Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

swellnina

10 dias de Kombi pela costa uruguaia – mais de 1.500 km rodados – menos de R$ 1.500,00 gastos para 2 pessoas, incluindo combustível

Posts Recomendados

NOSSO RELATO DE DEZEMBRO/2017, DETALHADO E COM DICAS ECONÔMICAS

CIDADES/LOCAIS: CHUY – LA CORONILLA - PUNTA DEL DIABLO – AGUAS DULCES – VALIZAS – CABO POLÔNIO – LA PEDRERA – LA PALOMA – COSTA BONITA – EL CARACOL – LAGUNA GARZON – ARENAS DE JOSÉ INACIO – JOSÉ INACIO – SANTA MÓNICA – EL CHORRO – LA BARRA – PUNTA DEL ESTE – PIRIÁPOLIS – PLAYA PARQUE DEL PLATA – ATLANTIDA – EL AGUILA – FORTIN DE SANTA ROSA – MONTEVIDEO - COLONIA DEL SACRAMENTO – FRAY BENTOS

CHUÍ

TROCA DE ÓLEO + FILTRO ÓLEO+ FILTRO AR DA KOMBI: em uma casa de óleo ao lado do posto Shell-Atlântica: R$ 144,00.

ACESSÓRIOS CARRO: compramos pelas lojinhas da Av. Uruguay/Av. Brasil
- 1 triângulo extra: R$ 31,00.
- 1 cambão: R$ 30,00.

SEGURO CARTA VERDE: é vendido no Chuí. Os preços são todos na mesma faixa – R$ 220,00/mês. 
Porém nessas corretoras só se consegue comprar seguro para no máximo 30 dias. Se for usar para um período maior, compensa comprar o SEGURO ANUAL numa cidade chamada SANTA VITÓRIA DO PALMAR, à 23 km do Chuí: R$ 435,00 na corretora DS CRED. Não precisa comprar com antecedência. O atendimento foi ótimo e rápido.

INTERNET: compramos um chip da Entel no Chuí mesmo. Só precisamos do RG para fazer o cadastro do chip. Pacote de dados de 10 GB por 10 dias por apenas $U 260,00 (ou R$ 32,50). Internet impecável, rápida e com sinal forte. Funciona em 95% da costa. 1f642.png:)

CÂMBIO: fomos trocando pelo caminho à medida que precisamos. Sempre na faixa de $U 8,00 - $U 7,50 para R$ 1,00. Não encontramos muita variação.

PERNOITE CHUÍ: último posto de gasolina da RS-471 (Shell Atlântica), pois não queríamos cruzar a fronteira à noite. Lugar seguro, funciona 24 horas, há motorhomes estacionados, wi-fi grátis (senha dentro da lanchonete). Banho R$ 10,00 pp (banheiro top 3 dos mais nojentos de toda nossa viagem, mas melhor do que ficar sem). Lanchonete e loja de conveniência. Aceita Real e Pesos Uruguaios.

ADUANA: pegamos uma fila no escritório para carimbar os passaportes. Apresentamos a Carta Verde e o Documento do Veículo. Se for somente com o RG tem que preencher um formulário e apresentar junto à identidade sempre que requisitado. Se o carro for de terceiro ou estiver alienado precisa de procuração. 
A vistoria do carro foi super tranquila, só deram uma olhadinha por dentro da Kombi, não tocaram em nada, não pediram para abrir o frigobar, nenhum alimento ficou retido. 
Um casal de alemães que conhecemos lá tiveram que jogar fora todos os alimentos frescos que tinham no carro. Evite levar frutas, verduras, frios, carnes e ovos crus. Se estiverem cozidos passam.

COMBUSTÍVEL: a gasolina no Uruguai se chama NAFTA (as variações são as nossas aditivadas e podium). Se você pedir Gasolina podem confundir com Gas Oil e encher seu tanque com Diesel. Fique atento! O preço da NAFTA no Uruguai é desanimador, $U 45,00/litro (R$ 5,62/litro).

ALIMENTOS: Faça uma boa compra antes de entrar no país. Abuse de produtos industrializados em geral, biscoitos, chocolate, produtos de higiene pessoal e até mesmo papel higiênico e água. ̶P̶o̶r̶ ̶m̶e̶n̶o̶s̶ ̶d̶e̶ ̶R̶$̶ ̶1̶0̶,̶0̶0̶ ̶v̶o̶c̶ê̶ ̶s̶ó̶ ̶e̶n̶c̶o̶n̶t̶r̶a̶ ̶a̶l̶f̶a̶c̶e̶.̶ Mesmo com a diferença cambial, o país é extremamente caro para nós brasileiros. É de assustar o preço dos alimentos, principalmente em Punta del Este, que é a cidade mais cara, dentro de um país caro. Deixe para comprar lá somente o essencial e em supermercado grandes, os pequenos te arrancam o couro. ATENÇÃO: checar aqui lista de alimentos que são proibidos na fronteira pela barreira sanitária. 
www.mgap.gub.uy/…/b…/informacciongeneral/productosprohibidos
Se precisar comprar água, procure na embalagem a informação “BAJA EM SÓDIO”. A água é muito salobra, parece que alguém jogou uma colher de sal em um copo de água.

CARTÃO DE CRÉDITO: não podemos passar muitas informações pois não foi o nosso caso, mas diversos estabelecimentos oferecem descontos de impostos para turistas que pagam no crédito. Vimos restaurantes que abatiam até 20% do valor para esses casos.

CLIMA: VENTA MUITO O TEMPO TODO. Dias sem vento são raros. Essa época faz muito calor, mas quando o sol baixa o vento é gelado. Leve um casaco corta vento e algo para fixar o cabelo, de preferência aqueles tapa-orelhas que já são também uma faixinha de cabelo. Foi tanto vento no ouvido, somado a janela do carro sempre aberta na estrada (não temos AC), que desenvolvi uma sensibilidade no ouvido e passei por boas 2 semanas com dor. A noite a temperatura fica bem gostosa.

