Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
mcm

Foz do Iguaçu, em 3 diferentes momentos

Posts Recomendados

[2004]
A primeira vez que fui a Foz do Iguaçu foi em 2004. Foi no período que chamo de hibernação do meu instinto viajante, foi num raro momento que consegui tirar férias. Fui sozinho, fiquei lá uns 5 dias.

Fiquei no Paudimar, acho que era o único albergue na área naquela época. Era isolado, numa área rural, de modo que havia até um ônibus gratuito para a população pegar de/para a estrada. O fato de ser isolado praticamente empurrava todo mundo que estava hospedado lá a socializar, que é o que ocorria toda noite depois da janta. Galera ficava nos arredores da piscina bebendo e conversando. Dei sorte de ter pego uma galera muito bacana por lá no período, eu era o único brasileiro em meio a diversas nacionalidades. Lembro de um cara do País de Gales que era professor e tinha vendido a casa para viajar pelo mundo. Lembro de dois ingleses com quem ainda me encontrei no Rio posteriormente e com quem mantive contato durante alguns anos. Lembro de umas garotas irlandesas que falavam um inglês complicado de entender, toda vez tinha de pedir para elas repetirem (ou era socorrido pelos ingleses que as entendiam). Eram as únicas pessoas que eu não entendia. Toda noite era bem bacana por essa troca de experiências, era muito bacana ouvir as experiências deles nas viagens que faziam, o que achavam do Brasil, Rio, etc. Foi ótimo.

Além disso, é claro, conheci o que acho que havia para conhecer em Foz. Parque brasileiro, parque argentino, Parque das Aves, Itaipu, Ciudad del Este (sem compras!), Mesquita (fiz uma longa visita pré-agendada e particular, e foi excelente para eu desfazer resquícios de preconceitos e conhecer melhor a cultura islâmica; foi das coisas mais legais daquela viagem), zoológico público, rafting no Macuco, etc. Cinco dias foi tanto tempo que eu me lembro de passar uma tarde lendo no albergue.

Lembro do espetáculo para os olhos que foi ver aquelas cataratas pela 1ª vez. Fotos, vídeos, nada disso é como estar lá e ver com os próprios olhos. Sentir o vapor, os respingos, ouvir aquele barulho das águas, ver aquele volume de águas, aquela .
 

 
PvLrdOvzwvdgXZqjyfKNUIBzAZ3XSpGBfQ6zRasrgo2Bs8kOGjzqSiWHdDAOABAPHAcd4GUkbRD40-IAJ5Y6B-jHaI9F8q_QEm9K3sTKdZo69cGmZUN9y7mLtOS-YNFa8CHRC96REW79Wfv2KE8G5m3f3Jt4b8zZABjlQ9u2zBqrlJFxqmKllp4XwWKQ7qN3nD63yZrG9DMcGoPlF1b0EqYu5NUBIYR_gJ7siaXyB90tWfJpmwcAr9Peo1PSyE9U7S6UDm3ghKDEu8UDPigtn2J1por3-3TfGigtpBsZ3xDCnsGR4goZN86tb_6Ty5DehHImfdNagAGRb8DLjSmFMJRFELrgMhFfOSioX1lvFDtMG8gudCEfFaqEbHd0vSedep_W6H_xuwyjtm44RaLBnLz4WQxuu5a1dYwKteUcUGudpmX4RgiRQBhtkTd4NFRdMwFUDBgfw-0ufTcHoVYOv9TOMmpDNjwQA4bNEoj5EFYB5QrKebpR-yJWCfOBUNYDCe6i_adbWi-vay6Q5OTj9wgJvOP_mm1FzcBYCO9ngmsg55mKCErgwv3-D46ZJ23CfR3ej0PWyNFkuTlrxymdhOn_ZmAoJIhFUcWL63HP=w534-h259-no
ZM-t5i3fEuEOtLwUMhN0fOtPwMj7dGNsVuYYZ72Va-lj3yp-a2K5f9U6UAyclXA_NYpxdFaGGzjCNVbaR00fB2llY-_8BAFPweh86kYSv8xDr5bZWxG4JCwSklp4pZ-SvFgCGfxzehgc8WUWp0HWqoj7k3LtiHbya2jQ-HTF1A0qxdPdWQ2mJjVlGH1ND8_KqZlAgqm3FcC-PD7qSUQ3wOqJc3oh5B2uTReNMSQDUaWDIU6R-Pc62N2Qb34XKyIMtMjPfRAKT2h2mkcD3h_8yGSz4XLSKU4O3bZCBhZ5gKg64IazRpa8lOSvVD8D3eNT9YtlHZjpUtlVB4fXygwLhWsyv7TjzfzSurSm1vIqV1NA8Y4JIBSa9gvVvAUEUMB8dFuhRWJM79Xzu6wxufSjaV7BVsK6YsyhveU29Q6SZfoiitI4jmUUBjU2xva9-fJBvhKZ6caIiv3vbr9NCxk7_dzbabJWdYylY-In4S3QHTu7o-Gw8E4cZHKEAZ0PIKijWA1JOaC8aKHgTNtXlrz3RLqk-M8rksXLQA-zuC_khYTi4kjtI-Tj2RXqzIrsUrprH_FmcARAGbzJwYxUx538RZcGOL9pJjOGjHpOu-7t=w1024-h768-no
As Cataratas em 2004

Lembro de como visitamos o lado argentino. Era um ônibus particular de um argentino que fazia esse serviço para o albergue. Ele levava de manhã, organizava a parada toda na fronteira, e trazia no fim do dia. Ainda parava em algum canto de Puerto Iguazu. Mas a lembrança mais divertida era ele, naquele dia em que nos levou, zoando geral na Argentina pq o time dele tinha ganho na noite anterior. Provavelmente era Boca x River, mas realmente não me lembro. Sei que ele zoava até os policiais e caras da imigração, passava por eles buzinando e cantando vitória. E a galera recebia numa boa. Divertida e sadia, como deveria ser a rivalidade.

Lembro de como eu me senti bem fazendo o rafting pelo Iguaçu. Foi uma esbanjada na época, a segunda e última da viagem. Tinha sobrado orçamento, então decidi esbanjar no Macuco e escolhi o rafting. Já tinha feito o Gran Aventura (a outra esbanjada), então optei por um passeio diferente. A lembrança que ainda tenho descendo o rio nadando (depois do rafting tem um relax) ao redor do bote é deliciosa. (Era 2004, as câmeras digitais ainda eram relativa novidade. Não havia fotos na água como hoje.)


[2014]
Dez anos depois voltei. Fiz anotações na época, mas nunca publiquei o relato, então agora vai.

Soube que empresa para a qual eu trabalhava iria enforcar Corpus Christi. Entre as opções, acabamos escolhendo Foz do Iguaçu, que eu já conhecia, mas Katia não. Seria legal rever as coisas 10 anos depois.

No entanto, o Rio Iguaçu havia sofrido dias antes com uma das suas maiores cheias naquele período. O lado brasileiro tbm teve várias passarelas fechadas. Quando fomos, a cheia já estava diminuindo e os parques estavam abertos. Ainda assim, o volume de água estava muito alto, a água estava bem barrenta, e algumas poucas partes do lado brasileiro estavam fechadas. Do lado argentino o estrago foi bem maior: todo o circuito da Garganta do Diabo, principal atração do parque, estava fechado. Várias passarelas tinham sido destruídas pela força do rio. Outras partes do Circuito Superior tbm estava fechadas. Não ver a Garganta de fato diminui a experiência, mas o espetáculo da natureza no Iguaçu prossegue esplendorosamente espetacular.

Naquela vez optamos por passar duas noites em Foz e duas em Puerto Iguazu. Seria interessante conhecer a pequena cidade argentina, bem menor e mais pacata que Foz. Ficamos na Pousada Natureza Foz e na Iguazu Royal (ambas com custo-benefício muito bom na época). Era meio do ano, fazia frio. No feriado, fez bastante frio, chegou a bater 7 graus de noite. E dessa vez alugamos carro, optamos pelo conforto (e agilidade).

No 1º dia fomos para o Parque Nacional do Iguaçu, +- na hora de abrir. Deixei o carro em frente ao Parque das Aves e logo fomos abordados por alguém. Escolado pelo assédio constante da Índia (que havíamos visitado meses antes), já meio que repeli, mas o cara era um agente oficial de turismo (ou coisa parecida), deu boas informações. E nos vendeu uma capa de chuva bem guerreira (a um preço mais baixo que no parque).

Percorremos o parque todo, revi toda aquela maravilha, tomamos muito banho de água (gelada!) devido ao ainda alto volume, ao vapor.

bL_h2bIY38FaOVlrDlkAIfluupVU_2zERHdVjtdZkSmCXZZ_FwFBQKx9CNKQZs3371CgI54IW61hMfMDAIbSAWjtexS-frEUi8j5TttUJamnGyj2vH2KdfQLqv2HkyxUWHVlRzKqHXyMUYN1Ssu19haV9YNReKGxjTpNhlDwDcLo3EEtR4jXLV4JBZk4vZWVRcMZtvl-St8u0fB4u7-CtOsYTjY6MblYMQwnssCyAnXO10EX-8cai_XqXtuFuiTxJxORVOkF1IZ9JEiiZG-FTpJi4QwdXfnMiepT5j6jF-dF31xq9aDonp_X8l_8zpavKy327q9vj0WoHDlMibT9cx02hW6s2fzv7BbLXC2Enn5lDzzEigOJkKScq9_8VeroomhCMNXZlevYYf_wmOkbqvV6r6ZA1ufX5v8phnvqSO1Tq75FGEuGuPow4Pxge5lpDDfo6CfxwpTrGQh1BxzgLIUozSkqGN8JUhA958AYkLm7cJtSOzxaxp_l2fMLNfzPKsf2OpTZ5mIN7j-9gWmk1TAQjeY3iSw8bDJo8p1K9cEUPb5cGig1w8eU0wheV4JtpG3PCm3ooMvdApWmsY6w1GTjT1dVTjw4waIzOuuQ=w1923-h424-no
Era muita água

Fui conferir no Macuco se ainda havia o rafting que eu tinha feito dez anos antes. A galera informou que só o passeio de barco do Macuco que estava rolando, todos os demais estavam suspensos e/ou cancelados. A cheia devastou a plataforma de rapel, por exemplo.

