Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

Depois de trocar os euros pelas coroas norueguesas em Drammen, decidimos pegar a estrada e ir rodando em direção à Preikestolen. A qualidade das estradas da Noruega é excelente. Os formatos que as pistas tomam que são de assustar qualquer brasileiro. No interior do país são poucas as estradas duplicadas, para tráfego mais intenso de carros. A maioria das pistas são bastante estreitas, muitas delas não cabem dois carros de uma só vez. É preciso que um carro pare (ou dê ré, até chegar) nos alargamentos da pista próprios para a ocasião de encontro de dois carros.

Logo depois de sair de uma das poucas vias duplicadas, de cara já peguei uma dessas pistas super estreitas, que contornam os fjords, sobem montanhas em subidas íngremes e cheias de curvas. A adrenalina vai a milhão. Um fator que ajuda a aumentar ainda mais a emoção são as paisagens, que você não quer parar de ver, mesmo dirigindo nestas pistas malucas. A cada poucos quilômetros parava na beira da estrada, entremeava o mato e deparava com cenários cinematográficos. E isso apenas no primeiro dia no país.

O primeiro dia nos levou até a comuna de Seljord. Acampamos no Seljord Camping (140 kr a diária), de frente para o lago. Uma curiosidade é que muitos noruegueses possuem Campervans e saem para acampar pelo país no verão. Em todos os campings que ficamos, as campervans representavam cerca de 90% dos hospedes, poucos acampavam com barracas, como nós.

 

20180802_190300.thumb.jpg.8409725cf43c0b21ac7fb9a5bb8e6f3f.jpg

 

20180803_081119.thumb.jpg.c48e5cbc21e93da020f356a1a627df32.jpg

(foto – caminho para Seljord + camping em frente ao lago)

No dia seguinte, acordamos e pegamos a estrada novamente. Depois de várias paradas, chegamos no ferry que deveríamos pegar para chegar no estacionamento da Preikestolen. O valor de quase todos os ferrys que pegamos foi o mesmo, entre 110kr e 120kr. O tempo estava nublado, e a cada momento que chegávamos mais perto da trilha, a neblina e a garoa aumentava. Por volta de 19-20h paramos o carro no estacionamento (200kr por 24h), logo já separamos o que levaríamos para fazer a trilha. Incluindo a barraca e sacos de dormir. Sim, iriamos acampar no final do percurso. Por incrível que pareça, estava super animado durante a trilha, mesmo com o tempo fechado e a garoa. Depois de tantas trilhas no sol, foi minha primeira na chuva. A trilha é relativamente tranquila e bem sinalizada. Como estava tarde, acabei encontrando poucas pessoas pelo caminho. Na volta, durante a manhã do dia seguinte estava mais movimentada. Chegando na tão esperada pedra, a surpresa veio naquele tão conhecido “expectativa x realidade” hahaha. Achamos um pedaço com terra entre as rochas no limite de onde era permitido acampar e montamos nossa barraca (se olhar bem, vai achar ela ali no meio da neblina). Depois de curtir um pouco as redondezas, fomos para a barraca bater o rango (pão com sardinha enlatada e suco) e preparar para dormir.

1095758449_NoruegaPerestroiken(2).thumb.jpg.6aa54ef776b8e609f6319c3468809360.jpg

 

Drawing1.thumb.png.97661df30f65daa99f9d9e3bf8c3b154.png

Do nada chegou um cara chamando do lado de fora. Também estava acampando com a galera dele e não sabiam como usar um botijão de gás portátil para fazer fogo. Perguntaram pras pessoas erradas. Mas mostramos o rumo de onde havíamos visto uma outra barraca mais cedo e falamos que talvez eles pudessem saber como usar. Pouco tempo depois, começou a chover mais forte e começamos a ouvir choros de criança, tipo bebê mesmo, daqueles de poucos meses... kkkkk. Ficamos sem entender e abrimos a barraca para ver que porra era aquela. Por mais incrível que pareça, um casal montou uma barraca num pedaço de pedra encima da gente (não me perguntem como ele conseguiu essa proeza) e tinha um recém-nascido por lá, certamente com o mesmo frio que estávamos sentindo. Chorou praticamente a noite toda, mas acabou não atrapalhando o sono de quem já estava cansado feito um camelo.

Já com o dia raiando lá pelas 06h da manhã, depois de horas de chuva, um evento surpresa para deixar ainda mais emocionante o dia. Começou a minar água por baixo da barraca. A cada movimento mais brusco enquanto dormia, um fio de água gelada corria pelas minhas costas. Até que o fio de água foi aumentando, e qualquer peso sobre o chão da barraca gerava uma mina d’água. Tivemos que recolher as roupas e tudo que estava dentro da barraca, colocar dentro da mochila e ficar agachados de cócoras até que a chuva passasse e pudéssemos sair para desmontar a barraca. Foram bem uns 40 minutos nessa cena, que hoje quando vem à memória é extremamente cômica. Tão logo o tempo acalmou, desmontamos a barraca e fizemos a trilha de volta. Na mesma garoa e neblina que pegamos para ir.

Durante a descida de volta, estava rolando algum tipo de evento muito daora que parece acontecer em todo o país, pois também vimos em outras cidades. Todos estavam com o uniforme identificado como “Rockman”, que pelo que deu a entender é uma espécie de competição que eles fazem, que mistura corrida de rua, nado nos lagos, subida correndo nas montanhas e sabe-se lá o que mais. Quando finalmente chegamos no estacionamento e fomos descansar para seguir viagem, um francês que havia acabado de descer também começou a comentar que trabalha com audiovisual e fez a trilha para pegar umas imagens bacanas e tal. Dos três dias que ficou acampado no topo esperando pela ocasião para a filmagem, só pegou 30min de tempo limpo. O que mais impressionava é que ele, tanto quanto eu, não estava importando tanto para isso. Curti toda a experiência mesmo com os eventos adversos.

A intenção era fazer a Kjerag, que fica bem próxima da Preikestolen. Depois de secar um pouco das roupas no banheiro do estacionamento, botamos a rota no GPS e seguimos viagem. Chegando no lugar para pegar o ferry, também estava rolando uma galera correndo com as roupas do Rockman. Notamos que além deles, só tinha mais dois carros com dois casais de também turistas. Depois de não entender bem a programação dos ferrys para o dia, um senhor que estava dando apoio para o evento nos lembrou que era domingo, e a escala dos ferrys era reduzida bem como seu preço elevado. O ferry demoraria 5 horas para passar, não havia garantia de vaga e custaria 600kr. Resolvemos desistir da trilha e seguir viagem. O próximo destino seria Odda, cidade que fica próxima do início da Trolltunga, que seria o objetivo do dia seguinte. Colocamos o destino no GPS e fomos rodar, com várias paradas pelo caminho incluindo um ferry.

