregar os celulares. Sendo assim, acredito que os aparelhos de GPS próprios para este fim se sairiam melhor em relação à durabilidade de bateria.
      Em certo ponto, em cima da serra, optamos por pegar um caminho que desviava alguns pedágios caros em São Paulo. Era a descida da serra em direção à Ubatuba, litoral paulista. Se você gosta de aventura, sugiro fazer o mesmo, mas vá com os freios impecáveis e desça engrenado. A descida é alucinante, com curvas fechadíssimas e extremamente íngreme! Sensacional. Sem contar que desvia alguns pedágios e tem um visual incrível. Fizemos o caminho pela noite e foi muito legal, mas é uma boa passar por lá durante o dia.
      As reservas
      Fizemos as reservas dos locais onde ficamos por meio de dois sites (Airbnb  e Booking.com). Nos foi muito útil para economia e comodidade, que eram nossos objetivos. A casa que ficamos foi reservada pelo Airbnb, por mim, que ainda não tinha cadastro. Isso me deu um desconto de 130 reais nas reservas acima de 250 reais. Tínhamos mais 65 reais de desconto - de um dos viajantes - que recebeu ao me convidar a fazer o cadastro. Isso nos ajudou a economizar com as hospedagens e ter conforto e privacidade.
      Fomos em quatro pessoas: um morava em Porto Alegre (RS), eu e minha irmã em Joinville (SC) e outra em Curitiba (PR).  Nos encontramos em Curitiba no dia 14/06, onde a dona do carro morava e a previsão para sair cedo (5h) acabou virando 14:30 por alguns problemas de tempo e logística. Porém, ao final de muito alvoroço e expectativa, saímos. A viagem foi super tranquila, chegamos um pouco cansados, às 1:30 da manhã, porém todos a bordo fizeram da viagem a mais divertida e leve possível. Uma dica importante é sempre viajar com pessoas que valham a pena, que são amigos de verdade, que sejam parceiros e que se deem muito bem, isso fez toda a diferença na nossa viagem.
      A princípio iríamos reservar uma casa para os dias 14 – 17/06, na praia de Jabaquara, porém, após a gente se enrolar um pouco, o dia 14 já estava reservado e tivemos que dormir em um Hostel que reservamos - também de última hora - na mesma praia. O Hostel Canguru, onde ficamos, é uma baita casa, com garagem, vários quartos, cozinha, sala, sala de cinema (com netflix, vídeo game, etc..). Fomos bem recebidos e tudo o que fazíamos era regado à “Gabriela” – cachaça feita com cravo e canela – que dependendo da fabricação se assemelha a um licor, muito saboroso. Ficamos apenas uma noite e uma manhã no Local, em um quarto compartilhado com doze pessoas. O valor total foi de aproximadamente 108 reais, 27 para cada um.
      O Hostel fica a uma quadra da praia de Jabaquara, porém, a praia não é muito atrativa, apesar de lindíssima. Pela sua condição geográfica, em local estuarino, o solo marítimo é lamacento e argiloso e as águas são escuras, o que foge um pouco do padrão turístico das praias. Na nossa visão, consideramos Jabaquara um local para fazer caminhadas e tomar sol. Porém o banho de mar pode não ser uma opção muito agradável.
      Saindo do Hostel, fomos direto para a casa (Ferienwohnung Paraty), que reservamos do dia 15 ao 17/06 pelo Airbnb. A casa é incrível, o terreno é todo disponível para uso dos hóspedes. Possui duas suítes, cozinha, sala, área externa com churrasqueira e local para deixar o carro. Tudo muito bem equipado. A casa é bem arejada e fica fresca durante o dia quente; e a noite, como esfria um pouco, a casa fica quentinha e aconchegante.
      Uma curiosidade foi que, no dia do check in na casa, havia no nosso caminho, uma cobra d’agua predando uma rã (GIF 1). Isso foi uma prova que em Paraty a natureza é um espetáculo e ela se manifestou para nós naquele momento. Paraty é um paraíso natural muito bem preservado, graças às Unidades de Conservação presentes no município (Figura 1) e ao próprio desenvolvimento turístico que explora, de maneira menos agressiva, seus bens naturais e históricos.
      Dia 15/07, após descansados da viagem e devidamente instalados na casa, conhecemos a praia de Jabaquara. O visual é incrível, mas a praia pouco agradável para banho. Quando nos demos conta, havia um homem, a aproximadamente 50 metros de distância da linha da praia “caminhando sobre as águas” (GIF 2). No mesmo dia, um pouco mais tarde, fomos conhecer Trindade, por pouco tempo, pois voltaríamos no dia seguinte. Trindade é um vilarejo, dentro do município de Paraty, com as mais belas praias e cachoeiras, um reduto da preservação e local que abriga pessoas incríveis. O acesso à trindade é por uma estrada muito boa. São aproximadamente 40 minutos de carro, partindo de Jabaquara.
      GIF 1 - Cobra d'água predando rã.
       

