Ir para conteúdo

Capitólio + São Thomé das Letras (7 dias - de carro) - POST CAPITÓLIO


Posts Recomendados

  • Membros

Na semana anterior à Páscoa, fui com meu namorado conhecer Capitólio e São Thomé das Letras de carro. 

Neste post vou contar APENAS SOBRE CAPITÓLIO. O link para São Thomé está no fim dele.

Saímos do Rio de Janeiro na quinta-feira de madrugada e levamos mais ou menos 8h e meia de carro (+ paradas para abastecer e fazer xixi). Vou detalhar tudo para vocês.

Saída do Rio: +- 5h da manhã

Chegada em Capitólio: +- 14:30h

 

Capitólio

Em Capitólio ficamos hospedados do dia 11 a 14 de abril no Balneário do Lago Hotel, e particularmente o resort é para quem curte conforto, bem-estar e boa localização. É uma experiência de hospedagem completa e ótima opção para famílias e casais. Ele é situado em frente ao Lago de Furnas e oferece piscinas ao ar livre e cobertas (aquecidas), sauna, academia, quadras de tênis e de futebol, espaço kids, além de um Parque Aquático (Lake Parque) que é uma atração a parte!

IMG-20190414-WA0005.thumb.jpg.ab36718066970e9cbe6d0079fdd22882.jpgCYMERA_20190417_134222.thumb.jpg.c670d14d4f2bf0c77613e41ea5f79253.jpgIMG-20190414-WA0006.thumb.jpg.94fa15859ef76e8e13ad164025049b03.jpg

 

Ficamos numa Suíte Master, que era equipada com frigobar, televisão LCD (sem TV a cabo), ar condicionado, banheiro espaçoso e uma banheira de ofurô. O café da manhã oferece opções como queijos da localidade, frutas, pães, bolos, além de gostosuras como pamonha e churros. Um outro diferencial do hotel é que eles oferecem o serviço de meia pensão, com o café da manhã e jantar. Sendo ideal para quem não quer sair das instalações à noite. Aproveitamos TODOS os dias para nos deliciar com comidas tipicamente mineiras (feijão tropeiro, frango caipira, tilápia, etc). Para quem não curte o sistema, também pode desfrutar de petiscos ou refeições à la carte à noite. O bar à beira da piscina também é ideal para relaxar com petiscos, cerveja e drinks.

IMG_20190412_192701_574.jpgIMG_20190412_095717_666.jpg1641983707_WhatsAppImage2019-04-12at09_30_07.thumb.jpeg.2f50cedf5dca5a6b469fae2eec107cdb.jpeg

 

O Parque Aquático foi o grande diferencial e conquistou meu coração! Depois de dias inteiros de trilhas e aventura, eu e o Felipe curtíamos todos os brinquedos e toboágua, além de comer churrasquinhos com cerveja para forrar a barriga e esperar o jantar. Funciona de 11h às 18h.

IMG-20190414-WA0007.thumb.jpg.092e0417d8b2d37d165250c7885ed91c.jpg

 

PRIMEIRO DIA (11/04 - quinta-feira): 

Ir a Capitólio e não tirar uma foto no famoso Mirante dos Canyons é praticamente um pecado! Chegamos pela tarde e fomos direto para lá. O local agora é pago (R$20 por pessoa), tendo um controle de visitação e mais segurança. Como chegamos numa quinta de tarde, o local estava completamente vazio, mas aos fins de semana costuma ter fila (sim, fila) para fazer fotos e até para entrar. A trilha para chegar ao mirante é pequena e fácil, cerca de 100 metros. O visual é incrível e compensa esperar (não foi meu caso). Demoramos mais ou menos 30 minutos no local. Eles te dão uma pulseira e você pode entrar e sair durante o horário de funcionamento. Ah! A pulseira te dá acesso à dois locais (mirantes) e mais uma cachoeira (os três locais são por entradas diferentes).

IMG_20190411_201040_078.thumb.jpg.e00fde08d2f2a900a3269eabed83c1c6.jpg508333779_WhatsAppImage2019-04-11at18_28_12.thumb.jpeg.25172631cca95766503f863fe0ea8c75.jpeg682208223_WhatsAppImage2019-04-11at18_30_45.thumb.jpeg.596a49add66715f271d32166f1d2b458.jpeg1920703296_WhatsAppImage2019-04-11at18_32_45.thumb.jpeg.3c73954f2df40811750059203dc199c7.jpeg

 

Saímos de lá e do outro lado da rua (literalmente) fomos visitar a Cachoeira Diquadinha (R$10 por pessoa). Pelo dia da semana e horário também estava super vazia. Há três trilhas para aproveitar essa cachoeira, dispensamos a primeira por ser o final e fomos direto para a queda, onde é mais fundo e deu pra nada e mergulhar. A primeira foto é na segunda queda, onde dá a sensação de borda infinita. Depois fomos para o hotel aproveitar o Parque Aquático! No bar do parque, comemos 4 churrasquinhos com molho e farofa e bebemos 4 cervejas de 600ml (R$54 tudo).

183400363_WhatsAppImage2019-04-11at18_45_55.thumb.jpeg.dc6f00911f22f24cdde3543ed386c418.jpegIMG-20190411-WA0290.thumb.jpg.29806182a975a88ffcfce3444d0b5965.jpg

 

SEGUNDO DIA (12/04 - sexta-feira): 

No segundo dia fechamos o famoso passeio de lancha pelos Canyons de Furnas (R$90 reais por pessoa em média, fechamos por R$80 no dinheiro). O ponto de encontro para o passeio de lancha em Capitólio se dá antes da ponte sobre o Rio Turvo. Também há opção de embarcar para o passeio de lancha no Balneário do Lago (empresa terceirizada), passeio mais longo, mas que visita os mesmos lugares (fechamos fora porque não sabíamos os valores, mas compensaria por não sairmos de carro do hotel).

