Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Bom galera, frequento o mochileiros há muito tempo e outro dia me toquei que nunca havia publicado um relato de viagem. Vou tentar começar um série compartilhando minhas experiencias e espero que curtam bastante!!

Hoje vou mostrar um pouco de uma cidade de adorei, Haia. Na verdade Den Haag, esse é o nome da cidade e será exibindo assim na maquininha da Centraal Station em que irá comprar sua passagem de trem para conhecer esta maravilha de lugar.

Portanto acorde bem cedinho e dirija-se rumo a Estação central ...

DSCF0431.JPG

A viagem dura em torno de 50 min e custa por volta de 23 euros ida e volta, na segunda classe (Nada de sentar na primeira classe hein!! pode ter que pagar uma multa se rolar uma fiscalização... Certifique-se onde esta sentando...).

A primeira atração que visitei na cidade foi o um antigo palácio onde viveu a Rainha Consorte Emma, e hoje é um museu  muito legal dedicado ao "Mestre do Impossível", Escher. 

 

20170822_133611.jpg

Nunca ouviu falar em Escher? Mas talvez já tenham visto algum de seus desenho que brincam com a nossa percepção de realidade...

 

20170822_134941.jpg

20170822_135011.jpg

Com os miolos retorcidos e a percepção totalmente alterada (rs), resolvi dar um rolé pela cidade e conhecer a casa em que viveu Maurício de Nassau. Aquele mesmo da Companhia das Índias Ocidentais que tentou invadir a Bahia e depois se instalou em Pernambuco.

20170822_142723.jpg

20170822_142743.jpg

Adivinha o que aconteceu com a casa do Maurício? Virou um museu chamado Mauritshuis! Bem ao estilo Holandês...  Obviamente entrei para dar uma conferida e para a minha surpresa descobri um dos quadros mais perfeito que já vi na vida: Old Woman And A Boy With Candles de Peter Paul Rubens... simplesmente o efeito de iluminação da vela na face do Sr e do garoto são perfeitos, só vendo ao vivo para crer.

 

20170822_160906.jpg

Claro que não posso deixar de mostrar a masterpeace do museu: A menina do Brinco de Perola de Vermeer...

Também tem The Laughing Man de Rembrandt e outras maravilhas... o museus é recheado de clássicos. Para quem curte artes é um prato cheio. Vou mostrar só mais uma telinha para estimular a curiosidade de vocês: Dirck van der Lisse, A Hunting Nymph, Asleep. É demais ou não é??

 

20170822_164007.jpg

20170822_155627.jpg

Depois do almoço era o momento de fazer a digestão batendo perna pelo centro da cidade, curtindo aquele clima de uma cidade tranquila e apreciando o jeito Nórdico de vier a vida... Binnenhof, ou o parlamento Holandês, já que a sede do Governo é aqui, foi para obrigatória. Rola até um sorvetinho de pistache...

 

 

 

20170822_165514.jpg

20170822_165659.jpg

20170822_165837.jpg

Para finalizar o dia tive uma grata surpresa ao retornar a praça central da cidade. Era meio da tarde, por volta das 17:00, o sol brilhava e os bares e restaurantes estavam completamente lotado de pessoas tomando cerveja e curtindo o sol... Happy Hour em Haia plena terça-feira de um ano qualquer! Pronto, me senti em casa...

 

20170822_171915.jpg

20170822_183718.jpg

E assim foi mais um dia da série "Um dia volto ai..."

Espero que tenham curtido!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por rkoerich
      Bom dia!!
       
      Em maio deste ano eu e minha esposa fizemos uma viagem pelas cidades acima e somente agora consegui um tempinho pra preparar um relato para o pessoal do mochileiros. A viagem teve o seguinte cronograma/itinerário:
       
      05/05 - Saída do Brasil
      06/05 a 12/05 - Paris
      12/05 a 17/05 - Londres
      17/05 a 21/05 Amsterdam (com um dia indo a Bruxelas de trem).
       
      A viagem toda foi comprada pela Air France direto no site deles com preço promocional para múltiplos destinos. Chegada em paris, Voo Interno de Paris para Londres e Londres para Amsterdam e retorno ao Brasil de Amsterdam por 699 dólares.
       
      Essa foi minha primeira viagem que usei o Airbnb para fazer minhas reservas de hospedagem e foi fantástico. Simplesmente viciei no negócio. Abaixo aproveito para passar o link dos apartamentos que fiquei (todos super indico):
       
      Paris:
      https://www.airbnb.com.br/rooms/4557450
       
      Londres (dei sorte de pegar um apto de um Brasileiro):
      https://www.airbnb.com.br/rooms/1530246
       
      Amsterdam:
      https://www.airbnb.com.br/rooms/2799966
       
      Para quem já me conhece, sabe que tenho um ponto fraco para com as fotografias, então o relato em si pode ficar um pouco prejudicado pela quantidade de fotos do post. Logo, se surgir alguma dúvida podem perguntar que irei responder com o maior prazer.
      Minhas fotos estavam hospedadas em um site que passou a cobrar pela hospedagem e caiu todas as imagens que tinha upado aqui. Vou colocar o link da minha galeria da viagem caso alguem queira ver alguma foto:
      https://goo.gl/photos/KZKhTbjL3VnpFHcg8
       
      Dia 01
      Nosso voo foi tranquilo, embora achei que a Air France deixou muito a desejar. Espaço interno da econômica o pior que já voei, menor do que os da TAM. Aeronave com sistema de entretenimento bem precário e serviço de bordo muito fraco.
       
       
      Dia 02
      Chegando em CDG peguei um RER a 10 euros para chegar ao meu apartamento e fazer Check in. A localização do meu apartamento foi escolhida propositalmente ao lado da torre para sempre que fosse sair e pegar um metrô pudesse passar por lá e fazer fotos. Como a torre é um pouco mais afastada do grande centro, optei por esta logística. Após deixar as coisas no apartamento, saí para logo de cara ver a magnífica...
       
      1

       
      2

       
      3

       
      4

       
      5 - Escuela Militar, na outra ponta da Champs de Mars

       
      6

       
      7

       
      Minha ideia era fazer boa parte do deslocamento usando o sistema do Velib (bicicletas). Queria curtir pedalar por Paris e a facilidade em pegar as Bikes tinha me conquistado. Mas chegando lá, a velha comodidade do metro aliado ao cansaço de carregar mochila me pegou. Toda Paris ou caminhei, ou andei de metro.
       
      Como fiquei muito tempo na Torre quando cheguei, das 13:00 até umas 16:00, me joguei para o Louvre pois era o único dia da semana em que ele fechava mais tarde e dava pra ficar quase 5 horas lá dentro.
       
      Eu comprei o Paris Museum Pass de 05 dias, então tive acesso sem fila a alguns lugares e o Louvre foi um deles. Apenas apresentei na entrada, passei pelo scanner e cai dentro. O museu é fora de série, enorme e lotado. Aqui o importante é ver o seu perfil. Se você gosta de história e de arte, separe um dia inteiro, pois vai bater muita perna e tem que ter paciência.
       
      Eu particularmente gostaria de ter voltado um outro dia (até porque tinha o Paris Museum Pass), mas os dias em Paris passaram voando e vou ter que voltar de novo em uma próxima oportunidade. Seguem algumas fotos:
       
      8

       
      9

       
      10

       
      11

       
      12 - A famosa

       
      13 - Venus de Milo

       
      14

       
      15

       
      16

       
      17

       
      18

       
      Após sair quase 10 da noite do Louvre (estava anoitecendo por volta das 21:30 em Paris), pegamos um metrô e fomos direto para o apartamento comer algo e descansar. A essa hora o fuso + a caminhada do Louvre estava fazendo efeito e estávamos acabados.
       
       
      Dia 03
      Como tinha uma ótima padaria na rua do meu apartamento, acordei um pouco mais cedo e dei uma folga para a mulher para ir até lá e comprar algumas delicias locais e preparar um café. Saímos do apartamento por volta das 09:30 da manhã e pegamos o Metro até chegar na famosa igreja do Código da Vinci, a Igreja de São Sulpício.
       
      Na frente uma bela fonte e a entrada da igreja é de graça. Algumas fotos:
       
      19

       
      20

       
      21

       
      22

       
       
      Após sair da Igreja, fomos caminhando até os Jardins de Luxemburgo que era perto. Entramos no acesso ao lado da Fontana de Medice e aproveitamos para fazer algumas fotos. Uma pena que a fonte estava desligada.
       
      Ficamos no jardim por volta de umas duas horas. Levamos uma toalha e aproveitamos para fazer um lanche na área que era permitida para pic nic. O jardim vale muito ficar um bom tempo curtindo o clima do lugar e esquecer o tempo por um pouco.
       
      23

       
      24

       
      25

       
      26

       
      Aproveitando a disposição de início de viagem, seguimos o dia (agora já no início de tarde) caminhando pelos arredores. Fomos ao Pantheon (que infelizmente a fachada estava em obras). Aqui mais uma vez consegui entrar sem fila devido ao Paris Museum Pass, que me deu acesso inclusive a cripta. De lá avistamos uma igreja e resolvemos ver o que era, pois não estava no nosso roteiro.
       
