Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Hoje quero compartilhar com vocês a minha rápida passagem por Inhotim. Esse lugar maravilhoso que fica em Brumadinho - a cerca de 60 km de Belo Horizonte.

O Instituto Inhotim é uma mistura de arte contemporânea e paisagismo. Nos possibilita conhecer obras de artistas do Brasil e exterior espalhados por toda a extensão do Museu. Muito mais que isso é a possibilidade de interação com diversas obras; a sensação de paz e descanso que o local proporciona.

Descrever esse lugar na íntegra renderia mais que uma postagem, pois só para se ter uma ideia, o local possui uma extensão com cerca de 140 hectares, em outras palavras, é necessário no mínimo 2 dias para visitar todas as dependências do local com calma. No meu caso eu fiz em um dia e meio e ainda deixei de visitar alguns locais.

 

PLANEJAMENTO

Bem, confesso que não fui tão planejada nessa viagem. Diante disso cometi alguns erros que prejudicaram as minhas economias. ::prestessao::

 TRANSPORTE

• Ônibus - Dependendo do local de partida, o meio mais adequado é ir de ônibus ou carro. De ônibus o macete é chegar cedo na rodoviária e pegar o bus para Inhotim que é operado pela empresa Saritur. Em geral o ônibus sai às 8h15min da rodoviária de BH e chega à Inhotim por volta das 10h. De carro o tempo, claro, é bem menor.

Outra opção é pegar na rodoviária de BH um ônibus até Brumadinho e de lá outro transporte (ônibus ou táxi) que leva menos de 20min para chegar ao Museu. O táxi estava cobrando entre R$ 15,00 e 20,00 reais para o deslocamento entre Brumadinho e Inhotim. Mas aí tem o pulo do gato! Seu bilhete da Saritur serve para pegar um coletivo municipal que sai da rodoviária de Brumadinho sem custos até o museu. Foi isso que fiz porque não deu para pegar o ônibus de 8h15min que vai direto da rodoviária até Inhotim. Então quando cheguei a Brumadinho, apresentei o ticket referente ao trajeto BH x Brumadinho e assim não paguei outra paisagem até o Instituto.

• Avião - Para quem chega por Confins saiba que não há coletivo direto para Brumadinho ou Inhotim. Nesse caso ou paga um transfer ou segue a "via crucis" que percorri: deve pegar um ônibus até a rodoviária e de lá realizar o processo já descrito acima. Esse trajeto é muito mais demorado. Poderia ter invertido, ou seja, ido de ônibus é voltado de avião. ::putz:: 

PASSAGENS
• Ida - R$ 57,00 - RJ X BH pela Latam com o uso de 1.400 no cartão de crédito.

• Volta - R$109,00 - ônibus 

☆☆☆ Dica: Compre no mínimo com 4 dias de antecedência a passagem de ônibus. Isso porque o valor sai bem mais em conta. Para se ter uma ideia consultei a passagem de ônibus BH X RJ com antecedência e vi por aproximadamente R$ 58,00 pela companhia Útil. Quando fui comprar descobri que era promoção e o valor no guichê estava quase o dobro! 😕 O site Click Bus auxilia nessa comparação de preços dos ônibus interestaduais. Se for cliente do Itaú e estiver cadastrado no Sempre Presente bastar acessar o catálogo e clicar na aba referente a passagens aéreas ou mesmo utilizar o sistema de milhagem de cada companhia para economizar com despesas de locomoção.

• Comida - TUDO no Museu em Inhotim é caro. Para se ter uma idéia, um hambúrguer R$ 28,00!!! O combo que eu já nem lembro o que tem R$ 45,00!!! :shock:

• Ingresso: R$ 44,00/dia -  inteira.
Comprei por dois dias e paguei R$ 84,00 

O parque disponibiliza carrinhos para deslocar as pessoas ao pontos mais distantes dentro nas dependências do Museu. O valor é de R$ 28,00. Há também um guarda volume gratuito e estacionamento.
 