A primeira parada da lancha é na Cachoeira Lagoa Azul. A lancha deixa os passageiros em um bar flutuante que fica junto desse enorme e delicioso lago. A parte de cima da Lagoa Azul está dentro de uma propriedade particular, o que justifica a cobrança de uma taxa no valor de R$10 por pessoa para conhecer o local (não fomos lá). O espetáculo do passeio são as cachoeiras dos Canyons! Paramos mais ou menos uma meia hora para aproveitar as águas límpidas e o bar flutuante. Nessa parte dos Canyons param muitas lanchas particulares, o que pode acabar lotando e prejudicando um pouco a paisagem. Por outro lado, as embarcações maiores não conseguem chegar até aqui. Por ser uma sexta-feira, não peguei tumulto e deu pra fazer fotos lindas, vejam! Depois visitamos a Cachoeira Cascatinha, mas apenas para apreciação. O Vale dos Tucanos não tem cachoeira, mas sua beleza se encontra nas paredes com diversas plataformas de pedras. Paramos também num outro bar flutuante para provar o famoso Chopp Scarpas! Depois fomos para o hotel aproveitar o Parque Aquático e comemos a mesma coisa do dia anterior.

2116415931_WhatsAppImage2019-04-12at16_33_11.thumb.jpeg.df3e1bc127c465db140217761c9074e1.jpegCYMERA_20190417_133351.thumb.jpg.ccae3a112c5e93e397991176ef8d669a.jpgIMG-20190412-WA0354.jpgCYMERA_20190417_134330.thumb.jpg.1767953be9f9b08e83c8b009c8d49927.jpg190048879_WhatsAppImage2019-04-22at16_18_44.thumb.jpeg.7efeed9f003c1adcca6f30895fc3040e.jpeg1522127418_WhatsAppImage2019-04-22at17_04_23.thumb.jpeg.aa421274cb10663f32f9a11c3f73a19f.jpeg

 

TERCEIRO DIA (13/04 - sábado)

TRILHA DO SOL

No sábado o dia rendeu! Fizemos dois passeios em um só dia. Saímos bem cedinho, às 8:30h e fomos conhecer a Trilha do Sol. Primeiros a entrar, o local conta com um quiosque com restaurante onde está a recepção e a Pousada Trilha do Sol. O local é uma propriedade particular da pousada e o valor para percorrer a trilha é de R$40 por pessoa. Para percorrer a trilha não há necessidade do acompanhamento de um guia, mas é bom prestar atenção na explicação do monitor no receptivo, olhar bem as placas de indicação, já que a trilha não é um caminho contínuo e possui ramificações. A partir da recepção são 4 km de trilhas para visitar as 3 cachoeiras e os belos cenários entre paredes de pedra e poços de águas transparentes. Três horas são suficientes para percorrer a trilha e curtir cada cachoeira. O roteiro indicado pelo guia é visitar a Cachoeira no Limite primeiro, depois a do Grito e por último o Poço Dourado, mas preferimos fazer o contrário (risos), e pegamos tudo sempre vazio!

Para ir à Cachoeira do Grito, seguimos à direita da bifurcação (há placa indicativa), seguimos por uma parte mais elevada e descemos por uma longa escadaria de pedras que leva até o topo da cachoeira. Já na parte de baixo há um belo poço de águas cristalinas com um paredão do lado onde tomamos aquele banho gostoso de água gelada. Da Cachoeira do Grito ao Poço Dourado são mais 500 metros sendo necessário subir o morro e descer novamente por outro caminho. Para chegar ao Poço Dourado o caminho é por dentro de um riacho cercado por paredes nos dois lados, e quando o sol bate, as pedras no fundo deixam a água dourada (por isso o nome). Os turistas que visitam o lugar costumam fazer pequenas pilhas de pedras nas laterais do riacho e cada uma significa um pedido. É mágico! Depois fomos ao Mirante No Limite, o local rende belas fotos. Todos os locais estavam completamente vazios, demos muita sorte, pois quando saímos da primeira cachoeira (que seria a segunda parada indicada), chegou uma excursão com umas 50 pessoas. Ainda bem que não seguimos o indicado!

 

IMG-20190414-WA0039.thumb.jpg.fcfdcce6f73452c396cfc628a5f47876.jpg1054966529_WhatsAppImage2019-04-14at09_10_21.thumb.jpeg.b86c34ca8670ad96bf85e3866964dd91.jpegIMG-20190414-WA0107.thumb.jpg.5b6ede11aa6ec96ac1c3aeea164f7b3c.jpgIMG_20190414_174521_541.thumb.jpg.7e56e9baa3a9a47cd507e85a80a7a970.jpg

 

PARAÍSO PERDIDO

Depois saímos de lá direto para o Paraíso Perdido, um dos complexos de cachoeiras e trilhas mais conhecidos de Capitólio. Possui 18 piscinas naturais e 8 quedas de águas límpidas e cristalinas. Além disso conta com restaurante, banheiros e área de camping. Tudo em meio a natureza. O Paraíso Perdido foi uma das trilhas que mais gostamos de Capitólio. A verdade era que eu não sabia o que esperar daquele lugar, achava que seria um pouco “mais do mesmo” mas estava completamente errada. Custa R$50 por pessoa.

Diferentemente dos outros lugares que visitamos, a trilha é feita completamente por pedras e água. Durante o caminho você encontra pequenas pegadas em vermelho que te indicam o melhor trajeto a ser seguido. Dica do instrutor: O ideal é que você procure pisar nas pedras brancas, e não nas escuras, que estão úmidas e podem escorregar. Quanto mais avançávamos, mais e mais belezas íamos encontrando. Cenários perfeitos para contato pleno com a natureza e pra tirar aquela foto maravilhosa. Não esqueça de visitar o outro lado da trilha!

 

698894288_WhatsAppImage2019-04-14at09_13_22.thumb.jpeg.928f2df6d6784b01cf87736a5a0ed412.jpegCYMERA_20190413_165805.thumb.jpg.043d674b3250b8a3ea1896e3a74545e3.jpgCYMERA_20190417_133143.thumb.jpg.51b9ed1d00b7df66c106a935c757b013.jpgCYMERA_20190413_165918.thumb.jpg.83b1be3533072eef4ca25ca28288fcf1.jpg

 

Dicas para cachoeiras: Leve somente o básico em uma mochila de costas. Água, algum lanche, roupa de banho por baixo, protetor solar. Nós fizemos todas as trilhas de chinelo ou descalço e com roupas bem leves. 

Cansados, porém não mortos, aproveitamos o último dia de Parque Aquático no hotel.

 

QUARTO DIA (14/04 - domingo)

No outro dia, pela manhã mesmo, partimos para São Thomé das Letras!

Se quiser ler o post, clique aqui.

