Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Rafa Meireles

O fantástico Chile ! Santiago, Embalse El Yeso, Valpaíso, Vina e San Pedro de Atacama - com fotos, roteiro e gastos 2017

Posts Recomendados

Olá mochileiros :-P

Em janeiro de 2017, depois de muitos preparativos, muitos fóruns lidos e muita pesquisa no santo Google Maps :-P, eu e meu companheiro Danilo fizemos um pequeno mochilão pela América do Sul, sendo que nossa primeira parada foi o Chile, onde passamos 9 dias e tivemos algumas das melhores experiências de nossas vidas. Como o Mochileiros.com foi fundamental para a montagem da nossa viagem, resolvi contar um pouquinho de como foi nossa maravilhosa estadia nas terras de Pablo Neruda para vocês. 

 

Relato Bolívia: https://www.mochileiros.com/a-impressionante-bolivia-salar-de-uyuni-la-paz-copacabana-lago-titicaca-e-isla-del-sol-com-fotos-e-precos-2017-t141313.html
Relato Peru: 

Chile, o que dizer de você? Um país de extremos, onde você encontra geleiras, grandes lagos e temperaturas abaixo de 20 graus ao sul, uma das cidades mais urbanizadas das Américas no centro e o deserto mais seco do mundo ao norte. Um país com belezas naturais impressionantes, praias, montanhas, ótima infraestrutura e um povo super simpático, educado e hospitaleiro, que ao descobrirem que você é brasileiros, abrem um sorriso de orelha a orelha e demonstram interesse em saber mais sobre nosso dia a dia. Claro que o país inúmeros problemas, assim como qualquer outro país e as marcas da terrível ditadura militar de Pinochet ainda são bem visíveis na sociedade.

Para ver mais fotos, acesse meu insta: https://www.instagram.com/rafah.meireles/?hl=pt-br ou face: https://www.facebook.com/rafael.henriquecarter

 

15977750_1170634906389611_2577233604341729161_n.jpg.246e9909753c69c910b82bd9dd4474ed.jpg


Uma das minhas preocupações (e a de qualquer mochileiro) era o custo de vida do país, pois a maioria dos relatos que encontrei dizia que o Chile era um dos países mais caros da América Latina, que não deixa de ser verdade em alguns pontos, mas que no geral me surpreendeu positivamente, sendo bem mais barato que seus vizinhos Argentina e Peru, por exemplo. Mas claro que isso varia muito do padrão de viagem de cada um. Fiquei hospedado em hostel, dei preferência a comer em lugares baratos e as vezes sobrevivia só com empanadas haha, preferi utilizar o transporte público ou ander a pé do que pegar um táxi e com isso investi o dinheiro com os passeios, esses sim um pouco salgados, mas que super valem a pena. ::otemo:: 

Dos países que visitei, esse foi o que mais encontrei brasileiros. Em todos os principais pontos turísticos sempre encontramos alguém que simplesmente olhava pra gente e falava: Vocês são brasileiros né?! Eu tbm sou haha. E é incrível como a gente se reconhece. ::otemo::

Obs: Ao todo, o mochilão saiu por cerca de 5.500 reais por pessoa, sendo que só de passagem foram 2.000 :cry: Inclusive, poderia até ter gastado menos do que gastei, então, fica a dica :P

 

15978084_1176877669098668_1539492626809178370_n.jpg.8d984503732321230b523f15bc56e855.jpg

16142678_1176878015765300_6731283391364909780_n.jpg.1c181e048d6c752c5afdfbb18cd9d7d9.jpg

ALIMENTAÇÃO: A alimentação, que é uma das coisas que mais pesa no bolso do viajante, foi uma grata surpresa. É possível comer bem e muito por pouco - sem falar nas diversas opções. Em quase todos os restaurantes e lanchonetes é possível encontrar pratos prontos, inclusive o famoso Lomo a lo Pobre, por cerca de 4 mil pesos (cerca de 19 reais). Nas redes de fast food é vendido kits de lanches para até 3 pessoas por um pouco mais (compramos um combo de 3 cachorros quentes com bebidas e fritas por 6.500 pesos, ou 30 reais na rede Pedro, Juan & Diego do Costanera Center). As tradicionais empanadas custam cerca de 700 pesos (3-4 reais). A culinária chilena não é tão diferente da brasileira, mas tem suas particularidades, sendo que talvez a maior delas seja a La palta (creme de abacate) que é servido em praticamente tudo, inclusive no cachorro quente (chamado de completo). Truta, ceviche e o pastel de choclo também são pratos comuns no país e que tive a oportunidade de experimentar.

16114671_1176877962431972_3960686330749884734_n.jpg.5a5d32297b20e397fd715dcdf6e0399d.jpg

 

CÂMBIO: Em Santiago, o melhor lugar para cambiar é na rua Augustinas, no centro, onde existem umas 10 casas especializadas uma do lado da outra e todas com cotações diferentes entre si, então é sempre bom dar uma pesquisada. No dia, a melhor que encontrei foi 1 real > 196 pesos. Para quem precisar trocar dinheiro em um domingo (foi o meu caso), recomendo a casa de cambio situada no subsolo do shopping Costanera Center, que apesar da cotação péssima - 1 real > 180 pesos - me ajudou a não passar fome no dia haha.

Para quem vai ao Atacama, recomendo trocar dinheiro em Santiago mesmo, pois a cotação em San Pedro é de morrer :roll: 1 real > 160 pesos, foi a melhor cotação que encontrei ::essa:: . Se não tiver outro jeito, as casas de câmbio ficam espalhadas epla região da Calle Caracoles.

 

HOSPEDAGEM: Como já mencionado, optei por ficar em um hostel, o Chile Lindo Hostel - super recomendo, pois 5 diárias saíram por 175 reais com café da manhã, além de sua localização ser no centro, na calle Moneda. Mas existem opções para todos os gostos e bolsos ;).  Uma coisa que acho super importante antes de reservar o hotel é verificar bem sua localização, ver se é de fácil acesso, se é próxima das atrações que você mais se interessa, enfim, porque não adianta nada você pegar um hotel super barato se ele fica afastado de tudo, pq ai vc terá que gastar com locomoção.

 

ROUPAS (o que levar): Nós usamos uma mochila 70 litros + uma bolsa de ataque, o que foi suficiente para toda a viagem.

Apesar de ser verão e do clima extremamente seco e quente em Santiago, passamos muito, mas muito frio em Embalse El Yeso, então aconcelho levar pelo menos um casaco corta vento em qualquer aventura que vc for fazer pelas montanhas. Em San Pedro as noites e as manhãs também são bem geladas, assim como alguns passeios onde a altitude é maior (lagunas Altiplânicas e o final da tarde no Valle de la Luna). Algo que foi indispênsavel foi o tênis (dê preferência para tênis de escalada) pois chão é escorregadio e íngreme em vários lugares. Em Vina del Mar, é legal levar roupa de banho, pelo menos para pegar um sol na areia, já que acho meio dificil alguém se arriscar nas águas super geladas do Pacífico ::otemo::

 

SEGURANÇA: Em poucos lugares me senti tão seguro quanto no Chile, principalmente na capital, Santiago. Andei em regiões degradadas a noite, lugares vazios, utilizei minha câmera em grandes aglomerações e em nenhum momento me senti inibido por alguém. Foi sorte? Pode ser, mas se comparado com as grandes cidades brasileiras, Santiago é um paraíso. Os carabineiros (guardas chilenos) estão presentes em todos os principais pontos turísticos da cidade e nas ruas centrais e são super solícitos caso necessite de alguma informação. Vina del Mar e San Pedro de Atacama são mais tranquilas ainda. Em Valparaíso não senti a mesma liberdade e preferi nem utilizar minha câmera, mas também não tive problemas. Mas claro, vale tomar algumas medidas de segurança e não relaxar, já que os furtos são muito comuns, principalmente no metro, então sempre fique de olho nos bolsos e em sua bolsa, evite grandes aglomerações e mantenha a tenção redobrada sempre, pois é no momento do descuido que as coisas acontecem :roll:

 

TRANSPORTE: Não tenho o que reclamar das estradas que passei no Chile - são todas asfaltadas, inclusive as que estão no meio do deserto, sem buracos e bem sinalizadas. Em Santiago, o metro é sem dúvidas a melhor opção para locomoção (é limpo e serve boa parte da região metropolitana. Custa cerca de 700 pesos, dependendo do horário). Não peguei ônibus e táxi nenhuma vez (não vi necessidade). Além disso, é bom tomar cuidado com os táxis da capital. No hostel ouvi a história de duas francesas que tomaram um táxi do aeroporto até o hotel no centro e pagaram 150 mil pesos, isso pq o motorista viu que eram turistas e ficou dando voltas com elas ::putz::

Aliás, para fazer esse trajeto, nós pegamos uma transferência da TransVip, que é uma van que leva a pessoa do aeroporto até o hotel e que custa 7 mil pesos por pessoa - super recomendo já que é bem mais barato que um táxi e mais seguro que pegar um ônibus.

16195069_1177543152365453_7264848523179430118_n.jpg.dd7779905ba7dcf4702165944cf8eda4.jpg

 

Ficamos 5 dias em Santiago, sendo que um desses dias visitei Valpo e Viña e 3 dias em San Pedro de Atacama. Abaixo está o roteiro que fiz nessas cidades, incluindo os pontos turísticos que visitei (coloquei os mesmos em negrito para facilitar) e alguns comentários. Espero que meu relato seja útil assim como o Mochileiros.com foi útil para minha viagem ::otemo::

Dia 07/01 - Voo Guarulhos/SP > Galeão/Rio

Dia 08/01 - Voo Rio > Santiago

Transferência Aeroporto > Hostel no centro

Dia 12/01 - Ônibus Santiago > Valparaíso

Ônibus Viña del Mar > Santiago

Dia 13/01 - Ônibus Santiago > San Pedro de Atacama (24 horas de viagem)

16114913_1177543035698798_4290673502876123014_n.jpg.2c959fb945615900008278400341a2e8.jpg

15977705_1174177626035339_8051616628081130535_n.jpg.2a400cb087b320637eab1d8ebe905963.jpg

 

 

Dia 1 - Santiago

 

Nós chegamos em Santiago por volta das 12.30 hrs vindo de um vôo de São Paulo com escala no Rio. Foram 5 horas de vôo e apenas a linda vista da Cordilheira dos Andes com alguns picos nevados em pleno verão já são impressionantes (Imagina no inverno!). Peguei uma transferência até meu hostel e depois de fazer o check-in e tomar um banho fomos bater perna.

O roteiro do dia foi:

Costanera Center: popular shopping situado no bairro de Providencia e que é um dos mais luxuosos da cidade. Tem 5 andares das mais variadas lojas e pros mais diversificados bolsos, sendo que o Wi-fi é liberado em todos os andares. É no subsolo do shopping que existe uma casa de câmbio que funciona aos sábados e domingos (apesar da cotação ruim). Anexado ao shopping fica a Gran Torre Santiago, o edifício mais alto da América Latina - 64 andares e 300 metros de altura. No alto da torre fica o Sky Costanera, o famoso mirante que oferece uma vista 360 graus de Santiago. O valor para subir é de 8 mil pesos durante a semana e 10 mil pesos aos finais de semana - é um preço salgado para um mochileiro mas a vista que o mirante oferece da cidade é de encher os olhos. Fiquei arrepiado. Aproveitamos também para conhecer a Igreja Militar que fica ao lado do shopping :)

15895281_1168184153301353_2630435299572079339_n.jpg.ed0b02db2580640575f4d91debd2391b.jpg

Vista do Sky Costanera:

15726752_1168202183299550_6191513750505245068_n.jpg.2d93e27f2e5bae5920953994d5666709.jpg

15966042_1168413623278406_7256041640934091724_n.jpg.5941e9f96ebe4ea7db39c574276f0d28.jpg

 

Dia 2: Cajon del Maipo, Embalse el Yeso e Palácio de la Moneda

 

Acordamos cedo e fomos para a região de Cajon del Maipo, onde fizemos várias paradas ao longo do trajeto até chegar ao principal destino do dia. Paramos no Rio Mapocho e em vários mirantes em meio a Cordilheira dos Andes que oferecem vistas dignas de cartões postais. Depois de quase 3 horas finalmente chegamos em Embalse El Yeso, um dos luagres mais lindos que visitei na vida! ::otemo:::D . O lugar nada mais é que uma represa formada pelo degelo dos Andes no verão, mas o grandioso lago de águas azuis emoldurado pelos picos ainda nevados formam uma paisagem deslumbrande. Vale muito a pena!!!. Existem várias agências que fazem esse passeio.

DSC_0359.JPG.dbf2f7e4c3e73b03ec983b5c7f819f41.JPG

 

Fomos com a Sousas Tour, especializada em brasileiros e não me arrependo, já que os guias são super legais e atenciosos, a van que nos leva pelas montanhas é bem confortável, o almoço servido é muito bom e o preço não é muito diferente do cobrado por outras agências (53 mil pesos por pessoa, mas recebi desconto por fechar dois passeios).

20170109_105756.jpg.0cba824ad130c736ab95b1c163b712f9.jpg

15941075_1170073463112422_4653283478086755789_n.jpg.0c37baa88247ca890453f26654a76dd9.jpg

Voltando do passeio que dura aproximadamente 9 horas, fomos visitar a região do la Moneda. Eis o roteiro:

 

Igreja de la Glatitud Nacional, na avenida Ricardo Cumming

Avenida Bernardo O'Higgins - principal avenida de Santiago, é repleta de construções históricas e imponentes, igrejas, jardins e monumentos.

Igreja San Ignacio, na rua Padre Alonso de Ovalle

Paseo Bulnes - Um dos lugares mais agradáveis da cidade, é um grandioso boulevard que se inicia em frente ao La Moneda e que é repleto de jardins, cafés e restaurantes ::otemo::

Cripta O'Higgins - local onde está os restos mortais do libertador Bernardo O'Higgins. Fica na Plaza Bulnes.

