Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Boa noite, gente!

Pretendo fazer um intercâmbio de 3 meses em Brighton (UK) em uma escola certificada pelo British Council no final de agosto deste ano (2019). Só que depois desses 3 meses, gostaria de fazer uma viagem de 15 dias pelo Reino Unido + duas semanas em Londres, a imigração vai implicar? Eu já devo ter todas as hospedagens reservadas no dia de chegada (mesmo que faltem 3 meses pras viagens)?

 

Tenho uma amiga de nacionalidade espanhola que estará morando em Londres, se eles me perguntarem se conheço alguém no Reino Unido, devo dizer que sim né? Isso vai me prejudicar? Mesmo ela sendo cidadã espanhola?

Grata desde já. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Se você não for ficar na casa da sua amiga, não vejo motivo para dizer que conhece ela.

Quanto ao seu visto anterior para a Espanha, eu diria que eles têm acesso sim.

Que legal você estar indo pra lá! Fiz intercâmbio em Londres já. Amo!!!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      Quando se vai pra Londres com dois Beatlemaníacos, a esticadinha até Liverpool é obrigatória!
       
      Tínhamos apenas 5 dias em Londres, é super pouco e muita coisa fica de fora. Mas mesmo assim, acho que vale sim a pena “matar” um dia para conhecer o passado e a história de John, Paul, Ringo e George.
       

       
      Depois de muita discussão sobre como iríamos, optamos pelo trem (não é o mais barato, mas é o mais rápido). Compramos pelo site http://www.thetrainline.com,'>http://www.thetrainline.com, aqui a dica é examinar todos os horários possíveis de ida e volta, as vezes uma saída uma hora mais cedo/tarde é a metade do preço. Pegamos o trem na estação Euston e em menos de 2:30 depois desembarcávamos na Lime Street, em Liverpool.
       
      Primeiro passo foi achar o centro de informações turísticas, que fica pertinho da estação, nossa ideia era comprar o Magic Mystery Tour, o famoso ônibus amarelo que faz todo o roteiro Beatles. Mas, para nossa surpresa (e felicidade), a funcionária perguntou se não preferíamos tour privativo, pagando menos. Claro que preferíamos! Mas como bons brasileiros, já estávamos esperando qual seria a pegadinha. Depois de muitas perguntas aceitamos, ainda meio desconfiados, e agendamos horário e local para o motorista nos pegar.
       
      Eis que chega Danny, um tipo cabeludinho, com rosto de caricatura e muito simpático!
       
      O fato é que valeu muito mais a pena! Estávamos em 5, a capacidade máxima do carro e pagamos £45 no total, enquanto no Magic Mytery o valor é £16,95 por pessoa, ou seja, se estiver em um grupo de 3 pessoas já compensa pegar o tour privativo! O motorista-guia vai contando as histórias de cada lugar (em inglês), mostra fotos antigas dos integrantes da banda em frente aos lugares que visitamos e de quebra ainda vai colocando as músicas de acordo com os lugares que vamos conhecer, muito mágico! (ps. só não sei como ele aguenta ouvir as mesmas músicas todos os dias rs). Enquanto descíamos em todos os pontos, sem muvuca e sem pressa, víamos o ônibus amarelo só passando rápidamente, ou seja, eles cobram mais caro e oferecem bem menos.
       

       
      Ah, prepare-se para entrar em desespero a cada curva, como lá é mão inglesa, nós que não estamos acostumados temos a impressão constante de que o carro vai bater, ou que crianças no banco do passageiro estão dirigindo o carro! Rs
       
      A primeira parada foi a casa onde nasceu Ringo Starr, ela esteve a ponto de ser demolida para revitalização da área. Não é possível entrar, mas você pode fazer como milhares de turistas (especialmente brasileiros) e deixar sua marca nos painéis que cobrem a porta e a janela.
       
      Um detalhe interessante, que confesso não me lembrar precisamente da história, é uma inscrição extremamente sutil, feita pelo pai do baterista, entre os tijolos da casa em frente à de Ringo, escrito “Beatles”.
       