 

 

 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Tiago OL
      Olá!
      Alguém que já tenha feito a Travessia da Serra do Cipó em julho sabe se faz muito frio?
      Eu olhei no site do climatempo e diz que a temperatura mínima média em julho é de 14°, é isso mesmo? Um colega meu vai fazer a travessia comigo e ele já tem um saco de dormir Nautika Liberty (10°C conforto, 4°C extremo), vocês acham que vai dar conta ou eu deveria sugerir que ele invista em um equipamento melhor?
       
      https://www.climatempo.com.br/climatologia/3122/serradocipo-mg
       
    • Por Felipao86
      Olá pessoal,
       
      Vim aqui mais uma vez compartilhar um pouco das nossas andanças pelo Brasil. Dessa vez um destino mais perto de casa, Capitólio/MG, há cerca de 280Km de BH.
       
      Ficamos de 25 a 28 de fevereiro. O local estava simplesmente abarrotado de gente! A cidade não comporta essa quantidade de pessoas e nem mesmo as principais atrações!
       
      Dica 1: Procure ir fora de feriados, porque realmente fica tudo muito confuso!
      Dica 2: a maioria das atrações fica à beira da MG-050. Devido à quantidade de pessoas muito gente estaciona o carro no acostamento da estrada. Não faça isso! A PM multou todo mundo que fez isso todos os dias do feriado! Ande mais na estrada até achar um espaço fora para parar. Não existem estacionamentos.
      Dica 3: Acredito que a maior dificuldade da maioria das pessoas nesse destino é conseguir hospedagem. Capitólio é uma cidade com cerca de 9000 mil habitantes. Não existem muitos hotéis ou pousadas. Com 2 meses de antecedência nós procuramos hospedagem e já não tinha nenhuma mais! E quando perguntava preço todos oferendo pacotes por no mínimo 1500 reais para o carnaval para 2 pessoas! Vi hotel simples cobrando 4000 mil reais!
      Dica 4: Por esses motivos que muita gente fica hospedado nas cidades ao redor, principalmente Passos (76Km de capitólio e 45Km do Mirante do Canyon) ou Piumhi ( 22Km de Capitólio e 47Km do Mirante do Canyon). Mesmo nesses lugares esgota rápido. Vi gente que ficou hospedado em cidades a 180km de Capitólio. Passos, por ser uma cidade maior, há mais opções de hotéis e de restaurantes para sair à noite. Piumhi (onde ficamos hospedados), só tem lanchonetes e bares simples (vale a pena a Batata Roast do Bar do Juarez!).
      Dica 5 (Dica de Ouro): Em dezembro, quando começamos a olhar hospedagem para o feriado, estávamos quase desistindo devido aos problemas citados acima quando, olhando pelo AirBnB, encontramos esse achado maravilhoso: o APTO da Selvita em Piumhi (https://www.airbnb.com.br/rooms/11481970). Eu não acreditei quando vi, um quarto em um apto incrível, simples e aconchegante, com vaga no carnaval e pelo preço de 49 reais a diária!!!! Fechei na hora! Gastamos com hospedagem no carnaval somente 192 reais! Indico muito o apto dela, é grande, confortável, tem tudo que necessita para uma hospedagem confortável e simples. Ao lado tem uma padaria com paes e bolos deliciosos.
      Dica 6: De BH a Capitólio a estrada é boa, apesar de não ser duplicada. São 4 pedágios de 5,50 cada, sendo o último entre Piumhi e Capitólio (ficar atento a isso).
      Dica 7: Reserve o passeio de barco com antecedência! Nós esquecemos e quase não conseguimos fazer o passeio por conta disso. Conseguimos um encaixe de última hora.
      Dica 8: dá para se locomover entre todas as atrações com carro normal. Não caiam na bobagem que o meu vizinho de apto fez (pagou 200 reais por um translado até paraíso perdido). Dá para fazer tranquilo de carro comum, a estrada de terra é boa.
      Dica 9: infelizmente o clima não ajudou muito. Chegamos debaixo de chuva e nos dois primeiros dias ficou nublado o tempo inteiro, com algumas pancadas de chuva ao longo do dia. Somente no último dia que realmente fez sol o dia inteiro. Eu e minha esposa já estamos acostumados, todo vez que viajamos para lugares com cachoeira chove, é incrível, rs. Isso já aconteceu umas 4 vezes já! Rs. O ideal é ir em época de seca (maio a outubro segundo os locais).
       
      Chega de dicas, vamos ao relato sucinto dia a dia:
       
      Dia 1 (Trilha do Sol, Mirante do Canyon):
       
      Chegamos em Piumhi às 07:40 da manhã, deixamos as malas e ficamos esperando para a chuva acabar e o tempo firmar um pouco. Seguimos então para a trilha do sol (R$35,00 por pessoa). Entrada pelo Km 304 da MG-050, anda 1 km de estrada de terra até a recepção). Dos lugares pagos foi o que mais gostamos, a trilha é muito bonita e o lugar chamado No Limite é incrível. Também visita-se a cachoeira do Grito e o Poço Dourado.
      De lá fomos almoçar no famoso restaurante do Turvo (lotadíssimo, ficamos uns 30 minutos esperando mesa) e pedimos o prato da casa: traíra recheada. A porção de 1 pessoa serve 2 tranquilamente (esses restaurantes são espertos, fazem a porção de 1 pessoa render 2 e metem a faca no preço, dá a sensação de que você saiu na vantagem ao não pedir prato para 2 pessoas) R$96,00 o prato. Não gostamos muito do prato, mas acho que isso é questão de gosto mesmo.
      Do restaurante fomos até o famoso Mirante do Canyon (por enquanto é gratuito, mas o proprietário já está cercando e em breve vai começar a cobrar). Fica no Km 312 da MG-050. Que lugar fantástico! De lá que saem as famosas fotos que vemos pela internet e é muito mais incrível pessoalmente. Só tomem cuidado pois não tem nenhum tipo de proteção e uma queda dali é morte certa!
      De lá fomos ao centrinho de Capitólio e demos uma passada na praia artificial (que é um lago com uma orla bacana, mas é fedido, rs). Lá tem uma feirinha de artesanato.
      Pegamos a estradinha de terra até o Morro do Chapéu, que é um lugar com vista muito bacana da cidade e região. Infelizmente, devido à chuva, não conseguimos passar de um trecho, o carro patinou muito. Outros carros também tentaram e não conseguiram. Locais falaram que em época de seca dá pra ir tranquilo. Fica para a próxima.
      À noite em Piumhi fomos ao Bar do Juarez que tem uma batata Roast muito boa (32,00 reais e serve duas pessoas). A de carne de sol é uma delícia!
       
