Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

As viagens de carro em família eram presentes na minha infância, então a Serra Catarinense entre outros destinos que fossem possíveis há algumas horas de distância de Blumenau. Quando entrei para esse mundo de trilhas, trekkings, mochilão e viagens sozinhas, um novo leque de possibilidades se abriu, incluindo visitar lugares com outra perspectiva.

@anavoando

O Canion do Funil fica em Bom Jardim da Serra e é propriedade privada do Sr. Miguel, é interessante mandar uma mensagem para ele no WhatsApp (49 99127-1014) para pegar mais informações. Existe uma cobrança no acesso que na minha opinião é um custo elevado, o valor é R$ 40 somente visitar e R$ 60 se for acampar (valor abril 2021). O lugar não tem nenhuma estrutura, nem banheiro, nada. Mas como é a propriedade dele, resta a nós somente aceitar né?!

O acesso pode ser feito tanto por caminhada como por carros 4×4, o Sr. Miguel também faz o transfer, (o valor se não me engano é R$ 100 por pessoa). Passadas as informações gerais, vou contar um pouco da minha experiência.

Eu sou iniciante nesse tipo de atividade mas se tem um lugar que é interessante para uma primeira experiência, o Canion do Funil é a opção. A caminhada não é longa e nem exige demais, são cerca de 7km até o Canion, ida e volta totalizam então mais ou menos 14km. A parte boa é que o terreno é praticamente plano, você segue pelo caminho dos carros então dificilmente vai se perder, no máximo vai afundar o pé na lama e é a oportunidade ideal para ver a Serra Catarinense por outro ângulo.

1798525239_WhatsAppImage2021-04-12at21_58.00(1).thumb.jpeg.9aecb0b5d31ab6ccebb98cdc2babff6c.jpeg

Se for acampar, considerando que terá que levar o peso de equipamentos como barraca, saco de dormir, isolante térmico (é frioooo, não esqueçam!), comidas e coisas para cozinhar, essa caminhada te dá um embasamento de como é um trekking, mas em um nível mais tranquilo. Eu tive uma experiência anterior mais exaustiva e exigente, então para mim não trouxe minha novidade. O que foi diferente da minha primeira vez debaixo de sol, é que essa foi debaixo de chuva!

Por volta das 15h começamos a caminhada e chegamos umas 17h, o caminho todo foi debaixo de neblina e um chuvisco. Nada que molhasse muito, então não impediu que continuássemos o caminho ou que ficássemos muito molhados. A trilha é basicamente dentro de um campo/pasto e seguimos o trilho do carro.

1802330567_WhatsAppImage2021-04-04at01_57_07.thumb.jpeg.7f8674f52e69489a83d35108def87e9f.jpeg

595303689_WhatsAppImage2021-04-12at21_57_59.thumb.jpeg.8394b866a85f13e3d2fc914901b17d7e.jpeg

Mesmo lugar, com duas horas de diferença entre as fotos

Quando chegamos o tempo no Funil estava aberto, então conseguimos ver a paisagem, que era muito mais impressionante pessoalmente. O negócio é mais gigante do que aparenta nas fotos, então eu fiquei bem feliz de ter ido até lá. Montamos as barracas um pouco afastado da borda do Canion, próximo de umas árvores que faziam uma boa proteção contra o vento e também possibilitava alguma privacidade caso precisássemos usar o banheiro hahaha

A nossa sorte foi que assim que acabamos de montar as coisas, a chuva caiu! E caiu fortíssima por horas, até a manhã seguinte deve ter parado por uns 30 ou 40 minutos no máximo. Foi outra experiência completamente diferente na minha bagagem de aventuras ao pegar uma noite inteira com o barulho na barraca. A barraca que eu estava dormindo era muito boa, não passei nem frio e nem entrou umidade ou chuva dentro. Zero perrengues! Inaugurei meu saco de dormir novo e senti até calor hahaha aprovadíssimo! O mais complicado foi cozinhar, mas tudo ocorreu bem.

Quando despertou o celular na manhã seguinte, eu estava na esperança de um nascer do sol. Só ouvi os pingos na barraca e fiquei um pouco triste e já imaginando o perrengue que seria desmontar o acampamento se continuasse desse jeito. Em 10 minutos aconteceu outra pausa abençoada que nos proporcionou apreciar a vista do início do dia naquele lugar incrível, como vocês podem ver nas fotos abaixo. 

946943825_WhatsAppImage2021-04-04at00_25_25.thumb.jpeg.9b0337dabe50fd6a8fa60a1584176907.jpeg

1054960359_WhatsAppImage2021-04-04at01_54_03.thumb.jpeg.84486b74e8cb55dc240287f4ba00a31d.jpeg

107201026_WhatsAppImage2021-04-04at01_54_15.thumb.jpeg.8537baa35e205560d87cdb5afe784c03.jpeg

1530421502_WhatsAppImage2021-04-04at01_56_35.thumb.jpeg.7708b50eee791802f112bdd8f74ed0e8.jpeg

únicos raios de sol do dia kkkkk

1263903767_WhatsAppImage2021-04-04at01_55_11.thumb.jpeg.e866a4021e6f49e7aaa2c17446374c0a.jpeg

Após comer, desmontar as coisas, organizar as mochilas, começamos o caminho de volta e impressionados que o timing foi perfeito! O tempo fechou novamente e nossa volta foi praticamente toda no meio das nuvens, mas também sem chuva que poderia trazer algum estresse.

