Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Entre para seguir isso  
doispassos

Réveillon 2018 em Boipeba - De carro a partir de Salvador - Infos e preços

Posts Recomendados

Olá, 

Compartilho abaixo algumas infos da experiência de viajar a Boipeba de carro saindo de Salvador. Preços de dezembro de 2018.

Roteiro

Todos sabem que há quase 20 maneiras de chegar à Boipeba. Carro, avião, lancha, ferry, ônibus... Estávamos de carro e decidimos ir pela estrada o máximo possível, isto é, chegar até o ponto mais próximo da ilha e navegar o mínimo possível.

Por quê? Opção pessoal. Gostamos de estrada. Fomos de Salvador até o Cais de Torrinhas, onde pegamos uma lancha para Boipeba. Esse roteiro passa por dois outros pontos onde é possível pegar lancha: Valença e o Cais da Graciosa. 

Nosso roteiro foi o seguinte:

Salvador via BR 324 até o "viaduto de Santo Amaro" (cerca de 60 km de Salvador);

Pegamos o viaduto e segue até Santo Amaro pela BA 420.

Passamos por dentro da cidade, continuando pela BA 420 com destino a Cachoeira.

Cruzamos Cachoeira por dentro, atravessamos a ponte sobre o rio Paraguaçu, chegamos à São Félix (fica do outro lado do rio).

Atravessamos São Félix e seguimos em direção a Maragogipe.

Observação: a partir daqui a estrada estava em obras. Havia trechos de asfalto novo, mas sem faixa ou acostamento, e trechos (muitos) sem capa, o que obriga a reduzir a velocidade para uns 40 km por hora. Sim, isso atrasa bastante a viagem.

Não precisa entrar em Maragogipe. Você vai apenas passar em frente à entrada da cidade, que estará à sua esquerda. Continue em direção à Nazaré das Farinhas.

Depois de São Félix, a direção é Sul. Passamos por um povoado chamado Coqueiros a caminho de Maragogipe.

Obs. Aqui é um bom lugar para comprar panelas de barro (como as feitas em Pernambuco). Atente também para a vista do rio Paraguaçu. O caminho tem subidas e descidas. Nas partes altas, dá para tirar foto mesmo com o carro em movimento. A partir de São Félix perdi o sinal de celular Claro, só o Vivo funcionou. 

Seguindo, passamos pelo lugarejo de Guaí. À frente, uma bifurcação: seguimos pela esquerda, em direção a São Roque do Paraguaçu. É importante ter os nomes das cidades porque isso facilita na hora de pedir informação para os moradores. Nunca diga o destino final, porque existem vários caminhos. Diga sempre a cidade mais próxima dentro do caminho que você quer fazer. 

Rumo a São Roque, o caminho vai para o leste. Em seguida, nova bifurcação, rumo ao sul de novo. Se seguíssemos a leste, acabaríamos na Ilha de Itaparica. É nessa estrada, mas no sentido oposto, que os carros que vêm pelo ferry boat passam. Descemos para sul com destino a Nazaré. 

Atravessamos Nazaré com destino a Aratuípe e em seguida, Valença. Almoçamos aqui.

Obs. o rio Una, que cruza Valença, tem duas avenidas paralelas a ele, como duas margens. Para quem vem do norte, assim que se chega ao rio, encontram-se restaurantes de comida por quilo. Na ida, almoçamos em um simples, para quebrar o galho apenas, com preço bom. Na volta, entramos no restaurante Mega Chic, também por quilo. Lá a comida custa 46 reais o quilo, mais caro do que o anterior. Para quem puder gastar esse tanto a mais, vale a pena. Muita variedade, comida fresca, bem feita, de lasanha a moqueca de aratu. Recomendo.

O destino seguinte é Taperoá, passando por Maricoabo. Sempre descendo para Sul, sempre pela BA 001.

Depois de Maricoabo, passamos pelo Cais da Graciosa e mais à frente chegamos a Nilo Peçanha. Atravessamos a cidade e saímos para Leste. 

