Ir para conteúdo

14 Dias na Colômbia - Cartagena, Medellin e San Andrés (Os Mochilinhas)


Posts Recomendados

  • Colaboradores

Não sei se soube,mas o índice de homicídio em Medellín, quando estive ali em 2016,era zero.Havia meses que não acontecia nenhum. Há também o museu da memória em um bairro próximo ao centro.Sou curioso, fui lá, contam a história da violência da cidade como um todo, não necessariamente de Pablo Escobar. 

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Respostas 33
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

Mais Ativos no Tópico

Postagens Populares

Olá! Minha esposa e eu recentemente lançamos um blog de relatos das nossas viagens pelo mundo, em formato meio que de diário, mas também com posts com informações das nossas viagens como preços d

COLÔMBIA 3º Dia - Fazendo o passeio para Playa Blanca (26/04/2017) Dia reservado para fazer o passeio para Playa Blanca. 9h já estávamos no píer do muelle de

COLÔMBIA 5º Dia - Visitando o Castelo de Barajas (28/04/2017) Nosso último dia "cheio" em Cartagena, ainda faltava em nosso roteiro a visita ao Castelo de Ba

Posted Images

  • Colaboradores

Não acredito nesses números, acho que era mais uma enganação do tal de Uribe,o presidente que diz realizar isso.Mas,para compensar, lá no litoral do Pacíficohá uma cidade Porto em que os cartéis se matavam entre si todos os dias. Cheguei em Cali,aonde também não vi nada,logo me contaram para não ir lá.

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros

COLÔMBIA 9º Dia - Conhecendo o centro de Medellín (02/05/2017)

Nosso último dia em Medellín, estávamos entre conhecer o Parque Arví, um bonito parque que fica nos arredores de Medellín, em cima de um morro e que para chegar tem que se descer na última estação do teleférico urbano de Medellín, que por si só já é uma atração à parte, ou conhecer o centro da cidade, que possui diversas atrações e áreas revitalizadas e é um passeio de um ou mais dias inteiros. Como já tínhamos conhecido já vários parques, era dia de semana e, uma visita a uma cidade não fica completa sem se visitar o seu centro, optamos pelo centro, embora o parque Arví e andar de teleférico seja também uma atração imperdível e definitivamente temos que voltar lá para conhecer (entre muitas outras atrações de Medellín).

Fizemos nosso café da manhã no hostel mesmo com as coisas que compramos no supermercado no dia anterior e seguimos então para o metrô. O trajeto definido foi começar pela Catedral mais ao norte e ir seguindo pelos pontos turísticos do centro até a Plaza Cisneros, mais ao sul. Para isso, seguimos até a estação de metrô Prado, estação mais próxima da Catedral (uns 500 metros de caminhada). Havíamos lido em diversos blogs que os arredores desta estação e o trajeto dali até a Catedral era muito perigoso, que era para evitar ao máximo e tal, mas como não sabíamos que ônibus pegar para ir até lá e obviamente não iríamos pegar um táxi em plena luz do dia, resolvemos encarar. E olha, não sei onde vivem essas pessoas que disseram isso, mas de perigoso (pelo menos aparentemente) não tem nada. Trata-se de uma região central como outra qualquer, com bastante lojas e movimento. Claro que é uma parte "não revitalizada" do centro, com um pouco de sujeira e alguns mendigos, mas muito mais tranquilo do que andar em lugares como o centro de Porto Alegre, por exemplo.

Assim como também o entorno da Catedral em si, que fica em frente à praça Bolívar, lembrando um pouco a Praça da Sé em São Paulo só que em menor escala.

20170502_100954.thumb.jpg.192a12d4c1d806ba39e32a15f7c4ed61.jpg

Praça Bolívar em frente à Catedral de Medellín

A Catedral, construída em estilo Neoclássico lá pelos anos de 1930 para ser o principal templo religioso de Medellín em substituição à antiga igreja da Candelária (que fica em outro local e que visitamos depois), é grandiosa e com um projeto de engenharia impressionante, se destacando pela imensa quantidade de tijolos à vista que foram utilizados. Porém, como se percebe pela pouca idade, não é dos prédios mais históricos da cidade e nem está entre as catedrais mais bonitas do país, sendo até subestimado como ponto turístico da cidade.

20170502_101148.thumb.jpg.8f8179f731fa8c4189a283f37fec6e4c.jpg
 
20170502_101040.thumb.jpg.ec89bdcc812a8094fcc014fd1fdb4150.jpg
 
20170502_100914.thumb.jpg.defaffe5be5bcf31633989c2bcc2257e.jpg
 
20170502_100820.thumb.jpg.e503897610d0b9b2313c82337d3d8c33.jpg

Catedral Metropolitana de Medellín

Pegando o gancho, uma coisa que nos chamou a atenção em Medellín são os "tijolos à vista". Pode ser só impressão minha, mas lá a maioria dos prédios, tirando a fachada, são de tijolos à vista mesmo, sem reboco. Coisa que aqui no Brasil é visto como "coisa de pobre", lá aparenta ser perfeitamente normal, em qualquer bairro, não sei o motivo, se para economizar ou porque não se importam mesmo já que teoricamente ninguém vai reparar nas laterais dos prédios.

Dali da catedral, bem em frente, na outra ponta da praça, seguimos pela Carrera 49, uma rua só para pedestres, uma das principais do centro, repleta de lojas e galerias. Passamos a manhã indo e voltando por ali, conferindo as diversas lojas e fazendo umas comprinhas. Aproveitei para comprar uma falsificação perfeita da camisa do Nacional numa galeria, por meros 20 reais, não só para poder ir no jogo à noite "à carater", mas porque a camisa era muito bonita mesmo hehehe.

20170502_171822.thumb.jpg.3556ccdfab0055733a551164b7933a1a.jpg

Mais uma pra coleção!

Ao final da Carrera 49 (a parte só para pedestres), dobrando a direita chega-se no Parque Berrio, uma praça bem central da cidade, muito usado como ponto de encontro por moradores por se localizar bem no "centro do centro", com uma estação de metrô bem em frente.

O parque é uma homenagem à Pedro Justo Berrío, governador da Antioquia entre 1864 e 1873, inclusive tem uma estátua dele no centro da praça.

Em frente ao parque Berrío fica também a Basílica de Nossa Senhora da Candelária, essa sim uma igreja histórica da cidade. Construída a partir de 1646, é a igreja mais antiga da cidade e, apesar de pequena, é bem impressionante por toda sua história, com destaque para o altar maior, feito com vários detalhes em ouro maciço e o órgão, o qual não se sabe muito sobre sua história, mas dizem datar de 1861. Passou por várias reconstruções e reformas até 1997, quando foi totalmente restaurada e tombada como patrimônio nacional de Medellín. De fora da igreja você já sente um cheiro forte de morte e de coisa antiga (sem mentira). Infelizmente, como dizem ocorrer muitos assaltos com batedores de carteiras no local, não tiramos nenhuma foto nem da igreja e nem da praça para não ficar dando bobeira com o celular.

Da igreja da Candelária, seguimos para o principal cartão postal do centro de Medellín, ou quiçá, de toda a cidade: a Plaza Botero:

20170502_121133.thumb.jpg.2f6b995bc8e37eee27032fc81b27b2a7.jpg
 
20170502_112723.thumb.jpg.1016c6f9e6093f38d185172338f36b0a.jpg
 
20170502_112759.thumb.jpg.4c9739eb34af3084b9554c4d5c9da281.jpg
 
20170502_112733.thumb.jpg.9f09a7a0aa8dca8dbdf1a5434745f8f0.jpg

Plaza Botero

A plaza Botero é mais um espaço que foi revitalizado no centro da cidade. Inaugurado em 2002, trata-se de uma praça que possui diversas esculturas de Fernando Botero (23 pra ser mais exato) que foram doadas pelo próprio, sendo assim um museu a céu aberto, se tornando mais um lugar lúdico e cultural da cidade. Muito agradável para se passear, ali também se localiza o Museu de Antioquia e o icônico prédio do Palacio da Cultura Rafael Uribe Uribe, sendo assim considerado o principal ponto turístico da cidade. Inclusive, é daqui que partem os free walking tours de Medellín.

Como todo lugar turístico que se preze também, o assédio de vendedores querendo te empurrar tudo que existe de bugiganga é meio chato, mas nada comparado ao que passamos em Cartagena uns dias antes. Também há um policiamento ostensivo no local, principalmente para que as obras de Botero não sofram vandalizações.

Sobre as estátuas da praça, já havíamos falado da que encontramos em Cartagena mas ainda não havia comentado do artista. Pra quem não conhece,

Fernando Botero Angulo, nascido em Medellín, é um artista plástico orgulho da Colômbia e reconhecido mundialmente. Suas obras bem características, com figuras sempre "rechonchudas" que fazem uma crítica social à ganância do ser humano, gerou um estilo próprio de esculturas batizado de "Boterismo". Hoje podemos encontrar suas obras em diversos museus e espaços públicos espalhados pelo mundo.
20170502_112849.thumb.jpg.617ce061f5bdfc79fee0b94279f07033.jpg
 
20170502_121654.thumb.jpg.ed709614664f1553be386c207907de75.jpg
 
20170502_112937.thumb.jpg.da4513d45e14bee6001461ecfc171ebc.jpg
 
20170502_113739.thumb.jpg.1fefa9f763a80b415ec830eabbaa4452.jpg
 
 
20170502_113602.thumb.jpg.5e89c370cf45293138d2b1dc95ffe4a5.jpg
 
20170502_113301.thumb.jpg.6c32750b789191ad7639d084f6a2d00e.jpg

Estátuas de Botero, com destaque para as famosas obras "La Cabeza" e "La Mano"

Seguindo nosso passeio, fomos conhecer por dentro o Palacio de la Cultura Rafael Uribe Uribe, o charmoso prédio que lembra um tabuleiro de xadrez, principal edificação da Plaza Botero.
 
20170502_113324.thumb.jpg.29c8ed4d2949b98f457b8a84f7369e96.jpg
 
20170502_113708.thumb.jpg.3ebd5e39c096e4833ee7b0950016e9b7.jpg
 
20170502_113224.thumb.jpg.32aaa909c0ac8c9dfc3ea8520aa4ed06.jpg

Palacio de la Cultura Rafael Uribe Uribe

Prédio que nunca foi terminado, foi planejado para ser o antigo palácio do governo da Antioquia, e ficou "parado" na sua construção e abandonado desde os anos 1930, até que, em 1970, se deu por encerrada a obra com a metade do tamanho original previsto. Em 1987 foi transformado em espaço cultural e nomeado em homenagem a Rafael Uribe Uribe, importante figura política e militar colombiana, uma das vozes que lutou por reformas socialistas no país contra a elite conservadora, tendo como principais conquistas a Guerra dos Mil dias e a criação da Universidade Livre da Colômbia. Se fosse aqui no Brasil atual, estariam querendo demolir o prédio por fazer homenagem a um "comunista"...

Lá dentro, funciona exatamente como a Casa de Cultura Mário Quintana, ponto turístico que temos aqui em Porto Alegre. Não na arquitetura, mas na ideia: um lugar onde são realizadas diversas oficinas culturais e de arte, exposições artísticas, tanto fixas como itinerantes e um ponto de encontro para os mais diversos públicos e grupos. Além é claro, de um espaço que conta um pouco mais sobre a história do Palacio e de Rafael Uribe.

20170502_114940.thumb.jpg.343d614b1c7fd2acb60298cf480f7bfb.jpg
 
20170502_114356.thumb.jpg.b44c89a08c915487bb1b78aed0504e40.jpg
 
20170502_114518.thumb.jpg.2850c35ea5ab3bc0bb224b4040d27a8b.jpg

Exposições dentro do Palacio Rafael Uribe Uribe

Nesta semana que estivemos lá estava rolando uma exposição temporária bem legal sobre a obra e a vida de Van Gogh, com diversas réplicas de obras do artista e até uma sala replicando o quarto onde o artista viveu seus últimos dias.
 
20170502_114214.thumb.jpg.525c1c0ccfd024844acee44460da68ac.jpg
 
20170502_114140.thumb.jpg.6979e52c7b731a781960c9f45f535f3b.jpg

Exposição sobre a obra de vida de Van Gogh

No centro do prédio também se destaca o bonito pátio central, que conta com um jardim de inverno e uma cafeteria (superfaturada), ponto de encontro da galera "descolada" de Medellín. O prédio possui diversos andares, com destaque para o segundo andar, que possui uma "varanda" com vista de um lado para o jardim de inverno e do outro para a Praça Botero, sendo bastante utilizada pelos locais para fotos "instagramáveis" de Medellín.
 
20170502_115442.thumb.jpg.ef449b04e05005ae1a0aa6f0ed0966eb.jpg
 
20170502_114320.thumb.jpg.8d70a6148c0ed1ea20be9cda29c04902.jpg
 
20170502_114328.thumb.jpg.e0fc1715276114aa09718ca657af2f30.jpg
 
20170502_121203.thumb.jpg.0eff5cda84055543828efe578d29ed12.jpg

Bonito jardim no pátio central do edifício, com vista também para a plaza Botero

O lugar é muito agradável de se passar o tempo e, apesar de possuir diversos andares, não é muito grande não e dá pra aproveitar bem numa manhã ou uma tarde.

Já com uma certa "fome", seguimos nosso caminho. Ali na praça Botero fica também o Museu da Antioquia, um importante museu de arte que conta com exposições de diversos artistas, entre eles, é claro, Fernando Botero. Como já estávamos com fome, havia bastante lugares pra conhecermos ainda no centro e o preço para entrar no museu não era dos mais amigáveis (para estrangeiros pelo menos), deixamos ele pra outra oportunidade.

