Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
joshilton

Conheça o serviço de city tour gratuito em Manaus

Posts Recomendados

safe_image.jpg

Conheça o serviço de city tour gratuito em Manaus
O serviço é para turistas nacionais, estrangeiros e para moradores de Manaus. O roteiro inclui os principais pontos turísticos da capital.
Que tal passar duas horas em um ônibus confortável, visitando os principais pontos turísticos de Manaus, totalmente de graça? Pois é,  a equipe do Portal Amazônia embarcou no Amazon Bus mostra o passeio panorâmico pelas ruas da capital do Amazonas.
Muitas pessoas que residem em Manaus, não sabem que existe esse passeio inteiramente GRÁTIS.
O ônibus turístico que passa pelos principais pontos turísticos, casarões, arena, praia da Ponta Negra e ponte Rio negro.
A saída é na praça são Sebastião, onde fica o Teatro Amazonas, é preciso pegar o ingresso com 2 hs de antecedência do embarque, na casa do turista que fica na mesma praça, é gratuito tanto para turistas quanto para locais, são feitos em 2 horários, pela manhã as 9 hs e a tarde as 15hs, somente 50 ingressos por viagem. Duração do passeio é de 2 a 2:30, parando 15min na praia de ponta negra e assim retornar ao mesmo local de partida.
Obs. Ao formar a fila é bem desorganizado, pessoas despreparadas q não sabem tratar turistas e a sequência de espera, ficar atentos pois os mesmos priorizam os que estão em prioridade (idosos, grávidas, crianças de colo e etc.)
Prestigiem vale a pena mesmo.

onibus-turismo-manaus.jpg

Dois ônibus de dois andares, climatizados e com capacidade para 70 passageiros cada, está fazendo City Tour gratuito por Manaus. Os ônibus circulam de quinta-feira a domingo e terão horários diferenciados neste feriadão.

Segundo a assessoria da Amazonastur, os horários neste feriadão são os seguintes:

Quinta-feira (31/05) – um ônibus às 9h30

Sexta-feira (1º/06) – um ônibus às 9h30 e outro às 14h;

Sábado (2/06) – dois ônibus às 9h30 e dois às 14h;

Domingo (3/06) – 1 ônibus às 9h30 e outro às 10h.

Por enquanto o serviço é gratuito, já que o Governo do Estado ainda não finalizou a licitação para contratar a empresa que irá operar o Amazon Bus, como é chamado o serviço.

Como fazer o passeio

Como o serviço está sendo muito procurado é preciso chegar com antecedência para pegar o tíquete da viagem, que é distribuído no Centro de Atendimento ao Turista (CAT) da avenida Eduardo Ribeiro.

O itinerário dura aproximadamente duas horas e passa pelos principais pontos turísticos da cidade. Durante o percurso, um guia de turismo vai indicando os pontos turísticos e contando curiosidades sobre cada um deles.

O Amazon Bus é destinado aos turistas nacionais e estrangeiros e também para os moradores de Manaus. Fora do feriadão, os horários de saída dos ônibus são às 9h30 e às 14 h, da avenida Eduardo Ribeiro, ao lado do Teatro Amazonas, no Largo São Sebastião.

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

  • Conteúdo Similar

    • Por joshilton
      Safári Amazônico.
      O passeio chamado Safári Amazônico, um tour de um dia que sai de Manaus e percorre de barco as principais atrações da região do rio Negro: Tribo indígena, Botos cor de rosa (Boto Vermelho para os amazônidas), Lago Janauari (almoço), Ponte Sobre as Árvores e Encontro das Águas.
      Saídas: terça, quinta, sexta, sábado e domingo. Horário: 8:00 às 16:30
      Embarcação: Lancha Rápida (Speed Boat)
      Pagamento: Visa / Master / Amex / Cash: 120 reais, com tudo incluso.
      Incluso: almoço, guia bilíngue, taxa de embarque e de visitação.
      A viagem segue com destino à uma comunidade indígena onde participamos de um ritual de apresentação e conhecemos um pouco sobre sua cultura.
      Logo após descemos o Negro passando pela orla da cidade em direção ao Parque Ecológico Janauary, no local foi servido um almoço regional (cardápio à base de peixes, carne ou frango, saladas e acompanhamentos, buffet self-service), depois fomos uma visita às vitórias-régias caminhando sobre uma passarela palafita na selva, em seguida visitamos a feira de artesanato local. Muitos animais silvestres, entre eles muitos macacos.
      Após isso, vamos ao mais esperado do passeio, o Encontro das águas, Rio Negro e Solimões, que correm juntos 7 kms para se misturarem e formar o Imenso Rio Amazonas, com o segundo encontro, lá no Pará, em frente a Santarém e desaguar no Oceano Atlântico, perto de Belém do Pará, porém isso já é outra história, farei um novo tópico.
      Saindo em direção a Ponte Sobre o Rio Negro.
      As fotos são de 2 modelos, que fui fazer os books para os portfólios delas.

