Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

casal100

Serra da Mantiqueira à pé - 1.100 kms pela Rainha dos caminhos (Jan/Fev 2018)

Posts Recomendados

Fizemos a maioria dos caminhos que passam pela Serra da Mantiqueira(Estrada Real, Caminho da Fé, Crer....), alguns mais de 1 vez.
É quase unanimidade entre os caminhantes que, indiscutivelmente, a Serra da Mantiqueira têm as mais bonitas paisagens e, nós concordamos integralmente. São caminhos que proporcionam lindas fotos,  clima agradabilíssimo, povo acolhedor e simpático, ingredientes que definiram esse roteiro.
Foram quase 50 dias e mais de 1.100 quilômetros de muitas alegrias, felicidade e paz,  poucas tristezas e decepções.
Começamos e terminamos na MAGNÍFICA cidade de Campos do Jordão-SP, depois de rever vários lugares (passei alguns invernos nesta bela cidade, quando eu era "bacana"). A cidade se transformou,  criaram vários roteiros turísticos, belas e caras casas dos novos e velhos "bacanas", ótimos restaurantes, atrações mil,  pousadas e hotéis de todo tipo e preço, tem até o refúgio do peregrino, comércio bom, povo hospitaleiro, clima perfeito e, ainda por cima fomos no verão,  baixa temporada,  onde com facilidade encontramos boa hospedagem com preços menores que muitas hospedagem em cidades pequenas.

Outra coisa que pesou em escolher fazer essa travessia é que a região se assemelha muito com um projeto que temos em mente, que é a travessia entre Punta Arenas x Arica no Chile,  então serviu como treinamento.

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Chegando ao "início"  dia 02.01.2018 - Terça-feira 

Estávamos em dúvida por onde começar, tinha que ser próximo da cidade de São Paulo,  pensamos em Extrema-MG, Bragança Paulista(onde começa a Mantiqueira). Aí veio Campos do Jordão-SP,  temos boas recordações daquele lugar.
Pegamos a Dutra e pouco tempo depois chegamos a São José dos Campos-SP, como era feriado de 01 de Janeiro, quase tudo fechado,   arrumamos um hotel próximo à Dutra muito bom por $60 por pessoa com café da manhã. Meu tênis que levei para fazer essa caminhada soltou parte do solado, então tive que comprar outro. Acordamos cedo dia 02 de janeiro, tomamos café da manhã e aguardamos o shopping abrir.
Foi o grande ERRO da viagem: Sempre compro o mesmo modelo de Tênis e mesmo número,  experimentei o n° 39 ficou apertado,  pedi o n° 40 e calcei só o pé direito,  como ficou ok, comprei. Pqp, paguei um alto preço logo no primeiro dia de caminhada.

Chegando em Campos do Jordão-SP, lendo a relação das pousadas credenciadas pelo Caminho da fé, escolhemos a Pousada Primavera, vi que a avaliação dela no Booking era ALTA: 9. Como assim, pousada no centro da cidade(uns 200 metros do teleférico),  novíssima, super confortável, com tv de plasma, ar condicionado, ótimo café da manhã. COMO ASSIM, nunca tinha visto isso no Caminho da fé. Chegando lá expliquei ao proprietário SR TADEU,  que faríamos uns 1.000 kms na Mantiqueira e alguns trechos do Caminho da Fé, então o proprietário abriu uma exceção para nós e entramos como peregrinos. Aí surgiu outro problema: onde deixar o carro.
Perguntamos a ele se tinha algum estacionamento na cidade,  ele disse:  tem! mas é muito caro!
Outra surpresa: ele ofereceu para deixarmos o carro no estacionamento da pousada,  como estava em reforma,  disse que não,  pois prejudicaria a pousada dele, ele concordou.
Então, ele conseguiu um lugar para deixar o carro numa boa.
Começamos muito bem!
Ficamos dois dias em Campos do Jordão acertando os últimos detalhes. Como estávamos de carro, fizemos alguns passeios pela cidade.

