Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

anselmoportes

Mochilão Canadá e EUA 2019: Toronto, Ottawa, Montreal, Quebec City, Chicago, Washington D.C, Philadelphia e NYC (dicas, fotos e preços)

Posts Recomendados

Entre Maio e Junho de 2019 viajei para o Canadá e Estados Unidos. Meu roteiro foi esse:

São Paulo - Toronto - Ottawa - Montreal - Quebec - Chicago - Washington DC - Filadelfia - Nova Iorque - São Paulo

***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.

Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de TORONTO.

LEGENDA

USD - Dólar Americano
CAD - Dólar Canadense

1º dia de viagem: SP ->Toronto, 18 de Maio de 2019 (sábado)

Consegui um lugar para dormir pelo Couchsurfing, mas como iria chegar muito tarde em Toronto resolvi a primeira noite ficar em um hostel.

Deixei SP às 10h30. Meu vôo fez escala em Miami e fui chegar em Toronto por volta das 23h30. 

Comprei em uma máquina automática (aceita cartão e dinheiro) um bilhete do UP (trem que liga o aeroporto ao centro da cidade) por CAD 12,35. Cheguei à UNION STATION 0h40 e fui caminhando para o hostel. No caminho passei em um mercado 24h e comprei 1 batata Lay’s e 1 coca (CAD 4). 

Cheguei ao Hostelling International Hostel por volta da 1h. Fiz meu check in (CAD 33) e fui dormir.

Distância percorrida no dia: 6,5km
Dinheiro gasto no dia: CAD 49,35

2º dia de viagem: Toronto, 19 de Maio de 2019 (domingo)

Acordei 8h, tomei banho e fui tomar café no hostel. O café da manhã é OK: comi 1 fatia de pão de forma, 4 fatias de queijo, 2 fatias de presunto, salada e 1 café com leite.

Fui caminhando até o apto da Reneé, couchsurfer que iria me hospedar. A localização era incrível: bem no centro da cidade! Conversei um pouco com ela deixei o apto às 10h10 para pegar o FREE WALKING TOUR das 10h30 que saía da Union Station.

Enquanto esperava o Free Walking Tour fiquei conversando com o Fred, um simpático voluntário que ficava no balcão de informações. Deu 11h10 e não apareceu ninguém do tour. Não sei o que pode ter acontecido, mas resolvi ir embora.

Caminhei até a STEAM WHISTLE BREWERY, uma cervejaria que fica em frente à CN Tower. Comprei o tour das 12h (CAD 12) e 1 pint de cerveja (CAD7).

005.thumb.jpg.a6fa6cd59ec2930630119705654cc492.jpg
Pint na Steam Whistle

Bebi a pint esperando o tour que começou pontualmente às 12h. Dei um azar pq peguei um guia que falava MUITO rápido. Consegui entender uns 50% do que ele explicava (isso que eu tenho inglês fluente…). Logo no começo do tour vc toma ½ pint. Depois é dado uma garrafa de 341ml para vc ir bebendo durante o passeio pela fábrica. Passamos por alguns setores de produção e também por alguns escritórios. O tour levou uns 40 minutos e gostei muito. Altamente recomendável pra quem curte cerveja!

006.thumb.jpg.e4be1a252fd129d41c086aeb0c0b9280.jpg
CHEERS!

007.thumb.jpg.066fe82041fe374419dc5526208d2617.jpg
DENTRO DA FÁBRICA

Depois fui à CN TOWER. Como já tinha comprado o TORONTO CITY PASS não peguei fila pra comprar o ingresso.

***DICA: Pra quem vai ficar ao menos 3 dias em Toronto, vale a pena comprar o CITY PASS. Vc tem desconto nas principais atrações da cidade e evita algumas filas. Para mais informações: https://pt.citypass.com/toronto

A vista da CN Tower é incrível e é melhor visitá-la em dias claros e com poucas nuvens para ter uma visibilidade melhor.

001.thumb.jpg.ef480813dcabef8a32bbe1c826ec10aa.jpg
VISTA DA CN TOWER

002.thumb.jpg.ca8ca9c7fee2f8fb8dcd233758408d70.jpg
CN TOWER
 

Desci e voltei pra tomar mais uma cerveja no Steam Whistle (CAD 7).

Segui caminhando até o FERRY BOAT (CAD 8,20) que leva até a TORONTO ISLANDS.

Cheguei lá 15h50 e fiquei caminhando sem rumo. Comi uma fatia de pizza de pepperoni (CAD 5,30) e segui andando. O complexo de ilhas é um parque gigante. Lugar perfeito para andar de bicicleta (havia algumas para alugar) e fazer um picnic. 

***DICA: Havia muitas filas para tudo (inclusive para alugar bicicletas). Isso pq eu cheguei tarde lá. Para evitar filas, chegue bem cedo. E deixe para visitar as ilhas em dias ensolarados e quentes. Lá é tudo aberto e não perca seu tempo lá em dias frios e chuvosos.

Peguei o Ferry boat pra voltar e notei a bela “skyline” da cidade.

014.thumb.jpg.013710d7ec979d16a03634965c066d40.jpg
TORONTO ISLANDS
015.thumb.jpg.2e03ff1a95ff12cb8e8a6fe196c07937.jpg
TORONTO ISLANDS

Passei em um supermercado e comprei coisas para o café da manhã e algumas cervejas (CAD 29). Cheguei de volta ao apto e fiquei conversando com a Reneé até umas 22h quando ela foi dormir. Tomei banho e fui dormir 23h30.

Distância percorrida no dia: 17,5km
Dinheiro gasto no dia: CAD 69

3º dia de viagem: Toronto -> Niagara Falls -> Toronto, 20 de Maio de 2019 (segunda-feira)

Acordei às 7h, tomei café da manhã e fui para o ponto de encontro do tour para NIAGARA FALLS. Já havia comprado o tour antes de sair do Brasil, pelo site Get Your Guide e a empresa foi a Niagara & Toronto Tours. Assim que minha compra foi confirmada me enviaram um email para marcar o local que iriam me pegar.

Nossa van chegou às 8h e pegamos outras pessoas no caminho. Nosso motorista e guia foi o Scott, que foi muito atencioso e divertidíssimo.

No caminho paramos em 2 vinícolas: PILLITERI e REIF STATE. Nas 2 vinícolas teve degustação gratuita e experimentamos os vinhos branco e ice wine.

Passamos por um condomínio de mansões e disseram que o ator Tom Selleck tem uma lá. Chegamos às cataratas por volta do meio-dia. O guia nos entregou os tickets para o passeio de barco e nos deixou livre para conhecer o lugar, marcando o retorno às 15h30.

Descemos por um funicular até a embarcação que nos esperava para levar até próximo às cataratas. Ganhamos uma capa de chuva mas mesmo assim me molhei muito, principalmente nos pés. O passeio é bem legal mas prepare-se pra ficar ensopado.

Depois do passeio vc tem o resto da tarde livre para caminhar pela cidade. A rua principal me  lembrou Las Vegas, tamanho a quantidade de luzes, restaurantes de franquia e lugares de entretenimento (parques, fliperamas, etc). Comi um lanche no Wendy’s (CAD 13) e depois comi um FUDGE (doce típico de lá) de chocolate walnut (CAD 7,20). Caminhei mais um pouco e 15h30 estávamos retornando à Toronto.

016.thumb.jpg.7a84c31eaff1a2849721bed02c0b64b5.jpg
CATARATAS DO NIÁGARA

018.thumb.jpg.9e9308db1d3cd8e55ae4b3651e69fb6a.jpg
CATARATAS DO NIÁGARA

017.thumb.jpg.185b29a9ec1909f74dbc4b35068276e9.jpg
"LITTLE" VEGAS

Por volta das 17h30 estávamos de volta. Fui até o pub FOX & FIDDLE e tomei 1 cerveja (Corrs Light, CAD8). Voltei ao apto e fiquei conversando com a Reneé e a Mahsa (sua colega de apto). Por volta das 20h resolvi sair pra dar uma volta. Parei no pub SHOELESS JOE e tomei 2 cervejas (Malson Canadian, CAD 5,95 cada). Por volta das 21h30 voltei. Tomei banho e fui dormir.

Distância percorrida no dia: 10km
Dinheiro gasto no dia: CAD 42


4º dia de viagem: Toronto, 21 de Maio de 2019 (terça-feira)

Acordei 7h40, tomei café, me arrumei e sai às 8h30. Às 9h em ponto estava entrando no RIPLEY’S AQUARIUM (o Toronto City Pass dá acesso à essa atração).

***DICA: Final de Maio e começo de Junho é uma época excelente pra viajar pro Canadá e EUA. Só que coincide com o final do ano escolar. Muitas escolas usam esse período para fazer excursões com os alunos pelas atrações da cidade. Portanto, se viajar nessa época do ano procure chegar bem cedo nos lugares pq quanto mais tarde, mais cheio de crianças fica.

O Ripley's Aquarium merece ser visitado sem dúvida nenhuma! Além de muita informação sobre uma grande parte da vida marinha (de peixes, mamíferos, crustáceos, etc) em alguns pontos é possível tocar em algumas espécies. Há um tanque com pequenos camarões escarlates e ao colocar sua mão eles vêm comer a pele morta. Também é possível tocar no tubarão bambu, caranguejo ferradura e raias! Incrível!