      Nos deparamos no fundo do Pantheon com a igreja aonde estão os restos mortais da padroeira de Paris, a Igreja de Santa Genoveva.
       
      Continuamos caminhando pela Boulevard Saint-German des Press passando pelos seus bares e restaurantes até chegar no coração de Paris, na Catedral de Notre-Dame. Entramos na igreja mas não conseguimos subir até o domo pois já havia passado da hora limite de subida (eram mais de 16:00).
       
      27 - Pantheon

       
      28 - Pantheon

       
      29 - Cripta do Pantheon

       
      30 - Fontaine St. Michel

       
      31 - Notre Dame

       
      32 - Notre Dame

       
       
      Com pouca energia mas muita disposição, encaramos ir aos Jardins de Tuilerie fazer a glamourosa caminhada da Champs Elysees até o arco do triunfo. Pessoal, sério... Faça com energia de sobra. Acredito que o passeio ia ter sido muito agradável se tivéssemos feito descansados. Aqui estávamos sentindo o ritmo forte do dia e ficamos bem pregados.
       
      Chegamos no Arco por volta das 21:45 e conseguimos subir as escadas para pegar a torre iluminada a noite, um espetáculo!!!
       
      33 - Jardins de Tuilerie

       
      34 - Jardins de Tuilerie

       
      35 - Jardins de Tuilerie

       
      36 - Place de La Concorde

       
      37 - Champs Elysees

       
      38 - Champs Elysees

       
      39 - Arco do Triunfo

       
      40 - Arco do Triunfo

       
      41 - Arco do Triunfo

       
      42 - Torre Eiffel do alto do Arco do Triunfo

       
      Após essa maratona, pegamos um metrô para voltar ao nosso apartamento pois no dia seguinte seria a nossa ida para Versailles e não poderíamos acordar muito tarde.
       
       
      Dia 04
      Levantamos por volta das 07:30 e tomamos um café rápido para poder pegar o trem para Versailles. Fomos até a estação Champ de Mars Tour Eiffel e pegamos um RER C para Versailles. Aqui não tem muito erro, você chega lá e a maioria das pessoas estão indo para o mesmo lugar. A passagem se não me engano ficou algo em torno de 3 a 5 euros por pessoa.
       
      A viagem dura em torno de uns 35 a 40 minutos e é bem agradável, você passa por uma Paris mais moderna, com prédios comerciais e depois aos poucos vai vendo a periferia e o interior chegando. A estação de Versailles é bem tímida mas existem boas indicações para você chegar até o castelo (qualquer coisa é só seguir o fluxo).
       
      Chegando lá nos deparamos com aquela fila imensa e aqui, por mais que o Paris Museum Pass isente o pagamento de entrada, a fila não deu para escapar. Foram uns 45 minutos no pátio até conseguirmos entrar no castelo. Pausa para umas fotos enquanto isso.
       
      43

       
      44

       
      45

       
      46

       
      A entrada se dá por uma porta lateral na direita e ali já tem opções de banheiro e lanchonetes para quem quiser (eu recomendo) fazer uma pausa antes do tour.
      O Castelo é impressionante... A ostentação dos quartos, lustres e decoração é algo impressionante. Tudo muito bem conservado, o circuito é sempre feito na presença de monitores que ficam de olho se alguém está fazendo algo inapropriado... Cuidado com os paus de selfie, lá não é permitido!
      47

       
      48

       
      49

       
      50

       
      51

       
      52

       
      Após o tour, fomos até a entrada dos jardins. A Atração é paga a parte, mesmo com o Paris Museum Pass. Se não me engano foram 9 euros de entrada por pessoa. Infelizmente peguei o jardim central em obras e aí acabei não me animando em ir até o final do espelho d’água para fazer aquela foto tradicional do chateu com o jardim na frente. Mas deu para curtir bastante, explorar os jardins secundários, tomar um sorvete e descansar nos vários bancos espalhados pelos jardins.
       
      53

       
      54

       
      55 – O jardim central estava em obras

       
      56

       
      57 – Quase um labirinto de jardins

       
      58

       
      No retorno para Paris, foi bem confuso saber qual trem embarcar na volta. Versailles é a estação final do RER que vem de Paris, mas outros trens passam por la e não tem nenhuma indicação ou ninguém para ajudar. Eu entrei em um trem com mais pessoas e demos sorte, nem marquei qual era o destino deste trem para ajudar aqui, mas é importante saber qual o trem pegar sentido Paris.
       
      Chegamos em Paris por volta das 16:00 e fomos direto para o apartamento descansar um pouco pois queríamos ir a noite na torre ver ela iluminada após as 22:00. Aproveitamos para fazer uma janta e chegamos lá por volta das 22:30). Sempre caminhando para a torre, pois nosso apto ficava bem pertinho.
       
      59

       
      60

      61

       
      62

       
      63

       
      Ficamos até quase meia noite aproveitando e curtindo cada momento único que ali vivemos...
       
      Dia 05
      Conforme a viagem ia passando, nosso cansaço físico ia piorando pois o ritmo em viagem sempre é bem puxado. Aqui já estava difícil ficar acordando antes das 08:00. O Soneca começou a funcionar no despertador do celular e acabamos saindo do apartamento por volta das 09:30.
      Nosso sábado pela manhã estava comprometido com a feirinha de antiguidades e o mercado de pulgas de Saint. Ouen. Super fácil de chegar e encontrar, ele fica na estação final da linha 4 (port clignancourt). Basta sair reto da estação e passar por baixo do viaduto. Cuidado para não confundir a o mercado de pulgas com as barracas de camelô antes do viaduto.
      Para nós foi super bacana olhar os moveis antigos, roupas de grife usadas a venda, louças, entre outros. São vários mercados com dezenas de lojas vendendo de tudo. Mas os preços são bem “inacessíveis”. Vale a pena conhecer, mas caso tenha pouco tempo na cidade acho que deva reconsiderar.
      Curtimos o lugar até umas 13:00 e seguimos para Montmartre (que era caminho) de metrô. Subimos a ladeira até chegar na maravilhosa igreja de Sacré Coeur. Acho que após a torre Eiffel, foi o lugar com mais pessoas que vimos em Paris. As escadarias estavam lotadas e foi uma loucura.
       
      64

       
      65

       
      66

       
      Após uma rápida entrada na igreja (estava tão cheio que você tinha que caminhar junto com o fluxo dentro da igreja pois não dava para parar, parecia uma manada de búfalos, rs) resolvemos subir no Domo para ver o visual de Paris. O ingresso foi 6 euros por pessoa e a subida é bem divertida. Se for claustrofóbico ou se tiver problemas com esforço não suba... Deve dar uns 15 minutos de subida e é super apertado e sem ventilação por boa parte da subida.
       
      67

       
      68

       
      69

       
      Saímos e fomos direto para a praça central de Montmartre, onde tem dezenas de restaurantes, bares, artistas de rua. O Bairro é super boêmio e numa outra oportunidade quero poder explorar melhor. Ficamos para o almoço, passeamos um pouco mais pelo bairro e fomo para o apartamento tomar um banho e trocar de roupa para sair para jantar.
       
      Escolhemos ir para Rue de la Huchette, que são dois quarteirões (bem próximo a Fontaine St. Michel) com bares e restaurantes de todos os tipos. Antes demos uma parada na Ponte Alexandre III para pegar o fim de dia (que na verdade eram 21:00) antes de ir jantar.
       
      70

       
      71

       
      72

       
      73

       
      74

       
      75

       
      Dia 06
      Domingo de manhã, tempo meio chuvoso, arriscamos ir a bastilha ver a feira de domingo que, aliás , recomendo a todos... Quem estiver em Paris em um domingo tem que ir na feira de Bastilha.
      Centenas de barracas oferecendo de tudo, frutas, verduras, café, queijos, frutos do mar... Um passeio imperdível!! Quase compramos uma lagosta para fazer no apartamento, se tivéssemos mais tempo em Paris com certeza seria algo que faria...
       
      76

       
      77

       
      78

       
      Depois de caminhar um pouco mais pelas ruas do bairro, passamos em frente a ópera e o monumento principal da Bastilha, local onde acontecem as principais manifestações culturais e políticas de Paris.
      Em seguida fomo até a Place de los Vogues, uma bela praça toda simétrica, com construções de casas históricas ao redor dela. Ali parece que já é outro bairro, Marais. Mas fui caminhando desde o centro da Bastilha. Como o tempo ameaçava a melhorar , ficamos ali sentados um pouco descansando e organizando o nosso roteiro do dia...
       
