Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Sim, meus caros. É possível subir até o pico mais alto da Grécia. É possível chegar ao panteão dos deuses mesmo sendo um mero mortal. E não é difícil.

Tudo começa na cidade de Litochoro (pronuncia-se Litôrroro e escreve-se Λιτόχωρος), onde é possível chegar através de trem pelo sistema TrainOSE. Compra pelo site (tem que tentar falar grego) e embarca com e-ticket mesmo. Saindo de Atenas pela estação Larissa, de fácil acesso, troca em Larissa e segue pra Litochoro. Sem muito erro. Chegando na estação de Litochoro, de frente pro mar, o mais fácil é pedir um táxi para levá-lo até o hotel na cidade. Custou apenas 10 EUR e não tenho certeza se tinha ônibus. Solicitei pelo hotel e o taxista já estava nos esperando quando chegamos. Rápido para chegar na cidade de carro mas longe para ir caminhando.

 

1*TlXHG7eejaFFQD00A0iXMg.png

Melhor caminho para ir de Atenas à Litochoro

Em Litochoro ficamos no hotel/pousada Mythic Valley, recomendo. Boa localização, café da manhã excelente e funcionários muito prestativos. Não era o mais barato (55 EUR o casal), mas precisávamos de uma boa noite de sono antes de seguir montanha acima. Jantamos no centrinho e fomos dormir cedo para acordarmos dispostos.

 

0*b1Hk1oU0g4LT4rjg

O hotel tinha escavações em andamento para encontrar relíquias, como esse vaso de cerâmica

Para começar a subida, são duas opções: caminhada desde a cidade ou subida de carro até um ponto chamado Prionia e seguir a partir de lá. A subida direta da área urbana é realizada em aproximadamente 12 horas e 17 km, vencendo uma altitude de 1740 m. Optamos pela versão mais conveniente, que é começar de carro. Seja qual for sua opção, a trilha é denominada E4, que é uma de longa distância que vai de Atenas até Gilbratar na Espanha, ou vice-versa, e tem 10.000km de extensão.

 

1*RAN6ckZyFqghEPmUHpfRRw.png

Trilha com início na área urbana de Litochoro

No outro dia, depois de um bem reforçado café da manhã, o Mr. Nikos, mesmo taxista que nos buscara na estação na noite anterior, já estava nos esperando para nos levar morro acima. A subida até Prionia leva ao redor de 30 minutos e custa 25€ — para rodar mais menos 18 km. O Mr. Nikos nos deixou no ponto mais alto que pode-se chegar de carro, a 1100m de altitude, no local que serve comes e bebes, tem banheiro e repositório de água. Nesse ponto já não há mais acesso à rede de celular. Mr. Nikos, precavido, deixou um cartão com o número de celular e avisou que no restaurante eles poderiam ligar para chamá-lo.

A subida iniciando-se em Prionia leva entre 3 e 4 horas e é de 6km de distância, vencendo uma altitude de 1000m. Dá pra começar ela no período da tarde e dar uma volta em Litochoro de manhã, se for essa a ideia. Começamos pela manhã mesmo para curtir a tarde nas montanhas. Nossa subida aconteceu em meados de outubro — dias 14 e 15/10 — e talvez o aquecimento global tenha nos ajudado a não pegar tanto frio e neve. Tem relatos de que as trilhas podem fechar por essas datas caso já estejam intransitáveis. Mas em Litochoro estava um clima até que quente e agradável.

Chegando em Prionia o sol estava encoberto e o frio pegou forte, colocamos nossos casacos pesados, enchemos as garrafas de água e usamos o banheiro públicos. Finalmente prontos para começar a trilha. Ali não tem erro: uma placa marca o início da trilha, junto com avisos de como se portar. Parece fácil.

 

0*cFev5pccsoyrk5oC

Só seguir essas instruções para que tudo dê certo.

Fizemos a subida em ritmo moderado, apreciando a paisagem outonal amarelo-avermelhada, sentando nos locais adequados e recomendados — tem bancos a aproximadamente cada terço da trilha para descanso, e também pontos de água para reabastecimento. Há vários pontos também de mirante, que pode-se ver tanto o pico — Mytikas , o Trono de Zeus— quanto as partes mais baixas.

