Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
brgalvao

Dicas – SANTIAGO e CAJÓN DEL MAIPO, 10 dias, março de 2017.

Posts Recomendados

SANTIAGO

 

Transporte

O “transfer” no aeroporto, feito em vans que ficam paradas na porta do desembarque (há mias de uma empresa), custa CLP 7.600, contra os CLP 18.000 do táxi, negociados, estes. Sem qualquer justificativa, porque o aeroporto fica bem perto do Centro.

O táxi em Santiago sai mais barato que no Rio, e também tem a bandeirada mais barata. Só uma vez achei mal. Era domingo de noite e tomei um táxi no ponto do Pátio Bellavista. Para andar quatro quadras, literalmente, o motorista me cobrou uma tarifa mínima de $ 3.000.

O metrô é ótimo, tem cinco linhas e custa algo em torno de $ 600 a $ 800, a variar conforme a hora.

O trânsito é ruim. Se a pessoa tiver hora é melhor sair com antecedência ou ir de metrô. Os dois dias em que dirigi em Santiago foram os mais tensos da viagem. As pessoas são grosseiras, impacientes e idiotas, como costuma acontecer no trânsito das cidades grandes. O que contrasta com a simpatia e a cordialidade que vi no geral. Dirigir na estrada é ótimo. Na cidade é horrível.

 

Hospedagem

De maneira geral, fiquei bem hospedado no Hostel Bella 269, que fica na Rua Bellavista, 269, no bairro da Recoleta, ao lado da Providência, bem central; bairros ótimos para se ficar. Paguei US$ 41 (cerca de R$ 126,00) a diária, pelo Booking.com. A Rua Bellavista tem uma numeração estranha, que me fez pensar que eu tava no seriado Além da Imaginação, num dia em que não conseguia encontrar o hostel. Os números vão decrescendo, chegam no zero e voltam a crescer. É isso mesmo. Pode haver o número 100 duas vezes na mesma rua. A transversal Pio Nono é o marco zero. De um lado dela é chamado de 100; do outro, de 0100, para marcar a diferença. Por que facilitar se é possível complicar?

Em outra viagem que fiz (aproveitando a oportunidade), fiquei muito mal hospedado no Tralkan B&B, na Providencia.

 

Câmbio

Tem várias casas de câmbio, uma ao lado da outra, na Rua Agustinas, no Centro, iniciando na altura do nº 1100. Comprei pesos a 210 e a 212 reais.

Pra se ter ideia do valor das coisas em real, a conversão prática, pro dia-a-dia, é feita multiplicando o valor em pesos por cinco e tirando os zeros do milhar, é feita multiplicando por cinco e tirando os zeros do milhar. Por exemplo, 200 pesos dá (5 x 200 = 1.000) 1 real.

Fiz a maior burrada no aeroporto do Galeão, vendendo os pesos que tinham me sobrado, que não eram poucos, a um valor irrisório (à base de 430 pesos por real).
 
Glossário de "Chileno"
É bom para a comunicação saber estes regionalismos chilenos:
¿Cachai?: Entendeu? Como o "capicce" italiano.
Al tiro: Imediatamente.
Chascona: Despenteada.
Pololo: Namorado.
Tuto: Sesta, soneca.
Sites a consultar:
https://feitonacasa.wordpress.com/diccionario-chileno-espanol/
http://html.rincondelvago.com/diccionario-de-palabras-chilenas.html
 
Pátio Bellavista

O Pátio Bellavista é um lugar agradável para se comer e tomar cerveja. Comi bem no Backstage Life BKS, pratos de CLP 9.000, 10.000. Tem um suco maravilhoso que se chama Windy, uma mistura de manga, framboesa e “chirimoya”, a $ 5.000. A “chirimoya” é parecida com a fruta-do-conde.

Dentro do Pátio Bellavista, ainda, recomendo também o Le Fournil. Nos arredores do PB, principalmente na Rua Pio Nono e na Constitución, tem vários bares com mesas nas calçadas, onde se pode tomar, facilmente, uma variedade de cervejas.

Fora do Pátio Bellavista, comi muito bem no La Signoría (Rua Bellavista, 211) – entrada, prato principal e sobremesa por $ 9700.

O cigarro (que se compra nas Botillerias) é caríssimo, coisa de CLP 3.500. Mas tem aquele pacote com 10, que também se encontra em outras cidades sulamericanas.
 
Museu Violeta Parra

O Museu Violeta Parra foi interessante para mim, que amo a Violeta Parra. Podia ter mais coisas relativas à música. Fez falta pra mim, que conheço, e faz mais falta ainda para quem não a conhece, que deve ficar com a impressão de que o seu trabalho artístico principal foi a tapeçaria e não a música. Tem letras de música, o violão de muitas cordas que ela tocava, mas quase não tem música no museu. Mas tem aqueles bordados bonitos que se vêem no filme Violeta Foi para o Céu, de 2011. O Ángel Parra, filho dela e músico também, morreu poucos dias antes de eu estar lá, em 11/03/2017.

Seguindo o tema da música, para quem gosta da música folclórica, da Nova Canção Chilena, o Quilapayún e o Inti-Illimani Histórico vão tocar juntos no Teatro Municipal de Santiago, em 19/05/2017. Tô pensando em ir assistir.
 