      Dia 2 (Paraíso Perdido, Usina de Furnas):
       
      Paraíso perdido é a atração mais distante do centro de Capitólio mas há placas indicado o caminho. Fica em torno do Km 320 da MG-050. Da saída da estrada são 4,5km de estrada de terra, tranquilo para ser fazer.
      Confesso que era o local com mais expectativa, pelas fotos e relatos de outros viajantes, mas me decepcionei. Não sei se o tempo não estava legal no dia e uma parte do acesso tava fechada pelo risco de chuvas. Não achei lá essas coisas não.
      Cobram 40,00 por pessoa pela entrada.
      Outra coisa, sempre falaram que era passeio de um dia inteiro mas não gastamos mais do que 2 horas lá, então dá pra encaixar outro lugar no mesmo dia.
      Lá tem restaurante (38,00 reais o kilo).
      De lá fomos até a Usina de Furnas, que tem um mirante muito bacana, e fizemos algumas fotos. Comparado a Itaipu Furnas é uma microusina, rsrs.
      Voltando a Piumhi passamos no Condomínio Escarpas do Lago em Capitólio somente para ver como os ricos vivem e do que se alimentam, rsrs.
      À noite em Piumhi comemos um hamburgao numa lanchonete e dormimos exaustos.
       
      Dia 3: (Cachoeira Diquadinha, Cachoeira do Filó e Passeio de Lancha)
       
      O dia mais legal! Não sei se é porque são locais gratuitos, mas essas duas cachoeiras são muito boas e divertidas para se brincar!
      A Diquadinha fica exatamente no outro lado da MG-050 na altura do Mirante do Canyon. Basta atravessar a estrada para chegar lá. O legal é ir subindo pelas suas quedas até chegar num escorregador de pedra delicioso! Muito divertido.
      Tem uma outra parte muito legal, onde o poço é mais profundo e dá para pular de uma corda estrategicamente colocada, heheh.
      Nesse dia finalmente o sol saiu um pouco e deu para curtir mais. A cachoeira estava lotada! Muita gente fazendo churrasco e tomando cerveja no local, deixando latinhas espalhadas no ambiente.
      Comemos uns espetinhos numa barraquinha em frente e migramos para a nossa cachoeira preferida de Capitólio, a Cachoeira do Filó (Km 319 da MG -050, gratuita). É uma cachoeira com um poço enorme e fundo, então utilizamos o macarrão que compramos para nadar com tranquilidade.
      É uma cachoeira muito gostosa, perfeita para nadar e melhor ainda por ser gratuita. Tinha uns caras malucos pulando de cima dela, mas não arrisquei não. Ficamos lá um tempão curtindo tranquilamente.
      De lá voltamos ao restaurante do turvo (Km-306) de onde saem as lanchas para os passeios. O nosso estava marcado para às 16:00hs. O passeio em si é muito bacana, vale a pena fazer de lancha (70,00 por pessoa) pois para em mais locais. Uma pena que esse horário já não tinha mais sol, mas a água da represa estava morninha.
      Ele pára no Canyon (desce para banho), Vale dos Tucanos (também desce para banho) e na Lagoa Azul (paga 30,00 reais se quiser subir à cachoeira, mas na hora que fomos lá estava fechada) e no Cascatinha (somente fotos).
      Vale muito a pena o passeio, principalmente nos locais que dá pra nadar!
      Voltamos para casa e à noite, em Piumhi, fomos ao Bar do Peixe, que tem uma porção de isca de peixe muito boa!
       
      Dia 4: (Novamente Diquadinha, Filó e volta pra casa)
       
      Originalmente esse dia estava reservado para um passeio pela Serra da Canastra. Porém, devido ao período de chuvas, o acesso para carros comuns estava impossibilitado, então teríamos que contratar um passeio com carro 4x4. Como é uma região que para conhecer bem é preciso uns 3 dias, deixamos para outra oportunidade.
      Resolvemos então voltar nos locais que gostamos mais (e que não paga, rs) para curtir e aproveitar o último dia do feriadão.
      Como suspeitávamos, justamente no último dia vez um baita sol, pelo menos aproveitamos um pouco!
      Voltamos para casa tranquilos e felizes por ter conhecido mais um lugar especial do nosso Brasil.
       
      Alguns gastos:
      Gasolina - R$315,00
      Pedagíos - R$77,00
      Hospedagem - R$192,00
      Trilha do Sol - R$70,00 (2 pessoas)
      Paraíso Perdido - R$80,00 (2 pessoas)
      Passeio de Lancha - R$140,00 ( 2 pessoas)
      Padaria - R$16,50
      Restaurante do Turvo - R$102,00
      Bar do Juarez (Piumhi) 45,00
      Bar do Peixe (Piumhi) 61,00
      Cachorro Quente - R$10,00
      Caldo de Cana - R$5,00
      Espetinho - R$5,00
       
      Considerações Finais:
      1- A infraestrutura turística do local ainda está sendo construída. Faltam estacionamentos, faltam restaurantes e principalmente faltam mais opções de pousadas, hotéis e hostels.
      2- Na segunda feira de carnaval muitos restaurantes fechados!
      3- Segundo um comerciante local em breve nenhum local terá mais acesso gratuito (já há planejamento para cobrança de entrada no Mirante do Canyon).
      4- Eu particularmente acho os valores das entradas muito caros, 35-40 reais em média. Tá certo que existe um custo para a infraestrutura do local, mas isso também precisa ser melhorado. Na trilha do sol, por exemplo, não existe vestiário e o banheiro é minúsculo e sujo! Queríamos trocar de roupa após a trilha e tivemos que fazer isso dentro do carro.
      5- A estrada não é duplicada e o fluxo de caminhões é intenso. Não adianta querer correr e se arriscar em ultrapassagens proibidas. Tem que ter paciência.
      6 – É um destino incrível, de uma natureza exuberante e que vale a pena todo o perrengue para visitar!!
       
      Um abraço a todos e qualquer dúvida é só perguntar nos comentários!