O POVO URUGUAIO: isso é bem pessoal. Nós tivemos a melhor experiência possível. Ficamos apaixonados pelos Uruguaios. Um povo gentil, simpático, educado e, em nossa opinião, sua característica principal: fofura - talvez por ser um país predominantemente de gente idosa. 
Amamos como se expressam, de todas as formas: “feliz viaje”, “muy amable”, “muy hermoso” e a melhor “muy rico”. 
Diferente do Brasil, onde usamos a expressão “muito rico” mais relacionada à bens materiais, os uruguaios usam mais frequentemente para expressar sabor, diversidade e qualidades. 
Utilizam-se de bandeiras coloridas em pontos de ônibus, comércios, obras na estrada ou qualquer coisa que se deseje chamar a atenção, já que o país é bem “vazio”, no sentido de ocupação/espaço. ̶F̶i̶c̶a̶ ̶t̶u̶d̶o̶ ̶m̶u̶y̶ ̶h̶e̶r̶m̶o̶s̶o̶.̶

SEGURANÇA: para nós brasileiros parece surreal. Notamos que as pessoas largam os carros abertos para ir à praia. Alguns surfistas deixaram os vidros dos autos abertos com pranchas e roupas de borracha secando no interior enquanto surfavam. As bicicletas, ferramentas ou brinquedos dormem para o lado de fora das casas, sem muros ou barreiras. A criminalidade no Uruguai (com exceção das cidades grandes) é quase inexistente. 1f642.png:) 1f642.png:) 1f642.png:)

RELATO CIDADES:

1º dia: La Coronilla - Fortaleza Santa Teresa

A primeira coisa que você vai notar ao entrar no Uruguai, ̶d̶e̶p̶o̶i̶s̶ ̶d̶a̶ ̶f̶o̶f̶u̶r̶a̶ ̶d̶o̶s̶ ̶u̶r̶u̶g̶u̶a̶i̶o̶s̶, é que no meio da Ruta 9 há uma pista de pouso de avião em meio ao tráfego de autos. Isso mesmo, a pista simplesmente se alarga nos dois sentidos e as faixas pintadas tomam grandes proporções. ̶ ̶N̶o̶s̶ ̶s̶e̶n̶t̶i̶m̶o̶s̶ ̶n̶a̶q̶u̶e̶l̶a̶s̶ ̶f̶a̶s̶e̶s̶ ̶d̶o̶ ̶m̶u̶n̶d̶o̶ ̶g̶i̶g̶a̶n̶t̶e̶ ̶d̶o̶ ̶S̶u̶p̶e̶r̶ ̶M̶á̶r̶i̶o̶ ̶B̶r̶o̶s̶.̶ Ficamos bem curiosos para entender como funciona essa logística, passamos por ali umas 3x mas não vimos nada.
Visitamos a Fortaleza Santa Teresa em La Coronilla (R$ 6,00 pp) e descobrimos que possuem um camping dentro do Parque Nacional Cerro Verde. $U 180,00 pp sem energia+água ou $U 200,00 pp com energia+água. Estadia mínima de 2 dias. O camping é enorme mesmo (se entrar a noite, como nós, terá problemas para encontrar as áreas de camping, pois a única iluminação são os faróis do carro). Também possuem cabanas próximas à praia e área para motorhomes. Como é um parque, você pode encontrar animais selvagens andando pelo camping. Nós encontramos um veado.

À noite, sem querer, topamos com o fenômeno da bioluminescência no mar em La Coronilla. Achamos que havíamos dado sorte, e não procuramos mais nas outras noites, mas pelo que ouvimos é sempre assim por ali, então quando estiver por lá, procure, é lindo!

27336380_10155137035921218_3452715305480310063_n.jpg.d07ababa593a54e6b82ee86267712852.jpg

2º dia: Punta del Diablo – Aguas Dulces - Valizas – Cabo Polônio – La Pedrera - La Paloma

Punta del Diablo tem uma vibe muito legal, muitos jovens, muitos cafés e lanchonetes, mas é uma cidade bem pequena. Não encontramos muito o que fazer por lá. Provamos as famosas empanadas ($U 60,00 cada) e como estava ventando muito e muito frio, seguimos viagem.
Em Valizas já estávamos atrás dos leões marinhos e infelizmente topamos com um filhote morto na areia. 1f641.png:(
Cabo Polônio National Park é uma área protegida e morada da maior colônia de leões marinhos do Uruguai. Custa em torno de $U 210,00 pp para entrar + $U 110,00 pelo estacionamento por 24 horas. Um caminhão 4x4 te leva em meio as dunas até o centro do vilarejo (tabela com horários de ida/volta na bilheteria. No verão, a cada duas horas mais ou menos). É proibido e impossível entrar de carro. Você pode passar a noite por lá, existem pousadas no vilarejo. Como iríamos continuar descendo a costa até a Argentina, e teríamos outras oportunidades de ver os leões marinhos, acabamos não entrando.

Entre Cabo Polônio e La Paloma há um monte de nada assustador - mas um assustador gostoso. Rodamos por umas ruazinhas de terra tentando entrar nas praias. Encontramos algumas casas vazias, muitas vacas, poucos carros, mas nenhuma pessoa. Chegamos a abrir o portão de uma fazenda que dava acesso à uma praia (havia uma placa que nos deu a entender que podíamos entrar), dirigimos pelo gramado em meio as vacas, encontramos uma parte enorme de navio abandonado na areia, mas ninguém apareceu. ̶ ̶P̶a̶r̶e̶c̶e̶ ̶q̶u̶e̶ ̶v̶o̶c̶ê̶ ̶e̶s̶t̶á̶ ̶n̶u̶m̶ ̶c̶e̶n̶á̶r̶i̶o̶ ̶d̶e̶ ̶f̶i̶l̶m̶e̶ ̶p̶ó̶s̶-̶a̶p̶o̶c̶a̶l̶í̶p̶t̶i̶c̶o̶ ̶e̶ ̶t̶o̶d̶o̶ ̶m̶u̶n̶d̶o̶ ̶m̶o̶r̶r̶e̶u̶.̶ Dirigimos por horas sem encontrar nenhuma pessoa. O que acontece é que o Uruguai tem apenas 3,5 milhões de habitantes em todo o país. Fazendo uma breve comparação, apenas a cidade de São Paulo possui 12 milhões de habitantes.
La Paloma já é uma cidade com um pouco mais de estrutura. Entre o Museu e o Porto da cidade há um grande estacionamento, onde passamos a noite na companhia de vários MHs, notamos um controle de placas pela manhã pelos funcionários do porto. Local tranquilo mas sem facilidades (água/energia/sanitários). Vimos 2 campings pela cidade, mas pareciam estar fechados. La Paloma tem praias lindíssimas, inclusive para Surf, como a praia Anaconda ̶(̶p̶r̶e̶f̶e̶r̶i̶m̶o̶s̶ ̶n̶ã̶o̶ ̶s̶a̶b̶e̶r̶ ̶o̶ ̶p̶o̶r̶q̶u̶ê̶ ̶d̶o̶ ̶n̶o̶m̶e̶)̶.̶

3º dia: Costa Bonita – El Caracol - Laguna Garzón – Arenas de José Inácio – Jose Inacio – Santa Mónica - El Chorro – La Barra – Punta del Este

