Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Os Estrangeiros

Mochilão Econômico: La Paz, Copacaba, Oruro, Potosí e Salar do Uyuni

Posts Recomendados

Este mochilão faz parte de uma viagem maior que estamos fazendo, a trabalho, pela América do Sul. Resolvemos tirar umas “férias” e conhecer um pouco mais do oeste boliviano Nosso objetivo é compartilhar informações principalmente com viajante duros como nós, ou ainda com aqueles que ficam sempre adiando os planos de viagens com a desculpa de que não têm grana.

 

Estamos copiando descaradamente o modelo de organização de um relato que lemos da Maria Emília, editora aqui do Mochileiros.com, pois achamos muito prático. Valeu Maria Emília (e outros mochileiros, claro) seus relatos e dicas estão nos ajudando muito, você é uma inspiração para nós!!!

 

Bom, agora vamos ao que interessa:

 

La Paz

 

Chegamos em La Paz de ônibus, vindo de Cochabamba. Optamos por um ônibus semi-cama. O ônibus era realmente bom, apesar do motorista ter demonstrado ser muito pouco educado e desrespeitoso. Depois de alguns passageiros reclamarem de atraso (e o ônibus estava realmente parando mais do que devia), o tal motorista parou num pedágio e pediu para um policial interrogar os passageiros, pois, segundo ele, estávamos forçando-o a ultrapassar o limite de velocidade (o que era uma grossa mentira). Ok, hora de respirar fundo: não desanime, percalços assim são comuns na Bolívia, e sinceramente não sei se algo parecido não iria ocorrer se optássemos por outra companhia. Nessas horas, o melhor é desfrutar das boas poltronas e da linda paisagem.

 

Foram cerca de 9 horas de viagem. Havíamos duas opções de estadia baratas, as duas muito próximas entre si, na rua Yanacocha. Sempre visando a economia, fomos a pé até o HOSTAL ÁUSTRIA e ao HOSTAL SEÑORIAL. São cerca de 15 minutos de caminhada a partir do terminal de ônibus, a altitude

e o peso das bagagens tiram o fôlego é certo, mas não mata ninguém. Chegando lá, um hostal era na frente do outro. Acabamos optando pelo Señorial, pois a cozinha era melhor. Pegamos um quarto que tinha janela para frente do hotel, o que foi bom pela luminosidade e ruim pois há noite (cerca de 21-22hs) era um pouco barulhento.

 

No outro dia, fizemos uma pesquisa para encontrar algo mais em conta, caminhamos um pouco pela parte central da cidade mas ainda assim o Señorial continuou sendo um ótimo custo- benefício e resolvermos permanecer nele. Tenha em conta que é raríssimo encontrar alojamento com cozinha nessa cidade, e é bastante importante para nós que estamos viajando há bastante tempo (e estamos cansados de comida de restaurante), além do fato de que preparar as próprias refeições é uma ótima forma de economizar.

 

Não há supermercados próximos dessa zona. Apesar disso, há o Mercado Lanza, a cerca de quatro quadras do hotel Señorial. Este é um grande mercado popular no qual você pode tomar café da manhã por preços econômicos e comprar o que necessita para cozinhar. Como não há etiquetas em nenhum produto, muitas vezes os comerciantes querem lucrar em cima dos gringos e acabam fazendo preços mais altos. Não se aborreça, a regra é clara: pesquise o mesmo produto em várias tendas e pechinche.

 

Um dia, por estarmos próximos, fizemos compras no HiperMaxi (na C. Rosendo Gutierrez, a duas quadras da Aniceto Arce), mas no resto foi tudo no Mercado Lanza mesmo. Nossas refeições eram simples, como massa à bolognesa, risoto (com arroz normal, do jeito mais simples possível), arroz com bife, arroz com proteína de soja, sopa instantânea, massa com atum, etc. Para café da manhã comprávamos (e armazenávamos na geladeira da cozinha do hotel) leite, manteiga, queijo, ovos e íamos nos organizando todas as manhãs. De lanche costumávamos ter sempre frutas (banana, maçã, laranja, bergamota, etc), além de pão, chá. Um de nós acabou de apaixonando pelo api, uma bebida bastante tradicional e popular na Bolívia, a base de uva e farinha de milho (pelo menos foi o que nos pareceu). Na calle Comércio, nº 1057 (a meia quadra da Plaza Murillo) há o Wist’upiku, um espaço mais refinado que serve api, pastel de queijo e ótimas empanadas (a de charque foi inesquecível). Se você for mais despreendido de luxos, vale a pena provar o api de um botequinho bem modesto, mas delicioso e cheio de bolivianos. Fica na C. Indaburo, ao cerca de cem metros da casa da cruz verde que fica na esquina com a C. Jaén.

 

No último dia em La Paz (quando já não tínhamos mais nada para comer em nossa “despensa”) tomamos café da manhã em uma saltenãria, localizada na C. Yanacocha (na quadra que fica entre as C. Potosí e Comércio, do lado direito da rua para quem está subindo). Café completo, por um preço baratíssimo, com torradas, bolachas água e sal, manteiga, geléia, ovo mexido e uma bebida a escolher (café preto, com leite ou chá). Outro local possível também é no

próprio Mercado Lanza onde há várias tendas com café, lanches, sucos, etc, todos com preços bem populares.

 

Para quem viaja com laptop, encontramos (depois de muito procurar) duas opções de wi-fi, os cafés Alexander (esq. calle Socabaya e Potosí) e Sol Y Luna (calle Murillo, 999). Não sei porquê, o maldito sinal do Alexander não conseguia acessar o Mochileiros.com, tampouco o Banco do Brasil. No entanto, de resto era ok. O Sol Y Luna acessava esses sites tranquilamente. Ambos são cafés destinados a turistas (o Alexandre também parece ter muitos executivos), por isso os preços são acima da média boliviana. Recomendamos para quem está viajando com o orçamento mais folgado ou para quem necessita de wi-fi.

 

Outra opção que se mostrou bem econômica foi uma lanhouse, próxima ao nosso hotel. O local era na calle Comercio (vindo da Plaza Murillo, logo depois da Yanacocha, do lado direito da rua), tipo em um shopping. Basta tomar elevador até o 3 º andar. A hora é barata e a velocidade é relativamente boa.

 

Numa das noites, nos aventuramos no bar Ojo de Água (C. lllampu, 965) lugar que parece ser um ponto de encontro cultural pacenho. Além de nós, havia mais alguns poucos turistas, a maioria do público é composta de locais. Na noite em que fomos, havia uma competição de grupos de danças típicas. Tudo bastante simples, porém muito bonito e feito por pessoas dedicadas. A cerveja é servida com um pequeno prato de folhas de coca para ir mascando junto do trago. Muito bom.

