Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

SERRA DO CIPÓ/LAPINHA DA SERRA - MG 

Fizemos o Caminho dos Diamantes da estrada real duas vezes à pé, e toda vez o pessoal nos falava do travessão. No caminho olhávamos no horizonte e víamos o tal do TRAVESSÃO, então chegou o grande dia de conhecê-lo.

5° dia - 12.02.2019 - Terça-feira
Saída da hospedaria ida entrada trilha do travessão de carro, realização trilha à pé, retorno à cidade. Ida para Lapinha da Serra-Mg de carro
+-22 kms em aprox. 05:45hrs  Acumulado à pé desde início: 753 kns

Saímos mais cedo pois não existe portaria na entrada do parque nesta travessia.  Depois de uns 10 kms em direção a Conceição do Mato Dentro em rodovia asfaltada,   chegamos ao estacionamento  (fica defronte a pousada Duas Pontes) - 1225msnm. Aqui tem uma placa informando que tem alto índice de arrombamento de veículos, então não deixe nada dentro do carro. 

No início subida leve, siga sempre com a cerca de arame do lado esquerdo,  vimos do lado direito uma trilha indo em direção ao vale  (não siga ela), siga sempre em direção à esquerda.
Pegamos descida longa até o riacho 01:20hrs e atravessamos, aí começa trilha fechada, após algum tempo entramos numa região com muita pedra e uma cachoeira linda à esquerda (01:35hrs), subimos à esquerda e chegamos numa área de pinturas rupestres(1230msnm),  seguimos à esquerda e viramos à direita logo a seguir, chegamos ao topo onde descortinou um lindíssimo visual.
Continuamos morro abaixo com muitas flores , aqui a flora é magnífica com muita variedade.
Atravessamos um pequeno riacho sempre descendo,  muita pedra e capim cortante.  Chegamos ao primeiro mirante,  demais..continuamos morro acima e chegamos noutro mirante, coisa de tirar o fôlego,  lindíssimo  (02:28hrs). Vimos umas trilhas morro acima e fomos conhecer,  caminhamos  até umas pequenas quedas d'água e retornamos  (02:50hrs - 1160 msnm). Trilha sem sombra, sorte que o tempo estava encoberto. Retornamos pela mesma trilha, passamos na linda cachoeira do espelho com suas águas parecendo coca-cola (bem próxima à trilha), continuamos na mesma trilha,  pegamos nosso carro e fomos conhecer a trilha dos escravos(bem próxima do distrito de Serra do Cipó na rodovia asfaltada), feita pelos escravos têm subida forte em pedras, lindo visual da cachoeira Veu de noiva (estava com pouco volume de água).
Saímos da hospedaria,  passamos  no posto e abastecemos etanol a $2,997,  almoçamos no restaurante da dona Vilma (o mesmo $15 por pessoa à vontade), pegamos uns 28 kms de rodovia asfaltada sem acostamento até Santana do Riacho, atravessamos a cidade e entramos numa estrada de terra(depois de 2 mata-burros) à direita com lindíssimo visual de montanha e, depois de 12 kms chegamos a Lapinha da Serra.

Lapinha da Serra: distrito de Santana do Riacho , bem pequena, tem pousadas, casas de família que alugam chalés/quartos/casas, farmácia, padaria, mercearia, restaurantes, Não pega nenhuma operadora de celular, não tem banco ou caixa eletrônico e nem lotérica  (é o paraíso mesmo), mas Santana do Riacho fica a somente 12 kms em estrada de terra. Então leve dinheiro,  alguns lugares aceitam cartões, mas aqui a Internet caí muito.
Obs.: aqui só tem uma família que não pertence a mesma família,  praticamente todos os moradores são parentes (cuidado para não criticar alguma pessoa kkkk), alguns donos de pousada são forasteiros. Aqui recebe turista do mundo todo.


Hospedagem: Casa da Maristela, 31 98448-6912, camas boas, cozinha completa  (menos microondas), 2 quartos, wifi, banheiro privado, não tem ventilador e Tv. Preço  $50 por pessoa sem café da manhã. RECOMENDO

Amanhecendo na trilha do Travessão 

20190212_063133.jpg

Uma subidinha para esquentar

20190212_070929.jpg

Lindo visual de montanha

20190212_071105.jpg

Sempre essa montanha à nossa frente

20190212_074241.jpg

Atravessando pequeno riacho 

20190212_074815.jpg

Começando descida em pedras depois das pinturas rupestres  (que eu não vi)

20190212_082604.jpg

Lindo visual

20190212_084938.jpg

Explendoroso 

20190212_085142.jpg

Por outro ângulo 

20190212_085834.jpg

Depois do travessão caminhamos até o topo de outra montanha de lá tiramos essa foto 

20190212_092636.jpg

Lago da cachoeira do espelho,  apesar de ser pequena tem um lindo visual 

20190212_103615.jpg

Retorno

20190212_115845.jpg

Um jardim

20190212_115924.jpg

Cachoeira Véu de noiva, que estava quase seca. A entrada para a parte baixa dela dar-se por uma hospedaria e o preço é bem salgado

20190212_123744.jpg

Trilha dos escravos toda em pedra

20190212_123813.jpg

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

LAPINHA DA SERRA - MG

1° dia - 13.02.2019 - Quarta-feira
Saída da hospedaria à pé, conhecer o lugar e depois ir até próximo entrada cachoeira Bicame, retornando por estrada próximo às montanhas
+-14 kms em aprox. 03:20hrs

Aproveitamos o dia para conhecer todo o lugar, as casas são espalhadas pela montanha, esse distrito é bem pequeno.
Depois pegamos estrada que vai para Santana do Riacho, na primeira bifurcação continuamos reto noutra estrada de terra(essa vai para a cachoeira Bicame), passamos por várias casas e fazendas, sempre andando paralelo aos picos da lapinha,  quase no final das montanhas retornamos para Lapinha da Serra na continuação da mesma estrada(numa bifurcação viramos à direita), passamos bem próximos dos picos à nossa esquerda. Chegamos numa porteira que informava que era propriedade particular e não podia entrar,  entramos num caminho à direita  e chegamos num colchete e atravessamos um pasto até um riacho, tivemos que atravessar praticamente subindo nas árvores,  entramos noutro pasto, e quem estava lá: o proprietário da fazenda que não podia entrar...kkkkk
Conversamos com ele, pedimos desculpas, que foram aceitas numa boa, ele nos ensinou o caminho mais perto para o distrito.
Atravessamos uma pinguela e já chegamos.
Almoçamos ótima comida num restaurante, o único que funciona nos dias de semana,  a $17 por pessoa à vontade.
Dormimos à tarde, acordamos com barulho de chuva e raios,  choveu muito,  principalmente na serra, formando uma enorme cachoeira,  a água quase encobriu a ponte que vai para os picos. .

Hospedagem: a mesma do dia anterior.

Aqui a vida é tão tranquila que até os pássaros deixam chegar perto

20190212_120237.jpg

O distrito de Lapinha da Serra fica encravada entre montanhas, do lado de uma grande lago, com várias cachoeiras, picos e tranquilidade.

20190213_071923.jpg

Retornando para Lapinha, à esquerda cadeia de montanha

20190213_094010.jpg

Idem

20190213_094151.jpg

Chegando na porteira, que informava que era proibido o acesso por ali

20190213_101438.jpg

Atravessamos um riacho e tivemos que subir nessas raízes de árvores. Logo depois demos de cara como o proprietário da fazenda. Kkkkk

20190213_102631.jpg

Atravessando uma pinguela e poucos metros depois já dentro do distrito

20190213_104608.jpg

Chegamos cansados e dormimos à tarde, caiu uma chuva fortíssima e formou essa cachoeira na montanha(na verdade é uma cachoeira, mas esqueci o nome ), mas com pouca vazão. 

20190213_175720.jpg

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

LAPINHA DA SERRA - MG

2° dia - 14.02.2019 - Quinta-feira
Saída da hospedaria de carro até entrada acesso à cachoeira, ida à pé até cachoeira Bicame e retorno à hospedaria
+-20 kms à pé  em aprox. 04:30hrs
 

Saímos de carro pela estrada que vai para Santana do Riacho,  na primeira bifurcação continuamos reto,  depois de alguns quilômetros chegamos numa porteira(têm alguns pés de manga) vimos um riacho, resolvemos deixar o carro ali mesmo, pois o trecho era com muita pedra e nosso carro é baixo.
Seguimos sempre estrada de terra, com um lindo visual de montanha,  muitas flores, flora exuberante.
Depois de uma hora e 5 quilômetros chegamos na portaria,  onde registramos e assinamos termo de responsabilidade  (o porteiro Gilson gentilmente nos deu um cafezinho).
O tempo estava frio com muita névoa,  ótimo para caminhar.
Continuamos na trilha,  neste trecho colocaram degraus em alguns lugares pra proteger as trilhas degradadas pelas pessoas,  por isso limitaram o acesso ao parque, somente 30 pessoas por dia, importante chegar mais cedo pq atingindo esse número ninguém entra, não adianta nem tentar.
Trilha bem demarcada com muita pedra,  lindíssimas flores, maravilhoso visual de montanha.
A uns 500 metros um deslumbrante visual da cachoeira, como choveu muito no dia anterior, as quedas estavam portentosas.
Chegamos na base da cachoeira( 02:05hrs total) com muita névoa e o lago estava bem cheio e perigoso.
Subimos um paredão do lado direito dela, muito escorregadio (nossa preocupação era que na nascente desse rio estava chovendo, portanto poderia ter cabeça d'agua a qualquer momento, por isso não  demoramos muito) e chegamos ao topo(na volta o Gilson nos informou que é proibido subir). A parte de cima da cachoeira têm várias piscinas naturais, lindo visual de montanha e das quedas d'agua.
SIMPLESMENTE SENSACIONAL!

Retornamos pelo mesmo caminho,  pegamos o carro e voltamos para a cidade, o tempo continuou frio o trecho inteiro.
Almoçamos no mesmo restaurante do dia anterior.

Hospedagem: o mesmo do dia anterior

Tempo fresco ótimo para caminhar

20190214_091647.jpg

A flora aqui é de outro mundo 

20190214_094720.jpg

Sinalização do parque

20190214_095009.jpg

Lindo visual de montanha

20190214_102533.jpg

Primeiro mirante para a cachoeira bicame

20190214_103555.jpg

Chegando mais perto

20190214_103915.jpg

Que cores, só aqui mesmo

20190214_104318.jpg

Cachoeira bem nervosa 

20190214_104450.jpg

Grande volume

20190214_105343.jpg

Parte de cima da cachoeira com algumas piscinas naturais 

20190214_110702.jpg

Lindo visual 

20190214_112741.jpg

No retorno o tempo abriu

20190214_123351.jpg

Posto do parque

20190214_131606.jpg

O carro ficou depois de riacho, debaixo de uns pés de manga(chupamos várias)

20190214_141824.jpg

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

LAPINHA DA SERRA - MG

3° dia - 15.02.2019 - Sexta-feira
Saída da hospedaria subida aos picos da Lapinha e do Breu  (Lapinha da Serra-Mg)
+- 20 kms em aprox. 05:48hrs

Saímos da pousada e depois de 08 minutos chegamos a portaria(1100msnm) de acesso aos picos do breu e Lapinha, não tinha ninguém na portaria, o porteiro  não estava indo durante a semana, só finais de semana, é cobrado  $25 por pessoa para subir).
Depois de 15 minutos total chegamos numa bifurcação sem sinalização viramos à esquerda e logo à seguir chegamos nos canos d'agua  (25 minutos total - 1180msnm), daqui para cima é proibido nadar.
Chegamos num riacho e à direita uma linda cachoeira ao fundo  (aqui não tem nenhuma sinalização mas vimos uma trilha do lado esquerdo na base da montanha e atravessamos o rio), chegamos num totem e logo a seguir começa subida forte em pedras e valas,  (à partir daqui tá bem sinalizado). Lindíssimo visual da cidade e de toda região e do lago.
Chegamos numa porteira,  tem uma placa indicando a distância  (2450 m até a cidade e 1610m até pico da Lapinha) - 1405msnm - 01:25hrs. Depois de entrar num pasto e subir um pequeno trecho chegamos numa casa à esquerda  (1425msnm - 01:31hrs), tem banheiro e bancos , continuamos a subir depois de um colchete atrás da casa, seguimos até chegar numa bifurcação e viramos à direita, pegamos pequeno trecho em pedras e depois entramos num campo aberto até chegar na bifurcação e viramos à direita  (à esquerda vai para o pico do Breu e cachoeira do Tabuleiro), caminhamos um pouco e chegamos numa bifurcação e viramos à esquerda,  aí começou a subida forte até o topo com muitas pedras soltas,  tem uma cruz e um marco de metal indicando o topo (02:08hrs - 1686 msnm).
Retornamos até bifurcação e continuamos reto, aqui começa a sinalização com setas e paus em azul para o pico do Breu,  pegamos trechos em pedras,  charco e descampado até a base do pico do Breu (03:15 hrs  - 1606msnm ).
Pegamos uma trilha à esquerda e começamos uma subida curta mas forte com muita pedra até o topo do pico do Breu. Lindas flores e mirante maravilhoso para o mar de montanhas  (03:31hrs de caminhada total - 1687msnm ).

