Ir para conteúdo

Cachoeira do Pereque-Mirim e poção do cristal verde


Posts Recomendados

  • Membros

Trilha feita em 04/05/2013.

 

Álbum com todas as fotos estão em:

https://picasaweb.google.com/110430413978813571480/CachoeiraDoPerequeMirimEPocaoDoCristalVerde?authuser=0&feat=directlink

 

A principio, por ser bate-volta, a intenção era acordar as 5h00 e sair as 6h00, para que pudesse aproveitar o máximo do dia. Porém, como o despertador falhou, acabei acordando somente depois das 7h00. Foi ai que vi que parte do tempo da trip poderia ficar comprometida. Pois até sair daqui de SP e chegar na primeira das trilhas mapeadas, levaria cerca de 1 a 2 horas.

 

Mas até que acordei relativamente cedo (por ter ido dormir cedo na noite anterior). Com a mochila preparada já na noite anterior, tendo que apenas pegar sucos na geladeira e passar na padoca para comprar presunto, rapidamente tomo café e as 8h20 estava arrumando a mala no bagageiro da motoca. Feito isso, zarpei as 8h25 e as 8h40 estava na marginal em direção a rodovia Ayrton Senna, com destino a Boraceia, passando por Mogi.

 

A viagem transcorreu em uma manhã relativamente quente para os padrões do outono, porém com céu totalmente azul e livre de qualquer vestígio de nuvens, confirmando a previsão meteorológica da Somar (do tempo agora) que o tempo só mudaria no dia seguinte. As 9h28, após descer o trecho da Serra do Itapety, cheguei a mogi das cruzes, onde a cruzaria para pegar a SP-98, mais conhecida como "Mogi-Bertioga". Antes de chegar no cruzamento com a linha da CPTM, dei de cara com uma blits da PM, que ao me verem aproximando, um deles acenou para eu parar.

 

Enquanto encostava a motoca, pensei: Espero que não embacem com a aparência da moto, um pouco suja de estrada de terra, com aparência de velha, propositalmente deixada assim para que a mesma não chame a atenção dos bandidos, mas com a manutenção e documentação em dia. Parado ali, entreguei a documentação e o CNH ao PM e como quem não deve, não temes, tudo ok e fui liberado. Porém, não foi rápido: custou 20 minutos do meu estourado tempo. Imprevistos, faz parte.

 

Por ser um sabadão de um fds tradicional e fora de temporada, a rodovia estava vazia, então logo que sai de Mogi, percorri em 25 minutos o trecho de planalto da serra e as 10:13h, já no meio da descida, fiz uma rápida parada para fotos do belíssimo cachoeirão véu das noivas, mais conhecida como cachu do elefante, visto de longe da rodovia, cachu essa que já foi palco de algumas pernadas nas entranhas dessa parte da Serra. Travessia Casa Grande x Guaca que o diga.

 

O céu estava bem limpo e livre de qualquer vestígio de nuvem, o que é raro em se tratando de trecho de serra, porém, ventava muito, com rajadas inclusive. Ventos muito fortes e constantes no geral, indicam a aproximação de uma frente fria, ou seja, sinal que de fato, o tempo iria mudar no dia seguinte.

 

CIMG2227.JPG

Cachu vista do ponto de refúgio no meio da descida da serra de Mogi-Bertioga.

 

CIMG2230.JPG

Picada alternativa que sai da rodovia e desce até o Rio Itapanhaú em menos de 30 minutos, onde se faz necessário atravessar o rio e seguir do outro lado a direita até a cachu.

 

Porém, como já tinha perdido muito tempo por ter acordado tarde e pelo fato de ter sido parado na blitz, me limitei a algumas fotos apenas, e as 10:25h, retomei a viagem. Após passar o entroncamento com a Rio-Santos e virar sentido Boracéia, rapidamente cheguei ao Km 200, onde virei a esquerda em uma área de retorno. As 11:05hs, após seguir o roteiro previamente mapeado (com nomes de ruas e caminhos traçados pelo google earth + maps), inicialmente seguindo pela "R.R um", cheguei na tal rua com o nome "R.R.Quatro", entrando pela portaria do segundo condomínio após fazer o retorno.