Hospedagem: Pousada Primavera, fone: 012 3663-1023 e 99676-7435, atendimento nota 10,  camas excelentes(King), wifi, tv a cabo com alguns canais, frigobar, ar condicionado, cofre eletrônico, banheiro privado, muito limpo e confortável, varanda com lindas flores. Tem até elevador apesar que são só 2 andares. Preço: $130 casal com ótimo café da manhã. SUPER RECOMENDO!
Obs.:  confirmar valor para não peregrino.
O refúgio dos peregrinos estava cobrando $150 por casal em quarto e banheiro compartilhado.
Para quem vai fazer o caminho das Pedrinhas é a melhor opção,  visto que o ônibus para o Horto florestal tem ponto quase na porta da pousada. A distância entre a pousada e o horto é  mais ou menos 10 quilômetros.

Portal de Campos do Jordão, pena que esse carro atrapalhou a foto. 

20180102_151708.jpg

Linda Construção na montanha - caminho para pico itupeva 

20180103_115344.jpg

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Onde o grande erro deu as caras.
Primeiro caminho: Caminho de Aparecida 

1° dia - 04.01.2018  -  Quinta-feira

Saída da portaria do horto florestal de Campos do Jordão e chegada a Wenceslau Braz Mg.
+-32 kms em aprox. 07:20hrs

Nossos pesos:

Eu: 69,50kgs(02.01.2018) e 66,40kgs(28.02.2018)
Ela: 64,50kgs(02.01.2018) e 62,30kgs(28.02.2018)

Acordamos cedo, tomamos excelente café da manhã,  gentilmente servido pela Pousada bem antes do horário.
Andamos uns 20 metros e aguardamos o ônibus($3,50 p pessoa), que passou pontualmente às 07:45hrs(o primeiro horário dele é 06 da manhã e depois de hora em hora, sempre 15 minutos antes da hora cheia), fomos até dentro do horto(abre às 09 horas, mas autorizaram nossa entrada às 07:15hrs).
A primeira parte é bem tranquila,  um bom trecho em reta e depois uma subida longa, sem atropelos chegamos a divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais em aprox. 03 horas, ali era o topo(1850  msnm).
Depois da divisa pegamos uma longa descida até o charco  (algumas casas mas, sem apoio, somente uma pousada), logo a seguir começa uma subida curta, após descida fortíssima até estrada asfaltada, viramos à esquerda  e  um quilômetro depois  chegamos a pousada Castelinho.
Tomamos um banho e já fomos ao restaurante almoçar($17 por pessoa ) excelente comida.
Obs.: A região de Wenceslau Braz é  servida somente pela operadora  Vivo. Neste trecho somente em algumas partes que pega celular.

Aqui o efeito do tênis novo deu os primeiros sinais  (bolha no dedinho do pé esquerdo), muita dor e descoforto. Parecia que meu pé esquerdo estava dentro duma lata de sardinha. 

Wenceslau Braz Mg: 1020 msnm
Pequena cidade, tem somente supermercado e mercearias /bares/padaria e uma lotérica, uma pousada.

Hospedagem: Pousada Castelinho,  035 99833-6220, perto da matriz,  beliches com colchões finos,  banheiro privado limpo,  ventilador, cozinha, preço  $45 por pessoa com café da manhã simples. RECOMENDO
Obs.: a refeição deve ser encomendada a Patrícia, dona da pousada, é servids num restaurante próximo.
 

Lindas hortensias no horto florestal de Campos do Jordão.  Início da travessia 

20180104_071345.jpg

Árvores com tronco vermelho,  raro.

20180104_081613.jpg

Divisa entre Minas Gerais e São Paulo 

20180104_101624.jpg

Charco, lindas casas coloridas 

20180104_112351.jpg

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O sofrimento continua....

Outro caminho: Caminho de Frei Galvão 

2° dia - 05.01.2018  -  Sexta-feira

Saída de Wenceslau Braz e chegada em Delfim Moreira Mg
+- 20 kms em aprox. 04:30hrs
Acumulado: 52 kms

A Patrícia gentilmente serviu o café da manhã às 06 horas. Saímos rapidamente e pegamos rodovia asfaltada com chuva fraca e pouco movimento de veículos,  caminhamos morro acima  cerca de uns 16 kms em aprox. 03:10hrs  (topo com +-1400msnm), aqui tive que tirar o tênis do pé esquerdo e coloquei sandália Havaianas, pois a dor estava infernal. Caminhei alguns quilômetros desse jeito.
Viramos à esquerda numa estrada de terra aprox. 3kms, atravessamos outra estrada asfaltada e continuamos em outra estrada de terra, uns 2 kms chegamos no centro da cidade.