Começou a ventar forte e muitas nuvens negras começaram aparecer no horizonte,  agilizamos a descida do pico e apertamos o passo,  se houvesse chuva forte e Cabeça d'agua, ficaríamos naquela casa que passamos na vinda, que tem antes da descida forte, pois tínhamos que atravessar um rio abaixo da cachoeira, e 2 dias antes teve inundação desse rio.
Obs.: A estratégia era passar a casa, descer até o rio, se tivesse inundação iríamos voltar à casa e pernoitar. O problema era que seria  uma hora para descer até o rio e mais de uma hora para voltar a casa, tenso viu!
Choveu bem forte mas sem raios, descemos rápido e o rio estava no nível mais alto do que na ida, mas não muito cheio, atravessamos bem rapidamente com muito cuidado, a descida foi devagar, pois estava muito escorregadio. Logo a seguir chegamos à portaria(05:48hrs no total). Chegamos no restaurante para almoçar todos ensopados. A vantagem de caminhar nestes lugarés,  é que que o povo nem liga de te receber dessa forma. OH SAUDADE DE LÁ 

Trilha muito bem sinalizada com placas e postes de madeira pintada na ponta,  somente no início que não tem tantos marcos, mas é fácil achar o caminho certo só seguir sempre à esquerda atravessar o rio  até base da montanha e subir.
Obs.: o ingresso ao parque é cobrado  $25 por pessoa,  quando chegamos não tinha nenhuma pessoa na portaria, nossa intenção era subir rápido em função da possibilidade de chuva e pagar na volta. Mas mesmo na volta não tinha ninguém para receber.
Passamos no restaurante e já Almoçamos  $17 por pessoa à vontade.

Hospedagem: o mesmo do dia anterior.
Caminho tranquilo bem sinalizado até uma parte

20190215_080928.jpg

Seguir sempre à esquerda daquela montanha

20190215_084104.jpg

Na base da montanha alguns trechos fortes 

20190215_085518.jpg

Chegando numa casa, mas não tinha ninguém 

20190215_092528.jpg

Bifurcação, viramos à direita, à esquerda vai para o pico do Breu 

20190215_094024.jpg

Começando a subida até o pico da Lapinha 

20190215_095105.jpg

Topo do pico da Lapinha, sinceramente,  daqui o mundo é muito mais bonito,  mas muito mesmo! 

20190215_100442.jpg

Lindo visual de montanha, e aquela casa que passamos alguns minutos atrás 

20190215_101615.jpg

Trecho com muitas pedras e capim, notem os paus pintados em azul sinalizando caminho para o pico do Breu. Para o pico da Lapinha tinha outra cor (não lembro a cor)

20190215_103610.jpg

Subindo para o pico do Breu

20190215_110253.jpg

Encatando o pico do Breu, alguns relatos dizia que era uma subida bem complicada,  mas não era

20190215_111615.jpg

Subindo a encosta do pico

20190215_112440.jpg

Outro ângulo da região.  LINDO AQUI

20190215_112601.jpg

Chegando ao topo do pico do Breu

20190215_113633.jpg

Decendo. ...

20190215_114127.jpg

Nuvens negras bem baixas sinalizando que iríamos pegar chuva mais à frente,  o que de fato aconteceu 

20190215_115328.jpg

20190215_115835.jpg

Última foto antes da forte chuva

20190215_120626.jpg

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Quanto lugar lindo! Eu perambulei por Minas Gerais em janeiro mas com foco na parte histórica, quero logo voltar e explorar mais a natureza em si!

Estas flores de outro mundo que vc menciona são espécies típicas dos campos rupestres de MG, elas são sensacionais mesmo. Eu sou bióloga/botânica então naturalmente eu só enxerguei plantas nas suas fotos, hahahahauaha!

E eu estive por um dia em Carrancas, na casa de uma outra amiga botânica que mora no mato, kkkk... talvez por não conhecer todas estas maravilhas que vc conheceu eu simplesmente AMEI Carrancas. A Mari me disse que tinha umas cachus bem famosas mas que ela não ia me levar lá não pq são as turísticas... fomos em umas que ficam praticamente no quintal dela (5 min a pé da casa dela, mas ela mora mesmo no mato) e foi incrível, quero voltar pra lá urgente tb! :)

  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Juliana Champi em sua homenagem, como botânica e participante aqui,  colocarei no final desse relato,  uma coletânea das flores "diferentes"  que vi nestes dois meses. Não vai rir, que de flora não entendo absolutamente nada! E considere que essas fotos foram tiradas por um celular das antigas ok

Sobre Carrancas: gosto de lá,  mas o pessoal me "vendeu" umas cachoeiras que não eram assim tão legais como a de Tabuleiro e muitas outras.  Só por isso. Esperava muito mais. Mas é sim, muito bonito também. 

Eu sou um pouco suspeito,  é muito difícil não gostar dos lugares, cada lugar levo uma excelente lembrança. Não tem lugar ruim....Ahh tem sim, Juliana no Peru. .aff

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O ENCONTRO DOS PERDIDOS!

LAPINHA DA SERRA  - MG 

4° dia - 16.02.2019 - Sábado
Saída da pousada ida até campamento Ana Benta e retorno à cidade.
+-22  kms em aprox. 05:28hrs (ida/volta)

Saímos da hospedaria com destino a portaria do parque e seguimos à direita, mais à frente erramos o caminho(nossa intenção era ir até a Cachoeira Lajeado) e viramos à esquerda numa bifurcação e pegamos forte subida com muita pedra.
Obs.: Na cidade nos informaram que era só seguir a trilha mais larga. Só que essa trilha antes de um riacho fica muito estreita e quase desaparece(a que segue reto para a cachoeira, a que vai para Ana Benta nesta parte é bem mais larga, por isso muita gente se perde).
A trilha que vai para Ana Benta continua larga, por isso nós erramos,  mas foi até bom, conhecemos pequena parte da linda travessia Lapinha x Tabuleiro.
Chegamos numa capela de pedras,  01 horas - 1300msnm , logo a seguir viramos à esquerda numa bifurcação subindo a montanha, seguimos subida forte em pedras até chegar num descampado  (01:12hrs - 1350 msnm) , começou descida curta e leve até um riacho, atravessamos sem problema,  chegamos numa mata(sempre observando se havia alguma cachoeira) depois de uns 200 metros , atravessamos o mesmo riacho,  subimos e chegamos numa porteira  (01:40hrs - 1325msnm ), entramos num pasto com muito gado,  eles quiseram vir atrás de nós,  pegamos uns paus e os amentrontamos, depois foi uma sequência e subida e descidas leves,  atravessamos 3 vezes um riacho(continuamos a saga de "achar a cachoeira", aí a chuva caiu para valer, sorte que não tinha raios,  chegamos num curral de gado, continuamos seguindo numa bifurcação entramos à direita(vimos um riacho e achávamos que a a cachoeira estava por ali, e nada) e logo a seguir chegamos no acampamento Ana Benta( bico do breu, cama $50 acampar $20 e refeição  $20), não tinha ninguém mas uma placa dizia para entrar e usar com moderação,  então entramos e tomamos cafezinho quente - fones: 31 991200991 995253252 36813486 ( 02:51hrs - 1290msnn).

Retornamos pelo mesmo caminho. Sempre procurando a dita cuja "cachoeira lajeado", depois do curral antes de atravessar o último riacho, entramos à direita e chegamos próximo a uma mata, que tinha um barulho de cachoeira,  com o tempo estava pra chuva, abortamos a ida até ela(achava que era a cachoeira que tanto procuramos,  no outro dia vi que não era),  e atravessamos o riacho  (pois na cabeceira dele estava chovendo muito) - ESTÁVAMOS HIPER PERDIDOS!

Na descida forte, antes de Lapinha da Serra, encontramos uma garota que estava indo atrás da cachoeira Lajeado(mais uma perdida no pedaço), falamos que talvez ela estaria errada(falamos do barulho de cachoeira que ouvimos, mas devida a possibilidade de chuva, desistimos,  ela toda destemida resolveu continuar a procura (coitada)) pelo menos avisamos, contamos a nossa história e ela disse que ia andar mais um pouco e se não encontrasse,  retornaria  (alertamos para possível chuva, visto que no horizonte formavam mais nuvens negras).
Na volta não pegamos chuva, mas os riachos estavam mais altos. Passamos no mesmo restaurante, e dormimos a tarde toda.

Hospedagem: a mesma dos dias anteriores.

Aqui começa a nossa "perdida ", o certo era seguir reto e pegar trilha estreita e atravessar o riacho e continuar trilha larga do outro lado até a Cachoeira do Lajeado. 

20190216_075519.jpg

Pegamos subida forte com pedras soltas,  quando eu erro é uma "errada das grandes mesmo"

20190216_082132.jpg

Pelo menos vimos belas paisagens 

20190216_082940.jpg

Do lado esquerdo começou a formar um dilúvio 

20190216_085810.jpg

Por outro ângulo 

20190216_090507.jpg

O que tava ruim, poderia piorar, no horizonte outra chuva forte ia vindo (seriam duas chuvas para correr). Ainda tinha esses bois que queriam vir pra cima, como treinamos no pico do papagaio, pegamos uns paus e eles se acalmaram 

20190216_090511.jpg

Acampamento Ana Benta, apoio às pessoas que fazem a travessia Lapinha x Tabuleiro,  e os perdidos também 

20190216_101614.jpg

Já andamos por várias regiões,  mas numa tinha visto tamanha generosidade, veja a mensagem escrita abaixo dos preços. Segundo um participante, o governo mineiro estimulou as famílias a acolher bem os turista

20190216_101656.jpg

O retorno o céu sinalizava mais chuva,  só chuvisco para nossa tranquilidade 

20190216_103356.jpg

Antes não deu para fotografar esse curral devido a chuva que estava caindo

20190216_103719.jpg

Travessia do rio

20190216_105010.jpg

Mirante, por isso que por cima é muito mais bonito 

20190216_120224.jpg

Olhem as lindas flores  (essa vai para a Juliana Chapi)

20190216_120248.jpg

Lindo visual de montanha 

20190216_120830.jpg

Lindo lugar

20190216_122710.jpg

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

ENCONTRO VENENOSO! 

LAPINHA DA SERRA/OURO PRETO - MG

5° dia - 17.02.2019 - Domingo
Saída da hospedaria até cachoeira Lajeado à pé,  ida para Ouro Preto de carro
+-11 kms à pé em aprox. 02:40hrs Acumulado à pé desde o início: 840 kms

Nesta noite choveu muito,  saímos cedo,  tínhamos uma pequena janela de tempo, pois a previsão era de chuva forte para toda região,  por isso não fizemos o Vale Soberbo  no dia posterior, a contra gosto tivemos que antecipar nossa partida(isso é bom, pois teremos que vir aqui fazê-lo em outra oportunidade).
O caminho é praticamente reto,  começa à direita da portaria de acesso aos picos da Lapinha e Breu, mais à frente a trilha larga dá lugar a um caminho à direita e logo chega num riacho que atravessamos  (ontem chegamos aqui e erramos, viramos à esquerda). Conte 7 porteiras desde o início. Atravessamos alguns riachos e logo chegamos,  infelizmente o rio estava um pouco alto  (devido às chuvas), e resolvemos não atravessá-lo. Na descida ao leito do rio, para verificar o nível da água,  entramos numa vala e quase minha parceira foi picada na mão por uma cobra coral,  foi por pouco mesmo,  questão de centímetros. Obs.: no dia anterior, peguei um pau para servir de bastão na descida, ela se não tivesse usando esse pau na descida para o rio,  teria sido picada, pois ia colocar a mão justamente onde a cobra estava! Vida que segue. 


Retornamos pelo mesmo caminho, dessa vez não almoçamos em Lapinha,  pois decidimos que iríamos tentar subir o pico do Itacolomi em Ouro Preto - Mg.

Saímos de Lapinha, passamos na pousada em Serra do Cipó para pegar umas mangas na pousada que ficamos,  abastecemos o carro. Pegamos rodovia asfaltada até Belo Horizonte,  muito trânsito e congestionamentos no anel viário devido às fortes chuvas ( à noite assistimos na televisão que teve áreas inundadas onde passamos horas antes). Passamos ao lado de Nova Lima e Itabirito,  para não perder o costume, desviamos a rota e fomos a Acuruí comer os famosos pastéis de angu($5 cada).

Hospedagem: o mesmo em Ouro Preto.

Que lugar bonito!  O tamanho da minha parceira em relação à montanha

20190217_064450.jpg

Aqui foi onde erramos (ontem pegamos a trilha da direita,  mais à frente ela fica estreita, isso confundiu, resolvemos pegar a trilha da esquerda mais à frente)

20190217_071929.jpg

Trilha com alguns lugares com sombra

20190217_072830.jpg

Uma das várias porteira que passamos  (7 ou 8) a linda cachoeira Lajeado lá na frente 

20190217_074641.jpg

Essa é a coral que nos passou um enorme susto!

