Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''parana''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

  1. NOSSO PRIMEIRO MOCHILÃO (Loira e Pipira). ITINERÁRIO: SÃO PAULO > PARANÁ > SANTA CATARINA > RIO GRANDE DO SUL > URUGUAI > ARGENTINA > PARANÁ > SÃO PAULO. Passamos por 32 cidades, 20 caronas, 8 ônibus, e por incontáveis perrengues em 28 dias, 7 mil quilômetros. Planejamos nosso primeiro mochilão com 6 meses de antecedência. Pensamos nessa rota porque gostaríamos de conhecer o sul do Brasil e os países vizinhos e toda a cultura imersa em cada local. Escrevemos todas as possíveis cidades que gostaríamos de passar no roteiro, porém, no meio do caminho, o destino nos trouxe outros lugares que jamais havíamos cogitado de estar. Pesquisamos bastante sobre como viajar a baixo custo e os itens necessários, apesar de levarmos além do suficiente nas mochilas que ficaram pesadas e dificultou um pouco a nossa mobilidade. A princípio, iríamos fazer nossa viagem de ônibus e hospedar em hostels. Mas criamos coragem e decidimos fazer a nossa maior parte do trajeto pegando carona e acampando em postos de gasolina, nas praças das cidades e nos morros. Nosso orçamento inicial era gastar, no máximo, R$ 100,00 por dia, totalizando, R$ 3.000,00 em 1 mês (cada pessoa). Conseguimos alcançar a meta para não estourar o orçamento final. Como era nossa primeira experiência, não tínhamos muita noção do que levaríamos, de onde pegar carona e acampar, apenas fomos surpreendidos pelo destino, e deu tudo certo. Fugimos do senso comum de que pegar carona é algo perigoso e difícil. Conseguimos a maioria das caronas em menos de meia hora, acreditamos que por estarmos em casal, isso facilitou muito. Todos que nos deram carona, foram pessoas extremamente gentis, de bom coração. Não houve nenhuma intercorrência durante o trajeto, apenas os perrengues que são comuns de acontecer, como o tempo de espera em algumas ocasiões, a imprevisibilidade de chegar no momento que fora previsto, dentre outros que comentamos em cada carona. Tudo isso foi possível graças a vários relatos de outros mochileiros deste site, e vídeos do Youtube. Sobre os itens que consideramos necessários para viagens desse modelo: - mochila com barrigueira; - barraca de camping e isolante térmico; - fogareiro + cartucho de gás (2), panela; - garrafa de água (3L); - documentos pessoais (RG, carteira de vacinação, dinheiro, e um cartão para emergências); - caneta para placa (2); - adaptador, cadeado, canivete, carregador portátil, guarda-chuva, lanterna; - lenço umedecido (acredite, é extremamente necessário) - toalha e poucas peças de roupa, se possível; - itens pessoais de higiene, kit-socorros e protetor solar. Aplicativos necessários: - iOverlander (app com mapa de lugares para acampar, banheiro, água etc); - Google Maps (o melhor aplicativo de todos, além de funcionar off-line/sem wi-fi, cria rotas, mostra linhas de transporte em tempo real, distância e duração); - Hostelworld (melhor app para achar hostel barato); - TripAdvisor (ótimo app para descobrir bons pontos turísticos); - Couchsurfing (aplicativo pago (R$10,00) de hospedagem grátis e troca de experiência com os nativos, infelizmente não conseguimos nenhuma hospedagem por estarmos viajando na época natalina/ano novo). Em toda a cidade que entramos, procuramos lugares públicos (McDonald 's, supermercados, rodoviária, aeroportos, praças, por exemplo) com tomadas, banheiro e água disponíveis. Em outros países que passamos, no Uruguai e na Argentina, é muito escasso o acesso à água de graça em locais públicos. Outra observação pessoal foi a dificuldade em encontrar creme de leite e sardinha nos supermercados. Em ambos os países, é muito comum encontrar a empanada, uma espécie de pastel assado com frango desfiado ou carne, mas não tem fritura, como por exemplo salgados (coxinha, espetinho empanado, kibe, etc). No geral, nas cidades do Uruguai não há muita variedade de pratos apetitosos, apenas a empanada é a mais aceitável, e foi um dos alimentos que comemos durante todo o percurso da viagem. Descobrimos que o Brasil é o melhor lugar possível para fazer o mochilão, pois o brasileiro está disposto a ajudar em qualquer ocasião. Tivemos várias situações em que fomos extremamente gratos durante o percurso: Burni: mãezona, ofereceu seu apartamento e nos acolheu com muito carinho. Fez almoço para nós, nos levou para conhecer o centro da cidade, comprou os melhores cookies da padaria que ela considerava a sua favorita, nos deixou bem à vontade para fazer o que quiser em sua casa, estendeu a nossa roupa (achei a atitude fofa porque eu tinha estendido tudo errado e ela conseguiu arrumar direitinho para secar mais rápido), deu de presente para nós um pokemon card que ela considerava uma das coisas mais importantes de sua vida, que fez parte de sua infância, e também deu 10g de cogumelo (achei mais fofo ainda). Felícia (Daisy): esposa da Burni, deu de presente uma saboneteira, foi muito simpática, receptiva e conversou bastante conosco no primeiro dia. O motorista de ônibus que nos avisou que a barraca tinha caído da mochila durante a nossa primeira tentativa de carona e um outro rapaz que recomendou outro lugar para pegar carona, o casal de sanduicheiros do famoso choripan da Lagoinha do Leste que confiaram em nossa palavra para pagar os lanches após sairmos da trilha, pois o lugar é afastado e não funciona o Wi-fi para pagamentos on-line e não tínhamos algum dinheiro vivo naquele momento. A atendente do posto de Siderópolis que nos deixou tomar banho de graça e nos apresentou um dialeto muito comum no sul ‘’capaz’’ que significa ‘“ora, deixa disso” como uma forma de disfarçar o possível interesse em fazer algo a favor. Pessoal do hostel de Canela e o atendente do Ecohostel de PoA com a camisa do Inter que nos deu dicas de mochilão. O dono de um bar que estava bebendo um chimarrão em Porto Alegre que gentilmente nos deu uma sacola ao ver a nossa estourar e os pastéis caírem no chão. Frentistas do posto SIM de Pelotas que foram super receptivos e mostraram um bom lugar para montar a barraca e o caminhoneiro que conseguiu a senha para tomar banho. Hippie de Punta del Diablo que nos mostrou onde ficava um ótimo camping pago seguro. ‘’Macondo’’, nome de uma casa cujo lugar onde ficamos hospedados na varanda em Cabo Polônio. Casal de brasileiros mineiros de Punta Ballena que passaram perrengue conosco para voltar para Punta Del Este de ônibus à noite. Diego, voluntário brasileiro atendente do Port Hostel em Montevidéu que nos ajudou com o câmbio. As funcionárias da biblioteca da rodoviária de Fray Bentos que nos cedeu um espaço para ficarmos à vontade lendo os livros e foram muito gentis e atenciosas conosco. Os funcionários da Aduana em Fray Bentos que conseguiram uma carona para atravessar a ponte entre a Argentina e Uruguai. Camila, nossa amiga que nos acompanhou por toda a cidade de Buenos Aires, dando dicas e compartilhando sobre a sua vida de estudante e nova residente na Argentina. O guia do museu ferroviário de Buenos Aires que foi super atencioso e paciente para nos explicar a cronologia da história da Argentina através da linha do tempo ferroviária. O funcionário da rodoviária de Puerto Iguazú que nos ajudou a pegar o último ônibus de última hora para Foz do Iguaçu. Entre outros, pelo simples direito de ter acesso a banhos e campings gratuitos em postos de gasolina. Seu José, a pessoa que passou mais tempo conosco e foi marcante para nós, o caminhoneiro que nos ofereceu carona e estadia gratuita na empresa em que trabalhava e até um lanche generoso. A viagem nos representou a possibilidade de explorar nossos limites, fragilidades, medos, conhecimentos sobre o mundo exterior, e o autoconhecimento, no geral. Foi algo enriquecedor. Também fortaleceu a nossa conexão, algo crucial para esta viagem. Com esta nova experiência, queremos mostrar que é possível realizar tudo isso se houver coragem para se arriscar, pois pouquíssimas pessoas possuem esse brio. (Rota realizada para a viagem). - 15/12/2021 - 21/12/2021 - São Paulo - Florianópolis Nossa primeira opção, seria pegar um ônibus direto para Florianópolis para otimizar o nosso tempo, já que o ponto de encontro inicial estava marcado na rodoviária do Tietê e o horário de partida estava previsto para o período da noite. Ficamos hospedados durante 5 dias na casa de umas amigas. Realizamos vários passeios, trilhas e caminhadas. Conhecemos o centro da cidade, recomendamos ir à ponte Hercílio Luz (ponto turístico), Beira mar continental e norte, ao Mercado Público de Florianópolis; nas feiras de rua próximas desse mercado (os preços dos produtos são bem acessíveis); à Catedral Metropolitana da praça XV de novembro. (Vista da Beira mar norte). Fizemos a famosa trilha da Lagoinha do Leste e do Morro da Coroa (a trilha é difícil, é preciso ter bastante paciência e certo preparo físico para enfrentar quase 7 km de subida - ida e volta, mas o esforço vale a pena, a paisagem é fantástica e é possível tirar excelentes fotos do lugar e da vista do Morro da Coroa, além de interagir com os macaquinhos durante a trilha). (Vista do Morro da Coroa). Também recomendamos conhecer o Museu do Presépio Bosque Pedro Medeiros, lugar simples e encantador, um recanto verde em meio aos prédios, possibilitando realizar pequenas trilhas dentro do museu. - 21/12/2021 - Florianópolis - Palhoça (BR 101) - Criciúma Por estarmos dentro da cidade de Florianópolis, resolvemos pegar um Uber para a rodovia BR 101 em Palhoça, um local com facilidade de pegar carona para o nosso próximo destino. O primeiro ponto, próximo da loja Havan, não deu muito certo. Nos deslocamos para um ponto mais próximo do acostamento, onde obtivemos êxito. Uma dica seria não ficar próximo de uma subida, é mais difícil parar um automóvel, recomendamos pegar em um local com acostamento plano. (Foto tirada próxima ao local da primeira carona). - Carona 1 - Palhoça - Criciúma [BR 101] - Tempo de espera: 1h - Horário de saída: 14h00min - Horário de chegada: 16h45min - Distância: 170 km Sr. Odair, 45a, agradável, simpático. Já ofereceu várias caronas, nos aconselhou a pegar carona no acostamento em local plano, em vez de um local com subida/descida; possui uma esposa e 2 filhos. Não teve oportunidade de estudar, mas gostaria de fazer uma faculdade. Possui uma rotina exaustiva com jornada de 12h de viagem (3x na semana), reivindica férias há mais de 3 anos para passar o natal e ano novo com a família. Gosta de oferecer carona justamente pela viagem ser solitária, então aproveita para ter alguma companhia durante o percurso. Diz que só oferece carona para aquele que oferecer boa impressão, preferencialmente para mulheres e casais, além de estar bem apresentável. Já presenciou vários acidentes na estrada e acabou se acostumando com esta rotina; é católico; aparentemente hígido. Contraiu covid-19 em junho deste ano por meio da esposa (no coral da igreja), todos testaram positivo pelo teste PCR. Procedente de Curitiba, seu trajeto do trabalho é de PR - RS, transporta peróxido de oxigênio, seu caminhão possui 9 eixos. Só pode transitar 80 km/h. Seu Odair nos deixou próximo da entrada de Criciúma. Pegamos um Uber para entrar na cidade. Chegando na cidade, procuramos um lugar para acamparmos. A primeira tentativa foi em um posto de gasolina, mas os postos dentro da cidade geralmente não aceitam fazer camping, então resolvemos procurar um parque ou uma praça. Ficamos em uma praça no centro da cidade, mas não sabíamos se poderia montar a barraca devido ao movimento constante de viaturas que rodeavam a praça. Mas por não encontrarmos um lugar melhor de última hora, optamos por montar a barraca ali mesmo. Por ser na época do natal e ter grande contingente de pessoas, esperamos diminuir o movimento para podermos montar a barraca. Uma dica seria tentar chegar o mais cedo possível para aproveitar a cidade que quer conhecer e retornar para os postos de gasolina próximos da rodovia, caso queira acampar, ou procurar um local de camping dentro da cidade. Tivemos uma experiência não muito agradável, por receio de estarmos muito expostos e por alguém nos abordar. Houve um momento em que um homem se aproximou da barraca e ficou por algum tempo nos observando e foi embora (que cagaço!). Por estarmos dentro da barraca, só vimos a silhueta dele. Outra dica seria sempre que entrar em uma cidade nova, procurar por um Mc Donald’s, pois é um lugar que há banheiro e tomada e, às vezes, Wi-fi gratuito, além de permanecer no local sem ninguém incomodar. (Nossa primeira carona com o Seu Odair). - 22/12/2021 - Criciúma - Siderópolis No dia seguinte, pegamos um ônibus para Siderópolis. Escolhemos essa cidade para conhecer um local chamado Aguaí Santuário Ecológico, mas não foi possível porque optamos por conhecer um local na entrada da cidade, onde se situa o Centro de Peregrinação de Nossa Senhora de Fátima. Por coincidência, em frente a esse Centro, havia um posto de gasolina (Ipiranga), onde fomos bem recebidos pelos frentistas e principalmente pela atendente da loja de conveniência. Ela nos ofereceu um banho gratuito e recomendou um local para acampar. Escolhemos montar a barraca atrás da Santa (lugar mais protegido não há, rsrs). Às vezes montamos um roteiro bem estruturado, mas podem acontecer alguns imprevistos e não ocorrer conforme o planejado, porém o destino pode nos proporcionar experiências incríveis e muito aprendizado. (Barraca montada atrás da Santa). (Nossa Senhora sempre abençoando a nossa viagem). - 23/12/2021 - Siderópolis (SC) - 2,2 km da BR 101 Logo após acordar, fomos em busca de carona. Primeiramente, fomos no posto conversar com alguns caminhoneiros para tentar alguma carona em direção à BR 101, sem sucesso. Optamos por pedir carona em frente ao posto. Não demorou muito para aparecer a próxima carona. - Carona 2 - Tempo de espera: 13min - Horário de saída: 13h23min - Horário de chegada: 14h15min - Distância: 37 km Anderson, 32a, empresário, natural do Rio Grande do Sul (Rio Grande), porém, foi para Siderópolis, gostou e ficou por lá até hoje, por ser uma cidade tranquila. Montou uma empresa de madeira, já viajou de mochilão pela costa do Rio Grande do Sul com 24 anos, ficou 2 meses fora de casa. Prefere a estação de verão em vez de inverno. Pretende conhecer Maceió e o nordeste, no geral. Nunca deu carona antes. Anderson estava indo em direção à sua empresa. Ele iria nos deixar na BR 101, mas ele estava atrasado, então nos deixou perto da BR 101. Estávamos andando em direção à rodovia da BR 101, quando nossa próxima carona chegou em poucos instantes. Demos sorte. - Carona 3 - 2,2 km da BR 101 - BR 101 - Tempo de espera: 4min - Horário de saída: 14h40min - Horário de chegada: 14h41min - Distância: 2 km Seu João, com o seu carro simples, um Chevette branco antigo, trocamos pouquíssimas palavras, mas o suficiente para saber que existem pessoas humildes, com bom coração. Logo chegando na rodovia, procuramos um local propício para carona. Optamos por ficar debaixo do viaduto, onde havia sombra e um acostamento. Ficamos um bom tempo pedindo carona por dedão, porém, não estava dando muito certo. Por sorte, encontramos um papelão e escrevemos o nosso próximo destino (Rio Grande do Sul), e não demorou muito para a nossa próxima carona chegar. Uma dica seria ter consigo uma caneta de lousa e um papelão para escrever seu próximo destino, pois facilita a comunicação com quem vai oferecer a carona. - Carona 4 - BR 101 - Campo Bom (RS) - Tempo de espera: 1h - Horário de saída: 15h45min - Horário de chegada: 20h00min - Distância: 290 km Seu José, 46a, caminhoneiro, nordestino, cearense, foi para o sul por causa de sua mulher, em busca de oportunidades. É casado há 20 anos com uma mulher de 60 anos, sem filhos, exceto o curica, cuja ave sabe cantar o hino nacional. Ele trabalha em função de sua mulher, para não levar chifre, mas gosta muito de mimá-la com presentes caros (sic). Adicto em café, toma uma vez ao dia para não ficar com cefaleia. É caminhoneiro há 2 anos e já está acostumado com essa vida solitária, mas prefere estar acompanhado durante as viagens, por ser muito comunicativo e prestativo com as pessoas. Seu José contou sobre a sua vida, sobre as caronas que ele já ofereceu, que valoriza muito esse tipo de oferta porque ele já necessitou em várias ocasiões de sua vida. Deu dicas para pegar carona, orientou sobre não se arriscar em pegar qualquer carona, pois há motoristas que se encontram incapazes de dirigir com segurança, por exemplo: olhos vermelhos, cansaço excessivo, uso de drogas etc. Ele também tem receio de oferecer qualquer carona, pois pode haver caroneiros transportando drogas para a fronteira, e vice-versa. Tem bom gosto musical, suas bandas favoritas: Pink Floyd, Guns n Roses, Scorpions, Bon Jovi. Já foi alcoólatra, mas a mulher na linha, o transformou em evangélico, mas de vez em quando ingere álcool escondido. Duas coisas ruins que existem no mundo, ele disse: mulher e dinheiro. Estava empolgado devido à compra do celular para a mulher, passamos pela cidade em que ele morava (Torres), cuja esposa estava esperando para entregar o bolo e o refrigerante e ele entregar o cartão para ela comprar o celular. Antes de ser caminhoneiro, trabalhou durante 8 anos na construção da BR 101. Sente saudades da comida nordestina, buchada, mocotó. Nosso destino principal era Gramado, mas seu percurso se limitava até Campo Bom (RS), que fica a 70 km de distância, então ele ofereceu a carona até essa cidade, onde ele pararia na empresa para carregar produtos de polietileno. Muito atencioso, convidou-nos para passar a noite em segurança na empresa, deixando-nos à vontade para se acomodar dentro do caminhão e dormir por lá mesmo. Na empresa, havia banheiro com chuveiro e tomada. Tomamos banho e ele se dispôs a comprar comida pra gente. Ele nos mostrou o funcionamento dos compartimentos que compunham no caminhão, como por exemplo, uma mini cozinha e uma geladeira que ficava ao lado caminhão. Seu sonho é ter um motorhome, ter uma casa de praia e nunca mais trabalhar. Pipira vai realizar o sonho dele algum dia. (Na companhia agradável do Seu José). - 24/12/2021 - Campo Bom (RS) - Taquara (RS) - Gramado (RS) - Canela (RS) Acordamos cedo, e Seu José nos deixou no ponto do pedágio, deu um papelão (que fofo), tiramos foto com ele e retornou para a sua cidade para passar o natal com a sua esposa e o curica. Ao chegar no pedágio, levantamos nossa placa escrito ‘’Gramado’’, achando que conseguiríamos pegar carona rapidamente, pois os carros passavam devagar, e havia um acostamento grande para os carros pararem. Não foi o que aconteceu. O motivo se deu devido ao local não ser estratégico, pois essa rodovia não levava direto para Gramado, por ter vários desvios de rota no meio do caminho. Portanto, optamos por mudar a placa e colocar a cidade mais próxima como destino (Taquara), que não demorou muito até aparecer a próxima carona. - Carona 5 - Campo Bom (pedágio) - Taquara - Tempo de espera: 2h - Horário de saída: 9h13min - Horário de chegada: 9h34min - Distância: 30 km Mônica, 30a, enfermeira-socorrista. Nosso anjo da guarda, nos avistou desde quando chegamos no pedágio, porém, ela estava no seu plantão, e pensou na possibilidade de oferecer a carona logo após o término do plantão, caso estivéssemos por lá ainda. E foi o que aconteceu. O sonho dela era fazer medicina, mas devido à falta de recursos, não foi possível. Disse que ficaria de plantão durante o natal a partir das 17h. Informou-nos sobre a alta taxa de óbitos na rodovia, em torno de 1 a 2 óbitos por plantão. Já se acostumou com a rotina de trabalho nos períodos festivos, mas dá muito valor à família. Disse que gostaria de visitar o irmão que reside em Florianópolis (Praia dos Ingleses) há 3 anos, está planejando, mas não acha que vai conseguir ir por causa do trabalho. Tem uma filha pequena e um esposo. Quase não os vê com frequência. Torceu para que nós pudéssemos viajar com segurança e que admira nossa coragem de sair por aí mochilando. Mônica foi gentil e nos deixou na rodovia que dá direto a Gramado. Como Taquara fica próximo a Gramado e o ônibus era barato, optamos por ir até a rodoviária de Uber e comprar as passagens. (Pedágio onde Mônica nos ofereceu carona). Chegando em Gramado, estávamos com fome, almoçamos em um lugar bem barato, o que é difícil encontrar nesta cidade. Recomendamos o restaurante ‘’Espetinho & BBQ’’. Após almoçarmos, procuramos um Hostel para nos acomodarmos, pois era natal e queríamos ficar bem confortáveis. A hospedagem em Gramado era bem inviável devido ao preço elevado, então optamos por ficar na cidade ao lado, em Canela. Ficamos hospedados no ‘’Canela Hostel’’, um lugar bem aconchegante e por um preço acessível. Para nos deslocarmos de uma cidade para outra (Canela - Gramado), utilizamos o ônibus coletivo. Gostamos muito mais de Canela do que de Gramado, por ser uma cidade mais tranquila e não muito turística, apesar de haver muito movimento em torno da Catedral de Pedra, devido à época do natal. O clima desta região é bem agradável, apesar de fazer muito frio à noite. (Catedral de Pedra na cidade de Canela). - 25/12/2021 - 28/12/2021 - Canela - Gramado - Porto Alegre Saímos de Canela e fomos para Gramado por meio do ônibus circular, e nosso próximo destino seria ir para Porto Alegre (POA) para resolver os trâmites* dos documentos necessários para entrar no Uruguai. Explicaremos mais adiante sobre tais documentos. Decidimos pegar um ônibus direto para POA, pois era inviável pegar uma carona saindo de Gramado até a rodovia principal que vai para lá, demandaria muito tempo, o qual não tínhamos, diante da situação* citada acima. Além disso, o custo do ônibus saiu bem barato, portanto, compensou. Chegando em POA, a primeira impressão não foi uma das melhores. A rodoviária, apesar de ser grande, é bem precária, dando um aspecto sórdido entre os pisos e os estabelecimentos, os sanitários não são muito higiênicos. Saindo de lá, andamos a pé para encontrar um mercado e seguir adiante para um hostel. Mas como era natal, não havia nenhum estabelecimento aberto, as ruas estavam vazias, apenas preenchidas por pessoas em situação de vulnerabilidade. Assim como a rodoviária, as ruas do centro são bem descuidadas, muita pichação, lixo e odor desagradável. A sensação de insegurança no centro é constante e tivemos um pouco de receio em relação a essa primeira impressão. Porém, ao chegar no hostel (Eco Hostel), um lugar bem acolhedor, onde situa-se em um bairro nobre, bem localizado, conseguimos nos sentir mais seguros. Aproveitamos o fim de tarde para andar de bicicleta e conhecer o Parque Urbano da Orla do Guaíba. É um ótimo lugar para andar de bicicleta, caminhar e ver o pôr do sol. A bicicleta foi nossa amiga, para nos deslocarmos dentro da cidade. É preciso baixar o aplicativo Bike Itaú e inserir um cartão de crédito. É possível andar durante 1 hora, por 8 reais, e mais 5 reais após a primeira hora. A cidade tem bastante ciclovia, o que torna bastante acessível e seguro para se locomover. (Em frente à Orla do Guaíba). Em tempos de pandemia, atualmente é necessário entrar com alguns documentos: seguro viagem, declaração juramentada para o país que irá entrar, vacinação completa (2 doses) e o teste PCR. Conseguimos fazer o teste PCR gratuitamente pelo SUS, em um posto de saúde mais próximo. Apesar de ser gratuito, demandou muito tempo e paciência, devido a algumas intercorrências, e, por isso, só conseguimos realizar o teste no terceiro dia em POA. - 28/12/2021 - Porto Alegre - Guaíba - Pelotas Por estarmos dentro da cidade de POA, resolvemos pegar um Uber para a BR 116, o que facilitaria pegar a próxima carona, em direção ao nosso próximo destino, a cidade de Pelotas (RS). O Uber nos deixou em um posto do Ipiranga, na BR 116. Primeiramente, tivemos dúvidas sobre o local, se havia a possibilidade de pegar carona com facilidade, pois não presenciamos muito movimento neste posto. Inclusive, cogitamos procurar um posto mais próximo que havia ali por perto, com paradas para caminhoneiros. Tínhamos planejado ficar apenas pouco tempo neste primeiro local (em frente ao posto, perto da saída), e caso não obtivesse êxito, partiríamos para o outro posto. Felizmente, não esperamos por muito tempo, e um casal que estava saindo do posto deu carona para a gente. - Carona 6 - Guaíba - Camaquã (Posto SIM) - Tempo de espera: 30min - Horário de saída: 15h17min - Horário de chegada: 16h30min - 104km Não chegamos a conversar muito, dormimos a maior parte do tempo (pelo menos conseguimos descansar um pouco), mas foram muito atenciosos e nos orientaram sobre a estadia na paróquia de Camaquã, caso não conseguíssemos pegar a próxima carona. O casal nos deixou em um posto de combustível, na entrada de Camaquã. (Lugar em frente ao posto, aguardando a carona 6). Ao chegarmos, procuramos carona dentro do Posto, pois havia vários caminhoneiros abastecendo. Conversamos com alguns caminhoneiros, porém, não obtivemos êxito. A maioria das empresas de transporte proíbe os caminhoneiros de oferecerem carona. Por isso, é normal a recusa por parte dos caminhoneiros. Portanto, tem-se mais facilidade em pegar carona na estrada. Ficamos em frente ao posto, levantamos a placa para conseguir a nossa próxima carona. - Carona 7 - Camaquã (Posto SIM) - Pelotas - Tempo de espera: 10min - Horário de saída: 17h10min - Horário de chegada: 19h00min - 130km Gilberto, 38a, natural de Canoas (RS), bem prestativo, comunicativo, é colecionador de carrinhos, tratores e caminhões em miniatura há 19 anos. Possui milhares dentro de seu quarto. Também monta maquetes (mini fazendas, estradas, etc). Mora com a mãe. Trabalha cinco dias da semana, faz o trajeto por Canoas - Pinheiro Machado há 7 anos carregando argamassa. Mas trabalha como caminhoneiro há muito tempo. É fumante desde os 18 anos. Não fumava, mas por causa da vizinha, queria conquistá-la porque ela também era fumante, ficaram por muito tempo juntos (11 anos). Ela foi para Portugal e ele ficou porque sua paixão é ser caminhoneiro. Já perdeu 3 namoradas por causa da profissão. Contou sobre as histórias do sul, sobre a guerra da Farroupilha. Tem curiosidade por saber sobre o universo e vida fora da terra. Falou sobre religião, diz que Deus é um só, tem fé, enfatiza muito a frase: ‘’nunca diga nunca’’ e sobre aproveitar cada minuto da vida, porque as pessoas não voltam. Debateu assuntos