Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

ThaísMacedo

Panamá - Costa Rica - Nicaragua - duas amigas rodando 22 dias pela América Central

Posts Recomendados


Em 07/07/2017 em 23:56, Duke disse:

Fala, Thaís! Excelente (e engraçado) o seu relato. Ri sozinho diversas vezes.

Nem sei se você vai ler meu comentário porque a gente escreve as coisas aqui no Mochileiros e depois esquece da vida...

Vou fazer um trajeto muito parecido com o seu. Retirei dos planos as praias do Pacífico e Nicarágua-Boladona.

O seu relato me deu maior segurança na hora de atravessar a fronteira Panamá-Costa Rica.

Valeu, mesmo.

Não deixe de ir à Jericoacoara/Ceará e Lençois/Maranhão. Qualquer outra praia do mundo fica no chinelo.

Bjs,

Cadu

Duke obrigada, mas é o que vc falou, a gente posta e esquece da vida. Desculpe a demora. Vc já fez a sua viagem? Como foi? 

Esse ano fui pros lençóis e vi o paraíso na terra. Realmente deixa os outros lugares no chinelo. Ainda preciso conhecer Jeri :)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por raquelmorgado
      Europe/Lisbon Abril 17Europe/Lisbon 2018 MANÁGUA, A MARCA DO QUE SE DESMORONA QUANDO O CHÃO TREME (NICARÁGUA)
      Nicarágua não estava no nosso roteiro inicial, em que o plano era seguir da Costa Rica para o México. Depois de conhecermos viajantes que tinham passado três meses no México, percebemos que ficar só uns dias, e numa época de chuvas, nos ia saber a pouco, então desistimos, ou melhor, adiámos. A escolha de incluir Manágua nestes cinco meses teve a ver com a ligação mais barata a Miami, cidade de onde regressaríamos a Portugal. Quando decidimos ir sabíamos que havia zonas muitos mais interessantes, como Granada, San Juan del Sur (tínhamos visto um hostel ótimo), a ilha de Ometepe, as Ilhas del Maíz, Léon, entre outras, mas Manágua era a cidade de onde partiríamos e nesta altura não queríamos arriscar grandes aventuras.
      Chegámos a Manágua cedo, cansados, e sem muita vontade de aturar taxistas. O terminal era a 800m do hostel, mas os taxistas começaram a dizer que o bairro é perigoso e não recomendam a caminhada. O que se faz? Arrisca-se? Epá, não chegámos até à última semana de viagem pela América para algo correr mal agora. Negociou-se com o taxista (1 USD cada um de nós) e ele lá nos deixou à porta do hostel.
      A viagem foi curta e a paisagem é a de uma pequena cidade, com prédios baixos, muito comércio de rua, não a típica capital que estamos habituados.
      Depois de descansarmos (já não temos vida para aguentar palmilhar uma cidade quando não descansamos convenientemente), vamos então passear pela cidade. Caminhámos, de dia é seguro, de noite deve-se regressar de táxi. Temos de confessar que a cidade não nos impressionou, não como capital do país. A cidade até tem potencial, fica junto a um lago gigante, onde encontramos alguma vida, mas muito cara para o que oferece. Parece estranho, não é? É cara, estávamos à espera de outros preços.
      Manágua fica na margem sul do lago Manágua e dizem que é a capital por ficar entre León e Granada. Foi criada por indígenas como vila de pescadores e o seu nome deriva de mana-ahuac, ou seja, cercado de água. Durante todo o período colonial foi tratada pelos espanhóis com desinteresse. Após a independência do país, em 1821, houve intenções de a tornar capital, mas, só em 1846 é que se tornou cidade e em 1852 finamente foi nomeada capital.
      O que fazer?

      Para ter uma vista panorâmica da cidade tem que se entrar no Parque Histórico Nacional “Loma de Tiscapa”. Para estrangeiros custa 1 USD, pode-se entrar de carro/autocarro, mas cada opção tem um preço diferente. Sobe-se a encosta e vai-se até à zona onde era o Palácio Presidencial, inaugurado em janeiro de 1931. Onde era e já não é, porque após o primeiro terramoto (1931) ficou parcialmente destruído, mas foi reconstruído. Após o segundo terramoto (1972) decidiu-se deixar assim e não voltar a reconstruir. Este palácio faz parte da história do país, não só por ter sido usado como palácio, mas porque a sua cave foi utilizada para torturar pessoas. No edifício conhecido como “La Curva” morava o chefe da Guarda Nacional. Também ficava na mesma zona, junto à cratera do vulcão, o lago de Tiscapa.

      Os calabouços onde eram torturados e mantidos os presos eram chamados de “El Chipote”. Em julho de 2017 estavam duas exposições nos calabouços, um pouco confusas para quem não conhece a historia do país. Uma sobre as noites de tortura, outra sobre a história da cidade, principalmente a destruição causada pelo último terramoto.


      O Puerto Salvador Allende é uma zona moderna, junto ao lago, onde cobram 2 USD de entrada, dando acesso a uma zona de restauração, espaço de eventos e pista de karts. É das zonas mais caras para jantar.

      O Tiago pediu uma mechilada em vez de só cerveja e sentiu que tinha estragado a cerveja. Se não sabem o que é, um dia explicamos.

      Passear pela cidade de noite de táxi, passar nas principais ruas para ver as iluminações. Na praça Hugo Chavez há um busto desta personagem, iluminado, e umas árvores gigantes coloridas, também iluminadas, que vão até à margem do lago, dando um efeito engraçado à cidade.

      A Catedral de Santiago, em ruínas desde o terramoto de 1972.