       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
      GIF 2 - Seria Jesus?
       

      Figura 1 - Unidades de Conservação do município de Paraty.
       
      DESBRAVANDO TRINDADE (16/07)
      É recomendado partir de Paraty pela manhã, levar bastante água, algum lanche e almoçar na Vila de Trindade, existe uma boa infraestrutura de restaurantes e mercadinhos no local. Sair cedo é uma ótima ideia e é necessária pois, a partir das 15 horas, a sombra aos poucos vai tomando a praia e já é hora de voltar. Os morros e montanhas que dão início à Serra da Bocaina fazem uma barreira para o sol nesse horário.
      A primeira parada ao lado esquerdo, ainda no asfalto, é a trilha da Praia Brava. Existe um recuo para estacionar alguns carros. Estacionamos, e demos de frente com uma família com idosos, adultos e crianças, moradores dos arredores, que iriam fazer a trilha para pegar uma praia. Segundo eles, é uma atividade corriqueira na família. Conversamos um pouco com eles e combinamos em segui-los, já que não conhecíamos a trilha. Porém não foi necessário, já que a trilha é bem batida e visível. Existe uma parte que a trilha se bifurca. O lado esquerdo dá acesso à cachoeira e o lado direito a Praia Brava. A cachoeira é de porte pequeno, porém belíssima e possui águas congelantes, como de praxe. E a praia é de uma beleza ímpar, águas cristalinas e bem salgadas (GIF á esquerda). Pouco utilizada (pelo menos nessa época) e com alto grau de conservação. Ficamos algumas horas curtindo o local.
      Voltando pela trilha, pegamos o carro e partimos em direção as outras praias. A Primeira delas é a Praia do Cepilho (GIF á direita), muito bela e de águas claríssimas, com maior extensão, comparado à Praia Brava. No Cepilho existem várias rochas grandes e por cima de uma delas passa um pequeno rio que desemboca no mar mais a frente. Essa mesma rocha é a continuação do asfalto que dá acesso a outra estrada asfaltada que leva à Vila de Trindade. Pegamos a devida estrada, chegamos a vila e entramos em um estacionamento. Fomos muito bem atendidos e tiramos várias dúvidas sobre o local. O vilarejo possui diversos restaurantes, estacionamentos, pousadas, campings, mercearias e locais que oferecem passeios de barco. O estacionamento foi 10 reais e deixamos o carro até anoitecer. A partir daí a nossa companhia eram trilhas em meio a mata (com um manejo muito legal) e lindas praias. Próximo ao estacionamento, almoçamos em um restaurante que nos cobrou 18 reais por um Prato Feito (PF) com frango grelhado ou empanado e peixe em posta ou filé (tainha, pela época). O PF era bem generoso, chegamos a pedir para embalar e foi a nossa janta à noite. Além da comida, tinha disponível para os clientes uma prateleira com uma infinidade de cachaças para se servir.