HOSPEDAGEM

Fique no Hostel 70 num quarto feminino com suíte. Optei por fazer a reserva pelo site do local onde mais abaixo diaponibilizo o endereço.  No dia da minha hospedagem não havia ocupantes então deu para ficar mais à vontade. Sobre o hostel não espere nada além de um lugar para dormir. Achei limpo e organizado e em boa localização. Não oferece café da manhã apenas disponibiliza uma cozinha onde você pode preparar suas refeições.  

• Custo da diária - R$ 45,00 do quarto feminino.

DESLOCAMENTO 

Como já descrito cheguei por Confins; peguei um ônibus até a rodoviária de BH (1h) de BH peguei para Brumadinho (2h) por fim um ônibus municipal até Inhotim (20 min). Ufa!!!  No retorno de Inhotim para Brumadinho é bom solicitar um taxi porque quase não vi transporte público por lá.

 

CONHECENDO O MUSEU 

Na chegada a sensação foi de uma estrutura muito bem organizada, funcionários educados e atenciosos. Devido a incidência de Febre Amarela na região de MG desde 23/01/2018 a entrada só poderá ser realizada mediante a apresentação da carteira de vacinação contra a Febre Amarela. Lá também eles disponibilizam repelentes spray. Não será exagero descrever o local como impecável pela beleza paisagística, organização e limpeza - sem falar no acervo artístico!

As fotos a seguir revelam o que de melhor existe neste lugar que é muito indicado para um passeio em família, a dois, para relaxar enfim...


Eixo Rosa - A12 - Hélio Oiticica 

Eixo Rosa - Hélio Oiticica

20180121_163442.thumb.jpg.790c2dd894290f865c738fad701d141e.jpg

Eixo amarelo - Galeria True Rouge

20180120_155254.thumb.jpg.a1f263a7e106751a6de8b3dbe8968067.jpg

DSC01274.thumb.JPG.aaa8b521f11f5edcf909c522936ee4b6.JPG

Interior da galeria True Rouge 

 

Esta obra abaixo está na galeria G7 Adriana Varejão. De longe vemos uma parede inacabada, mas ao nos aproximarmos a obra nos mostra um detalhe a mais
DSC01296.thumb.JPG.a958c22cb3c2d44d7d118c2200bafe44.JPG

Eixo laranja -  Adriana Varejão

DSC01297.thumb.JPG.f11e765c8abd6af7aef4b650952e6b5a.JPG

 

20180120_144710.thumb.jpg.b8f6f5e97ca34ca9c83dea58e2df866c.jpg

Eixo rosa - Escultura de bronze - sem título . Muitos interagem com a obras tentando imitar as posições. Preferi apenas o registro fotográfico...

 

20180120_140831.thumb.jpg.6f87f616788691c3f9111c9bf912dbce.jpg

Obra de Domino Lang  

 

20180121_151306.thumb.jpg.3ad1053122c76ac1fc7cd3eca38d83e2.jpg

20180121_152854.thumb.jpg.8320014b3dd701e80097160eabc91691.jpg

Eixo laranja - Através - Obras de Cildo Meireles

Através é uma chamada à reflexão sobre os obstáculos e as barreiras que a vida nos proporciona e o desejo de superá-los que segundo o autor nem sempre é claro.

 

DSC01288.thumb.JPG.d93343c05836d2a0ad70ffb038022686.JPG

Eixo Amarelo - Troca troca 

 

 

DSC01352.thumb.JPG.ed1b9cc706ff522e39747380d3109b19.JPG

DSC01348.thumb.JPG.8ad3feb2b0642d437edbcf0fa68950fc.JPG

 

Depois daquela extensa caminhada eis que vejo uma piscina...no meu caso optei por deixar para a próxima ::Ksimno::

20180121_122720.thumb.jpg.997340df998ea7d4695e44da5ac6a0ab.jpg

Eixo laranja - Piscina - Jorge Macchi

 

DSC01268.thumb.JPG.396f048868e90cb89de5239882bc62fa.JPG

Eixo rosa - Narcissus Garden  

 

Aqui é pra relaxar! Folly é um pavilhão de madeira espelhado por dentro e por fora. No interior do local há um projetor onde se vê um casal dançando. O efeito desses espelhos dá a sensação de que o visitante está, também, participando do espetáculo.

