Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
mcm

Réveillon em Assunção

Posts Recomendados

Nós tínhamos 5 dias no réveillon. É época tradicionalmente lotada (e cara) em qualquer canto turístico no Brasil, então estávamos olhando para fora. A ideia era conhecer algum lugar novo nos arredores, e escolhemos Assunção.

 

Claro que ouvimos a tradicional pergunta “mas o que vai fazer em Assunção?” (os amigos mais próximos sabem que eu não faço compras, então já pulam a tradicional “vai lá fazer compras?”), para a qual sempre dávamos a básica resposta: “conhecer”.

 

Fomos escolados, lendo as poucas experiências de outros viajantes que lá estiveram. Já sabíamos, de longa data, que Assunção nada tinha a ver com Ciudad del Este. Assunção é Paraguai, Ciudad del Este é Brasil (para brasileiros) dentro do Paraguai.

 

Foi uma viagem completamente atípica para o que estamos acostumados (daí o relato sair um pouco quebrado). Dessa vez não passamos o dia explorando a cidade, para jantar e dormir cedo e repetir a dose no dia seguinte. Dessa vez curtimos noitadas todos os dias, acordamos tarde todos os dias. Curtimos a cidade, curtimos até mesmo um pouco de Luque, Sanber e Areguá, aconchegantes cidades nos arredores de Assunção – eu adoraria voltar e curtir alguns dias em Sanber e Areguá. Para tudo isso nós fomos ciceroneados por um velho amigo meu desde os tempos de faculdade.

 

---------------

MUITO mais fotos desta viagem podem ser vistas no relato da Katia, no site dela:

http://casosecoisasdabonfa.blogspot.com.br/2014/12/resumao-do-nosso-reveillon-em-assuncao.html

---------------

 

Os voos para Assunção quebram um dia no meio. Partem e voltam somente de Guarulhos no meio do dia. Por isso, chegamos na cidade já no meio da tarde do dia 31/12. Estava um calor carioca na cidade, e também um belo céu azul. Demos um rolé rápido pelo centro, praticamente tudo estava fechado por conta da véspera de ano-novo. Atrações, restaurantes, etc. Mas já deu para confirmar a ideia de como o centro de Assunção é pacato, se comparado a outros centros de capitais sul-americanas (com a ressalva de que ainda não conheço Quito, Caracas e as capitais daqueles três países menos conhecidos lá de cima).

 

DSC_2675%25255B5%25255D.png?imgmax=800

Palácio de Lopez

 

DSC_2681%25255B2%25255D.png?imgmax=800

Panteão dos Heróis

 

DSC_3026%25255B6%25255D.png?imgmax=800

A bela Casa do Bicentenário

 

Aproveitamos para experimentar umas chipas no Na Eustaquia, e depois algumas empanadas num shopping. No fim da tarde fomos tirar algumas horinhas de sono para aguentar a virada de ano. Nosso amigo tinha nos encaixado numa festa finesse num clube à beira do Rio Paraguai.

 

Tivemos a ceia na casa da avó do meu amigo. Foi legar rever família, irmãos, pais e a avó. E conhecer outros parentes. Acabou que a visita foi relativamente rápida, porque jantamos, brindamos o Ano Novo e partimos para a festa. No caminho ainda passamos na casa de um amigo dele. Casa sinistra de grande, estilo Jurerê Internacional. Amigo muito hospitaleiro, insistiu que voltássemos lá de manhã (até voltamos, mas não tinha mais festa rolando!).

 

Galera deixou o carro num posto de gasolina, e de lá partimos com limusine para o clube Verandas. Alta classe!!

 

Viramos a noite na festa, vimos o sol nascer e tudo. Tentei me segurar na bebelança, acho que consegui. Nada de ressaca, mesmo no Réveillon! Já no amanhecer começou sessão de música brasileira. Rolou uma tal de Perereca Suicida, que eu nunca tinha ouvido. Depois soube que aquela era a versão original, não censurada. Achei muito bizarro. Vi garotas (suponho que paraguaias) dançando e cantando aquilo, ou seja, conheciam a matéria! Sinistro!

