Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Entre para seguir isso  
PelentirCWB

Roteiro SC / RS / UY

Posts Recomendados

Ola Pessoal,

Estou planejando viagem para Janeiro/19 para ir ao Uruguay, saindo de Curitiba, passando por SC em Balneário Camboriú, Floripa, Serra do rio do Rastro, e depois no RS em Gramado e POA, depois seguir para UY, passar por Punta Del Diablo, Punta Cana, Montevideo e Colonia, alguem tem dicas de locais nesta rota que possa passar para agregar na viagem, e hostels ou pousadas que indicam para hospedagem, vou de carro e pretendo fazer a rota em cerca de 12 dias ida/volta.

 

Abraços.

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  
  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      A experiência de conhecer o Uruguay foi especialmente interessante, pois exceto uma pisadinha no Paraguay e na Argentina em uma viagem à Foz do Iguaçu, quando ainda era criança, nunca tinha viajado para outro país da América do Sul.
       
      Chegamos em um sábado de manhã no pequeno e moderno aeroporto de Carrasco. No começo foi engraçado pedir informações pois não falo espanhol (e pra ser sincera, não é uma língua que me agrada muito) e a técnica do “portunhol” soa ridícula demais! Enfim, com o tempo passamos a usar o português mesmo, que eles conseguem entender se falamos devagar, as poucas palavras que sabemos em espanhol e as vezes até alguma coisa em inglês para ajudar.
       
      É bem simples chegar ao centro, não acho que seja necessário taxi ou van, a não ser que você tenha muitas malas ou prefira algo mais confortável. Bem em frente à saída do aeroporto tem um ponto onde passam vários ônibus com os nomes dos destinos finais, no nosso caso pegamos o “Montevideo” mesmo, caso não vá para o centro é só se informar por lá. O valor é 45 pesos uruguaios (R$4,50) e demora menos de 1h. Ah, caso o motorista não abra a porta quando você der o sinal, grite “Puerta!”, funciona como o “Vai descer!” que usamos aqui em São Paulo rs.
       
      Escolhemos ficar no Hotel California (claro que eu cantei mentalmente a música cada vez que li o nome em algum lugar! Rs), achei o custo benefício bastante bom! A localização é ótima, paralela à principal avenida e apenas alguns minutos da Cidade Velha (onde tinham algumas opções menos caras mas pelos comentários no Booking.com não é uma região muito segura à noite.).
       
      Sábado a tarde e domingo quase tudo fecha na cidade (inclusive casas de câmbio e locadoras de carro), então caminhamos pela avenida 18 de Julio até o Teatro Solís, que fica aberto. A primeira parada foi na Fuente de los Candados, a tradição é a mesma de alguns lugares da Europa, como a Pont des Arts em Paris, onde casais colocam cadeados com seus nomes para que o amor seja eterno.
       
      A arquitetura da capital Uruguaia me chamou muito a atenção, a mistura de estilos arquitetônicos do moderno com o antigo é muito interessante, vale parar alguns minutos diante de alguns prédios só para observar todos os detalhes. Inclusive um dos melhores lugares para notar esse contraste é chegando na Plaza Independencia, onde se encontra o Palácio Salvo, um dos prédios mais lindos de Montevideo, que funciona tanto para escritórios quanto para fins residenciais. Essa praça, que tem como monumento central uma homenagem ao general José Artigas, divide a área central e a Cidade Velha. Na entrada da área mais antiga da capital está a Puerta de la Ciudadela, único resquício de uma antiga fortaleza que protegia a cidade. É bastante interessante pela história, mas não me empolgou muito como ponto turístico.
       

       
      Continuando o caminho, agora já dentro da Cidade Velha, seguimos pela rua Sarandi, onde ficam algumas banquinhas de artesanato, lojas, cafés e restaurantes. A Plaza Constitución, que abriga uma feira de antiguidades, é a mais antiga da cidade. Logo em frente está a Catedral Metropolitana de Montevideo. Na rua da catedral há um lugar chamado Café Brasilero, havia lido em alguns lugares como algo imperdível mas quando cheguei lá não me empolguei em entrar, não sei se seria diferente de qualquer outro café.
       
      Finalmente chegamos ao nosso destino, o Teatro Solís. Às 16h há uma visita guiada por 50 pesos (R$5,00), três jovens funcionários super simpáticos nos apresentaram, em português, aos pontos mais importantes do local. Com certeza a sala principal de espetáculos é a parte mais incrível, inclusive suas cadeiras são feitas com uma tecnologia brasileira que se auto-destrói em caso de incêndio para que o fogo não se espalhe. Os guias contam a história do teatro e curiosidades como essa numa visita que dura aproximadamente 1 hora.
       

       
      A Cidade Velha também é um pólo interessante de arte de rua, eu como apaixonada por grafites, não resisti e tive que registrar alguns.
       
      Como em outubro o sol se põe lá pelas 20h, aproveitamos para caminhar mais um pouco pela Cidade Velha. Entramos para conhecer o famoso Mercado del Puerto (onde estava passando um Palmeiras x Corinthians na TV!), a estrutura é semelhante ao Mercadão de São Paulo, porém dentro (e ao redor) funcionam diversos restaurantes, mas achei bastante caro. Aliás, comer e beber em Montevideo não é exatamente uma pechincha. Acabamos parando para uma cerveja em um simpático café + loja de design chamado Sinestesia, que fica pelos arredores do mercado.
       
      Descemos então para a Rambla (avenida que beira o Rio da Prata) e encontramos um lugarzinho para admirar o fantástico pôr-do-sol entre os uruguaios com suas cuias de chimarrão (todos eles vivem tomando seu chimarrão, em qualquer lugar, à qualquer hora).
       

       
      Como a viagem foi para comemorar o aniversário do namor(i)do, fomos procurar um lugar legal para jantar, pegamos a dica da Avenida Dr. L. A. de Herrera, no bairro de Buceo e fomos de ônibus até lá (uma curiosidade sobre os ônibus, geralmente eles deixam tocando música ou notícias, é como se o motorista tivesse no carro dele, aumentando e diminuindo o som de acordo com seu gosto, chega a ser engraçado! Rs). Bom, essa rua tem diversas opções que parecem bem legais, escolhemos o Barba Roja, uma mistura de bar e restaurante. A dica aqui é, peça um prato para 2, sério, o tamanho deles é realmente absurdo, dá até dó pois não conseguimos comer nem metade.
       