       




      Roteiro:
      Saindo do porto (Roadway), subimos o rio Negro em direção à plataforma flutuante de interação com os botos, onde tivemos a oportunidade de nadar com esses animais incríveis e dóceis e observá-los ao serem alimentados por um nativo.
      Vamos aos detalhes:
      Primeira parada: Tribo indígena - a primeira parada foi na Tribo Indígena Tucanas, onde fomos recebidos com uma pequena demonstração da cultura, costumes e rituais indígenas da tribo. Dançamos, comemos e apreciamos o estilo de vida deles.
      Curiosidade: As formigas fazem parte da alimentação deles, assim como peixes e raízes. As formigas que provei na aldeia, tinham gostinho de amendoim, bem crocantes, como um salgadinho. Além de tudo o que vivenciei e aprendi, fiquei impressionado com o visual da aldeia. A vista do rio Negro, é fantástica. Uma sensação de paz e tranquilidade incrível.
      E os Tapurus, isso nós já estamos acostumados, desde que servimos ao exército e fazemos o "Boina Verde" um tipo de sobrevivência na selva.
      E como não poderia faltar, o peixe assado.
       




      Depois vem o convite para dançarmos como os índios,é sensacional.
       

      Na Tribo Indígena Tucanas, onde fomos recebidos com uma pequena demonstração da cultura, costumes e rituais indígenas da tribo. Dançamos, comemos e apreciamos o estilo de vida deles.
      Curiosidade: As formigas fazem parte da alimentação deles, assim como peixes e raízes. As formigas que provei na aldeia, tinham gostinho de amendoim, bem crocantes, como um salgadinho. Além de tudo o que vivenciei e aprendi, fiquei impressionado com o visual da aldeia. A vista do rio Negro, é fantástica. Uma sensação de paz e tranquilidade incrível. 
      Depois foram as fotos com os índios e dos índios Tucanas.




      Aperta a fome, é hora do lanche, pois teremos muito chão pela frente, opaaa, muita água.

      Segunda parada: Interação com os Botos

      Obs.: Não tem saídas para interação com os botos às quartas-feiras, considerando a necessidade de promover o turismo responsável, estimulando o equilíbrio natural da espécie dentro de seu habitat conforme determinação do Ibama.
      A parada seguinte foi no flutuante do boto. Os animais ficam livres no rio Negro, não ficam em cativeiros e "aparecem" no local pois são alimentados, sendo que não é permitido encostar nos animais.
      Sugestão: Levar dinheiro trocado para o caso de compras de artesanato, toalha e roupa de banho.
      Assim que chegamos, fomos orientados de como nos conduzir na água. Após orientação do pessoal do flutuante, colocamos coletes e entramos na água em pequenos grupos, 6 por vez. Os visitantes são convidados a entrar na água para sentir a movimentação dos animais, mas é estritamente proibido encostar ou alimentá-los. Somente os monitores, podem alimentar os botos. Não é possível avista-los, quando estão submersos, pois a água do Rio Negro é escura, como já diz o nome do rio. Se leva sustos com os botos, passando ao lado das perna e braços da gente.
       

      Terceira parada: Restaurante Flutuante.

      Já era quase meio dia e a fome estava apertando. A próxima parada foi em um restaurante flutuante, onde almoçamos. O restaurante totalmente flutuante. A comida era deliciosa. Comi peixe, muito peixe Tambaqui e Pirarucu, deixei o frango e carme de lado, pedi como bebida, um delicioso suco de cupuaçú.
       

      Apo's o almoço, vamos a "feira de artesanatos dos nativos", ali próximos, é como se fosse passar de uma balsa a outra.
      Não dei muita importância, pois como mora na região, já não me chama a atenção esses produtos, porém os turistas ficam muito tempo vendo esses produtos.
      Então convidei a minha modelo, e fomos para a Ponte Sobre as Árvores, onde poderíamos encontrar alguns animais.
      Quarta Parada: Ponte Sobre as Árvores:

      Alguns animais que  se encontram na mata próximo ao restaurante, tem o bicho preguiça, jacaré e muito, mais muito macaco e pássaros de todos os tipos e cores.
      Aqui é quase certo de encontrarmos muitos macacos, e eu já sabia disso, então sai na frente com a modelo para as fotos, bem antes dos turistas chegarem.
       








