Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Este é meu ultimo email para meus amigos sobre a peregrinaçao, acho que descreve bem as sensaçoes que passamos no caminho:

 

Caros amigos,

 

para muitos chegar ao Monte do Gozo é chegar a Santiago de Compostela.

É, seguramente, o ultimo desafio, vez que cansados de muitos dias de

viagem, é uma longa e solitária subida a ultima colina antes de

Samtiago de Compostela.

 

Minha história hoje come´ca do ultimo bar, em um vale onde comi muas

torradas depois de andar uns bons 8 km, foi pouco depois do ultimo

marco de quilometragem existente, o de 12 km. O tempo mudou diversas

vezes de garoa a chuva cortante de vento (voces sabem, aquela fininha

que doi como agulhas perfurando seu rosto) e sol que visitava a ponto

de obrigar a tirar o casaco e preceder novamente chuva. Quando o tempo

muda assim seu corpo gasta muita energia para se adaptar, perde

liquido quando esquenta e o cansaço bate de uma vez, para andar foi

preciso muita concetraçao, eu torci meu joelho no ultimo quilometro a

Arca ontem, e os passos têm ser dados com segurança, que se vacilo um

pouco a dor é lancinante. O caminho também é um tanto quanto deserto,

existem algumas casas recem contruidas, obviamente para serem

utilizadas como veraneio e alguns estudios de televisao, que sao

grandes muros com grandes galpoes por centenas de metros. A beleza das

paisagens eu havia deixado para antes do bar.

 

Desgastado, bebo meu ultimo meio litro de isotonico pouco depois de

ver a flecha apontando para o que seria a ultima longa, porem leve

subida (Bom seria leve se eu nao estivesse carregando de oito a dez

quilos nas costas desde o começo do mes). Ao fim desta encontro o

monumento a visita do Papa Joao Paulo II, estafado me sento e procuro

as agulhas da Catedral Gotica que deveria estar ao centro da cidade,

pouco vejo, o dia esta cerrado esta tudo escuro, me sento e espero

retomar folego, sei que o albergue de monte de gozo está logo abaixo

de mim, já o vi. Passam meus amigos espanhois e Venezuelanos (as

Mexicanas pegaram um Taxi do ultimo bara, mas isso descubro em

seguida), e eles gritam "Vamos Brasil! Falta pouco!", deixo-os passar,

levanto e tento esquecer que meus joelhos estao doloridos, que as

costas já nao aguentam a mochila, que meus musculos estao cansados e

que minha mente está ansiosa. Desço alguns metros e ouço gaitas de

fole ao fundo, com certesa é sinal de delírio, mas nao é, vejo em uma

esplanada de onte sobem escadas as habitacoes em cada um dos platôs um

gaitista, fecho os olhos e faço de conta que tudo isso é só para mim,

que os gaitistas estao me esperando a muito tempo, que este é o sinal

que o querido filho volta a sua casa depois de uma longa batalha. Por

um momento nao entendo se é delirio, se algo surrealista que acontecem

o tempo todo no caminho ou apenas uma daquelas coincidencias saborosas

que guarderemos como o gosto dos chocolates da menina da Tabacaria de

Fernando Pessoa. Passo pelos gaitistas, que continuam impassíveis a

tocar sua melodia. Gaitas de fole parecem um lamento, mesmo que seja

de alegria, parece um longo lamento que tocam fundo. Chego a recepçao

e um brasileiro me mostra o quarto, sento olho para os rostos que

conheci a poucos dias e sorriom, cheguei ao final de minha

peregrinaçao.

 

O resto é histórias para contar depois, de como lavei milhas roupas na

maquina de lavar com sabao em barra porque me faltava sabo em pó, de

como cheguei a Santiago de compostela e evitei a Catedral para nao

perdera emoçao de amanha, de tudo que pensei, cantei, senti falta, de

que descobri, de como nao tive revelaçoes sobre o sentido da vida mas

que mesmo assim aproveitei cada centimetro dos 360km ou mais que

andeis e dos outros que tive de pegar um onibus. Da minha viagem,

muito se passou, muito ainda há de ser contato, muito jamais será

contado, pois ao contrario do que muitos pensam nao exisem palavras

para descrever tudo que passamos aqui, ou mesmo em nada, voltando a

Fernando Pessoa, digo que o mundo doira sem literatura.

