Ir para conteúdo

Travessia dos Pirineus


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

20120823214117.JPG

 

Há alguns meses recebi uma mensagem do Peter Tofte, dizendo que se mudaria para Brasília e me convidando pra um trekking. Sempre fui fã dos relatos do Peter e gostei muito da ideia de caminhar ao lado de alguém que tenho como referência no trekking aqui no fórum. Lógico que aceitei a proposta no mesmo instante!

Primeiramente pensamos em fazer a Travessia Leste na Chapada dos Veadeiros, mas devido ao tempo necessário para esta travessia, optamos por fazer algo menor.

Sugeri a Travessia da Serra da Aranha, mais curta, mas por um terreno bastante irregular e sem água, ou a Travessia dos Pirineus, saindo de Cocalzinho de Goiás, passando pela Cidade de Pedra, Cachoeiras dos Dragões, Serra do Macaco, Cachoeiras do Coqueiro e da Garganta e cortar o Parque Estadual dos Pirineus sentido Cocalzinho, num total aproximado de 62km, segundo o Google Earth. Escolhemos a dos Pirineus. O Peter sugeriu esticarmos a pernada até a Cachoeira do Rosário, aumentando o trajeto em alguns quilômetros e eu topei. Tentar fazer uma trilha de aproximadamente 70km em terreno desconhecido e onde não há trilha demarcada, foi um pouco de ousadia, principalmente pra mim, que vivo fora de forma e enferrujado pelo longo tempo de sedentarismo.

Marcamos o início do trekking pro dia 18/08/2012 num posto de gasolina no cruzamento da BR-070 com a BR-414, 2km ao norte de Cocalzinho. O encontro seria entre 06:30 e 07:00 horas da manhã. Cheguei às 07:05h e o Peter já me aguardava. Comemos umas bananas, usamos o banheiro, e às 07:30 já estávamos na trilha.

O início é bem monótono, passando sempre por pastagens ou seguindo a estrada. Entramos numa estrada vicinal e acabamos chegando numa casa com alguns cachorros. Como a casa estava fechada, passamos pelo quintal, atravessamos um córrego e subimos por uma alta pastagem até uma plantação de eucaliptos ainda bem jovens. Cruzamos essa plantação e voltamos à estrada principal.

 

Peter preparado pro trekking

20120823214212.JPG

 

Eu na mesma situação

20120823214502.JPG

 

Atravessando uma pastagem

20120823214548.JPG

 

20120823214650.JPG

 

Após 10km de caminhada, pegamos a bifurcação em direção à Gruta dos Ecos, mas como o nosso tempo era curto, não sabíamos a localização exata da gruta e achamos que a visita não valeria a pena, logo pegamos uma trilha à esquerda, cortando um campo limpo com uma vereda na baixada. Infelizmente, nessa época do ano, não havia nem sinal de água. Resolvemos descansar e comer um pouco. Poucos minutos depois, continuamos a pernada. Passamos próximos a uma bonita fazenda, com um enorme curral e duas represas no fundo. Mais uns poucos minutos de caminhada e chegamos a um local de extração de Pedra de Pirenópolis, que acabei de descobrir no google se tratar de um mineral chamado quartzito micáceo. Haviam dois senhores descansando, cumprimentamo-nos e seguimos viagem. Passamos por uma imensa área de mineração até chegarmos à casa do Nivaldo, que também trabalha na extração mineral, onde abastecemos os cantis e aproveitamos para descansar. O Nivaldo foi bastante educado, conversamos um pouco, e ele nos disse que a Cidade de Pedra ficava a uns 5 ou 6 km e apontou pra uma grande pedra no alto de uma serra dizendo que era lá.

