Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Ola AndrePM. Tenho 2 relatos onde passei por Oruro. Em 2010 finalizei o tour do Salar Uyuni em Oruro às 14h, como trem so saía as 0:05, paguei a diaria em um hotel (Avenida) para um banho e descansar um pouco.

Este ano no Carnaval eu passei em Oruro 4 dias, mas ficou muito aquém das minhas espectativas e pode ser isso que tenho lido no relato. Realmente eu nao recomendo Carnaval em Oruro. Lá é lugar de passagem mesmo, chegar e sair rsrsrs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Então eu vou precisar reorganizar meu roteiro pra chegar lá e ir embora logo pra não precisar passar o dia, pois meu roteiro é longo para 27 dias rsrs.

 

Obrigado pela ajuda Wesley :D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Gostaria de saber de quem já pegou o trem Oruro-Uyuni ou o inverso, se há paisagens no caminho que valham a pena programar a viagem para o dia.

E sobre ônibus Oruro- La Paz...empresas, valor, tempo.

Obrigada!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pessoal,

 

Eu ouvi falar que no trajeto uyuni - oruro de trem, há temporadas de chuva, e ai a passagem fica alagada e então os trens não rodam. Alguém me confirma ou desmente isso por favor?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala galera,

Vou embarcar em um mochilão para as bandas da Bolívia em julho 2013 e to precisando esclarecer algumas duvidas que não encontrei no decorrer de minhas pesquisas:

::sos::::sos::

1) Vou embarcar no trem em Uyuni com destino a Oruro e preciso de informação de ônibus para o Parque Nacional Sajama(Cidade que contempla o parque “Patacamaya”) ?

2) Gostaria de saber se existe outra possibilidade (Vans)para chegar ao Parque Sajama de Oruro?

3) Alguém deste tópico já desbravou o Vulcão Sajama (Destino) partindo de Oruro?

4) Da ferrovia de onde se desembarca em Oruro da para ir a rodoviária tranquilo de mochilão? Recomendam um taxi?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Alguem tem mais info sobre o trem que sai de Oruro e vai até Villazon, pro favor?

 

Queremos muito finalizar nosso mochilão na Argentina agora em maio/2014.

 

Ai precisava saber certinho quais empresas de onibus e trem que fazem este trajeto entre Oruro e as cidades argentinas para dp voltarmos para o Brasil.

 

Se puder me passar valores e dicas agradeço muito.

 

Aguardo seu retorno.

 

Obrigada!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 14/02/2006 em 20:11, abdias disse:

Oi vcs nao conhecen oruro é pq nao tem ganas e vcs nao souben o q se estan perdendo eu sou de oruro e estou seguro q vcs nao conhecen as minas turisticas da cidade, o museo de arte mais belho da bolivia e um de os menos roubados pelos espanholes, tamben vcs conhecen a teoria das ruinas de PAMPA ULLAGAS Um povo que segun investigacoes britanicas é a desaparecida ANTARTIDA e pq o lago uru uru de onde vem o nome da cidade é salado con a teoria q isso era parte do mar há miles de anos.

vcs conhecen a vibora de pedra o condor y o sapo de pedra sao animais petrificados pela patrona dos orurenhos. tambem tem que provar os platos típicos como o charkekan o intendente, o api e muitas outras comidas q nao emcontran iqual en bolivia nem o mundo todo.

Se vcs solo vem o carnaval perdem muito mais de o que poderiam conhecer de toda sud america.

se vem por oruro tem que conhecer mais do povo e sus dancas, cancoes q sao o orgullo dos bolivianos, e a mais diversa demostracao de cultra boliviana PATRIMONIO ORAL E INTANGIVEL DA HUMANIDADE ONDE TODO MENINO NACE COM UMA TROMPETA NA MAO E UMA CARETA NA OTRA

