Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''road trip''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 3 registros

  1. Fala galera blz? Após muito planejamento, leituras, consultas (inclusive muitas aqui e a todo mundo que me ajudou, meu muito obrigado!) e uma pitada de coragem, fiz uma viagem de carro saindo de Limeira (interior de SP) e fui até Jericoacoara (CE). Na viagem fiz uma parada nos Lençóis Maranhenses e vou compartilhar com vocês os passeios que fiz e também algumas dicas. Caso alguém queira tirar alguma dúvida, fique à vontade. Vou postando separadamente os dias dos passeios, se alguém quiser dar uma conferida na minha viagem completa é só acessar meu blog: https://maladaminhamae.blogspot.com/ Segue o relato: Atualmente, o trecho até Santo Amaro está totalmente asfaltado (porém em estado de conservação MUITO ruim), e existe até a mesmo a construção de uma ponte cruzando o Rio Alegre, o que fará em breve, qualquer veículo chegar direito na cidade de Santo Amaro. Hoje, ao chegar na cidade é obrigatório deixar o carro no estacionamento municipal, ele fica do lado esquerdo, logo após um posto Ipiranga na entrada da cidade. Ele é amplo e gratuito e de lá mesmo já é possível pegar um transporte em direção ao “centro” de Santo Amaro, que é onde ficam a maioria das pousadas, restaurantes e de onde saem todos os passeios. Dica: Se você for de carro e for ficar alguns dias, leve algum tipo de capa protetora para por sobre o painel do carro, no estacionamento não tem sombra, o sol é muito forte e pode danificar seu veículo. Assim que você para seu veículo no estacionamento já chega algum guia oferecendo o transporte até o centrinho, o valor é padronizado de R$ 10,00. O transporte é feito em caminhonetes adaptadas com bancos na caçamba, que são chamadas de jardineiras, esse é o veículo “oficial” de Santo Amaro do Maranhão e você as verá por toda a cidade. Quem nos recebeu foi o guia Misael (98 84991741), muito simpático e educado, ofereceu o serviço de transporte até nossa pousada, o trajeto da entrada de Santo Amaro até o centrinho já é uma pequena aventura, pois o carro atravessa o Rio Alegre e literalmente passa por dentro dele, com a água chegando muito próxima de entrar dentro do veículo. O trajeto entre a entrada e o centrinho é rápido, chega-se em cerca de 15 minutos. Ficamos hospedados na Pousada Paraíso (98 984895598), fica bem localizada, apenas 2 quadras da praça central, possui quartos amplos, com ar-condicionado, chuveiro elétrico (é bom conferir se sua pousada oferece, pois nem todas disponibilizam) e um ótimo café da manhã, ela é simples, sem luxos, o wi-fi funciona mais na área externa do que nos quartos, porém nos atendeu perfeitamente, o valor da diária é cerca de R$110,00 por pessoa. Dica: verifique se sua pousada está localizada próxima a praça central, pois algumas ficam um pouco longe e em Santo Amaro tudo se faz a pé, existe inclusive um rio que corta a cidade e algumas pousadas ficam do outro lado desse rio, sendo necessário atravessá-lo para se chegar até o centro, ele não é fundo, mas a água pode chegar na altura da cintura, dependendo do tamanho da pessoa. Antes mesmo de fazer o check-in combinamos com o guia Misael de já fazer um passeio no período da tarde, é o passeio mais famoso de Santo Amaro, que são as lagoas Gaivota e Andorinha, com parada para ver o pôr do sol. O passeio sai às 15:00 com retorno por volta das 18:30. No centro de Santo Amaro existem inúmeras agências de turismo, você pode contratar o passeio diretamente com elas, ou então pela cooperativa de turismo de Santo Amaro, que fica num prédio ao lado da praça central. O preço é meio tabelado, mas vale a pena dar uma pesquisada, principalmente se for optar por passeios privativos, ou seja, no carro irá apenas o seu grupo (que é mais