20190217_075518.jpg

Vista da cachoeira Lajeado, o rio estava alto, resolvemos não atravessar 

20190217_075846.jpg

Outra da cachoeira

20190217_075955.jpg

Retorno pelo mesmo caminho 

20190217_080203.jpg

Algumas áreas de charco, mas tranquilo(na noite anterior choveu muito)

20190217_082329.jpg

Lindo visual 

20190217_085611.jpg

Aqui é onde a população pega água de uma mina que fica do outro lado do rio. Entrada na portaria que dá acesso aos picos do breu, Lapinha e as cachoeiras, para buscar água não é cobrado ingresso 

20190217_090045.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Carlosfuca
      Após trabalhar no feriado de carnaval, assim que chegou quinta-feira estava eu partindo rumo a uma bela caminhada pelo Sul de Minas, na Serra da Mantiqueira, no total foram nove dias de pura diversão, tranquilidade e paz rural. Fiz meu planejamento ao meu modo, mas no decorrer do périplo eu soube que alguns trechos fazem parte do Caminho dos Anjos, e eu estava o fazendo ao contrario. Bom, como eu já havia visitado e me encantado por Aiuruoca, decidi começar por lá novamente e conhecer a Cachoeira do Batuque. Segue um relato!
      27/02/2020 - 06/03/2020 - Roteiro:
      Dia 1: Ônibus de São Thomé das Letras até Aiuruoca. Caminhada do centro de Aiuruoca até a Cachoeira do Batuque. Pernoite no Abrigo do Batuque R$40,00 (Distância 6km)
      Dia 2: Abrigo Batuque em Aiuruoca até o centro de Alagoa. Pernoite na Pousada Pica-Pau R$50,00 – (Caminhada de 25km)
      Dia 3: Cachoeira Zé Pena + Corredeira de Itaoca até a Pousada Casarão R$90,00 com café e refeição (Caminhada de 20km)
      Dia 4: Pico do Santo Agostinho ou Pico do Garrafão – altitude 2380 metros (Caminhada de 20km) Pernoite Pousada Casarão R$90,00
      Dia 5: Cachoeira do Facão e Cachoeira do Veloso – (Caminhada 7km) – Pernoite Pousada Casarão R$90,00
      Dia 6: Cachoeira Ingá e Camping do Formigão Amarelo – Pernoite R$20,00 – (Distância 19km)
      Dia 7: Cachoeira do Escorrega (Caminhada 19km) – Pernoite Chalé Formigão Amarelo R$20,00
      Dia 8: Descanso no Formigão Amarelo – diária R$20,00
      Dia 9: Ônibus para Itamonte centro (R$6,00)
      Dia1
      Mapa Aiuruoca até Batuque: https://goo.gl/maps/TFtxScMJkXp2hHoC8
      Atrasado pra pegar o ônibus das 07h30, saí praticamente correndo em direção ao ponto e cheguei no exato momento em que o ônibus passava, só deu tempo de tirar a mochila das costas e subir os degraus. Não deu 30 minutos e uma vontade horrível tomou conta de mim, com aquele sacolejo todo, de repente, eu queria era urinar, foi aí que tive que me concentrar até chegar a Cruzília, quase uma hora de puro desespero. Também me vem um latão sem banheiro e eu estava sem jeito de pedir pra parar na estrada, até esperei alguma deixa, mas depois de sobradinho ninguém mais desceu ou subiu. Umas 08h50 pensei em descer de vez e ir andando até Cruzília, mas sabia que ia melar a viagem já desde o inicio, pois a previsão em Cruzília era de chegar 09h10 e as 09h20 já saia um ônibus para Aiuruoca pela viação Sandra.
      Contudo, aguentei e a minha chegada em Aiuruoca transcorreu perfeitamente. Logo quando desembarquei, me pus a almoçar no mesmo self service de outrora, o Restaurante Central. Além de comida boa é com preço justo. R$16,00. Vale a pena! Com isso, foi só seguir caminhada até a Cachoeira do Batuque, essa cachoeira eu não havia visitado das duas vezes em que estive em Aiuruoca e nesta ocasião eu fui direto e somente pra ela, no que diz respeito a minha passagem em Aiuruoca.
      Vou contar pra vocês que a previsão do tempo não estava nada boa para se fazer caminhadas, os dias estavam chuvosos e não costumo dizer que é um dia ruim, até porque chuva é sempre bem vinda, uma dádiva, uma benção. Por isso eu disse que só não era apropriado para as andanças, mas “era o que tinha pra hoje” e assim se fez. O jeito foi proteger o que não podia molhar e bora walking and singing in the rain...
      Segui sentido Vale do Matutu, ou seja, pela rua à esquerda da Igreja Matriz até encontrar a estrada de chão batido e após 5km, virei à direita, no local tem placas indicando o Vale do Matutu e as pousadas, mais alguns metros adiante e tomei à direita novamente pra chegar até o Abrigo Batuque. Fui bem recepcionado e mesmo na chuva eu parti pra Cachoeira do Batuque, distante uns 30 minutos do abrigo. De cara, após passar uma porteira, começa uma subida num morro, daí se encontra uma via mais demarcada e com 10 minutos se encontra a placa indicando o início da trilha mais fechada até as quedas. Foram mais 15 minutos de caminho autoguiado até se chegar na imensa, surpreendente e bela Cachoeira do Batuque!
      Devido à chuva não fiquei mais que 30 minutos por ali, e voltei pro abrigo. Bom, já devo adiantar que é mais que indicado se hospedar no Abrigo Batuque.

      Cachoeira do Batuque - fev/2020
            
      Legenda1: acesso ao Abrigo Batuque        -------      Legenda2:    subir o morro ida cachu
       
            
      Legenda1: virar à esquerda            --------            Legenda2:  inicio da trilha, esquerda
      Dia 2
      Mapa Batuque até Alagoa: https://goo.gl/maps/2SLAZXdBBcTpb2S28
      Acordei cedinho, com tempo nublado e uma garoa fina, aquele aspecto do dia que não dá vontade de nada fazer. No entanto, eu tinha o anseio de caminhar, de pegar estrada, parecia um remédio que tinha que tomar na hora exata, mas sem hora marcada. Bom, eu ainda estava com uma “carga” pronta pra ser despejada a cada passo dado.
      O dia prometia o trajeto mais longo do meu planejamento, seriam pelo menos 25km do Batuque até o centro de Alagoa. Assim, ainda com o sorriso na boca comecei a pernada. Voltei, como se tivesse indo pro centro de Aiuruoca, às 06h25, mas logo tomei uma curva acentuada para a direita. As placas indicavam as distâncias até cada bairro/povoado. Neste momento nem reparei muito e nem tirei uma foto, depois de 5 minutos eu pensei comigo que deveria ter tirado uma foto só pra ter uma referência a mais.
      Em todo esse trajeto eu tive o Rio Aiuruoca como testemunha, ele sabe que com uns 14km eu tive que abandonar de vez a ideia de andar com tênis e usei um chinelo. Liberdade para meus pés, pois o calçado anterior estava apertado, após certo tempo de uso (meses) e não laceou, uma pena. E com o tênis molhado agravou mais a situação, ainda acho que demorei bastante pra trocar.
      Passaram-se poucos carros por mim, a estrada em muitos trechos estava em condições difíceis de percorrer com carro. Bom, foi chuva por vários dias, e nesta ocasião não tinha sido diferente. Mesmo assim a paisagem se fazia bonita em certos trechos, no Povoado Tamanduá eu parei no mercadinho pra abastecer de alimentos, fiz meu lanche e depois segui novamente. Já tinha se passado das 9h.
      O meu ritmo era de boa, até porque os trechos de lama não permitiam uma velocidade maior. Nesse momento eu ainda tentava evitar me “sujar” muito. Ao chegar no Bairro Nogueira, fiz mais uma parada. Na verdade eu não estava cansado e não se tem tantas subidas nem descidas íngremes e logo me acostumei com a chuva no corpo.
      Após atravessar o bairro de Campina, que se mostrou um lugar bem bonito, diga-se de passagem, eu pausei de novo. Sempre parando num abrigo ou ponto de ônibus e dessa vez do lado de uma placa que indicava 5km pra chegar em Alagoa. Opa, quase lá!
      12h10 eu já estava numa subida, uma lotação escolar subindo também encalhou bem na minha frente, a motorista abandonou por ali e continuou a pé até seu destino, o qual eu não sabia, mas o carro estava vazio, não tinha estudantes. A ideia de tirar o chinelo nas lamas mais profundas foi ganhando força até que uma hora já tava descalço direto mesmo, porém sempre prestando atenção por onde pisava.
      Passei o bairro Ouro Fala e ao chegar no centro, depois das 13h, procurei a Pousada Pica Pau, ao tocar a campainha uma senhora me atendeu, me apresentei e assim fechei a pernoite. Corri pra um banho, pois eu estava todo enlameado e andava assim na cidade e todos me olhavam, estranho rs.
      Após uma boa ducha, fui almoçar de fato no restaurante ao lado da pousada, chama-se Restaurante Pica Pau. Agora, imagina uma comida saborosa... muito bom mesmo e era self service por R$15,00. Pra esse dia só descanso...
      Dia 3
      Mapa Alagoa até Zé pena: https://goo.gl/maps/SMueaH63SD1Tm1nH9
      Mapa Zé Pena até Itaoca: https://goo.gl/maps/cSD1eh2ZtxPKpT2CA
      Mapa Itaoca até Casarão: https://goo.gl/maps/4uBVk6PySQD5BfHQ9
      Mais um dia nublado, mas despertei empolgado ainda, além da expectativa de chegar a Pousada Casarão, eu teria duas cachoeiras para visitar, a do Zé Pena e a Corredeira Itaoca. Com isso, daria em torno de 20km de caminhada.
      Voltei mais pro centrinho até dobrar na rua Jose F. Ribeiro, já em estrada de chão, (barro e lama rs), prossegui mais uma andança. Nesse dia eu já comecei a andar descalço logo de cara, já não ia ficar me preocupando muito. Até a Cachoeira do Zé Pena seriam 5,7km e uma bifurcação à esquerda. Na estrada eu passava por muitos pastos e o silêncio imperava, só os pássaros cantavam. Ainda sem muitas subidas nem descidas.
      Eita Rio Aiuruoca que baita companhia, com 3km veio a bifurcação e tomei o caminho da esquerda, tem até uma placa e no fundo se avista mais um povoado. Assim, com mais 2km eu estava próximo da cachoeira. O acesso fica atrás de uma casa, tem uma ruazinha de acesso, nesse dia estava bem lamaceira mesmo. Ainda bem que tinha uns trabalhadores e pude perguntar o caminho. Já digo que o acesso até a cachoeira tava bem dificultoso, a grama do pasto alta, muita lama e pouca sinalização, mas quando avistei a placa “welcome”, atravessei o curso d’água e na outra margem consegui chegar na queda. Como a correnteza tava bem forte devido as chuvas, só contemplei, comi meu lanche em pé mesmo, fotos e voltei.
            
      Legenda1: atravessar o leito do rio                 --------------------------      Legenda2:       Cachoeira Zé Pena
      O mesmo caminho, mas agora eu ia virar a primeira esquerda pra seguir até a Corredeira Itaoca e passar bem pelo povoado mesmo. Lugar muito simpático, não parei pra prosear mas acenava cumprimentando. Cada vez mais lama e cada vez mais rural. A chuva vinha intermitente. Os passos eram lentos e olhos atentos! Depois de 5km na mesma estrada, virei à esquerda pra já estar na rua da corredeira Itaoca, a corredeira é bem visível!
           
      Legenda1: Panorama Corredeira Itaoca          -----------------------        Legenda2:   Araucárias no caminho
      Faltavam mais uns 8km até a pousada casarão, mas ainda uma parte hard me aguardava, uma subida de 1km pra chegar até a estrada principal que liga Alagoa até Itamonte (LMG-881), muita cautela para atravessar, um pouco de dificuldade pois parecia que não andava, pisei num grampo e sorte que não furou profundo a sola do pé. Ali pensei, O que eu tô fazendo aqui? Haha. As vezes bate esse pensamento, mas é bom, imagina se fosse tudo flores?
      Ao vencer esse trecho que considerei difícil, saí na estrada e de cara um mercadinho, fiz umas compras e mais uns 6km até pousada, só que agora com asfalto e chuva também!
      Têm placas indicativas pra se chegar na pousada Casarão, e de lei que lá cheguei bem sujo, mesmo assim fui muito bem recepcionado pelo Joãozinho e sua família. Ali eu iria permanecer por 3 dias super agradáveis onde deu o tom da magia e tranquilidade dessa viagem.
      Após batermos um papo, fui me ajeitar, pois mais tarde já tinha janta! Na pousada Casarão eles fazem com que os hospedes se sintam em casa. Vale muito a pena passar por lá, seja qual tipo de viagem for a sua, o lugar tem uma ótima estrutura e chalés família, casal, etc. Bom, confira nas redes e verás.  
      Dia 4
      Mapa pico google: https://goo.gl/maps/YUXWA61rnJwAMX8G8
      Após um sono muito confortável, acordei com uma sensação ótima pra se iniciar o dia. Eu havia marcado o café da manhã as 07h com a dona Ana, e assim pude me fortalecer pra subir o Pico do Santo Agostinho ou Pico do Garrafão, que tem no seu cume 2380 metros de altitude. O céu permanecia nublado, mas não se tinha mais chuvas. O café da manhã é muito bem servido e contem, é claro, o famoso queijo parmesão artesanal de Alagoa, no dia anterior o Joãozinho havia me mostrado parte da produção e me encantei, uma pena que dessa vez eu não ia comprar pois ia pesar demais na minha mochila, senão ia trazer umas peças comigo.
      A jornada do dia seria o ponto alto da minha caminhada, alto em todos os sentidos. Muito eu esperava por esse momento e assim me pus a caminhar rumo ao Parque Estadual Serra do Papagaio. Após passar alguns sítios e chegar numa igreja, logo tomei à direita e a subida já se mostrou acentuada e constante. E era isso mesmo, já dizia o ditado quem tá na chuva é pra se molhar. No meu caso só fui presenciar chuva na volta da trilha.
      Foram quase 7km até a porteira que marca o inicio da trilha, ou seja, dali não se passa mais carro. Eu estava acompanhando um mapa wikiloc e em certo ponto me confundi um pouco depois de adentrar a porteira, mas a dica é: a trilha sobe sentido oposto ao de uma casa bonita e é subindo o morro beirando uma cerca.
           