20170502_112959.thumb.jpg.9bcdcd1a1158137e0ef068a861a73806.jpg

Museo de Antioquia

Seguimos então pela Avenida Carabobo, ou Carrera 52, outra rua só para pedestres, essa sim talvez a principal rua do centro, que sai ali da frente do Museu da Antioquia e vai até o prédio da prefeitura e do governo. Na própria rua se encontram diversos pontos interessantes para visitar. Logo no início dela, bem ao lado do museu, temos a Iglesia de la Vera Cruz, que fica em frente a uma pracinha de mesmo nome, que demos uma passada pra conhecer. Um pouco mais nova que a igreja da Candelária (1712), segue o mesmo estilo, bastante histórica e bem bonita.

Seguindo a avenida, com bastante lojinhas, galerias e restaurantes, cada passo que tu dá ouve-se alguém gritando "a la ordem! a la ordem!" (é como os colombianos chamam os clientes para os seus estabelecimentos). Já varados de fome, acompanhamos um desses vendedores e paramos para almoçar mais uma bandeja paisa por ali mesmo num restaurantezinho caseiro simpático e com bom preço.

Depois do almoço, continuamos nosso passeio pela Carrera 52. Outro ponto bem interessante que tem ali é o antigo palácio da justiça, construído em 1925 e hoje transformado em Shopping, o Centro Comercial Palácio Nacional. De fora ninguém diz que é um shopping, e sim um prédio histórico, e por dentro foram instaladas lojas nas galerias laterais com uma praça de alimentação bem ao centro, iluminado com luz natural por causa do teto todo em acrílico translúcido, bem bonito!

20170502_135427.thumb.jpg.a24aaedaf062473691f7d363e9637737.jpg
 
20170502_124842.thumb.jpg.083ae8d1ee18664bff0ab809f9ff9332.jpg

Centro Comercial Palácio Nacional

No dia que passamos ali estava rolando um jogo da Champions League e o pessoal estava todo alucinado acompanhando na televisão instalada na praça de alimentação, inclusive os vendedores das lojas! Na Colômbia eles são mais fissurados pelo futebol europeu do que o do próprio país. Mania que logo logo vai chegar no Brasil também devido ao abismo de qualidade técnica entre o futebol europeu e o sulamericano que a cada ano aumenta mais.

O shopping é bonito e tal mas, com a maioria das lojas de roupas de grife, preferimos mesmo o entorno dele, cheio de camelôs vendendo coisas falsificadas hehehe. Também por ali, a despeito de todo o esforço dos últimos governos e da população da cidade para apagar a imagem de Pablo Escobar, encontramos muitas banquinhas vendendo camisetas com estampas dele. Tudo porque ainda tem muitos turistas (os alienados e desrespeitosos) que se interessam por esse tipo de coisa, influenciados por hollywood.

Continuamos então seguindo até o final da Avenida Carabobo (pelo menos onde termina a parte só para pedestres). Ali, no cruzamento com a Avenida San Juan (Calle 44), uma quadra à direita, chegamos na Plaza Cisneros, outro local revitalizado do centro que se tornou um ponto turístico de Medellín.

20170502_142610.thumb.jpg.05ede91b72f0211365d369c589698929.jpg

Plaza Cisneros

Dizem que antes da revitalização, o local era uma espécie de "cracolândia", com muitos usuários de drogas e assaltos no entorno. Após um tumultuado processo de construção, com várias modificações de projeto ao longo do processo, a reformulação da praça foi finalizada em 2005. Muito bonita e limpa, tem como principal atração 300 postes de luz que simulam um "bosque artificial" e que se iluminam em certas noites, fazendo um espetáculo à parte e tornando o lugar bastante agradável para ser frequentado à qualquer hora do dia e que, apesar de ficar no "centrão", tem também espaços com plantas, bambus e certa natureza, contando até com casinhas para que os pássaros possam frequentar a praça.

20170502_142304.thumb.jpg.327bc8c9e8f3e414b4c0233158f12cf5.jpg
 
20170502_142227.thumb.jpg.6ee40c9ad7648e1a964e13a241d99401.jpg
 
20170502_142313.thumb.jpg.d3c1e0ea63a408ee40f0503ce5e84007.jpg
 
20170502_142401.thumb.jpg.17ed175250cfc8c8c11fdca5c73409dd.jpg

Bosque "artificial" e natural da Praça

O nome da Praça é em homenagem ao engenheiro Cubano Francisco Javier Cisneros, precursor da primeira linha férrea construída na Antioquia, cuja estação central se localizava nos prédios ao lado da praça Cisneros, hoje também revitalizados e transformados em edifícios administrativos públicos. Também entregue em 2005 foi a moderna e belíssima Biblioteca Municipal, que fica em frente à Praça Cisneros, no local onde se localizava o mercado coberto da cidade no início do século passado.
 
20170502_142434.thumb.jpg.cc8f75eabb5ab19af8ba0ee7f983daff.jpg
 
20170502_142723.thumb.jpg.b332396ca203f0ae3a58bec8f28b1e0b.jpg
 
20170502_142718.thumb.jpg.6007393fbf73e72d4fd908fee30399ba.jpg

Bonita biblioteca municipal

Só abrindo um parênteses, não custa ressaltar que todas essas obras de revitalização e infraestrutura da cidade foram realizadas com investimento público, através de uma empresa pública criada essencialmente para este fim (a EPM), para a tristeza dos nossos neoliberais do terceiro mundo.

Seguimos então da Praça Cisneros para o nosso último ponto de interesse no centro de Medellín: a esplanada onde fica localizado o prédio da prefeitura (em espanhol: alcadía) e o palácio do governo da Antioquia, além de outros prédios administrativos, que fica bem do lado da Praça Cisneros, bastando atravessar a Avenida San Juan.

20170502_143116.thumb.jpg.5d04f96f3265e25d6918811473ad785b.jpg
 
20170502_143238.thumb.jpg.c239e799e9477f6028ac9a63b2362280.jpg

Praça do Centro Administrativo de Medellín

Essa esplanada, cujo nome oficial é Plaza de la Alpujarra Administrative Center (embora poucos a conheçam por esse nome), fica cercada pelos imponentes prédios administrativos, e é bem interessante. É um espaço que foi transformado em uma espécie de museu à céu aberto com várias esculturas e painéis contando um pouco da história da Antioquia, com destaque para a impressionante obra La Raza, escultura de 38 metros de altura que simboliza a luta e os esforços dos diversos povos e culturas que somados construíram a Antioquia.
 
20170502_143435.thumb.jpg.b3f9059ef926f059bed0b55b1c090ab4.jpg
 
20170502_143533.thumb.jpg.07b6f78b81160e44f2094bf5acad7699.jpg
 
20170502_143530.thumb.jpg.294abd5efddfa85fba40f3be6a4fff37.jpg
 
20170502_143417.thumb.jpg.fcc647816e51e032e8bbf039863cf646.jpg

Monumento a La Raza

Essa hora então, começou a bater o cansaço de caminhar o dia inteiro. Paramos então pra tomar um sorvete no Shopping Gran Plaza, shopping que fica em frente à Plaza Cisneros, ao lado da Biblioteca Municipal. A praça de alimentação desse shopping fica numa espécie de "sacadão" com vista aberta para a Plaza Cisneros, e dizem ser um local muito procurado à noite para apreciar as luzes dos postes da praça acesos, acompanhados de um chopinho e uns petiscos...
 
20170502_145142.thumb.jpg.fad0d9a0ada90af7186d09be4fc687e0.jpg
 
20170502_145056.thumb.jpg.31a703e70baabbe00d041ce0a3c8edc4.jpg

Praça de alimentação do Shopping Gran Plaza com vista para a Praça Cisneros

Faltando poucas horas para o jogo do Nacional, fomos seguindo em direção à estação de metrô San Antonio, pegar o metrô de volta pra nosso hostel. No caminho aproveitamos ainda pra dar uma passada nas diversas galerias comerciais que tem ali pelas ruas próximas à praça, daquelas enormes que começam numa rua e terminam em outra, com milhares de banquinhas vendedndo tudo que é tipo de coisa (tudo de procedência duvidosa, claro). A Juju aproveitou para comprar ali bem baratinho um típico poncho colombiano (made in china), bem quentinho e que tem sido bem útil nas nossas viagens.

Chegamos no hostel, só descansamos uns minutos e já se dirigimos para o entorno do Atanásio Giradot, acompanhar o movimento de chegada das torcidas, pra mim a melhor parte de se assistir um jogo no estádio. Nesse momento vimos o quão importante é escolher bem a localização do hostel!

Como era jogo de libertadores e o Nacional precisava vencer para se manter vivo na competição (o que no fim não adiantou muito), tinha bastante gente. Sentamos nas barraquinhas que tem em torno do estádio e ficamos curtindo o movimento tomando umas Águilas a meros 1.500 COPs (R$ 1,50 reais na época).

20170502_174314.thumb.jpg.28dbac0173fd17ac9ec6214be600c22d.jpg
 
20170502_174501.thumb.jpg.53a3f5bbd1dfbe96125c73c3da93e3e5.jpg
 
20170502_182043.thumb.jpg.027f379fed45df288156aecbf6659c59.jpg

Fazendo um aquece pro jogo!

Uma meia hora então pra começar o jogo, fomos nos dirigindo para a fila. A fila do nosso portão, como esperado, local onde fica a principal torcida organizada do time, a Los Del Sur, era a maior e mais demorada. Ali que a Juliana experimentou a maior revista policial para entrar em algum local na sua vida. Sem mentira, não só ela mas toda as que passavam pela revista feminina passavam numa revista minuciosa com a policial: teve que tirar tênis e até o sutiã foi revistado (pra ver a fama que tem a torcida colombiana). O engraçado é que mesmo com toda essa revista, lá dentro nos corredores do estádio as drogas ilícitas rolam soltas. Acho que a preocupação maior mesmo é entrar com armas e tal.

Finalmente então, conhecemos o histórico Estádio Atanásio Girardot (em atividade ainda por cima!).

20170502_203116.thumb.jpg.9419c73285edc664e100e85b54ea2861.jpg
 
20170502_203112.thumb.jpg.6d506ea3fd2f4809196d1f0178d12022.jpg
 
20170502_203120.thumb.jpg.7e4d026ed387e34b812e75eba2df98a7.jpg

Estádio Atanásio Girardot

Estádio dos anos 1950 e que não passou por reformulações significativas, deu pra matar um pouco a saudade de como era o futebol aqui no Brasil antes da elitização dos estádios após a copa do mundo, pra mim, muito mais divertido, mesmo tendo que ficar de pé no cimento o jogo inteiro (embora aqui também a venda de bebidas alcóolicas esteja proibida). Se acomodamos então no meio da torcida Los Del Sur para acompanhar o jogo. A festa é bastante bonita, canta-se inclusive músicas da Chapecoense, em homenagem ao time que agora virou um clube irmão do Nacional.
 
20170502_184931.thumb.jpg.977ebc84463fce5dfc88497dd6e48fc0.jpg
 
20170502_185641.thumb.jpg.20db2db626f386cd1934128bc1e3fa28.jpg
 
20170502_200921.thumb.jpg.4dafe506ac7145aab2e4b3501c9ccb98.jpg
 
20170502_200555.thumb.jpg.895a26005ad9fed4b53d2974b029b16e.jpg

Vamos Nacional!

Ali naquela goleira que estávamos também foi onde em 1995, Dinho fez o gol de pênalti no goleiro Higuita, gol que sacramentou o Bicampeonato da Libertadores para o Grêmio, fazendo a visita pra mim ter um gostinho ainda mais especial!
20170502_194939.thumb.jpg.8aeddca763b4c77d93ced1d3d275efc4.jpg

Nessa goleira o Grêmio fez o gol do título da Libertadores!

Demos sorte pro Nacional, que venceu o Estudiantes de Verón por 4 a 0, o que não adiantou muito pois mais tarde o time foi desclassificado em plena fase de grupos.

Depois do jogo, fomos curtir o movimento agora na Carrera 70, que estava bombando por causa do jogo.

20170502_214436.thumb.jpg.27f5249c24301566cd3b6fe9d547d80b.jpg
 
20170502_214319.thumb.jpg.3a99f68b4ff9e64aa95e6d022f85e21d.jpg
 
20170502_214200.thumb.jpg.8bfddf2cdc7212ec2f38dd7fc82f92e6.jpg
 
20170502_214446.thumb.jpg.e190e4b08843de86c5f17cbbefdea2c8.jpg

Curtindo a noite na Carrera 70, bastante movimentada por causa do jogo

Com o dobro de barraquinhas de comida e bares abertos por causa do movimento maior do que o normal, pegamos umas cervejas e demoramos pra escolher o que comer de tantas opções disponíveis. No fim optamos por uma Shawarma de um carrinho de rua que estava com bastante movimento então devia ser bom e barato.

Ali então, na Carrera 70, comendo uma Shawarma, tomando umas cervejas e curtindo o movimento da saída da torcida do jogo e tomando as ruas e bares da avenida, encerramos a noite e nos despedimos de Medellín, cidade que ficará pra sempre marcada na nossa vida e que obrigatoriamente temos de voltar o quanto antes. No outro dia partiríamos de avião rumo à San Andrés!

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Roteiro resumido - Medellin

Segue abaixo o resumo (com mapas) da nossa passagem de 3 dias por Medellin, lembrando que os preços das atrações aqui listados são de 2017, então certamente já estão defasados. Também cabe ressaltar que este roteiro representa unicamente a NOSSA experiência na cidade, não tendo nenhuma pretensão de ser um "guia do que fazer em Medellín", ou muito menos um "guia definitivo da cidade". Medellín com certeza merece uma visita bem prolongada, visto a quantidade de atrações que a cidade e arredores possuem.