Obs. Nesse ponto, deixamos a BA 001, que nos levaria mais para o Sul, e entramos na BA 884, com destino a Cairu e Torrinhas. A BA 884 está parcialmente asfaltada. De Nilo Peçanha até Torrinhas são 19 km. Os primeiros 12 estão asfaltados e são novos. A estrada é bem sinalizada, mas é bem sinuosa. Os últimos 7 km são de barro, mas barro duro. 

Finalmente, chegamos a Torrinhas. Deixamos o carro no estacionamento de Eri, que também faz serviço de travessia de lancha. A viagem pelo mangue leva cerca de 20 min até Boipeba. 

 

Informações, observações e preços

Pagamos 15 reais por dia para deixar o carro. Contato de Eri: 75 9994-5156. Recomendo combinar com ele antes, via Whatsapp, dia da chegada, preço, quantas pessoas. 

Pagamos 30 reais por pessoa para atravessar para Boipeba. Na estrada, fomos avisando a Eri do nosso progresso. Ele disse que a lancha sairia na hora em que chegássemos, isto é, não havia um horário limite, como em Valença ou Graciosa, para a última lancha. Isso dito, é bom chegar sempre durante o dia.

Ao chegar no cais de Boipeba, contratamos um carregador para nossas bagagens. Para 30 minutos de caminhada ele cobrou 50 reais pela viagem. Estávamos hospedados em uma região distante da Velha Boipeba (ou da Vila, como os nativos chamam, que é a parte central de Boipeba). Para quem vai de mochila apenas, é tranquilo ir sozinho. Mas, além de roupas, estávamos carregando equipamento de mergulho, comida e bebida. 

Cuidado com informações sobre distância dada por pousadas de Moreré. A chegada em Boipeba é pelo cais. No cais já começa a vila. Mas, para quem vai para Moreré, é preciso caminhar uns 20 minutos até o ponto do trator. De lá, pega-se um trator (10 reais por pessoa) ou um quadriciclo (20 reais por pessoa para Moreré; cada quadricilho leva duas pessoas com bagagem leve. Alguns podem carregar bagagem na frente, outros, não tem onde amarrar. Alguns quadriciclos se dispõem a levar 3 ou 4 pessoas, mas isso não é seguro para quem vai na frente). O trator deixa na entrada da vilinha de Moreré. A depender de onde for seu camping ou pousada, coloque mais 10-15 minutos de caminhada. Ouvi um relato de turistas que achavam que os carregadores do cais de Boipeba exageram as distâncias para cobrar mais. Portanto, se você for ficar em Moreré ou em um lugar mais afastado de Boipeba, certifique-se da distância. 

Não achei sinal de celular em Boipeba, nem Vivo nem Claro. Casas de alguel e pousada têm wifi. É interessante agendar quadriciclo, carregador, passeios sempre de casa. As pessoas com quem tratei sempre foram pontuais, a lancha, o carregador, o quadriciclo. É só marcar o horário e o lugar que eles aparecem. Durante o réveillon, os quadriciclos operam 24 horas. Portanto, dá para, por exemplo, se hospedar em Boipeba, ir para Moreré de trator à noite, agendar com um quadriciclo de madrugada ou de manhã, e voltar. 

Os quadriciclos e tratores não entram na vila. É proibido. Sua área de atuação é entre Boipeba e Moreré. Eles também podem te levar para mais próximo da Cova da Onça, uma praia mais ao sul. 

Outra maneira de chegar de Boipeba a Moreré com pouca bagagem e a pé: espere a maré ficar baixa. Siga do cais de Boipeba em direção ao ponto do trator (15-20 min caminhando). Lá, informe-se sobre como chegar na Praia da Cueira (15 min.) Esse caminho é pela areia fofa, mas há uma trilha que sai da estrada e corta um pouco do caminho pela vegetação. Vale a pena, o solo é mais duro e menos quente. Na praia da Cueira, vire à direita (se você está de frente para o mar). Ou: siga no sentido oposto ao da Barraca do Guido (a mais famosa). Guido fica no limite da Cueira com Tassimirim. Você vai seguir para o lado oposto, pela beira do mar. Chegando no lado oposto (15-20 min caminhando), você encontrará um rio. Se a maré estiver baixa, atravesse e entre em uma pequena trilha. Ante uns 5-10 min. e você já estará em Moreré. Daí para a vila de Moreré, pela praia, são uns 25 min de caminhada mais ou menos. Mas é um dos trechos mais lindos que já vi. 