009.thumb.jpg.c1ad65649e18e9c85a73c2d9075f83ab.jpg
LIMPEZA DE PELE

010.thumb.jpg.25a7e956dab865f7d7997d4f6dc24dae.jpg

SHARK!

011.thumb.jpg.e213edae630a39043154658c659fd157.jpg
ÁGUA VIVA

Fui deixar o aquário por volta das 11h30 e passei no Steam Whistle pra tomar 1 cerveja (CAD 7).

Caminhei por uns 30 minutos até o DISTILLERY DISTRICT. O Distillery Historic District é um complexo industrial onde funcionava uma fábrica de whisky. Ele foi completamente revitalizado e hoje conta com bares, restaurantes e até galerias de arte. Há também algumas "street arts" como grafitti, fotos e cartazes bem interessantes. As galerias de arte são gratuitas mas o preço das cervejas é um pouco acima do normal. Tomei uma cerveja amber ale (CAD 11) no Mill St. Brewpub que, apesar de cara, estava uma delícia!

Voltei caminhando até o ST. LAWRENCE MARKET. É um mercado fechado de 2 andares com muita coisa pra comer (comidas de diversos países) e peixarias. O lugar não é grande e dá pra ver tudo em 15 minutos.

Segui caminhando até o BROOKFIELD PLACE, uma galeria com um arquitetura interna bem interessante. Passei pela Union Station e confirmei que meu ônibus no dia seguinte para Ottawa não saía de lá, mas de uma rodoviária não muito longe dalí.

003.thumb.jpg.35610e132c80539e759e8defdf0c008e.jpg
BROOKFIELD PLACE

Peguei o STREETCAR número 510 (bonde) na Union Station (CAD 3,25) e em 30 minutos desci no ponto da NASSAU ST, onde fica o KENSINGTON MARKET. Trata-se de um mercado de rua com vários restaurantes e lojas “descoladas”. Me lembrou um pouco o Camden Market de Londres. Parei num bar chamado RONNIE’S e tomei 1 Stratford Pilsner (CAD 7,50).

004.thumb.jpg.62ccc6eb2b3798bf11edf8b7e6aef61f.jpg
GRAFITTI NO KENSINGTON MARKET

Voltei ao Steam Whistle para encontrar com o Guilherme, uma amigo de infância que mora no Canadá há muitos anos. Tomamos uma cerveja e fomos ver um jogo de beisebol do Toronto Blue Jays x Boston Red Sox no ROGERS CENTRE . Antes de entrar no estádio (que fica ao lado da cervejaria, CN Tower e Ripley’s Aquarium) comemos um hotdog (CAD 5).

O Rogers Centre é um moderno estádio que fica bem no centro de Toronto. Há tours para conhecê-lo, mas preferir ir ver um jogo.

A experiência de conhecer um esporte completamente novo pra mim foi legal, mas o jogo em si não me agradou não. Beisebol é MUITO parado e as regras podem parecer um pouco confusas no início. Tomamos 2 Budweiser (CAD 5 cada) vendo o jogo e fomos embora antes do fim. O Blue Jays já vencia por 5x0 e resolvemos ir a um pub ver um dos jogos das finais da NBA entre o Toronto Raptors x Golden State Warriors.

019.thumb.jpg.de882cc54bb1da71806b6f15d30a18f8.jpg
BEISEBOL

Todos os pubs da região estavam lotados de torcedores. Conseguimos achar um “menos” cheio e paramos pra ver o jogo. Tomei uma Stella Artois (CAD 12) e no final do 3º quarto fomos embora.

Cheguei em casa umas 23h, tomei banho e fui dormir.

Distância percorrida no dia: 18km
Dinheiro gasto no dia: CAD 67

5º dia de viagem: Toronto -> Ottawa, 22 de Maio de 2019 (quarta-feira)

Acordei 7h40, tomei café, respondi umas mensagens no celular e deixei o apto 8h30.

Fui até a Spadina Ave. e peguei o streetcar 510 (CAD 3,25). Desci no ponto final e caminhei por uns 20min até a CASA LOMA. Cheguei lá às 9h20 e esperei até as 9h30 quando a atração abre.

A Casa Loma é uma mansão com arquitetura de castelo e foi construída pelo milionário Henry Pellat que no final da sua vida morreu miserável, sem dinheiro algum.

O ingresso dá direito a um áudio guia que explica cada detalhe interno e externo. A mansão tem quartos enormes, salas e salões, orquidário, torre de observação e muitas escadas. Vários quadros ornamentam as paredes. Há um túnel que liga a casa ao outro lado da propriedade. Lá se encontram um estábulo, estufa e uma coleção com 6 ou 7 carros antigos.

013.thumb.jpg.ebde0bca0627476ef2dd5325b96e41a3.jpg
CASA LOMA

Deixei o local por volta das 12h e voltei caminhando até KOREATOWN. Parei pra almoçar no YUMMY KOREAN FOOD e pedi um bibimbap com bulgogi no pote de pedra (CAD12) e tomei uma cerveja Molson Canadian (CAD 2,95). A comida estava excelente e o kimchi (acelga temperada) que veio no acompanhamento estava muito bom!

De lá caminhei por 20min até o ROYAL ONTARIO MUSEUM. Entrei usando o City Pass, mas tive que pagar CAD 3 para deixar minha mochila no guarda volumes.

O Royal Ontario Museum é enorme e bem diversificado. Tem uma ala dos dinossauros, mamíferos e outros animais. Uma ala de arte oriental, mais especificamente Japão, China e Coreia. Depois uma sessão com arte da Europa e África (com uma ala exclusiva para o Egito) Havia também várias atrações interativas para crianças.

012.thumb.jpg.129a6d24d71c4d448861e47636be74a4.jpg
ROYAL ONTARIO MUSEUM

DSC_0547.thumb.jpg.d8b6082f9fbb496de1838bf2e94e4b93.jpg
ARTE COREANA

Deixei o museu e peguei e peguei o streetcar (CAD 3,25) de volta ao centro. Tinha combinado de encontrar minhas anfitriãs num pub perto do apto. Tomei uma Stella Artois (CAD 6,50) e ficamos conversando até umas 20h30. Voltamos pro apto, dei uma descansada e umas 23h chamei um UBER para a rodoviária (CAD 11,50).

A rodoviária de Toronto é pequena e bem acanhada. Pra falar a verdade nem parece um terminal de transporte de uma cidade grande. Comprei um suco de maçã (CAD 3) e às 0h30 estava pegando meu ônibus para Ottawa.

Distância percorrida no dia: 14km
Dinheiro gasto no dia: CAD 53

Fim de Toronto. Próximo relato: OTTAWA.

  • Gostei! 2
  • Vou acompanhar! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

OTTAWA

6º dia de viagem: Ottawa, 23 de Maio de 2019 (quinta-feira)

Havia deixado Toronto por volta da 0h30 e fui chegar em Ottawa 5h20. Apesar do ônibus ser muito velho a viagem foi razoavelmente confortável. Dei mais uma cochilada em um banco da rodoviária e deixei o local 6h30. 

Caminhei 2 quadras até o ponto de ônibus e peguei o de número 7 (CAD 3,50) até o centro. Andei por uns 5 minutos e cheguei no meu hostel: o OTTAWA JAIL HOSTEL. Como o nome sugere, o albergue era uma antiga prisão que foi desativada. Alguns quartos são dentro de celas. Eu escolhi ficar em um quarto compartilhado (CAD 32).

Deixei minha mochila na recepção e fui tomar o café da manhã: pão, geleia de amendoim, ovos, aveia, café e suco. Muito bem servido!

Saí do hostel e fui até o SENADO DO CANADÁ. Há tours gratuitos e o próximo começaria às 9h30. O guia explicou muita coisa, desde a arquitetura do prédio até sobre o sistema político do Canadá. O Senado fica em um prédio que antigamente era a estação central de trem. Os membros do senado não são eleitos pela população, mas indicados pelo Primeiro Ministro. 
Passamos por uma sala de reunião e outra onde os membros discutem sobre as futuras leis. Nessa sala há 2 cadeiras reservadas para os chefes de estado: O Rei e a Rainha da Inglaterra. A última visita deles lá foi em 1977.

027.thumb.jpg.f881e4830f85a90e0b0f20f6920e2b15.jpg
SENADO DO CANADÁ

Depois do tour fui até a NATIONAL GALLERY. No caminho passei por um daqueles letreiros típicos com o nome da cidade. Chegando à National Gallery vi que às quintas a entrada é gratuita após às 17h. O preço para um adulto é CAD 24 (incluindo a exposição temporária do Gauguin). Obviamente decidi voltar lá depois das 17h.

033.thumb.jpg.af3cd425f1e5b189d3bff6bac95d9bd8.jpg
LETREIRO

Em frente à National Gallery está a BASÍLICA DE NOTRE DAME que é simplesmente maravilhosa. O altar é belíssimo e o teto dela é todo azul e coberto de estrelas. Parada obrigatória pra quem visita a capital canadense!