Delfim Moreira: 1210 msnm pequena cidade com boa estrutura, vários supermercados, lojas,  farmácias. Tem lotérica e agência do Banco Itau e caixa eletrônico do Bradesco. Algumas pousadas e um hostel.

Hospedagem: Hotel São João fone:  035 3624-1133          , próximo à matriz,  simples   muito limpo, camas boas, banheiro privado, wifi,  preço  $60 por pessoa com café da manhã.
Obs.: o hotel fornece refeição a $15 o prato feito e $20 comercial.

Rodovia asfaltada sem acostamento com muitas curvas e chovendo - atenção redobrada

20180105_082558.jpg

Erro fatal,  caminhando com sandália

20180105_100859.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Resolvendo o problema radicalmente! 

3° dia - 06.01.2018  -  Sábado

Saída de Delfim Moreira e chegada a Marmelopolis Mg
+-20 kms em aprox. 04:15hrs
Acumulado: 72 kms

Essa noite deixei o tênis para amaciar, mas ficou do mesmo jeito. Então, neste dia caminhei 20 kms com sandálias nos dois pés.
O hotel só disponibiliza café da manhã a partir das 07 da manhã.
Saímos debaixo de uma chuva fina,  são 3 opções para chegar em Marmelopolis: estrada de terra do lado esquerdo da rodovia, na verdade é um atalho que começa depois de 10 kms da rodovia asfaltada ;  saindo de DM após igreja à direta começa estrada de terra que é mais longe;  como estava chovendo, decidimos ir pela rodovia asfaltada, com pouco movimento de veículos.
Para resumir: é basicamente 1 subida forte de 10 kms(topo 1670msnm) com muitas curvas e 10 kms de descida forte. Essa estrada não tem acostamento, trecho com linda vista das montanhas e dos vales.

MARMELOPOLIS: 1275 msnm, base para o pico do Marins, cidade pequena,  não vi banco,  tem lotérica, várias pousadas, comércio bom.

Hospedagem: Pousada das Flores fones: 035 99852-1406 e 011 99743-0029, centro, novo e limpo, camas boas, tv aberta, wifi, banheiro privado. Preço  $60 por pessoa com café da. RECOMENDO
Obs. : comemos um excelente Self-service à vontade por  $20 por pessoa, tinha PF a $18.


Chegando a Marmelopolis mg

20180106_113005.jpg

Solução radical 

20180106_210822.jpg

Rodovia asfaltada sem acostamento com muitas curvas. 

20180106_103835.jpg

 

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Caminhando na chuva..

4° dia - 07.01.2018  -  Domingo

Saída de Marmelopolis e chegada a Virgínia Mg
+-23 Kms em aprox. 05:00hrs
Acumulado: 95 kms

Ficamos atentos a previsão do tempo, pois no dia anterior  teve alerta amarelo para região.
Acordamos 05 da manhã, o tempo estava firme,  tomamos o café da manhã rapidamente e saímos, depois de uns 10 minutos começou uma chuva fina que foi até o final.
Atravessamos toda a cidade, entramos numa estrada de terra com muito barro e com pouco movimento de veículos.
Esse trecho mescla subidas e descidas médias,  com lindo visual de montanha e dos vales, uma linda cachoeira na beira da estrada. No topo do trecho a altitude chega a +-1400  msnm.
Muitas plantações de pêssego, Ameixa, figo, marmelo, eucalipto, milho, criações de gado de leite.
Vimos uma caminhonete parada e um senhor agachado procurando algo, aproximamos e percebemos que estava com dificuldade em localizar a chave dela que caiu numa poça d'agua,  resolvemos auxiliá lo, depois de uns 20 minutos encontramos, para alívio geral.
Até agora o mais belo trecho.
Chegamos com tudo molhado, sorte que embalamos tudo dentro da mochila,  a capa não resolveu nada.
Já Almoçamos um Self-service próximo a praça matriz $13 por pessoa à vontade. Ótima comida.

VIRGÍNIA(960msnm): cidadezinha encravada no meio de montanhas, povo hospitaleiro e simples,  tem agência da Caixa Econômica Federal, não vi outros bancos ou caixa eletrônico.  Tem comércio pequeno,  na cidade tem 2 pousadas  (uma bem simples  ($30 por pessoa) e outra mais confortável  ($60 por pessoa) além da pousada 13 lagos, a uns 4 kms da cidade, sentido São Lourenço.