      Próxima parada, Penny Lane, umas das ruas de Liverpool (e também o nome do bairro onde ela se encontra). O local é famoso pela música, escrita por Paul, onde ele retrata diversos locais que fizeram parte da rotina de todos eles, como a Barber shop, que demos uma entradinha para conhecer. Antigamente a prefeitura tinha que recolocar as placas da rua constantemente, pois os fãs as “levavam de lembrança”, hoje as placas não existem mais e o nome agora é pintado nos muros.
       

       
      ps. Aqui nosso motorista-guia se mostrou também um ótimo fotógrafo, pediu nossa câmera e arrumou um ângulo perfeito para uma foto diferente!
       
      De lá, seguimos para a antiga casa de Paul McCartney, onde ele e John Lennon começaram uma das parcerias mais famosas da história. Dizem até que vez ou outra ele aparece na cidade e passa por lá. Ela é aberta para visitação porém não entramos (inclusive é um roubo, mais de £20! ).
       
      Em seguida fomos para o Strawberry Fields, o antigo orfanato próximo a casa de John, onde ele e sua tia Mimi participavam das festas anuais no jardim. O icônico portão é hoje uma réplica.
       

       
      Próxima parada, casa onde John Lennon passou a infância e a adolescência. Aqui também é possível visitar, mas também não entramos (mas tiramos muitas fotos imitando a pose de John no portão em um antigo retrato).
       
      Seguimos para o lugar onde Lennon e McCartney se conheceram, a St. Peter’s Church, onde John estava tocando com sua banda Quarrymen e um amigo em comum os apresentou. Ainda no mesmo local há um cemitério com as lápides de Eleanor Rigby e McKenzie, citados na música que leva o nome da garota.
       

       
      Pra finalizar o tour, Danny perguntou se preferíamos ir até a casa do George, que era um pouco mais afastada ou conhecer o bar onde John Lennon costumava beber, o Ye Cracke. A resposta foi unânime, o bar! Como os tours convencionais não costumam passar por lá, estava super vazio, apenas um grupo de ingleses barulhentos dividiam o local conosco.
       
      Saímos a pé em direção ao Cavern Club, o trajeto era curto, mas o frio congelante estava difícil de aguentar! No caminho passamos pelo centrinho de Liverpool e como já era quase Natal, tudo estava enfeitado! (Ao contrário da maioria das pessoas do mundo eu amo coisas natalinas!)
       
      Terminamos a noite no Cavern, que foi o lugar onde ocorreu a primeira apresentação dos Beatles, depois disso eles tocaram lá muitas outras vezes, foi também onde conheceram seu empresário Brian Epstein. Depois da fama, a banda não voltou a tocar lá. A casa foi demolida em 1973 e anos depois reconstruída alguns metros depois do local original. Hoje ela é frequentada por turistas, com alguns itens originais dos Beatles e sempre um cover tocando, adivinha… Beatles! Rs
       
      Ah, cuidado para não entrar no genérico, no outro lado da rua.
       

       
      Com certeza um fã de Beatles faria deste texto um livro, eu como não tenho tanto conhecimento assim (e já não me lembro de tudo que ouvi por lá) me limito a compartilhar a experiência de uma simpatizante, que adorou a cidadezinha dos quatro garotos de Liverpool!
       
      Informações úteis:
       
      Trem Londres-Liverpool: http://www.thetrainline.com
       
      Tour privativo: http://www.fab4tours.co.uk | 2 horas – £45 para até 5 pessoas (mais opções no site)
       
      Ônibus Magic Mystery Tour: http://www.cavernclub.org/the-magical-mystery-tour/ | £16,96 por pessoa (mais opções no site)
       
      Ingressos para as casas onde eles viveram na infância: http://www.nationaltrust.org.uk/beatles-childhood-homes/
       
      Relato original com mais fotos e trilha sonora http://www.queroirla.com.br/liverpool-para-beatlemaniacos-ou-nao/
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos e mapas: http://www.queroirla.com.br/roteiro-londres-5-dias/
       
      Londres é do tipo de cidade que tem tanta coisa pra ver e fazer que acho que só morando lá seja possível conhecer tudo (e talvez nem assim)! Bom, eu, o Dan e uns amigos tínhamos apenas 5 dias, sendo um deles reservado para um bate-volta à Liverpool, então foi necessário definir prioridades e se contentar em conhecer “só″ os principais pontos (como se isso fosse pouco em Londres rs). Queria muito ter conhecido um dos incríveis museus da cidade (muitos inclusive são de graça), mas realmente o tempo era curto, ficou pra uma próxima vez.
       