 

A todos encerro aqui meus diarios públicos de peregrinaçao, vamos

sentar, tomar um chopp, ver fotos, dar risadas e voltar as nossas

vidas, que urgem por que estejamos juntos em nossas rotinas, pois

voltar a ela é quase tao prazeiroso quanto fugir.

 

Beijos e abraços,

Fernando Torres

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Puxa Fernando... é mto lindo ler sua mensagem.

Eu viajei novamente em suas emoções.

Só mesmo quem já fez o Caminho, saberá o que vc está contando !!!

Para chegar ao Monte do Gozo, caminhei por cerca de 35 quilometros.

Sai de Arzúa, e fui direto ao Monte. Do monumento ao Papa, não se consegue ver as agulhas da Catedral. Somente do monumento ao Peregrino, próximo ao albergue. Eu vi as torres de lá !!

Sobre a lavagem das roupas, eu coloquei tudo na máquina, e tinha um pacote de sabão em pó, lá por cima. Peguei o sabão, e foi quando a pessoa, moradora do local, que tbm lavava as roupas, disse-me que o sabão era dela. Ai... que vergonha, mas ai já tinha pego !!!!

Onde já se viu... a gente coloca as moedas na máquina de lavar, e não tem sabão !!!! Que incoerência, né ? Será que tem peregrino que leva sabão ? Claro que não !!!

Sobre as gaitas, são realmente belissimas. São musicas celtas. Eu adoro ouvi-las. Parece que eles tocam pra gente... que os passaros cantam pra nos receber.... os sinos tocam quando estamos chegando !!!

É tudo maravilhoso... magnifico...único !!!

Penso em voltar daqui uns 2 ou 3 anos !!!

Será sempre um novo Caminho !!!!

 

Boa sorte, e abrace o Santo por todos nós !!!

 

Ultreya SEMPRE !!!

 

 

 

[:I]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cris,

 

O tamanho ideal de mochila para Santiago é o tamanho exato que você consegue carregar. Embora esse seja uma medida subjetiva é. na realidade, a mais precisa que pode ser dada. Mas isso não ajuda muito na hora de comprar uma mochila. Outro dado, um pouco maos prático é que sua mochila nõa pode pesar mais que 10% do seu peso. Eu acho difícil de de cumpir essa meta, mas tente não ultrapassar os 8 kg, seus joelhos e pés agradescerão. Agora, a minha experiencia é a seguinte, eu levei muita coisa, talvez mais que o necessário e minha mochila de 60 litros estava sobrando espaço. O ideal é comprar todas as coisas que vai levar, colocar tudo no portamalas do carro e ver se cabe na mochila que você vai comprar na loja. acredite, os vendedores vão entender. Por fim, qualquer dúvida sobre minha experiencia pode me escrever. Meu email é [email protected]

 

Fernando

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

galera, os relatos estão muito legais!

 

e jurema, suas fotos tbm estão inspiradoras - eu reparei que já conhecia seu album de fotos mas num sei se foi daqui do mochileiros...

quanto as fotos: todas são mto show, mas a da luz divina, deve ter sido um banho de força pro caminho, né?

 

mas como eu não fiz o caminho, vou dar uma sugestão de um livro mto bom (e barato) sobre o caminho: "Vivencias do Caminho de Santiago, Lillian Joppert", é bem legal e tem uns mapinhas, informações e etc

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns aos Peregrinos!

 

Já li mto sobre o caminho e, inclusive, passei por algumas cidades q fazem parte dele..

 

Acho que agora que o meu salário de férias é um pouquinho melhor, voltei a considerar como REAL a possibilidade de fazer o Caminho em breve.

 

Sobre as maravilhas e as dificuldades, mochila, objetos necessários... acho q já posso me virar, mas dicas são sempre bem vindas!...

O que eu realmente gostaria d saber para poder planejar a minha peregrinação e ver se a farei em Maio/06 ou Maio/07 é:

- quanto se gasta com uma alimentação básica por dia?

- quanto se gasta com albergue dp/ peregrinos ou camping por dia?

- paga-se alguma taxa para obter a Carteira do Peregrino?

- algum outro gasto fora bilhete aéreo, trem até o local de início do Caminho, alimentação e 'dormida'?