HOSPEDAGEM: Pousada Bela Vista, fones: 035 3373-1700 e  99865-7609, camas ótimas, tv aberta, wifi, banheiro privado. Limpo. Preço:  $60 por pessoa com café da manhã  (serve à partir das 08 da manhã,  mas pode preparar um pouco mais cedo). RECOMENDO

Lindo visual de montanha 

20180107_074949.jpg

Idem

20180107_081133.jpg

Muita neblins

20180107_092812.jpg

Entrocamento com muito barro

20180107_095409.jpg

Cachoeira 

20180107_101154.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Revendo o caminho dos anjos..

5° dia - 08.01.2018 - Segunda-feira

Saída de Virgínia e chegada a Passa Quatro mg
+-27 kms em aprox. 05:40hrs
Acumulado: 122 kms

Novamente a previsão do tempo estava sinalizando chuva, embalamos tudo, colocamos capas nas mochilas. Gentilmente a pousada providenciou café da manhã na noite anterior (deixaram café pronto e frutas), saimos pouco depois das 06 horas.
Pegamos uns 2 kms de asfalto e viramos à direita entrando numa estrada de terra (só seguir as setas amarelas) até Passa Quatro.
Como choveu muito na madrugada o piso tinha muita lama e barro, para nossa sorte não choveu nada.
Esse trecho é muito bonito, grandes e lindos vales, visual de montanhas num verde exuberante.
Algumas retas no início, depois começa uma longa subida até o topo (+-1250msnm),  logo a seguir descida bem forte até uma grande fazenda criadora de gado leiteiro.
Começa novamente outra longa subida,  próximo de PQ inicia descida média até o centro da cidade.
Fomos até próximo da rodoviária comer no mesmo restaurante dos anos anteriores  (aquele da leitoa de leite), $35,90 o quilo ou $15 o PF.

PASSA QUATRO: 910 msnm, a maior cidade até agora,  algumas pousadas, hotéis e hostel.  Bancos e comércio estruturado.

Hospedagem: Hostel Harpia,  035 98894-0533 em frente a agência dos correios, estrutura bem antiga(casarão), cama velhas(beliches), cozinha, banheiro compartilhado. Preço: $65 por pessoa com café da manhã simples. 
 

Saindo de Virgínia 

20180108_062208.jpg

Verde exuberante 

20180108_083443.jpg

Montanhas 

20180108_092537.jpg

Subidas leves

20180108_093804.jpg

Chegando a Passa Quatro

20180108_105321.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Chegando a terra do parmesão

6° dia - 09.01.2018 - Terça-feira

Saída de Passa Quatro e chegada a Itamonte Mg
+-22 kms em aprox. 05:00hrs
Acumulado: 144 kms

O pessoal do hostel deixou cafezinho pronto, comemos algumas frutas e saímos pouco depois das 06 da manhã.
Uma forte neblina encobria a cidade,  tempo bem agradável para caminhar.
Seguimos até trevo da cidade, atravessamos estrada asfaltada e entramos numa estrada de asfalto, que logo a seguir virou de Barro.
Chegamos num entrocamento e viramos à esquerda sentido Paolinho, estradinha com muito barro, pois choveu muito ontem à noite(foi complicado demais), subida longa e forte, chegamos no entrocamento e viramos novamente à esquerda. Aí complicou de vez, tivemos muita dificuldade devido a quantidade de barro, escorregava demais.
Depois foi muito tranquilo, somente algumas subidas e descidas médias. Esse foi o primeiro dia que pegamos sol no trecho. Trecho com muitas sombras, e um pequeno trecho ao lado do rio verde.

ITAMONTE: Cidade pequena, 933msnm, com comércio bom, muitos hotéis e pousadas, alguns bancos.

Hospedagem: Hotel Thomaz,  Fone: 035 3363-1717, na beira da rodovia, camas boas, tv aberta, ventilador, frigobar, wifi, limpo, preço: $60 por pessoa com café da manhã.  Embaixo do hotel tem restaurante: $17,40 Self-service à vontade.
 

Praça em Passa Quatro

20180109_062856.jpg

Tempo frio 

20180109_074648.jpg

Até parece um vulcão 

20180109_075931.jpg

Excelente visual de montanha 

20180109_104707.jpg

20180109_104950.jpg

20180109_105052.jpg

Uns 2 quilômetros de barro escorregadio numa descida ..