Seguimos por uma espécie de Rodovia Interpraias que ainda estava em obras, sendo asfaltada (vai ficar linda, o visual é de morrer!). Paramos no mirador da Laguna Garzon em Costa Bonita e a praia é simplesmente fora do sério. Areias claras e finas, a cor do mar verde clara e um braço da lagoa (?) por quilômetros cortando a areia da praia em paralelo. Inexplicável. E totalmente deserta. Tentamos mostrar nas fotos, mas fomos chicoteados pela areia fina, o vento estava muito forte.
Mais a frente está a Puente Laguna Garzón, em formato de caracol. Essa parte da Laguna tem inúmeras escolinhas de esportes náuticos, como windsurf e kitesurf. Vontade não nos faltou, mas os valores eram muito salgados (no Brasil é bem mais em conta, mas lá realmente venta muito). Se decidir fazer algum curso, podem passar a noite no estacionamento da escolinha e usar as facilidades, pois são vários dias de curso.
Continuando, chegamos em Arenas de José Ignacio e Farol de José Ignacio. A beleza da praia é espetacular, mas só para olhar. Como todas as praias que passamos daqui para cima da costa, com excessão de La Paloma, ventava muito. A água é muito gelada e tem um cheiro muito forte de algas, mas tudo isso não é suficiente para estragar a beleza do lugar. 
Nem sempre é possível utilizar guarda-sol nas praias do Uruguai, muitos utilizam uma lona quebra-vento lateral, e não tomam cerveja gelada, mas sim um chimarrão quentinho (Mate). Água quente para o Mate é vendida por todos os lados, até em casas, por algo em torno de $U 10,00. 
Sentindo Punta del Este ainda passamos por El Chorro e La Barra. A Bikini Beach parece ser uma praia bem badalada por jovens e a que fica mais cheia na região. 
Para chegar a Punta del Este é necessário atravessar a Puente Leonel Vieira, que é uma das atrações da cidade, nem tanto pela beleza, mais pelo seu formato em relevo.
Em Punta del Este tínhamos 2 opções de camping: San Rafael, parecia bem legal mas muito caro por ser afastado das praias e do centro. 
O outro camping em Punta Ballena. Tão afastado quanto, mas mais barato. Tentamos o de Punta Ballena, mas o camping estava infestado de besouros (cascudos), inclusive nos banheiros. Acabamos indo embora e tivemos um trabalhão para tirar todos de dentro da Kombi no dia seguinte. Como estava escuro e não conseguimos limpar tudo na hora, tivemos que ficar em um hostel, o único da viagem. La Lomita del Chingolo, mais próximo ao centro e às praias. 
Para quem não liga para simplicidade, um achado em Punta del Este. U$ 30,00 dólares a diária para nós dois, por um quarto praticamente privativo (poque não tinha mais ninguém no quarto) e com banheiro. O local é bem simples, mas o café da manhã é bom e os donos são um casal bem legal, o que compensa toda a simplicidade.

4º dia: Punta del Este – Piriápolis

Depois de rodar por toda cidade de Punta del Este, fomos para Punta Ballena assistir ao pôr do sol no morro, que dura das 19 hrs às 21 hrs mais ou menos. É um evento turístico na cidade, embora a grande maioria vá até o local para assistí-lo do lado de dentro da Casa Pueblo - um antigo casarão de verão de um arquiteto/artista local - que conta com um museu, uma galeria de arte, hotel e um restaurante chamado Las Terrazas. 
A entrada custa $U 240,00 pp (algo em torno de R$ 35,00). Acho que é possível visitar apenas o restaurante e consumir alguma coisa para poder assistir ao pôr do sol do lado de dentro. 
Uma curiosidade sobre o local é que há uma exposição em homenagem à Carlos Miguel, filho do artista e dono da casa, e também um dos 16 uruguaios sobreviventes do acidente do vôo 571 que caiu nos Andes, conhecido como “El Milagre de los Andes”. 
Demos até logo à famosa Punta del Este e seguimos descendo pela costa até a cidade de Piriápolis, onde encontramos um camping legal - Camping Piriápolis por $U 275,00 pp - com campo de futebol, mini academia e um dono bem simpático que ainda nos arrumou um galão para combustível extra, que usaríamos na região da Patagônia. 
A 2 quadras do camping ficamos felizes em encontrar, por um preço acessível, uma lavanderia de roupas, pois no Brasil sempre lavamos na mão nos campings. Pagamos $U 320,00 (R$55,00) por duas bacias grandes cheias de roupas, toalhas, roupa de cama, e fomos buscar 2 horas depois. Lavar roupa fora no Uruguai vale muito a pena. No Brasil esse tipo de serviço é muito caro. Pudemos esperar pelas roupas na praia enquanto experimentamos e aprovamos a famosa Patrícia, cerveja Uruguaia. O vento ainda deu uma trégua e pudemos curtir a tranquila praia de Piriápolis.

5º dia: Piriápolis – Playa Parque del Plata - Atlantida – El Águila - Fortin de Santa Rosa

Seguimos viagem para a praia Parque del Plata. O lugar é de tirar o fôlego, não é à toa que foi cenário de um filme - El Viaje Hacia el Mar. Na entrada há uma floresta em meios as dunas de areia e para chegar até o mar, é preciso atravessar um braço de rio (lembra Guarda do Embaú em SC). O pessoal acaba curtindo a praia às margens do rio mesmo, porque a temperatura da água ali é menos fria do que no mar.
Atlântida também tem umas praias bonitas, paramos em El Águila, uma casa em frente à praia em formato de águia. Apesar da má conservação, vale a visita e é grátis.
Apesar de todas as praias paradisíacas, já estávamos os dois exaustos devido ao forte calor que vínhamos pegando à dias. Na costa Uruguaia e nas estradas quase não há árvores, então o calor não dá trégua.
Descemos até um balneário de apenas uma rua, chamado Fortin de Santa Rosa, sentido ao camping La Ponderosa que buscamos no app Ioverlander, decididos a nem pesquisar preço, apenas tomar um banho e dormir. 
Os donos estavam na portaria e foram super simpáticos, inclusive trocaram alguns UYUs para gente, num câmbio justo, pois não tínhamos mais quase nada. 
Pagamos um ótimo preço pela diária $U 240,00 pp sem nem olhar as instalações do camping. Quando entramos, nem acreditamos. O camping ficava em frente à praia, tinha 3 piscinas e um mini mercadinho que vendia Patrícia. Tivemos um ótimo fim de dia, o camping estava cheio de uruguaios simpáticos e fofos.
O dono do mercadinho, é um senhor de uns 70 anos, entusiasta de viagem com ótimo gosto musical. Já mochilou muito na vida e fez questão de nos mostrar todos os tipos de instalações do La Ponderosa. Eles possuem opção de cabanas para famílias (não espere nada sofisticado, é bem simples) e um hostel com quartos privativos, apenas banheiros e cozinhas são compartilhados. Também possui uma piscina aquecida dentro das instalações. Porém só abrem na altíssima temporada.