relacionados à política, possuindo ideologias de direita. (Coleção de miniaturas do seu Gilberto). Gilberto nos deixou no trevo que liga a BR 116 com a 471. Fomos andando do trevo ao posto mais próximo (2 km). Tivemos a oportunidade de pernoitar neste posto (Coqueiro), pois os frentistas foram bem acolhedores e dispuseram um local para montarmos a barraca. Neste posto, havia água gratuita, tomadas na loja de conveniência e banho gratuito para mulheres. O banho para os homens é possível, porém, é necessário pegar uma senha no atendimento do posto ao abastecer o carro. Como estávamos a pé, um caminhoneiro cedeu gentilmente a senha para tomar banho. , (Local onde montamos a barraca, ao lado do posto). - 29/12/2021 - Pelotas - Quinta - Santa Vitória do Palmar - Chuí - Chuy Acordamos bem cedo, desmontamos nossa barraca e fomos direto para o acostamento em frente ao posto para encarar o dia mais longo e desgastante. Não demorou muito até chegar a nossa primeira carona do dia. - Carona 8 - Tempo de espera: 6min - Horário de saída: 10h32min - Horário de chegada: 11h07min - 40km Márcio, divorciado, possui 2 filhos, bem comunicativo, prestativo, contou sobre seu sobrinho que é hippie, o qual viajou para vários países da América do Sul de mochilão. Diz que oferece muita carona, mas reconhece pelo olhar quem é bom porque ele já ofereceu para pessoas mal intencionadas, alguns eram ‘’burros de carga’’ (transportam drogas). Contou sobre sua rotina, o qual possui entusiasmo para ganhar dinheiro acelerando as atividades no serviço. Geralmente trabalha 3/4 vezes por semana. Orientou-nos sobre lugares para pegar carona até chegar em Chuí. (Trevo da vila Quinta que vai em direção ao Chuí). Após Márcio nos deixar próximo do trevo, em um ponto de ônibus, levantamos nossa placa escrita ‘’Chuí’’ e permanecemos por um bom tempo neste local. Até que apareceu um senhor com uma bicicleta e nos orientou a pegar carona em outro ponto, mais próximo da via que segue direto para Chuí. Seguimos a orientação, procuramos um lugar com sombra e permanecemos quase uma hora até aparecer a nossa próxima carona. - Carona 9 - Quinta - Posto Ipiranga (após o Eco Taim) - Tempo de espera: 1h30min - Horário de saída: 12h45min - Horário de chegada: 14h30min - 100km Fabner, 35a, foi bem atencioso conosco, é bem humorado e bastante comunicativo, contou sobre toda a sua vida, e posteriormente, entrou em contato. Mora em Caçapava do Sul, sua rota não seguia diretamente em direção a Chuí, mas nos deixou próximo em um posto até seguir adiante com outra carona. Possui 3 filhos, já teve 8 passagens na polícia por questões envolvendo brigas, mas nunca cometeu crimes envolvendo mortes etc. Começou recentemente na profissão de caminhoneiro, e quer dar o bom e o melhor para seus filhos, quer reconquistar a sua mulher, pois se separou recentemente dela. Possui uma plantação de maconha dentro de sua casa, gosta muito de fumar e gostaria de morar no Uruguai para poder fumar à vontade. É muito conhecedor da área chamada Estação Ecológica do Taim, que perpassa a BR 471 em que estivemos durante o nosso trajeto. Falou sobre as figueiras, gostaria de ter uma em sua casa, pois para ele, representa um símbolo muito importante sobre algo duradouro, como a união de sua família, que demora muitos anos para crescer, mas que é fonte de vida. Comentou sobre as carnes (que consideramos peculiares), como a de jacaré e a de capivara, as quais ele considera uma delícia, possui gosto de peixe etc. No Eco Taim, vimos a presença de várias capivaras se banhando no lago durante o percurso. Pediu para tirar uma foto dele com as capivaras e enquanto estava dirigindo, porque não é sempre que tiram foto durante seu trabalho e ele gostaria muito de registrar o momento. Seu sotaque é forte e diz que gosta muito do povo do Rio Grande do Sul, diferentemente do povo carioca (que ele odeia porque fica talaricando a mulher alheia), kkkkk. (Fabner e as capivaras do Eco Taim). Fabner nos deixou em um posto porque seu destino desviaria da rota até Chuí. Este posto situa-se distante da cidade próxima de Chuí (Santa Vitória do Palmar). Portanto, ficamos com receio de não conseguir a próxima carona naquele mesmo dia. Após comermos alguma coisa, seguimos para o local em frente ao posto e demos muita sorte, porque não demorou muito para alguém oferecer uma carona. - Carona 10 - Posto Ipiranga depois do Eco Taim - Santa Vitória do Palmar - Tempo de espera: 8min - Horário de saída: 15h13min - Horário de chegada: 16h29min - 95km Fabinho, ex-vereador (foi por duas vezes, tentou a terceira não conseguiu), professor de educação física, possui uma filha de 25a formada em farmácia. Gosta de praia, ia pra Porto Seguro - BA. Ficou curioso sobre a nossa viagem e fez várias perguntas a respeito de como viajar de mochilão. Ele nos deixou na entrada de Santa Vitória do Palmar, e seguimos adiante com a nossa placa escrita Chuí. Nossa próxima carona chegou surpreendentemente em menos de 1 minuto. Tal carona foi a mais rápida que já pegamos neste mochilão. - Carona 11 - Santa Vitória do Palmar - Chuí - Tempo de espera: 1min - Horário de saída: 16h31min - Horário de chegada: 17h00min - 20km Peter, ex-aluno do Fabinho (por coincidência, encontrou-o após Fabinho nos ter deixado na entrada da cidade), é formado em engenharia agropecuária. Disse que a cidade que ele mora (SVP) é a penúltima cidade, e é a mais isolada do país, porque as outras cidades brasileiras mais próximas ficam a 200 km de distância. Faz muito frio no inverno porque tem muito vento, lá também é fonte de energia eólica. Falou um pouco sobre seu trabalho, trabalha em Pelotas atualmente, porque gostaria de ficar mais próximo dos pais que já estão idosos. Peter nos deixou dentro da cidade, deu dicas sobre as lojas mais baratas para comprar. As lojas do lado brasileiro são mais vantajosas do que as lojas do lado uruguaio. (Saída da cidade do Chuy). Ao chegar no Chuí-Chuy, buscamos uma papelaria próxima para imprimir os documentos necessários e também procuramos um câmbio para trocar o real em pesos uruguaios, a cotação na época era R$ 1 (UYU 7,80). Trocamos R$ 1.000,00 (UYU 7.800,00). Tivemos que trocar por necessidades pessoais, lembrando que no Uruguai, tudo é caro, então é preciso preparar o bolso. A princípio, achamos que o dinheiro trocado daria para atravessar todo o Uruguai, mas no meio do caminho, foi preciso trocar mais um pouco, em torno de R$ 250,00. Os documentos só ficariam prontos no dia seguinte, portanto, procuramos um hostel para nos abrigarmos. Nos instalamos no Etnico Hostel, um lugar bem simples, porém, bem aconchegante e inclui café da manhã. - 30/12/2021 - Chuy - Santa Teresa - Punta del Diablo Ao acordarmos, almoçamos em uma churrascaria brasileira, com uma comida excelente, mas um pouco cara. Antes de atravessarmos a Aduana, aproveitamos para abastecer em um mercado do lado brasileiro. Fomos andando do centro do Chuy até a Aduana (1,7 Km), apresentamos os documentos (sinceramente, eles ignoraram os documentos da vacinação, teste PCR, seguro viagem e a declaração juramentada, apenas olharam o passaporte/identidade). Recomendamos levar todos os documentos, de qualquer forma. Após apresentarmos os documentos, seguimos para a rodovia do lado do Uruguai. Tivemos a impressão que demoraria muito para pegar a primeira carona no Uruguai, pois não sabíamos se eles tinham o costume de oferecer carona. Havia um casal de mochileiros atravessando sem a apresentação dos documentos e pararam um pouco mais a frente para pegar carona. Finalmente, em poucos minutos, um carro parou e nos concedeu uma carona. (Aduana, Brasil - Uruguai). - Carona 12 - Chuí (Aduana) - Santa Teresa - Tempo de espera: 13min - Horário de saída: 17h13min - Horário de chegada: 17h36min - 30km Ruan Pablo, arquiteto, a comunicação foi bem pobre devido ao nosso primeiro contato com a língua espanhola e também pela timidez. Seu destino era ir até Santa Teresa, pois estava acampando com uns amigos. Foi ele quem nos ensinou a maneira correta de dizer: pedir carona em espanhol, traduzindo, seria algo como ‘’hacer dedo’’. Ruan Pablo nos deixou em frente à entrada para Santa Teresa, aguardamos a próxima carona, sem a placa. Um casal apareceu oferecendo carona até Punta del Diablo e aceitamos. A princípio, nosso objetivo era ir direto para Cabo Polônio, mas tivemos uma sucessão de peripécias no decorrer do trajeto, levando para outros destinos antes de chegar no nosso objetivo principal. - Carona 13 - Santa Teresa - Punta del Diablo - Tempo de espera: 33min - Horário de saída: 18h10min - Horário de chegada: 18h23min - 12km Casal jovem não identificado, colocou-nos na caçamba. Parece ser muito comum as caminhonetes oferecerem carona na caçamba. Pode parecer perigoso, mas não é. Inclusive, é muito difícil a polícia abordar os carros porque não vimos nenhuma viatura na estrada (rs). Ao chegar em Punta Del Diablo, aproveitamos o pôr do sol e a praia, posteriormente, procuramos um local para armar nossa barraca. Mas após conversarmos com um nativo, fomos informados de que era proibido o camping na praia e nos recomendou um camping pago. Andamos até um camping mais próximo (2,5 km), foi bem cansativo, pois estávamos carregando as mochilas e várias sacolas, além de não possuir aplicativo de transporte na cidade. Chegamos no camping e pagamos em torno de 30 reais por pessoa, o local é bem seguro, há tomadas, banheiro e chuveiro, um lugar para usar o fogareiro, lavar os utensílios e as roupas. (Camping La Viuda, Punta del Diablo). - 31/12/2021 - Punta del Diablo - Rota 9 - Castillos - Aguas Dulces - Cabo Polônio Acordamos no dia seguinte e andamos até a estrada principal para pegar uma carona até a saída da cidade. Passaram vários carros e estávamos com receio de não conseguir aquele dia por ser véspera de ano novo. - Carona 14 - Punta del Diablo - Rota 9 - Tempo de espera: 20min - Horário de saída: 13h20min - Horário de chegada: 13h30min - 4km Casal mais velho, cujo homem se identifica como Toro, possui um carro antigo Fiat 147, cedeu seu humilde espaço atrás do banco para nos levar até a Rota 9. Não conversamos muito pois a viagem fora bem curta, mas o casal era bem simpático. (Toro e sua esposa). Toro nos deixou próximo da rotatória e seguiu em direção para Santa Teresa. Procuramos um local mais a frente, com sombra, pois o sol estava a pino. (Aguardando a próxima carona). - Carona 15 - Rota 9 - Castillos - Tempo de espera: 10min - Horário de saída: 13h40min - Horário de chegada: 14h20min - 30km Casal jovem sem identificação, em um automóvel humilde, não interagimos muito. Paramos no trevo e entramos na rota 16, sentido Cabo Polônio. (Loira ansiosa para chegar em Cabo Polônio). - Carona 16 - Castillos - Aguas Dulces (Rota 16) - Tempo de espera: 10min - Horário de saída: 14h30min - Horário de chegada: 14h40min - 10km Casal com cachorro, simplesmente nos colocou na caçamba e nos deixou no trevo, o qual havia duas direções, uma para a cidade de Aguas Dulces e outra para a Rota 10. Seguimos em direção à Rota 10. - Carona 17 - Aguas dulces (Rota 16) - Cabo Polônio (Rota 10) - Tempo de espera: 30min - Horário de saída: 15h10min - Horário de chegada: 15h20min - 11km Fernando foi muito gentil, mora em Valizas (400 habitantes), nos deixou até Cabo Polônio que fica a 5 Km de distância de sua cidade. Chegamos ao nosso tão esperado destino. Nos informamos sobre o transporte até a costa de Cabo Polônio. A princípio, havia dois jeitos para chegar até lá. O primeiro seria à pé, porém, era inviável devido às bagagens que estávamos portando. A segunda, seria por meio de um caminhão. O preço da passagem de ida e volta custa mais ou menos R$ 35,00 (UYU 290,00). Optamos por pegar o caminhão, pois os horários são limitados. Partimos mais ou menos umas 16h30min e chegamos às 17h. Caminhamos até a estrada principal e em seguida, andamos até o farol. O valor da entrada é 35 pesos (R$ 4,00) e o horário de funcionamento ocorre até o fim do pôr do sol. É possível avistar uma colônia de elefantes-marinhos, leões-marinhos e lobos-marinhos a 20 metros de distância do farol. Por ser final de ano, os preços dos hostels estavam muito elevados. Além disso, é proibido levar a barraca para montar na praia, portanto, tivemos que deixá-la com os funcionários do transporte. Sem barraca e sem hospedagem, nossa última opção foi procurar um lugar ao ar livre para passarmos a noite. Após andarmos um pouco, demos sorte de encontrar um lugar perfeito, próximo ao mar, na varanda da casa de um pescador. Foi uma experiência incrível. Durante à noite, é possível ver muitas estrelas com bastante nitidez (é o céu mais estrelado que já vimos na vida). Apesar de ser a virada de ano, não notamos a presença de barulho de fogos, apenas algumas pessoas comemorando por poucos minutos, em seguida, houve um silêncio total, sendo possível ouvir apenas o movimento das ondas do mar. Para nós, foi uma das melhores viradas de ano de nossas vidas, por haver paz e tranquilidade. O lugar é único, mágico e encantador. Vale muito à pena conhecer este pedaço do Uruguai, para quem quer ter um contato mais próximo com a natureza, longe da eletricidade e do caos urbano. (Local onde passamos a noite, com vista para o mar). (O famoso Farol). (Colônia de elefantes-marinhos, leões-marinhos e lobos-marinhos). - 01/01/2022 - Cabo Polônio (Rota 10) - San Carlos (Rota 10) - Punta del Este Acordamos e seguimos para o ponto para pegar o próximo caminhão. Ao chegar na entrada, procuramos passagem para qualquer destino, porém, não havia por ser feriado. Seguimos então em busca da próxima carona, a poucos metros da entrada principal de Cabo Polônio. - Carona 18 - Cabo Polônio (Rota 10) - San Carlos (Rota 10) - Tempo de espera: 20min - Horário de saída: 13h20min - Horário de chegada: 16h00min - 120km Danilo, estava a caminho de sua casa, vem quinzenalmente para Cabo Polônio para ver sua namorada. Possui uma camionete velha. Dois caroneiros nos acompanharam durante o percurso até La Paloma na caçamba. Posteriormente, fomos para o banco da frente e partimos para a cidade Rocha pela Rota 15. Danilo é muito gentil, tentou interagir conosco e disse que já fez mochilão por toda a América do Sul, inclusive o Brasil. Falamos sobre o nosso próximo destino que era Punta Del Este para Danilo, e ele comentou que nesta cidade havia pessoas com ‘’mucha plata’’ (muito ricos), e que preferiria Cabo Polônio, por ser mais tranquila, humilde e acolhedora. Dormimos no meio do trajeto até o local que ele nos deixou, cujo trevo que liga San Carlos a La Barra. (Carona dentro da caçamba em direção ao trevo de La Paloma). Esperamos por muito tempo neste local. Achamos um pedaço de isopor, pois havia um ferro velho próximo e escrevemos ‘’Punta del Este’’. Não durou muito tempo, porque o isopor partiu ao meio devido ao vento forte. Além disso, o céu estava com nuvens carregadas, e possivelmente, iria chover. Por sorte, apareceu uma caminhonete que deixou um grupo de caroneiros nesse trevo e nos ofereceu carona para o nosso próximo destino - Carona 19 - San Carlos - Punta del Este - Tempo de espera: 40min - Horário de saída: 16h40min - Horário de chegada: 17h30min - 120km Uma mãe e seu filho nos cedeu gentilmente um lugar na caçamba até Punta del Este. Conhecemos todo o trajeto que liga La Barra a Punta del Este. Ficamos impressionados com a primeira cidade, pelas casas e estabelecimentos serem de um nível alto padrão, bem luxuosas. Naquele momento, já constatamos que aquele lugar não era para nós. Saímos de um lugar humilde e acolhedor, por um lugar que é o extremo oposto. Como citamos anteriormente, gostamos de tranquilidade e simplicidade. Ao chegar em Punta del Este, ficamos apreensivos porque começou a chover. Porém, eles foram gentis e nos deixaram na porta de um hostel mais próximo do centro da cidade. Entramos no hostel, porém, não havia vaga para nós dois no mesmo quarto. Então decidimos procurar um McDonald 's para carregar os celulares e conseguir acessar o Wi-fi para procurar um hostel barato. Para nossa tristeza, era tudo muito caro, mas achamos um que era o mais barato de todos os hostels. Além disso, a maioria dos hostels estavam ocupados devido ao feriado de Ano Novo, e não tínhamos muita opção. Caminhamos até o hostel, preparamos nosso jantar e descansamos até o dia seguinte. Particularmente, o hostel é bem localizado, mas não tivemos uma experiência muito boa, porque ficamos em um quarto compartilhado e havia muitas pessoas transitando e fazendo barulho, portanto, não dormimos direito. (A chuva c̶a̶s̶t̶i̶g̶a̶ ̶o̶s̶ ̶c̶a̶r̶i̶o̶c̶a̶s̶ e Punta del Este). - 02/01/2022 - Punta del Este - Punta Ballena Acordamos bem cedo, tomamos café e andamos pela cidade para conhecer alguns pontos turísticos: Los Dedos, Iglesia Nuestra Señora de La Candelaria, Faro de Punta del Este, Puerto, Casino Nogaró, Playa Brava, e depois resolvemos voltar para o hostel para pegarmos nossas coisas e seguir para a rodoviária. Compramos passagem até Punta Ballena, onde paramos na rodovia, perto da entrada do Mirador de Punta Ballena. Seguimos andando até o Museo Casapueblo (2km - 20min), um dos pontos turísticos mais famosos de Punta del Este. A arquitetura é bem interessante, relembra as construções gregas. O artista plástico Vilaró possui uma trajetória marcante, e suas obras são reconhecidas por sua identidade artística própria. Conseguimos ver o pôr do sol, o qual é extremamente fascinante. Apesar de tudo, nós nos sentimos um pouco desconfortáveis, pois o ambiente se tornou algo superficial, perdendo toda a sua essência com o tipo de classe social que o frequentava. Após o pôr do sol, retornamos para o ponto de ônibus, porém, havia um problema. Estávamos sem dinheiro trocado para ir direto à cidade de Montevideo. Optamos por retornar à Punta del Este e passar no cartão de crédito no guichê da rodoviária, pois já era bem tarde e não queríamos nos hospedar novamente. Por ser muito tarde, não havia horário de ônibus para aquele dia. Compramos passagem para o dia seguinte, no primeiro horário disponível (5:00 A.M.). Resolvemos esperar do lado de fora da rodoviária, em um banco. Após algumas horas, entramos novamente devido ao frio que estava fazendo naquela madrugada. É curioso ver que muitas pessoas, de todas as idades, caminham durante a madrugada, como se a cidade funcionasse 24h, sem cessar. Talvez por ser uma cidade com ampla estrutura e livre de criminalidade. Ao amanhecer, viajamos até Montevideo. (Pequena praça em frente à rodoviária, durante a madrugada, rodeada de bruma). (Mirante de Punta Ballena, uma das melhores vistas do Uruguai). - 03/01/2022 - Punta del Este - Montevidéu Pegamos o primeiro ônibus do dia e chegamos na parte da manhã (7:00 A.M.) na rodoviária de Montevidéu. Estávamos sem dinheiro trocado, apenas com o cartão de débito, e precisávamos ter pelo menos uma garantia com dinheiro vivo para utilizar nos estabelecimentos, porque as taxas de cada transação pelo cartão são altíssimas. Não recomendamos utilizar esta forma de pagamento. Caso realmente queira gastar só o necessário, recomendamos ter um planejamento financeiro e os dias que irão ficar no país, além de levar um dinheiro extra para casos de emergência ou imprevistos. Por não termos recursos para trocar o dinheiro nos câmbios, ficamos sem saída por um momento. Procuramos um hostel mais próximo do centro para nos hospedarmos e buscarmos orientações. Por sorte, o atendente do hostel (Montevideo Port Hostel) era um voluntário brasileiro (Diego) que nos ajudou fornecendo outras alternativas para o nosso problema. Recomendou baixar o app Western Union, cuja função é realizar transferências internacionais. É possível transferir por pix e esperar algumas horas (+/- 3h) para poder sacar em uma agência credenciada mais próxima. Almoçamos e depois passeamos pelo centro da cidade. Passamos pela Plaza Independencia, Teatro Solis, Plaza España, Centro de Fotografía de Montevideo, Palácio Estévez, Mausoléu do General Artigas. (Caminhando pelas ruas de Montevideo). No dia seguinte, passeamos novamente pela cidade para aproveitar o pouco tempo que tínhamos. - 04/01/2022 - Montevidéu - Fray Bentos Durante o final da tarde, pegamos um ônibus direto para Fray Bentos, cuja cidade faz fronteira com a Argentina. Chegamos quase meia-noite, optamos por passar a madrugada na rodoviária, pois estávamos sem dinheiro trocado e não havia alguma loja de câmbio aberta. Durante a madrugada, compramos algumas guloseimas com uns trocados que havíamos na carteira em uma mini-conveniência 24h que ficava dentro da rodoviária, apenas para passar o tempo, já que o guarda ficava o tempo todo nos monitorando e não nos deixando dormir deitado no banco. (Pipira deitado minutos antes do guardinha chamar a nossa atenção). - 05/01/2022 - Fray Bentos - Fray Bentos (Aduana) - Pilar - Buenos Aires Ao amanhecer, resolvemos passar o tempo na biblioteca, conversamos com as funcionárias que cederam o espaço para gente, foram muito gentis. Depois conversamos com os funcionários da rodoviária para obter informações sobre o funcionamento da Aduana, e soubemos que não havia ônibus para atravessar a Aduana devido à pandemia. Ficamos apreensivos (com o cu na mão, kkkk), pois não sabíamos o que estava por vir. Achamos que naquele momento, voltaríamos para casa. Resolvemos tentar atravessar de carona. Mas antes, fomos atrás de uma papelaria para imprimir os documentos necessários para atravessar na Aduana. Procuramos na internet todas as papelarias que estavam abertas (eram poucas). E em todas que passamos, não havia impressora ou não queriam nos atender. Este último motivo foi o que nos deixou chateados porque sentimos um preconceito instalado. Acho que foi um dos momentos que não nos sentimos tão acolhidos durante esta viagem. Por fim, depois de andar pela cidade toda a pé, perguntamos para os nativos se eles sabiam, e então conseguimos achar uma perto da praça no centro da cidade. Depois de imprimir os documentos, procuramos um mercado mais próximo dali para comermos alguma coisa. Existe uma franquia de supermercados chamada ‘’Ta-Ta’’, cujos produtos são mais baratos que nos outros mercados, além de encontrar muita variedade, o que é bem difícil no Uruguai. Voltamos para a praça para comer, e vimos um táxi. Foi a nossa oportunidade para perguntar sobre o valor até a fronteira. Como estávamos sem trocado, perguntamos se ele aceitava em dólar. Ele nos disse que havia uma forma para trocar com o patrão dele, mas ao chegarmos no local, ele não tinha troco para 50 dólares. Passamos em uma loja de câmbio, mas estava lotado. Depois ele nos levou até uma praça onde havia um cambista informal. Lá, trocamos o dólar pela cotação do dia. Em seguida, corremos direto para a Aduana. O preço estava de acordo com o que ele havia estimado. A princípio, achamos que fosse uma cilada desde o momento que pegamos o táxi com ele, mas, no final, deu tudo certo. Ao chegar na aduana, fomos em direção ao guichê, fazer os trâmites para entrar na Argentina, e perguntar sobre a possibilidade de atravessar a ponte andando a pé. Fomos informados dessa impossibilidade, e nesse momento, nosso mundo caiu. Não sabíamos o que fazer. Após essa resposta negativa, perguntamos sobre a possibilidade de pedir carona ali na Aduana. Nós até pensamos em pedir, mas ficamos com vergonha e resolvemos esperar (até uma alma bondosa oferecer uma carona). Os funcionários foram bem atenciosos e conseguiram uma carona para gente. Estávamos na esperança de atravessar apenas a ponte e de lá pegaríamos outra carona. Mas para a nossa surpresa, a carona iria para perto de Buenos Aires, o qual era o nosso próximo destino. Na aduana do Uruguai, somente o motorista apresentou os documentos e achamos que não haveria necessidade por já ter mostrado para os estagiários quando pedimos as informações sobre a possibilidade de atravessar a ponte a pé. Ao atravessar a ponte e passar pela aduana argentina, não fomos parados, pois estávamos em um carro argentino. Portanto, passamos sem o carimbo de saída do Uruguai e o de entrada da Argentina. O que resultou em um problema que iremos relatar mais pra frente. A nossa intenção não era passar sem a vistoria dos nossos documentos, até porque ficamos preocupados em imprimi-los. Por inocência, não apresentamos os documentos pois não foi pedido em nenhum momento quando estávamos dentro do carro. - Carona 20 - Fray Bentos (Aduana) - Pilar - Tempo de espera: 20min - Horário de saída: 13h20min - Horário de chegada: 17h40min - 250km José Fernando, um empresário, estava indo para uma cidade próxima a Buenos Aires. Foi muito gentil de sua parte, por oferecer a carona (por livre e espontânea pressão, kkkk). Ele nos contou que sua irmã mora aqui no Brasil, em São Paulo, no bairro Alphaville. Quis tirar uma foto conosco para mandar para a família e para a sua irmã, pois estava contente de viajar acompanhado, já que sempre viajou sozinho (apesar de dormimos durante toda a viagem, kkkkkk). Conversamos apenas no início, depois dormimos até chegar em Pilar. Não durmam durante a viagem, é uma falta de respeito (kkkkk), só dormimos porque estávamos muito cansados pois passamos a noite na rodoviária sem dormir direito, e nos arrependemos porque gostaríamos de ter conversado, apesar de não saber muito a língua espanhola. Chegamos na cidade de Pilar, e ele nos deixou em um ponto de ônibus perto da rodovia. A princípio, a nossa intenção era pegar um ônibus para ir direto para Buenos Aires. Porém, estávamos sem dinheiro vivo (apenas com dólar). Como também estávamos sem internet, pedimos a senha do Wi-fi em um estabelecimento. Nesse momento, já tínhamos procurado um hostel para nos hospedarmos. Então, decidimos pegar um uber até o centro de Buenos Aires (pagamos a viagem pelo aplicativo no cartão de crédito). Ao chegar na cidade, fomos até o hostel. Perguntamos se eles aceitavam dólar. Eles aceitaram e pudemos desfrutar do quarto. Descansamos um pouco e nos arrumamos para ir ao mercado. Porém, já estava fechado, então procuramos um restaurante próximo e voltamos para o hostel. Descansamos até o dia seguinte. (O famoso Obelisco). - 06/01/2022 - 08/01/2022 - Buenos Aires Acordamos e já fomos surpreendidos com a dona do hostel alertando sobre o horário do check-out. Como havíamos reservado apenas para uma noite, estávamos discutindo sobre ficar mais um dia no hostel, por ser muito barato e com ótima localização. Já era próximo do horário de check-out e ainda não