 

DSC_2755%25255B5%25255D.png?imgmax=800

 

DSC_2724%25255B5%25255D.png?imgmax=800

 

Partimos de lá de manhã, com música e festa ainda rolando. Acho que fizemos bem, soube que houve confusão minutos depois. Durante nossa estada lá não vi uma briga sequer (mas vi algumas “quase”). Katia perdeu o celular, mas uma alma bondosa viu e foi atrás de nós para devolver. Amem!

 

DSC_2782%25255B5%25255D.png?imgmax=800

 

A Limo nos levou de volta ao posto, de onde partimos para casa. Ainda fomos catar um lugar para comer, era a larica do Réveillon. Há um lugar de lomitos na cidade, cheio de barraquinhas. Mas ninguém estava trabalhando naquela manhã. Achamos um outro, mas que só tinha de frango. Foi o jeito, embora não estivesse lá nada de mais. Vários outros bebuns pós-noitada passando a pé e buscando lomitos também, e nos cumprimentando pelo Ano Novo, ahahaha. Fomos dormir quase 9hs da manhã. Não estamos mais habituados a isso!

 

 

Dia 2

Acordamos no meio da tarde. Tempo nublado. Fomos dar uma forrada no estômago. O problema era achar lugar aberto. Fomos num shopping perto do hotel e saboreamos uma parrilha paraguaia no Esse Lugar.

 

DSC_2806%25255B5%25255D.png?imgmax=800

Parrilha paraguaia

 

Depois fomos curtir um pouco a Avenida Costanera, que fica fechada aos carros nos domingos e feriados. Tipo Aterro do Flamengo ou orla Leme-Leblon. Foi bacana ver a galera curtindo o lugar. Curtimos também. Ao sabor de tererê, que meu amigo sempre carrega com ele.

 

DSC_2676%25255B8%25255D.png?imgmax=800

A Costanera, em foto no dia anterior, com sol

 

DSC09868%25255B5%25255D.png?imgmax=800

Vendedor de chipa na Costanera

 

Já de noite ficamos no entorno do Paseo Carmelitas. Tentamos tomar um café no El Café de Aca, mas ninguém apareceu para atender em mais de 10 minutos. Trocamos por umas cervas no Kilkenny Pub. A cerva bateu mal na Katia, que optou por voltar para hotel e descansar. Eu ainda saí no fim de noite para o Kamastro, encontrar com meu amigo. O Kamastro é um bar, mas que transa arte, além de comida e bebida. Em todo canto há alguma obra de arte, tradicional ou moderna. Choveu forte na madrugada. Ficamos lá até fechar, 3 da manhã! E a chuva não parava.

 

DSC_2811%25255B2%25255D.png?imgmax=800

Kamastro, ainda de dia, antes de abrir

 

Dia 3

Saímos no fim da manhã (nunca acordamos cedo na viagem!) para conhecer algumas cidades nos arredores. Paramos em Luque (Katia comprou brinco feito em filigrana), Areguá (cidade meio bicho grilo, muito agradável!) e San Bernardino (Hotel del Lago, Lago Yapacaray). Lugares muito bacanas, do tipo que dão vontade de ficar mais tempo. Gostaria muito que houvesse voos diretos (e com boa logística) do Rio para Assunção, pra voltar e curtir melhor esses lugares.

 

DSC_2859%25255B11%25255D.png?imgmax=800

A igrejinha de Areguá

 

DSC_2856%25255B8%25255D.png?imgmax=800

Paz e tranquilidade pelas ruas de Areguá

 

DSC09931%25255B8%25255D.png?imgmax=800

Lago Ypacaray, em SanBer

 

Na volta, comemos no 1Toro y 7 Vacas. Lugar caro, mas vieram umas patacas sinistras de carne! Depois passamos o resto da tarde batendo perna no centro da cidade, conhecendo melhor as atrações que estavam abertas. O Centro Informações Turísticas está de parabéns, nos deu diversas informações de forma assertiva e muito cordial. Anoiteceu e voltamos para Villa Mora, o bairro onde estávamos hospedados. Saboreamos uma cerva artesanal no Astoria, tomamos uma saideira no Long Bar e fomos descansar para outra noitada. Ia ter show no Kamastro à meia-noite, fomos dormir um pouco para mais uma noitada.