Salsería Maestra Vida

A Salsería Maestra Vida é um lugar onde as pessoas vão para dançar, muito bem, por sinal, como são as nossas gafieiras. Com a diferença do ritmo, que lá é salsa, predominantemente, cumbia e até cueca (uma dança folclórica). Da outra vez em que eu estive em Santiago, as meninas que tavam comigo foram chamadas várias vezes para dançar. Dançaram o quanto quiseram. Eu me contentei em assistir, enquanto tomava cerveja e batucava o ritmo, porque tive pena dos pés das dançarinas. Mas só ver já foi bom.

 

Centollas e Mercado Municipal (furada)

Esta dica é da outra viagem a Santiago, que fiz com duas amigas. Não comer centollas no Mercado Municipal. O garçom dividiu uma centolla pra nós três, que era muito cara e vinha sem acompanhamento. Comemos pouco e mal. Aliás, recomendo não comer nada no Mercado Municipal.
 
Teatro Mori Bellavista

Assisti a uma montagem ótima da peça Oleanna, do David Mamet, no Teatro Mori Bellavista (Constitución, 183, Providencia). O público é tão avaro em expansões, que eu fui o único que aplaudiu de pé; e o ator merecia.

 

Outros

Algumas coisas que eu não fiz, mas de que me falaram bem, foi alugar bicicleta e subir no prédio La Costanera, que tem vista pra toda a Santiago, e uma guia que dá um panorama geral da cidade. Sobre a bicicleta, procure por “bicicleta verde” na Internet. Tem também uns passeios guiados.
 
 
CAJÓN DEL MAIPO
 
Hospedagem

Fiquei bem hospedado nas Cabañas La Bella Durmiente, por US$ 80 a diária, cerca de R$ 250,00. Caro pra uma pessoa só, mas fiquei num chalé, com fogão pra cozinhar e geladeira. Os funcionários são muito atenciosos, sobretudo o Álvaro. Apesar de ter fogão, comi uma vez por dia no restaurante de dentro da hospedagem, bonzinho. Não recomendo a pizza, que me fez passar mal, por excesso de farinha, ou de gordura, sei lá.

 

Aluguel de carro, carona, estradas e povoados (e travessia dos Andes!)

Aluguei um carro em Santiago, para ir até Cajón e andar por lá. Recomendo fortemente. Não sei como teria sido sem carro. Não teria feito a metade das coisas que fiz. Me saiu a CLP 98.000 o aluguel, mais CLP 30.000 de gasolina, mais CLP 5.000 pra lavarem por fora, no final. O carro fica muito sujo, e a lavagem na locadora sairia a CLP 40.000.

A paisagem das estradas do Cajón é bonita. Vale a pena entrar nos povoados, em El Ingenio e em Queltehue, simplesmente para dirigir na estrada. Este último tem uma estrada linda, que margeia o rio (com plantas do campo) e termina numa propriedade privada, de onde se tem que voltar. Sobre essa estrada, no entanto, acho que dei sorte, porque não vinha carro nenhum na direção contrária. Se tivesse vindo, não sei o que aconteceria, porque parecia difícil dois carros passarem ao mesmo tempo. Mas dei sorte e não me arrependi.

Dei três caronas, e numa delas conheci duas pessoas que estavam chegando de uma travessia nos Andes, de cinco dias, caminhando! Elas tinham feito por conta própria, mas a menina me deu o contato de uma empresa que faz isso: http://www.crucelosandes.com.ar. Ainda vou fazer.
 
Caminhada, cavalgada, rafting e tuna

Fui em fim de março e encontrei pouco movimento, e a maioria dos restaurantes e agências de passeios fechadas. Também me disseram que fica mais cheio no fim de semana, enquanto que eu cheguei em plena segunda-feira.

Fiz caminhada e cavalgada pela agência (também pousada) Cascada de las Animas, e foi ótimo. Como tinha poucos turistas em Cajón, não conseguiram formar grupo para o rafting. A pousada onde fiquei conseguiu me encaixar na Chile Rafting, onde correu tudo bem. Acho que as duas eram das poucas empresas que funcionavam no período em que fiquei (fim de março, fora do fim de semana), porque, ainda no Rio de janeiro, mandei e-mail sondando várias empresas e uma minoria me respondeu. Fiquei seco pra andar de caiaque nas corredeiras, como fazia o cara que tirava foto da gente. Mas me explicaram que era preciso um curso de dez dias! Como insisti, me diseram que eu podia fazer, desde que soubesse desvirar o caiaque, girando sobre o eixo horizontal, sem sair dele. Eu ainda não sei, mas vou aprender.

A cavalgada que contratei foi de duas horas, até La Meseta, por CLP 23.000. Dei uma gorjeta por fora desse valor, pro guia, porque fiz o passeio sozinho. O guia me disse que a cavalgada de cinco horas, que inclui um churrasco, não faz muito diferença em tempo sobre o cavalo. Como eu estava sozinho, ele me deixou cavalgar em vários trechos, com curvas, inclusive, em vez de simplesmente trotar. Ele também arrancou do pé de cacto duas tunas pra mim, que são frutos deliciosos (parecem kiwis por dentro, mas são melhores), mas com espinhos pequenos, que são uma bosta pra sair das mãos. Eu sei, porque precisei passar pela experiência própria de meter as mãos nelas. Tentei tirar com pinça e com lâmina de barbear. Uma moça de lá me recomendou cera de depilar. Quase duas semanas depois, ainda tenho espinhos encravados nas mãos.