      Ficamos hospedados no Gallery Hyde Park Hostel, não foi exatamente barato, isso aliás é bem difícil em Londres, mas tem um bom custo benefício pois fica numa região legal, bem perto do metrô e do Hyde Park, tem um café da manhã ok e é bastante limpo e tranquilo.
       
      Para nos deslocarmos por lá optamos por usar o Oyster, cartão do metrô que você define as zonas em que quer andar e se devolver quando acabar o uso recebe 5 libras de volta. Compramos na estação de trem mas imagino que seja possível em qualquer estação do metrô também.
       
       
      Dia 1
       
      Até desembarcar, pegar o trem do aeroporto para o centro de Londres e fazer check-in no hostel já era quase noite, então atacamos uma pizza deliciosa (o que é raro fora de São Paulo, bairrismo a parte) e já fomos logo para o cartão postal da cidade, o Big Ben! Ele faz parte do maravilhoso conjunto arquitetônico neogótico do Parlamento Britânico ou Palácio de Westminster. Na verdade, o nome Big Ben refere-se somente ao sino que se encontra dentro da Torre do Relógio, mas hoje em dia quase não há como chamá-lo de outra forma. Em seguida passamos para dar uma olhada na Abadia de Westminster, outro exemplar da arquitetura neogótica.
       
      Atravessando o Rio Tâmisa tem-se uma vista maravilhosa do Parlamento completo, vale a pena dar uma paradinha antes de chegar ao próximo e último ponto do dia, a London Eye! Ela é uma roda gigante enorme com capsulas envidraçadas super modernas para ver a cidade de todos os lados. Também não é barato, mas realmente vale a pena! Em conjunto com ela há um filme 3D com imagens da capital inglesa, mas ai já não é algo tão especial.
       
       
      Dia 2
       
      Esse dia foi inteirinho dedicado à Liverpool e aos Beatles, claro!
       
       
      Dia 3
       
      Começamos esse dia cinzento, bem clichê de Londres, visitando a Tower Bridge. Ela é linda por fora e por dentro oferece vista para um lado mais moderninho da cidade além de uma área expositória simulando a “casa das máquinas”, mas honestamente, acho que dá pra gastar esse tempo e principalmente o dinheiro em outros lugares mais interessantes. Ah, a lojinha de souvenirs tem coisas muito lindas, me apaixonei por tudo!
       
      Saindo de lá fomos presenteados com um céu azul lindo e aproveitamos para ir até a Abbey Road, a rua com o Abbey Road Studios e a faixa de pedestres mais conhecida do mundo! Ela se tornou tão turística por causa do disco homônimo dos Beatles, que ficam uns “profissionais” por lá caso você queira desembolsar 10 libras pra tirar a foto atravessando (tem que tirar, né!) e imprimir na hora pra você ou 3 libras se quiser que ele só tire a foto com a sua máquina mesmo. O estúdio mantém uma câmera gravando a faixa 24h por dia e disponibiliza um link caso você queira ver sua travessia, é simpático da parte deles!
       
      Atenção para a pegadinha, a faixa de pedestres e o estúdio ficam na estação St. John’s Wood do metrô e não na estação Abbey Road, que fica bem mais distante.
       
      Em seguida descemos na estação Baker Street, que homenageia Sherlock Holmes. Em uma rua próxima há também o museu que dizem recriar o ambiente da casa do detetive e seu assistente Watson, como não sou fã (na verdade nunca li nenhum dos livros) fui só dar uma olhadinha na loja ao lado do museu por curiosidade.
      A fome bateu em todo mundo e fomos provar o tão falado fish & ships, especialidade londrina! Não foi a melhor coisa do mundo mas ok! Naquele restaurante aprendi que pra pedir um chá gelado em Londres é preciso ser bem específico, acabei almoçando com uma xícara de chá quentinho hahaha.
       