207801529_WhatsAppImage2021-04-04at01_57_08.thumb.jpeg.7eedf8e0434e409f767289b954d27ccd.jpeg

Quem não deu tanta sorte foi os carros 4×4, como choveu realmente uma quantidade muito grande, isso prejudicou a estrada para eles e vimos mais de um atolado e até capotado! Complicado… e por isso recomendo que quem vá de carro tenha certa experiência ou acompanhe a previsão do tempo e se tiver muita chuva antes ou depois, não arriscar.Fico muito feliz de encontrar lugares novos e novas experiências próximos a mim, principalmente “perto” de casa. Mesmo já conhecendo a Serra Catarinense, consegui ter uma experiência totalmente diferente e única. O Brasil possui uma imensidão de possibilidades que me traz orgulho de explorar cada cantinho.

69887600_WhatsAppImage2021-04-12at21_58_00.thumb.jpeg.a364f3bae05372986cfae1e507b5242e.jpeg2003692300_WhatsAppImage2021-04-12at21_58_01.thumb.jpeg.73100d757247bacd1a53aad3c5cec786.jpeg

Caso queiram me acompanhar, eu compartilho no meu Instagram: @anavoando

Espero que ajude alguém :)

  • Gostei! 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Muito legal @Ana Caroline Cunha, certamente um destino que me interessa também!

Desde o início da pandemia, dadas as limitações (lugares inacessíveis devido a bloqueios) comecei a procurar lugares aqui por perto que pudessem valer a pena (também sou do vale).

Até cheguei a dar uma espiadinha por essas bandas onde fizesse teu trekking, mas me deparei com diversos sites de agências exigindo valores exorbitantes.

Por mais que tenhas dito que o valor de acesso seja caro, ainda tá muito abaixo de outras opções (como o Morro da Boa Vista, que está custando R$ 850,00 por pessoa - segundo minha última pesquisa).

Abraços! :D

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
2 horas atrás, Alan Rafael Kinder disse:

Muito legal @Ana Caroline Cunha, certamente um destino que me interessa também!

Desde o início da pandemia, dadas as limitações (lugares inacessíveis devido a bloqueios) comecei a procurar lugares aqui por perto que pudessem valer a pena (também sou do vale).

Até cheguei a dar uma espiadinha por essas bandas onde fizesse teu trekking, mas me deparei com diversos sites de agências exigindo valores exorbitantes.

Por mais que tenhas dito que o valor de acesso seja caro, ainda tá muito abaixo de outras opções (como o Morro da Boa Vista, que está custando R$ 850,00 por pessoa - segundo minha última pesquisa).

Abraços! :D

Uau, caríssimo hahaha é obrigatório fazer dessa forma? Geralmente agências cobram valores mais altos mesmo né?! Por gosto de ir em lugares que não dependam delas e o acesso possa ser feito independente :)

Nossa região tem muitos lugares legais, principalmente para quem gosta de montanha!

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
35 minutos atrás, Ana Caroline Cunha disse:

Uau, caríssimo hahaha é obrigatório fazer dessa forma? Geralmente agências cobram valores mais altos mesmo né?! Por gosto de ir em lugares que não dependam delas e o acesso possa ser feito independente :)

Pois então, parece que é a única alternativa.

Os proprietários entraram em acordo com essa 'Eco Trilhas' oferecendo exclusividade (talvez se cansaram de andarilhos em suas terras). Não sei até que ponto é possível arriscar...

Pelos relatos antigos que encontrei, antes era diferente o processo, mas infelizmente estamos limitados agora.

38 minutos atrás, Ana Caroline Cunha disse:

Nossa região tem muitos lugares legais, principalmente para quem gosta de montanha!

Também acho, o duro é correr contra o tempo para conhece-los antes que se tornem atrações turísticas famosas (e com isso, comecem as extorsões). Uma pena essa cultura gananciosa.

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Marlon Escoteiro
      Travessia do Parna de São Joaquim – Urubici até Bom Jardim da Serra – SC - julho/2019
      Desta vez a minha ideia original era ir pra Serra Fina, mas acabaram mudando a data da festinha da minha filha e a semana ficou curta, eu não podia faltar a apresentação dela que seria na sexta. Essa jornada é a continuação da travessia do Canyon do Funil e das Laranjeiras que eu havia feito em julho de 2018, que na época infelizmente por conta da chuva e de um parceiro que se machucou no caminho tivemos que abortar a travessia no Canyon Laranjeiras. Então decidi por fazer a travessia solo no Parna de São Joaquim. Posso dizer que minha vida na montanha começou nos canyons, mas precisamente na região do Canyon Fortaleza no RS, tendo sido guia no Parna Aparados da Serra e redondezas e feito várias travessias pela região. Mas só agora que comecei a explorar mais a região do lado catarinense.
      Mas vamos aos preparativos.
      No fim de semana juntei minhas tralhas de acampamento, comprei comida e tentei alguns albergues e pousadas em Urubici que estavam lotados, pois foi neste final de semana do dia 6/7 veio uma forte frente fria e previsão de neve, lotando a região da serra catarinense. Acabei encontrando lugar no Hostel e Armazem Heyokah uma pernoite com café por 60$, já reservei e falei que provavelmente chegaria tarde da noite pois o único ônibus saindo de Floripa era as 18h chegava as 22h30 lá. Mas o dono do hostel me passou um contato de um taxista, o Gilson (48)999672262. Que fazia esse trecho pelo mesmo valor do ônibus e que ele saia depois do almoço, tratei logo com o Gilson e as 13h30 ele passaria na rodoviária de Floripa.
      Logo cedo pela manhã de segunda feira peguei o ônibus para Florianópolis saindo de Itajaí e chegando lá encontrei com o Gilson que ainda pegou mais 2 pessoas. E assim com a lotação completa subimos a SC 282 com destino a Urubici, chegamos as 18h lá e já fui para o Hostel, deixei minha tralha no quarto e fui atrás de uma mercearia para completar minhas refeições e comprei um queijo serrano e uma linguiça de Urubici. Estava bem frio e nem me animei dar uma volta. Retornei para o Hostel e tratei de fazer uma janta e estudar a carta topográfica novamente. Lá pelas 22h fui dormir e as 6h tava de pé para o café da manhã.