 

árvores de coníferas verdes e amarelo-avermelhadas de outono em primeiro plano com o pico do Monte Olímpo — Mitikas — no fun

A parte bruta da montanha mantém-se quase sempre visível

A caminhada em geral se dá por baixo de árvores e sem incidência solar direta. Como a caminhada é subida, o corpo esquenta e o casaco pesado do início já não se faz necessário. No último terço do primeiro dia de subida a caminhada chega em uma parte mais aberta, e de fato a vegetação vai rareando e diminuindo de tamanho conforme vamos subindo. De certo ponto já é possível ver o refúgio Spilios Agapitos, o que ajudou a visualizar a meta do dia.

Chegando no refúgio fomos recebidos por diversos trilheiros cansados e descansados, alguns subindo junto conosco, outros voltando do pico e alguns só relaxando no local. O Spilios Agapitos é comandado pela Maria Zolota, que vem cuidando do local desde 2001.O nome vem do arquiteto e engenheiro que projetou a construção. O refúgio foi o primeiro a ser construído na montanha, em 1930, e foi sendo ampliado até a atualidade. Tem 110 camas, banheiros, cozinha equipada, área de convivência, recepção. Serve café da manhã, almoço, janta e cerveja. Tem lareira acesa nas noites frias. Tem energia elétrica e até uma falha wifi. E o nascer do sol mais maravilhoso de toda a Grécia. É um luxo nas alturas.

 

1*7yQHugwzcJRuwpLVpVj5Kg.png

Trilha de Prionia até Spilios Agapitos

A estadia custa apenas 13€ por pessoa e o café da manhã custa 5€. As outras coisas estão ao redor desse preço também. Fizemos a reserva por email e uma transferência bancária para pagar adiantado 1 noite com café da manhã.

Chegamos ao redor de 13h e comemos uns lanches que levamos pra cima. Sem necessidade, já que há comida servida a preço justo. Tomamos sol, descansamos, conversamos, lemos, comemos de novo, demos uma volta nos arredores. Sossegado. A noite começou a cair e o frio começou a bater. Entramos e já estavam acendendo as lareiras. Lemos mais um pouco, conversamos mais um pouco, compramos janta e fomos dormir antes das 21h. Fomos colocados em uma beliche de casal, uma situação um pouco esquisita mas deu certo. Os quartos são frios mesmo com cobertores e precisamos dormir com os casados pesados.

No outro dia acordamos cedo, antes do sol nascer, para podermos comer o café da manhã da Maria e ainda ver o incrível amanhecer na montanha, quando o céu se divide entre o amarelo, o vermelho e o azul. Depois do café arrumamos a cama e as malas e saímos para atacar o pico só com mochilas leves, água e um lanche (e o casaco).

 

0*WVfs7olzrmLKIUEn

Não tem foto de celular que mostre a verdade de um nascer do sol

Como saímos cedo ainda estava frio e botamos um casaco frio. Poucos metros acima do refúgio já estávamos quentes e precisamos tirar. A trilha para atacar o pico é mais árida, pouco vegetada até certa parte e depois nada vegetada e mais íngreme. Vai ziguezagueando montanha acima. A vista é incrível de qualquer ponto, seja a vista para cima ou para baixo. Depois de um local de descanso a trilha fica completamente exposta e é de pedregulhos soltos. Mas mesmo assim não oferece riscos de queda, só de cansaço, falta de água e queimaduras de sol — previna-se! O ataque ao pico tem 3km de extensão, dura ao redor de 3 horas e vence uma altitude de aproximadamente 800m.

Finalmente chegamos ao Skala, com 2866m de altitude, o primeiro e mais acessível pico da trilha do Monte Olimpo. Esse pico tem rochas boas para sentar e descansar, dá pra tirar bastante foto e ainda encontrar outros trilheiros que param ali para descansar. O caminho em Skala se bifurca em 2 — para Skolio (2911m), o segundo pico mais alto e o Mytikas(2918m), o mais alto. Para Skolio o caminho parecia sossegado e direto, mas para Mytikas já era necessário uma escalaminhada e corria risco de queda. Optamos por descer de volta, já que tínhamos compromisso em outra cidade no final da tarde.