6º dia: Fortin de Santa Rosa

A emoção foi tão grande e o cansaço era tanto, já vinhamos viajando a mais de 2 meses, que resolvemos ficar mais um dia e descansar. ̶E̶ ̶t̶o̶m̶a̶r̶ ̶m̶a̶i̶s̶ ̶P̶a̶t̶r̶í̶c̶i̶a̶.̶

7º dia: Montevideo

Montevideo, como toda cidade grande, não possui campings – estava tudo fechado pois era dia 24/Dez. Demos uma volta para conhecer a cidade e resolvemos procurar a casa do ex presidente Mujica, ̶O̶ ̶f̶o̶f̶o̶.̶ Pincelamos informações desencontradas na internet e pegamos direções muito erradas, até encontrarmos um relato na Internet indicando direções fora da cidade e no mesmo sentido do Camping Municipal.
Dessa vez encontramos a escola agrícola, paramos em frente para tirar umas fotos. Havia uma barreira na rua à frente e uma guarita com um soldado nos observando. Uma caminhonete passou por nós, ficamos meio sem graça, então não demoramos muito e corremos para o mercado para comprar algo ̶u̶v̶a̶ ̶p̶a̶s̶s̶a̶ para a ceia de Natal.
O Camping Municipal Punta Spinillo custa apenas $U 100 pp. Uma pechincha. Único ponto negativo – que pode ser também positivo – é que era muito afastado da cidade, no meio do nada. Tem uma área com churrasqueiras e banheiros, totalmente grátis, muitas famílias passam o dia comendo assado às margens do Rio da Prata. Também é possível pernoitar, mas chuveiros, apenas na parte paga.

8º dia: Montevideo – Colonia del Sacramento

Não gostamos das fotos que tiramos em frente à escola agrícola às pressas. Como ficava à apenas 5 km do camping e bem em nosso caminho de saída, resolvemos passar por lá novamente, já que tudo na cidade estava fechado e não tínhamos nada para fazer. ̶ ̶M̶e̶n̶t̶i̶r̶a̶ ̶e̶u̶ ̶s̶o̶n̶h̶a̶v̶a̶ ̶c̶o̶n̶h̶e̶c̶e̶r̶ ̶o̶ ̶f̶o̶f̶o̶ ̶d̶o̶ ̶M̶u̶j̶i̶c̶a̶,̶ ̶m̶a̶s̶ ̶n̶ã̶o̶ ̶q̶u̶e̶r̶i̶a̶ ̶i̶n̶c̶o̶m̶o̶d̶a̶r̶.̶ Assim que chegamos, passou a mesma caminhonete do dia anterior, entraram na escola agrícola e nos perguntaram o que queríamos. 
Totalmente sem graça, dissemos que só queríamos tirar uma foto da escola e que iríamos embora. O casal desceu da caminhonete e me disse que iam chamar o Pepe para tirar uma foto conosco. Dissemos que não queríamos incomodar, que era Natal, e que devia estar com a família. Nos disseram que ele estava apenas esquentando água para tomar um Mate e que era uma hora apropriada. O Gu correu para pegar a câmera e eu fiquei parada digerindo a informação ̶e̶n̶q̶u̶a̶n̶t̶o̶ ̶f̶a̶z̶i̶a̶ ̶f̶o̶r̶ç̶a̶ ̶p̶a̶r̶a̶ ̶s̶e̶g̶u̶r̶a̶r̶ ̶o̶ ̶c̶h̶o̶r̶o̶ ̶e̶ ̶n̶ã̶o̶ ̶p̶a̶g̶a̶r̶ ̶m̶i̶c̶o̶.̶
Ambos, Mujica e a senadora Lucía foram adoráveis. A casa muito simples, sem luxos, assim como suas vestes. Não consegui ver o fusca azul. Perguntei sobre Manuela, a cachorra tripé, ele disse que ela ainda vivia, mas que só dorme devido à idade, já com 19 anos.
Nos despedimos e fui falar com a moça que chamou o Pepe para nós, não sei se era parente ou amiga, pus a mão no coração e agradeci. Ela me deu uma olhada tão maternal que eu nem soube como agradecer.
Ficamos o resto do dia digerindo o que aconteceu e não conseguimos ver ou fazer mais nada na cidade. Aquilo tinha sido surreal.
Seguimos viagem passando pelo litoral do Rio da Prata, entrando em muitos balneários. Encontramos um camping depois de Nueva Palmira (GPS: S 33°48.627’, W 58°25.601’) com ponto de energia, chuveiros e duchas totalmente grátis. O lugar também conta com campinhos de esportes, churrasqueiras e mercadinho com itens básicos. Um dos poucos lugares da costa que não pega sinal de telefone. Tomamos uma ducha fria, fizemos almoço e continuamos para Colonia del Sacramento. 
Chegamos em Colonia já a noite e cansados. Encontramos um gramado cheio de motorhomes estacionados perto do centro de informações turísticas, que acabou sendo a nossa morada por 2 dias, já que encontramos diversas duchas na orla da Playa Urbana. O gramado fica de frente para o Rio Uruguai e a noite podíamos ver as luzes da Argentina bem pequenininhas do outro lado.

27332343_10155137045436218_982020142026728151_n.jpg.fd827d2559db93272de11a2e882263b6.jpg

9° dia: Colonia del Sacramento

Logo deu para entender porque é conhecida como a Paraty Uruguaia. Colonia também foi colonizada pelos portugueses. As ruas e as construções foram preservadas para manter seu aspecto original. As casas coloridas com janelas e portas voltadas para a rua, os nomes das ruas instalados em azulejos na parte superior das paredes, as calles de pedras portuguesas e as luminárias coloniais de luz amarela, transformam um simples passeio pelo seu centro histórico em uma prazerosa viagem no tempo. Diferente das outras cidades uruguaias, Colonia é também bem arborizada e florida. Todo esse conjunto dá a cidade um ar romântico. É com certeza a cidade mais charmosa do Uruguai. 
Colonia tem muitos museus e toda uma estrutura turística para todos os gostos. Não resistimos e sentamos em um de seus inúmeros restaurantes para jantar e curtir o anoitecer. Se há uma cidade que vale a pena gastar um pouco mais, é essa.
Uma das ruas mais preservadas é também ponto turístico da cidade. A Calle de los Suspiros, que conta com inúmeras lendas e versões interessantes para uma tentativa de explicar seu nome. A mais provável, é a de que a rua era um reduto de prostíbulos, onde os marinheiros portugueses e espanhóis que desembarcavam na cidade vinham atrás de diversão, causando suspiros. Porém o pessoal gosta de contar inúmeras outras histórias fantasiosas.

27331984_10155137044141218_332714647396849084_n.jpg.13e17bfdf3a9cca7f734976d33d12851.jpg

10º dia: Colonia del Sacramento – Fray Bentos

Seguimos viagem até uma cidadezinha chamada Fray Bentos, onde encontramos um camping muy hermoso, às margens do Rio Uruguai. O Camping El Paraíso fica em Las Canas e custa $U 180 pp. O lugar é perfeito para quem precisa atravessar a fronteira para a Argentina por Gualeguaychu e não quer fazê-lo à noite. Tem lanchonete, mercadinho e até uma feirinha, o que é ótimo considerando que Fray Bentos fica no meio do nada. O pôr do sol em toda a costa do Rio Uruguai é um espetáculo de cores. Nos despedimos do Uruguai com um céu sensacional.

