Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Posts Recomendados

Não sei se é possível descrever o que vivemos nesse dia. Planejamos ver o nascer do sol em Tikal sem saber muito o que esperar. Imaginava uma arquibancada, montada entre as ruínas, onde os visitantes poderiam se sentar e assim observar a estrela do show, o sol. Foi com esse espirito que fomos visitar uma das ruínas maia mais importantes.

O espetáculo começaria bem cedo, por volta das 5 horas da manhã. Chegamos em Tikal, Guatemala, por volta das 4 horas, depois de 1 hora de transporte. Tudo estava indo como planejado. Até o clima resolveu ajudar. Se esperava chuva e tempo ruim durante toda a visita. Entretanto, ao sair do carro e olhar para cima, só dava pra ver a lua cheia, sozinha no céu. Só via algumas nuvens, mas nada de mais. O guia nos levou à entrada, onde os ingressos foram validados e depois, tivemos um pequeno e rápido café da manhã antes de começar a desbravar Tikal na escuridão.

Citar

Mais sobre o passeio

Agendamos o tour do nascer do sol diretamente com o hostel Los Amigos. Estavam inclusos o transporte de ida e volta e o guia turístico. Compramos com antecedência os ingressos para Tikal. Os ingressos são vendidos em qualquer agência do Banrural. Um para a entrada normal ao parque e outro para o nascer do sol. No total, pagamos 250 Quetzais por pessoa (em 2017).

Seguimos por uma trilha em plena escuridão. A experiência foi algo difícil de descrever. Não havia mais ninguém ali, Tikal era só nosso e seria assim por mais algumas horas. Logo atrás do guia, o grupo seguia em silêncio, um atrás do outro. Silêncio esse que era interrompido por alguma explicação do guia sobre Tikal.

Após alguns minutos de caminhada, o guia virou e apontou na direção da lua. Apontava para uma pirâmide maia imensa, que tampava a lua e criava uma sombra escura, era uma cena de filme. Esse foi só um aperitivo. Aquela era a entrada da praça central, local mais importante de Tikal. Tentei tirar fotos, mas a câmera fotográfica não foi capaz de capturar o que os nossos olhos estavam presenciando. Parecia que éramos os primeiros ali e que havíamos descoberto uma cidade abandonada no tempo.

Ali do meio da praça central, o guia nos explicou tudo sobre os rituais maias, inclusive dizendo que Tikal ainda recebia descendentes de maias que usam o local para prestar culto aos seus deuses e antepassados. Foi definitivamente a melhor aula de história da minha vida.

Rumo ao Templo IV

Até ali não tinha muita ideia de onde nós iríamos ver o por do sol. Lembra da ideia da arquibancada na praça central? Não podia estar mais errado. Saímos de lá e seguimos em frente. Alguns minutos depois, estávamos subindo uma grande escadaria. Era imensa. No final, as escadas deram espaço a rochas e a uma grande arquibancada de pedra . Era o Templo IV, um dos maiores templos maia já descobertos até então.

Algumas pessoas já esperavam sentadas aguardando o nascer do sol. Nos sentamos, olhamos pro céu e nenhum sinal de nuvem ou chuva. O cenário estava montado, tudo perfeito em seu devido lugar, agora era aproveitar em silêncio o espetáculo começar. Os raios de luz começavam a sair, se misturavam com a escuridão. Formavam a cada segundo uma nova pintura, com diferentes cores e com diferentes intensidades

20171007_052011-1024x768.jpg

20171007_055927-1024x768.jpg

Nascer do sol do alto do Templo IV em Tikal. Fomos em Outubro, época de chuvas e olha o que presenciamos?

Nascer do sol do alto do Templo IV em Tikal. Fomos em Outubro, época de chuvas e olha o que presenciamos?

Mas para quem pensa que o espetáculo era destinado somente ao nascer do sol, está muito enganado (como eu estava). O barulho da floresta se despertando era o verdadeiro espetáculo. Os animais acordavam e começavam a cantar por todos os lados. Macacos, pássaros e insetos entoavam suas vozes para de alguma forma agradecer o renascimento do sol.

20171007_055316-1024x768.jpg

O silêncio também era parte do show, ali do alto do Templo IV em Tikal. Todos estavam perplexos com a beleza do instante e não se permitiam mover nem se quer um músculo, para evitar perder um segundo da experiência. Ficamos lá em cima por quase 2 horas entre fotos, olhares no horizonte e ouvidos na vegetação. No final, quando tínhamos que nos despedir, ficou a sensação de dever cumprido. Uma viagem inteira repleta de bons momentos e grandes experiências não poderia ter acabado melhor.

IMG_2336-1024x768.jpg

Últimos momentos no Templo IV em Tikal, Guatemala.

Senti imediatamente minha mente se desligando por completo. Era como se quisesse dizer que já era suficiente, que eu já havia conseguido o que buscava. Agora era somente hora de lembrar. Lembrar de tudo que passamos, de todos os sois que vimos, nascendo e se pondo, de todos os vulcões que subimos e descemos, de todos os locais que chegamos e partimos.

Desbravando o restante de Tikal

Descemos e ainda não havia ninguém no parque. O guia nos levou em várias construções, nos explicou o significado de cada uma, nos mostrou piramides que ainda não foram restauradas (Templo III) e deu detalhes sobre os principais pontos da cidade de Tikal, até o retorno definitivo à praça central (Gran Plaza).

Tikal, Guatemala.

20171007_070644-1024x768.jpg

20171007_080304-1024x768.jpg

Entretanto, o ponto forte do guia eram os animais e plantas do local. Ele descrevia todos os pássaros que via e nos mostrava plantas com características peculiares. A mistura de natureza e história não poderia ser melhor.

Citar

⚠️ Fique atento: os tours oferecidos pelos hosteis e agências não diferem muito uns dos outros. O preço pode variar bastante entretanto. Por isso, pesquise e negocie. A maioria deles disponibiliza vans de ida e volta em horários programados, bastando você escolher quando quer voltar. No tour que contratamos, podíamos voltar às 12h ou às 15h. Resolvemos sair mais cedo, pois já estávamos cansados e conseguimos ver praticamente tudo o que queríamos de Tikal.

No final, tivemos mais umas 2 horas para andar por conta própria. Aproveitamos o parque vazio para subir nos templos, sentar nas escadarias e explorar as áreas remotas, sem muito tráfego ou pessoas disputando para tirar fotos. Valeu muito a pena pena!