 

DSC_2937%25255B8%25255D.png?imgmax=800

El Cabildo

 

DSC09942%25255B2%25255D.png?imgmax=800

Catedral Metropolitana – só abriu de noite, quando já estávamos indo embora do centro!

 

DSC09958%25255B5%25255D.png?imgmax=800

Interior da Casa de la Independência

 

Fomos para o Kamastro, onde rolou showzinho bacana, bate papo com a galera e bebelança até tarde. Dormimos tarde pacas novamente.

 

DSC_2984%25255B2%25255D.png?imgmax=800

Showzinho no kamastro (Abel Ullon)

 

 

Dia 4

Fomos conhecer o Mercado Quatro, mercadão popular na cidade. Enorme, sinistro. Um pouco de Brasil, um pouco de Índia. Não vi o filme “7 Cajas” (tinha de ver!), que foi filmado por ali e fez sucesso no circuito alternativo brasileiro. Ainda passamos no estádio Defensores del Chaco, mas estava fechado.

 

Ficamos saboreando uma parrilha paraguaia na casa do meu amigo, com a família dele e mais gente que chegava de vez em quando.

 

Partimos para uma cidade próxima, onde a ideia era passear de barco no Rio Paraguay. O barco estava parado havia anos. Um mecânico tentou recuperar, mas não rolou. Curtimos mesmo assim. Disparamos para centro da cidade, a ideia era conhecer e curtir o bairro Loma San Geronimo. Paramos no bar El Poniente para pegar umas cervas artesanais Sajonia. Muito boa! E lugar muito maneiro. Depois paramos num bar de metaleiros no caminho.

 

DSC_3012%25255B2%25255D.png?imgmax=800

El Poniente

 

Loma San Geronimo: Lugar muito legal, muito colorido! Mas tem de saber dia e hora de ir. Fim de semana de noite é quando tem atividade. Era um sábado e era de noite, ou seja, fomos no dia e momento certos. Curtimos um show no mirante. Curtimos uma final de vôlei feminino num colégio (!!). E curtimos o charme do lugar.

 

DSC_3034%25255B8%25255D.png?imgmax=800

Muito colorido na Loma San Geronimo

 

DSC_3077%25255B2%25255D.png?imgmax=800

Showzinho no mirante

 

DSC_3083%25255B2%25255D.png?imgmax=800

Fim de tarde

 

Fomos tomar saideiras no El Poniente (de novo!), no excelente El Pirata (grande visual!) e no Manzana T. Haja fígado! Depois fomos jantar. Acabamos no hotel Guarani, porque o badalado Bolsi estava lotado naquela hora tarde da noite. Outros restaurantes nas redondezas também estavam cheios. O restaurante do hotel Guarani tinha umas boas pizzas, foi o que escolhemos para fechar o dia de bebelança e diversão. Muito sono!! Fomos dormir mais cedo, 1 da manhã. Nessa noite não teve Kamastro.

 

DSC00055%25255B11%25255D.png?imgmax=800

Visual do Palácio Lopez a partir da Manzana T.

 

 

Último dia

Como não conseguíamos acordar cedo, apenas passeamos nas redondezas – um mercado gastronômico e outro de design. Almoçamos no Bourbon, em Luque, já pertinho do aeroporto. Muito finesse! Fica ao lado da sede da Conmebol. E tomamos nosso rumo de volta ao Brasil!

 

E assim foi mais um feriadão explorando algum canto do mundo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Voltamos ao Paraguai no feriadão de 15 de novembro. Conseguimos uma bela promoção de milhas com a TAM e não recusamos.