 

Rua essa que, seguindo reto, dá acesso direto a estradinha de terra que leva a cachoeira do Perequê mirim.

 

CIMG2233.JPG

Estradinha de terra que dá acesso a trilha da Cachoeira do Perequê-Mirim.

 

Es que as 11:15h adentrei a estradinha de terra e após 4 km, cheguei ao final dela e inicio da trilha da cachoeira do Perequê-Mirim. Após algumas alongadas básicas e preparar a mochila, es que as 11h40 dou inicio a pernada propriamente dito. Bem tarde por sinal, já que previa chegar ali as 8h00.

 

Já no inicio da trilha, noto algumas bifurcações logo de cara, o que me atiçou a curiosidade de espia-las rapidamente antes de seguir pela principal até a cachu. Antes mesmo de iniciar a trilha, vi 2 bifurcações, uma a direita e outra a esquerda. A primeira apenas dava volta por dentro da mata e caia mais a frente, numa outra trilha que termina numa casa, com uma placa dizendo: Proibida a entrada. A outra termina no rio. Já no começo da trilha principal, notei uma placa indicando com uma seta a esquerda: "cachoeira". Enquanto que, seguindo reto, cairia na tal casa.

 

CIMG2240.JPG

Inicio da trilha

 

CIMG2237.JPG

Placa indicando o sentido da cachoeira

 

Virando a esquerda pela picada principal, logo de cara, cheguei ao trecho de rio, onde o conforto dos pés secos vai literalmente para o saco, já que a travessia se fazia necessária, pelo fato da trilha continuar do outro lado. Logo após atravessar o rio, dou de cara com mais 2 bifurcações, ambas bem abertas, o que me deixou dúvidas a principio, sobre qual delas seguir. Pois bem, como tenho que escolher por qual irei, resolvo ignorar a picada da esquerda em favor da direita, que segue subindo o rio, já que ia na direção desejada.

 

CIMG2236.JPG

Trecho de travessia de rio, bem no inicio da trilha.

 

A trilha segue bem aberta e batida, onde noto inclusive algumas marcas de pneu de moto (me perguntei como os caras passaram com a moto pelo aquele rio meio fundo e bem pedregoso naquele trecho, mesmo com moto de trilha). Após a travessia de rio, es que em 10 minutos, passo por mais uma bifurcação a esquerda. Por estar mto bem aberta, assim como a principal, resolvo abandonar temporariamente a picada principal em favor da bifurcação a esquerda, indo por algum tempo nela para ver onde vai dar.

 

A picada segue forte em direção quase oposta a principal, o que me fez pensar que estivesse voltando e poderia cair em alguma outra estradinha. Mas mesmo assim, resolvo ir mais um pouco nela para ver, qualquer coisa, voltaria e exploraria ela depois que passar pela cachu. Porém, não dá nem 5 minutos de pernada e a mesma cai num belíssimo poção natural do rio, de cor esverdeada, enorme, profunda, com a maior parte dela só de areia, com um belo descampado e até uma corda para se pendurar e saltar na agua.

 

Sem nenhuma alma viva no local, o calor queimando meus neurônios e dono absoluto do lugar, não resisto a dar um rápido tchibum nessa belíssima piscina natural. Refrescado e pronto para continuar, noto que a picada que me trouxe até ali vira a esquerda e desce, então resolvo retornar a principal e de lá, seguir até a cachu. De volta a principal, segui por mais 10 minutos e para a minha grata surpresa, cheguei na cachoeira do Perequê-Mirim as 12h25, cujo acesso se dava por uma picada a esquerda, enquanto que a principal seguia rio acima. Na cachu, pausa para mais fotos e um pit-stop, claro.

 

CIMG2244.JPG

Poção do cristal verde

 

CIMG2251.JPG

 

A cachoeira é formada por uma enorme pedra lascada, com cerca de 20 a 30 metros de altura formada por 3 quedas, com um trecho onde é possível até descer escorregando num tobogan natural. Pausa para mais cliques e me deliciar por mais uma sensação de dono absoluto do lugar, já que além do poço do cristal verde, tb não havia nenhuma alma viva na cachoeira. Mesmo com o calor e o astro-rei brilhando forte. A fome dá seus primeiros sinais, então aproveitei a ocasião e mandei ver nos lanches para forrar o estomago e molhar a garganta seca com mais um sucão, acompanhado de algumas barras de cereais e biscoito. ::otemo::

 

CIMG2252.JPG

Cachoeira do Perequê-Mirim....