 

Comida na praia

Em Boipeba, na praia da Cueira, a barraca do Guido é a mais famosa e a maior. É a barraca que recebe passeios de um dia do Morro de São Paulo. É também uma barraca "chique" (?), da moda. Não comi lá, mas soube por uma amiga que é muito bem feito, de qualidade. Alguns preços que encontrei nessa barraca:

Cerveja Heineken 600 ml 20 reais;

Casquinha de siri 25 reais;

Lagosta entre 120 e 150 reais;

A barraca que eu mais gostei foi a da Karol. Lá fazem um excelente pastel de camarão que vale por uma refeição. Como tira-gosto, dá para dividir para duas pessoas. Preços da Barraca da Karol:

Cerveja Heineken 600 ml 15 reais; 

Cerveja Heineken Longneck 10 reais;

Pastel 13 a 15 reais (depende do recheio);

Moquecas de 50 a 90 reais (3 a 4 pessoas comem muito bem);

PF (moqueca para 1 pessoa com acompanhamentos) 25 reais;

Outras barracas fazem pastel de camarão também, mas o da Karol é o melhor de todos, em tamanho, recheio e tempero. 

Uma vez comi um PF de peixe frito (posta de peixe) na barraca do Tadeu (o nome não é esse, Tadeu é o dono). Preços:

PF de peixe, feijão, arroz, salada e farofa 20 reais;

Outro detalhe de Tadeu: levamos nosso isopor com cerveja comprada no mercado e sentamos na mesa dele para consumir apenas a comida. Problema nenhum. Ficamos a tarde toda lá.

 

Mercadinhos

Água mineral 300 ml 2,50 reais;

Água mineral 1,5 litros 4 reais;

Cerveja Heineken natural 5 reais (em Salvador é 4,50);

3 kg de gelo filtrado no pacote 10 reais;

1 kg de gelo de água de torneira 2,50;

Vale a pena fazer pesquisa de preço. Tem mercados que cobram até 30% mais do que outros. 

 

Comida na vila

Beijú (ou tapioca, como queira): de 6 a 10 reais;

Pizza: a partir de 35 reais com 6 fatias;

Hamburguer em lanchonete e restaurantes arrumados: 30 reais;

Hamburguer em padaria: 10 reais;

10 pães: 4 reais;

Misto quente: 4 reais;

Acarajé: 6 reais;

Açaí 300 ml: 15 reais (em Moreré, no carrinho, na praia, achamos por 10 reais no fim da tarde). 

Obs. Por favor, se for à Boipeba, leve em conta que é um vilarejo de praia que lota 3 vezes no ano e depois fica esvaziado. Não espere profissionalismo de capitais no atendimento, sobretudo nas barraquinhas. As coisas demoram de ser feitas, o processo é confuso. Vi muita gente (gringos e brasileiros) tratar os atendentes com grosseria e autoritarismo por causa de um beijú que demorou de chegar. 

 

Prós e contras do roteiro

De Salvador a Torrinhas são apenas 296 km. Porém, por conta dos trechos de estrada esburacados ou incompletos, espere fazer essa viagem em 5-6 horas. 

A parte boa é evitar a 101 e o tráfego de caminhões, que pode ser chato. Nosso roteiro seguiu por estradas secundárias, ofereceu vistas mas pecou em estrutura. 

Eu repetiria o roteiro? Sim, repetiria. Mas para fazê-lo é preciso não ter pressa, sair de casa cedo e ter algum espírito de aventura. 

Na saída de Torrinhas rumo a Salvador, há dois ou três trechos íngremes. Em um deles foi preciso fazer duas tentativas para o carro conseguir subir. Quando e se asfaltarem essa parte, será mais simples. Mas não imagino passar ali depois de uma chuva. 

Para quem gosta de estrada, vale a pena. O barco de Torrinhas a Boipeba leva 20 minutos. Para quem quer estradas boas (?), sugiro pegar o ferry boat em Salvador e a lancha em Valença.