       
       
      As 7h30min comecei minha jornada, fazia muito frio e os campos estavam brancos da geada. Sai do hostel em direção sul para o vale do Rio Urubici conhecido como “Baianos” logo no início da estrada rural havia uma placa turística informando os atrativos da região. Uma estrada muito bonita, cercado por morros e peraus e coberta de muitas araucárias, havia várias propriedades pelo caminho. Uns 40 min depois passou por mim um carro e logo em seguida parou e cruzei com eles, estavam chegando em casa e me perguntaram para aonde eu estava indo e expliquei meu trajeto. Ele achou muito doido, e disse que não havia visto ninguém ir para aqueles campos, somente os campeiros atrás de algum gado desgarrado. Ele disse ainda que fazia alguns acampamentos pois era escoteiro e admirava os mochileiros, aí completei falando que eu era escoteiro também. Pronto! Me convidou na hora para entrar e tomar um café, assim foi uma hora de prosa e causos. Um bate papo muito bacana, mais eu tinha muito chão ainda pela frente, agradeci pela acolhida me despedi e segui meu rumo.



       
      Logo em seguida fico observando uma propriedade bem bonita quando faço a curva da estrada logo na porteira estava o capataz dessa fazenda arrumando a cerca, mais um dedinho de prosa ali. E mais adiante outra parada para um bate papo. Mas vou dizer que isso foi uma das melhores coisas desta caminhada, poder conhecer um pouco das pessoas que ali nasceram e cresceram e as dicas preciosas que consegui, esse último tinha sido capataz por 6 anos da Fazenda Caiambora, local onde eu ia passar ainda hoje. Ele falou que era loucura acampar naqueles campos, pelo frio que fazia. Me indicou um caminho pelo passo dos momos para ir até lá. Depois adiante havia um cruzamento, indo a esquerda ia para a serra do Bitu, que haviam dito que agora até carro passava e levava até a estrada de acesso do morro da Igreja. A direita seguia para a serra dos Padilhas que também levava ao morro da Igreja porem com transito limitado de veículos. Esse caminho era a continuação dos baianos e seguia pelo rio Urubici.



       
      Ali a paisagem ficou ainda mais bonita, os paredões imponentes de cada lado o rio margeando a estrada e as araucárias por todo o lado. Cheguei na Pousada dos Encantos da Natureza (49-991120278) do Sr. José e da Dona Valsíria um lugar muito bonito, com 3 chales aconchegantes, área para camping e quartos da casa principal. Com certeza retornarei a este lugar para me hospedar com a família. Dependendo do horário de chegada em Urubici, vale a pena esticar até aqui para acampar. Pois esta a apenas 7km de Urubici. Parei mais um tanto ali para uma prosa com o casal e mais dicas da trilha, o Sr. José me indicou uma antiga trilha de tropeiro para vencer aquele paredão e lá encima me direcionou para ir pelo caminho dos momos, fundo dos tigres até a fazenda Lageado, onde seu primo João era capataz, e dessa fazenda subia a trilha até o topo da serra que fazia parte do Morro da Igreja e separava o vale do rio Urubici do vale do Rio Pelotas já dentro de área do Parna São Joaquim. Depois dessa boa conversa com eles, olhei o relógio e já era 10h50 e estava umas 2h atrasado pelo meu cronograma, tirei os casacos e touca, guardei na mochila, tomei uma água e parti para cima.



       
      Era uma trilha bem aberta mais muito erodida e íngreme, do meio dela tinha uma vista bonita do vale, segui adiante até ir adentrando no meio das araucárias até uma bifurcação onde mantive a direita seguindo as dicas do Seu Zé, logo ficou plano e fez uma grande curva, havia várias vacas no caminho, a trilha virou uma estrada e começou a descer, apareceram várias casas e logo uma antiga trilha a esquerda e nessa entrei andando pouco por ela, já alcancei a estrada de novo. Tive logo adiante a primeira vista do Morro da Igreja e do Radar do Cindacta a estrada começou a descer e passei pelo sitio que tinha um açude ali segui reto em outra trilha pouco batida. Ali começava o caminho dos momos. A trilha/estrada ia em curva de nível pelo morro a direita passando pela mata de araucárias, havia alguns pomares de maça no caminho e vacas. Depois a trilha foi fechando e ficando mais barrenta. Próximo a uma vereda parei para comer era 13h30, ali passava também uma linha de transmissão que rasgava a mata e a trilha fechou de vez, com muitos atoleiros das nascentes de água e arroios que estavam presentes em toda a trilha, água não faltava.






       
      Segui o caminho e cruzei de novo com a linha de energia, ali começou a aparecer trilhas a esquerda, mantive a direita e logo depois de passar por uma cancela a trilha batida seguia adiante, e a direita um carreiro subia, consultei a carta topográfica e optei subir pois logo acima havia campos de altitude. Cheguei em um descampado grande e mais acima já via o topo da serra e uma faixa de mata que separava. Fui seguindo os campos e rastreando a mata até que achei uma trilha que subia a floresta e fui subindo até o topo. Uma parada para respirar, tomar água, comer um chocolate e pensar nos próximos passos, pois pelo meu cronograma eu já devia estar na fazenda Caiambora e isso era umas 15h30. Vi um vale muito bonito a direita e acima os campos de Santa Barbara, a esquerda abaixo o vale do rio Urubici e seguindo o caminho dos momos a fazenda Lageado o qual eu já estava acima dela. Fui seguindo a crista dos morros até o cruzamento com a antiga estrada que ligava a fazenda Lageado com a Fazenda Caiambora e ali peguei a direita e fui seguindo a estrada até a borda da serra e o começo da descida, lá embaixo estava a antiga fazenda “abandonada” e recentemente comprada pelo Parna. Logo passei por uma área congelada. Era uma nascente que corria na trilha e ali estava tudo congelado, com certeza a dias, com a vinda do ar polar que por ali passou. A trilha é uma antiga estrada toda erodida e com muito vassourão crescendo, tem dois momentos que a trilha some, mantenha a direita para não se perder e logo a trilha aparece de novo e vai ziguezaqueando até o fundo do vale as margens do Rio Pelotas. Cheguei as 18h na fazenda Caiambora a noite já estava chegando. Bem longe do horário que eu imaginava por volta das 15h, Mas também só de conversa perdi mais de 2 horas... kkkkk