caro, porém te dá muito mais privacidade e liberdade) ou nos passeios coletivos (que são mais baratos, porém sem nenhuma privacidade ou liberdade). Você também pode reservar os passeios direto com a pousada, pois a maioria delas faz o agendamento direto com a Cooperativa. Após nos instalarmos no quarto, fomos atrás do almoço, uma dica importante é que Santo Amaro ainda está se desenvolvendo para o turismo, por isso existem poucos restaurantes, grande parte fechar a partir das 14:00, como a maioria dos comércios na cidade e de modo geral são simples e nem todos aceitam cartão de crédito/débito, levar dinheiro é importante e na praça central existe uma agência do Bradesco. Como o calor estava muito forte e o passeio não demoraria a sair, resolvemos almoçar próximo a pousada no restaurante Água Doce. Comemos uma moqueca de pescada amarela, comida simples, nada de mais, prato para duas pessoas R$ 75,00. Após o almoço voltamos para a pousada e fomos arrumar as coisas para o passeio, é importantíssimo levar filtro solar, óculos escuros, chapéu/boné e água. Os passeios acontecem no meio do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, ou seja, no meio do nada, onde não há nenhum tipo de comércio, nem muito menos banheiros. Uma dica: bebidas alcoólicas não são permitidas. Às 15:00 em ponto o Misael passou na pousada, parada na cooperativa para preenchimento de papelada (isso ocorre antes de todos os passeios), aproveitamos para passar no mercado e compramos água e coisinhas para comer, é importante lembrar que o comércio geral fecha por volta das 19:00, então, se organize para comprar as coisas antes dos passeios. Neste primeiro passeio optamos por fazer o coletivo e demos sorte pois estávamos apenas nós quatro e um pai com sua filha, que por sinal foram muito simpáticos e ótimas companhias. O valor desse passeio foi de R$ 60,00 por pessoa, sempre pagamento em dinheiro. Antes de entrar no parque há uma guarita onde se faz uma conferência de papéis e também do veículo, inclusive olhando o cooler onde ficam as bebidas, como disse anteriormente, bebidas alcoólicas não são permitidas. Tudo conferido, hora de começar o passeio. É importante lembrar que o Lençóis Maranhenses são uma área de grandes dunas, onde os lençóis freáticos afloram após o período de chuvas (que ocorre entre novembro a maio), criando as lagoas de águas doces, que são o grande atrativo do passeio, sendo assim, vale sempre destacar que é um passeio sem muito luxo ou conforto, o que para nós não foi nenhum problema. Após passar pela guarita o Misael já parou o carro e nos mostrou o local onde ficava uma casa que foi completamente tomada pela areia das dunas, segundo o guia, elas movem-se até 6 metros por ano. Feita a explicação, era hora de começar o passeio propriamente dito, a jardineira anda rápido para conseguir subir e descer as dunas, por isso é aconselhado deixar todas as coisas soltas guardadas dentro de bolsas e mochilas, inclusive chapéus e bonés, que acabam voando com facilidade, como aconteceu comigo. Os óculos escuros são indispensáveis, uma vez que o vento sopra constantemente no parque e mais o movimento do carro, a areia bate com força mesmo. A primeira vista que se tem dos Lençóis é algo realmente inacreditável, um mar de dunas que se estende por uma área a perder de vista, é realmente muito impactante, por mais que eu tenha visto inúmeras fotos, vídeos e lido depoimentos, nada se compara à estar realmente lá, é um visual deslumbrante. Logo após subir algumas dunas é feito uma parada no alto de uma delas para contemplar a paisagem e também fazer algumas fotos, parada rápida, como uma espécie de “boas-vindas” que o parque te dá. Nossa primeira parada foi na Lagoa Andorinha, uma lagoa grande e perene (não seca, independente da época do ano, no período de secas, que vai de