Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Fernando L

Serra Dona Francisca e Serra do Mar Corupá

Posts Recomendados

DSCF6632.thumb.jpg.46f35bdeee81593f1ba1ad5ab94e8dec.jpg

Serra do Mar sentido São Bento do Sul-Corupá

Que tal fazer um roteiro de  um ou dois dias indo por uma e voltando pela outra?  Este roteiro já foi realizado por nós (casal) algumas vezes e é muito interessante pois explora duas serras em um mesmo destino. Você pode começar partindo de Joinville, Florianópolis ou qualquer outra cidade entre as duas, assim como partindo de Curitiba ou Mafra.  As duas são um espetáculo, mas a Serra Dona Francisca possui um mirante no meio da serra onde pode-se parar e apreciar o cenário. Fica mais interessante descendo, mas também é linda subindo, principalmente quando é avistada ao longe. É preciso cautela pois há curvas acentuadas e o trânsito de caminhões constante. A Serra Dona Francisca parte da BR-101 em Joinville e vai até o cruzamento com a BR-280 em São Bento do Sul em um percurso aproximado de 75 Km. Após a subida da serra encontra-se Campo Alegre, pequena e simpática cidade que será explorada em outro tópico.  

A descida pela Serra do Mar também é mais bonita que a subida, há muita vegetação nativa e bananais. Partindo de São Bento do Sul até Jaraguá do Sul a distância é aproximadamente 60 Km. Logo após a descida encontra-se Corupá, linda cidade no meio das montanhas e que possui duas atrações imperdíveis: Seminário de Corupá e a Rota das 14 Cachoeiras que serão exploradas em outros tópicos. 

Um detalhe: é muito comum ter neblina nos dois trechos de serra, portanto escolha preferencialmente dias secos ou reserve mais dias na região. Mas como já tivemos a experiência de passar nos dois locais com neblina, parcial e total podemos afirmar que também é pitoresco nestas condições.

Para quem não é da região e gostaria de fazer este passeio aconselha-se a pernoitar em Rio Negrinho ou Jaraguá do Sul. Mas também é possível fazê-lo em outros roteiros. Nós por exemplo já saímos de Guaratuba (PR), subimos a Dona Francisca, descemos a Serra do Mar e pernoitamos em Piçarras. 

É sem dúvida um roteiro de encher os olhos e incluído por nós como "grandes estradas", aquelas cênicas e imperdíveis.  DSCF6642.thumb.jpg.093d2ed6cf50c8b2499aa89780016972.jpg

Serra do Mar sentido São Bento do Sul-Corupá

1524006245622350.thumb.JPG.c9909047b5819b757d54e251cce11f15.JPG

Serra do Mar 

DSCF8573.thumb.jpg.d054801b63f27f96a3c4fd29b2011f49.jpg

Serra Dona Francisca sentido Joinville-Campo Alegre 

 

1524005268223739.thumb.JPG.65f0cd49626b1941fdf8644d439ba811.JPG

Mirante Serra Dona Francisca 

1524004930426837.thumb.JPG.212a25207997cd3508698b613e979b57.JPG

Serra Dona Francisca sentido Joinville-Campo Alegre

 

imageproxy.php?img=&key=eaf2ee9296aa936c

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por TMRocha
      Em novembro deste ano [2015] tive a oportunidade de viajar a trabalho pelo Museu Itinerante da UFMG para a cidade de Pato Branco.

      Estarei contando aqui como foi o relato dessa viagem, que certamente, foi a pior das que fiz até o momento.
      Caso queira acompanhar o post diretamente pelo blog clique num dos links abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/pato-branco-pr-02-08112015-parte-01.html
      Lista de Partes:
      [PARTE 01] - [PARTE 02] - [PARTE 03]
      [PARTE 04] - [PARTE 05] - [PARTE 06]
      Antes de começar, vamos compreender melhor onde está localizada essa cidade e qual a sua importância para essa região do Paraná.
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Pato Branco - PR


      Pato Branco está localizada no Sudoeste do Paraná. Possui cerca de 80 mil habitantes e índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,849. Coloca-se como a terceira melhor cidade em qualidade de vida do Paraná e 113ª no Brasil.