    • Por Leandro Z
      🏦 CIDADE Capitólio é uma cidade, em MG, de 10 mil habitantes e fica a uns 300km de Belo Horizonte. A cidade ficou famosa por seus cânions e cachoeiras muito postados no Instagram. No entanto, as atrações ficam no limite da cidade, longe do centro (uns 25km). É possível ficar na cidade São João Batista do Glória, cuja distância até as atrações é a mesma. Ou em São José da Barra / Furnas, que é até mais perto. As 3 cidade são pequenas e tem hospedagem, contudo, como Capitólio é mais famoso, tem mais restaurantes e pousadas.   🔄 DINHEIRO, CÂMBIO, GASTOS Ficou famoso, então ficou caro. Por isso o apelido é "Capitólio Capitalista". Simples mirante custa R$20. Algumas cachoeiras por R$40 eu também acho caro. Refeição é mediano de turista. A média diária de gastos foi: Hospedagem: R$52,80 por pessoa, por noite (Airbnb para 5 pessoas) Alimentação: R$63,78 (às vezes, não almoçamos) Lazer: R$63,75   ✅ ATRAÇÕES ⭐ Retiro Viking - o melhor lugar de Capitólio! O GoogleMaps faz uma confusão entre "Paraíso Proibido" e "Retiro Viking", tem gente que comenta no "Proibido" como se fosse o "Viking". Para chegar, na rodovia MG- 050 pegue a direita na estrada de terra que indica o "Paraíso Perdido" (que é outro lugar) e siga, passa esse "Perdido" e chegará ao "Retiro Viking", não tem erro, dá uns 9km desde a rodovia, ou seja, 9km de estrada de terra. São 5 belíssimas cachoeiras (Trovão, Patinho Feio, Caixinha de Surpresa, Pequena Sereia e Quelé), das quais é possível banhar em 4, a água é bem clara e não é gelada. Não precisa de guia (nenhuma listada aqui precisa).Barato: R$15. O percurso total é de 2km, é um passeio pro dia todo, se quiser banhar nas quatro.   Retiro Viking: Patinho Feio
        Retiro Viking: Pequena Sereia Mirante dos Cânions - certamente você já viu foto, pois é o ponto mais famoso da cidade (fica uns 30km do centro de Capitólio). Começaram a cobrar R$20 por pessoa para mirar de cima os cânion por 3 pontos. E você ainda encontrará fila de instagrammers, um a um, fazendo poses e mais poses. Pessoal, é um mirante! R$20 é caro, não tem nada de estrutura. Mas é aquela história de turista, é uma paisagem famosa, você já está lá e acaba pagando... É uma visão única do cânion? Não, no Cascata Eco Parque você também pode vê-lo. Fila... Trilha do Sol - R$40 (no dinheiro), anda-se pela água geladíssima até o Poço Dourado, cachoeira pequena, é bom ir por volta do meio-dia por causa do sol. Depois anda mais um pouco até a Cachoeira do Grito, queda e poço bons. Havia a cachoeira No Limite, mas agora é só um mirante sem graça. Almoçamos lá mesmo. Trilha do Sol: Poço Dourado Passeio de Lancha - clássico dos visitantes! Tem que fazer, recomendo. Achei passeios de 3h por R$90 a R$120. Fechei com o Beiçola (cel 035 99115 8781) por 4h, R$100. Cara gente boa que tem uma pousada chamada Marina do Farol em São José da Barra, salvo engano. Com ele foi sem pressa nas paradas, enquanto ouvia alguns apitos chamando o pessoal de outras embarcações. O trajeto é padronizado: Lagoa Azul (que é verde, tem cachoeira e poço muito bom para nadar), Vale dos Tucanos (se tem tucanos, não vi, depois nada na saída do vale), Cascatinha (só mirar). São várias lanchas, congestiona em alguns lugares, mas vale a pena.       Cachoeira do Lobo - local com uma ótima cachoeira, poço excelente, cor da água bonita, queda grande e larga. Tem também uma pousada com piscina. Para visitar: R$40, achei caro na época, mas vale a pena. A trilha é curta, bem demarcada e toda cimentada. Morro do Chapéu - mirante da cidade, vista bem bonita. Para este lugar existem dois caminhos: um mais curto que precisa de 4x4 e outro mais longo (uns 20km) que qualquer carro chega (procure no GoogleMaps). Não cobram nada. Canyon Cascata Eco Parque - R$40, sem muita estrutura, mas bom para caminhar (uns 3km), tem poços e umas bonitas cascatas, sendo que a última é a própria Cascatinha do passeio de lancha. Também tem uns belos mirantes dos cânions e lago de Furnas. Lugares que não deu tempo de ir: Pedreira (R$20, tem que ir de 4x4), Paraíso Proibido (R$50), Cachoeira Dicadinha (R$20), Capivara, do Filó e muitas outras!    🏠 HOSPEDAGEM Há muitas opções no Airbnb e Booking, porém, preste atenção na localização, algumas são longe das cachoeiras. Embora a cidade de Capitólio não seja grande, preferimos ficar no centro e a casa no Airbnb para 5 custou R$1145 no total. Como dito acima, há opções de hospedagem em São José da Barra / Furnas (o nome é São José, mas é conhecida pela hidrelétrica de Furnas) e São João Batista do Glória, ficam praticamente a mesma distância de Capitólio para as atrações.   🚌 TRANSPORTE Alugamos carro em BH para irmos direto até Capitólio (4h). Na volta, saímos mais tarde de Capitólio e pernoitamos na cidade de Divinópolis. Há poucos ônibus entre BH e Capitólio, um ou dois por dia, demora 4h e custa cerca de R$104. Do centro de Capitólio até as cachoeiras, não sei como ir de transporte público. Não vi agências, não tem Uber. Não vi ônibus, mas deve ter uma maneira...   🍝 ALIMENTAÇÃO O Restaurante do Turvo é o mais famoso de Capitólio, peixes é o prato principal. O local é grande (perto de onde saem os passeios de barco), o prato é bem servido, é gostoso, mas não é dos mais baratos. Saiu R$50 por pessoa, com bebida, pra comermos bem. Também fomos aos restaurante japonês Mizu e ao Quintal do Brasil. De manhã, sempre comíamos pão de queijo recheado (em média R$10) em algum lugar. Não fomos a Escarpas do Lago, uma bairro elitizado.   ❗ OBSERVAÇÕES, PERIGOS, PERCALÇOS Minas Gerais é um dos lugares que mais acontece tromba d'água, vira e mexe aparecem notícias de tragédias em cachoeiras. Como tomar cuidado? Eu não sei ao certo, mas o principal é estar ciente da previsão do tempo, saber de onde vem o rio, conversar com locais.   https://zahiandoporai.blogspot.com/2020/09/capitolio-mg.html
    • Por carolcasstro
      Olá, pessoal!
      Há um tempo fiz uma viagem para Capitólio desde SP, onde passei um final de semana acampando no complexo Cascata Eco Parque. A viagem foi bem econômica e acho um estilo de trip legal pra gente recomeçar a viajar depois da quarentena.
      Para ajudar quem ainda pretende conhecer a cidade, fiz um artigo no meu blog Experiências na Mala contando em detalhes quais são os 5 MELHORES PASSEIOS (os mais imperdíveis), quanto custam e uma dica de roteiro para o final de semana. 
      Clique aqui para conferir o artigo e aproveite para me seguir no instagram @experienciasnamala para ficar por dentro de mais dicas de viagens.
      Espero que gostem! 
       