Palácio de la Moneda - Residência oficial da presidente do Chile, era a antiga casa da moeda do país, daí seu nome haha:P :P

Centro Cultural La Moneda - Fica localizado no subsolo do palácio. É uma grande área reservada para exposições temporárias (estava tendo uma exposição com obras do Picasso ::otemo:: ) e e uma exposição permanente que é gratuíta.

20170109_195304.jpg.23ebe1a6c479a7ceb14d0459af55a99b.jpg

 

Dia 3: Centro Histórico

 

Igreja Santa Helena, na Calle Huérfanos

Igreja do Sangue Precioso, na Calle Compañía de Jesus

Plaza Brasil ::lol4::

Basílica El Salvador

Plaza de la Constitución e Troca de Guarda - Conseguimos pegar o finalzinho da famosa troca de guarda que é feita em frente ao La Moneda

Paseo Ahumada - Rua transformada em calçadão com inúmeras lojas, cafés, restaurantes e artistas de rua :P

Igreja San Agústin

Teatro Municipal

Plaza de Armas - marco zero da cidade, é ao redor dessa grandiosa e movimentada praça que estão importantes e belíssimos prédios históricos que ajudam a contar a histórica de Santiago. É aqui que está o famoso Monumento ao Indigena.

Catedral Metropolitana

Palácio dos Correios

Museu Histórico Nacional

Congresso Nacional

Palácio da Justiça

Museu de Arte Pré-Colombiana

Mercado Central de Santiago

Plaza Part

Academia e Museu Nacional de Bellas Artes

Parque Florestal - agradável e arborizado parque

Plaza Italia

Plaza Baquedano

Museu Violeta Parra

Igreja San Francisco de Borja, na calle Carabineros de Chile

Centro Cultural Gabriela Mistral

PUC Chile

Cerro Santa Lúcia - um dos lugares que mais gostei em Santiago. É um grande morro em meio a selva de pedra e que é repleta de jardins, fontes, monumentos e claro, inúmeros mirantes - o mais famoso e alto é a torre do Castelo Hidalgo.

Biblioteca Nacional

Paris - Londres - sinceramente, esperava mais ::essa::

Igreja San Francisco - a mais antiga da cidade

DSC_0194.JPG.5ef3e8d221f652d20f712e6f063aa7f4.JPG

DSC_0332.JPG.ec139b92559cd1b8ad4f0cfe9ca8ee36.JPG

Uffa, perceberam que eu gosto de visitar igrejas né ?! hahah. Esse foi o dia que mais andamos e tudo sem utilizar transporte - emagreci umas gramas ai ::otemo:: . Com exceção do Museu Pré-Colombiano, todas essas atrações saõ gratuitas.

 

Dia 4: Vinícola e San Cristóbal

 

Vinícola Concha Y Toro - fechamos esse passeio com a agência Sousas Tour (27 mil pesos por pessoa, sem o desconto) e durou aproximadamente 4 horas. Acompanhados da guia Macarena (quem não lembra da música? ::otemo:: ) visitamos as instalações da vinícola que fica nos arredores de Santiago. Não é um passeio imperdível, mas é interessante (o auge do passeio é o Casillero del Diablo).

Páteo Bella Vista - saindo da vinícola fomos até o Bella Vista, que é um grande centro comercial com as mais diversas lojas e restaurantes (caros por sinal) e foi aqui que tivemos umas das cenas mais engraçadas da viagem. No McDonald's, fomos pedir um sorvete Mc flurry Ritter, porém na hora de usar o portunhol, o Danilo pediu um sorvete sabor Hitler ::lol4::::putz:: ( que isso não volte a acontecer!)

Cemitério Geral de Santiago - andamos pra caramba até chegar ao principal cemitério da cidade, onde estão enterradas algumas das personalidades mais famosas do Chile. O cemitério é enorme, tem um urbanismo bem diferente e sem dúvidas vai agradar aos amantes de arte tumular, como eu haha. É necessário ter uma permissão para fotografar dentro do cemitério - pode ser tirado na hora, na secretária.

Cerro San Cristóbal e Funicular - Uma das atrações mais famosas de Santiago, o Cerro San Cristóbal é um grandioso morro pertencente ao Parque Metropolitano, o terceiro maior parque urbano do mundo! Para subir até o mirante, a opção mais utilizada é o Funicular (paga-se 2 mil pesos por pessoa) e em poucos minutos chega-se no alto do cerro, mas não em seu topo - o Santuário de la Concepcion é o ponto mais alto do Cerro e para chegar lá é necessário subir um conjunto de escadas. No alto do cerro se existem várias lanchonetes, lojas, capelas, uma igreja, além claro de proporcionar uma linda vista de toda a cidade (mas não é a mais bonita, o do Sky Costanera é mais).

DSC_0769.JPG.187d4cc84a46b8dbe332eebab636941d.JPG

 

Dia 5 - Val e Vina

Nesse dia fomos até o Terminal Alameda e compramos uma passagem de ida para Valparaíso pela Turbus (5 mil pesos, mas não me lembro rs)e duas horas depois chegamos a cidade, que parece que parou no tempo. Visitamos:

Plaza Victoria

Catedral de Valparaíso

Biblioteca Municipal

Avenida Brasil e seu Arco

Plaza Sotomayor

Monumento aos Heróis de Iquique

Armada do Chile

Palácio da Justiça

Ascensor El Peral

Paseo Yugoslavo

Palácio Baburizza

Ascensor Artilleria

Paseo 21 de Mayo

DSC_1039.JPG.82f3606db0775de535d856b9e5da877f.JPG

Descemos o mirador e fomos até a e=Estação Central onde pegamos o confortável e moderno metro de Valparaíso (1.200 pesos por pessoa) e fomos até Vina del Mar, onde descemos na estação Miraflores e visitamos:

 

Relógio de Flores

Praia de Caleta Abarca

Avenida La marina

Castelo Wulff

Cassino de Vina

Plaza Vergara

Teatro Municipal

20170112_173742-1.jpg.0ffab77081b3615bc32ffecf1356f5ee.jpg

15977152_1172023482917420_9191579042297545746_n.jpg.40d6a849b9f5ad4d64d4a112debcf8b5.jpg

 

Dia 6 - ida a San Pedro

 

Esse foi o dia mais relax em Santiago, onde aproveitamos para trocar mais dinheiro e comprar algumas coisas no supermercado Jumbo do Costanera Center (super recomendo, vende basicamente de tudo e por preços interessantes). A noite fomos até ao Terminal Alameda onde pegamos um ônibus da Turbus até San Pedro de Atacama - compramos a passagem no dia que chegamos em Santiago, pois ficamos com medo de não haver assentos disponiveis para o dia que sugerimos e pagamos 35 mil pesos por pessoa em um bus de dois andares semi leito. Porém, é bom sempre dar uma pesquisada no site da Lan Chile, porque do nada eles lançam promoções de passagens para o Atacama mais baratas que as de ônibus.

16174578_1177543339032101_3388174890830814176_n.jpg.c4c23e67cdbdbdf1dca91647c5ac53cc.jpg

 

Dia 7

 

A viagem dura 24 horas ::essa::::essa::::essa:: e é extremamente cansativa. Saindo da região metropolitana de Santiago, a paisagem ao longo da rodovia não se altera, é sempre o deserto que nos acompanha. As duas ultimas paradas são em Antofagasta e em Calama, até finalmente chegarmos em San Pedro de Atacama, por volta das 20 hrs. É impressionante vc ver aquele oásis enorme no meio do deserto :P

Ficamos hospedados no Hostel Paso los Toros, que fica próxima a rodoviária e a algumas quadras da praça central. Apesar da ótima localização, o hostel deixou muito a desejar em conforto e comodidade, por ser bem rústico e simples, mas entre todos as opções que encontrei no Booking.com, essa era mais barata (220 reais por pessoa três diárias) - o barato saiu caro para mim ::putz:: .

San Pedro a noite é super agitada (me lembrou muito o Centro Histórico de Paraty a noite), cheia de bares e restaurantes que ficam lotados de turistas, principalmente na Calle Caracoles ::otemo:: É muito bom!

 

Dia 08

 

Nesse dia fomos bater perna e conhecer todo o centro da cidade (algo que não demora muito haha, já que San Pedro é um ovo). Fomos na linda Igreja de San Pedro e na Praça central, feira de artesanatos e no Rio San Pedro que estava cheio devido as chuvas dos últimos dias (tivemos muita sorte de pegar ele cheio). As ruas da cidade são em sua maioria de terra e as casas seguem um padrão arquitetônico único, o que deixa tudo mais charmoso e lindo de se ver ::love:: ! :P

:P15780992_1195526090567159_3995976168167583835_n.jpg.a6b1c4c4da63bbd6454b40f2ab11b239.jpg

2017!16508921_1195526137233821_442157167275015001_n.jpg.4410a7dc04a6caa4e2c4938f3bd8e007.jpg

A tarde fomos visitar o tão famoso Valle de la Luna, que fica a apenas 30 minutos de carro de San Pedro. Fechamos um pacote com a agência Senda Mística (Calle Toconao, 10 mil pesos por pessoa com guia bilingue). O vale é fantástico e é um dos lugares mais mágicos e lindos que já estive - destaque para o Mirante do Coyote.

IMG_20171029_100249_479.thumb.jpg.9c4fed789bdbfed4d30620afcc117fb9.jpg

16114353_1177543252365443_6221922045235418036_n.jpg.4cc23647329aa7b48a21559546e385ab.jpg

 

Dia 09

 

Acordamos cedo e fomos para nosso último passeio no Atacama, Piedras Rojas e as Lagunas Altiplânicas. Para chegar lá, fechamos um pacote novamente com a agência Senda Mística (35 mil pesos por pessoa com café da manhã, almoço e café da tarde) e gostamos bastante do guia e das comidas servidas. O passeio inclui a visita pelo vilarejo de Socaire, Monumento aos Meridianos, Piedras Rojas, Lagunas Miscante e Miniques, vilarejo de Toconao, Salar de Atacama e Laguna Chaxa - Um lugar mais lindo que o outro !!!! :P Vale muito a pena esse passeio.

 

16508078_1195524313900670_5497335231115609873_n.jpg.3fdae81e7874352fe40297cea3188a29.jpg

Dia 10

 

Acordamos cedo e demos continuidade ao mochilão - o destino do dia era a Bolívia. Fomos com a agência Colque Tours até a imigração e de lá seguimos pela aventura de passar 3 dias no deserto ::otemo::

 

Continua no relato Bolívia: https://www.mochileiros.com/a-impressionante-bolivia-salar-de-uyuni-la-paz-copacabana-lago-titicaca-e-isla-del-sol-com-fotos-e-precos-2017-t141313.html

 

Outros relatos:

https://www.mochileiros.com/buenos-aires-e-la-plata-5-dias-com-fotos-roteiro-e-relato-do-golpe-da-tinta-verde-t131086.html

https://www.mochileiros.com/visitando-o-centro-historico-de-florianopolis-praia-de-canasvieiras-t138293.html

https://www.mochileiros.com/bate-e-volta-em-campos-do-jordao-na-alta-temporada-junho-2016-t131749.html

https://www.mochileiros.com/um-dia-em-angra-dos-reis-vindo-de-paraty-com-roteiro-e-fotos-t138227.html

post1261123.html#p1261123

 

15977928_1173908179395617_6685924950117970518_n.jpg.fb778bd3c4965c7cb2b742cf633ab1a5.jpg

16195069_1177543152365453_7264848523179430118_n.jpg.4a48b89ef694e278a3d46d079bed03e5.jpg

DSC_0282.thumb.JPG.d37fea7cb253df2135cdcdb6c18d96b2.JPG

DSC_0085.thumb.JPG.27764057004d340a291093193b80cd8b.JPG

16472916_1195524247234010_3370239582715049414_n.jpg.0a1cfcb8c99d0c4a1f736de045927b84.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

ADOREI!

 

Você foi quase na mesma época que eu hahahaha nossos relatos são ate parecidos.

Achei Atacama a cara de paraty!!

Deu ate saudade boa.

 

Fico feliz que tenha gostado do relato.

Vi o seu tbm e achei o máximo <3 O chile é um país lindo!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

òtimo relato, rafa!

 

Pretendo ir em julho (eu, minha esposa e meu filho que terá 1 ano e quatr meses). mas me preocupou a questão do frio, pois mesmo no verão vc relata sentir frio. Imagine o que devo pegar em julo. Suas fotos estão incríveis. O que tem mais me assutado são os preços de alimentação. se puder falar mais sobre isso, agradeço. Obrigado por compartilhar esse excelente relato

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito bom o seu post! Vou visitar o atacama em junho, o que você achou da Senda Mistica? Obrigado!

 

 

Beleza Igor?

Tú pretende ir em Junho? Que data? Eu vou tirar 10 dias e queria fazer santiago, e Atacama em 9 dias. Estou montando roteiro, você já tem Passagem?

esta em algum grupo de WhatsApp?

 

Vamos trocar infos?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
òtimo relato, rafa!

 

Pretendo ir em julho (eu, minha esposa e meu filho que terá 1 ano e quatr meses). mas me preocupou a questão do frio, pois mesmo no verão vc relata sentir frio. Imagine o que devo pegar em julo. Suas fotos estão incríveis. O que tem mais me assutado são os preços de alimentação. se puder falar mais sobre isso, agradeço. Obrigado por compartilhar esse excelente relato

 

Olá Tiago, como vai?

Olha, a alimentação sem dúvida é um dos quesitos que mais pesa na viagem, ainda mais para quem viaja com crianças, mas dando uma procurada, vc vai conseguir achar restaurantes e lanchonetes que vendem coisas boas e baratas, ai vai depender muito do seu gosto :P Em Fast foods, por exemplo, os combos são grandes e bem baratos.

 

Sobre o frio, se vc realmente for em julho, é melhor se preparar. É inverno e a Cordilheira vai estar tomada por neve ::Cold::::Cold::::Cold:: e consequentemente Santiago vai estar um gelo ::Cold:: . Na região do Atacama, provavelmente as temperaturas também vão estar mais baixas.