 

Dos museus que visitamos, tivemos uma ótima surpresa com um deles e entramos numa fria em outro. A fria foi o Museu da Coca (C. Linares, 906). Não queremos desestimular ninguém que quer visitar, mas realmente não nos agradou. O espaço é pequeno, muito pouco visual (mais coisas para ler do que ver), e a exposição em si parece mais uma grande colagem de trabalhos escolares, com direito a fotos de revistas coladas com fita adesiva, do que um museu propriamente dito. Por outro lado, o Museu dos Instrumentos musicais é radicalmente diferente. Há uma variedade enorme de instrumentos, alguns bastante comuns, outros raros, muitos exóticos. A cada sala, a música muda. Além de uma infinidade instrumentos bolivianos, há também uma sala dedicadas a instrumentos de diversas partes do mundo. Não é recomendado apenas para fissurados em música, e sim para todos, afinal a música é uma das dimensões humanas. Aliás, a C. Jaén por si só já um local interessante, que vale a visita.

 

Durante nossa estada em La Paz fizemos 2 passeios: primeiro o monte Chacaltaya e no dia seguinte o sítio arqueológico de Tiwanaco. Em ambos, foram acertados pela agência do Hotel Torino, seguindo as dicas aqui do site, nem fizemos pesquisa entre as agências, fomos direto na Torino e não nos arrependemos, o pessoal foi bem simpático e confiável e ainda, por estarmos em duas pessoas, fazendo dois passeios, nos deram descontos.

 

Seguindo o esquema que se repetiu nos dois dias de passeio, uma van passou em frente ao nosso hotel cerca de 9hs da manhã e seguimos até o Chacaltaya. No caminho paramos para tirar algumas fotos de La Paz e mais adiante num botequinho para mantimentos e lanches (no caso de que não havia levado), mas atenção, os preços eram bem superiores, então é bem importante levar já o lanche de La Paz (água, bolachas, sanduíches, chocolate, frutas, etc). A van sobe com certa dificuldade a estrada íngreme até chegar em uma espécie de “acampamento base” onde todos descem, podem ir ao banheiro, pagam suas entradas e iniciam a caminhada até o topo do Chacaltaya.

 

20101109130543.jpg

O "acampamento-base" visto de cima

 

A caminhada inicial é bem puxada, pois, apesar de não ser muito longa, é bem íngreme, o que torna tudo mais difícil, ainda mais a 5.000m de altitude. Muitas pessoas paravam (nós inclusive) para respirar e recuperar o fôlego. O dia estava bem bonito e apesar do frio, havia sol. Depois de se

chegar ao primeiro ponto, o grupo segue para o segundo (um grupo de brasileiros que conhecemos no hotel disse que no grupo deles, muitas pessoas nem conseguiram seguir adiante), ainda mais alto, porém com um caminho um pouco mais plano. A vista lá de cima é algo recompensador, vale muito a pena o sacrifício. Na volta, quando estávamos descendo, começou a nevar. O frio era intenso, porém a neve deu todo um charme, algo inédito para nós.

 

20101109125812.jpg

 

A segunda parte da caminhada no Chacaltaya

 

No acampamento, já com todos lá embaixo, havia, para quem quisesse e pudesse pagar, chá de coca, chocolate quente, sanduíche e sopa, a preços um pouco acima da média. Tomamos um chá de coca para recuperar nossas forças, comemos uns pães e chocolates que havíamos levado e seguimos viagem com o grupo até o Vale de La Luna. O Vale consiste de formações geológicas que nada mais são (segundo a explicação do guia) do que o resultado de milhares de anos da ação da chuva sobre solo. O local é relativamente organizado (os banheiros são limpos, as trilhas são bem demarcadas, etc). Fizemos, por estarmos com pouco tempo, a trilha mais curta (de 20min) ao invés da trilha completa (cerca de 45min). No fim das contas foi até melhor, pois não achamos o local “lá

essas coisas”, além do mais estava todo mundo bem cansado da caminhada no Chacaltaya. Quando já era quase 16hs, retornamos e a van deixou todos, como combinado, na C. Sagárnaga.

 

No dia seguinte, já tínhamos agendado o passeio para Tiwanaco. Dessa vez, pegamos a van e quase na saída da cidade trocamos para um microônibus, maior e bem mais confortável. A estrada até as ruínas é bem pavimentada e a viagem segue tranqüila por cerca de 1h30min, quase 2hs. No ônibus mesmo, pagamos para o guia (uma figura ímpar) o ingresso do local. Este passeio dividiu opiniões, pois um de nós gostou bastante e outro detestou. Acreditamos que no final das contas o que interessa é o gosto da pessoa por esse tipo de assunto. Primeiramente, visitamos dois museus, um com artefatos e reconstituição da história dessa antiga civilização; o outro, ainda em construção, com o maior monolito encontrado no parque. Nosso pícaro guia explicava tudo muito bem e era bastante engraçado.

 

Seguimos então para o parque de Tiwanaco, onde estão localizadas as ruínas. Para entrar, estrangeiros pagam 80 bolivianos, enquanto habitantes locais pagam apenas 10 bolivianos – coisa que, sob nosso ponto de vista, é uma estúpida forma de discriminação e preconceito. O passeio não é dos mais cansativos, apenas uma caminhada pelas ruínas. No entanto, sem almoço e com o sol forte do meio-dia, acaba se tornando um pouco maçante. Também há muitas crianças correndo e grupos escolares. Se você se interessa pelo tema de antigas civilizações, cremos que é uma boa pedida esse passeio. Mas se você não se inteeressa, talvez seja melhor poupar sua grana e seu tempo.

 

Depois do passeio, lá pelas 14h, a van leva o grupo para um pequeno restaurante do povoado de Tiwanaco. Levamos lanches e fizemos nossa refeição dentro do microônibus, pois já imaginávamos que o restaurante que iriam nos levar seria caro para nosso orçamento (não deu outra, cada almoço custava 25

bolivianos). Depois que todos comeram, seguimos de volta para La Paz (no mesmo esquema do dia anterior, parando na C. Sagárnaga).

 

Dicas e custos:

- Passagem para La Paz (a partir de Cochabamba) pela empresa Flota Bolívar: 50 bol/pessoa (ônibus semi-cama) + 5 bol/pessoa pela uso do terminal.

- Diária do Hotel Señorial (localizado na Calle Yanacocha, 540, a uma quadra da Plaza Murillo e três quadras da Av. Marical Santa Cruz): 35 bol/pessoa (quarto com banheiro coletivo)

 

::cool:::'> Pontos positivos:

- Disponibiliza cozinha (ampla), com geladeira

- Quartos confortáveis

- Banheiro coletivo grande, com duchas quentes e abundantes

- Localização boa (a uma quadra e meia da Plaza Murillo)

- Staff é legal, bastante simpático (principalmente as meninas da limpeza)

- Os quartos eram limpos todos os dias

 

::bad::Pontos negativos:

- Não negociou o preço das diárias, mesmo a gente ficando mais de uma semana lá.

- Não havia tomadas de energia nos quartos

- Sem internet nem café da manhã

- Quartos que dão para a frente são um pouco barulhentos à noite

 

::otemo:: Avaliação final: voltaríamos e recomendaríamos para um amigo.

 

- Api + pastel de queijo (Wist’upiku, C. Murillo, nº 1057, a meia quadra da Plaza Murillo): 8 bol.. Ainda nesse local: apenas api = 4 bol., apenas pastel de queijo ou empanadas de diversos sabores = 4,5 bol.

 

- Cafés com sinal Wi-Fi: Café Alexander (esq. C. Socabaya e Potosí) e Sol Y Luna (C. Murillo, 999). Café expresso pequeno (praticamente o que há de mais barato nos menus): 8 bol.