 

CIMG2260.JPG

Outra queda da cachu do Perequê-Mirim, primeira que é visualizada logo que chega pela trilha....

 

CIMG2259.JPG

 

CIMG2262.JPG

Vista geral do alto da cachu

 

Com o estômago forrado, revigorado e relaxado, após permanecer na cachoeira por cerca de 30 minutos, es que as 13:00hs, retorno para a trilha principal e continuo em frente, imaginando que poderia dar em alguma outra cachoeira maior. A picada segue o rio acima e após alguns minutos nela, es que chego num trecho onde ela começa uma subidinha mais ingreme, que aliado ao forte calor, várias gotas de suor são tiradas do meu rosto. O estrondo da cachoeira vai ficando para trás e dando lugar ao silêncio e ao sons da floresta, iluminados pelos raios solares....

 

As 13:15h chego ao uma espécie de mini-represa de captação de agua, onde a picada termina. Explorei o entorno, inclusive o outro lado do rio, e como não encontrei vestígios de uma suposta continuação da picada propriamente dito, cheguei a conclusão que a trilha é só até ali mesmo. Então, as 13:20h inicio o retorno até o final da estradinha de terra, mas não antes de explorar a continuação da bifurcação a esquerda que entrei antes (que me levou aquela mega piscina natural).

 

Seguindo nessa trilha que mais parecia uma estradinha de terra de tão aberta que estava, es que para a minha surpresa, o final dela cai no trecho inicial da trilha principal logo após a travessia do rio. Ou seja, se tivesse optado por ir pela trilha da esquerda, teria caido no poção e depois mais para frente na principal. Após atravessar o trecho de rio e chegar ao final da estrada de terra onde deixei a motoca estacionado as 14h00, inicio o retorno até o asfalto e as 14:20h já estava de volta a Rio-Santos.

 

Agora o destino era seguir para a próximas 2 cachoeiras mapeadas: Cachu do Poço do escorrega e Una, distantes 18 km sentido Boiçucanga, saindo do km 200 até o km 182, onde entraria a esquerda logo após passar uma placa com os dizeres: "Sertão do Barra da Una". Acesso esse que seguindo, vai dar em 2 cachoeiras: Poção do escorrega e Cachoeira do Una. Isso é, se não fosse por dois inconvenientes. ::mmm:

 

Adentrei a estradinha as 14:55h e após percorrer cerca de 2 km, chego a uma portaria e ao tentar passar, um funcionário na guarita e segurança me pararam e disseram que o acesso ali fora restrito somente a moradores ou com autorização de algum deles, por ser um condomínio. Na hora pensei: Condomínio? O lugar mais parece um bairro lindeiro como aqueles de Bertioga do que um condomínio, com estrada de terra, sem placa e nome algum de condomínio.

 

Perguntei sobre a cachoeira e ambos me confirmaram que é por esse caminho mesmo. Então tentei argumentar com o segurança (em vão) que só queria ir até a cachoeira, mas o "Stallone" permaneceu irredutível, embora compreensível, já que o mesmo estava apenas cumprindo a sua função. Frustrado, resolvi deixar para lá por desconhecer um outro acesso (por enquanto) e voltei me perguntando como permitiram a construção de um condomínio numa área de preservação ambiental? Só pode ser condomínio antigo, porque se for recente, alguma coisa está errada ali. Pena que é justamente no caminho onde vai para as 2 cachoeiras. Paciência, faz parte.

 

Felizmente o acesso a Cachoeira do Perequê-mirim tb é feito através de um condomínio, porém de acesso livre, como o do Flamboaty para a trilha da Pedra Grande em Atibaia. Talvez porque tenha cara de ser mais novo e mais afastado dos limites das áreas de proteção ambiental. De qualquer forma, é só um mero achismo. Por ter visto outras estradinhas de terra próximos a esse adentrando em direção a serra, para não perder a viagem, resolvo adentrar e explorar cada uma para ver se não encontrava algum caminho alternativo que levasse até as cachoeiras, sem a necessidade de passar pela portaria de entrada.

