Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

casal100

Serra da Mantiqueira à pé - 1.100 kms pela Rainha dos caminhos (Jan/Fev 2018)

Posts Recomendados

Primeiro dia do carnaval, chegando a Suíça mineira. No carnaval os preços eram Suíços mesmo!
Mais um caminho: Estrada da fé

38° dia - 10.02.2018 - Sábado

Saída de Camanducaia e chegada a Monte Verde - MG(distrito de Camanducaia)
+-28 kms em aprox. 06:15hrs
Acumulado: 964 kms

O hotel disponibilizou café da manhã antes das 05 da manhã(café completo ótimo), tomamos rapidamente e saímos logo a seguir. Já deixamos o hotel reservado, pois os preços de Monte Verde estavam demasiadamente salgados, devido ao carnaval.
Atravessamos a cidade até o cemitério(esse é o caminho pela estrada de terra, tem outro pelo asfalto), viramos  na primeira rua à direita. Começou uma fortíssima subida até a saída da cidade. Pegamos estrada de terra com muitas subidas e descidas fortes e outras médias até o topo (1470msnm).
Após topo, começa uma longa e forte descida até um bairro(03:20hrs de caminhada total e 1270msnm), onde tem um supermercado na entrada (abre às 08:30hrs).
Passamos o bairro e logo começa uma forte subida.
Trecho com muita sombra, vimos muitas cobras venenosas mortas na beira da estrada. Chegamos ao trevo da Melhoramentos e seguimos reto, muito reflorestamento.
Tempo nublado e frio até o final.
Ficamos decepcionados com esse trecho,  achávamos que era muito bonito, mas devido ao reflorestamento,  encobria praticamente todos mirantes.
Depois de caminhar entre subidas /descidas médias e algumas retas chegamos na rodovia asfaltada  (1480msnm e 05:30hrs de caminhada total), estrada sem acostamento e com muito trânsito de veículos até Monte Verde.
Mais alguns kms e chegamos ao portal da cidade, muita gente oferecendo hospedagem(com preços bem altos), no posto informaram que o ônibus para Camanducaia passaria dentro de alguns minutos, como já conhecíamos Monte Verde de outras ocasiões,  pegamos o das 11:30hrs. A volta foi pelo asfalto(estrada muito mais bonita do que a que viemos),  micro-ônibus confortável($8 por pessoa), ele parou perto do hotel(esse ônibus tem ponto atrás da prefeitura e depois só para na rodoviária que é distante do centro da cidade).
Aproveitamos e já Almoçamos no mesmo restaurante do dia anterior  (fogão de lenha,  atrás da prefeitura e Santander).

MONTE VERDE: cidade voltada exclusivamente para o turismo,  1555 msnn, como era carnaval os preços estavam salgados.

Hospedagem: o mesmo hotel do dia anterior em Camanducaia.

Singela placa da Estrada da fé 

20180210_054247.jpg

Amanhecendo

20180210_064130.jpg

Trecho muito bem sinalizado

20180210_073617.jpg

Um dos poucos belos mirantes 

20180210_074657.jpg

Descida forte até um bairro

20180210_081121.jpg

Chegando na Melhoramentos 

20180210_092627.jpg

Outra bifurcação 

20180210_093749.jpg

Chegando a rodovia asfaltada, devido ao carnaval muito trânsito de veículos 

20180210_103914.jpg

Rodovia sem acostamento com lindo visual de montanha 

20180210_105838.jpg

Portal de entrada de Monte Verde-Mg

20180210_111613.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Preparando o corpo para as subidas que viriam

39° dia - 11.02.2018 - Domingo

Saída de Camanducaia e chegada a Cambui - MG
+-20 kms em aprox. 04:20hrs
Acumulado: 984 kms