 

Além dos churrascos e das noitadas sucessivas trocando a manhã pela madrugada (sempre sem ressaca, amem!), curtimos tb alguns lugares em que não estivéramos da vez anterior:

 

Museu do barro – Ficava perto do Ibis, onde nos hospedamos dessa vez, e é uma ótima visita para quem se interessa pelo tema.

 

15046917_1774028692846991_953134134396452864_n.jpg

Museu do Barro

 

Jardim Botânico – Não tem muito de botânico, é muito mais um parque onde a galera vai relaxar e se divertir. Tem um zoológico tb, mas não fomos. Não achei grande coisa.

 

Word Trade Center – Na verdade curtimos o bar da Heineken (Greenhouse) que ocupa o alto de uma das torres, que proporciona um espetáculo de beleza ao pôr do sol! Pode-se ver lá do alto como Assunção é verde.

 

large_entardecerHein.jpg

Entardecer do alto do WTC de Assunção

 

Retornamos à Loma San Gerônimo no sábado de noite e achei que o lugar deu uma caída em termos de atividades. Era um entardecer, era sábado, era um dia de sol, mas havia pouca gente e o centro de informações não estava aberto. O mirante, que talvez seja o mais bacana de lá, está com o bar fechado e tapumes na parte de cima (onde se tem/tinha uma vista panorâmica), tb bem caído. Uma pena, pois o lugar ao menos ainda preserva o charme e a beleza das casas coloridas que conhecemos dois anos antes.

 

Tentamos novamente ir no museu da Conmebol, mas estava fechado nas duas vezes em que passamos por lá (placar atual é Conmebol fechada 3 x 0). Tb tentamos o Museu Boggiani, em San Lorenzo na volta de San Bernardino, mas tb estava fechado.

 

large_LopesNoite.jpg

Palácio Lopes de madrugada

 

Voltamos também às cidades de Areguá e San Bernardino, mas agora com calma e tranquilidade. São lugares bem agradáveis, e uma das ideias era dormir uma noite em San Bernardino, o que fizemos. Mas bastou uma noite mesmo, não há muito mais o que fazer por lá.

 

15057164_1332901640074999_3906686253688422400_n.jpg

Areguá, onde um dia houve uma estação de trem

 

14478572_1278718572185643_3798963255519477760_n.jpg

Ruazinha (na verdade, uma das principais da cidade!) de Areguá

 

Uma das coisas que conhecemos dessa vez por lá foi o Cerro Koi, lugar com formações rochosas singulares – e espetaculares, aos meus olhos! As formações somente são encontradas similares no Canadá e na África do Sul.

 

large_IMG_20161114_165004.jpglarge_IMG_20161114_170339.jpg

Cerro Koi e suas formações espetaculares

 

E curtimos um pôr do sol dos mais memoráveis à beira do lago Ypacaraí, em São Bernardino. As fotos, embora belas, não exprimem toda a paz e a beleza daquele momento que curtimos.

 

15057234_372710379727996_760624006448545792_n.jpg

14592027_1816890875230948_2004392581990973440_n.jpg

14709449_1193182930760872_9220457798465224704_n.jpg

Por do sol em San Bernardino, Lago Ypacaraí

 

-------

[contém algumas fotos do Instagram da Katia]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por VidaSemParedes
      Visitei Foz do Iguaçu, na Tríplice Fronteira com o Paraguai e a Argentina e fiz um bate-volta rápido para fazer compras no Paraguai. Vale a pena comprar perfumes, roupas, cosméticos e eletrônicos, desde que em lojas confiáveis.
       