havíamos decidido se ficaríamos ou não. Nesse instante, a funcionária chamou a nossa atenção para sairmos logo do quarto porque já haviam reservado. Por fim, decidimos procurar outro hostel. Por não ter algum mais próximo do centro, olhamos alguns hotéis, e por coincidência, o que nós achamos no aplicativo era o mesmo que se situava ao lado do hostel. Após estarmos instalados no Gran Hotel De La Paix, resolvemos procurar algum restaurante para almoçarmos. Andamos pela cidade durante à tarde e à noite. Fomos na Plaza del Congresso, no Obelisco e na Basilica Nuestra Señora de la Piedad. Voltamos para o hotel e descansamos. No dia seguinte, visitamos vários lugares. Inicialmente, fomos ao Obelisco para tirar algumas fotos durante o dia, e depois fomos almoçar em um restaurante próximo do hotel, um lugar muito barato com uma comida de boa qualidade. Esperamos uma amiga que mora em BA há pouco tempo, para nos guiar pelos pontos turísticos. Visitamos a livraria ‘’El Ateneo’’, um espaço único, com uma bela arquitetura e uma imensidão de livros de todos os tipos. Em seguida, fomos ao Cemitério da Recoleta, outro lugar quase obrigatório para visitar. Outro lugar interessante para admirar a 2ª e 3ª Artes, o Museo Bellas Artes. Também fomos na Facultad de Derecho, Floralis Genérica. Retornamos para o Cemitério da Recoleta e visitamos a Basílica Nuestra Señora del Pilar e Nuestra Señora del Socorro. (Biblioteca El Ateneo). Estávamos à procura do quadro Abaporu - Tarsila do Amaral, uma obra muito significativa e que representa a nossa identidade brasileira no contexto da arte. Ela estava localizada no Museo de Arte Latino-americana de Buenos Aires. Como faltava apenas meia hora para fechar, esperamos o ônibus na linha para chegar até lá. Estava demorando, então resolvemos entrar em um Museu próximo da linha de ônibus chamado Museo Nacional Ferroviario, o qual foi um achado. O funcionário-guia, que também atuava como segurança, nos apresentou toda a linha do tempo, as construções ferroviárias e todo o funcionamento daquela época, além de trazer muito conteúdo histórico e a passagem de todos os presidentes, principalmente o Perón, o qual é bem famoso em Buenos Aires. (Locomotiva a vapor, no Museo Ferroviario Nacional). No dia seguinte, nosso último dia em BA, deixamos nossos pertences no hotel e visitamos o Museo de Arte Latino-americana de Buenos Aires (MALBA) no período da manhã. Conseguimos a meia-entrada pois temos a carteirinha de estudante. É sempre bom levar a carteirinha do estudante, ou até mesmo o ID Jovem, que garante pagar pela metade do preço e ajuda bastante a frequentar vários eventos pagos. Mas a maioria dos museus são gratuitos, portanto, dá para aproveitar muito! Para a nossa surpresa, não superou tanto as nossas expectativas, apenas o quadro Abaporu foi relevante. Havia uma exposição que estava de passagem com um contexto que nós consideramos inadequados, não tivemos tanta sorte naquele dia, kkkk. (Repugnante, kkkk). (Famoso quadro Abaporu - Tarsila do Amaral). Neste mesmo dia, fomos para a rodoviária de Buenos Aires. Nossa intenção inicialmente era pegar um ônibus para uma cidade mais próxima (Rosário) e seguir de carona até o Paraguai. Porém, era inviável, porque estávamos com o tempo reduzido e com dinheiro contado. Procuramos uma rota que seguia direto até Puerto Iguazú, cidade que faz fronteira com o Brasil e o Paraguai. O preço da passagem era quase a mesma para ir à Rosário, portanto, decidimos escolher a segunda opção. O valor era em torno de R$ 350,00. Compramos a outra passagem no cartão, o qual foi outro perrengue financeiro, pois havia custado o dobro (R$ 600,00). Nunca compre as coisas pelo cartão de crédito, pode custar bem mais do que o esperado, sempre tenha dinheiro trocado em mãos. Após uma viagem longa e exaustiva (18 horas) de ônibus, chegamos em Puerto Iguazú. - 09/01/2022 - Puerto Iguazu - Foz do Iguaçu Neste dia, resolvemos não ir mais ao Paraguai, devido ao tempo escasso. Então procuramos formas de atravessar a fronteira para ir até o Brasil. Havia duas opções para atravessar a fronteira, a primeira seria ir de táxi, porém era inviável por ser muito caro, a segunda seria ir de ônibus, e foi nesse momento que o perrengue começou. O ônibus havia saído naquele instante, mas o atendente do guichê telefonou para o motorista e conseguimos alcançá-lo correndo como se não houvesse o amanhã. Chegamos na aduana e foi solicitada a apresentação dos documentos e do carimbo de entrada da Argentina. Como havíamos comentado anteriormente na aduana do Uruguai - Argentina, os documentos não tinham sido carimbados. Tal fato gerou uma grande consequência na hora da apresentação, e fomos multados no valor de R$300,00 (cada). Felizmente, a multa poderá ser paga quando voltarmos para a Argentina. (ou seja, nunca, kkkk). Brincadeiras à parte, temos a intenção de retornar para este país, pois gostamos muito do lugar, apesar dessa inconveniência que ocorreu conosco durante o trajeto para atravessar a fronteira na aduana. Devido a esta intercorrência, perdemos o ônibus que atravessaria a fronteira para o Brasil. Então resolvemos pegar um táxi após algumas tentativas de pegar carona. O preço do táxi, foi exatamente o restante de pesos argentinos que havíamos dentro da carteira (R$ 65,00). O taxista nos deixou na rodoviária internacional de Foz do Iguaçu. Depois seguimos para um hostel (Bambu) e descansamos até o dia seguinte. (Vista magnífica do céu em frente ao Bambu Hostel). - 10/01/2022 - Foz do Iguaçu - São Paulo Ao acordarmos, arrumamos nossas coisas e deixamos no hostel para aproveitar a ida até as cataratas de Foz do Iguaçu. Pegamos um uber e aproveitamos o passeio que custou (R$ 60,00 - cada). Neste ponto turístico, não aceita meia-entrada. Foi um dos lugares mais caros que nós já visitamos em toda a viagem, prepare o bolso. (A garganta do Diabo, com vazão média de água). Voltamos para o hostel, pegamos nossas coisas e fomos para a rodoviária seguir para o nosso último destino, São Paulo. Fizemos mais uma longa viagem de ônibus, e no meio do trajeto, fomos acordados com a abordagem da Polícia Militar, por ser um ônibus que faz fronteira, a possibilidade de ter alguém trazendo bagagem com drogas era grande. Não foi uma experiência muito agradável, pois nos sentimos constrangidos com a maneira que fomos abordados. Por fim, terminamos nossa viagem e chegamos ao destino de nossas casas. THE END.
  2. thiagozuza

    Ilha do Mel

    A cidade base pra quem vem de fora do Paraná conhecer a Ilha do Mel é Curitiba. Chegando por onibus ou avião até Curitiba, pode-se ir até o litoral para pegar o barco e desfrutar as maravilhas da Ilha. Existem 2 cidades em que se pode pegar o barco e seguir para a ilha: Pontal do Sul - 130 Km de Curitiba: Pode-se pegar um ônibus na Rodoferroviária e pegar o barco em pontal do sul que sai de hora em hora. De Pontal até a ilha são 30 minutos de barco. Paranaguá - 90 km de Curitiba Pode pegar o onibus na rodoferroviária ou ir de trem, descendo a serra da graciosa que o passeio é belissimo. São 2 horas de barco de paranaguá. Outra opção, pra quem quer ir de trem e pegar um trajeto menor de barco é ir de trem até morretes e de lá pegar um onibus até Pontal do Sul. No trapiche em Pontal do Sul, no momento de pegar o barco, já começa a dúvida... Onde ficar?? encantadas ou brasília??? Encantadas tem os melhores forrós. Brasilia fica em uma posição privilegiada, se tem acesso a varias trilhas e várias praias... Já fiquei acampado em ambas e preferi Brasilia pela facilidade de ir para outros lugares: Em brasilia, eu recomendaria pra quem gosta de acampar o Camping Farol das Conchas. Para casais que desejam maior conforto, recomendaria a Pousadinha - http://www.pousadinha.com.br/ Inclusive a comida da pousadinha é muito boa!!!! Considerando a estadia em Brasilia, podemos conhecer diversas praias e atrativos da ilha, através das trilhas: Fortaleza Nossa Senhora dos Prazeres - Caminhada de 6 Km. Da fortaleza pode-se subir a um mirante, que fica em cima da fortaleza, que tem tipo uma continuação da fortaleza com uns corredores e uns canhões escondidos: farol das conchas - 1Km + 1 Km de subida De brasilia, pode-se ir para encantadas de barco ou por trilha. A trilha tem aproximadamente 6 Km e passa por algumas praias: Praia de Fora Praia Grande... Depois tem que atravessar umas pedras... Praia do Miguel Chegando na Praia de Encantadas, que é o outro ponto habitado da ilha, além de Brasilia. Em encantadas, pode-se pegar a passarela: e conhecer a gruta de encantadas. As trilhas são bem fáceis e bem sinalizadas: Existem restaurantes, bares e pousadas de todos os gostos e preços. As melhores praias são as Praias do FAROL, DE FORA, GRANDE e ENCANTADAS. enfim... A ilha do mel é um lugar mágico, que vale a visita!!!
  3. Olá! Somos Diana, Polly e Naira. Depois de muitos planos, viagens adiadas e canceladas, em junho realizaremos um viagem curta on the road pelo sul do Brasil. Um sonho compartilhado. Vcs nos acompanham? Nos sigam no IG: @naja.trip "Nosso destino nunca é um lugar, mas uma nova maneira de olhar para as coisas." (Henry Miller)
  4. Num dia qualquer eu navegava na rede quando em uma postagem alguém comentou: "que saudade dessa terra, ... avistar o horizonte do Morro dos Ventos". O nome do morro atiçou na hora minha curiosidade, já fiz um insight com "O Morro dos Ventos Uivantes". Pesquisei sobre qual terra o comentário se referia: era bem próximo de onde moramos. O morro fica em Nova Tebas no Paraná. Revirei, na internet, com conhecidos, a fim de localizar as coordenadas do morro, mas encontrei apenas fotos e alguns relatos escassos sobre o lugar. Peguei uma carta topográfica da região a fim de localizar uma montanha imponente onde possivelmente seria o Morro. Fiz anotações, marquei alguns pontos, e decidi ir com a cara e a coragem, se não encontrar acampo em alguma fazenda e no outro dia voltamos. Tudo acertado, sairíamos de Águas de Jurema uns 20 Km do distrito de Poema minha referência para encontrar o Morro. Escolhemos fazer o percurso a pé, já que a carta desenhava inúmeros vales e montanhas, queríamos aproveitar a caminhada. Curiosamente, no penúltimo dia antes da partida um dos contatos que havia encontrado na internet e pedido informações à semanas já, me deu retorno, e então começou uma corrente de uma pessoa me indicar outra que poderia saber me orientar a chegar no morro. Depois de passar por 5 indicações diferentes, cheguei ao nome de um morador. Este indicou outro morador que autorizaria a entrada na propriedade, já que, o objetivo fica dentro de uma área de pastagem, e claro não queríamos que lá pelas tantas da noite alguns cães famintos aparecessem. Saímos, eu, Bruna e o Anderson às 12:45 de Águas de Jurema, pegamos uma estrada, continuação da Rua H. Seguimos em frente por essa estrada, os primeiros quilômetros foram em estradas comuns - com exceção das laranjas, a cada km tinha uma laranjeira carregada, sempre seguimos à esquerda nos cruzamentos. Após 2 h de caminhada a paisagem começa a deslumbrar, o primeiro vale que avistamos tirava o fôlego. Sabíamos que atravessá-lo não seria moleza, apenas queríamos ir por ele e descobrir onde ia dar. Mais algumas horas e cruzamos em meio a duas colinas, num lado da estrada pitorescas moradias - nos causam uma pequena inveja - como queria morar lá. Assim que contornamos a colina, mais um vale, dessa vez menor, mas não, menos incrível. Neste paramos em uma das casas pedir água - já que recusamos beber um trago, kkk. Dois senhores embriagados dormiam na estrada e quando foram acordados por nós convidaram para participar da bebedeira, kkkk. Na casa uma senhora simpática ofereceu água da bica, pura água da fonte. Sede controlada, cantis cheios, pegamos mais algumas mexericas na beira da estrada e partimos, já se iam quase 3 h na estrada. Quando chegamos em Poema já se passavam das 16:30, mais água e seguimos rumo a uma região conhecida como 400 alqueires, mais vales traçavam linhas tênues no horizonte. O sol já se ia, mais 1 h na estrada e avistamos a igreja uma referência que tínhamos. Levamos mais 40 min para contornar a colina e então chegarmos na casa que nos autorizaria entrar no Morro. O morador nos forneceu autorização e disse que poderíamos dormir ali, e apontou do outro lado da estrada um morro, que parecia modesto, visto tão de perto. Esperávamos um Morro imponente, que necessitasse de escalar e tudo, kkkk. Até ficamos surpresos com a sua modéstia. Após a porteira começamos uma subida de 10 min. Chegamos lá com o breu, vigiados pela lua lá no infinito. Fogueira feita, no meio de pedras para não ter perigo, entramos noite adentro contando histórias. Se tem recompensa maior que ouvir as pessoas ao redor de um fogueira, desconheço. Dormimos curiosos pelo visual da manhã seguinte. Confesso que desconfiados do tímido morro onde paramos. Foi só bater 5 h, levantei avivar a fogueira, e ... quase esqueço o fogo, fico de queixo caído. Além do vento que cortava a relva, um vale imensurável, com a minha barraca de frente. Fiquei mais tarde sabendo que se chama Vale das Mortes, não sei a origem do nome. Não demorou muito até todos acordarem. A foto daquele momento saiu com caras e dentes, e muitos cabelos rebelados. Recompensados pelo caminho do dia anterior, mais que recompensados, após apagar a fogueira, 8:00 começamos o caminho de volta. Tiramos uma foto do Morro dos Ventos, visto da estrada, nem parece o que é, só olhando para o Vale das Mortes dá de entender por que tem esse nome místico. Mais 5 h de caminhada, tênis do Anderson rasgado e amarrado com o cordão para não perder a sola, uma parada no Rio Muquilão para relaxar a musculatura e dar descanso para as mochilas. Estávamos nós novamente em Águas de Jurema, com mais uma história, não mais uma, mas a história da jornada ao Morro dos Ventos.
  5. O bondinho de Telêmaco Borba é um raríssimo exemplo de meio de transporte que foi criado por uma empresa privada para o transporte de seus funcionários e que continua em atividade no Brasil. Mas o mais importante é a oportunidade de qualquer pessoa fazer este passeio, já que é aberto ao público por um valor simbólico e ainda permite conhecer um pouco da estrutura gigante da empresa caminhando por sua área até a portaria da mesma. É um belo passeio de mais de 1.300 metros atravessando o Rio Tibagi, descortinando a cidade e a fábrica. Mas atente para os horários fixados junto ao terminal, pois em dias úteis a última saída da manhã é as 11 mas a volta somente às 12:40.
  6. O Caniôn do Guartelá fica localizado no Parque Estadual do Guartelá, em Tibagi-PR. A visita foi uma saída de campo do curso de Turismo-Unicentro de Prudentópolis. Saímos de Prude umas 7:30 e chegamos no parque às 09:30. Ao chegar no Parque, recebemos as instruções do pessoal que trabalha no Parque, e nos aconselhou a fazer a trilha com a menor quantidade de peso possível. O parque tem duas trilhas, uma de 5km até o cânion, panelões e outra maior, que tem acesso a parte com pinturas rupestres, que só pode ser falta contratando um guia local. Nós fizemos a de 5km, o que já valeu muito a pena! Aconselho a se longar bem antes rss! Iniciando o percurso com um calçamento bem ingrime(ja desci imaginando a volta kk) podemos observar a vegetação presente e a formação rochosa do local. A trilha possui algumas partes coberta com mata e chão de terra e outras feitas de arvores para não causar tanto impacto ao solo. O primeiro ponto de parada, são os Panelões do Sumidouro, que são verdadeiras piscinas naturais relaxantes! (aconselho muuito a se banhar). Em seguida fomos em direção ao mirante do tão desejo Cânion do Guartelá! Ele possui uma vista incrível! O legal é que dá pra ficar em baixo do mirante, deitar na pedra, beber uma água e agradecer muito!! E o ultimo local que visitamos, foi uma "laje" de formação rochosa, que dava para ver de longe a Cachoeira da Ponte de Pedra, que não é liberado acesso e banho. Valeu muito a pena esse campo. Se você, como eu, ficou assustado na descida,calma.... eles possuem uma Kombi Resgate rs que está sempre de prontidão, para atender aqueles que não conseguirem subir o calçamento. Este é o meu primeiro relato neste site, espero que tenham gostado e VISITEM! 0800 a entrada! Verificar no site sobre os dias de funcionamento. Possui estacionamento gratuito!
  7. Nos últimos dias de 2019 tive o prazer de fazer um dos trechos da Travessia Entre Ilhas, que é mais conhecido como Lagamar. O trecho entre Cananéia/SP e Paranaguá/PR. Na verdade Lagamar é o nome do estuário menos degradado e mais produtivo do mundo situado na região que compreende os estuários do Rio Ribeira, Iguapê e o Estuário de Paranaguá. É uma região de manguesal que abriga uma grande diversidade da flora e principalmente fauna terrestre e marinha. O Lagamar está num trecho de preservação da Mata Atlântica que, explica e chama ainda mais atenção pela sua riqueza. Apesar da preparação em grupo acabei fazendo o percurso no estilo "solo". Quando chegamos em Cananéia do grupo que já era reduzido, uma das pessoas não compareceu, e a outra preferiu ficar na cidadezinha. Como aquecimento, depois de passar boas horas na espera em Registro/SP, aguardando um ônibus para a Ilha, chegamos em Cananéia. Logo tratamos de fazer um tour pela pacata cidade histórica que se orgulha de brigar (ser) considerada a primeira "cidade" brasileira. Fato é que em 1531 Martin Afonso de Souza aportou na Ilha de Cananéia, segundo documentos históricos. Visitamos o museu municipal que também guarda uma preciosidade: o maior tubarão branco em exposição, embalsamado, do mundo. A fêmea, capturada em águas brasileiras da região têm 5,5 m de comprimento e nada menos que 3,5 toneladas. Como aquecimento da jornada eminente, subimos (na verdade subi) o Morro São João Batista para conferir a vista do Mar Pequeno e tem uma pequena ideia da dimensão do projeto. Nessa ascensão que acabei ficando sozinho, minha parceria desistiu, melhor que foi ali e não em meio à praia deserta. No geral Cananéia é uma daquelas cidades que faz voltarmos no tempo e fazer uma reflexão sobre nós homens, nossa sociedade e nosso progresso. As ruas foram projetadas para o Séc. XVI ou XVII e hoje precisam conviver com carros do séc. XXI, isso não é um problema, quando a população e o fluxo não é muito grande. As marinas e mercados de peixe estão por todo lugar, a pesca é a principal atividade da cidade. Pra quem gosta de curtir um final de tarde num barzinho, vai encontrar na Ilha algumas opções bem aconchegantes, e diversificadas. A sensação de segurança também traz um certo conforto. PRIMEIRO DIA DE TRAVESSIA (NA VERDADE PREPARAÇÃO) Neste dia acordei às 06:00 na esperança de chegar à Praia do Cambriú antes das 09:00. Na realidade como estava sozinho, mesmo tendo esperado até às 09:30 no pier não consegui nenhuma voadeira rumo ao Cambriú. Para garantir fui para o Marujá, depois faria o trecho de 12 km até o Cambriú caminhando. O trajeto até a Comunidade Marujá já foi emocionante, cruzamos com golfinhos, guarás vermelhos e nossa voadeira deu uma pane ficando uns 40 min à deriva no meio do canal. Do Marujá até o Cambriú a viagem foi angustiante: cruzar a Praia da Lage se revelou o principal teste emocional da viagem. São cerca de 6 km apenas, mas o fato de conseguirmos enxergar a outra ponta torna essa praia deserta um "inferno". Parece não ter mais fim, some-se o fato de ser o início da travessia, então eu queria olhar o relógio a todo instante para saber do meu desempenho, ilusão, nada mudaria. Levei mais que 1h e 30min de caminhada, tive de fazer algumas paradas e lutar constantemente com os pensamentos negativos. Alguns urubus sobrevoavam meu esqueleto trambaleante fazendo troça. Com muita luta cheguei no outro lado e depois na Praia do Fole, alcançando o Cambriú já depois das 15:00. Assustado, e preocupado devido à experiencia na Laje, resolvi dormir por ali mesmo. No finalzinho da tarde, conversando com moradores descobri que o seu Toninho (barqueiro) fez duas travessias de barco vindo de Cananeia naquele mesmo dia. No final eu tinha chegado também. SEGUNDO DIA - MAR IMPLACÁVEL ESPERA INFINDÁVEL Madruguei. Às 06:15 já me punha a caminhar, na esperança de ver o sol nascendo na Praia do Fole, de frente para a Ilha do Cambriú, nada mais que expectativa. O Astro só apareceu já alto umas 06:50 devido a quantidade de nuvens. Transpor a pequena Praia de Fole Pequeno é simples, a Praia do Fole também foi fácil, ou a ansiedade de chegar na aterradora Praia da Laje novamente fez com que as duas ficassem mais fáceis. De peito aberto me pus a caminhar e em menos de 1h cruzei aquela vastidão de areia liza. É curioso como ela parecia ainda maior, apesar de psicologicamente ter sido bem mais fácil. A faixa de areia estava com mais de 50 m de largura, a maré tinha recuado bastante. No trecho de pedras entre a Laje e o Marujá, fiz uma pausa para comer e beber água na bica que tem por ali. Logo que começa o costão um visual deslumbrante, a Praia do Marujá sumindo no horizonte como um traço reto entre a água azul e a mata verde. Depois de sair no Marujá e caminhar uns 2 km encontrei as primeiras pessoas desse trecho. Era um pequeno grupo, aproximadamente 15 pessoas tomando banho de mar. Pelos demais 14 km daquele dia não vi mais ninguém, apesar de ter encontrado até uma placa indicando um restaurante. Caminhei, caminhei, até tentei parar para descansar, mas além de não me sentir cansado, o sol de rachar e a falta de qualquer sombra desencorajam a pausa. Incrível que nesse dia, apesar de a praia ser bem mais extensa, quando me dei conta estava na antiga Vila da Baleia e já eram 12:00. A Vila, agora destruída, mostra o quão implacável as águas podem ser. Hoje nenhuma residência permanece no local. O mar cortou um braço de uns 500m por ali, e continua avançando. As pessoas saíram deixando tudo para trás. Inclusive muito lixo (roupas, plástico, fios, canos, etc.) que provavelmente vai acabar no Atlântico, que diga-se de passagem já tem muito lixo. Uma vergonha. Ainda mais sabendo que se trata de uma comunidade que vive do Mar. A parte boa é que no canal que se forma atrás da antiga Vila as águas além de limpas são muito calmas. Não resisti, tirei a roupa e dei alguns mergulhos. Arrumei minhas coisas como um travesseiro e tirei um bom cochilo, imaginando a pernada de volta até a nova Vila da Baleia ou Marujá pra conseguir um barco que me deixasse em Ararapira. Acordei com o ruído de um barco parando ali pertinho, fui logo perguntar sobre chegar do outro lado. O barqueiro, Pedro, se ofereceu me deixar na agora Vila da Baleia, aceitei. Na Vila consegui um transporte para o final da tarde. Precisei ficar 4h esperando, sentado ao pé de uma árvore, sendo paparicado por uma cachorra que apareceu ali. Cheguei em Ararapira quase noite. Lá fui informado que se tivesse parado na Pontal do Sul/SP poderia também chegar no Superagui caminhando: o antigo canal não existe mais, está todo assoreado pela areia e fica exposto, exceto em maré cheia. TERCEIRO DIA - A PÉ OU DE CAVALO Comecei cedo, e como não podia ser diferente larguei a tralha na ponta do Superagui e fui até o meio do antigo canal, marcar a divisa dos estados. Caminhando no Paraná, logo avistei o improvável; no meio do nada um cavalo branco observando o Oceano, cheguei pensar que fosse loucura da solidão na minha cabeça. No entanto, pude confirmar era um cavalo mesmo. Resisti a tentação de cavalgar até a Vila de Superagui. Caminhei, passei por alguns riachos, boias, quando encontrei gente, fui saber que já estava chegando na Vila. Eram 11:00 e meus planos de wild camping ficariam para outra oportunidade. Pleno, cheguei na Vila de Superagui. No entanto, um erro crasso me deixou preocupado, e não era o cansaço dos 20km e tanto. Em um dos riacho eu optei por não tirar a bota, resultado foi que era mais fundo que o planejado e entrou água nela, caminhei o resto do trecho, uns 10km, com o pé encharcado. Rendeu muita dor na sola do pé e o medo de aparecerem bolhas me obrigando a desistir no último trecho. Achei um camping, muito da hora, e fiz uma coisa improvável que tive vontade lá pelas 09:00 da manhã, comprei uma coca-cola. Pensa num refrigerante gostoso. O marido da dona do camping, ao conversarmos se dispôs a me deixar na Ilha das Peças no outro dia. Fiquei algumas horas sentado no píer da Vila esperando o pôr do Sol, durante esse tempo vários grupos de botos desfilaram a poucos metros de mim. QUARTO DIA - UMA TRAPAÇA, MUITA ESPERA Desarmei acampamento antes de o Sol nascer, mas tive de esperar o barqueiro, kkkk. À 06:40 me deixava na Ilha das Peças, e não quis me cobrar nada ainda. Nesse dia foi muito tranquilo, aquela sensação de tempo e espaço relativa, devido nas Peças eu saber que seriam apenas 16km para completar a trilha tornou tudo psicologicamente muito leve. A areia firme, a companhia da Ilha do Mel a poucos metros tudo preparado para um final incrível. Depois do antigo farol, hoje caído, avistei a Vila das Peças. Inocente, mesmo percebendo um trecho que aparentava "mangue" resolvi cruzar por ali mesmo, próximo do mar, para não contornar pela margem da várzea. Foi o trecho mais cansativo, e olha que desisti logo do meio e fui para a margem da mata. A cada pisada o pé afundava alguns centímetros na areia fina, acabando com minha panturrilha (lembrei dos tempos de treino na areia para disputar campeonatos de futebol). Chegando na Vila, 10:00, fui procurar alguém que me deixasse em Paranaguá. Não fui bem tratado pelos barqueiros, foram meio rudes - mochileiro acho que eles pensam que nós mendigamos carona. Fiquei chateado, mas paciência. Para piorar um do puto ainda me trapaceou, me disse que eu teria que esperar a escuna regular as 16h, mas se quisesse, por 70 reais me levaria às 15h, já que ele ia buscar mais gente em Paranaguá. Achei um camping, armei a barraca para terminar de secar e dormi um sono. Eram 14:30 quando desmontei tudo e fui encontrar o indivíduo. O pilantra apareceu umas 15:20, eu com cara de bobo, fui no barco. A única coisa que o @#$& me disse é que ia para Supergui e não podia me levar (sacanagem, devido ao nosso combinado nem fui atrás de outros barcos). Resumindo fiquei torrando no píer até às 16:30 quando a escuna me levou para Paranaguá. Foi um travessia incrível, que e ensinou muito. O fato de eu estar sozinho proporcionou perspectivas únicas. Saí de lá mais experiente, e agora que venha o Cassino.