20180109_081732.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Chegando perto do céu
Mais um caminho: caminho Cem

7° dia - 10.01.2018 - Quarta-feira

Saída de Itamonte e chegada a Pousada dos Lobos mg
+-32 kms em aprox. 07:50hrs
Acumulado: 176 kms

Acordamos às 04:30hrs, o hotel gentilmente preparou café da manhã para nós. A previsão do tempo informou que poderia chover na parte da tarde, para nossa sorte eles acertaram, pois caiu uns pingos de chuva quando já estávamos dentro da pousada.
Talvez esse foi o trecho de subida mais longa que já fizemos até hoje: uns 28 kms. Obs.: resolvemos ir pela rodovia asfaltada(tem outro caminho, como a chuva poderia cair, resolvemos ir pelo asfalto).
Saímos pouco depois das 05 da manhã, depois da cidade já pegamos trecho de subida com muitas curvas fechadas, estrada tem acostamento somente em poucos quilômetros, apesar dela ser bem estreita e com muito movimento de caminhões e veículos leves. No trecho até a garganta do registro tem alguns bairros, vi algumas pousadas. Lindíssimos mirantes de toda região,  vimos muitas cobras venenosas mortas na beira da estrada.
Depois de 04:45hrs de caminhada chegamos a divisa entre São Paulo e Minas Gerais,  tem restaurante e venda de doces e queijos em alguns quiosques, segundo uma placa estávamos a 1699 msnm.
Apesar do sol forte, não sofremos muito; pois a estrada tem muitas árvores altas na beira, o que formavam sombras em quase todo o percurso.
Paramos e compramos 05 doces e pegamos estrada que um dia deve ter sido asfaltada,  nas está totalmente destruída,  pegamos mais 8 kms de subida forte até o topo (cerca de 2170msnm no Brejo da Lapa) logo a seguir viramos à esquerda e pegamos 4kms de descida forte com muita pedra e buracos até a pousada dos lobos. Esse trecho pegamos sol forte, não tinha tantas árvores igual ao trecho anterior.

Hospedagem: Pousada dos lobos, fica a 1750msnm,  reservas: 035 3332-2779 e 99983-5277. Camas ótimas, tv aberta coletiva, banheiro compartilhado, limpo. Preço  $100 por pessoa com café da manhã e almoço ou jantar.
Obs.: o preço era $130 por pessoa,  mas a cozinheira não foi trabalhar neste dia,  e quem preparou uma comida simples para nós, foi a Solange, que mora na pousada com o marido e são os zeladores.
Obs.: neste trecho todas as pousadas cobram $130 por pessoas até as bem simples.
Esse trecho é lindo, um pouco distante da cidade,  mas $130 por pessoa num quarto onde tem somente uma cama e um beliche, acho muito caro.

 

Rodovia asfaltada sem acostamento 

20180110_063725.jpg

Chegada a divisa Minas Gerais x São Paulo 

20180110_100550.jpg

A maior altitude que pegamos nesta viagem

20180110_122226.jpg

Virada para a pousada, depois daqui pegamos descida forte e sol forte

20180110_122823.jpg

Muita mata

20180110_124847.jpg

Chegando a Pousada dos Lobos 

20180110_132631.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites


Seguindo a rota dos tropeiros com muita chuva e perigos. .

Outro caminho: Rota do parmesão  (tropeiros mineiros que levam mercadorias para comercialização em Visconde de Maua-RJ)

8° dia  -  11.01.2018  -  Quinta-feira

Saída da Pousada dos Lobos e chegada a Maromba RJ
+-27 kms em aprox. 07:15hrs
Acumulado: 203 kms