 

RESUMÃO: Ficamos 3 dias em Medellín. Sendo que no primeiro dia chegamos de manhã cedo, então foram só dois dias "inteiros" na cidade. Nossas atividades neste período ficaram divididas assim:

 

1º Dia: Chegando em Medellin, Parque Explora, Parque de los deseos, noite no Poblado, Parque Lleras

2º Dia: Cerro Nutibarra, Pueblito Paisa, Parque de los Pies Descalzos

3º Dia: Catedral Metropolitana, Parque Berrío, Candelária, Plaza Botero, Palácio da Cultura Rafael Uribe Uribe, Plaza Cisneros, Jogo do Nacional

 

Ficamos no Paisa City Hostel, que infelizmente não existe mais. Escolhemos ele pelo preço, pelas ótimas avaliações no booking, mas principalmente pela localização, em frente ao Estádio do Nacional (já que queríamos assistir um jogo no estádio) e ao lado de uma estação de metrô, permitindo ir para qualquer lugar da cidade facilmente. Abaixo a avaliação que fizemos dele no booking:

441795_944e57e93d4a484b8b7e04789dab8e1a~mv2.webp
 

1º Dia: Chegando em Medellin, Parque Explora, Parque de los deseos, noite no Poblado, Parque Lleras

 

1. Do terminal de ônibus até o Hostel

  • Descemos do ônibus vindo de Cartagena no Terminal Norte. Este é o melhor terminal já que possui uma estação de metrô praticamente dentro dele: a Estação Caribe.

  • Da estação Caribe, pegamos a linha A do metrô até a estação San Antonio, onde trocamos para a linha B e seguimos até a estação Estádio:

441795_e69ac96991ac49139b7bcd60c82a336b~mv2.webp
Metrô de Medellín
 
441795_ce63dfeee3eb43cdbd933f4f49f0c9ef~mv2.webp
Trajeto da Estação Caribe até a Estação Estádio
 
441795_79aaa85ecfd2429d9f6592def5faaf91~mv2.webp
Da estação Estádio até o Hostel são 250 metros. Acima o Estádio Atanásio Girardot

2. Parque Explora e Parque de los Deseos

 
  • Do hostel para a região onde fica o Parque Explora e o Parque de los Deseos (além do Jardim Botânico e a Universidade de Medellín) pegamos a linha B do metrô da estação estádio até a estação San Antonio, onde trocamos para a linha A e seguimos até a estação Universidad

441795_831e3c15dd1b476a860561812661a1ee~mv2.webp
Trajeto de metrô da estação Estádio até a Estação Universidad
 
441795_0aa1b939b4594a69b8fb0ecd57fdbf8a~mv2.webp
Pontos de interesse marcados

Pontos de interesse marcados no mapa:

  1. Estação de metrô Universidad

  2. Parque Explora: valor de ingresso 20.000 COPs (valor atualizado em 2021). Site do Parque: https://parqueexplora.org/

  3. Parque de los Deseos: toda terça e domingo tem cinema ao ar livre às 19h

  4. Jardim Botânico de Medellín: site oficial: https://www.botanicomedellin.org/

 

3. Noite no Poblado

  • Do Parque de los Deseos até o Poblado, fomos de metrô:

441795_e56416e8ef8844cab038f00451ee744b~mv2.webp
Trajeto de metrô da estação Universidad até a estação Poblado
  • Da estação Poblado, fomos a pé até o Parque Lleras, principal ponto do bairro, onde se concentram os bares e baladas e onde e se reúnem o pessoal para fazer aquele "aquece".

441795_46d9e8577bff4a828bdfdfc4e477420a~mv2.webp
Trajeto da estação Poblado até o Parque Lleras
  • Do parque Lleras pro Hostel, pegamos o metrô Linha A na estação Poblado até a estação San Antonio, trocamos para a Linha B e seguimos até a estação Estádio.

441795_29adfdf4a10f40528fbbb5117b333978~mv2.webp
Trajeto de metrô da estação Poblado até a estação Estádio
 

2º Dia: Cerro Nutibarra, Pueblito Paisa, Parque de los Pies Descalzos

 

1. Cerro Nutibarra e Pueblito Paisa

 
  • Para ir até o Cerro Nutibarra, pegamos o metrô na estação Estádio Linha B até a estação San Antonio, e da estação San Antonio trocamos para a linha A até a estação Industriales

441795_fa02c80e82d848679be3fa3ec0069981~mv2.webp
Trajeto de metrô da estação Estádio até a estação Industriales
  • Da estação Industriales até o Cerro, fomos a pé:

441795_793e7fc887914645ab1c636ebc803666~mv2.webp
Trajeto da estação Industriales até a entrada do Cerro
 
441795_40c7ae70470b4253b3cdee38f65f66b8~mv2.webp
Locais de interesse do Cerro Nutibarra marcados no mapa

Locais de interesse no Cerro Nutibarra:

 

2. Parque de los Piés Descalzos

 

  • Da estação industriales onde estávamos, pegamos o metrô em direção à estação Cisneros, trocando da linha A para linha B na estação San Antonio:

441795_02a830942cf149efa031bc273b31438a~mv2.webp
Trajeto de metrô da estação Industriales até a estação Cisneros
  • Da estação Cisneros até o Parque de los Piés Descalzos, fomos a pé:

441795_a88dc4805b994b4c993436c94ecd6fc0~mv2.webp
Trajeto a pé da estação Cisneros até o Parque de los Piés Descalzos
  • Para voltar, pegamos o metrô Linha B na estação Cisneros e andamos duas estações até a estação Estádio.

 

3º Dia: Catedral Metropolitana, Parque Berrío, Candelária, Plaza Botero, Palácio da Cultura Rafael Uribe Uribe, Plaza Cisneros, Jogo do Nacional

 

1. Tour pelo centro

  • Neste dia fiz um tour pelo centro, começando na estação Prado:

441795_d554e89b805f45fcb0c77b1f7e9b61b6~mv2.webp
Trajeto de metrô da estação Estádio até a estação Prado
  • O trajeto que fizemos no centro foi o seguinte:

441795_5c695c94822b4d219b68bc934ae6429e~mv2.webp
Trajeto pelo centro de Medellín
 
441795_ddedb8b8e4db4b9292436ae604589df6~mv2.webp
Pontos de interesse marcados no mapa
  • Pontos de interesse marcados no mapa:

  1. Catedral Metropolitana

  2. Basília de Nossa Senhora da Candelária e Parque Berrío

  3. Plaza Botero

  4. Palácio da Cultura Rafael Uribe Uribe: site oficial (https://www.culturantioquia.gov.co/index.php/el-palacio )

  5. Museu da Antioquia: site oficial (https://www.museodeantioquia.co/ )

  6. Iglesia de la Vera Cruz

  7. Centro Comercial Palacio Nacional

  8. Plaza Cisneros e Biblioteca Municipal

  9. Praça do Centro Administrativo

  • Para voltar, pegamos o metrô na estação San Antonio, linha B em direção à estação Estádio:

441795_8a4f563f0ae04d798e807a98cae20e41~mv2.webp
Trajeto da Plaza Cisneros até a estação de metrô San Antonio

2. Jogo do Nacional e noite na Carrera 70

  • Para o jogo do Nacional, pagamos 55.000 COPs o ingresso de arquibanca por pessoa, comprado na bilheteria dois dias antes.

  • Depois do jogo, curtimos a noite na Carrera 70, rua com vários bares e comidas de rua.

441795_b3ed22c2ce674b8ea206a7fa8dbd56ba~mv2.webp

Carrera 70
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Colaboradores

@arielbrothersOs edifícios em adobe me surpreenderam logo que cheguei em Bogotá.Como sou falante da língua,perguntei logo no 2 dia.É comum em todos os Andes colombianos pelos terremotos,contaram-me que em 85 o país foi arrasado por um e a reconstrução foi assim,a prova de temblores.

Não foram ao belíssimo Museu de Antioquia?Eu passei uma tarde dentro dele e não vi tudo, comparado ao Museu do Ouro de Bogotá,os dois melhores do país.

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros

COLÔMBIA 10º Dia - Chegando em San Andrés (03/05/2017)

O Aeroporto internacional de Medellin, assim como acontece em diversas cidades brasileiras (como o Aeroporto de Guarulhos em São Paulo por exemplo), fica na cidade vizinha de Rionegro, a uns 25 quilômetros do centro de Medellin. Só que, no caso de Medellín, essa cidade não fica exatamente numa região metropolitana, e sim de serra. A estrada pra chegar lá passa por estradinhas de pista única bem sinuosas, numa subida constante, o que faz com que o trajeto até lá normalmente passe de uma hora e meia em horário comercial.

Nosso voo para San Andrés estava marcado para as 15h10 e, sendo assim, pela distância do aeroporto, ficamos de sair do hostel um pouco antes das 11h. Acordamos então tranquilos, tomamos o café da manhã no hostel, fizemos check-out e ficamos na área comum brincando com o Rhu até chegar esse horário.

20170503_102600.thumb.jpg.b3f7fccdbc7f04f9229fafddee859ac2.jpg
 
20170503_223531.thumb.jpg.d6fa9bd58e2adf8477b69ea374e81b8c.jpg

Se despedindo do nosso anfitrião

Descobrimos que a forma mais barata para ir de Medellín ao aeroporto era um ônibus comum cujo terminal ficava atrás do Hotel Nutibara, em frente à Praça Botero, então foi pra lá que rumamos. Demos mais uma última curtida nas esculturas de Botero da Praça e se dirigimos para a Avenida Maracaibo, bem atrás do robusto prédio do Hotel Nutibara em frente à Praça onde, no cruzamento com a Carrera 50a, foi muito fácil encontrar vários micro ônibus com o letreiro "Aeropuerto" no parabrisa.

O ônibus custou 9.000 COPs na época e em menos de uma hora chegamos no grandioso Aeroporto de Rionegro, numa paisagem de completa serração e um friozinho considerável. Como chegamos cedo, ficamos de bobeira no aeroporto um tempão, como sempre (e como sempre, melhor prevenir e chegar cedo).

20170503.thumb.jpeg.b1c84c00e399265897dbae99c77c07e8.jpegCurtindo o Aeroporto de Rionegro

Compramos a passagem para San Andrés pela companhia Low cost colombiana Vivacolombia, por 99.000 COPs por pessoa. Como toda boa lowcost, esse valor só inclui a passagem e uma bagagem de mão com limite de dimensões e peso, não podendo escolher assentos, despachar malas e nem fazer check in no aeroporto. Como não sabia se teríamos internet ou se acharíamos algum lugar para fazer o check in e imprimir os bilhetes, acabei optando pela passagem com a possibilidade de fazer o check in do voo no aeroporto, pagando 10.000 COPS a mais. O problema é que, ao fazer o check in no guichê, a atendente acabou por medir e pesar nossas mochilas e, ao colocar na "caixinha" onde eles verificam se ela atende aos tamanhos permitidos, a minha mochila não coube inteira, passando do tamanho permitido. Um pouco "nervoso" digamos assim, já que despachar a mochila sairia mais caro que a passagem, fiquei ali enrolando e quando a atendente se distraiu e começou a atender outra pessoa, retirei a minha nécessaire da mochila, escondi atrás do balcão e recoloquei a mochila na caixinha, agora cabendo com folga, hehe. Chamei a atendente e mostrei pra ela e ela nos deu um ok, de que estávamos liberados, mas que passaríamos de novo por uma checagem na hora de embarcar (que saco). Foi a primeira e até hoje única vez que uma companhia aérea encrencou com nossas mochilas. Normalmente os atendentes veem que elas são pequenas (pelo menos em comparação às mochilas dos demais mochileiros ou malas de rodinhas) e nem dão bola.

20170503_104443.thumb.jpg.4c0c30df2d2226e9450f04a2861aa930.jpg

Mochila da Juju passou no teste

Outra coisa que eu já estava meio agoniado era a questão da Tarjeta Turística, documento que você precisa comprar obrigatoriamente para poder acessar San Andrés, tipo uma taxa de preservação, com valor fixo (o mesmo valor independente dos dias que você vai ficar na ilha) de, na época, 210.000 COPs. Fomos informados que tinha que se comprar com a Companhia Aérea, tentamos comprar em Porto Alegre e não tinha, no Panamá não tinha e, agora, no Check in, perguntamos dela e a atendente só nos falou que isso era depois, na hora de embarcar que compraríamos. Achamos meio estranho mas tudo bem.

Já na sala de embarque depois, ficamos mais um tempo de bobeira já que estava cedo e, quando foi liberado o embarque e o pessoal começou a formar a fila pra entrar no avião, pra nossa tristeza, apareceu um fiscal da companhia aérea medindo as mochilas de todo o pessoal que estava na fila. Ele pegava as mochilas ou malas e enfiava na caixinha com as medidas permitidas para saber se a pessoa poderia levar elas como bagagem de mão ou não. Fomos pra fila então só depois que quase todo mundo já tinha entrado no avião e vimos que o carinha já estava mais "relaxado" na fiscalização e conseguimos passar sem ele verificar nossas mochilas, ufa! Só ali então, no balcão de verificação dos passaportes que conseguimos (somos obrigados né) comprar a tarjeta turística, que é tipo um papel de imigração que você tem que preencher com seus dados e entregar lá no desembarque no aeroporto de San Andrés.

O avião estava bem vazio, dessa forma, mesmo comprando a passagem sem direito a escolha dos lugares, conseguimos sentar juntos. Antes de embarcar ainda a polícia faz uma pequena revista dentro do avião com cães farejadores. A ilha de San Andrés, que faz parte da Colômbia, mas estranhamente fica mais próximo é da Nicarágua, inclusive há um posto fronteiriço nicaraguense por lá que depois visitamos até, pois dizem que é uma rota muito procurada para o tráfico de drogas entre os dois países.