A caminhada foi de hora e meia, menos do que eu queria, mas interessante. Essa Cascada de las Animas é um refúgio ambiental e eles mantêm dois pumas presos (contraditório, mas explicável, pelo perigo pros turistas). Pumas são o mesmo que onças pardas ou leões baios, a depender da região do Brasil. Me custou CLP 7.000. Não sei mais quanto me custou o rafting.
 
Embalse El Yeso, Monumento El Morado e Baños Morales

Tentei fazer a caminhada para o Monumento El Morado, mas me frustrei, porque a entrada estava fechada durante todo o tempo em que estive lá, por conta de umas chuvas, com deslizamento e desastre, que tinham caído havia duas semanas. Apesar de já estar sol há vários dias, e de todos estarem achando o zelo dos carabineiros excessivo, ficou fechado. Então, não posso dizer nada sobre El Morado, a não ser que me disseram que é lindo.

Como a estrada para El Morado fica junto de Baños Morales, entrei para ver. Mas não achei nada demais. Nada que valesse ter levado a sunga que não levei. Parti pro Embalse El Yeso, este sim deslumbrante. O terreno é muito cheio de cascalho, num grande trecho de estrada de terra. Melhor dirigir com calma ali, pra evitar derrapar. A queda é grande. Vi um relato em que o cara disse que o pneu do 4x4 que o levou, furou. E vi outro em que o sujeito disse que descalibrou um pouco os pneus, para evitar que furassem. Eu ia fazer isso mas me esqueci. Ainda assim, meu Suzuki popular sem tração, alugado, deu conta do recado. Fiz isso tudo no mesmo dia, e calculo que dirigi umas cinco horas. Portanto, o carro é mesmo muito recomendável.
 
Baños Colina

Depois do rafting fui direto para Baños Colina, este sim bacana. Paga-se CLP 8.000 para entrar e ficar quanto tempo quiser. Ninguém me deu a menor pelota e, se não fosse por um casal que conheci no rafting, não teria sabido do funcionamento da paradinha. São cinco piscinas naturais. A mais baixa é a de água menos quente, e o negócio é começar por ela e ir subindo, para se acostumar com a temperatura. Quanto mais em cima, mais quente. Parei na terceira piscina, depois de fazer uma hidromassagem prolongada na primeira piscina, para aliviar as dores musculares do rafting.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

SANTIAGO

 

Transporte

O “transfer” no aeroporto, feito em vans que ficam paradas na porta do desembarque (há mias de uma empresa), custa CLP 7.600, contra os CLP 18.000 do táxi, negociados, estes. Sem qualquer justificativa, porque o aeroporto fica bem perto do Centro.

O táxi em Santiago sai mais barato que no Rio, e também tem a bandeirada mais barata. Só uma vez achei mal. Era domingo de noite e tomei um táxi no ponto do Pátio Bellavista. Para andar quatro quadras, literalmente, o motorista me cobrou uma tarifa mínima de $ 3.000.

O metrô é ótimo, tem cinco linhas e custa algo em torno de $ 600 a $ 800, a variar conforme a hora.

O trânsito é ruim. Se a pessoa tiver hora é melhor sair com antecedência ou ir de metrô. Os dois dias em que dirigi em Santiago foram os mais tensos da viagem. As pessoas são grosseiras, impacientes e idiotas, como costuma acontecer no trânsito das cidades grandes. O que contrasta com a simpatia e a cordialidade que vi no geral. Dirigir na estrada é ótimo. Na cidade é horrível.

 

Hospedagem

De maneira geral, fiquei bem hospedado no Hostel Bella 269, que fica na Rua Bellavista, 269, no bairro da Recoleta, ao lado da Providência, bem central; bairros ótimos para se ficar. Paguei US$ 41 (cerca de R$ 126,00) a diária, pelo Booking.com. A Rua Bellavista tem uma numeração estranha, que me fez pensar que eu tava no seriado Além da Imaginação, num dia em que não conseguia encontrar o hostel. Os números vão decrescendo, chegam no zero e voltam a crescer. É isso mesmo. Pode haver o número 100 duas vezes na mesma rua. A transversal Pio Nono é o marco zero. De um lado dela é chamado de 100; do outro, de 0100, para marcar a diferença. Por que facilitar se é possível complicar?

Em outra viagem que fiz (aproveitando a oportunidade), fiquei muito mal hospedado no Tralkan B&B, na Providencia.

 

Câmbio

Tem várias casas de câmbio, uma ao lado da outra, na Rua Agustinas, no Centro, iniciando na altura do nº 1100. Comprei pesos a 210 e a 212 reais.

Pra se ter ideia do valor das coisas em real, a conversão prática, pro dia-a-dia, é feita multiplicando o valor em pesos por cinco e tirando os zeros do milhar, é feita multiplicando por cinco e tirando os zeros do milhar. Por exemplo, 200 pesos dá (5 x 200 = 1.000) 1 real.

Fiz a maior burrada no aeroporto do Galeão, vendendo os pesos que tinham me sobrado, que não eram poucos, a um valor irrisório (à base de 430 pesos por real).
 