       
      Montei meu acampamento ao lado da taipa de pedra. O frio veio de uma vez, me troquei e pus minha roupa noturna, segunda pele, blusa e lã, moleton e fleece, além dos acessórios de luva e gorro, troquei as meias e ainda acrescentei uma de lã. Montei minha cozinha, fervi água para o jantar e o chá de gengibre com camomila. Fritei a linguiça com alho, joguei a lentilha “vapza” e um pouco de água. Logo já estava pronto. Que delicia ficou. Tomei meu chá e ainda fiquei por ali fazendo algumas anotações do mapa e traçando o próximo dia. Fui dormir.
      Acordei as 6h comecei a arrumar as coisas e ferver água para o café. Preparei meu pão de queijo escoteiro.
      3 colheres de polvilho azedo
      1 colher de leite em pó
      1 pct de queijo parmesão ralado
      1 pitada de sal
      1 pitada de fermento químico
      Prepara-se previamente os secos em casa. Quando for preparar despeje em um prato, acrescente 1 ovo e 100ml de água. Depois é só fritar como uma panqueca. Fica muito bom. Dei uma volta pela redondeza, fui ao banheiro “TUBOSTÃO” todos devem utilizar ele e trazer de volta seus dejetos embora da montanha, NUNCA deixe seus dejetos nessas áreas. Tirei algumas fotos, terminei de desmontar o acampamento e montar a mochila, explorei as redondezas da fazenda e do rio Pelotas onde carreguei água do rio e parti as 8h30.




      Eu iria subir o morro logo em frente, era muito íngreme e no topo haviam alguns cocurutos de pedra onde achei que talvez fosse perigoso passar com a mochila pesada. Desisti e segui margeando a encosta. Não havia trilha e o capim era muito alto o campo estava com muita vegetação o que dificultava caminhar. Fui seguindo até uma pequena mata de vereda. Ali a encosta ainda era muito íngreme mais visualizei uma passagem por entre as rochas lá em cima e parti rumo ao céu. Este trecho todo desde a fazenda Caiambora me atrasou bastante, acredito que o melhor teria sido subir o enorme morro mesmo e passar pelas pedras, pois estando ali em cima elas já não pareciam tão difíceis. Isso já eram 11h achei que estava novamente muito atrasado. Fui seguindo pela crista e parei no topo mais alto para comer. A vista era fantástica, se via bem em frente ao norte o Morro da Igreja, toda a trilha que eu havia feito, os Campos de Santa Barbara, o vale do Rio Pelotas, o caminho que iria percorrer e ao longe ao sul o canyon Laranjeiras e mais ao fundo os ventiladores eólicos gigantes que estão ao lado da Serra do Rio do Rastro, e toda borda da serra Geral e a Serra Furada com seus imponentes picos. Dali vi a trilha que iria continuar e consultei meu mapa, comi umas frutas, chocolate e meu super brownie o qual acrescentei muitas castanhas, whey protein, maca peruana, maltodextrina e dextrose. Meu carbo e barra proteica caseira.

       





       
      Peguei um gás e desci rumo a borda da Serra Geral. Na descida passei por um banhado e logo alcancei a borda dos peraus e fui caminhando até uma subida com vara mato. No topo fui seguindo pela curva de nível o máximo que pude para não gastar energia. Neste ponto meu joelho começou a incomodar, havia uma descida forte e um capão logo depois, contornei o capão e segui varando por dentro numa área bem aberta. A vantagem dos capões de araucárias que em geral são bem limpos e fáceis atravessar por dentro. Já as matinhas nebulares são terríveis pois são arvoretas baixas e com muitos galhos que dificultam atravessar. Sai num pequeno vale bem bonito, peguei o mapa e consultei o relevo e decidi ir margeando o vale ao invés de subir o morro e seguir pelas bordas. Normalmente nessa região da Serra Geral as bordas são mais secas e fáceis de caminhar, pois nos vales e campos aparecem muitas nascentes formando banhados e turfeiras. Neste momento a dor do joelho se intensificou, meti para dentro 1 torsilax e 1 paracetamol. E segui desviando os banhados e mantendo a curva de nível até a margem de uma mata, ali fui procurando e achei uma antiga trilha, bem limpa apesar de apresentar uma vossoroca.