      79

       
      80

       
      Como o tempo acabou abrindo e se tornou o dia mais bonito que estivemos em Paris, aproveitamos para fazer algumas coisas a pé e bater perna. Pegamos um metro e saímos na beira do rio e ali foi caminhando pelo GPS para ir nos principais pontos que havíamos destacado:
      81

       
      82 – Ponte Neuf

       
      83 – Hotel de Ville

       
      84 – Notre Dame

       
      85

       
      86 – Pont des Arts

       
      87 – Voltamos ao Louvre para aproveitar o sol

       
      88

       
      89

       
      90 – A Torre vista pelo lado do Trocadero

       
      91

       
       
      92

       
      93

       
      94

       
      95

       
      96

       
      97

       
      Como já era por volta de 19:00 e estávamos ao lado do nosso apartamento, resolvemos encerrar o dia mais cedo para poder descansar um pouco e fazer uma janta para poder aproveitar mais o último dia cheio em Paris.
       
      Dia 07
      Enfim havia chegado um dos grandes momentos da viagem, a subida na Torre Eiffel. Me perguntei muito antes (enquanto planejava a viagem) se valia a pena ir ao topo, pois quando você está em Paris você sobe nas construções para ter uma vista melhor da torre, e da torre o que seria interessante ver? Mas encarei e não me arrependi nenhum pouco, pois foi incrível.
      Aconselho a comprar antes os ingressos até o topo pelo site oficial da torre Eiffel (http://ticket.toureiffel.fr/index-css5-sete-pg1-lgen.html ). Não desistam! Eu tentei por 03 semanas comprar os ingressos e sempre dava que todas as datas que estaria lá estavam cheia (e tentei comprar com uns 02 meses de antecedência), mas em uma das vezes consegui comprar os ingressos sem fila até o topo e valeu muito a pena. Paguei 15 euros por pessoa.
       
      Cheguei um pouco mais cedo para não correr risco de alguma confusão eu perder meu horário e claro que aproveitei para tirar mais algumas fotos.
       
      98

       
      99

       
      100

       
      O acesso foi super tranquilo. Tem uma fila inicial das pessoas que reservaram no mesmo horário, mas é super de boa, pois todos vão subir naquele horário. Passando pela revista e detector de metais você entra no primeiro elevador que vai levar até o segundo nível da torre. De lá a vista já é bem legal e você pode comprar um ingresso só até lá que fica mais barato, mas no meu caso queria ir até o topo. Fiquei bem pouco tempo ali no segundo nível e já encarei a nova fila que se forma no segundo nível para entrar no elevador que vai até o topo.
       
      Chegando no topo, é impossível não ficar alucinado com a torre em si, os metais entrelaçados... A vista panorâmica para a Champs de Mars, para o Louvre, para o Arco do Triunfo... Me arrependi de não ter ido na torre no primeiro dia, pois esta vista panorâmica faz você entender melhor Paris.
       
      101

       
      102

       
      103

       
      104

       
      105

       
      106

       
      107

       
      108

       
      Após vivenciar essa experiência fantástica, aproveitamos para dar uma passeada sem um itinerário, apenas curtindo as ruas de Paris até a hora do Gran Finale que seria fazer o Pic Nic na Torre.
      Deixamos para ir lá por volta das 18h, então passamos em um mercado e compramos tudo o que precisávamos... Conseguimos descolar uma cesta no apartamento em que estávamos e digo sem sombra de dúvidas que foi a melhor experiência que já tive... Sentar lá com a pessoa que você ama, curtindo sem preocupação com o tempo, bebendo um espumante deitado em uma toalha... Se você não sentir vontade de morar em Paris depois disso você não é humano... Por mais clichê que seja, é foda mesmo viu!?
       
      109

       
      110

       
      111

       
      112

       
      E assim encerramos nossa estadia em Paris. Dormiríamos mais esta noite e no dia seguinte embarcaríamos para Londres com aquela sensação de quero mais, de que é uma cidade para se voltar sempre... E como em todo lugar, sempre algumas coisas ficaram para a próxima oportunidade como:
      - Passeio de barco no Sena
      - Pegar um fim de dia na torre Montparnass
      - Catacumbas
      - Moulin Rouge
      - Subir no alto da Notre Dame
      - D’Orsay (esse fiquei chateado por não ter conseguido ir)
       
      Dia 08
      Nosso voo para Londres saia as 10:30, então acordamos por volta das 06:00, organizamos nossas coisas e pegamos um RER direto para o aeroporto sem maiores problemas. Avião saiu no horário e as 10:45 (horário local, 1 hora de fuso) pousamos em solo inglês.
      Diferentemente da minha passagem anterior por Londres, a imigração estava bem tranquila (desta vez pousei em Heathrow ao invés de Gatwick). No aeroporto já pegamos o metrô para chegar ao nosso apartamento alugado em Broadhurst Gardens, Hampstead.
      Nos organizamos com as malas, e passamos em um mercadinho próximo ao metrô para comermos algo e irmos para Camden Town. Escolhemos o nosso apartamento próximo ao metrô (zona ½) e também a estação de trem para termos uma abrangência ainda maior do sistema público. Portanto compramos um Oyster e só usamos metrô ou trem.
      Chegando em Camden, aquela loucura independente da hora ou do dia. Eram aproximadamente 16:00 quando chegamos e começamos a curtir o local, explorando os mercados, lojas e as comidas típicas espalhadas.
       
      113

       
      114

       
      115

       
      116

       
      117

       
      Como o dia estava bonito e, Londres é foda, resolvemos ir até as margens do Tamisa para tirar umas fotos do Parlamento e da London Eye, como sempre de metrô.
      Infelizmente a fachada frontal inteira do parlamento estava em reforma e coberta com lona (aliás que sorte que eu estava com isso...). Ficamos ali até o cair da noite, mas não deu para ficar muito tempo mais pois começou a esfriar bastante e não estávamos tão agasalhados assim.
       
      118

       
      119

       
      120

       
      121

       
      122

       
      123

       
      126

       
      Por volta das 21h encerramos o nosso primeiro dia em Londres e voltamos para descansar no apartamento.
       
      Dia 09
      Neste dia, resolvemos explorar a região do Palacio de Buckingham, junto com o Green Park e o Hyde Park. Foi um dia bem agradável aonde conseguimos diminuir um pouco o ritimo e descansar bastante. Acabamos não vendo a troca dos guardas, então no Palácio ficamos bem pouco tempo. Já no Hyde Park atravessamos ele todo até chegar no Kensington Palace (residência do Principe William) e passear nos jardins do palácio, Kensington Gardens. Acabamos não entrando no palácio, o valor era meio salgado (18 libras acho) e também o dia estava muito bonito e resolvemos não fazer um passeio interno.
       
      127

       
      128

       
      129

       
      130 – Hyde Park

       
      131

       
      132 – Kensington Palace

       
      133

       
      134

       
      135

       
       
      136 – Kensington Gardens

       
      137

       
      Resolvemos dar uma esticada e caminhar até Notting Hill (no mapa parecia perto, mas foi uma bela de uma caminhada, quase uns 45 minutos) até chegarmos na famosa Portobello Road. Achamos o bairro uma graça, super movimentado e vibrante. Ao longo da Portobello Road várias barracas de feira que são itinerantes conforme o dia da semana. Ficaria hospedado aqui facilmente em uma outra oportunidade.
       
      138 – A famosa rua

       
      139 – A livraria do filme virou um gift shop

       
      140 – As clássicas casas de Notting Hill

       
      Por volta de umas 19:30 resolvemos pegar um ônibus para o nosso bairro, passar em um mercado e comprar uns ingredientes para fazer uma bela janta e repor as energias.
       
      Dia 10
      Neste dia, o mundo resolveu desabar em Londres. Era chuva que não acabava mais. Portanto, nada melhor do que ir ao Museu Britânico. Ficamos no museu por volta das 10:00 até umas 15:00 e dali resolvemos esticar do ladinho na Primark da Oxford Street para gastar algumas libretas...
       
      141

       
      142

       
      143

       
      Dia 11
      Este dia era de grande expectativa para mim, pois era o dia que tinha um Tour reservado previamente na Fuller’s (na minha opinião uma das melhores cervejas do mundo). Como o Tour estava marcado para as 13:00 e o bairro é um pouco distante de metrô, optamos por fazer algo rápido pela manhã, então fomos até a Tower Bridge fazer umas fotos.
       
      144

       
      145

       
      146

       
      Para quem gosta de cerveja, o Tour da Fuller’s é imperdível. O Tour é em inglês (aqui precisa de um inglês intermediário ao menos, pois a explicação é bem técnica e quem não entender vai ficar boiando e não curtir a essência do lugar). O passeio dura aproximadamente 75 minutos e é finalizado com chave de ouro em uma degustação open bar por 30 minutos. Isso mesmo, você pode beber todas as cervejas a disposição o quanto quiser por 30 minutos. Pensa no estrago...
       
      147

       
      148

       
      149

       
      150

       
      151

       
      Após o Tour, e quase carregado pela minha esposa, paramos em uma Hamburgueria muito legal no bairro da Fuller’s para dar uma forrada no estomago. Dali resolvemos ir ao apartamento dar uma cochilada pois o porrete foi severo...
      Depois de umas duas horas de sono, partimos para explorar o Covent Garden, Leicester Square, Trafalgare Square, Picadilly Circus e o Soho, tudo na base da caminhada. Aliás, caminhar do Covent Garden passando pela Leicester Square até a Picadilly Circus, é uma das melhores chances que você vai ter de curtir a vida Londrina...
       