      O Palacio Nacional tem agora no primeiro andar um museu onde exibe a cultura nahuatl. A biblioteca é grátis e o museu custa 5 USD. Fica na mesma praça que a Catedral, a Plaza de La Revolución.

      Junto ao Palácio está La Glorieta (Templo de la Musica) e a estátua homenagem a Ruben Dario, poeta.

      O Museo Sítio Huellas de Acahualinca exibe as marcas deixadas por povos ancestrais na região do lago preservadas por uma erupção (4 USD).
      A Catedral Metropolitana de la Puríssima Concepción foi concluída em setembro de 1993 e a visita é gratuita. Agrada a alguns pela diferença.
      O Parque La Paz e o Parque Luis Alfonso Velasquez, onde procurámos sombra e descansámos.
      Junto aos parques encontra-se o Centro de Convenciones Olof Palme.
      Como circular:
       Os táxis não têm taxímetro. Até ao aeroporto são 120 NIO (3,1€) e para sair do centro até ao hostel custou-nos 60 NIO.
      De dia percorremos a cidade a pé, ao anoitecer sempre de táxi, os privados. Os collectivos são tipo autocarros, param para apanhar clientes até não haver mais lugares, ou melhor, até não caber mais uma alma lá dentro.
      Onde comer:
      Comemos a maioria das refeições no Centro Comercial Managua, mesmo o pequeno-almoço. Também fomos ao porto, mas achámos caro, como já referimos. Não temos nenhum sítio que se tenha evidenciado.
      Onde dormir:
      Casa Liz, era um hostel limpinho, simpático, barato, com quarto particular. Tem um terraço com umas hamacas que dão belas sestas.

      Vale a pena?
      É uma cidade nostálgica, onde é evidente a destruição dos terramotos de 1931 e 1972, porque muita coisa não foi reconstruída. Não é das cidades mais seguras onde estivemos, sendo recomendado não abrir os vidros dos táxis, mas não temos razão de queixa, tomando todas as medidas necessárias.
       
      365 dias no mundo estiveram 3 dias em Manágua, de 2 a 4 de julho de 2017
      Classificação: ♥ ♥
      Preços: médio
      Categorias: cidade, cultura
      Essencial: Catedral, Loma de Tiscapa, Puerto Salvador Allende
      Estadia Recomendada: 2 dias

       
    • Por Jadson Mello Santos
      Pessoal , moro em Salvador e estarei indo para Costa Rica em Março ano que vem , alguém sabe dizer quanto custa uma prancha de lomgboard em Jacó? 
      Prefiro ir de mochila , não quero alugar carro , fora o valor do carro , tem o valor do caução, prefiro pegar ônibus . Não sei como é o trânsito por lá. Outra coisa as despesas com taxas de transporte de prancha sairia muito caro e depois poderia vender a prancha lá mesmo. 
      Alguém poderia me dar uma dica ?
    • Por Jadson Mello Santos
      Boa tarde , 
      Tenho 2 dúvidas: 
      Vale a pena ir para Costa Rica como mochileiro e comprar a prancha de lomgboard lá e depois revende-la ? 
      Moro no Nordeste e estou querendo fazer um pacote turístico , mas achei que poderia usar meu dinheiro lá,  usufruindo de mais coisas lá , prefiro ficar em hostel e não em hotel caro e ainda por cima alugar carro com seguro caro . Acredito que pegando onibus , vou economizar bastante !  Quanto será que custa um lomgboard na Costa Rica usado ou novo ? Não sou marinheiro de primeira viagem , mas é sempre bom pesquisar já que o País é novo para mim . Já morei em alguns paises na Europa e sei como a banda toca por lá , mas América Central é como pisar em ovos para mim . Agradeço pelas dicas .
      Obs : o porque da ideia de comprar o lomgboard lá:  teria primeiro que comprar uma viagem trecho salvador - são Paulo,  não sei quanto seria a taxa desse percurso para a prancha , depois um percurso pagando 100 dólares de ida e volta da mesma , teria que alugar um carro,  fora o trabalhão que ia dar . A melhor coisa saltar do avião e pé na estrada .  Sabe dizer se lá tem aluguel de moto ? Seria também uma ótima pedida !
      Saudações,  
      Jadson Santos.
    • Por Breno Maia
      Olá, amigos e amigas. Pretendo ir ao México final do ano (e torcendo para esse dólar dar uma baixada!!!). Tava vendo q pela Copa Airlines tem uma conexão no Panamá e me interessei em dar uma leve passada no Canal. Porém, nos horários mais flexíveis que vi, chegaria ao Panamá umas 18h e o vôo para o México sairia 11:40 do dia seguinte. Tem alguma possibilidade de horário para visitar o Canal??? Achei bem apertado e creio q lá não funcione para visitação à noite...
      Quem puder ajudar ficarei super feliz! Grato desde já.
    • Por pqd91391
      Salve comunidade!!
      Vou passar 10 dias (Dezembro 2019) das minhas férias em algumas cidades da Costa Rica. Meu projeto é curtir a natureza fazendo trail running pelas diversas trilhas nos parques naturais que tem por lá. Principalmente, porque acredito que vivenciar a natureza de maneira intensa e através da prática de esportes nos ajuda a nos auto-conhecer e curtir o melhor da vida. Não tenho nenhum roteiro fechado ainda, mas tenho um esboço das corridas, trilhas e travessias que pretendo fazer. Se tiver alguém na área que curtiu a ideia, vamos conversar e se tudo der certo partir junto! Vai ser irado demais compartilhar essa experiência de vida.
      Valeuu!!


×
×
  • Criar Novo...