Optamos pela aventura do Macuco. O passeio do lado argentino (Gran Aventura) me trazia ótimas lembranças, seria legal ver agora do lado brasileiro. E foi mesmo muito maneiro! Ainda que eu tenha ficado tremendo de frio com a água gelada no corpo. Teria facilitado MUITO se eu tivesse levado uma toalhinha para me enxugar!

VlOImWO-pTidwy7G2n6xL5yloWUqud-bl1o3T8CtAt88vwNk6Usb_C_Iw2OvNGbRUi2eupx3ALCs3JzqGtbC6cWqFXKSSl3lowjNz8FzMUp3E9OU-EwkIJO0fvsC7WtIkdSjpaP2_k5EVkE9g6SmmmbytYYL0w9iz7RTcUeHDGYoPAOQGk8cQ7ZqwTg6h17mhXrwH55scWCQlxlNJbDZtVY4IHN9MAX19chSMaG4B3_NZVVaOQobcKNR28f8VhYkS5VwYwagCQENAyRDWmnZqWlkaudmbInRBmY6URYmeijLsLqgz3VlPU03A7KdNPQqBJn5XyAMJ8WbEWpwiNpOmpRUk7M7Qe3tjJ-geYmh8vNsrSRO5wWB2z0nB8kDyEmx4OPC5zgQHw5j0xzleu9k7fNJ57DvfLJ35N_rmk715Qe7iJq1G1ELlmBmuJukUJbLQfSnf4EAd6ZnB3qqAQS8N-m7nskSG3NV7Mu7otl7bAA1NLUMKNRZCBOv0U0VOrv21HeOolyd0aLsporVvh7-qNZwAXdnaRp2HeW65qg_U1zRDGwD9P4k2PWOHaGRZjVaPV923HVBh4RT_G8FjeC7mpbHhXuFIQQAQ08Zk45B=w1239-h929-no
Macuco rumo ao arco-íris!

Encerrado o parque, fomos realizar o grande barato que tínhamos programado para a viagem: fazer o passeio de helicóptero. Caríssimo, sem dúvida. Se vc tem algum medo, entendo que é igual a mergulhar de muito alto: melhor não pensar muito. Ande, pule e pronto. Pague e curta. Depois trabalhe para pagar a conta do cartão. A memória será eterna. Ao menos enquanto durar – e a minha dura até hoje. Cada dia que passava nas semanas e meses seguintes eu tinha uma lembrança cada vez melhor daquele passeio, que dura míseros minutos, mas que sobrevoa as cataratas dos dois lados. Sublime. Tranquilo. Inqualificável. E o melhor: já nos esquecemos de quanto pagamos.

ds_yQkVAH7sWsNu3PuCvYvpmRyesN6jhiX5p0TNG4Jy-gzgNeyHzdVz6CDFHb9YU8q2cKLL4QLwUhWRnzwBYiHbay4lAs5FrhFceSRICtb22gNpwOVKYS7MehU7v8_t9MtVzMFFArpCh_kGSDi7F5wDyZ9nnyNHsDFZgdUMRyxhpTgUBNqNnvLUKYbbEn4SIo-6X9E6swqoBUSJYUmhS-ZDCh4IrDveMI3dkJ5WQsMCLCfemzz1QVxTd5SoKkatD8l1VfYtVBg3OZbq4lMFLyrhRdpymeq5mdZZV0hGpkgYmeonJ9Ro7z7PSUtu2UUdMSEEx3oz7Za-SKG2llWkB5Whxz7-8_YOHDlmdBFF_Q0EdybD5Na1IR8S3DPs1xojDAxfewi2DWdQ2goQtKSIcdCJA_xwSC-xD4Ws2BNYUDEJo9cjQcmFlcMVmkdidbU1ZTF8SZZdhzVcOcFfMwYePrsysalE8LoERFPbqMlgc4VhWHUhqftgXK2bx3iNyKeWhiTQxnbzi-nHjK18zUoTbncRAauIjVXytLJ2u1jVRtvMnczgQSFB0Jg8rRPhs7kie-uXFIwg7Se_dExWHCc1eyVTw4NcTQ4OyjA1SnkLx=w1239-h929-no
Inesquecível

Lembro que o que eu mais queria fazer quando acabou o voo era... fazer o voo novamente. Mas aí o bom senso prevalece, claro. Atravessamos a rua e fomos no Parque das Aves. 

Eu também tinha ótimas lembranças do Parque das Aves, mas achei que foi ainda melhor. Maravilha de lugar. Ficamos lá até o parque fechar e a galera nos intimar a sair. Era época de Copa do Mundo e, na saída, o Uruguai derrotava a Inglaterra.

Ou seja, num dia inteiro dá para conhecer o Parque, fazer o Macuco, sobrevoar de helicóptero e conhecer o Parque das Aves. Sem pressa, nem correria. Basta pular o almoço. (mas, claro, isso sempre vai depender do ritmo de cada um)

Encerramos o dia jantando muuuito bem na Vó Bertilla.

No 2º dia fomos cedo para o centro da cidade. Arrumamos um estacionamento por lá, negociamos o preço por algumas horas e rumamos para a Ponte da Amizade. Dez anos antes eu fui ao Paraguai para conhecer. Fiquei basicamente ali na entrada de Ciudad del Este, entrei em algumas lojas e shoppings e não comprei nada. Fui muito assediado nas ruas, me ofereceram até revólver (!!). Mas cruzei a ponte de volta sem nada comprado. É raro eu comprar coisas em viagem.

Dessa vez o espírito era semelhante, era mais para ver. Com a diferença de que eu queria e comprei um ipod, que tinha realmente bom preço por lá. Achei Ciudad del Este bem melhor daquela vez. Menos zoneada, menos gente assediando. Fomos, passeamos, curtimos, voltamos. 

[O ipod era original, mas durou pouco mais de 3 anos somente, o fone esquerdo pifou meses atrás. Fui na Apple, que me ofereceu trocar por outro (não consertam) por cerca de *800* reais. Deve ser mais barato comprar um novo, sem trocar. Enfim, adeus, ipod (e Apple). Comprei um sandisk por 200.]

Ainda conhecemos o Templo Budista. Esse era um lugar que eu não tinha ido da outra vez. Muito bacana, muito bem cuidado. Curtimos um bom momento. 

lWCb__PA2-9Nv0_fZZIArbB4irTa7z_bxUymQD4x9KdJ1pee-WI73y5vUvhKTdSknYZRU4e7OTF4IcaQL1IYCXlr9VrxeO9ASkLqTIzShP5sjiFJvTPA--cXQpCOdczLBaRm4BeJY0-wFNRUbpwd7Soz_JAb6OaJRLxDDRTprKP6dZs5Jals5P65T6xw0SI5bp-0w3p8TFPK-_ccIHocGX1ulfkWpEWPrbF9PNdQ2k5RK-sxuq31vvVR4aVfptt3T5OxVFFdmFigrtf-d3m1I2NGxIw9aA3fnCRT4QoZX6yeK05HHZw7uefFk4UBfItIqWqnPchx7jRjQeX_GSdIWYWQCBsUjb9DywuU0fCZvOHT1mPG1etzzC9cFBE7Ez6-HxuS-arLrYinDdqMdWbtdFG8Ar7ytcGR4CnYCVOhEJVP0zNpooc2hz_VNgm8i4kYwu5fNt-X6gYV6bDQxm5umf6vwpDuNoEXe4REczrBUsCPLS8YYSBOPOxl_MEXWH_aSSw2POIOLWfQ9JgqkB14TvK7tmiJqcYmQO4C4e-YzrKxMWQuNalvcHcBIiEX3fwg39Up9FsVNIlg5ZEWttV_KZCA97053Bncs6I96wAU=w1239-h929-no
Templo budista em Foz

Katia não tinha interesse em visitar Itaipu e eu já tinha ido da outra vez, então descartamos. Próxima parada era a Mesquita Muçulmana. Dessa vez, no entanto, a mesquita estava fechada para visitas naquele horário. Apenas observamos de fora.

Já era meio de tarde e já não havia mais o que fazer em Foz para o que havíamos planejado, então partimos para Puerto Iguazu. No caminho passamos no Marco das Três Fronteiras, que estava bem vazio. Pareceu meio largado.

Sair do Brasil é mole, não houve qualquer barreira. Entrar na Argentina é mais sacal, tem de abrir a mala, ficar na fila para passaporte etc. Mas não durou tanto. Ainda passamos no badalado Duty Free, que não achei nada de mais. 

Em Puerto Iguazu, fizemos nosso check-in na pousada e ficamos batendo perna pelo centrinho, conhecendo a pequena cidade. É pequena, beeeem menor que Foz. Aconchegante. Fomos no bar de gelo Icebar Iguazu, que é bem divertido. Você fica uns 20 minutos lá dentro (é frio pacas, não dá pra ficar muito mais que isso, mesmo com o casaco que eles dão) e pode beber à vontade. E se divertindo com o gelo e tudo mais.