      Iniciando as fotos da modelo, vem um dos macacos e se aproxima dela, como dizendo, "Eu também sou modelo", claro, um modelo de macaco. Ficou até engraçado a foto da modelo com ele ao lado.
      Vale lembrar, que esses animais ficam soltos na selva. Observe que tem mães macacas, carregando seus filhotes nas costas.
       

      No final da Ponte sobre as Árvores, você vai encontrar o Lago das Vitórias Régias, é super lindo esse local, e se der sorte, vais ver além das Vitórias Régias e sua belíssimas flores, pássaros e jacarés "dentro" das imensas folhas dessa planta aquática.
       



    • Por joshilton
      Venha conhecer Manaus, tem ao redor várias cachoeiras em Presidente Figueiredo.
       
      Trilhas, camping, rapel, tirolesa e paisagens de tirar o fôlego são algumas das atrações que misturam aventura e preservação na Terra das Cachoeiras - Por Lucas Raposo da Câmara, Portal Amazônia.
      Conhecido como 'A Terra das Cachoeiras', o município, que fica a 120 Km de Manaus, abriga mais de 100 cachoeiras bem preservadas que atraem turistas do mundo inteiro.
      Cachoeira de Iracema
      Cenário da novela 'Além do Horizonte', da Rede Globo, a famosa cachoeira conta com trilha e estacionamento próprio. O volume d'água impressiona. Com boa profundidade é possível mergulhar nas águas geladas.
      Valor: R$ 10 por pessoa - Local: Km 115 da BR 174
      Cachoeira do Santuário
      Composta por por três quedas d'água, a cachoeira recebe este nome porque abriga uma pequena imagem de Santa Clara na primeira queda d'água. Conta com trilha, chalés e restaurante.
      Valor:R$ 10 por pessoa
      Local: Km 12 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina)
      Cachoeira da Porteira Muito procurada pelos amantes de acampamentos, esta cachoeira conta com área de camping, mesas, banheiros e lixeiras. O local cobra um valor diferenciado para os turistas que optarem pelo pernoite.
      Valor: R$ 8 por pessoa
      Valor do pernoite: R$ 20 por pessoa
      Local: Km 13 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina) Cachoeira da Pedra Furada É a mais distante entre as cachoeiras de Presidente Figueiredo. A distância, porém, é recompensada com um visual único e marcante. As quedas d'água são formadas por três grandes furos na pedra e forma uma piscina natural de águas calmas e preservadas.
       Valor: R$ 10 por pessoa
      Local: Km 57 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina)
       Cachoeira Asframa Localizada em propriedade particular. Possui queda d'água com aproximadamente 5m de altura, piscinas naturais e corredeiras. Infraestrutura conta com restaurante com opções de peixes, saladas e vinagrete.
      Valor: R$ 30 por veículo
      Local: Km 96 da Rodovia BR 174
       Cachoeira das Araras Está localizada dentro da área do complexo turístico Cachoeira de Iracema. Caminhando pelas trilhas  do complexo, os visitantes encontram uma das cachoeiras mais populares do município, além de diversas grutas.
      Valor: R$ 10 por pessoa
      Local: Km 115 da BR 174
       Cachoeira da Neblina É a maior cachoeira de Presidente Figueiredo, com aproximadamente 30m de altura. Apesar disso ainda é praticamente desconhecida, devido o difícil acesso. Para chegar nela os visitantes têm que enfrentar uma trilha de 7 Km floresta a dentro. Para quem encara a aventura, a recompensa é um imenso paredão de água e piscinas naturais.
      Valor: R$ 10 por pessoa
      Local: Km 51 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina)
       Cachoeira dos Pássaros Cachoeira de fácil acesso e sem necessidade de trilhas. Por isso, é comum ver a presença de famílias e crianças. O local permite a prática de acampamentos e conta com atrações como tirolesa, passeio de boia e restaurante.
      Valor: R$ 5 por pessoa
      Local: Km 13 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina)
       Cachoeira de Sussuarana Está localizada na Vila de Balbina. Coma aproximadamente 15m de altura é bastante procurada por praticante de rapel. Para acessar a trilha é preciso caminhar por uma hora dentro da floresta.
      Valor: Gratuito
      Local: Km 86 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina)
       Cachoeira do Mutum Para chegar à cachoeira de carro recomenda-se veículo com tração 4x4 para evitar atolamentos. Já quem prefere chegar a pé terá de percorrer 6 Km de trilha. Tudo isso, porém, é recompensado pelo cenário único que é a marca do município, com piscinas naturais encravadas na rocha. Na área é permitida a prática de camping.
      Valor:R$ 10 por pessoa
      Valor do pernoite: R$ 20 por pessoa
      Local: Km 54 da Rodovia AM 240 (Estrada de Balbina)
      Cachoeira da Onça
      De fácil acesso, a Cachoeira da Onça conta com trilha que passa sobre o rio Urubuí. Com quase 10 metros de altura, a queda d'água não é forte, mesmo em tempos de cheia, o que garante um banho seguro para pessoas de todas as idades.
      Valor: R$ 10 por pessoa
      Local: Km 108 da Rodovia BR 174
      Cachoeira Natal
      É a cachoeira mais extensa de Presidente Figueiredo, com 50m de comprimento. A altura aproximada é de 10m. A queda forma uma piscina com águas calmas. Por ser distante do centro da cidade é um local reservado e oferece maior tranquilidade.
      Valor: R$ 20 por veículo
      Local: Ramal do Urubuí
       Cachoeira Salto do Ipy A queda d'água tem mais de 20m. Um paredão de rocha, grutas e vegetação selvagem completam um dos mais belos cenários naturais da Amazônia. Com ar de mistério, também foi locação da novela 'Além do Horizonte".
      Valor: R$ 5 por pessoa
      Local: Km 57 da rodovia AM-240 (Estrada de Balbina)
      Cachoeira Berro D'água
      De fácil acesso. As águas são rasas e quedas d'água baixas, ideias para pessoas de todas as idades. Infraestrutura conta com restaurante, estacionamento e banheiros.
      Valor: R$ 10 por pessoa (crianças e idosos pagam meia)
      Local: Km 11 da rodovia AM-240 (Estrada de Balbina)
       Cachoeira das Orquídeas
      Cachoeira de fácil acesso e entrada gratuita. Após trilha de 1,5 Km os visitantes podem desfrutar de uma tranquila piscina natural, formada pelas águas que descem pelas rochas.
      Valor: Gratuito
      Local: Av. Onça Pintada, Galo da Serra, Presidente Figueiredo
       Parque do Urubuí
      Ponto central de Presidente Figueiredo. As fortes correntezas da corredeira atraem praticantes de boia cross. O local reúne os principais restaurantes e hotéis da cidade, além de atrair milhares de turistas. O Monumento que identifica a Corredeira é o índio Waimiri saindo de dentro da casca do cupuaçu - principal referencia do local.
      Valor: Gratuito
      Local: Estrada Municipal Da Cachoeira, Presidente Figueiredo.
       