  8. Olá pessoal!! Vim compartilhar a pedido dos mochileiros sobre a cachoeira Salto dos macacos, em morretes. Espero ajudar. O acesso a cidade histórica Morretes se dá pela BR 277, e estrada graciosa que fica a 68 km de Curitiba! Chegando a Morretes é preciso ir até porto de cima, aonde há estacionamentos para deixar seus veículos. Pagamos R$ 10,00 pelo estacionamento. O acesso ao salto dos macacos só é possível no horário das 7:00 AM até 9:00 AM ! Fiquem atentos , pois após esse horário o IAP não permite a sua visita no salto dos macacos. O IAP é o órgão responsável pela preservação do local, então é preciso informar seus dados no início da trilha, e também recomendam , levar lanternas e calçados apropriados. Nossa trilha levou em torno de 2:30 horas, porém com algumas pausas, já que não tinhamos pressa. Mas em um ritmo rapido é possível fazer em 1:30 hora como já fiz anteriormente. Logo no começo vc precisa atravessar o rio 2 vezes. Mas é um rio raso, com pedras no fundo, tornando fácil a travessia. Durante o trajeto, é tranquilo com várias demarcações para auxiliar até a trilha, atravessarão alguns riachos, que realmente são belezas de tirar o fôlego. São poucas subidas, mas que parecem escadas formadas pela natureza. E próximo a chegada quando começa ouvir o barulho da cachoeira, ficará deslumbrado com a paisagem que encontrará da Serra do Mar, com uma cachoeira com queda de 70 metros, seguida por outra queda de 30 metros. Um tobogã natural de pedras, que é possível praticar skibunda. É um lago que mais parece uma piscina de borda infinita! O melhor de tudo, com a vista do Marumbi de Plano de fundo! Só recomendo que fiquem atentos ao clima, pois no local ocorre o fenômeno cabeça da água ( que consiste de uma enxorrada , que vem do Rio acima muito rápido.) Então não fiquem, até tarde pois sempre há chuvas nessa região, já que na volta atravessarão o rio novamente. Abaixo podem conferir algumas imagens. Boa Trilha a todos, espero ter ajudado! Caso tenha me equivocado em alguma informação, me ajudem a corrigir. Carpe Diem.
  9. Olá meus queridos! Esse relato é pra lá de especial! Digamos que essa foi a melhor trilha que já fiz na vida. E em um momento massa.. Último /primeiro dia do ano! Fazenda Pico Paraná é o lugar. Peguei um bus de Chapecó para Curitiba no dia 30. Cheguei em Curitiba de manhã no dia 31. Peguei um Uber até a Fazenda Pico Paraná, é a forma mais fácil de chegar pra quem está de bus. Chegando lá, armei minha barraca e me preparei pra subir o Pico Caratuva! O início da trilha é tranquilo algumas raízes, mas não muito elevação. A primeira chegada é no Morro do Getúlio, ali já dá pra sentir um pouco do que é a trilha e ter um gostinho do visual. Cerca de 1:30 a 2:00. Dali você segue mais um pouco até chegar no local da placa que divide as trilhas do Pico Caratuva e Pico Paraná. Deu até uma dorzinha no coração. Porque todos querem fazer o Pico Paraná, mas era tarde e o tempo não estava bom. Além disso, achei que conhecer o Caratuva primeiro valia a pena. Segui então para o Pico Caratuva. Seguindo pela trilha você chega a um rio onde pode se abastecer de água e descansar um pouco. Daí pra frente o bicho pega. A trilha se torna mais difícil, muita elevação, raízes, pedras, e haja fôlego! Chegando lá de um lado você vê o rio e o Morro do Getúlio. E do outro lado o sonhado Pico Paraná. Imponente e majestoso! Quando cheguei a neblina estava cobrindo tudo e não tinha visibilidade nenhuma, em um momento sentei e fui pegar algo na mochila, quando olhei pra frente, a neblina tinha sumido, e aí eu chorei! Porque o sentimento de estar no topo da montanha. Simplesmente a segunda maior do Sul. Ouvir o som da montanha, o vento... Gostaria que mais pessoas pudessem ter essa experiência. Em uma parte da trilha, me perguntei se conseguiria, mas lá em cima, não há dúvidas. Era ali que eu deveria estar naquele momento. Completa! Depois de contemplar e de me emocionar, comecei a decida. É preciso ser cauteloso, tinha chovido e a trilha estava escorregadia. Eu fiz a trilha sozinha. É tranquilo, mas precisa ter cuidado. Cheguei de volta na Fazenda Pico Paraná, depois de 6 horas. Só queria deitar e descansar, com o coração leve. Conheci lá o pessoal da Fazenda. Família maravilhosa, que me acolheu como um deles. Jantei com eles e depois da Ceia ficamos olhando a Lua, maravilhados. O guia deu digas de grande valia, o que me possibilitou fazer a trilha tranquila. Conheci muitos montanhistas, tenho muito a aprender nessa jornada. No outro dia fiz uma trilha simples de 20 minutos até uma cachoeira, pra receber a energia da água da cachoeira.. Só tenho que dizer: gratidão. Ao universo, por essa experiência. Pelo desafio, pelas pessoas que encontrei, e pela Montanha!! Sem explicação, sentimento grandioso! Março /Abril partirei ao Pico Paraná! Instagram : simplicidades_velho_oeste (fotos)
  10. Olás! Segue um relato brevíssimo e fotos do “Morro do Gavião”, localizado na cidade de Ribeirão Claro, Paraná, divisa do Estado com São Paulo (Chavantes). O “tb cabe no seu fds” do título do tópico faz alusão ao primeiro post que fiz com este tema: Viagens curtinhas (bate-e-volta ou 2 dias) e acessíveis pra quem curte muito natureza mas as vezes não tem disponibilidade, seja de grana ou de tempo, para grandes aventuras. Bora lá. Saímos de Londrina, norte do Paraná, as 7h da manhã de uma sexta-feira, feriado municipal. Londrina dista 200km da Fazenda São João, onde fica o Morro do Gavião. Fomos em 4 famílias, sendo 3 casais com 1 filho cada (3, 5 e 11 anos) e um casal sem filhos, em 3 carros pra otimizar custos. Tem 2 pedágios na nossa rota, de 22 REAIS CADA, um abuso. Então gastamos 88 reais de pedágio por carro. Só pra ilustrar, o meu carro gastou 95 reais de combustível... quase igual ao valor do pedágio. Assim que a gente paga o segundo pedágio a gente sai da rodovia e pega uma estrada bem bosta, pista simples com vários trechos esburacados. Por isso os 200km são percorridos em 3 horas. O acesso a Fazenda é por um curto trecho em estrada de chão. A pedra bonitona que aparecia na estrada. Poucos kms em estrada de chão. Chegamos lá as 10h e fizemos um lanche antes de subir. Paga-se 3 reais para entrar. A Fazenda São João tem estrutura super turística e várias atividades além da contemplação, como tirolesa, parapente, parque infantil, restaurante e etc., mas eles só abrem estas atividades aos fds e feriados nacionais. Até avisei que iríamos em grupo e tals mas estava mesmo tudo fechado. E detalhe, era feriado lá tb! 🤦‍♀️ A “trilha” pra subir nem pode ser chamado de trilha. É um caminho em campo aberto (acho que podiam plantar umas árvores) com calçamento de pedra, dá pra subir com bb de colo, com muleta, enfim, dificuldade zero. Tb é bem curto, parando bastante demora uns 30 minutos. Subindo! "Caminho" de pedra. A vista do alto é a represa de Chavantes, e é de fato bem bonita. Tanto que rolam uns ensaios fotográficos pré-wedding e estas coisas. Lá em cima tb tem umas rochas bem cênicas onde o povo finge estar caindo ou flutuando, mas é perigo quase zero. Gui pendurado. Meu pequeno mochileiro. Meu quase "Asana de Vrakasana" pq tava ventando. kkk Ficamos cerca de uma hora andando em cima do morro, fizemos um lanche, mas o calor tava MUITO forte e tinha apenas uma árvore. Tentamos ficar na sombra desta árvore, mas tinha um amontoado de vespas numa rocha próxima que começou a se incomodar com nossa presença, resolvemos descer. Então ponto negativo: preocupação com a natureza não tem não. Super podiam plantar umas árvores nativas alí em cima, pelo menos no interior do platô (que é pequeno) se a preocupação é não prejudicar a vista. Seguem fotos do visual! Natureza e mochila! Um dos lados da vista! A trupe reunida! No caminho que dá acesso a Fazenda tem placa indicativa de outras atrações. Perguntamos, antes de partir, se as atrações estariam abertas... e moça da Fazenda disse que não pq era feriado! Poxa, mas aí que tinham que abrir né? Haha. Uma das indicações da estrada era uma tal de “Pedra do Índio”, e a gente avistava uma rocha alta com formato bem legal, achamos que era essa. Resolvemos ignorar a indicação da moça da Fazenda São João de que tudo estaria fechado e fomos ver essa tal “Pedra do Índio”. Era uma restaurante, rs. BEM BONITO, ABERTO, com uma vista linda da represa de Chavantes tb. Preços super tranquilos. Pelo jeito eles fazem eventos no local (casamento, festas) e está em construção um belo camping, fica a dica pro futuro próximo. Mas a Pedra do Índio era nada a ver, e a bonitona que a gente via da estrada tinha outro nome, rs, que não lembro. Lá vimos um garçom indicar uma cachoeira por perto, mas já estava tarde pra nós e ainda tínhamos planos, mas pelo jeito tem mais coisas na região que não conhecemos. Partimos em direção a ponte pênsil (Ponte Alves Lima) que liga as cidades de Ribeirão Claro a Chavantes por cima do Rio Paranapanema, divisa dos estados (PRxSP). Esta ponte é tomaba pelo Patrimônio Histórico Estadual e é bem importante do ponto de vista arquitetônico. É uma raridade. No caminho se observa a cachoeira “Véu da Noiva” (afffe essa criatividade pra nome de cachoeira) da estrada, mas estava bem mirradinha por conta da nossa estação seca. Adoramos o cenário da ponte. Hoje é acessível somente a pedestres, a ponte para automóveis funciona ao lado. As águas do Rio Paranapanema estavam tão clarinhas e transparentes, estava tão calor, que só não pulamos pq não tínhamos absolutamente nada pra nos secar antes de irmos embora, kkkkk! Ponte lindona! A foto não mostra o tanto que ela é bonita! A ponte nova! Time completo! Saímos de lá cerca de 16h e chegamos em Londrina as 19h. Estas foram as atividades em um dia. Se houver possibilidade de pernoite, tem outras coisas pra explorar.
  11. Olá pessoal, tudo bem? Tirando um seleto e sortudo grupo de nômades digitais, a maioria de nós sofre litros quando volta de um período de férias já em depressão à espera do próximo! Uma boa pedida para aguentar o sofrimento da espera, hahaha, é encaixar mini aventuras nos fds ou pequenos feriados. Eu já escrevi dois outros tópicos sobre estas pequenas aventuras de fins de semana pelo estado do Paraná (Pico Agudo e Morro do Gavião), e vou deixar mais duas registradas aqui hoje. Também pretendo utilizar este mesmo tópico para relatar outras ao invés de ficar criando tópicos novos! Bora lá! MORRO DA PEDRA BRANCA Este passeio é bem light, pode ser feito em esquema bate-e-volta de alguma cidade próxima ou mesmo se vc estiver passando pela estrada e tiver um tempinho sobrando. O acesso ao Morro da Pedra Branca se dá pela PR 376, (Rodovia do Café, liga o norte do estado à capital) entre Mauá da Serra e Ortigueira. Não tem placa nem indicação nenhuma do morro. No sentido Londrina > Curitiba lá pelo km 308 já dá pra avistar o morro, que tb é conhecido como “morro das antenas” por abrigar ali antenas de telefonia da Oi. Depois do km 310 vá reparando bem, à esquerda vai ter um comércio chamado “Restaurante e Lanchonete da Bica”. A entrada para o morro é cerca de 1km depois (dá pra ver melhor no print abaixo). Um portão tb à esquerda dá acesso à estrada que leva até o topo do morro. Este portão poderá estar fechado, mas é só bater palma que sai um senhorzinho que fica numa casinha ali na entrada cuidando. Foi cobrado 10 reais para cada um, João (filho, 11 anos) não pagou. Localização do Morro da Pedra Branca Dali daquele ponto começa uma estrada de terra. O senhorzinho indicou que a gente poderia subir de carro ou a pé. Optamos por ir a pé, afinal essa era a ideia. Quando fomos a estradinha estava bem boa, dava pra subir com qualquer tipo de carro, inclusive tem gente que vai lá tirar aquelas fotos pré-casamento... mas parece que tem ocasiões em que carro baixo não sobe. São 3km de estradinha numa subida bem tranquila, em que a gente vai observando bichinhos e plantinhas! Fomos bem cedo pq queríamos ver a neblina baixa, no vale abaixo de nós. As 8h30 estávamos no “cume”, mas a neblina estava em toda parte, hahahahauah! A gente não via nada, e tava bem frio (9 graus) pra pouca roupa que a gente tava usando. Mesmo assim ficamos perambulando pelas formações rochosas lá de cima e a espera valeu a pena, o tempo abriu uns 30 minutos depois da nossa chegada! Caminho pela estrada! Era tudo névoa! Minhas amadas plantas! Tem tanta beleza, tanta foto, mas prometo me conter! Só mais essa linda, rs! A torre de telefonia perdida na névoa! A imensidão verde ainda tímida! Abrindo! Descortinando!! Vento e descabelo! Vista bem bonita! Meu mini trilheiro! Fotinha da vista! Parece mais perigoso do que era ok? rs Céu azul! Depois de mais andar e admirar, descemos e ainda fomos uns 2km pra frente na estrada espiar uma linha férrea que passa por ali. Bonitinha. Linha férrea estilosa! Não é nada mega exuberante, mas vale a caminhadinha num fds que podia ter sido só de netflix, rs! Chegamos de volta em casa pouco depois das 14h. FIM
  12. Planejo uma viagem para o Paraná e estou aceitando sugestões de qual a primeira cidade a visitar lá? Se puderem me ajudar agradesço 😁😘
  13. Este morro fica bem próximo a Curitiba, de fácil acesso e com pequena infra-estrutura, sendo muito procurado por aventureiros p/ passeios curtos. Chegando em Piraquara, no triângulo que inicia a avenida principal pegar a direita e seguir p/ a represa. Chegando lá peça permissão p/ atravessá-la e siga adiante. Logo em seguida, na segunda bifurcação pegar a direita, vai ter uma placa p/ o Morro do Canal e a chácara do Seu Zézinho. Chegando lá é cobrada uma pequena taxa de estacionamento. O local tem lanchonete, churrasqueiras e área p/ camping. De lá também é possível ir a nascente do Rio Iguaçú e fazer a travessia Vigia-Canal. A subida do Canal leva +/- 2 horas indo tranquilo. Tem várias correntes e escadas nos locais mais difíceis. É uma subida bem fácil. No Canal existem algumas vias grampeadas p/ escaladores. Fica aí a dica de um belo passeio. :'> A esquerda Vigia e a direita Canal. Corrente. Vigia visto da subida do Canal. Chegando no pico. Pastel na lanchonete do Seu Zézinho.