27540475_10155137046301218_2497935346484825863_n.jpg.fb595c5dfec7bd9d8a20eb55477c68d2.jpg

 

Valeu Demais Uruguai !! Até logo !!

No Facebook: kombimarylou

27067811_10155137039486218_1506744116930006652_n.jpg

27073334_10155137042621218_7956832437101982958_n.jpg

27331654_10155137043271218_5123294472699103093_n.jpg

27331843_10155137038226218_6318338031525619162_n.jpg

27331989_10155137037251218_5006191639012973630_n.jpg

27332289_10155137038616218_5854640941355501779_n.jpg

27332465_10155137043126218_8485205542745402055_n.jpg

27332565_10155137043386218_8036442527965443966_n.jpg

27332581_10155137040161218_7726354217393144297_n.jpg

27332625_10155137045151218_7492209136018367141_n.jpg

27336270_10155137044786218_2458133710352758113_n.jpg

27336585_10155137037566218_5392124753291803742_n.jpg

27336644_10155137044476218_2169932568578519914_n.jpg

27337369_10155137039221218_5912418702193420003_n.jpg

27459152_10155137037026218_2142578347512203598_n.jpg

27459313_10155137043566218_1704057727338324004_n.jpg

27459671_10155137036436218_3897396359183712470_n.jpg

27459711_10155137042206218_7510169325117859704_n.jpg

27460031_10155137039111218_2841686609292038128_n.jpg

27460047_10155137044691218_8393924674682680397_n.jpg

27460053_10155137042026218_3703579152328215591_n.jpg

27540116_10155137044586218_7867335325888327889_n.jpg

27540203_10155137040671218_1839375383645593033_n.jpg

27540818_10155137037956218_4621469398469977756_n.jpg

27540954_10155137038866218_1501336740466841909_n.jpg

27545176_10155137044366218_2931277819377805304_n.jpg

27545266_10155137039846218_1208689017263945452_n.jpg

27545666_10155137042241218_2564156305033881730_n.jpg

27654726_10155137036821218_8683539017374038265_n.jpg

27654806_10155137046201218_5776589299239759148_n.jpg

27654855_10155137037436218_3707879554333359306_n.jpg

27655146_10155137042881218_3649496338742474644_n.jpg

27655162_10155137037791218_7963310139119341530_n.jpg

27655397_10155137046116218_3328041472580125507_n.jpg

27657028_10155137038981218_4165475344872132002_n.jpg

27657288_10155137044986218_3756624975833843999_n.jpg

27657883_10155137036241218_6297031256275113721_n.jpg

27749974_10155137043826218_7216967750223019882_n.jpg

  • Gostei! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigada pelo relato! Eu e meu marido estamos rodando o pais ha anos com nssos carros e tento sempre manter um diario de gastos e experiencias alem das fotos. Vale muito ver este tipo de publicação. Fiquei super feliz que conseguiu a foto com o MOjica <3

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por casal100
      Esse relato é dividido em cinco partes:
      .da página 1 até a 7 refere-se a viagem realizada entre dez/2007 e fevereiro/2008 de carro;
      .a partir do final da página 7 refere-se a viagem que começa no final de dez/2008 até final de fevereiro/2009 de carro.
      .a partir da pag. 15 - viagem a Torres del paine, carretera austral ..........viagem realizada de dez/2009 a fevereiro/2010.
      .a partir da pag.19 - viagem ao Perú e Equador ....vigem realizada de dez/2010 a fevereiro/2011.
      .a partir da pag.23 - viagem venezuela, amazonas, caminho da fé.... realizada entre dez/11 a fev/12.
    • Por MarisaBrugnara
      Destino: Deserto do Atacama. Vontade: dirigir por várias das estradas mais bonitas e inóspitas da nossa América do Sul.  Além disso, a gente só sabia que ia passar pela fronteira por Dionísio Cerqueira e ir seguindo o caminho mais curto que o GPS nos deu até lá. Não reservamos hostel, muito menos passeios. A pesquisa sobre documentação do carro, itens obrigatórios, clima e alguns destinos foi suficiente. O resto, o destino deu conta: uma rota sem roteiro.

      Antes de atravessar a fronteira, decidimos dormir em Francisco Beltrão que fica a 470 km de Curitiba, só pra descansar. Atravessamos a fronteira entre Dionísio Cerqueira e Bernardo de Irigoyen pra fazer o câmbio de reais para pesos e a Carta Verde já no lado argentino. Só é necessário preencher uma ficha de imigração na aduana informando seus dados pessoais e destino. GUARDE ESSA FICHA! Não cobram nenhuma taxa e não revistam o carro. O câmbio paralelo vale muito mais a pena do que o câmbio das casas de câmbio.
      1 real = 12 pesos – paralelo
      1 real = 8,5 pesos – casas de câmbio
      Carta verde: só existem 2 opções: 15 ou 30 dias. Pagamos (em reais mesmo) 100 reais pra 30 dias. Pedem o documento do carro, do motorista e tiram uma foto do carro.
      Os postos de gasolina ali aceitam reais ou pesos (enchemos o tanque em reais, pois valeu mais a pena).
      As estradas são ótimas na Argentina, e os pedágios quase inexistentes são baratos. Foram 4 ao todo, o mais barato 10 pesos e o mais caro 60 pesos.
      Recomendo parar em Ituzaingó pra dormir e abastecer o porta-malas com macarrão e empanadas, pois os mercados e lanchonetes são bem baratos. Além disso, é uma cidadezinha quente e “praiana” no meio do continente. O Rio Paraná passa por lá dividindo a Argentina e o Paraguai, e é usado como praia, muitos gaúchos preferem ir pra lá no verão ao invés de subir pras praias de Santa Catarina.
      Depois de Ituzaingó a viagem realmente começou. Assim que saímos da RN 12 e entramos na reta infinita da RN 16 a cor da bandeira da Argentina começa a fazer sentido. Um céu de azul imenso onde não se consegue enxergar o fim daquela terra encharcada pelos Chacos, tudo ainda a 200m do nível do mar. Vários povoados, algumas cidades grandes, muitas fazendas e várias opções de postos de combustível, ainda. As estradas são lisas e pouco movimentadas. Tivemos que ultrapassar caminhões pouquíssimas vezes, o cuidado maior é com animais atravessando a pista. Ambulantes vendem morangos gigantes e suculentos na estrada por apenas 80 pesos o kg.

      Decidimos parar para dormir em Monte Quemado, ponto de parada quase obrigatória para os motoqueiros. Tem apenas um hotel na beira da estrada que serve almoço e jantar, mas preferimos cozinhar macarrão com nosso fogareiro portátil. Economizamos muitos pesos com isso. A única parte ruim e esburacada da estrada dura uns 20km na saída de Monte Quemado. A partir daqui, já é possível enxergar a silhueta das montanhas que escondem as tão esperadas curvas.
      Depois da ferradura do mapa, começa o trecho mais surreal da viagem. Entramos na RN 9 – sem dúvidas, a rodovia mais bonita do norte da Argentina - e só o que se vê são montanhas. Por todos os lados. Secas, rochosas, com cactos, nevadas, de pedras, coloridas, rachadas, de todos os tipos possíveis. Alpacas, Vicunhas, Lhamas e Guanacos atravessam a rodovia e uma paisagem totalmente diferente aparece a cada km. Foto nenhuma é capaz de registrar essa imensidão.