      A cidade se destaca na microrregião como um centro de serviços com ênfase nos setores da saúde e da educação. A partir de 1996, Pato Branco buscou variar sua economia através de incentivos fiscais a empresas dos setores de informática e eletroeletrônico, o que resultou na criação de um pequeno centro tecnológico industrial.

      A agricultura também representa uma importante fatia na economia do município. A existência de uma instituição federal de ensino superior, a UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná (antigo CEFET - Centro Federal de Educação Tecnológica) enfatiza o caráter de "centro provedor de serviços" regional de Pato Branco.

      Fontes Pesquisadas:
      https://pt.wikipedia.org/wiki/Pato_Branco

      Como opções de entretenimento, o pessoal daqui costuma aproveitar sua proximidade com a Argentina (100km) para fazer compras, mas ao aproveitar algum feriado, também é possível visitar Foz do Iguaçu e o Paraguai (cerca de 300km) ou até mesmo Curitiba (cerca de 500km) ou mesmo aproveitar a praia, que não fica tão longe assim de Curitiba.
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
      A partir de agora estarei contando como foi minha experiência em Pato Branco.
      DIA 01 - Segunda-feira [02 de Novembro de 2015]
      Às 4:10h da madrugada já estava de pé, pois nosso avião partiria às 6:20h [nós deveríamos estar no aeroporto às 5:00h] e para isso tive que sair cedo pacas, mas ainda dei sorte porque um dos meus irmãos se prontificou e me deu uma boa carona de moto até o Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte.

      Fizemos uma viagem bem tranquila e quase sem trânsito e conseguimos chegar lá por volta das 4:50h.

      Meu irmão que me deu carona.

      Minha mala, que de alguma forma coube dentro do baú da moto!


      Assim que entrei já vi boa parte do pessoal do Museu Itinerante, então esperamos o resto chegar e fizemos nosso check-in do aeroporto.

      Após entrarmos na Sala de Embarque ficamos esperando dar a hora e às 6:20h nosso avião decolou rumo a Viracopos, em São Paulo.



      A medida que o avião ia subindo já dava para ver a incontável quantidade de imóveis de Belo Horizonte e também alguns pontos turísticos importantes, como o Mineirão e a Lagoa da Pampulha, além de já estarmos começando a passar das nuvens.



      Lagoa da Pampulha e Mineirão.

      O avião continuou subindo até ficar por cima das nuvens, aí a aeromoça distribuiu o lanche para tomarmos o nosso café da manhã. Comi tudo porque nossa viagem seria um pouco longa, mas não estava com fome porque já tinha comido alguns biscoitos antes.


      O mais legal desse lanche foi as balinhas em formato de avião.
      Perto das 8:00h já estávamos aterrizando no aeroporto de Viracopos.



      Dali fomos para a Área das Conexões e ficamos esperando nosso próximo avião, dessa vez com destino a Chapecó, em Santa Catarina, mas como o voo só sairia às 10:50h tivemos que esperar um bocado na sala de espera. Ali fiquei navegando na internet pelo meu laptop e boa parte do pessoal ficou conversando ou mexendo no celular [com internet, claro!].

      Nesse meio tempo deu até pra aproveitar e tirar uma foto de todo mundo junto:

      E até fizeram o concurso de óculos Lucas Moura, para ver quem ficava mais legal usando esses óculos:

      Eu ganhei 13 curtidas no Facebook, mas o ganhador mesmo obteve 39 curtidas no Facebook. Dado a hora decolamos novamente, dessa vez num avião maior do que o da primeira viagem.