      Legenda1: à direita e inicio aclive           ---------------------           Legenda2:    à esquerda pro pico
           
      Legenda1: pico santo agostinho encoberto                          ---------------------------           Legenda2: primeiro morro vencido
      Após vencer esse morro e com algumas paradas para recompor o fôlego, cheguei na placa indicando “Vale do Garrafão”, um pouco mais de subida até se estabilizar, foi um trecho de quase 3km, a trilha super tranquila de se guiar. Eu sempre atento aos passos pra não pisar em nada que não deveria. O visual estava neblinado o tempo todo, só por um momento que pude visualizar à minha direita o Pico do Papagaio, mas ainda foi pouco perante todo potencial de visual que aquela região tem. Logo adiante, e quase chegando na parte final da trilha, consigo visualizar o Pico do Santo Agostinho, mas rapidamente a neblina o cobriu novamente. Nesse último trecho a trilha se faz por uma mata fechada pra depois abrir nos campos de altitude.
      Eis que após 3h30min de caminhada, cheguei no grande topo do Pico do Santo Agostinho (ou Pico do Garrafão). Lá no alto andarilhei, vi todas as possibilidades de visual (neblina) e também as possibilidades de acampamento, realmente é muito bacana o espaço pra acampar lá no topo. Legal de lembrar sempre de manter uma preservação e seguir uma boa conduta em meio a natureza.
      A única coisa que me incomodava era o meu tênis! Complicado mesmo, e fazia tempo que não passava por isso. Se não fosse tal incomodo minha volta seria bem mais tranquila, no entanto tive que fazer diversas paradas e andar todo torto rs. Contudo, com 3h de trilha eu estava de volta na Pousada Casarão, de lei aquele merecido descanso!
            
      Legenda1-  inicio vale do garrafão 2,7k                                           -----------------------------------            Legenda2- visu do Pico Papagaio
                 
      Pico Santo Agostinho ou Pico do Garrafão
               
      Dia 5
      Mapa Cachoeira do Facão: https://goo.gl/maps/cpZ7gTBPjtbSGWXX8
      Já é Março, nesse dia acordei um pouquinho mais tarde, no planejamento inicial eu havia deixado pra ir até as principais cachoeiras do bairro quilombo, mas resolvi alterar e fazer um pouco mais light, afinal de contas eu fiquei bem satisfeito com o rolê até então. Por isso o novo plano era ir até a Cachoeira do Facão e depois a Cachoeira do Veloso, passei também pela Cachoeira Boa Vista, que fica bem no acesso ao Bairro do Engenho, porém a trilha se mostrou bem fechada, eu tava light rs. Andei uns 7km ao todo.
      Conforme os dias iam se passando o tempo ia abrindo de pouco em pouco, A Cachoeira do Facão que era chamada de Cachoeira da Usina antes, fica a 3km da Pousada Casarão e é só pegar a estrada sentido Alagoa e virar no Bairro Companhia. Ao descer a rua, tem uma placa indicando a trilha no meio do pasto. Trilha demarcada e depois vem um trecho íngreme, tem até umas cordas de apoio em momentos mais críticos, mas no geral é uma trilha curta e tranquila.
           
      Legenda 1 - entrada trilha cachoeira facão                  -----                     Legenda 2 - entrada trilha cachoeira facão
           
      Legenda 1 - Cachoeira do Facão por cima           -----------------                Legenda 2 - cachoeira facão por baixo

      Queda bonita, Cachoeira do Facão
      A outra cachoeira era a do Veloso, pra ir eu tive que voltar a pousada e seguir por mais uns 500 metros e pronto, à direita tem uma trilhinha e então segui pelo leito do rio pra se chegar na queda mais acima, parece ser meio fechado, mas é tranquilo. E do lado da pousada!
           
      Legenda 1: trilha saindo da estrada           --------------                     Legenda 2: Uma Queda, Cachoeira Veloso
      Dia 6
      Mapa Casarão até Formigão: https://goo.gl/maps/kPbxhpotyVD4RfBy8
      Minha última manhã na Pousada Casarão, mais um café da manhã farto e ainda pude fazer um lanche para a caminhada do dia. O destino era o Camping Formigão Amarelo em Itamonte e dar uma passada antes na Cachoeira Ingá, no bairro Quilombo. Bom, a queda eu só vi de panorama mesmo. Segui a estrada e agora com fone de ouvido eu entrei numa brisa muito dez, pus minha playlist pra funcionar e assim fiz uma caminhada agradável por demais. Veja bem, Minas Gerais ajuda também, muitas montanhas ao redor, o clima rural ameno, respirando aquele ar puro por dias já. Eis um cara mais uma vez transformado pela caminhada, eu mesmo. Com 1 hora e 30 minutos de caminhada, uma rapaz me ofereceu uma carona. Aceitei e assim pude bater um bom papo até chegar ao camping formigão amarelo, foi mais uns 10km de estrada, que ora era asfaltada ora de terra ainda. Quando começou a descida de serra eu fiquei atento e ao passar o Mercadinho do Bairro Cachoeira, veio o portão do camping, pedi pra descer e já me despedi, poxa adiantou um bom lado!
      Bati palmas e ninguém me atendia, o portão tava aberto e então adentrei pra ver se a recepção era mais pra baixo. O camping apesar de bem estruturado estava com ar de que não tinha ninguém ali por um tempo, voltei pro portão e lá tem um chalé bem do lado, vi que tinha umas roupas e resolvi chamar novamente. Daí então apareceu uma senhora e disse que estava hospedada lá e que os proprietários estavam viajando. De prontidão ela disse que ia pegar o número do whats app deles e me passou também a senha do wifi.
      Logo entrei em contato, e demonstrei interesse de pousar no chalé de baixo, que era rústico de madeira. A diária era de R$20,00. Só fui checar se estava aberto e sim, estava. Confirmado e então era só eu entregar o dinheiro no centro de Itamonte, pois lá eles têm uma funcionária numa lan house. Chamei a senhora novamente, mas acho que ela não me ouviu, então resolvi descer.
      Só deixei as coisas, relaxei um pouco e com um tempo de sobra, fui ver como era o acesso a Cachoeira da Conquista, e não estava muito a fim de fazer trilhas longas, pois estava de chinelo, não queria usar aquele tênis mais nunca rs. Quando fui sair o portão estava trancado, ou seja, a senhora saiu e nem percebeu que eu estava por lá. Arrumei um jeito de sair e segui rumo ao bairro da conquista. Descendo à direita do camping, logo virei à esquerda e segui numa boa em mais um povoado rural. Muita tranquilidade por sinal, muitos pastos e aos poucos a vista da Serra da Mantiqueira ficava mais linda. Nessa tarde o tempo já estava ensolarado. Andei por uns 40 minutos e logo percebi que não tinha nada de sinalização da Cachoeira da Conquista. Enfim, conforme o mapa que eu tava mostrava de fato o começo de um leito do rio, mas de acordo com algumas informações que colhi teria mais uns 40 minutos de trilhas. É, realmente não dava naquele momento. Uma pena!
      Andei mais um pouquinho subindo mais só pra ver se não tinha alguma placa mais acima e do nada me deparo com uma moça na beira da estrada, sentada e ouvia um som. Era a mesma senhora que me atendeu no camping, que coincidência. Ela estava rezando ali e logo voltei pra não atrapalhar! Assim, foi essa breve caminhada pelo bairro. Passei no mercadinho do bairro Cachoeirinha e fiz um rango/ lanche para aquela tarde! Na paz. Nesse dia eu devo ter andando uns 10km.
      Dia 7
      Mapa Formigão até Cachoeira Escorrega: https://goo.gl/maps/FqbvfZNNWn9mDKnJ9
      Mais uma manhã que eu acordo extremamente bem, e realmente apesar da boa disposição eu fiz mais uma mudança no roteiro, a intenção era ir para a grande Cachoeira da Fragaria, porém de ida e volta daria uns 40km e mesmo que conseguisse alguma carona ainda ficaria muito para caminhar. Então resolvi ir para a Cachoeira do Escorrega, distante menos de 10km do camping e assim peguei estrada, bem de manhã.
      Sentido Itamonte eu segui por uns 5,5 km, até que avistei a placa Usina dos Bragas, então tomei à direita rumo ao Bairro do Morro Grande. Mais 600 metros fiz uma curva à direita de novo e então em 2km eu estava próximo da Cachoeira do Escorrega, já perto da cachoeira tem uma placa indicativa. Se for de carro cobra-se estacionamento, coisa de R$5,00.
      Com uma água bem gelada, que não tive coragem de testar o tobogã natural, o lugar guarda sua beleza. São varias quedas para poder refrescar num dia de calor, ali parece que costuma lotar nos finais de semana. Bati umas fotos, comi meu lanche e fiquei numa boa ali! Paz maior não existe, o sol já era bem presente no dia. A caminhada foi sensacional! Vale muito a pena.
      Caminhada do dia: ida e volta uns 20km.
            
      Legenda 1 - indo pra Cachu Escorrega, direita                 ------------            Legenda 2 - Usina dos Braga
           
      Legenda 1 - esquerda, poucos metros       ----------------------       Legenda 2 - primeira corredeira

      Cachoeira do Escorrega - Itamonte - MG
      Dia 8 e Dia 9
      Tirei o dia pra descansar já que o camping era propicio para isso. Recomendo o Camping Formigão Amarelo, eles contam com algumas atividades como tirolesa no próprio local, tem uma cozinha comunitária, churrasqueira, banheiros com chuveiros quentes e preço bom! Esta a 13km do centro de Itamonte.
      Na minha estadia, pude refletir na pura tranquilidade, por ora comecei a relembrar a leitura de Walden ao visualizar o chalé de madeira, só que em meio aos eucaliptos o bosque.
            
      No centro de Itamonte eu ia embarcar no ônibus para São Lourenço e depois, para Três Corações (passou por Cachoeira do Carmo, Jesuania, Lambari, Cambuquira). E, por fim, embarquei num ônibus para São Thomé das Letras. Tomei ciência de um ônibus que ia até o centro de Itamonte, horário único, as 07h, a um custo de R$6,00. Esse ônibus sai de Alagoa as 06h e volta às 15h. Fica aí a dica. (o preço de Alagoa até Itamonte eu não sei). É bom até pra mim, pois quem sabe logo poderá ter outros passeios por essa região que tanto me agrada!
      Faltou com certeza a Cachoeira da Fragária, mas ainda darei um jeito de visita-la e emendando com outro pico.
      Assim é Pé de Natureza! Até a próxima!
    • Por Carlosfuca
      Olá! Deixo um breve relato sobre minha visita à Aiuruoca, sul de Minas Gerais, parte da Serra da Mantiqueira, e que se divide em dois momentos distintos, primeiro visitei o Vale do Matutu e em outra ocasião fui ao Vale dos Garcias, segue o texto. (Janeiro de 2020)
      Vale do Matutu, Camping O Panorâmico – Aiuruoca - MG.
      Ah Minas Gerais, esse mundo travestido em estado brasileiro. Aiuruoca resguarda tranquilidade, magia e paisagem deslumbrante nesse lado sul de minas. O destino foi o Vale do Matutu em Aiuruoca e assim acampei no Panorâmico, foram quatro dias de pura paz.
      Foto: Cachoeira do Fundo - Vale Matutu
      Após algumas pesquisas feitas sob um efeito da empolgação, pois cada vez que mais lia sobre a cidade mais eu me encantava e mais eu queria visita-la. Há de se falar que as recomendações que escutei também foram cruciais para que eu escolhesse esse pedaço do paraíso que se denomina Aiuruoca. Assim parti de São Thomé das Letras utilizando de transporte coletivo e fiz também uma bela caminhada até este destino.
      Esse ônibus partiu da rodoviária de São Thomé as 07h30 da manhã, trajeto diário até Caxambu sendo que até a cidade Cruzília a estrada é de terra. Depois se passa por Baependi até chegar a Caxambu. Fiquei em Cruzília mesmo, paguei R$12,50 (Jan/20). Desembarquei as 09h15 e as 09h20 já chegou o próximo ônibus sentido Aiuruoca, essa linha é a viação Sandra que opera e paguei R$17,05 (Jan/20).
      Em Aiuruoca não se tem uma rodoviária propriamente dita, as passagens são compradas na Lotérica Cibele ou com o motorista mesmo, depende da linha e horário. Ao desembarcar já segui direto pro Vale do Matutu, o plano era chegar ao Camping O Panorâmico, mas antes passar pela Cachoeira Deus Me Livre, que fica no meio do trajeto de quase 11 km entre o centro e o Panorâmico. Assim ajeitei a cargueira nas costas e partiu.
      Ao pegar a rua à esquerda da igreja matriz, segui diretão até encontrar a estrada de terra. O dia estava bem ensolarado e a paisagem muito bonita, algo pra se ajudar numa caminhada sob o sol. Em seguida, rapidamente um carro parou e, por incrível que pareça, me pediu desculpas rs. Na hora eu estranhei, mas logo um senhor acompanhado de uma moça no volante, me disse que não poderia oferecer carona porque o banco de trás estava lotado de compras. Esse ato realmente me surpreendeu, foi de uma gentileza enorme e que eu nem esperava, poxa eu nem havia acenado. Comentei com as pessoas depois que gostaria de atingir tal nível de gentileza, fica aí uma lição das várias que temos numa viagem.
      Adiante, consegui uma carona até a Cachoeira Deus Me Livre, que fica um pouco depois do Pocinho, um moço me deixou na porteira que se inicia a trilha (uma subida bem íngreme), agradeci a ajuda espontânea do colega e assim segui pelo pasto de uma propriedade. Logo a trilha se fecha em meio a mata e então veio um córrego pra se atravessar, pós travessia desse rio, a trilha seguiu sobre um tronco de árvore esticado no chão apontando para a esquerda. Então com mais 20 minutos cheguei numa bela queda, com um poço bom para banho. Apesar da mata ser mais fechada o sol batia ali reluzindo todo aquele ambiente. Que cena linda! Ainda consegue-se avistar outras quedas mais acima, meio que escondidas, mas que possuem trilha até lá. Eu não fui devido a cargueira, me joguei foi pra um banho na primeira queda mesmo!
      Quando voltei pra estrada de terra, continuei a subida de onde havia parado, a presença do sol marcada fortemente até que um ponto de água apareceu junto a uma santa moldada numa curva à direita da subida. Ali refresquei de leve para já logo avistar a estalagem mirante, uma pousada. Um minuto depois consegui outra carona e agora sim fui direto pro camping, um casal muito gente boa me deixou na cara do gol.
      Camping O Panorâmico
      Enquanto o Odilon fazia uma breve manutenção em seu carro, eu relatava sobre minha trajetória, assim batemos um papo rápido e fui montar minha barraca. Passei a tarde numa boa, só descansando, pois o dia seguinte prometia e o rolê seria a subida ao Pico do Papagaio (bate-volta).
      À noite o pessoal que estava acampado se reuniu pra fazer uma janta coletiva, eu nem pude participar devido o meu sono, capotei que nem vi mais nada até o amanhecer do dia, as 05h30.  
      O Panorâmico tem um ambiente agradabilíssimo, cozinha coletiva, um restaurante, um vasto espaço para acampar com diversos pontos de energia e luz. A tranquilidade impera com simplicidade e hospitalidade. Vale muito a pena. Indico demais esse camping pra  quem deseja ir ao Matutu. (Site: http://www.opanoramico.com.br/)
           