      No segundo dia fizemos um bate e volta em Punta del Este, mas isso será assunto para outro texto. Era domingo de eleições por lá também e foi muito interessante ver o comportamento deles em relação a isso. Desde que chegamos no aeroporto, vimos pelo caminho bandeiras, propagandas, muros pintados, manifestações (pacíficas), enfim, a cidade respirava campanha política. Quando voltamos ao hotel, passando pela 18 de Julio, ficamos impressionados com a festa! Já haviam saído as parciais e o sucessor de Mujica (o atual presidente, que na minha opinião é um exemplo a ser seguido) ganharia. A impressão que dava é que eles realmente estavam felizes e satisfeitos com sua escolha, que tinham confiança no partido que apoiavam, e não eram apenas os mais velhos, crianças e muitos adolescentes e jovens comemoravam efusivamente, o clima era leve, de alegria e paz. Olhando tudo aquilo fiquei com inveja (no bom sentido), eu gostaria muito de poder apoiar um partido que me representasse desta maneira.
       

       
      No fim da noite, caímos sem querer no Facal, um café-restaurante em frente à fonte dos cadeados que diz ser o mais antigo da cidade. Recomendo muito comer as empanadas de lá, são deliciosas! Além delas, outra iguaria típica do país é o Chivitos, que não passa de um sanduíche com diversos recheios para escolher, como não como carne, não posso dizer se é algo que vale a pena ou não.
       
      No dia seguinte começamos pelo Mirador de la intendencia, um mirante 360º que fica no último andar do prédio da prefeitura e é de graça, basta retirar a entrada no centro de informações turísticas que fica bem em frente.
       
      De lá seguimos para o Parque Rodó, bastante agradável e bem cuidado. Nossa ideia era continuar a pé pelas Ramblas até a Playa Pocitos, mas o calor estava insuportável e foi realmente impossível completar o trajeto, acabamos conhecendo apenas a Playa Ramirez e passando em frente ao Memorial del Holocausto.
       

       
      Não dá pra ir embora sem trazer na mala vinhos e alfajores né? Então pegamos a indicação do Ta-ta, um mercado barato onde encontramos bons vinhos por uma média de R$15,00 e uma infinidade de opções de alfajores e doces de leite, ficamos com os da marca Lapataia, indicação de uma brasileira (e são mesmo muito bons!).
       
      Esse é o tipo de viagem diferente que é possível fazer em um fim de semana, fique de olho nas promoções de passagens aéreas e vá aproveitar toda a simpatia do Uruguay.
       
      Texto original e mais fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/uma-escapadinha-para-montevideo/
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/bate-volta-em-punta-del-este/
       
      Durante nossa viagem à Montevidéu, resolvemos fazer um bate-volta para Punta del Este, afinal, é quase obrigatório já que é tão pertinho e fácil de chegar. A maioria das pessoas vai atrás das praias, cassinos (que são liberados por lá) e badalação. Eu confesso que a parte da cidade que mais me chamou atenção foi justamente a que era o oposto disso. Não foi um lugar que me encantou, mas tem lá seu charme!
       
      Saímos no domingo cedo e pegamos um ônibus até o aeroporto para buscar o carro alugado na Budget. A estrada é bem tranquila e o caminho é basicamente uma reta só, o trajeto dura aproximadamente 1h30. Ah, uma dica importante, logo que chegamos no hotel em Montevidéu, um funcionário já nos alertou sobre a lei seca, disse que haveriam muitos comandos na estrada e que lá não há tolerância, qualquer sinal de álcool (e até maconha) no bafômetro é problema e para jamais propormos “dar um jeitinho”, pelo jeito lá as coisas funcionam um pouco diferentes daqui… Bom, o fato é que tinham mesmo muitas blitz, então se for beber, vá de ônibus!
       
      O primeiro lugar que paramos foi uma mega furada! Um conjunto de esculturas de sereias sobre as pedras na beira do mar na Plazoleta Gran Bretania. Com todo respeito ao artista, aquilo é horrível! Fala a verdade, dá medo, não dá??? Mas o interessante desse lugar é que ele fica bem na pontinha da península, onde ocorre o encontro do Rio da Prata com o mar.
       
      Ali pertinho fica a parte mais fofa da cidade, a que mais gostei! Pra começar, as casas não tem números, e sim nomes. Elas são enormes e lindas, mas sem ostentação. Os atrativos desse simpático e aconchegante “bairrinho” são o farol e a Parroquia Nuestra Señora de la Candelaria, uma graça de igrejinha em homenagem à padroeira da cidade.
       
      Seguimos para o porto pois a ideia era pegar um barco até a Isla de Lobos para ver leões marinhos, mas chegamos um pouco tarde e os barcos só saiam até 12h se não me engano. Queria taaanto fazer esse passeio, fiquei decepcionada, se quiser ir, lembre-se de chegar cedo! Ah, e verificar a época também, não é sempre que os animais aparecem na ilha. Pelo menos chegamos a ver alguns deles ali mesmo, perto das bancas de peixes esperando pra ganhar as sobras (e rola uma briga pra ver quem vai ficar com elas!).
       
      Paramos para almoçar no El Pobre Marino, o ambiente do restaurante é bem kisth, mas até que combina com o clima de Punta rs. Meu prato estava meio sem graça, pedi panquecas de espinafre, mas o Dan pediu carne e gostou. O valor era Ok então saímos satisfeitos.
       
      O próximo ponto foi o cartão postal de Punta, o Monumento ao afogado, ou popularmente conhecido como Los dedos. A escultura é do artista chileno Mario Irarrázabal e fica na primeira parada da Playa Brava (as praias são todas divididas assim, P1, P2, P3…). Apesar de clichê, achei bem interessante e lógico que quis fazer umas fotos ali também, mas é preciso paciência pra conseguir clicar os dedinhos sem ninguém na frente!
       
      Um pouco mais afastado do centro fica a Puente Leonel Vieira, seu diferencial é ser ondulada, dando um friozinho na barriga de quem passa de carro por lá, mas também nada de tão interessante, não sei se vale a visita.
       
      Antes de ir embora ainda passamos pelo bairro de Beverly Hills, dominado por enormes mansões com lindos jardins, mas sinceramente, prefiro mil vezes a parte mais simples da cidade, que falei aqui no começo do post!
       
      Na volta para Montevidéu paramos para ver o pôr-do-sol na Casapueblo, em Punta Ballena, um dos mais incríveis que já vi!
    • Por nani.etc
      Depois do Feriado de 7 de setembro, viajei a Gramado com meu namorado. Fomos no domingo, dia 08/09, leia-se BAIXA TEMPORADA.
      Saímos do Rio de Janeiro pela GOL, no vôo de 10:35h e chegamos em Porto Alegre 12:45h. Em Porto Alegre, pegamos um transfer com a Brocker Turismo, pois não queríamos alugar carro. Eles cobram R$112,50 por trecho, por pessoa. 
      Saída do Rio: 10:35h
      Chegada em Gramado: +- 15:30h
      O micro-ônibus da Brocker foi eficiente, tinha tomadas para carregar o celular e um guia falando um pouco sobre os principais pontos da cidade (e aproveitando para vender os passeios da empresa). Nós fechamos o Bus Bier Tour, que detalharei mais pra frente. Nos deixaram bem em frente ao nosso Hotel e ajudaram com as malas.
       