035.thumb.jpg.3753db5b52b28d109b57a4d39a66ec1f.jpg
BASÍLICA DE NOTRE DAME

Segui caminhando até o SUPREMO TRIBUNAL e a próxima visita guiada era só para 13h (era 11h30). 

Fui até o MUSEU DE GUERRA CANADENSE (CAD 19). O guarda volumes é “self service”, ou seja: vc deixa sua mochila/bolsa em uma estante sem nenhum tipo de armário com chave. Deixei minha mochila lá e não tive problemas.

O museu é muito interessante. Havia uma mostra temporária com fotografias de sobreviventes da guerra e suas consequências: havia relatos desde amputados até pessoas com terríveis problemas psicológicos. Num dos andares havia um salão enorme com vários veículos de guerra: carros, tanques, moto e até um avião. Em outro andar, uma exposição gigante mostrando a história das guerras, desde os primeiros conflitos primitivos, as I e II Guerras Mundiais, a Guerra da Coreia, do Afeganistão até a Guerra Fria. Pude ver uma série de artefatos de guerra: revólveres, metralhadoras, granadas, utensílios médicos e de cozinha, etc. Fui deixar o museu era quase 14h.

031.thumb.jpg.e8f609621780bc09334843fcef7c38c8.jpg
MUSEU DE GUERRA CANADENSE

Passei pela BIBLIOTECA DO CANADÁ onde havia uma exposição (acesso gratuito) sobre os Primeiros Ministros do Canadá. Uma linha do tempo mostrava todos eles. Fotos, pinturas e alguns objetos pessoais estavam à mostra.

Voltei à SUPREMA CORTE e peguei o tour (gratuito) em inglês das 15h. Passamos apenas pelo saguão principal e por 2 salas e o tour não levou 30min.

032.thumb.jpg.790cc473fe4392eb6fee681ee171c35d.jpg
SUPREMA CORTE

Fui até o centro encontrar com um amigo de faculdade que mora no Canadá há 5 anos. Paramos em um pub e uma forte chuva começou a despencar. Bebemos uma pint cada e fomos para a National Gallery, mesmo debaixo de chuva.

Meu pé estava começando a fazer uma bolha e depois dessa caminhada sob muita água piorou! 

Chegando na National Gallery fomos ver a exposição do Gauguin. O acervo permanente também é muito bom e podemos ver obras do MONET, VAN GOGH, TURNER, MONDRIAN e outros.

Deixamos o museu e meu amigo me levou para um passeio de carro. Passamos Chelsea e Gatineau (cidade vizinha). Na volta paramos no LOWER TOWN BREWERY e comi um SMOKED MEAT SANDWICH (sanduíche de carne defumada com batata frita) e tomei 2 cervejas (CAD 40). 

Meu amigo me deu uma carona e me deixou na porta do hostel. Agradeci muito pq mal conseguia andar por conta da bolha no meu pé. Entrei, peguei minha mochila que estava na recepção e fui para meu quarto. Tomei um banho e fui dormir.

Distância percorrida no dia: 20km
Dinheiro gasto no dia: CAD 81

7º dia de viagem: Ottawa -> Montreal, 24 de Maio de 2019 (quinta-feira)

Acordei 6h50 e a bolha no meu pé estava me matando. Fiz o check out no hostel e resolvi chamar um UBER para ir até a rodoviária. Estava cobrando CAD 7 só que na hora de efetuar a chamada apareceu uma mensagem: Por algum motivo a minha corrida anterior (que me levou até a rodoviária de Toronto) não havia sido cobrada no cartão de crédito. Sendo assim teria que pagar essa primeira corrida para poder chamar outra. Tentei usar a opção de pagamento em dinheiro mas não era possível naquela localidade.

O pessoal da recepção do hostel ligou para um táxi convencional e em 5 min ele estava chegando. A corrida deu CAD 14 (12 + 2 de gorjeta) e cheguei à rodoviária às 7h35.

Fui comprar um suco em uma vending machine e a máquina recusou uma das moedas que o taxista me voltou de troco. Era uma moeda de 1 CAD FALSA. Comprei o suco com outras moedas que tinha (CAD 2,50) e 8h estava deixando Ottawa com destino a Montreal (fui pela Greyhound, CAD 31) 


Fim do relato de Ottawa. Próximo relato: MONTREAL.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

MONTREAL

7º dia de viagem: Ottawa -> Montreal, 24 de Maio de 2019 (sexta-feira)

Havia deixado Ottawa às 8h e às 10h15 cheguei em Montreal. Como iria para a casa do meu anfitrião só no final do dia, deixei minha minha mochila em um armário na rodoviária. Comprei 1 token (CAD 6) para ter acesso à um armário grande. Só que por distração minha, coloquei o token em um armário que já estava sendo usado. Voltei para a bilheteria para informar o ocorrido e chamaram um segurança. Ele tem uma chave que abre os compartimentos dos tokens e pegou o meu de volta. Daí eu usei ele em um armário livre. O segurança disse que isso acontece com muita frequência e, naquele mesmo dia, já tinha acontecido.

Apesar da bolha no meu pé que estava me matando, eu fui caminhando até o PORT-VIEUX. Havia uma roda gigante, uma tirolesa e algumas barracas de souvenirs e comidas. O tempo estava nublado e ventava muito, então tinha pouca gente lá. 

040.thumb.jpg.42291383b7fa280caefadb05a0606751.jpg
PORT-VIEUX

Fui até o centro velho e entrei na BASÍLICA DE NOTRE DAME (CAD 8). Havia uma pequena fila de uns 5 minutos. Ela é tão linda quanto à de Ottawa, mas é maior. Assim como a da capital canadense, a basílica de Montreal tem o teto todo azul e coberto de estrelas. Apesar de ser cobrada a entrada, eu achei que vale muito a visita.

042.thumb.jpg.3ce498523913a43ab7b612bfb19437a6.jpg
BASÍLICA DE NOTRE DAME

Deixei a basílica e fui para o PUB BREWSKEY onde experimentei o tradicional prato POUTINE (CAD 16) e tomei 2 cervejas (blonde e stout, CAD 9 cada). O Poutine não é nada de mais: batata frita com queijo e molho de carne. Estava OK.

Voltei para a PRAÇA DE ARMAS que fica em frente à Basílica de Notre Dame. Do outro lado da praça se encontra o BANCO DE MONTREAL e dentro dele tem um museu bem pequeno mostrando um pouco da história monetária do Canadá. É possível ver algumas fotos e notas de dinheiro bem antigas.

Atrás do banco está o bairro de CHINATOWN. A Chinatown de Montreal não é tão grande nem interessante quanto outras que já conheci.

Voltei caminhando para a estação e no caminho parei no pub Bistro Au Vieux St Hubert. Lá achei a cerveja mais barata da cidade: 5 CAD. Tomei 2 Molson Canadian e 2 Belgian Pale Ale.

Cheguei à estação, peguei de volta minha mochila e fui para o metrô. Comprei um cartão de metrô válido para o final de semana (CAD 13,75) e pude usar o serviço ilimitadamente de 16h da sexta até segunda de manhã.

***DICA: Se você for ficar em Montreal durante o final de semana vale muito a pena comprar o cartão de metrô válido por esse período. A linha metroviária cobre boa parte da cidade e o serviço é excelente.

Desci na estação Côte des Neiges e no caminho da casa do Marco (meu anfitrião) passei no supermercado. Comprei coisas para o café da manhã e 1 pack com 6 cervejas Newcastle (CAD 25)

Ao chegar na casa do Marco conheci outros 2 hóspedes que ele também estava hospedando: Sumit (Índia) e Justin (Toronto). Tomamos as Newcastle que havia trazido e ficamos conversando até umas 20h30 quando saímos pra jantar.

Fomos ao restaurante ST. HUBERT, uma franquia especializada em carne de frango. Comi 2 coxas, pão, batata frita e tomei 1 Stella (CAD 35). Conversamos bastante e por volta das 22h30 fomos embora. No caminho de volta passei numa farmácia pra comprar um curativo para a minha bolha do pé. Achei um emplastro de silicone (CAD 8 )que me ajudou muito.

Chegamos e casa e fui dormir 23h30

Distância percorrida no dia:10km
Dinheiro gasto no dia: CAD 161

8º dia de viagem: Montreal, 25 de Maio de 2019 (sábado)

Acordei, tomei café da manhã e sai às 9h. Peguei o metrô e desci na estação PIE-IX e caminhei por uns 10 minutos até o BOTANIC GARDENS. No caminho passem em frente ao ESTADIO OLÍMPICO. 

046.thumb.jpg.f1f9d510d5124a8d1463bcf4a549e7c8.jpg
ESTADIO OLÍMPICO

Comprei uma entrada combo jardim botânico + planetário por CAD 35,50. Entrei no jardim botânico por volta das 10h30 e tinha uma pequena fila pra comprar ingresso. O local tem muitos jardins diferentes com muita plantas e flores (todas elas sinalizadas com o nome em francês, inglês e científico). Passei pelo JARDIM ALPINO, JARDIM CHINÊS, JARDIM LESLIE-HANCOK, JARDIM DAS SOMBRAS, JARDIM JAPONÊS e JARDIM DAS PRIMEIRAS NAÇÕES. Fui deixar o local era quase 13h.  Vale muito a pena a visita, mas procure ir em dias ensolarados pq ele é todo aberto. Havia também uma fila GIGANTE no horário que eu estava saindo, portanto chegue cedo!