julho a outubro, as lagoas vão secando conforme o tempo passa, por isso, o melhor período para conhece-las é de junho a setembro). A primeira vez que você aquela lagoa, de água doce e transparente no meio de uma monte de dunas, que te lembra um deserto, é muito marcante, e é realmente um visual único, que não se tem em mais nenhum outro lugar do nosso país. Em Santo Amaro os carros param do lado das lagoas, facilitando demais o acesso, além disso normalmente os carros que levam os turistas são equipados com cadeiras e guarda-sol, para deixar tudo ainda melhor. A água não é muito quente, porém, é ótima para o banho e por ser doce, não deixa aquela sensação “grudenta” da água do mar. Quando você está dentro da lagoa, com um tom de azul marcante, de águas transparentes e olha ao redor, aquelas dunas enormes, se tem uma sensação que é realmente indescritível e eu certamente não acharei palavras para descrever. Ficamos por ali aproveitando a lagoa que estava apenas para nós e mais pequeno grupo de outro passeio, para nadar e relaxar com aquele visual inacreditável ao nosso redor. Tiramos muitas fotos e subimos em algumas dunas para apreciar melhor a paisagem. Depois de ficar ali por cerca de 1 hora, fomos para a outra lagoa do passeio, a da Gaivota, que é basicamente a mesma coisa, só que com um tom de água mais esverdeado e com um formato diferente, as lagoas são sempre diferentes umas das outras, trazendo sempre uma nova surpresa. Isso já era por volta das 17:00 e como venta bastante, por mais que esteja calor, a sensação térmica é de mais frio, por isso optamos por ficar mais contemplando a paisagem do que propriamente dentro da água. Por volta das 18:00 o guia nos chamou e disse que a última parada é para ver o pôr do Sol, veja pelo menos uma vez o pôr do Sol no alto das dunas, não existem palavras para descrever o quão maravilhoso é esse momento. Nosso guia nos levou no alto de uma duna onde se pode ter uma linda visão do parque e o Sol se pondo na linha do horizonte, a maneira como os raios solares batem nas dunas formam um jogo de luz e sombras, dão um ar dourado a areia que é simplesmente deslumbrante, realmente não deixe de fazer isso pelo menos em um dos passeios, é emocionante. Terminado o pôr do Sol, voltamos para nossa pousada e já fechamos o passeio do dia seguinte, para Betânia. Se você estiver num pequeno grupo, como nós estávamos, de 4 pessoas, eu aconselho MUITO fazer os passeios privativos, eles sairão cerca de R$ 20,00 a R$ 30,00 a mais por pessoa, o que pode parecer muito, mas somente o fato de você estar com a liberdade e a privacidade de poder chegar e ir embora a hora que você quiser, sem depender de ninguém e sem ter nenhum tipo de aborrecimento por causa de pessoas que muitas vezes são “sem noção”, opte pelo privativo. É um tipo de gasto que vale MUITO a pena, ainda mais se forem passeios que duram o dia inteiro, imagine passar 8 horas junto à um grupo desagradável, isso estragaria sua viagem com certeza. Chegando na pousada, nos arrumamos e fomos jantar, normalmente os restaurantes fecham por volta das 21:00 (exceto nos finais de semana e férias), então, nada de deixar para comer muito tarde. Nessa noite comemos no Restaurante do Gordo, que fica numa rua atrás da praça central, paralelo ao Banco Bradesco, é só perguntar que todo mundo sabe onde é. O restaurante é simples, mas a comida é maravilhosa, porções fartas e bem servidas. Comemos camarão e peixe frio, cada porção serve bem duas pessoas e sai por volta de aproximadamente R$ 70,00. Recomendo demais! Para finalizar a noite, passeamos um pouco pela praça central e tomamos um sorvete na única sorveteria que fica na praça (não é dos melhores, mas para sobremesa estava ótimo, a casquinha com uma bola é R$ 4,00) Hora de voltar para a Pousada e descansar, amanhã tem muito mais.