 

Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Beto_Almeida
      Oi pessoal !
      Sou Beto, moro em Salvador e gostaria de compartilhar com vocês a experiência maravilhosa que tive agora nas minhas férias. Do dia 12/072019 até 30/07/2019, fiz um mochilão, sozinho, pelo pulmão do mundo. A nossa Amazônia brasileira , que nunca teve tão ameaçada como agora. Enfim... como estamos aqui pra compartilhar boas experiências, abaixo segue o meu relato. Mochilando 19 dias pela selva amazônica , desde Manaus , passando por Presidente Figueredo no estado de Amazonas, a cidade das cachoeiras , com mais de 100 dentro do referido munícipio, depois seguindo para o estado do Pará nas cidades de Santarém, Alter do Chão, Belém e Algodoal.
      Além de fotos ao final do relato tem algumas anotações dos preços de passagens, deslocamentos, Alimentação, hospedagem e de despesas básicas da viagem. Espero ajudar vocês  montarem seus roteiros para as suas futuras viagens.
      Aaah...antecipadamente, peço desculpas por qualquer erro ortográfico, mas fiquei cheguei recentemente da viagem e já estou relatando pra vocês aqui, se deixasse pra depois eu sei q não ia fazer. Além do mais bateu a maior preguiça de reler. Então me desculpem por qualquer coisa.
      Primeiro dia da trip, sexta-feira dia 12/07/2019 Salvador ->Fortaleza ->Manaus, meu voo decolou às 16h40min cheguei às 22h 20min( no horário de bsb 23h20min). Comi ,tomei um litão e fui dormir.

      Sábado dia 13/07: Fui fazer um passeio urbano, conhecer o teatro Amazonas(R$ 20,00), Palácio da Justiça e o museu "Casa do Governador Eduardo Ribeiro. Tudo isso até meio dia. Nesse dia tive sorte, pois a visita guiada no teatro Amazonas foi grátis, graças a um projeto do Governo do Estado do Amazonas.
      Ao Meio dia fui pra região do Porto de Manaus conhecer o mercadão, onde almocei um tambaqui frito acompanhado com baião de dois, farofa e salada vinagrete R$ 15,00 + 1 coca cola de 600ml por R$ 4,00.
      À tarde fui na praia de ponta negra e depois seguir para um local chamado flutuantes, onde tem bares com DJs que flutuam no Rio Negro, aqui os preços são mais salgados que em outros lugares. Por exemplo, um balde com 5 cervejas long necks custou R$ 50,00 + entrada por R$ 15,00. Fiquei por aí até as 19horas.
      À noite fui comer um sanduíche com refrigerante. Total de 18 reais. Dormir cedo, pois no outro dia tinha de acordar cedo para um passeio.

      Domimgo, dia 14/07: acordei cedo, às 8h30 min o pessoal que organiza esse passeio foi me pegar no hostel, me juntei com o restante do grupo no Porto de Manaus, onde pegamos um barco em direção ao encontro das águas entre o Rio Negro e Solimões que daí vira o Rio Amazonas, depois seguimos para visitar um criatório de pirarucu (peixe q representa o Rio Amazonas). Por volta de meio dia almoçamos perto do local onde fomos visitar as vitórias régias. Comida boa, farta e todo tipo de peixe amazônico.
      No turno da tarde fomos tomar banho com os botos , sensação incrível. Após isso seguimos em direção a uma tribo indígena, onde eles fizeram um pouco de seus rituais de boas vindas , dança e além disso tem lembranças para quem quiser comprar.
      A noite estava muito cansado . Comi, tomei banho e dormi.

      Segunda-feira, dia 15: Ao acordar neste dia fiz o check out no hostel, fui almoçar, depois fui até a rodoviária comprei uma passagem para a Cidade de Presidente Figueiredo, conhecida como a cidade das cachoeiras, dizem q são mais de 100. O preço da passagem foi R$ 30,50. São duas horas de viagem.
      Como cheguei no meio da tarde, por volta das 16horas, não teria tempo para conhecer as cachieiras mais afastadas, então a moça do hostel onde pernoitei na cidade me indicou que eu fosse até a corredeira do Uburuí, fica perto e poderia ficar até a noite. Assim fiz. Valeu muito a pena, pois essa corredeira do Uburui é um rio lindo que corta a cidade onde tem alguns bares e funciona como área de lazer dos locais. Não é um lugar bagunçado que além de lindo encontra-se bem conservado. Voltei pra o hostel à noite, quando acertei meu passeio para as cachoeiras no outro dia com uma garota chamada Sofia, ela é de Florianolpolis e também estava viajando só. Nos juntamos em um grupo de 5, contribuímos com a gasolina do carro Para conhecer as cachoeiras. Das 100 só conseguimos ir em 1 cachoeira(risos):a da  iracema, beleza era tanta q ficamos o dia todo lá.

      Na terça feira, dia 16/07 às 9 horas da manhã fomos conhecer a cachoeira da Neblina. Para chegar nessa cachoeira rodamos 17 km pela Br em direção a Roraima, no quilometro 51 entramos em uma pequena estrada onde deixamos o carro, cada um pagou R$ 10,00 para entrar e depois andamos por uma trilha, na maior parte plana, por quase 7 km. Trilha um pouco longa, porém muito fácil de fazer. Não precisa guia. Chegamos na cachoeira da Neblina depois de 1 hora andando , ficamos por lá curtindo um bom tempo. Lugar realmente lindo, cercado pela floresta amazônica e se foi sorte eu não sei, mas além de nós 5 o lugar do tinha mais 1 casal que também logo foram embora. Depois de desfrutar desse paraíso retornamos(mais 7 km) para o carro E seguimos para cachoeira da porteira. Lugar massa também, as quedas d'água são bem menores, porém no lugar é passível fazer algumas brincadeiras aquáticas como pular de corda na água, atravessar a corredeira segurando a corda, por exemplo. Ficamos aqui até depois do pôr do sol.
      Ao retornar para p hostel, tomei um rápido banho e seguir em direção a rodoviária de Presidente Figueiredo comprei a passagem pra Manaus no ônibus das 20h. Cheguei na capital as 22h. Chamei um uber, que custou R$11,00 até o centro onde pernoite mais uma noite no hostel que eu estava antes. Fui logo dormir no outro dia , pois tinhas de resolver a minha ida até Alter do Chão.