Mas nada que uma roupa termica e um casaco corta vento não resolva. Sem falar que vc vai conseguir pegar a linda vista dos Andes com neve ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito bom o seu post! Vou visitar o atacama em junho, o que você achou da Senda Mistica? Obrigado!

 

Olá, tudo bem?

 

Olha, existem mais de 200 agencias de vaigem em San Pedro, então escolher uma é tarefa dificil. Gostei bastante do atendimento e dos pacotes da Senda Mistica, sem falar nos preços, que são bem mais baratos que as outras agencias que visitamos. Fiz Valle de la Luna e Piedras Rojas com a Senda e não me arrependo (a aliemntação oferecida tbm é muito boa).

Só não gostei muito do pacote do Salar de Uyuni, que apesar de custar um pouco mais barato (98 mil pesos, sendo que fechamos por 100 mil na outra agencia) não incluia no roteiro alguns pontos que queria muito conhecer, como o deserto salvador dali e a arvore de pedra.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ola Rafa,

 

Voce teria alguma tabela com todos os valores gastos? Pretendo ir em Julho para passar 20 dias e gostaria de ter uma base de valores, Grata.

Obs: Obrigada pelos relatos, vão me ajudar muito. bjs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por LLoschi
      Olá Mochileiros e Mochileiras!
      Vim aqui deixar meu relato de viagem ao Chile e Patagônia por algumas razões. Uma delas é por conta de uma das minha cias de viagem, a minha avó. Acredito que muitas pessoas talvez tenham até vontade de fazer uma viagem dessas com pais, ou avós ou até mesmo crianças e tenham receio por acharem muito "selvagem". Mas tem como fazer uma viagem dessa ficar acessível a essas pessoas e ainda sim ser incrível para todos. A outra razão é para compartilhar algumas dicas e perrengues pelos quais passamos e ajudar outros viajantes.
      Escolhemos viajar em outubro pois li que era quando inicia a temporada de passeios na Patagônia. O bom é que o clima já está bem mais ameno comparado ao inverno, porém, ainda não é a alta temporada, o que torna os passeios menos caros (eu não disse baratos, ok?) e as atrações menos cheias de gente. Saímos de Brasília no dia 11 de outubro à noite, pela GOL e fizemos conexão no Rio de Janeiro. Como nosso voo para Santiago era só no dia 12 de manhã, dormimos em um hotel perto do Galeão. 
      SANTIAGO
      1º DIA - SEXTA-FEIRA
      O voo para Santiago foi bem tranquilo, acho que pelo RJ são 4h20 de duração. Nem tínhamos pousado na capital e já estávamos maravilhadas lá de cima com a majestosa Cordilheira dos Andes. Foi o primeiro (de muitos) contatos que tive com as paisagens de tirar o fôlego do Chile. Vai vendo...

      Como chegamos sem nenhum peso optei por trocar alguns no aeroporto, algo que desse para pegar uma condução até o nosso apartamento e outras despesas iniciais. A cotação do aeroporto é bem ruim, o ideal é trocar o resto depois no centro da cidade. Se bem me lembro, no dia que chegamos estava 1 real = 160 pesos. Pesos trocados, optei por pegar um táxi pois estava com a minha avó. Sei que dá para pegar Uber, porém, como ainda não é legalizado, fiquei com medo de não conseguir encontrar o ponto de embarque. Outra coisa que também é possível são os ônibus para o centro, mas deixarei para quando eu voltar sozinha. Ao chegar vários taxistas irão te abordar, nem olhe para o lado, vá direto para as empresas credenciadas de táxi. O preço para o bairro de Providência é de R$ 20.000 pesos (cerca de R$ 120 reais).
      Chegamos no nosso apartamento (aluguei pelo Air Bnb e achei um excelente custo benefício. A hospedagem saiu por R$ 1092 reais para 4 dias. Muito organizado, excelente localização, ótima receptividade e uma vista.....ah meu bem, veja por você mesmo....) Vou deixar o link aqui para quem se interessar: https://www.airbnb.com.br/rooms/21106715


      Feito o check-in fomos direito para o centro de Santiago com dois objetivos: trocar pesos e comprar um chip de dados de internet para o meu celular. A Afex (a mesma casa de câmbio do aeroporto) fica na Rua Augustinas e estava com uma cotação boa. Trocamos por 1 real = 177 pesos, ou 1000 pesos = R$ 5,65, além de alguns pesos argentinos para a viagem até El Calafate. O chip eu comprei por R$ 2 mil pesos de um vendedor ambulante brazuca que estava no centro. Com o chip já instalado eu fui na farmácia Cruz Verde, fiz uma recarga de R$ 5 mil pesos. Depois fui na loja da Entel, que fica do lado e pedi orientações ao vendedor para a instalação do pacote de dados. Tudo configurado, fomos direto para o shopping Costanera Center almoçar e conhecer o mirante "Sky Costanera". Porém, aqui, vai mais uma dica importante: atente-se às condições meteorológicas para não jogar seu dinheiro fora. Como chegamos em um dia ensolarado, céu aberto, eu pensei: por que não? Porém, chegando lá em cima, percebi que as cordilheiras estavam todas encobertas por "Smog", que é aquela névoa de poluição comum em grandes metrópoles. Ou seja, pagamos salgados 15 mil pesos (cerca de R$ 90 reais) para ver prédios e carros, o que já dava pra ver bem legal da varanda do nosso apto. Terminada nossa experiência, fizemos umas comprinhas de comida no supermercado Jumbo (depois voltarei a falar desse mercado), pegamos um táxi no subsolo do shopping (mais seguro do que pegar na rua, pois os da rua são muito exploradores) e voltamos para casa.
       
      2 DIA - SÁBADO
      Sábado de manhã fomos dar uma caminhada pelos bairros de Providência e Bellavista, para conhecer a região. Sugeri à minha vó que fôssemos caminhando até a famosa casa do Pablo Nerura, La Chascona, porém, chegando lá, percebemos que era impraticável entrarmos, pois são muitos degraus para conhecer tudo e seria muito cansativo para a minha avó. Retornamos ao nosso apartamento para encontrar a minha tia que havia acabado de chegar do Brasil e seguimos de metrô até o Bairro Paris-Londres. Lá é bem pitoresco, tem umas ruas de paralelepípedo e uma arquitetura diferente. É lá também que tem um memorial para as vítimas da Ditatura do Pinochet, mas quando chegamos, infelizmente, tinha acabado de fechar, então só fizemos umas fotos na entrada mesmo. Mais uma dica: se pretende trocar câmbio no sábado, fique atento, pois as casas fecham ao meio dia, ok?

      Seguimos andando pelo centro, com várias lojas e comércio variado até chegarmos na Plaza de armas. Conhecemos a Catedral e em seguida o Mercado Municipal. O prédio do mercado é bem bonito, entramos, demos uma olhada e saímos, pois achamos o cheiro de peixe um pouco desagradável...rsrsrs mas vimos muitas pessoas por lá comendo a famosa Centolla, o caranguejo gigante das águas geladas da Antártida. Colocamos na cabeça que não sairíamos do Chile sem provar essa iguaria, porém, em outro lugar. De lá, seguimos para o Bairro Bellas Artes, onde tomamos um café. Depois, voltamos para o apartamento para descansar um pouco e à noite fomos conhecer o famoso Pátio Bellavista, onde tem diversos bares e restaurantes e costuma ser bem movimentado à noite.reservar 
      3º DIA - DOMINGO
      Separamos o domingo para conhecer uma vinícola, por indicação de amigos fomos até à Santa Rita. Aqui vai mais uma dica: reserve com antecedência, para conseguir mesa no restaurante. Infelizmente, como deixei para comprar no dia, não havia mais vagas no restaurante e acabamos almoçando no café que fica dentro da vinícola, que tem uma comida bem mais ou menos. Para chegar até a vinícola fizemos uma simulação de quanto custaria se fôssemos de Uber. Cerca de 15 mil pesos, quase 90 reais. Então optamos por ir de metrô até a estação Las Mercedes e de lá pedimos um Uber, que nos custou 5 mil pesos. O passeio foi bem legal, compramos o tour em Português que tinha a degustação de 3 vinhos, além de alguns tipos de queijos. Acho que foi 16 mil pesos, se não me engano. A vinícola é bem bonita, os vinhos são muito gostosos e têm um bom preço. Saí de lá com apenas uma garrafa pois queria voltar para o Brasil com rótulos de várias vinícolas. O tour demorou cerca de 1h,  almoçamos e pegamos uma charrete (carreta como eles chamam) até a porta da vinícola para tentar pegar um ônibus até a estação de metrô, pois como o lugar é meio fora de mão ficamos com receio de nenhum uber querer nos buscar. Por sorte, passou um táxi na porta pedindo 15 mil pesos para nos deixar na estação do metrô. Eu disse: "moço está muito caro". Ele respondeu: "10 mil pesos". Eu retruquei: "O uber nos deixou aqui por 5 mil". Depois de pechinchar ele acabou topando e voltamos até o metrô pelo mesmo preço da ida. 

      Chegamos em Providência por volta de 17h e minha ideia era ainda subir o Cerro San Cristobal, pois tinha lido que lá é muito bonito, tem uma vista panorâmica da cidade e um por- do-sol divino. Porém, como era domingo estava lotado, uma fila imensa para entrar e o parque fecha às 18h. Por conta disso, acabamos não conseguindo conhecer o cerro, vai ter que ficar para uma próxima visita à cidade. À noite fomos jantar no restaurante famoso "Como água para chocolate", porém, não achei nada demais. O ambiente é bacana, mas a comida é bem sem tempero. Sou mais a minha...hehehehe
      4º DIA - SEGUNDA-FEIRA
      Separamos esse dia para conhecer o Cajon del Maipo, mais precisamente a represa Embalse El Yeso. Optamos por alugar um carro e ir por conta própria, para termos a liberdade de decidir quanto tempo iríamos ficar e também pelo fato de eu ser traumatizada com excursão. Reservei com antecedência pela internet um carro na Chilean - United rent a car, no Bairro Bellavista, cerca de 500m a pé do nosso apartamento. O bom é que poderíamos retirar o carro lá e devolvê-lo no dia seguinte no aeroporto, onde precisaríamos ir para tomar nosso voo para Punta Arenas. Pegamos um carro comum, compacto, com ar condicionado. Deu conta legal do passeio, mas o clima ajudou bastante também. GPS do celular ligado, seguimos em direção ao Cajon del Maipo e o bom desse passeio é que não só o destino é lindo, mas todo o caminho também. E como estávamos por conta própria, podíamos parar na estrada para tirar fotos e admirar as belezas do caminho. 

      De modo geral achei a estrada bem tranquila, mas como eu disse, o dia estava lindo e o clima ajudou muito. Depois de passar pela porta da represa a estrada fica um pouco pior, com curvas bem sinuosas e o chão de terra. Nesse trecho em especial é bom ir devagar e ficar bem atento, pois o espaço é bem estreito para dois carros passarem. Ao chegar mais perto da represa, para nossa surpresa: um grande engarrafamento. O lugar estava muito, mas muito cheio. E como têm trechos que não passam dois carros, você tem que esperar um monte de carro descer para conseguir subir. Muita gente já ia largando o carro pelo meio do caminho e subindo a pé, mas o sol estava muito forte e minha vó estava no carro, então esperamos cerca de 1h para conseguir subir. Depois, ficamos sabendo que aquele dia (15 de outubro) é feriado no Chile, então se eu puder te dar uma dica é: evite ir em domingos e feriados para não passar por isso.  No dia em que fomos tinham vendedores ambulantes, banheiro químico, etc. Não sei se é assim todo dia ou se estava assim por conta do feriado. Então aproveite para tirar a aguinha do joelho no restaurante que tem antes da entrada de acesso à represa (El Tarro). Outra opção (bem mais barata) é levar seu próprio lanche. O clima lá é muito doido, estava quente, um sol de rachar e do nada dava uma rajada de vento congelante! Vá de roupas confortáveis, use muito protetor solar e leve um bom casaco para os momentos de vento. Perrengues à parte, o lugar é muito bonito e todo passeio valeu muito a pena.

      PUNTA ARENAS
      5º DIA - TERÇA-FEIRA
      Saímos bem cedinho para o aeroporto rumo ao nosso primeiro destino da Patagônia chilena: Punta Arenas. E por que escolhemos essa cidade? Pois o sonho da minha avó (e confesso, meu também) era conhecer os pinguins de Magalhães, uma colônia que pode ser visitada de barco a cerca de 40 minutos da cidade. Mas vou contar dessa cilada  passeio já já.
      Continuando, fomos até Punta Arenas de Sky Airlines, uma empresa low cost do Chile e a viagem foi ótima, sem nenhum contratempo. Chegando no aeroporto retirei o carro que havia reservado pela Avis, dessa vez um carro melhor, pois íamos pegar algumas estradas mais longas com ele. Detalhe importante: como iríamos cruzar a fronteira até a Argentina, foi preciso fazer uma solicitação à empresa com 10 dias de antecedência da viagem para que eles providenciassem a documentação necessária a ser apresentada. Sem isso você não consegue atravessar a fronteira. Segundo detalhe importante: ao chegar no nosso hotel (link para o hotel: https://www.booking.com/hotel/cl/finis-terrae.pt-br.html) me dei conta de que havia perdido o meu papel da PDI (que eles te dão na imigração quando você entra no país). Sem esse papel você pode ter problemas para sair do Chile. Por sorte, havia a poucas rua do hotel um prédio da PDI e foi bem fácil para eu tirar uma segunda via. 
      Como não tínhamos nada programado para esse dia acabamos indo conhecer a famosa Zona Franca de Punta Arenas e achamos uma loja com preços incríveis para comprar casacos e roupas de frio. Não lembro o nome, mas é uma loja de departamento grande, é bem fácil de achar. Fizemos nossas compras e voltamos à cidade. À noite fomos jantar em um restaurante chamado La Marmita, bem aconchegante e perto do nosso hotel. Gostamos tanto de lá que voltamos no dia seguinte para almoçar. O Ceviche e a Centolla são bem gostosos!