Glossário de "Chileno"
É bom para a comunicação saber estes regionalismos chilenos:
¿Cachai?: Entendeu? Como o "capicce" italiano.
Al tiro: Imediatamente.
Chascona: Despenteada.
Pololo: Namorado.
Tuto: Sesta, soneca.
Sites a consultar:
https://feitonacasa.wordpress.com/diccionario-chileno-espanol/
http://html.rincondelvago.com/diccionario-de-palabras-chilenas.html
 
Pátio Bellavista

O Pátio Bellavista é um lugar agradável para se comer e tomar cerveja. Comi bem no Backstage Life BKS, pratos de CLP 9.000, 10.000. Tem um suco maravilhoso que se chama Windy, uma mistura de manga, framboesa e “chirimoya”, a $ 5.000. A “chirimoya” é parecida com a fruta-do-conde.

Dentro do Pátio Bellavista, ainda, recomendo também o Le Fournil. Nos arredores do PB, principalmente na Rua Pio Nono e na Constitución, tem vários bares com mesas nas calçadas, onde se pode tomar, facilmente, uma variedade de cervejas.

Fora do Pátio Bellavista, comi muito bem no La Signoría (Rua Bellavista, 211) – entrada, prato principal e sobremesa por $ 9700.

O cigarro (que se compra nas Botillerias) é caríssimo, coisa de CLP 3.500. Mas tem aquele pacote com 10, que também se encontra em outras cidades sulamericanas.
 
Museu Violeta Parra

O Museu Violeta Parra foi interessante para mim, que amo a Violeta Parra. Podia ter mais coisas relativas à música. Fez falta pra mim, que conheço, e faz mais falta ainda para quem não a conhece, que deve ficar com a impressão de que o seu trabalho artístico principal foi a tapeçaria e não a música. Tem letras de música, o violão de muitas cordas que ela tocava, mas quase não tem música no museu. Mas tem aqueles bordados bonitos que se vêem no filme Violeta Foi para o Céu, de 2011. O Ángel Parra, filho dela e músico também, morreu poucos dias antes de eu estar lá, em 11/03/2017.

Seguindo o tema da música, para quem gosta da música folclórica, da Nova Canção Chilena, o Quilapayún e o Inti-Illimani Histórico vão tocar juntos no Teatro Municipal de Santiago, em 19/05/2017. Tô pensando em ir assistir.
 
Salsería Maestra Vida

A Salsería Maestra Vida é um lugar onde as pessoas vão para dançar, muito bem, por sinal, como são as nossas gafieiras. Com a diferença do ritmo, que lá é salsa, predominantemente, cumbia e até cueca (uma dança folclórica). Da outra vez em que eu estive em Santiago, as meninas que tavam comigo foram chamadas várias vezes para dançar. Dançaram o quanto quiseram. Eu me contentei em assistir, enquanto tomava cerveja e batucava o ritmo, porque tive pena dos pés das dançarinas. Mas só ver já foi bom.

 

Centollas e Mercado Municipal (furada)

Esta dica é da outra viagem a Santiago, que fiz com duas amigas. Não comer centollas no Mercado Municipal. O garçom dividiu uma centolla pra nós três, que era muito cara e vinha sem acompanhamento. Comemos pouco e mal. Aliás, recomendo não comer nada no Mercado Municipal.
 
Teatro Mori Bellavista

Assisti a uma montagem ótima da peça Oleanna, do David Mamet, no Teatro Mori Bellavista (Constitución, 183, Providencia). O público é tão avaro em expansões, que eu fui o único que aplaudiu de pé; e o ator merecia.

 

Outros

Algumas coisas que eu não fiz, mas de que me falaram bem, foi alugar bicicleta e subir no prédio La Costanera, que tem vista pra toda a Santiago, e uma guia que dá um panorama geral da cidade. Sobre a bicicleta, procure por “bicicleta verde” na Internet. Tem também uns passeios guiados.
 
 
CAJÓN DEL MAIPO
 
Hospedagem

Fiquei bem hospedado nas Cabañas La Bella Durmiente, por US$ 80 a diária, cerca de R$ 250,00. Caro pra uma pessoa só, mas fiquei num chalé, com fogão pra cozinhar e geladeira. Os funcionários são muito atenciosos, sobretudo o Álvaro. Apesar de ter fogão, comi uma vez por dia no restaurante de dentro da hospedagem, bonzinho. Não recomendo a pizza, que me fez passar mal, por excesso de farinha, ou de gordura, sei lá.

 

Aluguel de carro, carona, estradas e povoados (e travessia dos Andes!)

Aluguei um carro em Santiago, para ir até Cajón e andar por lá. Recomendo fortemente. Não sei como teria sido sem carro. Não teria feito a metade das coisas que fiz. Me saiu a CLP 98.000 o aluguel, mais CLP 30.000 de gasolina, mais CLP 5.000 pra lavarem por fora, no final. O carro fica muito sujo, e a lavagem na locadora sairia a CLP 40.000.

A paisagem das estradas do Cajón é bonita. Vale a pena entrar nos povoados, em El Ingenio e em Queltehue, simplesmente para dirigir na estrada. Este último tem uma estrada linda, que margeia o rio (com plantas do campo) e termina numa propriedade privada, de onde se tem que voltar. Sobre essa estrada, no entanto, acho que dei sorte, porque não vinha carro nenhum na direção contrária. Se tivesse vindo, não sei o que aconteceria, porque parecia difícil dois carros passarem ao mesmo tempo. Mas dei sorte e não me arrependi.