      Quarta- feira, dia 17: depois de tomar meu café da manhã, fiz p check out do hostel é segui andando até o Porto de Manaus onde comprei minha rede por R$25,00 e minha passagem até Santarém por R$120,00. La eles falaram que o navio iria sair as 11 horas, porém só saiu ao meio dia. Leve lanche ou já vá com a barriga cheia, pois nesse primeiro dia eles só disponibilizam a janta. Como já fui preparado para enfrentar as 36 horas de viagem entre Manaus e Santarém, eu só armei minha rede e seguir viagem.
      Quinta-feira, dia 18/07: Após uma madrugada mal dormida, pois tinha q ficar atento na minha mochila e também devido ao entra e sai de passageiros , nas paradas que faz em Parintins e Juriti , acordei de uma vez por todas as 7 horas da manhã, tomei meu banho e comprei meu café da manhã no barco por R$ 8,00( pão com ovo, um misto e um café com leite). Daí só foi rio abaixo até Santarém, onde chegamos às 15h 30min. Para a minha surpresa e a de muitos no barco a viagem durou 28 horas, 8 horas a menos que o normal.
      Em Santarém vc pode pegar um ônibus coletivo em direção a Alter, eu ia fazer isso até que quando eu estava indo em direção ao ponto de ônibus fui abordado por uma garota de São Paulo que veio na mesma embarcação de Manaus comigo me chamando pra rachar um táxi, estava ela mais duas mexicanas. Concordei em ir e cada um pagou 15 reais ao motorista que nos deixou na porta de nosso hostel em alter , o Hostel Pousada Tapajós( muito bom, indico).
      À noite jantei , tomei um banho e fui em um catimbó que acontece no centro da Vila todas as quintas. Muito bom. Mas como eu estava muito cansado voltei pra casa meia noite para dormir.

      Sexta-feira, dia 19/07/2019: Acordei as 8:30 tomei um café reforçado com beiju de tapioca, misto quente , suco , Nescau, café com leite , frutas e bolo de milho( perceberam q como bem né? rsrsrs...) Depois fui conhecer os arredores. Primeiro atravesse o rio ( travessia R$5,00, podendo diminuir caso atravesse mais pessoas se divide o valor pela quantidade de passageiros) e fui conhecer a serra da PIROCA ( KKKKKKK...) Isso msm. Quem for em Alter e se sentir a vontade de subir na piroca, fiquem a vontade, pois de lá tem a paisagem mais completa e bonita da cidade de onde se ver toda a Vila rodeada pela selva amazônica e o Rio Tapajós. Recomendo. Uma trilha fácil, fiz em menos de 1 hora. Em seguida fui para a praia do cajueiro onde almocei um PF de tambaqui por 20 bozos. Essa praia fica aos pés da trilha onde passei a tarde inteira e só sai dali para apreciar o por do sol no CAT, o mais lindo de toda viagem, rende muitas fotos belíssimas.
      À noite me reunir com o pessoal do hostel, saímos pra uma aula grátis de catimbó no mesmo local da festa do dia anterior e volte pra o hostel.
      Sábado, dia 20/07/2019: Nos reunimos em um grupo e fomos fazer um passeio chamado de Jari, saímos as 9h e só voltamos depois do pôr do sol, consiste em visitar uma reserva florestal onde podemos ver os animais selvagens como preguiça, iguana e macacos em seu habitat, depois fomos visitar as vitórias régias( essas estavam mais bonitas do que as q visitei em manaus) , na sequência fomos pra praia da pedra onde ficamos por mais tempo e almoçamos, depois lagoa negra e praia do cururu onde apreciamos o pôr do sol.
      À noite estava rolando uma festa bacana na Vila, que é a festa do Boto Tucuxi, na cidade a disputa de festa entre dois botos o rosa e o tucuxi. Nesse dia foi a festa do Tucuxi. Noite muita animada e rica culturalmente. Por volta das 3 da manhã fui dormir.

      Domingo, dia 21/07/2019: O dia amanheceu chuvoso, por isso passei a maior parte do tempo no hostel dormindo , é claro, devido a noite anterior. No meio da tarde o tempo melhorou , foi quando aluguei um caiaque pra remar pelo rio. Durante a noite jantei e dormir cedo.
      Segunda- feira, dia 22/07/2019: acordei, tomei café da manhã e fiz o check out. Partir para Santarém pra conhecer um pouco da cidade, já q o ponto alto de toda essa região é Alter do Chão e eu não queria deixar Santarém de lado. Como só tinha uma tarde,além de buscar informações sobre o meu deslocamento de barco entre Santarém e Belém, fui conhecer o parque, o museu... e à noite fui ao cinema, que fica no shopping paraíso, assistir O Rei Leão.( RS.. ). Uma informação importante é que o trajeto de barco Santarém-Belem , não existe lancha(um modo mais rápido de deslocamento que o barco). Portanto vai preparado pra passar 48 horas navegando pelo Rio Amazonas. Eu adorei a experiência.
      Terça- feira, dia 23/07/2019: lembram que eu contei que um dos motivos de passar 1 dia em Santarém era pra buscar informações sobre meu deslocamento? Pois então... não adiantou nada. Pq parece q estavam estruturando o Porto de Santarém e de onde partiam os barcos já não estava mais sendo ali e ninguém sabia me informar nada. Nem mesmo por meio de telefonemas que conseguir fazer para os portos . Então, como a maioria das pessoas que busquei a informação me disseram que a compra e a saída dos barcas se davam nas Docas( um dos portos da cidade) fui pra lá. Chegando me disseram que as partidas de barcos a partir daquele momento eram do outro Porto chamado Martim Pena, mas q eu poderia comprar a passagem ali nas Docas. Minha sorte que sair cedo do hotel que eu estava, já prevendo uma certa confusão nesse sentido , e acabou dando tudo certo. Comprei a passagem nas Docas, por R$200,00, peguei um mototaxi às 10h e 30min e fui pro outro Porto de onde o barco saiu ao meio dia. Informação importante: Não existe Uber nem 99 em Santarém, o único aplicativo de transporte que tem lá é um chamado "Urbano Norte". Feito a observação, voltemos ao meu deslicamento rumo a capital Paraense. O barco saiu no horário, não estava muito cheio então montei a minha rede e segui rumo as minha 48horas de viagem até Belém.
      Quarta - feira, dia 24/07/2019: Depois de uma noite inteira de entra e sai , acordei as 8h. O barco até Belém, pelo menos o q peguei, tem muito mais paradas do que o de Manaus a Santarém. Paradas longas.
      Nesse dia não teve nada demais , além da viagem. Portanto uma dica - leve livros, jogos, baixe seus filmes no celular ... Se muna de qualquer coisa q vai ajudar passar o tempo mais rápido. Eu levei um livro , mas passei a maior parte do meu tempo dormindo e quando acordado ficava rodando pelo barco apreciando a paisagem da floresta e das comunidades ribeirinhas por onde passávamos. Uma coisa bem interessante neste dia, foi que do nada um monte de crianças saíram de barco das suas casas dentro da floresta em direção ao navio. Depois percebi os passageiros do navio jogando sacolas plásticas com objetos ou alimentos dentro pra essas crianças pegarem.