      Como acordei muito cedo e estava um pouco cansado [mais devido a acontecimentos anteriores, como muito serviço e eventos numa data muito próxima uma da outra, que fizeram com que eu trabalhasse bastante e tivesse pouquíssimo descanso], acabou que dormi por boa parte desse voo, mas deu ao menos para comer umas batatinhas que a Aeromoça nos ofereceu.


      Às 12:40h chegamos no Aeroporto de Chapecó e estava chovendo um bocadinho. Achei muito legal a estrutura que os funcionários do aeroporto utilizaram para não nos deixar molhar: emprestavam um guarda-chuva para cada um dos passageiros e pegavam de volta na portaria, ajudou bastante a evitar a água gelada caindo sobre nós!
       


      Minha Mala.
      Apenas esperamos o pessoal se juntar novamente e pegar suas malas e fomos até a portaria. Ali já avistamos o motorista da prefeitura, que não demorou muito e nos levou de van rumo ao nosso destino final.




      Após pouco tempo na estrada, resolvemos parar para almoçar.



      O Motorista nos indicou a Churrascaria Samuara, que além de ter uma comida excelente, era muito barata. E assim continuamos seguindo a estrada rumo a Pato Branco.




      Por essas bandas há dos mais variados tipos de plantações.
      Finalmente, às 16:30h chegamos na cidade, mas tivemos que esperar por mais algum tempo antes de entrar no hotel porque o pessoal da coordenação estava conversando com eles e tentando resolver algum problema. 



      Com tudo resolvido, finalmente pudemos entrar no Regente Hotel, que seria o nosso lugar de descanso durante toda essa semana. Fiquei em um quarto-triplo com mais dois colegas. Mas antes disso olhe como é a Sala de Recepção desse hotel:

      E uma das Salas de Espera:

      E agora o nosso quarto:

      Aqui tinha até uma mini-varanda, bem legal para curtir um ventinho no rosto!


      Depois de tanto esforço finalmente estava no meu quarto, onde pude descansar bastante. Só saí de lá às 20:00h para me reunir com o resto do pessoal e um dos organizadores do evento, que nos mostraria a cidade e também nos levaria até um rodízio de pizza.




      Em muitas avenidas existem esses vasos de flores, que deixam a paisagem muito bonita.







      Ele nos levou até a Pizzaria Thaberna Pizza e Grill, que além de ser incrivelmente barata, tinha excelentes opções de cardápio.


      Depois de comer e papear bastante, chegou a hora de voltar.

      Ao chegar no hotel fiquei descansando novamente, até que findou o dia. No próximo dia começaríamos a montar os experimentos do Museu na Tenda disponibilizada pelo evento.
    • Por Vivajando
      Depois do meu último relato sobre como você pode visitar o lugar mais frio do Brasil, falarei hoje um pouquinho mais a respeito das outras diversas opções de passeios em Urubici, uma das mais aconchegantes cidadezinhas da Serra Catarinense.
      A começar por sua localização, Urubici é o lugar perfeito para você se estabelecer durante um roteiro serrano! Além de dispor de excelentes opções de hospedagem (daquelas que farão você se esquecer do resto do mundo!), oferece ainda boas variedades gastronômicas típicas da região e é abundante em atrações naturais!
      Urubici é um descanso para a mente e para a alma! É a cidade perfeita para você cansar o corpo e relaxar a mente! E o que pode ser melhor do que aquela sensação de liberdade que só o contato com a natureza é capaz de nos proporcionar?
      Mas que Cargas d'Água se tem pra fazer em Urubici?
      Cargas d’água” sim, senhor!
      Muitas atrações da cidade envolvem essa temática “água”! Cachoeiras, cascatas, rios…
      Ah! E é importante salientar que todas as atrações requerem o uso de um carro, visto que os atrativos mantêm uma distância considerável uma das outras.
      Lista dos Lugares para Visitar:
      ☞ Leia todo o post neste link aqui: https://www.vivajando.com/2017/11/24/passeios-em-urubici/
      Lá no blog eu comento sobre cada um dos passeios!
      Dê um pulinho lá, comente! Estou aqui pra te ajudar!