Acordamos mais tarde, tomamos café da manhã e saímos um pouco antes das 08, nossa intenção era dormir na Pousada da Soninha, para no outro dia partir para Maromba.
Passamos no tropeiro Gezuel(tropeiro que encontramos a alguns anos atrás em Maromba) ele tem um restaurante e da pousada Tropeiro do parmesão(035 99173-1773) a uns 5 kms de onde saímos(cobra $130 por pessoa meia pensão), quarto simples.
Depois do Gezuel vira a direita no entrocamento. Segue descendo passa a primeira ponte e vire a esquerda. ..passa outra ponte de madeira e pega subida forte....sempre para cima.
Paramos numa casa para perguntar onde ficava a pousada da soninha,  era a casa do João, outro tropeiro que conhecemos a uns anos atrás  (ele lembrou de nós,  o Gezuel não), depois de uma boa prosa, ele nos ensinou o caminho dos tropeiros até Maromba,  então ali mesmo resolvemos ir direto para lá.
O CAMINHO:(depois da casa do João)
Quando chegar em 2 casas com curral de cavalo vira a esquerda e a esquerda novamente.
Continua subindo, vai ver a sua direita uma casa de madeira abandonada,  pouco acima chega numa casa do lado esquerdo  com hortensias na porta,. ..vira a direita. .vai ver placa caminho da maromba ...suba alguns metros e logo tem um colchete à direita, entre nele (tinha uma placa para maromba).. seguindo reto(tem outro colchete) chega no topo e encontra o caminho da direita.
Algum tempo depois atravessamos uma porteira, seguindo sempre na encosta da montanha com lindo visual de toda região  (a casa do sr João lá  embaixo)...chegamos noutro colchete, atravessamos viramos à esquerda. Sempre subindo.
Logo a frente vimos um colchete à esquerda do caminho  (o encontro daquele outro caminho )..
Continuamos subindo...um tempo depois entramos num descampado com lindo visual, inclusive da serra do papagaio, andamos um bom tempo.
Após algumas descidas com muitas pedras e outras com muito barro. Antes do Passa Um tem uma bica dagua(potável). Ali encontramos um solitário Francês que estava fazendo o caminho inverso do nosso (ele não tinha mapa, demos algumas dicas para ele).
Atravessamos o PASSA UM, começou a chover fraco, colocamos capas nas mochilas e logo começou a chover forte com alguns trovões. Foi complicado, pois o caminho ficou escorregadio e cheio de água.
Obs.: pela primeira vez deparei com uma Urutu cruzeiro, minha parceira passou a uns passos dela e, vi de longe ela fugindo da gente, muitoooo linda! Mas foi um sufoco (até agora não sei quem ficou mais assustado..nós ou ela!)
Apertamos o passo e descemos o mais rápido possível, apesar do barro.
Chegamos na casa branca, atravessamos as 2 pontes e logo chegamos à Maromba, todos molhados e sujos.

MAROMBA: Pequeno distrito, 1175msnm, tem 2 mercearias , muitas pousadas,  alguns restaurantes,  não vi caixa eletrônico.

Hospedagem: Pousada Águas Claras,  Fones: 024 3387-1241/ 3387-1365 e 99815-3339, quarto pequeno simples, um pouco antigo, cama boa, tv pequena antiga, frigobar, ventilador, wifi, banheiro privado.
Preço: $60 por pessoa com café da manhã. Obs.: pediram $75 por pessoa. Não negocie com a dona,  mas com os filhos dela.
Na rua atrás da igreja tem um restaurante da merendeira da escola,  que serve uma ótima comida.  Comercial com contra filé para duas pessoas sai a $45.


Estrada entre pousad dos lobos e bifurcação para rota do parmesão 

20180111_084209.jpg

Depois de duas casas chega nesta casa abandonada. Logo a frente vira à direita 

20180111_104909.jpg

Tivemos que pular essa porteira

20180111_110126.jpg

Subida fortíssima com lindo visual de montanha 

20180111_111959.jpg

Grandes valas 

20180111_120715.jpg

Descampado, à frente armando o maior toró

20180111_122055.jpg

Bica antes do Passa Um

20180111_125108.jpg

Lindo visual de montanha, ao fundo o pico do papagaio que passamos depois de alguns dias 

20180111_125807.jpg

Linda mata

20180111_125116.jpg

Muita neblina

20180111_130024.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por casal100
      Resolvemos, dessa vez, fazer alguns roteiros distintos: beira-Mar, trilhas em montanhas e travessia.
      Começamos por Ubatuba, foram 10 dias de caminhada, por algumas das principais praias; depois pegamos nosso veículo e fomos fazer alguns roteiros em Extrema-MG e, por último,  a grata surpresa: TRAVESSIA DA SERRA DA CANASTRA-MG, que lugar maravilhoso: belas cachoeiras, trilhas fortes, flora e fauna exuberante, povo amigável, queijos deliciosos(alguns entre os melhores do mundo na sua categoria) sem contar a culinária mineira. Tudo de bom.
    • Por casal100
      ROTEIRO À PÉ:
       