      HOSPEDAGEM
      Nos hospedamos no Hotel Alpestre, que fica em uma área verde de 12mil m², localizado num bairro residencial (tranqüilo e silencioso). O hotel fica a 1km de distância do Lago Negro e principais vias da cidade. Suas instalações incluem 2 piscinas ao ar livre, 1 piscina coberta e quadra de tênis. Os quartos possuem ar-condicionado, sistema de aquecimento, TV LCD e banheiro privativo bem espaçoso com amenidades como secador, xampu, sabonetes e condicionador. Nós ficamos em um apartamento Super Luxo Vista Cidade, que acomoda 2 pessoas (+- R$300 por diária), mas eles possuem outras opções de quartos, incluindo para famílias.
      No Alpestre, o buffet de café da manhã é farto e servido a partir das 06:00h da manhã, com diversas opções: geleias, biscoitos, bolos, queijos, waffle com calda, pães, tortas salgadas, pão de queijo, ovos, salsicha, além de uma mesa especial com alimentos sem glúten e lactose e outra com alimentos próprios para as crianças.
      Além disso, o hotel também oferece serviço de transfer para os hóspedes com destino ao Centro de Gramado, wi-fi gratuito (inclusive nos quartos), espaço com computadores para utilização dos hóspedes, espaço Copa Baby para auxilio aos pais dos pequenos. Não é a à toa que ele foi eleito consecutivas vezes  um dos melhores hotéis para família pelo Travelers Choices Tripadvisor.
        
       
      PRIMEIRO DIA (08/09 - domingo):
      Deixamos as malas no hotel e fomos dar um passeio pelas ruas de Gramado. O hotel fica bem perto de tudo, então fizemos praticamente TUDO à pé. Primeiro visitamos o Pórtico (500m do hotel), depois fomos ao Lago Joaquina Rita Bier, passamos pela estátua do Kikito, conhecemos a Rua Torta, o espaço Tô de Férias (espaço interativo para fazer fotos legais), a Igreja Matriz de São Pedro, logo ao lado, a Fonte do Amor Eterno... Ufa! Pelo tempo que tínhamos antes de escurecer, fizemos até bastante coisa.


       
      Depois, voltamos para o hotel para descansar um pouco e, à noite, fomos conhecer o Porto Cara de Mau. Pelo valor cobrado (R$119 por pessoa), achei que iria me arrepender, mas acredite: VALE CADA CENTAVO! A recepção é realizada de forma característica do Porto Cara de Mau: toda a equipe tem um sincronismo e buscam atender o cliente da melhor forma possível, tornando essa experiência única para cada um. Eles dão um show de alegria, simpatia, irreverência e atuação, fingindo serem piratas maus de verdade. Com relação aos sabores, muitos! Desde as mais tradicionais às mais gourmetizadas: minha preferida foi a de salmão com geleia de frutas vermelhas. Você se sente muito satisfeito! O conselho é chegar cedo (entre 18:30h e 19h), nós chegamos 19:30h e esperamos quase 1h na fila. Mas valeu a pena: você se sente tão bem atendido, bem servido, uma variedade enorme de pizzas salgadas e doces, calzones, drinks, o show com os piratas, você simplesmente não tem vontade de sair de lá. E claro, as filas vão crescendo, e infelizmente a gerência não têm como controlar isso. De forma alguma eles seriam deselegantes pedindo para a mesa encerrar o consumo ou finalizar a conta, para que outras pessoas possam entrar. Não é um rodízio de pizza que você tem a oportunidade de ir toda semana, então desfrute dessa experiência da melhor forma possível.

       
      SEGUNDO DIA (09/09 - segunda-feira):
      Tomamos café bem cedinho e aproveitamos um dia do Ticket Bus Tour. (R$69 por pessoa, por dia). O Bus Tour é um ônibus turístico daqueles de dois andares bem típicos de grandes centros como Barcelona, Paris, Londres, Curitiba… Ele é circular e tem mais de 30 paradas estrategicamente escolhidas, sempre próximo aos principais pontos das cidades. É possível subir e descer quantas vezes quiser durante o seu período de funcionamento. Mas aqui fica um parenteses: eu não curti muitooo! Por que? Porque demora bastante para ir de um ponto ao outro (pelo ônibus ser grande e lento). Não pegamos taxis em Gramado, mas os Ubers funcionam bem e são bem em conta (inclusive utilizamos ele várias vezes durante os dias e o valor mais caro que pagamos foi o de R$13,78 (Canela x Gramado). Então vai de gosto:
      Se você quiser conhecer a cidade em um ônibus de dois andares bem legal, ouvir um pouco da história dos pontos turísticos e não ter o trabalho de ter que chamar um carro: APOSTE! Agora, se você quiser mais rapidez, não se interessa em conhecer a cidade por um todo, quiser apenas seguir um roteiro pré-determinado: TENTE O UBER (obs.: sugiro simular as corridas antes para ver o valor que sairá no final). Mas vamos ao meu roteiro:
      Pegamos o Bus na parada 22 (em frente ao Hotel Alpestre) em direção à Canela. Passamos por praticamente todos os pontos turísticos de Gramado até chegar na Parada 01 (Catedral de Canela). Demoramos, juro, 1:15h apenas nesse trajeto do hotel para Canela (que de Uber faríamos em 15 minutos), mas como eu disse, deu pra conhecer a cidade de cima, relaxar sentadinhos e ouvir um pouco da história de cada ponto turístico. Tiramos fotos, apreciamos a Catedral de Pedra, que é muito linda, e, de lá, não quisemos esperar o ônibus passar novamente e pegamos um UBER até o Parque do Caracol, que eu super me arrependi (R$20 por pessoa apenas para ver um mirante). A escada que dá acesso à cascata estava interditada. Era melhor termos ido aos bondinhos aéreos, seriam as Paradas 06 e 07 respectivamente (não fomos aos bondinhos depois porque seriam mais R$40 por pessoa). Depois que eu me desestressei (risos), esperamos o bus tour e fomos até a Fábrica de Chocolate da Prawer (Parada 32), onde há uma pequena visitação da fábrica, os chocolates são carinhos, mas bem gostosos. Por fim, esperamos novamente o bus e fomos ao Mini Mundo (Parada 20), uma das atrações que mais gostei e vou detalhar um pouco mais. (OBS.: Não gostamos de Museus, e vimos relatos que os de Gramado são muito enganadores, então menos vontade tivemos de conhecer algum.)