043.jpg.a9fe753868d487acfd1da4518b675c77.jpg
BOTANIC GARDENS

O planetário não fica longe do jardim botânico, mas me informaram que seria mais rápido voltar à estação PIE-IX e pegar o metrô até a próxima parada: estação VIAU.

O PLANETÁRIO é gratuito e vc paga para ver as exibições nos cinemas que tem lá. Ele não é muito grande mas tem muita informação sobre os planetas, estrelas, asteroides e origem do universo.

Às 14h15 vi a apresentação em inglês do filme PASSAPORTE PARA O UNIVERSO. Com 20min de duração e narrado pelo Tom Hanks, o filme mostra o quão gigantesca é nossa galáxia e todo o universo observável.

Na sequência fui pra outra sala ver o filme: PLANET NINE. Essa sala tinha uns pufes no chão e dava pra ver deitado a projeção no teto do cinema. O filme fala de um planeta encontrado depois de Plutão. 

Peguei o metrô e desci na estação BONAVENTURE e de lá fui até a estação WINDSOR onde estava acontecendo o BEER FESTIVAL. Como o nome já diz, trata-se de um festival de cervejas. Dezenas de micro cervejarias vendiam os mais diversos tipos de cerveja. O esquema era assim: vc comprava um cartão e colocava a quantidade de créditos (cupons) que queria. 1 CUPOM = 1 CAD. Aí, o preço das cervejas variava de acordo com o tipo e a quantidade. Geralmente para 2 oz (aprox. 60 ml) o preço era de 2 a 3 “cupons” (2 a 3 CAD). 4oz (120ml) era de 3 a 4 cupons e 8oz (240ml) de 5 a 8 cupons. Experimentei: brown ale, triple belgium, lager, quadruple belgium, blonde belgium, IPA belgium e New England witbier. Comi um enroladinho de salsicha (9 CAD) e 2 espetinhos de javali e 2 de búfalo (CAD 6). Havia uma banda fazendo um blues e muita, mas muita gente passeando, bebendo e dançando.Fui embora por volta das 17h30.

047.jpg.0af48722f2d9eeee37dcaf3acbbba169.jpg
BEER FESTIVAL

048.thumb.jpg.1e0545e5bd9a0aae88b38448a0c3ef33.jpg
ESPETINHOS

Passei no mercado, comprei 2 cervejas Molson Canadian e um macarrão instantâneo (CAD 7,50). Depois fui ao Mcdonald's e comi um lanche (CAD 13). 

No caminho de volta pra casa parei num pub chamado MC CAROLD’S e tomei 2 cervejas (blonde e triple belgium - CAD 13).

Cheguei em casa, tomei banho e fiquei conversando com meu anfitrião. Fui dormir 23h30.

Distância percorrida no dia:13,3km
Dinheiro gasto no dia: CAD 115

9º dia de viagem: Montreal, 26 de Maio de 2019 (domingo)

Acordei 8h40, tomei café e sai. Peguei o metrô e desci na estação LUCIEN L’ARRIE e de lá caminhei até o MUSEUM OF FINE ARTS. Aos domingos a entrada é gratuita então tinha MUITA gente lá. O acerto do museu é bem interessante, com muitas pinturas e esculturas. Tinha quadro do Picasso, Monet, Rembrant, Renoir, Matisse, Miró, etc.

049.jpg.3eb25d85ee2b5e0bd7072fe28f38a825.jpg
MUSEUM OF FINE ARTS

Deixei o museu por volta das 12h30 e peguei o metrô até o MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEANEA, mas estava fechado para reforma.
De lá fui caminhando até a RUE ST. DENIS, onde há vários bares e restaurantes. Parei na micro cervejaria LE SAINT BOCK e comi um delicioso hambúrguer com fritas e tomei 2 cervejas (1 brown ale e 1 blonde) (CAD 37).

Caminhei até a estação BERRI UQAM e fui até a PLACE-d’ARMES. Andei mais um pouco até chegar ao MUSEU DE ARQUEOLOGIA E HISTÓRIA. A fila estava muito grande (levei uns 45 min para entrar) pq a entrada também é gratuita aos domingos.

050.jpg.59865e65b9aaabb722c32510c4f126bc.jpg
MUSEU DE ARQUEOLOGIA E HISTÓRIA

Ao entrar no museu os guias te levam diretamente à um cinema onde é exibido a história da fundação da cidade, desde os primeiros assentamentos indígenas até os tempos atuais. A maior parte do museu fica no subsolo e é possível passar por túneis e ver, através de um chão de vidro, as fundações das primeiras civilizações que passaram por ali.

Deixei o museu por volta das 17h30 e fui ao ATWATER MARKET, mas estava fechado (fecha às 17h aos domingos).

Peguei o metrô de volta pra casa e na estação COTES-DES-NEIGES. Como eu iria pegar o trem pra Quebec muito cedo (6h20) perguntei o horário do primeiro metro, uma vez que teria que o trem saia da GARE CENTRALE na estação BONEVENTURE. Me informaram que o serviço naquela estação começa às 5h30 e chegaria em tempo pra pegar o trem.

Passei no supermercado e comprei 3 long necks (CAD 9). Cheguei em casa, fiz o macarrão instantâneo que tinha comprado no dia anterior e fiquei tomando as cervejas conversando com o Marco até umas 22h30. Tomei banho e dormi umas 23h.

Distância percorrida no dia:14,6km
Dinheiro gasto no dia: CAD 47

10º dia de viagem: Montreal, 27 de Maio de 2019 (segunda-feira)

Acordei, tomei café e saí. Tinha visto no Google Maps que para visitar o MONT ROYAL eu precisaria pegar 2 ônibus: o 165 e o 11. Fui até o ponto e peguei o 165 (CAD 3,25). Passei por uns 5 pontos e desci no que passaria o 11. Fiquei uns 30 min esperando e nada do ônibus passar. Acabei desistindo de ir ao Mont Royal e fui caminhando até o SAINT JOSEPH ORATORY.

***Dica: O Google Maps costuma não falhar, mas às vezes ele não é 100% preciso. Se for usar ele para passear pela cidade, OK. Mas não confiaria para, por exemplo, procurar transporte para um aeroporto e correr risco de perder meu vôo por uma informação errada.

O oratório é bem grande tem uma capela (onde estava tendo uma missa), um museu (CAD 4 de entrada, mas não fui), café, lojas de souvenirs e uma belíssima igreja. Todo esse complexo fica em um morro e a vista lá de cima é muito bonita.

52.jpg.688a78c651ebb194e44d4ce8ffd0eb54.jpg
SAINT JOSEPH ORATORY

DSC_0863.jpg.c7e5753d12aaaceebe9badd7e4ea70c8.jpg
CAPELA

Fui até a estação Cote-Sainte-Catherine e como meu passe de metro válido para o final de semana tinha expirado, comprei um de 24h (CAD 10). Peguei o metrô até a estação GARE CENTRALE e fui cronometrando o tempo pra saber quanto levaria pra chegar. É que meu trem no dia seguinte sairia muito cedo (6h20) então queria saber que horas precisaria acordar. 

Depois peguei o metrô até a estação Lionel-Groulx e voltei ao ARTWATER MARKET. É um mercado pequeno comparado à outros que já visitei. Há barracas vendendo coisas típicas de mercado: carnes, queijos, verduras, café, doces, frutas, croissants, etc. Do lado de fora do mercado havia uma pequena praça de alimentação. Fui ao SATAY BROTHERS e pedi 1 LAKSA SOUP (macarrão, camarão, ovo de codorna e verduras num caldo com creme de leite um pouco apimentado e com coentro). Depois tomei 1 pint de Creemore Lager. (esqueci de anotar os preços mas não era muito caro não).

Voltei ao metrô e fui até a estação CHAMPS-DES-MARS onde fica a VAUQUELIN PLACE. De lá sai o FREE WALKING TOUR às 15h30.

Nosso guia foi o Darren e ele foi muito bom: explicava muito bem e, como quase todos os guias, fazia muitas piadas. Passamos por vários pontos turísticos da cidade: MARCHE BONSECOUR, CHAPELLE NOTRE DAME DE BONSECOURS, VIEUX PORT, PLACE DES ARMES e terminamos o tour na UNDERGROUND CITY. Gostei muito e vale a pena fazer o tour!

DSC_0717.jpg.2b7e5a3ed0c5971e4bf3942997e3ee8a.jpgGRAFITE
DSC_0732.jpg.8ec3a4d82143765b3abbf8fed4bf081c.jpg
GRAFITEDSC_0834.jpg.cc044083cea3049a234ac6647a649e53.jpg
GRAFITE

***Dica: Vale muito visitar o Marche Bonsecour mas, segundo o guia nos alertou, evite comprar coisas lá. É um “tourist trap” (armadilha de turista) com preços muito mais altos que o normal.