      6º DIA - QUARTA-FEIRA
      Esse, para mim, foi o dia mais marcante da viagem. Se por um lado, eu amei, por outro, odiei. Vou dizer por que. Contratamos o passeio até a Isla Magdalena com a empresa Solo Expediciones. Não é nem um pouco barato são 63 mil pesos por pessoa (Cerca de R$ 380 reais), mas para mim valia tudo para ver os pinguinzinhos em seu habitat natural. E lá fomos nós, às 6h30 da manhã até a agência para pegar o traslado. Um ônibus nos levou até um porto para tomar o barco bote até a Isla Magdalena. Juro, devia ter umas 30 pessoas e o barco era bem pequeno, parecia uma cápsula motorizada. Só de ver aquilo já me deu uma agonia, mas tudo bem, eu estava lá para me aventurar. Quem me conhece sabe que eu tenho problema com barco, pois enjoo muito fácil e por isso mesmo tomei um remédio antes de ir. Só que eu não tinha noção de como era o tal estreito de Magalhães. Parecia que o nosso barquinho estava participando do programa "Pesca mortal" do Discovery, ele pulava tanto, mas tanto, que eu não aguentei nem 10 minutos antes de perder a minha dignidade na frente de todos. Não teve jeito, fiquei os 40 minutos da ida passando muito, mas muito mal mesmo. O bom é que assim que o barco atracou e eu coloquei os dois pés em terra firme o enjoo passou na hora e pude curtir os meus tão sonhados pinguins.  Dica: lá tava fazendo um dia lindo, muito sol, e mesmo assim a sensação términa era de -3º. Ou seja, vá bem agasalhado. Mesmo assim, a 1h que passei com os pinguins me fez esquecer todo o perrengue que eu passei, foi muito incrível a experiência.


      Na volta o barco circundou a Isla Marta para o pessoal ver e fotografar os Leões Marinhos, mas eu ainda estava muito nauseada e só conseguia pensar em voltar logo para terra firme e recuperar a minha dignidade. Esse dia foi a primeira aventura de verdade que a minha vó viveu na viagem, pois não foi fácil se segurar dentro daquele barco com um mar tão revolto. Se você gosta muito de pinguins e não curte barcos, uma opção é visitar a Pinguineira Otway, que tem acesso a partir do continente.
      Retornamos do passeio as 13h, almoçamos e já pegamos estrada até Puerto Natales. Sobre essa estrada: ela faz parte da Ruta del fim del mundo e foi a melhor que eu dirigi na minha vida. Muito bem pavimentada, pouco movimentada, muitas belezas pelo caminho. Dá vontade de meter o pé, hehe, mas tem que tomar cuidado com os ventos laterais que desestabilizam o carro. São pouco mais de 3h de Punta Arenas até a cidade que é a porta de entrada para o parque Torres del Paine. Dica importante: encha o tanque do carro antes de sair de Punta Arenas, pois não existe um posto sequer entre uma cidade e a outra.

       
      PUERTO NATALES
      Como essa época do ano no Chile demora bastante para escurecer, chegamos lá em Puerto Natales por volta das 18h e ainda conseguimos pegar um belo pôr-do-sol na praça da cidade. Fiquei impressionada com a quantidade de cachorros de rua que existem por lá e são todos muito lindos, dá vontade de levar pra casa. Fizemos o check-in no hotel (Link para do hotel: https://booki.ng/2T5VvVf), demos uma volta no centrinho e fomos jantar em um restaurante muito bom chamado Cafe Kaiken. Lá, experimentei o famoso prato chileno Lomo a lo pobre, que é uma carne de vaca com dois ovos fritos em cima, cebola e batata frita. Estava muito gostoso!

      7 º DIA - QUINTA-FEIRA
      Seguindo a programação, reservamos todo o dia para conhecer o parque Torres del Paine. Na minha opinião, o segundo ponto alto da viagem, um dos lugares mais bonitos que já conheci. Existem inúmeras opções de conhecer o parque, seja a pé, seja de carro, seja de excursão. Como estava com a minha vó, optamos por ir de carro, no esquema bate e volta e, para mim, foi muito lindo e suficiente. Existem duas estradas que dão acesso ao parque, uma mais longa e uma mais curta. Nós fizemos a mais longa na ida (é bem mais bonita e também em melhor condições) e a mais curta na volta (depois percebemos que apesar de mais curta não é mais rápida, porque tem muita curva, é de terra e não é bem sinalizada). Na ida, além de ver as lindas montanhas de gelo no horizonte, vimos muitos animais, ovelhas, vacas, cavalos, tem um mirante lindíssimo do lago Sarmiento já perto da entrada do parque. Logo mais a frente, nos deparamos com a cena mais linda, um guanaco sozinho pastando na beira da estrada com as montanhas cobertas de gelo ao fundo. Emocionante!


      Seguimos direto em direção às Lagunas Amarga e Azul, pois além de muito bonitas são os trechos do parque com maior chance de ver os Guanacos, animais que parecem uma mistura de Lhama com camelo. E não foi diferente do esperado, tem muitos mesmo, inclusive tome cuidado pois eles correm no meio da rua e podem pular na frente do carro.

      Fizemos fotos incríveis e quando nos preparávamos para entrar na Portaria Sarmiento percebemos que o carro estava com 1/4 de tanque. Que amadorismo da nossa parte! Já tinham me alertado que lá não existem postos de gasolina, mas foi uma distração nossa mesmo. A única solução que encontramos para não inviabilizar nosso passeio foi voltar até Puerto Natales, abastecer e retornar ao Parque, desta vez direto para a portaria Sarmiento. Chegando lá de volta, pagamos o ingresso para entrar no parque (21 mil pesos por pessoa, vale ressaltar que pode ser pago no cartão de crédito) e nos deram um mapinha bem completo com todas as atrações do parque. De cara já vimos o trajeto que poderia ser feito de carro e seguimos em direção ao salto grande e ao lago Nordenskjöld. No meio do caminho, paramos para tirar fotos no mirador deste lago, que é maravilhoso e seguimos para a cafeteria Pudeto, onde fizemos um lanchinho (mais uma vez, se quiser economizar, leve seu próprio lanche). Em seguida subimos de carro para o mirante do salto grande, paramos o carro, fizemos uma caminhada rápida e já demos de cara com o paraíso.


      Desse ponto é possível fazer uma caminhada de aproximadamente 1h até o Mirador Cuernos, porém não fizemos pois estávamos com a minha vó e achamos melhor poupá-la pois ainda tinha muitas coisas para ver. Seguimos pela estrada de carro em direção ao lindíssimo lago Pehoé, onde também tem um mirante que nos rendeu mais um show de fotos e vista espetacular. Nossa próxima parada era o Lago Grey, então não perdemos tempo e rumamos para lá, pois já começava o cair da tarde. Estacionamos o carro e fizemos uma caminhada bem agradável de uns 30 minutos por um bosque que tem uma ponte bem bacana que passa por cima do rio Pingo. Seguimos em frente até chegar ao lago, que tem uma prainha toda de pedra. Contemplamos, fizemos fotos, porém decidimos não caminhar até o mirador Grey por dois motivos: já estava escurecendo e a vó já demonstrava sinais de cansaço, então como já íamos ver glaciares na Argentina, resolvemos voltar.

      Para otimizar nosso retorno a Puerto Natales voltamos pela estrada que passa pela sede administrativa do parque (aquela mais curta que eu falei antes). Foi um pouco tensa a volta, pois já era tarde, o sol começou a cair e a estrada é bem sinuosa, escura, tem muito coelho que se joga na frente do carro (ainda bem que não atropelamos nenhum) e é bem estreita, sem sinalização...enfim, a volta definitivamente não foi legal, talvez se não tivéssemos perdido tempo no passeio pela falta de combustível na ida a gente tivesse conseguido voltar mais cedo e não passar por isso. À noite, para recuperar as energias fomos direito para o restaurante comer. Desta vez escolhemos um chamado El Bote, que tem a melhor carne que eu já comi em toda a minha vida (carne mechada). Serve muito bem duas pessoas, sobrou bastante, e olha que eu comi muito! 
      EL CALAFATE
      8º DIA - SEXTA-FEIRA
      Escolhemos dar um pulo para conhecer a Patagônia Argentina, mais precisamente o Parque Nacional Los Glaciares, onde tem um dos glaciares mais bonitos do mundo, o Perito Moreno. Seguimos para El Calafate ainda de manhã e cruzamos a fronteira sem problemas, pois toda a documentação estava correta. Dica importante: existem dois caminhos para El Calafate, um mais curto e um mais longo. Tanto o pessoal da locadora de carros, quanto da fronteira nos alertou para evitarmos o mais curto, pela condição ruim da estrada. Então optamos, por segurança, pegar o caminho mais longo, que é cerca de 4h30 de viagem saindo de Puerto Natales. Não tem posto de gasolina durante um longo trecho, então encha o tanque antes de sair de Puerto Natales.
      Na entrada da província de Santa Cruz, já na argentina, os policiais pediram para abrirmos o porta-malas, mas só deram uma olhada por cima e já nos liberaram. Na primeira cidadezinha já paramos em uma loja para comprar um chip Argentino de celular para acesso de dados de internet. Não foi tão fácil configurar dessa vez pois precisava ligar na operadora e informar alguns dados, mas o rapaz da loja foi bem gente boa e nos ajudou. Apenas pediu para quebrarmos o chip quando terminasse a viagem, já que estava com os dados dele. Continuamos a viagem, mais longa e bem mais tediosa que as anteriores, pois são muitos trechos sem absolutamente nada para se ver, apenas campos de vegetação rasteira, trechos com retas sem fim, parecia que nunca ia chegar no nosso destino. Finalmente chegamos em El Calafate por volta de 15h e fomos direto para o hotel fazer o check-in e deixar as malas (Link do hotel: https://www.booking.com/hotel/ar/aca-el-calafate.pt-br.html) Logo na recepção nos informaram que se quiséssemos conhecer o Glaciar Perito Moreno ainda naquele dia teríamos que sair naquela hora. Então, apesar do cansaço foi o que fizemos, pois não teríamos outra oportunidade de fazê-lo.
      O acesso ao parque para o Perito Moreno é uns 80km de El Calafate, a estrada é bem tranquila. Logo na entrada do Parque você tem que pagar para entrar (custa 600 pesos o ingresso por pessoa, cerca de R$ 70 e é possível pagar com cartão de crédito). Dentro do parque a estrada também é bem bonita, apenas é preciso ficar atento às curvas. Chegamos no tão esperado Perito Moreno e para nossa surpresa era o horário em que as excursões estavam indo embora, o que eu achei ótimo, pois quanto menos gente, melhor. Lá, tem uma placa com todas as trilhas que podem ser feitas pelas Plataformas. Ao todo, são 5, com tempos e níveis de dificuldade diferentes. Independentemente da trilha, as vistas são espetaculares. Se fizer silêncio você consegue ouvir barulhos como se fossem explosões, do gelo se desprendendo e caindo na água. De arrepiar.

      Minha vó acabou não descendo com a gente pois ficou com medo de se cansar muito na volta, além disso, o pessoal do hotel foi sacana e fez um terrorismo com o lance das escadas, disseram que era muito exaustivo, etc. Então eu e minha tia descemos pela trilha central, de cerca de 1h enquanto minha vó ficou no mirante lá do alto, perto do restaurante. Quando estávamos voltando acabamos descobrindo que tem um acesso diferente para pessoas com mobilidade reduzida para um mirante que é um pouco mais abaixo e melhor, mas já era bem tarde quando descobrimos e ela acabou não conseguindo descer. À noite voltamos para a cidade para comprar chocolates artesanais no centrinho e jantar. Eu comi no pior lugar da minha vida, um restaurante chamado San Pedro. Além do atendimento péssimo, o bife era muito duro e sem gosto. Fiquei com uma péssima impressão da comida Argentina, pois vinha comendo muito bem no Chile. Quando retornamos ao hotel tivemos uma desagradável surpresa: o padrão de tomada deles é completamente diferente do nosso e do chileno! Nós não tínhamos adaptador, então tivemos que pedir para deixar nosso celulares carregando na recepção.
      9º DIA - SÁBADO
      Fizemos uma reserva antecipada do passeio Rios de Hielo para conhecer mais glaciares do parque. Acordamos bem cedo, pegamos o carro e seguimos para o Puerto Punta Bandera, um acesso diferente do parque Los Glaciares de onde saem embarcações. Estávamos com poucos pesos argentinos e eu já sabia que a gente teria que pagar novamente a entrada do parque, mas não sabia se eles aceitavam cartão por essa outra entrada de acesso ao parque. Perguntei para a empresa que nos vendeu o passeio e eles não souberam nos informar (o que eu achei absurdo). Perguntei no hotel e eles nos disseram que aceitava. Pois bem, fomos até o tal porto e para nossa surpresa, a entrada do parque por esse acesso é apenas em dinheiro. Por conta disso, minha tia desistiu de fazer o passeio e voltou para a cidade, o que foi muito chato. O barco saiu do porto às 9h e foi navegando pelo lago argentino em direção ao primeiro glaciar, o Upsala. No caminho já é possivel ver vários icebergs enormes e todo mundo corre pra fora do barco para tirar foto, mas nesse dia estava nublado em bem frio, então tava difícil ficar muito tempo lá fora.


      Depois de um bom tempo de navegação chegamos ao Glaciar Upsala, ele é muito, mas muito grande. Não é permitido às embarcações chegar muito perto dele, pois ele está regredindo. Então o barco para em frente a um enorme bloco de gelo para as pessoas fotografarem. Em seguida, ele segue pelo outro braço do lago Argentino em direção ao glaciar Spegazzini, no caminho vemos mais diversos pedaços enormes de gelo até chegar bem pertinho do glaciar e para para mais um tempo de fotos.