SZQx3ChIkbaPxu2iKTlW9vctiRHOO9c2WCtApj5WJallkSn_lVk-_A3Of8DyB0ymhPblALMJgw1WaREYk4tZKp2WI6A3pxNQPV8n1BwSWed2JrbcZwp0TCEHFBhug5p9JZTa57r4dKPbuNWA29thbqhi7Kd4INmqncZwQkKeHp5e7jeIUOVGTNaesIASyZyYE4RAS5hHvaQYZjRs00-zgIsbzwEaA1G9zw3OD_PqOI5BOnRNdlCCi7Qoo0_xTBQZPsco4xYoKuJ_8G_O3oaJp7-Cino8BECQmKH8OrEXRESbBX7FEfkakItZXkO_xE82F4xG-UPunA_Nx3Bw7ANh4FSZcT5BcrgtQb2FEOMV0Xky41JPi5-lYhcogOiyL_B3T0CGZGtrKjW9XFut2kBH1O_-eCiu4s0MoWnPiPBursDp8RD9RgoMEHHOrsWlROS7MdcuEq4LCQfvUqY-i0MEBG62sVQMpykUIVcF-mMqjNOFq8xmPon7_Zl9Mm0uLOIOt-qlVuOTMtkGtpejroqg61cNId0QfthUIJllAflDhcTnE2yr34r3HQS3OMPHR2Focr1an2m3pgTO58VFCW0wxWrCBNMPCUiUMwGNrSse=w1239-h929-no
Relax no gelo

O 3º dia foi dia de conhecer o parque argentino e lá fomos cedo pela manhã. Mesmo cedo pela manhã já havia um monte de grupos organizados (o que acaba impedindo o livre trânsito nas passarelas) – acho que deve ser melhor na hora do almoço. De qualquer forma, nos saímos bem, percorremos todas as passarelas abertas daquele espetáculo. Lamentavelmente diversas passarelas, incluindo todo o circuito da Garganta do Diabo, estava fechada por conta da destruição da cheia. Curtimos o que foi possível. 

JWW9rw1MLnoxguE--AiPW05rvNQaxFGnINFjxypkgoV9UHbt8W4tnjLMgTF4_ZsJ2u-2JWnHmzuBO32gXRKp6vEs8cqz8fsTQ0nF1vJ5Xb-eWoqmwJOpD-3tA4AWy4t5sPiyw5cmntQBfqXDjYlg7Yjhno4hpYA7_C42Ftqz0i9RDy5UNY92vV2WUBKmCQPl6finh0fUCgmLXM4clhIeCDBRmqQCvAdxcJkp8AEDzYhgTGbDJf6ODKXb9lRdV5-FGjWsbZRSYblWW0X719Jq32-6ebi4mBSDv30G546yTZ48RdP4ME0GFYVH7ExcBi_9uoz_gYNk_HiEdPnzPkZlv8A3mKSJ5zGcT68MXHpaFO16zNDirt3psRPnbBH6SHNnxke1MBjGUvv1F2ektwzRU0pPr-Gh0ZdaEv5JY7YDAzvrtMxPaYX7FIXQ8keZ2lD1zSfmQw8OaRIE61hvvokEHE0xQvbknx1IdHNwiCklH7qUEUF6SWL6Dq_dSypFiUeoGLhLHxAqQJ51qgcTZCpPSD2i8GyB6VnaI95PY4uLWSMjhL-Bjv_4cb6y2W07qoNNIgZnJ6b_E-NokoADyySBJZxBe4m1As3MIuXeE3c=w1488-h560-no
As águas barrentas pós enchente em 2014

Com tempo de sobra, fomos fazer a trilha do Salto Arrechea, que era algo que havia me faltado dez anos antes. Foi legal. Na volta, chegamos a tempo de ver o final do jogo entre Argentina e Irã, quando o Messi fez o gol da vitória nos minutos finais. Festa argentina na Argentina!

Rumamos de volta a Puerto Iguazu e vimos que rolava uma festa local em função do jogo. Uma ou duas ruas estavam fechadas e a galera se divertindo. Uma das ruas fechadas chamava-se Av. Brasil! Muita gente celebrando tomando vinho, e não cerveja.

No 4º e último dia fomos conhecer o Marco das Três Fronteiras argentino. Não há muito o que inventar com essa coisa de marco de três fronteiras, mas o do lado argentino naquele ano era muito superior ao brasileiro. Em termos de acesso, manutenção, atratividade, etc.

Dentre as atrações que havíamos listado, fomos conhecer Guira-Oga. Foi muito interessante. Não é um zoológico, é um abrigo de animais que são encontrados. Atropelados, mal tratados, ilegalmente vendidos, etc. Ótima visita. Fomos guiados por um argentino que já viveu em diversos cantos no Brasil, então ele sempre conseguia traduzir para o português o nome dos bichos de que falava. Mas o tour era em espanhol, numa boa.

Almoçamos em Puerto Iguazu mesmo, e confirmei minha impressão geral dos restaurantes badalados de lá: todos bons, mas em Buenos Aires comemos melhor e por menos. Seguimos de volta para o Brasil para nosso voo de volta. Ainda passei no albergue Paudimar para rever o lugar, dez anos depois. Estava vazio quando entrei, mas foi muito bacana rememorar.
 

[2017]
Desde nossa ida a Foz do Iguaçu em 2014 que ficou no radar de voltar lá. A cheia da época trouxe limitações em ambos os lados. Faltou sobretudo a Garganta do Diabo. Enfim, rolou promoção para Foz, com voos diretos e ótima logística, e compramos. Foi para o começo de dezembro. Dessa vez um simples fim de semana (e é suficiente!).

Chegamos a Foz na sexta-feira de noite. Ficamos dessa vez no Blue Star II, com uma ótima promoção pelo booking de 80 reais a diária. Hotel bem simples, custo-benefício excelente. Aproveitamos para curtir um pouco a noite ao redor tomando umas cervas no Guns’n Beer. Boa vibe. Fazia muito calor em Foz naquele fim de semana.

O plano dessa vez era um dia inteiro para o lado argentino e outro dia inteiro para o lado brasileiro + Parque das Aves.

Sábado acordamos cedo e partimos logo depois de um rápido café. Saímos do hotel umas 7:30. O parque abre às 8hs. Tinha a dica de fazer câmbio na casinha onde vende a carta verde, no acesso para a Argentina. De fato, o câmbio por lá é bom. Estava pouco mais de 5 por real e 17 por dólar (especificamente no dia 09/12/2017). Trocamos 250 reais. A entrada no parque para cada um e estacionamento já somam a bagatela de quase 200 reais (400 ARG para cada para entrar + 100 ARG para estacionar). Trocamos 50 a mais para comprar água e etc no parque. Dados os preços, teria sido consideravelmente melhor levar água. Não comprei carta verde. Ultimamente todos dizem que é necessário em qq ocasião, mas entendo que só precisa se vc entrar mais de 50km na Argentina. Em 2014 não comprei, e ficamos 2 dias em Puerto Iguazu. Não comprei dessa vez tbm. E nunca me pediram por lá.

A saída do Brasil na fronteira foi sem qualquer checagem. Seguimos direto. Entrada na Argentina foi rápida tbm. Tinha uma pequena fila, mas acho que não levou nem 10 minutos. Identidades, “vamos somente ao Parque e voltamos hoje mesmo”, cadastra, ok, liberado. Aduana idem, nem inspeção teve dessa vez.

Já dentro da Argentina vimos uma fila monstra que se fazia para quem saía de lá. Looonga, bem longa. Deu medo de ter de encarar aquilo na volta.

Já dirigindo em direção ao parque... vi que o celular marcava 7 e pouco da manhã. Putz! Esqueci do fuso! O parque só abre às 8, eu achava que chegaria lá um pouco depois disso. Enfim, chegamos antes de abrir. De qq forma, a estrutura já está pronta, estacionamentos funcionam, alguns funcionários já estão lá. Alguns grupos chegam antes tbm. Bilheterias abriram um pouco antes.

Assim que entramos, fomos direto para o trenzinho para ir direto para a Garganta do Diabo. Foi o que nos faltou da última vez, era o que queríamos conhecer. Fomos nós e todo mundo daquela primeira leva. Trenzinho saiu lotado.

Fazia um lindo dia de céu azul, e muito calor. Foi assim por todo o fim de semana. Obrigado, São Pedro!! Fomos andando pelas passarelas até chegar no mirante da Garganta e curtir toda aquela grandiosidade. Subia um vapor forte que nos molhava de vez em quando. Molhava, mas não encharcava. De modo que era tranquilo prescindir de capa de chuva. O vapor refrescava, na verdade. O vapor tbm impede que se veja o fundo da Garganta, tamanha é a quantidade de água descendo ali. Curtimos aquele lugar durante um longo tempo, em cada canto, por mais de uma vez. Mais que bonito, é grandioso demais. Pássaros voam nos arredores e entre as cataratas. Helicópteros sobrevoam. E a água segue. Voltamos.

Voltamos, e pegamos o trenzinho de volta. Próximo passeio foi o Circuito Superior. Outro que tinha alguns acessos fechados em 2014, algumas passarelas tinham sido danificadas pela enchente. É redundante chamar de espetáculo o que se vê nas Cataratas do Iguaçu. O circuito é uma agradável caminhada por passarelas e sucessivos mirantes de cataratas, cachoeiras, saltos, rios e etc. Cada um mais belo que o outro.

Completamos o circuito, fizemos uma pequena pausa para reidratação, e seguimos para o Circuito Inferior. Outro redundante espetáculo. O que víamos de cima, agora vemos de baixo. E não necessariamente as mesmas coisas, mas há interseções. Completamos e retornamos para a área de comidas, para mais um relax. Lembro que foi lá que vimos o gol do Messi em 2014. Não eram nem 14hs ainda. Ou seja, 6hs para conhecer, e bem, o lado argentino. 

Um lugar que eu queria conhecer, mas acho que nunca vi aberto (realmente não me lembro de 2004) é a Isla San Martin. Do que eu vejo de longe, parece fechado há tempos. Mas esqueci de perguntar.

Depois de uma nova pausa, tínhamos a opção de refazer uma trilha do Salto Arrechea, mas achamos que não valia a pena. E Katia não queria fazer aventura náutica nenhuma.

Então decidimos voltar à Garganta para ver novamente aquela imensidão, agora com outra luz. E lá fomos. Muito menos gente no meio da tarde. Muito mais quente. Bem menos vapor. Se as passarelas estavam molhadas de manhã, agora estavam secas. Curtimos ainda um bom tempo e encerramos nossa visita.

