Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Colaboradores

Não sei se é possível descrever o que vivemos nesse dia. Planejamos ver o nascer do sol em Tikal sem saber muito o que esperar. Imaginava uma arquibancada, montada entre as ruínas, onde os visitantes poderiam se sentar e assim observar a estrela do show, o sol. Foi com esse espirito que fomos visitar uma das ruínas maia mais importantes.

O espetáculo começaria bem cedo, por volta das 5 horas da manhã. Chegamos em Tikal, Guatemala, por volta das 4 horas, depois de 1 hora de transporte. Tudo estava indo como planejado. Até o clima resolveu ajudar. Se esperava chuva e tempo ruim durante toda a visita. Entretanto, ao sair do carro e olhar para cima, só dava pra ver a lua cheia, sozinha no céu. Só via algumas nuvens, mas nada de mais. O guia nos levou à entrada, onde os ingressos foram validados e depois, tivemos um pequeno e rápido café da manhã antes de começar a desbravar Tikal na escuridão.

Citar

Mais sobre o passeio

Agendamos o tour do nascer do sol diretamente com o hostel Los Amigos. Estavam inclusos o transporte de ida e volta e o guia turístico. Compramos com antecedência os ingressos para Tikal. Os ingressos são vendidos em qualquer agência do Banrural. Um para a entrada normal ao parque e outro para o nascer do sol. No total, pagamos 250 Quetzais por pessoa (em 2017).

Seguimos por uma trilha em plena escuridão. A experiência foi algo difícil de descrever. Não havia mais ninguém ali, Tikal era só nosso e seria assim por mais algumas horas. Logo atrás do guia, o grupo seguia em silêncio, um atrás do outro. Silêncio esse que era interrompido por alguma explicação do guia sobre Tikal.

Após alguns minutos de caminhada, o guia virou e apontou na direção da lua. Apontava para uma pirâmide maia imensa, que tampava a lua e criava uma sombra escura, era uma cena de filme. Esse foi só um aperitivo. Aquela era a entrada da praça central, local mais importante de Tikal. Tentei tirar fotos, mas a câmera fotográfica não foi capaz de capturar o que os nossos olhos estavam presenciando. Parecia que éramos os primeiros ali e que havíamos descoberto uma cidade abandonada no tempo.

Ali do meio da praça central, o guia nos explicou tudo sobre os rituais maias, inclusive dizendo que Tikal ainda recebia descendentes de maias que usam o local para prestar culto aos seus deuses e antepassados. Foi definitivamente a melhor aula de história da minha vida.

Rumo ao Templo IV

Até ali não tinha muita ideia de onde nós iríamos ver o por do sol. Lembra da ideia da arquibancada na praça central? Não podia estar mais errado. Saímos de lá e seguimos em frente. Alguns minutos depois, estávamos subindo uma grande escadaria. Era imensa. No final, as escadas deram espaço a rochas e a uma grande arquibancada de pedra . Era o Templo IV, um dos maiores templos maia já descobertos até então.

Algumas pessoas já esperavam sentadas aguardando o nascer do sol. Nos sentamos, olhamos pro céu e nenhum sinal de nuvem ou chuva. O cenário estava montado, tudo perfeito em seu devido lugar, agora era aproveitar em silêncio o espetáculo começar. Os raios de luz começavam a sair, se misturavam com a escuridão. Formavam a cada segundo uma nova pintura, com diferentes cores e com diferentes intensidades

20171007_052011-1024x768.jpg

20171007_055927-1024x768.jpg

Nascer do sol do alto do Templo IV em Tikal. Fomos em Outubro, época de chuvas e olha o que presenciamos?

Nascer do sol do alto do Templo IV em Tikal. Fomos em Outubro, época de chuvas e olha o que presenciamos?

Mas para quem pensa que o espetáculo era destinado somente ao nascer do sol, está muito enganado (como eu estava). O barulho da floresta se despertando era o verdadeiro espetáculo. Os animais acordavam e começavam a cantar por todos os lados. Macacos, pássaros e insetos entoavam suas vozes para de alguma forma agradecer o renascimento do sol.

