Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Porto de Galinhas


marcelnobre

Posts Recomendados

  • Membros

Obrigado pela ajuda, ainda estou com uma grande dúvida.

 

Como faço para ir para Carneiros de carro? Tive boas recomendações para ir por conta própria, como faço isso? Lí que posso ir de carro até Sirinhaém e depois pegar um catamarã, ou ir por tamandaré. Essas opções estão corretas?

 

Existe mais alguma? O que é mais recomendado já que gostaria de ficar o dia em carneiros

Link para o post

  • Respostas 1,5k
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

Mais Ativos no Tópico

Postagens Populares

Eu ficaria todos os dias em Porto de Galinhas. De lá tem passeios de Van que saem todos os dias de manha pra Maragogi ou Carneiros... Com certeza na recepção do hotel/pousada que voce irá ficar eles t

Não deixe de conhecer em Porto de Galinhas: * Piscinas Naturais - R$ 6,00 de jangada; * Praia de Serrambi - fica a uns 15 km de porto; * Pontal do Maracaipe; * Praia de Castelhanos. * Não deixe d

UMA DICA: NÃO PAGUE A JANGADA PRA IR NAS PISCINAS NATURAIS, INDO DE JANGADA SÓ DÁ PRA FICAR 45 MIN E O CARA TE ENCHENDO O SACO. COM A MARÉ BAIXA DA PRA IR A PÉ PARTINDO DO LADO SUL DA PRAIA, ASSIM

  • Colaboradores

Acho que tem esperar na faixa sim...ou veja com o motorista que te levou para te buscar (se for táxi) ou se tem horário fixo pra pegar na volta (no caso de van).

De Maracaípe pra PG voltei andando no fim da tarde...passeio bom, apesar de algumas pessoas dizerem que é meio deserto - e realmente é - não achamos perigoso.

Link para o post
  • 4 semanas depois...
  • Membros

Oi pessoal!

 

Estive em Porto e em Recife e abaixo segue um resumo (bem resumido) da minha viagem:

 

Cheguei em Guararapes na quarta (14:30h), o ponto para as duas linhas q servem Porto ficam quase em frente ao desembarque, fiquei esperando o ônibus q tava demorando... quando soube q havia um obra sentido Recife q estava atrasando o ônibus. Acabei pegando uma van (R$25), a van é vantajosa para quem tá afastado do centro, pq ela deixa na porta do hotel ou pousada. Eu passei por essa obra e vi o ônibus q eu estava esperando, ele ia ainda p Recife!!

 

Fiquei no Hostel Casa Branca, escolhi esse pq o pessoal não falava bem do outro q existe em Porto. Paguei R$45 pelo quarto com AR (6 pessoas) o problema é que o AR só é ligado a partir das 22h. Outro problema são os mosquitos, a tela do meu quarto tava furada, fica a dica: leve repelente!

 

Na quinta fui p Muro Alto, é uma praia diferente de tudo q eu já vi!Um mega piscinão! Para chegar lá vc pega uma van no posto Ipiranga até o posto policial (R$2) e depois um moto-táxi (R$5-7). Se estiver em grupo vale tentar combinar um preço com o táxi. Pega o cel do táxi p ele te pegar na volta!!!

 

Tomei coragem e fui nandando até o muro são cerca de 100m, cuidado quando chegar com as pedras e muito cuidado lá em cima p não escorregar, tem limo e ouriço, levar chinelo.

 

Na sexta fui a praia de carneiros, mas fui de carro com um brother, muito bonita. O pessoal q foi no passeio programado disse que foram R$30 bem gastos, o q eles não gostaram foram os preços dos restaurantes nas paradas. Dá p ir de carro sem pagar nada! Apesar de alguém tentar apagar as placas que indicam acesso público na estrada...

 

A noite lá não tem nada, Porto é só casal!

 

Sábado fui p Recife, fiquei no Piratas, muito bom o Hostel: pessoal gente fina, bom café da manhã, no geral confortável. O AR tb só é ligado ás 22h (PQP!!). Levar repelente (2)!!

 

Em Recife o que vale a pena é Olinda. Além do belíssimo conjunto arquitetônico, tem sempre alguma coisa rolando lá: show de jazz, maracatu, exposições etc.

 

Fui em Recife antigo à noite, tomar umas cervas, lembra um pouca a Lapa com pés-sujos e inferninhos de rock, cool!!

Link para o post
  • Membros

Olá Galera,

 

Vou p/ Porto de Galinhas no dia 28 e fico até 04 de janeiro, quando retorno para Recife e aguardo até o dia 06 para ir p/ Fernando de Noronha, em Porto vou ficar em uns bangalos perto das Piscinas Naturais, gostaria de algumas dicas.

 

O que tem p/ fazer no Reveillon em PG??? Tem alguma programação na cidade?? Alguma queima de fogos??

E ainda, dicas de restaurantes que tenham comida gostosa e preço legal, melhor: onde eu posso encontrar um BOM caranguejo p/ comer?????

 

Já vi aqui no forum que tem alguns passeios indispensaveis, como: Piscinas Naturais, Ponta a Ponta, Passeio de Jangada, Praia dos Carneiros, Muro Alto, Maracaípe, mas gostaria de saber se alguém tem um roteiro p/ me passar, e me indicar uma praia que tenha um restaurante p/ passar o dia livre.

 

Espero que me ajudem, quando retornar irei retribuir passando os meus relatos. :D

Link para o post
  • 2 semanas depois...
  • Membros de Honra

Pessoal,

 

Li umas 40 páginas do tópico, eu acho. Pretendo ir a PG no dia 21/12, quando pegarei a menor maré a 0.8 (dei mole, mas é que a viagem nem era para PG, resolvi incluir de última hora). Ficaram ainda as seguintes dúvidas:

 

- maré a 0.8m vale a pena usar snorkel ?

- andar da vila de PG até o Pontal de Maracaípe rola ?

- Onde exatamente fica a barraca Porto Guedes ? Vi num site que ficaria bem ali na praia da vila, procede ?

- cavalo marinhos em maré alta vale a pena ?

- dá ouriço na praia, antes dos corais ?

- como chegar em Muro Alto a partir da Vila de PG sem buggy ou carro ?

 

Por fim, a dúvida mais importante. Vou na sexta antes do natal, dia 21, por volta de 13h. To com medo de pegar o ônibus mega lotado e/ou não ter vaga nos ônibus que dê para despachar mala (de PG, minha viagem segue para outros destinos, tenho que levar mala). Existe esse risco ?

 

Como fica PG nessa época do ano ? Pois por um lado é início de festas de fim de ano, mas, por outro, a maré não está das melhores. Devo me preocupar ?

Link para o post
  • Colaboradores

Maré 0,8 recomendo ir de jangada até as piscinas naturais (vai ser complicado a travessia a pé). Ouriços que eu saiba só tem nos corais, ficam escondidos e o uso de chinelo é altamente recomendável (especialmente que prenda no pé, para não perder no mar hehe).

 

Para Muro Alto acho que são 7 km. Na coragem, dá pra ir a pé. Do contrário, tem van saindo da vila (acho que passa no famoso posto hehe).

 

Pra Maracaípe acho que são 3km, fui de buggy no passeio ponta-a-ponta e voltei a pé no fim da tarde. Tranquilo.

 

Cavalos marinhos tenho muita pena...quer vê-los? Visite o Projeto Hippocampus, veja-os nos aquários, várias espécies diferentes, tire fotos e ajude a preservá-los! Era R$3 reais a entrada em 2010, deve tá um pouco mais agora...mas vale muito mais a pena do que pagar R$10 pra entrar de jangada no mangue e tirá-lo do habitat natural para vê-lo num pote com água turva =/

Link para o post
  • Membros

Estive em Pernambuco na semana passada, entre 4 e 13/12 e tive o privilégio de conhecer essa terra maravilhosa, com riquíssima cultura e belíssimas praias. Elaborei um guia com informações importantes sobre os principais destinos turísticos da região, a partir das minhas experiências e de informações adquiridas no site mochileiros.com entre outros. Espero ajudar. Qualquer dúvida, sugestão ou crítica, meu email é [email protected]

 

GUIA PERNAMBUCO - DEZEMBRO DE 2012

 

 

PASSEIOS HISTÓRICO-CULTURAIS EM RECIFE:

 

- Passeio de catamarã pelos rios Capibaribe e Beberibe

O tour é diário e o embarque acontece no cais das Cinco Pontas, às 16h e às 20h.

(81) 3424-2845

 

- Forte das Cinco Pontas

Erguido pelos holandeses em 1630, com cinco pontas, o forte foi reconstruído pelos portugueses em 1677 com quatro pontas. Visitas guiadas conduzem a um tour pela fortaleza e também pelo Museu da Cidade, sediado no espaço e com exposição de mapas, fotos e documentos.

Praça das Cinco Pontas. (81) 3224-8492

 

- Recife Antigo

Rua do Bom Jesus, onde há a mais antiga Sinagoga das Américas, o Marco Zero, as pontes, suas histórias e lendas.

 

- Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio

Erguida no meio da movimentada Praça da Independência, a matriz de Santo Antônio é bastante procurada pelos passantes durante todo o dia. Em seu interior, combina elementos barrocos do século 18 - talhas douradas - com detalhes do século 19, como as pinturas do forro assinadas por Sebastião da Silva Tavares.

Av. Dantas Barreto. (81) 3224-5076

 

- Igreja de São Pedro dos Clérigos

A imponente Catedral de São Pedro dos Clérigos, de 1728, tem uma das mais bonitas fachadas de Recife, em pedras de cantaria portuguesa talhadas. No interior, a admiração continua com as portas e os altares de jacarandá, os púlpitos de talha dourada e a pintura do teto de autoria de João de Deus Sepúlveda. Às terças, no Pátio de São Pedro ocorre a “Terça Negra”. Nas noites de sexta e sábado a diversão é garantida.

De segunda a sexta das 8h às 12h e das 14h às 16h.