Novamente o hotel preparou o café da manhã mais cedo para nós,  como o trecho era curto e mais fácil, saímos um pouco antes das 06 da manhã.
Os foliões ainda estavam na praça da matriz curtindo o carnaval.
Atravessamos toda a cidade e pegamos a Fernão Dias a uns quilometros à frente, atravessamos viaduto por baixo da via e pegamos acostamento na contra-mão,  vimos algumas cobras venenosas mortas no acostamento. Paramos em várias lanchonetes para tomar um cafezinho.
Esse trecho é somente uma grande reta e uma descida forte e longa. Pegamos muita neblina.
Nossa intenção era dormir entre Cambui e Gonçalves(pois o trecho até Gonçalves é forte), mas em Córrego do Bom Jesus (dista 5 kms de Cambuí), a única pousada existente estava cobrando  $200 o casal. Diante disso, resolvemos pernoitar em Cambuí.
Deixamos as mochilas no hotel e fomos comer num Self-service à vontade por  $22 na entrada da cidade.

CAMBUÍ: pequena cidade, 905msnm, alguns hotéis e pousadas, vários restaurantes, (domingo de carnaval estava quase tudo fechado). Tem várias agências bancárias.

Hospedagem: Hotel Lambert, fone: 035 3431-1637, centro, camas boas, ventilador, tv aberta, wifi fraco, banheiro privado sem box. Preço: $65 por pessoa com café da manhã(prometeram que fariam um cafezinho para nós e não fizeram).

muita neblina e grande movimento de veículos. 

20180211_072933.jpg

20180211_072945.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Encarando as fortes subidas
Visual muito parecido com o sul do Brasil

40° dia - 12. 02.2018 - Terça-feira
+-29 kms em aprox. 06:00horas
Acumulado 1013kms

Infelizmente perdi o relato deste dia, portanto os dados são aproximados.

O dono do hotel me garantiu que faria um cafezinho para nós as 05 da manhã, o que não aconteceu, infelizmente. Sorte que era carnaval e uma padaria estava aberta, tomamos um rapidamente e saímos. 
Atravessamos a cidade e pegamos rodovia asfaltada sem acostamento até a cidade de Córrego do Bom Jesus  (dista 5 kms), fizemos em uma hora(a altitude é quase a mesma de Cambuí .
O tempo estava frio, atravessamos a cidade na mesma rodovia,  no pé da serra o asfalto dá lugar a terra, como choveu no dia anterior tinha um pouco de lama.  A subida é bem forte e longa(como estávamos calejados de tantas subidas, esse trecho foi bem tranquilo e subimos rapidamente),  com lindo visual de toda região, destacando as cidades de Cambuí e Córrego do Bom Jesus,  continuamos subindo  (nos trechos mais íngreme, fizeram igual no trecho de Extrema, asfaltaram(ou com cimento)), facilitando muito.
Para ver com é esse trecho,  quando chove a linha de ônibus entre Cambuí x Gonçalves é interrompida(pior que tem só um horário), o ônibus não consegue subir.
Depois de uma descida chegamos no Bairro dos Costas, paramos numa padaria e tomamos um cafezinho e comemos mortadela.
Seguimos viagem, com subidas e descidas fortes.
Não lembro,  se foi antes ou depois desse bairro, que passamos na divisa entre Córrego do Bom Jesus e Paraisopolis, inclusive tem uma placa sinalizando a altitude.
Depois de um tempo chegamos noutra estrada de terra, viramos à esquerda e logo à frente numa bifurcação continuamos reto, alguns minutos chegamos na praça matriz da cidade.
Fomos na nova padaria e comemos biscoitão de polvilho sem Glutén e lactose e fomos atrás de hospedagem  (se estivem tudo lotado) pegaríamos o ônibus para cambui ou Paraisopolis.
Fomos na casa de uma senhora, na praça da matriz, que ficamos da outra vez, ela fechou a pousada, ela nos indicou uma mais acima, tudo resolvido, tomamos um banho e fomos num restaurante na saída para Paraisopolis e comemos Self-service por +-$40 o quilo.
À tarde fomos prestigiar o pequeno carnaval da cidade.