      Legenda: Cachoeira Deus me Livre - Legenda: Um dia lindo de sol
           
      Legenda: Chegando na queda - Legenda: Porteira de Inicio da trilha
      Vou pular de dia, vou pro terceiro de minha estadia em Aiuruoca, pois escrevei sobre o pico do papagaio num texto isolado, mais abaixo.
      ***
      O plano foi então ir até a Cachoeira do Fundo, no entanto, eu queria passar pela Cachoeira dos Macacos (3 km do camping), pelo Casarão do Vale do Matutu (acredito que uns 6 km do camping), e então começar a minha trilha.
      Ao chegar no casarão aproveitei que o Café da Roça estava aberto e comi uns lanches, assim fiquei mais preparado pra prosseguir a caminhada. Eu tinha um relato em mãos pra chegar até a cachoeira do fundo além de uma cópia do mapa da trilha, me ajudou bastante e vou deixar o link no final do texto. Em todo o trajeto identifiquei, em geral, duas bifurcações, todas sinalizadas. A primeira devemos seguir à direita (placa Patrimônio), pois a esquerda chega ao restaurante da Dona Iraci. Por questões de preservação, carro não passa nesse trecho a não ser dos moradores. A outra bifurcação aparece com mais uns 25 minutos de caminhada e tem uma placa mais discreta indicando o caminho à esquerda, do lado direito tem uma casa logo após ter passado um riacho. Agora então é só seguir a trilha, vem uma subida e mais um pouco se chega à Cachoeira do Meio, o barulho em meio a mata fechada aumenta bastante devido o volume de água, é quase impossível passar pela cachu sem percebê-la. Uma escapada rápida à direita e já está na queda.
      Contudo, para continuar até a do fundo, volta-se para a principal e logo terá uma vista panorâmica da Cachoeira do Fundo que é bem alta. A partir de então não tem erro, é preciso apenas tomar muito cuidado caso queira chegar bem próximo das quedas, a subida é íngreme e de certa forma exige atenção e cautela. Como eu estava sozinho fiquei apreensivo algumas vezes, mas correu tudo ok.
      Ao chegar lá no meio da queda, pude avistar a trilha que eu havia caminhado e percebi que a chuva já estava caindo por lá. Sendo assim, nem pude fazer muito tempo de contemplação e me pus a voltar. Foi dito e feito, fiz a maioria da volta sob uma chuva bem refrescante e fiquei contente de ter feito a volta na hora certa, pois o trecho mais difícil já havia passado quando me trombei com a chuva.
      Eu ia até almoçar na Dona Iraci, porém eu estava muito sujo pra entrar no estabelecimento e resolvi passar no mercadinho que fica próximo do casarão pra comprar as coisas pra cozinhar no camping. Enfim, voltei bem de boa com os pingos de chuva me acompanhando bem de leve.
      Pensa num descanso que tive no camping, apesar da jornada ter sido prazerosa foi bem cansativa. Não seria pra menos, o paraíso deve ser aproveitado de todas as formas seja em atividades ou na calmaria!
      Pé de Natureza!
      Mais informações aqui:
      https://7cantosdomundo.com.br/cachoeira-do-fundo-em-aiuruoca-mg/
      Dicas gerais para prática de trilhas na natureza!
      https://pedenatureza.blogspot.com/2019/01/dicas-gerais-para-pratica-de-trilhas-na.html
           
      Legenda: Cachoeira dos Macacos - Legenda: primeira parada do dia
           
      Legenda: Entrada do Matutu - Legenda: Seguir à direita aqui (Tia Iraci)
           
      Legenda: Agora à esquerda - Legenda: parada na Cachoeira do Meio
           
      Legenda: panorama na trilha - Legenda: primeira parte da subida
           
      Legenda: Subindo mais e mais - Legenda: Subi até aqui só
      Pico do Papagaio via o Panorâmico – Aiuruoca - MG
      Janeiro de 2020
      Quais máscaras usamos na vida? Quantas são essas máscaras que cobrem nossas faces, moldam nossas posturas e modificam nossas atitudes? Certamente um pouco que introspecção se faz necessário para desvelar tais respostas, mesmo que não se alcance uma exatidão. O procedimento de, em algum momento da vida, buscar se autoconhecer não deveria ser tido como algo individualista e momentâneo, mas como uma forma de vida. Por vezes, o retorno que se tem de si é de uma pessoa fracassada em sua procura de liberdade, pois se está presa nas emoções e sentimentos reprimidos, e que o auto isolamento acaba por afastar o risco de manifestação dessas repressões. Bom, se caso em algum dia passar por esse tipo de reflexão confusa e um tanto superficial, o fato é que visitar, estar ou até mesmo morar em lugares dotados de magia e boas energias é o mínimo que se pode fazer para amenizar os desequilíbrios contidos no ser.
       
      Cada vez que subo uma montanha eu me sinto uma pessoa melhor, são lições mínimas que a cada passo se torna algo enorme apesar de imensurável. Vale lembrar que o Pico do Papagaio faz parte do Parque Estadual Serra do Papagaio e pertence à cadeia de montanhas da Serra da Mantiqueira. O parque abrange diversos municípios tais como Baependi, Alagoa, Itamonte, Pouso Alto e o já mencionado Aiuruoca.
      Existem algumas trilhas e diversos pontos de base para encarar essa jornada, eu escolhi o Camping Panorâmico, Vale do Matutu, de lá foram 7km até o cume, foi uma trilha bem demarcada, sem muitas bifurcações difíceis, só que com um pouco de inclinação acentuada logo de inicio, mas nada de muito técnico.
      Acompanhado de alguns mapas do wikiloc, que no caso tirei uns prints pelo celular, comecei a subida as 07h30 da manhã. O tempo aparentava instável, apesar de se ter ainda sol e partes de céu azul. Na real, não é aconselhável ir na época que fui, no verão, pois todos os dias estava chovendo na região e tomar chuva em montanha não é uma boa, sobretudo com o risco de incidência de raios. Sendo assim eu decidi ir devido a uma janela de tempo com sol mesmo sabendo que teria que ficar muito atento a mudanças repentinas no ambiente.
      No dia anterior troquei um breve papo com o Odilon do camping e uma informação importante que me lembrei foi que logo na primeira parte da trilha eu teria que atravessar uma casa, ele disse que os cachorros latiriam bastante, mas que não iriam me morder. Ainda bem que ele avisou porque se eu não tivesse esse alerta talvez eu desistisse de passar ali rs. A trilha continua como se não tivesse a casa e logo depois uma bifurcação mínima, a da esquerda é a trilha mais demarcada, a outra também sobe e parece uma espécie de atalho, porém mais utilizada pelos cavalos da propriedade.
      Subida firme durante um tempo e logo já se tem as primeiras vistas da paisagem desse pedaço lindo do sul de Minas Gerais. A vegetação avistada é de Mata Atlântica sendo que mais acima terá a transição aos Campos de Altitude conforme a altitude se eleva. Vale lembrar que se tem um desnível até que considerável nesses 7km de trilha, que se aproxima dos 900 metros. Nisso a trilha continuou revezando por mata mais fechada e algumas vezes passando por pastos.
      Após 1 hora de caminhada passei a ver a pedra de frente e então ia me aproximando de sua base, logo veio uma placa indicando que faltavam 4,80km para o mirante e assim segui à esquerda. A trilha permanece bem demarcada e agradável, e lógico que fui fazendo as paradas necessárias para recompor o fôlego e as energias. Já próximo da base da rocha se tem outra placa avisando que restavam 3,46km. Bora lá!
           
      Legenda: - Legenda: 
      Logo veio uma espécie de portal ou mini gruta que aparece na direita, mas o destino é permanecer na trilha.  Uma guinada para a esquerda. Bom, ao analisar o mapa dá pra perceber que a trilha faz um contorno na grande rocha, então, ao chegar à base da mesma não perca essa noção. A trilha se afasta um pouco da rocha. E vai chegar o momento de encontro com outras trilhas e cada vez mais vai unificando o caminho rumo ao Mirante do Papagaio.
      Eu avistei muita jabuticaba caída na trilha, acho que era isso mesmo, não provei rs. Adiante, eu saí num descampado e com uma vista para duas quedas em meio à montanha, cenário muito lindo sempre a alimentar cada vez mais o fôlego do trilheiro. Depois cheguei nas áreas de acampamento e agora já estou em direção à pedra novamente, trilha demarcada ainda e com algumas placas indicando o caminho certo para cada trilha, que foi muito útil para volta, já que se pode entrar em trilha diferente, sempre vale estar atento. Tanto na ida quanto na volta!
           
      Legenda: Quedas ao longe - Legenda: área de acampamento
           
      Legenda: Outra área de acampamento - Legenda:chegada ao pico
      Eis que com 2 horas e 45 minutos eu atingi o Pico do Papagaio com seus 2105 metros de altitude com relação ao nível do mar. O visual estava semiaberto na direção de Aiuruoca, no oposto vinha marcada uma chuva e de fato não demorou muito, enquanto eu comia meu lanche, após ter tirado algumas fotos, os pingos vieram até mim. Não teve jeito e então com uns 30 minutos lá no topo eu tive que voltar. Protegi a mochila e tudo o que não podia molhar e iniciei minha volta, ainda com um lanche na boca. Mantive a calma, pois o trecho final tem umas rochas escorregadias, sempre cautela e paciência. Se necessário utilizar as mãos ou descer arrastando mesmo.
      Bastaram 15 minutos e a chuva cessou, porém preferi continuar a descida numa boa, já que se tinha essa possibilidade do tempo virar de novo. Com isso pude curtir mais ainda a trilha na volta, bem na calma, e cada vez mais satisfeito de estar ali, a adrenalina da subida já não imperava tanto ali na volta e quando o cansaço bateu eu já estava próximo do camping novamente. Desci com 2 horas e 10 minutos e ainda era 13h da tarde! Então ainda tive um bom tempo pra almoçar, tomar uma bela ducha e curtir o Panorâmico da Pedra alcançada no dia! O desejo que fica então é o de poder apreciar o Pôr do Sol ou o próprio nascer do sol após um acampamento, mas aí tem que ser no inverno mesmo. Por ora é só gratidão e que boas vibrações possam modificar minha vida pra melhor, lógico que sem querer ser ganancioso, mas que eu possa tirar proveito dessas lições implícitas no ato de caminhar em meio à natureza!
           
       
           

      Cachoeira dos Garcias, Aiuruoca - MG 
      28 - 30/01/2020
      Muito embalado pelo som de Durutti Column (Estoril À noite), fui descansar um pouquinho em meio a natureza de Aiuruoca (novamente). Dessa vez o destino foi o Vale dos Garcias.
      Parti de São Thomé das Letras bem cedo, pois o ônibus diário sai as 07h30 da rodoviária até Caxambu. No caso eu parei em Cruzília porque ali logo em seguida já chegava um ônibus da Viação Sandra com destino a Aiuruoca. 
       Preço: São Thomé x Cruzília (R$12,75), Cruzília x Aiuruoca (R$17,05).