Pátio de São Pedro, São José. (81) 3224-2954

 

- Igreja de Nossa Senhora do Terço

A construção, que data do ano de 1726, foi erguida onde antes havia apenas um nicho com a imagem de Nossa Senhora, onde as pessoas costumavam rezar o terço. Na frente da igreja, Frei Caneca foi esquartejado e teve suas vestes enterradas. Toda segunda-feira de carnaval, os negros mortos nos tempos de escravidão são homenageados pelos maracatus: é a Noite dos Tambores Silenciosos, que acontece sempre à meia-noite, apenas ao toque de um surdo. Aberta nos horários de missa.

Pátio do Terço, São José. (81) 3424-8500

 

- Basílica e Convento de Nossa Senhora do Carmo

O conjunto arquitetônico formado pela basílica e o convento de Nossa Senhora do Carmo, além da igreja de Santa Teresa, foi erguido no século 18, no lugar em que se situava o Palácio Boa Vista, residência de Maurício de Nassau. Os destaques ficam por conta do altar e do forro da basílica, pintados em tons de azul e dourado.

De segunda à sexta das 7h às 17h. Sábados das 7h às 12h.

Avenida Dantas Barreto, Largo de Nossa Senhora do Carmo, Santo Antônio. (81) 3224-3341

 

- Igreja da Ordem Terceira do Carmo

Fundada em 1695.

Av. Dantas Barreto, 646, São José. (81) 3224-4005

 

- Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos

Construída para os escravos no século 18, a igreja de Nossa Senhora dos Homens Pretos era o ponto de partida do cortejo do rei do Congo, um ritual trazido da África pelos negros que vieram trabalhar na lavoura de Pernambuco. A cerimônia foi uma das muitas que deram origem aos maracatus recifenses. Chamam a atenção a fachada em cantaria e a imagem da padroeira no interior do templo.

Rua Estreita do Rosário. (81) 3224-3929

 

- Capela Dourada e Convento de Santo Antônio

Expressão máxima do barroco em Recife, a Capela Dourada surpreende pela riqueza e belos detalhes. Erguida entre 1696 e 1724 pela Ordem Terceira de São Francisco tem o altar, as paredes e o forro talhados e recobertos com folhas de ouro velho que enquadram dezenas de pinturas. A construção faz parte do conjunto arquitetônico do Convento Franciscano, tombado pelo Patrimônio Histórico, e que inclui ainda a igreja de Santo Antônio (1606) e o Museu de Arte Sacra, repleto de peças do século 18.

De segunda a sexta-feira das 8h às 11h30 e das 14h às 17h. Aos sábados das 8h às 11h30.

Rua do Imperador D. Pedro II, Santo Antônio. (81) 3224-0530

 

- Praça da República

O antigo jardim do conde Maurício de Nassau deu origem à Praça da República, a primeira área verde planejada de Recife, com 23 mil metros quadrados. Idealizado pelo naturalista francês Emile Bérenger, foi remodelado por Burle Marx em 1936. Nos arredores estão construções de variados estilos arquitetônicos como o neoclássico Palácio do Campo das Princesas (1840), o eclético Palácio da Justiça (1928) e o clássico francês Liceu de Artes e Ofícios (1880). Destaca-se no cenário o Teatro Santa Isabel, de 1850, com imponente fachada clássica cor-de-rosa e projetado pelo engenheiro francês Louis Léger Vauthier.

 

- Mercado São José

É o mais antigo edifício pré-fabricado em ferro no Brasil, com a mesma estrutura neoclássica dos mercados europeus do século XIX. Além de ter contato direto com a cultura local, no mercado podemos encontrar itens da culinária nordestina e diversas lojas de artesanato.

De segunda a sábado das 7h às 17h.

Praça Dom Vital, São José, (81) 2424-2322

 

- Casa da Cultura

O prédio originalmente era a Casa de Detenção da cidade. Teve construção iniciada na segunda metade do século XIX e concluída em 1867, em estilo neoclássico e em forma de cruz. Em 1976, as celas foram transformadas em 150 lojas de artesanato e a Casa da Cultura tornou-se o maior centro da cultura e arte pernambucana em todo o estado.

De segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábado até às 18h e Domingo até às 14h.

Rua Floriano Peixoto, Santo Antônio, (81) 3224-0557 / 3224-4017

 

- Instituto Ricardo Brennand

Possui uma coleção permanente de objetos histórico-artísticos de diversas procedências, abrangendo o período que vai da Baixa Idade Média ao século XXI, com forte ênfase na documentação histórica e iconográfica relacionada ao período colonial e ao Brasil Holandês.

O instituto também abriga um dos maiores acervos de armas brancas do mundo, com mais de 3.000 peças, a maior parte proveniente da Europa e da Ásia, produzidas entre os séculos XIV e XXI. O instituto também possui vasta biblioteca, com mais de 62 mil volumes datados do século XVI em diante.

De terça a domingo, das 13h às 17h. Entrada: R$ 15,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

Alameda Antônio Brennand, São João, Várzea, (81) 2121-0352 / 2121-0365

 

- Estádio do Arruda

Avenida Beberibe, 1285 - Beberibe

 

- Estádio da Ilha do Retiro

Praça da Bandeira - Madalena

 

- Estádio dos Aflitos

Avenida Conselheiro Rosa E Silva, 1086, Aflitos

 

 

PASSEIOS HISTÓRICO-CULTURAIS EM OLINDA:

 

- Centro Histórico

Bater perna pelas ladeiras de Olinda é a melhor maneira de observar o belo casario, as igrejas, as paisagens e ainda curtir o clima da cidade. Comece pela Praça do Carmo e siga em direção à rua do Amparo, repleta de museus, ateliês, restaurantes e a Casa dos Bonecos Gigantes. Caso seja um domingo, continue até o Largo do Varadouro para circular na feira de artesanato e, de quebra, acompanhar algum desfile de maracatu no final da tarde.

 

- Convento de São Francisco

O Convento de São Francisco é parte de um conjunto arquitetônico barroco de excepcional importância, que inclui a Igreja de Nossa Senhora das Neves, a Capela de São Roque, o claustro e a sacristia. É convento franciscano mais antigo do Brasil. Sua construção foi iniciada em 1585, com projeto do frei Francisco dos Santos, mas foi parcialmente destruído pelos holandeses no ano de 1631 e reconstruído ainda no século XVII. O claustro e a sacristia são famosos pela série de painéis de azulejos portugueses.

Diariamente das 9h às 12h e das 14h às 17h.

Rua São Francisco, 250. (81) 3429-0517

 

- Catedral da Sé

O primeiro edifício que abrigou a Igreja da Sé de Olinda inicialmente não passava de uma pequena capela de taipa. Em 1584 começou a construção da nova Igreja Matriz em alvenaria, com três naves e muitas capelas ao redor. Após a invasão holandesa e destruição de parte da igreja, a antiga Matriz foi reconstruída e elevada à condição de catedral em 1676. A vista privilegiada do Alto da Sé é perfeita para contemplar o pôr do sol. No pátio da igreja também há uma feirinha. Em frente, ainda há um elevador panorâmico de onde se tem bela vista da cidade, gratuitamente das 14 às 17h.

Diariamente das 9h às 17h.

Alto da Sé. (81) 3271-4270

 

- Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia

A Igreja de Nossa Senhora da Luz e a Santa Casa de Misericórdia da Vila de Olinda foram fundadas em 1540. Em 1630, a igreja foi saqueada pelos holandeses e incendiada no ano seguinte. Depois da saída dos flamengos, em 1654, foi reconstruída em estilo barroco. Apesar da reforma e do incêndio, o prédio conserva sua fachada primitiva. Hoje, não é utilizada para cultos religiosos. O visitante tem a chance de entrar na igreja, durante quinze minutos, às 11h45 e às 17h30.

Rua Bispo Coutinho, Alto da Sé. (81) 3494-9100

 

- Convento e Mosteiro de São Bento

O mosteiro ficou pronto em 1599, mas foi destruído quando em 1632 por um incêndio que consumiu grande parte da cidade, deflagrado em virtude da invasão holandesa, voltando ao funcionamento em 1656. A construção da atual Igreja de São Bento foi iniciada mais ou menos em 1660 e foi terminada em 1761. Considerada a igreja mais rica de Olinda, São Bento é totalmente barroca – paredes de cedro talhado e coberto com ouro, painéis no teto, colunas de arenito, púlpitos trabalhados, sacristia suntuosa... O maior tesouro é o altar, com 14 metros de altura e folheado a ouro de um extremo ao outro.

Diariamente das 9h às 11h45 e das 14h às 17h.

Rua de São Bento, Varadouro. (81) 3429-3288

 

- Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Construída em 1580, a Igreja do Carmo é a primeira da ordem dos Carmelitas no Brasil. Ficou 17 anos fechada para reforma e foi entregue novamente à sociedade em 2012.

Diariamente das 9h às 17h.

Praça do Carmo, Carmo. (81) 3429-2892

 

- Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

A construção data do século XVII. Famosa por ser a primeira igreja em Pernambuco com Irmandade de negros e escravos, abriga um púlpito com gradil de ferro, dois altares laterais e um altar-mor com teto em madeira e nicho com a imagem de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

De segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13h às 17h.

Largo do Bonsucesso, 45, Bonsucesso. (81) 3439-2495

 

- Mercado da Ribeira

Construído no final do século XVII, o mercado tem formato de U e possui características típicas das construções do período colonial. Até a primeira metade do século XX o prédio funcionou como mercado público e açougue, onde eram comercializados produtos de primeira necessidade. A partir da década de 1960 o mercado passou a ser explorado pelo turismo e passou a ser um centro de artesanato.

Diariamente das 8h às 18h.

Rua Bernardo Vieira de Melo, Ribeira.

 

 

PASSEIOS HISTÓRICO-CULTURAIS EM ITAMARACÁ:

 

- Vila Velha

No ponto mais alto de Itamaracá, fundada pelos portugueses em 1540, ainda guarda casario colonial, ruínas da igreja do Rosário dos Pretos, trilhas e bela vista dos manguezais, rios e praias. No mesmo local visite a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, de 1547, considerada uma das mais antigas do Brasil.