 

Grata,

Carolina

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Carolina,

 

Não é possível fazer uma média por dia, alguns albergues chegam a custar 10 Euros e outros são por contribuição, há muitas formas de se alimentar, como cozinhar ou comer em restaurantes e isso varia tb, mas nada que ultrapasse 10 euros tb. Uma média de 20 a 25 euros por dia te garantem uma viagem com muito luxo. Lembre-se que você gasta muito pouco com compras, já que tudo você carrega nas costas. Existem muitas opções a serem consideradas durante o caminho, e é bom ter uma reserva... 1000 euros é uma quantia que vai te dar uma margem de segurança boa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Carolina,é como o Fernando falou.

Eu gastei uma média de 25 Euros por dia.

Em 30 dias de caminho, tive um gasto por volta de 750 Euros.

Este gasto inclui tbm o táxi que peguei para ir de Pamplona a S.Jean P.Port, na França. Tive sorte de poder dividir o táxi, com mais 4 brasileiros.

Há albergues inteiramente gratuitos, mas os peregrinos sempre doam alguma coisa, pois eles tem despesas, embora os hospitaleiros dos albergues municipais, sejam todos voluntários.

A credencial de peregrino é gratuita.

Não tenho conhecimento de que tenha acampamento no caminho.

Pelos menos nunca soube disso !!

Se precisar porde perguntar a vontade. É sempre muito legal falar do caminho.

 

abço

 

[:I]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Gabriel, obrigada por visitar meu album...

Esta foto em especial, foi mto engraçado.

O tempo estava nublado, mas claro. Qdo olhei pra trás, vi o sol por entre as nuvens.... não tive dúvida !! Deu uma foto que tbm achei mto legal !!!

O Caminho é algo de inesquecivel !!! Só quem foi sabe !!!

Meu album tbm está no site do Portal Peregrino !!! Quem sabe é de lá que vc conhece !!!

abço

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por rafael_santiago
      Pico Hårteigen
      Início: Odda
      Final: Finse
      Duração: 7 dias
      Maior altitude: 1508m
      Menor altitude: 0m em Odda
      Dificuldade: média para quem está acostumado a longas travessias com mochila cargueira. Alguns dias apresentam subidas e descidas mais longas. O único grande desnível é o do 1º dia (1445m).
      Hardangervidda é o maior platô de montanha do norte da Europa (vidde = platô). Nesse lugar tão singular foi criado em 1981 o Parque Nacional Hardangervidda, que é o maior da Noruega e refúgio de um dos maiores rebanhos de rena selvagem do mundo. O parque se situa ao sul da famosa estrada de ferro Oslo-Bergen, numa distância aproximada (em linha reta) de 180km de Oslo e 120km de Bergen. 
      Essa caminhada foi planejada para durar 10 dias, cobrindo, além do Hardangervidda, também o Parque Nacional Hallingsskarvet e o Cânion Aurlandsdalen, porém a chegada da chuva me fez interromper o percurso no 7º dia. A previsão do yr.no acertou e choveu ainda mais dois dias. Retomei a caminhada no dia 01/08 (relato em elaboração).
      O problema do trekking na Noruega (e na Suécia) é justamente o alto índice de chuva. Pelo menos para nós brasileiros, que não estamos acostumados a caminhar vários dias embaixo de chuva, porém para os noruegueses isso não tem a menor importância. Eles vão para a trilha com chuva ou sem chuva. Eu tive cinco dias seguidos de sol nesse trekking e isso foi uma tremenda sorte.
      A melhor época para o trekking nos parques da Noruega é o verão, com temperaturas mais agradáveis (não tão frio) e menos neve pelo caminho. Justamente nessa época os refúgios do tipo staffed permanecem abertos. No início de junho deve ainda haver neve do último inverno dificultando a caminhada. O guia Walking in Norway, de Connie Roos, sugere fazer a travessia do Parque Nacional Hardangervidda depois de 10 de julho.
      Outro fator que dificulta o trekking por lá é a quantidade de pedras pelo caminho, às vezes são áreas extensas só de pedras, o que é bastante cansativo e obriga a caminhar com mais atenção para evitar uma queda ou torção. 