 

- Internet na C. Comércio (próximo da calle Yanacocha): 1,5 bol/hora.

- Bar Ojo de Água (C. Lllampu, 965): 10 bol/pessoa para entrada. 2 cervejas (Paceña) saem por 25

bol. e vêem com folhas de coca para mascar.

 

- Roubada: Museu da Coca (C. Linares, 906): 10 bol/pessoa

 

- Bacana: Museu dos Instrumentos Musicais (início da C. Jaén): 5 bol/pessoa

 

- Café da manhã em Salteñaria (localizada na C. Yanacocha, entre as C. Potosí e Comércio): 8 bol/pessoa.

 

- Passeio pela Agência Torino para o monte Chacaltaya + Vale de La Luna: 40 bol/pessoa (com desconto, preço original: 50bol/pessoa) + 15bol/pessoa de entrada em cada parque.

 

- Importante: não esquecer filtro solar, óculos de sol e além de agasalho reforçado (o frio pode ser bem intenso lá em cima), como um bom casaco, luvas e touca. Levar lanche e água.

 

- Passeio pela Agência Torino para as ruínas de Tiwanaco: 45bol/pessoa (com desconto, preço original: 50bol/pessoa) + ingresso 80bol/pessoa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bom!!! Mas e as outras cidades do título do relato de vcs???

Em tempo: a Maria Emília é fera, principalmente em se tratando de Bolívia!!! Eu tb "me inspirei" nos relatos dela para compor meu roteiro!!! ::otemo::

 

Abraços!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala casal! Estou esperando o resto do relato! Estão na estrada ainda?

 

abraços.

Guilherme.

 

PS: desculpa por bagunçar seu relato antes do fim !!

PS2: Eu e a minha namorada saimos na foto do Chacaltaya hehehe

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Copacabana

 

Tomamos um táxi até o Cemitério de La Paz. Logo que descemos avistamos algumas pessoas anunciando ônibus para Copacabana. Fomos até um homem que trabalhava para uma empresa e este nos informou o preço e disse que o próximo ônibus sairia às 12h30min (era 11hs). Nos certificamos de que teríamos assentos marcamos (coisa bem importante na Bolívia) e compramos as passagens. Ficamos na salinha da empresa, sentados junto com a bagagem. Um de nós saiu pelas ruas para comprar alguns lanches para comer durante a viagem (tempo previsto para chegar até Copacabana: 3h30min). Munidos de pães e chocolatada “Pil” entramos no horário correto no ônibus. Como de praxe, houve um atraso de 15-20min até a saída. O ônibus ainda parou em El Alto (município vizinho de La Paz) e pegou mais vários passageiros, completando a lotação.

 

A paisagem, quando vai se aproximando de Copacabana, é realmente muito bela, sendo possível avistar o Lago Titicaca. Em um determinado momento da viagem, o ônibus parou e do nada algumas pessoas (locais) se postaram no corredor para descer. Bom, pensamos “vai ver é uma cidadezinha qualquer e essas pessoas vão ficar por aqui mesmo”. Mas não, após alguns passageiros descerem, subiram 2 ou 3 policiais e disseram que TODOS deveriam descer. Nós, sem saber o que estava acontecendo, descemos. Outras duas meninas turistas que também estavam no ônibus perguntaram para os policiais o que estava acontecendo e estes explicaram que o ônibus iria fazer a travessia do lago na balsa e que nós e os outros passageiros deveríamos tomar um barco para chegar até a outra margem. Indicou onde ficava a bilheteria (claro, teríamos que pagar pela travessia, apesar de ninguém ter nos avisado isso quando compramos a passagem de ônibus) e a saída dos barcos. Fomos até ali, compramos os tickets e seguimos para o outro lado do lago. Após chegar, ainda

pedimos informação sobre o local em que o ônibus iria parar e pegar novamente os passageiros. Assim, meio perdidos subimos novamente no ônibus e depois de 30min estávamos na tão falada Copacabana.

 

Ao chegarmos na cidadezinha, um de nó se pôs a procurar hotéis enquanto o outro ficava na praça cuidando das bagagens. Era uma luta encontrar hostals e hotéis com alguém na recepção (em Copacabana, eles simplesmente abandonam a recepção dos hotéis e deixam que o turista adivinhe se há vagas e os preços dos quartos). Nos hotéis em que alguém nos atendeu, os preços não variavam muito, 70 bolivianos para o quarto matrimonial com banheiro e tevê a cabo, e 50 bolivianos para o quarto sem banheiro e sem tevê. Nenhum deles disponibiliza cozinha.

 

A única opção diferente que encontramos, mais barata e com cozinha (pequena e um pouco desorganizada, é verdade, mas ainda assim satisfatória) foi o HOTEL EMPERADOR (preço, localização e mais detalhes logo abaixo). É um hotel bastante simples, mas limpo e com bons banheiros. Além disso, por incrível que pareça, havia sempre alguém simpático na recepção.

 

Fizemos dois passeios muito bons em Copacabana: a subida do Cerro Calvário e o trekking que liga o lado Norte ao lado Sul da Ilha do Sol.

 

O Cerro Calvário, como sugere seu próprio nome, é um monte em que estão marcadas as estações do calvário de Jesus Cristo. Acreditamos que o local deve ser usado para procissões em datas especiais e festas religiosas. Segundo informações do centro turístico de Copacabana, o morro tem cerca de 160 metros. Sinceramente, olhando ali de baixo parece ter bem mais que isso, e continuamos acreditando que deve ter mesmo. A sinuosa subida demora cerca de uma hora para ser vencida e é bastante cansativa em virtude da altitude (o topo do cerro está a 3970 metros acima do nível do mar). O lugar tem ares de paz e peregrinação, e um de nós até levou uma vela e acendeu para a Virgem de Copacabana. Agora, se você é cético e não está nem aí para essas coisas, curta essa trilha e tudo que ela pode te oferecer: grátis, paisagens magníficas, muita contemplação e silêncio. Já no meio da subida há um maravilhoso mirante onde se vê o Titicaca e suas ilhas. A vista do topo também não fica para trás, é encantador estar diante daquele infindável lago de águas azuis. Vale muito a pena.

 

20101111231003.jpg

 

Vista de Copacabana a partir do Cerro Calvário

 

Para a Ilha do Sol, tomamos um barco às 8h30m e, após cerca de duas horas, atracamos no lado norte da ilha. É fácil encontrar a trilha e rumar para o lado sul, onde os barcos que voltam para Copacabana saem às 15h30m. A trilha demora cerca de duas horas para ser percorrida. A paisagem é bastante bonita, mas nada de muito espetacular. Recomendamos para quem curte trekkings e caminhadas.

 

Também tome muito cuidado com os achacadores nessa ilha. Conforme nos informamos aqui mesmo no mochileiros.com antes de ir, há muita gente com recibos falsos tentando cobrar a entrada na ilha e nas suas comunidades. Há três “pedágios” básicos, ao chegar, no meio da trilha, e na entrada para o lado sul. Cada um cobra cerca de 5 bolivianos, mas não temos bem certeza do valor porque não pagamos NENHUM deles. Essa cobrança é ilegal, além de ser um desrespeito com os turistas. O dinheiro não vai para a comunidade, e sim para os caras-de-pau que fazem a cobrança. Passe reto e nem dê atenção aos cobradores, eles não tem a quem recorrer, já que estão fazendo algo ilegal.