       
      MINI MUNDO
      Era uma vez um pai e um avô, que resolveram presentear suas crianças com um pequeno mundo de fantasia. Construíram então, no jardim em frente ao Hotel Rita Hoppner, pertencente à família, uma casinha de bonecas e um conjunto de castelos, com trenzinhos em miniatura. Pensando em dividí-lo com os hóspedes, construíram também uma pequena cidade em miniatura, envolvendo os seus próprios sonhos, e dando vida aos mini-habitantes. O Mini Mundo é formado por réplicas fiéis de prédios de várias partes do mundo baseadas em seus projetos originais. Juntas, elas constituem uma cidade em miniatura, onde tudo é 24x menor do que a realidade. As reproduções são elaboradas pelo próprio parque. Algumas chegam a exigir meses de dedicação, testes e experiências. O parque abre diariamente de 9h as 17h e o ingresso custa R$42, com meia entrada para quem possui o benefício (menores de 2 anos são isentos), e conta também com local para alimentação, lojas temáticas e espaço infantil.

      Nossa visita ao Mini Mundo nos despertou a curiosidade de conhecer o Hotel Ritta Hoppner, que fica do outro lado da rua, e como já era fim de tarde, fomos provar o tradicional Chá da Tarde do hotel. E caiu muito bem depois de um dia intenso de atividades. 😉 A ''excelência'' é a palavra de ordem, tradição que começou como serviço de quarto e que há 13 anos tornou-se um ritual nos salões. O menu servido na ''torre'' varia a cada dia da semana, porém sempre combinando os sabores de tarteletes com a grande variedade de doces e salgados. Chás, cafés e chocolates acompanham o waffle, geleias e o tradicional apfelstrudel. Ah! Você pode repetir qualquer item quantas vezes quiser. O problema é se controlar...  O chá acontece todos os dias, das 16h às 18h, no restaurante do hotel. Ele é oferecido gratuitamente para os hóspedes, mas também é servido ao público externo pelo valor de R$59 + taxa de serviço. Mas claro, quem me segue no instagram (@nani.etc) tem benefícios: basta dizer ao gerente Igor que é meu seguidor e o valor fica em R$50 + taxa. 😁

      Depois do chá maravilhoso, voltamos à pé ao nosso hotel para desgastar tanta comilança, rs. E descansamos um pouco.
      À noite, mesmo sem muita fome, fomos conhecer o Hard Rock Café. Pedimos um prato com três tipos de aperitivos, um drink e um chopp. Achei mais do mesmo.

       
      TERCEIRO DIA (10/09 - terça-feira):
      Acordamos bem cedinho para tomar aquele café da manhã bem gostoso e pedimos um UBER para o Snowland. Mesmo sendo de neve artificial, o Snowland é muito procurado e fica muito lotado, o que pode estragar o seu passeio. Recomendo que você evite, se possível, feriados, sábados e domingos. E chegue pela manhã, para evitar filas. O ingresso não é barato (R$135 por pessoa). Todos querem fazer de tudo. Se você não chegar cedo, perderá horas nas filas para entrar (pois é necessário preencher um termo de responsabilidade e colocar a pulseira que dará acesso às atrações), para pegar a roupa de neve, para patinar, para entrar no ambiente da montanha de neve e haverá mais gente para fazer tubing. Nós chegamos antes das 10h (hora que abre) e já havia uma pequena filinha por lá. O ingresso padrão do Snowland Gramado dá direito à botas, calça, casaco, capacete e luvas para acessar a Montanha de Neve. Não são suficientes. Leve luvas, meias grossas, manta e uma blusa térmica extras. Lembre-se, você estará dentro de um freezer! Conseguimos nos divertir muito, mas acredito que muita gente não deve gostar por não ter um bom custo-benefício!

       
      Saímos correndo de lá, pois havíamos agendado o Bus Bier Tour (R$149 por pessoa) com a Brocker Turismo. O Bus Bier Tour é daqueles passeios pra amantes de cerveja e curiosos sobre o processo de fabricação. O ônibus parte do centro da cidade, em frente ao escritório da agência Brocker e faz um percurso de cerca de 3h30. A bordo do Bus Bier, que é uma atração a parte, visitamos as Cervejarias GramBier e Rasen Bier que se localizam em Gramado, e a Cervejaria do Farol em Canela, onde não somente a cerveja de alta qualidade chama a atenção, mas também por possuir uma réplica de um farol com 32m de altura, de onde é possível avistar municípios como Gramado, Caxias do Sul e São Francisco de Paula. Nós compramos o passeio com a degustação e ganhamos uma caneca de Chopp personalizada do Bus Bier. 
      Pra quem tem curiosidade do assunto, esse tour pelas cervejarias de Gramado é indispensável. Dá até pra beber bastante, mas o foco principal não é um passeio “open bar” ou uma festa no ônibus, mas o processo de fabricação e degustação de cervejas artesanais. Até há concorrentes que fazem o passeio em Kombis e com chopp "open bar", mas também há um contra: vi muita gente fazendo parte do passeio à pé, andando e bebendo atrás das kombis! (Pra quem curte beber mais do que apreciar, pode ser válida a troca.)

       
      Terminamos nossa terça-feira indo conhecer um dos Cafés Coloniais de Gramado. Pedimos ao motorista do Bus Bier para nos deixar próximo ao Café Colonial Bela Vista e assim foi feito. 
      Quando 80 tipos de comida vêm à sua mesa, é complicado decidir o que comer primeiro. O Bella Vista é o Café Colonial pioneiro do Brasil e também o maior de Gramado. Já pensou em misturar comida de café da manhã, almoço, lanche e jantar numa refeição só? Pois é! 👌 Entre os salgados, eles oferecem croquete de frango e rissoles de presunto e queijo. Para quem não quer ter muito peso na consciência, dá para investir nas proteínas: lombo de porco, linguiça e filé de frango grelhado. Claro que numa região típica alemã e italiana não pode faltar também polenta frita, pepino em conserva e porquinho à milanesa! Suco de uva, vinho, café, chocolate quente e frio e chás fazem parte das bebidas. Com exceção das sobremesas, tudo é servido na mesa (como dá pra ver na foto). Se desejar, você pode pedir para repor, sem custo extra. Depois é só atacar os doces nas geladeiras do salão. Eu provei mousse, pudim e sorvetes! O valor é de R$82 por pessoa (os meses de Agosto e Setembro tiveram desconto: R$70). Crianças de 5 a 9 anos pagam metade do valor e menores de 5 anos não pagam.