20171007_055316-1024x768.jpg

O silêncio também era parte do show, ali do alto do Templo IV em Tikal. Todos estavam perplexos com a beleza do instante e não se permitiam mover nem se quer um músculo, para evitar perder um segundo da experiência. Ficamos lá em cima por quase 2 horas entre fotos, olhares no horizonte e ouvidos na vegetação. No final, quando tínhamos que nos despedir, ficou a sensação de dever cumprido. Uma viagem inteira repleta de bons momentos e grandes experiências não poderia ter acabado melhor.

IMG_2336-1024x768.jpg

Últimos momentos no Templo IV em Tikal, Guatemala.

Senti imediatamente minha mente se desligando por completo. Era como se quisesse dizer que já era suficiente, que eu já havia conseguido o que buscava. Agora era somente hora de lembrar. Lembrar de tudo que passamos, de todos os sois que vimos, nascendo e se pondo, de todos os vulcões que subimos e descemos, de todos os locais que chegamos e partimos.

Desbravando o restante de Tikal

Descemos e ainda não havia ninguém no parque. O guia nos levou em várias construções, nos explicou o significado de cada uma, nos mostrou piramides que ainda não foram restauradas (Templo III) e deu detalhes sobre os principais pontos da cidade de Tikal, até o retorno definitivo à praça central (Gran Plaza).

Tikal, Guatemala.

20171007_070644-1024x768.jpg

20171007_080304-1024x768.jpg

Entretanto, o ponto forte do guia eram os animais e plantas do local. Ele descrevia todos os pássaros que via e nos mostrava plantas com características peculiares. A mistura de natureza e história não poderia ser melhor.

Citar

⚠️ Fique atento: os tours oferecidos pelos hosteis e agências não diferem muito uns dos outros. O preço pode variar bastante entretanto. Por isso, pesquise e negocie. A maioria deles disponibiliza vans de ida e volta em horários programados, bastando você escolher quando quer voltar. No tour que contratamos, podíamos voltar às 12h ou às 15h. Resolvemos sair mais cedo, pois já estávamos cansados e conseguimos ver praticamente tudo o que queríamos de Tikal.

No final, tivemos mais umas 2 horas para andar por conta própria. Aproveitamos o parque vazio para subir nos templos, sentar nas escadarias e explorar as áreas remotas, sem muito tráfego ou pessoas disputando para tirar fotos. Valeu muito a pena pena!

 

Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com

  • Obrigad@! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 ano depois...

  • Colaboradores
Em 17/02/2021 em 17:33, leticia.torrao disse:

Qual agência que você contratou? 

Eu gostaria de fazer esse tour também

 

Oi Leticia,

 

Fechei o passeio (transporte ia e volta + guia) direto no Hostel Los Amigos, onde a gente ficou em Flores. Não foi em nenhuma agência em específico.

A única coisa foi que compramos as entradas (entrada normal + acesso ao nascer do sol) em uma agência do banco Banrural em Antigua. Pode ser qualquer uma do Banrural. Não sei se o hostel é capaz de comprar pra vc, mas tem que estar com elas em mãos pois a bilheteria do parque não fica aberta na hora que a gente chega em Tikal (por volta das 4h).

Abs.

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Guilherme Lori
      Olá Amigos!
      Procuro trilhas com pontos de acampamento em São Paulo. Nada com tomada USB ao lado da barraca ou "Selvagem" usando o fogão do dono do sitio como vi num outro post aqui do site sobre acampar na natureza.
      Igual o cara do Canal Sozinho na trilha, mas ele faz a região sul, Parana e tals, Desejo alguma indicação em SP.
      Num raio de até uns 150/170km da capital.
      Com Trilhas leves ou moderadas (algo em torno de até 1:30 horas) se possível (sem o papo de ser relativo e bla bla bla hahahahaha)
      Obrigado Amigos!
      Guilherme
    • Por Paulonishi
      17/03/2020
      Mérida, capital do estado de Yucatán, foi o último destino antes de retornar à Cancún, nesse mochilão espetacular de conhecimentos e descobertas a respeito da civilização Maia. Em seus arredores existem muitos outros sítios arqueológicos importantes, como Mayapán, Dzibilchaltún, Uxmal e Izamal. Cidade grande mas de relevo plano e de gente tranquila e acolhedora, é uma belíssima cidade que merece a atenção dos viajantes para as suas construções seculares e histórias dos povos que por aqui passaram.