      Uma boa caminhada me esperava quando desembarquei em Aiuruoca, lá pelas 11:15 da manhã. Assim, já providenciei de almoçar no restaurante bem ao lado onde o busão para. A comida é muito boa e é self service por R$16,00, lá eu também tinha almoçado da outra vez que estive em Aiuruoca. Depois de muito bem alimentado, inclusive tive que repetir o rango, pois a Abobora tava show de bola, dei inicio a pernada. 
      O sol estralava e meio dia (12h00) eu comecei a seguir o caminho correto. Um pouco antes eu havia tentado uma estrada indicada pelo google maps como um trajeto mais curto pra quem tá a pé, no entanto, essa estrada dava em sítios apenas, se tivesse alguma ligação para a estrada do Vale dos Garcias deveria ser por trilha. Decidi voltar!
      Não perdi nem 20 minutos e eu já estava orientado, agora ao adentrar a estrada do Vale dos Garcias não tem erro e nem perigo de se perder, enfim o trajeto é sinalizado onde existe necessidade e indica também as quilometragens. Pra quem vai de ônibus de Caxambu x Aiuruoca, pode descer antes de chegar no centro, é bom avisar o motorista ou o cobrador que com certeza saberão informar o local de descida. No mais, é melhor ainda estudar bem o mapa de onde se pretende ir.
      Acredito que por esses tempos eu tenho me achado um andarilho contente, caminhando por belas paisagens e curtindo minha paz. Mas para ir aos Garcias eu sofri um pouco rs. Foi aí que eu vi o cansaço bater de vez, e uma pena não ter tido nenhuma caroninha no trajeto todo. Bom, sei que era meio de semana, plena terça-feira, e eu tava de chinelo e tal, mas mesmo assim valeria uma carona hein. Sei também que não se passava muitos carros. Enfim, ao todo foram mais de 4 horas camelando sob o sol e muita subida de fato e cada vez mais minha cargueirinha ia aumentando seu peso exponencialmente rs.
      Ao longo dos 3km iniciais, a estrada se manteve em boas condições, digo isso mais pra quem tá de carro. Apesar de que, no geral, é tranquilo subir a serra até os Garcias de carro. Talvez o último quilometro até a chegada do restaurante é que a situação complica mais.
      Com quase 5km se chega numa base do Parque Estadual Serra do Papagaio, é interessante para pra deixar o nome e fortalecer a visibilidade do parque. Quando eu passei estava fechado, se não estivesse eu faria um a pausa ali. A partir de então já se começa a ter alguns calçamentos em locais estratégicos para subida, e assim vai se revezando durante a subida.
      Eu fiz umas cinco pausas, caminhei na mais pura calma, pois não adiantava ter pressa, o jeito era procurar esquecer que se estava exausto. Por vezes eu olhava para trás e o visual esplêndido eu pude apreciar, além do Pico do Papagaio e sua serra se tornar imponente à minha esquerda.
      Quando passei pela pousada canto das bromélias eu voltei a ficar mais de boa com a caminhada, dali faltava uns 3km ou menos. Com a garrafa abastecida de água novamente, continuei mais energizado a parte final.
      No último km, já em propriedade do restaurante, desci na calmaria até encontrar com a Camila que me atendeu e mostrou como funcionava o camping. Diária com café é R$50,00 e sem café é R$25,00. As duas diárias eu fiquei sem café, pois o restaurante estaria fechado na quarta-feira, dia seguinte da minha chegada. No entanto, não tive problema alguns os funcionários foram muitos solícitos comigo, no sentido que coaduna com o ambiente natural ao qual eles vivem. Só tenho a agradecer e indicar pra quem quer ficar um pouco em paz.
      O local é muito bem estruturado e procura se encaixar em meio a natureza preservada, ao invés de eu descrever vá conferir os perfis das redes sociais deles. Posso adiantar que se pode almoçar com vista panorâmica da Cachoeira dos Garcias!
      A Cachoeira dos Garcias
      Não liguei pro meu aparente esgotamento físico e, após montar a barraca, segui pra Cachoeira dos Garcia. Lá é tudo muito bem sinalizado e tem suporte (corrimão) para descer a trilha. Bom, ali logo de cara têm duas opções, a queda em si ou ir para a prainha. Nesse final de tarde eu fui pra queda.
      Controlando minha avidez, mas chegou a minha vez e assim se fez o meu visitar a uma belíssima cachoeira, forte, límpida e constante. Por vezes, direta, remediadora e alucinante. 30 metros de queda livre formando um poço incrível o que se denomina Ribeirão do Papagaio.
      O meu roteiro era basicamente este e o dia seguinte inteiro eu pude contemplar estas belezas da natureza.
      O camping é lá no alto da montanha, tem um visu super dez, inclusive ao anoitecer eu via diversos relâmpagos ao invés de estrelas, e não deu outra que a chuva veio. De lei que minha barraca molhou e tive que migrar pra um lugar coberto e largar a barraca, bem na madrugada. Mas enfim, são ossos do oficio e no caso eu sempre carrego um plástico pra cobrir a barraca, porém eu peguei o mais curto e não cobriu por inteira. Ainda bem que dormi tranquilo mesmo assim!
      ***
      Amanheceu e lá pelas 07h eu voltei pra minha barraca, dormi mais umas 3 horas e depois parti para a prainha. O sol não estava forte e permanecia a maior parte do tempo coberto de nuvens. Mesmo assim me deslumbrei com o que vi na Prainha. Só não entrei na água, nem me deu vontade. Apenas descansei bastante a meditar naquele templo natural de todas as forças maiores. Adiante, fiz uma trilha e saí em outras quedas e corredeiras. Tudo muito em paz!
      Claro que tive voltar até a majestosa Cachoeira dos Garcias e não foi só uma vez não, após o almoço também. Também tudo ali bem pertinho e eu já tinha caminhado bastante pra chegar até ali, o jeito foi aproveitar e me energizar positivamente.
      ***
      Nada como um dia após outro dia, eis que à noite o céu estrelado se concretizou, não pude deixar de deitar na grama com as luzes todas apagadas e curtir o momento. Eu estava relax no nível máster rs. A volta foi feita ainda sob efeito dessa boa energia emana e concentrada também em mim. O visual pra se voltar a cidade é bem mais de tirar o fôlego e ainda mais o dia estava amanhecendo. Que show! A cada passo se descobria mais toda a serra do papagaio, agora à minha direita e por vezes na minha frente. Se eu comecei a pernada um pouco antes da 06h00 da manhã, as 09h00 eu já estava tomando o café da manhã na padaria de Aiuruoca.
      Ah e têm dois horários de ônibus pra Caxambu, um as 10h00 (Viação São Cruz) e outros as 11h15 (Viação Sandra), R$19,00!
      Me parece que Aiuruoca não está com um turismo massificado, não sei o que os locais acham, mas acredito que seja bom, apesar de o turismo movimentar a economia, mas nem tudo é dinheiro, é bom manter o equilíbrio em tudo!
      Pé de natureza, até!
      Fotos: 
           
      Legenda: Cachoeira dos Garcias
           
      Legenda: vista do camping - Legenda: prainha garcias    
           
      Legenda: prainha garcias - Legenda: após breve trilha   
            
      Legenda: um dia assim - Legenda: Continuação garcias    
           
      Legenda: casa maneira - Legenda: de volta no amanhecer    
         
      Legenda: Serra do Papagaio - Legenda: bem sinalizado
    • Por maizanara
      Este post é um relato sobre o auge de nossa viagem pela Patagônia: o Parque Nacional Torres del Paine (TDP),  símbolo da beleza exuberante da Patagônia Chilena e o destino dos sonhos dos amantes da natureza de todo o mundo. Vamos contar como foram os 5 dias de trekking, o famoso Circuito W.
      Tem muitas outras informações no meu blog: www.mawaybr.com.br
      Tem um post com os custos desta viagem AQUI e outro sobre como fazer as reservas AQUI.
      Acompanhe nossas aventuras no Facebook ou Instagram
        Relato de Viagem">Relato do trekking realizado de 12 a 16 de Janeiro de 2017. Dia 1 - atento às regras
      Caminhamos desde o nosso hostel em Puerto Natales até a rodoviária. Compramos a passagem no próprio hostel. Existem várias empresas que fazem este percurso e não há diferença significativa no valor.
      A rodoviária fica lotada de trilheiros com suas mochilas enormes! Todos muito animados para a trilha de suas vidas. Durante o percurso até a entrada do parque é possível ver os guanacos pulando as cercas e a linda cadeia de montanhas ao fundo.
      Na Portería Laguna Amarga enfrentamos uma longa fila para preenchermos o termo de compromisso e pagarmos a taxa de entrada.
      É necessário assistir um pequeno vídeo com informações gerais e as regras do parque. Uma das mais importantes: não é permitido fazer fogo fora das áreas delimitadas(!!!). Entramos em outro ônibus (valor já incluso) que nos levou até a Portería Pudeto.
      CRIAMOS UMA COLEÇÃO DE CAMISETAS INSPIRADA NO CIRCUITO W, VEJA AQUI.

      Fomos os últimos a pegar o catamarã que cruzou o Lago Pehoe. A viagem não poderia iniciar de melhor maneira, à nossa direita, o imponente Los Cuernos! Compramos o bilhete do catamarã durante o trajeto.   Chegamos ao Refugio Paine Grande sem reservas e por sermos os últimos a chegar no camping, as meninas da recepção nos deixaram ficar. Muito obrigada, meninas! (AVISO: aconselho fortemente que você não faça isso!! )
      Armamos a barraca, deixamos nossas mochilas e fomos apenas com a mochila de ataque até o mirante Grey. Muito cuidado com as comidas deixadas nas barracas, a raposa-colorada (Lycalopex culpaeus) adora lanchinhos fora de hora. Infelizmente, o que mais me impressionou neste percurso não foi a linda paisagem ao meu redor, mas o resultado do maior incêndio florestal do Chile em 2012: 18 000 hectares  queimados. Uma tristeza  ver as marcas desta grande tragédia e por isso repito: siga as regras do parque, não faça fogo nem use seu fogareiro fora das áreas destinadas. Precisamos cuidar e respeitar a natureza. Aquele lugar é espetacular e todos têm o direito de visitá-lo e apreciá-lo. Depois de quase 3 horas de caminhada e muito vento no caminho, chegamos ao Mirador Grey. O tempo estava bem fechado. A geleira Grey se misturava com o céu e não dava para saber onde terminava a geleira e começava o céu. A geleira é um local impressionante! Dia 2 -  café com montanha
      Após uma noite de muito vento (dica: monte muito bem sua barraca!), tomamos café na cozinha do acampamento com uma vista incrível, arrumamos tudo e saímos.
      Logo no início da trilha, na Portería Lago Pehoe, o guarda-parque pediu para ver nossa reserva impressa do acampamentoItaliano, reservas confirmadas, pé na trilha! A cadeia de montanhas Los Cuernos estava bem escondida, mas conforme nos aproximávamos dela, mais ela aparecia, e uma caminhada de 2,5 horas, fizemos em incríveis 4,5 horas. Haja foto!
      A alegre chegada ao acampamento Italiano é anunciada pela ponte que temos que atravessar e deu um medinho! Como venta muito, ela parece bem instável. Fizemos o check-in no acampamento, conversamos com os guardas e fomos preparar nosso jantar.
      Decidimos não fazer nenhuma outra trilha neste dia pois a trilha para o Mirador Britanico fecha às 17h e a do Mirador Frances às 19h. E quando digo que a trilha fecha, ela fecha mesmo, pois um dos guardas percorre a trilha até o final para garantir que não há mais ninguém na trilha (todos os dias, imagina!).
      Dia 3 - doce ilusão
      O vento faz parte da Patagônia, aceite! Eu acordei assustada a noite, pois dormíamos debaixo da copa das árvores e o vento balançava seus galhos com força. E o medo daqueles galhos caírem sobre nós?
      Não, nenhum galho caiu, ufa! Deixamos nossos pertences no acampamento e seguimos em direção ao Mirador Britanico com nossas mochilas de ataque. Todo mundo larga suas mochilas no acampamento, isso é bem normal (também algo que tive que aceitar me acostumar). Quando chegamos ao Mirador Frances o tempo já estava muito fechado, andamos mais um pouco e decidimos voltar, afinal não conseguiríamos ver nada mesmo. Ficamos sentados um tempo esperando por uma avalanche no topo das montanhas, que também não aconteceu...
      Mesmo assim estávamos só felicidade, afinal estávamos a caminho do Refugio Los Cuernos, onde passaríamos a noite em uma linda cabana de madeira na beira do lago.   Sim, foi puro luxo! Não temos dinheiro para Não ligamos para luxo quando o assunto é hospedagem, mas há anos atrás vimos uma foto no Facebook de um casal em um ofurô com uma paisagem de tirar o fôlego ao fundo. Escrevemos para a pessoa que postou a tal foto perguntando onde era: Refugio Los Cuernos.
      Deste dia em diante, não tiramos mais aquela imagem da cabeça e estava decidido: iríamos naquele ofurô e ponto final. Não era nossa intenção ficar na cabana, mas no site estava bem claro: somente hóspedes das cabanas tinham acesso ao ofurô. Bem, com muita, mas muita dor, reservamos a tal cabana e sonhamos com este dia desde então. Parte deste valor eu havia ganho de presente de aniversário, muito obrigada Celzinha!
      Na trilha para o Refugio Los Cuernos, o sol finalmente resolveu aparecer de forma muito marcante, acentuando ainda mais a cor da lagoa. Para quem está fazendo o W invertido é descida na maior parte. Eu senti por quem estava subindo... Na minha opinião o trecho de trilha mais lindo! O vento intenso levantava a água da lagoa e até DOIS arcos-íris se formavam na nossa frente ao mesmo tempo, arrancando gargalhadas dos dois bobos incansáveis ao admirar tamanha beleza.
      Então, finalmente chegamos às cabanas e, ansiosos, vimos de longe o tal ofurô. Corremos para checar o tão sonhado ofurô de perto. Mas o que encontramos foi uma placa: MANUTENÇÃO!     CRIAMOS UMA COLEÇÃO DE CAMISETAS INSPIRADA NO CIRCUITO W, VEJA AQUI.   Mas que #@$%&! Ficamos muito putos, bravos, arrasados tristes com a notícia, afinal estávamos esperando há anos por aquele dia, mas não tinha nada que pudéssemos fazer. A cabana era linda, tinha uma lareira, toalha limpinha, cama fofinha e chuveiro gostoso!
      Fomos conhecer o refúgio, admirar o Los Cuernos e conversar com nossos amigos e quando retornamos encontramos uma garrafa de vinho chileno e alguns docinhos. A princípio, tive a certeza que havia sido o Antonio quem preparou aquela linda surpresa (tipo cena de filme mesmo! Imaginem que romântico: uma cabana de madeira, um vinho, lareira e aquela vista incrível). Ele perdeu a chance de ganhar muitos pontos (e na sequência perder muitos mais, é claro) ao não confirmar que havia sido ele - não foi, acreditamos que foi a forma do refúgio se desculpar por destruir nossos sonhospelo inconveniente. Após muitas risadas e desapontamento (nunca vou esquecer da cara do Antonio não conseguindo confirmar que havia sido ele o autor da ideia romântica) aproveitamos o delicioso vinho. Dia 4 - meu querido saco de dormir
      A noite na cabana não foi tão tranquila quanto imaginávamos, o vento era tão forte que parecia que a cabana se desmontaria. Não sobrou dinheiro para queríamos comprar a pensão completa no refúgio, fizemos nossa comida na mesma cozinha reservada para o pessoal do camping.
      Seguimos rumo ao acampamento El Chileno. Neste dia enfrentamos as 4 estações do ano, inclusive chuva. Existe um cruzamento, e você pode optar por ir para o Hotel Las Torres ou um atalho para o acampamento - é claro que optamos pelo atalho!
      No caminho vimos os bombeiros resgatando alguém em uma maca, ficamos muito assustados (depois ouvimos boatos de que a menina havia torcido o tornozelo - o que a impossibilitou de terminar a trilha, por isso todo cuidado é pouco).
      Chegando no refúgio, fizemos o check-in e fomos procurar uma plataforma para colocar nossa barraca. Dica: chegue o mais cedo que puder e coloque sua barraca, as plataformas estão colocadas num barranco, e se estiver chovendo (como estava) o chão molhado quase te impedirá de chegar em sua barraca sem cair alguns tombos.
      O jantar no refúgio foi extremamente agradável, nada de macarrão com vina, ou salsinha como vocês dizem. Entrada, prato principal e sobremesa, tudo com raio gourmetizador ativado! Não havia opção de reservar o local de camping sem todas as refeições inclusas (sim, eles são bem espertinhos).
      Ficamos na área de convivência do refúgio até tarde conversando, quando nossa amiga Tânia chega desesperada dizendo que estava entrando água dentro da barraca dela. Conseguimos alguns sacos de lixo e o Antonio foi ajudar o Beto com o "pequeno" problema. Logo em seguida entra outro trilheiro com seu saco de dormir completamente encharcado, eu entrei em desespero! Já imaginei meu saco de dormir molhado, seria o fim (que exagerada!). Pedi ao Antonio que conferisse se nossa barraca estava molhada, e para minha alegria, tudo estava completamente seco. Dia 5 - sonho realizado
      Antonio nunca havia visto neve e sempre falou que se fosse para ver neve, que fosse na montanha. Estávamos tomando café no refúgio quando vejo um ser saindo correndo gritando "Está nevando, está nevando". Parecia uma criança vendo neve pela primeira vez - e na montanha, como ele havia sonhado!
      Eu não fiquei assim tão feliz, afinal isso significava que o tempo estaria fechado nas Torres - e como eu queria ver aquelas meninas!  Tomamos um café super reforçado (incluído em nosso pacote) e seguimos a trilha até às Torres. Ao contrário dos outros dias, neste caminhamos muito rápido e os joelhos reclamaram um tanto (DICA: se puderem fazer a trilha no seu tempo, sem correr, é melhor. Fizemos isso todos os outros dias e não sentimos dor alguma).
      A trilha é pesadinha, mas isso não impede que jovens, crianças e idosos a façam, cada um no seu ritmo, no seu tempo. Eu não sabia quem eu admirava mais, se as famílias com crianças ou o grupo dos mais experientes. Quando fomos chegando pertinho da lagoa o coração foi acelerando. O Antonio foi na frente e lá do alto chamou minha atenção ao gritar uma linda declaração <3.
      Quando finalmente meus olhos encontraram as meninas (as Torres) não pude me conter de emoção - me faltam adjetivos para descrever a beleza deste local. Encontramos nossos amigos Daniel, Daniela, Beto e Tânia lá no topo, foi uma delícia compartilhar aquele momento com nossos novos amigos.
      Mas foi o tempo de contemplarmos a paisagem, tirar algumas fotos (nossa e da Maiza, coitado do Antonio) que o tempo virou completamente. As nuvens encobriram o céu azul e as Torres, e a neve começou a cair - "não era neve que você queria Antonio?"
      Muita neve! O vale também ficou completamente encoberto. A emoção de completar o circuito W, nossa primeira travessia, foi indescritível. Sensação de superação e eterna gratidão.