       
      QUARTO DIA (11/09 - quarta-feira):
      Hoje foi dia de conhecer o Parque Terra Mágica Florybal, idealizado pelo proprietário da Florybal Chocolates, um das principais marcas de chocolate artesanal de Gramado/Canela. Muita gente acredita que seja muito infantil, mas eu e meu namorado adoramos! Todo o percurso do parque é muito bonito e cheio de esculturas gigantes, ambientadas em cenários. Os bonecos e personagens fantásticos do parque são criados artesanalmente em um pavilhão da Florybal. As trilhas conduzem o passeio monitorado por fascinantes caminhos por histórias do mundo, como espaço dos primatas, aldeia dos índios, lago das deusas, floresta mágica, mas a área dos dinossauros, na minha opinião, é a que rouba a cena. A aventura e adrenalina é garantida com Tobogãs, passeio com o  Dino Móvel, o Voo do Pterodáctilo e ainda o Cinema 7D, com filmes para viver emoções e sensações em sete dimensões. O Parque ainda possui dois espaços para o visitante fazer um lanche ou almoçar durante o passeio. No território dos dinossauros, o Dino Lanches tem lanches deliciosos para você saborear com uma decoração toda em pedra. Já o Castelo Medieval Temático chama a atenção pelos detalhes e características arquitetônicas. O local dispõe de praça de alimentação e um restaurante completo com pratos destaques da Serra Gaúcha, além de playground com brinquedos eletrônicos, loja com artigos produzidos na região e souvenirs. O parque funciona diariamente das 9h às 17:30h, inclusive nos finais de semana e feriados. Ele oferece transfer gratuito: estando hospedado em Gramado e Canela, basta você ligar para e marcar a hora que eles vem te buscar. O ingresso custa R$70, e tem meia entrada para crianças, estudantes e idosos. Algumas atrações, como o cinema 7D, são pagas a parte.


      Saímos do Parque e fomos fazer um lanche em Canela mesmo. Escolhemos o Skillo Lanches, o qual haviam falado bem para a gente. Comemos dois sanduíches (bem grandes por sinal), o meu vinha com batata-frita por dentro.
      Após, pegamos um Uber e fomos ao Lago Negro, fizemos um passeio bem gostoso e, com certeza, se não tivéssemos comido por Canela, comeríamos no restaurante do Parque. Fica a dica!

      Como fomos durante o Festival de Cultura e Gastronomia de Gramado, onde diversos restaurantes da cidade, criam um prato especial e exclusivo para o evento, a um valor único, nas bancas de comida e bebidas na rua Pedro Benetti, resolvemos passar por lá com mais calma. Tomamos um chopp artesanal apenas.
      À noite, fomos jantar Fondue no Restaurante Malbec. Eles também oferecem transfer ida e volta gratuito para quem estiver hospedados nos hotéis da cidade. A sequência custa R$96 por pessoa. O preço pode assustar, mas paga-se pela experiência. O restaurante é um dos mais bonitos da cidade, conta com três ambientes (térreo, superior e deck), os garçons bem atenciosos e a comida, excelente. Ficamos no deck e iniciamos a sequência com o tradicional fondue de queijo, acompanhado por pão adormecido, brócolis, linguiça calabresa, batata e goiabada. Em seguida o fondue de carne na pedra, o La Pierrat, cortes nobres de carne bovina, suína e frango, guarnecido por 12 variedades de molhos e farofa. Para finalizar a série, o fondue de chocolate traz os sabores das frutas da estação. Chegamos no restaurante com o tempo limpo e uma temperatura agradável. Do nada, uma enorme neblina tomou conta da rua atrás de nós. A temperatura caiu, óbvio. E o garçom nos ofereceu mantas para nos aquecer ainda mais.

       
      QUINTO DIA (12/09 - quinta-feira):
      Dia de nos despedir de Gramado. Nosso transfer com a Brocker estava marcado para 9:55h. Só deu tempo de nos lamentar por comer pela última vez o café da manhã do Alpestre.
      Acho que deu pra perceber que não pegamos nenhum dia de frio ou chuva na cidade, o que não sei se foi bom ou ruim, já que não sou fã de frio. Mas logo no último, o dia amanheceu chovendo, pareceu triste por estarmos indo embora, rs. Mesmo comendo bastante, sentimos fome durante a espera no aeroporto de POA. Motivo: nenhum restaurante estava funcionando. E uma das duas lanchonetes que ainda restaram queria cobrar mais de R$50 reais por um salgado, dois sucos e um bauru. Nosso vôo era às 15:15. Chegamos no Rio 17:20h, mortos de fome!

      Siga-me no instagram para ficar por dentro de todas as minhas viagens e dicas: https://www.instagram.com/nani.etc/
    • Por Tadeu Pereira
      Salve Salve Mochileiros! 
      Segue o relato do nosso mochilão batizado de Trinca de Áries pelo litoral do Uruguai.
       
      1º Dia: Partida - 26/12/17 - 19h30min - São Paulo x Porto Alegre - Empresa de Ônibus Penha - R$226,65
          Partimos de São Paulo Capital do Terminal Rodoviário do Tietê às 19h30min do dia 26 de Dezembro de 2017 em direção ao sul do país para cruzarmos a fronteira do Brasil com Uruguay. Depois de uma chegada conturbada ao terminal do Tietê conseguimos embarcar sendo os últimos a entrar no ônibus com um pequeno atraso rs. A viagem seguiu tranquila com paradas de 3 em 3 horas de 25 a 30 minutos. Chegamos em Porto Alegre às 16h00. 
       
      2º Dia: 27/12/2017 - 23h00 - Porto Alegre x Chui - Empresa de Ônibus Planalto - R$145,45 - Guarda volumes R$8,00 - Banho R$15,00 
          Chegando na capital gaúcha na Estação Rodoviária Central fomos logo comprar as passagens com a empresa Planalto para o Chui. Passagens compradas encontramos um guarda volumes no terminal para guardar nossas mochilas por R$8,00 pois iriamos embarcar somente às 23h00 para o Chui. Decidimos andar um pouco pelos arredores da rodoviária, andamos por algumas praças visitamos o Mercado Público e logo fomos procurar as margens daquele imenso rio que cortava a cidade toda. E encontramos!     


      Depois de andar um bocado pela cidade, comer e tomar a cerveja Polar famosa no sul, fomos para as margens das águas do rio Guaíba e encontramos um dos mais belos por do sol do mochilão, ficamos algumas horas contemplando aquele momento.
       

       
           Após esse espetáculo da natureza gaúcha retornamos para o terminal rodoviário para pegar as mochilas no guarda volumes e tomar um belo e merecido banho que encontramos no terminal rodoviário custando R$15,00 Reais por 8 minutos de banho quente. E acreditem, o tempo dá e ainda sobra rs! Banho tomado, celulares recarregados, barriga cheia é pé na areia, fomos para a plataforma de embarque aguardar o ônibus do nosso próximo destino, o Chui. 
       