 

- Forte Orange

No século XVII, Itamaracá foi palco de lutas entre portugueses e holandeses. As disputas giravam em torno do Forte Orange, construído em taipa pelos holandeses, em 1631, e reconstruído em pedra pelos portugueses, em 1654, quando ganhou diversos canhões. Foi denominado Forte Orange em homenagem à Casa de Orange, dos príncipes que descendiam de Guilherme, o Taciturno. Posteriormente, o forte passou a ser chamado Forte de Santa Cruz, já sob domínio português.

Diariamente das 8 às 17h.

 

 

PRAIAS:

 

- Boa Viagem - Recife

Praia urbana e bastante movimentada. Seus 7 km de extensão reúnem várias opções de lazer. As melhores áreas para banho de mar são indicados por placas de sinalização. Com muitos quiosques, bares e quadras poliesportivas, a praia de Boa Viagem é o destino de vários recifenses durante os finais de semana.

 

- Piedade - Jaboatão dos Guararapes

Margeia a área mais urbanizada da cidade. A orla é tomada por hotéis de grande porte. As águas esverdeadas e os arrecifes naturais fizeram com que a praia se transformasse num verdadeiro cartão postal da cidade

 

- Calhetas - Cabo de Santo Agostinho

Pequena baía com areia grossa, clara e muitas pedras na orla. No passado, serviu como porto das tropas portuguesas que lutavam contra os holandeses. Para chegar à praia, pode-se pegar o ônibus TI Cabo na Rua do Canal, próximo ao Shopping Recife ou próximo ao aeroporto. O ônibus segue até o terminal da cidade de Cabo de Santo Agostinho, onde deve-se pegar a linha 157, com destino Gaibu. É só descer em Gaibu e atravessar até Calhetas pelas pedras e antigo forte ou pedir para o motorista parar em frente à entrada de acesso à Calhetas e seguir por uma estradinha de terra.

 

- Gaibu - Cabo de Santo Agostinho

No passado, a praia de Gaibu servia como porto negreiro. Atualmente, é uma praia bastante movimentada por veranistas. Fica ao lado da praia de Calhetas. Caracteriza-se por areias brancas, águas claras e mornas e piscinas naturais. Também é uma boa área para a prática de surf. Para chegar à praia, pode-se pegar o ônibus TI Cabo na Rua do Canal, próximo ao Shopping Recife ou próximo ao aeroporto. O ônibus segue até o terminal da cidade de Cabo de Santo Agostinho, onde deve-se pegar a linha 157, com destino Gaibu.

 

- Muro Alto - Ipojuca

Excelente praia para banho, com piscina natural de 3 km de extensão. Acesso de bugue ou a pé por estrada de terra pela Praia do Cupe. Na região, vários resorts de luxo.

 

- Porto de Galinhas - Ipojuca

Uma das praias mais famosas do Brasil. Porto de Galinhas fica a 64 km do Recife. Possui praias de areia branquinha e piscinas de águas cristalinas. Boa para a prática de esportes náuticos como: jet sky, banana boat, passeio de jangada e mergulho. A vila possui uma boa infraestrutura para turistas. O comércio é movimentado por restaurantes e bares. E a praia tem agitada vida noturna. Para chegar às piscinas naturais, pode-se ir de jangada e pagar 15 reais por pessoa ou atravessar à pé, num ponto entre duas pedras ao sul da praia, em frente à rua do relógio. Na maré baixa, a água bate no máximo na barriga.

 

- Maracaípe - Ipojuca

Praia frequentada principalmente por surfistas. A ondulação chega a 2 metros de altura. Campeonatos nacionais e internacionais de surf acontecem na praia. Para chegar, é só caminhar ao sul da praia de Porto de Galinhas.

- Pontal de Maracaípe - Ipojuca

É onde o Rio Maracaípe deságua no mar. Possui uma paisagem belíssima, onde pode-se deitar na água cristalina ou aproveitar as pequenas piscinas que se formam na maré baixa. Seguindo pra dentro do rio, dá pra ver cavalos marinhos nas proximidades do mangue. Só possui uma barraca e a região é praticamente deserta. Lugar ideal pra quem procura sossego. Para chegar, basta caminhar ao sul da praia de Porto de Galinhas, por uns 30 a 40 minutos. A caminhada é recompensada no final.

 

- Serrambi - Ipojuca

Dá pra ir de ônibus urbano. Praia com faixa média de areia e mar de águas calmas. Serrambi é uma das praias mais movimentadas do litoral sul pernambucano. Nas férias de janeiro, muitas famílias passam veraneio no local. Um pouco menos badalada do que Porto de Galinhas, ainda assim é point dos mais jovens.

 

- Praia de Carneiros - Tamandaré

A paisagem é paradisíaca. Trata-se do resultado do encontro do mar com o Rio Formoso, em uma região rica em manguezais. O acesso torna-se um pouco complicado por causa das propriedades particulares, mas a visita é indispensável. Se for de carro, ficar na barraca Mustako, que não cobra consumação mínima. Outra forma barata é ir para Praia de Tamandaré e de lá seguir caminhando ou de jegue-móvel para Carneiros. Ir pelas agências de turismo também é uma forma prática, onde se paga de 35 a 40 reais por pessoa, com direito a transporte de van e passeio de catamarã. A Algarve Turismo é a melhor.

 

- Maria Farinha - Paulista

A praia de Maria Farinha é conhecida em todo o Brasil pela possibilidade de abrigar uma grande variedade de esportes náuticos. A praia localiza-se entre o rio e o mar. Possui coqueirais, grandes faixas de areia e mangues. Possui um excelente parque aquático, chamado Veneza Water Park. Algumas áreas da praia possuem muito sargaço.

 

- Praia do Forte Orange - Ilha de Itamaracá

Conta com uma boa faixa de areia clara, o mar é calmo, de cor verde azulado. É propício para o banho e prática de esportes náuticos, como vela e caiaque. No verão, essa praia é bastante procurada por famílias, já que crianças podem brincar e nadar tranquilamente. Conta com boa infraestrutura, com bares e restaurantes que servem petiscos e bebidas. Muito linda e tranquila. São três ônibus pra ir de Recife até Itamaracá: um até a PE-15, Paulista ou Abreu e Lima, outro até o terminal de Igarassu e de lá um pra Itamaracá. Recomendo ir carro, taxi ou através de agência de turismo. Almoço muito bom por 50 reais, para duas pessoas.

 

- Ilha Coroa do Avião

Ao sul da Ilha de Itamaracá fica a ilhota chamada Coroa do Avião. Conta com barracas e uma pequena estrutura. Pode ser alcançada por barcos que saem da praia em frente ao Forte Orange e custam em média 10 reais por pessoa, ida e volta. Daí é possível ter uma bela vista do Forte Orange e do Canal de Santa Cruz. Ver o pôr do sol a partir da Coroa do Avião é inesquecível. Recomendado não consumir alimentos do bar, pois não existe água encanada na ilhota e a água é transportada em baldes por barcos, havendo risco de contaminação dos alimentos. Leve seu lanche ou coma nos restaurantes da praia em frente ao forte.

 

 

BARES E RESTAURANTES EM RECIFE:

 

- Fiteiro

Boteco com bons petiscos e clone de chopp todos os dias até às 22h.

http://www.fiteirobar.com.br/

Rua do Bom Jesus, 35 Lojas 03 e 04, Recife Antigo. (81) 3224-0664

Rua Capitão Rebelinho, 520, Pina (Próximo à Boa Viagem). (81) 3032-6643

 

- Bar Casa da Moeda

Bar com bons pratos e com música ao vivo, inclusive jazz aos domingos a partir de 20:30.

https://www.facebook.com/pages/Casa-da-Moeda-Comes-Bebes/153714391322446

Rua da Moeda, 150, Recife Antigo. (81) 3224-7095 / 9977-2377

 

- Burburinho

Boteco com shows de rock, ótimo pastel e blues toda segunda.

http://www.barburburinho.com.br/

Rua Tomazina, 106, Recife Antigo. (81) 3224-5854

 

- Bar Central

Boteco com bons petiscos e cerveja. Especialidade: Falafel.

http://vejabrasil.abril.com.br/recife/bares/central-32106

R. Mamede Simões, 144 (entre R. da Saudade e R. da União), Santo Amaro. (81) 3222-7622

 

- Bar Amarelinho

Boteco com ótimo atendimento, bons petiscos e cerveja gelada e barata (4,70). O melhor frango à passarinho que já comi.

https://pt.foursquare.com/v/bar-amarelinho/4d98bac1a2c65481b250f853

Rua Jack Ayres (Av. Fernando Simoes Barboza), Boa Viagem. Pertinho do Shopping Recife, na rua do posto Shell em frente ao canal. (81) 3031-1700

 

- UK Pub

O UK Pub funciona nas terças-feiras (música autoral), quartas (fechado para eventos), quintas (samba-rock), sextas (sertanejo), sábados (pop rock) e domingos (samba-rock).

http://www.ukpub.com.br

Rua Francisco da Cunha, 165, Boa Viagem. (81) 3465-1088

 

- Downtown Pub

Shows de rock de quinta à sábado.

http://www.downtownpub.com.br/

Rua Vigário Tenório, 105, Recife Antigo. (81) 3424-6317

 

- Avenida do Chopp

Bar na praia com samba.

http://vejabrasil.abril.com.br/recife/bares/avenida-do-chopp-39651

Av. Boa Viagem, 760, Boa Viagem. (81) 3326-8403

 

- Galetus

Excelente restaurante e pizzaria, com rodízio de massas por 18,90, excelente atendimento e piano ao vivo.

http://www.galetus.com.br/

Av. Conselheiro Aguiar, 4214, Boa Viagem. (81) 2138-1515

Av. Recife, 1644, Areias. Em frente ao Hospital de Areias. (81) 3015-5777

Av. Belmínio Correia, 810, Centro, Camaragibe. Em frente ao Parque de Exposições. (81) 3456-5759

 

 

 

BARES E RESTAURANTES EM PORTO DE GALINHAS:

 

- Barcaxeira

Preço um pouco salgado, mas o local é bem aconchegante e a comida é boa.

http://www.barcaxeira.com.br/

Rua da Esperança, 458, Porto de Galinhas. (81) 3552-1913

 

- Tapioca do Porto

Na Rua da Esperança. Feita por duas senhoras. Ao lado da pizza em pedaços.