    • Por bstorquato
      Entrar em contato com a natureza traz diversos benefícios, sendo alguns deles a diminuição do stress, aumento da criatividade e até a diminuição da pressão arterial. Interessante né?
      Mas por que estou te contando isso num post sobre Urubici?
      Porque visitar Urubici é se conectar diretamente com a natureza, e eu posso garantir que você vai sentir cada um dos benefícios e vai deixar a cidade com a mente tranquila.

      Conheça essa pequena cidade de Santa Catarina, que com apenas 10 mil habitantes, vai te mostrar toda a beleza e imponência da natureza, que se exibe em Urubici de diversas maneiras.
      Descubra o que fazer em Urubici, desvende cada cantinho desse paraíso natural e aproveite ao máximo sua visita a cidade.
      Receptividade, simplicidade e humildade
      Logo ao chegar em Urubici, o que mais impressionou foi a receptividade do povo, que nos recebeu de braços abertos. Um povo humilde, simples e disposto a ajudar, coisa que nem sempre vemos por ai.
      Isso por si só já me conquistou no primeiro dia em Urubici, e tenho certeza que você também será recebido tão bem quanto eu.
      O que fazer em Urubici
      Como já comentei, a cidade é um paraíso natural, onde a natureza se exibe em suas mais lindas formas. Urubici é conhecida principalmente por suas cachoeiras, mas vai muito além disso.
      Descubra agora o que fazer em Urubici, desde os lugares mais visitados até os pouco conhecidos. Ah, e não se perca, pois o melhor ficou para o final.
      Vamos lá?
      Inscrições Rupestres
      Um dos mais importantes registros arqueológicos de Santa Catarina, são inscrições gravadas em paredes de pedras pelos primeiros habitantes de Urubici, que viveram por ali há mais de 4 mil anos atrás.
      Inscrições rupestres
      O principal registro é a Máscara do Guardião. Acredita-se que este lugar era sagrado, e o guardião era quem o protegia. Além desse, há diversos outros desenhos e símbolos interessantes, que apesar de simples, tem valor histórico incalculável.