      A próxima parada foi a Picadilly Circus, uma praça com estilo meio Champs Elysées meio Quinta Avenida de onde saem algumas ruas super movimentadas. Muitas lojas, muita gente, e como era natal, um globo de neve gigante como decoração (amo natal, amo decoração de natal e coleciono globos de neve dos lugares visitados, logo, o que é brega pra maioria das pessoas foi lindo e mágico pra mim! Uma das lojas imperdíveis, nem que seja só pra dar uma olhada é a M&Ms World, um verdadeiro paraíso doce e colorido.
       
      Terminamos a noite no All Bar One, um pub um pouco decepcionante. Talvez muito decepcionante, já que fomos obrigados a parar no KFC pra matar a fome!
       
      Dia 4
       
      Passamos um começo de dia gelado no Hyde Park, apesar de estar sol e céu azul. O parque é lindo, enorme, bem cuidado e como era outono, estava repleto de folhas caídas no chão, eu amo isso! Alguns dos pontos interessantes são o entorno do lago e uma simpática estátua do Peter Pan, além disso é possível avistar esquilos de vez em quando.
       
      Pegamos o metrô até o centro de Londres e paramos na Parliament Square, de onde se pode ver o Big Ben, o Parlamento e a Abadia de Westminster. Ela é conhecida como Praça das Estátuas pois lá estão representados, entre outras personalidades, Mandela, Churchill e Lincoln. Fomos dar uma olhada na Abadia mas decidimos não entrar, seguimos para a Catedral de Saint Paul, como ambas eram bastante caras, não deu pra conhecer as duas.
       
      Saint Paul é linda! A fachada tem uma mistura de estilos com predominância neoclássica. Você pode solicitar um áudioguia incluso no valor da entrada que vai contando a história de cada pedacinho da Catedral. No subsolo estão os túmulos de personalidades britânicas e no topo uma vista fantástica da cidade! É preciso subir alguns lances espremidos de escadas até chegar lá, mas vale a pena. Não é permitido tirar fotos no interior. Ah, foi lá que Lady Di e Príncipe Charles se casaram em 1981.
       
      Terminamos o dia em Camden Town, uma área mais alternativa de Londres com lojas, bares e gente de todo o tipo. Não se assuste se de repente alguém passar por você e oferecer: “Cocaine?”, como se fosse super normal! De lá sairam algumas celebridades sendo a mais conhecida a cantora Amy Winehouse. Resolvemos dar mais uma chance ao fish & ships no Poppies e dessa vez valeu a pena, o lugar é bem legal e a comida é boa!
       
       
      Dia 5
       
      Último dia, mas ainda faltava ver a troca da guarda no Palácio de Buckingham. A cerimônia acontece sempre as 11:30, para confirmar os horários acesse o site oficial, é bom chegar com bastante antecedência para conseguir um lugar melhor pois fica lotado! Ficamos no Victoria Memorial, um monumento em frente ao portão principal do Palácio. Vou ser bem sincera, apesar de ser interessante (especialmente pelo paramento todo dos guardas, com aqueles famosos chapéus enormes com penas coloridas na lateral de acordo com seus cargos), não acho que seja imperdível, se você não faz questão de participar desse momento, invista em outras atrações na cidade.
       
      Demos uma última volta em um dos parques próximos ao museu (agora não me lembro se foi o Green Park ou o St. Jame’s Park) onde comemos um delicioso e gordo waffle com chocolate como presente de despedida. Depois pegamos o trem de volta para o aeroporto e partimos pra Dublin, nosso próximo destino.
       
      *Dados com base na data da viagem, novembro de 2013.
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos e mapa aqui: http://www.queroirla.com.br/2-dias-em-edimburgo/
      O som da gaita de fole em cada esquina anuncia a chegada em Edimburgo, capital da Escócia, cheia de história e fantásticas paisagens! A cidade tem seu lado “novo”, simétrico, marcado por exemplares das arquiteturas georgianas e neoclássicas. Mas o que realmente atrai os visitantes é a Old Town, com catedrais, praças, ruas e becos medievais.
       