       
      Na saída dela já no campo vi o próximo pinheral a cruzar descendo por entre a mata bem fundo até o vale do rio Campo Bom e a subida do outro lado era bem forte, passava das 16h30 e sabia que não conseguiria e a noite iria me pegar no meio daquela subida, e não seria uma boa ideia para acampar e ainda tinha meu joelho. Com a mapa na mão tracei um novo rumo, vi que o vale do rio Campo Bom dava em uma estrada, e que no meu mapa aparecia uma antiga estrada das serrarias que cruzava o pinheiral que estava a aproximadamente a 3km por cima dos campos em curva de nível, assim o esforço seria menor e poderia achar um lugar melhor para acampar, e assim com novo azimute comecei a jornada, a dor no joelho começava a diminuir por conta das boletas. Fui contornando o morro com o vale logo abaixo e um pinheiral enorme do outro lado do vale e do lado que eu estava passando era só campo, e notei que muitos vales tinham pinheiral em um lado e campo do outro, notei que a mata estava a sul, não sei porque, mas acredito que por se tratar de Mata Atlântica de altitude conhecida como Ombrófila mista, ou seja de área sombreada o lado sul seria realmente a melhor face para elas se desenvolverem, porém não consegui provar minha teoria. No meu caminho divagando sobre a vegetação levei um susto, pois derrepente da minha frente sai um graxaim correndo do meio do nada. Acho que assustei o canino, e ele me assustou também... kkkk. Encontrei a antiga estrada abandonada e fui seguindo por ela quando era 18h achei um lugar plano e bom para o acampamento. Como de costume montei a barraca, pus minha roupa noturna e pulei para dentro da barraca. Entrei no meu saco de manta e pus a agua para ferver. Piquei o alho e a linguiça de Urubici e reservei. Pus um pouco da água fervida na térmica com gengibre e chá para ir tomando e o restante deixei na chaleira, e comecei a fritar o alho e a linguiça e aos poucos jogando agua quente para ir preparando minha fritada. Coloquei arroz e logo depois toda a água da chaleira e o macarrão e deixei cozinhar. Quando estava no ponto joguei um mini pacote de vono, mexi um pouco e pronto! Fui me deliciando com esse sopão que fiz e tomando meu chá. Que maravilha! Depois de bem alimentado “lavei” a louça com papel toalha. Organizei minhas coisas e comecei a rever o mapa novamente. Depois passei um tempo por ali e adormeci.


       
      Acordei as 5h e já tratei de arrumar minhas coisas, passar meu café na minha cafeteira pressca, comer um brownie e desarmar o acampamento. As 6h com lanterna na cabeça e mochila nas costas, parti. Logo entrei na mata, me abasteci de água e fui subindo pela antiga estrada lentamente até o topo e cheguei na margem do pinheiral que estava na borda direita do rio Campo Bom na face sul. A trilha se fechou e bifurcou, sendo que uma voltava na direção que eu havia vindo do dia anterior e a outra descia por entre o pinheiral acompanhando uma cerca em boas condições e recente. Ali havia marca de gado e resolvi seguir, a descida bem íngreme e com muitos xaxins gigantes com mais de 7m um espetáculo da natureza, presumindo que cresce 1cm por ano, estava eu ao lado de plantas com mais de 700 anos, quiçá milenares, e curioso que apesar da exploração massiva das araucárias não havia nenhum exemplar de pinheiro realmente grande, mas os xaxins ainda estavam ali e felizmente não foram derrubados com as araucárias. Durante a descida, derrepente a trilha sumiu, mas a mata era bem limpa por entre os xaxins gigantes e as araucárias, as vezes aparecia algum rastro de gado no caminho e assim fui descendo até chegar a beira do rio Campo Bom, estava com bastante geada ao redor e ainda muito frio. Era um rio com uma paisagem muito bonita, parada para algumas fotos, tirar o excesso de roupa e consultar o mapa, porém cadê o mapa? Tinha perdido ele no caminho, voltar nem pensar, dificilmente acharia o mesmo caminho de volta, ainda bem que eu havia estudado ele e sabia que hoje seria só seguir o rio até a estrada e ai seguir para a cidade com a esperança de talvez pegar alguma carona no caminho. Fui margeando o rio, saltando um banhado ou outro, as imagens das araucárias, com o rio, o branco da geada estavam impressionantes, apesar de já ter visto isso muitas vezes, ainda me causava uma sensação de ser a primeira vez. Passei por alguns cavalos e isso me alertou que já devia estar próximo da estrada, logo adiante vi um galpão e um arroio que precisava cruzar, quando estava prestes a chegar na propriedade não prestei atenção e afundei meus dois pés no banhado!!! Que merda!! Depois de ter passado ileso por todos os banhados acabei me molhando. Atravessei o rio me equilibrando nas pedras e comecei a caminhar em direção ao galpão, achei estrando em não ver fumaça, algo me dizia que não havia ninguém... havia uma mula dentro da área cercada da propriedade, abri a cancela e confirmei que não havia ninguém.







       
      Sai e fui até a estrada que ali era o fim do caminho, e o começo da minha pernada até Bom Jardim da Serra. Parei para um lanche e para pegar água, mas peguei uma água ruim com gosto de terra... então passei por 2 casas que estavam longe da estrada e com fumaça na chaminé. Sai na localidade de Santa Barbara, com a igrejinha e o salão comunitário. Logo adiante tinha uma casa bem na beira da estrada, e o senhor do lado de fora se esquentando no sol e com um velho barreiro do lado. Cumprimentei e falei de onde vinha e para onde estava indo, estava ele e sua mulher que me convidou para um café, agradeci e falei que estava com pressa e pedi um pouco de água só. E segui adiante, uma estrada muito bonita, daria um belo passeio de bike. Eram 20 km até a cidade, neste caminho cruzou por mim somente 2 carros que estavam cheios, mais adiante encontrei um cara numa casa a beira da estrada batemos um papo e segui, quando faltava algo de 5 km bem próximo ao cruzamento da estrada que vinha do canyon laranjeiras um caminhão parou e me deu carona até a rodoviária.


       

       
      Chegando lá era 12h, encontrei com o Sr. Que era responsável pela rodoviária já o conhecia de outras aventuras por ali, ele havia sido 6 vezes vereador da cidade e ostentava um quadro na parede de um gaúcho pilchado com cuia e chaleira na mão que era seu pai. Me disse que o próximo ônibus saia as 15h e ia para Lages e de lá eu podia pegar um ônibus direto para Itajai, me indicou um restaurante no centro para almoçar e lá fui bater um rango forte. Depois fui na tenda da Lili comprar um bom queijo, suco de maça e salame para levar para casa. Peguei o ônibus e cheguei em casa depois da meia noite.
       Agora os planos são fazer o Campo dos Padres.