Um pouco menos de duas horas depois, chegamos em San Andrés. Na aterrisagem já temos um gostinho da principal atração da ilha: o mar de 7 cores! Da janela do avião dá pra avistar aquele mar estonteante das mais variadas cores com tons esverdeados e azulados (acho que bem mais que 7 até).

Outra coisa muito boa também é que o aeroporto de San Andrés fica muito próximo do centrinho da ilha, uns 15 minutos caminhando! Acho que foi a primeira vez que chegamos num aeroporto sem precisar se preocupar com o transporte pro nosso hostel.

O hostel que escolhemos foi o El Viajero, que foi o único hostel que encontramos que ficasse no centro de San Andrés e que tinha os preços mais baixos, embora bem caro para os padrões colombianos (pagamos na época o equivalente à 55 reais a diária por pessoa) e não muito bem avaliado no booking.

No caminho para o hostel, vários locais, vendo que vínhamos do aeroporto, te saúdam com um "welcome to Colombia", muito simpáticos. Já percebemos de cara que San Andrés possui uma cultura única, muito diferente da Colômbia continental e mais com cara de ilha caribenha mesmo, com muita influência africana, do reggae e também inglesa, tanto na língua (a língua mais falada é o inglês e o inglês creole) quanto nas construções coloniais.

Uns 15 minutos caminhando chegamos no hostel. Realmente, a baixa nota de avaliação do booking corresponde. O hostel é grande, com vários andares (o que dá uma certa cansada já que os quartos ficam do quarto andar pra cima e não possui elevador) e bastante áreas comuns, sacadas, sala de jogos, cozinha grande, mas meio desorganizado. Sempre tinha fila pra falar com as atendentes da recepção e as geladeiras estavam sempre lotadas (e fedorentas), sendo insuficientes para toda a "população" do hostel, mas pelo menos o quarto era bem grande e confortável. E fica numa localização muito boa, a poucos metros da rua peatonal carrera 2 (peaton significa pedestres em espanhol), a principal rua do centro, só para pedestres, e a praia Spratt Bight, a praia central de San Andrés.

Até fazermos o check in e guardarmos nossas coisas, já havia caído a noite, então fomos só dar uma voltinha de reconhecimento nos arredores do hostel procurar um supermercado e um lugar pra jantar, visto que ainda não tínhamos nem almoçado. Porém, depois de pagar as tarjetas turísticas e o hostel, estávamos só com uns trocados, e a essa hora os bancos já estavam fechados para trocar nossos dólares e San Andrés não possui casas de câmbio. Tivemos então que voltar até o Aeroporto utilizar o único caixa eletrônico da ilha para sacar alguns COPs para passar a noite, os quais no fim nem utilizamos, visto que as coisas na ilha são muito baratas e nossos trocados deram pra jantar e ainda fazer compras.

Já sabíamos que, por ser considerada uma zona de fronteira, San Andrés possuía muitos free shops: Duty Free, Siñeriz, etc, igual as que temos aqui em Rivera na fronteira com o Uruguai, fazendo assim da ilha também um destino de compras para os visitantes. Porém, não sabíamos que toda a ilha é uma zona de livre comércio, o que faz com que tudo seja bem barato, apesar da logística difícil para o transporte de mercadorias. No supermercado comum, que pensávamos que as coisas poderiam ser mais caras por causa de estarmos numa ilha e por ser um lugar muito turístico, preços iguais ou mais baratos que no continente, com exceção da água que era um pouquinho mais cara só, visto que não existem fontes consideráveis de água na ilha. Inclusive uma curiosidade de San Andrés é que a água da maioria das casas (cozinha, banheiro e chuveiro) são provenientes do mar, passando por um processo de dessalinização superficial que a deixa salobra (bem bom pra pele e pros cabelos né?).

Depois de comprar suprimentos no supermercado, encontramos um restaurante caseiro bem simples do lado do nosso hostel com o prato do dia a meros 8.000 COPs. Pedimos um prato pra cada um e a comida era muito boa e farta, naquele mesmo esquema de sempre de sopa de entrada e suco de açúcar. De primeira então já havíamos descoberto nosso restaurante favorito para fazer as refeições durante os nossos dias na ilha.

20170503_193026.thumb.jpg.5982c4affe1e119865eb954080376852.jpg

Comida boa, barata e farta!

Depois de jantados, antes de voltar pro hostel pra dormir ainda passamos num free shop pra comprar um snorkel, para que não tivéssemos que ficar alugando todo dia e nos passeios. Pagamos bem barato mas no fim o barato saiu caro, já que o snorkel não vedava bem e ficava entrando água, mas esses detalhes ficam pros próximos posts.
 
20170503_204909.thumb.jpg.646cdd9e41cd47c3c90890a960a997da.jpg

Snorkel comprado! Prontos pra explorar San Andrés

  • Vou acompanhar! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

COLÔMBIA 11º Dia - Curtindo o mar do caribe (04/05/2017)

Esse dia reservamos pra ser o nosso dia de férias mesmo, ou seja, dia de não fazer nada hahahaha. Iríamos aproveitar esse dia para trocar dinheiro, desbravar o centrinho de San Andrés, pesquisar os preços dos passeios e o principal: curtir a praia, no caso, a praia central de San Andrés, a Spratt Bight.

Acordamos cedo então e fomos tomar café da manhã no hostel. Um dos pontos positivos desse hostel é que o café da manhã era incluído na diária (também né? Por aquele preço...). Se dirigimos para se não me engano o 7º andar e, chegando lá, já nos deparamos com a vista estonteante do mar do Caribe. No local destinado ao café havia um sacadão para você comer apreciando a vista pro mar, sensacional!

 

20170504_080223.thumb.jpg.a97c959ff773770f4703151afc7bd2f0.jpg

Vista do café da manhã. Nada mal hein?

Além da vista, o café em si era bem bom também, bastante completo com pão, frios, cereais, iogurte e frutas.

Primeira tarefa do dia então, trocar uns dólares por COPs, visto que os nossos tinham acabado no dia anterior. Em San Andrés não existe, tirando o aeroporto, casas de câmbio. O câmbio é realizado na rua por cambistas oficiais ou em bancos e, embora digam que é tranquilo trocar dinheiro com esses cambistas de rua (a ilha é pequena e todo mundo se conhece, não teria como eles tentarem passar a perna em alguém), optamos por trocar o dinheiro no Bancolombia, o Banco estatal da Colômbia.

No banco, ficamos um bom tempinho na fila até nos chamarem e quando chamaram, o imbecil aqui não sabia que precisava do passaporte pra trocar dinheiro, então tivemos que voltar no hostel pra pegar e ficar novamente na fila.

Dinheiro trocado e depois de perder quase toda a manhã no banco, vestimos nossas roupas de banho, pegamos nossa canga e finalmente então, fomos conhecer a praia!

1414190984_20170504(37).thumb.jpg.20c9f6454b973275489d3c4ae2b5d799.jpg
 
1104399620_20170504(36).thumb.jpg.92268f138a9aded3704ba638f6caff32.jpg

Praia de Spratt Bight

A praia de Spratt Bight (não descobrimos o porque deste nome) é a praia "urbana" de San Andrés, praia central e considerada a "mais feia" da ilha. Ficamos imaginando como seriam as outras porque essa praia é espetacular! Lembra quando dissemos que quem vai pra San Andrés não precisaria se preocupar em conhecer a Playa Blanca em Cartagena? Pois então, só essa praia central já deixa Playa Blanca no chinelo. Areia branquinha e fininha, água com diversos tons de azul e ainda o mar tranquilo e transparente, permitindo observar uma considerável vida marítima de snorkel.
 
20170504_084556.thumb.jpg.a9d8a77c7f2224d2bbb9c354928adcff.jpg
 
20170504_084543.thumb.jpg.e45d1a651684596caafe97f25021ca0e.jpg
 
20170504_084539.thumb.jpg.31b5b2482cbaa2cf0a122f711ecfe37e.jpg

Com vários coqueiros entre a areia e o mar e bastante pessoal com cabelos rastafári ouvindo reggae em radinhos portáteis e falando na língua creole, parece que você não está mais na Colômbia e sim na Jamaica (não conhecemos ainda a Jamaica mas a visão estereotipada que chega pra nós de como seria este país é bem parecida).

20170504_113752.thumb.jpg.c0ba0601bafcf75f6d4266b746aa0290.jpg
 
1720753302_20170504(25).thumb.jpg.a9fecbecc69f0a64fdfc683c004214a2.jpg
 
20170504_113642.thumb.jpg.3b484a96bd95711bcd28cf95333b393b.jpg

Coqueiros em torno de toda a praia dão um clima bem caribenho pra San Andrés

Armamos nossa canga embaixo dos coqueiros então e ficamos numa difícil vida de ficar de bobeira entre a areia e o mar, fazendo algumas pausas pra buscar umas cervejinhas nos free shops (tem uns no próprio calçadão, bem próximos da praia) à 2.000 COPs a long neck.
 
1734184664_20170504(8).thumb.jpg.7e9313329a6903ba8bb6a12efe1d87f4.jpg
 
371128466_20170504(20).thumb.jpg.1314b6f5de560492bb2177e4bd964200.jpg
 
1628494327_20170504(15).thumb.jpg.2b34f97d71a47881366082771166cad7.jpg
 
1878999753_20170504(16).thumb.jpg.1bbf9a819f8cee891d6d54983ee13f76.jpg

Ô vida difícil!

Também aproveitamos para testar nosso snorkel recém comprado. Na própria Spratt Bight já conseguimos observar bastante peixes, vegetação marinha e até uma moreia, porém, descobrimos que o barato saiu caro com a compra do nosso snorkel de menos de 10 reais, que não vedava bem e entrava água em poucos segundos.
 
1434711797_20170504(35).thumb.jpg.08731ed272cd4fad8e3ca756271e90a5.jpg
 
1752923601_20170504(40).thumb.jpg.0ad7992a4004f3b5da0b555736753296.jpg
 
195750950_20170504(41).thumb.jpg.edfb3b0f06b5f00355807e7990d48f53.jpg
 
8748099_20170504(32).thumb.jpg.6649e224de3abb46067e4dfd6e1fa348.jpg

O snorkel era ruim mas deu pra ver alguns peixinhos

Só saímos da praia para almoçar no nosso restaurante de 8.000 COPs o prato do dia.

No começo da tarde, esperando o sol dar uma baixada, fomos dar uma volta conhecer outras ruas da ilha. Assim, seguimos em sentido oposto ao da praia, em direção à Marina Tonino, uma parte mais residencial e urbana da ilha.

Uma das atividades mais famosas pra se fazer em San Andrés é alugar carrinhos de golfe (isso mesmo, carrinhos de golfe) e fazer a volta completa na ilha, parando em diversas praias e pontos turísticos pelo caminho.

Nossa intenção era fazer esse passeio no dia seguinte, mas já deixar reservado desde já o carrinho, para poder sair bem cedo e aproveitar bastante o passeio. Até estranhamos que, por ser a atividade mais famosa de San Andrés, até agora não havíamos encontrado ninguém que alugasse os tais carrinhos. Fomos encontrar mesmo nessa outra parte da cidade. Passamos pra dar uma olhada em umas duas ou três locadoras de carrinhos de golfe, mas fomos tão mal atendidos em todas que não deu vontade de encarar (acho que é tão recorrente eles alugarem carrinhos que eles nem se esforçam pra agradar os clientes). Já estávamos quase desistindo quando, passando a marina Tonino, em direção voltando para a rua peatonal, um tiozinho veio nos oferecer o aluguel do carrinho. Muito simpático, perguntou de onde éramos, mostrou um mapa com as principais atrações da ilha para nós visitarmos e, o principal: mostrou interesse em alugar o carrinho hehehehe. Deixamos então reservado o carrinho para a manhã seguinte. Na época, o preço era tabelado (igual em todos os estabelecimentos) de 120.000 COPs por dia o carrinho comum e 250.000 COPs um outro carrinho mais sofisticado, que parece até um mini tanque, com várias marchas e tal.

Finalizadas as "burocracias" do dia, passamos o resto da tarde relaxando na praia de Spratt Bight. Entre um mergulho e outro, uma long neck e outra, ficamos esperando pra ver o Pôr-do-sol no mar, porém, infelizmente, na época que estávamos, ele estava se pondo no lado oeste da praia, atrás de uns prédios de resorts que ficam naquela ponta.

363109206_20170504(52).thumb.jpg.02a5e65aa439d2e1c5be94e3c52f9b81.jpg

Esperando o pôr-do-sol

Início de noite, fomos dar uma volta agora com mais calma no centrinho de San Andrés. Depois de ficarmos enlouquecidos com os preços baixos das coisas nos Duty Frees, seguimos em direção a rua Peatonal. Experimentei pela primeira vez um churros "não-brasileiro", aqueles que não tem cobertura e sim tu molha eles em leite condensado ou chocolate. Umas 6 peças por míseros 1 real, só pra ter certeza que o Churros do centro de Porto Alegre é o melhor churros do mundo mesmo. Na rua Peatonal, o "fervo" ocorre mesmo no cruzamento dela com a Calle 1, a rua do calçadão da praia. Ali o pessoal se reúne para fazer um "aquece" antes de entrar na badalada danceteria Coco Loco, uma das baladas (ou seria "a" balada) ponto de visita obrigatória para 10 em cada 10 turistas que passam pela ilha (menos nós). Ali nesse cruzamento ficam vários mercadinhos duty free pro pessoal se abastecer, barraquinhas de comida de rua que vendiam uns marmitex com bastante comida, e até um playground pra criançada. Muito agradável de ficar de bobeira por ali. Na época ainda estava rolando ali uma febre dos carinhas que alugavam óculos de realidade virtual, que faziam a festa dos turistas naquele ponto ali.