       
      CRIAMOS UMA COLEÇÃO DE CAMISETAS INSPIRADA NO CIRCUITO W, VEJA AQUI.
      Escrevi um post com os custos desta viagem AQUI.
      Bons ventos!
       
       
    • Por Tadeu Pereira
      Salve salve mochileiros!
      Segue o relato da trilha feita no Réveillon rumo ao Pico do Corcovado situado no município de Ubatuba no litoral norte de São Paulo.
      --> 24km ida e volta 
      --> Nível de dificuldade: DIFÍCIL (trilha extensa com várias bifurcações no início e muita mas muita subida rss)
       
      Partida - 30/12/19 - Partida 18:00pm - São Paulo x Caraguatatuba x Praia da Lagoinha x Praia do Bonetinho - Ônibus R$65,00 - Transporte público R$5,50
           Dia 30 de Dezembro geralmente costumo me organizar com antecedência o que vou fazer na virada pra não passar apuros nas correrias de final de ano. Mas ao contrário deste ano de 2019 eu não segui o protocolo e resolvi tudo na última hora, e lá estávamos nós, eu Tadeu e meu amigo Léo no dia 30 de Dezembro partindo de São Paulo capital sentido Caraguatatuba no litoral norte de São Paulo pelo empresa de ônibus Litorânea onde compramos as passagens por R$65,00. Em meio a milhares de pessoas correndo pra lá e pra cá no Terminal Rodoviário Tietê, nós conseguimos as passagens para às 18:00 com previsão de chegada para às 20:35. Chegamos por volta das 21:30 em Caraguatatuba por causa do trânsito intenso na rodovia de final de ano.

      Terminal Rodoviário Tietê 
           Em Caragua o clima estava abafado mas sem nenhum sinal aparente de chuva. A previsão mostrava clima aberto pro dia 30 e 31 com 20% de chuvas isoladas. Aguardamos por um tempo no terminal para aguardar nosso proximo ônibus e neste tempo aproveitamos e caminhamos por uns 5 minutos até o supermercado Shibata que fica próximo ao terminal rodoviário para comprar comida e água para passar a primeira noite no camping. Compras feitas, retornamos ao terminal e então pegamos um ônibus de transporte público na rodoviária de Caraguatatuba com sentido a Ubatuba por R$5,50 e depois de 1 hora descemos no ponto da praia da Lagoinha próximo ao Mercado Garotão e ao Condomínio SARELA - Recanto da Lagoinha onde caminhamos até sua entrada na 1ª guarita e continuamos por dentro do condomínio até a 2ª guarita que é onde fica o início da Trilha da Sete Praias. Caminhamos por 40 minutos passando pela Praia do Oeste e Praia do Peres caminhando totalmente no escuro iluminando com lanternas até chegar na Praia do Bonete ou Bonetinho onde passamos a primeira noite em camping selvagem ou seja, camping sem estrutura nenhuma, mas com o essencial, mar aberto e uma fonte de água potável. Ai foi só montar as barracas!   

      Camping Praia do Bonetinho

           O camping na Praia do Bonete além de selvagem é um camping proibido, na praia existe uma enorme placa lembrando os visitantes que aquele local ou aquela praia é uma propriedade particular. Então como chegamos já a noite, nós acampamos e desmontamos nossas barracas bem cedinho para ninguém ver e causar maiores problemas. Camping concluído com sucesso!  
      Subida - 31/12/19 - Partida 9:00am - Praia do Bonetinho x Pico do Corcovado - Transporte público R$5,50 

      ;
           Acordamos por volta das 6:00 da manhã e desmontamos rápido nossas barracas. Fizemos um bom café da manhã, tomamos o último banho de mar de 2019, arrumamos nossas mochilas e caminhamos de volta para o começo da trilha das Sete Praias, pois teríamos que pegar um ônibus sentido Ubatuba para descer no ponto da Praia Dura que ficava a 4,7 km de onde estávamos. Então fizemos a trilha da Praia do Bonetinho de volta para o condomínio Recanto da Lagoinha, fomos para a 1ª guarita na entrada do condomínio e caminhamos para a direita na rodovia sentido Ubatuba por uns cinco minutos até chegar em um ponto de ônibus. Até tentamos pegar carona mas os carros pareciam estar todos lotados ou com bagagens ou de pessoas chegando para passar a virada de ano no litoral. Por sorte o ônibus não demorou muito e pegamos rápido um ônibus por R$5,50 sentido Ubatuba e alguns minutos depois descemos no ponto da Praia Dura em frente ao Supermercado Praia Dura que fica também no começo da estrada do Corcovado que seria o começo da nosso caminho rumo ao imponente Pico do Corcovado. Aproveitamos e compramos no supermercado alguns mantimentos e água. Levamos 2 garrafas de água de 1 litro e 1 litro e meio cada um.
       
      (Caminho até o início da trilha)
       Supermercado Praia dura x Casa do Sr. Tozaki - Guarita do Parque Estadual Serra do Mar
      --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

      (Todo caminho percorrido) 
      Wikiloc: https://pt.wikiloc.com/wikiloc/spatialArtifacts.do?event=setCurrentSpatialArtifact&id=45109332
       Supermercado Praia dura x Casa do Sr. Tozaki - Guarita do Parque Estadual Serra do Mar x Pico Do Corcovado
           Começamos nossa caminhada para o pico por volta das 11:00 da manhã. Nosso ponto de partida foi do Supermercado Praia Dura, dali caminhamos por 1 hora os 4 Km da Estrada do Corcovado até a casa do famoso Sr. Tozaki (que infelizmente não tive a oportunidade de encontrar) onde fica situado a guarita do Parque Estadual da Serra do Mar PESM - Núcleo Picinguaba e início da Trilha do Pico do Corcovado.

      Casa Sr. Tozaki
       
      Guarita do Parque Estadual Serra do Mar - Núcleo Picinguaba
           Para subida e pernoitar no Pico do Corcovado é preciso realizar o agendamento com o Núcleo Picinguaba enviando um e-mail para [email protected] ou para [email protected] Nós até fizemos nossa parte e enviamos três e-mails para solicitar o agendamento em três emails diferentes, porém recebemos a resposta de que dois deles estavam desativados. O único e-mail que nos respondeu foi o [email protected] e disse assim: 
      ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
      31 de dez de 2019 às 13:59
      "Bom dia!
      Informamos que a Associação Coaquira de Guia de Turismo, Monitor e Condutor de Ubatuba é responsável pelo ecoturismo realizando o controle de acesso, monitoramento e manutenção do atrativo do atrativo Pico do Corcovado por meio do Termo de Autorização de Uso (TAU /FF/CORCOVADO nº 01/2018 - Processo FF nº 726/2018 - NIS 2096616) assinado pela Fundação Florestal no ano de 2018.   O atrativo Pico do Corcovado se encontra em área do Parque Estadual da Serra do Mar, Núcleo Picinguaba, Unidade de Conservação de Proteção Integral, instituída através do Decreto Estadual 13.313/79 e o principal objetivo da associação e a preservação, conservação e prática do Ecoturismo e Montanhismo de mínimo impacto no atrativo. A trilha para o Pico do Corcovado é monitorada, ou seja, há a necessidade de contratação de um Guia de Turismo ou Monitor Ambiental da Associação Coaquira para acessar o mesmo e realizar o procedimento de agendamento.   É necessário realizar o agendamento com antecedência, dessa forma poderemos indicar um condutor para acompanhar o grupo, o procedimento será confirmado após a confirmação da disponibilidade da data solicitada, preenchimento do Ofício de Solicitação de Reserva, Termo de Isenção de riscos, Termo de Responsabilidade e Ficha Médica.    Quanto a pernoite, é permitida seguindo as informações acima, agendamento e contratação de um Guia de Turismo ou Monitor Ambiental que disponibilizamos pela associação e respeitando a capacidade de carga do atrativo de 15 pessoas. As datas propícias e permitidas para atividade de camping são entre os meses de abril a outubro.  Informamos que o atrativo estará fechado para pernoite de 19/11/2019 até 19/03/2020 pois durante esse período as chuvas no local são muito intensas, com a possibilidade de ocorrência de descargas elétricas, erosões e deslizamento do solo, causando graves riscos aos usuários. O trajeto bate e volta permanece liberado, desde que as condições climáticas estejam favoráveis e após feito todo o procedimento.   Feliz 2020!   Qualquer dúvida estamos a disposição.   Att.   Diretoria do Departamento Executivo do Atrativo Trilha do Pico do Corcovado da Associação Coaquira de Guia de Turismo Monitor e Condutor de Ubatuba ______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   --> https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/pesm/nucleos/picinguaba/contato/?filter=agendar        Como não tínhamos recebido nenhuma resposta dos e-mails enviados com a autorização e o agendamento quando começamos o caminho para o início da trilha por volta das 11:00 da manhã do dia 31 de Dezembro, decidimos ir sem agendamento mesmo. Pensamos em talvez conversar na guarita sobre os emails enviados para solicitar agendamento e que não tínhamos recebido nenhuma resposta, massss não foi necessário nada disso hehehehe. Quando nos aproximamos da guarita percebemos que não havia ninguém, nem mesmo o Sr. Tozaki estava em sua residência que fica no mesmo lugar da guarita do parque. Então decidimos começar a trilha sem falar com ninguém. Sabíamos do risco de encontrar algum guarda do parque que poderia nos multar por ter feito a trilha sem autorização e agendamento, mas estávamos decididos a subir e seguimos em frente.
           Seguimos em frente depois de uma corrente na estrada em frente a guarita e começamos realmente a trilha. A trilha se inicia em um bambuzal ao lado de uma cerca e é neste ponto que a trilha traz a maior dificuldade pois têm algumas bifurcações que levam a alguns lugares diferentes. Realizamos esta trilha com Wikiloc e mesmo assim demos umas vaciladas que foram corrigidas a tempo. Recomendo que façam esta trilha ou com guia ou com gps Wikiloc pois a trilha é muito cansativa, extensa e contém algumas bifurcações principalmente no seu começo. 
           Os primeiros minutos da trilha são tranquilos, passamos por três vezes em riachos de águas geladas e potáveis, ótimas para se refrescar e beber, já que o clima com a mata fechada se torna muito quente e úmido em dias de sol forte nos fazendo suar muito. 
      -->WIKILOC:  https://pt.wikiloc.com/wikiloc/spatialArtifacts.do?event=setCurrentSpatialArtifact&id=45109332
        
       

           A trilha no começo é tranquila, caminhamos por 1 hora aproximadamente passando por 2 pontos de água até chegar na primeira placa da trilha (PESM) e também no terceiro ponto de água. Deste ponto em diante sentimos o que realmente é a trilha do Pico do Corcovado hauhauhua. Tomamos bastante água no riacho, enchemos nossas garrafas e bora começar a subir o morro que nos aguardava ahuhaua. Estávamos em 206 metros de altitude e a partir dali iriamos subir até 460 metros para o primeiro mirante da trilha.  
         
