Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
babi santana

Camping em Morro de São Paulo

Posts Recomendados

Gentes,

Vou pra Morro de São Paulo em fevereiro (antes do carnaval), queria saber quais são as opções mais baratas de hospedagem e onde encontro... tô fazendo uma pesquisa e até agora tô achando que o que ta valendo mais a pena é camping... porém não sei de muitas opções além do Camping da gamboa.. vcs conhecem outros campings espalhados por Morro? e se conhecerem tem como passar o contato pleasesss

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Conheço um que fica logo após a rua da fonte, bem próximo do centro, segue o contato:

075 - 98199-9275

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Entre em contato com a secretaria de turismo estadual mais próxima, costumam dar este tipo de informação. Passei por isso uma vez.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Fabiula Fernades
      Como chegar em Morro?
      Partimos do Rio de Janeiro e apesar de inumeras buscas em como chegar a Morro de São Paulo, não tínhamos noção de como chegaríamos. Mas como nosso espírito é aventureiro partimos levando na mala coragem e disposição para curtir.
      1º dia - Chegamos em Salvador por volta de 10:40h e ficaríamos hospedados no Farol da Barra pelo Airbnb, que dependendo do local tem hospedagem mais barata, a anfitriã nos deu o passo a passo de como chegar até o local.
      Guardamos nossas malas e partimos para um rápido reconhecimento e pegamos informações de como chegar em Morro. Passeamos pela orla da praia e fomos até o farol.
      Existem 3 formas de chegar a Morro:
      1ª - Semi terrestre: Paga-se o ferry boat que sai do terminal São Joaquim com saídas de hora em hora (o valor ao certo não sei pq não escolhemos este meio, mas acho que é algo em torno de R$7,00) e tem duração de 1 hora . Quando desembarcar terá uma mini rodoviária onde sai o ônibus para Valença (R$40,00) e de Valença para Morro pegara um barco rápido (dependendo das condições climáticas) até Morro (não sei o valor).
      2ª - Aéreo (não faço ideia do valor)
      3ª - Catamarã: R$96,86 (cada pessoa) duas horas de travessia por alto mar. A principio parece caro mas só o fato de não ter que ficar trocando de condução é excelente (Melhor custo benefício, escolhemos este e foi certeiro). A empresa é a BIOTUR saída no terminal próximo ao mercado modelo
      2º Dia Acordamos cedo e não deu tempo de tomar café pois descobrimos que o catamarã sairia as 09:00 e ainda colocamos o terminal errado no trajeto do Uber.
      Já acomodados partimos rumo ao paraíso, chegamos em Morro de São Paulo por volta das 11h na entrada da ilha paga-se a taxa de visitação R$15,00 por pessoa (aceita cartão). Ao desembarcar do catamarã logo vem uns rapazes te oferecendo "Uber", agradecemos e seguimos arrastando nossa mala (vale a pena somente para quem vai ficar longe do centro e está com bagagem bem pesada).
      Logo na chegada ao centro demos de cara com um carinha bem alegre super gente fina e nos indicou onde ficava a pousada e também nos informou sobre os passeios, seu nome é João da Descubra Morro de São Paulo, agencia de turismo. Super indico a Descubra Morro de São Paulo.
      Fomos até a pousada dos Nativos onde havíamos feito a reserva (pousada bem legal, com café da manhã incluso que é servido na porta do seu quarto - R$108,00 a diária,quarto duplo básico com ar condicionado) deixamos nossa mala e partimos para desbravar o paraíso.
      Passeamos um pouco e fomos almoçar no Restaurante Espelho Dágua
      Pratos executivos entre 20 e 25 reais. Vem arrumadinho e a opção escolhida(carne ou peixe ) vem separado, economia que vale a pena para curtir os passeios Sem falar no típico suco de cupuaçu jarra 750 ml R$13,00. Nota 10 Lugar simples e aconchegante e olha que sou chata para comer. Na sequencia Suco de Cupuaçu, MOqueca de Peixe e Moqueca de Sururu. Ao entardecer subimos até o mirante para ver o por do sol, tem uma subidinha considerável (10 minutinhos) mas vale muito a pena. O tempo não estava dos melhores mesmo assim tivemos um belo por do sol.