Guardando energia para o passeio do outro dia de carrinho de golfe, voltamos cedo pro nosso hostel. Conhecemos então nossos colegas de quarto, um brasileiro tri gente boa, uma guria que não conversamos muito e dois caras meio "incovenientes" digamos: um americano metido a engraçado e um holandês que falava espanhol, francês, inglês e hebraico, que se achava o mais foda dos hóspedes. Foi a primeira vez (de algumas) que pegamos companheiros de quarto desagradáveis em um hostel. Além de deixarem uma bagunça o quarto, o americano, depois, quando já estávamos dormindo, ficou de gracinha de ficar passando no corredor, acender a luz do quarto e sair correndo (muito maduro). Além disso, era muito quente e eles deixavam a porta do quarto aberta, fazendo com que o ar condicionado do quarto não funcionasse. No entanto, o brasileiro do nosso quarto chamou a atenção deles e eles baixaram a bola, acabando com a palhaçada já nesse primeiro dia.

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros

COLÔMBIA 12º Dia - Dando a volta na ilha de San Andrés (05/05/2017)

Dia reservado para dar a volta completa em San Andrés de carrinho de golfe, conhecendo todo o litoral da ilha. Acordamos cedo para tomar o café da manhã e, para não perder tempo e não sabendo se encontraríamos algum lugar acessível financeiramente para almoçar durante o passeio, fizemos uns dois sanduiches a mais para cada um no café para levar de lanche.

20170505_041133.thumb.jpg.03acd3e4a906d3b8dcecec5842eb8e1c.jpg

Cartaz no hostel: a mais pura verdade!

Chegamos então na locadora a qual havíamos reservado o carrinho no dia anterior, por volta das 8h30. Não lembrávamos direito onde era, mas fomos seguindo pela rua da costa em direção à Marina Tonino e logo o tiozinho da locadora nos avistou. Antes de partir, fizemos um "test drive" para aprender como se dirigia aquele troço, dando a volta na quadra. Nem preciso dizer que não precisa de carteira de motorista para dirigir ele né. E é bem estranho de dirigir o carrinho de golfe. Só tem o pedal do acelerador e do freio e, quando o carro para totalmente, ele apaga, ligando de novo somente quando se pisa no acelerador.

20170505_112608.thumb.jpg.3a5c8ae0f4fedcffdaf6f7cc2c19575c.jpg
 
20170505_130154.thumb.jpg.67b448b730cddf83de15884246550500.jpg

Painel do carrinho de golfe

Parecia também que ele ia se quebrar a qualquer momento. A grande maioria dos carrinhos de golfe que se aluga na ilha estão sempre em condições deploráveis, não sei se de repente para forçar o pessoal a alugar o carrinho mais caro aquele que parece um tanque. Diante disso, já estávamos pensando se lá não acontecia aquele golpe comum que aplicam nos turistas no sudeste asiático, o golpe aquele que: depois que tu entrega o veículo, eles inventam que foi tu que estragou ou bateu o mesmo e começam a te cobrar o preço de dois veículos novos sob ameaças de chamar a polícia, que normalmente fica do lado dos locais. Mas não, em San Andrés os locatários são bem "honestos" digamos assim. Ficamos sabendo depois que é normal o carrinho estragar no meio do caminho, furar pneu e o pessoal vir te socorrer ou trocar o teu carrinho sem cobrar nada a mais por isso.

Feito o test drive, começamos nosso passeio. Antes de partir ainda, o carinha da locadora nos deu um mapa e circulou para nós as principais atrações que poderíamos conhecer no caminho, embora a gente já tivesse na cabeça os locais que iríamos parar. Seguimos em sentido anti-horário, contornando a ilha. Em uns 5 minutos, já havíamos saído do "perímetro urbano" e já estávamos "na estrada".

1240820094_20170505(4).thumb.jpg.2645fd3c7cce32e0f1de063339642c60.jpg
 
20170505_131525.thumb.jpg.b3e0b9ac0705915479fc9311d2141dcb.jpg
 
1907504575_20170505(2).thumb.jpg.ef58d107263e883d1cec277a4aeaf97a.jpg

Motorizados!

Durante todo o trajeto, o belíssimo mar de 7 cores nos acompanhava, e com o carrinho não que não passa de 40km por hora, dava pra ir curtindo a vista bem calmamente.
 
20170505_131302.thumb.jpg.47f214c3f6e687911be3713930014c27.jpg
 
20170505_092425.thumb.jpg.3641f3617f6d89d95d23a7c264e6f961.jpg
 
20170505_092442.thumb.jpg.9e1679e4b45d80b4b47854a936291565.jpg
 
20170505_130247.thumb.jpg.146632d474259ac61f99bea193bf3353.jpg

O passeio inteiro é essa paisagem "feia"

Neste primeiro trecho, na costa noroeste da ilha, não existem praias, somente pontos de mergulho. No caminho passamos por um hotel abandonado o qual não lembro direito a lenda, mas dizem ser mal assombrado, hehehe.
 
20170505_092046.thumb.jpg.ff65612a479fa056a5ccc9cc98e8cd2a.jpg

Hotel mal assombrado

A partir da parte sudoeste, já percorridos uns 12 km do centro, começam a aparecer alguns pontos de mergulho com infraestrutura: aluguel de snorkel, lugar para tomar banho, estacionamento, lancherias, etc. Todos com entrada à cobrar. O primeiro que paramos foi justamente o que achamos depois o lugar mais bonito e divertido que visitamos: o West View.

20170505_095459.thumb.jpg.648d87412ba3470ed743d6d6434b34f4.jpg

West View

Na época pagamos 5.000 COPs por pessoa a entrada com estacionamento incluído, muito barato, mas em compensação as coisas lá dentro eram mais caras que o normal na ilha. O bar era bem caro (o que não nos impediu de tomar umas águilas hehehe) e eles oferecem alguns passeios como mergulho com capacete dos "aquanautas" a 90.000 COPs, só que sem poder levar a própria câmera e tendo que pagar mais um tanto pelas fotos.

O local é muito bonito, uma piscina natural com água transparente e muitos peixes!

20170505_100416.thumb.jpg.7192e6c87dc28ee1d7d1a7a66ef1e3f0.jpg
 
20170505_120302.thumb.jpg.2f949040277722acf70455eabe0ff945.jpg

Ainda mais que antes de pular na água eles te dão um pedaço de pão de forma que você mergulha e os cardumes de peixes te cercam em busca da comida. Uma pena que nosso snorkel estava pior do que no dia anterior e entrava água muito rápido, mas deu pra ver bastante coisa embaixo d´água.

 
912527173_20170505(26).thumb.jpg.a7fa3ba8ce85b93968b26cb8018a95e0.jpg
 
164088539_20170505(43).thumb.jpg.dbe1d6e836420869bae0936eb70cbf7f.jpg
 
69752885_20170505(18).thumb.jpg.4463c030641767076091b11e66d699d2.jpg
 
1484055527_20170505(20).thumb.jpg.133c7ed8242cde121a6dd7d46a0bf530.jpg

Muitos peixes!

E muito divertido é que o local possui um tobogã para tu deslizar pro mar e também um trampolim. Acho que fui umas 3 vezes no tobogã, muito legal! Claro que com a minha inaptidão para água acabei machucando as costas com as "barrigadas", mas bem de leve.

Desnecessariamente também, com medo de me afogar, acabei alugando um colete salva-vidas por 10.000 COPs, sendo que com a água paradinha do local e salgada é impossível de isso acontecer.

1372393203_20170505(10).thumb.jpg.396b29c49f6ab7aecff45c7077a3307f.jpg

Precavido com o colete salva-vidas totalmente desnecessário

Ficamos um tempinho no West View e depois se dirigimos para o próximo ponto de interesse, a apenas alguns quilômetros a frente, a "La Piscinita".

 
20170505_120352.thumb.jpg.d206cc4f2538a277c44d2cedc5acd1a0.jpg
 
20170505_120418.thumb.jpg.33d6b2ca939ffe456d0a74fa25fb7d07.jpg

La Piscinita

Também com o valor de entrada de 5.000 COPs por pessoa e com direito a estacionamento e um pão pra dar para os peixinhos, esse lugar aparecia nos sites e blogs de turismo como o lugar "top" para se mergulhar na volta à ilha, com a água mais transparente, mais peixes e vida marinha para observar, bem como diz o nome "piscinita". No entanto, em comparação com o WestView, não vimos muita diferença, com a desvantagem de que a Piscinita não conta com trampolim e tobogã para brincar. Não que não seja deslumbrante, mas acho que teria valido mais a pena ficar um tempo a mais curtindo o Westview no lugar.
 
734682084_20170505(97).thumb.jpg.d91744a27cca40ffec7bc708ac0b29f3.jpg
 
1461010292_20170505(62).thumb.jpg.a52fb4b8b8f35c1152dc00e4410f627d.jpg
 
710302475_20170505(73).thumb.jpg.ea5c4d85a9e4f9b3907b3f38adfc28a7.jpg

Curtindo a La Piscinita

O bom é que lá a Juliana acabou fazendo amizade com uma colombiana que estava por ali, visitando de férias com o filho, que nos emprestou o snorkel dela e pudemos aproveitar melhor o mergulho sem ter que limpar a máscara cheia d´água a cada 10 segundos, que era o que estávamos fazendo com nosso snorkel do R$ 1,99.
 
 
557914045_20170505(66).thumb.jpg.c20ffbbdcfec5153e68037ecaa1abcd8.jpg
 
1808917238_20170505(86).thumb.jpg.7ebdb68a190417a6305e3129cc0d6de5.jpg
 
1935873681_20170505(87).thumb.jpg.6792c8b33d8da753ba1e494d04d0171a.jpg
 
1819563058_20170505(94).thumb.jpg.beb91cc1a8e1b7b366ff3f39c684a49b.jpg

Agora sim um mergulho decente!

Depois que saímos da Piscinita, voltamos pro carrinho, almoçamos nossos sanduíches guardados do café-da-manhã e seguimos nosso passeio, acompanhados pelo deslumbrante mar do Caribe à nossa direita.
 
20170505_094303.thumb.jpg.d16ac9676a38b25e24709b94fe16a8bb.jpg
 
20170505_094327.thumb.jpg.27160ef39d53790dc4a11057b95e0221.jpg

Seguindo viagem

Nessa parte do caminho já começam a aparecer umas esparsas e estreitas faixas de areia e, sempre que dava, parávamos para apreciar estes mini paraísos.
 
20170505_131020.thumb.jpg.af7d348502fe290bf24979f49d57d42c.jpg
 
20170505_131028.thumb.jpg.a3163a594408b01cec40dbef9716afbd.jpg
 
20170505_131150.thumb.jpg.4e9ee51ba705bcc69fa31d1625ae23eb.jpg
 
20170505_131003.thumb.jpg.102de3bcecddbd387243ae9eabc58f81.jpg

Seguindo nossa volta na ilha, pequenos paraísos pelo caminho

Seguindo então, a próxima "atração" no caminho, é o "Hoyo Soplador", no ponto mais ao sul da ilha. Coloquei as aspas em atração porque é um típico local pega-turista. Trata-se de um buraco (hoyo significa buraco em espanhol) nas formações rochosas que ficam na beira do mar que, quando as ondas batem por baixo das pedras, a água sobe e "esguicha" como se fosse um gêiser. Percebendo o interesse dos turistas por aquilo ali, foi construído em volta diversas barraquinhas de souvenires, um restaurante "el soplador" e a cobrança de estacionamento para quem quiser parar por ali para observar o fenômeno. Não digo que não seja interessante, mas com todo o assédio de vendedores em volta e o fato de ter que pagar para estacionar, não nos empolgou muito. No fim, observamos a água esguichar da estrada mesmo (já que o buraco fica bem próximo da rodovia) e seguimos viagem, até porque a estrada estava em obras naquele ponto e deu pra passar bem devagarinho.
 
20170505_133614.thumb.jpg.9dc5faf65034d1adff73c07c10349c3d.jpg

Estrada em obras em torno do Hoyo Soplador

Seguimos então em direção norte, costeando a costa sudeste da ilha. Neste trecho ficam várias praias com formações corais nas beiras que, com a maré baixa (caso do dia em que fizemos esse passeio), acabam formando piscinas naturais sensacionais! Descemos numa que era a mais "habitada", com as piscinas maiores e que consta no Google Maps como Playa Niños, quase em frente a um hotel bem grande, o Decameron, e ficamos ali boiando junto com vários peixinhos, espetacular!

20170505_131653.thumb.jpg.1a3aa0a50a7526acecf6521b73302d4a.jpg
 
20170505_131727.thumb.jpg.c9d2f3142bd00b316595ff80c4e37ab8.jpg
 
20170505_131812.thumb.jpg.481ec19180f9084941c1a142389d5506.jpg
 
20170505_132835.thumb.jpg.c20ff83f6b26c7aead9ca12acb993c13.jpg

Piscinas naturais formadas pelas paredes de corais na beira da praia, fantásticas!

Próxima parada: "Playa de San Luis". Essa praia é bem movimentada (em comparação com as demais praias da ilha é claro), fica numa vilinha de pescadores com tudo muito barato! Meio que acabou sendo desnecessário os sanduiches de almoço. Os mercadinhos e restaurantes por ali dentro do vilarejo tinham preços muito baratos: cerveja à 2.000 COPs o latão e almoços à 10.000 COPs com frutos do mar! Mas a praia em si, apesar de fantástica como todas, não tinha nenhuma "atração" diferenciada, então não ficamos muito e seguimos viagem, visto que já se aproximava das 15h da tarde.
 