Zarpamos rumo à serra saindo da estrada para pegar uma trilha de gado que atravessava um campo limpo. Mais à frente, onde retornamos à estrada, encontramos um grupo de ciclistas que também iriam para a Cachoeira do Rosário. Às 13:00 horas paramos para comer e descansar. Comemos um delicioso pão em folha com salame e queijo e mais algumas guloseimas levadas pelo Peter. Eu já estava um pouco cansado, já o Peter, andando tranquilo, nem parecia que havia caminhado quase 20km. Subimos a trilha pra Cidade de Pedra e podemos ver de perto algumas formações. Notamos que em algumas rochas há vias de escalada, pela presença de chapeletas e grampos fixados às mesmas.

Seguimos uma trilha que contorna a Cidade de Pedra e segue até uma casa abandonada à beira da estrada, que nesse ponto já está num estado bem ruim, tornando-se quase uma trilha.

 

Campo com a Serra de São Gonçalo ao fundo, onde se localiza a Cidade de Pedra

20120823221948.JPG

 

Cidade de Pedra

20120823222151.JPG

 

Cidade de Pedra

20120823222235.JPG

 

Cidade de Pedra

20120823222308.JPG

 

Cidade de Pedra

20120823222358.JPG

 

Como a impressão do nosso mapa não estava boa e já havíamos andado bastante, sem nem sinal do campo que atravessaríamos, sugeri que pegássemos uma trilha à direita. Ledo engano, quando a trilha começou a seguir o sentido note, percebemos que havíamos errado o caminho, então, entramos num vara-mato a oeste afim de encontrar o caminho certo. Descemos uma pequena encosta até uma nascente que aliviou nossa sede. Foi a única coisa boa de ter errado o caminho. Nesse momento, eu me encontrava exausto. A subida pra sair da nascente foi sofrível.

 

Trilha errada

20120823222503.JPG

 

Nascente que saciou nossa sede

20120823222619.JPG

 

Alcançamos a estrada ao lado de uma porteira e seguimos por ela por mais uns 2km até uma segunda cancela. Ali, mesmo muito cansado, ainda consegui rir do Peter tentando algumas vezes abri-la pro lado errado. Abri a porteira e seguimos mais um pouco até um campo que nos levou até as nascentes do riacho que acompanharíamos até as Cachoeiras dos Dragões. A hora já estava bastante adiantada e o sol começava a se pôr. A vereda estava brotando verdejante, após uma queimada ainda bem visível. É impressionante o quanto as pessoas do Centro-Oeste ainda usam o fogo como forma de renovar as pastagens. Presenciamos um lindo pôr do sol e resolvemos arrumar lugar para acampar, pois não seria fácil achar o caminho num vara-mato noturno, afinal, não encontramos nem sinal de trilha.

 

20120823223151.JPG

 

20120823222859.JPG

 

20120823222945.JPG

 

Como estava escuro, acampamos no primeiro lugar mais ou menos que encontramos, às margens de um riacho, num capinzal de terreno bastante irregular.

Depois de tomar banho gelado numa “banheira natural”, fomos preparar a janta. O Peter comeu salsicha com lentilhas e eu fui fazer panqueca de queijo (receita do cozinha na mochila, muito boa) e estrogonofe de carne da Liofoods (por sinal, bem sem gosto).

Depois da janta, ficamos numa laje de pedra olhando as estrelas. Fui pra barraca e desmaiei. Mesmo com um monte de “caroços” embaixo da barraca, dormi o sono dos mortos, literalmente. Acordei às 06:00 horas, ainda estava um pouco escuro, arrumei meu café, enquanto aguardava meu colega acordar, notei que tinha um machucado na cintura, provavelmente, o cinto forçou contra a barrigueira da mochila. O Peter acordou tarde, reclamando que não dormiu bem por causa do chão irregular. Disse que mal entrei na barraca, comecei a roncar. Mostrei o ferimento ao Peter e ele fez um curativo com silver tape, dizendo que eu era o homem remendado. Depois de arrumar nossas coisas descemos acompanhando o riacho e vimos quantos bons lugares havia pra montar acampamento alguns metros à baixo de onde tínhamos montado o nosso. Num capim alto, o Peter caiu dentro de um buraco, mas não tive tempo de sacar a máquina, na mesma velocidade que caiu, ele saiu do buraco.