       
       
      Para fechar a noite fomos para a praça onde tudo acontece, vários bares e restaurantes que os funcionários ficam na porta te mostrando o cardápio.
      3º Dia:
      Decidimos fazer o passeio Volta a Ilha com a Descubra Morro de São Paulo, o tempo não ajudou muito e a maré estava alta, mas deu parra curtir. Para quem Gosta de aventuras fortes rsrs vale a pena fazer o passeio e ir as piscinas naturais de Moreré e Boipeba (esta não conseguimos ver pois a maré estava alta e deveríamos fazer o passeio ao contrário mas como trocamos de piloto ja na saída da ilha o mesmo não soube que era para fazer ao contrario). Também não fomos na barraca do GUido pois ninguém do grupo se interessou em ir.
      4º Dia:
      Decidimos ficar mais 1 dia em Morro já que nos encantamos com a 4ª praia a maré estava baixa e fazia varias piscinas naturais. Passamos uma boa parta deste dia nesta praia. A tarde partimos para a Toca do Morcego para ver o por do sol, lugar muito, mas muito legal. Tem que chegar por volta de 16:30h para poder pegar um lugar bem bom com DJ, ficamos nos Puffs bem despojados. O valor da entrada é R$15,00, rola uns drinks maneiro o valor da Coca lata R$6,00, a long neck R$12,00 Heinneken. Não dá vontade de sair de lá.
      5º Dia:
      Novamente passamos o dia na 4ª praia e ficamos no bar e restaurante da piscina (não aceita credito). Lugar legal e no cardápio tem a história da dona do bar. A Noite passeamos pela segunda praia e tomamos uns drinks feito de cacau no Cacau (rsrs). Durante nossa estadia não houve lual, que pena. Jantamos no Mediterrâneo comemos Camarão no abacaxi que vem servido no proprio abacaxi, serve duas pessoas, valor R$80,00.
       

      6º Dia:
      Com a dica do João da Descubra Morro de São Paulo fomos para praia de Gamboa e praia Linda. Se a maré estiver baixa da para ir andando porém a maré estaria baixa a tarde então fomos até a entrada da ilha e pegamos um barquinho de "luxo" até a praia de Gamboa, levamos uns 15 minutos para chegar e o valor foi de R$5,00 por pessoa. Passamos o dia de boa em Gamboa e almoçamos na praia Linda, comemos uma moqueca de sururu que foi R$60,00 e nessa praia tinha musica ao vivo e muito boa. O cantor passa um envelope pedindo uma ajuda de custo de R$10,00, valeu a pena na verdade a única música boa ao vivo em Morro foi na praia Linda. Na volta como tínhamos interesse em conhecer o trajeto a pé, não pegamos o barquinho e retornamos caminhando levamos em torno de 40 minutos com direito a banho de argila, ainda vimos um belo por  do sol do alto de umas pedras próximo a pousada Portaló

      7º Dia
      Acordamos arrumamos a mala pois era dia de partir, tomamos café e fomo para a tirolesa, só subir alguns degraus, rsrs. Com  70 m outros dizem 53m de altura e 340m de extensão ela vai direto para a primeira praia. O valor está R$50,00.
       
      Voltamos para a pousada, pegamos nossas coisas e partimos para pegar o catamarã, já havíamos comprado as nossas passagens no dia anterior na Biotur. Ás 11:30h pegamos o catamarã de volta a Salvador.

       
       
      Ficamos hospedados no Pelourinho onde passamos a tarde de sabado, passeamos bastante com direito a pintura do Olodum.
      NO 8º dia Voltamos para o Rio de Janeiro às 4:00h da matina, pegamos um Uber as 2h da manhã até o aeroporto que custou R$45,11.
       
       
       
    • Por nnaomi
      Período: 01 a 09/12/2013
      Cidades: Cairú - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo (MSP)
       
      A Costa do Dendê tem natureza privilegiada com praias, baías, costões rochosos, rios, estuários, nascentes, lagoas e cachoeiras emolduradas por vegetação como manguezais, restingas e coqueirais. São 115 km de litoral. Inclui outros municípios, mas nessa viagem foi contemplado apenas Cairu, cujos locais mais famosos são Morro de São Paulo e Boipeba. Cairu deriva do tupi-guarani Aracajuru que significa Casa do Sol. Trata-se do arquipélago fluvial do Rio Una, cujas principais ilhas são Cairu, Tinharé e Boipeba. A sede da cidade de Cairu está localizada na ilha homônima e Morro de São Paulo na Ilha de Tinharé.
       
      MSP e Boipeba são duas ilhas vizinhas, tão próximas e tão distintas. É comum ficar hospedado em uma delas e conhecer a outra em um passeio bate e volta. Recomendam não dividir a estadia entre as duas ilhas, pois como são muito diferentes, ao gostar de uma, a probabilidade de antipatizar com a outra é alta. Entretanto, fiquei nas duas ilhas e gostei de ambas, cada qual com suas belezas e características peculiares. MSP tem mais infraestrutura, noites animadas, e recebe fluxo maior de turistas, já Boipeba lembra mais uma pacata vila de pescadores com praias mais tranquilas, ainda que a infraestrutura e o fluxo de turistas estejam crescendo. O que ambas têm em comum, são as belas praias e paisagens.
       
      Confira abaixo as dicas e o relato de viagem. Ficamos hospedados na Vila de Velha Boipeba na Ilha de Boipeba e na Vila em MSP.
       