Dei três caronas, e numa delas conheci duas pessoas que estavam chegando de uma travessia nos Andes, de cinco dias, caminhando! Elas tinham feito por conta própria, mas a menina me deu o contato de uma empresa que faz isso: http://www.crucelosandes.com.ar. Ainda vou fazer.
 
Caminhada, cavalgada, rafting e tuna

Fui em fim de março e encontrei pouco movimento, e a maioria dos restaurantes e agências de passeios fechadas. Também me disseram que fica mais cheio no fim de semana, enquanto que eu cheguei em plena segunda-feira.

Fiz caminhada e cavalgada pela agência (também pousada) Cascada de las Animas, e foi ótimo. Como tinha poucos turistas em Cajón, não conseguiram formar grupo para o rafting. A pousada onde fiquei conseguiu me encaixar na Chile Rafting, onde correu tudo bem. Acho que as duas eram das poucas empresas que funcionavam no período em que fiquei (fim de março, fora do fim de semana), porque, ainda no Rio de janeiro, mandei e-mail sondando várias empresas e uma minoria me respondeu. Fiquei seco pra andar de caiaque nas corredeiras, como fazia o cara que tirava foto da gente. Mas me explicaram que era preciso um curso de dez dias! Como insisti, me diseram que eu podia fazer, desde que soubesse desvirar o caiaque, girando sobre o eixo horizontal, sem sair dele. Eu ainda não sei, mas vou aprender.

A cavalgada que contratei foi de duas horas, até La Meseta, por CLP 23.000. Dei uma gorjeta por fora desse valor, pro guia, porque fiz o passeio sozinho. O guia me disse que a cavalgada de cinco horas, que inclui um churrasco, não faz muito diferença em tempo sobre o cavalo. Como eu estava sozinho, ele me deixou cavalgar em vários trechos, com curvas, inclusive, em vez de simplesmente trotar. Ele também arrancou do pé de cacto duas tunas pra mim, que são frutos deliciosos (parecem kiwis por dentro, mas são melhores), mas com espinhos pequenos, que são uma bosta pra sair das mãos. Eu sei, porque precisei passar pela experiência própria de meter as mãos nelas. Tentei tirar com pinça e com lâmina de barbear. Uma moça de lá me recomendou cera de depilar. Quase duas semanas depois, ainda tenho espinhos encravados nas mãos.

A caminhada foi de hora e meia, menos do que eu queria, mas interessante. Essa Cascada de las Animas é um refúgio ambiental e eles mantêm dois pumas presos (contraditório, mas explicável, pelo perigo pros turistas). Pumas são o mesmo que onças pardas ou leões baios, a depender da região do Brasil. Me custou CLP 7.000. Não sei mais quanto me custou o rafting.
 
Embalse El Yeso, Monumento El Morado e Baños Morales

Tentei fazer a caminhada para o Monumento El Morado, mas me frustrei, porque a entrada estava fechada durante todo o tempo em que estive lá, por conta de umas chuvas, com deslizamento e desastre, que tinham caído havia duas semanas. Apesar de já estar sol há vários dias, e de todos estarem achando o zelo dos carabineiros excessivo, ficou fechado. Então, não posso dizer nada sobre El Morado, a não ser que me disseram que é lindo.

Como a estrada para El Morado fica junto de Baños Morales, entrei para ver. Mas não achei nada demais. Nada que valesse ter levado a sunga que não levei. Parti pro Embalse El Yeso, este sim deslumbrante. O terreno é muito cheio de cascalho, num grande trecho de estrada de terra. Melhor dirigir com calma ali, pra evitar derrapar. A queda é grande. Vi um relato em que o cara disse que o pneu do 4x4 que o levou, furou. E vi outro em que o sujeito disse que descalibrou um pouco os pneus, para evitar que furassem. Eu ia fazer isso mas me esqueci. Ainda assim, meu Suzuki popular sem tração, alugado, deu conta do recado. Fiz isso tudo no mesmo dia, e calculo que dirigi umas cinco horas. Portanto, o carro é mesmo muito recomendável.
 
Baños Colina

Depois do rafting fui direto para Baños Colina, este sim bacana. Paga-se CLP 8.000 para entrar e ficar quanto tempo quiser. Ninguém me deu a menor pelota e, se não fosse por um casal que conheci no rafting, não teria sabido do funcionamento da paradinha. São cinco piscinas naturais. A mais baixa é a de água menos quente, e o negócio é começar por ela e ir subindo, para se acostumar com a temperatura. Quanto mais em cima, mais quente. Parei na terceira piscina, depois de fazer uma hidromassagem prolongada na primeira piscina, para aliviar as dores musculares do rafting.

 

 

Olá!! Muito bom o seu relato!

Estou programando de ir a Santiago em Setembro/17. Pretendo ir com mais 3 pessoas. Queremos muito conhecer Cajon del Maipo, de preferência de carro p aproveitar mais. Quero conhecer pelo menos o Embalse El Yeso e Baños Colina. Vc acha q dá pra fazer em 1 dia? Vale a pena ir até Baños Morales?