      3º Dia: 28/12/2017 - 9h30min - Chui x Punta Del Diablo - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol - $97,00 Pesos - Câmbio 8.30 - Taxi $150 Pesos - Camping $140 Pesos - Glamping $160 Pesos 
          Desembarcamos no Chui por volta das 7h00 da manhã, a cidade ainda estava acordando e não havia muitas pessoas pelas ruas. Fomos a procura das passagens para Punta del Diablo com a empresa Rutas del Sol, mas antes teríamos que atravessar a fronteira rs. Andamos algumas quadras e chegamos nas avenidas Uruguay e Brasil sendo ali a fronteira Brasil e Uruguai onde atravessamos caminhando. Pronto agora estamos no Chuy com Y mesmo ahuahuah.  Encontramos o guichê da Rutas del Sol e compramos nossas passagens por $97,00 Pesos para às 9h30min horário do Uruguai, pois não existe horário de verão como no Brasil, basta atravessar a fronteira que o horário altera, então lembre-se disso. Tomamos um ótimo café da manhã em um hotel restaurante chamado Nuevo Hotel Plaza localizado na Rua Arachanes, na mesma praça que se embarca pra Punta del Diablo. Pagamos R$20,00 Reais e comemos e bebemos à vontade depois fumamos nosso primeiro baseado em terras legalizadas ahahaha e o próximo passo seria fazer o cambio da moeda local, encontramos varias casas de cambio por ali mesmo nos arredores. Conseguimos uma cotação de 8.30 e trocamos R$250,00 Reais pois os próximos destinos não teriam casas de cambio. Embarcamos atrasados novamente, mas dessa vez pela confusão de horário que fizemos devido o horário de verão no Brasil e no Uruguay não ter. 
           Saindo do Chuy após uns 20 minutos o ônibus irá fazer uma parada na ADUANA (Administración de Aduanas de Chuy) que é responsável pela fiscalização e imigração de fronteira. Como a empresa de ônibus é uruguaia o motorista irá gritar "imigracion" mas se não houver ninguém para firmar a entrada no pais ou seja os turistas, o ônibus seguira em frente. Foi exatamente o que aconteceu com o nosso ônibus, como ninguém quis firmar a entrada no país o motorista seguiu viagem sem ninguém ao menos precisar descer do ônibus. A dica é: exija sempre sua entrada no país que estiver indo na América do sul, nós não fizemos isso como todos no ônibus e pagamos por isso na volta, mas contarei essa situação mais a frente. 
         
                                                         
       
           Chegamos por volta das 11h00 em Punta del Diablo, o dia estava nublado um pouco fechado porém ainda assim não tirou a magia do lugar. Logo que desembarcamos fomos em uma barraquinha que tinha uma simpática senhora que vendia tortas de algas, compramos algumas pegamos um táxi pagamos $150 Pesos e fomos direto para o camping FLOR DE PEZ. Um pouco afastado do centrinho e do mar de Punta del Diablo o camping fica na Rua Nº1 e é muito aconchegante, limpo, com wifi, com opção de glamping $160 Pesos o dia e camping $140 Pesos o dia, com ótimos banheiros e chuveiro quente. 
        


                         Acampamento montado fomos conhecer as praias de Punta del Diablo. Descendo a rua do camping com uma caminhada de 10 minutinhos e chegamos a Playa del Rivero. De fácil acesso, praia movimentada, embora estivesse um pouco vazia este dia devido ao tempo nublado, mas logo surgiu um sol lindo e a praia lotou de turistas. Compramos os famosos bolinhos de algas que são vendidos nas praias mesmo. Eles lembram um bolinho de arroz ou um tempurá rs, mas são muito bons, recomendo que comprem os da praia e não direto dos quiosques, pois os da praia são mais baratos, pagamos $100 Pesos por umas 15 unidades e são muito bons. Ficamos perambulando pelos arredores e fomos conhecer o mercado das Pulgas no centrinho da cidade, mais a noite a vida noturna da cidade é bem movimentada. Existem diversos bares, barracas de artesanato, comidas, lojinhas e diversos artistas. Comemos o famoso Chivito com fritas por $300 Pesos e brindamos nosso primeira praia em terras uruguaias com a deliciosa cerveja Patricia pagando em torno de $100 Pesos. Voltamos para o camping para um bom e merecido descanso. ZZZzzzzZzzZzzz...

                          
           Energias recarregadas bora conhecer outros lugares, fomos para Playa de los Pescadores e logo a frente o Monumento do General Artigas e vimos de longe a Playa de la Viuda que fica um pouco afastada. No Monumento do General Artigas conhecemos um casal de Blumenau que estavam indo para o nosso próximo destino, Valizas. Eles gentilmente ofereceram uma carona para nós, o que poupou o valor do transporte, combinamos de encontrar umas 16h30min. Fizemos nossas mochilas, erguemos acampamento, despedimos da galera do camping e fomos nos encontrar com casal de Blumenau para seguirmos para Valizas.  
        
       
      5º Dia: 29/12/2017 - 17h10min - Punta Del Diablo x Valizas - Carona R$0,00 - Camping $350 Pesos - Cuia, bombicha e garrafa térmica $118 Pesos 
           Chegamos em menos de 1h em Valizas e fomos direto ao camping LUCKY VALIZAS para tentar encontrar vagas. Encontramos um Eco camping todo estruturado, com muitos animais, ótimos banheiros com água quente, boa cozinha, ótima área de camping, quartos compartilhados, suítes e localizado a algumas quadras da praia. Fechamos 3 dias por $1050 Pesos pois iriamos precisar de três dias para conhecer Valizas e fazer a travessia para Cabo Polônio para passarmos a virada de ano. 



          Montamos nossas barracas novamente e saímos para conhecer as praias de Valizas. Caminhas uns 10 minutos com o sol ainda alto no céu e encontramos uma praia com uma faixa de areia extensa, com as dunas em direção a Cabo Polônio separadas por um estreito rio que quando a maré esta baixa pode se atravessar com a água nos joelhos. Decidimos ficar o resto da tarde na praia e fomos presenteados com um belo por do sol.    

              

            Ficamos muito felizes com o camping que escolhemos, parecia q estávamos em uma fazendinha com vários animais ao nosso arredor rs, a energia do lugar era muito boa, fomos muito bem recepcionados neste belíssimo Eco camping. Quando a noite caiu fomos ao centrinho de Valizas, com algumas opções de restaurantes, bares, diversos tipos de artesanato e muitos artistas pelas ruas. Em uma rua encontramos varias apresentações feitas na rua livre pra todo mundo ver. Uma pena que chegamos bem no finalzinho das apresentações mas já dava pra notar que ali seria o nosso lugar! Entramos em uma loja das famosas cuias para se tomar chá que os Uruguaios tanto gostam. Compramos a cuia com a bomba mais a garrafa térmica por $118 Pesos, só faltava o chá que nos mercados locais achamos facilmente. 
                 