      Quinta - feira, dia 25/07/2019: dia de chegada em Belém. Por volta das 10h é 30 min avistamos Belém, o navio agradou no Porto por volta das 11h 30 min. Descemos e fui até o ponto se ônibus pegar o transporte para o centro da cidade onde estar localizado o hostel que reservei , o Belém hostel, diária 45 reais com café da manhã simples. Como estava morto de sono, fiz o check in e fui dormir. Acordei por volta das 17 horas , fui em um super mercado compra e uma pizza pra comer a noite.
      À noite fui até um outro hostel , onde estava rolando um festa e alguns amigos q conheci em Alter estavam lá. Fiquei neste lugar até meia noite.

      Sexta- feira, dia 26/07/2019: acordei cedo, pois tinha que ir conhecer um vilarejo chamado Algodoal, fica a 3 horas a norte de Belém. Ao contrário de todas as outras praias que eu visitei pela região amazônica, que eram praias de rio portanto de água doce, em Algodoal é praia de água salgada, pois fica localizada no litoral do Pará, banhado pelo oceano Atlântico. Nesse dia após o café da manhã, fiz o check out e fui em direção a rodoviária, onde peguei uma van por R$40,00 (tem a opção de ir de ônibus também, por 37 bozos) o transporte te deixa na cidade de Marudá, de onde atravessa de barco pra algodoal pagando por isso mais R$10,00.
      Me hospedei na casa de uma moça simpática chamada Dani, estar tentando implantar um hostel em sua casa, que fica logo no começo da praia onde os barquinhos atracam. Pela hospedagem em um quarto com ventilador paguei R$ 50,00, inclui um simples café da manhã( café, leite e pão com manteiga). Deixei minhas coisas na hospedagem e fui logo pra praia , de cara percebi que o local não era uma vilazinha pacata no interior do Pará, mas sim uma ilha bem badalada onde a população de Belém vai passar as férias e feriados. Com barracas de praia enormes que promovem festas para seus clientes . Eu adorei ! Hahahaha... Cheguei na praia as 16 horas da tarde pra um simples mergulho no mar e retornei para o hostel quase 1 hora da manhã. Um pouco embriagado.rs... Dormi pra me preparar pro dia seguinte.

      Sábado,dia 27/07/2019: Acordei por volta das 11 horas da manhã, tomei café, vesti a sunga e fui pra praia. Nesse dia fiquei em umas das barracas onde almocei peixe e acompanhamentos (R$20,00) e fiquei tomando cerveja de 600 ml( R$10,00). Além da cerveja de 600 ml, em frente das barracas que tem festas, ficam ambulantes vendendo cerveja em lata 3por R$10,00. Bem voltando ao almoço, isso ocorreu logo na primeira praia que não me recordo nome, fiquei aí até as 15 horas quando fui pra Praia da princesa , que é uma das praias de Algodoal. Anda pra caramba pra chegar lá, mas tem a opção de ir de charrete. No caminho tem um riacho que quando estar cheio, atravessa de barco pagando 2 reais. Por volta das 16 horas cheguei nas barracas da festa localizadas na praia da princesa e ali fiquei curtindo, bebendo, dançando, tomando banho de mar e ouvindo música boa até as 23 horas. Depois disso voltei andando até a praia onde almocei onde estava tendo mais festa , em uma barraca festa de catimbó e em outra regge. Continuei a noite e pela madrugada.

      Domingo, dia 28/07/2019: Depois de um dia e noite bem aproveitados acordei meio dia, fui almoçar na praia , dei um mergulho no mar e retornei pra pegar minhas coisas no hostel e retornar pra Belém. O retorno Paga-se o mesmo preço pra chegar Na ilha. Estrada eengarrafada, pois era o último dia de férias do meio do ano no estado do Pará. Então o retorno foi mais lento. Cheguei em Belém por volta das 20 horas, fui pro hostel, pedi uma pizza , como, tomei banho e cama.

      Segunda, dia 29/07/2019: Nesse dia tirei pra conhecer de fato a capital do Pará, porém não pude ir aos museus pq estavam fechados , então passei o dia batendo perna pela cidade, fui ao mercado ver o peso comprar lembranças, nas Docas. Belém é uma cidade que você consegue conhecer tudo em um dia. Então, consegui fazer tudo e voltei para o hostel.

      Terça- feira, dia 30/07/2019: dia de retornar pra casa, mas como meu voo era só às 18h 15min, deu tempo de fazer algumas coisas , tipo ir aos museus que estavam fechados como o da casa das 11 janelas, museu náutico, forte e o parque MANOEL DAS garças que é um parque ambiental urbano com borboletário. Tudo perto um do outro. Voltei pro hostel, fiz check in do meu voo de volta pra casa , tomei um banho, fiz o check out do hostel e fui pro aeroporto de uber, que custou do centro R$17,00. Assim finalizei uma das viagens mais lindas que fiz pela região amazônica. Dessa forma , aconselho a todos a economizar uma grana assim além disso vc tendo a vontade de viajar, vá!
      Espero ter ajudado com o relato.
      Grande abraço 

      SEGUEM OS CUSTOS QUE ME LEMBREI DE ANOTAR. 

      Passagem pela Gol de ida: Salvador - Manaus com conexão de 1 hora em Fortaleza R$409,98
      Passagem pela Latam retorno: Belém-Salvador com uma escala de 6horas em Fortaleza R$282,95.
      Passagem de barco Manaus - Santarém R$100,00
      Passeio(tribo, boto, reserva...com almoço e agua) R$160,00.
      Hospedagem c/ ar e café manhã no Hostel Manaus R$55,00
      Ônibus urbano R$ 3,80
      Uber aeroporto centro de Manaus R$ 30,00
      Cerveja em lata na praia de Ponta Negra R$ 4,00
      Almoço tambaqui no mercadão de Manaus R$ 15,00(PODE ACHAR POR R$10,00)
      Em Santarém/alter
      Hostel Tapajós R$50,00( CAFÉ da manhã incluso e farto)
      Ida de Santarém para Alter de  táxi dividido por 4 R$20,00 pra cada.
      Uma Diária de hotel simples em Santarém R$70,00
      Barco Santarém para Belém R$200,00
      Hospedagem em Algodoal R$50,00
      Passagem de ônibus Algodoal R$37,00 e de van R$40,00. Depois se paga mais R$ 10,00 da travessia de barco até a ilha de Algodoal.
      Almoço em Algodoal a partir de R$20,00 nas barracas de praia e a partir de R$10,00 nas ruazinhas da Vila
      Fotos:
      01 - Casa de Ribeirinho na Floresta 
       
      02- Parte da Tribo Indígena Dessana

      03 - Crianças Indígenas 
       
      04 - Rio Uburui em Presidente Figueiredo 
       
      05 - Cachoeira da Neblina em Presidente Figueiredo 
      06 - Pôr do sol no Rio Tapajós em Alter do Chão 
       
      07 - Navegação no Rio Tapajós em Alter do Chão 
       
      08 - Vista para as vitorias regias em Alter
       
      09 - Boas amizades que fiz em Alter do Chão. Estavamos comendo peixe filhote, que apesar do nome é bem grande.
       