  2. Fiz uma viagem em abril de 2019 para a Flórida, mais precisamente: Miami, Flórida Keys e Orlando. Eu e meu namorado queríamos ir aos parques em Orlando e também fazer algo diferente que envolvesse pegar estrada. Vimos algumas fotos da estrada de Florida Keys e decidimos que era pra lá que a gente ia. Vou fazer um resumo da viagem aqui, mas quem quiser detalhes da parte das Keys pode entrar no meu blog: https://seachandonaviagem.blogspot.com/2019/04/florida-keys-de-carro.html 3/4 – Chegamos no aeroporto de Miami por volta das 5 da manhã. A imigração foi super tranquila, usamos aquelas “máquinas de auto atendimento” pela primeira vez. Pode parecer meio intimidador, mas tem como escolher português e o resto é bem auto explicativo. Você escaneia o visto, fala se vai a passeio/negócios/estudo, escaneia as digitais e tira uma foto. Depois é impresso um papel que entregamos ao agente de imigração mais a frente. Pegamos o carro no aeroporto (já havíamos reservado pelo site) e fomos para o hotel. Resolvemos deixar o carro no estacionamento e ir passear por Miami até a hora do check-in. Nosso hotel era em downtown, então andamos um pouco por ali mesmo: metromover (trenzinho gratuito que fica rodando por downtown), parques, bayside market. Conseguimos um check in mais cedo, descansamos um pouco e a noite fomos a pé para a American Airlines Arena ver um jogo de basquete da NBA: Miami Heat x Boston Celtics. Foi muito divertido! Eles fazem de uma partida esportiva um espetáculo. 4/4 – Saímos de Miami cedo (8h) debaixo de muita chuva. 😓 Depois de mais ou menos umas duas horas e meia de estrada, fizemos nossa primeira para em Little Duck Key. Tem um pequeno estacionamento logo após a ponte de 7 milhas onde dá para parar, andar numa ponte e tirar fotos. Mais uns 5 minutos de carro e chegamos ao Parque Estadual Bahia Honda (11h). Paga-se para entrar ($8 por carro com duas pessoas) e você tem acesso a uma praia, estacionamento, banheiro, lanchonete. Foi a melhor praia pública que achei por ali. Andamos um pouco pelo parque (é bem pequeno), entramos na água, fizemos um lanche, mas logo fomos embora. Acho que dá para ficar meio dia ali, o dia inteiro já acho muito. Continuamos na estrada até chegar em Key West (14h), a última ilha de Florida Keys. Deixamos o carro em um estacionamento e caminhamos a pé pelo centrinho turístico. Fomos no marco “mais ou sul dos Estados Unidos” e andamos pela Duval st. Infelizmente não deu para fazer nenhum passeio, pois não tivemos muito tempo. Almoçamos, comemos a famosa key lime pie e por volta das 17h pegamos a estrada de volta para Marathon Key, onde passamos a noite. Decidi por reservar um hotel em Marathon e não Key West porque uma diária na primeira estava metade do preço e, como iríamos para Orlando no outro dia, já economizava uma hora no dia com mais horas de estrada. Não sei se ficou claro, mas a ideia era pegar uma hora de estrada a mais hoje para pegar uma hora a menos amanhã e pagar bem menos na hospedagem. O que perdemos? Passar o fim da tarde e a noite em Key West, talvez fazer um passeio de barco para ver o pôr do sol, beber um drink em algum dos vários barzinhos. A cidade é pequena, mas bem turística com várias atrações legais. 5/4 – Dia de estrada. Saímos às 9h de Marathon Key e chegamos em Orlando às 15h. Fizemos o check in e fomos no mercado comprar água e lanches. 6/4 – Dia de compras: Best Buy, Michael’s, Ross, Outlet... 