Boa viagem.

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por rafael.gomes.3975
      Ola a todos.
      Estarei na Bahia entre os dias 12 e 25 de outubro, e viajarei entre Salvador e Itacaré, passando por Morro de São Paulo e Maraú. Gostaria de saber se alguém conhece algum grupo de canoagem ou caiaque nestas cidades. Se souberem, teriam como me enviar contatos.
      Obrigado.
    • Por Débora Soares Coutinho
      Olá, pessoal!
      Quem aí vai pra Caraíva no final de setembro, avisa aqui nos comentários!
      Outra coisa, queria saber se nos arredores tem alguma trilha pra fazer? 
      Abraços! 
       
    • Por Cah Machado
      Essa é uma das poucas trilhas que já fiz, porém foi a mais linda e mística para mim. Feita no início de 2018 um tempo após o Réveillon.
      Foi feita com meu ex companheiro na época, que já tinha feito outras vezes e possui bastante experiência em trekking.
      Para quem não conhece, essa trilha era uma passagem feita antigamente pelos tropeiros com seus animais levando alimentos e outras coisas ao povo das comunidades próximas.
      Cheguei cedo em Lençóis por volta das 5:40, e então comecei a fazer a trilha seguindo pelo Hotel Portal de Lençóis onde se inicia uma subida para a trilha, distanciando do barulho da cidade já se notava o silêncio e o som dos pássaros.
      O início da trilha você ainda vai passar por umas casas até ver apenas a natureza e mais nada.
      É uma trilha de muita subida no início e em sua maioria por Lençóis ficar em nível abaixo do Vale do Capão. Levem bastante água pois essa parte da trilha é cansativa.
      Nessa primeira foto mostra a primeira subida e Lençóis ao fundo, uma paisagem sensacional.
      Essa trilha é composta por muitos paredões, o que deixa um pouco cansativa no início pelas subidas. O lindo é que no meio dessas rochas podemos contemplar a beleza da vegetação nativa, com bromélias brotando entre as pedras, cactos exóticos com total exuberância, lindos de ver.
      Após um tempo de subida vem um córrego onde fizemos o primeiro cafezinho e nos abastecemos com água. E foi um café com um lanchinho espetacular, no meio do nada, distante de toda forma de barulho e stresse, podendo contemplar apenas o barulhinho da água e som dos pássaros. Tem coisa melhor que isso?
      Após mais um bom tempo de caminhada avistamos uma pequenina queda d'água onde pude me banhar e relaxar um pouco.(não cito os nomes do locais pois não gravei nada).
      Por mais um pouco de andança já entramos em mata fechada e úmida (Rain Forest) onde tem várias nascentes e córregos, com pedras e limo e plantinhas bonitinhas parecendo aqueles filmes místicos onde se tem duendes, fadas, druidas, elfos. E foi nesse local que decidimos montar acampamento pois o dia já estava se fechando, o cansaço já tomava conta dos nossos corpos e já caia a tarde, era por volta das 15h se não me engano.
      Montamos a barraca de frente a um dos vários córregos existentes, e ficamos explorando um pouco a área ao redor. Era muito encantador aquela floresta lindinha. Fomos pegar algumas palhas secas para acender uma fogueira, já que a noite seria fria. 
      A noite cai e podemos ouvir sapinhos cantando muito próximo a nós. Noite melhor não teve, som de água caindo e vários frogs.
      Pela manhã após o café levantamos nossa barraca e seguimos adiante, quase nos perdemos em um momento da trilha pois estávamos seguindo pelo Wikiloc e nossos celulares acabaram as baterias. Tivemos que seguir pelo mapa de bolso e por percepção de trilhas batidas. Nessa parte já contava com muitas descidas e paredões onde se passava um rio muito bonito. Lembro-me muito bem de ver o lindo morro Branco.
      Após essas descidas passamos pelo Morrão e Conceição dos Gatos e a trilha fica bem batida e já avistamos muitas pessoas. Andando um pouco mais já se chega às casas do Vale.