 

- Tapioca da Praia

Na Rua Esperança. Tapioca muito bem feita e gostosa. Aberto a partir das 14h. Tapioca de carne seca e queijo por 6,00.

 

- Porto Mix

É dentro de uma galeria, com várias opções como sorvetes, lanches, pizzas, filés, porções etc. O atendimento é fraco, mas a comida é boa e barata.

 

- Porto Burguer

Na Rua da Esperança, em frente ao Caldinho do Cláudio. X-Tudo duplo, enorme e muito bem feito por 11,00. O suco é excelente.

 

- Self service do Gaúcho

Na Rua da Esperança. 20,00 à vontade com camarão, peixada, picanha, etc ou 37,90 o quilo.

 

POUSADAS EM PORTO DE GALINHAS:

 

- Pousada Portomares

http://www.portomares.com.br/

Loteamento Recanto Porto de Galinhas - Praça 1 - Lote L, Porto de Galinhas. (81) 3552-1628

 

- Pousada Canto do Porto

http://www.pousadacantodoporto.com.br/

Av. Beira Mar, s/n - Merepe 1 - Porto de Galinhas. (81) 3552-2165

 

- Hostel A Casa Branca

http://www.hostelportodegalinhas.com.br/

Praça 18 - Lote S - Loteamento Rec. Porto de Galinhas, s/n - Porto de Galinhas. (81) 3552-2332

 

- Pousada Casa Mar

http://www.pousadacasamar.com.br/

Praça 11, s/n, Porto de Galinhas. (81) 3552-1246

 

- Pousada Morada Azul

http://www.moradaazul.com.br/

Loteamento Recanto Porto de Galinhas – Lote V, Porto de Galinhas. (81) 3552-1143

 

- Pousada Porto Tropical

http://www.portotropical.com.br/

Loteamento MEREPE III Quadra 06A Lote 01, Porto de Galinhas. (81) 3552-1646

 

- Chalé Hibiscus

http://www.chalehibiscus.com.br/

Lote Merepe I - Porto de Galinhas. (81) 3552-2884

 

- Pousada Recanto da Preguiça

http://www.pousadarecantodapreguica.com.br/

Merepe III - Porto de Galinhas. (81) 3552-1795

 

 

PASSEIOS EM PORTO DE GALINHAS:

 

- Algarve Turismo

http://www.algarveturismo.com.br/

Rua Navegantes, 07 Loja 06 - Porto de Galinhas. (81) 9142-0595 / 9101-7356

 

- Bugueiro André Tubarão

(81) 8696-6913

 

 

TELEFONES ÚTEIS:

 

- Aeroporto Internacional do Recife / Guararapes Gilberto Freyre

Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, Praça Salgado Filho, Imbiribeira

Tel: (81) 3355-0128 / 3182-8299 – de domingo a domingo – 7 às 23h

 

- Terminal Integrado de Passageiros – TIP

BR- 232, Km 15, Curado

Tel: (81) 3182-8298 – de domingo a domingo – 7h às 19h

 

- Disque Recife Turístico

Tel: (81) 3355-8409 – de segunda a sexta – 8h às 17h

 

- CAT Aeroporto

Tel: (81) 3355-0128

 

- Táxis

Coopetáxi - 3424-8944

Copertaxi - 3424-7117

Disque Táxi - 3424-5030

Ouro Táxi Recife - 3423-7777

Servi Táxi - 3423-1221

Teletaxi - 3429-4242

 

- Viação Cruzeiro

Tel: 0800-81-2662

 

 

HORÁRIOS VIAÇÃO CRUZEIRO:

 

RECIFE > PORTO DE GALINHAS

Linha 195 - Via Boa Viagem (Av. Eng. Domingos Ferreira) - Tarifa R$ 10,40

5:10 - 5:40 - 6:30 - 7:30 - 8:30 - 9:30 - 10:30 - 11:30 - 12:30 - 13:30 - 14:30 - 15:30 - 16:30 - 19:30 - 20:30

Linha 191 - Aeroporto - Tarifa R$ 7,10

De meia em meia hora, a partir de 5:10

 

PORTO DE GALINHAS > RECIFE

Linha 195 - Via Boa Viagem (Av. Eng. Domingos Ferreira) - Tarifa R$ 10,40

5:20 - 6:20 -7:20 - 8:10 - 9:10 - 10:10 -11:10 - 12:10 - 13:10 - 14:10 -15:10 - 16:10 -17:10 - 18:10 - 19:10

 

DICAS GERAIS:

 

- Use sempre filtro solar, inclusive protetor solar labial. O sol em Pernambuco é bastante traiçoeiro, principalmente no verão. Além disso, a água salgada potencializa o bronzeamento e pode gerar graves queimaduras.

- Sempre pesquise e leia bastante sobre qualquer lugar desconhecido que for visitar. É a melhor forma de saber quais são os melhores destinos e evitar ser enganado.

- Toda cidade turística geralmente possui CATs (Centro de Atendimento ao Turista), onde podemos obter dicas valiosas, mapas, programações culturais e tirar dúvidas. Em Pernambuco, há CAT no aeroporto, na praça do Marco Zero, em Olinda e em Porto de Galinhas.

- Na maior parte das praias em Pernambuco há cobrança do uso de guarda-sol e cadeiras, mas se o cliente consumir alguma coisa eles não cobram o uso dos mesmos. Cuidado, pois há barracas que exigem consumo mínimo para isenção de pagamento do uso de guarda-sol. Fique atento e pergunte antes de sentar.

- Não dê brecha para violeiros, repentistas, artesãos e guias turísticos. Se você permitir a aproximação e der atenção, eles irão cobrar pelo “serviço” prestado.

- Qualquer cidade turística há lugares caros, principalmente em alta temporada. Portanto, pesquise bastante antes de comprar presentes, de comer, de se hospedar, de contratar serviços, etc. Em Porto de Galinhas há lugares baratos para se comer e pode-se encontrar muitas opções de lembrancinhas e presentes custando entre 5 e 25 reais.

- Fique atento à Tábua de Marés. Especialmente em Porto de Galinhas, é necessário estar na maré baixa para visualizar as piscinas naturais e melhor aproveitar as praias. O ideal é que a maré esteja abaixo de 0,5. Programe sua viagem baseando-se nas melhores marés, que podem ser consultadas no site da marinha (Pesquise por Porto de Suape e Porto de Recife). O melhor período é entre duas horas antes e duas horas depois da maré baixa. (Ex. maré baixa às 9:00, então o melhor horário é entre 7:00 e 11:00h).

- Ao andar pelas ruas da região metropolitana de Recife, evite portar objetos de valor e muito dinheiro. Se necessário, esconda os objetos de valor (na cueca, no sutiã, na meia, etc). Toda cautela é necessária, pois Recife é uma cidade violenta assim como toda metrópole.

- O transporte público em Pernambuco tem seus problemas como na maioria das cidades brasileiras, mas é eficiente e seguro.

Link para o post
  • Silnei changed the title to Porto de Galinhas

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Iana Briaca
      Vou falar aqui no meu relato sobre formas de transporte que usei, hospedagem, duração da viagem e valores. Porque eu acho que é isso que uma pessoa procura quando busca informações sobre Mochilão. Sendo que na maioria das vezes é a primeira experiência da pessoa com um; 
      Resumo: 
      Tipo de transporte: ID JOVEM e carona pelas br da vida.  
      Hospedagem: Couchsurfing e voluntariado em hostel.
      Alimentação: Fazia compras para preparar minha própria comida ou às vezes eu comprava PF (mas comprar PF sai mais caro)
      Valor em dinheiro que levei: R$ 550,00.
      Duração da viagem: 54 dias.
      Quantidade de estados: 3 Estados e uma pequena parada em Brasília.
       