    • Por joshilton
      Definitivamente: NÃO EXISTE AGENCIAS DE TURISMO PARA FAZER ESSE PERCURSO.
      É feito dessa maneira: Só chegar no dia da viagem, ir ao Porto e ver qual o barco vai partir para Santarém, tem barcos TODOS os dias. Esses barcos fazem linhas até Santarém e alguns vão até Belém.
      Quando aproximar do porto vários homens cercam e acompanham o taxi para lhe vender passagem para os barcos que partem para várias cidades Amazônicas. Manaus > Santarém R$ 70 reais.
      Antes de embarcar, atravesse o Mercado Municipal (fica exatamente na frente do Porto). Caminhe mais um pouco até a rua atrás do mercado, há várias lojas que vendem redes por um bom preço e não se esqueça de comprar a corda para amarrar a rede.
      Compre a sua passagem e coloque imediatamente a sua rede, pois o barco vai lotando a cada cidade que passa, muitos ficam e muitos entram nos barcos, muitas pessoas entram para lhe vender algo, desde doce de leite (hummm, maravilhoso), Pão com manteiga, Sanduíches, bolacha, enfim, o que você imaginar.
      O café da manhã: 5 reais, sendo: melancia e/ou abacaxi, um pão com queijo e presunto, uma fatia de bolo, mingau e um copo de café com leite.  Simples, mas bom.
      Chegando a noite, faça amizades e principalmente com seus "vizinhos de rede", vai rolar muitas conversar até o sono bater forte. Você ficará 2 dias e 3 noites sem internet, com exceções, quando chegar em uma das cidades onde passa o barco.  Será um passeio inesquecível, vale a pena.
      As paradas: durante o trajeto Manaus > Santarém, o barco parou 3 vezes (Parintins, Óbidos e Juriti). Nunca por mais de 15 a 20 minutos, tempo suficiente para embarque e desembarque dos passageiros e suas cargas.
      As malas vão num estrado embaixo das redes, as refeições têm horários, não pode subir no deck do bar com bebida alcoólica trazida de fora. O café da manhã custa R$ 5, o PF R$ 8, a sopa, R$ 5. Tem que comprar ficha.
      Em Santarém, do Porto até o Centro, fui de ônibus e de lá em outro buzão, até Alter do Chão.
      Saiba os valores de barcos que partem de Manaus a várias cidades Amazônicas.
      https://www.portodemanaus.com.br
      Fiquei hospedado em Alter do Chão, fiz a reserva pelo aplicativo AIRBNB, que sai muito mais em conta.
      https://www.airbnb.com.br/c/josehiltonp1?currency=BRL 