25018331_791125451075267_7674967448256249856_n.jpg
24838648_149998122307792_6691842695398162432_n.jpg
25006981_188014941777989_888071719233781760_n.jpg
O lado argentino

Ainda paramos em Puerto Iguazu para um almojanta, que reconfirmou minha percepção de anos antes: é bom, mas em BA é melhor e mais em conta.

Retornamos para Foz. Nada daquela fila monstra para sair da Argentina. Amem! Saímos rapidamente, nem fila tinha. Ainda perguntei para o cara da imigração sobre isso, a mega fila de manhã, se era galera indo para o Paraguai (?!), mas ele disse que não fazia ideia do motivo. Na entrada do Brasil, passamos direto novamente. Ainda ficamos de relax no Falls, uma área aberta de lanchonetes em estilo foodtruck antes de voltar e dormir.

Domingo saímos um pouco mais tarde, direto para o Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro. Tinha uma mega fila para comprar ingressos. Mas havia indicações para comprar nos totens de auto-atendimento, com cartão. Lá fomos. Tinha fila também, mas muito menor. Compramos e entramos. Tinha fila para pegar o busum, mas andava rápido, saía um ônibus atrás do outro. Era outro belo dia de céu azul.

O ingresso do lado brasileiro é beeem mais em conta que no lado argentino.
Brasil = 36 BRL
Argentina = 400 ARG = aprox. 80 BRL

As coisas dentro do parque tbm são mais em conta no Brasil, ainda que caras. Mas já compramos algumas garrafinhas de água no lado de fora (3 por 5!).

Pelo que vi em cartazes dentro do Parque, agora o Marco das Três Fronteiras é pago. Não era das outras vezes em que fui. Nunca achei nada de mais por lá, custo a crer que valha a pena agora. Mas não sei as atrações que criaram para cobrar ingresso. Cheguei a pensar em ir lá no dia anterior para o ver o pôr do sol, mas deixei passar. 

De ônibus o habitual é descer em frente ao Hotel das Cataratas, que é onde começa a trilha até as cataratas. O impacto é crescente, vc vai chegando cada vez mais perto das quedas. É o jeito adequado de se conhecer aquele espetáculo, parando pelos mirantes ao longo do caminho. No entanto, como já conhecíamos, optamos por descer no final, no restaurante, e fazer o trajeto inverso. Do ápice para o começo.

A área do restaurante estava vazia. É bacana ver o alto do rio, antes das quedas, ainda aparentemente calmo. O mirante da Garganta do Diabo, do lado argentino, ali do outro lado. Fomos então no sentido inverso, e aproveitamos que o mirante do elevador panorâmico estava bem vazio. É um ótimo visual dali do alto. Observa-se as passarelas, as quedas e etc.

Fomos nas passarelas, que estavam fechadas quando fomos anos antes. Havia vapor, mas nada que encharcasse. Novamente achei que era desnecessário ter capa de chuva (fora do parque vendiam capas por 6 reais). Curtimos um longo tempo. Acho que o visual do lado brasileiro permite ver melhor o cânion que é formado pela Garganta do Diabo.

Depois seguimos a trilha no sentido inverso. Era domingo, havia muita gente. Em sua ampla maioria, grupos de excursão com crachá de identificação no peito e/ou seguindo o guia de bandeirinha ou guarda-chuva para o alto. No lado argentino tbm tinha muita gente.

25010541_912013402281612_2600646201451741184_n.jpg
25008870_392616391177906_71270193388584960_n.jpg
O lado brasileiro

Desconheço Parque Nacional brasileiro melhor estruturado do que o do Iguaçu. Aliás, custo a me lembrar de algum PN brasileiro que chegue perto em termos de organização e estrutura. Também desconheço um Parque Nacional que tenha mais visitantes que lá. Ainda assim, entendo que destratamos nossos vizinhos próximos, que são, de longe, os principais visitantes estrangeiros do Parque: o áudio do ônibus é em português e inglês somente.

Além disso, presumo que o país perde provavelmente uma boa receita com a exigência de visto – presumo que muitos turistas estrangeiros que estão no lado argentino deixam de visitar o lado brasileiro por conta da exigência de visto. Mas essa é outra (e longa) história.

Encerrada a visita, pegamos o ônibus de volta e fomos para o Parque das Aves. Acho aquele lugar muito bacana. Entrada mais cara que o Parque: 40 BRL. E muitos bichos para curtir lá dentro, muito bem organizado e tratado. 

Eram pouco mais de 16hs qdo encerramos nossas atividades do dia. Nosso voo era somente às 19hs e alguma coisa, então dava tempo tranquilo para um clássico almojanta. Das dicas nos arredores que tínhamos, fomos conhecer o Recanto Gaúcho. Chegando lá, fomos informados que o almoço já tinha encerrado, então partimos para o plano b, que foi o Cantinho da Lasanha, lugar simples e saboroso que nos satisfez bastante. De lá fomos para o aeroporto.

E assim foi mais um fim de semana revendo algum lugar pelo Brasil!
 

Dicas gerais sobre Foz:
- Tem 2 dias? Um dia para o lado argentino, 1 dia para o lado brasileiro + Parque das Aves (e ainda dá para voar de helicóptero!).
- Tem mais dias? Tem Itaipu (hoje tem muito mais atrações do que quando fui), Templo Budista, Mesquita (verifique horários e como visitar). Tem atrações em Puerto Iguazu. E agora tem Museu de Cera em Foz (não fui). E tem Ciudad del Este.
- Ciudad del Este é um mercado brasileiro no Paraguai, para brasileiros. Se vc for a Assunção, verá uma vibe completamente diferente.
- No lado argentino, entendendo que o ideal é deixar o principal para o fim, então deixe a Garganta do Diabo para o fim.
- No lado brasileiro, desça do ônibus na altura do hotel das cataratas (salvo engano, é a parada da Trila das Cataratas), e siga a trilha.
- Eu acho muito bacana os passeios náuticos, seja o Macuco brasileiro, seja o Macuco argentino. Escolha um e seja feliz. Mas tenha em mente que vc sai encharcado: o barato dos passeios é justamente chegar bem perto das cataratas (das menores, claro). E no inverno a água é gelada.
- Verifique o fuso horário da Argentina, para vc não chegar antes de o parque abrir!
- Carta verde? Vários dizem que precisa para entrar na Argentina. Nunca comprei, nunca precisei. Fiquei 2 dias em Puerto Iguazu uma vez, com carro alugado no Brasil. E fiquei um dia inteiro no Parque agora. Salvo engano, precisa de carta verde se vc for 50 km adentro em território argentino. Se quiser comprar, vendem a 50 reais.
- Faça câmbio antes de chegar ao parque argentino, só aceitam cash e moeda local para pagar a entrada e estacionamento. Lá dentro aceitam real e dólar a um câmbio justo. Em Puerto Iguazu o câmbio dos restaurantes é variado, verifique antes.
- Fui em alguns dos restaurantes badalados de Puerto Iguazu e acho que, embora bons, não compensam. Acho que como melhor e por menos em Buenos Aires. E em Foz. Mas muita gente discorda de mim, então essa é uma avaliação bem pessoal.
- Tem promoção de pagar metade no 2º dia, se vc ficar 2 dias no parque argentino. Eu não vejo motivo para 2 dias no parque, salvo se for para repetir passeios, ou fazer todos os passeios cobrados à parte. No meu ritmo, conhecemos todos os circuitos (com calma e muita contemplação) em cerca de 6hs.


 

  • Curti 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Marco das Três Fronteiras passou por uma ampla reforma e ficou muito bonito, tem um restaurante excelente lá, que ao por do sol é simplesmente fantástico, inclusive alguns shows noturnos para os turistas. Valeria a pena ter ido, a administradora é do Grupo Cataratas.

 

  • Curti 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por felipenedo
      Olá Viageiros!!!
       
      Vou contar um pouco da minha passagem por Riga, capital da Letônia, que foi o início da minha viagem pela Europa, que ainda teria Ucrânia, Polônia, Alemanha e Holanda.
       
      Para mais detalhes e fotos, visitem o meu blog:
      www.profissaoviageiro.com
       
      Agora uma novidade: Um novo canal no Youtube com todos os vídeos das viagens e muitas outras coisas que pretendo mostrar por lá!
      Youtube: Profissão Viageiro
      Agradeço muito quem puder se inscrever por lá!   
       
       
      Então, eu não sou um cara muito Europa para falar a verdade... Acho que lá o turismo é mais fácil e quase tudo que eu faria lá agora, posso fazer quando estiver mais velho.
      Já outros lugares do mundo, ou é agora, ou provavelmente não vai rolar, pois exigem mais do meu físico e capacidade de me adaptar aos lugares.
       
      De qualquer forma, não preciso dizer o quanto a Europa é linda e em cada esquina tem algo bonito para ver ou fazer.
       
      Riga é assim, uma cidade muito bonita, cheia de prédios antigos e cheios de história.
       
      Vamos lá...
       
      Cheguei em Riga no início da noite em um voo vindo de Amsterdã. O voo durou pouco mais de duas horas e foi bem tranquilo.
       
      Transporte
      Riga é bem tranquilo de se locomover. Eles têm muitos ônibus, metrô e bondes. Certamente você irá encontrar uma linha que te atenda
      Eu fui do aeroporto ao centro da cidade, perto de minha pousada, em um ônibus que sai do Aeroporto e chega em poucas paradas no centro da cidade. O ponto fica logo atrás do estacionamento do Aeroporto, bem tranquilo de encontrar.
       
      Hospedagem
      Bom, como em quase todos os lugares tem opções para todos os bolsos.
      Como meu orçamento é bem apertado, fiquei em uma pousada em um prédio no centro da cidade, na avenida Satekles Iela. Nesse prédio tem um McDonald’s e uma “padaria” no térreo! Bem cômodo, principalmente porque era um dos poucos lugares abertos no final da noite.
       