      152 – Covent Garden

       
      151 – Picadilly Circus

       
      152

       
      153 – National Gallery

       
       
      Dia 12
      Era sábado e o nosso último dia inteiro em Londres. Optamos em dar um pulo no Borough Market, uma feira incrível que fica próximo a Tower Bridge que abre poucos dias da semana e que possui uma diversidade de comidas impressionante. Aqui dá pra você matar a fome apenas pegando provinhas dos quiosques que ficam lá dentro. Sábado é sempre uma loucura, então o lance é ter paciência e ir cedo.
       
      154

       
      155

       
      Após matar umas horinhas por lá e sair com a barriga cheia, resolvemos dar uma passada na St. Paul Cathedral para fazer alguns registros. Foi minha segunda vez lá e ainda assim não criei coragem de pagar 20 libras pra entrar nela... Por enquanto ainda somente fotos externas...
      156

       
      157

       
      Pra encerrar o dia passamos no museu de história natural (o que não recomendo fazer em um sábado, estava completamente lotado!!)... Já no final do dia era hora de voltar ao apartamento, tomar umas geladas e arrumas as malas para ir para o aeroporto no dia seguinte.
       
      158

       
      159

       
      160

       
      Dia 13
      Nosso voo para Amsterdam era bem cedo, senão me engano umas 07:00 da manhã. Como era domingo o sistema de metrô aqui não ia nos ajudar. Tivemos que apelar para o Taxi (único momento da viagem). Fiz a reserva um dia antes pelo aplicativo MiniCabIt, informei o numero de passageiros e bagagens e voilá! No horário marcado chegou uma van para nos levarmos para o Heathrow...
       
      Chegamos em Amsterdam perto do meio dia (devido ao fuso horário) e já tinha comprado com antecedência os ingressos + Passagens para o Keukenhoef (famoso parque das tulipas que só abre 40 dias por ano). Como a saída para o parque é do aeroporto, deixamos as nossas malas nos lockers e fomos diretos para lá. Até chegar fora uns 40 minutos de ônibus.
       
      Se você está nesta época do ano em Amsterdam este programa é imperdível. O parque é maravilhoso, enorme e super bem cuidado. Dá para perder um dia inteiro vendo tudo o que é tipo de flor...
       
      161

       
      162

       
      163

       
      164

       
      165

       
      166

       
      167

       
      168

       
      Ficamos no parquet até umas 16:30 e voltamos para o aeroporto. De lá compramos um single ticket do Sprint (trem de superfície) até uma estação de metro e pegamos um metrô até o nosso apartamento que ficava em frente ao RembrandtPark.
      Depois de nos acomodarmos, fomos jantar nas proximidades da Leidspleim ondem comemos um delicioso festival de costelinhas de porco ao barbecue. E claro sempre tirando algumas fotos pelo caminho, pois Amsterdam é uma das cidades mais fotogênicas do mundo.
       
      169

       
      170

       
      171

       
      172

       
      Dia 14
      Amanheceu o dia com o tempo bem ruim, nublado para chuvoso... O que limitou um monte as nossas opções. Acordamos um pouco mais tarde, o cansaço da viagem já estava pesando no corpo.
      Fomos caminhando até o Vondelpark e fomos presenteados com o letreiro do Iamsterdam itinerante dando bobeira lá sem ninguém. Ótimo para fazermos os nossos registros...
       
      173

       
      174

       
      175

       
      176

       
      177

       
      Continuamos a nossa caminhada até a Museumpleim, onde fica o famoso letreiro (este não é itinerante) junto com o museu do Vangogh e o Rijksmuseum.
       
      178

       
      179

       
      180

       
      181

       
      Depois do almoço o mundo desabou… Foi muita chuva até a noite. Acabamos comprando um guarda chuva e ficamos caminhando pelo centrinho, vendo lojas e principalmente comprando cerveja. A noite nem saímos do apartamento, fizemos uma janta e relaxamos.
       
      Dia 15
      Acordamos super cedo pois este dia iriamos de trem para a Bélgica (Bruxelas). Eu comprei as passagens com bastante antecedência no Brasil pelo site da Tallys (operadora de trem na Europa) e dei muita sorte. Na estação de trem tinha um brasileiro querendo dar um “migué” e pegar o meu trem que era bem mais rápido do que o da NS (trem holandês) e não conseguiu e falou que o preço da passagem na hora do meu trem estava 4x mais caro do que eu paguei com antecedência.
       
      182

       
      183

       
       
      A viagem foi super tranquila e bem rápida. Acredito que o trem deva beirar os 400km/h pois foi de longe o trem mais rápido que já andei. Chegando em Bruxelas fui para o metrô para fazer o meu deslocamento até a estação central e começar a bater perna.
      O tempo estava bem esquisito, momentos tinha sol, momentos vinha a chuva. E o frio era de lascar pois tinha muito vento. A nossa primeira parada foi a igreja de St. Michel e Gudule. Imponente por fora e muito bonita também por dentro (não paga nada para entrar).
       
      184

       
      185

       
      Nessa região, tem muita coisa perto e dá pra fazer tudo caminhando quase... Foi o que fizemos. Dali fomos caminhando até o Parque de Bruxelas, o Palácio de Bruxelas, descemos até o Jardin du Monts des Arts passando pela Place Royale até chegar ao Manneken Pis
       
      186 – Senado Belga

       
      187

       
      188 – Palacio real

       
      189

       
      190 - Jardin du Monts des Arts

       
      191

       
      192 – Manneken Pis

       
      193

       
      Saímos do Manneken Pis por volta do meio dia e fomos direto para a Grand Place. A praça é algo fora do comum, é de ficar com o queixo caído... a Beleza por tudo, a ostentação, os restaurantes... É cenário de filme mesmo. Aproveitamos e almoçamos em um restaurante ali na praça, a dica aqui é ver os pratos do dia. Sempre tem boas opções por um preço bem em conta.
       
      194

       
      195

       
      196

       
      Após um fantástico almoço, fomos na Galeria Saint-Hubert (se não me engano é o centro comercial mais antigo da Europa) onde tem lojas magnificas de relógios, chocolates e outras coisas mais. Ali fica muito perto da Rua dos bares da Delirium, mas acabei não indo... Depois pegamos um metrô e fomos para o Arco do Triunfo, no Parque do Cinquentenario. Este lugar é lindo, mas os Belgas aqui deram uma de portugueses e fizeram um estacionamento na frente e atrás do Arco, ou seja, as fotografias ficam completamente comprometidas em um dos lugares mais belos de Bruxelas.
       
      197 - Galeria Saint-Hubert

       
      198 – Muitos chocolates

       
      199

       
      200

       
      201

       
      202

       
      Para encerrar o nosso dia em Bruxelas fomos até o Atomium (tivemos que pegar o metrô novamente, pois é um pouco mais afastado). Confesso que fui surpreendido, pois ele é muito imponente... Super alto, bonito e se tiver sol o efeito é muito louco dos reflexos. Uma pena que acabei não subindo, vai ficar para a próxima.
       
      203

       
      204

       
      205

       
      206

       
      Encerramos o dia por volta das 18:00 e voltamos para a estação de trem para o retorno a Amsterdam.
       
      Dia 16
      Nosso último dia de viagem, queríamos curtir mais a cidade do que ficar batendo perna que nem louco e fotografando. Amsterdam amanheceu com um belo sol e saímos sem muito compromisso para curtir os canais, ir na Heineken Experience, fazer um passeio de canal e encerrar o dia em um dos meus lugares prediletos de Amsterdam, a cervejaria Brouwerij’t IJ, a famosa cervejaria do moinho.
       
      207

       
      208

       
      209

       
      210

       
      211

       
      212

       
      213

       
      214

       
      Após algumas cervejas voltamos para o nosso apartamento para organizar as nossas coisas e preparar a nossa ida no dia seguinte para o aeroporto.
       
      Dia 17
      Pegamos um metrô até a estação de Sprint e depois pegamos o trem até o aeroporto. Amsterdam é tudo muito fácil em relação aos deslocamentos, até o aeroporto é super perto. Chegamos no horário certo, despachamos as malas e voltamos para a realidade, afinal uma hora acaba!!
    • Por castrotrip
      Ola 
      Alguém poderia me ajudar termina meu roteiro em Amsterdã, ficarei la 4 dias completo e metade de 2 dias
      Até presente momento montei isso 

    • Por CatarinaCSantos
      Olá! ☺️
      Vou partir de São Paulo em 30/09 para um mochilão de 18 dias na Europa.
      Estou com as passagens compradas para conhecer França, Itália e Holanda. 
      Minha dúvida no momento é se eu consigo sobreviver esses 18 dias com R$ 5.000,00 (cerca de 1.000 euros) sem contar as hospedagens.
      Saberiam dizer o custo médio por dia nesses países?
      Estou aceitando dicas dos principais pontos turísticos que eu não posso deixar de conhecer nesse roteiro e que não sejam tão caros.
       
