Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados


  • 4 semanas depois...
  • Colaboradores

@PedroPoletto Você disse que a hospedagem já estava paga.Foi tudo pacote? É opcional o número de dias,por exemplo, se a pessoa deseja fazer menos ou mais dias poderia escolher,né? Último,além de te parabenizar pela viagem e relato de um lugar tão incomum É saber como se deve proceder na Aduana de lá,pois ninguém fala mongol por aqui?

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

@D FABIANO 

A acomodação em Ulaanbaatar nós reservamos nós mesmos, pelo site Booking.com mesmo. Super simples. 


Agora toda a acomodação a partir do momento que saímos da capital, foi tudo feita pela empresa que nos forneceu o pacote. Tal como a comida e transporte também. 

Nós fizemos um pacote com uma empresa local. É o modo mais eficiente de se viajar por lá. Viajar 100% por conta na Mongólia é praticamente impossível.*

Com relação à sua pergunta sobre o número de dias do tour, existem diversas agências que oferecem diversas opções de pacotes. A maioria mesmo é mais curta, 1 a 2 semanas. Essas são as opções que mais tem na verdade. As agências oferecem itinerários fechados mas também fazem o pacote personalizado pro cliente. Nós mudamos uma coisa ou outra no pacote que nos tinham oferecido. Acho que pelo fato de que não vai muita gente pra Mongólia, as agências têm esse hábito de fornecer excursões personalizadas, não precisa nem de um número mínimo pra fechar o pacote (obviamente com mais gente vai ficando mais barato). 

 

Com relação à aduana e imigração, vou dizer que não me lembro de ter tido dificuldade. Imagino que tinha quem falasse inglês, por que eu também não falo mongol né. Eu me lembro de ter preenchido um daqueles formulários, se não me engano estava em inglês e russo. Faz tempo isso, não me lembro dos detalhes. 

Lembrando que brasileiro não precisa de visto pra Mongólia, então acho que isso também facilita. 

.

*tem uns vídeos no YouTube de um casal brasileiro que viajou por lá de carona (chama Mundo Sem Fim o canal deles). Se por um lado economizaram e tiveram um experiência incrível, por outro lado não conseguiram chegar nos lugares mais remotos onde estão as atrações turísticas mais bonitas. Ganha-se de um lado e perde-se de outro. E eles estão só viajando há anos então tinham tempo à disposição. Não é uma coisa que eu recomendaria pra viajantes mais “normais”. Alugar um carro e se aventurar por lá também não é uma coisa que eu faria. Primeiro que tem que ser um 4x4, e você tem que ter o conhecimento de resolver algum problema se o veículo quebrar. E segundo que não tem placas ou estradas pra você se achar. Resumindo: infelizmente tem que contratar uma empresa pra fazer um pacote com eles. Mas não é por isso que a viagem vai deixar de ser incrível e ser uma aventura. 

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Eduardo Brancalion
      O Charyn Cânion se estende por 90 km ao longo do rio de mesmo nome, a 200 km de Almaty no sul do Cazaquistão e quase na fronteira com a China. Há 12 milhões de anos que o vento, a areia e as águas do rio vêm esculpindo as mais diferentes e intrigantes formas nas pedras avermelhadas do Cânion, formando um dos locais de natureza mais exuberante que visitamos no Cazaquistão. Chegamos tarde e tivemos que acampar no topo do Cânion, tendo sido surpreendidos no meio da noite por uma ventania das mais severas que já enfrentamos, que nos obrigou a fechar a barraca que ameaçava voar pelos céus e nos deixar desabrigados em pleno deserto, tendo ido dormir dentro do carro. Nos próximos 2 dias acampamos na beira do rio, dentro do Cânion, num local que mais parecia um oásis em meio àquela aridez toda, com muita vegetação e pássaros coloridos. Subíamos e descíamos os paredões e ficávamos horas admirando as formações rochosas e tentando adivinhar com o que se pareciam. Os cânions são mesmo surpreendentes, tendo ganhado o apelidado de “little brothers” do pop star Grand Canyon, no Arizona. Um lugar imperdível na sua visita ao Cazaquistão. 






    • Por Eduardo Brancalion
      WORLD NOMAD GAMES - QUIRGUISTÃO 
        Nossa experiencia no pequeno país do Quirguistão, que fica na fronteira dos gigantes Cazaquistão e China fica para um próximo post, esse relato é sobre os Jogos Nômades, uma das experiencias mais increíveis que tivemos a oportunidade de participar em nossas vidas: Imagine jogos brutais, tribais realizados a seculos,  em todos os países que tem o sangue nômade nas veias, todos reunidos em  Cholpon-Ata,  no lago  Issyk- Kul, maior lago do país.    Desde que ficamos sabendo da existência do World Nomad Games, que ocorrem a cada 2 anos desde 2014 no Quirguistão, a ideia de participar de um evento tão único e representativo da cultura nômade não saiu mais da nossa cabeça. Mas ainda estávamos no Cazaquistão e não queríamos passar correndo pelos lugares de natureza, então optamos por chegar apenas para os 2 últimos dias dos jogos. As competições esportivas são a atração central do evento, mas em paralelo, ocorrem diversas apresentações de teatro, música, dança e artes. Representantes de mais de 60 países se enfrentam em dezenas de modalidades, que giram em torno das provas sob o cavalo e de luta livre principalmente.  Chegamos à tardinha e fomos direto para o Hipódromo, onde alguma coisa bem emocionante devia estar ocorrendo, considerando os gritos da plateia. Caímos no meio do jogo de Kok Boru, esporte nacional do país e, de longe, aquele que mais encanta as multidões. Imaginem a nossa expressão ao entender o que acontecia em campo: os jogadores, de cima de seus cavalos, perseguiam uma cabra morta, sem cabeça, e deviam arremeçá-lá nos respectivos buracos no fim de cada lado do campo. Na maioria dos arremessos, eles caiam com a cabra (ex-cabra) e tudo pra dentro do buraco, já que imagino a dificuldade de jogar um corpo de 45 quilos montado em um cavalo a galope e em plena velocidade. No meio do caminho, eles se batem e se espancam, visando dificultar o “gol” do adversário. Ficamos bastante impressionados com a brutalidade do esporte, desde o uso de um animal morto até a violência livre entre os jogadores. Mas quando se trata de tradição e cultura, aprendemos apenas a observar. O Kok Boru é jogado há centenas de anos pelos povos nômades, sendo ainda hoje para o Quirguistão e o Afeganistão o que o futebol é para nós.  Ficamos desolados ao saber que as competições de caça com águia já haviam terminado. Outra tradição milenar dessas bandas, as águias caçadoras eram extremante importantes para o sustento das tribos nômades ao prover alimento e pele no rigoroso inverno da Ásia Central. Nos dias de hoje, existem pouquíssimos Berkutchi, os homens que ainda mantêm viva a tradição e fazem algumas exibições com suas águias douradas (nome dado devido à cor das penas em sua cabeça). O treinamento das águias caçadoras pode levar até 4 anos e requer práticas um tanto cruéis, como deixar a ave vendada durante a maior parte do tempo, pra que ela dependa inteiramente do seu treinador, e assim esqueça seus instintos selvagens. Durante os Nomad Games pudemos vivenciar de perto alguns esportes totalmente diferentes do que estamos acostumados no Ocidente, em que ficaram evidentes a brutalidade e a raiz primitiva ainda presentes nos povos dessa região da Ásia. Foram imagens pra não esquecer tão cedo.
       
      Mais posts e informação no nosso instagram: 
       
      https://www.instagram.com/pandoraontheroad/












×
×
  • Criar Novo...