@abdias, esse lago Uro Uro, a que distancia fica de Oruro ?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por joshilton
      Fui a Oruro, porém ainda no tempo que eu ia por agencias, deixei de conhecer vários lugares, como Parque Nacional Sajama e Lago Uru Uru, Então, como chegar nesse lugares ? (Parque Nacional Sajama e Lago Uru Uru)
      Ficam distantes ou dá para fazer um bate volta ?
    • Por Os Estrangeiros
      Este mochilão faz parte de uma viagem maior que estamos fazendo, a trabalho, pela América do Sul. Resolvemos tirar umas “férias” e conhecer um pouco mais do oeste boliviano Nosso objetivo é compartilhar informações principalmente com viajante duros como nós, ou ainda com aqueles que ficam sempre adiando os planos de viagens com a desculpa de que não têm grana.
       
      Estamos copiando descaradamente o modelo de organização de um relato que lemos da Maria Emília, editora aqui do Mochileiros.com, pois achamos muito prático. Valeu Maria Emília (e outros mochileiros, claro) seus relatos e dicas estão nos ajudando muito, você é uma inspiração para nós!!!
       
      Bom, agora vamos ao que interessa:
       
      La Paz
       
      Chegamos em La Paz de ônibus, vindo de Cochabamba. Optamos por um ônibus semi-cama. O ônibus era realmente bom, apesar do motorista ter demonstrado ser muito pouco educado e desrespeitoso. Depois de alguns passageiros reclamarem de atraso (e o ônibus estava realmente parando mais do que devia), o tal motorista parou num pedágio e pediu para um policial interrogar os passageiros, pois, segundo ele, estávamos forçando-o a ultrapassar o limite de velocidade (o que era uma grossa mentira). Ok, hora de respirar fundo: não desanime, percalços assim são comuns na Bolívia, e sinceramente não sei se algo parecido não iria ocorrer se optássemos por outra companhia. Nessas horas, o melhor é desfrutar das boas poltronas e da linda paisagem.
       
      Foram cerca de 9 horas de viagem. Havíamos duas opções de estadia baratas, as duas muito próximas entre si, na rua Yanacocha. Sempre visando a economia, fomos a pé até o HOSTAL ÁUSTRIA e ao HOSTAL SEÑORIAL. São cerca de 15 minutos de caminhada a partir do terminal de ônibus, a altitude
      e o peso das bagagens tiram o fôlego é certo, mas não mata ninguém. Chegando lá, um hostal era na frente do outro. Acabamos optando pelo Señorial, pois a cozinha era melhor. Pegamos um quarto que tinha janela para frente do hotel, o que foi bom pela luminosidade e ruim pois há noite (cerca de 21-22hs) era um pouco barulhento.
       
      No outro dia, fizemos uma pesquisa para encontrar algo mais em conta, caminhamos um pouco pela parte central da cidade mas ainda assim o Señorial continuou sendo um ótimo custo- benefício e resolvermos permanecer nele. Tenha em conta que é raríssimo encontrar alojamento com cozinha nessa cidade, e é bastante importante para nós que estamos viajando há bastante tempo (e estamos cansados de comida de restaurante), além do fato de que preparar as próprias refeições é uma ótima forma de economizar.
       
      Não há supermercados próximos dessa zona. Apesar disso, há o Mercado Lanza, a cerca de quatro quadras do hotel Señorial. Este é um grande mercado popular no qual você pode tomar café da manhã por preços econômicos e comprar o que necessita para cozinhar. Como não há etiquetas em nenhum produto, muitas vezes os comerciantes querem lucrar em cima dos gringos e acabam fazendo preços mais altos. Não se aborreça, a regra é clara: pesquise o mesmo produto em várias tendas e pechinche.
       