      Listei abaixo algumas dicas para quem também pretende fazer compras no Paraguai:
      1. Não troque dinheiro no Paraguai. Prefira as casas de câmbio da Av. das Cataratas em Foz do Iguaçu.
      2. Visite apenas as lojas renomadas e as dos grandes shoppings, evite as lojas de "calçada" e os ambulantes.
      3. Algumas lojas fecham cedo, então programe sua ida para a parte da manhã, por garantia.
      4. É possível pagar em reais, dólares, cartões de débito e crédito....
      5. Não manuseie dinheiro na rua.
      6. Existem várias formas de chegar em Ciudad del Este, mas recomendo pegar um ônibus até perto da Ponte da Amizade, e atravessá-la a pé. É legal, e durante o dia, não tem problema.
      Mais dicas eu escrevi nesse artigo sobre compras no Paraguai.
    • Por Jaaziel
      Alguém afim de cair numa trip pelo Mercosul (fazer roteiro ainda), de carona e sem grana?
      É a minha primeira vez e estou super ativo para sair o mais rápido possível. 
      Topam fazer grupo no WhatsApp?

      Meu contato pra quem tiver interesse
      55 11 979509059 
       
    • Por PriAbdias
      Período: 11 a 16/08/18
      Pessoas: 8 adultos e 3 crianças (2, 5 e 6 anos)
      Passagens: Latam – voo direto SDU a FOZ.
      Hotel: Tarobá – muito bom. Hotel com boa estrutura: área para crianças, piscina, guarda volumes, sala de repouso, sala de TV, agência de viagem, loja, cadeira de massagem, outros. Boa localização, limpeza e equipe muito atenciosa.
      Normalmente, compro tudo separado, mas comparando os preços, compensou fazer pela Decolar que trouxe voo direto e hotel de boa qualidade, podendo parcelar em 10x.
      Preços – maioria do Ticket Loko
      Roteiro dia a dia:
      Dia 1 (sábado) – pegamos ônibus 120 em direção ao Terminal de Transporte Urbano (TTU), valor R$ 3,55. É ônibus comum de linha, não daqueles rodoviários que têm bagageiro etc. Mas, entramos com nossas malas e foi tranquilo. Aproximadamente meia hora até o hotel.
      Fizemos o check in, almoçamos no mercado Mufato que fica perto do hotel. Aproveitamos para comprar itens como biscoitos, água, bolinhos, enfim, coisas essenciais para quem está com crianças. No mercado, há caixa 24h.
      Por volta de 17h30, saímos para o Marco das 3 fronteiras brasileiro. Lá no Marco, compramos o passaporte 3 fronteiras, custa R$ 89 para adultos e R$ 39 criança (a partir de 6 anos; se for menor de 6, não precisa comprar, pois a criança só vai pagar R$ 10 nas Cataratas). Dá direito à entrada no Marco, Cataratas e visita à Itaipu com Ecomuseu – além de alguns descontos que não usamos. Vale a pena!
      O Marco brasileiro é muito bonito, tem apresentações de dança, loja e locais para comer. Estava um frio absurdo. Se for à Foz no inverno, esteja sempre com agasalho na bolsa.
       