       

    • Por Diego Minatel
      Para mim é algo realmente complicado traduzir em palavras os momentos vividos nos dias da minha viagem. Viagem esta que não se traduz num simples mochilão ou turismo de longa duração. Foi o encontro de uma pessoa comum com seu sonho de andar por terras que tanto o inspiraram, terras mãe da esperança, terras de homens e mulheres feitos de histórias e de coração, corações gigantescos. O sentimento que fica depois de quase seis meses na estrada é o de gratidão, do agradecimento as infinitas pessoas que ajudaram esse pobre viajante das mil e uma maneiras possíveis, para vocês meu muito obrigado.

      Foto 1 - A companheira de viagem
      Tinha uma vida igual a tantas outras, era bem razoável por sinal, mas a vontade de caminhar e estar frente a frente com o novo me atormentava todos os dias. Queria conhecer com meus olhos as diferenças, os sotaques, as comidas, as belezas. Desejava não ter pressa, fazer tudo no seu tempo necessário, não estar preso a rotina dos dias e principalmente aprender. Sim, aprender, não com fórmulas prontas e nem sentado dentro de uma sala de aula. Queria aprender com experiências. Queria conhecer pessoas. De alguma forma queria fugir da minha vida cotidiana, não por ela ser ruim, mas pelo desejo de se conhecer e assim, quem sabe, voltar uma pessoa melhor. Quando esse sentimento passou a ser insuportável decidi que tinha que partir.
      Por um ano ajuntei algum dinheiro, queria ficar seis meses na estrada. A grana não era o suficiente, mas suficiente era a minha vontade. Dei um ponto final no trabalho. Abri o mapa e não tinha ideia por onde começar. Decidi não ter um roteiro, apesar de ter muitos lugares em que eu queria estar.
      Assim começa a minha história (poderia ser de qualquer um). O relato está dividido da seguinte forma:
      Parte 1: de Rio Claro ao Vale do Itajaí
      Parte 2: Cânions do Sul
      Parte 3: de Torres a Chuí
      Parte 4: Uruguai
      Parte 5: da região das Missões a Chapecó
      Parte 6: Chapada dos Veadeiros e Brasília
      Parte 7: Chapada dos Guimarães
      Parte 8: Rondônia
      Parte 9: Pelas terras de Chico Mendes, Acre
      Parte 10: Viajando pelo rio Madeira
      Parte 11: de Manaus a Roraima
      Parte 12: Monte Roraima y un poquito de Venezuela
      Parte 13: Viajando pelo rio Amazonas
      Parte 14: Ilha de Marajó e Belém
      Parte 15: São Luis, Lençóis Maranhenses e o delta do Parnaíba
      Parte 16: Serra da Capivara
      Parte 17: Sertão Nordestino
      Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres
      Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro
      Parte 20: Pelourinho
      Parte 21: Chapada Diamantina
      Parte 22: Ouro Preto e São Thomé das Letras
      Parte 23: O retorno e os aprendizados
      O período da viagem é de 01/10/2015 a 20/03/2016. De resto não ficarei apegado nas datas exatas em que ocorreram os relatos que irão vir a seguir, tampouco preocupado em valorar tudo. Espero contribuir com a comunidade que tanto me ajudou e sanar algumas dúvidas dos novos/velhos mochileiros.
    • Por carol_rodrix
      Olá, tenho 40 anos e procuro companhia de qualquer idade para passar o carnaval de 2019 em Manaus.


×
×
  • Criar Novo...