O rio forma inúmeras piscinas naturais, cada uma mais convidativa que a outra, e às suas margens, alguns jardins florescem magníficos. Como estávamos bastante atrasados, somente apreciamos a vista. Depois de certo tempo, saímos da margem do rio em direção noroeste até chegarmos à beira de uma grota bem profunda. Como atravessá-la seria muito difícil e cansativo, fomos acompanhando-a e por sorte e sem querer encontramos uma trilha que nos levou às Cachoeiras dos Dragões.

 

Fazendo panqueca

20120823223311.JPG

 

Acampamento

20120823223403.JPG

 

Banheiras

20120823223442.JPG

 

20120823223518.JPG

 

Preparando meu café

20120823223552.JPG

 

A caminho das cachoeiras

20120823223656.JPG

 

Piscinas naturais a caminho das cachoeiras

20120823223801.JPG

 

20120823223836.JPG

 

20120823223911.JPG

 

20120823223959.JPG

 

20120823224053.JPG

 

Jardins

20120823224141.JPG

 

20120823224233.JPG

 

O complexo é formado por oito cachoeiras, das quais duas estavam completamente secas, restando apenas os poços, a 5ª e a 7ª, que são formadas pelo mesmo córrego. De cima do paredão da 5ª cachoeira, vimos um casal de urubus rei. Desde a Serra da Bocaina não via um bicho desses na natureza.

Conhecemos todas as cachoeiras e fomos nos refrescar na 1ª Cachoeira dos Dragões. Almoçamos por ali e decidimos retornar pra Cocalzinho, pois já eram 13:00 horas e não conseguiríamos fazer o restante da travessia proposta a tempo. Afinal, segunda-feira, teríamos que trabalhar.

 

Borda da 5ª Cachoeira dos Dragões, completamente seca

20120823224437.JPG

 

Piscina natural da 8ª Cachoeira dos Dragões

20120823224518.JPG

 

Enchendo o cantil na 8ª Cachoeira dos Dragões

20120823224642.JPG

 

Atravessando uma pinguela pra 6ª Cachoeira dos Dragões

20120823224930.JPG

 

Piscina natural da 6ª Cachoeira dos Dragões

20120823225041.JPG

 

20120823225139.JPG

 

6ª Cachoeira dos Dragões

20120823225253.JPG

 

4ª Cachoeira dos Dragões

20120823225758.JPG

 

3ª Cachoeira dos Dragões

20120823225838.JPG

 

2ª Cachoeira dos Dragões

20120823225920.JPG

 

1ª Cachoeira dos Dragões

20120823230013.JPG

 

Seguimos a trilha, que é bem demarcada e sinalizada até o Mosteiro Budista, lá conversamos com o Sr. Valdeir, que nos informou que no local há hospedagem e práticas de meditação. O Peter descobriu que eles cobram uma taxa de R$ 25,00, para a visitação das cachoeiras. Como entramos pelo mato e não dissemos que usufruímos de nada, saímos sem pagar. Perguntamos onde era a estrada pra Cocalzinho e ele apontou um trieiro à esquerda e disse que a estrada estava à uns 100 metros. Perguntei qual era a distância e quase chamei um taxi quando me disse que eram 37km. É, a vida não é mole não.

 

Detalhe da construção do mosteiro com as pedras da região

20120823230306.JPG

 

20120823230510.JPG

 

Cansado, com uma lesão na cintura e muitas dores musculares, seguimos o caminho indicado. Acho que por uns 5 ou 6km seguimos por uma subida leve, e no final meus pés já davam o alarme, senti que uma bolha estava se formando no meu calcanhar direito. Mais uma vez, precisei dos serviços do Dr. Peter, que fez um curativo com gaze e silver tape e, definitivamente transformei-me no homem remendado.

Continuamos a caminhada e meu pé não doeu mais, mas a cintura estava incomodando bastante, acabei colocando o gorro para servir de almofada e diminuir um pouco o atrito. O Peter seguia sempre solícito, me incentivando. Quase sempre, ele olhava pra trás e dava um sorriso como se dissesse: Vamos, você consegue! Difícil um companheiro como ele.