      Um dia, por estarmos próximos, fizemos compras no HiperMaxi (na C. Rosendo Gutierrez, a duas quadras da Aniceto Arce), mas no resto foi tudo no Mercado Lanza mesmo. Nossas refeições eram simples, como massa à bolognesa, risoto (com arroz normal, do jeito mais simples possível), arroz com bife, arroz com proteína de soja, sopa instantânea, massa com atum, etc. Para café da manhã comprávamos (e armazenávamos na geladeira da cozinha do hotel) leite, manteiga, queijo, ovos e íamos nos organizando todas as manhãs. De lanche costumávamos ter sempre frutas (banana, maçã, laranja, bergamota, etc), além de pão, chá. Um de nós acabou de apaixonando pelo api, uma bebida bastante tradicional e popular na Bolívia, a base de uva e farinha de milho (pelo menos foi o que nos pareceu). Na calle Comércio, nº 1057 (a meia quadra da Plaza Murillo) há o Wist’upiku, um espaço mais refinado que serve api, pastel de queijo e ótimas empanadas (a de charque foi inesquecível). Se você for mais despreendido de luxos, vale a pena provar o api de um botequinho bem modesto, mas delicioso e cheio de bolivianos. Fica na C. Indaburo, ao cerca de cem metros da casa da cruz verde que fica na esquina com a C. Jaén.
       
      No último dia em La Paz (quando já não tínhamos mais nada para comer em nossa “despensa”) tomamos café da manhã em uma saltenãria, localizada na C. Yanacocha (na quadra que fica entre as C. Potosí e Comércio, do lado direito da rua para quem está subindo). Café completo, por um preço baratíssimo, com torradas, bolachas água e sal, manteiga, geléia, ovo mexido e uma bebida a escolher (café preto, com leite ou chá). Outro local possível também é no
      próprio Mercado Lanza onde há várias tendas com café, lanches, sucos, etc, todos com preços bem populares.
       
      Para quem viaja com laptop, encontramos (depois de muito procurar) duas opções de wi-fi, os cafés Alexander (esq. calle Socabaya e Potosí) e Sol Y Luna (calle Murillo, 999). Não sei porquê, o maldito sinal do Alexander não conseguia acessar o Mochileiros.com, tampouco o Banco do Brasil. No entanto, de resto era ok. O Sol Y Luna acessava esses sites tranquilamente. Ambos são cafés destinados a turistas (o Alexandre também parece ter muitos executivos), por isso os preços são acima da média boliviana. Recomendamos para quem está viajando com o orçamento mais folgado ou para quem necessita de wi-fi.
       
      Outra opção que se mostrou bem econômica foi uma lanhouse, próxima ao nosso hotel. O local era na calle Comercio (vindo da Plaza Murillo, logo depois da Yanacocha, do lado direito da rua), tipo em um shopping. Basta tomar elevador até o 3 º andar. A hora é barata e a velocidade é relativamente boa.
       
      Numa das noites, nos aventuramos no bar Ojo de Água (C. lllampu, 965) lugar que parece ser um ponto de encontro cultural pacenho. Além de nós, havia mais alguns poucos turistas, a maioria do público é composta de locais. Na noite em que fomos, havia uma competição de grupos de danças típicas. Tudo bastante simples, porém muito bonito e feito por pessoas dedicadas. A cerveja é servida com um pequeno prato de folhas de coca para ir mascando junto do trago. Muito bom.
       
      Dos museus que visitamos, tivemos uma ótima surpresa com um deles e entramos numa fria em outro. A fria foi o Museu da Coca (C. Linares, 906). Não queremos desestimular ninguém que quer visitar, mas realmente não nos agradou. O espaço é pequeno, muito pouco visual (mais coisas para ler do que ver), e a exposição em si parece mais uma grande colagem de trabalhos escolares, com direito a fotos de revistas coladas com fita adesiva, do que um museu propriamente dito. Por outro lado, o Museu dos Instrumentos musicais é radicalmente diferente. Há uma variedade enorme de instrumentos, alguns bastante comuns, outros raros, muitos exóticos. A cada sala, a música muda. Além de uma infinidade instrumentos bolivianos, há também uma sala dedicadas a instrumentos de diversas partes do mundo. Não é recomendado apenas para fissurados em música, e sim para todos, afinal a música é uma das dimensões humanas. Aliás, a C. Jaén por si só já um local interessante, que vale a visita.
       