    • Por Daniel Corrêa Trindade
      Salve, pessoas! Vou trazer aqui pra vocês um relato com a minha experiência sozinho e sem carro na Chapada Diamantina e no Vale do Pati, que rolou agora em julho.
      Antes de mais nada eu queria dizer que fui pra ficar 5 dias e fiquei 12. E aviso que pra quem tem flexibilidade de datas provavelmente fará a mesma coisa hahahaha.
      Fiz Rio-Salvador, mas por motivos promocionais cheguei na capital baiana somente as 3hrs da manhã. O ônibus só saia as 7 da manhã da rodoviária, então fiz o que qualquer pessoa normal faria: dormi no aeroporto pra fazer hora.
      Infos sobre o ônibus: Ele faz Salvador-Seabra e custa uns 90 reais, com paradas em algumas cidades antes, mas na Chapada ele para em Lençóis (+-8hrs de viagem e que é a principal cidade) e Palmeiras (+-8h30). Eu comecei minha viagem pelo Vale do Capão, então desci em Palmeiras e peguei um carro que faz Palmeiras-Capão pelo valor de R$ 15-20 reais (depende da quantidade de pessoas). A viagem dura cerca de mais uns 30 minutos em uma estrada de terra batida. O Vale do Capão é bem pequeno, porém é incrível a vida ali, eu notei algo diferente e eu não sabia o quê, até que me disseram ser ali a principal cidade do Brasil em Theta Healing, e descobrindo o significado, me fez sentido. Não sei se essa info é verdade, se alguém puder/quiser confirmar....
      Fiquei 2 dias e meio lá, como cheguei tarde no primeiro dia só fiz o reconhecimento da cidade e comi algo. No dia seguinte me juntei com um cara e uma alemã que estavam no hostel e fomos fazer a trilha da Cachoeira Angélica e da Purificação (são contínuas). A trilha não é difícil porém em alguns pontos você perde o caminho, já que precisa cruzar o leito do Rio. Usamos o Wikiloc e ainda assim em 1 ou 2 pontos tivemos dificuldades para achar a direção correta, mas nada grave. Particularmente eu acho que pra pagar guia/agência não valeria a pena, as cachoeiras são legais mas não impressionam tanto.
      No segundo dia eu fechei de fazer a Cachoeira da Fumaça, tida como a maior do Brasil com seus 340 metros de queda. Dá pra fazer sem guia mas eu penso que contratando um, a gente colabora pro desenvolvimento local e contribui para manutenção dos lugares etc, além de claro, gerar emprego. Esse rolé tbm sai de Lençóis, porém sai mais caro. A trilha tem 12km (ida e volta) e uma subida inicial de 2km, depois fica tranquila. A foto clichê de lá é deitar-se sobre uma pedra pontuda e angular a foto pegando a cachoeira. Bem, eu dei "um pouco" de sorte e consegui um arco-íris completo na minha vez!


       
       
      No dia seguinte peguei a van de manhã e retornei para Palmeiras, onde peguei o ônibus para Lençóis. Eu tinha na cabeça que queria fazer, além dos pontos principais que saem de Lençóis , a Cachoeira do Buracão e a Fumacinha, ambas em Ibicoara (Sul da Chapada, sendo que Lençóis fica no Norte). Chegando já fui atrás das agências para ver se teria. Buracão é mais tranquilo encontrar e até saem passeios de bate volta de Lençóis, mas se passa mais tempo dentro do carro do que na trilha e cachoeira. No dia seguinte fechei de fazer Gruta da Lapa Doce + Gruta Azul + Pratinha e Pai Inácio. O tempo estava ótimo e o Por do Sol no Pai Inácio foi o mais incrível que já vi! Gravei o time lapse com a gopro mas deu algum erro e perdi, mas na memória a gente nunca esquece.


       


      Na volta desse dia acabei conseguindo um passeio de 3 dias com a Eco Por do Sol, que incluiu Buracão, Fumacinha e Poços Encantado e Azul, paguei um valor que considerei justo antes de ir, e de baratíssimo quando voltei após conhecer esses lugares surreais. Inclusive recomendo demais a agência, o Vitor, dono, se importa demais com os clientes e busca a todo tempo ajudar e trocar feedback.
      A cachoeira do Buracão é demais! Imponente, a queda forte faz uma correnteza de assustar hahaha. A trilha por si só já é linda também, ótimos lugares para belas fotos e apreciar a natureza.