      SOBRE HOSPEDAGEM, TRANSPORTE PARA SAIR DO MEU ESTADO E ALIMENTAÇÃO NO PRIMEIRO DESTINO; PERNAMBUCO: Então, meu mochilão começou quando eu saí de Belém, que é a cidade que eu moro, no dia 04/07/2019, ruma à Pernambuco. Fui de ônibus usando o ID jovem, de passagem de Belém para Recife eu paguei 3,50. Isso, três reais e 50 centavos. Esse valor corresponde à taxa de pedágio que é cobrado pela empresa de ônibus, apenas. Quando eu cheguei em Recife fiquei hospedada na casa de um casal que consegui estadia pelo Couchsurfing. O tempo que passei na casa deles foi incrível, pessoas super legais. Com o mesmo aplicativo consegui estadia para passar um final de semana em Olinda, em uma pousada localizada bem no centro histórico. Também não paguei nada para ficar hospedada, apenas tinha que ajudar a moça que trabalhava na cozinha com serviços bem simples pela parte da manhã. Ah, e sobre alimentação, essa era por minha conta. (Talvez o seu anfitrião não tenha problema em ajudar nesse quesito com algumas coisas, mas também ninguém gosta de gente folgada né, se tu tiver condições de comprar a tua comida é muito melhor, caso contrário é bom você avisar à pessoa que vai te receber que vais precisar de alimentação também).
      OBS: Couchsurfing é uma plataforma que possibilita a troca de hospedagem em qualquer lugar do mundo. Na época era totalmente gratuita quando usei, agora o app tá cobrando uma contribuição de R$ 4,99 mensal ou R$ 29,99 anual por conta da crise do corona vírus.
      ROTEIRO: Quando estive em Pernambuco conheci Recife, Olinda, Porto de Galinhas, Praias do litoral de Cabo de Santo agostinho: Calhetas e Gaibu (caara, as praias mais lindas que conheci até hoje, e por não serem tão famosas quanto Porto de Galinhas, elas não são taão movimentadas, o que eu acho ótimo) e vila de Nazaré. Isso em uma semana, que foi o tempo que passei em Pernambuco. 
      TRANSPORTE PÚBLICO: Como eu fui com um amigo que sabia tocar banjo e eu enrolava no Maracá, optamos por não pagar passagens em transporte público e sim pedir para os motoristas deixarem a gente subir e tocar Carimbó nos ônibus. E assim, essa ideia deu super certo, tanto que a galera até ajudava com uns trocados, o que ajudou muito a gente na viagem. Sobre o valor de passagem de ônibus urbano não vou saber falar do custo, pois não tive essa experiência. Porém, fica a dica: Toquem nos ônibus ou subam pra vender algo. 
      SAÍDA DE PERNAMBUCO RUMO À BAHIA:  Saí de Pernambuco de carona, com a intenção de descer até a Bahia. Porém, no primeiro dia consegui carona com um caminhoneiro que tinha como destino Maceió, aceitei porque isso ia me deixar mais próxima do meu destino, né. Tive que ficar uma noite em Maceió para poder partir no outro dia. 
      Fiquei em uma Pousada de beira de estrada que custou R$ 40,00 no total pra dormir eu e meu amigo em um quarto com duas camas. 
      Jantei em um Restaurante que o PF custava R$ 10,00.
      No outro dia peguei mais duas caronas Alagoas-Sergipe Sergipe-Bahia e cheguei na Bahia, finalmente.  Passei uma semana em Salvador, consegui hospedagem no Couchsurfing, alimentação por minha conta, fazendo compras e preparando minha própria comida, de transporte usei o mangueio kk pedindo pra subir e tocar. Depois de uma semana, saí da bahia e voltei à br para pegar carona. Consegui diversas caronas no mesmo dia e cheguei na Chapada Diamantinaa. 
      NA CHAPADA DIAMANTINA:  Não consegui estadia com o couchsurfing na Chapada, tive que pagar uma semana de Hostel. 
      VALOR DO HOSTEL: 15 Reais a diária (pedindo desconto)
      ALIMENTAÇÃO: Comprava minha comida e preparava. 
      GUIA: É necessário guia apenas em algumas trilhas em outras tem como fazer de boas usando o gps. 
      DICA DE APP: MAPS ME Nele tem como usar o gps da localidade que tu se encontra sem internet. 
      SAINDO DA BAHIA RUMO GOIÂNIA: Saí da Chapada Diamantina de carona com inumeráveis pessoas, carona com caminhoneiro e carro particular, e passei perrengues, porque a Bahia é imensa. Levei 4 dias pra chegar em Goiânia.
      Nesse percurso nem sei quantas caronas peguei, foram muitas. Em nenhum momento precisei pagar pousada, até porquê nem tinha como, pois a grana já tava curta. Na primeira noite dormi na casa da família de um rapaz que me deu carona quando ainda estava indo para Chapada, Na segunda passei a noite em um posto de gasolina, Na terceira noite dormi na casa de um amigo que conheci com a experiência de carona também, isso em Brasília. (aproveitei pra comprar logo minha passagem de volta pra belém quando eu estava em Brasília) E por fim, no quarto dia consegui a carona para Goiânia. Em Goiânia passei quase algumas semanas, fiquei na casa de um amigo, apenas ajudando com a alimentação, no trasporte também não gastei nada.
      GOIÂNIA ATÉ A CHAPADA DOS VEADEIROS: De Goiânia até a Chapada dos Veadeiros, por muita sorte, tive só uma carona. Consegui carona com um fazendeiro que tinha uma propriedade próximo da cidade que eu ia ficar. Ele me deixou até a cidade que era meu destino, lá eu fiquei hospedada em um hostel onde trabalhei como voluntária em troca de estadia. Nos dias eu que trabalhava as minhas refeições eram por conta do hostel. A dinâmica de trabalho era a seguinte, eu trabalhava um dia e folgava dois. Passei uma semana na Chapada do Veadeiros, conheci a cidade de Cavalcante e Alto Paraíso. 
      FINAL DA VIAGEM: Saí da chapada dos Veadeiros de carona também, e fui até Brasilia. Lá eu passei apenas uma noite e no outro dia embarquei de volta pra Belém. A passagem que eu comprei foi com o ID Jovem, paguei apenas R$ 5,00. Ah, eu comprei com antecedência, sempre tens que comprar a passagem com usando o id com antecedência, não deixa pra comprar na hora senão vais te ferrar. 
      Enfim, minha experiência foi essa, espero ajudar em alguma coisa, é nooós!

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Você curte carnaval? Quer saber quais são as melhores cidades no Brasil para curtir o carnaval? O que cada uma delas tem de único? Então você está no lugar certo! 
       

       
      Tem quem acredite que o ano só começa depois do Carnaval. Então, nada melhor do que começar o ano com uma viagem, certo? O Brasil é mundialmente conhecido pelo carnaval e suas festas típicas de fevereiro. Muitos lembram de cara do Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, mas acredite há muito mais para ser explorado durante essa época do ano.
      Afinal, estamos falando de um dos países mais multiculturais do mundo. Então, se você quer descobrir novos ares nesse começo de ano, confira aqui 7 cidades para aproveitar o carnaval no Brasil. 

      Continue lendo: 7 das Melhores Cidades para Aproveitar o Carnaval no Brasil
    • Por ipamscf
      Este post é sobre como foi acampar em Maracaípe - PE, um paraíso pra quem quer fugir da algazarra de Porto de Galinhas. Fiz essa viagem em 2018 mas muita coisa permanece a mesma.
      1-> A IDA Pra quem nunca nem viu falar sobre Maracaípe, esta praia é um reduto para os surfistas e praticantes dos esportes marítimos em geral, tem desde aquela velha pegada de onda no surf, kitesurf, esqui aquático, e vários outros tipos que eu particularmente não sei mas vou achar os links e deixar no final do post, como sempre.   Mas basicamente, para chegar em Maraca é só seguir todo o caminho até Porto de Galinhas, a diferença é quando chega em Porto.   Existem, pelo menos, 4 maneiras de chegar em Maracaípe:   No próprio busão que você for pergunta se ele vai até Maracaípe, pelo menos a noite eu vi uns 2 ônibus indo até lá; Pegar um transporte de aplicativo (funciona Uber e 99Pop perfeitamente e custa entre R$7,00 e R$8,00); Um microônibus que faz a linha transporte alternativo que passa de 5 em 5 minutos mas para isso tem que descer do ônibus, entrar na rua da esperança no sentido Maracaípe e ficar esperando o busão passar. Caso peça parada e ele não pare, ai tem que ir até a rotatória de Porto de Galinhas e ficar esperando lá, porque lá é uma parada de ônibus (custa R$3,20 por pessoa). Mototaxi, assim que desce do ônibus logo na esquina da Rua da Esperança você verá um toldo montado (custa algo em torno de R$5,00 por pessoa por viagem).   Chegando em Maraca você vai descer no ponto final, que é basicamente no fim da pista calçada e já vai dar de cara com aquele marzão.   2-> A PRAIA DE MARACAÍPE - PE   Então, se tu tá procurando sombra, água fresca e calma, te garanto encontrar sombra e água fresca mas calma, meu amigo, hahaha, não tem de jeito nenhum! O vento lá é muito forte (por isso point de surfista, afinal pra ter onda tem que ter ventania) então o mar além de agitado é perigoso, há placas inclusive que alertam que embora uma parte seja rasa, é muito comum que inesperadamente brote uma vala e a água que tava chegando na cintura vá parar no pescoço, portanto fica aqui o alerta VÁ COM CUIDADO E SEM AFOBAÇÃO.   A parte que eu mais indico para banho é justamente no Pontal de Maracaípe, é um ponto muuuito massa que tem mais gente no por do sol que, diga-se de passagem é de tirar o fôlego! Lá, como há o encontro do mangue com o mar costumam ficar umas barreiras de água e dá para se banhar e até com crianças é muito tranquilo, só prestem atenção na maré porque enche muito rápido e você pode acabar não conseguindo voltar para a Vila pela beira mar.
      Para chegar tem a opção de ir a pé pela beira do mar (foi o que fizemos) que dá uns 30 a 40min de caminhada, dá para ir de buggy ou de quadriciclo. Lá mesmo tem uns passeios de jangada que oferecem para conhecer os mangues por dentro, porém não sei dizer quanto custa já que não fiz o tal passeio.   Perto da vila tem um coqueiral massa (em frente à saída do Camping, mas jajá chegamos nele) que não dá pra ficar lá antes das 14h pois simplesmente não tem sombra.   Até tem uns barzinhos com umas cadeiras para ficar, mas nada comparado a Porto, Maraca tem uma vibe mais serena, mais zen, que você vai pra ouvir o barulho do mar, contemplar a beleza e tomar banho de chuveirão caso não tenha coragem ou experiência de entrar no mar. Porém os preços são condizentes com o lugar, lei da oferta e procura né.             3-> ONDE COMER EM MARACA
      Comemos em dois lugares, pelo menos, um foi uma pequena lanchonete na avenida calçada principal de Maracaípe, de uma Sra muito gente boa e uma comida muito organizada, porém tem uma placa bem grande informando que não aceitam cartões, aliás essa é uma constante em Maracaípe, quase canto nenhum aceita cartão e quando aceita são aqueles restaurantes pega turista, sabe?   O outro lugar em que comemos foi o restaurante MARCÃO PRIME, um ambiente muito show, um vento maravilhoso e nesse dia tinha música ao vivo, comemos uma pizza (fica aqui o adendo QUE PIZZA MARAVILHOSA!!!!!) e eu tomei uma caipiroska que, minha nossa, que bebida deliciosa! O preço foi bastante acessível levando em conta que comemos que ficamos empanturrados hehe.   Sobre mercadinhos, não tem, nenhum, mesmo. Ou você já trás de casa os mantimentos ou compra em Porto que, nos posts que eu coloquei o link lá em cima, tem os mercados que eu mais indico por serem num preço bom.  
       