      O passeio terminou por volta de 14h30 (sim, ele é bem longo e eu achei muito tempo de passeio, até um pouco cansativo). Depois descobri que tem um passeio de 1h de duração que visita outro glaciar, acho que teria sido melhor fazer este. Terminado o passeio retornamos ao centro de El Calafate para comermos e abastecermos o carro, pois voltaríamos no mesmo dia a Puerto Natales. Se eu já tinha achado a estrada cansativa na ida, a volta foi muito pior, pois choveu durante todo o trajeto. Para coroar nossa volta, o pessoal da fronteira do Chile nos pediu para tirar todas as malas do carro para passar no raio X, muito bom para quem já estava podre de cansada. rsrs
      Em Puerto Natales, já de noite, fomos direto para o restaurante comer (voltamos ao El Bote, pois gostamos muito da comida e do atendimento) e dormimos no mesmo hotel que havíamos nos hospedado antes.
      PUNTA ARENAS - SANTIAGO
      10º DIA - DOMINGO
      Acordamos bem cedinho, abastecemos o carro e pegamos estrada para Punta Arenas, rumo ao aeroporto. Nosso voo para Santiago era meio dia e chegamos por volta de 15h30. Como nosso voo para o Brasil era no dia seguinte, optamos por ficar hospedadas perto do aeroporto (Link do hotel: https://www.booking.com/hotel/cl/lq-by-la-quinta-santiago-aeropuerto.pt-br.html) Como tínhamos tempo de sobra, fizemos o check in e fomos de uber para o supermerado Jumbo, que fica dentro do Costanera Center. Lá tem uma adega excelente, com muitas opções boas de vinhos a preços ótimos. Fizemos as nossas compras, até comprei uma malinha de mão para trazer as minhas garrafas (trouxe 7 no total na bagagem de mão). Eles também te dão plástico bolha de graça para embalar os vinhos. À noite voltamos ao hotel, jantamos e retornamos ao Brasil no dia seguinte às 15h muito cansadas, mas felizes pela grande experiência que tivemos no Chile. Com certeza algo que levarei por toda a minha vida! Gracias, Chile!
       
       






    • Por M A T H E U S V E R D
      O vídeo abaixo mostra detalhadamente o valor gasto com combustível, hospedagem, alimentação, passeios, lembranças e seguros da viagem realizada entre os dias 02 de Janeiro de 2018 ao dia 21 de Janeiro de 2018.
      Eu Matheus Verdan, sai do Rio de janeiro e o Iago Luiz de São Paulo e juntos fomos do Atlântico ao Pacifico, do Rio a Santiago e voltamos. Rodamos cerca de 10000km em duas Tenere 250 por cerca de 19 dias. O valor final mostra exatamente quanto gastamos na viagem e serve de base para calcular o seu gasto.
      ► Saiba o preço do combustível no Chile e na Argentina.
      ► Valor gasto diariamente com alimentação.
      ► O custo da hospedagem na viagem.
      ► Quanto custa e onde contratar o seguro SOAPEX, seguro CARTA VERDE e Seguro Viagem.
       
      Links uteis: Seguro obrigatório Chileno - SOAPEX - https://www.hdi.cl/venta/Index.aspx
      Seguro Viagem - https://www.seguroviagem.srv.br/
      Vídeo da viagem - https://youtu.be/qNx7PDM1Yxw 
       
      Observação: O valor final esta somado com a multa que explico no vídeo. Se quiser qualquer informação sobre a viagem, será um prazer ajudar.
       
      Para acompanhar todas as fotos dessa trip espetacular entre no meu instagram:
      @mathverdan https://www.instagram.com/mathverdan/
      @iagoluizoli https://www.instagram.com/iagoluizoli/ 
       
      Gostou do Vídeo? Deixe aquele LIKE, não esqueça de COMPARTILHAR com seus amigos.
      ► Motos utilizadas: Duas Tenere 250
      ► Dificuldade da estrada: Médio
      ► Partida: Rio de Janeiro - BRL
      ► Chegada: Santiago - CHL
      ► Percurso: 10000 km
       
      Locais Visitados:
      ► Laguna Cejar
      ► Salar de Tara
      ► Salar de Atacama
      ► Laguna Tuyajto
      ► Gêiseres del Tatio
      ► Valle de la Luna
      ► Monjes de la Pacana
      ► Mão do Deserto
      ► Los Caracoles
      ► Salinas Grandes
      ► Lagunas Miscanti y Miniques (Altiplânicas)
      ► Concha Y Toro
      ► Fuerte Neptuno
       
       
      <embed src="https://youtu.be/ewTS6nON73s" autostart="false" height="250" width="500" />  
    • Por bruno.bortoloto-do-carmo
      Olá pessoal!
       
      Seguindo a tradição de sempre devolver um pouco que esse fórum lindo ajuda a gente nos nossos roteiros, aqui vai a nossa mochila(dinha) de 15 dias desse ano.
      Regina (minha namorada) e eu tivemos de férias, juntos,  os dias 15-07 a 30-07.
      ------------- Caso queiram complementar esse roteiro, vejam o dela nesse link, como ela fala em valores, eu vou focar em outros aspectos, bele? --------------
      Decidindo aproveitar o máximo, fizemos um roteiro que passamos pelas seguintes cidades:
      San Pedro de Atacama (3 dias) Uyuni (apenas passagem) Potosí (2 dias) Uyuni (1 dia) Oruro (apenas passagem) Patacamaya (apenas passagem) Sajama (5 dias) Arica (1 dia)  
      Foi mais ou menos assim:
       
      [aereo] São Paulo  - Santiago (15/07)
      Saímos daqui de São Paulo de noite, pra pegar aquela maratona de aéreos na madrugada. Nosso voô saiu à meia noite com destino a Santiago e a expectativa era ficar 1 ou 2 horinhas no aeroporto no Chile e já pegar o seguinte pra Calama.
      [aereo] Santiago - Calama (15/07)
      Nunca tínhamos pego vôos assim, foi bem cansativo. Além disso, esquecemos de pensar no fuso horário que adicionou uma hora a mais na brincadeira. Mas aguentamos firme, nos ferramos nas comidas de aeroporto que são uns 30% mais caras, mas enfim chegamos em Calama.
      Calama (15/07)
      Chegamos em Calama de manhãzinha, lá pelas 7h. Uma das vantagens de viajar nesses horários malucos é pegar o nascer do sol no avião🤩
       
                                         Vista do avião logo quando chegávamos em Calama
       
      [transfer] Calama - San Pedro de Atacama (15/07)
      Chegamos em Calama exaustos. Não conseguimos pensar me muita coisa além de ir no banheiro e buscar um transfer pra San Pedro. Na saída do aeroporto tem vários e, até onde saiba, todos confiáveis saindo a cada 15-20min.
      [transfer] Calama - San Pedro de Atacama (15/07)
      O transfer dura mais ou menos 1h (100km) numa estrada lindássa que já da pra ter uma ideia do que se vai encontrar pela frente. Obviamente dormimos metade, mas a outra metade apreciamos o rolê rs
      San Pedro de Atacama (15/07 a 18/07, 3 dias)
      Dia 1 (15/07)
      Chegando em San Pedro, pedimos para o motorista nos deixar no Ayllu de Larache. Tínhamos reservado no Airbnb do Jorge, que a indicação era nesse local. Aparentemente era um local facilimo de chegar, seguindo a calle Tocopilla um pouco depois de sair do centro do povoado. Tivemos uma pequena dor de cabeça pra encontrar um lugar que era mais fácil do que parecia. Andamos, andamos, andamos, andamos... Pensamos que Ayllu de Larache era uma espécie de rua ou viela que chegávamos da carretera; TODAVIA, CONTUDO, ENTRETANTO Ayllu é como eles chamam os pueblos que foram a cidade de San Pedro (tem o Ayllu de Larache, tem o Ayllu de Quitor, o Ayllu de Sequitor, etc. etc.).
      Resumindo: era só a gente ter saído da carretera que estávamos na frente da pousada deles. 😑😑😑
      Chegando finalmente lá, fomos recebidos pelo Jorge, é um cara muito simpático. Ele e o pai dele, o Don Antonio, construíram as cabanas e administram o lugar. Quando chegamos nosso quarto ainda não tava liberado. Eles nos receberam na propria casa deles, fizeram café/chá e assistimos a final da copa.
      Quando nosso quarto foi liberado fomos descarregar as coisas, tomar um banho e descansar um pouco. O banheiro é fora do quarto, mas super limpo, grande e confortável; água SUPER quente, o que conta bastante quando se vai tomar banho no fim da tarde (lá faz muito frio tarda pra noite).
       

                                                                  Nosso humilde jardim de frente na pousada do Jorge ❤️
      Mais a noite com as bateria carregadas, fomos pra cidade pra jantar e olhar preços de passeios. O Jorge sempre que está livre, se oferece pra dar caronas pra cidade no carro dele; mas é super perto, da uns 10-15min a pé, e mesmo a noite (apesar de escuro e precisar de uma lanterna) é bem tranquilo o caminho.
      Como boa parte do dia as pessoas estão fazendo os roteiros, a cidade começa a funcionar mesmo no meio da tarde e todas as agencias ficam abertas até umas 20h.
      Depois  de almoçar e fazer cambio na calle Caraoles (ali tem uma loja atrás da outra pra comparar a cotação), começamos a pesquisar preços de passeios. Fechamos com umas brasileiras no Janaj Pacha o roteiro das Lagunas Altiplanicas e o passeio Astronomico para o dia seguinte.  
       
      Dia 2 (16/07)
      No dia seguinte acordamos cedinho e saímos às 6 da matina pra nos arruar pro roteiro que tínhamos programado. Eles saem cedinho pra aproveitar bastante a manhã. O roteiro, além das Lagunas Aliplanicas, ainda passaríamos no Chaxa (aquele dos flamingos!) e nos povoados de Socaire e Toconao. Acho que de todos os rolês, é o que passa por mais lugares.
      Nossa van chegou britanicamente no horário e, como descobrimos ao longo do caminho, o motorista era competentíssimo e nos fez chegar em todas as atrações antes de um grande volume de turistas/vans se acumularem; ponto de ouro nesses rolês! Pegamos quase todas as atrações vazias e com pouquíssimas pessoas. 
      Apenas uma coisa: podemos até postar várias fotos aqui e vocês podem ver tantas outras: mas na real o bagulho é muito mais doido. Foto raramente da pra se ter escala das coisas, e no Atacama tudo é monumental, principalmente as Lagunas!

                                                          Vista das Lagunas (não lembro se essa era a Miscanti ou a Miñiques rs)
      Ah bom lembrar : as Lagunas ficam em local que bate 4.000m+ de altitude, então leve suas ojas de coca. Nesse rolê eu já descobri que meu organismo não se da muito bem quando passa dos 3.500m e comecei a experimentar dores de cabeça bem desagradáveis, principalmente depois da descida. A partir daqui, meu amigo de todos os dias (e noites!) foi uma boa cartela de paracetamol.
       
      Na volta nos deixaram na cidade lá pelas 13h. Almoçamos nos famosos trailers do centro da ciadade, melhor local pra conseguir uma comida simples e relativamente barata por San Pedro (infelizmente se gasta muito com comida). Daí passeamos um pouco pelo centro, mas logo voltamos pras cabanas porque minha dor de cabeça estava insuportável.
      Voltando, o Jorge nos indicou um mercadinho nas cercanias, onde fomos várias vezes fazer compras e economizamos MUITO. No nosso quarto ainda tinha uma mini-cozinha, então pudemos variar entre lanches e umas comidinhas rápidas. Recomendamos!
      Mais a noite, voltamos pro centro da cidade pra jantar e fechamos o roteiro astronômico com o proprio Janaj Pacha; importante ressaltar que, apesar de termos fechado com eles, por ser um roteiro bastante específico, eles repassam pra outra pessoa

      Comemos uma pizza de palta/abacate com palmito e azeitonas + cerveja cusqueña no Pachacutec, recomendamos!
      Dia 3 (17/07)
      No dia seguinte acordamos bem devagar, sem olhar no relógio e sem despertador. Passamos pela manhã novamente no mercado pra estocar água e comprar mais coisinhas pra viagem.
      Info importante pra quem quer ir à Uyuni sem ser pelo Salar: Também aproveitamos esse dia pra irmos até o centro novamente pra comprar a passagem de ônibus até Uyuni na Rodoviária.Existem três empresas que fazem o trajeto, mas apenas uma sai de San Pedro de Atacama: a Cruz del Norte, com saídas diárias às 3AM. As outras duas (Atacama 2000 e outra que não me lembro o nome) vendem em San Pedro mas só saem de Calama com saídas diárias às 5 e 6 da manhã, fazendo com que a pessoa vá pra lá um dia antes e pernoite por lá, já que o primeiro busão pra Calama é muito tarde pra conseguir pegar esse vai até Uyuni.
      Na dúvida, se forem fazer esse trajeto, vão de Cruz del Norte que é bem mais cômodo!
      De noite fomos para o roteiro Astronômico. Combinamos com as meninas do Janaj Pacha de nos encontrar umas 20:30 pra que elas nos apresentasse a galera que nos levaria. Como tínhamos jantado em caso nesse dia, buscamos um lugar pra tomar um café; mas um café CAFÉ. Toda pessoa que toma café diariamente tem um baque em San Pedro, porque lá eles só servem café instantaneo. Nossa busca nessa noite foi por isso! rs Único lugar que encontramos um foi no Barros Cafe e, olha, recomendamos!
      O roteiro em si foi ótimo e também recomendamos! Eles nos levam pra uma casa num local afastado da cidade onde estudantes de astronomia fazem essa atividade. Consiste basicamente em aprender a ler o céu estrelado (que em Atacama é BEM visível) e depois focalizar em estrelas, nebulosas, e planetas. Pra quem gosta, é prato cheio!
      [busão] Uyuni - Potosí (18/07)
      Jorge novamente foi MUITO solícito e nos ajudou a chegar ao centro da cidade às 3 da madrugada. Não pediu nada em troca da carona, mas fizemos questão de pagá-lo.
      Chegando lá tinham várias pessoas esperando (cerca de 10-15); o ônibus foi quase cheio. Seu caminho também passa por Calama, fazendo uma pausa longa pra encher o ônibus. A viagem em si é linda e sugiro que façam nesse horário, pois aproveitam a estrada do amanhecer até a tarde, vendo todas as mudanças de vegetação! É lindão! Você acaba nem percebendo as 10 horas de viagem rs

                                                                                      Vista da parada na migra -- que frio!! 
       