      Obs.: Além da seção "Dicas" antes do relato, há outras dicas específicas espalhadas pela página. ATENÇÃO: Não possuo nenhum vínculo com pousada, hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. "Outras opções" referem-se às indicações que recebi de guias ou funcionários de CITs ou são provenientes de pesquisa. Dessa forma, alguns estabelecimentos, bem como alguns dos pontos turísticos, não foram visitados por mim e, portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade se os dados são atualizados e/ou verossímeis.
       
      Índice
       
      A cidade
       
      Como chegar
       
      Quando ir
       
      Onde ir em Boipeba
       
      Onde ir em Morro de SP
       
      Onde ir em Cairu
       
      Onde ir em Valença
       
      Onde ficar em Boipeba
       
      Onde ficar em Morro de SP
       
      Onde comer
       
      Dicas (Contatos úteis, Postos de Informações Turísticas, Links úteis, Receptivos Turísticos e Dicas)
       
      Mapas
       
      Sugestão de roteiros
       
      Relato de viagem
       
      Relatos 2013:
      21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi
    • Por pedro.biondo
      BOIPEBA
       
      Aproveitando uma estada na Bahia, fizemos as mochilas e fomos conhecer as ilhas de Boipeba e Tinharé, ao Sul de Salvador. Foi na baixa temporada então pudemos gozar da tranquilidade desses lugares, bem como preços mais acessíveis.
       
      Traçamos um roteiro de Sul para o Norte, a partir de Valença, um dos locais de onde saem as barcas e lanchas para as ilhas. Há outras opções que estão bem explicadas neste post da VANEZA COM Z. Como já estávamos na Bahia com carro alugado, deixamos o carro em um dos estacionamentos perto do cais, que têm preço padronizado de R$ 25 a diária. Não conseguimos comprar os bilhetes para a lancha rápida pela internet na ISLAND TOUR por problemas de conexão mas conseguimos comprar e embarcar no próximo horário. O bilhete custa R$ 44. Não aceitam cartão. Ainda deu tempo de ir no caixa do Itau, o único por essas bandas. Os horários podem ser consultados no mesmo site e há menos partidas para Boipeba do que para Morro de São Paulo. Escolhemos Valença pois nosso retorno de Morro também seria por lá. Os outros atracadouros priorizam um ou outro local então o retorno seria mais complicado.

      A viagem dura cerca de uma hora pela lancha rápida e é feita por rio até a foz do Rio do Inferno, onde fica Boipeba. Então é tranquilo, sem enjôos. Não é muito confortável mas é por pouco tempo. O incoveniente foi um trecho com chuva, os pingos chegam a doer e as mochilas ficam expostas, podem molhar. Mas a chegada já mostra um pouco do que Boipeba tem para mostrar. O marinheiro parou a lancha na praia antes do atracadouro, quase em frente à Pousada Pérola do Atlântico, que havíamos reservado já dentro da lancha. Não podia ser melhor.

      A Pousada é muito charmosa, pé na areia literalmente, e o pessoal muito atencioso. O café da manhã caseiro é espetacular. A Penha que administra a pousada tem sempre umas dicas. Diária standard R$ 140. Muito bem localizada, com bares e restaurantes próximos, com direito a um belo pôr do sol. Os preços dos bares são mais baratos do que Santos ou Guarujá, caipirinha a R$ 8 e cerveja 600ml a R$ 10. Fomos no Toca do Lobo, Restaurante da Família e Ponto da Barra, este último o mais aconchegante. Fomos também comer uma tapioca na Praça, onde há várias barracas com diversas opções.

      O dia seguinte foi reservado para a maratona das praias, saímos antes das 9h para aproveitar a maré baixa, começando pela Praia da Barra, onde estávamos. Há um mapa com o roteiro abaixo, com quase 6 km, com o ponto zero invertido. Não dá para fazer esse roteiro com maré alta. No fim dela há uma acesso para a Pousada das Mangabeiras, uma das mais caras da ilha. O início do acesso é através de escadas e depois uma trilha que vai desembocar na Praia de Tassimirim. Depois dela, vem a Praia de Cueira, onde tem o famoso Restaurante do Guido e suas lagostas. Leva-se uma hora para chegar lá. Não estava nos nossos planos parar ali, dizem que está muito caro e também era muito cedo. No fim dessa praia existe um rio que torna-se difícil atravessar com a maré um pouco mais cheia. Dizem que também tem muitas casca de ostras, portanto recomenda-se atravessar calçado. Nós atravessamos pela praia pois a maré estava baixa. Depois entra-se em uma propriedade particular por uma porteira e segue-se a trilha até a próxima praia. Todo esse roteiro com paisagens deslumbrantes.