Voltei pra casa e no caminho passei no supermercado. Comprei umas cervejas e um noodle de kimchi. Cheguei em casa e fiquei conversando com o Marco e outros hóspedes que também estavam na casa. Antes de dormir me despedi do Marco pq iria levantar muito cedo no dia seguinte. Fui dormir 23h.

Distância percorrida no dia:14,5km
Dinheiro gasto no dia: CAD 43

11º dia de viagem: Montreal -> Quebec, 28 de Maio de 2019 (terça-feira)

Acordei 4h50, arrumei minhas coisas e deixei a casa do Marco às 5h10. Peguei o metrô e às 5h50 cheguei à estação. 6h20 estava no trem para Quebec City.

Fim do relato de Montreal. Próximo relato: QUEBEC CITY.
 

DSC_0838.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

QUEBEC CITY

11º dia de viagem: Montreal -> Quebec City, 28 de Maio de 2019 (terça-feira)

Cheguei em Quebec City às 9h45. Comi um lanche que tinha preparado na noite anterior e deixei minha mochila no guarda-volume da estação. A couchsurfer que iria me hospedar estava no trabalho e só iria pra casa dela no final do dia.

Acessei o wifi da estação e carreguei o Google Maps. Fui correndo até a ASSEMBLÉIA NACIONAL para tentar pegar o FREE WALKING TOUR. Havia um grupo escutando as explicações de um guia e me juntei à eles. Depois de uns 10 minutos de explicação perguntei para um do grupo se ele era o Free Walking Tour e me disseram que não. Era um tour privado, que tinham contratado o guia. Pedi desculpas e fui embora.

055.jpg.4380ce81a49c374cc28c78818f0d2376.jpg
ASSEMBLÉIA NACIONAL

Fui até o CENTRO DE INFORMAÇÃO TURÍSTICA que fica bem em frente ao CHATEAU FRONTENAC. Fui atendido pelo Dominique que foi extremamente prestativo e simpático, me dando muitas dicas e explicando coisas sobre a cidade.

056.jpg.7ad7c089b409594e35372d0758ebb504.jpgCHATEAU FRONTENAC

Segui até o TERRASSE DUFFERIN e caminhei até o GOVERNOR’S PROMENADE, que bem uma bela vista do rio São Lourenço

Fui até a CITADELA mas só fiquei na loja de souvenirs. Havia um tour que levava 1 hora e custava CAD 16 mas resolvi não fazer.

DSC_0952.thumb.jpg.a01dbaf873e5bb9dd6f7c87aa18c5cac.jpg
VISTA AO LADO DA CITADELA

Voltei para o centro e me perdi pelas pequenas ruas até parar no pub ST. PATRICK. Falei por mensagem com a couchsurfer que iria me hospedar e marcamos de nos encontrar num café que ficava bem afastado do centro (mas no caminho da casa dela que ficava MUITO afastada do centro).

Caminhei até o ONCLE ANTOINE PUB, que o pub mais antigo da América do Norte! Pedi uma St. Ambroise Cream Ale (CAD 7,75) que estava deliciosa. Depois tomei uma Griffon Rousse red ale (CAD 7,75) muito boa tb.

Passei no MUSEU DA CIVILIZAÇÃO mas já era 16h15 e fecharia as 17h então não compensava entrar.

Segui andando pela cidade. Parei num McDonald’s e comi 1 Big Mac trio (CAD 11) e voltei para a estação pegar minha mochila.

Acessei o Google Maps para ver quais ônibus pegar para ir até o café que tinha combinado com a couchsurfer que iria me hospedar. Teria que pegar 2: o 800 e o 384. Peguei o primeiro (CAD 3,50) e desci no ponto do outro. Mas fiquei esperando por mais de meia hora e nada do 384 passar. Perguntei para um senhor que estava no ponto e ele disse que o 384 só passava até uma certa hora. Já era 19h30 e ele achava que o ônibus não iria mais passar.

***Dica: Como havia já mencionado antes, às vezes o Google Maps não é muito preciso com relação aos itinerários de ônibus. Então não confiem 100% nele.

Peguei o 800 de volta a GARE DU PALAIS. Acessei o wifi e mandei uma mensagem para a couchsurfer dizendo que não tinha conseguido chegar até ela. Também expliquei que seria muito difícil pra mim fazer esse trajeto (casa-centro-casa) todos os dias seria melhor pra mim ficar no centro. Agradeci ela mas fui procurar um hostel no centro da cidade.

Fui até o hostel  LA PAIX e peguei 1 cama no quarto misto (CAD 26). Tomei banho e saí. Parei no pub SAINT ALEXANDRE e vi que lá tinha uma das minhas cervejas favoritas: a NEWCASTLE BROWN ALE (CAD 9,95). Tomei 1 e comi um BURGER COLONIAL (CAD 19,95) que não estava muito pq a carne estava muito bem passada (quase torrada). Havia um cara fazendo voz e violão e mandou várias músicas boas, entre elas a “Africa” do Toto. Tomei mais 1 Newcastle e conheci um casal que estava ao meu lado no balcão: Dave (UK) e Jane (US). Conversamos um pouco e quando terminei a cerveja voltei para o albergue e fui dormir.

Distância percorrida no dia:16 km
Dinheiro gasto no dia: CAD 117

12º dia de viagem: Quebec City, 29 de Maio de 2019 (quarta-feira)

Acordei 8h50, tomei café no hostel (bem fraquinho: pão de forma, alguns cereais, leite, máquina de fazer café e geléias).

Fui para o FREE WALKING TOUR das 10h em frente a Assembleia Nacional. Lá encontrei 2 caras que estavam no meu hostel: o Henryk (Alemanha) e o Ingo (Áustria). Nosso guia foi o Samuel Dubois e ele foi muito bom!

Durante o tour o guia explicou que o o “Dia D” da Segunda Guerra Mundial foi planejado no CHATEAU FRONTENAC que hospedava o Churchill e o Roosevelt.

Passamos pela PREFEITURA DE QUEBEC, MORRIN CENTRE, MAISON DE LA LITTÉRATURE, IGREJA DE NOTRE DAME DES VICTORIES e terminamos o nosso tour numa pequena rua do centro da cidade. Passei meu contato para o Henryk para combinarmos algo para mais tarde.

058.jpg.a61e7d4f9339a9c9ddc325610a69db08.jpg
PREFEITURA DE QUEBEC

059.thumb.jpg.15824f4588664134062a7f43c3ee39e8.jpg
CHATEAU FRONTENAC

Voltei ao Morrin Centre e ao La Maison de la Littérature para tirar umas fotos. Os lugares são legais mas dá pra ver tudo em meia hora.

Segui caminhando até o BATTLEFIELD PARK. O parque  bem grande e tem umas mesas de madeira num imenso gramado. Sentei em uma delas e comi um lanche que tinha preparado lá em Montreal (estava horroroso, mas com a fome que eu estava qualquer coisa cairia bem).

060.thumb.jpg.2fc287944d0ee2873043d0583629188b.jpg
BATTLEFIELD PARK

Ali perto está o MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES (CAD 22). O museu tem 3 pavilhões com arte moderna, clássica e contemporânea. Curti muito os quadros do William Henry Clapp e Henry Beau. Estava rolando um coquetel de inauguração de uma exposição temporária do Miró.

061.jpg.dd3fddc7446ca14e0bb12a7b825995ad.jpg
MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES

DSC_1071.thumb.jpg.2f4f6d6e1c8907c79e345dfda1163638.jpg
ARTE NO MUSEU

Voltei para o albergue, tomei banho e sai para dar uma volta com o Henryk e Ingo. Fomos a um “bairro hipster” que tem ao lado da Gare-du-Palais. 

Paramos numa micro cervejaria chamada NOCTUM. Tomei 1 Índia Cream Ale (CAD 9) mas era muito fraca e frutada - não gostei. Depois pedi uma STOUT (boa!) e comi um burger (CAD 19). Depois de comer decidimos ir pra outro lugar. Paramos em outro pub (não me recordo o nome) e tomei 1 blonde e 2 red ale (CAD 23). Conversamos muito e umas 23h30 fomos embora. Não tinha mais quase ninguém na rua.

062.jpg.e84d165a6fb435856b734e391078de8e.jpg
NOCTUM

Voltamos para o albergue e fui dormir.

Distância percorrida no dia:16,2 km
Dinheiro gasto no dia: CAD 113

13º dia de viagem: Quebec City -> Chicago, 30 de Maio de 2019 (quinta-feira)

Acordei 8h e pouco, arrumei minhas coisas, tomei café e deixei minha mochila na recepção do hostel.

Fui até o MUSEU DA CIVILIZAÇÃO (CAD 17). O museu é bem legal e tem muita informação. Uma parte dele conta a história dos nativos que chegaram naquela região passando pelo Estreito de Bering. Havia manequins com roupas da época, armas, cerâmica, etc. Em outro pavilhão havia a história da colonização da América do Norte: como os primeiros imigrantes chegaram, as batalhas contra os ingleses e americanos, as primeiras cidade, etc. Havia uma exibição com instalações que exploravam os sentidos: visão, audição, tato, etc.