      A maior atração é sem dúvida o Castelo de Edimburgo (£16.50/adulto), construído no topo da imponente Rock Castle e de onde se tem uma das mais belas vistas da cidade, especialmente nos dias de sol (que são raros, mas existem). O lugar é na verdade um complexo de pátios e edifícios com museus que contam a história do país, marcada por diversas guerras entre clãs rivais e principalmente contra a Inglaterra. Apesar da Escócia ser parte do Reino Unido, a rixa com os ingleses é visível ao ouvir os guias narrando os acontecimentos.
       
      Saindo do castelo, o cenário é o mais vibrante possível na Royal Mile, rua que se estende até o Palácio de Holyroodhouse, com diversas lojas de souvenir, bares, restaurantes e grande parte das atrações turísticas, como a Catedral de St. Gilles. O Tartan Weaving Mill é um lugar interessante para conhecer um pouco da história e fabricação dos kilts, outro clichê escocês ligado a tradição dos clãs. Apesar de ser na verdade uma grande loja, é possível acompanhar de graça a produção dos icônicos tecidos xadrez, chamados de tartan.
       
      Para os fãs de whisky, o Scotch Whisky Experience (£14.50/adulto) pode ser uma boa pedida, mas para aqueles que querem apenas experimentar a bebida, alguns pubs oferecem um menu de degustação onde é possível escolher a combinação de sua preferência de acordo com o tipo o região (a partir de £12.50). Nós escolhemos o Ensign Ewart, um lugar super aconchegante e autêntico apesar de estar bem perto do castelo. A tábua de queijos é o acompanhamento perfeito, com destaque para um tipo escocês chamado Morangie Brie, inesquecível!
       
      A old town de Edimburgo tem diversas passagens, chamadas de closes, onde na idade média viviam os menos endinheirados. Existem várias lendas que são contadas a turistas corajosos em tours espalhados pela cidade, muitos gratuitos.
       
      Entre as belezas naturais estão os lindos jardins que beiram a Princess Street (onde vimos até um esquilinho!), e o Arthur’s seat, uma extensa colina que presenteia aqueles que conseguem chegar em seu topo com uma vista 360º da cidade! A subida não é tão fácil, mas se o dia estiver bonito vale muito a pena!
       
      Outro lugar fantástico é o Calton Hill, que fica em uma posição mais central e além de um panorama incrível da área urbana de Edimburgo e do mar, ainda tem um conjunto de monumentos que faz parte de um período conhecido como iluminismo escocês, onde se destacaram grandes artistas e intelectuais como David Hume e Adam Smith.
       
      Um ícone muito fofo da cidade que quase passa desapercebido é a estátua em tamanho real de Greyfriars Bobby, um cãozinho que passou muitos anos indo visitar seu falecido dono no cemitério, causando comoção nos habitantes de Edimburgo.
       
      Por um golpe de sorte passamos pelo Palácio de Holyroodhouse (residência oficial da rainha na Escócia) bem na hora de começar uma apresentação da guarda real escocesa, que é como a troca da guarda inglesa mas muito mais legal, porque eles usam kilt (atualmente ele é usado apenas em eventos especiais) e tocam gaita de fole!
       
      Um dos lugares fora da rota que conhecemos foi o Water of Leith, um caminho arborizado a beira do rio para um momento de paz e tranquilidade entre um ponto turístico e outro.
       
      Até uma cerveja no bar pode ser diferente, o Panda & Sons por exemplo é um pub literalmente escondido no subsolo de uma barbearia, fazendo referência a época da lei seca nos Estados Unidos. Nós passamos em frente mas estava fechado no dia, e realmente não dá pra saber que é um pub, muito legal! No Jekyll and Hyde o ambiente sombrio é inspirado na história do médico e o monstro.
       
      Além disso, vale lembrar que para o fãs de Harry Potter, Edimburgo é o lugar perfeito, já que muitos lugares serviram de inspiração para J.K Rowling, que morou na cidade por alguns anos. Tem tours especiais para isso também! Como não sou tão conhecedora, só sei que o café The Elephant House é bem famoso por ser um dos locais onde o livro foi escrito, mas na real não tem nada de especial!
       