      Lago a 1194m de altitude no 6º dia de caminhada
      Em toda a Noruega, a DNT (Den Norske Turistforening = Associação Norueguesa de Trekking) (english.dnt.no) é a associação responsável pela manutenção das trilhas, pontes e refúgios de montanha. Os refúgios da DNT são de três tipos: self service, staffed ou no-service. Além dos refúgios da DNT há refúgios particulares.
      1. Nos refúgios self service você pode utilizar a cozinha para preparar as refeições, comprar a comida disponível se não tiver a sua própria e dormir nos beliches em espaços compartilhados. Antes de sair deve deixar tudo em ordem (lavar, secar, arrumar tudo, varrer o chão) e preencher o formulário de despesas. A conta será enviado para o seu e-mail tempos depois. Visitas diurnas (day visit) para descansar, comer ou apenas se aquecer devem ser pagas.
      A hospedagem para não-membros neste tipo de refúgio custa NOK 390 (US$ 47,14) e o day visit até 18h custa NOK 90 (US$ 10,88). Após 18h a visita deve ser paga como uma hospedagem. Sim, tudo na Noruega é muito caro!
      Os refúgios self service podem ter guarda ou não na alta temporada. Eu conheci nove refúgios nesse trekking, apenas dois deles eram não-guardados. Nesses vale ainda mais a confiança de que o hóspede está pagando por tudo o que utilizou.
      A DNT tem uma chave (fornecida somente aos membros) que abre a porta dos refúgios não-guardados, mas nesse trekking eu não encontrei nenhum refúgio trancado.
      2. Os refúgios staffed (com funcionários) são hotéis de montanha. Neles você tem café da manhã e jantar disponíveis e não é permitido usar a cozinha. De comida para vender costumam ter apenas lanches de trilha básicos, como chocolates.
      A hospedagem para não-membros neste tipo de refúgio custa NOK 286 (US$ 34,57) em dormitório. Consulte english.dnt.no/routes-and-cabins para outros preços.
      3. Os refúgios no-service são do mesmo estilo dos self service porém não têm comida. Não cheguei a conhecer nenhum refúgio desse tipo nos trekkings que fiz na Noruega.
      Os refúgios particulares são também hotéis de montanha e têm tabelas próprias de preços.
      Para quem está com barraca, nos parques da Noruega vale mais ou menos a regra do "allemannsretten" ou direito de andar (ou direito de acesso), que diz que é permitido acampar em qualquer lugar a mais de 150m de uma casa, desde que não seja uma área cultivada ou haja uma placa de proibição. Digo 'mais ou menos' porque vi isso valer apenas nos refúgios self service; nos refúgios da DNT do tipo staffed eles pediam para acampar (gratuitamente) bem longe, fora da visão do refúgio. Acampar perto do refúgio DNT staffed custa NOK 100 (US$ 12,09) e dá direito de usar o banheiro e a sala de estar. Para mais informações sobre o "allemannsretten": www.visitnorway.com/plan-your-trip/travel-tips-a-z/right-of-access
      O uso do banheiro para quem está acampando (ou apenas de passagem) é livre nos refúgios self service e costuma ser cobrado nos refúgios DNT staffed e particulares (ou gratuito se consumir alguma coisa). Nos self service o banheiro é do tipo seco, uma casinha separada, com uma bancada e o assento sobre ela. Muitas vezes o assento e a tampa são de isopor e há uma outra tampa de madeira para colocar por cima. Costumam ter papel higiênico. Nos staffed é um banheiro normal e interno.
      Não há problema de escassez de água nesse percurso e nem todos os riachos e fontes estão descritos no texto pois são muitos.
    • Por casal100
      Resolvemos, dessa vez, fazer alguns roteiros distintos: beira-Mar, trilhas em montanhas e travessia.
      Começamos por Ubatuba, foram 10 dias de caminhada, por algumas das principais praias; depois pegamos nosso veículo e fomos fazer alguns roteiros em Extrema-MG e, por último,  a grata surpresa: TRAVESSIA DA SERRA DA CANASTRA-MG, que lugar maravilhoso: belas cachoeiras, trilhas fortes, flora e fauna exuberante, povo amigável, queijos deliciosos(alguns entre os melhores do mundo na sua categoria) sem contar a culinária mineira. Tudo de bom.
    • Por casal100
      Fizemos a maioria dos caminhos que passam pela Serra da Mantiqueira(Estrada Real, Caminho da Fé, Crer....), alguns mais de 1 vez.
      É quase unanimidade entre os caminhantes que, indiscutivelmente, a Serra da Mantiqueira têm as mais bonitas paisagens e, nós concordamos integralmente. São caminhos que proporcionam lindas fotos,  clima agradabilíssimo, povo acolhedor e simpático, ingredientes que definiram esse roteiro.
      Foram quase 50 dias e mais de 1.100 quilômetros de muitas alegrias, felicidade e paz,  poucas tristezas e decepções.
      Começamos e terminamos na MAGNÍFICA cidade de Campos do Jordão-SP, depois de rever vários lugares (passei alguns invernos nesta bela cidade, quando eu era "bacana"). A cidade se transformou,  criaram vários roteiros turísticos, belas e caras casas dos novos e velhos "bacanas", ótimos restaurantes, atrações mil,  pousadas e hotéis de todo tipo e preço, tem até o refúgio do peregrino, comércio bom, povo hospitaleiro, clima perfeito e, ainda por cima fomos no verão,  baixa temporada,  onde com facilidade encontramos boa hospedagem com preços menores que muitas hospedagem em cidades pequenas.