Voltei para o hostel às 11h40 e comecei a minha ida ao aeroporto. Meu voo para Chicago era 15h45. O problema é que não há um ônibus direto do centro para o aeroporto, que fica bem distante. Um táxi do centro ficaria muito caro, então decidi pegar um ônibus para chegar o mais próximo do aeroporto e depois pegar um táxi ou Uber.

Caminhei até a estação central Gare dus Palais e peguei novamente o ônibus 800. Desci no SHOPPING LAURIE QUEBEC (a viagem levou uns 35 min.). Usei o wifi do shopping e tentei chamar um Uber, mas não consegui. Alguma coisa deu errada no 1º Uber que tinha chamado em Toronto e o pagamento não tinha sido debitado no meu cartão de crédito. Chamei um táxi convencional (CAD 24, a corrida de Uber estava dando metade desse valor) e em 25 minutos cheguei ao aeroporto.

Fiz o check in (pediram o endereço que eu ia ficar em Chicago) e fui para o portão de embarque. Comi 1 sanduíche de peru e tomei 1 red ale (CAD 19).

15h45 estava deixando a cidade de Quebec sentido Chicago.

Total gasto no Canadá: CAD 976

Próximo relato: CHICAGO.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Carlos FD
      E aí companheiros e companheiras mochileiros, tudo em cima?

      Depois de mais de 08 anos cadastrado nesse fórum, lendo e aprendendo com um monte de relato, finalmente chegou a hora de dar minha contribuição por aqui. Depois de planejar várias vezes uma eurotrip (achei, inclusive, um post meu de 2013 já com esse planejamento aqui), a mais recente agora no início de 2019 em que cheguei a comprar as passagens mas acabou não rolando por burrice minha, finalmente essa viagem vai sair.
      Na terça feira que vem (24/09) eu pego a pista rumo à Barcelona. Pretendo fazer um relato de viagem em tempo real, como o nome do tópico sugere. Eu acho que não teria paciência pra fazer tudo de uma vez no pós viagem e também não quero aperto de mente de ter que me preocupar de lembrar de tudo. Então pretendo escrever o que de relevante aconteceu no dia, conforme a viagem for progredindo.

      Não sou fã de textão nem de coisas muito elaboradas, tampouco fotos perfeitas, então não esperem padrão de qualidade blogueirinhos e blogueirinhas rycos e phynos. Minha principal preocupação vai ser com a parte financeira. Cada centavo gasto será colocado aqui.

      Feitas as apresentações, vamos falar um pouco do roteiro que, já adianto, não é fixo.

      A entrada e a saída será por Barcelona. Comprei ida (24/09) e volta (05/11) saindo de Salvador por R$ 1.866 com taxas (AirEuropa). O seguro da viagem (42 dias) ficou por R$ 386,00 pela TravelAce. De BSN vou para Munique pela Vueling (R$ 212.76, cartão de crédito direto no site da companhia) já que a Ryanair tá com uma política de bagagem que não atende ao que eu quero. Assim que chegar em Munique, sigo para Nuremberg, que será minha hospedagem durante a Oktoberfest.

      A ideia pós oktober é fazer Praga-Berlim-Amsterdam-Antuérpia-Bruxelas-Londres. No entanto, ainda estou em dúvida sobre os locais da Bélgica. Vou deixar pra decidir na hora e com a ajuda de quem estiver acompanhando. Em Londres, tenho basicamente 8 noites. Mais pra frente pedirei ajuda sobre o que fazer, pra onde ir.

      No próximo post eu vou trazer alguns custos que integram a pré-viagem.

    • Por Igor Bagnara
      INTRO
      Depois de 8 meses finalmente estou encontrando coragem pra escrever o relato do mochilao pela América do Sul, espero conseguir lembrar de tudo hahaha
      Eu nunca havia feito uma viagem internacional, nem viajado sozinho, mas o desejo de percorrer a América do Sul já estava dentro de mim há um bom tempo. Lembro na época de faculdade, quando estava vendo uma matéria sobre Machu Picchu na casa da minha namorada e disse: Um dia eu irei, nem que seja sozinho!
      Um segundo depois eu me arrependi, pela cara dela de brava e a frase: Ah bonitão, então vai me deixar e viajar sozinho é? (HAHAHA)
      Anos depois, foi o que acabei fazendo... Mesmo sem querer.
      Comecei a me planejar pra ir e a correr atrás de companhia, a princípio de amigos, depois de pessoas aqui no mochileiros ou em grupos de viagem do Facebook. Porém, o medo de ir sozinho me fez correr atrás de TUDO, me organizar e querer saber todos detalhes. Com o tempo passando, as frustrações de encontrar alguém e a coragem crescendo, defini que queria e precisava trilhar esse caminho sozinho.
      Vamos deixar o blá-blá-blá de lado e efetivamente começar a falar dos preparativos.
      Usei três roteiros como base para o meu, porém eram todos antigos, mas completos. O principal foi o do Rodrigo @rodrigovix, que inclusive foi base para o da Mari (@vidamochileira usei a planilha dela pra criar a minha) e o de uma terceira menina que esqueci o nome 😅.
      Comecei a anotar as dicas sobre roupa, calçado, onde ir assim que chegar, onde trocar dinheiro... Foi de uma ajuda absurda.
      BAGAGEM
      Levei duas mochilas, a de 50l Forclaz da Quechua e uma de ataque que tenho desde o ensino médio.
      Tentei levar coisas suficientes para uma semana de uso, foi mais ou menos assim:
      08 camisetas 02 shorts 01 conjunto segunda pele (usei MUITO) 01 calça jeans (usei pouco) 01 calça de trilha que vira shorts (usei muito) 01 calça moletom 01 blusa fleece 01 blusa corta vento 01 blusa moletom 01 touca 01 bota (timberland basica, peguei na promo por 100 reais e deu conta) 01 toalha de microfibra (decathlon) 01 par de chinelo 08 cuecas 06 pares de meia 01 bastão da caminhada (não usei pq sou burro) Medicamentos Necessaire Pelo que eu me lembre, foi basicamente isso e algumas coisas pequenas como documentos, cadeado, hidratante, bandana, kindle (nem li) e afins.

       
      ROTEIRO

      Mudei milhares de vezes antes do início e esse era o roteiro original, PORÉM ocorreram mudanças forçadas hahaha
      Tive que passar dia 03 em Sucre e tirar Paracas do roteiro, ou seja, até dia 12 é preciso jogar tudo um dia pra frente, o resto continuou igual.
      DICAS
      APP:
      Google Maps Offline - Baixem o mapa de TODOS lugares que irão e deixem salvo no google maps, salvou minha vida mais de uma vez! (atenção pro prazo de armazenamento) Uber - Usei em cidades que possuiam pra saber o preço justo e negociava com os taxis. Moeda - Mostra a cotação atual da moeda (valor comercial, não o de compra) Booking - Reservas de hostel com cancelamento grátis (atenção no prazo para cancelar) COMPRAS PRÉ VIAGEM:
      Vôo SP - Santa Cruz de la Sierra Vôo Santa Cruz - Sucre Ônibus Sucre x Uyuni  Vôo Lima - Cusco O resto deixei TUDO pra fechar na hora. Mas aconselho a reservar pelo Booking locais com cancelamento grátis só por segurança, passei um perregue por conta disso.
       