      Uma curiosidade é que com a reforma protestante na Escócia, muitas igrejas católicas perderam sua função original e hoje são usadas como pubs, restaurantes, espaços culturais e até hostel! Nós ficamos hospedados no Belford, que além de ser dentro da igreja, simula uma vila, onde os corredores são desenhados como se fossem ruas e cada quarto é decorado com um tema. Não é tão perto do centro mas é uma boa opção pelo custo-benefício.
       
      A única coisa que realmente não me agradou no país foi a comida. Talvez para carnívoros seja melhor, afinal o prato tradicional é o Haggis, que é algo como um bucho de carneiro recheado com vísceras! Mas pra quem é vegetariano (ou quase, como eu), as opções são bem restritas.
       
      Edimburgo também é bastante conhecida por seus muitos festivais, sendo que um dos mais populares é o Hogmanay, comemorações de ano novo que duram 3 dias, com diversos shows, eventos e claro, a tradicional queima de fogos. Dizem que é o melhor ano novo da Europa!
       
      Pra chegar ao centro da cidade é possível pegar o ônibus 35 ou o Airlink, que vai direto ao centro (£4.50/adulto). Aqui tem mais informações sobre todas as opções. Também é super fácil ir pra Glasgow de ônibus, demora menos de 2 horas e a passagem é bem barata pela Megabus.
       
      Ah, um último detalhe: como Edimburgo fica no Reino Unido, a moeda é a libra, e o nome da cidade é pronunciado mais ou menos como “Edimbrrra”.
       
      Post original com fotos e mapa aqui: http://www.queroirla.com.br/2-dias-em-edimburgo/
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-3-dias-em-liverpool/
       
      Sim, 3 dias é bastante pra conhecer a pequena cidade inglesa berço da banda mais famosa do mundo, os Beatles! Mas quando rola uma passagem baratinha da Ryanair, vale a pena esticar a visita em Liverpool e conhecer com calma alguns lugares menos explorados.
       
      Ps. Não, infelizmente isso não é um post patrocinado pela Ryanair! Rs
       
      Para ir do aeroporto (que chama John Lennon Airport, já pra desembarcar no clima!) ao centro, pegamos o ônibus 500, que custa algo em torno de 2 libras e demora por volta de meia hora.
       
      Ficamos hospedados no Euro Hostel e gostei bastante! Bem limpo e profissional, fica no centro da cidade (quase vizinho do Cavern e outros pubs) e tem um café da manhã baratinho!
       
       
      DIA 1
       
      Já tínhamos feito um bate-volta a partir de Londres (leia aqui: http://www.queroirla.com.br/liverpool-para-beatlemaniacos-ou-nao/), mas sem tempo de conhecer muita coisa, então dessa vez começamos pelo que estava faltando, o The Bealtes Story. O museu é fantástico e conta a história da banda do início ao fim através de ambientes recriados, objetos originais – como o piano branco de John Lennon, fotos, vídeos e é claro, muita música! O áudio-guia é grátis e está disponível em várias línguas, inclusive português.
       
      O museu fica na Albert Dock, a região das docas que foi revitalizada e hoje é um agradável espaço com vários bares, restaurantes, lojas e museus. É um dos lugares mais caros pra comer, mas vale a pena dar uma volta por lá.
       
      Paramos pra comer no Wahaca, um tex-mex moderninho e gostoso, vale pelo ambiente e atendimento também!
       
      Seguimos caminhando até a St. Luke’s Church, uma igreja que foi bombardeada pela Alemanha nazista em 1941. O que sobrou dela foi mantido como homenagem aos que foram mortos na guerra. No momento estão reformando então estava fechado para visitação.
       
      Ainda sobre igrejas, visitamos também a Liverpool Cathedral, a maior catedral do Reino Unido! A rua em frente a igreja e várias outras nessa região são repletas de casinhas estilo georgiano, bem característico da Inglaterra.
       