  14. O município de Faxinal no estado do Paraná, terra de várias belezas naturais que ainda não entraram no radar do ecoturismo nacional. À 100 km de Londrina, 145 km de Maringá e 330 km de Curitiba, geograficamente posicionado na transição do segundo para o terceiro planalto do Estado, é terra de aventuras apaixonantes, e gente receptiva. Muitas, ainda inacessíveis ao público comum. Para acessá-las é preciso de guias ou bom poder de convencimento para ganhar autorização de acesso dos proprietários e conhecimento de relevo para se locomover na região. Na cidade, interiorana, a infraestrutura turística é deficitária. Poucos hotéis e restaurantes, todos simples. Menos ainda são as informações acerca dos lugares, muitos dos moradores com que conversamos não sabiam e/ou não conhecem as cachoeiras e cânions. Vamos compartilhar um pouco da nossa visita a Faxinal e quem sabe encantá-lo para marcar sua próxima aventura no mapa. O Planejamento Faxinal já estava no radar a pelo menos uns 5 meses, mas como fica razoavelmente próximo da nossa casa, sempre que tínhamos um fim de semana prolongado íamos para locais um pouco mais distantes, Sapopema, PontaGrossa, Prudentópolis, entre outros. Ao ver que o ano de 2019 terá o calendário enxuto, não tive dúvidas “vamos para Faxinal logo no começo”, pensando, ingenuamente, que em um final de semana faria tudo o que já ouvira sobre Faxinal. Logo que comecei a organizar o roteiro percebi que teria deixar lugares para ver numa próxima oportunidade. Primeiro que em 20 dias só consegui informações sobre 5 cachoeiras, o nome de mais 6 quedas, de um cânion e de uma rota pelos túneis dos trilhos de ferro na região. Lá em Faxinal fui descobrir que as informações que levantei ainda eram poucas e que o município tem muito mais a oferecer. O roteiro Comecei com uma busca em blogs aqui na web de informações sobre os locais onde visitar. Apareceram logo dicas como cachoeira Chicão I e II, Hotel Fazenda Luar de Agosto, Cachoeira da Pedreira e da Fonte. A viagem Decidi começarmos pela Cachoeira da Fonte. Consegui o contato dos donos do Sítio Santo Antônio que é onde a cachoeira fica localizada, logo fiquei sabendo que os anfitriões forneciam um café de sítio aos visitantes. Chegamos às 10:00 no sítio e já fomos recebidos pela Silvana e o Edivaldo que nos trataram como velhos amigos, ela nos serviu pão, doce e geléia de morango, um café de coador daqueles que cheiram a quilômetros e um queijo colonial furadinho, temperado e bem curado que conquistou nosso coração. Depois de uma hora de prosa, com sotaque bem paranaense, seguimos para a cachoeira nos fundos da propriedade. Uns 600 m de caminhada desde a sede do sítio, a trilha é toda bem demarcada possui degraus construídos e até guarda-corpo em algumas partes. Se divide em duas, uma leva até o topo da queda e a outra leva até a queda. Fomos primeiro para cima, afinal não teria problema com a preguiça de subir na volta. Lá de cima a vista é maravilhosa. O pequeno córrego salta sobre vazio por 54 m de altura. No leito, antes de cair da pedra o rio forma pequenas piscinas de água limpa convidando para o banho. Então descemos para a base, não é possível chegar bem no pé da queda, ou ao menos eu não recomendaria assim como não recomendo entrar no piscinão que se forma da queda - a turbulência da água é perigosa. Mas só de se aproximar já dá para tomar um belo banho com a névoa que se forma. Retornando ao o sítio e fomos colher morangos na estufa que havia no quintal, colhemos belas frutas vermelhas que se desmanchavam nas mãos e derretiam na boca. O casal trabalha com morangos sem agrotóxicos no estilo colha e pague. Na varanda tem um conjunto de redes esperando o viajante para uma soneca. Saindo da Fonte seguimos para a cachoeira do Chicão III, uma queda que ainda não está aberta para a visitação, mas fomos autorizados pelo proprietário, a visitá-la. Deu trabalho para encontrá-lo no telefone, mas só pudemos descer para lá depois que conseguimos contatá-lo, a porteira de acesso fica chaveada é preciso pegar a chave com o proprietário. Chegamos no terreno e com a chave entramos, mas não vimos o Sr. Paulo onde imaginávamos que estaria, em dúvida conferi no mapa e a cachoeira era por aqueles lados, deixei o carro no pasto e seguimos a pé pela estradinha de chão batido. Deixamos um bilhete no vidro do carro, vai que o dono chamasse a polícia. Uns 600 m abaixo encontramos uma casa em construção, uma palhoça e um senhor bem simpático abastecendo o bebedouro dos beija-flores, logo descobriríamos que era o Sr. Paulo. Fomos super bem recebidos o simpático senhor nos contou várias histórias do local inclusive seu planos para a propriedade. Quando descemos para ver o Cânion Cruzeiro do beiral, meu deus! um paredão de rochas cortadas 90º de uns 300 m de altura, é possível ver lá embaixo a cachoeira que mais parece um bica diante da imensidão dos seus vizinhos: Cânion Cruzeiro e Serra do Arreio no lado oposto. Pegamos a trilha pela direita e descemos, apesar de não ser tão longa a trilha é muito pesada devido a declividade, desce os 300 m em uns 700 m de trilha. Após uns 400 m chegamos na parte de cima da cachoeira. A queda impressiona, mas o Cânion e o rio chamam toda a atenção, é indescritível a sensação de estar imerso na natureza, cercado de verde e água. Descendo mais um pouco chegamos à frente da queda, numa coluna de pedra que serve como um banco para sentar e admirar, a Gaia Terra. Depois de um fôlego merecido partimos para a trilha dentro do Cruzeiro, rio acima subimos por 30 minutos serpenteando com oa água, saímos em uma pequena queda onde fizemos mais uma pausa antes de retornar a trilha para sair daquele buraco. Sair não foi fácil, já estávamos cansados e precisamos subir toda a ladeira e mais os 600 m até o carro, enfim saímos, e depois de beber uma água da bica que o Sr. Paulo nos ofereceu e agradecer pela oportunidade de conhecer uma paisagem tão singular, seguimos para o carro. Afinal ainda iríamos acampar a uns 17 km dali. Já eram 19 h quando chegamos. Rapidinho montamos a barraca e fomos para a Cachoeira Três Barras que fica nos fundos da propriedade. A Três Barras é uma sequência de pequenos saltos das águas mais limpas da região apenas terceira queda é maior tendo uns 5 m de altura. A parte que mais gostamos foi poder sentar debaixo das quedas e ficar ali curtindo a massagem natural feita pelas águas,Pra mim foi o banho do dia. No escuro, já, voltamos para a barraca tomar um bom café e ouvir uma boa música antes de cair no sono. No dia seguinte acordamos antes de amanhecer ainda, fizemos nosso desjejum café, pão, linguiça e claro queijo do Sítio Santo Antônio. Levantamos acampamento e as 07:30 estávamos na estrada para a cachoeira Chicão I e II onde faríamos um rapel. Nos encontramos com o instrutor no Centro de Atendimento ao Turista (CAT), e seguimos no nosso carro até a cachoeira. Mais um casal foi junto, achamos que iriam fazer rapel também, mas parece que o instrutor estava sendo somente guia deles para a cachoeira. Demos uma breve parada no salto Chicão I que fica do lado da estrada na mesma trilha que leva até a segunda queda, paramos mais para o casal conhecer a primeira queda. Adrenalina lá em cima, descemos até Chicão II com seus 52 m de queda. Lá fomos, aproximando do penhasco e depois soltando o corpo na corda e deixando a gravidade fazer o trabalho. São 48 m de pura adrenalina, alguns escorregões e um belo banho de névoa da queda. A cachoeira é muito bonita e tem um volume grande de água. Na base forma-se um grande panelão de águas turbulentas. Porém, logo depois do poço tem uma faixa de areia formada pela água, e um canal raso por onde a água corre, aqui sim, ideal para um banho. Conhecemos um grupo de Bombeiros Civis que estavam fazendo treinamento, muito simpáticos eles, tanto que ficamos lá até o meio dia, mesmo depois que o nosso instrutor já tinha ido embora, posso dizer que fizemos amizade. Voltamos para o carro e almoçamos nossas saladas temperadas apenas com sal, junto com algumas conservas e biscoitos, rápido pois ainda queríamos curtir um pouco Chicão I. Chicão I é mais modesta que sua irmã mais velha, tem 15 m de queda divididos em dois saltos; uma queda livre, noutro as águas bailam sobre as pedra em vários filetes dando-lhe um gracejo único. Essa cachoeira geralmente está cheia de famílias com crianças tomando banho nas quedas ou onde a água se acumula. Queríamos ir para a Cachoeira Véu de Noiva mas nosso tempo estava se esgotando, então decidimos deixá-la para um próxima e fomos passar na Pedreira. Esta fica praticamente na cidade, é uma bela queda, quem passa da estrada nem imagina que ali tem algo tão maravilhoso. Deu trabalho para achar a entrada, tem um portão com uma placa bem grande dizendo “entrada proibida”, mais a frente uma trilha no pasto leva até o topo da queda, mas queríamos chegar na base. Perguntamos na estrada para duas pessoas que passavam como chegar na trilha que levava para a cachoeira, ela nos disse que poderíamos entrar no portão que lá dentro tinha a trilha, ainda desconfiados, lá fomos nós - imagina tivessem mentido só para nos ver tomar uma corrida. Mas tudo bem achamos a trilha, é bem curta e chegamos no objetivo. A água é bem limpa, porém não se pode dizer o mesmo do entorno, tem bastante lixo jogado. É uma pena as pessoas não terem consciência ecológica, e às vezes nos faz pensar que é melhor que seja fechado mesmo o acesso ao público e cobrado taxa para entrar, quem sabe assim poluem menos. Tarde já, mas vamos ainda para o Hotel Luar de Agosto conhecer o Badalado Salto São Pedro. O Hotel Fazenda é bem estruturado, compete de igual com os grandes hotéis do ramo. Recebemos na entrada um folder (mapa) demonstrativo da propriedade, como não tínhamos tanto tempo para explorar toda a estrutura, escolhemos fazer a trilha mais longa que levaria até o Salto. Pegamos a trilha da Serra, logo se perdemos, o mapa é bem confuso, kkkk. Deixamos o mapa de lado e seguimos o faro mesmo. Encontramos de novo a trilha certa quando achamos o Mirante da Serra. Seguindo a trilha depois de bastante procura descobrimos o Mirante da Árvore, que foi construído sobre uma figueira e dá de vistas para o Salto São Pedro ao longe. De volta na trilha chegamos a Rio São Pedro e depois seguimos ele até o Salto. De tirar o fôlego, com 125 m de cortina de água caindo sobre pedras gigantescas, é possível avistá-lo de longe, bem antes de chegar na base. Para completar o charme uma ponte de madeira coberta de musgo sobre o rio completa o cenário de uma viagem incrível. Mas antes foi preciso voltar para o carro à 1800 m na sede, e ainda ficar com os olhos aguando de vontade de fazer a tirolesa de 500 m que sobrevoa o vale. Na próxima viagem à Faxinal já temos muita coisa em mente, com mais cachoeiras, tirolesa e trilhas. Dicas Extras Em todos os locais que estivemos nessa viagem é possível chegar com carro baixo, e para se localizar um bom faro de estrada e um GPS resolvem. É importante levar dinheiro em espécie, em muitos lugares não pega sinal de celular ou internet então você não encontrará maquininhas. Se tiver dúvidas poste aí nos comentários que ajudaremos com se puder.
  15. Olás! Segue abaixo um breve relato sobre a subida do Pico Agudo, norte do Paraná, no Vale do Rio Tibagi. Já tem algumas informações aqui no site sobre este destino, mas são mais antigas, e este é um ótimo lugar pra quem quer começar a se aventurar em trilhas e montanhas. Fomos pra lá dia 23 de dezembro de 2018. DADOS SOBRE O LOCAL O Pico Agudo é a segunda elevação mais alta do norte do Paraná, perdendo de Pedra Branca, na Serra do Cadeado. Tem cerca de 1100 metros de altura. Seu acesso é pela cidade de Sapopema, Fazenda Zamarian, e por enquanto o funcionamento é das 7h às 19h aos sábados, domingos e feriados. Contato com a administração: 43 98462-5977 O Pico Agudo fica em uma propriedade particular (RPPN: reserva particular do patrimônio natural) e como o passar do tempo tem trazido cada vez mais gente ao local, o impacto ambiental já é visível. As trilhas estão alargadas, tem lixo espalhado e babaca escrevendo nome em pedra e árvore. Por estas razões ouvi dizer que acampar no local não será mais possível a partir de 2019, terá cobrança de entrada e estão construindo um pequeno centro de visitantes na entrada da Fazenda, pois hoje não há nenhuma estrutura. QUEM FOI O Antônio, amigo e guia de alta montanha, seu irmão e amigo (de 18 anos cada, sem experiência em trilhas), eu (enferrujada), marido (acostumado a correr), meu filho de 10 anos (iniciado em trilhas na mata) e nosso primo, de tb 10 anos, que nunca tinha feito trilha. A ESTRADA Quando se deixa a estrada de asfalto tem uns 20km de estrada de chão até chegar na entrada da Fazenda. Fomos de carro sedan (o Antonio de Jipe), mas apesar da estrada estar boa, em época de chuva não se recomenda nem a montanha* nem a estrada. Nessa estrada tem duas pequenas vilas, aproveite pra ir ao banheiro em alguma lanchonete do caminho, pois como já relatado, na Fazenda não tem banheiro (ainda). Tem kilos de dicas sobre o caminho exato na internet! *Geologicamente não é montanha, mas vamos chamar assim pra ficar mais fácil! Pois bem, como moramos relativamente perto do local (140km), saímos de Londrina às 5h30 e chegamos ao local cerca de 7h30. Paramos pra ir ao banheiro e comer lanches que tínhamos trazido de casa. Tb trouxemos água e suco. É muito importante começar a subir a montanha com pelo menos 1,5L de água por pessoa pq faz MUITO calor, a subida é íngreme e nem sempre uma bica que tem na trilha tem água, e as vezes está barrenta. A TRILHA A subida começa por mata aberta, depois fecha e no fim abre novamente. A subida de fato é de uns 350m (altura) por uns 2km. Tem um caminho que vai direto ao cume, mas é só pros montanistas mais experientes, pois é difícil. Os demais seguem pela trilha que contorna a subida. Mesmo assim há trechos bastante íngremes e 3 locais que a subida tem auxílio de cordas. Eu tinha bastante prática em trilha na mata quando era mais nova, mas faz algum tempo que estou enferrujada e fora de forma. E a inclinação do terreno ajuda a cansar, e muito. Pelo fato de ter conseguido subir mesmo estando fora de forma e com tênis de corrida (nem um pouco indicado), digo que a trilha é fácil, acessível, e dependendo do ritmo de quem sobe o tempo de caminhada pode variar de 30 minutos à 1h30. Mas não é um passeio no shopping! Na volta tinha uma senhora de mais idade e acima do peso esperando uma maca buscá-la no meio do morro pq tinha torcido o pé. Um tênis de trilha e fôlego suficiente são fundamentais! As crianças e o Antônio, que trabalha guiando em alta montanha, subiram sem nenhum esforço. O resto cansou bastante, hahaha! PRECISA IR COM GUIA? Não. A maioria vai por conta, o Antônio tava com a gente na amizade! Mas tem que prestar atenção na descida pq tem algumas “pseudo-entradas” na trilha que não dão em lugar nenhum, e é MUITO comum gente se perder por lá. Inclusive tem um local pra pouso de helicóptero no cume para possíveis resgates. Então mais uma vez: não é difícil mas não é super fácil tb! Estar com o Antônio foi ótimo, pq ele obviamente tem muito conhecimento do local, da melhor forma de subir pelas cordas, da trilha e tudo o mais. Como ele trabalha com isso super indico o site dele pra quem quiser se aventurar pelas montanhas da Argentina, Brasil e Bolívia principalmente: http://www.gaiamontanhismo.com.br/ E A VISTA? As fotos falam por si! Chegando na Fazenda Zamarian, café da manhã com vista! Começo da trilha, os bastões ajudam bem na descida! Os bastões ajudam na descida! Começo da trilha aberta... Depois mata adentro! Trilha na mata! O caminho vai subindo e a vista vai ficando linda! Paradinha pra descanso! Começa o trecho com cordas... São 3 trechos com cordas na parte final... E subindo... Mais e mais cordas... E a recompensa! Antonio solitário! Gui estilo Karate Kid! Escrevendo o nome do livro da montanha que é pra continuar sempre subindo! Os meninos e contemplação. Descanso com vista, ventava bastante. Tudo meu! Tibagi ao fundo, vista linda! A família! Descemos o Pico cerca de 15hs pq o tempo começou a fechar e é bem perigoso pegar chuva na montanha. Trocamos de roupa pq as nossas estavam molhadas e seguimos viagem de volta, chegando em Londrina 17h30. Na própria estrada que dá acesso à Fazenda do Pico Agudo tem acesso a várias cachoeiras (pelo menos duas) e a região de Sapopema tá recheada delas... Lageado Liso ou Salto das Orquídeas é das mais famosas. Então fica a dica de uma aventurina de fim de semana pra quem estiver por perto. Nós não fomos em cachoeiras pq tínhamos compromissos a noite e precisávamos estar vivos! Eles sobem correndo mas depois desmontam, hahahaha! Que o ano novo (2019) daqui uns dias nos traga desertos, cachoeiras, trilhas e montanhas! Abraços!
  16. PICO YBIANGI (AGUDO DE SAPOPEMA) E SERRA GRANDE DE ORTIGUEIRA: Uma pequena aventura reverenciando os Templos do Montanhismo no Norte do Paraná Trip de 07 a 09/09/2012 (Feriado da Independência) Última edição/atualização em jan/2019 (Informações de referência e aspectos geográficos) por Getulio Rainer Vogetta ANTECEDENTES Todos os montanhistas e trekkers que conheço costumam manter um “caderninho” onde registram sua “lista de desejos” ou “afazeres”, aquelas aventuras que povoam seus imaginários aventureiros e desejam fortemente realizar algum dia na vida. Esse caderninho tem o condão, geralmente, de ser o fio condutor que leva à transformação destes sonhos em projetos e depois fazem destes projetos realidade. Por isso, além do próprio sonho costumam registrar outras informações relativas a eles, como dados de acesso e localização, dicas e quaisquer outras informações julgadas importantes. Não raro, mapas e até fotos são anexadas no tal caderninho, que hoje, obviamente com o avanço da informática, toma muitas vezes a forma de um arquivo eletrônico. Pois essa trip que passo a lhes relatar está no meu “caderninho” há pelo menos 6 anos, povoando meu imaginário aventureiro e, curiosamente, apesar de ser no Paraná (aqui no nosso quintal, como costumo dizer), era um dos “sonhos” menos documentados até bem pouco tempo atrás... Travei meu primeiro contato com o do Pico Agudo, sem saber, em 2006, quando já estava afastado do montanhismo há alguns anos por motivos alheios à minha vontade. Um amigo compartilhou comigo o que ouviu falar do lugar através de um conhecido dele e algumas poucas fotos, mas sem quaisquer menções a detalhes precisos, inclusive de nome e localização. Quando vi essas fotos que retratavam paisagens interessantíssimas, fascinado, imaginei de pronto uma visita àquela região, da qual nunca ouvira antes falar que possuísse montanhas dignas de uma investida. Nessa época uma série de fatores, somados à ignorância quase completa acerca do “objeto de desejo” me fizeram adiar qualquer plano sério de uma pernada naquelas bandas. Ficou lá anotado no caderninho laconicamente: “Montanha (?) no interior do Paraná, perto de Telêmaco Borba”, com cópias das poucas fotos - era toda a informação que eu possuía na época... Isso até meados de 2009. Nesta época, passeando pelo Google Earth e Panorâmio, ferramentas online que de certa forma se complementam e nos permitem viajar sem sair de casa, “voando” sobre o mapa repleto de fotos georreferenciadas dos locais, captadas e compartilhadas por seus usuários, deparei-me totalmente por acaso com um acervo de fotos que de imediato reacendeu minhas lembranças: um montanhista de Rolândia/PR, o Paulo Augusto Farina, possuía um belo conjunto de imagens do Agudo publicadas no Panorâmio, e com isso eu tinha a localização precisa do antigo objetivo (Sapopema/PR), além de mais algumas belas imagens para me servirem de inspiração. A partir daí o lacônico registro no caderninho começou a se transformar em algo cada vez mais palpável. Em 2010, depois de lentamente voltar às atividades de campo e começar a frequentar com mais atenção as páginas de sites como o Alta Montanha e o Mochileiros.com, me deparo com um relato muito bem feito, escrito pelo Danilo Dassi, um companheiro forista que visitara a região em out/2009 e fornecia informações preciosas sobre o acesso e localização do tal Pico Agudo (vide relato). Pouco tempo mais tarde este relato foi complementado por outro, do caminhante e desbravador paulista Jorge Soto, que também esteve na região e postou suas impressões e informações sobre o local. (veja aqui) Nesse tempo travei contato também com outro forista do Mochileiros.com que conheceu a região e publicou um relato sobre o feito (veja aqui), o companheiro Mageta, de Maringá, que em breve se tornaria um grande parceiro de montanhas e com quem formamos perenes laços de amizade. Não havia mais desculpa! Com informações fartas e precisas disponíveis faltava somente sincronizar a agenda com os companheiros para tirar os planos do papel. Passou-se o ano de 2011, 2012 já entrava no segundo semestre e, após algumas conversas com o Mageta e outros companheiros do ramo, combinamos de encarar o Agudo na primeira oportunidade propícia em agosto ou setembro. Finalmente a trip tomou forma e ganhou contornos de realidade quando efetivamente, de posse do respectivo “alvará” familiar, marcamos a data para o feriadão de 7 de setembro. Eis que o plano agora se tornaria realidade! O PICO AGUDO – Informações de referência e aspectos geográficos A montanha conhecida atualmente como Pico Agudo de Sapopema (há homônimos picos agudos em diversos pontos do território brasileiro) também é conhecida como Monte Ybiangi ou ainda Ybiagi, como referenciada em linguagem nativa (índios Kaingangs), encontra-se situada no território do município paranaense de Sapopema, com acesso pelo Distrito de Lambari, nas terras pertencentes à antiga Fazenda Inho-ó, distante cerca de 340 Km de Curitiba, às margens do Rio Tibagi, numa região que faz a transição entre o primeiro e o segundo planalto paranaense. Esta montanha é provavelmente uma das mais antigas a ser referida e constar na cartografia paranaense. Sua localização já era conhecida e referida em mapas no Século XVII - originada em registros de jesuítas espanhóis, constando na famosa carta geográfica intitulada “PARAQUARIA VULGO PARAGUAY : CUM ADJACENTIBUS”, que, segundo consta na obra do Barão do Rio Branco, teria sido produzida em Amsterdam por Joan Blaeu (1596-1673). Seu cume, a 1224m de altitude, segundo Reinhard Maack – primeiro geólogo e naturalista a explorar com rigor científico aquelas terras entre 1923 e 1930 – é um dos pontos mais altos da região norte do Paraná e situa-se num conjunto de montanhas chamado de Serra dos Agudos, que inclui outras elevações de destaque nas proximidades, como a Serra Chata (1080m) o Morro do Taff (1115m), a Serra Grande (1180m), o Morro do Meio (1110m) e o Pico do Portal (1040m), estas três últimas montanhas situadas do lado oposto do Rio Tibagi em relação ao Pico Agudo e às demais, já em terras de outro município vizinho: Ortigueira/PR. Os primeiros relatos em referência a esta montanha (Sr. Thomas Bigg-Wither - Primeiros Mapas das Províncias do PR e SC - 1872/1875), no entanto, remontam a 1840, época em que teria sido visitado pelo cartógrafo norte americano John Henry Elliott, acompanhado por Francisco Lopes, ambos a serviço do Barão de Antonina, durante a exploração dos sertões daquela então remota região, à época habitada apenas pelos índios Kaingangs. É preciso desmistificar a informação de que o Agudo de Sapopena (Monte Ybiangi) seria a montanha mais alta da região norte paranaense, pois isso não é verdade. Existem pelo menos outras três montanhas na região com altitudes absolutas maiores. O que faz o Monte Ybiangi ser tão espetacular é, sem dúvida, a sua majestosa proeminência, pois se debruça sobre o vale do Rio Tibagi, formando um desfiladeiro entre si e a Serra Grande, separados pelo Rio Tibagi (conhecido no passado como Rio Latibagiba), que é tido como o cânion mais profundo existente em terras paranaenses, chegando a incríveis 700m de profundidade, segundo revelaram estudos realizados por pesquisadores da UFPR. As imponentes paredes rochosas que cercam o Monte Ybiangi oferecem inúmeras vias de escalada, muitas a desbravar, para a alegria dos iniciados neste esporte. Escaladores de destaque no cenário estadual como Andrey Romaniuk, Alessandro Haiduke e Elcio Muliki, dentre outros, têm explorado a área e relatam a abertura de novas vias a cada visita, tendo conquistado inclusive o cume da “Torre Menor”, formação ao lado do maciço principal do Monte Ybiangi, batizada de “Agulha Reinhard Maack”, no carnaval de 2011. O ACESSO À BASE DA MONTANHA – Viagem, panes, e muita poeira... Com a data e as equipes definidas – Eu, Zeca, Serginho e Luís (todos Montanhistas de Cristo, de Curitiba) mais 4 companheiros integrantes do grupo “Trekking Maringá Adventure” – Mageta, Luciana, Igor e Frederico os dias passaram rápido e começou a reinar em mim aquela pequena e positiva “tensão” que antecede uma trip há muito desejada. Tensão esta que ganhou contornos de desespero e raiva quando na quinta-feira (06/set), véspera do “Dia D”, após ter retirado o jipe da oficina para a revisão de praxe, eis que depois de rodar uns 25 Km e estacionar na rua, isso lá pelas 19:30h, percebo uma enorme poça de óleo no asfalto sob o motor... Raios!!! Pensei. Agora ferrou tudo! Liguei na hora para o meu mecânico, que já estava na estrada, viajando com a família para aproveitar o feriadão, mas que prontamente acionou um de seus funcionários para me socorrer de última hora. Jipeiro geralmente é cliente VIP de oficina. Beleza! Vamos ver no que dá (pensei)... Depois de quase 2 horas de espera, por fim, às 22h, em casa, eu e o assistente do meu mecânico concluímos a troca de uma pequena mangueira de retorno de óleo do motor que havia se rompido, causa daquele diacho de vazamento. Demos por resolvida a questão. O alívio foi enorme depois de um susto daqueles, que quase nos tira da jogada, visto que com as viagens programadas pelas nossas famílias não iria dar tempo de preparar qualquer outra alternativa de transporte naquela altura. “Em dia de vitória ninguém fica cansado”, já dizia um provérbio árabe. Com estas palavras na cabeça, às 3:30h salto da cama acordado pelo galo do despertador do celular e me preparo rapidamente. Tralhas devidamente embarcadas no jipe, acabo perdendo um pouco mais de tempo do que o desejado para fixar o estepe no teto do jipe, saindo de casa já um pouco atrasado. Pelo caminho foram embarcando os companheiros de indiada, em diferentes pontos da cidade, conforme combinado. Cerca de 5:30h já estávamos deixando Curitiba pela BR-376 em direção ao Norte do Paraná, para nossa surpresa com um enorme congestionamento pela frente já àquela hora da madrugada. Na rodovia o exercício de paciência seria inevitável com o anda-e-pára, agravado por uma neblina que insistia em perturbar ainda mais o nosso deslocamento de tartaruga-paraplégica-com-preguiça. Até a Praça de Pedágio de São Luiz do Purunã o trânsito intenso na saída da capital paranaense foi tenso e demorado. Levamos cerca de 2h para andar 50 km. Dali em diante a viagem fluiu melhor, graças também ao “mágico aparelhinho” que nos faz passar ao largo das intermináveis filas das praças de pedágio por uma cancela automática na pista direita, artifício que já uso há alguns anos para escapar dessas situações desagradáveis, especialmente nos feriadões. Cerca de 10h atingíamos a cidade de Sapopema, no Norte do Estado, distante cerca de 320 Km de Curitiba, pela rota Telêmaco Borba - Curiúva. Pequena pausa para esticar as pernas, banheiro, comprar água para o estoque e fazer um rápido lanche antes de encontrar o pessoal de Maringá no ponto previamente combinado: o trevo de acesso ao Distrito de Lambari. Este “trevo” é na verdade uma simples interseção à esquerda da rodovia PR-090 para quem segue de Sapopema sentido Londrina, discreto mas sinalizado (atenção à placa), distando 7,8 Km da entrada principal daquela cidade, para quem vem de Curiúva. Ali começa a estradinha de saibro que dá acesso à base do Pico Agudo, que se encontra distante 22,5 Km (distância medida no GPS). Chegamos cerca de 10:30h e fizemos as devidas apresentações (não conhecíamos os 3 amigos do Mageta), fizemos a foto do grupo e partimos. Assim nosso grupo, agora composto por 8 pessoas, parte pela estradinha vicinal em 3 veículos: um Gol e 2 jipes, o “Panzer” (JPX Montez verde) e o “Tatu de Chuteiras” (Toyota Bandeirante azul), do Mageta. Seguimos pela estradinha por cerca de 20 minutos até atingirmos o Distrito de Lambari (5,6 Km), onde fizemos nova parada para tomar uma bebida gelada, pois o calor insuportável e a poeira daquele pequeno trecho já havia nos deixado de garganta seca. Ali acertamos com o dono de uma mercearia para deixar estacionado o Gol do pessoal de Maringá, pois as previsões eram de estrada ruim até a base da montanha (cerca de 16,9 km) e havia espaço de sobra no jipe do Mageta que seguia praticamente vazio. Minutos depois continuávamos nosso poeirento deslocamento rumo ao Agudo, passando pela sede da Fazenda Primor e por outra pequena vila - o Assentamento São Luiz. Alguns quilômetros à frente e cruza-se por dentro d'água um riachinho que corta a estrada, para logo depois passar por dentro de uma grande área de reflorestamento, já nos domínios da RPPN Fazenda Inho-ó. Logo chegamos numa porteira trancada, ao lado de uma pequena casa de sítio. Ali um capataz controla o acesso ao restante da estrada que leva aos pés do Agudo e depois de uma rápida conversa fomos liberados e continuamos pela estradinha, não à frente, pela continuação óbvia da estrada, mas manobrando pela esquerda, ao lado da casinha do “porteiro”, direção 8h. Seguindo, logo depois, num longo trecho de descida, nós que vínhamos atrás do “Tatu” percebemos que o Toyota vinha andando meio de lado. Alguma coisa estava errada e logo buzinei pro Mageta parar a viatura. Em rápida verificação percebemos que o feixe de molas do lado esquerdo havia se soltado do grampo de fixação do eixo, fazendo com que o pneu traseiro esquerdo raspasse no feixe de molas, desalinhando o veículo e causando risco de outros problemas. Putz! E agora? Todos manifestam preocupação com a situação... Agora, o jeito é tentar consertar, “iniciando” a turma nas “artes jipeiras” da manutenção de viaturas em campo e tirar as teias de aranha da minha caixa de ferramentas de viagem (há tempos não usada), posto que o Mageta não possuía este tipo de “acessórios” na