      [busão] Uyuni - Potosí (18/07)
      Chegando a Uyuni, como tínhamos desistido da ideia de ir ao Salar por que$$tões de ordem financeira, usamos a passagem só como pulo pra conhecer Potosí, um sonho antigo de historiador (o/). Chegando por lá, também não tinhamos boletos, mas não foi difícil de conseguir. Tem várias companhias que fazem a cada 15-30 min o caminho pra Potosí. Foram mais 4 horas de viagem, chegando já num limite de corpo/mente hehe
      Potosí (18/07 - 20/07, 2 dias) 
      Dia 1 (18/07)
      Chegamos no fim da tarde em Potosí. Alugamos o apartamento do Luís/Anita inteiro pelo Airbnb bem no centro, local perfeito. Mas melhor que a localização é o próprio apê: é um sobradinho antigo, onde eles moram na parte de cima e o apartamento dos fundos fica independente. Tem sala, cozinha equipada, banheir(ão!) e uma cama confortabilisisma. Depois de uma viagem laaaaaaaaarga como fizemos, foi um porto seguro chegar no apartamento deles!
      No dia saímos só pra jantar e dar uma breve reconhecida no quarteirão. Como estava tarde, não queríamos arriscar, mas pareceu bem tranquilo à noite.
      Além disso, Potosí fica a quase 4.100m acima do nível do mar, uma das cidades mais altas do mundo. Tive já na chegada problemas com a altitude e não tinha como ficar arriscando. O destino depois do jantar foi paracetamol, chá de coca e cobertor!

                       Nossa peatonal charmosa na noite que chegamos, linda demais!
      Dia 2 (19/07)
      Não tínhamos muitos planos pra Potosí. Sabia só que não queria fazer o tour antropologico de conhecer as minas (ainda em funcionamento) nem a praça onde os mineiros vão pra trocar cigarro. Mas Potosí é uma cidade colonial. E o que cidades coloniais tem de melhor? I-gre-jas!
      Primeiro fomos na base de turismo, que já fica numa antiga Torre de la Compañia de Jesus que os jesuítas construíram no séc. XVIII. Ali você pode já ver suas primeiras vistas panorâmicas da cidade, do alto da torre.
      Depois rumamos pro Convento de la Iglesia de San Francisco, onde você pode visitar os quartos dos antigos padres residentes, mas o prato principal é o mirador e as criptas! O mirador foi o melhor que visitamos, pois se pode percorrer por uma boa parte do telhado (e se não se segurar bem, o vento te leva!).

                                Vista do mirador da iglesia de San Francisco -- quem aí conhecia a versão Assassins' Creed Bolívia?
      A parte chata de Potosí, pelo menos pra mim? Dei game over no primeiro rolê. Dor de cabeça constante, não aguentei a altitude de lá. Fomos de lá direto pro apê e recolhemos os hominhos do campo. Sorte que uma baita chuva armou e, de fato, não íamos conseguir aproveitar muito mais. Nisso, valeu muito a pena mais uma vez a escolha do apê do Luís e da Anita!
       
       
      Dia 2 (20/07)
       
      No segundo e último dia em Potosí, tínhamos três missões: conhecer mais alguma igreja, trocar dinheiro e voltar a tempo do almoço para partirmos pra Uyuni novamente. Primeiro fomos na Iglesia Catedral que fica bem no centro do centro da cidade. É lindíssima e também possui um mirador do alto de uma das torres. Como Potosí é uma cidade bem alta e o centro não tem quase predio, os mirantes são sempre passeios bem legais rs

                                                      Mais um mirador pra conta, mais uma vista linda!
      Agora a missão trocar dinheiro: onde? Nos indicaram a Casa Fernandes, tradicional e segura, mas não vimos nenhum dos dias aberta. Daí indicaram o mercado em uma galeria perto do mercado municipal, que fica em uma praça na parte de trás da calle Junin. É uma galeria bem simples com boxes pequenos e, pelo que entendemos, todas fazem cambio!
       
      Missões cumpridas, voltamos pro apê pra almoçar e pegar nossas coisas e ir de volta pra Rodoviaria.
       
      [busão] Potosí - Uyuni (20/07)
       
      No caminho de volta, nenhuma surpresa. Vários ônibus diários de Potosí a Uyuni e super fácil de comprar. Chegando uma hora antes, é suficiente.
      Dica: Todos os terminais da Bolívia cobram taxa de embarque separadamente da passagem (alguém sobre no ônibus antes dele sair e vai cobrando). É coisa pouca, 1bob, mas é bom guardar moedas pra isso! Nós não guardamos e passamos vergonha haha
       
      Uyuni (20/07 a 21/07, 1 dia)
       
      Chegando a Uyuni já no fim da tarde, fomos pro nosso hostel. Alugamos um quarto privativo no Hostal Oro Blanco (https://www.hostaloroblancouyuni.com/). A cidade é bem pequena, e a área turística, então, ocupa uma dúzia de quarteirões no máximo.
       
      A cidade em si só existe como dormitório e suporte para os turistas que vão ao Salar. Como nossa intenção principal era chegar no parque Sajama, apenas dormimos no hostel para pegarmos o trem no dia seguinte a Oruro. E realmente, meio dia foi mais que suficiente pra uma cidade que não tem absolutamente nada haha
       
      Único destaque, caso passem por aqui, é o restaurante Pachamama. Ele fica logo virando a esquina à direita na peatonal em sentido contrário à estação ferrocarril. É um restaurante muito simples, que só uma vozinha boliviana atende; tenha paciência, pois ela anota os pedidos e faz a comida (e quando dizemos faz, ela FAZ, do começo ao fim). Muita gente entrou e saiu nervosa porque não foi atendido; nós não tínhamos pressa e fomos recompensados com a melhor comida de vó ❤️

                        Além de comida de vó, tem chazinho de coca vó! Aquece o coração ❤️ 
       
      [trem] Uyuni - Oruro (21/07)
      Pegamos o trem noturno. Coloco aqui dia 21 pois compramos o da meia noite. São algo como 4 saídas semanais a Oruro, por duas companhias diferentes.
      Dica: O valor é muito barato, portanto, não economizem se forem no inverno e no noturno. A classe econômica é um FRIO da porra! Ainda mais o dia que fomos, que nevou. Aí já viu, viramos pinguim no trem haha
       
      [van] Oruro - Patacamaya (22/07)
       
      Aqui começou a parte incerta do roteiro. De Oruro até Sajama tínhamos apenas indícios de como chegar. Mas no fim é bem simples!
      Primeiro que a estação de trem não é próxima a de ônibus. Não parece ser tão distante, também, mas no horário que chegamos (7h) o ideal era pegar um táxi.
      Já no táxi perguntamos como faríamos para chegar até Patacamaya, o ponto médio até Sajama. Na rodoviária o taxista gentilmente nos deixou perto das vans e nos apontou quais pegar.
      Aparentemente as vans saem com bastante recorrência; chegamos lá e tinha uma pronta pra sair. Esperamos algo como 15-20 min para encher o carro e partimos.
      A viagem durou cerca de 1h30, no máximo, num caminho bastante tranquilo.
       
      [van] Patacamaya - Sajama (22/07)
       
      Chegamos a Patacamaya estourando 9 da manhã. Sabíamos, segundo relatos, que uma van saía daqui às 13h.
      Chegando lá, uma confusão do cacete na rua que servia como terminal de ônibus, vans, mercado e tudo mais (além da lama da neve que tinha caído e tava secando rs), fomos procurar onde saía a tal da van pra Sajama.
      “Ahí!”, “Allá”, “Más adelante!”, “En frente del mercadito”... nossa referencia era que as vans saíam em frente ao “Restaurante Capitol”; não encontramos o tal restaurante, mas encontramos as vans. Haha
       
      Não sei se a quantidade de vans e horários aumentaram, mas quando chegamos já estavam enchendo uma pra partir. Estávamos em dois (Regina e eu) e mais três franceses. Esperamos algo como 30-45 min ali; como não vinha ninguém, o cara da van decidiu partir com 5 mesmo e bem mais cedo que o esperado, às 10h.
       
      Dois parêntesis aqui:
      Tudo na nossa viagem deu certo, tudo. Mas conversando com os franceses, vimos que tivemos foi sorte e estávamos certos em esperar algum contratempo. Eles tiveram. Vieram de Oruro a Patacamaya um dia antes que nós, mas ficaram presos na cidade por conta da nevasca que fez as estradas até a divisa com o Chile fechar. A Regina foi até o banheiro em Patacamaya. Era um dos “baños publicos”, porém dentro da casa de uma pessoa. Ela entrou, a porta trancou e quando foi sair a pessoa estava longe e ela ficou um bom tempo pra conseguir sair; se forem aproveitar a parada pra ir no banheiro, vão em dois rs Chegamos a Sajama depois de umas 3 horas de viagem e, quanto mais avançávamos na estrada mais neve víamos. Parece que a nevasca tinha sido das brabas mesmo; sorte pra nós!

                                                             Essa era nossa visão na estrada. Achávamos que tínhamos nos ferrado...

              ...masss nossa sinhora da boa viage ajuda bastante nois, e deu um céu bonito, neve e muitas lhaminhas num cenário pra lá de bucólico!
       
      Sajama (22/07 a 27/07, 5 dias)

      Chegamos exaustos de 7h de viagem de trem + 5 de van, sem contar as paradas. Então a única coisa que queríamos era chegar no hostel. Ficamos no Hostal Osasis (http://hostal-oasis.com/) que fica bem na entrada da cidade.

                                                                     Vista da praça central e igreja ❤️ 
      Sobre hospedagem, importante abrir pequeno-grande um parêntesis: Sajama é uma vila indígena aymara que vive basicamente do turismo de montanhismo de gringos e galera, igual a gente, que quer conhecer um local diferente e ficar entocado na montanha. Apesar das atrações ser bem parecidas às do Atacama (contando com geisers, lagunas altiplanicas, etc., etc., apesar de proporções modestas) é um local bem menos badalado.
      Quando saímos para a viagem, gostamos de deixar tudo certinho, principalmente as reservas pra não termos surpresa. Os dois únicos hostals  que tem site em Sajama são: Oasis e Sajama.
      Entretanto, cada uma das famílias da cidade tem seu próprio alojamento, muitos inclusive sem nenhuma propaganda, já que o acesso a internet já é bem limitado.
      Então, podem ir sem medo de não ter reserva, pois além de contribuírem com a uma maior rotatividade da economia local, vocês podem ajudar essas famílias que acabam perdendo clientes pros dois maiores hotéis da vila.
      Caso ainda sim queiram ir com a estadia garantida e agendada, vou deixar aqui o contato de whatsapp da Reina: +591 74840766. Nós conhecemos por meio da sua mãe, que tem tienda America em uma das praças da cidade. A hospedagem dela é um pouco mais pra dentro na cidade, cabaninhas muito simpáticas e recém-construídas, além de terem um preço mais em conta.
      Um alerta: se vocês, assim como eu, tiveram problemas de adaptação com a altitude, peguem leve em Sajama! Aqui é ainda mais alto que Potosí, já que a região fica a 4.200+ de altitude. Isso influenciou bastante no nosso ritmo e foi muito bom termos ficado bastante tempo! Quase todos os passeios são longe, não existe um complexo de transporte e roteiros turísticos aqui. A prática é você fechar com moradores que tem carro, e eles em geral apenas levam; dificilmente ficam com você para trazer de volta.
      Levando em conta que boa parte das atrações ficam a, pelo menos, 6-8km de distância, precisa-se estar bem adaptado à altitude e com bastante preparo! 
      Nossos passeios fora basicamente dois nesses dias:
      Mirador de Sajama, que fica bem próximo à vila. Por um sendero que começa por uma das ruas do povoado, você segue em direção ao monte mais próximo. É bem fácil de encontrar, apesar de tudo estar bem nevado e ter sido difícil de encontrar o caminho. Pelo mesmo motivo, foi difícil chegar ao topo (além da falta de ar haha ), mas conseguimos ir até a metade do caminho e valeu super a pena! Com o local mais seco, tenho certeza que vocês vão conseguir ir até o topo, não é muito íngreme e até a Regina que tem problemas de joelho foi traquilamente.
                                                                     Mirador a meia altura!
      Laguna Huañacota, que fica a mais ou menos uns 9km do povoado. Como dissemos, é possível ir de carro e voltar a pé, é o que geralmente as pessoas fazem. No nosso caso, fizemos os mais de 18km de ida-volta à pé, beeem devagar. Foi cansativo mas valeu a pena, tendo inclusive uma companheira por boa parte do caminho, uma perrita chamada Luna que foi nos mordendo o calcanhar até a laguna! rs No mesmo caminho dessa laguna existe algumas termais; a principal fica entrando por uma bifurcação da estrada principal, mais ou menos ha uns 2-3km da cidade. Acabamos não indo, mas vale a pena!
                                       Panorâmica da Laguna Huñacota (Luna pode ser vista pro canto direito da foto haha)
      Os dois passeios são coisa pra metade de um dia; mesmo a laguna e seus muitos km a ser percorridos podem ser feitos em 6 horas tranquilamente. Caso pensem em passar nas termais, saiam mais cedo que conseguem fazer tudo em 8-10h tranquilo.
      Apesar de ainda existirem outras muitas atrações (pelo menos mais uma laguna e geiseres, além de pueblos próximos) acabamos por optar por descansar e viver um pouco o vilarejo. O esquema é muito familiar e não existem restaurantes; para você almoçar ou jantar, precisa falar em alguma das tiendas com as cholas e marcar um horário que passarão para comer. Fazendo isso em um lugar a cada dia, você conhece diversas famílias e conversa com muitas pessoas.
      Com isso aprendemos muito sobre o funcionamento da cidade. É literalmente uma comunidade indígena que se urbanizou e semi-modernizou; aqui, todos tem responsabilidade para com o bem público. Todos os meses, no dia 28, as pessoas da cidade se reúnem pra conversar sobre o que tem acontecido, os problemas e as soluções, construções que precisam ser feitas, etc. Também são os proprios moradores que fazem a limpeza das ruas e, pelo que nos foi dito, fazem uma coleta seletiva e o que podem vendem/reciclam em La Paz.