      Obrigada! 😁
    • Por Blog Embarque40Mais
      Durante percurso de sete dias na terra dos moinhos de vento e das tulipas, os cicloturistas encontraram belas paisagens, curiosidades e até alguns contratempos, mas que só enriqueceram ainda mais essa experiência incrível!
      Michele da Costa
      A bicicleta sempre fez parte vida do jornalista brasileiro Amarildo Carnicel, desde a infância e adolescência, que passou em São José do Rio Preto, interior de São Paulo. “Ia à escola de bicicleta. Pedalava à tarde e à noite com amigos. Como o futebol nunca foi meu forte, a bike era minha opção de esporte e brincadeira”, conta. Mas foi após completar 50 anos de idade que ele mergulhou de cabeça nesse universo do mountain bike e, aos 55, realizou sua mais recente façanha: integrou um grupo de casais amigos que percorreu 240 quilômetros na Holanda de bicicleta. * Veja mais fotos, vídeos e continue lendo em http://embarque40mais.com/2018/05/24/casais-brasileiros-pedalam-240-km-em-tour-pela-holanda/
      Sobre o blog: O http://embarque40mais.com é dedicado a pessoas com mais de 40 anos de idade, mas o conteúdo é de interesse de todos que gostam de viajar, conhecer lugares e ter novas experiências. A autora é Michele da Costa, jornalista paulista que ama conhecer lugares e contar histórias. Nos posts sobre as viagens dela, dá dicas detalhadas para planejamento e muita inspiração! Esperamos vocês! 
      Bj da Mi 😘
       
       
       
       
    • Por karinerribeiro
      Oi, gente! Em meados de Abril eu embarquei pra Europa com meu mochilão e minha própria companhia por 29 dias, dos qual eu nunca imaginaria ser tão incrível. Sério, se ta em duvida se vai ou não, só vai, jamais, JAMAIS irá se arrepender. Quem quier acompanhar com mais dicas, fotos e stories corre la no  instagram @monteseuroteiro 
      Roteiro:
      Barcelona, 5 dias (12 a 17 de abril de 2018)
      Vienna, 5 dias (17 a 22 de abril de 2018)
      (Encaixado em Vienna, fui a um bate volta em Budapeste (dia 18/04), e amei tanto que voltei e fiquei 2 dias, 19 a 21 de abril)
      Praga, 4 dias (22 a 26 de abril de 2018)
      Berlin, 7 dias (26 de abril a 02 de maio de 2018)
      Amsterdam, 6 dias (03 a 09 de maio de 2018)
      Avião:
      Ida:
      Rio de Janeiro X Barcelona (Com conexão em Casablancas) - Pela Royal Air Maroc, R$1366. Voar pela Royal Air Maroc, ao contrario do que li em muitos relatos na internet, foi muito bom. O avião era novo, muita comida boa, eles davam kit tapa olho, lençol e travesseiro) e tambem tinha tv (mas todos os programas eram sem legenda em portugues)
      Volta:
      Amsterdam X Rio de Janeiro (Com conexão em Lisboa) - Pela TAP, R$999. Voar com a TAP foi bem bom tambem, mesma fartura de comidas, lençol e travesseiro mesmo no voo pela tarde.
      Minha experiência de conexão em Casablancas não foi das melhores. Eu não despachei mala em momento nenhum dessa viagem, fui com um Mochilão de 50l, não muito cheio, e uma mochila pequena preta. Saindo do avião já tem uma parte de perguntas-esteira-revista que não da nem pra respirar direito. Eles deixavam muita gente passar e vez ou outra mandava alguem pra passar os pertences na esteira e ir pra revista. Eu fui a escolhida, o cara não manjava nadinha de inglês e ficava repetindo "trabajo?" mesmo comigo falando minha profissão em ingles , bom...deixei minhas mochilas no scanner, peguei e dai me pediram pra ir pra trás de uma cortininha pra uma revista quase intima. Era com uma moça, claro, ela me apalpou inteira, tive que abrir doleira, tirar tudo, e verificou ate a haste do meu sutiã. AWKWARD demais. Depois você andava um pouquinho e dai sim, tinha a esteira, o detector de metal e o guarda para verificar passaporte e passagem, de novo! Dai de lá segui rumo ao meu portão de embarque pro Voo pra Barcelona.Em Barcelona por sua vez, na imigração, o moço não me respondeu nem o ''hello'' que dei, carimbou e me entregou o passaporte, ufa. Eu levei uma pastinha com TUDO que se tem direito. Reservas de hostels, voo, onibus, etc, não precisou, felizmente! mas sempre bom levar
      GASTOS DIÁRIOS:
      Barcelona, 5 dias -  € 40/dia -  €200
      Vienna, 5 dias -  €40/dia -  €200
      Budapeste - Como foi encaixado em Vienna, foi incluso no valor de lá por dia que fiquei, inclusive o valor do hostel (2 dias)
      Praga, 4 dias -  €40/dia -  €160
      Berlin, 7 dias -  €40/dia -  €280
      Amsterdam, 6 dias -  €40/dia -  €240
      TOTAL: R$4750, euro a R$4,40
       
      BARCELONA:
      Dia 12/04: Cheguei em Barcelona por volta das 19h, andei até o metro integrado com o aeroporto, comprei o Bilhete Único e fui em direção a minha segunda experiencia no Couchsurfing, a casa da Ester ficava ao lado da Basílica da Sagrada Família e de ótimo acesso a varios pontos. Acabei indo na loa Vodafone, comprar um chip de internet porque eu queria estar segura pra me locomover em algns pontos durante a viagem. Acabei comprando um de 6gb por $25 (e me serviu durante os 29 dias sim, na verdade, nos dias de AMS a velocidade tava reduzida porque tinha acabado mas mesmo assim nao deixou de funcionar um pouco). Me estabelecendo e conversando um pouco com a minha Couch, fui dar uma andada ao redor da Sagrada Família e logo voltei, pois estava bem cansada e ficamos comendo comida japonesa e bebendo vinho!
      Dia 13/04: No dia seguinte, fui novamente a Sagrada Familia, porque acho que nunca cansaria daquela vista, infelizmente eu não entrei por causa das filas grandes, mas se arrependimento matasse eu tava morta e enterrada (ainda volto pra entrar nessa lindeza) visitei o museu do Barcelona que fica ao lado e que vale muito a pena, principalmente se você for ou conhecer aquele parente doido por futebol. Acabei estiquei o caminho ao Parque Guell, onde eu já tinha comprado ingresso pela internet (€7). Antes, encontrei um restaurante onde paguei outros €7 euros pela comida (muita)+bebida (minha primeirissima cerveja na europa, eba).  AH, importantissimo: Comprem o bilhete de metro T10, ele da direito a 10 viagens de metro e custa $10. Eu usei e abusei dele durante minha estadia.
      Algumas ruas que dão para o Park Guell tem escada rolante e tudo, o que foi ótimo! (trace o caminho de onde vc estiver até o park pelo google maps quando estiver com wifi e tire prints, ele te da o caminho certinho mesmo). O acesso pelo park é bem facil, e comprando antecipado você entra direto sem fila, e não tem necessidade de levar o comprovante impresso, pode ser no celular! E CUIDADO, o Park é alem da área paga. ele é muito maior e da pra ver mais coisa subindo cada vez mais, mas tem uma delimitação de onde é a área paga e se você sair, não tem como voltar. Então, minha dica, é olhar bastante aos arredores da parte paga do parque, e depois subir mais ainda além da limitação. Pra quem não quer pagar pra ver as artes de Gaudi de pertinho, da pra ir pra parte de graça e ter uma visão muito incrível e linda, mas não tão detalhada das artes.


       
      Area nao paga:

       
      Dia 14/04: Dia de Check-in no Hostel e conhecer os arredores do verdadeiro coração de Barcelona: a Las Ramblas. O Kabul Hostel Party fica MUITO bem centralizado, e inclusive se encontra na Plaça Reial, uma praça completamente rodeada por restaurantes(um pouco caros) mas que fica sempre cheio e com uma vibe muito gostosa! Fica bem próximo ao Metro Liceu e ao Mercado La Boqueria, o qual é incrivel pra pequenas a médias refeições de tudo quanto é tipo e gosto. O hostel é bem interativo, tem MUITAS atividades e é ideal se for sozinho. Os quartos são bons lockers que cabem o mochilão todo e bem limpo. Depois de bater muita perna e me perder nas ruas do Bairro Gótico (imperdivel), passei pela Catedral de Barcelona, algumas lojinhas e voltei ao Hostel. Conheci uma galera que tava hospedada por lá. Ficamos bebendo, jogando sinuca e nos aventuramos em uma balada e bar pelos arredores do Hostel. Tudo 10/10 e incrivel.
       