    • Por Juliana Champi
      Olás amigos mochileiros! Esse meu texto tá diferente! Tá dividido em 2 mesmo! Pela Bahia, uma história, pelas Minas Gerais, um relato. E digo isso pq não fomos pra Bahia conhecer seu belo litoral, não visitamos nenhum “lugar turístico”... fomos pro sertão! E se vc quiser saber logo abaixo vou contar pq! Já em MG percorremos um pedaço do circuito histórico, cachoeiras lindas e terminamos com uma relaxadinha em Poços de Caldas. MARA!!
      No total foram 4520km rodados por 4 estados: Paraná (de onde saímos), São Paulo (que só atravessamos), Minas Gerais e Bahia! Fomos de Nissan Versa relativamente novo (5.000km rodados) e só abastecemos com álcool, que manteve média de consumo a 10km/L.
      A equipe foi meu marido Gui, o motorista principal, eu, a navegadora e co-pilota, tb responsável pela comida e bebida a bordo, e nosso filho João (10 anos), que dormiu praticamente o tempo todo!
      Foi nossa primeira viagem em carro grande e a maior em extensão que já fizemos. Antes desta a maior tinha sido para as serras gaúcha e catarinense de UNO. Foi quando pegamos gosto pela estrada em si e não paramos mais. Eu era bem feliz com o UNO, mas viajar com carro mais espaçoso é imensamente mais confortável, sem contar que o porta-malas tb não fica cheio nunca, rs!
      A vantagem de viajar de carro neste tipo de viagem é ir conhecendo tudo pelo caminho, e tb pq passagens áreas estão meio salgadas ultimamente não??
      Para hospedagens, ao contrário da regra geral, peguei só um airbnb desta vez, em São João Del Rei, e nos demais locais hotéis pelo Booking, com cancelamento gratuito até perto da viagem, com exceção de Poços de Calda que pegamos um melhorzinho sem direito a cancelamento, mas pago na hora. Vou descrever cada hospedagem no relato por cidades, mas já adianto que todas as opções foram ótimas e eu sigo apaixonada pelo airbnb! Se vc quiser experimentar faça o cadastro com o link abaixo que eu e vc ganhamos desconto na próxima viagem!
      https://www.airbnb.com.br/c/jcarneiro3?currency=BRL
      Mas vamos começar! Segue o relato dia a dia dividido entre os dois estados!
       
      BAHIA – UMA HISTÓRIA
      (pq nem só de conhecer lugares vive o viajante)
       
      29 de dezembro de 2018 (sáb) – trecho 1: Londrina/PR > Pirapora/MG (1100km)
      Saímos de Londrina com 1h de atraso em relação ao horário planejado, mas tudo bem. As 7h da manhã estávamos rumo ao nosso primeiro destino (apenas pra dormir): Pirapora em MG.
      As estradas do Paraná têm os pedágios mais caros do Brasil, e penso que do mundo. E as estradas não correspondem ao que custam, uma vergonha! Não que sejam ruins, mas estão muito aquém do que se paga. Como estamos próximos a fronteira do PR com SP, depois de pagar um pedágio de 13,80 para andar em pista simples, cruzamos o Paranapanema (rio que marca a divisa dos estados) com apenas 1h20 de viagem!
      Em São Paulo seguimos por boas estradas, mas tb com MUITOS pedágios! Até chegarmos em MG foram 8 pedágios somando aproximadamente 66 reais!
      No carro, muito ecletismo musical, acabava Pixies e tocava Leonardo, acabava David Bowie e tocava pagode, e assim íamos!
      Não paramos pra almoçar pq estávamos cheios de lanches e porcarias no carro, mas íamos parando a cada 2-3 horas pra esticar as pernas! João tinha virado a noite jogando vídeo game então dormiu a viagem toda, rs!
      Passamos sobre o Rio Tietê numa ponte que achei legalzinha, e às 14hs cruzamos a divisa de SP com MG (divisa feita pelo Rio Grande), aí que beleza: acabaram os pedágios, mas tb acabou a estrada, kk! Pegamos trechos até que bons (sempre pista simples) na BR-146 e na BR-365, mas os últimos 100km chegando em Pirapora foram MUITOOO ruins, buraqueira, pista simples, caminhões, nenhuma sinalização... péssimo. Fotos 1 a 3
       
      1: Ponte sobre o Rio Tietê!

      2: Divisa de Estados!
       
       

      3.mp4 3: Chegamos em Minas, adeus estradas!
       
      No total foram 1100km, 194 músicas, álcool variando de 2,59 (SP) a 3,31 (MG), e consumo de 10km/L, chegamos em Pirapora umas 20h! Foram 13h de estrada! Foto 4
       
      4: o caminho do primeiro dia!
       
      O hotel que pegamos em Pirapora (Cariris) era bem simples e bem próximo à “orla” do Rio São Francisco. Fizemos check-in, tomamos banho e saímos pra dar uma volta e comer! Ia ter uma mega balada na cidade, tava tudo bem lotado e policiado! Demos só uma voltinha, comemos bem num restaurante bonitinho (Casa Benjamin) e fomos dormir! A música da balada tinha começado e não agradava em nada, rs!
       
      30 de dezembro de 2018 (dom) – trecho 2: Pirapora/MG > Caetité/BA (570km)
      Acordamos cedinho, tomamos café no hotel e saímos dar uma voltinha pra ver o Rio São Francisco com luz, rs! A “orla” estava imunda graças aos bons costumes dos seres humanos na balada da noite anterior, mas já tinha bastante gente limpando! O Velho Chico tava bem sequinho... mas por ali tinha uma ponte férrea de 1922 desativada que era bem legal. Fotos 5 e 6
       
      5: Velho Chico!
       

      6: Ponte férrea de 1922!
       