 

Mas infelizmente foi em vão, todas que entrei terminavam em alguma casa ou sitio, sem nenhuma suposta picada mergulhando na floresta. De qualquer forma, não procurei aos mínimos detalhes, pois com o horário avançado (eram quase 16:00hs), estava apenas colhendo o preço de ter perdido a hora de ter saído de casa bem mais tarde do que o previsto, dado a falha do despertador em tocar, descoberto depois que não tocara por conta da pilha estar fraca. Durante a volta e como era caminho, me surgiu a ideia tosca de dar uma passadinha na trilha da cachoeira da Perereca para explorar uma bifurcação que poderia levar a tal cachu "Tobogan" da foto, que tive o infeliz azar de não encontrar. A dita cuja é essa:

 

30895114.jpg

Foto por pclaudemir no panoramio

 

Pelo menos passaram a serrote na trilha do trecho de manutenção das antenas de transmissão (que estava com o mato mó alto e cobrindo boa parte da trilha) e ela virou praticamente uma estradinha de terra: :mrgreen:

 

CIMG2268.JPG

Trilha da "torre 47" e cachoeira das Pererecas:

 

Como não deu tempo e eu não estava nem um pouco afim de voltar no escuro, es que deixo para uma outra vez com mais tempo e as 17:30hs inicio a volta para Sampa (com uma parada para um lanche e reabastecer em Bertioga) e as 19:20h já estava em casa.

 

A Cachoeira do Perequê-Mirim e o poço do Cristal verde são ótimos programas bem família cuja trilha é curta, sendo o maior trecho dela em estradinha de terra até a entrada da trilha, com 4km de extensão, sendo possível ir de carro/moto até a entrada da mesma. Após o fim da estradinha, o trecho de trilha é curta e não dá nem 20 minutos de pernada, tendo a opção da trilha do Poço do Cristal verde, aproveitando uma mega piscina natural com prainha fluvial e áreas descampadas para camping selvagem.

 

Essa é a nossa serra do mar, com opções dos mais variados níveis: Desde as picadas bem abertas e curtas, até as de longas horas e com dificuldades e tempo de percurso bem maior, bastando apenas ter espírito, tempo e vontade de desbravar e explorar cada uma delas. Na maioria das vezes, sempre chegará a algum lugar interessante, desde rios com belíssimas piscinas naturais, pequenas quedas, belíssimos mirantes ou mesmo cachus enormes. Mas tb podem dar em apenas casas ou sítios.

 

Porém, você só vai descobrir "o pote de ouro, prata, bronze ou mero ferro enferrujado" se for até o fim do arco-íris, ou melhor dizendo: Da trilha. Nesse tempo de trilha, aprendi que no geral (com raras exceções), qto mais aberta e batida for a trilha, maiores são as chances dela dar numa cachoeira, mirante, pico etc. Não que as picadas pequenas ou aquelas que você acha que não vai dar em nada, não surpreenda.

 

Mas ai cabe apenas a vontade e disposição de escolher e percorrer cada uma delas (independente do tamanho e do estado de cada picada) no tempo que tiver disponível. :D

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Descubra os principais pontos que devem ser considerados na hora de escolher uma estadia temporária em São Paulo, no Brasil.
      Sem dúvidas, a metrópole paulistana, tida como a maior cidade do Brasil, é um excelente destino para quem busca conhecer novas culturas, viajar a negócios ou passar as férias. Afinal, por lá, oportunidade de emprego, opções de lazer e entretenimento é o que não faltam.
      Não é à toa que São Paulo é conhecida como um local onde se encontra de tudo. No entanto, é preciso considerar que, assim como qualquer capital ou grande cidade, São Paulo também oferece riscos, e é preciso se preparar para minimizá-los. Por isso, preparei um guia básico dos principais pontos que devem ser levados em conta no momento de escolher uma estadia temporária em São Paulo. 
      Confira a lista abaixo e depois me diz o que você acha, mas antes:
       