 

No lado sul, enquanto descansávamos depois da trilha, víamos os barcos chegarem e duas cholas cobrarem indevidamente os turista, que faziam fila para pagar. É tão falsa a cobrança que alguns barcos chegavam enquanto as cholas estavam ocupadas cobrando outros, então os turistas desciam numa boa, sem ninguém lhes cobrar nada. Depois das cobranças, vimos que as cholas compravam com o dinheiro recebido refrigerantes e salgadinhos e faziam um piquenique em frente ao lago rindo da cara dos turistas.

 

20101111231638.jpg

 

Cholas em ação!

 

Dicas e custos:

- Táxi da C. Yanacocha em La Paz até o Cemitério: 12 bol.

 

- Ônibus para Copacabana (saindo do Cemintério): 15 bol/pessoa, 3h30min de viagem

 

- Lanche nas proximodades do cemitério (empanadas e chocolatada): 7 bol.

 

- Tickets para pegar um barco e atravessar o lago: 1,5 bol/pessoa.

 

- Diária no Hotel Emperador (C. Murillo, 235) em quarto matrimonial com banheiro coletivo: 15 bol/pessoa (com desconto, preço original 20 bol/pessoa). Se você chegar de ônibus, basta atravessar a praça em frente à parada de ônibus e virar a direita onde há uma grande igreja. Caminhe umas quatro ou cinco quadras e logo chegará ao hotel, que fica do lado esquerdo da rua.

 

::cool:::'> Pontos positivos:

- Excelente preço

- Recepcionista simpático, mostrou os quartos e ainda negociou o valor original

- Ambiente (quarto principalmente) limpo

- Disponibiliza cozinha, apesar de pequena

 

::bad::Pontos negativos:

- Um pouco distante do “centrinho” (mas ainda bem possível de se ir caminhando)

- Sem internet e café da manhã

- Cozinha não possui geladeira

 

::otemo::Avaliação final: Honesto, ótimo custo-benefício!

 

Barco para Ilha do Sol:

- Há desconto para quem compra ida e volta ao mesmo tempo, sai por 20 bolivianos por pessoa.

- O barco saiu às 8h30m de Copacabana, descemos no lado norte e tomamos o barco de volta no lado sul às 15h30m.

- Leve protetor solar, roupas leves para a caminhada, água e lanche.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oruro

 

Como a idéia era seguir para o Salar, ficamos tentados a ir parando em algumas cidades do caminho. Nossa primeira escolha foi mesmo Oruro. Saindo de Copababana tomamos um ônibus para La Paz às 10h30min (com um atraso normal de 15min) que saía da praça Sucre, compramos as passagens 30min antes. Na viagem, tudo certo, chegamos em La Paz cerca de 13h30min e já fomos em um guichê e compramos passagem para Oruro, com saída marcada para às 14h30min. Só deu tempo para ir numa padaria próxima pegar uma Coca-cola “fria” (quente), algumas empanadas de queijo e seguir para o próximo ônibus.

 

Nesta viagem sofremos com o calor, porque era a hora mais quente do sol e o ônibus fervia, estávamos em um banco onde havia uma divisão de janelas, logo apenas os vizinhos da frente e de trás poderiam abrir seus vidros. Os bolivianos de modo geral são bem friorentos e quando viajam deixam os vidros todos fechados, o que dá uma sensação de claustrofobia e abafamento, ainda mais nesses ônibus em que não há ar-condicionado e sistema de ventilação. Estávamos um pouco aliviados que aquela “janela” do teto estava aberta, assim circulava um pouco de ar, mas em um dado momento uma senhora pediu para o “funcionário” do ônibus que fechasse, nós ainda tentamos solicitar para que ele deixasse ao menos um lado aberto, mas nada, no melhor estilo “educação boliviana de tratar turistas” fez que não era com ele e virou as costas. Nós ainda gritamos que estávamos falando com ele, mas ele nos ignorou com toda pompa e má-educação. Nós com raiva tivemos que agüentar ainda mais umas 2 hs de viagem abafada.

 

Chegamos em Oruro depois de 3h30min de viagem, já no fim da tarde. Com um endereço de um hostel em mãos (RESIDENCIAL SAN SALVADOR, C. Velasco Galvarro, 6325 esq. C. Murgula, fica próximo à estação de trem), pegamos um taxi e fomos até o local. Pedimos por um quarto para duas pessoas com banheiro compartilhado. A mocinha apenas (como quase todos as/os recepcionistas dos lugares que passamos na Bolívia) nos alcançou a chave de um dormitório e disse para darmos uma olhada. O quarto era terrível (e olha, não somos muito exigentes não), mais parecia um cativeiro: tão pequeno que só cabia a cama e um espaço para abrir a porta, além de uma pequena janela (que dava para o corredor) e que estava estragada, não fechava.

 

Informamos a recepcionista do estado do quarto mas ela apenas lamentou, disse que não havia outro com banho compartido, sequer nos ofereceu um com banho privado por um preço amigo. Desistimos dali e continuamos a caminhar pela rua Velasco Galvarro. Depois de perguntar em mais 2 ou 3 locais (que ou estavam lotados ou eram muito caros) acabamos ficando no RESIDENCIAL SAN MIGUEL na C. Sucre (na altura da C. Potosí) À primeira vista, contando que já era quase 19hs da noite e estávamos cansados de tanta viagem, parecia ser um lugar “habitável”, contudo, depois de nos instalarmos só víamos mais e mais defeitos (comentários sobre o local, abaixo).

 

Enfim, depois de tudo isso, no dia seguinte, resolvemos procurar algo que oferecesse um melhor custo-benefício, porém o local que mais nos agradou (RESIDENCIAL GLORIA) se mostrou um tanto confuso quanto às informações de estar ou não disponível (num dia fomos atendidos por uns senhores que disseram que na manhã seguinte poderíamos chegar que teria vaga. Na manhã seguinte, para confirmar passamos no local e fomos atendidos por uma senhora que dizia que eles não estava recebendo ninguém, até o próximo mês. Vá entender...). Como pretendíamos ficar apenas aquele dia e seguir viagem no dia seguinte bem cedo, achamos que não valia a pena passar a maior parte do tempo procurando hospedagem, e nos rendemos, ficamos no local onde estávamos.

 

Não exploramos muito a cidade, nos resumimos mais ao centro, próximo às praças mais principais, então ficaria difícil dizer o que achamos da cidade. Como tínhamos alguns trabalhos pendentes também precisávamos de internet, acabamos ficando várias horas em um lanhouse grande, localizada na esq. das ruas Doria Galvarro com Bolívar, em frente a Plaza da Entel.

 

Um dia tomamos café da manhã no Mercado Municipal da cidade que fica a poucas quadras da Plaza 10 Febrero. Local bem agradável, fomos atendidos por uma senhora boliviana bem querida, que nos deu várias dicas sobre Oruro, o que visitar, etc. No fim da tarde retornamos e pedimos o clássico pastel de queijo + api, tudo gostoso e atendimento bacana novamente.