              Fiz questão de tirar foto da placa de uma das pontes da cidade, por constar essa parada do trabalho popular.
      O parque, como sabem, tem uma entrada que custa 100bobs por pessoa; infelizmente, pelo que nos foi dito, esse dinheiro não é revertido para a comunidade, apesar do governo entrar com uma parte das obras estruturais, mas ao que parece boa parte é feita pelos próprios moradores. Acho que conhecer mais sobre o pueblo e seus moradores, pra mim, foi um dos pontos altos do rolê e valeu mais que qualquer laguna, geiser ou mirador. Se forem até lá, façam isso!

        Vista da Tienda America, lugar onde almoçamos algumas boas vezes com a dueña Benigna e conhecemos bastante da cidade.
       
      [van] Sajama - Tambo Quemado  e [busão] Tambo Quemado - Arica (28/07)
      Essa foi uma das dificuldades que encontramos, principalmente de encontrar relatos precisos sobre como chegar no Chile a partir de Sajama. Como o lugar é um pueblo e não tem rodoviária nem serviço de transporte que não seja até Patacamaya, o caminho mais fácil e lógico é o de Oruro-La Paz. Se o roteiro de vocês for esse, vão sem medo.
      Se tiverem como objetivo chegar em Arica, vocês precisam conseguir uma van até Tambo Quemado, que é uma parada de caminhões próxima à divisa Bolivia-Chile. Logo que chegarem na cidade, conversem com alguém da trans-sajama.  Demos sorte de conhecer o David, um senhor muito gentil que, por coincidência, iria à Tambo no dia que partiríamos (calhou de ser o dia que tem uma feira de artesanato que eles vão rs). De qualquer forma, não é nada difícil de conseguir uma carona até lá. É preciso chegar cedinho, lá pelas 8h, pois o primeiro busão de La Paz pro Chile começa a passar por ali la pelas 9h30-10h. Pelo que nos disseram são um total de 5 ônibus e, com certeza, um deles vai ter lugar.
      No nosso caso, o primeiro que passou já tinha exatamente dois lugares vagos e fomos nele mesmo! Por ser internacional, eles aceitam tanto bolivianos quando pesos chilenos; pagamos 100 bolivianos por passagem, se não me engano.
      Mas é basicamente isso; sem muitos problemas conseguimos chegar no Chile.
      Ah, importante! 🧐 na fronteira nos pediram a carteirinha de vacinação internacional de febre amarela; não esqueçam de levar!
      A viagem dura umas 5h e, logo no começo, passa-se pelo parque Lauca (parque irmão do Sajama do lado Chileno); se tiverem o interesse, vale descer e conhecer e depois pegar outro ônibus, apesar de ser um rolê caro, visto que se paga o preço cheio da viagem duas vezes. Pela janela já é uma ótima visão! ❤️ 

                                                                                             Vista da janela do busão do Parque Lauca ❤️         
      Enfim, a viagem envolve a descida dos Andes de 4.200m até o nível do mar. Pode se preparar pra bastante sono e vertigem; mas é lindo também e foto nenhuma consegue captar o que se vê com os olhos ali, sem dúvida algo que vale a pena ser feito!
       
      Arica (28/07 a 29/07, 1 dia)
      Chegamos em Arica no meio da tarde. A cidade costaneira do lado do Pacífico fica muito, mas MUITO próxima do Peru. Já no terminal é possível ver ônibus que partem para Tacna, que fica algo como 50km de Arica. Infelizmente não tínhamos tempo, mas nossos planos era ter subido até Cusco, passando por Arequipa, como muitas pessoas fazem.
      Saímos da rodoviária e estranhamos o asfalto e o trânsito, depois de tanto tempo em Sajama. 
      Ficamos no aribnb do Sebástian e Ricardo, que fica bem pertinho da praia.

                                                                   Coisas que aderimos à dieta quando voltamos: pão com palta (abacate)
      Arica foi apenas um local pra que a gente voltasse pro Brasil, então nem pensamos muito onde ir ou o que aproveitar. Chegamos de Sajama e só pensamos em cair na cama e dormir.
      No dia seguinte, arrumamos nossa mala e deixamos tudo pronto pra sairmos à noitinha.
      Saímos pra explorar a cidade. Arica é uma cidade bem pequena e, ficando onde ficamos, da pra ir e voltar a pé ao centrinho que tem a maior parte das atrações.

                                                                              Dia nublado e na praia, vendo o Pacífico! 
      No fim da noite, combinamos com Sebastian um Uber que nos levaria ao aeroporto e partimos.
      [aereo] Arica - Santiago (29/07) e Santiago São - Paulo (30/07)
      De novo passamos a noite no aereo, dessa vez mais cansados ainda. Mas, apesar de tudo isso, voltamos pro Brasil revigorados!
       
       

    • Por aletchos
      Pessoal, estive no Deserto do Atacama em agosto de 2016 e queria colocar aqui meu relato para ajudar o pessoal do fórum que está planejando uma trip para lá.
       

      Como chegar no Deserto de Atacama
       
      Para visitar o Deserto de Atacama você quase certamente ficará hospedado em San Pedro de Atacama, um povoado com 3 mil habitantes instalado no meio do deserto e que serve de base para todos os principais passeios ao Deserto do Atacama.
       
      De avião
       
      O aeroporto mais próximo fica na cidade de Calama, situada a aproximadamente 1 hora e 20 minutos de carro de San Pedro de Atacama. Calama é o principal ponto de chegada para quem chega de avião ao Deserto do Atacama.
       
      Paguei 76 dólares pelo voo de ida e volta pela Sky Airline, saindo de Santiago.
       
      No aeroporto mesmo existem umas 5 empresas de transfers que fazem o trajeto Calama – San Pedro de Atacama. Todas cobram um preço tabelado de 12.000 pesos ida e 20.000 ida e volta.
       
      Se você chega e sai de Calama, feche ida e volta e informe o dia e horário do seu voo de volta que eles irão pegar você no seu hotel/hostel a tempo do seu voo de volta.
       
      Sobre qual empresa escolher, todas parecem sérias e estruturadas, mas a Transfer Vip aparentemente possui mais carros, o que pode ser uma vantagem.
       
      De ônibus
       
      Você também pode chegar a San Pedro de Atacama de ônibus. A viagem saindo de Santiago leva quase 24 horas, o que certamente é cansativo.
       
      Com a Tur Bus você consegue comprar passagens até San Pedro, e com a Pullman Bus você chega até Calama.
       

      Quanto gastei no Deserto de Atacama
       
      Bom, gastos são sempre importantes, mas cada um sabe o budget que tem e o que pode gastar em uma viagem.
       
      Eu anotei absolutamente tudo o que gastei nessa viagem, dos passeios ao chocolate. Usei um app que gosto demais, que é o Travel Pocket (recomendo!). Segundo minhas anotações no app, meus gastos ficaram assim:
       
      CLP 339.250,00 (pesos chilenos, aproximadamente 522 dólares); USD 575,00; e BRL 1.386,00 (neste valor está apenas a passagem para o Brasil).  
      Assim, podemos dizer que minha viagem no total saiu por algo como R$ 5.220,00 (considerando 1 real como 3,5 dólares).
       

      Quando ir ao Deserto de Atacama
       
      O Deserto do Atacama é um destino que pode ser visitado durante todo o ano, sem restrições. O tempo é extremamente seco e raramente chove.
       
      Temperaturas. Basicamente, essa é a principal questão envolvendo o clima que você vai se preocupar. A amplitude térmica é muito grande por lá, ou seja, você vai pegar frio à noite e nas primeiras horas da manhã e calor durante o dia.
       
      Nos meses de verão (mesmo período do verão no Brasil) você terá temperaturas mais altas durante o dia, e no inverno (período em que eu estive por lá) já não tão altas. Por outro lado, no inverno você terá noites e manhãs mais frias do que no verão.
       
      Para você ter ideia, no passeio aos Geysers del Tatio eu peguei -13 graus logo ao amanhecer. Na tarde, já de volta a San Pedro, a temperatura estava um pouco acima de 20 graus, ou seja, uma diferença de 33 graus no mesmo dia!
       

      Geysers del Tatio – Temperatura quando estive por lá foi -13 graus!
       
      Os períodos com temperaturas mais amenas e uma amplitude térmica não tão grande é de março a maio e de setembro a novembro, portanto esses seriam os melhores meses para visitar o Deserto do Atacama, mas, como falei antes, você tem condições climáticas para visitar o Atacama durante todo o ano.
       
      Sobre o tempo ser seco, leve Bepantol e um hidrante e beba bastante água. É que com o tempo seco, sua boca e pele ficarão secas (incrivelmente secas), então você deve passar o Bepantol nos lábios o dia todo ou vai ficar com a boca parecendo a lua cheia de crateras!
       

      Onde ficar em San Pedro de Atacama
       
      A não ser que você procure algo muito específico, você certamente ficará hospedado em San Pedro de Atacama. É aqui que estão as agências e de onde saem os passeios para visitar o Deserto do Atacama.
       
      A cidade é praticamente toda voltada para o turismo, então você encontra opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos. Saiba, contudo, que você está no meio do deserto e, em razão disso, recursos são escassos. São comuns relatos de falta de água, falta de água quente, falta de luz, internet, etc. Também em razão disso os preços são relativamente mais caros do que em outros lugares que já visitei.
       

      As ruas bucólicas de San Pedro de Atacama. Na foto, a rua Caracoles.
       
      Li praticamente todos os reviews de todos os lugares, peguei recomendações de blogueiros que confio que estiveram por lá, e acabei fechando no Booking.com. Certamente não é a opção mais barata, mas longe de ser mais cara. Tinha um café da manhã excelente, um quarto extremamente confortável e limpo, banheiro ótimo com água quente, Wi-Fi que funcionava razoavelmente bem, excelente localização e um igualmente excelente atendimento (em breve um review mais detalhado).
       
      O Hotel Pat'ta Hoiri é uma boa opção para quem está disposto a investir um pouco mais em conforto, sem pagar os preços estratosféricos de alguns hotéis de San Pedro de Atacama. Contudo, certamente não é a opção para os mochileiros que querem economizar ao máximo!
       
      Além da análise preço, a localização é um fator relevante. A principal rua de San Pedro de Atacama é a Caracoles, onde estão a maioria das agências e serviços que você precisa (farmácia, restaurantes, bares, etc). Grande parte do comércio está na Caracoles ou nas ruas próximas, portanto o mais próximo que você ficar daqui, melhor.
       
      De todo modo, San Pedro não é uma cidade muito grande, então com alguns minutos de caminhada você chega à grande maioria das hospedagens. Contudo, quando você está cansado do dia inteiro de passeios, é sempre melhor que o restaurante ou bar que você vai jantar esteja o mais próximo possível de onde você está ficando. Enfim, um ponto a considerar!
       
      Um hostel que também é muito bem avaliado e que já bons reviews de blogueiros é o Hostal Lickana. Esse hostel fica muito bem localizado e tem excelente reviews no Booking.com também e tem preços mais em conta que o Hotel Pat'ta Hoiri.
       
      Estou escrevendo um post com uma pesquisa bem extensa de preços comparados com as avaliações de outros viajantes e opiniões de blogueiros e logo posto aqui para vocês.
       

      Onde comer em San Pedro de Atacama
       
      Apesar de ser um povoado pequeno e simples, San Pedro de Atacama oferece opções excelentes de comida. Na Rua Caracoles estão bons restaurantes, mas nas ruas próximas você encontra outras opções interessantes também.
       
      Vou relatar aqui os lugares onde comi, o que comi e quanto gastei exatamente em cada refeição, mas fico extremamente feliz se vocês colocarem outras opções nos comentários, assim aumentamos as opções para quem está lendo esse post aqui.
       
      Restaurante La Casona, na Rua Caracoles
       
      Restaurante muito bom, comida extremamente bem servida (mata a fome e sobra) e de qualidade. Paguei 15.070 pesos pelo menu do dia (foto abaixo) e uma cerveja.



       
      Restaurante Blanco, na Rua Caracoles
       
      Outro excelente restaurante na Caracoles, talvez um dos melhores da cidade. Paguei 20.405 pesos pelo jantar, com vinho e água. O menu do dia, que saia por 10.000 pesos (o meu saiu mais caro pelo vinho e água), está descrito na foto abaixo, juntamente com as fotos dos pratos que consegui tirar por lá.
       



       
      Restaurante La Pica del Indio, Rua Tocopilla
       
      Restaurante um pouco mais em conta, que fica na rua Tocopilla, uma travessa da Caracoles. Gastei 8.140 pesos para comer um ceviche como entrada e peito de frango com batatas de prato principal. O valor do menu, com sobremesa, era 4.500 pesos, mas como bebi duas cervejas o preço subiu! O frango não estava muito bom, mas é uma opção mais em conta para quem quer pagar menos.
       





       
      Restaurante Delicias del Carmen, Rua Caracoles
       
      Outro bom restaurante na Caracoles. Paguei 12.100 pesos por uma entrada de salada de quinoa e frango com fritas, e também bebi uma cerveja por lá. Uma outra opção do cardápio, pelo mesmo valor, era uma caesar salad. Fotos abaixo!
       


       
      Restaurante Tierra Natural, Rua Caracoles
       
      Aqui, paguei 9.900 pesos por um frango com batatas salteadas e uma Coca-Cola. Comida muito boa, feita com ingredientes orgânicos e naturais e um clima muito legal. Achei o serviço um pouco atrapalhado, mas acredito que isso se deu pois já era mais tarde do que o normal.
       