      Continue lendo em: 5 Considerações na Hora de Escolher o Imóvel Ideal em São Paulo
    • Por Birovisky
      E aí rezenhadores de plantão beleza? Pedalada marota em plena quarentena, mostrando alguns pontos turísticos da cidade de Taquaritinga, interior de São Paulo. Além de várias divagações, tais como a falta de bom senso do ser humano, sem exceções, em evitar aglomerações e a forma como o Estado concede as coisas com uma mão, em contrapartida com a outra, ele tira, sempre do cidadão que segura o lado mais fraco da corda.
      21,75km | 1:31:23 - Trajeto salvo no STRAVA: https://www.strava.com/activities/3229242961
      Confiram o vídeo Pedalando em plena Quarentena:
       
       
      BTWIN Rockrider – Uma saída alternativa e de qualidade - https://rezenhando.wordpress.com/2015/03/18/btwin-rockrider-uma-saida-alternativa-e-de-qualidade/
      MOSSO Odyssey 29ER - https://rezenhando.wordpress.com/2016/02/22/mosso-odyssey-29er/
       
      Trilha de Bike de Matão até Taquaritinga com fuga
       
      Bicicleta Urbana BTWIN ELOPS 300
       
      Mobilete Elétrica Monark | Projeto MOBILETE ELÉTRICA
       
      Até mais e obrigado pelos peixes!
      Inscreva-se no Youtube - https://www.youtube.com/c/Rezenhando
      Siga-nos no Wordpress - https://rezenhando.wordpress.com/
      Siga-nos no Twitter - https://twitter.com/Birovisky
      Siga-nos no Instagram - https://instagram.com/Birovisky
      Curta no Facebook - https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/
    • Por Tadeu Pereira
      Salve salve trilheiros e trilheiras! 
      Segue o relato com algumas dicas para fazer uma bela trilha onde irão encontrar maravilhosas cachoeiras, belas paisagens e uma natureza fantástica bem perto da cidade de São Paulo e de baixíssimo custo. 
       
       Ida - 25/01/2020 - 07h00min - São Paulo x Rio Grande da Serra x Paranapiacaba - Metrô e Trem R$4,40 - Ônibus R$6,90 - Uber R$5,00
           Partindo de São Paulo do bairro Perdizes Zona Oeste, peguei o Metrô na estação Vila Madalena (linha verde) até a estação Paraíso (linha Verde x Azul) para baldear para a linha vermelha seguindo até a estação Sé (linha Azul x Vermelha) onde peguei para a estação Brás (linha Vermelha), para finalmente pegar o Trem da CPTM sentido Rio Grande da Serra que foi nossa primeira parada. O trajeto todo até a primeira parada teve uma duração de aproximadamente 1h30min . Chegando na estação de Rio Grande da Serra, após sair pelas catracas atravessamos a linha do trem e viramos para a direita na rua e depois viramos na primeira rua a esquerda onde tem um ponto de ônibus que leva tanto para a vila de Paranapiacaba quanto para a entrada da trilha que fica a poucos quilômetros de Rio Grande da Serra. O ônibus é do transporte público então é só esperar alguns minutos que logo encosta um e o valor é de R$6,90. Mas antes de pegar o busão nós aproveitamos e fizemos umas comprinhas no mercados que encontramos bem em frente da linha do trem. Compramos pouca coisa, nada de mais, somente alguns pães, água, presunto, queijo e chocolates, pois nossas mochilas não poderiam ficar pesadas para fazer a trilha. Comprados nossos alimentos, logo na saída do mercado notamos que haviam diversas pessoas oferecendo o mesmo serviço dos ônibus para o começo da trilha, porém o trecho é feito de carro e com o valor mais baixo, por apenas R$5,00 Reais. Como estávamos em 4 pessoas, fechamos um carro e 15 minutos depois fomos deixados no começo da trilha. Mais rápido e prático.  