 

No dia seguinte, seguimos para o Terminal de ônibus, pois havíamos comprado passagem (no dia anterior) para Potosí com saída ás 7h30min.

 

Dicas e custos:

- Ônibus de Copacabana para La Paz: 15 bol/pessoa.

- Ônibus de La Paz para Oruro: 23 bol/pessoa + 2 bol/pessoa de uso terminal

- Hora internet (esq. C. Doria Galvarro com Bolívar): 3 bol.

- Café da manhã no Mercado Municipal: uma taça de Toddy, outra de café preto, dois sanduíches com ovo frio, tomate e maionese = 10,5 bol.

- Lanche da tarde no Mercado Municipal: pastel de queijo (frito na hora) + api = 6 bol/pessoa.

 

- Residencial San Miguel na C. Sucre (na altura da C. Potosí): 70 bol o quarto para duas pessoas, com banheiro privado.

 

::cool:::'> Pontos positivos:

- A ducha (apesar do box ser apertado) era quente e farta

 

::bad::Pontos negativos:

- Banheiro sem luz

- Cabo da televisão vinha pela janela do banheiro e ficava flutuando no ar até conectar na TV, por isso, a janela do banheiro não podia ser fechada e quando estávamos escovando os dentes tínhamos que “driblar” o tal fio

- Imagem da televisão ruim, apesar de ser “cable”

- Colchão era velho de uma forma que quando dormíamos mais parecíamos estar em uma montanha, cheia de altos e baixos.

- Atendimento ruim: recepcionistas, além de serem ríspidos, assistiam televisão em volume máximo até a meia noite, importunando os hóspedes que queriam descansar.

 

::bruuu::Avaliação final: recomende apenas para os seus piores inimigos!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala casal! Estou esperando o resto do relato! Estão na estrada ainda?

 

abraços.

Guilherme.

 

PS: desculpa por bagunçar seu relato antes do fim !!

PS2: Eu e a minha namorada saimos na foto do Chacaltaya hehehe

 

Oi Guilherme!

 

Imagina, vamos postando conforme vamos terminando de escrever cada etapa, é muita informação. Logo, logo sai do forno Potosí e Uyuni.

 

Estamos na estrada sim. Depois de sobrevivermos à Bolívia, um rumou para o Paraguai e outro para o Peru, nos reencontraremos em breve.

 

Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Já deu pra perceber que tô gostando muito do relato!!!!! ::otemo::

 

Uma das coisas que achei interessante é a forma como vcs se referem a vcs mesmos!!

(...um ficou em tal lugar enquanto outro foi para lá...)

Acho q é uma forma de dar mais privacidade sem tirar a beleza da história!! legal!

 

Aguardo a continuação!

 

Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Já deu pra perceber que tô gostando muito do relato!!!!! ::otemo::

 

Uma das coisas que achei interessante é a forma como vcs se referem a vcs mesmos!!

(...um ficou em tal lugar enquanto outro foi para lá...)

Acho q é uma forma de dar mais privacidade sem tirar a beleza da história!! legal!

 

Aguardo a continuação!

 

Abraços

 

Que bom que tu estás curtindo!

 

É, achamos que o importante, ao menos para contar aqui no site, é a história em si e não os personagens, certo?! Apesar de que dá pra saber bastante da gente só pelas escolhas (trajetos, custos, lugares, opiniões, etc) que vamos fazendo pelo caminho.

 

Acreditamos realmente que esse relato (assim como outros pitacos que damos por aqui) pode ajudar a vida de muitos mochileiros, como outros nos ajudaram e nos ajudam.

 

Até a próxima!

 

Abs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por flrc888
      Saudações Amigos!
      Meu nome é Franco Coimbra, sou de Minas Gerais. Sempre gostei de viajar, ônibus, avião, trem. Nunca tinha saído do País e achava que não tinha condições para isso. 
      Achei o site mochileiros.com, por acaso na net, é comecei a ler. Entre relatos de viagens, tutoriais, fui apreendendo formas de viajar barato. Muitos relatos de viagem me tocavam, as pessoas estavam sempre felizes amadurecidas e ansiosas, já planejando uma nova viagem. Agora tenho o maior prazer de ajudar e retribui toda a informação que consegui neste site.
       
      PLANEJAMENTO
      Transporte: Tenho uma facilidade com internet pois trabalho com tecnologia.
      Depois de várias buscas de preços descobrir que a melhor formar é se cadastrar no site Skyscanner. Após o cadastro, você criar um alerta de preço no trecho pleiteado. Fiz isso em janeiro de 2018. Em fevereiro comprei uma passagem Brasília a Campo Grande por R$179 incluindo bagagem. Também uma de Bogotá a São Paulo, com escala em Fortaleza por R$ 680,00, todas da Avianca. Descobri também que mudando a localização do navegador, você pode comprar passagens domesticas em outro país de forma mais barata. 
       
      O resto do trecho foi todo de Bus, usei as páginas Busbud e redbus para estimar o preço das passagens para o planejamento. Felizmente não usei o sites para realizar a compra, pois a vista é bem mais barato. Os ônibus em geral são mais confortáveis e baratos que no Brasil. Em países como Peru e Bolívia tem serviço de bordo, e telas de interatividade. As passagens são pechichaveis pode se fazer um leilão indo em várias empresas, mais não deixem de conferir a qualidade das avaliações nos sites que vendem passagens. Foram milhares de quilômetros admirando paisagens deslumbrantes pela janela. Andei em empresas como Copacabana, Trans Titicaca, Oltursa, Tepsa, Civa, Berlinda del Fonce, Ochoa e Bolivariana. Não tive nenhum problema. 
      Foto: Ônibus no terminal Bimodal de Santa Cruz

       
      Fiz uma planilha com a estimativas de custo, e levei 10% a mais. Fiz uma planilha, que ao longo da viagem fui trocando os custos estimados pelos custos reais.
       
      Pará reservar acomodações e estimar custos de hospedagem, usei Hostel Word e Booking.
       
      A VIAGEM
       
      Santa Cruz de la Sierra
      Realmente fiquei só um dia pra descansar, pois fui de bus de Campo Grande a Corumbá e de Puerto Quijarro a Santa Cruz. Não fui de trem da morte, porque estava caro no dia, em relação ônibus.
      Foto: Chaga em Santa Cruz

       
      Foto: Coincidência, boliviana com a tatoo com meu nome.  

       
       
      La Paz
      Um choque cultural, muito bonito e diferente. Um povo amável que lhe mostrará outros níveis de humildade.
      Do taxi ao Uber, tudo muito barato. Deliciosas sopas, empanadas e sal tenhas. Fiquei no Llmas Hostel, próximo a praça Espanha e teleférico. Passei mal, uma forte dor de cabeça, mais nada que Sirochi Pill não resolvesse. Encontrada em qualquer farmácia custa cerca de R$2.00. Fui a todos os parques, praças, miradores e no teleférico. Na noite fui a disco chamada fórum. As pessoas são muito preconceituosas com a Bolívia, La Paz é bonito e seguro.
       