Outra coisa, estou pensando em conhecer algumas vinicolas no Vale do Maipo (Santa Rita, Cousi Macul). Será que vale a pena fazer o Cajon del Maipo em um dia, dormir em San Jose de Maipo para no dia seguinte voltar e conhecer as vinicolas?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bacana, visitei o Cajon em maio do ano passado, vale muito a pena. Eu não me arriscaria a dirigir sem o auxílio de alguem que conheça a região, pois a estrada tem trechos perigosos, ainda mais quando chove. Há agências que fazem o passeio, e não custa tão caro, coisa de R$160 por pessoa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, Glau87! Acho que é possível conhecer o Embalse e Baños Colina no mesmo dia, mas é bem puxado. Você vai dirigir o dia todo, e talvez não dê tempo de aproveitar direito os lugares. Em matéria de banho termal, melhor ir direto pra Baños Colina. Baños Morales não faz falta conhecer. Em comparação com o outro, é uma piscina de clube. Eu não vi problema em ir de carro, sozinho. Se você vai com mais gente, é ainda melhor, mais seguro. Você passa por uns pedaços com muita brita, perto de abismo. Tem que dirigir com cuidado, mas nada desesperador. Se chover, realmente fica perigoso. Mas, a julgar pelo cuidado que os carabineiros tiveram (até excessivo) em fechar o caminho do Monumento El Morado por causa da chuva que tinha caído muitos dias antes, acho que existe essa preocupação com segurança, de alertar, até de fechar os trechos perigosos. Abraço. Boa viagem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Amoni
      Pessoal, algm conseguiu  ou sabe como comprar o trecho Santiago-Calama pela Sky air lines ou Jet smart? Já tentei de tudo, sem parcelar, pelo site Atrapalo, colocando os valores em dólar...Não sei mais oq fazer, algm tem uma dica, solução que nao seja Latam Brasil?
      Obs: meu cartão já é lberado pra compras internacionais
    • Por Camilla Provenzano
      Oi mochileiros! Tudo bem?
      Procurei bastante algo sobre ficar hospedado em Valparaiso e Viña, porem geralmente acho apenas relatos de bate e volta! 
      Vou em janeiro pra lá, conhecerei Santiago inicialmente, mas a ideia é ficar uns dias em Valparaiso também, até para tentar conhecer algumas praias diferentes da região com calma.
      O que vocês acham de ficar hospedado em Valpo? Vale a pena? Quais praias na região vocês indicam? 
      Obrigada!
    • Por PerdidosNaTrip
      ~~ Chile é um país com muitos turistas e um fluxo muito grande de mochileiros, a maior parte da população do chile está em Santiago, e mesmo assim sempre encontramos mais turistas do que chilenos ... Mas existem muitas coisas que não tem contam sobre Santiago  No relato de hoje, dois fatos sobre Vida Noturna e Bebidas !
      Se precisar de mais dicas, pode me chamar +56931144094 ou seguir @perdidosnatrip
       Cuando Brazil se une a Francia, Chile, Colombia y Portugal, no hay nada igual
      - Algo que até hoje eu não me acostumei, são os Horários... 
      Aqui os horários de acordar, trabalhar, almoçar, carretear e dormir, são bem diferentes do que estou acostumada, eles são mais tranquilos, calmos e tudo começa mais tarde.
      Por exemplo: As 8h30 da manhã você não encontra quase nada aberto pela cidade, as coisas começam a funcionar depois das 9h, normalmente as 10h, creio que as 11h é o horário ideal se quer sair para comprar coisas por ai... O horário de almoço não é bem 12h como ai no Brasil, o fluxo maior é entre 14h-15h... e cuidado, muitas lojas fecham no horário de almoço! 
      E a vida noturna de Santiago, é algo extraordinário. Nunca fique preocupado de sair de casa as 22h e estar tarde, 22h é super cedo aqui, é hora da Janta, na verdade se você pretende ir por exemplo ao BellaVista ou a alguma Disco, nesse horário de 22h você pode começar a pensar em se arrumar, sair de casa 23h ainda é cedo. 
      O horário ideal, e que vai ter um montão de gente é depois de 1h30,2h da manhã, AH! Mas se você quiser entrar nas baladas sem pagar, saia do apê, ou hostal, antes de 00h, tudo é livre e grátis, mas a vida não é um mar de rosas,  tudo acaba entre 4 e 5h, não pense que vai ficar carreteando até o dia clarear! 
      - Falando em Baladas, aqui é proibido tomar Bebidas Alcoólicas pelas ruas, praças, parques, lugares públicos em geral e também andar bêbado, fazendo bagunça ou gritando pelas ruas.
       E não é só uma Lei, é uma lei que funciona de verdade, se os policiais te encontrarem na rua bêbado/bebendo, eles podem te levar para delegacia para prestar depoimento, podem te cobrar uma multa que custa cerca de 250R$, e dependendo do seu grau de embriagues podem te manter na delegacia por horas, até você melhorar ... e se você for roubado, e estiver bêbado, não conte muito com a ajuda dos policiais, eles não dão moral para turistas bêbados nem nessas situações. ãã2::'>
      O único momento do Ano que você pode beber na rua é no Ano Novo – alguns se aproveitam da exceção e bebem em excesso, não foi uma experiência legal passar meu Réveillon na rua --, mas okay, você também pode beber na famosa Fiesta Pátrias (#SuperRecomendo, se você estiver por aqui), nessas festas existem Fondas espalhadas por todos os parques da cidade, ali a bebida é liberada, tem bebidas tipicas maravilhosas e muita cerveja artesanal.
      Alguns estabelecimentos só podem vender bebida se você consumir;  na área de bares e baladas, você pode até beber, ali sentadinho na mesa do bar; e a maioria das lojas em bairros são proibidos de vender bebidas à noite ... Claro que tem vendinhas clandestinas pelas ruas, mas até isso é interessante, nessas Botillerias você não pode entrar, escolha a bebida e o senhorzinho te passa pelo portão. 
       