      Continuamos em Moreré e paramos no Restaurante Paraíso do Sr. Gentil, que está por lá há 16 anos. Não há telefone portanto não aceita cartão. Já contávamos duas horas de caminhada. Hora para uma água de côco e um banho de mar nas águas cristalinas e mornas numa paisagem fantástica. Não é o Paraíso mas deve estar próximo. O Sr. Gentil disse que de tanto falarem para ele que ali era o Paraíso, ele deu o nome ao restaurante. Comemos uma lagosta grelhada R$120 e uma moqueca de polvo com banana R$ 90, ambos deliciosos, para duas pessoas cada. Dá para chegar por lancha, vale a pena. Como vínhamos com recomendação da pousada, pudemos pagar a conta depois num mercadinho da vila, numa espécie de escambo. Com a maré cheia, não dava para fazer o caminho de volta, principalmente depois das cervejas. E o relógio já marcava 3 da tarde!

      Caminhamos então por uns 20 minutos até a vila de onde sai um trator para o centro, R$ 10 por pessoa. A estrada é muito ruim, realmente só para trator. O ponto final fica a uns 20 minutos de caminhada até a pousada. Daí é sentar num barzinho e de novo apreciar o pôr do sol, que ninguém é de ferro.

       
      No próximo post falarei de Morro de São Paulo.





    • Por nisabenthon
      Chegamos em Salvador na noite de 15 de abril. Em plena assembleia da policia militar, onde eles decretaram greve uma hora depois de nossa chegada.
       
      Parece má sorte falar que a viagem começou assim né?
       
      Então conto de outro jeito...
       
      Navegando pelas ondas digitais das promoções das empresas aéreas no mês de novembro de 2013, consegui comprar a passagem de ida e volta para Salvador, no inicio e fim de feriado prolongado, pelo irrisório valor de 220 reais ( com taxas inclusas). Por isso adoro fuçar site de gol tam e cia nas madrugadas de sexta e sábado. Pelo menos essas caçadas me rendem umas 4 viagens por ano.
      Minha mãe sabendo do valor, logo pediu pra comprar um par de passagens pra ela e meu pai. Fiquei feliz, meu pai nunca viaja e dessa vez aceitou o convite sem reclamar. E acredito que não se arrependeu.
       
      Com passagens e datas de viagem em mãos, comecei a saga a procura de pouso no meu roteiro: Salvador Itaparica e Morro de São Paulo. Sempre sapeio no Booking, Trip Advisor, Mochileiros, Alugue Temporada e outros sites que não me recordo, mas que vivem favoritados no pc.
       
      Dia 15 de abril de 2014
      Como chegamos a noite e o clima de histeria das pessoas sobre a greve dos militares era grande, optamos por irmos dormir cedo e curtir o dia andando na cidade sem carregar nada... afinal, turista pobre sem bolsa não tem o que ser roubado.
      Fiquei surpresa com o que vi. As lojas fechadas, sim, mas nenhum tumulto como o que as pessoas espalhavam nas redes sociais e whats fofocas por ai.
      Dormimos na casa de uma prima, mas eu tinha reservado uma pousada chamada Barroco na Bahia , no centro do Pelourinho, pelo valor de $130 diaria com café e mimos http://www.barroconabahia.com.br/ Super indico a pousada, porque mesmo em cima da hora eu não comparecendo, devolveram minha reserva sem problemas e foram muito atenciosos.
      Preço do estacionamento do aeroporto era de $ 9 a primeira hora e demais $3 por hora. Compramos algo para fazermos lanchinho antes de dormir $25
       
      No dia 16 de abril de 2014
      Andamos pela cidade. Deu tempo de visitarmos o Farol Itapuã, seguirmos a beira Mar pela av, Oceânica e Otavio Mangabeira, demos uma volta no Farol da Barra (pena que o Museu estava fechado... estive lá em 2009 e queria rever). Andamos no Mercado Modelo, almoçamos no centro comercial ( o quilo bem no valor de SP mesmo, 38 reais) andamos no Dique do Itororó, passeamos pelo Bonfim.
       
      Tomamos Sorvete na careira sorveteria Ribeira (http://www.sorveteriadaribeira.com.br/o-sorvete/cardapio/) e batemos umas fotos em Ponta do Humaitá. Por mim eu ficaria e esperaria o sol se ir... mas os adultos estavam com medo de abusar no fim do dia.
      No meu roteiro estava programado pegarmos o Ferry e irmos pra Itaparica, pousarmos por lá e curtirmos a praia pela manhã e meus pais conhecerem a ilha. Foi o que fizemos.
       
      O ferry para pedestres sai o valor de 3,95 por pessoa.
       
      Como já estava anoitecendo quando descemos da embarcação em Itaparica, aproveitei a barganha e pegamos um taxi que andou com a gente pela cidade histórica de Itaparica enquanto eu procurava uma pousada. O cara teve paciência, e acho que saiu barato. A corrida saiu $30 ( dividido para 4 pessoas ficou $7,50 para cada).
       