      San Salvador de Jujuy é uma cidade enorme e barata. Perto dali ficam Purmamarca, Tilcara e Humahuaca: os passeios turísticos oferecidos por eles. Fique esperto com o horário de funcionamento do comércio: tudo fecha antes das 13 e reabre depois das 17.
      Encha o tanque em San Salvador de Jujuy. Depois dali, não há sinal de celular e o próximo posto fica a 200 km, em Susques. Mas não conte com isso! Um posto que fica a 3896 m de altitude nem sempre tem combustível. Não confie em todos os postos que aparecem no gps. Meu gps mostrou um numa cidade a 20 km de Jujuy. Chegamos lá, e era um posto desativado. Decidimos voltar a Jujuy para encher o tanque e garantir a viagem, foi a melhor decisão que tomamos. Dali pra frente, quase não há civilização.
      Então, conte com o trecho Jujuy > Paso de Jama  = 330 km. Não é necessário levar combustível extra.
      No hostel em Jujuy, fizemos o seguro de carro obrigatório para entrar no Chile: o Soapex. É feito pelo site mesmo, custou 12 dólares para 10 dias. Aqui, foi a primeira vez que reservamos um hostel, queríamos garantir pelo menos a primeira noite no Atacama pra decidir o que fazer nos outros dias. Encontramos 3 mineiros que estavam voltando do Atacama de moto. 1 deles, passou por algum objeto na pista e isso quebrou o cárter da moto, ele estava esperando o guincho pra voltar ao Brasil.

      (Não é preciso ir até Humahuaca pra ver montanhas coloridas, elas estão por toda parte. Essa é a estrada entre San Salvador de Jujuy e Purmamarca)
      Perguntamos a eles quanto tempo levaria nesse trecho Jujuy/ Atacama. Eles disseram que não faziam ideia, pois pararam tanto pra tirar foto de estrada, pedrinha verde, pedrinha amarela, plantinhas, nuvem, salares, curvas... que perderam as contas. E é fato, tambem não fazemos ideia de quanto tempo levamos. A cada km, a cada fim de curva, uma surpresa.  Pra esse trecho, saia cedo e aproveite o dia todo. Tínhamos pensado em parar em Susques pra dormir, mas conversando com eles vimos que não valia a pena, é um vilarejo com pouquíssimos hotéis caros e faz muito, muito frio.
      Depois de 2.000m de altitude, pisar no acelerador não é a mesma coisa. O carro vai perder potência, a luz do motor vai acender, o aviso de neve na pista vai aparecer. Mas quem fizer essa viagem vai entender que andar acima de 60km/h não é necessário – e nem é possível com tantas curvas de 180 graus.

      Lagunas e montanhas de cores inexplicáveis por todo caminho. 
       
      Atenção para a fronteira da Argentina com o Chile, o Paso de Jama: como fica a 4800m de altitude, às vezes fecha por condições meteorológicas. Conferir antes de sair nesse site:
      https://pasosfronterizos.com/paso-jama.php
      Ali em Jama, deixamos o carro estacionado e fomos fazer os trâmites aduaneiros. O frio, o vento e a altitude aceleram o coração e nos dão uma falta de ar repentina. Na aduana, pedem apenas nossas identidades, documento do carro, carteira de motorista do condutor e AQUELA FICHA que preenchemos na fronteira do Brasil com a Argentina. Isso acontece várias vezes em vários guichês diferentes. Carros particulares tem preferência na fila J (escapamos das filas enormes dos ônibus de turistas e do raio-x das malas). GUARDE TODOS OS PAPÉIS QUE A ADUANA TE ENTREGAR, eles serão devolvidos na volta. Depois, tivemos que parar o carro debaixo de uma parte coberta no meio da pista na saída da aduana, tirar tudo de dentro e colocar sobre uma mesa para o guarda abrir e apalpar todas as mochilas/sacolas/sacos de dormir e ver se não estávamos levando nada perecível – o controle deles é muito rígido com frutas e legumes, por isso levamos apenas macarrão, molho e enlatados para passar a fronteira. Se precisar, ali tem um posto de combustível, mas tocamos direto até o Atacama ainda com a gasolina de Jujuy.
      Depois de Jama, há uma declive imenso de uns 2500m de altitude durante 150 km até o Atacama, sempre vigiados pelo imponente vulcão Licancabur. Do lado direito, fica a Bolívia, e por todos os lados, cadeias de montanhas e vulcões. O vento forte dificulta a direção e quase tira o carro do chão quando carros passam do outro lado da pista.

      O ATACAMA
      O destino viajante veio a nosso favor mais uma vez. O hostel que havíamos reservado – Valle del Desierto - ficava retirado do centro da cidade (escolhemos assim pra ter um lugar seguro para deixar o carro, pois no centro é tudo muito apertado e não tem estacionamento) e era cuidado por um casal de brasileiros, o Gabriel e a Carol. Foi o melhor lugar que podíamos ter achado, com direito a churrasco brasileiro, fogueira nas noites mais frias e uma vista do Licancabur, que ficava em tons rosados todos os dias na hora do pôr do sol. Haviam várias kombis viajantes estacionadas e gente do mundo todo, pois era véspera do feriado das festas pátrias – do dia 14 ao dia 19 – e vários intercambistas de Santiago sobem para o deserto.
                 