20180804_113746.thumb.jpg.185590763872863fe047d3f02562723c.jpg

20180804_114802.thumb.jpg.81f2f5627414ac1e34d2a1f8e4e95ef8.jpg

(fotos - caminho para Odda)

Em muitas estradas no interior do país elas seguem o contorno de pequenos riachos. No caminho para Odda estávamos sempre cercados por água. Porém, um ponto chamou a atenção quando estávamos nos aproximando da cidade. Uma puta de uma cachoeira passando por baixo da estrada e desaguando nesse riacho. Era a Latefossen. Mais do que na hora paramos o carro e fomos admirar aquele lugar. Depois de tirar algumas fotos, voltamos para a estrada e poucos minutos depois tivemos que fazer outra parada. Avistamos de longe a ponta de um Glacier. Não sei o nome, pois vimos só de longe. Mesmo vendo só sua ponta, bem de longe, a sensação era intimidadora.

20180804_171442.thumb.jpg.4887b898a97983d15c07198f4859a5be.jpg

20180804_172528.thumb.jpg.194935cc85c72100c69c82b940f82cfa.jpg20180804_172425.thumb.jpg.e2512ff000b691abb9602f02a7e9be5b.jpg

(Fotos Latefossen)

 

20180804_174337.thumb.jpg.51e9ca2c8a04118edd8a0d374ef463c5.jpg

(Foto Ponta Glacier – Zoom máximo do meu Samsung fodido)

Chegando na cidade fomos procurar alguma loja que vendesse chip para celular. Pois desde quando sai da Holanda, fiquei sem internet no meu chip da Vodafone. Como era domingo, acabei me dando mal. A única loja da cidade que vendia os benditos chips, só podia vender para cidadãos noruegueses (¯\_()_/¯).  Depois de rodar a cidade toda, fomos procurar um lugar para nos hospedar. Ficamos no Odda Camping, bacana o local. Pagamos 300kr pela diária. Na cozinha fizemos um molho com salsicha e milho, para acompanhar o pão. Aproveitei o WiFi do camping para me inteirar do mundo virtual antes de dormir. Fui atrapalhado pelo meu amigo, que conseguiu fazer a façanha de deixar vazar shampoo no banco do nosso carro alugado - que pela documentação tinha sido comprado à apenas 20 dias e rodado apenas 1300km quando pegamos. Depois de tentarmos limpar, acabamos desistindo quando vimos que não ficaria melhor que aquilo. A mancha não saiu. Logo fui dormir, (rezando para não nos taxarem quando devolvêssemos o carro) pois no dia seguinte acordaríamos cedo para fazer a trilha, que seria longa.

Acordamos bem cedo, desmontamos a barraca e arrumamos as coisas. Pegamos a estrada e depois de pouco mais de 20 minutos estávamos no estacionamento da Trolltunga. Nunca paguei um estacionamento tão caro na vida. Foram 500kr. Arrumamos as mochilas que levaríamos para a trilha. Abastecemos com alguns lanches para o caminho – barra de cereal/amendoim/batata frita/ chips de banana, e três garrafas de água para cada.

Lá no estacionamento existe uma van que sobe com quem está disposto a pagar até o começo verdadeiro da trilha (os 2 ou 3km iniciais são uma pista subindo em zigue zague de asfalto) cobram acho que 70 NOK. Mas já que vai andar pra caralho, o que são mais uns km a mais?! kkkk
 

A trilha tem 14km para ir e mais 14km para voltar. Apesar de ser longa, é de nível bem leve. A ida achei bem tranquila, demorou cerca de 4,5h. Toda a trilha é espetacular. A cada hora você está em um cenário diferente. Depois de chegar no final, tive que enfrentar a fila de quase 20 minutos para tirar a foto e registrar aquele momento – o maior frio que já senti na vida, fez dar a impressão que fiquei parado naquela fila por 2 longos anos. Tirada a foto, depois de ficar lá em cima o tempo que o frio permitiu - que foi menos de uma hora - já fizemos o caminho de volta, que demorou pouco mais de 4h. Fui parando, curtindo a vista da trilha. Que é sensacional. O que mais pegou foi a volta, que achei bem mais cansativa que a ida. Talvez por ter descansado pouco tempo. Para quem acampa na trilha e faz a volta no outro dia, acredito que deve ser beem mais de boa. Mesmo no verão, o que mais pegou foi o vento gelado durante o caminho todo. Portanto uma dica é ir com roupas corta vento. O brasileiro aqui achava que não precisava, e se lascou  (fui com uma camiseta, uma camiseta de manga longa mais uma blusa de frio).

 

 930507491_NoruegaTrollTunga(1).thumb.jpg.d6021e069b2fb6241d2ceb6beaa52e24.jpg

1035721905_NoruegaTrollTunga(11).thumb.jpg.da979176496564d31167cde0fbea4582.jpg416763677_NoruegaTrollTunga(26).thumb.jpg.f729045f2f63964e4238dc5d2bf0c84d.jpg1568492720_NoruegaTrollTunga(23).thumb.jpg.f211854c4d53fa9ac4e5d736caaa133f.jpg219341031_NoruegaTrollTunga(18).thumb.jpg.136ec285552a21efac01d1e24fed0843.jpg1671130716_NoruegaTrollTunga(12).thumb.jpg.894f1ac6bf41db05ca38e549c50c8a4f.jpg

(fotos Trolltunga)

 

 

CONTINUA...

  • Gostei! 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros

Depois da trilha já estava ficando tarde, quase escurecendo. Pegamos o carro e fomos para a estrada. Seguimos em direção a Flam. Quando achamos uma cidade um pouco maior paramos em um posto de gasolina, jantamos e acabamos dormindo no estacionamento dentro do carro mesmo. Nesse momento cansaço nos definia. No dia seguinte continuamos seguindo para Flam. Na região existe uma rota histórica, bem sinalizada. Depois de dar uma volta na cidade – que é bem pequena – rodamos pelas redondezas, e fomos até o Stegasten Viewpoint. Que é uma estrutura acima do pico de um dos Fjordes. O local é bem daora, mas por não necessitar de nenhum esforço para chegar, a orda de ônibus turísticos carregados de asiáticos com suas máquinas fotográficas não dava trégua. Mesmo assim deu para curtir o lugar.  Também na região tinha uma igreja de madeira. Resolvemos ir ver de qual que era, mas para entrar no jardim/cemitério da igreja precisava pagar. Acabamos dispensando. Tiramos uma foto de longe para registrar mesmo e pegamos a estrada para curtir mais um pouco da região.