      Encontrei a pousada Muito Mais (http://www.pousadamuitomais.com.br/ ) uma pousada simples, mas com pessoas mega acolhedoras, me senti em casa! Eles fabricam chocolate caseiro, plantado no quintal. O dono, um rapaz simpático e falador fechou nossa noitada por 75 reais e sua mulher ainda me deu chocolate fresco na saída!
       
      Balanço do dia: $10 almoço ( 28 o kg), $2 água, $6 cerveja ( não bebo, mas meu pai bebe então... foi pra conta), $10 sorvete de 2 bolas ( é bem servido, mas achei caro), Ferry $3,95. = total gasto por dia por pessoa: $ 31,95
       
      Dia 17 de abril de 2014
      Preço bom da pousada a 75 a diária e da padaria em frente, q tem com café delicioso e barato! Comemos MUITO BEM. lista dos gordos no café incluiu 2 cafés com leite, 2 sucos, 4 pães com manteiga, 2 pães com ovos, uma rosca doce, uma empada de bacalhau. Fomos em 4 pessoas e não gastamos nem 15 reais de café da manhã somando tudo! ( isso mesmo... 15 reais para dividir entre 4 pessoas)
      Passeamos pelo centro histórico de Itaparica, andamos pelo píer com lanchas lindas, fomos até a praia da ponta e almoçamos em frente ao mar no restaurante da Margarida. Simples, mas com um tempero incrível. Sou vegetariana, então acreditem, não passei fome. Os pratos variam de preço, o mais barato $10 e mais caro $35, todos servem 2 pessoas.
       
      Ao sairmos da pousada encontramos um taxista que fez a corrida de Itaparica até o Atracadouro ( onde se paga uma lancha rápida para Morro de SP). O taxi economizou pelo menos 2 horas de estrada em nosso dia, o que foi um luxo pra gente.
      Eu estava contando em pegar uma van para voltar ao Ferry ( $3), depois pegar um ônibus de 2 horas para Valença ( $19) e depois pegar lancha para Morro de SP ($25).
       
      O taxi saiu $120, ou seja, $30 por pessoa e não tivemos que esperar nada nem ninguém! Onde descemos, a lancha tem valor mais baixo $ 13. O que compensou a diferença no valor pago no taxi.
       
      Chegamos em Morro de SP ainda de dia, com sol no rosto. Mesmo depois de passear muito em Itaparica.
       
      Balanço do dia: Pousada $75 por casal, Café da manhã $ 4, almoço $10, Garrafa de água 1 litro 2,50, Taxi de Itaparica até Atracadouro $120, lancha rápida de Atracadouro até Morro de SP $ 13, Taxa de entrada na ilha $ 15 por pessoa, = total gasto por dia por pessoa: $ 112
      Dia 18 de abril de 2014
      Fechei negocio com aluguel de uma casa em Morro de SP em dezembro. Utilizei o site “www.aluguetemporada.com.br” , tem muita coisa boa por lá! É só ter paciência de procurar e negociar preços. Consegui fechar o aluguel de uma casa linda no topo do Morro por $400 por 6 dias em pleno feriado de pascoa ( de 17 a 22 de abril de 2014). A casa que aluguei em Morro de SP cabe confortavelmente 7 pessoas, alias poderia dividir o aluguel com mais 3 pessoas se quisesse.. Viajamos em 4. Lógico que consegui esse preço fazendo uma reserva com 5 meses de antecedência. A casa que fiquei, chama-se casa dos Teyus (http://www.booking.com/hotel/br/casa-dos-teyus.pt-br.html). Caso procurem, as fotos são lindas mesmo. O lugar é longe, mas tranquilo, nativos moram nas proximidades do imóvel e com isso tem mercadinho e padaria ao lado com preço mais acessível.
       
      Casa muito é bem mobiliada, decoração linda. Parece que foi montada para ser moradia fixa pela qualidade dos móveis e enfeites. Vista muito linda para mata. O valor pago foi muito bom, levando claro em consideração o fato de Morro de SP ser um morro ^^ . O caseiro, Roque, é um anjo prestativo e atencioso. A mata está em volta da casa e o clima é totalmente privativo. Não se vê vizinhos de lado nenhum. A louça era totalmente nova. Toalhas muito boas. Limpeza muito boa tb. Faltou panelas pequenas para preparar pequenas refeições. Só tinha uma leiteira. Só tinha um espelho na casa toda (mas isso ja deve ter sido resolvido pelo caseiro).
       
      Preço da entrada na Ilha de Morro de SP aumentou consideravelmente, achei abusivo... pagamos taxa de porto, taxa de entrada e tudo mais. Porem esses valores não são repassados para a comunidade local. Não tem saneamento suficiente para numero de casas que existem no Morro e apenas “ enfeitam” onde turista passa. Isso me deixa chateada.
       