      10 - Algodoal, norte do Pará 
      11 - Centro antigo de Belém
      12 - Mirante do Parque Mangal das Garças em Belém 
       
      Quem quiser ver mais fotos dessa trip, pode conferir no meu Instagram. 
      13 - Festa do Boto Tucuxi em Alter do Chão ( o rapaz de branco é o boto)
    • Por Thalyta Milena
      Oieee, galera.
      Estou a procura de pessoas que se interessam em fazer um mochilão pela Amazônia, eu sou de Manaus e queria encontrar pessoas do Pará, Amazonas, pra ver se fica mais fácil a aventura. Mas claro que se tiver algum de fora, pode vim também. Estou pensando em fazer ano que vem (2020) conhecer alguns pontos, focando sempre na natureza. 
      Se tiver alguma dica, qualquer coisa, pode comentar, eu agradeço. 
    • Por Daniel Corrêa Trindade
      Salve, pessoas! Vou trazer aqui pra vocês um relato com a minha experiência sozinho e sem carro na Chapada Diamantina e no Vale do Pati, que rolou agora em julho.
      Antes de mais nada eu queria dizer que fui pra ficar 5 dias e fiquei 12. E aviso que pra quem tem flexibilidade de datas provavelmente fará a mesma coisa hahahaha.
      Fiz Rio-Salvador, mas por motivos promocionais cheguei na capital baiana somente as 3hrs da manhã. O ônibus só saia as 7 da manhã da rodoviária, então fiz o que qualquer pessoa normal faria: dormi no aeroporto pra fazer hora.
      Infos sobre o ônibus: Ele faz Salvador-Seabra e custa uns 90 reais, com paradas em algumas cidades antes, mas na Chapada ele para em Lençóis (+-8hrs de viagem e que é a principal cidade) e Palmeiras (+-8h30). Eu comecei minha viagem pelo Vale do Capão, então desci em Palmeiras e peguei um carro que faz Palmeiras-Capão pelo valor de R$ 15-20 reais (depende da quantidade de pessoas). A viagem dura cerca de mais uns 30 minutos em uma estrada de terra batida. O Vale do Capão é bem pequeno, porém é incrível a vida ali, eu notei algo diferente e eu não sabia o quê, até que me disseram ser ali a principal cidade do Brasil em Theta Healing, e descobrindo o significado, me fez sentido. Não sei se essa info é verdade, se alguém puder/quiser confirmar....
      Fiquei 2 dias e meio lá, como cheguei tarde no primeiro dia só fiz o reconhecimento da cidade e comi algo. No dia seguinte me juntei com um cara e uma alemã que estavam no hostel e fomos fazer a trilha da Cachoeira Angélica e da Purificação (são contínuas). A trilha não é difícil porém em alguns pontos você perde o caminho, já que precisa cruzar o leito do Rio. Usamos o Wikiloc e ainda assim em 1 ou 2 pontos tivemos dificuldades para achar a direção correta, mas nada grave. Particularmente eu acho que pra pagar guia/agência não valeria a pena, as cachoeiras são legais mas não impressionam tanto.
      No segundo dia eu fechei de fazer a Cachoeira da Fumaça, tida como a maior do Brasil com seus 340 metros de queda. Dá pra fazer sem guia mas eu penso que contratando um, a gente colabora pro desenvolvimento local e contribui para manutenção dos lugares etc, além de claro, gerar emprego. Esse rolé tbm sai de Lençóis, porém sai mais caro. A trilha tem 12km (ida e volta) e uma subida inicial de 2km, depois fica tranquila. A foto clichê de lá é deitar-se sobre uma pedra pontuda e angular a foto pegando a cachoeira. Bem, eu dei "um pouco" de sorte e consegui um arco-íris completo na minha vez!


       
       
      No dia seguinte peguei a van de manhã e retornei para Palmeiras, onde peguei o ônibus para Lençóis. Eu tinha na cabeça que queria fazer, além dos pontos principais que saem de Lençóis , a Cachoeira do Buracão e a Fumacinha, ambas em Ibicoara (Sul da Chapada, sendo que Lençóis fica no Norte). Chegando já fui atrás das agências para ver se teria. Buracão é mais tranquilo encontrar e até saem passeios de bate volta de Lençóis, mas se passa mais tempo dentro do carro do que na trilha e cachoeira. No dia seguinte fechei de fazer Gruta da Lapa Doce + Gruta Azul + Pratinha e Pai Inácio. O tempo estava ótimo e o Por do Sol no Pai Inácio foi o mais incrível que já vi! Gravei o time lapse com a gopro mas deu algum erro e perdi, mas na memória a gente nunca esquece.


       


      Na volta desse dia acabei conseguindo um passeio de 3 dias com a Eco Por do Sol, que incluiu Buracão, Fumacinha e Poços Encantado e Azul, paguei um valor que considerei justo antes de ir, e de baratíssimo quando voltei após conhecer esses lugares surreais. Inclusive recomendo demais a agência, o Vitor, dono, se importa demais com os clientes e busca a todo tempo ajudar e trocar feedback.
      A cachoeira do Buracão é demais! Imponente, a queda forte faz uma correnteza de assustar hahaha. A trilha por si só já é linda também, ótimos lugares para belas fotos e apreciar a natureza.