20180806_104918.thumb.jpg.743b05c0a92f85c0cf07db8009e78370.jpg20180806_104813.thumb.jpg.164e3751fc64ae6c316fe2e19dc93e36.jpg20180806_122406.thumb.jpg.f0724add02b562c817ae3db85a34ca88.jpg(Stegasten Viewpoint /Igreja de Madeira)

 

Em Laerdal pegamos um ferry para atravessar o fjorde, e acabamos parando em uma cidade chamada Sogndal. A cidade não tinha nenhuma atração turística, mas curtimos demais o lugar e acabamos passando a tarde inteira andando pela cidade. Fomos ao shopping para aproveitar o banheiro grátis e dar um rolê. Sentamos numa sorveteria na praça da cidade e ficamos vendo o movimento. Não reparamos em nenhum turista estrangeiro enquanto estávamos na cidade. Como as cidades são envoltas por lagos e fjordes, em Sogndal não era diferente. Fomos em uma rua que morria no fjorde e também ficamos observando a rotina e o clima de um interior-desenvolvido da Noruega. Quando foi ficando tarde, pegamos a estrada novamente. Paramos em um camping na comuna de Luster (100 NOK a diária). Tomamos banho, jantamos nosso já de praxe pão com sardinha, e ficamos curtindo o wifi do lobby superconfortável do hostel até o sono bater.

 

20180806_153918.thumb.jpg.102b292017790192df47f81427215dd8.jpg20180806_153717.thumb.jpg.e6c7ae2e521576587e994fe263a2d5ee.jpg20180806_203313.thumb.jpg.100a71ecd860c4274060973d43b73499.jpg

(Sogndal /Camping Luster)

 

Depois de acordar decidimos que iriamos para Oslo. Procuramos no mapa uma rota que não tivesse ferrys pelo caminho e fomos. Nesse trecho da viagem, depois de pouco tempo de estrada já nos surpreendemos com uma paisagem totalmente diferente do que tínhamos visto pelo país até aquele momento. Bendita rota essa que escolhemos viu?! Não poderia ter sido melhor.

Estávamos passando por dentro de Jotunheimen, as cordilheiras norueguesas. Com as montanhas mais altas do país a região era de tirar o folego. Mesmo no verão o cume das montanhas estava com neve acumulada. A região rendeu muitas fotos e paradas na estrada. Em uma dessas paradas, vimos que tinha um bloco de gelo relativamente próximo da estrada. Saimos da estrada e fomos andando em direção ao bloco. A caminhada foi curta, cerca de 40min. As botas impermeáveis foram uteis nessa caminhada. Uma camada bem espessa de um tipo de musgo se formava no solo por causa da umidade. A cada pisada, o pé afundava quase que pela metade no chão. A caminhada compensou. Depois de curtir um pouco o lugar, voltamos para o carro e continuamos viagem. O bacana de viajar sem roteiro é justamente isso. Em nenhum site/blog vi menções a este lugar, que acabou sendo um dos que mais curtimos em toda a viagem. E que não teria entrado no roteiro, se estivéssemos seguindo algum.

 

20180807_104819.thumb.jpg.d5e6cb25d01edee28b84af74c284ee8e.jpg20180807_110444.thumb.jpg.a21a9c22ba91a2493e621e7b437a8e05.jpg

20180807_111926.thumb.jpg.74d4e7126a28d6b19db786705fdea51e.jpg20180807_121156.thumb.jpg.261fc1f8ec078da13acffb0f72a0a5f9.jpg20180807_115655-01.thumb.jpeg.55443b5228edd0dc7e6551e6b4d9c616.jpeg

Montanhas de Jotunheimen

 

Depois que saímos das cordilheiras paramos em uma cidade chamada Lom para almoçar. Muito bacana a cidade também. Nela também tinha uma igreja de madeira mais conservada que a anterior. Compramos sanduiches em um supermercado e comemos na rua, sentados ao lado da praça central da cidade.

20180807_141048.thumb.jpg.9b8fa4657cce6ca36bb36d60401d9340.jpg20180807_140343.thumb.jpg.6fb12e1df210e3db977461e6b45d9757.jpg

Lom

 

Depois de almoçar seguimos estrada rumo à Oslo. Chegamos na cidade por volta de 18h e já paramos o carro direto em um estacionamento ao lado do Vigelandsparken. Foi o único parquímetro que apanhamos. Nada de aceitar as malditas moedas, nem o maldito cartão. Depois de explorar todos os botões da máquina, pedimos arrego e perguntamos pra um cara que estava chegando no prédio vizinho como funcionava. O cartão devia ser inserido e já tirado na hora. O turista quarta feira estava inserindo e deixando ele na máquina esperando que fosse solicitado a senha...

Vencida a batalha fomos caminhar pelo parque, que era bem preservado por sinal. Além da arborização em volta do parque com grades espaços vazios no centro pra galera sentar no final da tarde e conversar tomando uma garrafa de vinho, a característica mais marcando do lugar está em suas esculturas. Em todas a peça central eram figuras humanas nus, sempre em conjunto. Quase todas com uma feição de susto/tristeza. A hora do parquímetro estava vencendo. Corremos pra chegar no horário e procurar outro lugar para estacionar próximo aos outros pontos da cidade que queríamos conhecer e ficavam em próximos uns dos outros.