      Saímos de Pirapora às 8h45 e a estrada seguiu razoável, com o cerrado e plantações de eucalipto nos acompanhando, além de gente vendendo pequi, umbu e seriguela! Compramos tudo, inclusive pequi! As frutas comemos no caminho!
      A medida que nos aproximamos de Montes Claros em MG o tráfego de caminhões aumentou bastante, e depois desta a estrada vai ficando ruim (trepida muito) e não tem mais nada...
      É engraçado pq aqui no Paraná as cidades são perto umas das outras, mas MG é um estado imenso e dirigíamos por 100km sem ver nada! Nem posto, rs! Chegando na fronteira com a Bahia a estrada fica horrorosa, cheia de quebra-mola... padrão minas!
      Às 15h15 cruzamos a fronteira com a Bahia e a estrada ficou linda, simples, mas bonita e boa. Fotos 7 e 8
       
      7 e 8: divisa de estados e estradas bonitas!
       
      Não me lembro exatamente que horas chegamos em Caetité! Mas era de tarde, tava bastante sol! Foram cerca de 600km, 120 músicas e nenhum pedágio. Fizemos check-in no fofíssimo hotel Vila Nova do Príncipe, que era um casario do século XIX restaurado por um arquiteto suíço. O hotel ficava na praça da catedral, ou seja, no umbigo do centro de Caetité. Fotos 9 a 12
       
      9: entrada de Caetité!
       

      10, 11 e 12: Hotel em Caetité!
      Deixamos as malas e saímos pra ver a cidadinha com cerca de 50 mil habitantes e mais de 200 anos! Era bem bonitinha ali no centro e muito bem preservada historicamente. Uns 10 minutos depois de termos saído deu uma pancada de chuva e nos molhamos muito, rs! Voltamos pro hotel, tomamos banho e saímos de carro! Vimos mais casarões históricos, e com o fim da chuva voltamos pro hotel e saímos novamente a pé! Já era noite e preferimos comer ali por perto, no ótimo “Frank’s Burger”, com a melhor batata frita do mundo e chopp geladíssimo! Fotos 13 a 15
       
      13: amo mesmo!

      14: Caetité tem casa rosada tb!

      15: Igreja matriz da cidade!
      Com a pansa muito cheia demos mais uma voltinha voltamos pro hotel, onde a preço de ouro tomamos um vinho sensacional! Estava animada e feliz por finalmente ter chegado no sertão! Fotos 16 e 17
       
      16 e 17: Igrejinha a noite e vinho foda no hotel!
       
      31 de dezembro de 2018 (seg) – o grande dia: Igaporã e Riacho de Santana
      Eu sinceramente queria conhecer este “fim de mundo” chamado sertão baiano, mas não trazendo as cinzas do meu pai. Queria tê-lo trazido vivo. Ele manifestou vontade voltar já no fim, e eu disse pra ele sarar que eu o traria! Acabei trazendo as cinzas pq ele não sarou! Meu pai estava num pote azul! Ele lutou contra duas doenças crônicas no final da vida e faleceu em 16 de março de 2018, aos 67 anos, após um transplante de fígado mal sucedido realizado em Curitiba em 3 de março do mesmo ano. Apesar do estado adoentado dele há pelo menos 3 anos, o transplante significava uma nova vida, e não perdê-lo. A morte dele não passou pela minha cabeça em nenhum instante até poucos dias (poucos mesmo, menos de uma semana) antes de acontecer. Eu sinceramente ainda não entendo pq e como tudo isso aconteceu tão rápido. Eu não estava preparada, se é que alguém está!
      Mas segue a história deste dia fantástico!
      Meu pai nasceu em Igaporã (1950) e viveu parte da vida na zona rural de Riacho de Santana e outra parte em Caetité. É por isso que viemos! 💗
      Eu não tinha muitas informações, apesar de seus 3 irmãos já terem voltado desde quando foram... pq era tudo meio perdido... memórias de muitos anos atrás... e eu estava um tanto receosa! Quando botamos meu pai e seu pote azul no carro só sabia que ia levá-lo de volta pro seu sertão, mas não fazia ideia do que ia fazer, onde ia deixa-lo, como... mas isto o meu marido definiu bem: não foi o acaso, foram intercessões.
      Acordamos cedo em Caetité, tomamos nosso café no hotel e eu estava decidida: antes de visitar Igaporã em si (a ideia era deixar meu pai em sua cidade natal), ia a Riacho de Santana pra ver se achava uma prima-irmã do meu pai que ainda morava por lá... meus tios disseram que a tal da Lourdes era gente muito fina! Eu tinha mandado whatsapp pra ela na noite anterior mas não obtive resposta... arrisquei ir mesmo assim.
      Entre Caetité e Riacho de Santana são cerca de 70km percorridos em 1h, pois a estrada obviamente é simples, não tem acostamento e em muitos trechos beira precipícios ou corta formações rochosas estreitas! A mesma estrada que leva à Riacho corta Igaporã ao meio, que eu achei bem esquisita ali na rodovia! Feia é a palavra! Mas seguimos viagem e chegamos em Riacho perto das 10h da manhã!
      Cidadezinha ajeitada, muita gente na rua... pracinhas fofas, igrejinha, e aquelas coisas de cidadinhas pequenas! Onde eu começaria a procurar pela “Lourdes dos correios”? Bah, nos correios...
      Depois de um mini rolê na cidade a escaldantes 30 e muitos quase 40 graus, chegamos nos correios, que estava fechado, óbvio! Um sujeito ligeiramente alcoolizado por perto, vendo nossa cara de “oncotô” olhando frustrados pros correios fechados nos perguntou se precisávamos mandar alguma carta, rs! Dissemos que não, que na verdade estávamos procurando uma pessoa que morava na cidade e que tinha, no passado, trabalhado ali, e que era conhecida como a “Lourdes dos correios”! Ele e mais uns dois por perto se apressaram em nos explicar onde ela morava, que era ali perto, e mais um BILHÃO de informações que não faziam sentido nem eram necessárias... ele estava meio gorozado lembram? Hahahauaha... educadamente fomos nos afastando e despedindo do senhorzinho que tinha nos ajudado e uns 10 minutos depois estávamos a caminho da casa da Lourdes! Mais umas 2 perguntadas e chegamos na porta da casa dela! Que coisa estranha... ia bater lá e dizer “oi, vc não me conhece mas sou sua prima”. Estava com frio na barriga!
      Tinha um senhor de cabeça branca perto da porta que em teoria era a casa da Lourdes, mas ao perguntar ele disse que não era não. Uns 3 segundos de “comassim” depois ele entra na casa e diz “filha, os meninos chegaram”. Surge de lá de dentro uma senhorinha que era a cara da minha avó paterna e eu sem sombra de dúvidas estava na casa certa!
      Não há palavras pra descrever a simpatia, fofura, amor, sensibilidade e todos os demais adjetivos queridos do mundo pra esta família! Lourdes e seu marido “Fone” (ele tem um nome diferentão, se tratam por filha e filho, uns cute cute) que ali moravam, e suas duas filhas, Dione e Cynthya (nos explicaram pq de tanto y e h, haha) e suas 3 netas, Gabi (20) e as gêmeas Allice e Alline (16)!
      E como eles sabiam que a gente tava indo se a Lourdes nem tinha visualizado minha mensagem? Pq uma tia minha, de Curitiba, tinha conseguido falar com ela e portanto a família toda estava nos esperando!
      Contamos para eles pq tínhamos vindo: deixar as cinzas do meu pai num pequizeiro que ele tanto amava! Este “insight” tinha me ocorrido quando passamos por Montes Claros, norte de MG, e na estrada tinha um montão de pequizeiros... e gente vendendo pequi. A família do meu pai (além dele, pai, mãe e 3 irmãos) veio inteira pro Paraná na década de 70 e todos se estabeleceram em Curitiba, com exceção do meu pai, que ficou no interior do estado. Esses baianos quase se matavam por causa de pequi (os que sobraram ainda se matam), que não tem aqui no Paraná... só chega quando alguém vem lá de cima trazendo! Então um pequizeiro com certeza seria a sua melhor morada final, e pra mim, botânica, ele ficar numa árvore tb tem mil significados! A família da Lourdes nos deu dicas de onde tinha na estrada alguns pés!
      Conversa vai conversa vem... Teve lágrimas nos olhos... a Lourdes tb contou que sua mãe havia falecido há seis meses, e esta, Dona Rosinha, era irmã da minha avó! Tb teve muita história! Ela me contou que era bem amiga do meu pai, brincavam juntos... e tb contou da doidera que eu já sabia: minha avó e duas irmãs (entre elas a mãe da Lourdes) se casaram com meu avô e dois irmãos... eram 3 irmãs casadas com 3 irmãos! Casamento arranjado... os Batista e os Carneiro! Tb me contou do gênio e peculiaridades de cada um dos sobrenomes! Foi muita conversa e muita comida! MUITA mesmo! Quanta saudade eu tinha da comida da minha avó! Xiringa, Chimango, bolo frito, bolo de colher, beiju com manteiga de garrafa... meodeos! Fotos 18 a 20
       