      Cascata Véu de Noiva
      Subindo para o Morro da Igreja, do qual vou falar mais adiante, encontra-se a pousada Cascata Véu de Noiva, onde está a cascata de mesmo nome.
      Devido à sua inclinação e largura, a água desliza pelas pedras em direção ao solo de modo que forma-se uma fina camada de água corrente, que lembra muito um véu de noiva, dando origem ao nome da cascata e da pousada.
      Parece ou não um véu de noiva?
      Dentro do complexo, além da cachoeira e do hotel, ainda existe um restaurante e uma tirolesa. Chegamos muito cedo para o almoço, mas o buffet estava começando a ser preparado e parecia ótimo!
      Gruta Nossa Senhora de Lourdes
      Também no caminho para o morro da Pedra Furada, a 11 kms do centro de Urubici está a Gruta Nossa Senhora de Lourdes. Uma gruta natural cercada por paredões de pedra, que ainda conta com uma tímida queda d’água de 10 metros.
      A Gruta Nossa Senhora de Lourdes merece uma visita
      Desde 1994 a gruta abriga uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes e atrai diversos turistas e fiéis, que deixam por ali suas homenagens. Mesmo para não religiosos, vale a pena visitar a gruta pela sua beleza natural.
      Cachoeira da Neve
      Sem dúvidas uma das mais lindas e interessantes cachoeiras de Urubici, recebeu esse nome pois no inverno, a água é espalhada pelo vento durante a queda, e vira pequenos flocos de neve que caem suavemente até atingir o chão.
      No inverno, a água congela e cai como neve
      A Cachoeira da Neve está localizada dentro do camping Arroio do Engenho, a aproximadamente 3,4km do centro da cidade. Para chegar até a cachoeira, deve-se fazer uma trilha de aproximadamente 30 minutos, de nível leve.
      Ao chegar, a vista da cachoeira é deslumbrante já a primeira vista, porém, a experiência não acaba por aqui. Você pode seguir uma trilha que chega atrás da água.
      Por trás da cachoeira
      Morro do Campestre
      Também conhecido como Morro da Cruz, oferece uma das vistas mais lindas da região. A subida é parte de carro, parte caminhando. Uma subida leve, de aproximadamente 15 minutos.
      Formações rochosas no Morro do Campestre
      No topo, você vai encontrar formações rochosas de arenito, que ficam a 1.380m de altura. Esse é o ponto principal, mas caso você queira se aventurar um pouco mais e ter uma vista ainda mais incrível, você pode continuar até o final da trilha, que é mais pesada, sendo quase uma escalada em certos pontos.
      Morro da Igreja e Pedra Furada
      Esse talvez seja o principal motivo para as pessoas visitarem Urubici, e também é um dos maiores cartões postais da cidade, junto com a Cascata do Avencal, que vou mostrar pra você daqui a pouco.
      O que muitos não sabem, é que na verdade a Pedra Furada está em território de Orleans, porém, a melhor vista dela é mesmo de Urubici. Então fique tranquilo, você está no lugar certo. 
      Vista do morro da Igreja, Pedra Furada ao centro. Foto: Kiko Luis Ricardo @kikoluisricardo
      Para chegar ao Morro da Igreja, são aproximadamente 30km saindo do centro do Urubici. Todo o trecho é asfaltado, porém de péssima qualidade. Recomendo dirigir com cuidado para evitar os buracos.
      Curiosidades:
      É o ponto habitado mais alto do sul do Brasil; É onde foi registrada a temperatura mais fria do país, -17,8 graus; A altitude á de mais de 1800m. O melhor horário para ver a Pedra Furada é durante a manhã, pois a chance do tempo estar aberto é maior. Mas eu não tive essa sorte, e acabei vendo só nuvens.
      Caverna Rio dos Bugres
      Esse está aqui mais como informação do que como recomendação. Na verdade são pequenos túneis interligados, que ficam em uma propriedade particular, também no caminho para o Morro da Igreja.
      Há diversas teorias do surgimento desses túneis, sendo uma delas que os túneis serviam de abrigo para os índios, que ali dormiam para se proteger do frio intenso da região. Já outra conta que os buracos foram feitos por tatus gigantes.
      O passeio é rápido, e é recomendado levar lanterna para passear por entre os túneis.
      Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens
      Construída entre 1965 e 1973, a igreja matriz de Urubici contempla 31 comunidades. Tem uma arquitetura única e totalmente diferente de qualquer outra igreja que eu já tenha visto. A Imagem de Nossa Senhora Mãe dos Homens que está nessa igreja, veio de barco do Rio de Janeiro em 1930.
      Arquitetura única e impressionante
      Mirante de Urubici
      A caminho do parque Cascata do Avencal, que você vai conhecer daqui a pouco, e também muito perto das inscrições rupestres, está o mirante de Urubici. Um lugar bacana que oferece uma bela vista da cidade.
      Vista linda de Urubici
      Serra do Corvo Branco
      Também um clássico da região, a Serra do Corvo Branco é sem dúvidas imperdível. Saindo de Urubici, você vai chegar ao topo da serra, de onde tem-se uma vista fantástica da região, que abrange paredões de pedra enormes.
      Serra linda, porém perigosa
      São 30km de estrada de chão do centro do Urubici até a serra, e já vou avisando, a estrada é horrível. Mas também já digo que vale muito a pena. Visitar a Serra do Corvo branco definitivamente deve estar na sua lista de “o que fazer em Urubici”, pois a vista é sensacional!
      Ali você vai contemplar o maior corte em rocha basáltica do Brasil, que se impõe com seus paredões de até 90m de altura. Estima-se que essas montanhas tem mais de 160 milhões de anos.
      Maior corte em rocha basáltica do Brasil!
      Ao descer a serra, que é oficialmente a SC-370, chega-se a Grão Pará, porém não é recomendado descê-la. A estrada é ruim e deslizamentos acontecem com frequência, tanto que a serra é interditada diversas vezes durante o ano. Visitar o topo, por outro lado, é totalmente seguro.
      Parque Cascata do Avencal
      Lembra que eu falei que o melhor ficou pro final né? Então conheça o Parque Cascata do Avencal, ponto turístico clássico e cartão postal de Urubici.
      Localizado a 6km do centro de Urubici, o parque conta com hotel, restaurante, lago com pedalinhos, tirolesa e a famosa Cascata do Avencal.
      Tirolesa de Urubici. Tem coragem?
      A tirolesa tem 200m de comprimento, e passa por cima da cascata, oferecendo uma vista fantástica e única do lugar. A velocidade é controlada e lenta, então não há muita adrenalina, a não ser pela altura, que pode assustar, pois a cascata tem 120m de altura.
      Cascata do Avencal – Parte Alta
      A cascata pode ser visita por dois ângulos, a parte alta e a parte baixa. Para visitar a parte alta deve-se ir ao Parque Cascata do Avencal, onde paga-se entrada. Chegar até lá é fácil, basta seguir as placas indicando. Confira no mapa ao final do post a localização de todos os pontos turísticos de Urubici.
      Parte alta da Cascata do Avencal
      Cascata do Avencal – Parte Baixa
      Já o acesso a parte baixa da cascata é um pouco mais complicado. No caminho para o parque, saindo do centro de Urubici, deve-se entrar em uma rua à direita, seguir até onde der de carro e depois fazer uma trilha de aproximadamente 800m.
      Parte baixa da Cascata do Avencal
      A trilha é de nível leve, mas dependendo de como esteve o tempo nos últimos dias, pode haver pedras escorregadias. Ao final da trilha, a incrível Cascata do Avencal, vista de baixo. Se o tempo estiver bom, você pode até aproveitar para tomar um banho no lago que se forma ao pé da cascata.
      A gastronomia de Urubici é única, e seus restaurantes, apesar de simples, oferecem pratos de altíssima qualidade, muito saborosos e com preços ótimos.
      Agora que você já sabe o que fazer em Uribici, bora descobrir o que e onde comer?
      Onde comer em Uribici
      Zeca’s Bar
      O prato mais típico de Urubici é a truta, que pode ser apreciada de diversas maneiras. Um dos melhores lugares para experimentar esse peixe tradicional de Santa Catarina é o Zeca’s Bar. Eu experimentei a truta ao alho, um prato muito bem servido e saboroso.
      Truta ao alho no Zeca’s Bar
      E além da truta, no Zeca’s você também encontra pratos feitos, como arroz, feijão e bife, ou até pizzas, que é uma das especialidades da casa.
      Posto Serra Azul
      Sem exagero, esse é um dos postos de combustível mais legais que já vi. Já de cara você vê um carro antigo, com metade estacionado para fora e outra metade para dentro da conveniência do posto. O carro na verdade foi transformado e serve de caixa. Muito legal né?