7/4 – Fomos ao Kennedy Space Center. É um museu muito bacana com várias atrações de missões espaciais, não é um parque de diversões. Fica no centro de construção e lançamento de foguetes de Cabo Canaveral, distante mais ou menos 1h de Orlando. O foco são as missões da Nasa, principalmente a da space shuttle Atlantis e missões Apollo. Tem uma parte dedicada às missões a Marte. Pegando um ônibus (passeio incluso no ingresso básico) dá pra ver de longe o prédio da Space X e Blue Origin. Eu adorei ter ido lá, mesmo não sendo muito ligada nas missões mais antigas da Nasa, pois amo astronomia. Se você for um entusiasta do espaço, dá para passar um dia quase todo por lá. Dica: leve algum lanche porque o restaurante de lá é sofrível. Outra dica, dependendo da rodovia que você pegue pode ser que tenha pedágios e algumas exits só aceitam moedas contadas (nada de guichê para troco) e outras apenas Sunpass. Sempre tem placa avisando, mas é bom sempre andar com algumas moedas no carro. **Acho o assunto dos parques meio batido, então não vou falar muito... mas quem quiser perguntar, eu respondo na maior alegria (amo falar de viagens!)** 8/4 – Parques da Universal. Compramos o ingresso dos dois parques no mesmo dia para poder andar no trem do Harry Potter. 9/4 – Disney’s Hollywood Studios - Fique para o show da noite: Fantasmic! 10/4 – Disney’s Animal Kingdom - O brinquedo "novo" do avatar, Flight of Passage, é sensacional! Vale a fila! Dica: deixe para ir no meio da tarde. A gente chegou logo depois da abertura do parque e a fila estava do lado de fora!!! Tinha uma funcionária organizando a fila com uma placa de 3h! Perguntamos que hora ficava mais vazio e ela disse "no meio ou no final da tarde". Voltamos as 14h e pegamos 50 minutos de fila (a placa na entrada falava 80 minutos). 11/4 – Como o nosso vôo era às 23h em Miami, deu para fazer umas últimas compras em Orlando e almoçar em Disney Springs antes de pegar a estrada de volta.
  3. São Thomé das Letras/MG – Feriadão de set/2017 São Thomé das Letras fica em Minas Gerais, a cerca de 340km do Rio de Janeiro. Fomos num grupo de três pessoas, de carro, seguindo o Waze/GPS. Saímos depois das 23h de quarta, no dia 6/9, e chegamos lá quando estava quase amanhecendo, fazendo menos de 1h de parada no trajeto. Tiveram dois pedágios de um pouco mais de R$14 no caminho. Na cidade tem várias opções de camping e pousadas. Fiquei no Camping do Cid e recomendo. Banheiro sempre limpo, com água quente, geladeira e fogão, bem localizado (dá para ir a pé para o Centro), Wi-Fi, próximo a um supermercado grande. Não tem estacionamento, mas foi tranquilo estacionar na rua. Ficou R$100 por pessoa (4 pernoites). São Thomé é considerado um lugar místico, há várias construções a base de pedras (até o ponto do ônibus), uma praça com a vida noturna agitada (pelo menos no feriado estava), muitas lojas de artesanato e até shows. O clima realmente é agradável na cidade. De carro, você anda bem devagar por causa das estradas de pedras. QUINTA Na quinta saímos umas 10h do camping para conhecer a região, que tem várias grutas, cachoeiras e trilhas (é melhor sair mais cedo, saímos esse horário porque tivemos que dormir um pouco). Fomos primeiro à Praça da Igreja da Matriz, que fica no Centro de São Thomé, onde está a maioria dos restaurantes, bares e lojas, tem um supermercado também. É onde o povo se encontra a noite para beber, comer, cantar, tocar, comprar artesanatos... Mas de manhã poucos estabelecimentos abrem, vários guias ficam próximo a igreja ofertando passeios. Procuramos pelo Receptivo turístico (se não me engano fica subindo a rua do Caverna Pub, virando depois na segunda à esquerda), pedimos um mapa lá e foi bem útil, porque informava a distância, dava uma noção da localização, indicava se a atração era paga, se era necessário guia, etc. Decidimos pegar uma