      O que acharam desses #RelatosDesconhecidos ? 
      Se você leu até aqui e gostou do assunto da um :'> LIKE   
      Ficarei feliz em saber que tem alguém por ai que está curtindo e sendo ajudado pelos meus relatos
      Um beijinho e BoaViagem
       

    • Por PerdidosNaTrip
      ~~ Em Santiago existem bares e baladas de todos os tipos e gostos, não tem como fazer uma listinha que agrade todos, mas farei uma listinha com lugares que fui para conhecer, algum deles pode te agradar... Se quiser saber mais me manda uma mensagem que posso te ajudar! +56931144094 @perdidosnatrip =)
       
       


      ~~ Tem tantos países e histórias nessa foto que dá vontade de voltar no tempo ~~
       
       Vamos lá ! No BellaVista você encontra de tudo um pouco, eu particularmente não sou a fã numero um de lá, devido a grande quantidade de bêbados e vendedores pelas ruas, mas o maior fluxo de pessoas está por lá, porque querendo ou não, é o ponto mais divulgado e conhecido da vida noturna !      Se quer Reggaeton no BellaVista, na rua PioNono, você encontra lugares como Campus Central, Espacio Harvard, Oxford, Bora Bora,  são baladas/bares de fácil acesso e muita gente sempre, e nas ruas ali por perto você encontra a Ex Fabrica, Club Chocolate são mais difíceis de entrar, mas são melhores também...  E claro tem o Club57, sou um pouco suspeita de falar de lá, porque sempre vou lá levar hospedes, eu amo aquele lugar, as musicas que são bem variadas entre reggaeton, eletrônica, funk, cumbia, anos 80, tem duas barras e a área vip excelente com mesas e sofás, com ela tudo lá fica melhor ! E trabalhei um tempo com eles, então caso queira ir, e não pagar entrada, me chamaa     Mas se quer outros tipos de Discos no BellaVista tem também, vá ao Jammin-Club se quer Reggae e Dancehall; conheça o Micro Club se quer curtir uma Musica Eletrônica; se é mulher e solteira, conheça o Club Burbujas; se é homem e solteiro, conheça o Diosas; se quer dançar/aprender Salsa, conheça o Maestra Vida....   Agora o melhor está nas baladas Gay Friendly, se quer dançar todo tipo de musica que existe e com gente que saiba dançar, conheça ao menos uma... Por ali, temos  Hangar,  Soda , Club Príncipe e a Bunker – essa é uma coisa incrível , não vou muito porque é grande e lotada, mas não perca a oportunidade de ir na Bunker em uma quarta-feira, a maior festa de estrangeiros em Santiago, acontece lá e nesse dia... E por favor, se for, me convide !    Em outros bairros, você também encontra discos/bares excelentes que agradam todo tipo de pessoas. Em Providencia temos : o Club Subterraneo, a Fausto, Jazz Corner, Ex Oz, EsquinadoSamba (BR) e  a/o Mito Urbano que assim como a 57, tem um espaço diferenciado no meu coração porque toda semana passava por lá ...
       
      Por outros bairros de Santiago, temos o Club Caleido, La Batuta, Teatro Caupolican, Club Matta em Ñuñoa, a Blondie e o Club Hipico na Alameda, Club Femme em Vitacura...
       
      E chegando a parte alta de Santiago, se estiver próximo a ela ou quiser conhecer, entre Vitacura e Las Condes acontece o melhor After Office - minha opinião, e temos lugares excelentes, como o Club Amanda, Sala Gente, Sala Omnium, Club Eve, MosaiCafé, e claro que a calle Isidora 3000 não ficaria de fora da minha lista, lá esta o primeiro hotel W da América do Sul, além de lindo com vista para a cordilheira, tem o Red20ne, o W Lounge e a famosa baladinha Whiskey Blue ! 
       
       
      Se você leu até aqui e gostou do assunto da um LIKE ^^ Se quer outras dicas me chama ou segue no [email protected]
      Ficarei feliz em saber que tem alguém por ai que está curtindo e sendo ajudado pelos meus relatos
      Um beijinho e BoaViagem  .
       