 

1*LjJKgeCQbWEZwhlo72GCSw.png

Trilha de Spilios Agapitos Até Skala e Mytikas

A descida é menos exaustiva pro corpo mas tem que ter joelhos fortes para aguentar. Os pedregulhos soltos do início dificultam um pouco o trajeto mas logo alcança-se uma parte mais fácil. Pegamos as coisas no refúgio, demos tchau para Maria depois de um breve descanso e seguimos para baixo até Prionia novamente. Chegamos lá 6 horas depois e pedimos o táxi para levar-nos de volta até a cidade de Litochoro, onde começaríamos nossa empreitada até Istambul — mas aí fica pra outra história.

 

0*8kVB07pmMJFaUDE0

Esses são nós com o trono de zeus no fundo

Informações resumidas:

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

9 horas atrás, FCRO disse:

@Daniel MR Acha que dá pra ir e voltar no mesmo dia saindo beeem cedo?

Oi @FCRO  tem gente que faz isso sim mas tem ter um condicionamento físico muito bom. O que recomendo é, se tiver com pressa, atacar o pico direto, voltar e dormir no abrigo. No outro dia concluir a descida, dá pra chegar antes do meio dia em Litochoro. As panturrilhas agradecem e a experiência será mais completa também 😁

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Birovisky
      E aí Rezenhadores de plantão beleza? Há tempos queria falar desta barraca que já tive a chance de acampar mas o tempo não permitia. Hoje venho tecer uma opinião sincera sobre esta barraca da marca Guepardo, marca esta que sou suspeito para falar e tenho uma queda, mas isso não impede de ser o mais imparcial e sincero possível. Confiram esta análise review com as vantagens e desvantagens para você leitor comprovar se vale a pena ou não comprar uma Barraca Camuflada Jungle  Savage Guepardo.
      Motivação
      Testar uma barraca diferente das que eu tenho e comprovar a confiança que sempre deposito nos produtos da marca Guepardo.
      Preço
      R$700,00 (Aproximadamente).
      Pontos Negativos
      No único fim de semana que utilizamos com uma chuva média, em suas pontas entrou um pouco de água pelas costuras do chão. Coisa mínima, mas entrou.
      Pontos Positivos
      Camuflagem perfeita, quando escurece, sem iluminação é  impossível notar a barraca; Sobreteto (Poliester 190T) bacana, vai até o chão (Piso de polietileno reforçado); Coluna d’água de 1500 mm. O mínimo para se ter alguma confiança é 1000mm; Respirador frontal e traseiro com duas portas com janelas enormes para ao acordar admirar a natureza sem sair da barraca, além de ser bastante espaçosa e com suporte para pendurar lanterna ou lâmpada; Costuras selada; Fácil e rápida de montar. Apesar do tamanho é leve (6,4Kg) comparada com  outros concorrentes de mesmo tamanho (Dimensões Aproximadas Do Produto (Cm) – AxLxP: 180x300x300cm); Resumo da Obra
      Por ter saído de linha você consegue encontrá-la em alguns sites com um preço bem abaixo do praticado quando estava em seu ápice de vendas. Mesmo a Guepardo tendo sido comprada pela Nautika ainda prefiro os produtos Guepardo. Entre uma Cherokee (Nautika)(Barraca Nautika NTK Cherokee GT é boa?) e uma Jungle (Guepardo), sou muito mais a Jungle!
    • Por Marco Trilho
      Novo episódio sobre equipamento de Trekking.
       
    • Por Marco Trilho
      Os nossos conselhos de equipamento.
       
    • Por Marco Trilho
      A nossa apresentação.
       
    • Por Marco Trilho
      Boa tarde a todos.
      Somos dois amigos, Marco e André, que constituem a equipa/grupo Tardo Aventura e somos de Almada e Moita.
      Praticamos Trekking/Caminhada há mais de 1 ano. Pretendemos partilhar as nossas experiências/aventuras e também conhecer mais do que se faz nesta comunidade, o Trekking.
      Este é o link do nosso primeiro video de uma caminhada na Costa de Caparica: 
       
       


×
×
  • Criar Novo...