sua viatura. Uns 20 minutos de trabalho depois, sob o sol escaldante e enfiados embaixo da viatura, eis que esta andava novamente, agora guiada numa tocada bem cuidadosa para ver se conseguiríamos chegar até a base do Agudo com a Band naquela situação. Só que mesmo com todo o cuidado o problema voltava a aparecer, já que com o pino de centro do grampo da mola quebrado a situação não tinha como ser resolvida totalmente com os recursos à nossa disposição ali. Fomos obrigados a fazer nova parada para endireitar o eixo e reapertar parafusos, mas depois, por fim, decidimos deixar o jipe no último sítio antes de nosso objetivo, fazendo dali a baldeação final da turma toda com apenas um jipe até a base da montanha, a cerca de 3 Km de distância. (AGORA SIM) A SUBIDA DO AGUDO Com o contratempo mecânico da Toyota Bandeirante, somado à baldeação de todo o grupo e as suas mochilas com apenas uma viatura e mais um pequeno passeio extra de reconhecimento que fizemos com o jipe pela estrada depois do sítio do Sr. Livercindo, iniciamos a caminhada de ascensão ao cume do Agudo efetivamente às 14h, sob um sol escaldante, daqueles de rachar mamona. Começamos a trilha um tanto apreensivos devido à quantidade de carros ( estacionados ali no sítio, sinal de que havia bastante gente na montanha, fato confirmado pelo Sr. Livercindo, que de forma muito gentil nos cedeu simplesmente o melhor espaço para estacionar o jipe: dentro do seu terreiro cercado, sob uma espetacular e frondosa sombra de árvore! A trilha se inicia na beira da estradinha, pequena descida, num trecho descampado e erodido a cerca de 50m da casinha do Sr. Livercindo, olhando da frente desta em direção ao Agudo, que se ergue majestoso dominando a paisagem. Cruza-se uma porteira de arame e caminha-se numa trilha bem definida por um curto trecho de pequenos arbustos e toiceiras de capim alternados com terra nua, sempre em direção à mata nos pés da montanha. Outra porteira de arame e se atinge um pequeno açude à direita, onde um cavalo desdenhosamente se banhava na água lamacenta. Rompemos (literalmente, mas sem querer) uma cerca de arame farpado logo no início da florestinha, depois da área descampada do açude, seguindo na trilha batida pela mata adentro, que passou a nos cobrir com uma sombra providencial. Poucos minutos depois e nos deparamos com o pequeno riacho de leito pedregoso totalmente seco em função da prolongada estiagem na região. Segundo relatos dos moradores da região já se passavam mais de 60 dias sem uma chuva significativa por ali. Aquele era o último ponto de água conhecido e estava completamente seco. Como já imaginávamos esta situação saímos carregados de água desde a vila do Lambari (a água na propriedade do Sr. Livercindo, pelas informações que tínhamos, não é das mais confiáveis devido à grande quantidade de suínos criados soltos por ali). Ainda naquela primeira mata encontramos o primeiro grupo de “aventufeiros” que nos confirmou o óbvio (que havia bastante gente na trilha) e, fato novo, que eles não haviam encontrado o caminho para o cume! (Grande sorte a nossa, já que segundo eles tinham ido para pernoitar na montanha). Informaram ainda que alguns membros do seu grupo subiram a trilha sem as mochilas para ver se conseguiam atingir o cume e depois voltariam. Mais rápido do que gostaríamos, estávamos saindo da mata para o primeiro trecho da trilha em meio ao tão falado (e xingado) capim “colonhão”, que com o tempo seco e a quantidade de pessoas que têm frequentado aquela montanha estava bem demarcada e aberta, com o tal capim bem baixo e seco na maior parte do percurso, não oferecendo qualquer enrosco ou problema de navegação visual. Dali, olhando para cima, percebe-se a grande linha reta que é o traçado da trilha, naquele trecho acompanhando por centenas de metros uma cerca de arame farpado (pela direita de quem sobe). Apenas a íngreme subida e o calor do sol martelando nossas cabeças nos castigavam, fazendo a curta e forte subidinha parecer interminável. Encontramos logo adiante outro grupinho descendo, estes sem mochilas, que nos informou novamente que havia bastante gente na trilha lá para cima e, sarristas, nos disseram na maior gozação que a gelada que nos esperava lá em cima já estava paga... Rsrs! Tá bom, o “Papai Noel e o Coelhinho da Páscoa também estão aguardando vocês ali embaixo”, retruquei... Vencido o primeiro trecho de subida pela encosta recoberta de capim colonhão, vem outro trecho de mata onde adiante resolvemos fazer uma pausa para lanche e descanso aproveitando uma pequena clareira ao lado do que nos pareceu um chiqueirão abandonado. Recompostos do calor, partimos rumo ao segundo trecho de capinzal, aqui um pouco mais fechado, mas que ainda nos deixava bem expostos ao sol, agora em um aclive de terreno bem mais forte que no trecho anterior. Várias pausas para retomar o fôlego e logo chegávamos à base da parede rochosa da montanha, divididos em dois grupos devido ao ritmo da subida. Nós da retaguarda escutávamos o pessoal adiante, mais acima, onde começavam a escalaminhada: “cuidado com a Pedra!” Logo os sons de alguma pedra rolando, seguido pelos gritos de “pedra!” se tornaram mais frequentes e aí nós é que estávamos tentando nos equilibrar nos barrancos e fendas arenosos e erodidos e também derrubando nossas pedras. O trecho final antes do cume seria de escalaminhada e a trilha estava bastante erodida em alguns pontos, apresentando um terreno fofo e muito arenoso na base rochosa da montanha. Ali deve se prestar bastante atenção e tomar cuidado para não escorregar (grande inclinação), especialmente pelo fato do terreno se desagregar muito facilmente com as pisadas, literalmente constituindo-se de uma terra marrom escura e solta, igual a uma areia grossa. Além do pó que se erguia a cada escorregada do companheiro da frente, fazendo-nos literalmente comer terra, no meio daquela farofa haviam pedras soltas que ora ou outra se desprendiam e rolavam trilha abaixo. Com isso, diminuímos o ritmo e procuramos deixar uma distância maior entre cada indivíduo do grupo de forma a evitar acidentes. Como o Mageta levou um pedaço de corda, um dos trechos aparentemente mais difíceis da subida em escalaminhada (especialmente com a cargueira nas costas) foi vencido facilmente e em poucos minutos. A corda foi providencial, pois com o nível de erosão das margens da trilha em muitos pontos fica difícil se segurar sem apoios em rocha ou mesmo tocos de árvores ou raízes com o piso se esfarelando sob os pés. Os poucos apoios mais firmes, após a passagem de duas ou três pessoas começavam a afrouxar dada a erosão rápida do terreno. Com isso a corda também contribuiu para reduzir bastante o impacto de nossa passagem. Mais adiante na subida, em outro lance onde fixamos a corda para auxiliar na subida, encontramos um grupinho descendo (descobrimos que era parte do primeiro grupo que encontramos na trilha, e que não havia encontrado o caminho para o cume. Tinham subido sem as mochilas e conseguiram, afinal, chegar ao alto e naquele momento retornavam). Pegaram carona em nossa corda e se foram. Logo depois atingíamos a famosa “Pedra da Desistência” (onde havia uma inscrição na rocha induzindo os desavisados a desistirem dali), da qual sequer tomamos conhecimento. Mais um curto lance de escalaminhada de uns 15m, agora mais exposta mas contando com apoio em rocha e já galgávamos a crista que leva ao cume, agora em terreno firme e recoberta por um manto arbustivo típico da flora de altitude. Enfim no cume do Pico Agudo de Sapopema! Exatamente às 16:20h depois de exatas 2:20h de caminhada e escalaminhada. Nossa vanguarda (Zeca e Serginho) alcançou o topo uns 40 minutos antes e já estavam até com a sua Manaslu montada quando atingimos a área de acampamento. Euforia geral com a vista dali, simplesmente espetacular, apesar de pairar no ar uma névoa seca, resultado do tempo extremamente seco (que dispersa muitas partículas no ar) e da fumaça (junto com o cheiro característico) oriunda de uma grande queimada que ardia na mata de encosta na base oriental do Agudo, junto à margem do Rio Tibagi, no lado oposto ao da encosta que subimos. Um verdadeiro crime contra o meio ambiente, provavelmente realizado no intuito de abrir áreas para pastagens, já que na região predomina a pecuária de corte. Só o nosso grupo no cume. Espaço de sobra para montar as barracas e curtir o lugar. Com o sol baixando no horizonte aproveitamos para explorar rapidamente a área de cume e captar o máximo de fotos possível no tempo de luz ainda disponível. Em seguida tratamos de montar acampamento e rapidamente as duas pequenas clareiras planas e limpas do topo do Agudo foram ocupadas pelas nossas barracas. Aqui uma pequena dica: como o terreno é arenoso e fofo, espeques muito finos e curtos não dão boa sustentação às barracas que não sejam autoportantes (como a Azteq Nepal que usei nesta ocasião), por isso convém levar espeques mais longos e/ou aqueles genéricos, em formato triangular de alumínio, que me proporcionaram melhor fixação no solo do que os originais cilíndricos. Outro alerta que fazemos é sobre a área de acampamento. Evitem abrir novas clareiras ou ampliar as duas já existentes, que acomodam 5 barracas (2P) de forma apertada. Há pouco mais de um ano era apenas uma clareira com espaço para somente duas barracas. A vegetação do cume é frágil e a fina camada de solo arenoso, quando exposto, tende a ser lavada pelas chuvas expondo a rocha, o que fatalmente obrigará a abrir novos pontos de acampamento, ampliando ainda mais o processo de degradação. Nem preciso falar sobre fogueiras, prática totalmente condenada em qualquer montanha e da qual, felizmente, não vimos sinais por ali. Logo somos vencidos pela fome e a nossa cozinha comunitária, instalada convenientemente sobre uma laje de pedra, nos fornece as tão aguardadas refeições. Desta vez cometi a tremenda gafe de esquecer a mistura de fubá para a polenta da nossa combinada janta comunitária, então o jantar foi um improviso de macarronada com molho de tomate e calabresa preparada pelo Zeca, servida logo depois de uma reforçada rodada de calabresa frita para aperitivo. Houve quem preferiu o consagrado macarrão instantâneo (daqueles de copinho ainda), mas fome ninguém passou. Como a noite estava bastante quente, ficamos um bom tempo conversando sobre as pedras e o nosso companheiro Fred, deitado sobre o isolante logo dorme ao relento sob o teto celeste, absurdamente estrelado. Às 22h os remanescentes da roda de conversa se recolhem às barracas e, um a um, caímos todos em um sono absurdamente tranquilo, ao som da água nas corredeiras do Rio Tibagi, logo abaixo de nós. Apesar de dormir em um local bem exposto no alto da montanha, não havia qualquer sinal de vento ou chuva, o horizonte estava totalmente aberto e reinava um calor sufocante. Nem mesmo o ronco de alguns expedicionários chega a incomodar o grupo, embalado nos braços de Morpheu. Sou acordado às 5:20h pelo Serginho com o seu brado de “bom dia Vietnam!” A luz matutina já ilumina o acampamento mesmo antes do sol despontar no horizonte e começam a se perceber nitidamente os contornos das montanhas em redor, como a Serra Chata - à leste, o Morro do Taff - ao norte e o imponente chapadão da Serra Grande - a oeste, do outro lado do Rio Tibagi, objetivo seguinte do nosso planejamento para aquele feriado e que passamos a “namorar” dali para a próxima incursão daquele dia e domingo, visando subi-la. Apesar de estar tão “pertinho” ali do Agudo, chegar do outro lado implicava uma grande volta, de cerca de 120 km, já que em casa havíamos analisado previamente os possíveis roteiros e os mapas a respeito. À medida que o dia vai clareando percebemos a dimensão do fantástico espetáculo que se descortina abaixo de nós. Todo o curso do Rio Tibagi encontra-se encoberto por uma espessa camada de nuvens, com as montanhas em redor se elevando sobre elas, como se fossem ilhas em meio a um rio de nuvens, criando um ambiente ao mesmo tempo belo e surreal, daqueles que se vêem apenas nos filmes que retratam mundos paradisíacos, longínquos e perdidos. Aos poucos o acampamento vai criando vida, com os demais companheiros saindo de suas barracas. Como no horizonte longínquo há uma espessa bruma devido ao longo período de estiagem, o disco solar demora a aparecer no horizonte, tingindo de vermelho o céu enquanto seus os raios de luz passam a revelar as diversas faces das elevações em nossa volta, antes obscurecidas pelo manto negro da noite. Um espetáculo difícil de descrever e que somente quem já o assistiu no alto de uma grande montanha, sabe como é, e que ali no alto do Agudo ganha uma feição toda especial. Um imenso e indizível êxtase de liberdade e adrenalina misturado ao mesmo tempo com uma sensação de grande paz e tranquilidade. Muitas fotos depois (o amanhecer é um dos melhores momentos do dia para se obterem ótimas imagens com inúmeras nuances de brilho, cor e luminosidade), cada um vai preparando o seu desjejum. Enquanto isso eu, o Mageta e o Serginho nos dedicamos à tarefa de instalar o novo livro de registros no cume (que sabíamos estar ausente) e repor a tampa do tubo de PVC que o protege, anteriormente depredada. Cumprimos a tarefa rapidamente e efetuamos os devidos registros, ao que rapidamente fomos seguidos pelos demais. No fim o Serginho ainda deixou uns adesivos de seu “patrocinador” como brinde no saco plástico com o qual protegemos o caderno. Mais fotos, de todos os ângulos possíveis e imagináveis (incrível como o Pico Agudo, suas formações rochosas e seus arredores são fotogênicos). Destaque, no cume sul, para a vista da Agulha Reinhard Maack, suas fendas e blocos de rocha superpostos, iluminada pelos raios do sol e para as chamadas Corredeiras do Inferno, no Rio Tibagi, que com o nível muito baixo de suas águas formava diferentes praias nas margens. Desmontamos acampamento e demos por concluída nossa estadia naquele lugar especial. Iniciamos o retorno, descendo a montanha às 10:30h. O calor já nos fustigava, pois todo o primeiro trecho de descida na encosta alta do Agudo é exposto ao sol. Muita poeira também. Como sempre, caminhamos em dois grupos, um destacamento mais “avançado” (neste caso beem avançado), praticamente descambando morro abaixo, e o outro, mais cuidadoso e lento, na retaguarda, onde me incluo. Se a subida já foi um pouco tensa em certos trechos a descida nos reserva alguns trechos digamos bem “emocionantes”. Com pouquíssimo ou nenhum apoio para a desescalaminhada, terra e pedras soltas ao serem pisadas levantam muita poeira e nos pregam alguns sustos por conta dos escorregões, que em virtude da altura de uma possível queda e das pedras onde se poderia “aterrizar” não inspiram muita tranquilidade. Em dois trechos mais complicados o Mageta ancora novamente a corda para o apoio na descida, que além de novamente nos poupar algum tempo também poupa a montanha de algumas agressões involuntárias de nossas passadas e escorregadas, pois é virtualmente impossível não erodirmos o terreno. Cabe aqui a observação de que estaremos sugerindo entre as entidades de montanhismo paranaenses a realização de trabalhos de contenção e a instalação de cordas fixas nos trechos mais frágeis da encosta (sabemos da existência do Clube de Montanha Norte Paranaense, tentamos contato, mas ao que parece está inativo). Não pela facilitação do acesso, mas é que pelo movimento que a região tem atraído (cruzamos com pelo menos 20 pessoas subindo ou descendo o Agudo, em 2 dias), somado às condições do terreno, bastante arenoso, há grande tendência de destruição dos poucos remanescentes de vegetação ainda existentes nas bordas da trilha, agravando ainda mais a situação de exposição do solo, pois é onde o pessoal tende a se agarrar na falta de outros tipos de apoio. Na época de chuvas que se inicia com a primavera a situação da trilha só deve piorar, aumentando ainda mais a exposição do solo. Vencidos os trechos de desescalaminhada da encosta e com a garganta e nariz secos de tanto engolir e respirar poeira, começamos a descer pelo primeiro trecho de capinzal, o que em muitos pontos também envolvia alguma complexidade, visto que a inclinação do terreno, o solo arenoso exposto em vários locais (com pouquíssima aderência) e o peso das mochilas nas costas nos faziam escorregar, às vezes mais de 1 metro, nas passadas. Em alguns momentos tivemos que recorrer ao quinto apoio para não sofrer um acidente. Nada que uma dose extra de atenção e alguns minutos mais sob o sol forte não resolvessem. A recompensa logo veio sob a forma de uma pausa para respirar e se refrescar na sombra da mata abaixo, em que logo adentramos. Logo vencíamos o outro trecho de capinzal seco sob o sol escaldante para em seguida atravessar o último trecho de mata. Poucos minutos depois, embalados na descida já cruzávamos o leito seco do riachinho, a cerca e o descampado ao lado do açude, enfrentando então a última porção de terreno aberto. Na chegada encontramos nossa vanguarda se refestelando sob a sombra das árvores no quintal do Sr. Livercindo, com o qual conversavam e logo também nos abrigamos na sombra. Aproveitamos uma mangueira com água corrente na cerca próxima para nos lavar e logo iniciamos o embarque do pessoal e suas mochilas para o retorno. Nos despedimos da família de sitiantes, retornando ao ponto onde ficara estacionado o jipe do Mageta em duas viagens para transportar o grupo todo. Ali, depois de um novo reparo na suspensão da Band, embarcamos o pessoal distribuído nas duas viaturas e tocamos o retorno num ritmo bem cuidadoso. Logo, ao chegar à porteira trancada descobrimos que a passagem é cobrada (R$ 10,00 por veículo!). O Mageta, que ía na frente, ainda tentou argumentar com o porteiro, mas não teve jeito. Acabou conseguindo um desconto (pagamos R$ 16,00 os dois jipes) e agora, liberados para seguir viagem, novamente levantávamos poeira em direção ao Distrito de Lambari, onde ao chegar, fizemos uma breve pausa para resgatar o VW Gol da turma de Maringá e tomar uma gelada, seguindo rumo à Sapopema. SALTO DAS ORQUÍDEAS Na cidade precisávamos buscar uma solução para o problema da suspensão da Bandeirantes, então paramos num posto de combustível na entrada de Sapopema em busca de uma oficina. Ali permanecemos algum tempo e descansamos do terrível calor que fazia. Após algumas conversas no posto o Mageta logo encontrou um mecânico ali perto e foi verificar, mas voltou avisando que o serviço iria demorar, então resolvemos em conjunto com os demais de esperá-lo numa atração turística bem próxima, o Salto das Orquídeas, uma sucessão de belas e refrescantes quedas d'água formadas pelo Rio Lambari, a 3,5 quilômetros da entrada da cidade e cujas fotos havíamos observado dias antes pela internet. Parecia interessante, especialmente pela possibilidade de um refrescante banho naquele calor e seguimos para lá, curiosos. O Salto das Orquídeas fica numa propriedade particular, também uma RPPN, que explora a visitação do local mediante a cobrança de uma pequena taxa de visitação (as placas informavam R$ 3,00), permitindo camping, pesca (em açude delimitado) e banhos no Rio Lambari que forma várias quedas d’água. Na entrada da propriedade há uma lanchonete anexa que vende bebidas e lanches. Na verdade encontramos de cara uma baita farofagem, com direito a som alto tocando músicas de gosto duvidoso, o que afastou de imediato a tênue ideia que nos passou pela cabeça de passar a noite ali. Para piorar ainda mais a situação ficamos sabendo por um carro de som que haveria um comício ali horas mais tarde, de um dos candidatos a prefeito da cidade. Desta forma estacionamos as viaturas, vestimos roupas de banho e andamos em direção ao rio para descobrir o que o lugar poderia nos oferecer enquanto esperávamos o conserto do jipe do Mageta. Imaginamos um bom banho de cachoeira para refrescar o corpo do calor e da poeira acumulados nas horas anteriores, e foi o que conseguimos. Saindo da área de estacionamento em direção ao rio andamos cerca de 1 km, sendo um pequeno trecho de estradinha e o restante nas margens e depois dentro do rio, cujo nível encontrava-se bem abaixo do seu normal. Depois de um longo trecho andando na água e saltando pedras, acompanhando o leito do rio por jusante, chegamos ao primeiro salto, por cima, com uma sucessão de degraus de pedra que desescalamos pelas laterais para chegar à base. Havia outras quedas maiores adiante, seguindo o rio, mas decidimos ficar por ali e tomamos uma boa ducha na refrescante cascata, o que foi muito revigorante após todo o calor e toda a poeira do dia. O detalhe é que já se passavam das 17h e, afastada definitivamente a possibilidade de pernoitarmos em Sapopema, os dois grups defendiam objetivos conflitantes. Nós, de Curitiba, pensávamos em seguir rumo à Ortigueira para ao menos tentar explorar no domingo a Serra Grande, o chapadão que tanto nos deslumbrara do outro lado do Rio Tibagi enquanto estávamos no cume do Agudo. O Mageta, que acabara de chegar da oficina com a sua viatura consertada acabou optando, junto com os companheiros de Maringá, em seguir para a cidade de Faxinal, para um programa de relax que estaria no seu caminho de casa. A partir disso nos despedimos e nos separamos. Pegamos a estrada rumo a Curiúva e depois Telêmaco Borba (seria uma grande volta de mais de 120 km só de asfalto) entre Sapopema e Ortigueira e pretendíamos cumprir este trajeto rodoviário ainda naquela noite, para dormir o mais próximo possível do nosso objetivo no outro dia. Jantamos na estrada e após cerca de 2h de deslocamento, nos instalamos num pequeno hotel na entrada do município de Ortigueira. O plano a partir disso era tomar um banho, descansar, e sair de madrugada em direção ao Distrito de Natingui, por onde se faz o acesso à Serra Grande, seguindo sempre por estradas de terra. A CONQUISTA DA SERRA GRANDE Antes das primeiras luzes do domingo estávamos reembarcando as mochilas na viatura. Pé na estrada e, raiando o dia, já havíamos cruzado o “centro” da cidade de Ortigueira e assistíamos agora o espetáculo de um sol vermelho se erguendo no horizonte na estrada rural a caminho da vila de Natingui. Sabíamos que até a tal vila seriam cerca de 45 Km de estradinhas e assim fomos tateando, tentando acelerar ao máximo o deslocamento, mas a estradinha em alguns trechos era muito precária, não permitindo desenvolver mais do que 30-40 Km/h. Pouquíssimo movimento na estrada. Paramos também sobre uma ponte de concreto que cruza parte do lago da Usina Mauá e, obviamente, fizemos algumas fotos. Pouco antes das 8h chegávamos à vila de Natingui, onde paramos para um rápido lanche e para nos informar sobre o acesso para a Serra Grande. Seguimos o rumo e as indicações recebidas e cerca de 40 Km e 1 hora depois estávamos aos pés do nosso objetivo. Decidimos contornar o maciço montanhoso pela esquerda (norte) e assim fomos seguindo a estradinha, que a cada km percorrido parecia ficar cada vez mais estreita e precária. Em dado momento atingimos a extremidade norte da Serra Grande, de frente para o Morro do Taff e para uma curva de 90 graus do Rio Tibagi. Tínhamos dali uma vista maravilhosa das redondezas. O progresso foi lento devido às incríveis paisagens e nossas paradas para fotografar e observar tudo. Continuamos avançando pela estradinha, alternando paradas de contemplação e fotos com deslocamentos e agora adentrávamos nitidamente nas áreas das propriedades rurais existentes aos pés da Serra Grande, onde éramos obrigados a parar a cada instante para abrir e fechar porteiras (aliás o Serginho nunca abriu tantas porteiras na sua vida como naquele dia, tamanha a quantidade delas que cruzamos, dos mais variados tipos e tamanhos). Começamos então a percorrer toda a extensão de terreno que observamos anteriormente do alto do Pico Agudo, acompanhando na direção noroeste-sudeste a encosta oriental da Serra Grande. Seguíamos a precária estradinha, muito acidentada em alguns pontos, praticamente um off-road, numa linha quase paralela ao traçado do Rio Tibagi. Cruzamos pelo menos 3 sítios com áreas de campos, reflorestamentos de pinnus, pastagens e mangueiras, bem como enormes rebanhos bovinos. No entanto não encontrávamos viva alma humana... Ninguém! Achamos estranho, mas fomos seguindo. Em alguns trechos a estradinha sumia no campo e éramos obrigados a procurar a rota. Diversas paradas para captar fotos de variados ângulos do Pico Agudo, do Rio Tibagi e suas corredeiras e das paisagens exuberantes na encosta da Serra Grande, que acompanhávamos. De repente cruzamos com um cavaleiro, meio assustado, talvez com a nossa presença naqueles longínquos rincões. Levamos praticamente 2h para acompanhar toda a face leste do maciço para então, por volta de 11:30h estacionar na área da Fazenda Serra Grande, localizada num belo platô entre a Serra Grande e outra montanha a sudeste, o Morro do Meio, outra elevação de destaque na paisagem, cujo cume se ergue à cota dos 1110m segundo as cartas topográficas. A fazenda, que também encontramos deserta, era o ponto ideal para servir de base em nossa ascensão à cumeeira da Serra Grande e assim, deixamos o jipe para subir a pé a estradinha que nos separava daquele derradeiro objetivo antes de voltar para casa. Quase uma hora de caminhada depois, com nossas cacholas fritando durante a subida pela estradinha que parte da fazenda e lá estamos nós no alto no setor sudeste da Serra Grande, com seus 1170m (IBGE), observando quase da mesma altitude o Agudo de Sapopema e a grandiosidade daquele vale formado pelo Rio Tibagi, pontuado por montanhas de diferentes formatos e belezas. Constatamos que poderíamos ter atingido a extensa área de cume de jipe pela estradinha se quiséssemos e que lá em cima existem duas linhas de cumeada com um pequeno vale e campos entre elas, onde pastava um enorme rebanho bovino. Isso era diferentemente do chapadão quase plano que se poderia imaginar olhando do Pico Agudo. Outra constatação foi de que a área, outrora, provavelmente fora recoberta com uma mata bem mais densa, a julgar pelos vários troncos calcinados de árvores de médio porte que encontramos ainda de pé naquela área, indicando que em algum momento pretérito as queimadas transformaram a paisagem e consumiram a vegetação de altitude dando lugar ao pasto para os ruminantes. Percorremos apenas um pequeno trecho da extensa linha de cumeada oriental da Serra Grande na direção sudeste-noroeste acompanhando a encosta oriental e atingimos uma elevação que, tudo indica, deve ser o ponto culminante daquele conjunto, encimando um magnífico paredão rochoso que se projeta sobre o vale do Rio Tibagi (a apenas 20m de altitude abaixo da medida por GPS que obtivemos no cume do Agudo). Foi mais do que suficiente para nos proporcionar o gosto da conquista. O pouco tempo remanescente antes de iniciarmos nosso fatídico retorno às atividades mundanas na capital paranaense não nos permitiria explorar mais nada diante da longa viagem de regresso (cerca de 80 Km de estradas de terra e quase 300 Km de asfalto até Curitiba e que deveriam invariavelmente ser percorridos ainda naquele dia). Obtivemos o privilégio de conquistar outra montanha na mesma trip e isso já nos deixava satisfeitos. Admirados com os visuais, captadas algumas fotos, iniciamos a descida às 13h, imaginando e discutindo durante a descida outra incursão por ali. Era o nosso alento naquele “final de festa”. Em breve estaríamos novamente imersos na loucura do trânsito, da cidade, das nossas profissões... O retorno a Curitiba foi longo e cansativo, especialmente em função do tráfego na volta do feriadão, mas a viagem valeu cada gota de suor derramado, cada arranhão e cada grama de pó aspirado naquelas estradas. Sem dúvida tivemos contato com uma das mais belas paisagens de montanha do Paraná, quiçá do sul do Brasil. Montanhas agrestes, distantes, isoladas, maltratadas, mas ainda assim Templos do mais puro e audaz Montanhismo Paranaense, que merecem ser conhecidos, divulgados e, sobretudo, reverenciados. Bons ventos! AGRADECIMENTOS À DEUS, pela criação de todos aqueles cenários maravilhosos e pela vida, sem isso nada seria possível. À toda equipe que participou desta empreitada bacana, tanto aos companheiros da AMC (Zeca, Sérgio e Luís) quanto aos do Grupo Maringá Trekking Adventure (Luciana, Fred, Igor) - pela camaradagem e, em especial, ao Mageta, que se dispôs a nos orientar com sua valiosa experiência anterior da região. Às pessoas que, direta ou indiretamente contribuíram para o sucesso desta jornada, como os companheiros foristas que aqui, antes de nós, postaram seus relatos de aventuras e desventuras pela região, como o Danilo Dassi, Jorge Soto e o próprio Mageta. Ao Paulo Farina, por compartilhar suas belíssimas fotos com todos nós através do Panorâmio e Google Earth. Ao Sr. Livercindo, que humildemente reside na base do Agudo e acolhe com hospitaleira simplicidade todos os forasteiros que ali se aventuram. Aos moradores da Vila de Natingui, pela hospitalidade e orientações para atingirmos a Serra Grande. [linkbox] Blog do Paulo Farina, com artigos sobre o Agudo e região: :: Serra dos Agudos - O sonho não acabou :: Magnífica Serra Grande :: Dilúvio no Pico Agudo Relatos no Mochileiros.com, de outros foristas que visitaram o Agudo: :: Danilo Dassi: Pico Agudo - Primeira visita a este maravilhoso lugar :: Jorge Soto: Serra dos Agudos, a pé :: Mageta: Superando os limites no Pico Agudo Diversos: :: Fotos do Agudo - Panorâmio - por Paulo Farina :: Fotos do Agudo de Sapopema, Serra Grande e região - Panorâmio - por Getulio R. Vogetta :: Wikimapia – mapa online da região, com informações :: Tracklog da trilha de ascenção ao Agudo de Sapopema :: Tracklog dos trechos rodoviários (estradas secundárias) para o Agudo de Sapopema e Serra Grande[/linkbox] OBS.: As paisagens naturais da região estão sendo seriamente ameaçadas com a construção de usinas hidrelétricas no Rio Tibagi e com o fogo usado pelos fazendeiros para a abertura de novas áreas de pasto. Apesar do Pico Agudo estar inserido em uma área de RPPN, isso não tem impedido as agressões à flora e à fauna do entorno, motivo pelo qual se cogita há tempos a criação de uma unidade de conservação pública naquela região, mas com a falta de vontade política e a ausência de pressão popular este projeto foi engavetado e a devastação continua. Provavelmente quando a sociedade acordar para os estragos que a região vem sofrendo talvez seja tarde demais e nada mais reste para conservar deste incalculável patrimônio natural...