      Dia 2 (domingo) – em frente ao hotel, há um quiosque do Ticket Loko onde compramos os ingressos para todos os demais passeios que queríamos fazer. Eles trabalham com descontos e, passando de R$ 500, a compra pode ser parcelada em até 3x no cartão.
      Uma viagem à Foz, basicamente, inclui ficar saindo e entrando de atrações pagas. Não é aquele tipo de viagem de colocar a cadeira de sol na areia da praia e ficar o dia inteiro curtindo o vento. Então, separe um dinheirinho. Algumas agências (como a própria Decolar) vendem ingressos podendo parcelar em 10x, mas costuma sair mais caro que o Ticket Loko.
      Após a compra dos ingressos, pegamos o ônibus 120 sentido Cataratas. Resolvemos visitar primeiro o Parque das Aves (R$42,75). O local é muito bonito. Não almoçamos, comemos numa lanchonete lá no parque – a coxinha é maravilhosa!
      Saindo do parque, seguindo por uns 5 minutos, está o Parque Nacional das Cataratas \o/ (ingressos já inclusos no passaporte 3 fronteiras). Não sei se pela data (Dia dos Pais), o parque não estava tão cheio. Após entregar os tickets, você entra numa fila para apanhar um ônibus que para em alguns pontos dentro do parque. Conseguimos sentar na parte superior que é semiaberta, dali fomos curtindo o visual. Descemos no ponto a partir do qual se acessa uma trilha de cerca de 1,2 km para as Cataratas. Quem tiver dificuldades de locomoção, pode descer num ponto acima. A caminhada na trilha é muito tranquila, você vai adentrando e tendo a vista daquela maravilhosa obra de Deus. É fabuloso.
      Por volta de 16h, fomos até o ponto da trilha para fazer o passeio Macuco Safari (R$199). Primeiro, pegamos uma caminhonete até certo trecho, depois você pega um veículo elétrico que te deixa num ponto onde você pode guardar suas coisas (R$10, o armário). Leve roupa, chinelo e toalha. Como fomos no inverno, ao sair do passeio estava muito frio, felizmente, tínhamos levado casaco. Em seguida, pega-se um funicular que desce até o ponto do rio onde embarca-se num bote. O bote vai seguindo pelo rio e chega em um ponto onde se pode admirar as cataratas, depois ele segue para a parte mais emocionante que é o banho!!! O tempo total de passeio e deslocamentos é de cerca de 2 horas.
      O passeio é caro, mas vale muito. Nesse passeio, fomos meu marido, minha cunhada, minha filha de 5 anos (não pagou, acho que só cobram para crianças a partir de 8 anos) e eu. Eles dizem que o passeio é seguro e, me parece que crianças a partir de 2 anos já podem ir. Não recomendo para crianças tão pequenas, pois ele fica em baixo da queda d’água por uns segundos, parece que você vai se afogar, além daquele volume de água batendo no quengo rsrs. Minha filha curtiu a emoção do barco, mas não gostou da água gelada rsrs. Procurei protegê-la com meu corpo para que ela não tivesse essa sensação de perder o fôlego. No final, esse é um passeio que recomendo muito e que faria de novo!
      Na saída, há táxis e ponto de ônibus da linha 120.
      Dia 3 (segunda) – reservei esse dia para ir ao Paraguai, pois tinha lido que costuma ser mais vazio às segundas. Pegamos um ônibus perto do mercado (R$ 6). Demorou um pouco, pois a travessia da ponte é muito lenta.
      Antes da viagem, vi muitos vídeos sobre o Paraguai que me ajudaram a ter noção das coisas. É fundamental fazer uma lista, pois são muitas coisas para ver e o processo de compra nas lojas não costuma ser rápido (não é só escolher o produto e pagar no caixa; em geral, tem que fazer cadastro, se quiser testar, tem que entrar em outra fila etc etc.). Durante a viagem, acabamos voltando por mais 2 vezes. Percebemos que seria mais rápido ir de táxi e atravessar a pé. Os táxis ao lado do TTU cobram cerca de 18 reais, levam uns 10 minutos e, para atravessar a ponte, leva-se mais uns 10 minutos andando. Não nos pediram documentos para entrar e, para sair, em uma das vezes, um dos carros foi revistado. Tranquilo.
      Apesar de o dólar estar alto quando fomos (variando em R$3,96), ainda assim, compensa comprar. As lojas mais baratas que vimos foram: Mega e Mega Eletrônicos, Atacadão Games, Charme (Perfumes), uma loja logo na entrada do Shopping Del Este, lado direito, também tinha bons preços para produtos de cabelo.
      Recomendo levar somente bagagem de mão (até 10kg) e comprar, antes, um despacho de bagagem de volta (até 23kg). Daí, é só comprar uma mala no Paraguai para poder trazer as coisas sem preocupação com o peso. Com os índices de furto de bagagem, sugiro despachar roupas e itens de menor valor e levar as coisas mais caras na bagagem de mão.
       