20170505_134558.thumb.jpg.3ac1ac0a3900cc98166b8550a002abea.jpg
 
20170505_135741.thumb.jpg.4e7a7c69f2ef90e3f90592ec8665e57c.jpg

Playa de San Luis

Com o fim da tarde se aproximando, seguimos então para o último ponto do nosso passeio, a praia Rocky Cay.
 
20170505_140843.thumb.jpg.b7be354917ed3a7951e17d547902c331.jpg

Praia de Rocky Cay ao fundo com suas principais atrações, a ilhazinha e o navio naufragado

Essa praia é uma das mais famosas de San Andrés, com certeza a mais movimentada que visitamos tirando a Spratt Bight, com uma galera mais "mochileira", talvez por ser a mais próxima do centro ou por possuir maior infraestrutura na beira da praia com bares, restaurantes, guarda-sóis e cadeiras disponíveis para alugar. Não se paga nada para visitar a praia, porém se é "obrigado" a pagar 5.000 COPs para os guardadores de carros na entrada para estacionar o carrinho de golfe.

A principal atração dela é que ela possui uma "mini ilha" que na maré baixa pode-se chegar caminhando com água pela cintura e, um pouco mais adiante pode-se chegar nadando a um navio naufragado no meio da barreira de corais, proporcionando mergulhos sensacionais de snorkel.

Chegando na praia, para escapar do assédio dos vendedores, fomos de primeira atravessar em direção à ilhota. A água estava um pouco acima da cintura mas, até para os mais baixinhos e crianças, fica uma cordão ligando a ponta da praia à ilha, pro pessoal ir se segurando, então é bem tranquilo de atravessar sempre.

20170505_144609.thumb.jpg.b061b3ace31adb5b572aec0562723c41.jpg

Atravessando para a pequena ilha de Rocky Cay (No fundo é a praia, vista da ilha)

A ilhazinha conta com várias placas alertando para não danificar os corais e alguns locais com cordão de isolamento para os turistas não passarem.

20170505_144603.thumb.jpg.158e223e79833985e54f5fe21a3cd568.jpg
 
20170505_144727.thumb.jpg.e0f0b76aff4d2ff5235297bbcd3cf056.jpg
 
20170505_144732.thumb.jpg.1e41d895499b6f82d8f0546479efd808.jpg

Ilhazinha de Rocky Cay

Mas o mais legal é a vista dali pro navio naufragado. Para chegar lá, só nadando, porque a partir dali são só corais. Até tentamos chegar mais perto caminhando mas levamos um xingão dum carinha que estava ali porque estaríamos danificando os corais. Com o nosso snorkel furado e também com medo de se cortar em algum coral, ficamos admirando de longe mesmo.
 
20170505_144845.thumb.jpg.5d0e898943bc4423becdac4f5c87d42e.jpg
 
20170505_144902.thumb.jpg.e01f3cd57c6b299d41b1a0635853b5e0.jpg

Návio naufragado em Rocky Cay

Saindo de Rocky Cay, mais um 6km sentido nordeste já estávamos de volta para devolver o carrinho. Naquele trecho até Spratt Bight não há mais praias, somente a região dos manglares de San Andrés, uma área protegida que acabaríamos por visitar no dia seguinte de barco. A entrega do carrinho, como havíamos comentado, é bem tranquila. Nenhuma inspeção para ver se tu arranhou o carrinho nem nada do tipo, apenas pagamos o valor que faltava (havíamos deixado uma parte do valor na hora da retirada) e fim do passeio.

Nossa ideia era ainda dar um mergulho em Spratt Bight, mas ao invés disso fomos dar uma descansada no hostel, se guardar para dar mais uma bandinha no centro de San Andrés à noite.

Nosso hostel porém, só ligava o ar condicionado à partir das 20h da noite. Meio quente pra ficar no quarto, fui pra sacada do hostel cuja vista do mar, infelizmente, era tapada por um prédio grande em frente. Ali conheci mais uma brasileira que estava desesperada ligando para tudo quanto é lugar porque a mala dela tinha sido extraviada no voo e ela ia ficar mais 15 dias em San Andrés. Disse que tinha uma mala só de cosméticos e 15 biquínis, um pra cada dia. Fiquei com pena né, mas pensei: para que tanta coisa pra viajar?? A gente leva 5 mudas de roupa e às vezes volta sem ter usado alguma.

Chegada a noite, fomos novamente curtir o movimento na rua Peatonal próximo à orla.

Nas idas e vindas pelo centro, descobrimos na rua Peatonal um Free Shop vendendo cervejas importadas da Espanha e vendidas geladas à 1.200 COPs (+ ou - 1, 20 reais)!! Fomos obrigados então a sentar no banquinho na frente da loja então e ficar no vai-e-vem entre o banco da praça em frente e o free-shop (ficamos até fechar a loja) hehehe.

20170505_190503.thumb.jpg.64651a4a93ecdf1ba028949547e336f6.jpg
 
20170505_212747.thumb.jpg.7228861659afcadf1776da65149b77af.jpg
 
20170505_212733.thumb.jpg.ef90f24c9dc039a6ba98f030988f8711.jpg

Encerrando a noite na rua Peatonal

  • Obrigad@! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por flrc888
      Saudações Amigos!
      Meu nome é Franco Coimbra, sou de Minas Gerais. Sempre gostei de viajar, ônibus, avião, trem. Nunca tinha saído do País e achava que não tinha condições para isso. 
      Achei o site mochileiros.com, por acaso na net, é comecei a ler. Entre relatos de viagens, tutoriais, fui apreendendo formas de viajar barato. Muitos relatos de viagem me tocavam, as pessoas estavam sempre felizes amadurecidas e ansiosas, já planejando uma nova viagem. Agora tenho o maior prazer de ajudar e retribui toda a informação que consegui neste site.
       
      PLANEJAMENTO
      Transporte: Tenho uma facilidade com internet pois trabalho com tecnologia.
      Depois de várias buscas de preços descobrir que a melhor formar é se cadastrar no site Skyscanner. Após o cadastro, você criar um alerta de preço no trecho pleiteado. Fiz isso em janeiro de 2018. Em fevereiro comprei uma passagem Brasília a Campo Grande por R$179 incluindo bagagem. Também uma de Bogotá a São Paulo, com escala em Fortaleza por R$ 680,00, todas da Avianca. Descobri também que mudando a localização do navegador, você pode comprar passagens domesticas em outro país de forma mais barata. 
       
      O resto do trecho foi todo de Bus, usei as páginas Busbud e redbus para estimar o preço das passagens para o planejamento. Felizmente não usei o sites para realizar a compra, pois a vista é bem mais barato. Os ônibus em geral são mais confortáveis e baratos que no Brasil. Em países como Peru e Bolívia tem serviço de bordo, e telas de interatividade. As passagens são pechichaveis pode se fazer um leilão indo em várias empresas, mais não deixem de conferir a qualidade das avaliações nos sites que vendem passagens. Foram milhares de quilômetros admirando paisagens deslumbrantes pela janela. Andei em empresas como Copacabana, Trans Titicaca, Oltursa, Tepsa, Civa, Berlinda del Fonce, Ochoa e Bolivariana. Não tive nenhum problema. 
      Foto: Ônibus no terminal Bimodal de Santa Cruz

       
      Fiz uma planilha com a estimativas de custo, e levei 10% a mais. Fiz uma planilha, que ao longo da viagem fui trocando os custos estimados pelos custos reais.
       
      Pará reservar acomodações e estimar custos de hospedagem, usei Hostel Word e Booking.
       
      A VIAGEM
       
      Santa Cruz de la Sierra
      Realmente fiquei só um dia pra descansar, pois fui de bus de Campo Grande a Corumbá e de Puerto Quijarro a Santa Cruz. Não fui de trem da morte, porque estava caro no dia, em relação ônibus.
      Foto: Chaga em Santa Cruz

       
      Foto: Coincidência, boliviana com a tatoo com meu nome.  

       
       
      La Paz
      Um choque cultural, muito bonito e diferente. Um povo amável que lhe mostrará outros níveis de humildade.
      Do taxi ao Uber, tudo muito barato. Deliciosas sopas, empanadas e sal tenhas. Fiquei no Llmas Hostel, próximo a praça Espanha e teleférico. Passei mal, uma forte dor de cabeça, mais nada que Sirochi Pill não resolvesse. Encontrada em qualquer farmácia custa cerca de R$2.00. Fui a todos os parques, praças, miradores e no teleférico. Na noite fui a disco chamada fórum. As pessoas são muito preconceituosas com a Bolívia, La Paz é bonito e seguro.
       
      Foto: Teleférico La Paz

      Foto: sopa de Fidel com Maní

      Copacabana
      O lago titicaca é fantástico, a cidade é pequena e acolhedora. Fiz o passeio na Ilha do Sol. Paisagens perfeitas.
      Foto: São Pedro de Tiquina

       
      Foto: Lago Titicaca (Tirada por mim)

      Cusco
      Em Cusco os preços sobem um pouquinho. Pra economizar é só fugir da rota turística e ir a mercados e restaurantes frequentados por nativos.
      Recomendo o passeio ao Vale Sagrado. Cerca de R$70,00 com almoço buffet. Se conhece as Salineiras, Olaytaitambo, e muita histórias e ruínas do povo Inca.
      Machu Pichu é caro. Recomendo ir de Van até a hidrelétrica, seguir a pé até Águas Calientes, descansar em um Hostal, e subir no outro dia a Machu Pichu, fica cerca de R$230,00. Ao lado da igreja, na praça de Armas, existem 2 Pub s muito legais para sair na noite.
      Foto: Plaza de Armas

       
      Fotos: Mercado Artesanal

       
       
      Foto: Olaytaitambo


       
      Lima
      Fiquei num excelente Hostel perto do mar, na região do Barranco, na minha opinião a parte mais bonita da cidade.
      Fiz muitos amigos no Hostal.
      Foto: Barranco

      Mancora
      Passei do ponto no ônibus, tava dormindo e desci 20km depois num posto de fiscalização. Voltei de carona num ônibus que vinha de Caracas a Lima de refugiados Venezuelanos. Muito triste a situação, gente com a roupa do corpo e 20 dólares pra começar uma vida nova em Lima.
      Foi uma das minhas preferidas. Cidade puquena sem muita infraestrutura. Mais fiquei num Hostel chamado Misfit, fica 1km da cidade. Os quartos são suítes de madeira e palha. Muita tranquilidade e gente agradável. O tempo para. Lugar excelente pra relaxar. Amei.




      Cuenca
      O Equador é lindo. É hoje na minha opinião o país que tem melhor qualidade de vida. Quero trabalhar e viver um tempo no Equador, conhecer melhor o país. Passei no Equador rápido porque estava atrasado no tempo. Fui a Cuenca e de passagem por Guayaquil e Quito.

      Medellín
      Cidade fantástica, povo amoroso. Muito organizada, excelente sistema de transporte. Conheci o centro, o teleférico, o centro, o estádio.


      Cartagena
      Lidissima cidade, mais não deve sair do centro histórico. A cidade tem altos índices de assalto. Mais relativamente segura no centro. Recomendo passeio completo nas ilhas do rosário. Custa cerca de R$100,00. Inclui almoço e um passeio de Snooke muito bom. A praia Baru é super explorada comercialmente. Não sou contra quem tá correndo atrás do seus sustento, mais os vendedores são muito importunadores.




       
      Santa Marta
      Pelo menos uma vez tinha que me hospedar em um party hostal. Fiquei no Brisa Loca, tem um bar, e uma boate no terraço. Quem não gosta de festa não pode ficar lá. A música cessa só as três da madrugada. Muito boa.
       
      Bogotá
      Fiquei na região da candelária. Conhecia só locais próximos que dava pra fazer a pé e de transporte público. Gostei do clima fresco.

      DINHEIRO
      A melhor forma que encontrei, é levar um poço de dinheiro numa doleira. O resta deixa numa conta brasileira. Assim baixei o app da western Union e envia via app do meu banco e depois de meia hora sacava em uma loja local da western Union.
       