      O Rolê
      Quando eu fui era Outono, final de Novembro, e já estava muito frio! E para piorar o sol nascia altas horas.
      Foi bem estranho isso... 8 da manhã ainda era noite e não tinha ninguém na rua. Nenhum comércio aberto e sequer um lugar para tomar café da manhã. Se não me engano a maioria dos lugares abria depois das 8:30.
      Bom, saí para andar no centro antigo, no escuro, com frio e fome!
      Era muito curioso... Não tinha quase ninguém na rua! Era dia de semana, mais de 8 da manhã e ninguém fora de casa ainda! Tudo vazio!!!!











       
      Depois de andar um pouco achei um lugar bem bacana que já estava aberto para tomar meu café.



       
      Alimentado, segui o rolê pelo centro...







       
      Aí fui em direção ao Rio Duína Ocidental, que corta a cidade. Ali que eu vi uma movimentação maior de gente. A avenida estava bem carregada.






       
      Voltei então para o centro para curtir aquele lugar lindo!

       
      Aqui meu conceito das pombas mudou! Estava -1 grau e as pombas estavam tomando banho na poça praticamente congelada...

      Vou falar, chamar de sujo um bicho que toma banho nesse frio me parece algo bem errado!!!!
       


       
      Aqui é uma das artes mais charmosa que achei...










       
      E foi isso! Bora pegar o ônibus de volta para o aeroporto! A próxima parada é Kiev!

       
       
      Qualquer dúvida que eu puder ajudar, é só falar!!!
       
      Valeu!
       
      Abraço,
       
      Felipe
      Instagram: @profissaoviageiro
       
    • Por Amanda Sfair Gonçalves
      Vou começar dizendo que escrever relato do Clássico Bolívia Chile e Peru é muito difícil.
      A maioria de vocês aqui já leu relatos fantásticos e super detalhados e com fotos maravilhosas.  Muitas pessoas fazem esse mochilão então muita coisa acaba se repetindo. Mesmo assim, Olha eu na América do Sul dando a minha versão de como são 23 dias por essas bandas. ^.^
      A preparação:
      A preparação dessa viagem começa lendo os roteiros postados por aqui e todas as dicas possíveis que todos os mochileiros podem nos dar. Depois vem a compra das malas, roupas, passagens e afins haha
      O que eu levei e não precisava:
      Para quem pretende ir durante o verão (também conhecida como a época de chuva!) mesmo para os passeios mais frios não é necessário luva e muitas camadas de roupa (calças e blusa segunda-pele foram e voltaram dobradas na mala). Pijama ou “roupa apenas para dormir” Tênis para passeio (se você for com essa botinhas padrão de mochilar o tênis é dispensável). Blusinha mais arrumadinha para sair a noite (aqui é muito particular, eu preferi sempre que possível dormir e descansar.. mas sou casada e fui com meu esposo.. se você é solteiro talvez queira levar uma roupa menos esportiva) Almofadas para o pescoço (aqui também é particular mas achei que ia ser útil para dormir nos ônibus, a mim mais atrapalhou do que ajudou e tinha que ficar carregando fora da mochila porque não cabia) O que esqueci e fez falta/tive que comprar:
       Desde o primeiro dia tenha contigo protetor solar e um estoque de remédio para estômago/intestino haha Uma mochila de ataque de tamanho considerável para não precisar ficar apertando todas as coisas (tem que caber uma garrafa de 1,5l de água e mais todas as suas coisas, pelo menos) Compras antes de ir:
      É muito pessoal saber o que precisa comprar, como foi meu primeiro mochilão tive que começar do zero, incluindo a compra da mochila e  muitos passeios na Decatlon. O que comprei aqui e foi importante:
      Passagens ida e volta de avião Curitiba –SP – Santa Cruz Seguro viagem Pré-reserva (sem pagamento) de hospedagem em São Paulo na ida Pré-reserva (sem pagamento) do tour de 3 D – 2 N no Uyuni  Entrada do Machu-Picchu O que comprei aqui e não precisava:
      Passeios no Atacama (reserva com pagamento de parte dos passeios antecipada) Hospedagem em Arequipa Hospedagem em Águas Calientes O que não comprei mas deveria/recomendo:
      Passagem de ônibus de Sucre-Uyuni No mais a dica é simples: quanto mais confortável melhor. Essa é uma viagem cansativa em muitos aspectos. É corrida, dorme-se em ônibus e em camas de qualidade duvidosa e a altitude pode te pegar a qualquer momento assim como a intoxicação alimentar haha Quanto mais confortável você puder estar maiores as chances de curtir tudo com a devida intensidade.
      O roteiro:
      Depois de muito ler os roteiros pesquisar e olhar infinitos instagram de viagem, ver preço de passagem e combinação com os dias de férias o roteiro final ficou o abaixo.

      Mesmo com os problemas que aconteceram durante a viagem seguimos esse roteiro ficando os dias exatos previstos em cada uma das cidades muito porque em algumas já tínhamos a reserva dos hotéis e não quisemos nos estressar com trocas ou mudanças em cima da hora.
      Espero que esse relato ajude os próximos viajantes, inspire os que estão com a viagem marcada e, se puder sirva de guia para algum detalhe de um próximo mochileiro assim como todos os relatos que li me ajudaram e inspiram e a montar o meu. Darei o meu melhor!
       
    • Por TMRocha
      Estou aproveitando esse espaço para contar um pouco de como foi a minha experiência de intercâmbio nesse país que é tão próximo de nós, mas mesmo assim tão diferente.

      Entenda um pouco sobre a experiência que obtive após estudar espanhol por um mês no Uruguai.
      Caso queira acompanhar o post diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/consideracoes-minha-experiencia-de.html
      Lista de Posts - meu intercâmbio para o Uruguai:
      https://viagensdosrochas.blogspot.com/search/label/URU - Intercâmbio em Montevideo c%2F passeios em Punta del Este. Colonia del Sacramento e Salto del Penitente (Minas) [Fev a Mar%2F17]

      Para não perder tempo, estou dividindo os tópicos desse dessa forma:
      1) Alguns dados interessantes do Uruguai; 2) Por que estudo Espanhol?; 3) Minha Experiência de Intercâmbio no Uruguai; 4) Índice dos Relatos de Viagem; 5) Considerações Finais. 1) Alguns dados interessantes do Uruguai

      O Uruguai é um país pequeno e muito charmoso, com cidades arborizadas, campos extensos, praias limpas e um povo muito cordial e amistoso. O país faz fronteira com a Argentina e com o Brasil, no estado do Rio Grande do Sul.
       

      Os verões são quentes, com temperaturas que variam entre os 23 e 38ºC, já os invernos são frios e a temperatura gira ao redor dos 15ºC, com algumas madrugadas geladas abaixo de zero. Com um clima temperado, o Uruguai possui estações bem definidas, atendendo a todos os gostos.

      Os uruguaios gostam de futebol, mate e churrasco. É muito comum vê-los com uma garrafa térmica sob o braço e o mate na mão andando pelas ruas, nos shoppings, em todos os lugares. São pessoas alegres, receptivas e solícitas, que estão sempre prontas pra ajudar.

      Mate uruguaio.
      O país conta com pouco mais de 3,3 milhões de habitantes, sendo que destes, 1/3 vive na sua capital, Montevideo. A economia é estável e vale ainda citar que o Uruguai é um dos países mais seguros e possui uma das mais altas taxas de qualidade de vida de toda a América do Sul.

      Fonte Pesquisada:
      http://www.brasileirosnouruguai.com.br/conheca-o-uruguai
      2) Por que estudo Espanhol?
       

       
       
      Olá, me chamo Thiago e acho que deve fazer ao menos uns três anos que estudo espanhol  [04/10/2017] e pouco a pouco estou melhorando meu conhecimento nesse idioma tão interessante. Com o espanhol tive a oportunidade de conhecer outras culturas que antigamente estavam fechadas para mim.
       

      Vestimenta típica para festas musicais de alguma região do Equador.

      Touradas, na Espanha.

      Murga, uma apresentação típica do carnaval uruguaio.

      Festa dos Mortos, no México.
      Descobri novos povos, outras comidas típicas que antes não fazia ideia que existiam e ainda tive a oportunidade de me aventurar por um novo país: o Uruguai, onde fiquei morando por um mês em uma casa de família super simpática enquanto estudava espanhol de forma intensiva em uma academia de ensino uruguaia.
       
      3) Minha Experiência de Intercâmbio no Uruguai
       
      Minha ideia inicial era fazer um intercâmbio junto ao CACS para a Espanha, mas como a crise estourou pesado em 2014 esse plano acabou caindo por terra, então continuei juntando mais algum dinheiro e resolvi fazer isso por conta própria junto a CVC, e numa das opções apareceu o Uruguai, país que decidi passar um mês inteiro realizando o intercâmbio de espanhol.
       

      Montevideo, capital do Uruguai.
      Lá fiz muitos passeios pela capital Montevideo e ainda conheci outras cidades próximas como Punta del Este, Colonia del Sacramento e Salto del Penitente (em Minas). Nesta última cidade andei a cavalo, me aventurei em uma tirolesa e até me arrisquei num rapel [que na verdade foi uma falha total!].
       

      Academia Uruguay, onde estudei no meu intercâmbio.

      Praça Independência, Montevideo.

      Monumento Los Dedos, em Punta del Este.

      Colônia do Sacramento, vista do alto de um Farol.

       

       

      Nas últimas três fotos acima: Eu me arriscando nos esportes de aventura em Salto del Penitente, no Uruguai.
      Com o intercâmbio conheci mais do comportamento dos uruguaios e descobri que eles são um povo incrível, cultos, organizados, super trabalhadores, que gostam da natureza e realmente amam o seu pequeno país.
       
      E claro, como um bom viajante também passei por alguns perrengues mais complicados, em especial para me adaptar com o clima e a comida típica do país, que é muito diferente da brasileira.
       