      Durante nossa estada em La Paz fizemos 2 passeios: primeiro o monte Chacaltaya e no dia seguinte o sítio arqueológico de Tiwanaco. Em ambos, foram acertados pela agência do Hotel Torino, seguindo as dicas aqui do site, nem fizemos pesquisa entre as agências, fomos direto na Torino e não nos arrependemos, o pessoal foi bem simpático e confiável e ainda, por estarmos em duas pessoas, fazendo dois passeios, nos deram descontos.
       
      Seguindo o esquema que se repetiu nos dois dias de passeio, uma van passou em frente ao nosso hotel cerca de 9hs da manhã e seguimos até o Chacaltaya. No caminho paramos para tirar algumas fotos de La Paz e mais adiante num botequinho para mantimentos e lanches (no caso de que não havia levado), mas atenção, os preços eram bem superiores, então é bem importante levar já o lanche de La Paz (água, bolachas, sanduíches, chocolate, frutas, etc). A van sobe com certa dificuldade a estrada íngreme até chegar em uma espécie de “acampamento base” onde todos descem, podem ir ao banheiro, pagam suas entradas e iniciam a caminhada até o topo do Chacaltaya.
       

      O "acampamento-base" visto de cima
       
      A caminhada inicial é bem puxada, pois, apesar de não ser muito longa, é bem íngreme, o que torna tudo mais difícil, ainda mais a 5.000m de altitude. Muitas pessoas paravam (nós inclusive) para respirar e recuperar o fôlego. O dia estava bem bonito e apesar do frio, havia sol. Depois de se
      chegar ao primeiro ponto, o grupo segue para o segundo (um grupo de brasileiros que conhecemos no hotel disse que no grupo deles, muitas pessoas nem conseguiram seguir adiante), ainda mais alto, porém com um caminho um pouco mais plano. A vista lá de cima é algo recompensador, vale muito a pena o sacrifício. Na volta, quando estávamos descendo, começou a nevar. O frio era intenso, porém a neve deu todo um charme, algo inédito para nós.
       

       
      A segunda parte da caminhada no Chacaltaya
       
      No acampamento, já com todos lá embaixo, havia, para quem quisesse e pudesse pagar, chá de coca, chocolate quente, sanduíche e sopa, a preços um pouco acima da média. Tomamos um chá de coca para recuperar nossas forças, comemos uns pães e chocolates que havíamos levado e seguimos viagem com o grupo até o Vale de La Luna. O Vale consiste de formações geológicas que nada mais são (segundo a explicação do guia) do que o resultado de milhares de anos da ação da chuva sobre solo. O local é relativamente organizado (os banheiros são limpos, as trilhas são bem demarcadas, etc). Fizemos, por estarmos com pouco tempo, a trilha mais curta (de 20min) ao invés da trilha completa (cerca de 45min). No fim das contas foi até melhor, pois não achamos o local “lá
      essas coisas”, além do mais estava todo mundo bem cansado da caminhada no Chacaltaya. Quando já era quase 16hs, retornamos e a van deixou todos, como combinado, na C. Sagárnaga.
       
      No dia seguinte, já tínhamos agendado o passeio para Tiwanaco. Dessa vez, pegamos a van e quase na saída da cidade trocamos para um microônibus, maior e bem mais confortável. A estrada até as ruínas é bem pavimentada e a viagem segue tranqüila por cerca de 1h30min, quase 2hs. No ônibus mesmo, pagamos para o guia (uma figura ímpar) o ingresso do local. Este passeio dividiu opiniões, pois um de nós gostou bastante e outro detestou. Acreditamos que no final das contas o que interessa é o gosto da pessoa por esse tipo de assunto. Primeiramente, visitamos dois museus, um com artefatos e reconstituição da história dessa antiga civilização; o outro, ainda em construção, com o maior monolito encontrado no parque. Nosso pícaro guia explicava tudo muito bem e era bastante engraçado.
       