      Vindo de Valladolid, a chegada foi no novíssimo terminal da ADO (sempre primera 😖) , com instalações muito boas e climatizadas. Andar pela cidade é muito fácil, pois também está orientada por numerações nas ruas: norte-sul pares / leste-oeste ímpares. Táxis são baratos, mas tem o transporte público e alternativos muito baratos.
      O que me surpreendeu foi a qualidade de vida das pessoas da cidade, com muitas alternativas de lazer gratuitas. Uma delas é o Zoológico Municipal.

       
      Uma grande área verde com entrada gratuita, contando com muita variedade em animais, inclusive raros tigres brancos, leões, gorilas, rinocerontes... Caramba, fiquei muito surpreso mesmo. 

      Muitas opções de lazer para crianças de todas as idades (inclusive eu... 🤭), como por exemplo um passeio de trem no entorno de todo o parque pagando apenas $1 peso!!! Imperdível... e adorei!!!

      Teleférico, barquinho... apenas $10 pesos! Baita passeio, com direito a várias barraquinhas de comidas típica e INTERNET GRATUITA!!!

      A praça principal, ou Zócalo da cidade é outro ponto obrigatório para fotos e muitos passeios legais em museus, igrejas e comércio local.

      Para aproveitar bem, recomendo ficar hospedado em uma região mais central, como na Calle 50. Hospedei-me num hostel por 3 dias (total $535) com piscina, café da manhã e ar condicionado no quarto... Acredite, esse último item faz toda a diferença nessa região quente!

      Essa cidade ainda guarda algumas construções do período colonial, inclusive os únicos arcos ainda existentes no México que compunham o sistema de muralhas da cidade!

      E na Catedral de San Ildefonso está a primeira cúpula construída nas Américas!

      Existem várias opções de passeios pela cidade, desde charretes pelo centro histórico, aos ônibus sem teto que fazem um tour mais distante. Os valores não são altos e sempre dá para pechinchar um desconto!

      Na região da Plaza Grande (Zócalo), a internet funciona razoavelmente bem são várias as possibilidades de tirar fotos muito interessantes.

      Infelizmente, com a chegada da COVID-19, não consegui fazer os dois últimos passeios que tinha programado para Uxmal e Dzibilchaltún. Aproveitei para ficar andando pela cidade, vivendo um pouco do dia a dia...

      A ligação entre Mérida e Cancún pode ser feita por ônibus ou avião. O primeiro, logicamente, é muito mais barato e se você comprar com antecedência no site da ADO, pode conseguir um ótimo desconto. Eu, por exemplo, comprei por $252 pesos, quando o valor normal seriam $600 pesos!!!

      Como já estava voltando para casa, comprei algumas lembrancinhas por aqui, e as demais em Cancún. Vale a pena pesquisar os artigos em prata, que são bem mais em conta no México.

      No terminal Noroeste tem ônibus para a maioria dos destinos dos arredores, principalmente para a região dos sítios arqueológicos e litoral. Não deixe de verificar as vans também, na rua do entorno, que oferece preços muito bons!
      Quer saber mais detalhes e conhecer a história da cidade, dá uma olhadinha no vídeo aqui embaixo:
      Mochilão pelo México: Mérida
      Espero ter ajudado... Valeu e siga viajando!!! 🤠👍
       
       
    • Por Paulonishi
      15/03/2020
      Mayapán foi a última grande cidade Maia antes da conquista espanhola. Para se conhecer, a melhor cidade para se hospedar é Mérida, capital do estado de Yucatan.
      Partindo da região do Terminal Noroeste, existem várias vans que passam pelo local. É só pedir para o motorista parar no acesso do sítio.