      4-> O MARACAMPING   Ah o Maracamping! Primeiro já começa que a dona (Dona Fátima, maravilhosa!) tem uma vibe incrível. Eu acabei não tirando tantas fotos quanto poderia porém coloquei as fotos no google na parte que indica o local então, se procurar no google pelo Maracamping, vai ver fácil as FOTOS que eu tirei.   Mas resumindo, o Camping conta com área pé na areia mesmo para montar as barracas (dica 1: leve uma lona para colocar sob a barraca ,evita dor de cabeça no pós acampamento), conta com cozinha comunitária equipada com fogão, geladeira, pia, sanduicheira e ainda uma mesinha para confraternizar; Possui ainda 2 banheiros, um masculino e um feminino muito organizados e com os itens necessários; No mesmo beco que dá para a cozinha e para os banheiros há um chuveirão (caraaca que chuveirão massa, me salvou do calor já que não dava pra entrar o tempo todo no mar) de água doce.   Quando formos montamos nossa barraca embaixo da proteção que existe colada no muro que dá de frente para a praia. Ficou meio confuso né? Mas nas fotos dá pra entender o que eu to falando. Se eu puder dar uma dica aqui, diria para colocar a barraca na ponta direita de quem olha para o mar pois não pega todo o sol da tarde e a barraca não fica tão quente.   LEVEM VENTILADOR! Há pontos de luz suficientes para se puxar uma extensão (lembra de levar o ‘T’ ‘benjamin’ ou sei lá como que fala na sua região, pra ajudar o coleguinha e não usar sozinho a tomada, bora compartilhar mais!) com ventilador a noite é filé de tranquila, porém sem o ventilador é punk, como fui de mochila e tava preguiçosa não levei ventilador; não recomendo. (Não tirei fotos ou fiz vídeos dos banheiros e cozinha pq realmente não é necessário).   O cachorro da dona Fátima, o zóio, é a coisa MAIS FOFA DESSE UNIVERSO!!! Ele é muito dócil e vem falar com todo mundo que chega para dar as boas vindas, é tão dócil que fica querendo entrar nas barracas pra conhecer por dentro hahahah.    
            4.1 Como chegar no Maracamping Aqui não tem errada, é descer no terminal do ônibus, pegar a estrada de terra no sentido pontal de maracaípe, passou o bar da mônica é só entrar na primeira rua à direita, andou um pouquinho para frente já se vai conseguir ver o muro do camping do lado esquerdo. Se ainda ficou na dúvida vou colocar o trajeto que coloquei fiz no maps pra vocês. Não confiem no GPS nem deixem o cara do pop ou uber confiar pq vai levar vocês para a rua de trás que não tem saída e não vai valer a pena, peçam pra descer no terminal e vão andando, é muito fácil chegar.   MAPA DE ONDE DESCE EM MARACA ATÉ O CAMPING   No geral dessa vez eu fui mesmo pra descansar então procurei desligar os aparelhos e aproveitar toda a vibe que o lugar trazia, mas se ainda quiserem agito de dia e sossego de noite de dia dá pra ir tranquilo pra Porto de busão, a pé, de bike, do jeito que quiser porque é muito perto e dá pra passar o dia rodando por lá;   Caso fiquem em pousada Porto é a opção pra quem vai ter que comer fora pois há mais opções e, portanto, preços mais camaradas, só pesquisar. Como ficamos no camping cozinhávamos lá mesmo o que barateia E MUITO a viagem, essa dica vale pra qualquer lugar que se tenha acesso à cozinha (detalhe que a cozinha do camping é muito convidativa e organizada então, se você for, deixa limpo tá? E também guarda sua sujeira direitinho, a natureza e o bom convívio agradecem. Obrigada pela leitura e, até a próxima!
      __________________________________________________________________ Links úteis  
      Tábua de Marés:
      https://www.apolo11.com/mare.php?local=02   CittaMobi: www.cittamobi.com.br/   Esportes em Porto de Galinhas: https://enter-guide.com/portodegalinhas/esportes-em-porto-de-galinhas   Maracamping Instagram: https://www.instagram.com/maracampingbeach/   Maracamping Facebook: https://www.facebook.com/maracampingbeach/?rf=923951584400139
    • Por ipamscf
      PRIMEIRAMENTE: Cadê o subtópico nos relatos de viagem da Paraíba?!
      SEGUNDAMENTE: Este é um post longo e os links para valores e compras estarão no final do post.
      OLÁ OLÁ OLÁ
      Essa viagem eu faço sempre, portanto, não tem data específica. O que pode alterar é o preço das passagens que, ao final como sempre, deixo os links e os meios de contato das atrações bem como o máximo de informação que consiga.
      -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      1- O ÔNIBUS O meio mais barato de chegar em Campina Grande - PB vai depender de dois fatores: 1- ser estudante; 2- ter tempo e disposição; primeiro vamos começar pelo modo mais barato.
      Primeiro, de onde você estiver, procure saber como faz para chegar no Auto Posto Santo Expedito que fica na Iputinga (para quem é de Recife é ali perto do Detran, para quem não for, é só perguntar onde fica o Detran, o caminho é por ali). Quem vai de ônibus eu indicaria pegar o metrô e seguir até a estação Barro e, de lá, pegar o ônibus que faz a linha Barro-Macaxeira-BR 101 e, depois que ele descer o viaduto da Caxangá, descer na primeira parada, logo mais a frente estará o Posto.

       
      Há ainda a opção mais “segura” (infelizmente Recife está bem perigoso, portanto, qualquer opção que não seja carro se torna insegura) que é, saindo da Av. Recife, pegar o ônibus CDU-CAXANGÁ-BOA VIAGEM (atualização: hoje tem outro nome, aqui a gente usa ônibus pelo nome, mas o número permanece o mesmo) Nº 440 e descer no Viaduto da Caxangá, é assim que ele passa debaixo de um viaduto e faz uma curva como se fosse voltar pelo caminho que veio, depois que desce é ir andando até o Auto Posto.

            Depois que chegou no Posto é a hora de comprar a passagem; Há duas empresas que fazem o trajeto para a Paraíba, a Progresso e a Viação Total; a Progresso tem passagens para várias partes da Paraíba ao passo que a Total só faz o trajeto Recife-João Pessoa-Recife.
      Para esta primeira opção o caminho a ser feito é indo por João Pessoa; Os ônibus da Total tem os que são convencionais, ou seja, o preço da passagem é menor que em outros horários, portanto essa é uma boa hora para começar a viagem.


      Uma vez comprada a passagem para João Pessoa é só seguir viagem até chegar na rodoviária de Jampa. Quando desembarcar em jampa, por dentro da rodoviária mesmo, tem de seguir para o lado dos embarques municipais, que fica no outro extremo de onde acontece o desembarque.

      Chegando ao outro extremo é só subir a rampa e, logo do lado esquerdo, estará o guichê da Empresa Real Bus que é a responsável por fazer o trajeto João Pessoa - Campina Grande mais rapidamente, aqui que acontece o “barateio” da viagem pois, dentro da Paraíba, estudante paga meia passagem, ou seja, a passagem sai pela metade do preço!  
       
      Depois que comprar a passagem (sai ônibus de hora em hora para Campina) é só esperar ou na rodoviária mesmo ou ainda na área VIP da Real Bus (o nome é esse mesmo) até que chegue o ônibus e possa embarcar. O ônibus segue estrada pela BR 230, também conhecida por “tapete” por que peeeense numa estrada boa!
      Chegando em Campina Grande ao descer na rodoviária começa a linha de escolhas a depender de onde estará hospedado e etc.
       
      2- A CHEGADA Para quem vai para algum hotel e está com pouca mala a opção mais em conta que pode encontrar é o moto-taxi, para qualquer lugar da cidade - antes de começar a corrida pergunte o preço e, só depois que ele disser, diga para onde vai assim a chance de ser enganado diminui e, se for em época de alta estação como o São João, tenha em mente que os preços tendem a aumentar.
      Se está com muita mala há as opções de táxis e, para aqueles mais desbravados, há ainda os ônibus que são identificados pelos seus números. Sempre há um fiscal das companhias de ônibus então vale perguntar a eles como seguir para seu destino. Aqui vale a a máxima do mochileiro: baixe o maps offline ou salve o trajeto quando tiver internet. Em Campina Grande há informações no maps sobre transporte público.
       
       
      3- HOSPEDAGEM Como minha mãe mora na cidade eu não preciso ficar hospedada em hotel mas, pelo pouco que sei, existem algumas opções em Campina aqui cabe um pouco de bom senso na hora de escolher pesquisando as referências do hotel em sites e páginas de viajantes.
      No entanto, se forem escolher, escolham os que estiverem mais próximos do Parque do Povo, o local onde acontecem todos os shows e toda a festa junina se concentra nela.
       
      4- PONTOS TURÍSTICOS Certamente que a vontade é de conhecer todas estas atrações num mesmo dia mas, vos asseguro, não há condições de conhecer tudo num dia só, portanto reserve um fim de semana inteiro para conhecer tais atrações. Ao final deixarei minha sugestão de roteiro para o que fazer e o que visitar em cada dia mas, por hora, vamos conhecer mais os locais que acho interessantes de conhecer.
       
      Museu Três Pandeiros

      Sem sombra de dúvida há lugares que são indispensáveis para quem busca conhecer Campina Grande, dentre eles posso citar o Museu de Arte Popular da Paraíba - ou Museu dos Três Pandeiros que conta com a assinatura de Oscar Niemeyer e reúne trabalhos dos muitos artistas da Paraíba.

        Endereço: R. Dr. Severino Cruz - Centro, Campina Grande - PB, 58400-258 Horário: 09:00–19:00 Telefone: (83) 3310-9738 Entrada Franca   Açude Velho Ainda pelo caminho do Museu, está o cartão postal da cidade, o Açude Velho que ao redor dele encontram-se boa parte dos restaurantes, casas de show, academias e atrações mais chamativas de público.
       