      Ficamos cerca de 10 dias ali, na primeira semana aproveitamos o sossego, nos últimos 2 dias os banhos que eram ótimos já começaram a ficar frios devido ao feriado (o hostel  e a cidade ficaram lotados!).
      A cidade é bem pequena, e só há comércio voltado para o turismo.
      Há várias vendinhas, quitandas e sorveterias espalhadas pela cidade. Usamos várias, pois cozinhamos bastante no hostel. Nas vendinhas não há bebidas alcoólicas, pois elas só podem ser compradas em Botillerías por motivos de legislação. É seguro tomar água da torneira quando a cidade está vazia, quando está cheia, prefira água engarrafada.
      Como nem só de macarrão vive o viajante, comemos muitas empanadas, que são bem grandes, tem quase em todas as vendinhas e custam sempre cerca de 1500 pesos. Também tomamos muito chá de coca, que é um ótimo digestivo. Nem procure restaurantes, vá direto ao Los Carritos. A comida é MUITO boa e é o melhor custo benefício da cidade. Peça os nomes mais esquisitos e se surpreenda com o que vai vir. Pra quem está com fome: 2500 pesos. Pra quem está com muita fome: 3800 pesos. Tem opções vegetarianas também.
      Os sorvetes, a Chicha Cocida (que é uma bebida alcoólica) e o Mote com Huesilhos têm sabores muito diferentes de qualquer coisa que você já tenha comido. As pêras são mais suculentas, os cactos tem frutos e aquelas árvores com florzinhas amarelas deixam cair ao chão castanhas duras e doces. Guarde esses nomes e se surpreenda com os sabores: ayrampo, chañar, rica rica, algarrobo, pomelo rosado, llucuma.
      Como em setembro é o final do inverno, pegamos vários tipos de clima. O sol é a única certeza. Os narizes sangraram nos dias de 4% de umidade e nuvens apareceram no céu quando uma frente fria se aproximou. Nesses dias, já não era possível colocar shorts e camiseta durante o dia sem um corta-vento e as noites eram salvas pelas segundas peles e o saco de dormir usado sob as cobertas. Importante: leve pelo menos um conjunto de segunda pele, 1 par de meias de inverno e um saco de dormir simples, mesmo que seja no verão. Eles salvaram a minha vida. Durante algumas madrugadas, fizeram temperaturas negativas – mesmo não sendo típico da época do ano – e tive que dormir de segunda pele, dentro do saco de dormir, debaixo das cobertas do hostel! Quando esfriava assim durante a madrugada, dava pra perceber quando saíamos de manhã que os vulcões estavam mais brancos de neve que no dia anterior.
      Ir de carro traz liberdade, economia e a certeza de que é o caminho que faz a viagem valer a pena. Os passeios oferecidos pelas agências são bem caros e engessados. Como não tínhamos horário para sair e chegar, íamos pegando dicas com quem conversávamos pra decidir o próximo destino. San Pedro fica no centro do Atacama, e é impressionante como a paisagem muda ao redor, mesmo num raio de poucos quilômetros.

      (Onde está o Uno?)
      Sal encrustado em rochas que parecem lunares e dunas gigantescas brilhando ao pôr do sol no Valle de la Luna, lugares jamais pisados pelo homem no Valle de Marte, uma vista surreal de montanhas intercaladas por outras montanhas na Piedra del Coyote, uma estrada com vento salgado e quente que termina na Laguna Tebinquinche, onde a vida parece não existir, mas existe. De repente, numa estrada que corta uma laguna seca, duas crateras cheias de água não tão salgada assim formam os Ojos del Salar. A surpresa maior fica com Toconao, a cidade vizinha que abriga o Valle de Jere - desconhecido até mesmo por alguns moradores de San Pedro – um oásis em meio ao nada, que foi habitado por alguns dos povos que deram origem a bandeira Wiphala e deixaram suas marcas nas rochas. Esses são os destinos mais bonitos e de estradas mais alucinantes de até 3000 pesos por pessoa para serem visitados ao redor de San Pedro.
        
      Há quem prefira mergulhar literalmente nas atrações naturais desse lugar. Para esses, existe a laguna Cejar por exemplo, onde é possível boiar em suas águas mais salgadas do que as do mar morto, por um preço que é tão salgado quanto ela (apenas a entrada é 15.000 pesos). Dispensamos também o passeio das Lagunas Altiplânicas - que custaria uns 80.000 pesos sem incluir as entradas – pois no caminho passamos por lagunas por toda parte e em todas as altitudes.
      Ah, o céu: não é preciso andar mais do que 2 metros na rua – ou no quintal do hostel mesmo -para conseguir enxergar todas as constelações, planetas, galáxias, estrelas cadentes. Ele faz valer a pena boca e nariz ressecados da baixa umidade, do sal, do sol e do frio. No hostel, um hóspede tinha um telescópio. Conseguimos ver a Lua e vênus em questão de segundos.
      ___________________________________________________
      Voltar pelo mesmo caminho da ida dá uma perspectiva totalmente diferente de todos os lugares que havíamos passado. Leve tudo que quiser, pois na fronteira por Jama do Chile pra Argentina não fazem revista no carro. Pegamos um clima tão diferente que a estrada parecia outra. Mais vento, mais neve. Tivemos o prazer de ver uma raposa chilena e um tatu atravessando a rua. Só ficamos devendo a Vizcacha, que com certeza passamos por várias, mas não conseguimos enxergar nenhuma.
      Na Argentina, há muita polícia rodoviária. Éramos parados em quase todas as saídas das cidades. Em uma das únicas duas vezes que pediram nossos documentos, demos carona a um policial – é bem normal pedirem carona nas estradas argentinas. Procuramos evitar por segurança, mas como era um policial, e íamos tocar direto até perto da fronteira, aceitamos.  Na outra que fomos parados, estava acontecendo um protesto de caminhoneiros: o policial pediu pra verificar os 2 triângulos e o extintor. Não é mito, levem!
      Há muitos relatos de polícia corrupta na Argentina, mas é mais ao sul da RN 14 onde o país se aproxima com o Uruguai. Antes de ir, havia conversado com um amigo Argentino e evitamos a fronteira por Uruguaiana exatamente por causa disso. Como queríamos entrar mais ao sul do Brasil do que na ida, passamos por São Borja. Eles pedem apenas os documentos, não revistam o carro, e cobram uma taxa de 450 pesos ou 57 reais por pessoa.

      IR DE AVIÃO NÃO TERIA A MENOR GRAÇA. VÁ DE CARRO!
       
      Resumo de infos mais importantes:
      Dinheiro na Argentina
      - Trocar reais por pesos na fronteira com a Argentina vale bem mais a pena do que no Brasil;
      - Não troque dinheiro em Jujuy, a cotação é péssima;
      Dinheiro no Chile
      - Em San Pedro de Atacama a cotação de reais para chilenos é ótima (para setembro desse ano: 1 real = 150 pesos chilenos, sendo que em Santiago estavam pagando 1 real = 158 pesos chilenos);
      - Não tem como indicar uma casa de câmbio, tem uma rua só pra elas e todo dia os valores mudam. O jeito é sair perguntando de uma em uma e negociar;
      - Deixar para trocar reais para pesos argentinos (para gastar na volta) no Atacama não é uma boa opção, a cotação é bem ruim;
      Carro
      - Evite estacionar o carro perto das esquinas das ruas. Escapamos de um acidente que teria dado PT no carro por pouco. Como o hostel não tinha estacionamento, deixamos o carro parado na rua ao lado na vaga perto da esquina. Um motorista argentino foi fazer a curva e perdeu o controle, passou raspando por nós e bateu no carro estacionado do outro lado da rua, que ficou com o eixo dianteiro totalmente quebrado e teve que ser guinchado.
      - Os itens obrigatórios são: extintor de incêndio e 2 triângulos. Cambão rígido, mortalha e etc é MITO.
      - A gasolina tanto na Argentina quanto no Chile custa praticamente o mesmo que pagamos no Brasil, as vezes até um pouco mais caro. Mas como é bem mais pura que a daqui rende MUITO mais. Na Argentina, usamos sempre a Super e no Chile, sempre a 93. Essas são as mais baratas.
      Documentos
      - Identidade com menos de 10 anos de expedição ou passaporte, ou um ou outro, tanto faz
      - Se o carro estiver no nome do motorista, apenas o documento do carro.
      - Fizemos a PID (permissão internacional para dirigir), mas em nenhum momento foi solicitada
      - Carta Verde: seguro obrigatório para o carro na Argentina. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana.
      - Soapex: seguro obrigatório para o carro no Chile. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana.
      Água
      - É tirada de poços. Tomamos direto da torneira sem problemas, só recomendamos comprar engarrafada se a cidade estiver cheia – muita gente polui a água -. Custa cerca de 1800 pesos o garrafão de 6l.
       