GONÇALVES: cidade bem pequena, 1350msnm, voltada praticamente para o turismo, boa estrutura turística.  Tem supermercados e comércio pequeno.
" ......é de se notar que os fragmentos florestais de Gonçalves e regiões próximas são considerados como Floresta Ombrófila Mista ou Floresta com Araucárias, formação que hoje praticamente só é encontrada no Sul do Brasil."
Wikipedia


Hospedagem: Pousada Arco-iris, próximo a igreja, fone: 035 3654-1282, quarto bem pequeno, acústica péssima, cama boa, pessoal atencioso, ventilador, tv pequena, wifi fraco, banheiro privado. Preço: $75 por pessoa com café da manhã.

Chegando a Córrego do Bom Jesus ainda escuro

20180212_055005.jpg

Pequena reta, já tínhamos terminado a subida forte, e o dia amanhecedo. Depois de 1000 kms e muitas subidas, essa foi "até fácil", saímos de Cambuí e terminamos a subida em aprox. 2 horas.

20180212_065607.jpg

Viemos lá de baixo

20180212_071112.jpg

No primeiro plano a pequena Córrego do Bom Jesus e ao fundo Cambuí(atrás região de Senador Amaral e suas montanhas)

20180212_073612.jpg

Passando próximo a uma pousada

20180212_080510.jpg

Trecho com mirantes para lindas montanhas 

20180212_085631.jpg

Divisa entre Córrego do Bom Jesus e Paraisopolis 

20180212_090055.jpg

À frente descida forte e ao fundo outra subida. 

20180212_101512.jpg

Muro com trepadeira e lindo visual, igual ao sul do Brasil. Já próximo de Gonçalves 

20180212_111602.jpg

Amanhecendo quase no final da primeira e forte subida

20180212_065336.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Descendo a ladeira, voltando para São Paulo. 

41° dia - 13.02.2018 - Quarta-feira

Saída de Gonçalves e chegada a São Bento do Sapucaí -SP
+-20 kms em aprox. 04:40hrs
Acumulado: 1033 kms

Gentilmente a pousada deixou café da manhã antes das 06 da manhã.
Saímos pouco depois,  passamos na mesma padaria de ontem para comer uns biscoitoes de polvilho,  pegamos estrada de terra próximo ao campo de futebol, com pouco movimento de veículos devido ao horário. Subidas média até a saída para Monte Verde, viramos à esquerda começando subida fortíssima,  chegamos ao topo em 01:20hrs - 1530msnm
Uma reta pequena e após descida forte,  novamente outra reta até restaurante da Vilma. Atravessamos porteira de madeira e começamos a subir,  lugar lindíssimo. Chegamos em outra porteira de madeira em 02:10hrs - 1530msnm - tempo encoberto e frio,  começamos descida fortíssima com neblina, logo a seguir pequena reta, o tempo abriu um pouco e tivemos um lindíssimo visual de montanha do lado esquerdo.
Chegamos noutra porteira de madeira (divisa estados Minas Gerais e São Paulo), ali começa a temida descida,  essa sim é fortíssima e longa. Depois começa asfalto, com passeio ao lado, até rodovia asfaltada, passamos por baixo dela por um viaduto estreito e, pouco depois, ao centro da cidade.
Fomos até a pousada Canto dos colibris, mas devido ao carnaval estava praticando preços acima do nosso orçamento. A proprietária nos indicou a Pousada Casa Blanca, na avenida principal em frente ao supermercado. A uns 3 anos tínhamos ficado nela, agora está toda reformada e limpa.
Deixamos as mochilas na pousada e fomos almoçar num restaurante Self-service a  $20 por pessoa à vontade.