Diminuiu o ritmo para que eu pudesse acompanhá-lo e em algumas ocasiões ofereceu-se para passar um pouco de coisas da minha mochila pra dele. Como achei que não mudaria nada, carreguei minhas tranqueiras. Mais à frente, vimos uma ema na estrada.

Nesse ritmo, chegamos à Cidade de Pedra, comecei a sentir o adutor da coxa direita e já pensei que ao chegarmos à casa do Nivaldo iria oferecer um pouco de dinheiro para que me levasse de moto até a cidade, então eu viria resgatar o Peter. Ao chegarmos lá, que decepção, um rapaz chamado Davi, informou-nos que o Nivaldo tinha ido à cidade. Ofereceu-nos água gelada e disse que se a moto dele tivesse lá, ele nos levaria à cidade, mas que estava à pé. Ficamos ali conversando sobre o lugar mais próximo pra arrumar um transporte enquanto a noite começava a cair, quando de repente, ouvi um barulho de moto. O Davi foi até a estrada e parou a o motociclista. O rapaz se prontificou a me levar pra Cocalzinho! Montei na moto, mas antes de sair o Davi me intimou a não voltar lá sem um litro de cachaça. Deixei o Peter me aguardando e fui com o Alex até Cocalzinho. Depois de 14km em cima da moto desci parecendo o Robocop, completamente duro. E nessa situação ainda tive que caminhar mais de 2km até onde estavam os veículos. Comprei a cachaça e voltei pra resgatar o Peter.

No caminho de volta o Peter me disse que o Davi falou que poderíamos deixar os veículos na casa dele numa próxima vez que voltarmos lá. Vale a pena, pois a caminhada até lá não tem nada muito interessante, então economiza tempo e passadas pra aproveitar em outros lugares da travessia.

Voltamos até o posto e comemos coxinha com uma coca bem gelada, não sei se pela fome, estava uma delícia! Despedimo-nos já falando sobre uma próxima vez.

Quem sabe a Travessia Leste na Chapada dos Veadeiros, ou um retorno aos Pirineus, não é Peter?

 

Trilha de volta pra Cocalzinho

20120823230420.JPG

 

Campos com os Picos dos Pirineus ao fundo na volta pra Cocal

20120823230558.JPG

 

Olha como ficou minha cintura e meu pé

20120823230758.JPG

 

20120823230826.JPG

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 20
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros de Honra

Grande Renato Remendo!

 

Pessoal: foi ótimo ter feito este trekking com o Renato! Ele é muito tranquilo e tem um excelente senso de direção, além de ser muito safo, mas muito safo mesmo na trilha!

 

Você não contou que estava mais lento porque em algumas ocasiões tinha até 4 kg só de água na mochila e eu apenas meio litro. Sua mochila estava bem mais pesada. Resultado: como estava com pouca água e seco na trilha, acabei bebendo boa parte da água carregada pelo Renato. Brinquei dizendo que estavamos num safari e que ele era meu carregador. Só faltava me chamar de bwana.

 

Aquela região tem um bom potencial para trekking mais selvagem, fugindo do que é uma praga aqui: as fazendas que cobram ingresso para os visitantes das cachoeiras. Os coitados que iam de carro (coisa mais sem graça, sô) ainda morriam em R$ 25 por cabeça.

 

As piscinas naturais valem um mergulho e um acampamento. Tem muita paisagem linda.

 

Já sabemos o macete. Deixar o carro numa fazenda. Assim andamos menos.

 

Abraços, Peter

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Show de bola Renato e Peter!!!

A região tem belos trekkings. Quando falamos de centro-oeste só lembramos da Chapada dos Veadeiros, mas o Renato tem nos mostrado vários picos que valem a pena. ::cool:::'>

E aquleas piscinas naturais?!?! Dava pra ficar o dia inteiro ali. Sem falar da Cachoeira do Dragão, que lugar abençoado...