  17. Olá pessoal, tudo bem? Uma dica de viagem de trem pela Serra do Mar entre Morretes à Curitiba. Nessa viagem fui até Morretes experimentar o famoso barreado, aproveitei e peguei o trem para a capital ali mesmo... Foi uma viagem fantástica, aconselho a todos fazerem também!!!! Obrigado e abração!!! Dicas: Itinerário Morretes à Curitiba. Horário de saída de Morretes 15:00 horas e chegada à Curitiba 18:00. Existem vários outros horários, tarifas e informações, que voce pode ter pelo site da empresa: Serra Verde Express ou no telefone: ddd (041) 3888-3488. Aqui o vídeo: Saindo da estação da cidade de Morretes - PR Passando pelo Parque Estadual Marumbi Passar por essas pontes é um sensação incrível!!! Estamos voando? Rss!!! Natureza exuberante da Serra do Mar!!!
  18. Bom dia, boa tarde, boa noite. 😁 Meu nome é Danilo Bauer, estou saindo de Cuiaba/MT indo de mochilão(carona) até Matinhos/PR. Meu roteiro de viagem, Cuiabá - Rondonópolis - Campo Grande - Umuarama - Curitiba. De Curitiba em frente sigo meu coração, vou onde der vontade, tenho uns postos programados mais nada fixo. gostaria de conhecer a ILHA DO MEL e varias praias e área de camping. Se tiver mais uma maluco(a) interessado em compartilhar esta viagem comigo sera muito bem vindo(a). Esta sera a minha primeira viagem de mochilão, estou super empolgado.
  19. Boa tarde, Irei subir o Pico Paraná sábado dia 15/12/2018 pela primeira vez, a ideia é subir e descer no mesmo dia! alguém se anima nessa jornada?
  20. Por Lid Costa Fala viajante, tudo bem? Você sabia que Foz do Iguaçu é um dos destinos mais turísticos da região Sul?! Pois é, eu passei alguns dias lá e no post de hoje vou compartilhar com você o que fazer em Foz do Iguaçu em 4 dias. São 10 programas imperdíveis para você curtir a cidade! Foz do Iguaçu está localizada no estado do Paraná, bem na fronteira com o Paraguai e a Argentina. A maioria das pessoas a conhece por causa das Cataratas do Iguaçu, mas lá tem muito mais coisa pra fazer além das Cataratas. # Como chegar em Foz do Iguaçu Você pode chegar de carro, ônibus ou avião. Eu estava em Curitiba e fui para Foz de carona, pois a passagem aérea e a de ônibus estavam bem caras. Dessa forma, procurei no site do Bla Bla Car uma carona, que saiu a metade do preço do ônibus. Foram 640 km percorridos em 8 horas. Leia o post completo em https://partiuviajarblog.com.br/o-que-fazer-em-foz-do-iguacu-em-4-dias/
  21. Olá mochileiros! Estou planejando uma empreitada para a região do Campos do Quiriri. Não conheço a região e gostaria de saber como é a trilha, se é bem demarcada e também se alguém tem o track log saindo da Pedra da tartaruga até o Marco da Divisa. Abraço;
  22. Serra do Mar sentido São Bento do Sul-Corupá Que tal fazer um roteiro de um ou dois dias indo por uma e voltando pela outra? Este roteiro já foi realizado por nós (casal) algumas vezes e é muito interessante pois explora duas serras em um mesmo destino. Você pode começar partindo de Joinville, Florianópolis ou qualquer outra cidade entre as duas, assim como partindo de Curitiba ou Mafra. As duas são um espetáculo, mas a Serra Dona Francisca possui um mirante no meio da serra onde pode-se parar e apreciar o cenário. Fica mais interessante descendo, mas também é linda subindo, principalmente quando é avistada ao longe. É preciso cautela pois há curvas acentuadas e o trânsito de caminhões constante. A Serra Dona Francisca parte da BR-101 em Joinville e vai até o cruzamento com a BR-280 em São Bento do Sul em um percurso aproximado de 75 Km. Após a subida da serra encontra-se Campo Alegre, pequena e simpática cidade que será explorada em outro tópico. A descida pela Serra do Mar também é mais bonita que a subida, há muita vegetação nativa e bananais. Partindo de São Bento do Sul até Jaraguá do Sul a distância é aproximadamente 60 Km. Logo após a descida encontra-se Corupá, linda cidade no meio das montanhas e que possui duas atrações imperdíveis: Seminário de Corupá e a Rota das 14 Cachoeiras que serão exploradas em outros tópicos. Um detalhe: é muito comum ter neblina nos dois trechos de serra, portanto escolha preferencialmente dias secos ou reserve mais dias na região. Mas como já tivemos a experiência de passar nos dois locais com neblina, parcial e total podemos afirmar que também é pitoresco nestas condições. Para quem não é da região e gostaria de fazer este passeio aconselha-se a pernoitar em Rio Negrinho ou Jaraguá do Sul. Mas também é possível fazê-lo em outros roteiros. Nós por exemplo já saímos de Guaratuba (PR), subimos a Dona Francisca, descemos a Serra do Mar e pernoitamos em Piçarras. É sem dúvida um roteiro de encher os olhos e incluído por nós como "grandes estradas", aquelas cênicas e imperdíveis. Serra do Mar sentido São Bento do Sul-Corupá Serra do Mar Serra Dona Francisca sentido Joinville-Campo Alegre Mirante Serra Dona Francisca Serra Dona Francisca sentido Joinville-Campo Alegre
  23. Resolvi criar este tópicos com o intuito de passar algumas dicas para quem se interessa em estar por Foz do Iguaçu em alguma oportunidade. É uma cidade muito boa de modo que dá vontade de morar. Primeiro pela calmaria e segundo pelo custo de vida bem acessível e pela praticidade de mover-se pelo centro (tudo se interliga e você "se encontra" com facilidade). O clima é agradável e as pessoas são bem educadas. Tive a oportunidade de estar de 10 a 13 de fevereiro de 2018 (carnaval) de modo que, pelo pouco tempo, deu para tomar algumas coisas como importantes não apenas para repassar para viajantes como para planejar minha próxima ida à Foz. Se nesse momento você está planejando viajar pra lá com amigos, sozinho, com família ou em viagem romântica este tópico pode lhe servir muito! As dicas estarão separadas de modo a facilitar: DICAS DE TRANSPORTE EM FOZ DO IGUAÇU (BRASIL) Eu fui de avião então tomei um táxi apenas do aeroporto para o hotel e do hotel para o aeroporto. Como NÃO TEM UBER ou outros aplicativos de transporte na cidade, o TAXI custa caro até mesmo para pequenas distâncias. As corridas que mencionei custaram 70,00 e 55,00 respectivamente mas foram necessárias por causa das malas. Para ir aos destinos turísticos (Cataratas, Parque das Aves, Paraguai e Argentina) utilizei os ônibus coletivos sem nenhuma dificuldade e com muita praticidade. Logicamente alguns ônibus estavam cheios de gente justamente por causa do período de carnaval e muitos turistas também estavam utilizando dessa forma de transporte. Se você for, por exemplo, visitar as Cataratas ou o Parque das Aves, cada trecho de ida e volta custa R$ 3,45 por pessoa! Os trechos dentro de Foz no Brasil são baratos. Se você quiser pegar um TAXI apenas pelo ar-condicionado e porque estará sentado, pagará entre 40 a 60 reais (nesse caso pode até valer a pena desde que você "rache" o preço com outras 3 pessoas para ocupar o TAXI inteiro. Mas mesmo assim, eu pegaria ônibus pela economia. O terminal de ônibus é MUITO perto da Av Brasil. DICAS DE TRANSPORTE PARA A ARGENTINA Você poderá tomar um ônibus no centro de Foz do Iguaçu diretamente para a Argentina (free shop). É um ônibus que vem escrito no letreiro (FOZ DO IGUAÇU - ARGENTINA) e a passagem custa 5,00 por pessoa. São ônibus humildes (sem ar condicionado) e cadeiras tradicionais como as do Brasil. Porém, paga-se pouco e chega-se logo. O ônibus para exatamente na frente do Free Shop de Puerto Iguazu que fica ao lado da Aduada para entrada na Argentina. Dependendo do período que você for à Foz, pode ter trânsito intenso pela alta demanda de turistas além dos próprios moradores de Foz e do Paraguai que transitam por ali todos os dias. Para voltar da Argentina à Foz você pode tomar um ônibus na rodoviária de Misiones que custa também 5 a 8 reais por pessoa mas em ônibus mais confortáveis (ar condicionado e poltronas acolchoadas). Atente-se aos horários dos ônibus! DICAS DE TRANSPORTE PARAGUAI No mesmo ponto de ônibus já mencionado (em frente a igreja da Av. Jorge Sch...) tomei um ônibus paraguaio (há muitos) com o valor de R$ 5,00 por pessoa.Há muitos ônibus paraguaios que fazem a rota Foz - Ciudad del Este. Basta perguntar na cidade qual vai direto e o valor mas sái em média 5 reais por pessoa. Também há (claro) ônibus de volta do Paraguai para o Brasil pelo mesmo preço mas você deve se atentar aos horários! ORGANIZAÇÃO DE PASSEIOS PRIMEIRO DIA: Por ter chegado em Foz ao meio dia, peguei o restante do primeiro dia para ir logo ao free shop da Argentina. Fiquei em um hotel na Av Brasil, que facilita o acesso à tudo. Subindo à pé até a avenida Jorge Schimmelpfeng (em frente a igreja), tomei um ônibus (já mencionado anteriormente) e fui. Foi uma viagem curta por um preço muito acessível: um TAXI cobraria 70 reais só pra isso. Passei pouco tempo nesse free shop pois o dólar estava alto na cotação do dia e comprei pouca coisa mas também tirei fotos em volta do shopping (que é muito bacana). Aproveitei para passar pela Aduana e segui à pé. O primeiro ponto de parada foi o Casino logo no início: dá pra tirar fotos e otimizar seu tempo, jogar não é aconselhável, lógico (você perde tempo e dinheiro). Na entrada principal da cidade (logo após o Casino), dobrei à direita e encontrei uma Vinõteca muito simpática ao lado esquerdo onde praticamente tudo era a preço de custo! Lanchei ali, fui super bem atendido pela vendedora e pelo dono e recebi boas dicas! Como estava chovendo, peguei um taxi por 10 reais até o centro de Misiones-Puerto Iguazu. Neste centro você tem: a feirinha, o freddo (sorveteria) o bar da cerveja Quilmes, a rodoviária (para voltar, claro) e algumas feiras de artesanato e produtos regionais. Na feirinha (o principal) aproveitei pra comprar Alfajor e alguns temperos de cozinha que são muito bons, em boa quantidade e a excelente preço (que no Brasil seriam MUITO CAROS). Sobre alfajor: há uma marca que vem numa caixa branca com 24 unidades por 25 reais. Há outras marcas como Milka que são muito bons mais são unidades pequenas a 25 reais e apenas 15 unidades. No fim das contas, Alfajor tem o mesmo sabor! Você encontrará muitos potes grandes de azeite, salame e principalmente azeitonas (muitas) expostas sem proteção e isso eu não recomendo. Ah...nessa feirinha também tem restaurante mas como já havia comido, nem liguei. Passei pela sorveteria Freddo (pedi o sorvete pequeno de doce de leite, claro) e continuei o trajeto pelas outras lojas na Av Brasil deles e de lá fui pra rodoviária pegar o ônibus de volta para Foz a 5,00 por pessoa (com ar e poltronas muito boas)! Se for à Argentina, lembre-se de não ir apenas ao free shop e deixe pra comprar Alfajor nessa feirinha já mencionada: sái mais barato! SEGUNDO DIA: O segundo dia aproveitei para fazer dois passeios por serem ambos próximos: CATARATAS + PARQUE DAS AVES. Como um é do lado do outro literalmente, vale a pena conhecer logo esses dois em turnos distintos, claro. Eu optei pelo Parque das Aves a manhã inteira e as Cataratas à tarde. Acredite, você vai cansar e no final do dia estará exausto mas VALE A PENA! Você pode comprar os ingressos das Cataratas pelo site deles até mesmo antes de viajar! Nas Cataratas o passeio custa em média 36,00 e no Parque das Aves 45,00 (valores por pessoa). No Parque das Aves, se você for estudante (com carteirinha) ou professor (com comprovação) paga meia entrada a 22,00 mas nas Cataratas o valor é inteiro para todos. Há um restaurante muito bom dentro do Parque das Aves onde fui muito bem servido com um cheesebacon gormet e um chopp artesanal em tulipa com 27 reais (e satisfaz). Nas Cataratas também tem, mas não comi porque já estava cheio. Optei por jantar num restaurante muito bom na Av Brasil no primeiro quarteirão perto do hotel onde estive (Rhema). Come-se bem, barato e satisfaz (mas não lembro ao certo o nome do local). TERCEIRO DIA: Aproveitei para ir ao Paraguai. Já que comprar leva tempo justamente pela altíssima demanda de lojas e produtos no país e, também, pelo trânsito MUITO INTENSO (toda hora) tanto para entrar como para sair daquele país, fiquei o dia todo focado nisso. No mesmo ponto de ônibus já mencionado (em frente a igreja da Av. Jorge Sch...) tomei um ônibus paraguaio (há muitos) com o valor de R$ 5,00 por pessoa. Há muita (mas muita) gente o tempo todo circulando, ambulantes vendendo de tudo e muitas barracas em torno dos shoppings e prédios comerciais. (LEMBRE-SE DE LEVAR SUA CARTEIRA E CELULAR SEMPRE NOS BOLSOS DA FRENTE...VOCÊ CORRE RISCO DE SER FURTADO SEM PERCEBER, SE DER BOBEIRA). Os camelôs vendem algumas coisas muito baratas e outras nem tanto. Os ambulantes, obviamente tentarão lhe vender coisas a preço de banana, principalmente meias, calcinhas e cintos. Meu conselho: compre apenas lembranças (artesanato, tipo chaveiro) para dar de presente a amigos nesses camelôs. Deixe para fazer as suas compras de preferência no SHOPPING PARIS (onde fica no último andar o SHOPPING CHINA). O Shopping Monalisa é muito divulgado mas tudo é muito caro, os únicos andares de coisas boas são os últimos (coisas originais) mas os vendedores são rudes. O Shopping China já é mais organizado, tem uma variedade muito maior em um mesmo espaço e tem muita coisa etiquetada em promoção (comprei perfume, roupa, acessórios e até whey protein) nesse shopping! Os restaurantes do centro da Ciudad del Este são "fedidos a mijo e outros odores", cheios de formiga e insetos, são amontoados de gente mas são baratos e, claro, NÃO RECOMENDO! O Shopping Paris dispõe de uma praça de alimentação com excelentes opções de comida a preço bom, mas o atendimento do povo paraguaio parece padrão: rude, irônico e esnobe! Para voltar ao Brasil, devido ao trânsito e o cansaço, optei por tomar um TAXI paraguaio dentro do Shopping Paris que cobrou-me 50 reais até o meu hotel em Foz. Ele pegou um baita atalho, não demorou tanto e fui com um pouco mais de conforto para o hotel. No entanto, os carros são velhos, muitos são batidos e os paraguaios também dirigem como na Índia. Por falar e Índia, alguns amigos me disseram e eu lembrei que Ciudad del Este lembra bem a Índia por motivos óbvios. E lembre-se: no Paraguai não é tudo que vale a pena comprar primeiro pelos preços e, claro, pelo risco de falsificação (algumas extremamente grosseiras). Outra dica que lhes dou: alguns paraguaios vão lhe parar na rua perguntando o que querem. Não dê muita importância e dispense logo! Se disser o que quer eles irão lhe seguir até a loja onde eles querem que você vá com a conversa de que "meu patão vai ficar feliz sabendo que lhe trouxe" e lhe esperam dentro da loja e lhe seguem de volta! Já de volta ao Brasil, optei por jantar em um barzinho chamado O BOTECO na Av Jorge Sch. Fui muito servido de comida e bebida (uns pastéis de creme de frango e milho + um senhor pão de alho + 1 chopp de 300ml + 1 caipirinha + 1 chopp de 1 litro). A conta saiu a preço de custo a uma excelente refeição, lugar muito aconchegante com música ao vivo, boteco requintado e descontraído e super bem atendido! E o local não cobra os 10% do garçom. QUARTO E ÚLTIMO DIA: Com o voo de volta previsto para as 18:00 pude ir apenas ao templo budista! Fui e voltei de ônibus coletivo brasileiro saindo do terminal a 3,45 cada trecho. O templo não cobra a entrada e as fotos são maravilhosas! É excelente para fotos! O ambiente, as obras, as estatuas, esculturas, o jardim, o silêncio...o conjunto da obra encanta e vale a pena! É um passeio que não demanda de tanto tempo justamente porque só se tratam de fotos então você acaba tendo tempo para conhecer outro ponto da cidade. Pelo tempo apertado em virtude do voo, só pude conhecer este. Tomei um lanche na CONFEITARIA MARIAS & MARIA que fica na própria Av Brasil. É um conceito de padaria e restaurante. Eu fiquei com a opção de almoço mas também comi alguns quitutes da padaria. Todos os dias eles oferecem uma excelente opção de almoço (sem bebida) por 15,00 por pessoa cada prato já feito por eles. Come-se bem, em um ambiente MUITO BOM e é SUPER BEM ATENDIDO. Além disso, os pratos e demais produtos são bons! Você pode optar por comprar alguma coisa ali para levar de volta pro hotel ou pra acompanhá-lo em seus passeios. É uma viagem que preciso fazer novamente não apenas para repetir alguns (ou todos esses passeios) mas para conhecer o Marco das 3 Fronteiras e outras atrações que não deu tempo. No geral, foi uma viagem que considero ter sido super bem aproveitada, custeada muito bem e bem servida de passeios e atrações para uma viagem curta. Busquei passar as dicas de ônibus pois, como a cidade não tem UBER acaba tudo sendo focado em TAXI e pode sair mais caro do que você planejou. A cidade é pacata (pelo menos me pareceu) e andei tranquilo.