       
      Restaurante Adobe, Rua Caracoles
       
      Outro excelente restaurante de San Pedro. Jantei aqui em duas ocasiões. Na primeira, comi uma pizza muito boa e duas Coca-Colas, que me saíram por 16.830 pesos. A pizza alimenta duas pessoas que não comem muito (vou ficar devendo a foto)!
       
      Na segunda vez, um risoto de quinoa e uma Coca, que me saíram por 13.305 pesos.
       

       
      Fora essas opções acima, existem tantas outras na própria Caracoles. E como falei antes, ficaria feliz se outras pessoas pudessem comentar no post outras opções que usaram.
       
      Além dos restaurantes acima, também tomei uns chopps e comi uma pizza que eles mesmo fazem no Bar Chelacanbur, que fica também na Caracoles. Por lá, na final do futebol masculino da olimpíada e vendo o Brasil levar o ouro, deixei 12.500 pesos numa pizza que foi dividida em 5 pessoas e em uma quantidade de cerveja que me deixou relativamente bêbado!
       

      Agências de Viagem em San Pedro de Atacama
       
      Uma das grandes dúvidas na viagem ao Deserto do Atacama diz respeito às agências de viagem, afinal são muitas opções! Outra dúvida é se devemos fechar os passeios com antecedência ou se deixamos para fechar quando estivermos lá.
       
      Vou tentar responder essas dúvidas!
       
      Qual agência escolher?
       
      Como falei, são muitas. E os critérios de escolhas são muitos e muito pessoais também.
       
      Antes de qualquer coisa, só queria colocar que usei três agências diferentes e não recebi qualquer apoio delas por ter o blog. Aliás, elas sequer sabiam (e nem devem saber) do blog. Só escrevo isso pois li algumas críticas no TripAdvisor para alguns blogueiros que recomendavam passeios de agências que ofereceram apoio a esses blogueiros e o serviço e preço prestado por essas agências aparentemente não foi tão bom (e não estou fazendo qualquer julgamento aos blogueiros, agências ou a pessoa que escreveu no TripAdvisor).
       
      Enfim, vou dizer como eu escolhi a minha agência.
       
      No hotel que fiquei, o dono recomendou a agência Latchir. Visitei e verifiquei os preços, que eram bons. Os passeios são quase todos distantes de San Pedro, ou seja, você vai ter que percorrer longas distâncias de carro. É importante pagar barato, mas o barato pode sair caro, pois seu trajeto (seja de ônibus, van, pickup, etc) pode ser um inferno, isso sem falar no carro quebrar ou até algum acidente.
       
      Depois, visitei a Ayllu, muito recomendada por blogueiros e brasileiros que visitam o Deserto do Atacama. Achei a Ayllu com um preço alto (por vezes seis vezes mais caras que as demais), mas não fechei nenhum passeio com eles para dizer se o preço compensa ou não. Contudo, dada a grande diferença, acho bem difícil que valha até 6 vezes mais.
       
      Depois, visitei a Grado 10, também muito bem falada pelos viajantes brasileiros. Em termos de preço, saiu mais caro que a Latchir, mas bem mais barata que a Ayllu. Acabei fechando com eles.
       
      Por que escolhi a Grado 10? Bons reviews no Trip Advisor e em blogs no Brasil e, principalmente, pelo grande diferencial: O caminhão!
       
      Todas as demais agências fazem os trajetos em vans, micro ônibus ou pickups. A Grado 10 faz num caminhão overland adaptado para esse tipo de viagem. Eu já conhecia esse tipo de caminhão há muitos anos, pois meu grande sonho de viagem é cruzar a África num desses. Quando bati o olho não teve jeito! Apesar de ser rústico, o caminhão é extremamente confortável por dentro, com bancos reclináveis e janelas grandes. No Valle de la Luna pudemos assistir ao nascer da lua de cima do caminhão e na Laguna Cejar ficamos lá em cima enquanto o caminhão ia para o lugar onde faríamos nosso brinde da tarde!
       

       
      Claro que isso é um pequeno detalhe e que me cativou, mas achei o serviço excelente também. A nossa guia (Camila) era excelente, prestativa, com muito conhecimento e falava espanhol e inglês, mas todos os brasileiros entendiam ela sem problema algum.
       
      A Grado 10 só tem 4 passeios, os mais tradicionais: Laguna Cejar, Valle de La Luna, Geysers del Tatio e Lagunas Altiplanicas (sem Piedras Rojas). Fechei os 3 primeiros com eles e paguei 80.000 pesos.
       
      Também li bons reviews sobre a agência Atacama Connection e fechei com eles apenas o Lagunas Altiplanicas com Piedras Rojas (pois a Grado 10 não fazia Piedras Rojas). Tudo ocorreu bem, o veículo era um micro ônibus confortável, a guia tinha conhecimento e era muito prestativa, mas não tinha a mesma vibe do caminhão da Grado 10 hehe! De todo modo, nada a reparar quanto ao serviço prestado pela Atacama Connection. O preço que paguei por esse passeio foi 35.000 pesos.
       
      Por fim, fiz o Salar de Tara com a agência Crisol(não achei site, por isso estou indicando o Facebook). Honestamente, não pesquisei absolutamente nada sobre essa agência, fechei o passeio um dia antes depois de sentar num bar com uns brasileiros que iam no dia seguinte e recomendaram. O carro e o guia eram muito bons e o passeio foi excelente também, portanto não tenho absolutamente nada a reportar sobre eles.
       
      Um post que me ajudou bastante na avaliação de agências foi este aqui, do Viaje na Viagem, além, claro, do Trip Advisor.
       
      Geralmente, quando os passeios saem muito cedo da manhã (como é o caso dos Geysers del Tatio, que você sai próximo das 5, dependendo da época do ano) as agências oferecem café da manhã durante o passeio. Nos passeios de longa duração também é oferecido almoço, portanto a inclusão de refeições é um ponto também a ser observado na sua escolha.
       
      Devo reservar com antecedência?
       
      Sendo bem objetivo, não vejo razões para você reservar com antecedência.
       
      São muitas opções de agência e você dificilmente ficará sem poder fazer algum passeio que queira fazer. Ainda, quase todas aceitam uma chorada e concedem um desconto no preço inicial, então minha recomendação é que você feche os passeios apenas quando chegar em San Pedro de Atacama.
       

      Passeios no Deserto de Atacama
       
      Existem muitas opções do que fazer por lá.
       
      Os passeios tradicionais são 4:
       
      Valle de la Luna: O mais próximo de San Pedro, fica há uma meia hora do centro da cidade. Nesse passeio você faz uma visita guiada dentro do Valle de La Luna, que tem formações muito lindas. Ao final do dia, você sobe até onde fica a pedra do Coyote para ver o por do sol. Quando estive por lá também era época de lua cheia, e de lá vimos a lua nascer junto com o por do sol, foi lindo!
       




       
      Neste post aqui conto um pouco mais sobre o passeio ao Valle de La Luna e também mostro algumas das fotos que tirei por lá.
       
      Geysers del Tatio: Nesse passeio você sairá bem cedo de San Pedro (perto das 4 ou 5 da manhã), pois os geysers são mais ativos antes de o sol nascer. O problema é que faz muito frio por lá, e você deve ir preparadíssimo. Em agosto, quando estive lá, peguei temperaturas de -13 graus.
       




       
      É um passeio que dura o dia todo, você percorrerá uns 200 km de carro e atingirá uma altitude de 4.300 metros. Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Lagunas Altiplanicas: Um dos passeios mais distantes de San Pedro. As paisagens do altiplano são espetaculares (as fotos abaixo falam por si só). Este passeio dura o dia todo e você percorrerá uns 270 km de carro ida e volta. Você vai visitar a Laguna Chaxa e o povoado de Socaire, e também as lagunas Miscante e Miñiques. É na laguna Chaxa que você verá inúmeros flamingos e terá a chance de tirar as fotos que tirei abaixo!
       




       
      Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Lagunas Cejar e Tebenquiche: Esse passeio tem duração de meio dia e fica a apenas 30 km de San Pedro de Atacama. Aqui você terá a oportunidade de nadar em uma das lagunas, que tem 200 vezes mais sal que o mar. É possível também avistar flamingos, mas eu não tive essa sorte.
       
      Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Além dos passeios tradicionais mencionados acima, existem outras ótimas opções do que fazer. Algumas eu listo aqui:
       
      Salar de Tara: Além dos passeios acima, também visitei o Salar de Tara. É um dos mais distantes de San Pedro e também onde você atingirá uma das maiores altitudes (pouco mais de 4.800 metros). O frio não é tão extremo como nos Geysers, mas é bom ir preparado para temperaturas baixas. É um passeio de dia inteiro e você vai rodar quase 300 km ida e volta.
       
      Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Tour Astronômico: A baixa luminosidade no deserto e a baixa umidade fazem do Atacama um dos melhores lugares do mundo para se observar as estrelas.
       
      Apesar de fotografia noturna ser uma das minhas preferidas, quando cheguei em San Pedro era a primeira noite de lua cheia, e a lua cheia, em razão da sua grande luminosidade, faz com que você veja um número menor de estrelas do que o normal. Em razão disso, o tour astronômico mais conhecido do Deserto do Atacama não estava ocorrendo. Esse tour é feito pela empresa Space e você pode encontrar maiores informações no site deles.
       
      No último dia, contudo, consegui ir para o meio do deserto tirar fotos noturnas, pois a lua cheia nasceria duas horas depois do anoitecer.
       
      Vulcão Lascar: O Lascar é um vulcão ativo que fica acima dos 5.500 metros de altitude. Inúmeras agências em San Pedro oferecem um hiking para subir o vulcão. Infelizmente, meu pouco tempo no Deserto do Atacama não permitiu incluir a subida ao Lascar.
       
      Sandboard: Você pode fazer sandboard no Valle de La Muerte. Essa é outra atividade que gostaria, mas que não consegui incluir no tempo que estive por lá. Em dias de lua cheia, o pessoal faz o sandboard à noite, o que deve ser muito legal. Inúmeras agências oferecem esse passeio, então você não terá problemas em encontrar alguém que leve você até lá!
       
      Termas de Puritama: Outro que não consegui incluir, as Termas de Puritama são piscinas termais no meio do deserto, localizadas a 30 km de San Pedro. É uma excelente opção para relaxar depois de um dia cansativo no deserto. Inúmeras empresas levam você até lá e o preço é algo em torno de 9.000 pesos.
       
      Salar de Uyuni: O Salar de Uyuni fica na Bolívia, mas inúmeras agências em San Pedro fazem travessias até lá pelo deserto, que duram de 3 a 4 dias.
       
      O que levar ao Deserto do Atacama
       
      Fazer as malas para essa viagem ao Deserto do Atacama não é muito simples. Você tem que considerar que vai pegar temperaturas extremamente frias e temperaturas relativamente quentes, tudo no mesmo dia.
       
      Fora os itens básicos de higiene pessoal e vestuário, acredito que a lista abaixo é suficiente:
       
      Meias para frio: Se você tiver meias de esqui, ótimo. Você vai usar no passeio dos Geysers del Tatio e pode ser bom para dormir também. Se você não tiver meias de esqui, leve a mais grossa que você tiver. Calçado confortável: Leve sandália e um tênis confortável para fazer os passeios, já que você vai andar com frequência. Não vejo necessidade para uma bota de trekking ou algo mais pesado, a não ser que você vá fazer algum trekking mais pesado, como o Lascar. Eu estava com um tênis goretex da The North Face, que é bem reforçado, mas praticamente todo mundo que vi por lá estava com tênis normal. Se você tiver uma bota ou um tênis mais reforçado, ótimo, caso contrário não vejo necessidade de comprar um. Calça térmica: Se você tiver, será muito útil. Ainda que você não tenha uma calça térmica técnica (aquelas para esqui, frio extremo, etc), uma ceroula ou uma calça justa ao corpo e que retenha o calor já será muito boa. Blusa térmica: Basicamente, o mesmo que da calça térmica, mas para a parte de cima do corpo. Eu tenho várias, porque esquio, e você pode encontrar umas baratinhas na Decathlon e na Centauro. Fleece: O fleece é o que chamamos de segunda camada, um blusão bem quentinho e excelente para reter o calor. Além do fleece, pense em moletons também para usar como segunda camada. Jaqueta: Terceira e última camada, você pode levar um corta vento ou até algo mais pesado (eu andei com minha jaqueta de ski nos dias de muito frio). Luva e touca: Eu usei luva de ski e passei frio nos geysers, mas em todos os outros passeios me virei bem com uma luva de lã e mão no bolso. Para quem sente frio na cabeça, uma touca é bem útil por lá. Roupas leves: Além das roupas acima focadas no frio, leve roupas leve, como camisetas, calça jeans, etc, pois boa parte dos passeios serão feitos em temperatura amena. Um casaquinho não muito pesado também é muito útil para as noites em San Pedro. Filtro solar: É sol o dia todo e sol forte, não economize no FPS! Mochila de ataque: Leve uma mochila de ataque para usar durante o dia, especialmente para guardar as roupas que você for tirando e a água que você precisará carregar com você. Bepantol e hidratante: O tempo é muito seco e seus lábios e pele ficaram muito ressecados, mas ressecados como você nunca viu antes. Sua mão vai ficar áspera e seus lábios vão rachar, então evite isso ao máximo com Bepantol e hidratante. Soro fisiológico ou Sorine: Seu nariz fica desconfortavelmente seco, então use esses produtos para ajudar um pouco. Colírio: O olho também sofre com o tempo seco.  
      Espero que a lista acima ajude vocês!
       
      Como falei antes, estou escrevendo uma série de posts sobre o Deserto do Atacama, e aos poucos vou publicando e colocando o link aqui para ajudar todo mundo.
       
      Coloquei aqui as informações que relatei no meu blog e o link para o post completo com mais fotos e informações está aqui. Espero que ajude!
      Não esquece de seguir o blog no Instagram para curtir as fotos que tirei lá no Atacama! Clica aqui.


×