      SICILIANA fichas e planilhas.pdf
    • Por Vivajando
      Depois do meu último relato sobre como você pode visitar o lugar mais frio do Brasil, falarei hoje um pouquinho mais a respeito das outras diversas opções de passeios em Urubici, uma das mais aconchegantes cidadezinhas da Serra Catarinense.
      A começar por sua localização, Urubici é o lugar perfeito para você se estabelecer durante um roteiro serrano! Além de dispor de excelentes opções de hospedagem (daquelas que farão você se esquecer do resto do mundo!), oferece ainda boas variedades gastronômicas típicas da região e é abundante em atrações naturais!
      Urubici é um descanso para a mente e para a alma! É a cidade perfeita para você cansar o corpo e relaxar a mente! E o que pode ser melhor do que aquela sensação de liberdade que só o contato com a natureza é capaz de nos proporcionar?
      Mas que Cargas d'Água se tem pra fazer em Urubici?
      Cargas d’água” sim, senhor!
      Muitas atrações da cidade envolvem essa temática “água”! Cachoeiras, cascatas, rios…
      Ah! E é importante salientar que todas as atrações requerem o uso de um carro, visto que os atrativos mantêm uma distância considerável uma das outras.
      Lista dos Lugares para Visitar:
      ☞ Leia todo o post neste link aqui: https://www.vivajando.com/2017/11/24/passeios-em-urubici/
      Lá no blog eu comento sobre cada um dos passeios!
      Dê um pulinho lá, comente! Estou aqui pra te ajudar!

    • Por bstorquato
      Entrar em contato com a natureza traz diversos benefícios, sendo alguns deles a diminuição do stress, aumento da criatividade e até a diminuição da pressão arterial. Interessante né?
      Mas por que estou te contando isso num post sobre Urubici?
      Porque visitar Urubici é se conectar diretamente com a natureza, e eu posso garantir que você vai sentir cada um dos benefícios e vai deixar a cidade com a mente tranquila.

      Conheça essa pequena cidade de Santa Catarina, que com apenas 10 mil habitantes, vai te mostrar toda a beleza e imponência da natureza, que se exibe em Urubici de diversas maneiras.
      Descubra o que fazer em Urubici, desvende cada cantinho desse paraíso natural e aproveite ao máximo sua visita a cidade.
      Receptividade, simplicidade e humildade
      Logo ao chegar em Urubici, o que mais impressionou foi a receptividade do povo, que nos recebeu de braços abertos. Um povo humilde, simples e disposto a ajudar, coisa que nem sempre vemos por ai.
      Isso por si só já me conquistou no primeiro dia em Urubici, e tenho certeza que você também será recebido tão bem quanto eu.
      O que fazer em Urubici
      Como já comentei, a cidade é um paraíso natural, onde a natureza se exibe em suas mais lindas formas. Urubici é conhecida principalmente por suas cachoeiras, mas vai muito além disso.
      Descubra agora o que fazer em Urubici, desde os lugares mais visitados até os pouco conhecidos. Ah, e não se perca, pois o melhor ficou para o final.
      Vamos lá?
      Inscrições Rupestres
      Um dos mais importantes registros arqueológicos de Santa Catarina, são inscrições gravadas em paredes de pedras pelos primeiros habitantes de Urubici, que viveram por ali há mais de 4 mil anos atrás.
      Inscrições rupestres
      O principal registro é a Máscara do Guardião. Acredita-se que este lugar era sagrado, e o guardião era quem o protegia. Além desse, há diversos outros desenhos e símbolos interessantes, que apesar de simples, tem valor histórico incalculável.