      Seguimos então para o parque de Tiwanaco, onde estão localizadas as ruínas. Para entrar, estrangeiros pagam 80 bolivianos, enquanto habitantes locais pagam apenas 10 bolivianos – coisa que, sob nosso ponto de vista, é uma estúpida forma de discriminação e preconceito. O passeio não é dos mais cansativos, apenas uma caminhada pelas ruínas. No entanto, sem almoço e com o sol forte do meio-dia, acaba se tornando um pouco maçante. Também há muitas crianças correndo e grupos escolares. Se você se interessa pelo tema de antigas civilizações, cremos que é uma boa pedida esse passeio. Mas se você não se inteeressa, talvez seja melhor poupar sua grana e seu tempo.
       
      Depois do passeio, lá pelas 14h, a van leva o grupo para um pequeno restaurante do povoado de Tiwanaco. Levamos lanches e fizemos nossa refeição dentro do microônibus, pois já imaginávamos que o restaurante que iriam nos levar seria caro para nosso orçamento (não deu outra, cada almoço custava 25
      bolivianos). Depois que todos comeram, seguimos de volta para La Paz (no mesmo esquema do dia anterior, parando na C. Sagárnaga).
       
      Dicas e custos:
      - Passagem para La Paz (a partir de Cochabamba) pela empresa Flota Bolívar: 50 bol/pessoa (ônibus semi-cama) + 5 bol/pessoa pela uso do terminal.
      - Diária do Hotel Señorial (localizado na Calle Yanacocha, 540, a uma quadra da Plaza Murillo e três quadras da Av. Marical Santa Cruz): 35 bol/pessoa (quarto com banheiro coletivo)
       
      :'> Pontos positivos:
      - Disponibiliza cozinha (ampla), com geladeira
      - Quartos confortáveis
      - Banheiro coletivo grande, com duchas quentes e abundantes
      - Localização boa (a uma quadra e meia da Plaza Murillo)
      - Staff é legal, bastante simpático (principalmente as meninas da limpeza)
      - Os quartos eram limpos todos os dias
       
      Pontos negativos:
      - Não negociou o preço das diárias, mesmo a gente ficando mais de uma semana lá.
      - Não havia tomadas de energia nos quartos
      - Sem internet nem café da manhã
      - Quartos que dão para a frente são um pouco barulhentos à noite
       
      Avaliação final: voltaríamos e recomendaríamos para um amigo.
       
      - Api + pastel de queijo (Wist’upiku, C. Murillo, nº 1057, a meia quadra da Plaza Murillo): 8 bol.. Ainda nesse local: apenas api = 4 bol., apenas pastel de queijo ou empanadas de diversos sabores = 4,5 bol.
       
      - Cafés com sinal Wi-Fi: Café Alexander (esq. C. Socabaya e Potosí) e Sol Y Luna (C. Murillo, 999). Café expresso pequeno (praticamente o que há de mais barato nos menus): 8 bol.
       
      - Internet na C. Comércio (próximo da calle Yanacocha): 1,5 bol/hora.
      - Bar Ojo de Água (C. Lllampu, 965): 10 bol/pessoa para entrada. 2 cervejas (Paceña) saem por 25
      bol. e vêem com folhas de coca para mascar.
       
      - Roubada: Museu da Coca (C. Linares, 906): 10 bol/pessoa
       
      - Bacana: Museu dos Instrumentos Musicais (início da C. Jaén): 5 bol/pessoa
       
      - Café da manhã em Salteñaria (localizada na C. Yanacocha, entre as C. Potosí e Comércio): 8 bol/pessoa.
       
      - Passeio pela Agência Torino para o monte Chacaltaya + Vale de La Luna: 40 bol/pessoa (com desconto, preço original: 50bol/pessoa) + 15bol/pessoa de entrada em cada parque.
       
      - Importante: não esquecer filtro solar, óculos de sol e além de agasalho reforçado (o frio pode ser bem intenso lá em cima), como um bom casaco, luvas e touca. Levar lanche e água.
       
      - Passeio pela Agência Torino para as ruínas de Tiwanaco: 45bol/pessoa (com desconto, preço original: 50bol/pessoa) + ingresso 80bol/pessoa.


×
×
  • Criar Novo...