      Outra coisa que pesou em escolher fazer essa travessia é que a região se assemelha muito com um projeto que temos em mente, que é a travessia entre Punta Arenas x Arica no Chile,  então serviu como treinamento.
    • Por casal100
      ROTEIRO À PÉ:
       
      RIO GRANDE DO SUL:
      Portão
      Bom Princípio
      Carlos Barbosa
      Garibaldi
      Bento Gonçalves - Vale dos vinhedos
      Bento Gonçalves - Pinto Bandeira
      Bento Gonçalves - pela cidade
      Bento Gonçalves - caminho de Pedras
      Caxias do Sul - flores da Cunha
      Caxias do Sul - estrada dos imigrantes
      Nova Petropolis
      Gramado - Natal de Luz
      Canela - Cachoeira do Caracol
      Gramado - pela cidade (parques, centro)
      Santa Maria Herval
      Picada Café
      Ivoti
      Sapiranga
      Três Coroas
      São Francisco de Paula
      São Francisco de Paula  (parques, lagos e pela cidade)
      Tainhas
      Cambará do Sul
      Cambará do Sul - Canyon Itambezinho
      Cambará do sul - canyon Fortaleza
      Torres - praia
       
      SANTA CATARINA:
      Praia Grande - descida Serra do faxinal
      Balneário Gaivota - Praia
      Balneário arroio do Silva - Praia
      Balneário Rincão - Praia
      Balneário corrente - Praia
      Farol de Santa Marta - Praia
      Laguna - cidade histórica + Praia
      Orleans
      Guatá  (distrito de Lauro Muller) pé da serra do Rio do Rastro
      Bom Jardim da Serra
      ROTEIRO DE ÔNIBUS :
      São Joaquim
      Urubici
      Bom Retiro
      Lages
      Fraiburgo
      CONTINUAÇÃO À PÉ SANTA CATARINA:
      Videira
      Treze Tílias
      Água Doce
      Jaborá
      Concórdia
      Seara
      Chapecó
       
      PARANÁ (ÔNIBUS):
      Curitiba
      Paranagua
      Morretes
       
      QUILÔMETROS /DIAS: +- 1.300 kms em 53 dias
       
      PESSOAS:
      No planejamento da viagem nossa preocupação era de como seríamos recebidos nas pequenas cidades, visto que algumas delas não tinham vocação turística, e "mochileiros"poderiam ser "novidade". Mas, essa preocupação foi rapidamente deixada de lado.
      Fomos recebidos muito bem em todos os lugares (exceto dois episódios, que não afetou em nada nossa caminhada).
      Ficamos impressionados com a educação e o acolhimento da população do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, sempre solícitos às nossas demandas.
      Poxa, que saudade de tudo aquilo, em breve voltaremos.
       
      CIDADES:
      Praticamente todas as cidades desse roteiro tinham pousada ou hotel, somente o distrito de tainhas-SC não tem, somente restaurante (mas esse trecho tem serviço de ônibus intermunicipal).
       