1894580825_NoruegaOslo(14).thumb.jpg.7d544b868393235f9337d4b77437136a.jpg466737430_NoruegaOslo(7).thumb.jpg.f68a735c6df51cb6c34b2af991041b4e.jpg(Vigelandsparken)

Achamos uma vaga na rua próximo ao Palácio Real. Salvamos 70NOK, essa vaga era free. Andamos em direção ao palácio e logo começou a cair a chuva. Demos um tempo embaixo de uma árvore e quando perdeu um pouco de intensidade continuamos. O palácio estava em reforma. E mesmo se não estivesse, não era grande coisa. Depois de uma olhada expressa, já fomos em direção ao centro. Estava anoitecendo. Chegamos na Opera de Oslo, também estava em reforma. Se tivessem 10 guindastes à vista acredito que era pouco. Continuamos andando pelas ruas do centro, fui convencido a não comprar lembrancinhas em uma loja no centro – e acabei não achando em mais nenhum lugar até o final da viagem. Depois de algum tempo tentando lembrar onde o carro estava estacionado, o encontramos e fomos preparar a janta: mais pão com sardinha. Aproveitamos as mesas na calçada de um café que estava fechado, e ainda pegamos m pouco do wifi do lugar que estava ativado. Parecendo dois mendigos preparando a refeição na rua, fomos abordados por uns caras que pareciam ser indianos, bem vestidos, pedindo direção para o centro. Mostramos o rumo que era e continuamos nossa refeição. Já estava tarde e não queríamos gastar com hostel na cidade. Dirigimos para fora da cidade e logo encontramos um posto com estacionamento grande. Capotamos no carro mesmo e só acordamos com um verdadeiro barraco no meio da madrugada. Digno de Brasil. Tinha um carro parado de travessado bem atrás do nosso. Um casal estava de pé brigando aos berros. Pelo jeito o tema da briga era traição. Eu estava dormindo no banco de trás, me fingi de morto e só dei uma espiada de rabo de olho uma hora para ver quão perto estavam. Estava à postos para caso começasse a rolar tiros ahahaha. Depois de quase uma hora, foram embora..

Amanheceu e a missão do dia era conseguir trocar as coroas que sobraram em euros. Depois de uma verdadeira peregrinação, reviramos duas cidades de ponta cabeça e em nenhum lugar encontrávamos uma casa de câmbio. Na segunda cidade, em um dos bancos que fui pedir informação, uma mulher asiática proferiu a frase mais desanimadora da viagem quando perguntei onde conseguiria trocar o dinheiro: “Just in Oslo!” Puta que o pariu! Pensei comigo mesmo.

Em caso nenhum voltaria para a capital só para trocar a grana, no pior dos cenários poderia deixar para trocar quando retornasse para Amsterdam. Porém, quase na fronteira com a Suécia, resolvi fazer mais uma última tentativa. Parei em uma cidade, e por sorte achei um Western Union. Trocaram apenas as notas. Mas já ajudou pra caramba, pois acabaram sobrando muitas coroas. Fiquei apenas com as moedas, que eles não aceitavam. Quando fui contar, vi que ainda tinha mais de 200 coroas em moedas. Comi elas no restaurante de um hotel de beira de estrada, bem na fronteira.

Acabou por aí o rolê pela Noruega. Caímos na estrada e fizemos algumas paradas até a volta para Amsterdam, onde devolveríamos o carro. Ficamos um dia em Copenhagem e outro em Hamurgo, na Alemanha. Paramos em um posto a 40km de Amsterdam para almoçar e dar uma geral no carro, que estava podre de sujo. Maldita ideia! Uma van com 4 policiais parou do nosso lado, desceram da viatura e perguntaram o que estávamos fazendo. Explicamos que o carro estava muito sujo e que devolveríamos para a locadora assim que chegássemos na cidade. Não compraram nossa estória. Olhando a cena de fora até imagino o porquê... dois malucos cada um com uma camiseta molhada desesperados tentando tirar a sujeira impregnada no carro. Foram checar nossos passaportes no rádio, fizeram um milhão de perguntas para ver se entravamos em contradição. Depois de uns 20 minutos, nos liberaram. No final, um deles até arranhou umas palavras em português.

Resumindo a viagem para a Noruega: vale a pena pra um caralho! E não é tão caro quanto dizem. Se a pessoa estiver disposta a fazer uma viagem econômica, fica inclusive mais barato do que outros países na Europa.

  • Gostei! 3
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

@Sinval Pereira brother parabéns pelo relato! Essa é um tipo de viagem que muita gente tem vontade de fazer porém acha que é bem inviável financeiramente. Ainda quero conhecer a Noruega, está em meus planos futuros e depois de ler seu relato quem sabe consigo fazer algo semelhante. Parabéns! 

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 mês depois...
  • Membros

Estive na Noruega agora no final do ano (do dia 22/12/18 até 24/12 - véspera de Natal).

Estive em Tromso por 3  dias (2 pernoites) e 2 dias em Oslo.

Também passei 10 dias na Suécia (3 em Gotemburgo e 7 dias no sul - Karlskrona), e passei o dia 31/12 em Copenhagen.

Achei a Escandinávia cara, e a Noruega foi o lugar mais caro. Eu e o meu namorado comemos o básico do básico: biscoitos como lanche durante o dia, pão com uma "Nutella" genérica como café da manhã, e fazíamos um panelão de macarrão com salsicha como janta.

Foi na Noruega também, especificamente em Oslo que encontrei os souvenir's mais caros: um imã de geladeira custava 39 NOK!

Entretanto, com certeza, é um país com uma natureza espetacular!!!!!

Pesquisei muito sobre Trolltunga/Preikestolen/Stavanger, além de Bergen, mas desisti em razão dos custos, além de tudo ficar um pouco mais cinzento e perigoso de ir (fazer hiking) no inverno.

 

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Visitar a Escandinávia e os países que fazem parte dela não é barato. Os custos nesses países são altos tanto em alimentos e bebidas, quanto em acomodações e atrações, o que pode dificultar se você não tiver muito dinheiro para gastar durante a sua viagem.
      Felizmente, há muito para ver e fazer ao ar livre, já que este é um dos destinos mais impressionantes e interessantes do mundo. Além disso, vale a pena gastar para explorar algumas das melhores atrações que os países escandinavos têm a oferecer.
       

       
      Se você estiver viajando com orçamento limitado, há algumas coisas que você pode fazer para manter seus custos baixos, já que não é preciso fazer tudo no auge do luxo. Se você estiver procurando opções de baixo orçamento, saiba que existem algumas maneiras de economizar dinheiro.
      Nem tudo é caro, existem maneiras de encontrar voos baratos e economizar muito dinheiro para aproveitar durante a sua viagem. Para economizar com transporte, continue lendo até o fim, onde dou algumas dicas sobre o Scandinavia Pass.
      Uma das maiores dúvidas durante uma viagem, apesar do que a maioria acredita, não é com o que economizar, mas sim com o que vale a pena gastar. Por isso, aqui estão algumas atrações na Escandinávia com que vale a pena gastar dinheiro…
       