        
      Placa PESM - Parque Estadual Serra do Mar e 3º ponto de água
           Caminhamos por algumas horas e passamos pelo primeiro ponto de corda em 382 metros de altitude. Neste ponto temos um vista muito linda pois é um dos poucos pontos abertos na trilha. A subida até o primeiro mirante foi bem desgastante, mas quando chegamos, vimos o quão lindo é a vista, isso só nos deu mais ânimo para subir. Este ponto também chamado de Igrejinha nos mostrou só uma prévia do que nos aguardava no cume. Diz a lenda que à meia-noite próximo da Igrejinha seria possível ver a imagem do Frei Bartolomeu andando por lá. É claro que não ficamos lá pra ver isso kkkkkk. Neste mirante conseguimos ver o Pico do Corcovado pela primeira vez da trilha e um belo visual de algumas praias do litoral de Ubatuba. Ficamos por alguns bons minutos contemplando aquele visual e logo seguimos em frente. Neste trecho encontramos somente duas pessoas descendo a trilha, eram dois sul africanos que estavam fazendo um bate e volta. Conversando com eles descobrimos que não havia mais ninguém na trilha e nem no cume, isso significaria que não corríamos o risco de algum guarda nos ver e nos multar e também de ter a possibilidade de passar a virada de ano somente nós no cume! Yeahhhh!!! 




      Mirante ou Igrejinha
           Depois deste ponto a trilha vai ficando cada vez mais íngreme e inclinada nos castigando bastante. Caminhamos bem lentamente até chegarmos até o último ponto de água que fica a 767 metros de altitude. Paramos um pouco para mais um descanso, fizemos um lanche, tomamos bastante água, enchemos novamente nossas garrafas pois aquele seria o último ponto de água até o cume. Então levamos água o bastante pra beber no restante da trilha e para pernoitar no cume do pico sem precisar voltar para buscar mais água.

       3 km de trilha percorridos e ainda faltavam 5 km kkkkk
       
      Último ponto de água em 767 metros de altitude

      Neblina surgindo no meio da mata. Estávamos nas nuvens!
           Continuamos caminhando sempre subindo até chegarmos ao Camping 1 em 1000 metros de altitude. A subida mais uma vez nos castigou muito e paramos por diversas vezes para descanso e recuperar o fôlego. Chegamos no Camping 1 e ficamos um bom tempo descansando antes de enfrentar a última e mais difícil subida do percurso.  


      Camping 1


      O camping 1 tem espaço para aproximadamente umas 7 barracas. 
           Após este ponto, no Camping 1, a trilha deu uma trégua na subida e começamos a caminhar olhando alguns momentos para o Pico do Corcovado em uma trilha mais plana e com poucos declives. Afinal já estávamos na crista da Serra do Mar e a mais de 1000 metros de altitude. Esta parte da trilha é simplesmente incrível, havia desfiladeiros dos dois lados que conseguíamos ver por entre as árvores, mas como a visibilidade estava baixa por causa da neblina, fomos ver realmente a dimensão do lugar que estávamos trilhando somente na volta com o tempo aberto. 
       
           Caminhando por aproximadamente mais 40 minutos pela crista da Serra do Mar e chegamos em duas placas informando qual a direção que se deveria seguir. A placa da direita subindo dizia que o caminho estava em recuperação e que o acesso estava restrito, já a placa da esquerda era uma seta informando a direção a se seguir para chegar ao cume. Como estávamos seguindo a trilha com o Wikiloc resolvemos fazer a trilha de acesso restrito que era o que o nosso GPS estava guiando, mas esta trilha foi um das partes mais difíceis do caminho com uma subida quase que impossível e perigosa, mas nós conseguimos! Já a trilha da esquerda é um pouco maior com uma grande descida até um ponto de água que fica ainda mais próximo do cume e depois uma última subida mais tranquila até o cume do Pico do Corcovado, mas isso só ficamos sabendo na volta quando retornamos por este lado da trilha pois subimos pela trilha restrita.    

      Placas direcionando a trilha correta e mais fácil a se seguir
           Após alguns minutos subindo os últimos 100 metros finais e os últimos 60 metros de altitude, onde o corpo já está a ponto de explodir com a mistura de tanta ansiedade, de cansaço, de adrenalina, sede e de todo o esforço feito pra chegar até ali, nós conseguimos vencer com muita superação a última e mais difícil parte da trilha. Uma "escalaminhada" que necessita de pés e mãos livres para subir pelas raízes das árvores que nos custou muito esforço com as mochilas nas costas depois de quase 6 horas de trilha para ai sim conquistar a 1160 metros de altitude o cume do imponente PICO DO CORCOVADO em Ubatuba na Serra do Mar. Foi surreal a primeira vista de lá de cima e as lágrimas simplesmente rolaram pela minha cara suada ahauhauh! Foi incrível! 
          







           Os primeiros minutos em cima do Pico do Corcovado foram simplesmente mágicos. O tempo que estava fechado até então começou a se abrir e nos presenteou com um por do sol fantástico que nos deixou anestesiados pela beleza que estávamos contemplando. Gratidão era a palavra que mais me vinha a cabeça neste momento. Gratidão por estar ali, por ter condições e saúde pra chegar até ali, gratidão por todas as pessoas que estão comigo ou junto comigo de alguma forma, gratidão pela minha família, minha mãe, meu pai, meu irmão e minhas avós, pelos meus amigos e o mais importante grato pela VIDA! Obrigado Obrigado Obrigado... 


       






           E lá se foi o último por do sol de 2019. Após esta fantástica exibição da natureza, nós assinamos os nossos nomes no livro do cume para registrar nossa subida e fomos armar nossas barracas pois de noite faria um pouco de frio com os ventos cortantes no cume. Existem duas áreas de camping no cume do pico, uma fica próxima ao livro do cume com um espaço menor, cabendo aproximadamente umas 4 barracas (camping 3), já o outro com um espaço maior cabendo aproximadamente umas 7 barracas e não tão exposto aos ventos (camping 2). Montamos as barracas na área de camping 2 que tinha um espaço maior e menos exposto ao vento. Camping concluído com sucesso!   
           Acampamento armado, tratamos de fazer a nossa ceia de final de ano kkkk. Fizemos um ensopado de legumes e macarrão para recuperar nossas energias que perdemos nas quase 7 horas de subida intensa até o cume. Tivemos um problema com o nosso gás do fogareiro mas nada que impediu de fazer nosso rango. Barriga cheia ficamos esperando a meia-noite chegar pra ver a queima de fogos nas diversas praias que se consegue ver de cima do pico. Foi fantástico ver por 15 minutos a queima de fogos de quase 17 praias de cima do Pico do Corcovado. Foi uma visão única e surreal e que decidimos não filmar nada para ficar somente nas nossas memórias ahuahuahua. Foi fodástico! 
      Descida - 01/01/2020 - Partida 11:00am - Pico do Corcovado x Praia Dura
           Dormimos por volta de 1:00 da madrugada. Conseguimos descansar um pouco e ainda acordamos por volta das 5:00 horas da manhã para ver o primeiro nascer do sol de 2020. Coloquei o despertador e quando deu o horário sai da barraca e o céu já estava com uma coloração laranja que avisava que o sol estava a caminho. 







      Primeiro nascer do sol de 2020
                Contemplamos o nascer do sol por uns 40 minutos e voltamos a dormir e descansar pois ainda tínhamos a descida pra fazer e tínhamos que ter pernas pra descer tudo que subimos ahuahuha. Consegui ficar na barraca até umas 10:00, pois a partir desse horário o sol começa a esquentar deixando a barraca muito quente. Acordamos tomamos um pequeno café da manhã e ficamos algumas horas contemplando aquela linda paisagem com um dia maravilhoso que a natureza nos presenteou. Gratidão.




       

       
      nam-myoho-rengue-kyo
           Após desmontar nossas barracas e montar novamente as mochilas, iniciamos nossa descida pelo outro caminho. Decidimos fazer o caminho que as placas estavam indicando quando estávamos subindo na trilha e não descemos pela trilha que estava de acesso restrito. A descida começa seguindo pelo camping 2 onde acampamos. Descemos por mais ou menos uns 30 minutos e já começamos a ouvir o barulho das águas. Chegamos em um ponto de água que não sabíamos que havia ali. Descemos a 1066 metros de altitude e encontramos água ainda mais perto do cume em um riacho com águas geladas e da mais pura que já havia bebido antes. Ficamos um bom tempo neste riacho onde fizemos um bom rango, aproveitamos para tomar um bom banho nas águas geladas e seguimos em frente. 
       
       
           A trilha que se deve seguir esta antes do riacho e não seguir a diante atravessando o riacho. Fizemos este caminho e chegamos em um lugar sem saída, então retornamos e começamos a subir novamente até que vimos um trilha a direita e continuamos nela até chegarmos até as duas placas que informava o caminho. Pra quem esta descendo, a trilha correta a se seguir fica um pouco antes do riacho virando a esquerda. Como passamos direto não reparamos nesta entrada. Então retornamos entramos na trilha correta e caminhamos por uns 30 minutos até que depois de uma subida intensa chegamos nas placas que tínhamos visto antes na subida e a partir dai foi só seguir o Wikiloc novamente e seguir a trilha para descer sem se perder. 

      Placas informando o caminho correto para o cume
           Depois das placas a trilha continua por um bom tempo com terreno plano com alguns declives caminhando sobre a crista da Serra do Mar e como comentei anteriormente o visual deste lugar que não conseguimos ver na subida por causa da neblina se mostrou o quanto é mágico e surreal. Dos dois lados haviam precipícios enormes com um visual fantástico e único das cadeias de montanhas de um lado e do outro a serra do Mar contrastando com as praias. Cada vez que parávamos para descansar ficávamos um bom tempo contemplando a natureza. 









           A decida nos cansou mais que o esperado. Fizemos um bastão de trekking improvisado para ajudar na pressão que os joelhos sofrem na descida, isso nos ajudou muito. Gastamos por volta de 6 horas de descida, contando o tempo que ficamos no riacho e o tempo que perdemos na trilha. Chegamos por volta das 18:00 na guarita do PESM e ainda não havia ninguém la, nem mesmo o Sr. Tozaki estava em sua residência. Descansamos por alguns minutos em frente a guarita e seguimos rumo a rodovia para procurar um local para acampar aquela noite. No meio do caminho encontramos um mercado onde paramos para comer, ir ao banheiro, carregar nossos aparelhos de celular, comprar alguns alimentos para o próximo camping e brindar a nossa subida ao Pico do Corcovado com uma bela e gelada cerveja. Yeahhhh!!!

           Conversamos com alguns locais, e conversa vai conversa vem, resolvi perguntar se havia algum local para acampar por ali. O dono do supermercado ouvindo minha pergunta nos informou que na Praia Dura, a praia mais próxima de nós naquele momento, teria uma forma de acampar debaixo de duas pontes que passam sobre o Rio Escuro que deságua na praia. Seguindo esta informação caminhamos até a rodovia e seguimos a esquerda até as tais pontes. Chegamos nelas com pouco tempo de caminhada e logo vimos os caminhos para se chegar debaixo delas e vimos também que havia um enorme banco de areia. Ficamos um pouco receosos e com medo do local mas acampamos por ali mesmo. Camping concluído com sucesso! 
       

      Praia - 02/01/2020 - Partida 9:00am - Praia Dura x Praia da Sununga - Camping R$25,00 
           Acordamos e vimos que a praia fazia parte de um grande condomínio e que a divisa se fazia até as pontes, então estávamos acampando em um lugar que não causaria problema pra ninguém. Isto quem nos disse foi o próprio guarda que ficava rondando a praia. Acordamos tomamos um bom café da manhã, tomamos um banho de rio, desmontamos nossas barracas e fomos ao encontro de alguns amigos na praia da Sununga que ficava a uns 6 km da Praia Dura.

      Pontes sobre o Rio Escuro na Praia Dura 
           Como o trânsito ainda estava carregado na rodovia, optamos em ir a pé para a Praia da Sununga. Caminhamos pela rodovia por quase uma hora, entramos pelo Condomínio Pedra Verde na Paia Domingas Dias e atravessamos a Praia do Lázaro até chegarmos na Praia da Sununga onde encontramos mais dois amigos para finalizar nossa jornada ao Pico do Corcovado com chave de ouro. Pronto! Agora vamos dar um mergulho neste marzão prq nóiz merece! Yeahhhhhhhhhh Gratidão!!! 


      Retorno - 03/01/2020 - Partida 8:00am - Praia da Sununga x Caraguatatuba x São Paulo - Transporte público R$9,00 - Van R$70,00
         Dormimos este dia na Praia da Sununga no Camping Guarani pagando R$25,00 para dormir com chuveiro quente e cozinha compartilhada. Acordamos bem cedo e fomos para o ponto de ônibus na rodovia pegar um ônibus para Caraguatatuba. Pagamos R$9,00 até Caraguá e demoramos umas 2 horas para chegar por causa do trânsito. Na rua ao lado do Terminal Rodoviário de Caraguatatuba haviam várias vans com transportes alternativos para São Paulo. Conseguimos uma por R$70,00 e fomos direto e mais rápido para o Terminal Rodoviário do Tietê em São Paulo finalizando nossa aventura de final e começo de ano hauhauhaua! Valeu! Feliz 2020...

      Paparazzi nos fotografou no ponto de ônibus kkk
       
       
      Gratidão!
       
       
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
       


×
×
  • Criar Novo...