20180121_143425.thumb.jpg.8e10e021aa704bf56c83280b78d3b009.jpg

Eixo laranja - Folly - Obra de Valeska Soares

 

Outra parada para relaxar é na Galeria Cosmococa! Aqui tem uns colchões, rede, local cheio de bolas para as crianças brincarem e...uma piscina  que não é a mesma da foto anterior (bem gelada por sinal).

DSC01309.thumb.JPG.fe94fd424f3aa3884c1dd2011619435b.JPG

Galeria Cosmococa

 

Uma das coisas que me chamou bastante atenção foi o paisagismo...

DSC01364.thumb.JPG.f12d33a37835af4dba3e58580037c240.JPG

DSC01339.thumb.JPG.33c54a5ef7c12ae6f3db3e70fb70b425.JPG

DSC01318.thumb.JPG.b2e4ad7f637aeee82f7768515b4ce9a4.JPG

DSC01328.thumb.JPG.be99d696502bb82b7b0b953dac74f2e0.JPG

DSC01329.thumb.JPG.7cb3a3497ff7468d770c054a6f78e4d6.JPG

DSC01299.thumb.JPG.597dbdf446ccc3e70e4c0d0482696616.JPG

O céu dando um toque final à beleza local 

DSC01256.thumb.JPG.4bb5bd76d043c669c5e73fcf35e078fb.JPG

Screenshot_20180121-173343.thumb.png.4271b69e1a1f1b92e1bbf5a61e34bf1f.png

20180121_112051.thumb.jpg.5ef2854bf48ef9e71e531e8d2f6d67c9.jpg

DSC01284.thumb.JPG.8573454bbd8ae8ced4fb95131cfe7765.JPG

DSC01276.thumb.JPG.e128896fffec0ad3669081bd4aa9d3f0.JPG

Links

 - Saritur: www.saritur.com.br

 - Inhotim (Museu/blog): www.inhotim.org.br/blog

 - Hostel 70: www.hostel70.com

- Click bus: www.clickbus.com.br

Gostou? Então programe-se! Você poderá acessar o blog (www.inhotim.org.br) do Instituto e visualizar todas as obras, conferir o mapa e outras informações. Assim terá um passeio dinâmico e proveitoso.

Bem, isso foi apenas uma parte de tudo o que esse local proporciona. Espero ter contribuído. 

😉

 

  • Gostei! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, mto obrigada pelas dicas, estou indo pra lá em breve. Será que se alugar o carrinho de golfe dá pra fazer tudo em um dia?

Pelo que vi, acho que o carrinho não ajuda mto, é simplesmente coisa demais para ver.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Se você não demorar muito apreciando os locais dá sim. Teria de chegar lá no máximo as 10h. Faria o circuito laranja que é o maior, e deixaria o amarelo e Rosa na parte de tarde. Se eu voltasse fazendo um dia usando o carrinho seria nesse esquema.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Em 05/02/2018 em 23:35, danidayrell disse:

Olá, mto obrigada pelas dicas, estou indo pra lá em breve. Será que se alugar o carrinho de golfe dá pra fazer tudo em um dia?

Pelo que vi, acho que o carrinho não ajuda mto, é simplesmente coisa demais para ver.

dá sim, como bem disse @Lusmell. optei por não usar o carrinho, pois queria (e gosto de) caminhar.

realmente, tem mtaaa coisa para ver, talvez mesmo com o carrinho não haja tempo suficiente. tente chegar o mais cedo possível, para nao precisar se apressar: acredite, pressa não combina com esse lugar mágico ;) 

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por raphaelcamposandrade
      Caros amigos (as),
       

       
      Gostaria de dividir com vocês uma boa experiência que tivemos no trekking Cachoeira das Ostras no distrito de Casa Branca. Para mais informações acesse nosso blog, pois nele essa matéria está mais redigida e tem muitas imagens, porque o fórum não suporta as fotos pois são de uma qualidade muito alta e consequentemente muito pesadas. Acesse: http://leoesdamontanhamg.blogspot.com.br/
       
      Saindo de BH, pegamos a BR 040 sentido Rio de Janeiro até o Posto Chefão, logo antes do posto já se pode ver uma placa indicando entrada para o Distrito Casa Branca a direita. Chegando no posto você irá virar a direita na primeira rua após o mesmo e seguir até a "Rua 1" pegando depois a avenida Montreal seguindo nela até a entrada de Casa Branca. É bem fácil localizar o distrito, basta seguir as placas.
       