      Continue lendo: 7 Coisas que Vale a Pena Gastar Dinheiro na Escandinávia
    • Por Ana Caroline Cunha
      Olá! Como vocês estão?!
      No final de 2018 eu estava morando no Reino Unido, mais especificamente em Londres. Em Outubro eu e meu ex namorado começamos a procurar algo para fazer nas férias dele. Foram várias análises, possibilidades, roteiros, até que concordamos em ir para a Escócia com um casal de amigos dele. Organizamos a viagem mais ou menos uma semana antes de ir e foi um estilo novo e diferente de tudo que eu já tinha feito: iríamos passar uma semana dormindo em uma campervan.
      Vou compartilhar com vocês todos os detalhes dessa viagem que foi a maravilhosa troca que acontece entre culturas, já que meus parceiros desses dias eram todos Australianos e para eles tudo era muito normal. Já eu, fui inserida em um ambiente completamente novo.
      Algumas informações gerais:
      Viagem realizada em outubro de 2018 A nossa saída foi de Londres Passamos 7 dias Não gastamos com hospedagem, nós 4 dormimos em uma campervan, que eu já contei aqui nesse post como foi a experiência Vou colocar os valores em Libra gastados em 2018, com a variação cambial é muito difícil converter para real (principalmente agora, com esse vírus solto por aí e dificultando a vida de quem ganha em real kkkkk). Na época, eu lembro que fiz o cálculo e o resultado foi cerca de R$ 1.500,00!!!! Eu estava muito resistente a essa viagem por vários motivos, mas ao final foi uma das experiências mais legais que eu tive e abri muito minha mente
      Vamos ao meu relato dos dias na Escócia?
      Eu saí de Londres em um ônibus noturno até Edimburgo, custou 37,70 libras ida e volta. Fomos com a empresa National Express, é cansativo passar a noite no ônibus, quase não dormi mas é a forma mais barata de transporte. Nossos amigos foram de trem, a viagem é de 4h e muito mais cara.
      Chegamos em Edimburgo cedo e os outros só chegavam meio dia, então tínhamos a manhã livre para turistar até encontrá-los e ir buscar a campervan.
      Essa foi a primeira vez que cheguei em um lugar sem absolutamente nada definido, foi bem engraçado. Já peguei um desses mini guias que estava distribuído na rodoviária.
      DIA 01 - EDIMBURGO E ST. ANDREWS
      Como chegamos de manhã cedo, fomos logo procurar um lugar para tomar café da manhã. Se tem algo que eu amo no Reino Unido, são os cafés da manhã estilo inglês/europeu. Achamos um lugar bem recomendado pelo aplicativo Yelp e depois de encher a barriga, saímos andando por Edimburgo.
      Eu simplesmente AMEI essa cidade. É uma capital com todas as características esperadas de um país antigo, mas muito mais aconchegante sabe? Não é aquela loucura de cidade grande como Londres. Conseguimos fazer tudo a pé, carregando as mochilas nas costas haha




      Fomos andando por vários monumentos até chegar ao castelo. Não entramos porque custava mais de 17 libras e não podia entrar com mochilas grandes, fica para a próxima. Era bem grande e parecia ser interessante.
      Uma segunda coisa que descobri para visitar em Edimburgo, eram referências de Harry Potter. Dei um Google e descobri que estávamos perto de várias! Tem o cemitério que deu nome a alguns personagens da série como Tom Riddle, duas cafeterias que dizem que J.K. Rowling escreveu os livros, entre outros. Com tempo na cidade, tem os "free walking tour" direcionados a esses pontos. Essas são promovidas a pé, por guias locais, de forma gratuita, mas que ao final espera-se uma gorjeta ao guia de acordo com o trabalho realizado.



       
      Com o fim da manhã, encontramos nossos amigos e pegamos a Campervan. Paramos no mercado para fazer as compras e seguimos para St. Andrews. Essa é uma cidade costeira que é referência em golfe e tem a famosa universidade em que o príncipe William e Kate se conheceram. Andamos um pouco por lá pela universidade, pelo castelo que tinha acabado de fechar e seguimos até o pier.


      Como o dia já estava praticamente no fim, seguimos dirigindo até Perth. Chegamos a noite, encontramos um estacionamento público apropriado para passar a noite e jantamos pizza.
      Acabamos não vendo nada em Perth, infelizmente porque parece ser uma cidade bem fofa! Apenas dormimos porque estávamos todos exaustos.
      DIA 02 - ROADTRIP ESCÓCIA
      Esse foi o dia que começamos a fazer trilhas pelas Escócia.
      Acordamos, tomamos café e seguimos para Dunkeld, mais especificamente uma trilha chamada The Hermitage. No outono, as folhas caídas e o cenário alaranjado me impressionou. Essa é uma trilha curta, cerca de 30 minutos e muito fácil, mas por paisagens lindas. Uma caminhada tranquila, que fizemos até com chuva durante o trajeto mas recomendo a parada.


      Não muito longe, seguimos para a segunda parada do trajeto, chamada Faskally Forest. Essa é uma que não recomendo tanto. É para ser uma floresta encantada, então a noite e com crianças deve ser bem divertido pois tem um show com luzes e música.
      Fizemos mais uma caminhada circular e seguimos para Inverness. Gostaria muito de ter passado uma noite nessa cidade, ela é um pouco maior e é uma delícia! Entramos apenas na igreja St. Andrews, porque nosso objetivo era visitar o Lago Ness nesse dia também. Vale citar que caso não esteja planejando um roteiro como esse de campervan, Inverness é a cidade mais perto do monstro do Lago Ness hahaha


      Seguindo nosso caminho, cometemos um grande erro. O Loch Ness é um lago enorme, com mais de 30 km de distância. Quando já estávamos no meio dele, percebemos que pegamos a estrada errada! É possível ir pelos dois lados e em um deles é possível pegar um passeio de barco, visitar o Castelo Urquhart, entre outras atrações turísticas. Mas no lado que estávamos, não tinha nem espaço para parar!
      Quando percebemos o erro, iríamos perder muito tempo para voltar todo o caminho, então continuamos até encontrar algum lugar para parar e pelo menos chegar um pouco mais perto do Lago:


      Decepcionados e com o fim do dia, seguimos mais um pouco até encontrar o Eilean Donan Castle. É muito bonito e demos a sorte do sol estar se pondo, criando um clima bem gostoso e compensando um pouco o que perdemos na parada anterior. Não entramos no castelo, até porque tinha acabado de fechar, mas essa é uma opção também.
       
      
      Chegou a hora de seguir até encontrar um lugar para dormir e foi a noite que paramos ao lado da rodovia, em frente a um cemitério hahaha. Cozinhamos nossa janta embaixo de chuva e vento, dormimos cedo.