      PERRENGUES
       
      O tempo foi curto, talvez o trajeto deveria ser menor.
      Dava pra ter feito trechos de voo, se me programasse e comprava a passagem uma semana antes. Teria ganha tempo. E na maioria das vezes é mais barato que ônibus.
      Já na cidade de Ipiales, comprei uma passagem em um bus noturno para Medellín. Por volta das 04:00 de hoje 19/09/2018, na carretera 25 no povoado de El Cruero, o ônibus é parado pela polícia para uma fiscalização de rotina. Eu estava na poltrona 01, o policial ao notar que eu era estrangeiro me acordou e me chamaram pra dentro da guarita. Era um policial de etnia branca e um de etnia negra. Lá revistaram todas as minhas malas. Não satisfeitos pediram para ligar meu celular e escutaram todas minhas ultimas conversas. Não satisfeitos pegaram minha carteira contaram meu dinheiro (540 dólares). Disseram que poderia pedir para o ônibus seguir viagem, porque estava preso para averiguação da Interpol. Aí eu fiquei muito puto... Falei que estava correto. Que estava legal no país, que tinha visto em meu passaporte, e que o dinheiro que estava por tanta dó estava longe da quantidade limite que poderia portar. O policial de uma forma muito truculenta disse que se não calasse ia me fazer uma multa. Peguei meu telefone, falei que ia ligar numa linha de emergência do consulado brasileiro (nem sei se existe). Para pedir ajuda. Nesse momento um dos policiais foi para fora da guarita, enquanto o outro que ficou, na maior cara deslavada me pediu 100 dólares. Falei que não ia pagar, porque primeiro estou correto, e em segundo porque meu dinheiro estava contado e 100 dólares me faria falta para voltar ao Brasil. Não paguei, repeti que não pagaria, até porque o dinheiro me faria falta mesmo. Perguntaram minha profissão, quanto era meu salário. E por fim quando viram que não conseguiria me extorquir, me liberaram. Atrasou o ônibus em meia hora.
      CONCLUSÃO
      Não sou a mesma pessoa. Mudei e muito. Mais humilde, aberto. Aprendi a chegar nos lugares me apresentar e conhecer todos. Que se tem uma amizade intensa, ou um amor intenso, e depois a vida segue, e a despedida pode ser um adeus. Me renovei quero iniciar novos projetos, estudar mais, melhorar meu salário, cuidar da minha saúde. conhecer muito mais. Viajar sempre. Quero cuidar mais da minha saúde, racionalizar o álcool e para de fumar.
      Estudei muito quase um ano pra fazer essa viagem. Quem quiser dicas e compartilhar experiências meu zap é
      34998004627
      Abaixo uma planilha com todos os custos, as datas não estão certas mais os custos sim.
      https://docs.google.com/spreadsheets/d/1_yIgkqtuVEvNEooOlkJhYwEIwpRGtyUKGMFkGk5KjZA/edit?usp=drivesdk
      Me sigam no Facebook e Instagram
      https://www.facebook.com/fr4nc0.br
      https://www.instagram.com/fr4nc0.br/






























      V_20181102_072341_N0.mp4
    • Por feoliveiraa
      Hoje vim contar o meu relato de viagem para Colômbia em Março de 2020.
      Primeiramente eu voei pela Copa Airline e paguei R$ 1.484,00 saindo do Rio até Cartagena ida e volta com escala no Panamá e comprei um voo interno pela wingo paguei 377,00 ida e volta para San Andrés.
      Enviamos dinheiro via Western Union, foi o meio mais vantajoso sem duvidas! conseguimos sacar em Cartagena sem problemas. Fiz a viagem com meu namorado e mais um casal de amigos.
       
      Cartagena 02/03 até 06/03
      Resolvemos nos hospedar em Bocagrande devido ao custo beneficio , hospedagens melhores com preços mais acessíveis, apesar de ler muito sobre as vantagens de se hospedar dentro da cidade amuralhada, não nos arrependemos, tinha táxi facilmente e com preço bem acessível, normalmente pagávamos 10.000 pesos para nos locomover (cerca de 13/14,00). Alugamos um apartamento pelo airbnb bem confortável por um preço bom. Chegamos dia 02/03 por volta de 00:00 e só descansamos, no dia 03 fomos fazer o saque pelo western union que foi super tranquilo, logo depois encontramos com a Juliana do the experience travel, ela é Brasileira, fechamos os passeios de Cartagena com eles e valeu super a pena, atendimento de primeira. Andamos um pouco pela cidade, e a tarde fomos ao café del mar, eu gostei bastante do lugar, ambiente super agradável, por do sol perfeito, mas achei o atendimento bem ruim.
      No dia 04 fomos para Casa en el Agua, apesar de pouco falado vale muito a pena, é um hostel no meio do mar, com pessoas do mundo inteiro em um estilo bem roots, os quartos são bem simples, tem opção de dormir em rede também, o banho é com balde, não possui internet, apesar do perrengue eu amei a experiencia, acho uma noite suficiente. Somente uma empresa faz esse trajeto que leva 2hrs de barco (Tranq it easy)  tem que ficar atento para conseguir comprar, as vagas do hostel abrem com 3 meses de antecedência e esgotam rápido.
      No dia 05 chegamos da Casa en el Agua e fizemos um passeio incrível que chama Sibarita Master, um passeio de barco open bar para ver o por do sol que começa as 17:00 e termina as 19:00, não deixem de incluir no roteiro porque realmente é demais!
      Não tenho restaurantes para indicar em Cartagena pois resolvemos fazer as refeições no apartamento para economizar, fizemos uma compra no mercado e cozinhamos todos os dias.
       
      San andrés 06/03 até 11/03
      Chegamos em San andres a tarde, ficamos em um apartamento em um local um pouco distante do centro (20 min) alugamos também pelo airbnb, diferente de Cartagena os preços em San Andrés para hospedagem são mais elevados e com pouca comodidade, não aconselho ficar longe do centro pois tivemos dificuldade para pegar táxi, o apartamento só tinha água salubre e fria, tivemos que comprar galões de água mineral para tomar banho, pelo que li praticamente a ilha toda é assim, somente os melhores hotéis possuem água doce e quente. Fechamos nossos passeios com o Diego bem conhecido por lá e super indico, foi super atencioso e fez preços melhores em tudo. Usamos o dia para fechar os passeios e andar pelo centro.
      No dia 07/03 fizemos o tour ilha de Johnny Cay e Acuario saindo as 9:00 e voltando as 15:00, pagamos 43.000 pesos cada (58,00) achei bem bagunçado no inicio, ficamos esperando nosso barco sair e atrasou um pouco. A chegada em Johnny cay é um caos, o barco balança muito devido as ondas, é bem difícil se equilibrar para descer do barco, vi pessoas caindo, realmente para quem vai com criança ou idoso é difícil, sem contar que o trajeto molha bastante, leve bolsa impermeável. A ilha é linda, estava um pouco cheia mas não me incomodou em nada, o mar achei muito agitado, o almoço é incluso e achei a comida gostosinha. Em seguida fomos para o Acuario ficamos pouco tempo por la, aconselho separar um dia para fazer somente ele pois é perfeito, água transparente e é incrível fazer snorkel com tantos peixes, um dos lugares mais lindos que já vi, porem estava um pouco cheio.
      No dia 08/03 fizemos um passeio que chama Ibiza Sai que é um bar flutuante no meio do mar azul, saímos 11hrs e o retorno você pode escolher entre 14:00, 16:00 ou 18:00 voltamos no ultimo horário, pagamos 68.000 pesos (92,00) inclui uma bebida de boas vindas, o que você consumir paga a parte, no entanto conheci uma brasileira que pagou somente 20.000 pesos, ela chegou na marina e pegou um barco que levou até la. Lugar simplesmente perfeito! musica boa, bebida boa, um mar incrível demais, amei muito! quem for para San Andrés tem que fazer esse passeio. Jantamos no restaurante el peruano, pedi um prato com carne de boi particularmente não gostei muito, porem meus amigos pediram pratos que estavam muito bons! acho que super vale a pena conhecer.
      No dia 09/03 alugamos a mule para dar a volta a ilha, pagamos 170.000 pesos para 4 pessoas (cerca de 230,00), levamos um cooler com bebida e fomos parando nos pontos legais, primeira parada foi em West View que tem aproximadamente 5 metros de profundidade, possui um trampolim e um tobogã, para quem não sabe nadar eles alugam colete e snorkel. o lugar é lindo, tem muitos peixes mas estava cheio. Em seguida paramos no letreiro de San Andres, existe um maior que está sempre cheio, esse estava vazio. Em seguida passamos no Hoyo Soplador, não achei nada demais, paramos para tomar a famosa limonada de coco que é perfeita. Outra parada obrigatória é a rua super famosa que a galera para para fazer fotos, uma paisagem perfeita. Fizemos algumas paradas nas praias de San Luis que são lindas! e terminamos no Beach Club Aqua que fica em San Luis, amei o lugar! ambiente gostoso, decoração linda, comida muito boa. para terminar o dia jantamos no Café Café, não gostei da comida e o atendimento achei muito ruim, atendentes pouco simpáticos, não recomendo.
      No dia 10/03 fizemos as 9:00 o tão falado voo de parasail, pagamos 139.000 pesos (cerca de 188,00). Esse passeio ia ser o primeiro a se fazer pois depende de como está o vento no dia e por esse motivo só conseguimos fazer no final, nada mais é do que um paraquedas sendo puxado por uma lancha, realmente é muito lindo ver o mar la de cima, é perfeito! eu tenho medo de altura então fiquei tensa o passeio inteiro, mas realmente vale a pena incluir no roteiro. No resto do dia andamos pela cidade, não deixem de provar as paletas e bubble waffle (sorvete maravilhoso com waffle). Almoçamos no Beer Station super recomendo, parece um "outback" comemos uma costela com barbecue e batatas, dividi com meu namorado e ficamos muito satisfeitos, prato grande e muito saboroso. A noite fomos no famoso restaurante La Regatta, não conseguimos fazer reserva então fomos cedo (18:00) e conseguimos lugar, mais tarde a fila ficou enorme, ambiente maravilhoso, ótimo atendimento e pratos perfeitos, eu pedi o pescado San Andrés 46.500 pesos (63,00) e meu namorado o pescado Providência 50.200 pesos (68,00). Os dois estavam maravilhosos! achei o preço ok, se comparado com um restaurante assim na minha cidade gastaria até mais.
      No dia 11/03 (nosso ultimo dia em San Andrés) passamos a manhã na praia central que é muito linda! tivemos pouco tempo para curtir essa praia tão charmosa, almoçamos na hamburgueria El Corral, super recomendo! a tarde andei pela cidade e fiz algumas compras.
      Sobre compras em San Andres, existem varias lojas falsificadas, eu comprei varias coisas na loja JR que é confiável e tudo valeu a pena, comprei produtos de beleza. De fato pesquisei todos os preços e tudo que comprei valeu a pena comparando com os preços do Brasil.
       
      Cartagena 11/03 até 14/03
      Voltamos para Cartagena, dessa vez ficamos em um hotel próximo ao aeroporto (hotel summer cartagena), não recomendo pois achei longe do centro, gastamos mais com taxi, mas o hotel é bom, quarto confortável e café da manhã ok. chegamos no dia 11/03 e descansamos. 
      No dia 12/03 fizemos o passeio para ilha privativa Bora Bora de 9:00 até 15:00 pagamos 218.500 pesos (com taxas) por pessoa com almoço e um drink (cerca de 295,00), gostamos muito! o Lugar é lindo demais, estrutura maravilhosa, atendimento de primeira, DJ tocando o dia todo, como vão poucas pessoas por dia é super exclusivo, o almoço você pode escolher o típico arroz de coco com patacones e pescado ou filé de frango com arroz branco, eu fui no prato típico e confesso que não gostei muito, o arroz de coco é bem adocicado. Teve promoção de 2 drinks por 30.000 pesos (40,00). O mar é maravilhoso, calmo, pena que passa muito rápido. Sobre o trajeto de volta que é bem falado devido ao mar agitado, eu estava bem receosa e pelo menos o dia que fui a volta foi "tranquila", as pessoas que sentaram atras molharam bastante, eu fiquei no meio e não tive problema.
      No dia 13/03 aproveitamos para andar pela cidade amuralhada e Getsmani, fomos em muitas lojinhas, o artesanato la é bem forte, comprei bolsas lindas feitas a mão e lembrancinhas, infelizmente não deu tempo de ir no Castelo de San Felipe. As Ruas em Cartagena são uma graça, casinhas coloridas, é tudo encantador!
       
      Panamá 14/03
      Chegamos no Panamá 8:00 e pegamos uma escala de 13hrs propositalmente para conhecer a cidade, existem tours no panamá para conhecer os principais pontos turísticos mas resolvemos ir por conta própria, a moeda é o dólar, achei os preços bem altos de táxis e alimentação, já que o dólar estava tão alto. Íamos pegar um táxi até a cidade antiga, Casco Viejo porem estava cerca de 20 dólares, conseguimos conectar no wifi do aeroporto e pedir um uber (que ainda é ilegal) e foi super tranquilo, ficou 10 dólares e chegou rápido. Andamos por Casco Viejo para conhecer, e é muito charmoso, gostamos muito. Depois pegamos um taxi até o shopping Multiplaza também por 10 dólares, o shopping é enorme, tem lojas perfeitas mas a maioria não valia a pena, comprei coisas na forever 21 que estavam em promoção, em seguida fomos em mais 2 shoppings Multicentro e Albrook, achei uma loja com calças jeans perfeitas por 5 dólares, enfim ficamos batendo perna pelos shoppings, nosso voo de volta era as 21:20, voltamos com antecedência para o aeroporto, a cidade moderna é muito linda! prédios lindos, todos muito bem conservados, cidade limpa, gostei muito! 
       
      E é isso! espero ter ajudado.
      algumas observações: não se esqueçam do certificado de vacinação de febre amarela, pode ser emitido online com no minimo 10 dias de antecedência (não deixe para ultima hora!), se você já tomou a vacina não precisa tomar de novo pois vale por toda vida, basta ter o cartão de vacina.
      a tarjeta de turista para entrar em San Andrés eu comprei no aeroporto de Cartagena antes de embarcar (não me lembro bem mais foi cerca de 120.000 pesos).
      Fiquem atentos com o peso da mala, as companhias low cost (wingo e viva air) são muito rígidas com peso, eu fui pela Wingo e antes de fazer o check in fui em um guichê e pesei as malas e estavam passando o peso, tive que abrir e distribuir.
      O aeroporto de San Andrés é um caos, para o voo de volta chegue cedo, as filas ficam enormes!
      Vi muitos relatos de pessoas falando que San Andrés não tem estrutura, que não gostaram da ilha, falando mal da comida, eu particularmente amei muito! realmente a ilha não tem uma estrutura top, se você realmente não se importa apenas vá! quem não gostou com certeza são pessoas com padrão de vida elevados que não conseguem curtir um lugar mais simples, sobre a comida eu não gostei da comida típica porem comi todos os dias coisas diferentes, tem mil opções com preços bons não precisa necessariamente comer só pescado e arroz de coco.
      Todos os passeios de Cartagena fechamos com a The Experience Travel e de San Andres com o Diego, eu aconselho fechar os passeios antes para evitar filas e algum tipo de estresse.
      No caso de San Andrés conseguimos desconto em todos os passeios.
       