      São apenas 48 km de distância e o valor combinado foi o de $35 pesos.

      A van parou na entrada a poucos metros já se chega à portaria.

      A entrada é bem barata, apenas $45, e não tem muitos turistas no local. Junto à portaria, tem banheiros limpos e gratuitos.

      As placas informativas só estão disponíveis na entrada. Infelizmente, não se tem nada para orientar o passeio no interior do sítio arqueológico. Recomendo que se estude a história do local e das principais construções para poder ter um aproveitamento melhor do passeio, ou assista ao vídeo que deixarei abaixo, onde descrevo o passeio detalhadamente, além do levantamento histórico da cidade.

      A área é bem pequena, mas as construções muito bem preservadas/restauradas. A maior delas também se chama El Castillo não à toa: trata-se de uma cópia da pirâmide existente em Chichén Itzá, só que em escala menor. Em datas de equinócio também tem o fenômeno das sombras projetadas na escadaria principal, simulando a descida de Kukulcán!

      Aqui, pelo menos, se pode subir e entrar na maioria das construções!!!

      A baixa procura por parte dos turistas proporciona oportunidades para muitas fotos e uma exploração mais tranquila.

      Enfim, para quem procura um passeio muito bom, barato e tranquilo, aqui é o lugar!!!

      Leve lanche, muita água e proteção solar... O sol aqui também é escaldante!!!

      Aproveitei para fazer muitos estudos interessantes a respeito das construções e seus alinhamentos.


      Para se conhecer bem o local, reserve pelo menos 2 horas para fotos e subidas nas construções.
      Os transportes que levam de volta à Mérida podem ser pegos na rodovia, no sentido contrário ao da chegada.
      O vídeo detalhado do passeio e mais a história do local, pode ser visto no link da descrição abaixo:
      Mochilão pelo México: as ruínas de Mayapan
       
      Espero ter ajudado... Até a próxima!
       
       
    • Por PriPri Nunes
      Olá mochileiros ❤️
      Esse relato é a continuidade do mochilão que fiz esse ano em Fevereiro no México e na Guatemala.
      Se quiserem conhecer um pouquinho desse país incrível que é a Guatemala é só conferir a Parte 1 - Mochilão Maya - Guatemala 😍
       
      🗺️ Nosso roteito no México foi o seguinte:
      14/02 - Transfer para Palenque (vindo de Flores - Tikal)
      15/02 - Palenque
      16/02 - San Cristóbal de Las Casas
      17/02 - San Cristóbal de Las Casas
      18/02 - Oaxaca
      19/02 - Oaxaca
      20/02 - Cidade do México (conexão) - Cancún
      21/02 - Cancun / Isla Mujeres
      22/02 - Tulum
      23/02 - Tulum
      24/02 a 27/02 - Resort
      28/02 - Valladolid
      29/02 - Chichen Itzá - CDM01/03 - Retorno
       
      Antes de iniciar o relato, aquele combo de informações básicas para quem ainda não conhece muito do México
      🇲🇽 Capital: Cidade do México
      💰 Moeda: Peso Mexicano. Para facilitar a conversão R$ 1,00 =  MEX 4,00 / USD 1,00 = MEX 21,00 MEX  * Valores nesse relato sempre arredondados. Pense num país com a moeda tao desvalorizada frente ao dólar quanto o real, é o peso mexicano. É uma excelente opção pra dólar alto, e sim, existe cancun e caribe para pobres.
      🕐 Fuso: - 2h
      👨‍👩‍👧‍👦 Visto: Brasileiros não precisam de visto para turismo – permanência até 180 dias (porém, pela via terrestre houve cobrança de taxa, entrarei em detalhes no próximo post)
       