      DIA 03 - ISLE OF SKYE
      No terceiro dia, entramos oficialmente na Isle of Skye. Começamos parando na Sligachan Old Bridge, que foi uma sugestão minha. Estava chovendo, então paramos rapidinho só para umas fotos. É bem bonito ao redor, se não tivesse chovendo daria uma caminhada mais longa.

      Continuamos até Old Man Storr, a primeira trilha maior do roteiro. Foram 2h, cerca de 4.5 km e a grande dificuldade do percurso foi a chuva, vento e frio, mas a vista compensou do mesmo jeito. A trilha é muito bem demarcada e aberta, não tem como se perder e não tem segredo. Só seguir o caminho!

      Lembrando que o casaco GG impermeável foi um patrocinio do meu ex namorado hahahaha



      Quando terminamos a trilha, fomos até Kilt Rock and Mealt Falls Viewpoint, que é uma cachoeira caindo no mar e o vento quase me deixou sem celular! Hahaha. O estacionamento é super perto desse mirante, então não tem segredo! Fácil acesso, com uma paisagem incrível. Além disso, tem umas pegadas de dinossauro que foram encontradas por lá e estão sinalizadas


      A segunda trilha do dia foi a chamada Quiraing. Como já estava mais tarde, o vento estava ainda mais intenso. Novamente parecia que eu ia ser carregada e em vários lugares tivemos que ser bem cautelosos. O total é 6.8km, mas a gente não fez tudo porque as condições climáticas não estavam boas, andamos por cerca de 2h novamente. Se tivéssemos chegado um pouco mais tarde, provavelmente nem seguiríamos o percurso, o vento estava MUITO forte.

      Novamente, a paisagem compensou todo o esforço. Foi um dos dias mais pesados para mim que não era acostumada com trilhas e grandes caminhadas, que foram dificultadas pela força do vento. Mas fiquei muito feliz e orgulhosa de ter completado o roteiro e sentido a imensidão da natureza por lá.
      No fim do dia, após todas essas andanças, chuva, vento, tudo que precisávamos era um banho quentinho! Fomos até o Arainn Fhinn, The Fingal Centre e pagamos para tomar um banho. É tipo uma academia com piscinas, então é tranquilo utilizar o banheiro, com o pagamento de uma taxa pequena.
      Estacionamos e dormimos por lá.
      A CONTINUAÇÃO ESTÁ NO MEU SITE QUE PODE SER ACESSADO CLICANDO AQUI. (ou www.anavoando.com.br) Eu sei, é um saco eu redirecionar pro meu site privado, mas o conteúdo é exatamente o mesmo e estava me dando um trabalhão carregar as fotos aqui, porque são arquivos pesados e eu estou com preguiça hehehe Desculpaaa!!!! 😫😫😫
      Bônus: eu descobri que a menina que estava com a gente tinha uma mapa completinho de tudo que a gente fez, onde estacionou e tal, copiei ele e está aqui para vocês acessarem as informações e terem uma visão geral do que eu fiz, mas esse mérito e empenho não é meu, é dela ok?! Espero que ela não se importe, mas acho que nunca nem vai ver hahaha CLIQUE AQUI para acessar!
       
      Que experiência! O ponta-pé nas minhas viagens de natureza, assim como totalmente fora da minha zona de conforto, mas saí muito realizada e feliz por ter me aberto a essa oportunidade, mesmo estando em um momento bem delicado emocionalmente da minha vida. Foi uma excelente forma de finalizar minha temporada no UK.
      Espero que tenham gostado desse post e que eu tenha plantado uma sementinha para ir visitar esse país incrível que nem sempre está na prioridade dos brasileiros. A Escócia ganhou meu coração
      Podem me acompanhar também pelo Instagram: anavoando e no site www.anavoando.com.br
      Se tiverem qualquer dúvida, é só perguntar!! ❤️ 
    • Por Fora da Zona de Conforto
      Você está planejando viajar para a Escandinávia? Acha que é uma região muito cara e está se perguntando como de economizar na sua viagem pela Escandinávia?
      Se sim, continue lendo pois vou explicar como você pode economizar com transporte durante à sua viagem pelos países Nórdicos, uma das regiões mais desenvolvidas do mundo!! 
       
      Copenhague
      A Escandinávia é uma região do mundo que é um verdadeiro sonho para quem gosta de viajar. Um conjunto de paisagens deslumbrantes, cidades encantadoras, um modelo de sociedade invejável e uma cultura simplesmente maravilhosa que faz com que qualquer um que passe qualquer tempo lá se apaixone.

      Continue lendo: Como Economizar na Escandinávia: Tudo sobre Scandinavia Pass (Noruega, Suécia, Dinamarca, e Finlândia)
    • Por mariana_
      Eu e meu namorado queríamos algo diferente no ano novo, eu doida para viajar. Até que surgiu uma promoção SP - Paris R$2.500,00, tudo bem que não é a passagem mais barata porém era réveillon. Tinha escala no México, e precisei comprar passagem de NVT para SP. 
      Dia 1: 25/12 - Embarcamos NVT para Guarulhos, passamos o dia todo lá no aeroporto e o primeiro perrengue: descobri que havia esquecido minha carteira, sorte q passaporte e dinheiro estavam na soleira comigo. Pensei em emergência usar o cartão do meu namorado. Nosso voo foi pela Aeroméxico noturno.
      Dia 2: 26/12 - Chegamos bem cedinho na Cidade do México, imigração foi tranquila e tivemos nosso primeiro carimbo no passaporte. Tínhamos 16h de escala, sendo assim alugamos um carro e fomos até as piramides de Teotihuacan, fica 1h de distância, paramos num posto e tomamos café da manhã. Alugamos o carro por ser mais em conta que excursão. Não queríamos depender de ônibus e Uber pois ficamos com medo de perder o voo. E foi super tranquilo dirigir por lá, havia lido relatos que era confuso. Voltamos perto das 14:00h, queria comer uma comida tipica e não achei nada na estrada principal e acabamos indo pro aeroporto mesmo. Embarcamos cansados para Paris. No voo servem tequila, vodka e foi um jantar muito delicioso de carne com batata. 
       