      Passamos o dia na Primeira e Segunda praia com meus pais. Choveu e abriu sol o dia todo. Eles gostam de praias “ urbanizadas”. Então deixei a surpresa para um dia mais quente...
       
      Fizemos compras para 4 refeições e 2 cafés da manha saíram por 85 reais, Almoço na praia (por 48 o kg) saiu mais ou menos $23 para cada, $ 3 latinha de chá gelado, $ 7 garrafa de cerveja = total gasto por dia por pessoa: $ 54
       
      19 de abril de 2014
      Fomos ao mirante e ao farol curtir a paisagem.
      Descemos no forte e passamos o dia nas piscinas naturais da praia ao lado do forte. O acesso não é muito fácil, então ela se torna bem privativa, limpa e sem muvuca.
      Os jantares sempre curtíamos em casa mesmo, o por do sol da casa alugada era um espetáculo a parte.
      Almoço saiu $48 para os 4, cerveja $ 7, água $3. total gasto por dia por pessoa: $22
       
      20 de abril de 2014
      Caminhamos pela terceira e quarta praia. Este foi o dia de maré mais baixa possível. Meus pais pareciam crianças nas piscinas naturais brincando com os peixinhos coloridos.
       
      Comemos em um restaurante simples com um tempero e preço maravilhosos, que fica na rua das pousadas Safira do Morro e Perola do Morro. ( link do mapa http://www.pousadaperoladomorro.com.br/localizacao-da-pousada/mapa-turistico.php)
       
      Preços de pratos quer servem 2 pessoas: $16, frutas e pães para café $21; total gasto por dia por pessoa: $21
       
      21 de abril de 2014
      Optamos por fazer os passeios em alto mar nesse dia. Estava sol, com previsão firme, porem com maré um pouco alta.
       
      Conseguimos o passeio de lancha por$ 80 por pessoa. Conhecemos as piscinas naturais de Guarapuá, onde ficamos 40 minutos em alto mar nadando em águas cristalinas, depois fomos para .as piscinas de Moreré, fizemos um passeio pela ilha de Boipeba onde foi o almoço com a famosa lagosta do Guido ao abacaxi por $100 ( deu para 3 pessoas comerem bem), 2 porções de mandioca a $30,fizemos a trilha em Tinharé e visitamos o rio do Inferno nas fazendas de ostras e suas pitorescas comunidades sem luz, sem estrutura, mas em paz. E caminhamos correndo na Velha Boipeba. O passeio vale o valor pago.
       
      O balanço do dia foi salgado... $ 80 passeio, ostra 2 dúzias por $40, lagosta com aperitivos e acompanhamentos: $140, Café da manhã $29 : total gasto por dia por pessoa: 150
       
      Voltar pra casa com os olhinhos do meu pai brilhando pelo passeio, não teve preço. Isso sim. Este foi o primeiro passeio dele em pelo menos 13 anos sem férias.
       
      22 de abril de 2014
      Eu já tinha comprado as passagens de lancha rápida para retornarmos de morro para Salvador com antecedência, vale muito a pena. Preço foi 75 por pessoa, mais a taxa de 81 centavos pelo uso do porto de Morro. Compramos as passagens pela Ilha Bela, única que possui lanchas. Fui clara q eu não queria viajar de catamarã. E fiz bem. A lancha demora cerca de 2 horas de travessia, mas temos ventilação e tranquilidade.
       
      Nos despedimos do Morro e partimos para Salvador olhando o farol ficar bem pequeno em nossa vista.
       
       
      Onibus do porto até aeroporto não existe, tem que subir pelo elevador Lacerda e pegar o ônibus que vai até o aeroporto que sai da praça da Sé, bem no centro histórico. Custo $4,30
       
      Ainda quero voltar lá umas 10 vezes.... é minha terceira vez na ilha e ainda volto com saudade do Morro!
    • Por Natalia Lima1502432901
      SALVADOR + ITAPARICA + MORRO DE SÃO PAULO EM 1 SEMANA
       
      CHEGADA:
      Chegamos a Salvador numa Segunda à noite e ficamos hospedados na POUSADA ESTRELA DO MAR, na Barra. A localização da pousada é ótima, perto de bares, restaurantes, bancos, farmácias, etc. Da pousada até o famoso FAROL DA BARRA eram menos de 3 minutos a pé.
       
      Como chegamos bem tarde, a salvação para jantar foi um Bob’s que fica 24h aberto, bem pertinho da pousada. :'>
       
      DIA 1:
      No dia seguinte, acordamos cedo já que estávamos perto do Farol da Barra, tornou-se a primeira parada. Vale a pena entrar no Farol, conhecer o Museu Náutico que fica dentro (R$ 5,00 para entrar) e subir até o topo para tirar algumas fotos.
       