      E além disso, toda a decoração é no melhor estilo americano, com placas por todo o lado e meses feitas com peças de carro. Tudo pra dar um charme.

      A melhor parte, no entanto, é a comida. No posto Serra Azul eles vendem um delicioso sanduíche de truta, normal ou defumada. Eu fui no com truta defumada, acompanhado de uma boa cerveja artesanal da região.
      Sanduíche de truta defumada. Uma delícia!
      Pousada em Urubici
      Não adianta você ter uma lista enorme dessa sobre o que fazer em Urubici se você não sabe onde vai se hospedar, não é mesmo?
      Eu tenho uma boa notícia pra você: Em Urubici você vai encontrar ótimas opções de hospedagem.
      Em fiquei da área de camping da Pousada Nossa Senhora das Graças, que oferece o tipo de hospedagem rural. A área de camping é muito bem estruturada, com cobertura, tomadas dentro da área coberta, chuveiros a gás e churrasqueiras.
      Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças
      Mas também há chalés muito charmosos na pousada, e confesso que deu uma vontadinha de me hospedar em um deles. São chalézinhos de madeira, muito bonitos e aconchegantes.
      Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças
      Há também um galpão, que abriga uma cozinha bem completa e área de lazer, com mesa de sinuca e tênis de mesa. Ou seja, tudo para sua hospedagem ser perfeita.
      E tem mais! Acredita?
      A Pousada Nossa Senhora das Graças é muito bem localizada, bem pertinho do centro, onde ficam os postos de gasolina, mercados e restaurantes.
      Jogando tênis de mesa na pousada
      Pra mim, o atendimento é super importante, e nessa pousada esse ponto vai além das expectativas. A senhora que é dona da pousada foi muito gentil, ajudou com tudo o que pode e me recebeu muito bem!
      Gostou dessa opção de hospedagem em Urubici? Você pode verificar os valores e disponibilidade clicando no botão abaixo.
      Verificar disponibilidade
      Pra não se perder ;D
      Encontre no mapa abaixo a localização de todos os lugares citados nesse post.

      Visite Uribici
      Visitar Urubici é muito fácil, tranquilo e prazeroso. Além de tudo o que eu já mencionei aqui, a cidade é muito bem organizada e sinalizada, ou seja, é fácil achar todos os pontos turísticos mesmo sem um GPS.
      Se você quiser ver tudo o que está listado nesse post, 3 ou 4 dias são o ideal, mas se quiser focar apenas nos mais famosos, sua viagem pode ficar com 1 ou 2 dias.
    • Por ffabioh
      Olá galera!
      Fiz a trilha até o Castelo dos Bugres na região da serra da Dona Francisca próximo a Joinville e gostaria de compartilhar com vocês.
      A trilha parte do km 33 da rodovia SC 418 (google maps). Depois de subir a serra Dona Francisca, paramos neste ponto em uma borracharia do lado direito. Deixamos o carro neste local e começamos a caminhada a partir da borracharia.
      Da borracharia seguimos pela rodovia até uma entrada que tem no lado esquerdo. Tem um container na entrada e placas informativas da trilha. Um pouco antes desta entrada existe uma outra que também chega até o castelo, porém me falaram que para quem não conhece muito é mais fácil de se perder. A trilha é considerada fácil e tem 4km de distância. Levamos 1:20 para subir e 1 hora para descer, com algumas paradas no caminho. A trilha passa por 2 córregos com água bem gelada, em um tem uma ponte improvisada e no outro dá para passar pelo lado sem se molhar. O desnível não é muito grande e a vista lá de cima é incrível.
      O paredão de pedra é utilizado para prática de rapel e havia um pessoal fazendo isso por lá.
      Lá de cima tem-se uma boa vista do morro do pelado e também de Joinville (este último não vimos por estar encoberto).
      É um ótimo passeio para o final de semana!!
      Abraços
       








    • Por Yago Goulart
      Boa noite Mochileiros.
      No dia 06 de dezembro deste ano, fiz um poste em Companhia para Viajar - "Trilha/acampamento (15 e 16/12) - Canyon Itaimbezinho - RS/SC", e acabei fazendo duas trilhas e acampei, e vou contar um pouco da experiência, e tentar incentivar todos a fazerem, pois vale muito a pena.
       