       
      Dia 3: 27/12 - dia dos Perrengues: Finalmente em Paris chegamos pelo Charles de Gaulle, imigração mega tranquila. Mas ai começou o segundo perrengue. Fomos pegar o trem porém estava tendo a greve, até então os trens funcionavam, mas para nossa surpresa desespero não estavam mais. Buscamos informações no free wifi do aeroporto e compramos tickets de ônibus Roissybus, sua parada final era na Ópera. Pensamos que seria mais barato pegar um uber/táxi de lá. Fila estava imensa do ônibus, depois de 1h na fila percebemos que esquecemos uma mala de mão na parte das esteiras. Até tentei ir lá recuperar mas seria impossível pois meu namorado não colocou identificação na mala COLOQUEM ATÈ NA DE MÂO, as minhas estavam todas etiquetadas. (minha prancha estava na mala fiquei chateada pra caramba e cabelo aos ventos em quase toda viagem). 
      Chegamos na Ópera, cansados 2 malas grandes, 1 de mão sem rodinha, mochila e mais minha bolsa imensa e pesada. Subimos na galeria Lafayette (do outro lado da rua) com todas as malas, vimos lá de longe a torre. Aproveitando a galeria quentinha olhamos no maps e parecia ser perto o hotel. Engano nosso, com malas não foi nada fácil. Já estava escuro, era quase umas 19h. Eu estava cansada e com fome. Parei na primeira banquinha de comida e peguei um kebab fritas e refri. Pedi um uber até o hotel pois não aguentava mais. Hotel simples e pequeno conforme o site, sem surpresas. Ficava no Belle Ville, bairro chinês tudo em volta era chinês, até um mercado. Andamos um pouco encontramos um carrefour, pegamos uns lanches e bebida. Colocamos as bebidas do lado de fora da janela para resfriar.
       
       
      Dia 4: 28/12 (Sábado) - Acordamos cedinho, amanhecia umas 8:30h e escure umas 16:30h então queríamos aproveitar. Iriamos alugar as bikes Velib, já que metro estava em greve, aluguel de 24h custava 1,70€ e usava free por 30min, depois disso é cobrado por tempo. Ficamos mais de 1h tentando e não deu certo. Foram 300-élysées felizes. Na volta pro hotel, passamos pela feirinha natalina novamente e encaramos um brinquedo, mega radical 10€ cada um, mas super valeu a pena era algo que eu nunca tinha visto, e olha que eu já fui em vários parques. Retornamos ao hotel mortos.
       

       
      Dia 5: 29/12 - Acordamos cedo e pegamos a Velib antes que expirasse as nossas 24h, fomos até a catedral de Notre Dame, ela estava em reforma fizemos nossas fotos. O dia colaborou, estava sem nenhuma nuvem, céu bem azul. Fomos caminhando até o Pantheon, 1km bem pertinho embora fosse um morrinho acima. Logo depois fomos ao Jardim de Luxemburgo, caminhada rápida também de uns 15min. Lá tem umas cadeirinhas onde as familias sentam, as crianças ficam brincando. Bem agradável, aproveitamos o solzinho e ficamos ali sentados também pensando como iriamos para a torre, pois de lá sairia nosso mini cruzeiro. Encontramos um ponto de ônibus, na qual tem certinho os ônibus. Esperamos congelado e pegamos o nosso super lotado ônibus, como não tínhamos ticket fui pagar ao motorista, ele não cobrou, não sei se é por conta da greve. Fomos a ponte de bir-hakeim, onde em baixo dela da para fazer muitas fotos legais. e logo ali próximo tinha o pier onde saem vários cruzeiro. Eu comprei no Groupon e acompanhava crepe + refri. (já foi nosso almoço), tem um mini bar a bordo. Passa por vários pontos e tem um guia. Desembarcamos e mais uma vez nós na torre. Pegamos mais espumante e apreciamos o fim de tarde lá. E acabei caindo em um truque "onde esta a bolinha" lá perdi 200€ pronto, acabou minha viagem. Como fui estupida. Mas bola pra frente. Fomos ao hotel, comemos coisinhas do super mesmo.
      Dia 6: 30/12 - inicio da ROAD TRIP:  Iriamos pegar o carro no aeroporto, precisávamos ir até lá segunda-feira horário de pico. Logo chamei um táxi 50€. Uber estava 95€ Devido a demanda sem metro/trem acredito q por isso estava muito alto. Carro havia sido locado e pago pela Budget - PÉSSIMA FINAL EXPLICO O PQ - Planejávamos sair cedo e chegar em Bruxelas pro almoço e turistar. Precisávamos passar 1300€ de caução, e o cartão não passou. Lembra que já ficou 600€ de caução da velib, pois então não havia sido estornado ainda. Depois de horas de negociação, tiramos o seguro deles, nosso cartão já incluia seguro, (no Brasil era de madrugada, estávamos tentando ligar para aumentarem o limite, conseguimos e passou 900€. E pé na estrada.
       