      ⛔ No início do ano de 2020 o Itamaraty lançou um aviso informando sobre as constantes recusas de ingresso de brasileiros no México. Não deixe de levar impresso todos os seus comprovantes de voos, deslocamentos terrestres, comprovantes de hospedagem, bancário e etc. O endurecimento dos EUA com a imigração ilegal de pessoas vindo do México, e as constantes ameaças de embargos, fez com que o México endurecesse sua imigração. Nós não tivemos problemas na imigração em El Ceibo, contudo, EM TODAS AS VIAGENS de ônibus houve revista de policiais, às vezes, até 3 vezes na mesma viagem. E todas as vezes eles me acordaram para apresentar passaporte, cartão de entrada, e um inclusive me fez uma série de questionamentos. Então, viaje como se precisasse provar tudo. 
       
      📅 Quando ir?
      Na Cidade do México no verão (junho-agosto), os termômetros ficam entre os 12ºC e os 25ºC, em média. No  inverno (dezembro-fevereiro), entre 7ºC e 23ºC. Os meses mais chuvosos são junho, julho e agosto. Os mais secos, dezembro, janeiro e fevereiro. Já na região do Mar do Caribe, que abrange toda a Península de Yucatán, o tempo é quente e úmido quase o ano todo. Nas praias A temperatura fica entre 19°C e 35°C em média, seja inverno ou verão. Os meses mais secos são fevereiro, março e abril. Os mais chuvosos, setembro, outubro e novembro. Essa região do México costuma ser bastante atingido pela temporada de furacões do Caribe, que vai de junho a novembro, sendo que a maioria dos fenômenos ocorre entre agosto e outubro. Essa é a época do ano em que você deve evitar viajar para o Caribe mexicano.
       
      ✈️ Como chegar?
      Os viajantes brasileiros costumam chegar à Cidade do México pelo Aeroporto Internacional Benito Juarez, localizado na parte leste, a cerca de 6km do centro da cidade. O aeroporto tem dois terminais, interligados por serviço de ônibus e aerotrem, um para voos domésticos e outro para os voos internacionais. Do terminal ao centro da cidade há varias opções de transporte: táxi, uber, ônibus executivo e metrô. A Aeroméxico possui voos diários direto de GRU para CDM, a viagem dura quase 10hr.
      Para voos internos, as principais companhias aéreas que operam no país são Viva Aerobus, Volaris, Interjet (low costs) e a Aeroméxico.
       
      🚗 Como se locomover?
      No México opera apenas uma empresa de ônibus que se chama ADO. A ADO oferece várias classes de coletivos para quem quer fazer suas viagens com mais ou menos conforto. Há desde carros de primeira classe – com poltronas totalmente leito e fileiras individuais – até os carros comuns, que são os usados pelos mexicanos em geral, e por mim 😇. A passagem intermediária - ADO GL,  tem telas individuais, e a cadeira deita o suficiente para você descansar, é o melhor custo benefício, mas péssimos horários.
       
      🥘 Culinária
      Restaurantes são lugares tão imperdíveis quanto pirâmides astecas; a comida de rua é tão maravilhosa quanto as praias do Caribe. Por isso, não tenha dúvidas – reserve lugar no orçamento para comer bem. Pimenta no México é assunto sério 😛 Mesmo que você fale "no pica" vai ter pica 😅, principalmente em lugares mais populares, afinal a pimenta não vem só como acompanhamento, tudo é feito com pimenta, eu amo, mas quem não gosta sofre um cadinho rs. Pra vocês terem ideia vi até algodão doce com pimenta 😜
      Qualquer prato mexicano leva milho, seja em grãos, como molho ou, até mesmo, no formato de massa – as amadas tortillas! Duas coisas que eu amei foram o "elote" um milho cheio de molho, queijo, maionese, pimenta, limão, tudo rs e o "mole poblano", uma espécie de ensopado feito com frango ou peru. No molho vão pimentas diversas, mas também tomate, banana frita, amendoim, coentro, canela e mais alguns ingredientes, conforme, claro, a receita de cada um. Mas o ponto marcante do mole poblano é o chocolate. Uma coisa que eu sinto muitassss saudades do México era comer feijão todo dia no café da manhã. 😋
      O mezcal é uma versão mais rústica da tequila. Se você é fã de bebidas destiladas, vai adorar. Em Oaxaca não deixe de visitar uma Mezcaloteca e aprender um pouco mais sobre a bebida. Mas cuidado que o bicho é forte rs.
       