       

      Milanesa Pollo Napolitana con fritas.

      "Pasta". Esse é o nome que os uruguaios dão para o macarrão.
       

      Carne de Javali, uma iguaria típica de Salto del Penitente.
      O mais importante é que tive boas experiências que serão lembradas por mim até o meu último dia de vida. Mesmo em todo esse texto não foi possível relatar sequer um décimo do que fiz e do que senti por lá. Resumindo...
       
      "Ter a oportunidade de aprender um novo idioma é o mesmo que se abrir para novas oportunidades no presente e no futuro."
       
      Acho que isso resume um pouco do aprendizado que tive por lá. E pensando nisso, resolvi organizar esse tópico para que incentive novos viajantes ou até mesmo outras pessoas que pretendam aprofundar mais o seu conhecimento nessa língua.

      Sem mais delongas, abaixo estou colocando o índice organizado de toda essa maratona que fiz por lá, sem claro, deixar de ensinar um pouco do espanhol também e contando praticamente tudo que aconteceu no país, desde a minha saída do Brasil até a chegada no outro mês.
       
      4) Índice dos Relatos de Viagem
      Intercâmbio no Uruguai [05/02 a 04/03/17] 
       
      Clique AQUI ou na imagem abaixo para acessar o índice dessa viagem:
       

      E para fechar com chave de ouro, só falta esse assunto
      5) Considerações Finais:
       

       
      Desejo um agradecimento especial à família que estava me hospedando: O Álvaro, a Stela, a Fernanda e também aos dois hóspedes gringos que ali estavam e me ajudaram muito, o Míchel da Suíça, e a Kelsy, dos Estados Unidos. E também para toda a equipe da Academia Uruguay que me ajudou bastante.
        Desejo que todos vocês aproveitem a vida, trabalhem bastante e que viagem sempre que puderem. A todos os leitores, espero que tenham sempre uma boa viagem!
       
      Caso queira acessar a lista de posts referentes a essa viagem diretamente pelo blog clique AQUI ou na imagem abaixo:

      Clicar: [Índice do Relato de Viagem: Intercâmbio]
       
    • Por TMRocha
      Como o ano de 2016 foi muito difícil e puxado e praticamente não viajamos, resolvi começar 2017 com uma viagem especial para Campos do Jordão, em São Paulo.
       

      Fomos na baixa temporada, já que ainda era início de janeiro e a alta temporada por aqui costuma ser em meados de junho. Mesmo assim o passeio foi muito especial. Confira como foi o passo-a-passo dessa incrível viagem.
      Caso queira acompanhar o relato diretamente pelo blog clique no link abaixo ou numa das Partes abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/campos-do-jordao-e-aparecida-sp-04.html
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Lista de Partes:
      [PARTE 01] - [PARTE 02] - [PARTE 03]
      [PARTE 04] - [PARTE 05] - [PARTE 06]
      [PARTE 07] - [PARTE 08] - [PARTE 09]
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Para que o conteúdo não fique massivo estarei dividindo o relato em várias partes menores, e caso você queira apenas saber o que Campos do Jordão e Aparecida têm a lhe oferecer, clique num dos links abaixo, onde coloque suas respectivas dicas de roteiro:
      Dicas de Roteiro: [Campos do Jordão, SP]

      Dicas de Roteiro: [Aparecida, SP]

      E antes de seguir com o relato, no final das contas meu roteiro ficou assim:
      Meu Roteiro
      DIA 01 - Quarta, 04 de Janeiro de 2017
      [Parte da Noite] Viagem de ônibus do Terminal Turístico JK (Belo Horizonte) para Campos do Jordão, SP.
      DIA 02 - Quinta, 05 de Janeiro de 2017
      [Início da Manhã] Chegada em Campos do Jordão, SP
      [Parte da Manhã] Visita ao Palácio Boa Vista
      [Início da Tarde] Visita ao Auditório e Museu Felícia Leirner
      [Parte da Tarde] Compras nas galerias próximas à Ducha de Prata
      [Parte da Noite] Passeando pelo Centro Comercial da Vila Capivari
      DIA 03 - Sexta, 06 de Janeiro de 2017
      [Manhã e Tarde] Visita a Aparecida, onde conhecemos os seguintes lugares:
      - Teleférico, Torre do Mirante, Galerias, Cine Aparecida e Museu de Cera
      [De volta a Campos do Jordão]
      [Parte da Tarde] Missão Fondue!
      [Parte da Noite] Missão Pastel do Maluf!
      DIA 04 - Sábado, 07 de Janeiro de 2017
      [Parte da Manhã] Visita aos Jardins Amantikir c/ direito à pedido de casamento
      [Parte da Tarde] Compras na Galeria Vila Capivari e na Vila do Artesanato
      [Final da Tarde] Ida ao Parque dos Elefantes e Mirante do Morro do Elefante
      [Ainda no Final da Tarde] City Tour na parte residencial de Campos do Jordão em um trenzinho da Alegria
      [Quase no Início da Noite] Visita a parte de baixo do Morro do Elefante, incluso suas galerias
      DIA 05 - Domingo, 08 de Janeiro de 2017
      [Parte da Manhã] Visita ao Portal da Cidade
      [Restante do dia] Viagem de volta de ônibus para Belo Horizonte
      [Quase no Início da Noite] Chegada no Terminal Turístico JK
       
      Dito o que precisava, vamos começar!

      DIA 01 - Quarta-feira [04 de Janeiro de 2017]
      Indo de BH até São Paulo de ônibus
      Ainda em meados de Junho de 2016 a Lu tinha me mostrado uma super promoção da São José Viagens, que achei bem em conta, pois teríamos a oportunidade de conhecer Campos do Jordão, um lugar frio de São Paulo que possui um chocolate super gostoso [foi isso que ela ouviu dos outros, então resolvemos ir lá pra conferir]. Achei o preço tão bom que paguei o pacote inteiro à vista pra nós dois.
       
      E o tempo passou, passou mais e ... finalmente... no dia 10 de Janeiro deste ano [2017], com nossas malas já arrumadas partimos pra Belo Horizonte, rumo ao Terminal JK, que é um dos pontos de partida da empresa.


      Às 19:30h partimos da minha casa e pegamos um coletivo que foi tranquilamente até o Terminal JK. Chegamos ali próximo das 20:20h, fizemos o check-in e ficamos aguardando dar o horário, deu tempo até de comer alguns deliciosos biscoitos de queijo comprados no Carrefour.
       
      Parece que houve algum tipo de desorganização na hora da compra, e muitos turistas tinham chegado antes das 19:00h, já que o passeio estava marcado com horário errado para eles, por isso estava um alvoroço e o pessoal estava realmente estressado, mas nada que fosse nos atrapalhar.

      Luciana toda estilosa esperando a nossa vez de entrar no ônibus!

      Às 22:00h entramos no ônibus da São José, mas ele não saiu na hora prevista porque outro turista do nosso grupo atrasou demais. Ao que parece ele [ou eles] estavam vindo de Ipatinga e agarraram no trânsito, e o bus só partiu mesmo às 22:20h, com destino a São Paulo.

      A mãe da Lu fez até umas excelentes almofadas de pescoço pra nos desgastar menos nessa viagem.

      Se você é mineiro [ou está na região metropolitana de Minas Gerais] e deseja conhecer boas agências de viagens da região, clique no link abaixo:
       
      Conhecendo Agências de Turismo Interessantes de Belo Horizonte e Região Metropolitana
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/07/viajando-com-agencias-de-turismo.html
      DIA 02 - Quinta-feira [05 de Janeiro de 2017]
      Demos nossa primeira parada às 1:00h em algum Graal da beira da estrada, que não consegui descobrir qual era ao certo porque estava chuviscando de leve e não queria molhar a câmera ou o meu óculos.


      Nesse lugar a parada foi bem rápida, menos de meia hora, apenas pra usar o banheiro e esticar um pouco as pernas, o legal é que o estabelecimento ainda estava decorado com algumas coisas de natal. Assim que o pessoal voltou continuamos nossa viagem de ônibus.

      Passado mais algum tempo, às 4:00h da manhã fizemos nossa segunda e última parada do percurso até Campos do Jordão. Dessa vez até que eu tinha conseguido dormir bastante no ônibus.



      Havia até um pequeno laguinho com alguns peixinhos que infelizmente tinham um espaço muito limitado pra ficar nadando. O Graal Bela Vista é muito grande, mas eu e a Lu nos limitamos apenas a ficar um pouco sentados no banco de fora porque ela já estava com as pernas doendo de tanto ficar sentada no ônibus sem poder esticar os pés.

      E partimos novamente depois de mais algum tempo. 
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Campos do Jordão, SP

      Campos do Jordão está localizada no interior do Estado de São Paulo, mais precisamente na Serra da Mantiqueira e fica à altitude de 1.628 metros, sendo portanto, o mais alto município brasileiro.
       
      Possui uma população de pouco mais de 50.000 habitantes e está a 173 km da cidade de São Paulo, a 350 km de distância do Rio de Janeiro e a aproximadamente 500 km de Belo Horizonte. Sua principal via de acesso é a Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro.

      A partir da década de 50 Campos do Jordão começou a consolidar-se como um dos principais destinos de inverno do Brasil e passou a ser apelidada por muitos de "a Suíça paulista".



      Fonte Pesquisada:
      https://pt.wikipedia.org/wiki/Campos_do_Jordão
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Voltando ao nosso passeio...
       
      Chegando no Hotel
      Chegamos pouco depois das 8:00h no Parque Hotel, de Campos do Jordão, que por sinal é muito bonito por fora e por dentro, e ainda por cima está numa excelente localização.



      Nosso quarto estava localizado no terceiro andar e para chegar até lá a gente sempre preferia subir pelas escadas estilosas do hotel, que iam afinando aos poucos conforme a pessoa chegava perto das pontas.