       
      DIA 1 - O SUSTO ANTES DO COMEÇO
      Três dias antes da viagem (30/12), descubro que meu voo de Santa Cruz para Sucre seria ADIANTADO. Assim, eu não conseguiria embarcar, visto que ele estaria saindo a hora que eu estivesse pousando do voo Guarulhos-Santa Cruz. Tive que adiar esse voo pra Sucre, o que me fez perder o ônibus noturno de Sucre pra Uyuni.
      Ou seja, mal começou e os planos indo pro ralo, mas eu estava consciente que poderia dar ruim esse primeiro dia, era um risco calculado.
      E como dizem, há males que vem para o bem.
      Eu iria viajar dia 2 de janeiro e fui passar a virada de ano na casa da minha Madrinha. De lá, meu pai daria carona até o aeroporto. Tudo pronto, me despedi de todos e partiu!
      Quando estou na fila pra pegar a passagem, procuro minha doleira, onde estavam meu passaporte e toda grana da viagem, e... TCHARAM: NADA! O desespero foi tanto que joguei o mochilao no chão e saí abrindo tudo ali mesmo. Liguei pros meus pais, pedi pra olharem no carro, mas não acharam. Liguei pra minha madrinha e nada na casa... Não era possível, eu não tinha mexido e tinha certeza que havia levado a doleira.
      Estava explicando a situação pra moça do guichê pra tentar não perder o vôo, até que recebo o telefonema salvador, meu pai achou DEBAIXO do banco e estava voltando. Porém, não daria tempo pra retirar a passagem e fazer o check-in.
      Tive que usar toda minha lábia e desenrolar com a atendente. Consegui que ela deixasse tudo adiantado pra retirar sem fila e burocracia só precisando apresentar o passaporte. No fim, foi correria mas deu certo! Inclusive, a primeira coincidência ocorreu na hora do embarque.
      Lembram que eu havia entrado em contato com diversas pessoas pra companhia? Um deles era o Kaique. E não é que ele manda msg no whats falando que está me vendo na fila do embarque?! Combinamos de nos encontrar em Santa Cruz de la Sierra. Também era a primeira viagem solo e internacional dele, ainda usou umas partes do meu roteiro como base.
      O voo foi tranquilo, o primeiro contato com o espanhol foi meio assustador, as aeromoças falavam bem rápido e eu não entendia muita coisa dos avisos no alto falante.
      Desci na Bolívia e fui passar pela alfândega. Estou lá, suave, vendo o Policial passar por todo mundo e parar em quem? Eu, óbvio.
      Fiquei todo atrapalhado pra achar passaporte e responder. Ele ainda me olha o passaporte, minha cara, passaporte, minha cara... Eu já tava quase baixando as calças e indo pra salinha, até que ele resolveu me liberar.
      Encontrei o Kaique e fomos dar um pulo no centro de Santa Cruz pra trocar dinheiro, visto que havia lido que em Sucre não há locais pra troca perto do aeroporto.  Lembrei das recomendações sobre táxi e tentamos negociar a ida pro centro, tava caro... Perguntei pra uma tia da limpeza do aeroporto e descobri que tinha busao pro centro por menos de 5 reais, enquanto o taxi sairia por 40 reais!
      Na plaza central, o Kaique comprou um chip e fomos fazer o câmbio. Demoramos muito e começamos a correr pra voltar a tempo. Não teria como pegar o ônibus, então fomos até a avenida principal atrás de táxi. Perguntei em um local se tinha algum lugar pra pedir e o valor médio.
      Foi ali que tive o primeiro contato com os táxis ilegais da Bolívia. O cara deu sinal pra um carro bem velho e perguntou o preço pro aeroporto. Ficou em 60 bols e deu tempo de embarcar no "teco teco" da Amaszonas rumo a Sucre.
      Na hora de retirar as mochilas, eu comentei com o Kaique sobre dois mochiloes enormes e que apostava que estavam indo fazer a mesma trip. Fui ao banheiro e, ao voltar, o destino prepara outra surpresa: o Kaique conversando com o casal das mochilas... Era o Cleverson, um cara que eu havia conversado nos preparativos da viagem tbm! Estava acompanhado da Cintia, na real eles nos salvaram, pois já era noite e eu e o Kaique teríamos que achar onde dormir pra pegar o bus na noite seguinte.

      Dividimos o táxi, fomos onde eles estavam hospedados e conseguimos vaga! Logo tentamos ir até a rodoviária trocar as passagens do ônibus que são bem concorridas, porém já estava fechada. Voltamos a pé, curtindo um pouco de Sucre e caçando um lugar pra comer. Achamos uma lanchonete, comemos hambúrguer com soda (ruim, parecia sem gás) e rodamos por algumas praças. Fomos dormir depois de um primeiro dia louco, a empolgação era contagiante.
    • Por Raquel Fett
      O Lago Moraine fica nas Montanhas Rochosas Canadenses, no Banff National Park. Nós fizemos uma viagem incrível de muitos dias, praticamente só fazendo trilhas na região. 
      Junto do Moraine Lake há algumas trilhas que você pode fazer. Nós escolhemos 2 e as fizemos no mesmo dia. No total, caminhamos 17,5km, dando 23.500 passos.
      SHORELINE TRAIL : É bem curta, plana, às margens do Moraine Lake, com vistas incríveis dos Ten Peaks. São 3km ida e volta. Começamos por ela como aquecimento.
      LARCH VALLEY TRAIL/SENTINEL PASS TRAIL: Esse foi um dos melhores dias de trilhas das nossas vidas. As paisagens são maravilhosas. 
      A primeira parte  é inclinada e passa pelo meio do mato, onde vimos um cervo bem de perto. Depois, você chega no Larch Valley propiamente dito, com riachos, montanhas muita vida animal. 
      E o final da trilha é deslumbrante. As montanhas são imponentes, há 3 lagos que servem de "espelho" para a paisagem e mesmo no verão você encontra neve. Divino! Use botas adequadas para fazer essa trilha. Bastões também ajudam muito. 
      Distância: São 11,6km;
      Ganho de elevação: 725m.
      Temos um post super completo sobre esse dia, com as trilhas em detalhes, além de como e quando ir, onde ficar e muito mais em http://meusdestinosimperdiveis.com.br/lago-moraine-canada-moraine-lake-canada/.
       



    • Por Douglas Rezini
      Olá Mochileiros. Essa foi minha primeira viagem para fora da América do Sul e também meu primeiro mochilão. Esse relato não é só para compartilhar qual foi meu roteiro, mas para tentar ajudar outros mochileiros a terem experiências melhores que as minhas e também tentar transmitir o quando toda essa experiência me mudou positivamente.
      Escolhi a Itália por vários motivos, mas principalmente porque sou apaixonado por história e sempre foi um sonho conhecer as ruínas do império romano e porque sinto um grande carinho pela Itália, carinho que me foi transmitido através dos meus avós, bisavós e minha família de modo geral. Também existem outros motivos, como as belezas naturais e a arquitetura do país, a facilidade do Idioma, a culinária e os vinhos.
      Parti de Navegantes no Brasil no dia 09/Agosto/2019 durante a manhã e cheguei na Itália, após uma escala em Guarulhos e outra em Paris, dia 10/Agosto/2019 a tarde. Já havia feito a reserva e pago antecipadamente por todos os Hostels, também levava comigo 1.100 Euros e na minha mochila roupas suficientes para uma semana. Talvez vou estar sendo repetitivo, mas para mim algumas coisas foram essenciais nessa viagem, como: Power Bank, tampões para o ouvido, máscara de dormir, doleira, fone de ouvido, mochila de ataque, remédios simples de modo geral (Dipirona, Ibuprofeno, Plasil, etc), protetor solar e labial. São coisas simples, mas que fizeram toda a diferença.
      A forma com a qual eu vou escrever esse roteiro provavelmente vai ser diferente no decorrer dos dias, mas isto é porque a forma com a qual eu encarei essa viagem também mudou no decorrer desses mesmos dias. Alguns vão estranhar a quantidade de dias que eu passei em algumas das cidades, mas essa realmente foi a forma que queria viajar, aproveitando os lugares sem pressa.

      Principais cidades desse relato.
      Dia 01 - Roma - 10/Agosto/2019
      A escala de Paris para Roma atrasou em consequência cheguei uma hora após o previsto, mas felizmente não havia comprado tickets de trem ou ônibus. Do aeroporto peguei um ônibus pela empresa TERRAVISION, o qual custou 7 Euros. Como era sábado não tinha trânsito e em 35 minutos estava na estação Roma Termini. Existem várias companhias que fazem esse serviço, o ônibus é normal, mas tinha ar-condicionado e custava menos da metade do preço do trem.
      De Roma Termini fui andando por uns 15 minutos até chegar no Hostel Free-Hostels Roma. Gostei bastante do Hostel, o staff era bem atencioso, os quartos eram limpos e possuíam camas no formato de ninhos, os quais traziam alguma privacidade, e também são realizados eventos todas as noites para integração entre os hóspedes. O hostel normalmente tem alguma promoção para quem fazer a reserva no site deles, no meu caso foi o café da manhã incluso (Tinha nutella hahah).

      Eventos da semana que não são seguidos a risca, mas da para ter uma ideia.
       
      A duas quadras do Hostel tem um supermercado com bons preços. No mesmo dia fui até lá para comprar uma garrafa d’água e alguns snacks para comer durante o dia. Já havia lido em outros relatos e realmente é essencial ter sempre uma garrafa na mochila, não só em Roma, mas em outras cidades da Itália existem diversas fontes de água potável e gratuita espalhadas pelo centro e bairros onde é possível reabastecer a garrafa e economizar uns Euros.
      Não muito longe do mercado também comprei um Chip de celular da Voda Fone por 20 Euros em uma loja da própria companhia. O plano para turistas tem um mês de duração, pode ser usado em toda a Europa e conta com um limite de dados de 35 GB, porém não consome os dados para o uso de chats e redes sociais, mesmo para vídeo chamadas pelo que eu pude perceber. Muito cuidado, recomendo não comprar no aeroporto ou rodoviária, nesses lugares o preço quase que triplicava.
      Dia 02 - Roma - 11/Agosto/2019
      Começando a manhã visitando a feira de Porta Portese, a qual acontece todos os domingos. Não sei se existe um foco principal nos produtos da feira, mas haviam muitas barracas vendendo roupas e produtora baratos e de uso geral. Não é algo que me atrai muito e eu considero perdível, mas acabei encontrando e comprando uns livros usados e bem baratos para praticar a leitura em Italiano.