           (Estação Brás - CPTM)

      (Nóis)

      (Entrada da trilha)
        Na entrada existe uma porteira de madeira indicando o começo da trilha. Então é só atravessar e seguir reto por uma estrada que neste dia estava alagada com alguns centímetros de água, mas nada que impedia de passar. Passamos por baixo dos fios das torres de energia elétrica onde existe um barulho da energia correndo pelos fios bem sinistro mas sem perigo nenhum. Passando esses fios ai sim inicia a trilha com muita lama, pois tinha chovido muito no dia anterior dificultando em alguns trechos, então o cuidado tem que ser maior para não acontecer possíveis quedas. O inicio da trilha é de nível fácil, a única dificuldade mesmo é a lama intensa, mas aconselho a retirarem os sapatos e irem descalços, assim você não os suja para a volta e ainda sente a incrível energia que a natureza irá colocar nos seu corpo entrando pelos seus pés. É fantástico!
       
        A primeira parada na trilha foi em uma prainha de água cristalina com uma pequena queda de água, um ótimo lugar para se refrescar e tomar um pouco de sol. Após este trecho a trilha começa a ficar um pouco mais fechada mata a dentro e em alguns trechos cruzara o rio tendo que continuar a trilha do outro lado. Normalmente o rio é bem raso não oferecendo perigo algum na travessia. 
       


      (Prainha)
           Após andar pouco mais de 20 minutos chegamos no mirante que existe no meio da trilha, seria a segunda parada da trilha onde se consegue ver cidades litorâneas como Cubatão, Santos, São Vicente. Um lugar de uma imensidão grandiosa da natureza contrastando a mata e as cidades, ótimo lugar para contemplar e tirar belas fotos.



      (Mirante)

       Seguindo a trilha mais a frente por alguns minutos já começamos a ouvir o barulho de água caindo, chegando perto do rio nos deparamos com uma grande queda de água, uma cachoeira linda chamada de Fumacinha com um volume de água muito bom caindo. O banho de cachoeira é quase obrigatório e é de lavar a alma, mas seguimos em frente pois ainda haviam alguns minutos para chegarmos ao ponto de camping.


      (Cachoeira da Fumacinha)
           Caminhando mais alguns minuto chegamos em uma bifurcação do rio. Para a esquerda fica a grandiosa cachoeira da Fumaça com vista para o mar e para a direita ficam as áreas de camping e a Cachoeira da Tartaruga. Seguimos para a direita e alguns minutos depois chegamos nas suas lindas quedas. Fizemos nossa terceira parada e nosso café da manha ali mesmo ao som das águas da cachoeira. Fizemos a trilha toda até a Cachoeira da Tartaruga em 2:00 horas, esse tempo foi por causa da lama que dificultou muito na trilha. Em dias sem chuva se faz a mesma trilha num tempo um pouco menor. 
       

      (Cachoeira da Tartaruga) 
       




           Bem de frente com a cachoeira existe uma área de camping que cabem aproximadamente umas 4 barracas de porte pequeno. O terreno é um pouco irregular mas te da um vista fantástica da cachoeira vista de frente. Já na parte de cima da Cachoeira da Tartaruga onde se chega fazendo uma trilha ao lado, existem outras áreas maiores para camping para grupos maiores de pessoas. Vi muito lixo neste local, então galera vai um apelo aqui Leve seu lixo de volta com você! 
       
                    

           Aproveitamos que o sol tinha dado as caras e fomos na Cachoeira da Fumaça. Retornamos a trilha até a bifurcação dos rios e seguimos por dentro do rio mesmo até chegar em poucos metros na Cachoeira da Fumaça com uma vista sensacional. 
       




      (Cachoeira da Fumaça - Vista de cima)




      (Cachoeira da Fumaça - Vista de baixo)
      Volta - 25/01/2020 - 17h00min - Paranapiacaba x Rio Grande da Serra x São Paulo - Uber R$5,00 - Metrô e Trem R$4,40
           Ficamos por um tempo contemplando o lindo visual que se tem de cima da cachoeira com vista para o litoral de São Paulo. Logo retornamos para a Cachoeira da Tartaruga para despedir de dois do nosso grupo que iriam acampar por ali mesmo na base da Cachoeira da Tartaruga. Partimos por volta das 17:00 horas e fizemos a trilha em aproximadamente uma hora e meia. Ao chegarmos na porteira não foi preciso esperar pelo ônibus para retornar a Rio Grande da Serra no ponto que fica a direita na rodovia. Pelo fato de terem muitas pessoas na trilha, já haviam diversos carros aguardando as pessoas para o retorno a Rio Grande da Serra. Então foi só tirar um pouco da lama nos pés embarcamos por R$5,00 cada um e em 15 minutos estávamos na estação para pegar o trem de volta a São Paulo e finalizar mais uma trilha com sucesso! 
      Gratidão!!! 