      RIO GRANDE DO SUL:
      Portão
      Bom Princípio
      Carlos Barbosa
      Garibaldi
      Bento Gonçalves - Vale dos vinhedos
      Bento Gonçalves - Pinto Bandeira
      Bento Gonçalves - pela cidade
      Bento Gonçalves - caminho de Pedras
      Caxias do Sul - flores da Cunha
      Caxias do Sul - estrada dos imigrantes
      Nova Petropolis
      Gramado - Natal de Luz
      Canela - Cachoeira do Caracol
      Gramado - pela cidade (parques, centro)
      Santa Maria Herval
      Picada Café
      Ivoti
      Sapiranga
      Três Coroas
      São Francisco de Paula
      São Francisco de Paula  (parques, lagos e pela cidade)
      Tainhas
      Cambará do Sul
      Cambará do Sul - Canyon Itambezinho
      Cambará do sul - canyon Fortaleza
      Torres - praia
       
      SANTA CATARINA:
      Praia Grande - descida Serra do faxinal
      Balneário Gaivota - Praia
      Balneário arroio do Silva - Praia
      Balneário Rincão - Praia
      Balneário corrente - Praia
      Farol de Santa Marta - Praia
      Laguna - cidade histórica + Praia
      Orleans
      Guatá  (distrito de Lauro Muller) pé da serra do Rio do Rastro
      Bom Jardim da Serra
      ROTEIRO DE ÔNIBUS :
      São Joaquim
      Urubici
      Bom Retiro
      Lages
      Fraiburgo
      CONTINUAÇÃO À PÉ SANTA CATARINA:
      Videira
      Treze Tílias
      Água Doce
      Jaborá
      Concórdia
      Seara
      Chapecó
       
      PARANÁ (ÔNIBUS):
      Curitiba
      Paranagua
      Morretes
       
      QUILÔMETROS /DIAS: +- 1.300 kms em 53 dias
       
      PESSOAS:
      No planejamento da viagem nossa preocupação era de como seríamos recebidos nas pequenas cidades, visto que algumas delas não tinham vocação turística, e "mochileiros"poderiam ser "novidade". Mas, essa preocupação foi rapidamente deixada de lado.
      Fomos recebidos muito bem em todos os lugares (exceto dois episódios, que não afetou em nada nossa caminhada).
      Ficamos impressionados com a educação e o acolhimento da população do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, sempre solícitos às nossas demandas.
      Poxa, que saudade de tudo aquilo, em breve voltaremos.
       
      CIDADES:
      Praticamente todas as cidades desse roteiro tinham pousada ou hotel, somente o distrito de tainhas-SC não tem, somente restaurante (mas esse trecho tem serviço de ônibus intermunicipal).
       
      ESTRADAS:
      Optamos em fazer pelas estradas asfaltadas(alguns trechos fizemos em estrada de terra), pois não conseguimos informações sobre estradas secundárias nesta região.
       
      COBRAS:
      Nunca vimos tantas cobras como na serra Gaúcha, teve dia que vimos umas 5, quase minha esposa pisou numa em uma rodovia asfaltada.
      Elas ficam enroladas na pista de rolamento, é normal vê-las todas esmagadas por veículos, ficam parecendo um desenho no chão (pois vários veículos passam por cima).
       
      ANIMAIS SELVAGENS:
      Outra coisa que nos chamou atenção, vimos muitas espécies(raposa, cobras, tatu, macacos, roedores, porco espinho etc) passando lentamente perto de nós.
       
      PRECONCEITO:
      Tivemos um fato lamentável num hotel fazenda.
      O gerente nos recebeu num descaso tremendo, nem respondia nossas perguntas, foi preciso a intervenção de uma funcionária para resolver a situação (quase mandei o cara a pqp), o infeliz está no lugar errado.
      O outro caso foi mais leve, mas fiquei puto.
      Tirando isso, foi muito tranquilo ser mochileiro naquela região, muito tranquilo mesmo.
       
      PREÇOS HOTÉIS:
      Variou de $25 a 95 por pessoa (mas a crise pegou todo mundo ), em alguns lugares priorizamos ficar em lugares melhores,
      Sempre pechinchamos os preços, na maioria dos casos conseguimos descontos, principalmente à vista.
      Não fizemos nenhuma reserva, foi muito tranquilo.
       