       
                                                 
           Acordamos no sétimo dia um pouco mais cedo pois iríamos fazer o ponto mais alto do nosso mochilão, a travessia pelas dunas e pelo mar de Valizas até Cabo Polônio. Levamos 2 mochilas com algumas cobertas, blusas de frio, lanternas, água e algo para comer. Optamos dessa forma para poupar peso durante o trekking de 4 horas. 
       
      7º Dia: 31/12/2017 - 16h00min - Valizas x Cabo Polônio - Trekking 4hs - Travessia barco $50 Pesos - Chivito $200 Pesos - Cerveja Patricia $140 Pesos - Farol $25 Pesos 
            Saímos do camping por volta das 15h00, fizemos uma boa alimentação antes, passamos bastante protetor e nos dirigimos a travessia de barco pois o mar este dia estava muito alto para atravessar a pé com as mochilas, pagamos o valor de $50 Pesos por pessoa e em 5 minutos estávamos do outro lado. A caminhada começa pelo lado direito seguindo o rio e alguns metros a  frente começamos a andar nas dunas a esquerda, um nativo nos indicou desta forma pois o caminho seria menor.
                                                    
           Andamos umas 2 horas e chegamos a um mirante que tem uma vista fantástica de Valizas e de todo caminho q iriamos percorrer até Cabo Polônio. Decidimos sair das dunas e caminhar pelo mar pois a terra era mais firme e não cansava tanto. O caminho pelo mar era incrível, caminhamos vendo um por do sol sensacional e já enxergando o farol de Cabo Polônio em nossa frente. Encontramos também alguns animais mortos pelo caminho, na maioria filhotes de lobos marinhos que provavelmente se separaram de seus pais e não conseguiram encontra los mais, triste porém é a natureza! Chegamos no farol por volta das 19h00 e fomos direto para colônia de lobos marinhos que existe atrás do farol. Foi lindo ver tantos lobos marinhos juntos, gritando, brigando e procurando um espaço nas pedras, ficamos emocionados e realizados por tudo aquilo que estávamos vendo. Assim que a noite veio fomos para o centrinho de Cabo Polônio, afinal de contas era o último dia do ano e tínhamos que encontrar algum local pra comer, passar a virada e dormir.  
            
         
       
       

       


       
                                                                                                                                                                                                                                                 
           Encontramos um ótimo local que servia chivito por R$200 Pesos e cerveja Patrícia por R$140 Pesos. Energias recarregadas ficamos perambulando pelas ruazinhas de Polônio onde se encontra diversos bares, restaurantes e lojinhas com maravilhosos artesanatos. Passamos a virada por ali mesmo com aquele céu lindo cheio de estrelas, assistimos diversas queima de fogos iluminando aquela pequena vila e nos mostrando um pouquinho do que iríamos ver quando o sol nascer, pois Cabo Polônio não existe energia elétrica. Após toda festividade de ano novo nos dirigimos para praia e encontramos uma cabana de salva vidas onde nos abrigamos da fina chuva que se iniciou na madrugada. Acabamos dormindo por ali mesmo. 
           O sol nasceu  pela primeira vez em 2018 nos mostrando a verdadeira magia daquele lugar, nos deparamos com uma bela praia com um céu muito azul e um belo farol que estava fechado pelo feriado mas tinha um valor de $25 Pesos. Andamos por toda a vila e fomos novamente para a colônia de lobos marinhos atrás do farol. Uma imagem quase que de Discovery Channel hahaha. Ficamos horas contemplando aquela fantástica paisagem.

        
        
          
           A volta para valizas foi um pouco cansativa, saimos por volta das 14h00 e fomos somente pelo mar fazendo o percurso mais longo mas muito bonito também. Paramos poucas vezes para tomarmos água e fotografar pois teríamos que chegar a tempo de conseguir transporte para o nosso próximo destino, Montevidéu. 
       
         
       
           Chegamos no camping e tivemos a infelicidade de encontrar nossas roupas ensopadas dentro da barraca pois na noite da virada ocorreu um temporal no camping molhando quase todas as barracas que estavam por la. Tivemos que retirar toda roupa e colocar para secar no camping antes de partirmos. Roupas secas, mochilas prontas, levantamos acampamento e nos despedimos mais uma vez e lá fomos nós para o nosso próximo e ultimo destino, a capital do Uruguai Montevidéu.  
       
      8º Dia: 01/01/2018 - 18h00min - Valizas x Montevidéu - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol $601,00 Pesos - Hostel $600 Pesos - Taxi $180 Pesos - Cerveja Patricia $104 Pesos - MSC - Museu da Maconha $200 Pesos - Ceda $100 Pesos - Maconha $200 Pesos a grama - Hamburguesas $200 Pesos - Câmbio 8.10
           Conseguimos um ônibus em Valizas por $601 Pesos e somente lembro de sentar na minha poltrona fechar os olhos e abrir em Montevidéu pois o cansaço da travessia de 22km de ida e volta entre Valizas a Cabo Polônio naquela hora deu sinais de que iria nos derrubar. Já no Terminal Rodoviário Tres Cruces por volta das 23h00 decidimos pegar um táxi por $180 Pesos para irmos direto para o Hostel que um amigo tinha indicado, seguimos direto para o Bo! Hostel que fica na rua Canelones, 784 atrás do Teatro Solís. Fizemos o check-in pagamos $600 Pesos na diária com café da manhã incluso. A galera do hostel nos recebeu muito bem, o lugar é limpo, com quartos para casais e compartilhados, banheiros limpos, com ótimo wifi, salão de jogos, um lindo terraço, ótima cozinha e uma galera muito legal que nos deixou bem à vontade. 
       
           
        
              

                Andamos quase toda capital a pé e com transporte público que é bem barato, conhecemos o Teatro Solís, a Plaza Independencia, o Mercado del Puerto, caminhamos alguns quilômetros pelas maravilhosas Ramblas onde fomos presenteados por paisagens que são de encher os olhos de lágrimas. O por do sol visto da Rambla é sensacional e emocionante. Foram momentos únicos de contemplação que fazem você refletir sobre diversas coisas na sua vida. Chegando nos dias finais do nosso mochilão, um de nós como previsto iria partir para São Paulo no dia seguinte. Saímos do hostel a tarde e fomos acompanhar nossa amiga e parceira de mochilão até o terminal Tres Cruces para retornar a São Paulo. Aproveitando que estávamos no terminal novamente fizemos o cambio por ali mesmo, vale a pena dar uma pesquisada em algumas casas de câmbio que tem do lado de fora do terminal também pois você pode encontrar melhores taxas de câmbios. Tarefas cumpridas, fomos atrás da famosa maconha do Uruguay e encontramos pelo valor de $200 Pesos a grama valendo muito a pena pois é de alta qualidade e pura, já a ceda achamos um pouco cara, um pacote de ceda compramos por de $100 pesos, em torno de R$15,00 Reais.     