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

hahaha... quase chamei um taxi foi demais! Trilhazinha pesada e selvagem, digna de duas feras como vcs. Parabéns. Peter, bem vindo ao centro-oeste, sou fã dos seus relatos (tu esquadrinhou aquela chapada diamantina, hein!) Eu aceito acompanhá-los na próxima..hehehe

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Parabéns Renato e Peter por mais esta bela caminhada e relato, mostrando pra galera roteiros fora dos convencionais. Goiás tem um potencial imenso ainda pouco explorado pelos aventureiros.

Quando estive em Pirenópolis eu ficava admirando a Serra dos Pireneus e vislumbrando quando eu voltaria naquela região apenas para fazer uma travessia pela serra, berço de muitos rios e belas cachoeiras, infelizmente vocês pegaram as dos dragões na época de seca, devem ficar espetaculares com volume alto.

 

[mostrar-esconder]Procurando cachoeiras na Serra dos Pireneus - Goiás

07-Serra-dos-Pireneus.JPG?et=haqaVjWTGwLaybdwPVwkhA&nmid=403568454

 

Procurando cachoeiras na Serra dos Pireneus - Goiás

photo-8.jpg?et=V%2C12x%2BLalKwZjrEiGSRFDw&nmid=403568454

 

Achei

photo-195.jpg?et=DVAGdqAaX6LY6EqIsBhjKQ&nmid=403568454[/mostrar-esconder]Abraços. ::otemo::

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Bwana, ou melhor, Peter, dá próxima vez a gente completa a travessia. Levamos uma cachaça pro Davi e deixamos o carro lá.

Podemos explorar aquela trilha errada, depois que vc falou, vi no google earth que aquele riacho desce pros paredões que tínhamos visto lá de cima, à esquerda.

Vc notou no google que seguindo a trilha errada ao norte um pouco à direita, tbm há um vale bem profundo? Provavelmente há cachoeiras ainda pouco explorada nos dois vales. E nem vou importar de levar a água novamente.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Helton, a gente te chama, mas depois não venha com desculpa que é aniversário do cachorro da sua sobrinha, como da última vez. ::lol4::::lol4::::lol4::::lol4::::lol4::

Brincadeira! Dá próxima vez que rolar qualquer trilha, a gente te dá um toque. Vamos adquirir bastante experiência caminhando com o Peter, ele tem as manhas na trilha.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Sandro, obrigado!

A serra vale uma caminhada mesmo!

Infelizmente não há muitos praticantes de trekking aqui em Goiás, mas há muitos lugares interessantes pra prática do esporte.

Espero que em breve esse cenário mude e a gente fique sabendo de mais lugares pras nossas caminhadas através de outros trekkers. ::otemo::::otemo::

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Renato,

 

Excelente relato e belíssimas fotos!

Que lugares maravilhosos! Mesmo com a predominância de gerais e campos abertos, as cachoeiras demarcaram seu espaço proporcionando belezas naturais únicas!

 

O Peter seguia sempre solícito, me incentivando. Quase sempre, ele olhava pra trás e dava um sorriso como se dissesse: Vamos, você consegue! Difícil um companheiro como ele.

Eu que o diga! Já trilhei algumas vezes com ele e a parceria na trilha é espetacular! Só não sei de onde ele tira tanto estímulo para seguir mais e mais, sem cansar ::mmm:

 

É impressionante o quanto as pessoas do Centro-Oeste ainda usam o fogo como forma de renovar as pastagens.

Não é só ali. Por aqui o pessoal também utiliza o fogo pra renovar o pasto. Principalmente nas regiões dos campos de cima da serra. Esses dias estava em deslocamento para uma filial e enxergava poucos metros a frente do carro em virtude da fumaça. Perde-se de vista a grande área queimada.

 

Peter,

 

Parabéns pela travessia!

Vamos ver se encaixamos algum trekking com o Renato aí pelos Veadeiros!

 

Abraços,

Edver

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


×
×
  • Criar Novo...