       
       
      Na volta, dormimos em Ibicoara mesmo, para no dia seguinte fazermos a Fumacinha. Ficamos na hospedagem da Bia, são 3 quartos super confortáveis, todos com cama de casal e uma de solteiro. A Bia tbm oferece janta e café da manhã e a comida é deliciosa. A cachoeira da Fumacinha é considerada por mt gente como a trilha de 1 dia mais difícil da Chapada. E realmente é difícil, além dos 18km ida e volta, a maior parte andando (e pulando) pedras, mas há ainda escaladas verticais em alguns pontos, e no último trecho para ter acesso a ela se escala na fenda, de lado por uns 10 metros. É a parte mais difícil na minha opinião. A cachoeira fica no final de um cânion e a gente anda o tempo todo rio a cima dentro dele. O visual da trilha é demais e tem de tudo! Até colméia de abelha africana que requer silêncio absoluto na passagem rsrs. Na foto eu to de casaco por motivos de: a água é super gelada e ali não bate sol, ou seja, faz um frio absurdo (recomendo levarem também)


       

      A minha estadia na Chapada que já tinha se estendido de 5 para 9 dias ainda teria mais uma alteração: Durante esse último passeio conheci uma menina que faria a Travessia do Vale do Pati de 3 dias tbm com a Eco Por do Sol. Ela me convenceu a ir e eu a agradecerei pra sempre hahaha. Pois bem, chegamos cerca de 17hrs desse passeio a nossa saída pro Vale do Pati já seria no dia seguinte, então só deu mesmo tempo de comer algo, arrumar as mochilas e descansar.
      Bom, na Travessia do Vale do Pati normalmente nos hospedamos nas poucas casas dos moradores ainda da região, mas que estão devidamente estruturados para receber o turismo. Ficamos todos os dias no lugar conhecido como "Igrejinha", mas é comum também mudar diariamente a hospedagem a depender do que se fará.

       
       
      Sobre a Travessia: Inicíamos em Guiné as 10hrs da manhã e chegamos por volta das 15hrs. Deu tempo ainda de irmos até a cachoeira do Funis e revigorar o corpo e alma numa água gelada.


       
       
      No dia seguinte amanheceu um pouco fechado e achei o dia mais difícil de caminhada, com a subida do Morro do Castelo. No Castelo tem de tudo: andar no plano, travessia de rio, subir mata a dentro, escalar pedras, atravessar cavernas....enfim! Mas mais uma vez o visual recompensa.

       
      No último dia andamos rumo ao Cachoeirão, que pra mim foi a melhor vista de toda a viagem. O acesso em si não tem grandes dificuldades, mas a distância percorrida é a mais longa de todas (acho que no dia inteiro se anda ali cerca de 20km). A volta do Cachoeirão para finalizar a travessia durou umas 4 horas ainda, com 90% desse tempo com o sol na cara, andando em meio aos gerais (como são chamadas as planícies) que por vezes eu parava e olhava em 360° e pensava: eu to no meio do nada! hahahaha


      Finalizamos a Travessia já no fim da tarde, escurecendo. Ao todo andamos cerca de 50km em 3 dias, com muitos trechos bem difíceis e cansativos, mas tudo totalmente recompensado a cada fim de dia. Retornamos para Lençóis as 20hrs e meu ônibus saia as 23h30. Fim de viagem e o pensamento de retornar para a Chapada já está na minha cabeça, afinal aquele lugar é o mundo e ainda falta muita coisa linda pra descobrir.
      Bem, é isso. Capaz de eu ter esquecido de algo mas posso tirar dúvidas caso tenham, é só deixar msg aqui.
      No meu instagram tem mais outras fotos no feed (e ainda postarei bastante coisa da Chapada) e mais um monte nos Destaques: @danielcorreat_
      Podem tbm deixar as msgs por lá.
      Espero que tenha ajudado quem pretende conhecer a Chapada, e quem ainda não conhece, só vai! O lugar é mágico!
       
       
    • Por foradatribo
      Já era o quinto dia de acampamento e viagem. Acordei muito cedo, recomendação do Holandês do Mar, para procurar algumas conchas naquela imensidão deserta que é a Praia do Sol. Depois de uma hora de caminhada, Apolo (o deus do Sol) mostra-me o porquê do nome da Praia. Aos poucos as cores vão transitando por vários tons dourados, estarrecedores. Foi de esquecer até as conchas, hshs. Como não tenho espírito holandês, não tinha encontrado muitas mesmo.

      Retornando para o acampamento, e depois de uma pomposa refeição à base de frutas, o dono do camping apareceu, e lá fomos nós pelas areias. A primeira parada do dia foi na Ponta do Gi, uma graciosa elevação no meio da areia, coberta da cascalho e pedras, dá para imaginar um cenários daqueles que nos pintam da superfície de Marte - só que com plantas. Bem no ápice da elevação, fica a Pedra do Frade, uma beldade, completando o cenário extraterreno - parece que foi colocado minuciosamente uma rocha sobre a outra. Infelizmente um ponto negativo daqui fica por conta das pessoas sem juízo que sobem com seus carros e ficam perambulando sobre a paisagem, destruindo a graciosidade dos deuses.


      Na sequência fica a imensa Praia do Gi, deserta com 5 km até o início da Praia do Mar Grosso já na cidade de Laguna. Mar Grosso, não me pareceu muito interessante, sabe aquelas praias meio burguesinhas de São Paulo, tipo Maresias, então bem isso. Um resort à direita da rodovia com passarela e tudo até a praia. Ainda eram 10:00 e fomos direto para o Molhes da Barra onde, inocente, eu, com os vidros do carro baixados entrei feliz da vida. Poseidon me agraciou com suas agradáveis águas que rebentaram no molhes e entraram pelas janelas sem educação nenhuma, kkkkk. No molhes vimos muita gente pescando, era cada robalo; 😍. Muitos pescadores, de todos os lugares do sul. Na ponta um Farol, modesto mas simpático, contudo não ficamos muito à vontade, já que Poseidon insistia com suas graças.

      Fomos até o centro histórico, uma experiência indispensável. Visitamos o Marco de Tordesilhas, o museu de Anita Garibaldi, a Paróquia Santo Antônio do Anjos, A Fonte da Carioca, pena que a Casa de Anita estava fechada para reforma, e o Museu da cidade tinha sofrido um incêndio recente, então não tivemos acesso. Fomos depois ao Morro da Glória de onde podemos ver todo o molhes e boa parte da cidade. Antes de pegar a balsa, passamos na Fonte da Carioca reabastecer as águas e ver o a Casa Pinto D'ulysséia.



      Seguimos até a Balsa, esperamos 5 min e lá se fomos. Após a travessia, pegamos à esquerda e fomos procurar a Praia do Tamborete, uma teteia com se diz aqui no sul. Como Poseidon se desgasta no molhes, o Tamborete tem águas abrigadas e bem calmas, além de transparentes. A areia é limpinha e um morro rochoso faz a graça à direita. Um fato curioso é que em algumas rochas da lateral da praia emitem um 'eco' das ondas e um ruído das águas, acredito que possa ser o motivo do nome da praia. Outro detalhe curioso é uma espécie de oratório, parecendo aqueles dos Jesuítas que vemos nos livros, este fica um pouco antes da Praia do Tamborete.