      Foto: Teleférico La Paz

      Foto: sopa de Fidel com Maní

      Copacabana
      O lago titicaca é fantástico, a cidade é pequena e acolhedora. Fiz o passeio na Ilha do Sol. Paisagens perfeitas.
      Foto: São Pedro de Tiquina

       
      Foto: Lago Titicaca (Tirada por mim)

      Cusco
      Em Cusco os preços sobem um pouquinho. Pra economizar é só fugir da rota turística e ir a mercados e restaurantes frequentados por nativos.
      Recomendo o passeio ao Vale Sagrado. Cerca de R$70,00 com almoço buffet. Se conhece as Salineiras, Olaytaitambo, e muita histórias e ruínas do povo Inca.
      Machu Pichu é caro. Recomendo ir de Van até a hidrelétrica, seguir a pé até Águas Calientes, descansar em um Hostal, e subir no outro dia a Machu Pichu, fica cerca de R$230,00. Ao lado da igreja, na praça de Armas, existem 2 Pub s muito legais para sair na noite.
      Foto: Plaza de Armas

       
      Fotos: Mercado Artesanal

       
       
      Foto: Olaytaitambo


       
      Lima
      Fiquei num excelente Hostel perto do mar, na região do Barranco, na minha opinião a parte mais bonita da cidade.
      Fiz muitos amigos no Hostal.
      Foto: Barranco

      Mancora
      Passei do ponto no ônibus, tava dormindo e desci 20km depois num posto de fiscalização. Voltei de carona num ônibus que vinha de Caracas a Lima de refugiados Venezuelanos. Muito triste a situação, gente com a roupa do corpo e 20 dólares pra começar uma vida nova em Lima.
      Foi uma das minhas preferidas. Cidade puquena sem muita infraestrutura. Mais fiquei num Hostel chamado Misfit, fica 1km da cidade. Os quartos são suítes de madeira e palha. Muita tranquilidade e gente agradável. O tempo para. Lugar excelente pra relaxar. Amei.




      Cuenca
      O Equador é lindo. É hoje na minha opinião o país que tem melhor qualidade de vida. Quero trabalhar e viver um tempo no Equador, conhecer melhor o país. Passei no Equador rápido porque estava atrasado no tempo. Fui a Cuenca e de passagem por Guayaquil e Quito.

      Medellín
      Cidade fantástica, povo amoroso. Muito organizada, excelente sistema de transporte. Conheci o centro, o teleférico, o centro, o estádio.


      Cartagena
      Lidissima cidade, mais não deve sair do centro histórico. A cidade tem altos índices de assalto. Mais relativamente segura no centro. Recomendo passeio completo nas ilhas do rosário. Custa cerca de R$100,00. Inclui almoço e um passeio de Snooke muito bom. A praia Baru é super explorada comercialmente. Não sou contra quem tá correndo atrás do seus sustento, mais os vendedores são muito importunadores.




       
      Santa Marta
      Pelo menos uma vez tinha que me hospedar em um party hostal. Fiquei no Brisa Loca, tem um bar, e uma boate no terraço. Quem não gosta de festa não pode ficar lá. A música cessa só as três da madrugada. Muito boa.
       
      Bogotá
      Fiquei na região da candelária. Conhecia só locais próximos que dava pra fazer a pé e de transporte público. Gostei do clima fresco.

      DINHEIRO
      A melhor forma que encontrei, é levar um poço de dinheiro numa doleira. O resta deixa numa conta brasileira. Assim baixei o app da western Union e envia via app do meu banco e depois de meia hora sacava em uma loja local da western Union.
       
      PERRENGUES
       
      O tempo foi curto, talvez o trajeto deveria ser menor.
      Dava pra ter feito trechos de voo, se me programasse e comprava a passagem uma semana antes. Teria ganha tempo. E na maioria das vezes é mais barato que ônibus.
      Já na cidade de Ipiales, comprei uma passagem em um bus noturno para Medellín. Por volta das 04:00 de hoje 19/09/2018, na carretera 25 no povoado de El Cruero, o ônibus é parado pela polícia para uma fiscalização de rotina. Eu estava na poltrona 01, o policial ao notar que eu era estrangeiro me acordou e me chamaram pra dentro da guarita. Era um policial de etnia branca e um de etnia negra. Lá revistaram todas as minhas malas. Não satisfeitos pediram para ligar meu celular e escutaram todas minhas ultimas conversas. Não satisfeitos pegaram minha carteira contaram meu dinheiro (540 dólares). Disseram que poderia pedir para o ônibus seguir viagem, porque estava preso para averiguação da Interpol. Aí eu fiquei muito puto... Falei que estava correto. Que estava legal no país, que tinha visto em meu passaporte, e que o dinheiro que estava por tanta dó estava longe da quantidade limite que poderia portar. O policial de uma forma muito truculenta disse que se não calasse ia me fazer uma multa. Peguei meu telefone, falei que ia ligar numa linha de emergência do consulado brasileiro (nem sei se existe). Para pedir ajuda. Nesse momento um dos policiais foi para fora da guarita, enquanto o outro que ficou, na maior cara deslavada me pediu 100 dólares. Falei que não ia pagar, porque primeiro estou correto, e em segundo porque meu dinheiro estava contado e 100 dólares me faria falta para voltar ao Brasil. Não paguei, repeti que não pagaria, até porque o dinheiro me faria falta mesmo. Perguntaram minha profissão, quanto era meu salário. E por fim quando viram que não conseguiria me extorquir, me liberaram. Atrasou o ônibus em meia hora.
      CONCLUSÃO
      Não sou a mesma pessoa. Mudei e muito. Mais humilde, aberto. Aprendi a chegar nos lugares me apresentar e conhecer todos. Que se tem uma amizade intensa, ou um amor intenso, e depois a vida segue, e a despedida pode ser um adeus. Me renovei quero iniciar novos projetos, estudar mais, melhorar meu salário, cuidar da minha saúde. conhecer muito mais. Viajar sempre. Quero cuidar mais da minha saúde, racionalizar o álcool e para de fumar.
      Estudei muito quase um ano pra fazer essa viagem. Quem quiser dicas e compartilhar experiências meu zap é
      34 9 9944 2608
      Abaixo uma planilha com todos os custos, as datas não estão certas mais os custos sim.
      https://docs.google.com/spreadsheets/d/1_yIgkqtuVEvNEooOlkJhYwEIwpRGtyUKGMFkGk5KjZA/edit?usp=drivesdk
      Me sigam no Facebook e Instagram
      https://www.facebook.com/flrco888
      https://www.instagram.com/fr4nc0.br/





























      V_20181102_072341_N0.mp4
    • Por Tadeu Pereira
      Salve Salve Mochileiros! 
      Segue o relato do mochilão realizado na Bolívia no final de 2018, se liga na vibe do nossos visinhos bolivianos...
       
      1º Dia: Partida - 26/12/2018 - 15h00 - São Paulo x Porto Quijarro - Empresa La Preferida R$315,00
           Partimos de São Paulo dia 26 de Dezembro de 2018 as 15:00pm da tarde do Terminal Rodoviário da Barra Funda. O ônibus teve um atraso de 30 minutos para que todos os passageiros guardassem suas bagagens no ônibus. A viagem é tranquila e o ônibus muito bom com banheiro e água da empresa La Preferida. Este primeiro trecho da viagem foi entre São Paulo à Porto Quijarro já na Bolívia. A viagem foi tranquila com duração de quase 23 horas e com paradas de 3 em 3 horas. 