      Para quem possui dificuldades de locomoção não há problema, pois o hotel conta também com um elevador para os hóspedes. Nosso quarto era lindo, organizado e bem espaçoso, contava ainda com cobertores para os dias mais frios [que não precisamos usar] e o colchão era muito bom. Então conseguimos ter boas noites de sono em todos os dias.

      Outra coisa boa era que tanto o chuveiro quanto a pia do banheiro tinham opção para água quente e fria. A única coisa que não gostei do Parque Hotel é que o WiFi só ficava disponível na área da recepção e não tinha nenhuma internet nos quartos, e a TV também era bem pequetita [nada importante, já que quem veio aqui deve é passear fora do hotel mesmo!]. Essa era a vista da janela de nosso quarto:

      Nosso roteiro do dia seria um pouco extenso. Então só tivemos tempo de lanchar e de nos arrumar, pois dentro de pouco tempo já sairíamos novamente.

      O restaurante do hotel contava com uma boa diversidade de coisas para se comer, mas que se repetem ao longo da semana, então acabou que na maioria dos dias a gente comia praticamente as mesmas coisas em nosso lanche matinal, e como o primeiro dia não estava incluso no passeio, tive que pagar a bagatela de R$ 40,00 [R$ 20,00] para cada um, somente para esse lanche.
       
      Algo que com certeza aprendemos por aqui é que comer em Campos do Jordão é algo que sempre saía bem caro para o nosso bolso!
       
      Visita ao Palácio Boa Vista
      Ás 9:00h entramos no ônibus da São José e seguimos até o Palácio Boa Vista, que é considerado como a residência oficial de veraneio do governador de São Paulo, e está localizado no Alto da Boa Vista, ainda dentro de Campos do Jordão.




      Andamos um pouco de ônibus pela cidade e enquanto isso tanto o guia da São José, o Adilson, quanto a guia da cidade explicavam algumas coisas interessantes da cidade para gente. Como o fato da cidade já ter ficado com -8ºC de temperatura, chegando a ter uma leve geada, e só não nevou porque o clima dessa região é bem seco.
       
      Mostraram um pouco da parte pobre da cidade e citaram sobre alguns de seus problemas, mas nos informaram que o lugar não era perigoso ao ponto da pessoa entrar e não sair com vida, como se acontece em algumas favelas do Rio de Janeiro.
       
      E ainda sobre algumas lendas locais, como a das árvores canadenses. As pessoas acreditam que se uma folha cair em sua cabeça você poderá se tornar milionário [mas claro, não vale retirar a folha da árvore à força e colocá-la em sua cabeça!]. Essas árvores foram plantadas na cidade como um símbolo do frio dessa região.
       
      E chegamos. De longe percebia-se que o lugar mais se parecia com um castelo por fora, mas por dentro era realmente um palácio.



      Tivemos que esperar realmente um bocado na fila antes de poder entrar no palácio, e como eles não deixavam tirar fotos ou fazer gravações lá de dentro tivemos de guardar todas as nossas coisas num guarda-volume da entrada. Ao procurar pela internet essas foram as únicas fotos que encontrei desse local:


      Por dentro o palácio é super luxuoso e interessante. Possui o piso totalmente revestido em madeira. Conta com dezenas de salões e todos eles com móveis luxuosos, alguns até importados de outros países e em sua grande maioria os objetos são bem antigos, datando das décadas de 60, 40, e até mesmo contando com algumas peças do Século XVIII.
       
      Existiam espelhos de origem belga, alguns móveis folheados a ouro, outros de latão dourado e muitas, muitas obras de arte espalhadas por todos os cômodos, que iam desde estátuas e obras antigas a diversos quadros nas paredes, com destaque especial para a artista Tarsila do Amaral.

      Essa mulher foi uma grande pintora e desenhista brasileira e era uma das figuras centrais da primeira fase do movimento modernista no Brasil, ao lado de Anita Malfatti. Seu quadro, "Abaporu" [essa coisa de pernas grandes na foto acima] inaugurou o movimento antropofágico nas artes plásticas brasileira.
       
      Eu, em especial, não sou tão fã nem de artes nem de história. Mas achei interessante passear um pouco por esse local e a visita até que foi bem rápida. Quando saímos aproveitamos e tiramos mais algumas fotos do pátio interno, onde ainda deixavam que as pessoas tirassem fotos.




      Capela de São Pedro
      Saindo dali fui na Capela de São Pedro, que estava praticamente do lado do palácio, já a Lu não quis entrar nesse local. É uma estrutura íntegra de concreto armado, com as paredes de vidro, que permite que se visualize a paisagem da região. Entrei rapidamente apenas para tirar fotos dessa capela.










      Se afastando um pouco dali e descendo a rua ainda existia uma lojinha, e juntos aproveitamos pra dar uma olhadinha no que havia ali, mas acabou que não compramos nada.


      Bem ao ladinho havia um jardim e mirante muito bonito, então aproveitamos pra dar uma olhada neles também.


      Essas flores são chamadas de hortênsias e são um dos símbolos da cidade. Para praticamente qualquer lugar que se olhe em Campos do Jordão nessa época do ano é possível ver ao menos algumas flores destas. Outro ponto interessante é que a cor delas muda de acordo com o PH da terra, por isso elas existem em cores variadas por toda a cidade.
       
       E voltamos novamente para o ônibus da São José para continuarmos o nosso passeio.

      Continue acompanhando, pois ainda se tem muito mais relato para contar!
    • Por TMRocha
      Com as merecidas férias, fiz uma viagem do estilo Sol e Praia para Porto Seguro junto da Luciana, entre os dias 09 e 16 de Janeiro de 2016.

      Confira agora como foi o nosso passeio.
       
      Caso queira acompanhar o relato diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/porto-seguro-ba-09-16012016-parte-01.html
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Lista de Partes:
      [PARTE 01] - [PARTE 02] - [PARTE 03]
      [PARTE 04] - [PARTE 05] - [PARTE 06] - [PARTE 07]
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
        Caso não queira conferir como foi o meu relato e deseje apenas saber o que é bom para se fazer em Porto Seguro, confira as dicas do botão abaixo:

      Sem mais delongas, vamos começar...

      DIA 01 - Sábado [09 de Janeiro de 2016]
      Depois de ter uma noite bem dormida e já com as malas arrumadas [tinha deixado ela pronta na quinta-feira ainda], mais ou menos às 9:00h fui até a casa da Luciana para filar a comida da sogra. Minha ideia era partir de lá já alimentado e junto com ela.

      Minha bagunça.

      Bagunça da minha mãe, na cama ao lado [e a cama nem é dela!]
      Depois de esperar um pouco peguei o bus que ia pro Alvorada.


      Por lá fiquei esperando a Lu se arrumar, ela estava doida porque deixou tudo pra última hora, então arrumou uma correria danada! Após almoçar chegou a hora de partir rumo ao metrô.



      Já no metrô, fomos até a Estação Lagoinha para dali entramos na rodoviária de Belo Horizonte e pegamos o ônibus da Unir que vai pro Aeroporto, que aliás, sai muito mais barato do que pegar um táxi ou o MOVE Conexão Aeroporto que o pessoal gosta de usar.

      E agora sim, finalmente estávamos realmente a caminho do aeroporto de Confins!

      Depois de pouco mais de uma hora [ou duas, não sei ao certo] chegamos em Confins.
      Obs.: Parece estranho minha mochila ficar pra frente, mas acho melhor ficar feinho do que ter os pertences furtados de bobeira no centro de BH.

      Já no local certo bastava apenas esperar o horário do nosso voo, que saiu no horário certo e sem maiores problemas.


      Dada a hora, então bora pra Porto Seguro...



      Já acima das nuvens pudemos ter o nosso lanchinho e seguimos uma viagem tranquila até o aeroporto de Porto Seguro.




      No pacote que fiz com a Master Turismo estava incluído a viagem de ida e volta para Porto Seguro e o translado até o nosso hotel. Então ali já nos encontramos com um dos guias da Coconut Tours, que ficou encarregado de nos levar até lá.

      Como não estávamos muito longe do aeroporto, chegamos bem rápido ao Hotel Márlim, que seria a nossa estadia por toda essa semana.



      Nosso quarto dessa vez era bem simples, mas tinha o que precisávamos: um frigobar vazio pra guardar as águas! A cama era confortável [apesar de no primeiro dia terem colocado dois colchões como improviso - depois disso deixaram um colchão de casal], o ar-condicionado era muito bom e os hóspedes também são agraciados com uma piscina que fica no centro do hotel.

      Outra coisa que gostei bastante daqui era a localização, no centro, próximo de bons restaurantes com o preço bem em conta e também da Passarela do Álcool [também conhecida como Passarela do Descobrimento], ótimo local pra quem curte muita cerveja e também compras de tudo o que você pensar, seja de artesanatos, roupas, acessórios e muito mais!

      Aqui tive um imprevisto que não estava contando [claro, quando a gente conta não é imprevisto!!!], dei a bobeira de deixar pra transferir o dinheiro que tinha guardado da poupança para a conta de débito somente aqui porque estava com preguiça de fazer isso em Belo Horizonte e em Porto Seguro simplesmente não existe nenhum Santander [nunca imaginei isso, já que viajei até para Pato Branco, no Paraná, 300 km depois de Judas ter perdido as botas e lá também tinha Santander] e como fiquei muito preocupado em não poder fazer nada por ter pouco dinheiro do débito fechei o pacote todo no Crédito com a Coconut Tours.
       
      Notas: De certa forma acho que falhei um pouco aqui, primeiro por ter dado essa bobeira de não ter feito o que devia em minha própria cidade, e depois por ter fechado muitos passeios focando somente nas praias, já que achava que outros passeios interessantes, como o de chalana, eram feitos somente na praia.
       