      Na volta, pegamos mais à direita antes da rodovia, e fomos em busca da Praia do Gravatá. Depois de um bom trecho de vielas, subida acima, as casas acabam. Perguntei a um morador que me instruiu deixar o veículo no seu estacionamento e seguir a pé, não era recomendado deixar o carro no meio da mata, alguns roubos, segundo ele acontecem por ali. Pegamos a mochila e lá fomos nós, após 400 m na rua de paralelepípedos, entramos numa trilha pouco desgastada. Só a trilha já vale o esforço, por entre as colinas, algumas vacas e palmeiras retorcidas que lembram o nordeste do país. Nada mais que 30 min de caminhada, e a deserta Praia do Gravatá se descortina à nossa frente, indescritível, poderia dizer que é a mais incrível que encontrei nas minhas andanças. Na verdade são duas: a Praia do Gravatá e a do Maneloni, separadas apenas por uma elevação - mistura de areia e pedras coberta de grama. Com areias brancas e a água azul que se confunde com o céu.

      Ficamos um bom tempo por ali, antes de seguir. Nossa próxima parada foi a também isolada Praia da Tereza, uma vila com uma 10 casas. A praia não é muito bem conservada, mas conta até com um parquinho para as crianças. Logo em seguida fomos para a Praia do Ypuã, ao menos tentamos, kkkk. É uma extensão de areia enorme, e rapidamente encalhamos. Com algum trabalhos conseguimos desencalhar, e seguimos caminhando conhecer: a praia brevemente, só tinha gringo, e o nosso primeiro Sambaqui, o Sambaqui da Roseta.

      O final do dia já se aproximava, mas como o horário era verão, fomos conhecer a mais charmosa praia que já vi, a Praia da Galheta. Incrível, uma pequena vila, irregular. Casas de vários estilos culturais, sem muros ou cercas, emergindo da areia. Uma sinfonia perfeita com o grande Sambaqui que amortece as ondas. Ao norte do Sambaqui a Praia da Galheta, mas agitada, de areia branca e fina, com água azul carregada de 'carneirinhos' das ondas que quebram muito antes da margem; ao sul a Praia Grande, de areia mais grossa e água muito calma. Dá vontade de dormir ali, não fosse ter deixado o carro 1 km na estrada - depois do Ypuã preferi não me aventurar na areia - e estarmos de partida para o Farol de Santa Marta.

      Sigo com o final da trip no próximo post.
       
       
    • Por Marcos A
      Bangkok foi a nossa primeira parada e não sabíamos ao certo o que encontraríamos por lá. Cada canto daquela cidade nos encantou. Desde os templos até a culinária, Bangkok foi um acerto na nossa viagem. Também usamos Bangkok com hub para tudo que fizemos na região. Ficamos no total 2 dias inteiros por lá e mais um como ponto de partida e chagada para Ayuttaya.
      Como chegamos
      Chegamos de avião vindos de Montreal. Compramos os bilhetes pela United Airlines, com o trecho entre Tokyo e Bangkok feito pela empresa ANA. Recomendo fortemente ambas. O voo foi super tranquilo e o atendimento o melhor que tivemos em voos até agora.
      ✅ Dica: Peça a comida especial, por exemplo, sem glúten. Você vai receber a refeição primeiro do que os outros passageiros!
      Onde nos hospedamos
      Nos hospedamos no Rambuttri Village Plaza. O preço não incluía o café da manhã (250 bath à vontade). O bom desse hotel é a localização. Fica bem pertinho da Rambuttri Road e da Khao San Road. Fomos andando para todos os pontos importantes de Bangkok, incluindo o Grand Palace e a montanha dourada. O quarto era arrumadinho e suficiente para uma boa noite de sono. Recomendo.
      O que fizemos
      Fizemos um pouco de tudo em Bangkok. Visitamos templos, as badalas ruas do centro, um mercado flutuante, alguns restaurantes renomados e mais templos!
      Mercados Flutuantes
      Existem várias opções de mercado flutuante em Bangkok. Optamos pela menos turística e mais perto do centro da cidade. Escolhemos conhecer o mercado flutuante de Khlong Lat Mayom e não nos arrependemos em nada disso.
      MERCADO FLUTUANTE DE KHLONG LAT MAYOM
      Sáb e Dom (e feriados) - 8:00 às 17:00 - Gratuito


      O mercado fica uns 30 minutos de Bangkok. É acessível somente por táxi e se você for corajoso, transporte público. Lá, encontramos muita variedade de frutas, doces, carnes, peixes e comidas típicas. É um verdadeiro mercado gastronômico. Você também pode contratar um passeio de barco pelas redondezas.
      ✅ Dica: Usamos o aplicativo Grab para todos os deslocamentos mais distantes em Bangkok. Recomendo bastante. Diferente dos táxis comuns ou tuk tuks, você já sabe o valor da corrida no início, você sabe quem é o motorista e pode ler as recomendações. 
      Entretanto, o melhor desse mercado é que ele é frequentado principalmente pelos tailandeses e fica um pouco fora da rota turística dos mercados flutuantes. Portanto, imersão cultural garantida aqui. Aconselho fortemente que você experimente um peixe feito na brasa com sal grosso. É uma delícia!

      Peixe assado na brasa e servido sobre uma folha de bananeira.


      Templos
      Marca registrada de Bangkok, visitamos os principais templos e alguns secundários. Evitamos visitar templos com arquitetura parecida. Focamos mais no inédito, na peculiaridade de cada um e funcionou direitinho.
      GRAND PALACE E O TEMPLO DO BUDA DE ESMERALDA
      Seg à Dom - 8:30 às 15:30 - 500 bath


      O Grand Palace não é mais a residência oficial do rei, mas ainda tem papel importante na espiritualidade do povo tailandês. Além do palácio real e das várias estátuas e edifícios ornamentados (cada um mais belo do que o outro), é nesse complexo que se localiza o Templo do Buda de Esmeralda, o mais importante templo do país, que abriga uma estátua de Buda feita de, claro, esmeralda.
      WAT PHO OU TEMPLO DO BUDA INCLINADO
      Seg à Dom - 8:00 às 18:30 - 100 bath


      O templo Wat Pho abriga uma das mais conhecidas estátuas de Buda da Tailândia: a famosa estátua do Buda inclinado e os seus incríveis 45 metros de comprimento. O que poucos sabem, entretanto, é que Wat Pho é o templo mais antigo de Bangkok. 