      📌 DICA: A maior rede de lojas de conveniência no México é a Oxxo. Pensa num paraíso para mochileiros. Lanches bons e baratos. Café da manhã, almoço, jantar, sobremesa, sempre dá pra ir no Oxxo. Pegava muito coisas de café da manhã gastando na faixa de 30 MEX - 1,50 USD e hot dog - 2 por 16 MEX - 0,75 USD. Fora as promoções de biscoito e chocolates. Há também 7 eleven e Circle K, mas a Oxxo tem bem mais promoções.
    • Por PriPri Nunes
      Olá mochileiros 💓
      Na falta de novas viagens, resolvi iniciar o relato do meu último mochilão que realizei com uma amiga em fevereiro de 2020 e apelidei carinhosamente de Mochilão Maya – Guatemala & México.
      Como a intenção é fazer tudo detalhadinho, vou dividir as postagens em etapas.
       
      🗺️ Nosso roteiro foi o seguinte :
      01/02 - Chegada em Cidade Guatemala - direto para Antígua
      02/02 - Chichicastenango - Lago Atitlán (Panajachel)
      03/02 - Lago Atitlán (Santa Cruz de La Laguna, Santa Catalina de Palopó e San Pedro)
      04/02 - Lago Atitlán (San Marcos e San Pedro)
      05/02 - Lago Atitlán (San Juan - Indian Nose) - Xela (Quetzaltenango)
      06/02 - Xela (Vulcão Santiaguito)
      07/02 - Xela (Lago Chicabal) - Antígua
      08/02 - Antígua & Acatenango
      09/02 - Antígua (Vulcão Pacaya)
      10/02 - Shuttle para Lanquín
      11/02 - Semuc Champey
      12/02 - Transfer para Flores
      13/02 - Tikal
      14/02 - Transfer para Palenque
      15/02 - Palenque
      16/02 - San Cristóbal de Las Casas
      17/02 - San Cristóbal de Las Casas
      18/02 - Oaxaca
      19/02 - Oaxaca
      20/02 - Cidade do México - Cancún
      21/02 - Cancun / Isla Mujeres
      22/02 - Tulum
      23/02 - Tulum
      24/02 a 27/02 - Resort
      28/02 - Valladolid
      29/02 - Chichen Itzá - CDM
      01/03 - Retorno
       
      Informações Básicas:
      Antes de começar vou deixar algumas informações básicas da Guatemala, pois é um país pouquíssimo visitado por brasileiros (não encontrei nenhum nas duas semanas que estivemos por lá, nem mesmo em Antígua), e com pouca informação em Português.
       
      🏙️ Capital: Cidade da Guatemala
      💵 Moeda: Quetzal. Para facilitar a conversão R$ 1,00 = GTQ 1,50 / USD 1,00 = GTQ 7,70 * Valores nesse relato sempre arredondados.
      🕒 Fuso: - 3
      👭 Visto: Brasileiros não precisam de visto para turismo – permanência até 90 dias.
       
      ·        Além de estar inserida entre dois oceanos, a Guatemala é rica em ecossistema. O território possui 37 vulcões, sendo 3 deles ativos (conheci todos), diversos lagos e rios, florestas tropicais, uma cadeia de montanhas e um deserto. Não bastasse a diversidade de atrações, a Guatemala ainda é um destino barato, especialmente em termos de alimentação e de hospedagem. Turismo e transporte, nem tanto, mas nada que encareça o destino. 😉
      ·        Embora a língua oficial seja o espanhol, ela não é universalmente compreendida entre a população indígena; ainda são faladas várias línguas maias, em especial em áreas rurais.
       