      Dia 3 (terça-feira) – esse dia estava reservado para cataratas argentinas, mas alguns de nós não estávamos bem fisicamente e mudamos a programação. Fica para a próxima.
      À tarde, fomos no complexo Dreamland. Eu só tinha interesse no Vale dos Dinossauros e Bar de gelo. Porém, como o ingresso para fazer as 4 atrações era quase o mesmo preço de fazer só 2, acabamos comprando o pacote 4 em 1 que inclui Museu de Cera, Maravilhas do Mundo, Vale dos Dinossauros e Bar de gelo, já que alguns não conheciam (R$ 128, 86 adulto, para criança era em torno de 80 reais, não anotei). Minha dica é que se veja uns vídeos dos locais para se ter noção dos locais e avaliar se vale. Eu gostei muito do Vale, principalmente, por causa das crianças. O bar de gelo também é muito divertido, mas é muito difícil ficar até o final – os dedos congelam. Dica: apesar de eles oferecerem casaco e luva, leve agasalho pesado, principalmente, luvas, touca e meias. Nós levamos tudo, mas, ainda assim, alguns tiveram que sair antes, pois as crianças não aguentaram muito. Faz parte, mas, gostei kkk. Eles tiram várias fotos lá dentro. Ficam bem legais. Compramos o kit que eles mandam pelo WhatsApp por ser mais barato.
      No final, pegamos um táxi até o shopping onde jantamos.
      Dia 4 (quarta-feira) – pela manhã, pegamos um ônibus no TTU e fomos para Itaipu (ingressos já inclusos no passaporte 3 fronteiras). São as linhas 101 a 103; leva uns 30 minutos. Fizemos a visita panorâmica que é a permitida para crianças. O passeio é maravilhoso, é muito bonito ver uma empresa desse porte em nosso país, no trajeto, vê-se a integração da tecnologia com a natureza (muitas árvores e animais pelo caminho). Saindo de Itaipu, fomos ao Ecomuseu (ingressos já inclusos no passaporte 3 fronteiras).
      Ao lado do hotel Tarobá, há uma lanchonete/restaurante que serve pratos bons, com preço bacana. Almoçamos e descansamos um pouco.
      Às 16h, tínhamos agendado o citytour (R$ 60 adulto e R$30 criança) que vai para Argentina. Aqui, precisa apresentar documentos para entrar e sair e, se a criança estiver com apenas um dos pais, tem que ter a autorização autenticada em cartório daquele que está ausente. O roteiro inclui paradas na Aripuca (vale comprar a compota de madeira comestível), Marco das Três Fronteiras (vista bonita) e centro comercial (local simples onde se pode comprar doce de leite, azeite e outros).
      Dia 5 (quinta-feira) – fomos ao Paraguai pela manhã e depois arrumamos as malas para voltar. Como estávamos em um grupo grande, e agora com mais malas, optamos por um transfer.
      Essa viagem foi muito boa. Pegamos dias de sol e noites bem frias. O destino Foz, Ciudad Del Este e Puerto Iguazu tem muitas atrações e, como falei, a maioria é paga. Por outro lado, costuma se achar bons preços de passagens e hospedagem e o preço da alimentação é muito parecido com o que se paga no Rio de Janeiro, 25/30 reais numa refeição. Sobre a quantidade de dias, achei ideal o tempo que ficamos, pois conseguimos passear com calma. Ter disponível um carro alugado traz conforto e rapidez, mas, em geral, os deslocamentos podem ser feitos com os ônibus de linha ou táxi, sem grandes dificuldades. Algumas atividades como Cataratas Argentinas, Museu 3d, Templo Budista e Mesquita não foram feitas, pois tivemos contratempos de saúde. Ir a churrascarias e sair à noite não era nosso foco por conta das crianças.
      A viagem é super indicada para crianças e pessoas de todas as idades. Ver as cataratas é algo que todos deveriam fazer, pelo menos, uma vez na vida!
       