  24. Olar pessoal, venho aqui de novo trazer algumas dicas de viagem. Como sempre meus relatos não são os mais detalhados e maravilhosos que vocês vão encontrar por aqui, mas informações nunca é demais! Como temos poucos textos sobre Prudentópolis no Mochileiros achei bacana relatar, então vamos lá! O feriado de N. S. Aparecida estava chegando e a grana curta não estava permitindo uma viagem muito longa, então eu e meu marido decidimos conhecer Prudentópolis, a terra das cachoieras gigantes no interior do Paraná. 1º Dia - 1ª Parada Recanto Rickli e Salto Manduri. A cidade de Prudentópolis fica perto da Capital, são 200km em estrada pedagiada e é muito tranqüila e bem cuidada, mas com poucos km de pista dupla.(são 3 pedágios no caminho totalizando R$ 32,50) Saímos de Curitiba cedinho, e perto das 9h00 da manhã já chegávamos na cidade. Como a reserva no hotel (Mayná) tinha check-in apenas ás 12h00 nem paramos fomos direto para a primeira cachoeira. Foram 12km do centro da cidade sendo 8,5km em estrada asfaltada e 3,5km em estrada de chão. Sobre as estrada, um comentário a parte. Tínhamos muito medo da estrada ser ruim, nosso carro é ótimo, mas não é um 4x4. Porém todos os trechos de estrada de chão que pegamos na viagem inteira estava ótimos (para estrada de terra). Há bastante cascalho na pista então creio que mesmo com chuva a estrada não fique escorregadia. A informação que recebemos é de que a prefeitura esta investindo e que pretende melhorar ainda mais os acessos com mais asfaltamento e pedra irregular. Então não se preocupem quanto a isso.. vão na fé! A estrada também é bem sinalizada, então não tem erro de se perder (e se precisar o GPS de celular te leva certinho em todos os lugares!) Chegamos no Recanto Rickli e havia 1 único funcionário. Sinceramente, se não tivéssemos perguntado se tinha taxa de entrada provavelmente ele não teria nos cobrado. Foram R$ 5,00 por pessoa. Ainda compramos 2 garrafinhas de água por R$ 2,00 cada. O recando possui piscina (suja e desativada) e uma área com churrasqueiras onde havia 1 família. Andando uns 50 metros de onde estacionamos o carro já chegamos na vista para cachoeira; o Salto Manduri. Não existe acesso para a água, é uma queda só contemplativa mas já vai dando uma idéia do que teríamos para os próximos dias. São 100 metros de largura e 34 metros de altura! Ficamos lá um tempinho andando e tentando achar qual o lugar mais próximo da queda d´água que conseguiríamos ir. Tiramos mais algumas foto e seguimos para a segunda parada do dia! Ahhhhhhhh.. em todo o tempo que ficamos lá só encontramos com essa família que estava se organizando para fazer um churrasco e creio que iriam passar o dia inteiro lá, mas na área de cachoeira só estávamos eu e meu esposo. 1º Dia - 2ª Parada Salto Barão do Rio Branco. Nessa mesma estrada de terra, 1 km pra frente do Recanto Rickli fica o Salto Barão do Rio Branco. Essa é a cachoeira com maior volume de água da região e possui 64 metros de queda, por isso lá havia sido instalada uma pequena usina hidroelétrica que atualmente está desativada. O salto fica em uma propriedade privada, mas não encontramos ninguém cobrando entrada para a visitação. Com a existência da hidroelétrica o acesso para o salto é muito tranqüilo. De onde estacionamos o carro já vemos a escadaria que leva até a base da cachoeira. Segundo o que encontrei na internet são 478 degraus, eu contei 456, mas posso ter me perdido! A escada é de ferro e me pareceu bastante firme em quase toda sua totalidade, há uma parte apenas que está solta mas nada que nos impediria de chegar até a base. Depois de descer a escadaria chegamos na hidrelétrica, caminhando pelas pedras na beira do rio fomos o mais perto que conseguimos da queda d’água. Existem placas informando que o rio chega até 40 metros de profundidade e a correnteza é forte por ali, não fomos bobos de tentar tomar banho de rio não! Haha Ficamos um bom tempo tomando aquela “chuva” da cachoeira e decidimos encarar a subida das escadas. Em todo o tempo que ficamos lá em baixo só havia mais um casal com duas crianças, e enquanto subíamos cruzamos com 4 pessoas que estavam descendo. Super tranquilo para poder aproveitar a paisagem. Chegando lá em cima vimos um homem seguindo por outro caminho e decidimos seguir.. tava com cara de ser uma outra trilha haha. O caminho dava para o mirante na parte alta da queda. Lá, há uma grade de proteção que impede de nos aproximarmos muito do salto, obviamente por segurança. Depois de mais um tempo e mais muitas fotos pegamos a estrada e voltamos para a cidade para fazer check-in no hotel. O Mayná fica bem no centro de Prudentópolis e de super fácil acesso para a saída da cidade que nos leva para as cachoeiras. Na cidade pelo que encontrei na internet possui 4 hotéis. Não sei como são os outros mas pagamos 140 reais por dia para um quarto de casal com café da manhã incluso. Preço justo. O colchão e o chuveiro eram ótimos, os recepcionistas muito solícitos, estacionamento gratuito e um café da manhã bem bonzinho! Nesse dia não saímos para almoçar. Na noite anterior preparei 6 sanduiches de atum, maionese e milho para levarmos, como não sabia a condição das estradas de terra achei melhor estar preparada com uma comidinha – gordo tá sempre preocupado com comida haha - Almoçamos 2 sanduíches cada um com as bebidas que também trouxemos na viagem. 1º Dia - 3ª Parada Salto São Francisco. Ainda no primeiro dia nos programamos para ir no Salto São Francisco. Esse é o mais distante de todos e também o maior e mais famoso. Em teoria seriam 50km de estrada, sendo 35km em entrada de chão. O que a gente não previa, entretanto, é que com o aniversário da N. S. Aparecida a estrada estaria fechada para as festas em homenagem a santa. Haviam 2 caminhões atravessados na pista impedindo que seguíssemos pela estrada de acesso. Perguntamos para as pessoas que estavam lá na festa como faríamos para ir para o cachoeira e nos falaram “lá por cima”. Na nossa cabeça “lá por cima” era via Guarapuava, a cidade vizinha que também tem estrada para o Salto. Colocamos no GPS e de 50km o caminho dobrava para 108km, mas o tempo alterava em pouco mais de 20 minutos pois seriam muito menos km em estrada de terra. Não pensamos duas vezes e pegamos a estrada. Depois, descobrimos que “lá por cima” era menos de 1km de distância de onde estávamos.. um desvio de nada, enfim.. acontece! Chegamos na entrada do Salto eram 16h00. E aqui já sentimos a diferença em função da popularidade dessa queda. Haviam muitos carros, vários com som alto e um pessoal bebendo, fazendo festa mesmo. A trilha da área do estacionamento até o mirante do salto é bem demarcada e bem estruturada, são não mais que 500 metros de distância quase sem desnível. De lá sai outra trilha de também uns 500 metros e também sem desnível para a beirada do Salto de onde pode ser feito Rapel (não cheguei a perguntar o valor). Seguindo mais um pouquinho essa trilha, talvez uns 200 metros chegamos a mais um salto: o Salto dos Cavalheiros, aqui sentamos e finalmente molhamos o pé na água. Esse salto deve ter uns 15 ou 20 metros mais ou menos. O local estava cheio de gente, barulho, bebida alcoólica e várias pessoas fumando.. estragava um pouco o clima, tinha um grupo inclusive com um narguilé haha. Entendam que não sou uma pessoa chata, gosto de um fervo, mas não era o que estávamos buscando nesse feriado com um passeio nas cachoeiras. Existe uma trilha que vai até a base do Salto São Francisco, são 8km em nível médio-difícil. A recomendação é não descer depois das 14h00 para que dê tempo de subir ainda com a luz do dia. Também é solicitado que, antes de descer informem na entrada do parque para que, havendo necessidade, sejam feitos os resgates. Essa descida não estava nos nossos planos e, de qualquer forma não daria tempo de fazer naquele dia. Tiramos mais alguma fotos e voltamos para a área de estacionamento. Compramos 1 Coca e 1 Gatorade na lanchonete por R$ 9,00 e foi ali que nos explicaram que daria para vir pela estrada de Prudentópolis e então voltamos por lá. Na volta, ficamos atentos para encontrar o Mirante dos Saltos Gêmeos, (Salto Barra Grande e Salto Fazenda Velha) para esses dois saltos não existe trilha ou estrada para chegar. Pelo que pesquisei dá para ir de Motocross.. e leva 10 horas entre ida e volta. Encontramos o "mirante" mas vou falar para vocês que essa vista é BEEEEEEEEEEEEEEEEM de longe. Tem que se esforçar para conseguir ver as duas cacheiras lado a lado, tanto que nem fotografei. Chegamos no hotel perto das 19h00 tomamos banho, comemos o ultimo sanduiche que eu havia feito e não saímos mais. O dia foi longo e no dia seguinte teríamos varias outras trilhas para fazer! Saldo do dia valores para 2 pessoas. Pedágios: R$ 32,50 Rickli: R$ 10,00 Bebidas: R$ 13,00 Hospedagem: R$ 420,00 (3 diárias) Total: R$ 475,50 2º Dia - 1ª Parada Salto São Sebastião. Acordamos cedo, tomamos café da manhã e um Dorflex pras pernas (hahaha sedentários!) e fomos para a primeira cachoeira do dia, o Salto São Sebastião. Ele fica a 30km do hotel, sendo 15km em entrada de chão. Essa estrada, assim como as duas que pegamos ontem também é muito boa e bem sinalizada. Também em propriedade privada, essa trilha dá vista para duas cachoeiras, a São Sebastião e a Mlot. As quedas ficam uma de frente para a outra, literalmente. Há uma trilha que desce até a base das cachoeiras mas não fizemos. O dono do local falou que ela estava muito lisa em função das chuvas e que ele, particularmente, não recomendava a descida. A gente tinha a intensão de descer nessa mas não somos o tipo de pessoas que nos arriscaríamos e se o dono do lugar diz que é melhor não, a gente escuta! Além dessa trilha para a base existem mais três trilhas, uma que leva para uma área tranqüila do rio, boa para banho, uma segunda trilha que leva para uma gruta e uma cachoeira menor, que também possui espaço para banho e a terceira trilha que leva para o topo da cachoeira. Conhecemos os 3 lugares e optamos por entrar na água na terceira, na cabeceira do São Sebastião. Ali o chão tem mais pedras deixando a água menos barrenta. A maior parte do tempo estávamos só eu e o Vini, depois apareceram mais 2 casais. Como a nossa intensão era fazer a trilha e acabamos não fazendo ficamos bastante tempo curtindo o banho de rio. Na volta compramos 2 águas (3 reais cada), pagamos a entrada (10 cada) e seguimos para o próximo destino, mas não sem antes de pegar mais uma trilhazinha para ir até o mirante do São Sebastião e vermos a cachoeira de frente! 2º Dia - 2ª Parada Recanto Perehouski. Seguindo na mesma estrada de chão no sentido Prudentópolis em 5km paramos no Recanto Perehouski para almoçar. Diferente do Rickli o Perehouski estava impecavelmente bem cuidado. O atendimento era de uma simpatia sem fim, e a comida maravilhosa. A região de Prudentópolis é de colônia Ucraniana então tivemos um almoço típico e caseiro! É importante ligar e reservar o almoço pois eles fazem sob demanda. Nós não ligamos e tivemos sorte, por ser feriado eles estava servindo e puderam nos atender. Além do almoço (que vou falar de novo, tava ótimo!) o recanto possui uma trilha circular tem várias quedas D’águas propícias para o banho, o trajeto todo tem um pouco menos de 1km. A entrada é de R$ 10,00 e o almoço é R$ 25,00, com bebidas a parte por R$ 5,00 a lata. Ficamos lá cerca de duas horas mas logo depois do almoço saímos para a terceira parada do dia! Ahhh, para que interessar lá existe área de camping! 2º Dia - 3ª Parada RPPN Ninho do Corvo. A RPNN Ninho do Corvo é uma propriedade que faz divisa com o Recanto Perehouski, a entrada de uma para a outra dista menos que meio km. No Ninho do Corvo são oferecidas atividades de turismo de aventura. Optamos pelo pacote completo com Tirolesa seca com 170 metros de extensão (realizada duas vezes) a Rapelesa um rapel de 70 metros sobre o Cânion Barra Bonita e a Cachoeira da Divisa e a Corvolesa, uma tirolesa de velocidade controlada feita dentro do Cânion com banho de cachoeira na decida e que termina com uma bundada daquelas na água haha Para essa atividade deixamos a câmera no carro e como ainda não compre uma Gopro =( não tenho registro pois não tinha como levar a câmera só para metade do trajeto para não molhar no final. Ao meu ver Ninho do Corvo é a propriedade privada mais bem estruturada das que visitamos, o pacote com as três atividades ficou R$ 180,00 por pessoa e do início até a volta (que é feita por uma trilha de nível fácil, com não mais que 1 km) dura aproximadamente 2 horas. A experiência é incrível, e super segura, recomendo! Ainda demos sorte de conhecer uma família sensacional que estava hospedada no Ninho do Corvo e que fez as atividades conosco, que já fariam valer o passeio! Do Ninho do Corvo voltamos para Prudentópolis. Paramos em um posto de gasolina e compramos besteiras para comer (tipo amendoim e sorvete) e voltamos para o hotel. Não sei se era o cansaço ou o que mas não estávamos com fome então só beliscamos esses salgadinhos e fomos dormir. Saldo do dia valores para 2 pessoas. São Sebastião: R$ 26,00 (2 entradas + 2 águas) Perehouski: R$ 85,00 (2 entradas + 2 almoços + 3 bebidas) Ninho do Corvo: R$ 360,00 (2 circuitos completos com as três atividades) Besteiras posto: R$ 23,00 Total: R$ 494,00 3º Dia - 1ª Parada Mirante Salto São João. Acordamos no terceiro dia com mais dores na panturrilha e mais vontade de conhecer cachoeiras! A primeira parada nesse dia foi no Mirante Salto São João. Aqui é o lugar onde a prefeitura está investindo mais, (ou primeiro). Está sendo montado uma estrutura digna de Foz do Iguaçu (dada obviamente as proporções) uma grande entrada, com estacionamento com vagas preferenciais, uma lanchonete e loja de conveniência, banheiros e um auditório para palestras. A trilha para o mirante é super curta, tem em torno de 100 metros e é toda feita em passarela elevada, novinha. Linda de se ver. Os funcionários que estavam lá, e me perdoem eu não lembrar os nomes, nos explicaram que está sendo concluído o acesso até a parte de cima do Salto São João, (inclusive que vai ser um a trilha com acessibilidade para cadeirantes e larga o suficiente para passar uma ambulância) e que nos próximos 1 ou 2 meses já deve estar pronta. Achei sensacional esse cuidado e atenção para tornar os atrativos acessíveis! Falaram também que existe um projeto que está sendo terminado para também ser feita uma trilha de passarela até a parte baixa do salto, permitindo a entrada na água. Eles nos explicaram que, até pouco tempo o acessa a parte de cima do salto São João era feita por uma propriedade privada, mas que a queda não faz parte dessa propriedade, nos contaram que o IAP proibiu a exploração por essa fazenda particular pois eles estavam cobrando entrada e que, no projeto inicial, a trilha se iniciaria ali no mirante e sairia por essa propriedade mas que o dono não gostou, queria continuar com a entrada e como quem muito quer nada tem ficou sem nada. As trilhas serão ida e volta e não mais circulares e não permitirão que ele explore o turismo na propriedade dele com uma lanchonete, por exemplo. Mas enfim, a questão é que, com a proibição do IAP não era permito chegar até o salto então tivemos que nos contentar com o Mirante, que tem uma vista maravilhosa, diga-se de passagem! Talvez essa seja a cachoeira mais bonita de todas, por sinal pena não estar tudo pronto ainda. Por indicação dos funcionários pegamos uma estrada de terra secundária para chegarmos ao Salto Sete, a ultima cachoeira que visitamos! 3º Dia - 2ª Parada Salto Sete Rodamos 10km e chegamos a propriedade Salto Sete. Lá também é propriedade privada e cobram 10 reais de entrada. A trilha, com 1 km leva até a parte alta da queda. Nessa local também pode-se praticar rapel. (Não perguntamos o preço) Atravessando o rio e seguimos pela continuação de trilha, com mais 1 km que leva até a base da cachoeira onde existe um fosso para mergulho. O salto possui 77 metros de queda livre, então a trilha é puxadinha e íngreme, mas nada impossível de ser feita. Descemos e quando chegamos fomos surpreendidos com um visual sensacional! Novamente demos muita sorte pois encontramos pessoas na trilha mas lá em baixo não havia ninguém, a cachoeira era todinha nossa! Ficamos um bom tempo lá curtindo o visual, tomando sol na pedra e nos refrescando na água do salto e só quando as nuvens começaram a dar sinal de chuva no céu foi que decidimos encarar a subida. Lá estávamos nós, talvez a 5 minutos na trilha quando uma vespa (?) amarela horrível e sedenta de sangue me picou no joelho esquerdo, por cima da calça. A dor meus amigos, é insuportável.. aí o que que a espertona aqui fez? Bateu na vespa (?) que saiu de uma perna e fincou na outra hahaha é muito azar não? Dizem que assim como as abelhas as vespas - se é que aquele monstro horrível (hahahaha) era um vespa -morrem depois que picam alguém pois o ferrão fica na pessoa. Acho que, do jeito que eu bati nela e do jeito que sou sortuda consegui fazer com que o ferrão não soltasse e desse tempo de ela me ferroar uma segunda vez! Cara, queima até alma, e eu sou uma pessoa meio urbana demais para essas coisas. Já rola um medo do veneno ir por coração e eu morrer, do veneno maligno mutante mortal.. Enfim, meu marido, que sempre ia na frente na trilha fez com que eu passasse na frente e fosse ditando o ritmo da subida, porque afinal não tinha muito o que fazer. Era subir com dor, ou ficar ali com dor também. Dei uma chorada no caminho mas sobrevivi haha. Não bom o bastante, nos talvez últimos 10 metros de trilha apareceu uma cobra, que jamais saberemos se era verdadeira ou falsa coral. Mas é aquilo, 3 dias de trilha e nenhum tombo? Tinha que pelo menos ter uma picada de bicho estranho pra parecer que tínhamos saído da cidade. haha No fim, compramos 2 águas e 1 coca (10 dinheiros) e voltamos para a cidade encerrando assim o ciclo de cachoeiras de Prudentópolis. Na volta paramos para comer no Chalé Costenaro e aproveitamos para comprar Cracóvias para levar para Curitiba, uma espécie de Salame produzida na região. Passamos em uma farmácia que a minha perna ainda tava doendo, compramos anti-alérgico e pomada e voltamos para o hotel. Banho tomado, demos uma dormida de tarde e saímos para jantar na cidade. Na quadra do hotel tinha uma pizzaria e foi ali mesmo que entramos, não tava conseguindo andar direito. Pegamos uma pizza grande uma coca de 1,5 litro, comemos até não poder mais, e voltamos para o hotel dormir. Saldo do dia valores para 2 pessoas. Salto Sete: R$ 30,00 (2 entradas + 3 bebidas) Chalé: R$ 130,00 (2 almoços + 2 bebidas + 2 Cracóvias e 1 saquinho de doce de leite) Farmácia: R$ 40,00 (antialérgicos + dorflex + bebidas) Pizarria R$ 45,00 (pizza grande + bebida) Total: R$245,00 4º Dia – Volta para Curitiba No dia seguinte só acordamos, tomamos café e pegamos a estrada para Curitiba. Se quiséssemos economizar poderíamos ter dormido um dia a menos na cidade, mas teríamos que pegar 3 horas de estrada depois de fazer as cachoeiras pela manhã e achamos que seria muito cansativo. Saldo do dia valores para 2 pessoas. Pedágios: R$ 32,50 Total da viagem R$ 1.247,00 gastos para duas pessoas. Espero que esse meu relato incentive vocês a conhecer a região. É lindo demais e vale super a pena! Tirando uma ou outro atividade é tudo super barato então dá tranqüilo pra se programar e ir!
  25. Feriado de 3 dias em janeiro/2014 no Rio, momento de decidir onde ir. Passagem barata para Curitiba. Ilha do Mel lá vamos nós! Nossa aventura começa no sábado de manhã, em Pontal do Sul. Havia uma fila, tinha de preencher um papel, coisas de controle de entrada. Fora isso, 29 pratas por cabeça. Nosso barco saiu umas 10:30. Meia hora depois chegamos na Ilha do Mel, na Praia das Encantadas. Muito sol. Nossa pousada, Pousada Lua Cheia (230 pratas via booking, mas incrivelmente era das mais em conta que achamos), era logo em frente ao trapiche. Apenas largamos as mochilas por lá e partimos para andar pela ilha. O destino do dia era o Farol das Conchas. Compramos umas cervas no mercadinho logo ao lado da pousada e deixamos na nossa bolsa térmica. Primeira parada, após rápida caminhada, foi a Gruta das Encantadas. Ainda era manhã, ainda estava com maré baixa. O interior da gruta não tem nada de mais, mas o visual externo dela é bem bacana. Além disso, a vasta Praia de fora das Encantadas (ou Mar de Fora) é muito maneira. Gruta das Encantadas, por dentro e de fora Seguimos pela praia até chegar a um morro, a Ponta da Nhá Pina. Chegando lá, subimos a trilha. No caminho, um casal perguntou se estávamos indo para o farol. “Sim”. Eles também estavam e avisaram que não era por ali. Ok, fomos lá ver o visual, que era mesmo muito maneiro. Olhando o mapinha que eu tinha levado, vi que precisávamos voltar um pouco para seguir na trilha. Assim fizemos e pouco depois estávamos na Praia do Miguel. Outra praia muito bacana, com praticamente ninguém, exceto por caminhantes. Do alto do morro da Ponta da Nhá Pina, olhando para a Praia de Fora das Encantadas Chegando na Praia do Miguel De lá para a Praia Grande é necessário cruzar umas pedras. Na maré baixa foi tranquilo, ainda que seja meio desagradável andar sobre as pedras de chinelos. A Praia Grande já é bem mais habitada. Tem trilha rápida para Brasília. Ainda assim, tem muuuuuito espaço para você escolher onde quer ficar. Foi nossa primeira parada, hora de consumir as cervejas que teoricamente (e só teoricamente mesmo) tiveram a temperatura conservada na nossa bolsa térmica. Depois de curtir a praia, seguimos viagem. Conhecemos Brasília. Encantadas tem restaurantes na praia, Brasília os restaurantes ficam na parte de dentro. Achei que havia mais gente em Brasília. Pareceu um pouco mais interessante que Encantadas, com mais opções. Voltando à Ilha, vou experimentar me hospedar por lá. As trilhas são bem sinalizadas Seguimos para o Farol das Conchas, o destino do nosso dia. Cerca de uma centena de degraus para subir, bem tranquilo. Belo visual lá de cima! Descemos e fomos conhecer a Praia de Fora, que fica ao lado do Farol e dá para o oceano. Retornamos para Brasília, passamos num mercadinho para reabastecer a bolsa térmica e partimos para a Praia do Farol para relaxar e curtir as cervas. Curtida a praia e tudo mais, era hora de voltar. Ainda paramos na Praia Grande novamente. Havia um bar (cerveja custando o dobro do que pagamos no mercado!), então paramos para curtir e tomar uma última cerveja antes de cruzar as pedras de volta. Já era fim de tarde, umas 17hs. Depois da parada e da cervejinha, fomos cruzar as pedras de volta. No meio do caminho, senti que deveria ter instituído o lema “se beber, não volte pelas pedras”. Ainda assim, deu para seguir na boa. Até que chegamos numa área que era bem complicado subir na pedra e bem mais fácil ir pela água. Fui pela água, que batia na minha canela. Até que veio uma onda e... tomei um banho. De celular no bolso esquerdo da bermuda e máquina fotográfica no bolso direito. Me apoiei numa pedra, meu chinelo esquerdo saiu do pé e rapidamente o peguei de volta. E só então (o álcool faz mal à sua percepção e aos instintos) me dei conta de retirar os eletrônicos da “zona de perigo”. De volta às pedras Enfim, cruzamos. Aí fui ver o estrago da água. Ou da cervejinha, depende do ponto de vista. Celular: ok. Ufa. Máquina: visor branco. Problemas. Ainda bem que foi baratinha. Depois nos preocupamos com isso. Seguimos em frente. Chegando no hotel, fui ver a máquina. Até ligava, mas emitia sons sinistros e parecia querer funcionar, ainda que não o fizesse. Decidi deixá-la secando, toda aberta. Dia seguinte eu verificaria. Fomos curtir o por do sol na Praia das Encantadas. Bom de lá é que tem um mercado de frente para a praia. Ou seja, você compra sua cerveja e fica ali curtindo o visual. A praia em si não me atrai. Jantamos no badalado Restaurante Fim da Trilha. É bom, mas, sinceramente, achei que não valeu. Muito caro. Muito pouca comida. E não é tão bom assim pra compensar tudo isso. Ainda fomos comer um pastel na praia e tomar nossas últimas cervas antes de dormir cedo. Acordamos no domingo e fui logo ver como a câmera tinha passado a noite. Estava ligando. Visor ok! Até tirando fotos ela estava! Mas eu não conseguia comandar mais nada. Minha máquina fotográfica era relativamente nova, Era guerreira. Não era cara e comprei em uma bela promoção, justamente para o bolso não ficar triste se ela se perder ou se der problema. Ela já tinha resistido um mês antes ao meu desleixo, quando escapuliu do meu bolso num banco de taxi em Lima, no Peru, e lá ficou até o resgate. Agora, depois do banho de mar, ela decidiu assumir o controle de si mesma por completo. Algo como “olha, você me largou num taxi e me deu banho de mar; eu deveria parar de funcionar, mas vou lhe dar uma nova chance, só que eu vou passar a fazer o que bem entender daqui por diante.” E, desde então, ela dá zoom quando quer (sobretudo quando eu não peço), coloca a resolução que ela quer e não me permite comandar mais nada. Tudo bem, aceitei de bom grado. Virei refém. Seguimos bem em nosso pacto, mesmo que imposto por ela. Depois do café, saímos novamente para uma longa caminhada. Meta do dia era ir até a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres de Paranaguá, numa caminhada superestimada de 4 horas. Levamos umas 2,5, incluindo parada em Brasília. A looooonga Praia da Fortaleza é bem bacana, areia dura, tranquila de caminhar. Mas você pode pegar uma bicicleta em Brasília para esse trecho, se preferir. Nós curtimos a caminhada. Praia da Fortaleza Chegando na Fortaleza A Fortaleza é muito bacana. Acho que Fortalezas no Brasil geralmente são bacanas. Geralmente são bem cuidadas e têm belo visual. A de Nossa Senhora dos Prazeres de Paranaguá não deixa por menos, tem até mirante, acessível por trilha. Na área do mirante, um arsenal de guerra bem conservado. Há canhões lá embaixo também. Havíamos comprado umas cervejas em Brasília e isso foi nosso piquenique na Fortaleza. Acabamos conhecendo um cara que trabalha na área cultural e estava tentando organizar atividades na Fortaleza, bom de papo. Na hora de voltar, pegamos a trilha para conhecer outro caminho da ilha e evitar o sol direto. Com isso, conhecemos a Praia do Limoeiro. Água quente, de tão quente que estava o dia. Praia do Limoeiro Paramos em Brasília para relaxar, beliscar e bebericar. Decidimos que voltaríamos para Encantadas de barco naquele dia. Fomos curtir a Praia de Fora. Antes, claro, compramos mais cervas no mercadinho local. Curtimos a tardinha toda naquela praia. Praia de Fora, ao lado do Farol De lá, pegamos o barco que leva para Encantadas. Coisa rápida, 8 pratas. Evitamos, assim, passar pelas pedras. Curtimos o por do sol nas Encantadas novamente. A maquininha deu conta do recado, mesmo assumindo vida própria. Nesse dia jantamos na Pizzaria da Tina. Simples. Mas pelo menos não era cara. Nosso último dia foi dedicado a relaxar na Praia de fora das Encantadas. Nada de caminhadas longas. Conseguimos estender um pouco nosso check-out na pousada, pegamos cadeiras e guarda-sol e partimos para uma rápida e fácil caminhada até lá. Passamos a manhã toda por lá, depois curtimos um pouco a Encantadas (a de dentro), onde “almoçamos” um belo pastel. E aí iniciamos o périplo de volta para casa. Praia de fora das Encantadas E assim foi mais um fim de semana desbravando o Brasil. Geral sobre a Ilha do Mel Sinalização: em regra as coisas são bem sinalizadas na ilha. Uma vez ou outra que nós penamos um pouco para encontrar o caminho certo a seguir. Evite retornar andando para Encantadas no fim da tarde, com maré alta. Quer dizer, não achei exatamente perigoso (desde que sóbrio!), mas há o risco de você tomar um banho de mar.
×
×
  • Criar Novo...