      Dia 15/04: O tempo já tinha aberto em Barcelona e o sol tava torrando!! Aproveitei pra dar uma volta na Barceloneta, pra quem não sabe, é a praia la de Barcelona. Fui andando pela beira do mar até chegar a praia, avistei um mercado, comprei um lanche, uma bebida e sentei na orla bem de boas, aproveitando o solzinho! Na beira da Barceloneta há vendedores de oculos e tenis (replicas), com precinho bem camarada, cerca de  €20, me arrependi de não ter comprado um (ou vários). Aproveitei também a volta, visitei algumas lojas que eu queria, comi uma foccacia enorme + coca por  €5 e terminei no hostel pra aproveitar os 30min de cervejinha gratis, porque não? hahah Acabei também, fazendo o Pub Crawl, que custou  €12 (APROVEITEM PELO AMOR, foi o mais barato que paguei dentre os que eu fiz) e tinha direito a 3 shots em cada lugar que iriamos parar (2 bares+1 balada) Os bares ficavam num complexo enorme com muitas opções e a balada foi a Opium. Drinks caros, musica masomenos, mas tava lotaderrima e era segunda feira, então, valeu a experiencia.  Dia 16 e 17/04 (manhã): Ultimo dia em Barcelona, dei umas voltas ao redor do bairro, andei muitissimo a procura de brechós e lojinhas e terminei a noite visitando o Arco do Triunfo, que é incrivel e lindo de ver, a noite ele tem uma iluminação especial e super vale a visita. De metro a partir do hostel eu cheguei rapidex, e com isso me restou só 1 passagem no bilhete T10. Lembra que eu comentei dele? O problema é que chegando la no aeroporto no dia 17 (super cedo, meu voo era as 9h) ele não é valido pra linha que permite você a sair da roleta pro aeroporto, então, você tem que acabar comprando um unitario só pra poder passar.  VIENNA:
      Dia 17/04: Cheguei em Vienna de avião desde Barcelona, porque o trajeto é bem longo e de ônibus levaria 2 dias ou mais. Cheguei no hostel graças ao meu melhor amigo google maps que traçou minha rota bonitinha enquanto eu tava no Wifi e tirei print caso ficasse sem internet. A chegada do aeroporto até a estação de trem é bem curta e um pouco confusa. A estação é em uma capsula enorme mas sem nenhuma sinalização de que ali tem um trem passando...e ai, não tinha nenhum guarda, não vi nenhuma maquina de ticket e quando reparei ja tava na plataforma na cara do trem...achei estranho, subi as escadas de novo e vi uma maquina apenas, bem escondidinha aonde eu tinha que comprar o ticket pra embarcar. Custou cerca de  €5, e me deixou na estação central de Vienna, que calhou de ser do lado do hostel.(não esqueçam de validar o ticket antes de entrar no trem, por sorte tinha um guardinha la embaixo com uma maquina de validação na mão e me ajudou, porem, nunca mais vi disso na viagem, não arrisquem de ir sem ticket também porque se a fiscalização pegar é multa altissima). Deixei minhas coisas e fui bater perna. Vi que estava do ladinho do Palacio Belvedere, e fui até lá. O palácio e seus jardins são incriveeeeeeis! De lá, fui andando pro Stadtpark, que é muito bonitinho e confortável pra sentar na grama e fazer um pic nic, ou só pensar na vida. De lá, você já da de cara com o centrão de Vienna, com as ruas largas e com prédios lindos e lojas de todos os estilos e preços. É maravilhoso se perder pelas ruas também, fuçar tudinho, até dar de cara com a Catedral de St. Stephen, que com certeza, você não vai esquecer quando encontrar. É magnifica demais. AH, e tem que OBVIO provar o Schnitzel. Como meu dia já estava quase no fim, e eu não tinha gastado quase nada dos €40 reservados pro dia, me dei de presente um prato incrível de Schinitzel+batata frita do restaurante WienerWald, no valor de €16 e que estava simplesmente incrível.   BUDAPESTE:
      Dia 18/04: Meu primeiro dia em Budapeste, na verdade, foi um Bate e Volta ja programado desde Vienna. Eu já tinha comprado ida e volta numa promoção da Flixbus coisa de um mês antes.Paguei  €10 ida e volta de ViennaXBudapesteXVienna. MAS como nem tudo são flores, acordei atrasada e acabei perdendo o ônibus por 10 minutos. Na europa é assim, eles são pontuais DEMAIS. Dai, fui no Guiche ver quando seria a próxima ida e tive que pagar mais  €10. Ok, um pouco bolada e mais de 2h de espera pro próximo, resolvi comprar anyway. Mesmo tendo pouco tempo pra curtir por la, porque afinal a volta tava mantida e era as 17h. De Vienna pra BP são 3h. Cheguei por volta de 11/12h e acabei indo da estação ate o centro andando pelas ruas. Me arrependi novamente hahahah fiquei 1h andando até chegar na Deak Ferenc U (A estação central de BP), ja tava meio cansadinha mas nada me impediu de bater muita perna. Aliás, quando dei de cara com o Parlamento vi que tudo fez sentido. Eu agradeci demais por ter persistido e ido apesar dos pesares. Cada rua que eu entrava em me impressionava ainda mais, era doido de ser ver a grandeza da cidade.   Dia 19/04: Resumindo? Na volta de Budapeste pra Vienna, aproveitei o wifi do onibus e acabei vendo que reservando hostel pros proximos dois dias entrava na minha média do que eu podia gastar por dia. Era  €9 a diaria,  €10 ida e  €10 volta, então me sobraria  €21 para gastar por dia. (Pois no meu planejamento, eu teria  €40/dia) e DEU, até porque me sobrou uns florint do dia do Bate e Volta. Sendo assim, reservei pra mais dois dias e voltei na manha seguinte bem cedo porque eu realmente me apaixonei por Budapeste como nunca antes aconteceu.  Assim que cheguei no hostel, deixei minhas coisas e segui pra comer alguma coisa e conhecer um pouquinho mais do que eu não tinha visto no dia anterior. Mas acabei finalizando o dia, claro, no Parlamento pra ver o por do sol por lá e o acender das luzes e caraca! acho que entrou pras cenas que meu cérebro não tem nem coragem de esquecer de tão lindo. Voltei pro hostel, e como ja tinha conhecido uns amigos e outros que conheci em Vienna também tinham chegado em Budapeste, fomos todos pro bar mais famoso de lá: O Szympla Kert. O espaço é todo diferente e incrível. É todo decorado de objetos que iriam (ou foram) pro lixo. Tem vários e vários ambientes e dois bares bem distribuídos pra você não precisar se deslocar tanto só pra pegar uma cerveja. Lá lota qualquer dia da semana e ah, não paga entrada, só o que consumir. O pint da cerveja (500ml) é por volta de 500-600 florint, coisa de  €2. De lá, depois de conhecer mais um galera super doida e divertida, fomos pro Instint, uma balada que você também não pagava pra entrar (pq era quinta feira, não sei muito bem dos outros dias) e tava tocando uma musica bem boa que eu gosto muito e dai ficamos noite afora por lá e era do lado do hostel então foi bem de boas e volta.   Dia 20: Depois de acordar meio pra la do que pra cá, me estabeleci, tomei um banho e fui conhecer o lado de Buda, o castelo e o bastião do pescador. Optei por ir andando, porque como eu ja disse, AMO bater perna e acho a melhor maneira de se locomover (e porque não era tão longe assim, já que o Hostel era bem central). Tava bastante sol e eu com bastante ressaca, então fiz tudo no meu tempo, revezando entre muita água e sorvete hahaha Chegando no pé do Castelo, optei por ir a pé, porque a subida não era tão grande assim, e não demorei mais que 15min pra subir. Porem, existe a opção da Funicular. Percorri o castelo todinho e de lá se tem muitas vistas incríveis do lado Peste. Pra quem não sabe, Budapeste é dividida em dois lados. O lado Peste é o comercial, onde tudo acontece. E o lado Buda, é do outro lado do Rio Danubio, onde tem castelo e tudo é mais medieval e menor, inclusive as ruas. Essa é a historia resumida, historicamente falando, tem que dar uma pesquisada hahaha Segui ao Bastião do Pescador e acabei não comprando o ticket pra subir e ter uma vista ''melhor'', achei salgado o valor, era por volta de  €7 e ja tinha visto quase a mesma coisa, inclusive do lado tem umas escadinhas que se tem a mesmissima vista. Na volta pro hostel, aproveitei pra dar uma descansada porque afinal, era sabado e meu ultimo dia naquele lugar incrivel. Acabei decidindo (junto de um dos meu roommate por dois dias e do qual virei amiga hahah) sair e entrar em bares que achássemos legal, tomar uma cerveja e fazer isso o quanto pudêssemos hahahha fomos a lugares incríveis que eu nem imaginaria que existia se não visse e resolvesse entrar de doida. Dos que me lembro, fui ao Kuplung, um complexo parecido com o Szympla Kert e muito animado e o IAI, que era uma espaço tipo um galpão gigantesco, que acredito rolar uma festa diferente a cada dia.    Dia 21/04: Acordei catando cavaco mega atrasada pro Check Out, mas pro meu alivio eles foram bem legais mesmo com meu atraso de 20min. Era dia de voltar a Vienna, fuen. Fui caminhando ao metro da Deak Ferenc U em direção a estação de ônibus de Nepliget. (Não esquece de fazer o trajeto no google maps, ele te da certinho o que fazer, se precisa de baldiação e tudo mais). Chegando em Vienna, voltei pro hostel, deixei as coisas e segui de metro pra ver um pouquinho do que me faltava. A prefeitura, e o Palácio de Hofburg.  Voltei ao hostel já de noite, morta com farofa de cansaço e aproveitei pra dormir tudo o que eu ainda não tinha dormido durante esses dias, me dei de presente belas 12h de sono e acordei plena no dia seguinte pra ida a Praga. PRAGA:
      Dia 22: Cheguei em praga por volta das 13h, pela estação de ônibus de lá. Ela é bem próxima ao centro e já de cara é bom trocar um pequena quantidade na casa de cambio (o suficiente pra sua locomoção até a hospedagem) Como do lado do meu hostel, possuía uma estação de metro, optei pelo metro. Foi a compra de bilhete mais confusa que eu vi nos metros da europa hahahah eu fiquei bons muitos minutos analisando as milhões de opções de tickets que oferecem. optei, depois de muito esforço pelo ticket de 24 centavos de CZK que dava direito a uma locomoção de até 30min, como tava dando apenas 15min do meu trajeto, achei a melhor opção. (aham, isso mesmo, 24 centavos. Já de cara eu comecei a perceber como tudo era barato).
      Chegando no hostel e feito o Check in, segui pra conhecer um pouquinho da cidade e comer alguma coisa. O hostel era bem proximo da Charles Bridge e sendo assim, percorri ela todinha até o outro lado pra visitar tambem a John Lennon Wall, continuei caminhando, meio sem rumo e acabei em um pequeno festival com algumas barraquinhas e palco com banda tocando em um parque próximo de lá. Assim que acabou, voltei por uma outra ponte, caminhei a beira do rio ate a Dancing House, e de lá, voltei pro começo da Charles pra ver o por do sol!  finalizei o dia no hostel mesmo, bebendo umas cervejas e descansando.   Dia 23/04: Tinha deixado meu nome na recepção pro free walking tour que ia passar la no hostel pra me buscar e levar pro ponto de encontro as 10h. O tour foi feito com a The Good Prague Tours e claro, como o nome diz, foi gratuito. POREM, o lance dos free walking é exatamente você curtir a tour a ponto de dar uma gorjeta no final! eu dei 250 CZK, por volta de $10 porque foi tudo muito bom e explicado pelo guia. Foi percorrido toda a old town square e o bairro judeu. A noite, passei no mercado Bila (anotem esse nome, ele é simplesmente otimo com varias refeições prontas só pra esquentar e muito em conta) comprei uma salada, um frango empanado e uma barra enorme de milka que tava na promoção e tudo me custou 170 CZK, cerca de $7. A noite, acabei fechando tambem na recepção, o Pub Crawl com o the drunk monkeys. Eles passam por 2 bares e uma balada, porem, eu recomendo muitissimo que seja feito num fds de preferencia hahaha o primeiro bar era também um open bar de 2h de cerveja, shots e drinks num bar próprio deles com mesa de totó, coisas de beer poing e tudo mais. A galera que conheci lá fez valer o resto da noite, porque era segunda feira e né, segunda feira é um pouco parecida em qualquer lugar. Dia 24, 25 e 26/04: Aproveitei que não tinha nenhuma atividade pra manhã e dormi até um pouquinho mais tarde. E as 14h fui ao ponto de encontro pro tour do castelo + beer tour com direito a 3 cervejas, o pacote foi um combo do The Good Prague tours e custou 590 CZK, cerca de $23, o que é SUPER barato. Depois do ultimo bar da beer tour, o guia nos indicou um outro muito irado e todo subterraneo onde a cerveja era bizarramente barata e se pagava com duas moedinhas APENAS (45 centavos de CZK). ficamos lá por um bom tempo (sem o guia) hahaha e foi MEGA divertido!
      No dia 25, eu tive o dia todinho off e andei muito, visitei muita loja (comprei quase nada) e terminei o dia numa jata coletiva por $3 que o Hostel oferecia.
      No dia 26, eu acordei tranquilamente e fui rumo a estação, porque meu onibus pra Berlim era por volta das 10h da manhã.
      BERLIN:
      Dia 26/04: Cheguei em Berlin por volta das 16h, mas me perdi muito que bem durante 1h na estação de metro de lá. É GIGANTE, com muitas plataformas e direções, e até eu conseguir me achar, vi que estava indo pro lado errado hahahha e dai tive que voltar tudinho pra finalmente chegar no hostel, isso já era lá pras 18h (pra vocês verem o tanto de tempo que fiquei zanzando, sendo que o trajeto seria de 30min da rodoviaria até o Hostel.
      Enfim, estabelecida, o Hostel que eu fiquei foi o Heart Of Golden. Foi o que mais me surpreendeu e o que eu mais tava apreensiva. Na reserva, optei pelo "MegaDorm", que nada mais era descrito como um quarto com aproximadamente 20-25 beliches, assusta né? Mesmo assim arrisquei e que bom que o fiz. O quarto é literalmente uma casa hahaha é ENORME e na verdade as 20 e tantas beliches sao divididas em dois quartos dentro do comodo, que contem lockers menores internos no quarto e maiores externos na área social que possui uma mesona com cadeiras etc. Possui dois banheiros também. A parte social do hostel é bem boa, tem sinuca, bar, computador pra uso comum e etc. Não achei os staffs lá muito simpáticos mas ninguém me tratou mal.
      Dei umas voltas ao redor do hostel, que ficava muito bem localizado, acabei fazendo uma friend de quarto e saímos juntas pra jantar alguma coisa no restaurante Peter Pane, o preço é um pouco salgado mas o ambiente é incrivel e vale a pena.