      Acho que uma boa dica para quem quer usar agências de turismo pra ter mais comodidade é não fechar tudo na hora como eu fiz. Se estiver no centro dê uma passada em outras agências e feche pacotes diferentes [como por exemplo, passeio de chalana, mergulho de cilindro, passeio de quadriciclo], pra que o roteiro não fique muito repetitivo ou engessado. O que nos salvou foi que os guias da Coconut são todos excelentes e apesar de estarmos mais nas praias deu pra fazer outras coisas muito interessantes.
       
      Nosso Roteiro [que sofreu algumas mudanças no decorrer da semana], acabou ficando assim:
      NOSSO ROTEIRO
      Sábado, 09 de Janeiro de 2016
      - Translado de ida da região metropolitana de Belo Horizonte para Porto Seguro;
      Domingo, 10 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] City Tour no Centro de Porto Seguro;
      [Parte da Tarde] Barraca Barramares, na Beirada da Praia;
      Segunda, 11 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] Praia de Pitinga, em Arraial d'Ajuda;
      [Parte da Tarde] Centro de Arraial d'Ajuda;
      Terça, 12 de Janeiro de 2016
      [Manhã e Tarde] Praia dos Espelhos;
      Quarta, 13 de Janeiro de 2016
      [Manhã e Tarde] Trancoso;
      Quinta, 14 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] Praia de Santo André;
      [Horário do Almoço] Oficina do Sabor e Berimbau Park;
      [Parte da Tarde] Coroa Vermelha [Aldeia dos Índios Pataxós];
      Sexta, 15 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] Recife de Fora;
      Sábado, 16 de Janeiro de 2016
      - Translado de Volta de Porto Seguro para a região metropolitana de Belo Horizonte.
       
      Continuando com o relato...

      De noite resolvemos comer uma boa pizza no Mama's para comemorar a nossa chegada na cidade.



      O que achei mais legal aqui é que eles usam esses mini-forninhos pra deixar a pizza aquecida, além disso a massa é muito fina e a pizza é realmente deliciosa e pra ajudar o preço é muito baixo. Vale a pena comer aqui!

      Após comer resolvemos andar um pouco [na verdade um bocado] pelo centro da cidade, o que mais tinham eram opções de vestuário e restaurantes para todos os gostos, além de dezenas e mais dezenas de lojas de souvenirs.

      Quem é colecionador como eu pode ficar tranquilo que certamente tem alguma coisa bem legal que se adequará ao seu gosto. Fiquei tão entretido comprando que até esqueci de tirar mais fotos, mas não tem problema porque em quase todos os dias demos uma passada no centro da cidade pra passear ou para comer alguma coisa.
       
      Os enfeites de natal decorando a cidade ficaram tão legais que acho que a prefeitura quis deixar eles aqui por mais algum tempo ainda.


      Terminado tudo o que queríamos fazer fomos dormir, no próximo dia começaríamos com os nossos passeios por Porto Seguro.

      DIA 02 - Domingo [10 de Janeiro de 2016]
      Já acordados, a primeira coisa que fiz foi tirar algumas fotos do hotel.



      Não esquecendo, claro, de tomar nosso café da manhã.


      Nosso primeiro passeio seria para o centro histórico de Porto Seguro, e a Coconut enviou uma van para nos buscar e levar até lá.


      Uma das coisas que reparei é que os baianos realmente amam sua terra, são dedicados e mesmo nas coisas mais simples fazem todo o possível para agradar os turistas. A primeira coisa que o guia Jackson nos mostrou foi de onde era tirado o cacau da fruta.



      Sempre achei que era usado a polpa para fazer o chocolate, mas na verdade é usada essa semente, que é torrada e nela são realizados outros processos até chegar no chocolate que conhecemos atualmente. Perto dali também tinha um vendedor vendendo sementes que ajudam no tratamento de várias coisas.

      Acabei não prestando muita atenção, pois nossas atenções se voltaram mais para o índio vendedor de brincos, que estava ali perto.


      A Luciana gosta muito dessas coisas que usam penas e não resistiu, já fez a sua comprinha! E após algumas explicações, começamos com nosso passeio pelo centro histórico de Porto Seguro.





      Achei muito legal a história daqui, que é basicamente o começo da história do Brasil: As casinhas eram feitas coladas umas as outras, sempre dando um espaço no meio para a rua, que dividia os vilarejos em dois, e ao fundo era construída uma igreja. Além disso, entre todas as casinhas havia uma porta.
       
      Isso ajudou os primeiros portugueses a se prevenir dos ataques constantes dos índios que não queriam eles nessa região. Falando em índios, os das costas brasileiras eram amigáveis com os portugueses e aceitavam permutas de objetos europeus em troca de comida e outras coisas que eles possuíam. Já os das matas fechadas eram hostis e atacavam os portugueses sempre que tinham oportunidade.

      Outro detalhe interessante era que esses vitrais utilizados nas torres das igrejas vinham diretamente de Portugal, e como os vidros quebravam sempre durante o percurso colocavam esse vidro do jeito mostrado acima. Isso era bom porque o sol forte ajudava o vidro a brilhar e isso facilitava a vida dos marinheiros, pois conseguiam ver onde estava o vilarejo mesmo estando distantes da costa.





      Após as explicações do guia andamos mais pelo local, tiramos muitas fotos e compramos mais algumas coisinhas pelas lojinhas. Também tiramos fotos dos mirantes bonitos que estavam nessa área.





      Após voltar esperamos um tempinho, até que chegou o ônibus que nos levaria para a Barraca Barramares, na beirada da praia.


      No caminho até avistamos a Transilvânia!
      Chegamos na Barraca Barramares, que já de cara mostrou uma entrada bem elegante!




      Fomos direcionados a ficar na parte onde havia areia e muitas mesas, o estabelecimento estava lotado e quase não haviam lugares disponíveis, mas após olhar os preços absurdamente caros, pedimos licença para um casal que estava realizando o Tour com a gente, saímos dali e voltamos na entrada da Barramares novamente para procurar outro local, mas caímos na realidade ao perguntar para os transeuntes, essa barraca estava bem isolada do comércio local da cidade. 

      [Aliás, esse é um dos pontos negativos que percebi em Porto Seguro, aqui prevalece um sistema de monopólio das barracas, o que encarece consideravelmente os preços das coisas ao comer nas praias, e nem tem como fugir disso já que a maioria dessas barracas ficam em lugares mais isolados, o que faz com que você nem tenha opção de escolha, e se houver mais de uma barraca próxima da outra os comerciantes não deixam que você compre livremente por elas, somente na barraca que você está com suas coisas]

      Então tivemos que voltar e pedi a refeição mais simples do menu, que ainda assim saiu caro, já que nem carne tinha no prato.



      Como a comida não nos sustentou, resolvi fazer uma gracinha e comprei um açaí na barraquinha ao lado, que também pertencia a Barramares.


      Mas aqui aconteceu o impensável, sim ... uma lagarta preta, do tamanho de uma mão, daquelas de coqueiro, subiu na perna da Luciana ... que tem o maior pavor de lagartas, até mesmo daquelas pequenininhas ... O resultado foi catastrófico!

      Obs.: Não coloquei a foto da Lagarta original para não traumatizar ainda mais a Lu!!!
      Ela deu o maior grito, pulou assustada, quase pediu socorro, ficou toda tremendo, não conseguiu comer mais o açaí e chorou demais, fiquei até desconsertado na hora porque não sabia o que fazer. Ela se acalmou somente quase uns 20 minutos depois desse ocorrido.

      O pessoal que estava frequentando essa barraca estavam muito animados, curtindo muito, brincando e até dançando Kuduro!

      Passado o susto e com a Lu um pouco mais calma andamos um pouco pela praia.




      E até consegui tirar uma foto dela mais animada.

      Se você gosta de diversão com agito, por aqui é possível praticar o Banana Board e se jogar de vez no mar, como eu estava fora de forma no nado e a Lu não sabe nadar e não gosta desse tipo de atividade preferi não arriscar.



      Até tentamos escrever o nome do meu Blog, Tudo Rocha, pra ver se ficava legal escrito na areia da praia de Porto Seguro.

      Dessa vez ainda não tinha ficado boa, também tentamos em outras praias e deixamos com um efeito bem mais legal!
      Perto dali também existe um pequeno rio, onde as pessoas aproveitam pra andar de caiaque ou apenas brincar na água.



      Às 15:00h tínhamos que voltar para o ponto combinado, então, como estava perto do horário resolvemos voltar. [Pode até parecer que na maioria dos passeios ficamos pouco tempo na praia, mas o calor e a intensidade do sol por aqui é fortíssimo e é melhor ficar um tempo menor na praia e assim evitar queimaduras - eu na verdade, durante toda a semana tive que ter muita atenção, pois meus ombros e a nuca chegaram a queimar um pouco]

      Ao sair não deixamos de tirar fotos bem legais em lugares estratégicos feitos especialmente para os turistas.





      [Obs.: Nós estamos com olho de peixe-morto porque a intensidade da luz aqui é muito forte, eu por exemplo demorei quase 3 dias para conseguir abrir meus olhos completamente.]

      Algo que achei bem legal foi algumas frases de baiano citadas pelo nosso guia da Coconut:

      - Braço cruzado é ritual baiano de chamar chuva!
      - Vamos-nus todos, mas todos vestidos!

      Outra coisa que nos informaram foi para não fazer tatuagens de rena, dessas que oferecem na praia, pois não sabemos nada da higiene utilizada nesse tipo de produto. Chegando o ônibus fomos em direção ao nosso hotel novamente e deu até pra ver de relance a praia de Toa Toa, que também é muito boa!


      Depois de chegar no Hotel descansamos bastante e de noite fomos comer algo mais apetitoso no Theta's, já que não demos muita sorte na hora do almoço. O garçom foi muito educado e prestativo e até nos ajudou a tirar uma boa foto.



      Depois de jantar e certamente ter andado mais um pouco pela Passarela do Álcool pra levar mais alguma coisinha, voltamos pro hotel e descansamos mais um pouco. No outro dia teríamos mais passeios divertidos para se fazer. Continue acompanhando, pois tem muito mais a ser contado!
×