      Depois, andamos até a Rua Marques de Caravelas e pegamos um ônibus em direção à RIBEIRA (Lá eles não costumam dizer o número do ônibus, apenas o nome). Fomos até o ponto final (que eles chamam de “fim de linha”). A Ribeira é um bairro bem simples, mas tem uma orla bonitinha. Andando pela orla uns 40 minutos você chega à Igreja do Bonfim. Se não quiser ir até o ponto final, nesse mesmo ônibus você pode descer uns pontos antes e ir direto para a igreja.
       
      Essa linha passa por vários bairros da cidade. É interessante, pois acabamos conhecendo. Mas perdemos cerca 1 h nesse percurso.
       
      Chegando à Igreja o Bonfim, não deixe de fazer seus pedidos, amarrar as fitinhas na grade e conhecer a Sala De Milagres.
      Descendo a pracinha onde fica a igreja, pegamos um ônibus para o COMÉRCIO e descemos em frente ao MERCADO MODELO. Almoçamos no restaurante Camafeu de Oxossi. A comida é uma delícia! Pedimos Carne de Sol com pimenta doce branca que é simplesmente bárbara!
       
      Após o almoço, vale percorrer os corredores do Mercado e fazer algumas comprinhas (lá vende de tudo: lembrancinhas, pimentas, doces, etc).
       
      Atrás do Mercado Modelo existe um terminal de ônibus. Basta pegar qualquer ônibus que vá para a Barra (mas fique atento, tem que ser a linha que passa pelo Farol, pois tem outras que só vão até o Shopping e não fica perto).
       
      Já era noite e aproveitamos para dar uma volta pela Orla do Farol.
       
      Dia 2:
       
      No segundo dia fizemos um TOUR COMPLETO pelo ESTÁDIO ARENA FONTE NOVA. O tour com guia custa R$ 20 (estudante para meia-entrada) e é feito por um guia que também fala Inglês e Espanhol. Esse tour tem que ser agendado com antecedência pelo e-mail: [email protected] No site do Arena é possível encontrar mais informações: http://www.itaipavaarenafontenova.com.br/tour-100/
       
      Para chegar ao Arena, também usamos ônibus que pegamos na parada quase em frente à Pousada (Rua Afonso Celso).
       
      Chegando lá, basta se identificar e aproveitar. Conhecemos toda parte externa e interna do Estádio, incluindo vestiários, camarotes, sala de imprensa, gramado, banco dos jogadores reservas e muito mais. É um passeio bem legal!
       
      Saindo do Estádio, você vai estar em frente ao DIQUE DO TORORÓ, famoso lago onde se encontram as oito esculturas dos orixás. Vale dar uma parada e tirar algumas fotos.
       
      Na avenida, em frente ao Dique, pegamos outro ônibus, novamente em direção ao COMÉRCIO; descemos em frente ao Elevador Lacerda e subimos rumo ao PELOURINHO.
       
      A dica aqui é primeiramente se desviar das pessoas que vão te oferecer mil passeios e guias. Dá pra fazer tudo sozinho, de boa.
       
      Saindo de Elevador, aproveite a vista lá de cima para tirar algumas fotos e depois vá caminhando para o lado Esquerdo. Logo adiante tem uma praça, onde se encontra a Basílica (para entrar precisa pagar R$ 3). Seguindo em frente à Praça você não pode deixar de ir à Igreja de São Francisco – toda construída em ouro, umas das mais belas que já vi!
       
      Ainda nesta praça existem boas opções de restaurantes para o almoço.
       
      Terminamos o passeio, descendo a ladeira Gregório de Matos onde é possível ver várias lojinhas, passamos pela Associação Filhos de Gandhy e ao final chegamos à Casa de Jorge Amado (vale a visitação; as quartas-feiras a entrada é grátis).
       
      Na volta, como ainda tinha sol, foi possível um banho de mar na Praia do Farol para repor as energias. Ali perto da praia rola uma sorveteria chamada Os Paleteros com aqueles sorvetes mexicanos deliciosos. Antes do pôr do sol, vale uma caminhada subindo a orla até o MONTE CRISTO DA BARRA, um monumento alto de onde é possível ter umas das mais belas vistas de Salvador.
       
      À noite, demos uma passada no Botequim São Jorge, no Rio Vermelho. Fica, cerca de 15 minutos de táxi a partir do Farol. O Rio Vermelho é um bar boêmio, com muitas opções de bares e boates. Vale a pena a visita, principalmente se você estiver por lá entre sexta e sábado, quando o movimento é maior e as ruas ficam mais agitadas.
       
       
      ITAPARICA
       
      Estando em Salvador, vale a pena aproveitar um dia para conhecer a ilha de Itaparica. Para ir, basta pegar uma lancha que sai a cada 30 minutos do Terminal Marítimo que fica em frente ao Mercado Modelo. Para quem estiver na barra, qualquer ônibus que vá para o COMÉRCIO, passa perto do terminal.
       