      - Primeiramente, assim como todos fazem um planejamento do passeio, fiz o meu. Utilizei vários sites, conversei com bastante gente a respeito da cidade e sobre tudo o que ela poderia proporcionar. Fiz um mapa, e fui marcando tudo que tinha na cidade (Supermercados, farmácias, lanchonetes, pizzaria, barzinhos kk e entre outros), e garanto que foi um grande auxílio pra se virar na cidade. Na busca fiquei um pouco preocupado, pois a internet me mostrava uma cidadezinha muito pequena e distante de tudo, não que fosse fazer diferença, mas sair de longe pra fazer apenas uma trilha as vezes desanima. 
       
      - Fiz orçamentos referente as trilhas e passeios possíveis de se fazer, com uma empresa XX:
      > Trilha do Rio do Boi: R$ 160,00/pessoa.
      > Trilha Malacara: R$ 70,00/pessoa.
      > Passeio de Balão: R$ 500,00/pessoa.
       
      - Durante uma conversa com a empresa XX, questionei sobre Camping, e me indicaram o Camping Malacara. Entrei em contato e me surpreendi com os valores passados:
      > Trilha do Rio do Boi: R$ 75,00/pessoa (se tivesse 4 pessoas), R$ 90,00/pessoa (se tivesse até 3 pessoas), e R$ 70,00/pessoa (se fosse um grupo acima de 5).
      > Trilha Malacara: R$ 40,00/pessoa.
      > Camping Malacara (diária): R$ 20,00/pessoa.
       
      Falando um pouco sobre a cidade - Praia Grande/SC:
      > Do Portal de Turismo de Praia Grande: Reconhecida como a "Capital Catarinense dos Canyons", localiza-se na divisa entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul, à 280 km de Florianópolis. A cidade foi povoada a partir de 1917, por descendentes de açorianos, portugueses e italianos. O nome Praia Grande é derivado dos grandes despraiados do Rio Mampituba, formado por seixos rolados.
      > Achei que a internet mostra uma cidade diferente do que realmente ela é, no sentido de estrutura das casas. A cidade é pequena SIM, porém percebi que as pessoas são muito receptivas e educadas, da para ver nos olhos delas, o amor e orgulho que as tem em morar ali. A cidade é bem cuidada e limpa. E no centro da cidade tem uma igrejinha muito bonita.

      - Camping Malacara: fica localizado aos pés dos Canyons malacara. Possui uma guia credenciada. O camping é bem pequeno, condiz com as pesquisas, possui uma cozinha pequena com uma geladeira e um fogão. Tem uma vista maravilhosa dos Canyons, possui uma piscina natural logo atrás do camping (foto abaixo).

       
        - Trilha do Rio do Boi: Saímos do camping por volta das 09 hrs, e encontramos nossa guia num posto de gasolina, seguimos com o carro dela (pagamos R$ 40,00 - dividido para os três), e foi mais um casal de gaúchos em outro carro. Fomos instruídos a respeito de tudo que poderia acontecer, sobre a história dos canyons itaimbezinho e ganhamos uma aula sobre a biodiversidade local. A trilha é bem difícil de se fazer, porém a natureza te recompensa, levamos umas 3 hrs até chegar no ponto. Passamos por algumas cachoeiras de tirar o folego, e algumas piscinas naturais. É Impossível descrever as sensações. Algumas fotos abaixo:







      - Trilha Malacara: o nome Malacara vem de uma espécie de cavalo que tinham uma macha branca em sua cara, que caracterizava uma raça selvagem, onde nos Canyons, se prestar bem a atenção possui uma mancha, e acreditasse que pelo formato, conseguimos ver um cavalo nas paredes do Canyon.
      A Trilha bem fácil de se fazer, leva aproximadamente 1 hra pra chegar ao final. Possui uma piscina natural maravilhosa. Algumas fotos abaixo:


       
      Fiquei encantado com toda a beleza natural e com a experiência que tive nessa pequena cidade.
      Acredito que consegui passar um pouco do que eu queria.
      OBRIGADO DEUS, OBRIGADO PRAIA GRANDE E OBRIGADO MINHA SANTA CATARINA.
      Precisando de mais detalhes, só chamar no whats: (48) 999660-9049.
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×