       
      Como nosso itinerário estava atrasado devido essa locação, chegamos la já era escuro demos uma passadinha no Atomium e fomos pro Delirium Café. Segunda-feira estava socado, é muito divertido. Isso que eu não gosto de cerveja, então comprava nas liquors e bebia na rua. Comemos as famosas batatinhas fritas. São divinas. Fomos pro hotel Campanile, muito bom.
      Dia: 31/12 - Mais uma vez cedinho acordamos e fomos rapidinho nos pontos principais da cidade, pois iriamos pegar estrada até Amsterdã. Nosso hotel era na cidade vizinha,  pois estava muito caro para o ano novo. Paramos no hotel Bastion Hotel Schiphol Hoofddrop, outro hotel maravilhoso. Aquela parada básica no mercado, abastecendo as nossas bebidas para o ano novo, iriamos passar na praça Museumplein. Em Amsterdã não se pode beber na rua, então coloquei a vodka numa garrafa de água e lá fomos nós, paramos relativamente perto, na rua mesmo. Ficamos no ring de patinação era super cedo ainda, bebemos, comemos nossos petiscos. Conhecemos uns brasileiros, q ficaram conosco o resto da noite. Queima de fogos, quase não dava de ver pois tinha muita neblina. Meia noite estouramos champagne e logo fomos embora - (Para usar o banheiro se pagava 1,5euros)
    • Por Raisa Karigyo
      Salta - Cafayate - Purmamarca - Tilcara - Iruya - Humahuaca
      Algumas fotos da viagem que fizemos em fevereiro pelo norte da argentina, nos estados de Salta e Jujuy. Nossa viagem começou na cidade de Salta, onde alugamos um carro na Hertz. No primeiro dia de viagem conhecemos o incrível Museu de Alta Montanha, que contém 3 múmias de crianças incas sacrificadas há mais de 500 anos e encontradas em 1999 no cume do vulcão Llullallaico, fomos também ao topo do Cerro San Bernardo para ver o pôr-do-sol e ter uma visão panorâmica da cidade.
      No dia seguinte seguimos de carro para a cidade de Cafayate. O caminho até a cidade, a Ruta 68, é lindo e possui diversas atrações, como a "Puente Morales", famosa por ter sido usada na gravação do incrível filme argentino Relatos Selvagens. Após a ponte, conhecemos a Garganta do Diabo e o Anfiteatro, formações rochosas que lembram cânions. Ao chegarmos em Cafayate, armamos a barraca no camping e fomos explorar a cidade, no dia seguinte fizemos degustação de vinhos na vinícola El Esteco. Cafayate é famosa pelo cultivo da uva Torrontés, que é uma espécie de uva de altitude. Inclusive, para os entusiastas, pode-se fazer várias "Bodegas" em um dia e provar vinhos o dia inteiro, há uma infinidade de opções, porém lembre-se que a Lei Seca na Argentina não possui tolerância!
      Depois de Cafayate seguimos pela incrível Ruta 40, até a Quebrada de las Flechas, outro tipo de formação rochosa com montanhas "em diagonal". A estrada de rípio (a qual fomos fortemente aconselhados a não seguir por não estarmos com um veículo 4x4), estava em boas condições e não tivemos problemas, porém nosso objetivo final que era a cidade Cáchi não foi alcançado devido às fortes chuvas do dia anterior.
      No dia seguinte dirigimos pela Ruta 33, estrada cheia de curvas e com ganho de altitude considerável. Além da altitude, o visual  estava sempre mudando, desde florestas verdes, montanhas coloridas e até cactos. As atrações nesse caminho são a sensacional "Cuesta del Obispo" (3340m), a "Piedra del Molino" (mirante panorâmico), o Parque Nacional Los Cardones e a Recta del Tin Tin. Após a descida da "Cuesta del Obispo" avançamos até a "Piedra del Molino" (3547m) - mirante panorâmico - no qual fomos deixados na mão pelo nosso carro alugado, a bateria simplesmente morreu. Depois de conseguir ajuda para empurrar, seguimos viagem pela Ruta 33, passamos o Parque Nacional "Los Cardones", com seus cactos gigantes e chegamos à "Recta del Tintin", estrada construída em cima de um caminho utilizado pelos incas séculos atrás, uma reta de aproximadamente 20Km. Estrada linda, com montanhas, flores, cactos e grupos de vicuñas atravessando a rodovia. Voltamos e dormimos na cidade de Purmamarca.
      Nos dias seguintes conhecemos Salinas Grandes, o terceiro maior deserto de sal do mundo. Para chegar, dirigimos pela Ruta 52, estrada cheia de curvas pela qual se chega à Cuesta de Lipan, que atinge 4170m acima do nível do mar. Depois seguimos para a pitoresca Quebrada de Humahuaca, composta por várias cidades e povoados, entre elas Purmamarca, Tilcara, Maimará e Humahuaca. Na quebrada de Humahuaca nos hospedamos no camping em Tilcara e participamos das festas, sabíamos que estaríamos em meio ao feriado de carnaval, mas não imaginávamos como seriam as comemorações. Nessas cidades a tradição de Carnaval é desenterrar o Diablo e pudemos acompanhar especificamente a descida dos diablos no povoado de Maimará, no qual a população do povoado e das cidades ao redor se reúnem em uma montanha, chamada Cerro Negro para festejar a descida dos diablos com banda, nieve, tempera e talco. Lembre-se de levar um óculos de sol grande (se tiver um com proteção lateral, melhor ainda!) chapéu ou boné e roupas confortáveis para se sujar. A brincadeira de carnaval é sujar quem está limpo e dela participam crianças, jovens e até os idosos!
      Para descansar do Carnaval, seguimos viagem (desta vez de ônibus) para a cidade de Iruya, um povoado muito pequeno de acesso difícil por estrada de rípio, cheia de precipícios. Por ter uma localização mais isolada, seu povo conservam vivas as tradições dos antepassados. Boa parte da população prefere não ser fotografada. Em Iruya subimos até o "Mirador del Cóndor", uma trilha de pura subida de aproximadamente 1h30 de duração e com o visual dos mais maravilhosos dessa viagem! Vale a subida perto das 17hs para curtir um pôr-do-sol e fotografar durante a "golden hour".
      Havíamos passado pela cidade de Humahuaca (a caminho de Iruya) e pegamos um tempo nublado, não pudemos ver o Cerro de 14 Colores, na serranía Hornocal. Como somos brasileiros e só desistimos de vez em quando, retornamos de Iruya até Humahuaca e fomos novamente tentar ver o Cerro, desta vez tivemos sorte e o céu azulzinho nos permitiu curtir a paisagem incrível das montanhas coloridas! O mirante do Cerro fica a 4350m acima do nível do mar, algumas pessoas podem sentir os efeitos da altitude, mas fique tranquilo, há uma ambulância para atendimento no local.
      Retornamos a Salta e pudemos passar um tempo descansando e caminhando pelas ruas da cidade. O apelido da cidade é "Salta, la Linda", com toda a razão! Principalmente no centro da cidade, o centro antigo, as igrejas e construções históricas, a praça 9 de Julho, há muita gente caminhando e a vida noturna de comércio, bares e restaurantes é intensa e vai até tarde da noite. Recomendo tomar uma cerveja Salta rúbia para aplacar o calor e admirar a cidade!
      Aéreo de Puerto Iguazu a Salta $7.875 (pesos argentinos)
      Total aproximado de investimento nessa viagem R$2.500,00 por pessoa
      Informações úteis:
      ·         Não há uber nessa região, porém há táxis e Remis (motoristas particulares que fazem corridas);
      ·         Custo médio de uma refeição 250 a 350 pesos;
      ·         Para esse roteiro em específico, recomendo o aluguel de um veículo, pode ser 1.0 que dá conta;
      ·         Custo médio de quarto privado em hostel entre 500 e 600 pesos (com variação para cima devido ao feriado de carnaval);
      ·         Se quiser acampar, há muitos campings com ótima infra estrutura (inclusive municipais) ao longo dessas cidades, com custo aproximado de 300 pesos por pessoa;
      ·         Levem protetor solar, protetor labial e hidratante. A região é muito seca e venta bastante!
      ·         Pegamos variação térmica de 8°C a 35°C, leve fleece e corta vento;
      ·         A população sempre foi muito amável e receptiva e dá pra se virar bem no portunhol


       






×
×
  • Criar Novo...