      A viagem é tranquila já que não é mar aberto. Porém, são 40 minutos e, dependendo da maré, o balanço pode enjoar. Então, para os mais sensíveis sugiro tomar um remedinho antes.
       
      A lancha vai te deixar em Mar Grande, onde você será abordado por vários guias. Você pode fechar com eles ou combinar com algum taxista para te levar até Itaparica (foi o que fizemos e saiu bem baratinho R$ 20 a corrida). O taxista nos deixou na PRAIA PONTA DE AREIA, umas das principais da Ilha.
       
      Lá você aproveita o mar calmo de águas quentes e ainda pode se deliciar com os quitutes das barracas que servem peixes, moquecas e diversos outros petiscos.
       
      Combinamos um horário com o mesmo taxista e ele passou lá para nos buscar. A última lancha sai da ilha às 18h. Então, fiquem atentos ao horário.
       
       
      MORRO DE SÃO PAULO
       
      Existem duas formas de ir para Morro: marítimo e semi-terreste. Conheço algumas pessoas que não tiveram sorte com o marítimo, pois pegaram dias de mar agitado ou chuva e aí a viagem não foi nada confortável devido ao balanço do barco. Como são 2h de viagem, quem enjoa muito fica mal.
       
      Eu sou do tipo de fica enjoada, mas decidi arriscar. Felizmente minhas preces para os orixás deram certo e foi uma viagem beeemm tranquila. Até dormi em alguns trechos.
       
      Pegamos o catamarã da BioTur no Terminal Marítimo (que fica em frente ao Mercado Modelo). Eu havia comprado as passagens pelo site da BioTur com alguns dias de antecedência, mas rola de comprar lá na hora também.
       
      Ainda no barco, já é possível ter uma pequena visão do paraíso. Sem dúvida, um dos lugares mais lindos que já vi.
       
      Ao desembarcar, alguns locais vão te abordar para levar suas malas, o que eu aconselho que você aceite, pois as subidas e descidas na ilha são cansativas. Antes de entrar na ilha, você passa no Guichê para pagar a Taxa de Conservação Ambiental de R$ 15,00.
       
      A ilha é pequena e tem uma pracinha principal onde você acessa tudo (praias, mirantes, lojas, restaurantes). Não tem como se perder por lá. Então, para ser objetiva, segue abaixo o que não se pode deixar de fazer:
       
      1 - Passeio em volta da ilha – as pousadas oferecem e algumas agências locais também. Esse passeio é feito de lancha (muita emoção) e dura o dia todo. Você vai conhecer as praias, a famosa ilha de Boipeba e fará o mergulho nas Piscinas Naturais. Esse é o tipo de passeio que tem que fazer. É bom demais.
       
      2 - Mirante do Farol – Assistir o pôr do sol no mirante também é obrigatório. A subida é cansativa, mas vale a pena, pois o visual é deslubrante.
       
      3 - Toca do Morcego – também dá pra assistir o pôr do sol da Toca (um bar que fica no caminho da subida para o Mirante). A entrada é R$ 5 mas o ambiente é gostoso que só vendo! Visual lindo, música legal, bons drinks e comidinhas e gente bonita. Vale a pena ir pelo menos uma vez.
      À noite, após as 23h rolam as baladas na Toca, que também são bem legais. Tocam muito eletrônico mas o clima é bom (não sei se é pela época que fui que era baixa temporada, talvez perto do Carnaval role mais Axé). Gente bonita, paquera e curtição. Para os solteiros acho que é uma boa pedida...
       
      4 - Tirolesa – Em morro existe uma tirolesa de 70 m. Dá um medinho, pois é bem alto, mas vale a pena. O visual mais a adrenalina no salto são de tirar o fôlego. Custa R$ 40 por pessoa.
       
      5 - Praia da Gamboa – Para chegar à Gamboa é necessário pegar uma trilha por dentro do Portão da Fonte (uns 40 minutos andando). No caminho existem outras praias também, como a Ponta de Cima, que é deserta e bonita. Infelizmente a maré estava alta e não conseguimos chegar à Gamboa, por isso, vale a pena ir quando a maré estiver bem baixa por volta das 14h, 15h...
       
      6 - Restaurantes – Existem ótimas opções, mas os que eu mais gostei foram: Chex Max (Pizzaria), Balanço (Crepes), Marilyn (Comidas regionais).
       
      Eu fiquei 4 dias em morro e achei pouco, pois o lugar é tão lindo e tem uma energia tão gostosa que dá vontade pra ficar mais tempo. Consegui fazer todos os principais passeios e conhecer os pontos mais legais, mas fiquei com gostinho de quero-mais.


×