      Cascata Véu de Noiva
      Subindo para o Morro da Igreja, do qual vou falar mais adiante, encontra-se a pousada Cascata Véu de Noiva, onde está a cascata de mesmo nome.
      Devido à sua inclinação e largura, a água desliza pelas pedras em direção ao solo de modo que forma-se uma fina camada de água corrente, que lembra muito um véu de noiva, dando origem ao nome da cascata e da pousada.
      Parece ou não um véu de noiva?
      Dentro do complexo, além da cachoeira e do hotel, ainda existe um restaurante e uma tirolesa. Chegamos muito cedo para o almoço, mas o buffet estava começando a ser preparado e parecia ótimo!
      Gruta Nossa Senhora de Lourdes
      Também no caminho para o morro da Pedra Furada, a 11 kms do centro de Urubici está a Gruta Nossa Senhora de Lourdes. Uma gruta natural cercada por paredões de pedra, que ainda conta com uma tímida queda d’água de 10 metros.
      A Gruta Nossa Senhora de Lourdes merece uma visita
      Desde 1994 a gruta abriga uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes e atrai diversos turistas e fiéis, que deixam por ali suas homenagens. Mesmo para não religiosos, vale a pena visitar a gruta pela sua beleza natural.
      Cachoeira da Neve
      Sem dúvidas uma das mais lindas e interessantes cachoeiras de Urubici, recebeu esse nome pois no inverno, a água é espalhada pelo vento durante a queda, e vira pequenos flocos de neve que caem suavemente até atingir o chão.
      No inverno, a água congela e cai como neve
      A Cachoeira da Neve está localizada dentro do camping Arroio do Engenho, a aproximadamente 3,4km do centro da cidade. Para chegar até a cachoeira, deve-se fazer uma trilha de aproximadamente 30 minutos, de nível leve.
      Ao chegar, a vista da cachoeira é deslumbrante já a primeira vista, porém, a experiência não acaba por aqui. Você pode seguir uma trilha que chega atrás da água.
      Por trás da cachoeira
      Morro do Campestre
      Também conhecido como Morro da Cruz, oferece uma das vistas mais lindas da região. A subida é parte de carro, parte caminhando. Uma subida leve, de aproximadamente 15 minutos.
      Formações rochosas no Morro do Campestre
      No topo, você vai encontrar formações rochosas de arenito, que ficam a 1.380m de altura. Esse é o ponto principal, mas caso você queira se aventurar um pouco mais e ter uma vista ainda mais incrível, você pode continuar até o final da trilha, que é mais pesada, sendo quase uma escalada em certos pontos.
      Morro da Igreja e Pedra Furada
      Esse talvez seja o principal motivo para as pessoas visitarem Urubici, e também é um dos maiores cartões postais da cidade, junto com a Cascata do Avencal, que vou mostrar pra você daqui a pouco.
      O que muitos não sabem, é que na verdade a Pedra Furada está em território de Orleans, porém, a melhor vista dela é mesmo de Urubici. Então fique tranquilo, você está no lugar certo. 
      Vista do morro da Igreja, Pedra Furada ao centro. Foto: Kiko Luis Ricardo @kikoluisricardo
      Para chegar ao Morro da Igreja, são aproximadamente 30km saindo do centro do Urubici. Todo o trecho é asfaltado, porém de péssima qualidade. Recomendo dirigir com cuidado para evitar os buracos.
      Curiosidades:
      É o ponto habitado mais alto do sul do Brasil; É onde foi registrada a temperatura mais fria do país, -17,8 graus; A altitude á de mais de 1800m. O melhor horário para ver a Pedra Furada é durante a manhã, pois a chance do tempo estar aberto é maior. Mas eu não tive essa sorte, e acabei vendo só nuvens.
      Caverna Rio dos Bugres
      Esse está aqui mais como informação do que como recomendação. Na verdade são pequenos túneis interligados, que ficam em uma propriedade particular, também no caminho para o Morro da Igreja.
      Há diversas teorias do surgimento desses túneis, sendo uma delas que os túneis serviam de abrigo para os índios, que ali dormiam para se proteger do frio intenso da região. Já outra conta que os buracos foram feitos por tatus gigantes.
      O passeio é rápido, e é recomendado levar lanterna para passear por entre os túneis.
      Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens
      Construída entre 1965 e 1973, a igreja matriz de Urubici contempla 31 comunidades. Tem uma arquitetura única e totalmente diferente de qualquer outra igreja que eu já tenha visto. A Imagem de Nossa Senhora Mãe dos Homens que está nessa igreja, veio de barco do Rio de Janeiro em 1930.
      Arquitetura única e impressionante
      Mirante de Urubici
      A caminho do parque Cascata do Avencal, que você vai conhecer daqui a pouco, e também muito perto das inscrições rupestres, está o mirante de Urubici. Um lugar bacana que oferece uma bela vista da cidade.
      Vista linda de Urubici
      Serra do Corvo Branco
      Também um clássico da região, a Serra do Corvo Branco é sem dúvidas imperdível. Saindo de Urubici, você vai chegar ao topo da serra, de onde tem-se uma vista fantástica da região, que abrange paredões de pedra enormes.
      Serra linda, porém perigosa
      São 30km de estrada de chão do centro do Urubici até a serra, e já vou avisando, a estrada é horrível. Mas também já digo que vale muito a pena. Visitar a Serra do Corvo branco definitivamente deve estar na sua lista de “o que fazer em Urubici”, pois a vista é sensacional!
      Ali você vai contemplar o maior corte em rocha basáltica do Brasil, que se impõe com seus paredões de até 90m de altura. Estima-se que essas montanhas tem mais de 160 milhões de anos.
      Maior corte em rocha basáltica do Brasil!
      Ao descer a serra, que é oficialmente a SC-370, chega-se a Grão Pará, porém não é recomendado descê-la. A estrada é ruim e deslizamentos acontecem com frequência, tanto que a serra é interditada diversas vezes durante o ano. Visitar o topo, por outro lado, é totalmente seguro.
      Parque Cascata do Avencal
      Lembra que eu falei que o melhor ficou pro final né? Então conheça o Parque Cascata do Avencal, ponto turístico clássico e cartão postal de Urubici.
      Localizado a 6km do centro de Urubici, o parque conta com hotel, restaurante, lago com pedalinhos, tirolesa e a famosa Cascata do Avencal.
      Tirolesa de Urubici. Tem coragem?
      A tirolesa tem 200m de comprimento, e passa por cima da cascata, oferecendo uma vista fantástica e única do lugar. A velocidade é controlada e lenta, então não há muita adrenalina, a não ser pela altura, que pode assustar, pois a cascata tem 120m de altura.
      Cascata do Avencal – Parte Alta
      A cascata pode ser visita por dois ângulos, a parte alta e a parte baixa. Para visitar a parte alta deve-se ir ao Parque Cascata do Avencal, onde paga-se entrada. Chegar até lá é fácil, basta seguir as placas indicando. Confira no mapa ao final do post a localização de todos os pontos turísticos de Urubici.
      Parte alta da Cascata do Avencal
      Cascata do Avencal – Parte Baixa
      Já o acesso a parte baixa da cascata é um pouco mais complicado. No caminho para o parque, saindo do centro de Urubici, deve-se entrar em uma rua à direita, seguir até onde der de carro e depois fazer uma trilha de aproximadamente 800m.
      Parte baixa da Cascata do Avencal
      A trilha é de nível leve, mas dependendo de como esteve o tempo nos últimos dias, pode haver pedras escorregadias. Ao final da trilha, a incrível Cascata do Avencal, vista de baixo. Se o tempo estiver bom, você pode até aproveitar para tomar um banho no lago que se forma ao pé da cascata.
      A gastronomia de Urubici é única, e seus restaurantes, apesar de simples, oferecem pratos de altíssima qualidade, muito saborosos e com preços ótimos.
      Agora que você já sabe o que fazer em Uribici, bora descobrir o que e onde comer?
      Onde comer em Uribici
      Zeca’s Bar
      O prato mais típico de Urubici é a truta, que pode ser apreciada de diversas maneiras. Um dos melhores lugares para experimentar esse peixe tradicional de Santa Catarina é o Zeca’s Bar. Eu experimentei a truta ao alho, um prato muito bem servido e saboroso.
      Truta ao alho no Zeca’s Bar
      E além da truta, no Zeca’s você também encontra pratos feitos, como arroz, feijão e bife, ou até pizzas, que é uma das especialidades da casa.
      Posto Serra Azul
      Sem exagero, esse é um dos postos de combustível mais legais que já vi. Já de cara você vê um carro antigo, com metade estacionado para fora e outra metade para dentro da conveniência do posto. O carro na verdade foi transformado e serve de caixa. Muito legal né?