      Carro: Fiat Uno 1.0 2016/2017
      Km rodados: 5.500
      270 litros de gasolina: R$1.300,00
      Autonomia: 20km/l
      Pneus Furados: 0
      Troca de óleo feita antes da viagem
      Gps usado: Sygic
      Pouso mais caro/barato: 600 pesos por pessoa (Argentina) / 250 pesos por pessoa (Argentina)
      Gasolina mais cara/barata: 862 pesos (Chile) / 38 pesos (Argentina)
      Frase mais dita: “Olha essa estrada!”
      Gasto: aproximadamente R$2200,00 por pessoa. Levamos apenas reais em dinheiro vivo. Usamos cartão de crédito Nubank apenas para reservar hostel e fazer o Soapex.
      Duração: 20 dias

    • Por xexelo
      Continuando a postar relatos antigos e que foram sonegados aos mochileiros segue a postagem sobre a minha viagem pela Carretera Austral pelo Chile. Como minha viagem anterior, sempre tem enroscos e problemas. Desta vez por poucos quilômetros eu quase não volto mais e quase ferrei o motor.
       
      Como dá outra vez não é uma relato com detalhes sobre preços e tals. Gastei sempre o mínimo possível com alimentação e hospedagem. Devo ter almoçado em restaurantes umas 4 vezes a viagem toda. Portanto não posso dar muitas dicas sobre a alimentação na Carretera. O caso é que eu sempre perdia a hora de almoço e quando lembrava já tinha passado a cidade mais próxima. Ai tinha que lanchar o que tinha no carro mesmo. Aliás esta viagem foi um belo SPA pois de 98 Kg no início eu voltei com 92 apenas
      Levei de novo todo o equipamento de camping que acabou indo passear apenas. A Ranger se portou muito bem na estrada e se não fosse por negligência minha não teria dado problema com o arrefecimento e queimado a junta do cabeçote no final da viagem. Pura burrice.
       
      Fui sozinho porque meu tio não pode me acompanhar aquele ano e também porque a outra pessoa que tinha me garantido que ia junto deu pra trás um mês antes. Assim achei melhor seguir sozinho do que esperar mais um ano para ver se conseguia companhia para a empreitada.
       
      Mas vamos aos relatos.
       
      1º DIA – 22/12/2013 – DOMINGO.
      De Curitiba a Quarai - RS / Artigas – Uruguai – 1150 km
       
      Saí de Curitiba as 5:25 h debaixo de uma garoa fina e chata que me acompanhou até União da Vitória mais ou menos. O calor começou a chegar e por volta das 8 ou 9 horas e pegou pesado. Acho que deve ter ficado uns 30 graus ou mais.
      Como estava viajando sozinho fui dando paradas a cada 2 ou 3 horas para esticar o esqueleto.
      A estrada pelo interior tem muitas curvas, mas tem trechos bem tranquilos em que se pode desenvolver 100 a 110 Km/h (GPS) numa boa.
      Acabei não almoçando hoje, comi pão de queijo, amendoim japonês e frutas secas. Quando parei num posto para almoçar achei muito caro (era chique) R$ 21,00 o bufet livre.
      Quando cheguei a Quarai estava iniciando a hora do agito de domingo na praça central. Os carros iam parando em volta da praça e deles saiam os jovens com cadeiras de praia, coolers de cerveja e se abancavam na grama esperando a galera ficar desfilando com seus carro e com o som alto. Coisas do interior do Brasil.
      Mudei roteiro inicial e vou entrar no Uruguai pra fazer umas comprinhas básicas. Depois entro na Argentina por Salto UR / Concórdia AR.
    • Por Flavius Neves Jr.
      Boa tarde, pessoal!
      Segue adiante o meu relato de uma viagem de carro para o Deserto do Atacama, que durou 17 dias. Na minha programação, contei com muita ajuda aqui do pessoal do Mochileiros.com. Sendo assim, agora é hora de retribuir! Se você está planejando uma viagem parecida, ou se a mesma já está marcada, e quer contar com algum tipo de ajuda, pergunte por aqui.
      Um abração!!!
    • Por xexelo
      Após a minha última aventura quando fui sozinho para a Carretera Austral no Chile eu fiquei sem viajar nas minhas férias seguinte. Sou professor e sempre tenho férias em dezembro/janeiro. Fiquei os 45 dias de férias triste e desanimado.
       
      Eu vendi a minha Ranger pois ela estava com um problema que poderia estragar o motor. Em seguida eu comprei a minha Toyota Hilux SW4 4Runner 2.7 a gasolina em outubro. Fiz a revisão inicial, troquei os pneus e isso tudo deu uns 5 mil.
      Não poderia viajar sozinho naquelas férias. Tentei de todo modo buscar companheiros para a viagem, porém não consegui.
       
      Ainda bem que não consegui... Um mês depois das férias o motor da Toy queimou a junta do cabeçote como que por mágica. Em nenhum momento ele ferveu ou esquentou a ponto de acontecer isso. Arrumei o problema e lá se foram mais $$$$$.
       
      Em julho coloquei um anúncio no grupo de professores do Parana do facebook procurando companheiros para a viagem. Inicialmente várias pessoas se interessaram, mas uma apenas fechou que iria. Depois essa professora, a Beatriz Goes, conseguiu mais um amigo professor para ir junto, o Edmar Lucas, ambos de Ponta Grossa - PR.
       
      A coisa complicou pq em outubro a Toy deu problema de novo. Queimou a junta do cabeçote outra vez. Dai eu ga$$$tei muito mais que da primeira vez para ver se não acontecia novamente. Aproveitei e fiz a embreagem, mandei revisar e limpar o radiador etc. Até o final do ano eu praticamente zerei tudo o que pudesse dar problemas na Toyota.
       
      Em outubro coloquei um anuncio aqui no Mochileiros para achar mais um companheiro de viagem. Em novembro apareceu o santista Adriano Lizieiro e fechamos o grupo. E para melhorar mais ainda, O Glauber e a Érica com sua Chevrolet S-10 a gasolina se juntaram a nós para formarmos um grupo de duas viaturas na viagem. Muito mais seguro. Isso me ajudou muito quando tive um problema na Toy.
       
      Saímos no dia 28/12/2015. Segue o relato.


×
×
  • Criar Novo...