       
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
       
       
       
       
    • Por Birovisky
      Dando uma "zapeada" por alguns vídeos que ainda não foram publicados no canal, me deparei com este, um erro amador da minha parte, ao tentar ir acampar em um local que há tempos não íamos e que praticamente ninguém conhece. Pagamos o pato por confiar em nossos instintos, sequer ligamos ao proprietário para perguntar como estavam as condições do lugar. Confiram como estava... É DE ARREPIAR!

      Confiram o vídeo NÃO COMETA ESSE MESMO ERRO se você vai acampar!
      Bem que desconfiamos do valor da diária estar muito abaixo do que imaginávamos!
      Sempre dê um jeito de descobrir as reais condições do lugar antes de ir beleza galera? Fica a dica!
    • Por VoandoAltoFH
      Video - Pinacoteca do Estado de São Paulo
       
      Vou mostrar um passeio bom e barato feito na Pinacoteca do Estado de São Paulo, que fica bem lado da estação Luz do metrô ou do trem da CPTM. 
      Quem for vir de carro, também é fácil vir já que fica bem ao lado da Avenida Tiradentes ou colado ao Parque da Luz, no Centro de São Paulo.
      Ele funciona de Quarta a Segunda, das 10:00 às 17:30, com permanência até as 18:00 horas.
      O valor do ingresso é de R$ 10,00. Estudantes pagam a metade, mediante apresentação da carteirinha escolar.
      Menores de 10 anos ou maiores de 60 anos são isentos de pagamento.
      Lembrando que aos Sábados a entrada é gratuita. Então aproveitei um Sábado de manhã para visitar. 
      O bom deste local é que eles permitem o registro de imagens, sem flash para não estragar as pinturas. Pode gravar videos também.
      Além de ver as belas pinturas expostas na pinacoteca, é também uma aula de história, em que podemos ver os quadros com os imperadores que passaram pelo Brasil, como o Dom Pedro I e o Dom Pedro II, com o qual mostrarei logo a seguir.
      Sobre a Pinacoteca, ele foi fundada em 1905, considerado o museu de arte mais antigo da cidade. Passou por uma ampla reforma no final da década de 1990 pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha.
      O acervo original da Pinacoteca foi formado com a transferência de 20 obras do Museu Paulista da Universidade de São Paulo. Com o passar dos anos formou um significativo acervo com quase 10 mil obras.
      Posso dizer que é um ótimo passeio, ideal também para tirar fotos da arquitetura local, que mantém um belo charme da antiguidade. Possuem ambientes externos com o qual é possível relaxar vendo a movimentada Avenida Tiradentes, foi frente a paisagem do parque da Luz. 
      Possui uma cafeteria no sub-solo do local, com o qual é possível tomar um café, uma bebida quente, sucos, lanches e até mesmo bolos. Mas os preços do local são um pouco caros. 
      Uma pena é que o acesso a cafeteria é somente através da Pinacoteca, não sendo permitido a entrada através do Parque da Luz.
      Aproveite depois para visitar e conhecer o Parque da Luz, mas tenha cuidado com seus pertences já que tem alguns casos de furtos ou roubos no parque, além de que em algumas áreas têm algumas garotas de programa perambulando na rua principal do local.
      No geral, recomendo muito este passeios. Espero que gostem do video, das informações, curta, compartilhe e se inscreva no canal!
      * Links
      - Pinacoteca do Estado de São Paulo
      http://pinacoteca.org.br/
      - Endereço, horários de funcionamento e valores dos ingressos
      https://pinacoteca.org.br/visite/pina_luz/
×
×
  • Criar Novo...