      Bar do Cuscuz Ao seu redor podemos encontrar outro ponto turístico conhecidíssimo da cidade que é o Bar do Cuscuz, que oferece um belo ambiente além de música ao vivo e uma comida regional de sabor e preço muito acessível, claramente o Cuscuz é o carro chefe da casa mas eu, particularmente, prefiro carne de sol na nata com acompanhamento que é uma delícia e alimenta 3 pessoas que comem mediano tranquilamente custava R$ 42,00 na época em que fui, a dias em que há promoção de comida ou bebida, vale a pena perguntar ao garçon sobre tal possibilidade.
      Endereço: R. Dr. Severino Cruz, 771 - Centro, Campina Grande - PB, 58045-010 Telefone: (83) 3322-4232 Horário: 11:00–02:00 Entrada Franca  
        Espaço Zabumba
      Afora o Bar do Cuscuz no entorno do Açude também conta com a badalada casa de shows Espaço Zabumba onde, acontecem muitas apresentações de artistas famosos como Alcione, por exemplo.
      Endereço: R. Dr. Severino Cruz,S.N - Centro, Campina Grande - PB, 58045-010 Telefone: (83) 98837.3780 Horário: 20:00 - 03:00 Entrada a depender da atração  
      Parque da Criança
      Esta região ainda conta com o Parque da Criança onde, frequentemente, há atrações e atividades voltadas para o público infantil bem como ao público jovem também que, inclusive, é o que mais frequenta. Aqui vale o aviso de que, embora um local público e aparentemente bem protegido, acontecem constantes furtos tanto dentro quanto em seu entorno então, se forem conhecer, não esqueçam que atenção deve ser dobrada principalmente por estar em local desconhecido.
      Endereço: Av. Dr. Elpídio de Almeida, 215 - Catolé, Campina Grande - PB, 58410-215 Horário: 04:00–11:00, 13:00–20:30 Telefone: (83) 3337-4122 Entrada Franca
        Estação velha
      Saindo do Açude Velho, a poucos minutos a pé, está a Estação Velha que possui um acervo sobre a história do algodão e como ele emoldurou a economia local por muito tempo permitindo, inclusive, a construção de uma ferrovia comercial bastante movimentada na sua época áurea. Não paga para entrar, no entanto, incentiva-se uma ajuda para os guias que ali trabalham como voluntários, e lutam pela preservação do local e da história da cidade.
      Endereço: R. Benjamin Constant - Centro, Campina Grande - PB, 58410-012 Telefone: (83) 3341-0603 Horários: Entrada Franca mas conta com contribuição dos visitantes para os guias voluntários
       
        Parque do Povo
      Também a pouquíssimos minutos a pé do Açude Velho está o Parque do Povo, centro das festividades juninas na cidade onde, na época festiva, se enfeita e é cercado a fim de trazer mais segurança e estrutura para os turistas e cidadãos que vem a curtir as celebrações.
      Endereço: R. Sebastião Donato, S/N - Centro, Campina Grande - PB, 58400-355 Horário: 24 horas Entrada Franca  
       
      Dentro, e ao redor do Parque, instala-se uma bela estrutura que atende a todos os gostos, na parte mais baixa (pode ser na alta também, depende do humor de quem organiza a festa --” ) estão os restaurantes badalados da cidade que montam suas áreas ali. Ainda há a área de “cidade velha” que também tem uns mini restaurantes e conta com um coreto e com a “estação de rádio” do Parque. Por toda a extensão do Parque, até antes da Pirâmide é possível encontrar quiosques que tocam, principalmente, forró bem pé-de-serra.
       
         
      Na parte central do parque está a icônica Pirâmide onde ocorrem as apresentações de quadrilhas juninas e também shows de forró predominantemente pé de serra.

        Subindo as escadarias, logo a esquerda, está a cenográfica Vila Nova da Rainha e, mais a frente, encontra-se o pátio de shows com, ao fundo, o grande palco nominado Poeta Ronaldo Cunha Lima que acontecem os grandes concertos no Parque.
       
        Sítio São João Segundo descrição do site sobre o são joão de Campina Grande : ”São espaços como capela com imagens dos santos juninos, engenho, casa de farinha, roçado de milho, casa de taipa, bodega, tipografia e difusora. Os locais ficam repletos de artigos reais que ornamentavam os espaços.”
      O sítio funciona basicamente pelo dia é, portanto, junto à Galante, a atração diurna que atrai aqueles que ainda não podem ou não gostam de ir ao Parque do Povo.
      Endereço: Avenida Cônsul Joseph Noujaim Habib, s/n - Catolé, Campina Grande - PB, 58410-603
      Telefone: (83) 99188-7758 Horário: 11:00–22:00 Entrada entre R$2,00 e R$5,00 por pessoa, há promoção para mulheres até certa hora
        Vila do Artesão
      Por último, mas não menos importante, temos a Vila do Artesão - meu lugar predileto dentro de Campina Grande no São João - , um mercado aberto ao público também próximo ao Açude Velho que conta com lojas de artesanatos dos artistas locais menos conhecidos mas não menos talentosos da cidade de Campina Grande.
      Endereço: Avenida Almeida Barreto, s/n - São José, Campina Grande - PB, 58400-328 Horário: 10:00–18:00 Telefone: (83) 3322-2425 Entrada Franca
      No centro do mercado há uma praça de alimentação que, nos fins de semana mesmo fora da época festiva, é bem animado pois sempre tem um trio forrozeiro animando as pessoas que ali vão tomar uma bebidinha ou apenas almoçar. Há restaurantes self service sem balança com duas opções de carne por R$ 10,00


      Fazenda Santana
      Um restaurante fazenda que fica nas imediações do distrito de Galante que possui uma vasta área para atividades de turismo rural como passeio de charrete, cuidado com os bichos, redes para deitar-se após o almoço, vários lugares bonitos para tirar fotos, além de uma piscina muito convidativa e do som de um trio pé de serra para animar o almoço. Os preços são bastante acessíveis e a comida bem servida. Para chegar lá o transporte mais recomendado é mesmo o carro já que o acesso é um pouco difícil e possui um longo estacionamento.
      Endereço: Rodovia PB-100, s/n - Zona Rural, Campina Grande - PB Telefone: (83) 3317-1102 Horário: 12:00 - 15:00 Entrada Franca Cobra 10%,Couvert Artístico e não aceita cartões.  
         
      Galante
      A 18 km de Campina Grande encontra-se o distrito de Galante, uma cidade mínima porém muito procurada na época junina. Embora muito pequena é um distrito conhecido pois é nele que desembarca o famoso Trem do Forró (que, a propósito, eu particularmente não indico pois não é muito confortável para o preço que cobram, mas para quem gosta, vá a fundo) e possui muitos festejos durante o dia. Há quem diga que, enquanto a noite não chega para ir ao Parque do Povo, vai-se à Galante para curtir o dia assim como ao Sítio São João.

       
         
      5- ROTEIRO
      Como eu disse antes não creio ser possível (sempre há quem consiga, pois bem) fazer todos esses pontos num dia só, para tanto separei um roteiro de dia a dia dos pontos principais, entre os quais falei, que funciona especialmente para aqueles que tem coragem de andar rsrsrs. Dia 1: Galante - PB

      Embora não seja dentro da cidade de Campina Grande o distrito de Galante tem uma vida diurna muito convidativa para aqueles que buscam um verdadeiro pé de serra, rala bucho e muito espetinho e bebida.
      Para chegar em Galante há, pelo menos, 3 maneira de chegar: indo pela BR 230 até a entrada de galante; indo por dentro de Campina Grande, seguindo pelo trajeto que se faz para chegar à Fazenda Santana e, o que eu mais indico, indo de ônibus que o pega na antiga estação rodoviária de Campina, que fica bem no centro (usando o google maps mostra todas as informações).
      Quando se chega em Galante a primeira impressão é de cidade agitada (se for no São João) em cada esquina há um palhoção (não sei como chama na rua região mas aqui no NE é basicamente uma tenda enorme que fica um trio pé de serra animando o pessoal que se reúne la embaixo pra dançar e beber e curtir) e nestes palhoções sempre um bar e espetinhos na frente para animar e alimentar os ‘’juninos’’
      Indico, aqui, procurar os self services sem balança para os que precisam almoçar, há opções de barzinhos que oferecem estes serviços, restaurantes propriamente ditos são pouquíssimos, assim, os lanches estão por toda a parte e a preços bem camaradas, mesmo em época festiva. Há tapiocas, Crepes no palito, espetinhos, milho cozido e assado, salgados de todos os tipos.
      Em Galante é possível passar o dia inteiro e, se ainda houver pique, ir de noite para o Parque do Povo, se não, dá para descansar para no outro dia seguir para a programação a seguir.
       
      Dia 2: Estação Velha , Museu Três Pandeiros, Parque da Criança e Sítio São João

      Depois de chegar em Campina e se instalar na sua hospedagem (se quiserem dicas de hospedagens eu posso procurar e enviar para vocês, é só me mandar uma mensagem através da caixa ao lado direito no blog) é só pegar algum moto taxi, ou taxi, ou ônibus que deixe-os no Museu do Algodão, também conhecido como Estação Velha.
      Chegando na Estação velha façam o passeio guiado, não custa muito caro - depende do quanto de gorjeta você dará - e ajuda muito a entender todo o aparato que tem dentro do museu. Ainda dentro da Estação sigam para a parte de fora que tem uma réplica de um trem que era usado na época de expansão do comércio lá é possível subir no trem e tirar algumas fotos para ficar de recordação.
      Saindo da Estação, seguindo na direção da STTP logo a frente verá o Açude Velho. Indo pelo lado esquerdo verá o imponente Museu Três Pandeiros onde pode apreciar as obras de arte dos artesãos paraibanos ou comprar se assim desejar, depois de sair do museu é só seguir direto até, depois que der a volta no açude, verá um terreno gradeado com várias portas e etc, lá está o Parque da Criança; dificilmente as portas que dão para a lateral se encontram abertas, portanto, seguindo por esse caminho já sairá na área de entrada principal.
      Saindo do Parque da Criança ainda há a opção de esticar para o Sítio São João, trajeto que deve ser feito de carro devido a distância, lá funciona por uma boa parte do dia então, depois do almoço no parque da criança, se seguir para o Sítio ainda dá para forrozar muito por lá. As comidas não são tão baratas mas as bebidas compensam.
      Dia 3: Fazenda Santana e Parque do Povo