      ESTRADAS:
      Optamos em fazer pelas estradas asfaltadas(alguns trechos fizemos em estrada de terra), pois não conseguimos informações sobre estradas secundárias nesta região.
       
      COBRAS:
      Nunca vimos tantas cobras como na serra Gaúcha, teve dia que vimos umas 5, quase minha esposa pisou numa em uma rodovia asfaltada.
      Elas ficam enroladas na pista de rolamento, é normal vê-las todas esmagadas por veículos, ficam parecendo um desenho no chão (pois vários veículos passam por cima).
       
      ANIMAIS SELVAGENS:
      Outra coisa que nos chamou atenção, vimos muitas espécies(raposa, cobras, tatu, macacos, roedores, porco espinho etc) passando lentamente perto de nós.
       
      PRECONCEITO:
      Tivemos um fato lamentável num hotel fazenda.
      O gerente nos recebeu num descaso tremendo, nem respondia nossas perguntas, foi preciso a intervenção de uma funcionária para resolver a situação (quase mandei o cara a pqp), o infeliz está no lugar errado.
      O outro caso foi mais leve, mas fiquei puto.
      Tirando isso, foi muito tranquilo ser mochileiro naquela região, muito tranquilo mesmo.
       
      PREÇOS HOTÉIS:
      Variou de $25 a 95 por pessoa (mas a crise pegou todo mundo ), em alguns lugares priorizamos ficar em lugares melhores,
      Sempre pechinchamos os preços, na maioria dos casos conseguimos descontos, principalmente à vista.
      Não fizemos nenhuma reserva, foi muito tranquilo.
       
      PREÇOS REFEIÇÕES:
      variou de $10 a $35 por pessoa à vontade.
      Peso : de $20 a $44 o quilo.
      Obs.: em média coloque $22 por refeição sem bebidas.
       
      ABUSO CONTRA TURISTA:
      Só tivemos alguns casos de abuso, mas nada gritante:
      Você chega em duas pessoas e pede somente um cafezinho pequeno, o cara trás dois grandes (claro, mais caro) e na maior cara de pau diz que pedimos dois.
      Isso aconteceu nuns 5 lugares na serra gaúcha, lamentável!
      Obs.: para nos proteger disso, fazíamos assim: chegávamos nos caixas do estabelecimento e pagava antecipadamente, acabou o problema.
       
      CARONA: precisamos pegar carona em algumas oportunidades, e foi até tranquilo conseguir.
      .fomos ao canyon Itambezinho e no Fortaleza à pé, e voltamos de carona, foi tranquilo.
      .quando visitamos uma cachoeira em Cambará do sul, fomos à pé e voltamos de carona ( neste dia pegamos três, cada um nos levou num pequeno trecho).
      .dividimos o trecho entre Seara e Chapecó-SC em dois, como o ônibus demoraria muito, resolvemos ir de carona, demorou uns 40 minutos para aparecer.
       
      SEGURANÇA:
      Em momento algum tivemos problema, somente em Porto Alegre (visita ao mercado central que nos orientaram a ter cuidado), mas os moradores de PA estão preocupados.
      .na saída de Caxias do Sul, saída para estrada dos imigrantes tem um lugar que me pareceu inseguro, mas nada complicado.
       
      NEGOCIAÇÃO HOSPEDAGEM:
      Sempre negocie, em alguns casos conseguimos descontos de 10% abaixo dos sites de hospedagem. Principmente nesta crise, em alguns casos somente nós dois estavam hospedados no hotel.
    • Por casal100
      Realizamos no período de 19 a 28 de julho de 2015, o circuito completo do Vale europeu em Santa Catarina. Foram 10 dias contemplando e vivienciando lugares, pessoas maravilhosas.
      Destaco alguns locais incriveis: Pomerode, blumemau, fazenda campo do zinco e sua maravilhosa cachoeira, lindos mirantes, estradas encantadoras, pessoas hospitaleiras e cordiais. Nāo tivemos nenhum incidente.
       
      Começamos antes do circuito, fazendo o caminho entre blumenau e pomerode a pé, e no final fizemos do mesmo modo a rota enxaimel em Pomerode, por isso o roteiro foi concluido em 10 dias.
       
      Brevemente relato completo.


×
×
  • Criar Novo...