      Imagem de Phra Buddha Theva Patimakorn, localizada na principal capela de Wat Pho.
      Aproveitamos também para depositar moedinhas nas 108 panelas que ficam ao lado do Buda reclinado e também visitamos algumas das 400 imagens de Buda enfileiradas no arredores do templo. Se você gosta de massagem, vai querer fazer uma na primeira universidade da Tailândia, dedicada a medicina tradicional e a massagem. Não fizemos, mas acho que vale a pena.
      WAT ARUN OU TEMPLO DO ALVORECER
      Seg à Dom - 8:30 às 17:30 - 50 bath

      Vista de Wat Arun do barco, atravesando o rio Chao Phraya.
      Pra mim o melhor e mais interessante templo de Bangkok. Os aplicativo do Instagram chora quando fotos desse lugar são publicadas. Wat Arun ou Templo do Alvorecer fica na margem oposta do rio Chao Phraya. As suas 5 prangs são revestidas com pedaços de porcelana chinesa e cerâmica vidrada, fruto do intenso comércio chinês que havia na época de sua construção. 


      O templo é muito visitado e passou por reformas recentemente, sendo reaberto no final de 2016. Muitas pessoas se acumulam nos bares na margem oposta do rio para ter uma visão privilegiada durante o pôr do sol. A gente tentou, mas os bares cobram uma fortuna e desistimos. A sorte é que choveu durante o por do sol. Vingança divina? Acho que não.
      WAT SAKET OU TEMPLO DA MONTANHA DOURADA
      Seg à Dom - 7:30 às 17:30. - 50 bath


      Esse templo tem muita história e peculiaridades. O local onde hoje se localizada o templo Wat Saket foi construído no topo de uma colina artificial. No início do século 19, o rei Rama III ordenou a construção de uma enorme chedi no local. 


      O solo pantanoso de Bangkok não suportou o peso e a estrutura desmoronou. Durante décadas de abandono, os escombros tomaram forma de uma colina natural. São 300 degraus em uma grande espiral. A subida não é tão difícil e existem vários pontos de parada para descansar. Lá de cima, tivemos uma visão de 360 graus de Bangkok. Vale a pena.
      OUTROS TEMPLOS
      Visitamos também o templo Wat Ratchanatda e passamos rapidamente por Wat Traimi e Wat Benchamabophit. Dos três, recomendaria somente Wat Ratchanatda e Wat Benchamabophit. O primeiro, pois abriga uma estátua de Buda super sagrada e envolta em mistérios e o segundo devido ao seu jardim externo e a sua forma, que é completamente diferente da maioria dos templos de Bangkok.

      Templo Wat Benchamabophit
      Khaosan road e Rambuttri Road
      Duas das mais populares ruas de Bangkok. Alguns dizem que a Khaosan Road é a mais agitada do que a Rambuttri Road, mas de verdade? Achei ambas muito parecidas. Muitos restaurantes, boates, lojas de massagem, casas de câmbio, música rolando noite a dentro, muita gente indo e vindo. Enfim, é um local a se visitar em Bangkok.
      Foi na Khaosan Road que fizemos a nossa primeira massagem tailandesa (prometo colocar o local exato). Foram 30 minutos de massagem nas pernas e posso dizer, descobri partes do meu corpo que não sabia que existiam no processo. A dica é pechinchar o preço. Se estiver acompanhado(a), ainda melhor!
      Chinatown


      Passamos rapidamente pela Chinatown em Bangkok, considerada a maior fora da China. A sensação é realmente que estamos mudando de país e entrando em outro. Várias lojinhas de produtos chineses, medicinais, alimentos secos, de tudo! Vale a pena a visita e se tiver tempo, pare em um dos restaurantes de rua para saborear uma comidinha chinesa de qualidade.
      Ayutthaya


      Localizada à 80 km de Bangkok, as ruínas mostram somente um pouco do que foi uma das mais cosmopolitas e vibrantes capitais do sudeste asiático. Ela foi a capital do reino de Sião, sendo destruída e saqueada em 1767. Os sinais da destruição causados pela invasão Birmanesa podem ser vistos até hoje, com centenas de estátuas de Buda decapitadas e marcas de fogo por todos os lados.
      ✅ Dica: A vestimenta apropriada é exigida para entrar em alguns dos templos (diria regra geral para todas as atrações religiosas da cidade). Se não tiver, eles não deixam entrar e não existe aluguel de roupas do lado de fora como no Grand Palace. 


      Se você tiver tempo sobrando em Bangkok, sugiro fortemente uma visita. Fomos de trem (20 bath cada trecho por pessoa) e lá em Ayuttaya, negociamos um tuk tuk, 1100 bath por 5 horas de passeio. Visitamos os seguintes templos: Wat Yai Chai Mongkhon, Wat Maha That (famoso pela cabeça de Buda na árvore, Wat Phra Si Sanphet, Wat Lokkayasutharam (Buda reclinado) e Chai Watthanaram.
      Não consegui achar nenhum site confiável com os horários de funcionamento dos templos. O que pude ver nos fóruns por aí é que abrem pela manhã e fecham ao anoitecer, por volta das 17h-18h. 
      Onde Comemos
      Fomos para Bangkok querendo conhecer 2 restaurantes de rua super famosos: o Thipsamai Phad Thai e o Jay Fai. Os demais foram escolhidos através do TripAdvisor. Segue a lista completa:
      Thipsamai Phad Thai: Melhor restaurante (na nossa opinião) pra comer Phad Tai em Bangkok. Fomos duas vezes e nas duas, saímos com um sorriso de satisfação estampado no rosto.  
       
      Jay Fai: Restaurante de comida tradicional tailandesa com 1 estrela no Guia Michelim. Por causa disso, costuma ser cheio e o preço é bem salgado.  Ama (pertinho do templo do Buda reclinado): Restaurante de comida tailandesa com influencias do reggae. Recomendadíssimo.  
      The Sixth 6th: Se quiser tomar um chá gelado, café ou drinques diversos, esse é lugar. Fica perto do pier de embarque para Wat Arun. É bem pequeno, mas guarda um charme bem interessante Tubtim Bed&Breakfast: localizado na Rambuttri Road, é uma espécie de hostel com restaurante. O local é bem agitado e com preços convidativos. Assistimos à alguns jogos da copa do mundo lá. Conclusão sobre Bangkok
      Bangkok, uma cidade grande, com ar de capital, clima de cidade litorânea e com muita tradição, história, religião, modernidade e caos misturados. Voltaríamos sem nenhuma dúvida, melhor dizendo, voltaremos sem nenhuma dúvida, pois ainda temos muito pra ver e Bangkok será sem dúvida o ponto de chegada da nossa próxima visita à Tailândia.
       
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com
       


×
×
  • Criar Novo...