      Feira de Porta Portese
      Depois de lá segui andando até chegar na Isola Tiberina, cruzando as pontes em direção ao centro histórico começa o Gueto Judeu de Roma. Para quem gosta de história eu recomendo baixar Áudio Guias, no meu caso eu usei o aplicativo gratuito do Rick Steves durante esse e outros passeios, garanto que o local muda totalmente quando você sabe o que aconteceu ali. Também ouvi boas recomendações para comer lá, mas acabei chegando muito cedo para o almoço.
      Ali perto também estão o Pórtico de Ottavia e o Teatro di Marcellus. Perto do Pórtico existe uma descida que permite caminhar pelas ruínas, vale muito a pena. Não é necessário pagar nada ou enfrentar qualquer fila para acessar esses locais.

      Descendo pelo Pórtico de Ottavia

      Vista do outro lado onde é possível ver todo o Teatro di Marcellus
      Seguindo a direita um pouco mais a frente eu cheguei ao Foro Boario/Tempio di Portuno e da Bocca della Verità. Essa última tinha uma fila gigantesca de pessoas querendo tirar uma foto com a mão na boca da face esculpida no mármore. Segundo a lenda, se alguém contar uma mentira com a mão na boca da escultura, a sua boca fecharia na mão do mentiroso. A fila era realmente muito grande, portanto segui para o Monte Capitolino.
      A subida é um pouco cansativa, mas de lá é possível ter uma vista incrível das ruínas romanas e isso faz tudo valer muito a pena. No monte capitolino se encontra o museu capitolino, com uma coleção incrível de bustos, artefatos e até ruínas da Roma antiga. Talvez seja porque eu gosto muito da história de Roma, mas passei 4 horas lá dentro. Dentro do museu também é possível ter uma vista incrível das ruínas.

      Vista do Museu Capitolino
      Não entendo o porque, mas diferente de outros museus este não tem muita fila, acredito que vale a pena deixar para comprar o ingresso na hora e evitar de pagar a taxa de reserva online. Por fim, ali perto também estava o monumento Altare della Patria, um dos cartões postais mais famosos de Roma e com uma vista incrível da cidade. Para ter acesso ao terraço é necessário pagar, mas o último nível  antes do terraço já oferece uma vista incrível e de graça.

      Monumento Altare della Patria
      Dia 03 - Roma - 12/Agosto/2019
      Finalmente o dia de conhecer o Vaticano, como eu estava fazendo tudo a pé ajustei meu trajeto para passar em frente a Ponte Sant'Angelo e o Castelo Sant'Angelo, outro cartão postal muito famoso de Roma. Não achei que valia a pena comprar o ingresso para entrar, portanto fiquei somente no lado de fora observando as esculturas da ponte e o castelo em si. Fui alertado muitas vezes para tomar cuidado com golpes nessa região e no coliseu, talvez fosse muito cedo, mas nesse horário estava bem tranquilo e não vi ou presenciei nada do tipo.

      Ponte Sant'Angelo e Castelo Sant'Angelo
      Seguindo para esquerda por mais algumas quadras começava a entrada para o Vaticano, de longe já era possível ver que a praça São Pedro já se encontrava bem cheia. Chegando lá fiquei dando algumas voltas pela praça e logo me arrependi, a fila para entrar na basílica de São Pedro estava gigantesca. Depois disso corri para a fila, comecei a ouvir o Áudio Guia e meia hora depois estava dentro da basílica. Estava bem cheia, mas o lugar é incrível e vale muito a pena, seja você religioso ou não. Importante saber para poder evitar surpresas é que não é permitido ingressar na igreja com os joelhos ou ombros a mostra, nesse caso basta cobrir com um lenço, cachecol, echarpe para poder ingressar. Isso vale para todas as igrejas e catedrais famosas na Itália.

      Vista de fora da Basílica de São Pedro
      V
      Vista de dentro da Basílica de São Pedro
      Por 10 Euros é possível acessar a cúpula e o terraço e ter uma vista incrível do vaticano, mas a fila era bem grande e também no meu caso tive que sair correndo pois estava atrasado para a visita agendada aos museus do Vaticano. Quando cheguei na rua do museu me deparei com uma fila gigantesca dobrando a esquina, porém um funcionário logo me indicou que era a fila para comprar os bilhetes e como já havia comprado pela internet pude ir direto. Nesse caso, comprar de forma antecipada foi essencial para evitar horas de fila no sol.
      Acredito que eu tenha ficado pelo menos 3 a 4 horas dentro dos museus. Todas as salas são normalmente muito cheias, algumas quentes outras mais agradáveis, mas independente disso todas as obras, relíquias, tapeçarias, estátuas, tudo faz fazer a pena. Acredito que não só nesse, mas nos demais museus é essencial ter um áudio guia para aproveitar o máximo de tudo o que oferecem. Existem diversos gratuitos na internet, mas os museus também oferecem os seus e que são obviamente pagos.

      Uma das várias salas do museu, detalhe para o tamanho das pessoas e das esculturas.
      Por fim todos os caminhos eventualmente vão levar para a Capela Sistina, um dos lugares mais lotados e tumultuados do museu. Você vai se cansar de ouvir os funcionários pedindo silêncio a cada 5 minutos, também é proibido tirar fotos e eles vão te falar isso várias vezes. Novamente, é essencial ter um áudio guia para explicar cada parte dessa obra de arte em detalhes e prepara o pescoço para ficar um bom tempo olhando para o teto.
      Dia 04 - Roma - 13/Agosto/2019
      Comecei o dia caminhando em direção ao coliseu, essa região é cheia de ruínas e é possível inclusive acessar algumas partes gratuitamente. Andei sem pressa parando para ler as placas informativas que os locais possuem e escutando o áudio guia. Não muito longe dali caminhei para a Igreja de Santo Inácio de Loyola, a igreja é bela mas o que impressiona mesmo são os afrescos, vale muito passa lá para dar uma olhada, é de graça e não é lotada de turistas.

      Igreja de Santo Inácio de Loyola
       

      Uma parte dos afrescos no teto da igreja.
      Continuei o passeio em direção ao Panteão, mas como sempre eu tento alterar meus trajetos para passar por outros lugares onde existe algum monumento ou ponto conhecido, nesse caso foram a Colonna di Marco Aurelio e o Obelisco di Montecitorio, a histórico por trás desses monumentos é algo único e quando você lê ou escuta sobre essas histórias os lugares mudam completamente.
      Mesmo antes de chegar no Panteão você vai perceber que está perto pelo número de pessoas, e nesse lugar eu diria para ficar bem atendo aos batedores de carteira e a golpes. Lotado de pessoas ou não, é uma obra incrível que deve ser vista, a fila é bem rápida e não é necessário pagar para entrar. Como é uma igreja eles pedem para que as pessoas naõ entrem com joelhos e ombros a mostra, mas o controle não era tão rígido quanto no vaticano.

      Panteão
      Tentei visitar a Basilica di Santa Maria Sopra Minerva e a Igreja di Sant'Agnese in Agone nesse mesmo dia, mas ambas estavam fechadas, a segunda fechou logo quando eu estava chegando, portanto é bom ficar atendo aos horários. No mesmo local da igreja está a Piazza Navona e la Fontana dei Quattro Fiumi, ao redor da praça existem diversos restaurantes, bares e algumas gelaterias. As fontes são belíssimas e vale a pena parar para comprar um gelato e ficar olhando cada detalhe das esculturas.
       
      Fonte do Mouro

      Fontana dei Quattro Fiumi e Chiesa di Sant'Agnese in Agone ao fundo
      Na volta para o Hostel ainda passei pela Piazza di Pasquino onde existe a estátua chamada de Pasquino, uma das mais famosas "estatuas falantes" de Roma, e pelo Campo de' Fiori onde existe uma pequena feira com preços bem turísticos. 
      Por mais que andar pelas ruas de Roma é se perder no tempo e conhecer algo novo a cada esquina, eu percebi que depois desse dia eu estava andando demais e resolvi comprar o bilhete de 7 dias para usar o transporte público de Roma. É possível comprar em Roma Termini ou em algumas tabacarias, custa 24 Euros e da acesso a ônibus, metro e tram, basta validar no primeiro uso e manter com você para ser apresentado caso necessário.
      Com o ticket em mãos aproveitei para visitar alguns lugares a noite. Comecei com a Piazza di Spagna, conhecida pela sua escadaria onde as pessoas costumavam se reunir para interagir, beber e comer. Porém, recentemente a prefeitura proíbe e a polícia fica no local para impedir que qualquer um fique sentado nas escadarias, dali segui para a Fontana di Trevi. Durante o dia a famosa fonte é lotada de pessoas, mas a noite parece que ela fica mais cheia ainda, talvez porque a noite ela também fica ainda mais bela.

      Fontana di Trevi no stories

      Fontana di Trevi na vida real
       Dia 05 - Roma - 14/Agosto/2019
      EM CONSTRUÇÃO...
    • Por Ananda P Cumap
      Gente, alguém aqui já comprou mochilão de 50l ou 40l na aliexpress? Se sim, é bom? O de 50l passa de boas como bagagem de mão? 
      edit:estou querendo comprar essa pois gostei do modelo e cabe no meu orçamento, ela é 50l
      vou pra brasilia pela latam e depois vou pegar busão pra floripa e não quero mala, optei pela mochila  
      desde já grata ❤️



×
×
  • Criar Novo...