       
       
      Na volta, dormimos em Ibicoara mesmo, para no dia seguinte fazermos a Fumacinha. Ficamos na hospedagem da Bia, são 3 quartos super confortáveis, todos com cama de casal e uma de solteiro. A Bia tbm oferece janta e café da manhã e a comida é deliciosa. A cachoeira da Fumacinha é considerada por mt gente como a trilha de 1 dia mais difícil da Chapada. E realmente é difícil, além dos 18km ida e volta, a maior parte andando (e pulando) pedras, mas há ainda escaladas verticais em alguns pontos, e no último trecho para ter acesso a ela se escala na fenda, de lado por uns 10 metros. É a parte mais difícil na minha opinião. A cachoeira fica no final de um cânion e a gente anda o tempo todo rio a cima dentro dele. O visual da trilha é demais e tem de tudo! Até colméia de abelha africana que requer silêncio absoluto na passagem rsrs. Na foto eu to de casaco por motivos de: a água é super gelada e ali não bate sol, ou seja, faz um frio absurdo (recomendo levarem também)


       

      A minha estadia na Chapada que já tinha se estendido de 5 para 9 dias ainda teria mais uma alteração: Durante esse último passeio conheci uma menina que faria a Travessia do Vale do Pati de 3 dias tbm com a Eco Por do Sol. Ela me convenceu a ir e eu a agradecerei pra sempre hahaha. Pois bem, chegamos cerca de 17hrs desse passeio a nossa saída pro Vale do Pati já seria no dia seguinte, então só deu mesmo tempo de comer algo, arrumar as mochilas e descansar.
      Bom, na Travessia do Vale do Pati normalmente nos hospedamos nas poucas casas dos moradores ainda da região, mas que estão devidamente estruturados para receber o turismo. Ficamos todos os dias no lugar conhecido como "Igrejinha", mas é comum também mudar diariamente a hospedagem a depender do que se fará.

       
       
      Sobre a Travessia: Inicíamos em Guiné as 10hrs da manhã e chegamos por volta das 15hrs. Deu tempo ainda de irmos até a cachoeira do Funis e revigorar o corpo e alma numa água gelada.


       
       
      No dia seguinte amanheceu um pouco fechado e achei o dia mais difícil de caminhada, com a subida do Morro do Castelo. No Castelo tem de tudo: andar no plano, travessia de rio, subir mata a dentro, escalar pedras, atravessar cavernas....enfim! Mas mais uma vez o visual recompensa.

       
      No último dia andamos rumo ao Cachoeirão, que pra mim foi a melhor vista de toda a viagem. O acesso em si não tem grandes dificuldades, mas a distância percorrida é a mais longa de todas (acho que no dia inteiro se anda ali cerca de 20km). A volta do Cachoeirão para finalizar a travessia durou umas 4 horas ainda, com 90% desse tempo com o sol na cara, andando em meio aos gerais (como são chamadas as planícies) que por vezes eu parava e olhava em 360° e pensava: eu to no meio do nada! hahahaha


      Finalizamos a Travessia já no fim da tarde, escurecendo. Ao todo andamos cerca de 50km em 3 dias, com muitos trechos bem difíceis e cansativos, mas tudo totalmente recompensado a cada fim de dia. Retornamos para Lençóis as 20hrs e meu ônibus saia as 23h30. Fim de viagem e o pensamento de retornar para a Chapada já está na minha cabeça, afinal aquele lugar é o mundo e ainda falta muita coisa linda pra descobrir.
      Bem, é isso. Capaz de eu ter esquecido de algo mas posso tirar dúvidas caso tenham, é só deixar msg aqui.
      No meu instagram tem mais outras fotos no feed (e ainda postarei bastante coisa da Chapada) e mais um monte nos Destaques: @danielcorreat_
      Podem tbm deixar as msgs por lá.
      Espero que tenha ajudado quem pretende conhecer a Chapada, e quem ainda não conhece, só vai! O lugar é mágico!
       
       


×
×
  • Criar Novo...