      18 e 19: beiju com manteiga de garrafa, bolo de colher!

      20: comendo pequi num restaurante de Caetité!
      E quando Lourdes e família ficaram sabendo que a gente estava sem malas no carro e que estávamos hospedados em Caetité foi como se tivessem tomado um remédio amargo! Torceram a cara e exigiram, hahahahauahaauha, que a gente fosse lá buscar as coisas e voltasse pra Riacho passar o resto dos dias com eles! Mas já era dia 31 de dezembro e dia 2 de janeiro seguiríamos para MG, então ponderamos que iríamos sim a Caetité buscar roupas pra passar dia 31 e 1 com eles, mas que no fim do dia 1 voltaríamos pro hotel arrumar malas e seguir viagem dia seguinte! A gente mal sabia que tinha essa família quando começamos a viagem e agora íamos passar o ano novo com eles!
      Voltamos pra Caetité! Passamos lentamente por Igaporã, que de fato era bem feinha! Foto 21 Fomos reparando na estrada e avistamos alguns pés de pequi! Em Caetité fui atrás de comprar requeijão de comer com café (pra quem não sabe não tem nada a ver com o do mercado, é duro, corta e põe no café quente) e fomos pro hotel tomar banho, descansar um pouco (João queria nadar) e nos arrumar para voltar. Eu queria passar pela estrada ainda claro.
       
      21: Igaporã, pórtico de entrada!
      E assim fomos: entre Caetité e Riacho, exatamente em Igaporã, tinha um mini cemitério na beira da estrada. Ajeitadinho, mas com cara de ninguém é enterrado ali há tempos. Perto do cemitério, em uma área particular (pulamos cerca de arames farpados) tinha um pé de pequi... lá dentro da mata! Arranhei as pernas pra chegar lá pq estava de saia (ano novo né!)... e neste pé de pequi, cheio de pequi, ficaram as cinzas do meu pai! Ele estava de volta no seu sertão!
      Eu tb havia escrito uma carta bem resumida sobre sua história... escrevi no hotel minutos antes de sair pq o que devia ser feito ia clareando só na hora. Enquanto escrevia meu filho chorou bastante... esta carta foi posta dentro do pote azul (se chama urna na verdade) e deixada no cruzeiro do cemitério! Ele era católico e temos um ponto de referência para voltar, se um dia calhar!
      Foi sensacional, emocionante, um momento só nosso! Foi LINDO! Fotos 22 a 28
       
      22 e 23: O pequizeiro onde agora jaz meu papis!
       

      24: a carta!

      25: a carta no pote!

      26: o cemitério na beira da estrada!
       

      27 e 28: emoção!
      Chegamos em Riacho de alma lavada, espírito elevado... como a gente deve chegar pra um ano novo afinal!
       
      01 de janeiro de 2019 (ter) – feliz ano novo: Riacho de Santana e Caetité
      Passamos a noite do ano novo na casa de mais parentes que conheci por lá, outras primas e primos, e durante o dia ficamos só nós na Lourdes conversando muito e comendo muito muito! Que pouco tempo tivemos com eles... Me contaram da seca, do sofrimento da falta de água... que distante está minha realidade! Na despedida mais choro! Vim me despedir do meu pai e ganhei tanta gente nova e maravilhosa! Promessas de reencontros e lágrimas depois, voltamos pra Caetité!
      Arrumar as malas foi fácil, difícil foi ficar transportando o pequi que estava levando, pq segundo os baianos de Curitiba, se eu não levasse nem precisava voltar pro Paraná, hahahaha! No dia seguinte nos despedimos daquela terra onde falta água mas sobra amor com nossa primeira promessa de ano novo: até logo, sertão! Foto 29
       
      29: eu volto!
      “O sertão é do tamanho do mundo”
      “O sertão é dentro da gente”
      Guimarães Rosa sabe o que diz! 💙
      CONTINUA com Minas Gerais, num relato normal, prometo!
×
×
  • Criar Novo...