      Chegando no distrito nós estacionamos o carro na praça principal, perto de alguns bares, restaurantes e pousadas e seguimos a primeira entrada a esquerda da praça já a pé em busca da trilha. Qualquer pessoa pode informar o caminho para encontrar a trilha, só que é aconselhável a contratação de um guia pois a trilha é bem difícil de ser seguida sem erros até a cachoeira.
       
      Seguindo essa rua Alameda Canela de Ema ela termina antes da entrada de um condomínio fechado onde ela encontra seu término viramos a esquerda e seguimos a estrada que logo se transforma em estrada de chão começando a aventura, depois de passar por um bar chamado sol e lua e uma oficina de reparo de veículos.
       
      A partir deste momento o contato com a natureza já é abundante, podendo ser vistas diversas plantas do cerrado, topografia de morros, fauna e flora típicas da região mineira.
       
      Vale frisar que o sol é muito intenso, pois não tem sombreamento de árvores sendo ideal que a trilha seja feita o mais longe possível de meio dia e sempre com protetor solar e equipamento adequado.
       
      Depois de seguir essa estrada de terra ela a cada passo se tornou mais estreita, até que no pé do morro ela se duplifica, devendo ser seguida para a esquerda, onde ela continua subindo morro acima. Nós nos perdemos andamos muito para o outro lado no meio do mato até descobrirmos que estávamos errados graças a dois trilheiros que encontramos também perdidos João e Matheus, eles estavam acompanhados por seu cachorrinho Scoob que já estava exausto e teve que ser carregado.
       
      Os três se juntaram a nossa turma e voltamos todo o caminho que erramos até o pé do morro
       
      A subida morro acima é complicada, sendo muito pesada e irregular, em alguns pontos é necessário a ajuda das mãos. O Scoob foi carregado praticamente todo percurso.
      Chegando no topo do morro achamos mais algumas pessoas perdidas e um casal que nos informou que deveria agora descer o morro através das pedras.
       
      A partir dali já dava para notar a presença da água.
       
      A descida é extremamente forte e perigosa, devendo ser feita com bota ou calçado adequado e com bastante cautela. O scoob novamente continuou no colo e tivemos um pouco de problema para transportá-lo junto com a água e as mochilas.
       
      Depois dessa forte descida já ouvimos o barulho da cachoeira e logo a frente nos deparamos com a maravilhosa queda d´água.
       
      As águas são claras, límpidas e extremamente frias, depois de toda caminhada exaustiva ainda tivemos dificuldade para entrar e suportar a temperatura.
       

       
      As pedras são curves e tem um aspecto muito singular, sendo o paredão do fundo ligeiramente marrom em contraste com o fundo dos poços que é verde cor esmeralda.
       
      Subindo um pouco contra a corrente pelas pedras se encontra um poço lindo, bom para repouso e banho, fundo de águas límpidas com uma bela queda de água e a possibilidade salto para os mais aventureiros, pela sua fundura e uma pedra que por si só já aduz a idéia de um trampolim.
       
      O local é muito bonito e sem dúvida apesar de pesada a caminhada se torna extremamente gratificante!
       
      Na volta a decida íngreme se torna uma árdua subida que em alguns pontos é praticamente uma escalada, mas chegando de novo no topo do morro tivemos a vista de o início de um por do sol dourado e brilhante, onde o sol reluzia nas folhas do cerrado, criando uma sensação de vertigem em meio o emaranho de tons de laranja em degradé com o verde da flora.
       
      * Distância da trilha: Nível médio
      * Localização da cachoeira: Nível difícil
      * Topografia: Nível regular / difícil
       
       
      Raphael Andrade


×