       
      2º Dia: Partida - 27/12/2018 - 13h00 - Porto Quijarro x Santa Cruz de la Sierra - Empresa 2 de Mayo Bs$100,00 - Moto Táxi Bs$6,00 - Taxa terminal Bs$3,00 
           Depois de horas na estrada estávamos próximos ao serviço aduaneiro de fonteira terrestre - ADUANA - na fronteira com a Bolívia. Pensamos que o ônibus iria parar para que fizéssemos a saída do Brasil e depois a entrada na Bolívia, mas o ônibus passou direto na fronteira e só parou no Terminal Rodoviário de Porto Quijarro, já em território Boliviano. No terminal rodoviário trocamos um pouco de real em pesos bolivianos e guardamos nossas mochilas na sala vip da empresa La Preferida que foi gentilmente cedida aos passageiros, logo depois pegamos um moto táxi por Bs$3,00 bolivianos para retornar à fronteira para darmos a saída do Brasil na ADUANA Brasileira e firmar a entrada na ADUANA Boliviana. O trecho do terminal rodoviário até a fronteira leva menos de dez minutos. Chegamos na fronteira e atravessamos para o lado brasileiro novamente para fazer a saída do Brasil. A fila estava grande para quem fosse dar entrada no país mas para quem era brasileiro e estava dando a saída do país, no caso do Brasil, estava sendo atendido mais rápido. Fomos atendidos depois de uns 40 minutos e corremos para a fila da ADUANA Boliviana que esta um pouco menor. Carimbamos nossos passaportes e firmamos a entrada na Bolívia. Agora estávamos em dia com o controle de imigração rsss. Após todo trâmite da fronteira retornamos para o terminal rodoviário para almoçar e comprar nossa passagem para a nossa próxima parada, a cidade de Santa Cruz de la Sierra. Compramos em um dos diversos guichês na rodoviário pela empresa 2 de Mayo por Bs$100,00 bolivianos mais a taxa do terminal de Bs$3,00 bolivianos para as 13:00pm com aproximadamente 16 horas de duração. Poderíamos pegar o famoso Trem da Morte pelo mesmo valor e que também sai de Porto Quijarro mas leva um pouco mais de tempo para chegar em Santa Cruz e como estávamos com pouco tempo preferimos ir de ônibus mesmo. 
                       
           A viagem foi tranquila passando por diversas florestas e rios nos mostrando paisagens lindas do território boliviano. Fizemos algumas paradas durante o caminho para comer e ir ao banheiro pois no banheiro deste ônibus só podia mijar. Logo no começo da viagem o cobrador pediu para que quem precisasse cagar era pra pedir pra ele que eles paravam o ônibus para a pessoa fazer na estrada, pois como a viagem seria longa, se fosse fazer no ônibus mesmo ninguém aguentaria o cheiro. Mas ninguém precisou rsss. 
       
      3º Dia: Partida - 28/12/2018 - 11h30 - Santa Cruz de la Sierra x La Paz - Empresa Concórdia Bs$220,00 - Banheiro Bs$4,00 - Taxa Terminal Bs$5,00
           Chegamos em Santa Cruz por volta das 4:00am da madrugada. Ficamos aguardando o Terminal Bimodal de Santa Cruz abrir as 6:00am para poder fazer o cambio da moeda e comprar nossas passagens para nosso próximo destino, La Paz. Ficamos aguardando em alguns bancos que tem do lado de fora do terminal, quando um policial da INTERPOL abordou um de nós pedindo o documento de entrada na Bolívia. Documentos conferidos e fomos liberados rapidamente. Se não tivéssemos feito a entrada no país seríamos multados por estarmos ilegais no país pagando uma multa por este delito. 
           O terminal começou a abrir e logo vimos uma mulher vendendo as passagens para La Paz pela empresa chamada Concórdia pelo valor de Bs220,00 bolivianos, já adiantamos e compramos.  Depois entramos no terminal para aguardar nossa partida que seria somente às 11:30am, então tínhamos um bom tempo para comer, trocar dinheiro, tomar banho e dar uma volta pelos arredores do Terminal Bimodal de ônibus de Santa Cruz de la Sierra. Pagamos Bs1,00 boliviano para banheiro e Bs3,00 bolivianos para banho no terminal, isso acontece em toda a Bolívia, todo banheiro será cobrado, seja para necessidades ou seja para banho. Então separem suas moedinhas, pois elas serão muito úteis para isso. Outra utilidade para as moedas, são as taxas de embarque que todo terminal de ônibus cobra. Depois que compramos nossa passagem tivemos que ir em outro guichê para pagar a taxa de embarque do terminal que nos custou Bs$5,00 bolivianos. Dentro do ônibus antes de sair do terminal, um fiscal entra conferindo pessoa por pessoa o pagamento da taxa. 
        
        
           Andamos nas ruas ao redor do terminal e encontramos diversas barracas com comidas de rua. Tinha bastante comida típica, muitas sopas e caldos, sucos e escolhemos para começar as famosas salteñas e empanadas boliviana. São maravilhosamente deliciosas e valeu muito a pena experimentar. Comemos também o famoso cuñapé, que seria o pão de queijo boliviano. Outra delicia boliviana mas confesso que os pães de queijo da minha avó são infinitamente melhores que os cuñapé boliviano ahuahuahuahu. Desculpa aew Bolívia rs. 
           Retornamos ao terminal e embarcamos rumo a La Paz em uma viagem aparentemente tranquila mas assim que íamos distanciando de Santa Cruz o trajeto começou a ficar um pouco tenso. O trecho que passamos estava em obras e tivemos que passar por diversos desvios ao lado de desfiladeiros e enormes rios que cruzávamos a todo momento. Mais a noite o tempo mudou e começou a chover forte e o trânsito ficou bastante lento em alguns lugares. Com a noite chegando, a escuridão dominava e não tínhamos noção de onde estávamos passando, mas quando um relâmpago clareava tudo r nos dava a visão  do quão perigoso estava o trecho que estávamos passando. 
           Após o transtorno do trecho em obras fizemos mais uma parada para esticar as pernas, ir ao banheiro, comer alguma coisa, comprar água pois seria a ultima parada até La Paz. Como estava um calor de quase 30º graus desde Porto Quijarro, não nos importamos em colocar roupas de frio e seguimos em frente. Assim que o ônibus começou a chegar próximo da cidade de El Alto por volta das 5:00am da manhã sentimos o verdadeiro frio da Bolívia.