      E além disso, toda a decoração é no melhor estilo americano, com placas por todo o lado e meses feitas com peças de carro. Tudo pra dar um charme.

      A melhor parte, no entanto, é a comida. No posto Serra Azul eles vendem um delicioso sanduíche de truta, normal ou defumada. Eu fui no com truta defumada, acompanhado de uma boa cerveja artesanal da região.
      Sanduíche de truta defumada. Uma delícia!
      Pousada em Urubici
      Não adianta você ter uma lista enorme dessa sobre o que fazer em Urubici se você não sabe onde vai se hospedar, não é mesmo?
      Eu tenho uma boa notícia pra você: Em Urubici você vai encontrar ótimas opções de hospedagem.
      Em fiquei da área de camping da Pousada Nossa Senhora das Graças, que oferece o tipo de hospedagem rural. A área de camping é muito bem estruturada, com cobertura, tomadas dentro da área coberta, chuveiros a gás e churrasqueiras.
      Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças
      Mas também há chalés muito charmosos na pousada, e confesso que deu uma vontadinha de me hospedar em um deles. São chalézinhos de madeira, muito bonitos e aconchegantes.
      Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças
      Há também um galpão, que abriga uma cozinha bem completa e área de lazer, com mesa de sinuca e tênis de mesa. Ou seja, tudo para sua hospedagem ser perfeita.
      E tem mais! Acredita?
      A Pousada Nossa Senhora das Graças é muito bem localizada, bem pertinho do centro, onde ficam os postos de gasolina, mercados e restaurantes.
      Jogando tênis de mesa na pousada
      Pra mim, o atendimento é super importante, e nessa pousada esse ponto vai além das expectativas. A senhora que é dona da pousada foi muito gentil, ajudou com tudo o que pode e me recebeu muito bem!
      Gostou dessa opção de hospedagem em Urubici? Você pode verificar os valores e disponibilidade clicando no botão abaixo.
      Verificar disponibilidade
      Pra não se perder ;D
      Encontre no mapa abaixo a localização de todos os lugares citados nesse post.

      Visite Uribici
      Visitar Urubici é muito fácil, tranquilo e prazeroso. Além de tudo o que eu já mencionei aqui, a cidade é muito bem organizada e sinalizada, ou seja, é fácil achar todos os pontos turísticos mesmo sem um GPS.
      Se você quiser ver tudo o que está listado nesse post, 3 ou 4 dias são o ideal, mas se quiser focar apenas nos mais famosos, sua viagem pode ficar com 1 ou 2 dias.
    • Por beatrizz
      Olá!! Hello! Hola!! 
      Pra quem gosta de cerveja artesanal, tem que conhecer Blumenau e Pomerode! Lá tem diversas cervejarias e cervejas pra todos os gostos! Mas não é só isso. 
      Conheci Blumenau em Outubro/17. Fiquei na pousada do Gaudino, que é muito bem estruturada, limpa e próximo do Parque onde tem o Morro do Spitzkopf (nome alemão). Na estrada pro Morro você passa por uma vila bem tradicional alemã, como é da cultura, muito bem cuidada. 
      Chegando no parque você paga uma pequena taxa (acho que 10 pila) e pode fazer a trilha de subida ao morro e as trilhas das cachoeiras. Tem uma senhorinha que cuida lá, ela é da Polônia (ou algum lugar por lá). 
      1. Morro do Spitzkopf : pra subir leva cerca de 2:30 horas, em ritmo leve. Dá pra beber água da subida (pelo menos bebi e não acontece nada haha). Logo na primeira parte a trilha é uma estradinha, depois vira trilha mesmo. Dá pra ouvir muitos pássaros, alguns eu nunca tinha ouvido. Chegando no topo o visual é deslumbrante! Bom pegar um dia aberto. 
      2. Cachoeiras : descendo o morro, depois você pode fazer as trilhas das cachoeiras, eu fiz 3. Todas perto, cerca 15 min a 30. Em duas delas dá pra tomar banho. Uma delas é bem funda e perigosa. 
      Passei umas 7 horas caminhando no parque, tem coisas pra fazer todo esse tempo.
      3. Pomerode: saindo de Blumenau fui a Pomerode, é uma cidadezinha muito aconchegante. Fui fazer um pedal com o pessoal da Seledon, muito profissionais. Saimos da cidade, fazendo 30 k na estrada de chão. Até uma casa bem antiga e típica alemã, e conhecemos duas cachoeiras lindas no interior.  
      Simples, fácil e muito massa. Dá pra fazer sozinha (como maior parte das viagens) 
      Fotinhas logo ali. 










       

×
×
  • Criar Novo...