      Qualquer dúvida ou curiosidade você pode perguntar para qualquer pessoa. Eles te dirão onde ir e o que fazer. Depois daí, entramos em uma trilha que deu acesso a Praia do Meio (GIF abaixo), talvez a mais movimentada, com águas verde piscina. Nesta praia existem algumas pequenas piscinas naturais muito agradáveis e possui um costão rochoso alto que é possível ter acesso. Ao subirmos no costão encontramos um morador local, chamado Kleber, que nos contou um pouco de sua vida e da vida em trindade. Ele mora em uma propriedade abastecida com recursos sustentáveis, baseado na permacultura, sem energia elétrica, com acesso por trilhas e com algumas culturas vegetais para subsistência. Coincidentemente aquele dia era seu quinquagésimo aniversário, o qual comemorava de forma rotineira.
      Kleber nos mostrou duas formações rochosas em outros costões que tinham formatos que nunca perceberíamos se ele não nos tivesse mostrado. Ao mirar à Oeste, é possível ver cinco pedras dispostas uma ao lado da outra, com tamanhos e posições que se assemelham aos dedos de um pé. Desta forma a formação foi apelidada de “Pés de Deus” (Figura 2). E, ao olhar para Sul, mais distante vemos uma grande pedra em pé que se assemelha em formato a um rosto de fisionomia indígena, que leva o nome de “Cabeça de Índio”.

      Figura 2 - Pé de Deus.
       
      A partir daí, pegamos uma pequena trilha, bem manejada, até a Praia do Cachadaço e caminhamos, aproximadamente 800 metros pela faixa de areia até chegar em uma trilha que dá acesso à piscina Natural. A piscina é fascinante, uma contenção natural das águas cristalinas do mar que habitam uma fauna aquática muito interessante. Existem centenas de peixinhos que quando cai algo na água eles se alvoroçam todos para pegar (GIF á esquerda). E quando você fica algum tempo parado, eles te rodeiam aos montes.  

       

      Figura 3 - Mapa ilustrativo de Trindade.
       
      Voltamos á Jabaquara, nos aprontamos e fomos para o Centro Histórico de Paraty, atraídos por boatos de que teria um samba na praça da igreja. Se estiver de carro, com o tempo você grava bem os trajetos para cada lugar, se obrigue a andar sem GPS e aproveite as belezas do caminho. O centro nos recebeu duas vezes, e ficamos apaixonados. A primeira vez que fomos (15/07) paramos em um bar/confeitaria que fica aberto até o último cliente sair e vende cerveja relativamente barata. Depois fomos caminhar pelas ruas do centro. O piso das ruas é preservado do tipo “pé-de-moleque”, construído no século XVIII. É proibido transitar com veículos e nas casinhas coloniais existem lojas de artesanato, restaurantes e bares. Chegamos próximo a desembocadura do rio e em frente a uma igrejinha estava tendo um ensaio de maracatu. Começou a juntar bastante gente, e ficamos horas ali contagiados com o momento.
      A segunda vez no centro compramos algumas lembrancinhas e fomos para a praça. O samba estava incrível, uma série de sambistas, alguns jovens e outros de mais idade embebiam dezenas, quiçá centenas de pessoas que sambavam e faziam subir uma grande névoa de poeira. Tudo acontecia sob a fronte da Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios, edificação importante na criação da Vila de Paraty e na sua emancipação.
      Paraty é um paraíso na terra, é incrível a beleza e a conservação histórica deste lugar. A região abriga um dos maiores remanescentes de Mata Atlântica da parte sul do Estado do Rio de Janeiro. Percebemos a presença de várias espécies chave da conservação, visível apenas em áreas bem preservadas, entre elas o Xaxim (Dicksonia sellowiana), ameaçada de extinção. Além disso, fomos presenteados todos os dias com belos dias de sol e calor, o que foi essencial para que a gente aproveitasse por completo cada momento. 
        
       
       


×