       
      4º Dia: Partida - 29/12/2018 - La Paz - Banheiro Bs$1,00 - Hostel Bs$153,00 - Van Bs$5,00 - Teleférico Bs$3,00 - Empresa Diana Tour Bs$40,00    
           Pela janela do ônibus só se via um descampado sem árvores, sem vegetação, coberto somente por uma grama curta e alguns arbustos e muito frio. Tinham diversas casas feitas de barro no meio do nada. Meu coração começou a bater mais forte e a falta de ar também começou levemente. Estava com os esfeitos da altitude, o soroche. Notei que estávamos próximos de El Alto, a última cidade antes de La Paz. O ônibus fez uma parada e mais da metade dos passageiros ficaram por ali mesmo. Perguntamos se ali seria o ponto final do ônibus. Algumas pessoas e o cobrador responderam que sim. Que teríamos que descer ali e pegar o teleférico até La Paz. Quando pegamos nossas mochilas do bagageiro do ônibus, perguntei para o motorista se ali seria o ponto final. Ele respondeu que não, que ali era ponto final pra quem era de El Alto. Subimos novamente no ônibus e ai sim seguimos rumo ao Terminal de Buses de La Paz.
           Chegamos por volta das 7:00am da manhã no terminal e bem na hora do rush. Havia muito congestionamento e resolvemos saltar do ônibus antes de chegar no terminal e continuarmos a pé o trajeto. No terminal de buses de La Paz usamos o banheiro por Bs$1,00 boliviano, compramos nossas passagens para Copacabana por Bs$40,00 bolivianos pela Diana Tour e usamos o wi-fi gratuitamente para podermos acessar o mapa no telefone para  poder seguir a pé para a Rua Sagarnaga. Esta rua esta concentrado a maioria das agências de câmbio, das agências de turismo, hotéis, pousadas e hostel. Fica bem próximo do Mercado Lanza, do famoso Mercado de las Brujas, da Igreja e Convento São Francisco, da Av. Illampu que contém diversas agências de turismo também. Ficamos hospedados no Hostel York B&B na rua Sagarnaga mesmo por Bs$153,00 bolivianos a diária por um quarto duplo, café da manhã e com banheiro privado. Como chegamos muito cedo no hostel e o check-in seria um pouco mais tarde, guardamos nossas mochilas na recepção do hostel e tomamos algumas xícaras de chá de coca para amenizar os efeitos da altitude que já estavam dando seus sinais. Ficamos por alguns bons minutos na cozinha do hostel tentando acostumar com aqueles sintomas e assim que o chá de coca fez efeito resolvemos sair pra rua para encontrar agências de câmbio para trocar nosso dinheiro e aproveitamos para dar uma volta na rua do Mercado de las Bruxas que estava começando a abrir.   
        


         


           Retornamos para o hostel para fazer o check-in, pois já estava no horário, nos acomodamos no quarto que reservamos, tomamos um belo e merecido banho, arrumamos as mochilas menores e bora pra rua novamente almoçar e aproveitar o dia que por incrível que pareça estava fazendo sol com todo aquele frio. Então não podíamos perder tempo e saímos logo em direção à Praça Murillo, um dos cartões postais de La Paz. 
       
       

           Ficamos um tempo nesta praça até que resolvemos perguntar para um guarda como se chega no Mirador Kili Kili. Ele nos orientou a pegar um tipo de van por ali mesmo em uma esquina da Praça Murillo pagando Bs$5,00 bolivianos que conseguiríamos chegar na entrada do mirador. Achamos a van e aguardamos por alguns minutos até que lotasse a van de passageiros. O percurso até o mirador durou apenas 10 minutos. A van percorre alguns lugares da cidade parando em alguns e seguiu rápido em direção ao mirador. Transporte barato, rápido e eficaz.  










           O Mirador Kili Kili nos da a visão da grandeza de La Paz. Tem uma vista impressionante da cidade. Ficamos por horas neste local, até que o tempo que estava aberto se fechou de uma hora pra outra e começou a chover até granizo. Ficamos por quase uma hora em um abrigo no mirador aguardando a chuva passar. Foi impressionante ver aquela tempestade do mirador com seus raios cortando toda a cidade de La Paz.
           Assim que a chuva deu uma trégua conseguimos ir até o ponto e pegamos a van que nos deixou na Praça Murillo novamente. De lá fomos ao mercado Camacho comer uma típica comida boliviana. Estava frio e chuvoso e nossos estômagos estavam roncando de fome. Andamos por cerca de 10 minutos e já estávamos no Mercado Camacho. Pedimos dois pratos tipicamente bolivianos porem esquecemos de perguntar quantas pessoas eles serviam ahuauhaua. Vieram dois pratos enormes, um chamado Picana Navideña e outro chamado Planchitas que juntos serviam 4 pessoas facilmente ahuahuhauhau. Fiquei pensando depois que o garçom poderia ter nos avisado rsss mas tudo bem, comemos até o cu fazer bico! kkkkkkkkkk 

       
           Barriga cheia, pé na areia! Saímos do Mercado Camacho e fomos nos aventurar nos famosos teleféricos da cidade. Foi sensacional andar por cima da cidade naquelas cabines. Parecia que estávamos flutuando sobre La Paz. O sistema teleférico em La Paz foi inaugurado no ano de 2014 ligando as cidades de El Alto e La Paz. Hoje em dia La Paz contém 9 linhas integradas levando 18.000 pessoas por hora, facilitando o trânsito caótico gerado pela geografia caprichosa do lugar. As linhas são interligadas, porém cada uma delas será cobrado uma tarifa de Bs$3,00 bolivianos caso tenha que trocar de linha. 
         


       
       

            Retornamos ao hostel para descansar um pouco e aclimatar pois o soroche estava acabando com nosso fôlego e o coração disparava a toda hora. Como íamos subir mais ainda resolvemos ficar de booooa no hostel pois logo de manhã iriamos sair em direção ao Terminal de Buses de La Paz para tomar o ônibus para o nosso próximo destino, a cidade de  Copacabana às margens do lago mais alto do mundo, o Lago Titicaca.
       
      5º Dia: Isla Del Sol - 30/12/2018 - La Paz x Copacabana x Isla Del Sol
       
      (((((Continua no próximo post))))
       
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
       

       (...)
    • Por Vanessa Aline
      Boa noite!😀
      Alguém sabe se a rodoviária de La Paz tem algum site onde eu possa cotar valores (das empresas) de ônibus? Pretendo fazer o deslocamento de La Paz - Uyuni (dia 07 de julho/domingo).
      Alguém já fez este trajeto? Quanto tempo? (vi que será em torno de 10 horas). Indicam alguma empresa de bus? 
      Obrigada!! 
       
       
    • Por NatalieM
      Olás,
      Estou indo para Atacama + Salar de Uyuni no começo de novembro. Já tenho um fleece da Columbia como esse https://www.columbiasportswear.com.br/jaqueta-fast-trekt-ii-full-zip-fleece-22/p e a segunda pele. Agora estou na duvida se compro um corta vento leve apenas para usar por cima desse fleece ou se preciso comprar algum casaco mais grosso como aqueles com enchimento de nylon. Alguém que já foi nessa época pode me dar alguma dica?
       
      Obrigada 😃
       
       
       
    • Por joshilton
      Fui a Oruro, porém ainda no tempo que eu ia por agencias, deixei de conhecer vários lugares, como Parque Nacional Sajama e Lago Uru Uru, Então, como chegar nesse lugares ? (Parque Nacional Sajama e Lago Uru Uru)
      Ficam distantes ou dá para fazer um bate volta ?


×
×
  • Criar Novo...