      Esse passeio é para aqueles dispostos a pegar estrada e ainda a curtir de manhã até de noite, literalmente. Seguindo pelo caminho numero 2 para galante é mais fácil de chegar na Fazenda Santana onde, assim que chega, já lida com uma bela paisagem bucólica e bem “fazendesca”.
      O amplo e fácil estacionamento permite a ida de carro sem maiores problemas, há trajeto de ônibus - salvo engano - mas eu mesma nunca fiz, portanto, não posso afirmar nem desafirmar nada.
      Dentre as várias atividades a que eu mais gostei foi ficar deitada na rede - hahaha - depois do maravilhoso almoço com uma bela paisagem e uma música pé de serra muito gostosa. O almoço é bem servido e o local muito charmoso e refrescante, no dia em que fui estava meio frio daí não entrei na piscina mas, quem já foi, disse que é bom.
      Dá para passar o dia lá, desfrutando da mesa de sinuca, das redes, do passeio de charrete, dos passeios a cavalo, da casa rústica de fazenda toda decorada como eram as fazendas nos tempos de outrora, do contato com os bichinhos da parte de criação e um espaço amplo para as crianças com brinquedos. Não sei se paga para curtir isso tudo pois, quando fui, como eu havia comido lá não sei se por isso não cobraram nada, mas comam lá, a comida vale muito a pena.
      Saindo da Fazenda Santana, pelo mesmo caminho que veio para voltar à cidade de Campina, é possível seguir para o Parque do Povo (passar no hotel e, se quiser, deixar o carro e pegar um táxi é uma opção vantajosa também) se tiver muito pique.
      Chegando no Parque do Povo eu, particularmente, prefiro ficar na área baixa (depende do ano e do humor dos organizadores) que é onde se encontra o coreto, a cidade montada e os bares gostosos com as ilhas de pé de serra, há na “rua de trás” umas lanchonetes e bares que os preços são mais em conta, daí vale a pena a passada por lá para comer e voltar para a parte central para ouvir o forró e ficar mais a confortável a vontade.
      Para quem gosta de mais agito, há a Pirâmide com forrós mais atuais e o próprio palco principal em si.
       
      Dia 4: Vila do Artesão e a volta
      No dia de volta, se ainda der tempo, sugiro passar ainda na Vila do Artesão, seja para almoçar a um preço barato e comida caseira, seja para ouvir mais um pouco do gostoso forró pé de serra ou, ainda, seja para comprar um souvenir para aqueles que não puderam desfrutar dessa cidade tão gostosa.

      Como fica próximo do Açude Velho, para quem tem coragem e pouca mala sugiro andar até próximo do Museu do Algodão (Estação Velha) e pegar um ônibus (245 A ou B) que leva até a rodoviária para lá pegar seu ônibus, para quem não, vale pedir um táxi usando um dos aplicativos como 99taxis e easy taxi; sugestão: COMPRAR PASSAGEM COM ANTECEDÊNCIA pois na época de São João, principalmente, é mais propenso aos ônibus estarem todos cheios, especialmente os convencionais que são mais baratos nos ônibus da Progresso (que seguem caminho direto para Recife por um preço mais caro do que se for por Jampa) e mesmo nos ônibus da Real Bus para o pessoal que escolher voltar por João Pessoa novamente. Acesse o caminho para usar no gps aqui ou abra direto aqui abaixo .
       
      Links úteis
      CittaMobi: www.cittamobi.com.br/

      Viação Progresso: https://www.progressoonline.com.br/

      Viação Total: http://www.viajetotal.com.br/  
      Real Bus:https://www.realbus.com.br/

      Rodoviária Nova Campina Grande:

      Museu Três Pandeiros:

      Bar do Cuscuz:https://www.instagram.com/bardocuscuzcg/?hl=pt-br https://www.ifood.com.br/delivery/campina-grande-pb/bar-do-cuscuz-centro/7371341d-d145-4606-b16e-6ee2fffd29f7
      Espaço Zabumba (hoje Espaço Criativo):

      Museu do Algodão:https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g793400-d4376101-Reviews-Cotton_Museum-Campina_Grande_State_of_Paraiba.html

      Sítio São Joãohttps://saojoaodecampina.com.br/sitiosaojoao/

      Vila do Artesão:https://saojoaodecampina.com.br/viladoartesao/

      Fazenda Santana:https://pt-br.facebook.com/pages/Fazenda-Santana-Galante-PB/170854629713953 https://www.instagram.com/fazenda_santana/?hl=pt-br
    • Por ipamscf
      PRIMEIRAMENTE: Por que não tem um subtópico em relatos de viagem do Nordeste de Pernambuco?   Esse é um passeio rápido que fizemos por menos de 50,00 (o casal) para a praia de Gaibú, Cabo de Santo Agostinho - PE. Vale ressaltar que, se fores tentar isto, esteja num dia de pura descontração e espírito aventureiro, pois vai precisar bastante, no mais, confira a tabela de marés através do link que estará ao final do post e observe a previsão do tempo (para que possa curtir melhor) e utilize o app CittaMobi para saber a hora que o ônibus vai passar para se programar melhor.
      Fizemos essa viagem em Junho/2014.
       
      P.s: os valores serão atualizados, mas o meio de chegar não mudou nada.
      P.s2: as fotos foram coletadas na internet, no google fotos mesmo, por motivos de Metrô e Integrações de Recife e região, são perigosas e não fique dando vacilo com celular nem câmeras.
       
      1- METRÔS Através de pesquisas percebemos que o trajeto mais barato seria utilizando o sistema de Terminais Integrados que existe em Recife e RMR - Região Metropolitana - no entanto, para elaborar as ideias foi necessário conhecimento da cidade, pois esse trajeto não consta nas buscas pelo Google Maps e afins, então, uma vez decididos, saímos de casa e pegamos o metrô pagando a tarifa de R$4,00 por pessoa. Embarcamos no metrô por volta de 11:30 e fomos com ele até a Estação Joana Bezerra, um percurso de 15-20 min.
      Tivemos sorte ao pegar o segundo Metrô, pois quando desembarcamos em Joana Bezerra ele estava chegando, então entramos na Linha-Sul e com ela fomos até a Estação final Cajueiro Seco, um percurso de 30-50 min, o metrô até que estava vazio, tanto pela hora quanto pelo dia da semana, que foi um domingo; Não é difícil trocar de linha quando se sai da Centro-Oeste para a Sul  pois é uma mesma plataforma como dá para ver na imagem (as linhas vermelha e azul se juntam quando chega na Joana Bezerra), daí não haverão tantas dificuldades.
      2- BUSÕES
      Descemos na estação Cajueiro Seco - não há risco de perder a estação já que ela é a parada final - e nos dirigimos até a Integração de Ônibus, passando pela passarela e depois descendo as escadas, o que não é difícil é só seguir a multidão, e uma vez na integração, quando encontramos a parada do ônibus esperamos (pacientemente) por 20-30 min pelo ônibus que nos levaria até a integração do Cabo de Santo Agostinho (ônibus número 139), percurso que leva +/- 40-50 min;
      Ao desembarcarmos na Estação do Cabo de Santo Agostinho (também não é difícil saber quando, é só seguir a multidão), nos dirigimos à parada do ônibus que nos levaria até Gaibú (ônibus número 157) - na dúvida é só perguntar aos fiscais que ficam numa bancada no meio da integração, que eles indicam onde fica -, pelo qual nós esperamos uns 10-20 min, e quando já havíamos embarcado, até chegar lá o percurso durou uns 40-50 min;
      Chegamos em Gaibú exatamente às 13:30, depois de 2 (duas) horas de viagem, por isso digo que é preciso espírito aventureiro e boa vontade para poder chegar em Gaibú pagando pouco. De lá, ainda é possível seguir para as praias vizinhas que são tão belas quanto, como Calhetas, Praia do Paraíso e Suape.
       

      ->Relação de Linhas no TI CAJUEIRO SECO  

      ->Visão do Terminal de Cajueiro Seco  

      -> Terminal do Cabo de Santo Agostinho  

      -> Ônibus que sai do terminal do Cabo para Gaibú.     3- A CHEGADA Descemos na entrada da cidade - geralmente muita gente desce nesse ponto, pois o ônibus não vai até o centro, depois de descermos, com muito cuidado, atravessamos a pista e seguimos pela avenida (de nome Laura Cavalcante) que fica de frente para a delegacia e a partir dali caminhamos uns 5 à 10 min para acharmos um lugar bom para comer.
      Por sorte, na hora que chegamos era exatamente a hora da maré mais baixa, então aproveitamos bastante da praia (depois de comer que hoje Gaibú tem diversas opções pra comer), tomamos muito banho de mar (a praia de Gaibú, especialmente a parte das piscinas naturais, é excelente para banho. Águas mornas e cristalinas, um paraíso mesmo) Ainda há a opção de subir a grande pedra que leva até Calhetas - não tem erro de encontrar, entretanto o caminho pode ser perigoso pq tem alguns matos e gente de má índole pode se esconder por ali então, é aquilo, um olho na missa outro no padre-..
      Como fomos buscar meus sogros não voltamos de ônibus, viemos de carro na volta, assim nosso caminho da volta, foi outro que (diga-se de passagem, se estiver de carro e for por este pedágio, o tempo de viagem encurta para não mais que 40 minutos) pega o mesmo percurso do ônibus, mas entra em Enseada Dos Corais (uma entrada à direita de quem volta, e como a pista tem muitas curvas é bom ir devagar senão perde a entrada) e depois segue a pista principal até chegar no pedágio - a estrada só leva até o pedágio mesmo então não há como errar, saímos de Gaibú umas 17:30 e chegamos em casa às 18:50 da noite.
      Pra quem voltar de ônibus pode fazer o mesmo trajeto de volta utilizando ônibus e metrô, pagando o valor do ônibus que vai para a integração do cabo ou ainda há a opção de pegar um ônibus opcional que vai levar você até Candeias, mas eu não aconselho muito pois é mais caro e pode se tornar mais perigoso e mais trabalhoso que o trajeto inicial.
      >Parada de ônibus na entrada de Gaibú  
      ->Pedágio da Rota dos Coqueiros   Obrigada pela leitura e, até a próxima!
      ___________________________________________________________________________ Links úteis Valores de passagens de ônibus na RMR:
      Valores Metrô https://www.cbtu.gov.br/index.php/pt/tarifa-recife
      Tábua de Marés: https://www.apolo11.com/mare.php?local=02
      Tabela de Preços Pedágio - Rota dos Coqueiros: http://rotadoscoqueiros.com.br/tabela-de-tarifas   CittaMobi: www.cittamobi.com.br/

×
×
  • Criar Novo...