       
       
       
    • Por lucasmsilva
      Fui para Santiago em Junho/18 (24/06/2018 a 29/06/2018) e acabei esquecendo de relatar por aqui. Mas nunca é tarde. Meu roteiro foi:
      Dia 1. RJ/Santiago
      Dia 2. Santiago - City Tour
      Dia 3. Embalse El Yeso
      Dia 4. Valle Nevado/Farellones
      Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar
      Dia 6. Museus e Feira de Artesanato Santa Lucia - Voo Santiago/RJ
      O cambio estava  1/148 Pesos na Augustinas.
      Passagens: Uns R$800,00 pela Avianca, voo com atraso na ida. Refeição e Aeronave foi nota 10. Recomento a Avianca.
      Tranfer Aeroporto/Hotel/Aeroporto: Fizemos pela Transfer Brasil. Recomento, confiável e barato. Claro que tem opções mais baratos tipo onibus, mas vale o conforto. Busca no hotel com hora marcada e aceita pagamento em reais. Show de bola.
      Hospedagem: Apart Hotel Carlton House, Maximo Humbset 574 Centro U$ 26.00 pelo site Decolar. Hotel simples, café da manha simples, porém escolhi pelo preço e localização, já que só iríamos utilizar o hotel para durmir. Fica em frente ao Cerro de Santa Lucia e perto da Rua Augustinas, onde tem tudo.
      Seguro-viagem: Pela própria decolar.com, e foi super barato, acho que uns 20 reais por pessoa.
      Passeios: Agência Morande, fechados na Augustinas. Não conhecia a agência, acabei fechando lá na hora e não me arrependo. Super boa e o preço mais barato ou igual as outras agências, com diferencial que fizeram um desconto para fechar os 3 passeios e o atendimento fora do normal, ótimo. Os passeios foram: Embalse El Yeso: Para nós o melhor passeio, Valle Nevado/Farrelones: Bom para conhecer e brincar na neve. Val Paraíso e Vina Del Mar: Vale pela cultura e paisagens no caminho.
      OBS. Não lembro os valores exatos, mas acredito que todos não passaram de uns 140.000 pesos.
      Outros. Fomos em cervejarias (pois sou viciado em cervejas artesanais) a tarde/noite e alguns restaurantes temáticos. Museu da ditadura foi muito bom, City Tour etc.
      Comemos a Centolla no restaurante Ocean Pacific's. E comemos muito no restaurante La Piccola Italia.
      Dia 1 - Peguei o Voo Noturno para RJ-Santiago, atrasou e resultado, cheguei depois de meia noite, uma friaca do Cão.

      Dia 2 - City Tour e Restaurantes.

       

       



      Dia 3 - Embalse El Yeso


      Dia 4. Valle Nevado/Farellones

      Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar

      Dia 6. Cerro San Cristobal e Cerro de Santa Lucia, e restaurante Los Vikingos (foto de carne de cervo)

       



      Cevejaria Kross e Kustman

       
      Em resumo, o passeio valeu muito a pena. Santiago é uma cidade fantástica, bem limpa e segura.
      Observações
      DINHEIRO - Voltaria fácil. Único detalhe,  como nosso real estava desvalorizado, as coisas ficam bem caras, principalmente comida na rua.
      Saquei no santander de lá. Tem em tudo quanto é canto. Levei reais também. Melhor cambio, Calle Augustinas (tem que ficar procurando pq tem inumeras casas de cambio).
      VINHOS - Vinho é muito barato no mercado, encontramos garrafas por 600 pesos (aprox 4 reais). Mais barato que água. Como não gosto muito, comprei apenas alguns pra trazer. As vinículas não sei dizer se é bacana. Tenho amigos que foram e adoraram, mas como não sou fã nem fui.
      CERVEJA - Como prefiro cerveja, tomei todas que consegui. Não vou falar que é ruim porque não existe cerveja ruim, mais não são como as artesanais do Brasil que tem um padrão superior, é diferente.
      ÁGUA - As águas de lá tem gosto. Foi difícil encontrar uma marca que não tinha, mas encontramos. O jeito é pesquisar ou ir na tentativa e erro. Não tive coragem de ficar tomando da torneira (os chilenos fazem isso), o gosto é bem ruim.
      LOCOMOCAO - Só fiquem atentos ao utilizar uber lá. É bem mais seguro e barato que táxi, porém tem que ter cuidado pois os taxistas não aprovam e tivemos um pequeno problema ao pegar em uma avenida movimentada. Jogaram pedra no carro e quebrou o vidro de tras (o app uber me extornou a corrrida e me deu suporte - show). Eles percebem que vc entra pelo banco de trás e sabem que é aplicativo, entao, se possivel andem pelo carona no banco da frente, e ainda pegue em ruas menos movimentadas, longe de taxistas. Taxistas são "espertos" (troco errado, dao voltas, dinheiro falso) então como fiquei sabendo disso nem utilizei. Porém metro e onibus lá funciona bem, se for pra economizar é otimo.
      PASSEIOS - Todos os passeios saem bem de manha, mas bem de manha mesmo, entao nao da tempo para tomar cafe no hotel. Comprem algumas coisas para levar nos mercados e economizem.
      IDIOMA - Os chilenos falam muito rápido, é dificil no começo Eles são um pouco frios (é cultura, eles não são mal educados, só são frios) tb, entao paciencia. Já com os estrangeiros é tranquilo entender. Como tem muitos venezuelanos lá imigrantes é de boa. Em hoteis, normalmente são venezuelanos.
      CENTOLLA - Prato típico. Carangueijo gigante. Não é nada de mais, vale para experimentar, mais pra quem nao gosta de frutos do mar não recomendo. Até porque é bem caro (aprox 200 reais por pessoa em media)
      OBRIGADO A TODOS DA COMUNIDADE MOCHILEIROS QUE AJUDARAM.
      SE PRECISAREM DE ALGUMA COISA, É SO ENTRAR EM CONTATO. ABÇS


×