    • Por Jalinis
      Ola só haitiano eu precisa más informações sobre visto Paraguai porque eu tem um meu primo lá no chili ele quer colocar visto Paraguai passaporte dele ta comigo aqui no Brasil tem como eu colocar visto Paraguai para ele aqui no Brasil por favor [email protected]
    • Por delucarina
      Este é o relato de uma viagem de casal realizada em Outubro de 2015 por Foz do Iguaçu, Puerto Iguazú e Ciudad del Este. Não vamos colocar o roteiro do modo como fizemos, mas, sim, do modo que teríamos feito se tívessemos as informações necessárias para evitar várias idas e vindas. Apesar de ser um roteiro famoso, é difícil encontrar informações para passeios fora da rota tradicional (por exemplo, Ciudad del Este sem compras e Puerto Iguazú além das Cataratas).
       
      Para mais vídeos, relatos e fotos, curta nossa página no face (https://www.facebook.com/dandoumpulo/) e acompanhe nosso site (http://www.dandoumpulo.com).
       
      Comece por… Paraguai!
      Por que começar o roteiro das cataratas pelo Paraguai? Porque lá está o Salto del Monday, uma cachoeira linda, de fácil acesso e barata! Claro que é muito menor do que as Cataratas… mas é uma ótima opção para perder o medo de fazer turismo no Paraguai, que é sim um país com muita coisa a oferecer. E para quem está em família e sem grana para ver as Cataratas, é uma opção!
       
      Assim que atravessar a Ponte de Amizade (atravessamos sempre a pé, sem problemas,mas com as mochilas para frente do corpo, por precaução), passe na aduana. Lá há um stand de turismo do Paraguai, com vários mapas e com um pessoal muito receptivo, que dará informações detalhadas de como chegar aos destinos.
      Contudo, caso aproveite para carimbar o passaporte, não esqueça que, oficialmente, para entrar no país é preciso a vacina da febre amarela.
       
      Siga reto, depois da aduana, por toda a avenida de comércio (sem se deixar convencer pelos vendedores, porque há sim casos de gato vendido por lebre), até o supermercado Arco-Íris. Na rua deste mercado há um ponto em que passa o ônibus da empresa Matiauda, e na placa da frente está escrito “áreas 1, 2, 3, 4, 5”. O preço é 2500 guaranis (R$ 1,00). É só informar o cobrador/motorista que você descerá em Salto del Monday (pronuncie mondai). O ônibus irá parar próximo a uma escolinha de futebol. De lá até o Salto são uns 300 metros caminhando (é só perguntar que o pessoal na rua vai informando onde é).
       
      A entrada é 12000 guaranis (menos de R$ 10,00). Lá há um circuito de arvorismo pequeno, que talvez interesse às crianças. No parque há uma lanchonete e é um lugar propício para piquenique em família.
       
      Digamos que você tenha feito esse passeio pela manhã. Na volta, desça de novo no mercado Arco-Íris e vá para a pracinha atrás do mercado, onde passa o ônibus para Hernandarias. Na plaquinha do ônibus estará escrito Jacurupucú (na dúvida, pergunte se vai até Itaipu).
       
      O preço do busão é 3000 Gs (pouco mais de R$ 1) e ele te deixa a uma quadra da entrada de Itaipu. O circuito é feito de ônibus dentro da represa e é gratuito, ao contrário do lado brasileiro. Mesmo para quem não curte tanto esse tipo de roteiro, ver como o lugar funciona e suas estruturas gigantes impressiona. Mais uma vez acho um ótimo passeio para fazer com crianças, para que elas entendam de vez muitos dos conceitos das aulas de geografia.
       
      Um outro passeio possível no Paraguai, mas que acabamos não fazendo, são as missões. Há muita gente que trabalha em Ciudad del Este e mora na região das missões; por isso, para evitar trânsito, o ideal é pegar o ônibus (no terminal) lá pelas 8 da manhã. Em 3 ou 4 horas de viagem ele te deixará nas missões jesuíticas. Aí é curtir o dia inteiro e voltar à noite para Ciudad.






×