      📅 Quando ir?
      Embora o clima mude muito de um lugar para o outro em função da altitude, as temperaturas na Guatemala, de modo geral, se mantêm entre amenas e quentes ao longo de todo ano. O período de seca, entre dezembro e abril é considerado alta temporada, já o período de chuvas ocorre entre setembro e outubro. Em fevereiro, só peguei dias lindos de sol ☀️, um ou dois momentos nublados, mas zero chuva. 🤗
       
      ✈️ Como chegar?
      Não há vôos diretos entre o Brasil e a Guatemala. As opções são via Panamá com a Copa Airlines, Via Avianca com conexão em Bogotá (🙏 para que a Avianca Colômbia consiga sobreviver a crise), ou com a Aeroméxico via Cidade do México.
      Minha opção foi pela Aeroméxico, múltiplos destinos (ida Guatemala / volta cidade do México), o voo foi comprado em meados de agosto e custou R$ 2.520,00.  Embora, constantemente, haja promoções para o México, quando você inclui a Guatemala, a coisa muda de figura. 😒 Todas as vezes que simulei comprar separadamente os trechos não compensava.
      Devido a baixa oferta, os voos na América Central são caros, e ocorrem basicamente entre as capitais. A Guatemala só possui dois aeroportos, o da capital e o de Flores (ruínas de Tikal). A rota entre as duas cidades é operada pela Aero Guatemalteco, e o voo, quando comprado com antecedência  é por volta de 150 USD. (não voamos, percorri tudo de shuttle)
       
      🚗 Como se locomover?
      Muito popular nas viagens pela América Central, shuttles nada mais são do que transporte privado oferecidos por agências de turismo e às vezes hostel. Esse serviço é feito em uma van na maioria das vezes, ou microônibus. Algumas horrorosas, e que você só vai saber na hora 😆😆, mas demos sorte e só pegamos uma que foi péssima.
      As rotas são basicamente entre as principais cidades turísticas, e algumas entre países. Nesses casos você terá apenas que descer nas fronteiras para fazer os tramites de entrada e saída de um país e seguirá viagem em outro veículo.
      Algumas empresas shuttle:
      •            Marvelusbookings (Foi a única que fechei pelo site com antecedência, depois explico o motivo, o restante tudo fechado no dia anterior em agências aleatórias)
      •            Atitlan
      •            Adrenalina Tours
      •            Guatego
       OBS: Os preços na internet são um pouco mais caros, principalmente, os maiores deslocamentos. Adrenalina é caríssima, dizem ter um ótimo serviço, mas não usei.
      Existem poucas empresas de ônibus de turismo, e elas normalmente fazem apenas percursos entre grandes cidades, ou alguns poucos lugares turísticos. A empresa mais tradicional é a Ticabus. Ela percorre todos os países centro americanos indo basicamente de uma capital a outra.  Não usei nenhuma vez.
      Os chicken bus são o jeito mais barato para se viajar pela América Central, por outro lado, parece ser o menos confortável - tanto pelas condições dos ônibus, como também pelas longas horas de viagem e inúmeras “conexões”. Muitas vezes para percorrer poucos quilômetros você terá que utilizar dois ou três ônibus. Mas pra quem tem tempo para mochilar, acho super válido!
       
      🏘️ Hospedagem
      Na Guatemala as hospedagens em sua grande maioria são simples, tipo pensões. E também poucas oferecem café da manhã. Apesar de simples, todas que ficamos eram limpas, bem localizadas, e com um staff sempre fofo. Recomendo todas, e depois em cada uma, falarei um pouquinho mais. Há também boas variedades de hostels e alguns hotéis de "luxo".
       
      🥘 Culinária
      O milho é um dos alimentos preferidos dos guatemaltecos, sendo utilizado para a produção de chuchitos, tacos e outros pratos típicos daquela cultura. Eles chamam o milho de "el maíz", na tradução, grão Maia. Entre as bebidas, o rum é um das principais, com tradição vindo desde o século XVI, servindo ainda para a produção do ti punch, junto com suco de lima e um concentrado de cana de açúcar.
×
×
  • Criar Novo...