      Dia 27/04 Pra minha mega surpresa, o amigo que fiz em Budapeste, estaria em Berlim exatamente nas datas que eu, e ele já tinha morado por 2 anos lá, então, resolvi ir com ele andar de bike por ai e explorar um pouco da cidade na visão local, acrescentando só uns pontos turísticos porque afinal, eu era a turista né? Passamos pelo Treptower Park (que é a coisa mais linda ever), pelo Muro de Berlim, por complexo Raw (onde tem varias daquelas baladas famosas em berlin que você só entra se o segurança for com a sua cara), por alguns complexos de comida, o Aeroporto abandonado (que muita gente vai pra andar de bike, patins, etc e finalizamos o dia no Görlitzer Park, bebendo algumas cervejas locais.



      Dia 28/04: Dia de conhecer a Alexanderplatz e suas muitas lojas maravilhosas, incluindo, a Primark, foi a primeira vez que fui na primark e quase endoideci, muita roupa barata e linda de morrer, anotem esse nome pra vida, ela tem varias filiais por toda a Europa. Dei uma passada na topshop que fica em frente só pra babar mesmo (pq é bem mais cara) e depois de muita andança, acabei num restaurante maravilhoso e não tão caro (por volta de $7-10). 
      A noite, fui conhecer a noite de berlim e suas famossisimas baladas eletronicas icônicas e olha, é incrivel, mesmo se a vibe não for exatamente a sua, é uma experiencia muito foda de estar, algumas festas duram o fim de semana todo, e com pulseira você pode ficar indo e voltando a hora que bem entender. A maioria das boates por lá, não é permitido gravar, fotografar nem nada do tipo (em algumas ate botam um adesivo na câmera do seu celular, e se te pegarem com ela sem, você é expulso).  Antes de ir eu achei muito doido isso, mas depois de estar lá eu entendi o quanto era legal aquela ação. As pessoas tão ali e se doam inteiramente ao lugar (alem das drogas que rolam e coisa e tal) é uma sensação muito confortavel. Nesse dia eu fui numa festa nos arredores da estação Schlesisches Tor, acho que fui quase todos os dias pros lados de lá, onde o underground e lugares locais são muito fortes.


      Dia 29/04: O dia amanheceu com um sol de DOER. Aproveitei pra ir ao MauerPark, onde nesse fim de semana (e acho que rola em vários outros) tava acontecendo uma mega feira de brechó, segunda mão, roupas novas, decoração, foodtrucks e muita gente fazendo música. O parque é gigante, não fica longe do centro (eu fui até lá pelos trams), e cheguei a comprar uma blusa muito comfort de manguinha por $2. Fiquei por lá a parte da manha e quase a tarde toda.
      Voltei ao Centro pra ver o por do sol no Brandeburg Tour e no Parlamento Alemão. Ali perto, fui até o Memorial pra vitimas do Holocausto (funciona um museu gratuito embaixo dele) e finalizei o dia andando até o hostel pra conhecer Berlim a noite.