      PREÇOS REFEIÇÕES:
      variou de $10 a $35 por pessoa à vontade.
      Peso : de $20 a $44 o quilo.
      Obs.: em média coloque $22 por refeição sem bebidas.
       
      ABUSO CONTRA TURISTA:
      Só tivemos alguns casos de abuso, mas nada gritante:
      Você chega em duas pessoas e pede somente um cafezinho pequeno, o cara trás dois grandes (claro, mais caro) e na maior cara de pau diz que pedimos dois.
      Isso aconteceu nuns 5 lugares na serra gaúcha, lamentável!
      Obs.: para nos proteger disso, fazíamos assim: chegávamos nos caixas do estabelecimento e pagava antecipadamente, acabou o problema.
       
      CARONA: precisamos pegar carona em algumas oportunidades, e foi até tranquilo conseguir.
      .fomos ao canyon Itambezinho e no Fortaleza à pé, e voltamos de carona, foi tranquilo.
      .quando visitamos uma cachoeira em Cambará do sul, fomos à pé e voltamos de carona ( neste dia pegamos três, cada um nos levou num pequeno trecho).
      .dividimos o trecho entre Seara e Chapecó-SC em dois, como o ônibus demoraria muito, resolvemos ir de carona, demorou uns 40 minutos para aparecer.
       
      SEGURANÇA:
      Em momento algum tivemos problema, somente em Porto Alegre (visita ao mercado central que nos orientaram a ter cuidado), mas os moradores de PA estão preocupados.
      .na saída de Caxias do Sul, saída para estrada dos imigrantes tem um lugar que me pareceu inseguro, mas nada complicado.
       
      NEGOCIAÇÃO HOSPEDAGEM:
      Sempre negocie, em alguns casos conseguimos descontos de 10% abaixo dos sites de hospedagem. Principmente nesta crise, em alguns casos somente nós dois estavam hospedados no hotel.
    • Por casal100
      Realizamos no período de 19 a 28 de julho de 2015, o circuito completo do Vale europeu em Santa Catarina. Foram 10 dias contemplando e vivienciando lugares, pessoas maravilhosas.
      Destaco alguns locais incriveis: Pomerode, blumemau, fazenda campo do zinco e sua maravilhosa cachoeira, lindos mirantes, estradas encantadoras, pessoas hospitaleiras e cordiais. Nāo tivemos nenhum incidente.
       
      Começamos antes do circuito, fazendo o caminho entre blumenau e pomerode a pé, e no final fizemos do mesmo modo a rota enxaimel em Pomerode, por isso o roteiro foi concluido em 10 dias.
       
      Brevemente relato completo.
    • Por casal100
      Realizamos no período de 01 a 30 de janeiro de 2016 o CRER, foram mais de 800 quilômetros de caminhada.
       
      O circuito começa no morro da piedade a uns 15 kms de Caeté -MG e termina no santuário de Aparecida no estado de São Paulo.
       
      Esse circuito ainda está em fase de implantação, no escritório da igreja da piedade não disponibilizam nenhuma informação sobre o roteiro.
      Fornecem somente um pequeno mapa de uma parte do roteiro, não consta nele nenhuma informação sobre hospedagem, refeições, quilometragem.......
      Tem que seguir os marcos , que em alguns lugares foram destruídos dificultando sobremaneira o prosseguimento.
      Mais de 80% deste roteiro seguem o mesmo percurso da Estrada Real, no nosso caso ajudou bastante, pois em caso de dúvida seguíamos os da ER.
       
      Esse é uma demonstração de parte do CRER.

      Em algumas cidades tem essas placas informativa sobre o caminho CRER

      Essas placas informam as distâncias entre cidades..

      O morro da piedade é aquele morro no fundo da foto, é ali que oficialmente começa do caminho CRER

      Essa é a portaria que dá acesso a igreja da Piedade início oficial do CRER

    • Por casal100
      Realizamos no periodo de 05 a 17 de Julho de 2015 a Volta completa da ilha de florianopolis a pé. Foram 12 dias e 251 quilometros.
      Somente a trilha entre ponta de canas e lagoinha que estava fechada, as outras estavam abertas.
      Em breve relato completo.


×
×
  • Criar Novo...