das estradas para cachoeiras e começar da mais longe para a mais próxima do Centro, então pegamos a direção da Cachoeira de Antares, que fica na estrada que vai para a cidade de Conceição do Rio Verde. Fomos seguindo novamente o GPS, o caminho é em direção à rua do portal de entrada da cidade, subindo direto passa por um posto de gasolina e logo mais acima tem placas com indicações das cachoeiras. Com o GPS você acha a maioria dos lugares, alguns são sinalizados ao longo do trajeto, outros são super mal sinalizados. Caso não tenha acesso a GPS é interessante procurar um guia, há pacotes de passeios que visitam vários lugares com van, passeios para grutas com fornecimento de equipamento, etc. Os preços não são absurdos, mas resolvemos ir com a cara e a coragem e foi legal, nem tudo foi como o esperado, mas faz parte . A Cachoeira de Antares fica a 16km de São Thomé, a maior parte do trajeto é por estrada de terra, tem uma queda de mais de 10 metros, que tava com pouco volume de água, mas dava um poço ótimo. Porém, a água é con-ge-lan-te! O acesso é por uma trilha rápida, praticamente só uma descida, que inicia próximo ao Restaurante Antares, que é bem simples. Leve sempre um saco para lixo porque em alguns lugares não tem coleta regular e eles pedem para retornarmos para o Centro com o que levarmos. Em seguida retornamos pela estrada que estávamos e paramos na entrada, que tem um barzinho/portaria, para as Cachoeiras Véu da Noiva (trilha à direita) e Paraíso (trilha à esquerda). Fomos primeiro ao Véu da Noiva, que é de fácil acesso e tem cerca de 20m de altura. É uma cachoeira linda, onde a água percorre as pedras, fazendo várias quedas e formando uma piscina natural. Tem bastante sombra. É cercada por árvores lindas. Seguimos então para a Paraíso, que achei ainda mais linda. Tem uma areia como se fosse uma prainha e uma pequena queda, mas bem forte, formando um poço fundo. O acesso é bem fácil também. No meio da tarde já estávamos indo para última cachoeira que visitamos, a do Flávio, a 6km do Centro, acho que por isso estava bem mais cheia que as outras. Na parte de cima da queda tem uma piscininha natural. Para descer, há uma trilha pequena fácil, através de degraus. Tem um poço raso e as quedas servem como duchas naturais. Passamos ainda em frente a entrada da Cachoeira Eubiose, mas como queríamos ver o pôr do sol não entramos. Quem tiver tempo pode acrescentar ela no roteiro. Paga-se uma taxa de R$5 para entrar. Parece ficar bem cheia também, pois é ainda mais próxima do Centro. Passamos no camping e seguimos depois para a pirâmide para o famoso pôr do sol da cidade. Realmente parece que todos os visitantes se reúnem lá e no Cruzeiro (fica no mesmo lugar praticamente). Apesar de ficar lotado, o clima é bem agradável, havia pessoas tocando violão e cantando, além de ambulantes vendendo bebidas. É possível levar seu cooler/isopor, pois o caminho não é difícil nem longo. Quem quer assistir ao espetáculo do topo da pirâmide tem que chegar cedo, mas há bastante espaço para sentar no entorno. É bom levar um casaco, pois quando o sol se esconde a cidade fica um gelo!!! A noite demos uma volta no Centro, mas acabamos ficando mais no camping mesmo. Fomos apresentados à Cachaça do Gnomo por um colega que conhecemos lá, é docinha, uma delícia, famosa por lá! SEXTA Na sexta-feira pegamos o sentido da cidade de Três Corações e começamos visitando as cachoeiras mais próximas. Fomos primeiro a Cachoeira de São Thomé, que estava vazia, mas é bem bonita. Depois seguimos e chegamos na Cachoeira Vale das Borboletas, a 4km da cidade, e lá já estava bem cheio. Tem duas quedas que ficam