      Dia 30/04 Depois de chegar no hostel quase as 6am, dei uma dormida muito rápida, e logo acordei, me arrumei, e fui conhecer a Catedral de Berlin, o Museu DDR e os arredores do Museum Square.
      O museu DDR foi em torno de $19 e é muitoooo incrivel. Conta a historia inteirinha da Alemanha desde muitos e muitos anos e ele é TODO interativo. Você toca e interage com quase todos os objetos lá. Tem varias gavetas e armarios pra puxar e abrir e saber uma história diferente. Além de musicas, vídeos, audios de rádio, telefone e até uma recriação de uma casa alemanha da decada de 70. A tour dura em media 2h se for bem apreciada.
      A noite, lá fui eu pra Schlesisches Tor pra uma mini tour bares (que só passei por dois) e um deles doi o Madame Claude, o ambiente é mucho doido, a entrada é uma coloboração do que você achar melhor (eu dei $3). O ambiente é todo virado de cabeça pra baixo, mega underground e no subsolo tem OpenMic, que nada mais é, pessoas aleatorias, com talento ou não, que tocam por 40min cada um. Quando eu cheguei lá embaixo tinha um menino muito do doido tocando uma guitarra de qualquer jeito, ele apertava, puxava, pressionava as cordas e eu fiquei fascinada com a doideira de tudo e o quanto as pessoas estavam simplesmente amando aquilo.



      01/05: PRIMEIRO DE MAIO FERIADO! Olha, nem nos meus maiores planos eu imaginaria que estaria em Berlin pra essa data (sem querer e sem saber) sabe carnaval? é tipo isso lá nesse dia. Ruas fechadas, lotadas, com shows, festas (eletronicas claro), parques tomados de gente, muita intervenção cultural e bebida permitida nas ruas, dai vocês imaginam né? Foi uma surpresa muito boa e doida que eu não tenho nem como descrever, só sentindo pra saber.


      02/05: No meu último dia, eu fui conhecer o Campo de concentração de Sachsenhausen, ele fica há 40min de Berlim, e pra chegar lá é preciso comprar o ticket ABC do metro, porque a estação de Oranienburg fica na região C. De lá, é cerca de 15min andando ou 10min de onibus. É um passeio pesado, triste e necessário. É você viajar no tempo, num passado muito recente e ver com seus próprios olhos tudo aquilo que estudou por alto no ensino médio. A entrada no Campo é gratuita e eu aconselho demais alugar um audio guia, que custa $3 e tem em Portugues. Eu deixei muitas e muitas lágrimas por lá. Aconselho tambem, a ir na parte da manhã, por o passeio ocupa facil uma tarde toda.




       
      AMSTERDAM:
      03/05: Meu onibus de Berlim pra AMS foi no trajeto noturno, então, economizei uma diária nesse esquema. Cheguei em Amsterdam por volta de 12h e foi super tranquilo achar o trem, chegar na Centraal Station e pegar um Tram até proximo ao meu hostel (Amém google maps traçando rotas).As primeiras impressoes do hostel foram magnificas. Atendimento bom, espaços sociais incriveis, quartos espaçosos e banheiro privativo. Foi o segundo hostel que eu tive café da manha (fora Barcelona) então se acostumem, porque servir Café da manha nos hostels da Europa não é muito comum.
      Já que ele ficava bem pertinho do Rijikmuseum, eu fui dar uma volta nos arredores, tirar umas fotos e entrei tambem a exposição que tava rolando do Banksy, custou $12,50 e eu meio que me arrependi. Não achei a exposição lá essas coisas, mas tudo bem, vida que segue.
      Nesse mesmo dia, ia rolar o show de um cantor que eu sou maluca e que talvez nunca rolasse a chance de ver de novo, como os ingressos estavam sold out, eu fui monitorando pelo evento da facebook se alguem vendia e TCHAN, achei. Paguei, entrei e fui. Foi íncrivel, obvio.



      04/05: Dia de bater perna for real pelo centrão e Amsterdam, o Mercado das Flores e muito mais. Nesse dia tambem, eu fui ao heineken Experience e foi uma experiencia e TANTO. O lugar é foda demais e vale a pena ser visitado, eu paguei pela internet no mesmo dia e tinha horario disponivel, custou $17. No fim do dia, o pessoal que chegou no meu quarto virou tudo amigo e saimos juntos pra ver um pouco da noite de lá. 
      De fato, é tudo muito agitada e incrivel. A cidade em si é apaixonante tanto de dia quanto de noite.



      Dia 05/05: Dia de acordar com 0 ressaca (alias eu quase nao tive ressaca nessa viagem, viu? amém cerveja europeia). No dia 05 eu tomei um café a manha mega reforçado no hostel e segui rumo ao Winkel 53, aonde tem, quiça, a torta de maça mais famosa de amsterdam, e olha vale CADA centavo. Ela é meio grandinha e da pra dividir entre dois.
      Em seguida, fui ao Museu da Anne Frank, que era uma das atrações que eu mais queria ver em toda a viagem. Eu li o livro da anne na minha adolescência e me marcou demais. Eu comprei pela internet mais de um mês antes (porque é BEM concorrido e tem que ficar de olho MESMO) As vendas abrem um mes antes da data que você irá, e custa $10, tem horario marcado e a demanda é gigante. A tour dura por volta de 1:30h e é dificil não segurar o choro no final, eu mesma, não me aguentei depois que li uma das frases dela e que eu nem vou dizer pra não estragar o fim da sua tour tambem, mas pra mim, foi um baque muito pesado POREM, é tudo MARAVILHOSO, ainda mais se você tiver tido a experiencia que eu tive de ler o livro antes, parece que tudo faz sentido e que você entrou dentro dele. Tem audio guide incluso no valor, mas é com Portugues de Portugal.
      Logo depois eu sai e encontrei meus roomates e caimos, sem querer, num festival mara que tava rolando num parque próximo a Centraal Station. Com varios palcos, bandas, estilos de música e tudo que um festival realmente tem, e o melhor, de graça.
      Terminamos a noite, no meu ultimo e melhor pubcrawl ever! Custou $20, porem com direito a 4 bares/balada+1 balada principal e enorme. Em cada lugar você ganhava um shot na entrada e uma cerveja lá dentro, então acabou valendo super a pena.



      Dia 06/05: Amsterdam amanheceu num calor de FRITAR qualquer um. E eu e o pessoal decidimos ir ao Vondelpark fazer um pic nic, com direito a vinho, queijo, frutas e tudo mais. Passamos no mercao da rede Albert Heijn que é o mais famoso e AMS e tem em cada esquina e fizemos a compra de vaáárias coisas e no total de só $20, ou seja, menos de $7 pra cada uma, e compramos muita coisa, viu? Ficamos a tarde toda por lá e no fim do dia, voltamos ao hostel, nos arrumamos e marcamos de ir em um restaurante comer, conversar e se despedir, porque no dia seguinte só ia ficar eu e uma das meninas faria o check-out. Acabamos terminando a noite na Sugar Factory, onde aos domingos rola um jazz mega dançante e maravilhoso. Ficamos até de manha, e dai, aroveitamos que estavamos ao lado da Iamsterdam Sign e fomos correndo pra lá tirar as fotos, e olha QUE FOTOS.



      Dia 07 e 08/05: No dia 7, depois de uma bela manha de sono, sai pra andar e bater o restante final de pernas e visitar o que eu ainda queria visitar. Voltei na Primark e provei ser o que dizem, a melhor batata no cone de Amsterdam, e olha, é boa mesmooooo! Acabei provando no mesmo dia uma das melhores pizzas que ja comi na vida, e ainda é de uma rede de pizzarias rapidas que tem em muitas partes da cidade.
      No dia 08, fui ao um bate e volta no Keukenhof, o famoso Parque das Tulipas, que só fica aberto durante 8 semanas por ano, sempre na primavera. O onibus pra lá sai do Aeroporto de Amsterdam e a viagem dura cerca de 40min. O pacote do ingresso+onibus ida e volta sai por $25 no guiche la mesmo no aero. O parque é a coisa mais linda da vida, não perca a oportunidade de visitar se tiver por lá nessa época.


      Dia 09/05: A VOLTA!
      sem um pedaço de mim que foi substituído por outro maior e melhor.
      Eu sabia que essa viagem ia ser uma grande marco na minha vida, mas eu nunca imaginei que seria maior do que eu pensei. Todas as expectativas foram maiores que eu pensava e todo sufoco foi menor do que eu tinha medo de ser.
      Se eu pudesse dar um conselho pra todo mundo que ficava chocado quando eu disse que iria sozinha, seria: vai também, tu não sabe o quanto é gratificante.
      Tudo e + dicas vocês podem ver tanto pelo @monteseuroteiro quanto do meu pessoal @karinerribeiro, se tiver pegunta, manda aqui tambem ❤️ Espero que inspire um pouquinho no fundo ai da alma de vocês de quere se jogar nesse mundão.

       
       
       
       
       
       
       
       
       
       

       
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×