      Gastei no total R$6.700,00
      fiz todos os passeios que queria, Cartagena economizamos em alimentação, cozinhamos todos os dias.
      San Andrés, comemos fora todos os dias. E no geral da viagem bebemos bastante também, compramos bebidas no dust free do Panamá que valeu a pena.
       
       























      Photos (1).zip
    • Por Kelvin Sobé Centenaro
      Foram muitos meses de planejamento e pesquisa sobre como viajar MUITO gastando POUCO. Quando descobri o mundo do voluntariado minha mente se abriu e enxerguei um mundo de INFINITAS possibilidades. Descobri que poderia trocar minhas habilidades por acomodação. E inclusive, desenvolver muitas outras. Entendi também que viajar não é apenas conhecer lugares incríveis. O que faz das minhas viagens tão especiais são as pessoas que conheço e me conecto. E o principal de tudo, GERAR VALOR pra cada uma delas. . Estar longe de casa, dos seus familiares e amigos te faz valorizar cada momento vivido. Te faz pensar e refletir sobre toda trajetória da sua vida. Que não existe certo, nem errado, mas sim, PADRÕES que a sociedade te impôs desde o seu nascimento, basta você decidir por você mesmo RESSIGNIFICAR tudo e reconstruir uma nova MENTALIDADE que faça sentido pra você. . O que fiz foi apenas um QUESTIONAMENTO para onde minha vida estava me levando se seguisse todas as crenças e limitações que foram instaladas na minha mente. Joguei tudo no lixo, disse CHEGA pra qualquer superficialidade do momento e mudei o meu ESTILO DE VIDA, que hoje se baseia em VIVER um dia de cada vez, presente no momento e pronto pra AÇÃO.   #colombia #medellin #cartagena #backpacking#dicadeviagem#mochilaoamericadosul #sulamerica#viajaromundo #viajarbarato#traveler #placestovisit #placestogo #worldpackers#couchsurfing#umamenteinabalavel #expansaodeconsciencia#nomadedigital #digitalnomadism
    • Por thiago.martini
      Amigos Mochileiros,
      Como o único relato que tem sobre o trekking a Ciudad Perdida é de 2010 (muito bom por sinal e me ajudou bastante) resolvi escrever sobre a experiência que eu e minha esposa tivemos em outubro deste ano neste trekking incrível.
      No meu instagram (@thiagomrp) tem uma postagem para cada dia da trilha, com várias fotos do percurso. Quem quiser, é só dar uma conferida.
       
      PREPARAÇÃO
      Foi bem difícil achar boas informações sobre o trekking em sites brasileiros. Só um relato aqui no Mochileiros.com e poucas informações recentes. Acabei assistindo alguns vídeos feitos por viajantes gringos, buscando informações em sites colombianos e conversando com o hostel que iria nos hospedar em Santa Marta.
      Pelo que tinha pesquisado, sabia que a caminhada seria um pouco difícil, então resolvemos intensificar um pouco os treinos (fazemos treino funcional pelo menos 3 vezes por semana).
      Fiquei em dúvida sobre comprar antecipadamente ou fechar na hora. Conversei com o pessoal do hostel por e-mail (Masaya Santa Marta – recomendo muito a estadia lá) e me orientaram que sempre tinham saídas e que a diferença seria o pagamento com ou sem taxas do cartão. Em resumo, pagando lá haveria uma taxa de 3% do cartão de crédito (que de fato não ocorreu, mais adiante explico).
      Então como preparação apenas reservei o hostel em Santa Marta (Masaya) para dois dias antes do trekking e um dia depois. Assim poderíamos deixar nossos mochilões lá mesmo.
       
      COMPRA DO TOUR (dia 07/10/2019)
      Compramos o tour no próprio hostel, pelo mesmo preço que costuma ser o padrão das empresas de Santa Marta, COP 1.100.000,00. Na época que estivemos lá a melhor cotação que achamos foi 1 real para 780 COP’s. Com essa cotação nosso trekking ficou por +- R$ 1.400,00 cada um. Não tivemos a tal taxa extra, porque o atendente nos enviou um link (tipo paypal) e pagamos diretamente no site.
      Aproveitamos para pegar informações com o atendente, Francisco, que tinha sido tradutor nessa trilha por diversas vezes. Segundo ele não seria TÃO difícil. Ledo engano nosso kkkkk.
       
      DIA 1 (09/10/2019)
      Entre 8h30 e 9h00 passariam nos recolher para o tour. Às 8h30 já estávamos na recepção. Vi um rapaz com roupa de agência e perguntei se estava nos esperando. Ele disse que não. Apenas outras duas pessoas. Até aí, ok então.
      Esperei mais uns 15 minutos e nada da nossa agência. Fui falar com o rapaz sentado e perguntei se o nosso tour não era com ele também. Me perguntou qual era a nossa agência. Aqui descuido meu, não tinha perguntado ao Francisco qual era a agência. Mostrei para ela o comprovante de pagamento, ele fez uma ligação e confirmou que a gente também tinha que ir com ele. Uffaaaa, que sorte que fui abordá-lo.
      Entramos num 4x4 e recolhemos algumas pessoas pelo trajeto. Fomos até a agência antes de sair. Depois de um rápido briefing pegamos a estrada.
      Nosso grupo tinha 9 pessoas (5 colombianos, 2 ingleses, 1 alemão, 1 norte-americana e nós 2 de brasileiros). 
      Foram cerca de 1h30 de estrada de asfalto, com um motorista dirigindo loucamente kkkk.
      Por volta das 11h00 estávamos na entrada do Parque Nacional de Sierra Nevada. Lá pausa rápida para banheiro, colocar nossas pulseira de autorização para entrar no parque e mais 45 minutos de estrada de chão, com várias subidas e descidas irregulares e travessias de rio. Foi bem emocionante kkkk.
      Perto das 12h00 chegamos ao restaurante onde almoçamos e depois iniciamos nossa caminhada. Prato feito com arroz, feijão, salada, coxa com sobrecoxa e, é claro, patacones (que delícia kkk). Os pratos de comida são muito grandes. Eu não consegui comer tudo.
      Por volta das 13h15 saímos para iniciar nossa caminhada.
      O primeiro dia é basicamente uma longa caminhada estrada acima, com algumas barraquinhas no meio do caminho vendendo água, refri, cerveja, cacau, suco de laranja etc.
      Esse dia totalizou 12,2 kms com solzão na cabeça.
      Chamou atenção nesse dia a quantidade de aranhas e suas teias nas árvores.
      Chegamos no acampamento por volta da 16h45. Todos os acampamentos são ao lado de rio. Nesse primeiro tinha uma piscina natural que o povo pulava do alto de uma pedra. Eu sou meio cagão para água, mas tomei coragem e pulei, minha esposa também. Foi uma baita adrenalina. Tem o vídeo no meu instagram (@thiagomrp).
      Depois de um mergulho revigorante nas águas frias do rio, fomos tomar banho para jantar e dormir.
      Dica: muita atenção nos acampamentos com aranhas, escorpiões e cobras. O nosso guia nos alertou. Nós optamos por pendurar as botas no alto (o que depois foi seguido pelos colegas) e SEMPRE deixar as mochilas fechadas, para evitar entrada de bichos. Também revisamos as camas antes de deitar.
      Jantar estava muito farto e gostoso. Depois um brefing sobre o próximo dia e conversas sobre a história da trilha, da região, do povo Tayrona etc. Tudo muito interessante.
      Às 20h00 já estamos deitados e às 21h00 apagaram as luzes.
       
      DIA 2 (10/10/2019)
      Despertadores tocaram as 5h00 para nos arrumarmos, tomarmos café e saímos às 6h00. Acontece que no grupo tinha uma criança (11 anos) que só levantou às 6h00 e daí que foi tomar café. Ficamos bem impacientes, inclusive o guia. Aqui falha dos pais que não acordaram a criança antes e apressaram ela. Acabamos saindo 6h30.
      O segundo dia já era sabido com sendo o pior, e realmente foi. Foram 21,2 kms com muitas subidas e muita lama pelo caminho. Lugares bem escorregadios para caminhar. Nos levamos nossos próprios bastões, quem não tinha estava improvisando com tronco de árvore.
      Às 9h00 chegamos no lugar onde almoçamos. Fizemos uma parada mais longa com direito a visitar uma cachoeira próxima. Valeu muito a pena.
      Às 10h30 já estávamos almoçando e 11h00 voltamos a caminhar.
      A segunda parte do dia foi beeeeemmm difícil. Muita subida e lama.
      Por volta das 14h00 começou a chover, então complicou um pouco mais. Era subida sem fim, com chuva e fome. Por sorte chegamos numa vendinha e lá tinha frutas para nós. Foi revigorante.
      Aliás, em várias vendinhas as agências providenciam frutas para o pessoal, normalmente melancia, laranja ou abacaxi (muito doce por sinal).
      Chegamos no acampamento às 16h10, bem cansados. É o último acampamento antes da Ciudad Perdida, então todas as agências ficam no mesmo lugar. É o que tem a estrutura mais precária, mas mesmo assim foi ok.
      Jantamos, conversamos e antes das 20h00 já estávamos deitados. Às 21h00 apagaram as luzes.
       
      DIA 3 (11/10/2019)
      Novamente levantamos às 5h00, café da manhã e as 6h30 saímos. Aqui o atraso foi proposital. Como 10 minutos após o acampamento tem a travessia de um rio, o guia preferiu atrasarmos um pouco para não ter que ficar esperando na margem do rio os demais grupos atravessarem.
      Que travessia hein!
      Deve ser uns 20 metros de uma margem a outra, com pedras e correnteza forte. Duas cordas ajudam, aliás, todo mundo se ajuda porque a correnteza é muito forte mesmo.
      Depois de recolocar as botas, mais uns 10 minutos caminhando e chegamos no início das escadas que levam a Ciudad Perdida. Mais de 1200 degraus pela frente. Muita atenção, pois os degraus são curtos e bem úmidos.
      Às 7h10 já estávamos na entrada da Ciudad Perdida. Passaportes (dados pelo próprio parque com a história do lugar) foram distribuídos e carimbados.
      Nos acomodamos num lugar para ouvir o guia contar sobre a história da Ciudad Perdida e seu povo. Depois de um tempo saímos para desbravar o lugar.
      Você vai encontrar vários militares do exercício pelos caminhos da Ciudad Perdida. Eles estão ali para marcar a presença do Estado e oferecer segurança. Foram todos amigáveis e até tiraram fotos com a bandeira do Brasil (eu sempre viajo com uma).
      Na saída da Ciudad Perdida nosso guia passou na oca do líder espiritual, Mamo, porém ele não estava. Apenas sua esposa que vendeu algumas pulseirinhas feitas por ela para o grupo.
      Por volta das 10h00 já estávamos descendo de volta ao acampamento em que passamos a noite. Almoçamos por lá e depois voltamos até o acampamento em que almoçamos no segundo dia.
      Nesse dia foram quase 22km caminhados. Foi puxado, mas nem tanto.
      A noite jantamos e antes de dormir tivemos a oportunidade de ouvir histórias de um índio de uma tribo descendente dos Tayronas. Ele mostrou instrumentos de trabalho, o poporo (instrumento usado apenas pelos homens para consumir a folha de coca) e outros utensílios. Foi uma conversa legal. Ele falava mais ou menos o espanhol e era auxiliado pelo nosso guia. Uma experiência bem bacana.
       
      DIA 4 (12/10/2019)
      Novamente acordamos as 5h00 e 6h30 já estávamos caminhando para terminar o nosso trekking. O objetivo era chegar para o almoço no local onde iniciamos nossa aventura. Lá onde o 4x4 nos deixou e voltaria nos pegar.
      Umas subidas bem fortes, com quase 1 hora de subida initerrupta. Foi bem puxado.
      Confesso que tenho dúvidas se foi o segundo ou último dia o mais difícil. Ambos foram muito puxados.
      Por volta das 10h00 paramos tomar um suco e comer um bolo no mesmo local do primeiro acampamento. Descansamos um pouco e logo partimos.
      Eu e minha esposa aceleramos o passo porque queríamos terminar antes do meio dia. Não porque tivéssemos pressa, mas só para ter um objetivo.
      Uma parte do grupo foi mais rápido conosco e o resto seguiu mais lento com o guia.
      Esse trecho final foi aquele na estrada com o sol na cabeça do primeiro dia. Dessa vez o sol estava até mais forte, por isso cada vez mais queríamos chegar antes.
      Exatamente 11h50 chegamos no restaurante. Fui um trecho bem cansativo, quase 22,5 km. Todos que chegavam já foram arrancado as botas e deitando pelo chão gelado, era a melhor coisa naquele calor kkkk.
      Cerca de 1 hora depois chegou o resto do grupo.
      Almoçamos e por volta da 14h00 já estávamos no 4x4 para retornarmos até Santa Marta.
       
      SALDO FINAL
      Talvez tenha sido o trekking mais difícil que já fiz na vida (já fiz Salkantay no Peru e vários outros no sul do Brasil).
      Foi puxado, subidas e sol fortes e uma umidade muito grande, suávamos muito.
      Faria tudo de volta? Sem sombra de dúvidas, SIM.
      Foi uma experiência muito legal, uma caminhada difícil e desafiadora, com um grupo nota 10, guia e tradutor muito gente boa e estrutura de acampamentos legal. Várias vezes nos pegávamos falando: “estamos no meio da selva colombiana!!!”. E realmente é isso. É uma selva bem fechada, úmida, com rios, cachoeiras, pedras e lama.
      Trekking a Ciudad Perdida marcado como FEITO e RECOMENDADO a todos mochileiros e trilheiros!
       
      Obs.: tentarei colocar algumas fotos nos próximos comentários. Quem quiser pode ver algumas no meu instagram @thiagomrp. 
       

×
×
  • Criar Novo...