como chuveirões e formam uma piscina natural, e uma pequena gruta onde é comum a prática de empilhar pedras para brincar e meditar. Decidimos ir para Cachoeira de Shangri-lá, que seria a mais longe que iríamos nesse dia, a 9km da cidade. Lindíssima e com vários poços para banho, a água estava menos gelada que nos outros lugares também. Amei. Que energia! Em seguida, passamos na Cachoeira da Gruta, mas estava com pouquíssima água, nem ficamos por lá. Alguns moradores nos disseram que a região estava seca mesmo. Depois fomos à famosa Ladeira do Amendoim, onde o carro desce pra cima.rs Isso mesmo! Devido a ilusão de ótica, você desliga o carro, coloca em ponto morto e ele sobe a ladeira. Incrível. Com GPS chegamos lá com facilidade. É uma ladeira com chão de terra, a menos de 2km do Centro. Fomos assistir ao pôr do sol dessa vez na Pedra da Bruxa, mas nem conseguimos chegar por causa do horário e paramos numa pedra do trajeto mesmo e foi ótimo. Assim que o sol se pôs, demos uma volta no Centro e retornamos ao camping. SÁBADO Sábado curtimos um pouco a vista do camping de manhã, é linda e dá para ver muitos pássaros. Depois seguimos o GPS até a Gruta da Bruxa e foi a única vez que isso não deu muito certo. Fomos parar num terreno sem muita vegetação, pedimos informações e nos indicaram um caminho estranho, parecia uma pedreira abandonada. Andamos pra caramba, atravessamos uma mata e saímos no lugar que teríamos que ter chegado de carro. Cruzamos com um guia e um casal que tava vindo da gruta e disseram que é incrível, a mais bonita da região, mas que não é recomendado ir sem guia. Teimosos como somos, decidimos encarar. Pegamos uma trilha louca, descemos por uma cachoeira no meio das pedras e da mata e chegamos na gruta. Olhamos pelo buraco estreito e escuro e vimos trocentos morcegos e voltamos (depois descobrimos que achamos a saída do passeio que é feito na gruta). Mas o lugar era bonito! E também valeu a aventura, mas estávamos doidos por uma cachoeira nessa altura do campeonato. Passamos depois pelo Centro de Sobradinho, onde tem uma igrejinha, paramos numa lanchonete e depois seguimos para a Cachoeira e as piscinas do Sobradinho. Nesse local já há uma infraestrutura melhor, com restaurante e banheiros. É um lugar lindo. Com diversas piscinas e poços maravilhosos, mas bem gelados. Adorei! Depois fomos ao Poço das Esmeraldas, que é belíssimo. Também vale muito a pena. E depois seguimos para a Cachoeira da Lua, que estava bem movimentada, com uma galera sentada em cangas no gramadinho. Tem um camping e um bar em frente. Pareceu bem legal. A cachoeira faz um poção fundo que o pessoal até pula da parte de cima da queda. Voltando para o Centro, demos uma parada na cachaçaria que tem em frente a Cachoeira Eubiose, tem degustação e muita variedade, além do preço mais em conta. Em seguida, fomos até o mirante da cidade, que fica em um dos lugares mais altos do Parque Antônio Rosa, que dá a vista mais completa de São Thomé, inclusive o Cruzeiro e a Pirâmide. Vale a pena ir lá no final da tarde e ficar para o pôr do sol. Lindo! O trajeto não é difícil e é rápido. Fomos de carro até a subida da trilha que leva ao mirante. Depois do pôr do sol voltamos ao camping para tomar banho e ir depois fomos ao Centro visitar as lojas de artesanato e beber. Que cidadezinha maravilhosa! E a cachaça... aiai. Comemos no Thomé Café, que fica próximo a igreja do Centro. Tem hambúrgueres maravilhosos, que recomendo muito. Na manhã seguinte voltamos para casa. Mais relatos no Instagram @viajagora e na minha página do facebook: Sobre Lugares e Destinos (@sobrelugaresedestinos)
×
×
  • Criar Novo...