      Ali do lado fica a Chinatown, que não passa de uma rua com um lindo portal chinês e várias lojas e restaurantes orientais (pra quem é de São Paulo, é tipo a Liberdade só que em escala bem reduzida!).
       
      Depois disso fomos tomar um pint no pub preferido do Lennon na época que morava lá, o Ye Cracke, que é um pub como qualquer outro, mas né!?
       
      De noite fomos no Cavern Club, é claro! Já falei sobre ele no primeiro post, mas foi o primeiro bar onde os Beatles se apresentaram. O local foi demolido e reconstruído exatamente igual ao original alguns metros para frente, hoje em dia rolam bandas cover incríveis! A entrada é free em alguns horários mas geralmente a noite custa £5.
       
      Na Mathew Street existem vários outros bares além do Cavern, inclusive o Cavern Pub, bem em frente, ele é quase que uma filial do “original”, geralmente mais vazio e com entrada free (mas não deixe de ir no “verdadeiro” por nada!). Rola música ao vivo na maioria deles.
       
       
      DIA 2
       
      Assim como da outra vez, também fechamos o tour pelo Fab4 Taxi, que passa pelos locais importantes na história dos Beatles. Estávamos em 3 então já saia mais barato do que o ônibus Magical Mystery. Dessa vez fechamos por 3 horas, então passamos por alguns lugares diferentes, como o hospital onde Lennon nasceu, as casas onde Lennon e Ringo nasceram, o pub que aparece na capa do primeiro disco solo de Ringo, Sentimental Journey, entre outros. Eles te buscam e deixam no hostel (ou onde preferirem, sendo caminho de volta deles).
       
      Leia aqui o post contando como é o passeio: http://www.queroirla.com.br/liverpool-para-beatlemaniacos-ou-nao/
       
      Uma curiosidade é que apenas as casas de Paul e John pertencem hoje ao patrimônio histórico britânico, isso porque foram lugares onde eles compuseram grande parte das músicas, e por esse motivo são hoje museus abertos ao público.
       
      No fim do tour o guia nos indicou o Philarmonic Dining Rooms, um restaurante/pub com mais de 100 anos, que impressiona pela arquitetura e decoração dos ambientes! Apesar da atmosfera aristocrática, o valor não é tão acima dos demais restaurantes, vale a visita!
       
      Pra terminar o dia fomos até a região do porto admirar um pôr-do-sol perfeito! Impossível não notar o imponente conjunto de prédios beirando o mar, a arquitetura diferenciada do Museum of Liverpool e a simpática estátua dos “quatro rapazes de Liverpool”.
       
       
      DIA 3
       
      Começamos o último dia subindo até o St. John’s Gardens, uma bonita e bem cuidada praça rodeada por edifícios históricos. Um desses prédios é a Central Library, que mescla o antigo e o moderno de uma forma fantástica! Mesmo que você não seja um entusiasta dos livros vale passar por lá, nem que seja só pela vista da cidade a partir do terraço.
       
      Seguimos para a Tate Liverpool, na Albert Dock, uma galeria de arte moderna e contemporânea com obras de artistas britânicos e internacionais. A entrada é free!
       
      Antes de pegar o ônibus de volta para o aeroporto paramos pra comer no Côte Bistrô, na parte mais moderninha do centro de Liverpool. Posso dizer que foi o segundo melhor mousse de chocolate da minha vida!!!
       
      Liverpool é uma cidade pequena e dá pra ser bem explorada a pé, vale passar um fim de semana ou como bate-volta de Londres!
       
      Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-3-dias-em-liverpool/
    • Por and_bird
      Bom dia pessoal,tudo bem?
      Estou pensando em fazer uma viagem pela Ásia sem roteiro pronto e sem data de retorno certa - porque vai depender de quanto dinheiro eu vou gastar, e quanto mais eu economizar, mais tempo posso ficar.
      Alguém sabe se é possível comprar passagem só de ida? Pergunto para fins de quando chegar em algum país ser questionada sobre passagem de volta. 
      E quantos dólares vcs calculam por dia em média no leste e sudeste da Ásia?


×
×
  • Criar Novo...