        
        
        
        

        
           


            No dia seguinte fomos ao Museu da Maconha de Montevidéu - MCM que fica na rua Durazno, 1784. O museu conta toda história da maconha no mundo desde o começo até os dias de hoje e conta também o processo de legalização no Uruguay. Pagamos $200 Pesos para entrar e ficamos um bom tempo la com os funcionários já que fomos os últimos a entrar no museu.
            A vida noturna em Montevidéu rola diversos bares e pubs, encontramos um que se chama Rock es la Cultura localizado na rua Sorlano, 952. O Pub é totalmente voltado para o rock com fotos de bandas por toda parte, televisões passando clipes e shows e um palco para bandas se apresentarem, o que não aconteceu aquele dia. Tomamos um ótimo vinho, ouvimos uma boa música e comemos uma pizza bastante saborosa e retornamos ao hostel.
          Compramos diversas tipo de alimentos em free shops que ficam espalhados pela cidade, um deles chamado Devotos Express encontramos ótimos preços para alimentos, bebidas, alfajores, doces de leite entre outras coisas, vale muito a pena comprar nestes lugares. Comemos também as famosas Hamburguesas por $200 Pesos pedindo pelo telefone no próprio hostel e ainda vem com várias batatas fritas e bem rápido a entrega, uma ótima e barata opção pra matar a fome. 
       
        
        
         
       
           No penúltimo dia em Montevidéu fui até ao terminal garantir as passagens para São Paulo. La no guichê descobri que quando entramos no país deveríamos ter firmado a entrada na ADUANA (Administración de Aduanas de Chuy), sendo assim não conseguiríamos pegar um ônibus direto para São Paulo pois na ADUANA na volta iriam solicitar a entrada e como não tínhamos firmado seria cobrado uma multa de $2.800 Pesos. Por causa desta falta de informação decidi pegar um ônibus de Montevidéu para o Chuy e fazer a rota que eu fiz para entrar no país sendo aconselhado pela atendente da empresa de ônibus pois seria a melhor forma de voltar ao Brasil sem ter que pagar a multa. Então quando passarem pela Aduana lembrem se de solicitar a entrada no país pois na voltar se não estiver com a entrada será cobrado multa. 
           Acordamos arrumamos nossas mochilas, fizemos o check-out no Bo! Hostel e fomos para o terminal de táxi para nos despedirmos, pois iríamos para lugares diferentes. Eu tinha que seguir para o Chuy e minha companheira de mochilão junto com seu novo companheiro alemão iriam para Santa Tereza. Nos despedimos e eles embarcaram primeiro, uma hora depois foi a minha vez de embarcar. Hasta luego Uruguay! 

        
           
      13º Dia: 06/01/2018 - 14h30min - Montevidéu x Chuy - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol $701,00 Pesos - Hostel R$50 Reais - Churri R$8,00 - Cerveja Glacial R$5,00 
           Chegando no Chuy por volta das 19h30min recebi a informação que não havia mais passagens para São Paulo e nem para Porto Alegre para aquele dia, então comprei uma passagem para Pelotas-RS para o outro dia de manhã para não ter que ficar muito tempo no Chuy. Conheci um colombiano na mesma situação que a minha mas que iria ficar em Florianópolis, nos unimos para procurar um hostel barato para passar a noite até o embarque de manhã. Conseguimos depois de algumas tentativas encontrar um hostel barato, fomos orientados a procurar pelo Poseidon Hostel que fica na rua Chile, 1131 no lado do Brasil. Fomos recepcionados pela dona do local com muita simpatia e cordialidade. Fizemos o check-in por R$50,00 Reais para passarmos a noite em um quarto compartilhado. Tomamos um bom banho e fomos ao lado Uruguaio comer alguma coisa pois estávamos mortos de fome. Encontramos um Senhor que vendia churri, um tipo de sanduiche rercheado com linguiça, vinagrete e com um pouco de pimenta tostado em um tipo de churrasqueira, pedi um churri por R$8,00 Reais e uma cerveja Glacial latão por R$5,00 Reais.

        

        
           Acordamos por volta de 7h00 e fomos para o terminal de ônibus para embarcar para Pelotas, no caminho vimos que duas argentinas que estavam no mesmo hostel que nós iriam para Pelotas e depois para Florianópolis também como o colombiano. Bastou um pouco de conversa e estávamos todos unidos para o mesmo destino, Pelotas. 
       
      14º Dia: 07/01/2018 - 9h00 - Chuy x Pelotas - Empresa de Ônibus Expresso Embaixador R$61,00 Reais
           Desembarcamos em Pelotas por volta das 13h00, como meu próximo destino era Curitiba e o horário que consegui passagem era para 18h30min ficamos aguardando debaixo de uma bela árvore na rodoviária jogando conversa fora até dar nosso horário. 
       
      14º Dia: 07/01/2018 - 18h30min - Pelotas x Curitiba - Empresa de Ônibus Penha R$226,46 Reais
           Saímos de Pelotas as 18h30min e no meio do trajeto por volta das 05h00 de uma manhã com muita chuva em Florianópolis me despedi dos três amigos que desembarcariam na ilha da magia. Até Curitiba ainda restavam algumas longas horas.
       
      15º Dia: 09/01/2018 - 14h00 - Curitiba x São Paulo - Empresa de Ônibus Cometa R$118,00 Reais
           Por volta de 13h00 desembarquei em Curitiba e fui direto ao guichê da Viação Cometa garantir minha passagem o mais rápido possível para São Paulo. Consegui para às 14h00 do mesmo dia. Comi alguma coisa no terminal rodoviário e embarquei para o destino final do mochilão chegando por volta das 21h30min do dia 9 de Janeiro de 2018 onde se encerra meu primeiro mochilão pelo Uruguay. 
       
      Gastos totais: R$1.662,56
       
       
      Muchas Gracias!

       
       
    • Por daemonnakna
      Eai Galeeeeera :p
      Estarei passando a virada do ano em Floripa, porém ainda não tenho roteiro nem cia!!
      Minha ideia inicial é chegar em algum lual, você tem indicações? Quem vai - me leva junto! hahah
      Aceito sugestões para outras trips também...
      Em fim, chego no sábado dia 29/12 -  caso tenha alguém afim de fazer alguma coisa massa antes da virada, trilha, passeio, pegar um sol e tomar uma cerveja seila me dê um grito. 
       
       


×
×
  • Criar Novo...