SÃO BENTO DO SAPUCAÍ: cidade pequena, 865msnm, tem Santander, banco do Brasil não está aberto pois foi destruído por assaltantes. Várias pousadas no centro e na região,  vários restaurantes e comércio ativo. Cidade base para conhecer o complexo da pedra do baú.

Hospedagem: Pousada Casa Blanca,  fone:  012 3971-1637, reformado, camas boas, ventilador, tv aberta, wifi, limpo, banheiro privado. Preço: $60 por pessoa com café da manhã. RECOMENDO

verde exuberante 

20180213_073408.jpg

À direita casa centenária à direita tem uma igreja, na outra vez que fizemos esse trecho ao contrário, participamos de uma festa.

20180213_074652.jpg

Chegando à porteira 

20180213_082520.jpg

Começando a forte descida, já no estado de São Paulo 

20180213_083134.jpg

Tudo encoberto por forte neblina

20180213_083242.jpg

Visual de montanha encoberto 

20180213_084040.jpg

Sol aparecendo 

20180213_084341.jpg

Lindo visual

20180213_090639.jpg

Chegando em São Bento do Sapucaí - SP 

20180213_104727.jpg

Depois de 20 metros a neblina sumiu 

Obs.: foto fora de ordem. 

20180213_084328.jpg

Descida para São Bento do Sapucaí com lindo visual de montanha 

Obs.: foto fora da ordem 

20180213_090526.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Preparando para encarar de novo a subida da Luminosa

42° dia - 14.02.2018 - Quarta-feira

Saída de São Bento do Sapucaí - Sp e chegada a Paraisopolis - Mg
+-19 Kms em aprox. 03:30hrs
Acumulado: 1.052 kms

A proprietária da pousada perdeu a hora e não preparou cafezinho pra nós, sem problema, o atendimento dela foi 10. Fomos até a padaria e tomamos café.
Saímos mais tarde pois o trecho além de fácil era curto.
Atravessamos a cidade e pegamos rodovia asfaltada sem acostamento, com muito movimento de veículos, devido a volta do feriado prolongado.
Neste trecho tem alguns bares e mercearias. Lindo visual de montanha. Vimos,  de novo,  muitas cobras venenosas mortas na beira da estrada.
Preferimos,  desta vez, ficar noutro hotel, também indicado pelo Caminho da fé,  pegamos o caminho que passa na rodoviária e logo chegamos.
Deixamos as mochilas no hotel e fomos resolver alguns problemas no banco. Depois almoçamos Self-service à vontade por  $12 no mercado municipal.

PARAISOPOLIS: Pequena cidade, 860 msnm, tem vários bancos, comércio muito bom. Tem várias pousadas e hotéis, restaurantes.

Hospedagem: Serras Minas Hotel, fone: 035 3651-2282 e 3450, camas ótimas, tv grande, wifi, ar condicionado, frigobar, sofá,  banheiro privado,  novo e limpissimo, pessoal atencioso. Preço: $69 por pessoa com ótimo café da manhã.
Obs: os quartos da ala nova,  não tem barulho da rua e de um posto em frente. RECOMENDO.
Um dos melhores hotéis da viagem, além de mais barato do que o outro da praça.


Estrada para Gonçalves 

20180214_075831.jpg

Rodovia sem acostamento 

20180214_091252.jpg

Lindo visual de montanha 

20180214_091815.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Enfrentando a famosa subida da Luminosa e "apostando corrida com um ciclista"

43° dia - 15.02.2018 - Quinta-feira

Saída de Paraisopolis-Mg e chegada a Pousada Barão Montês  (Campos do Jordão) SP
+-39 kms em aprox. 08:30hrs
Acumulado: 1.091 kms

O hotel gentilmente preparou ótimo café da manhã antes das 06 da manhã. Saímos rapidamente, como o Inmet divulgou alerta amarelo para esse dia, nossa intenção inicial era dormir no bairro Cantagalo (SB Sapucaí -Sp).

Atravessamos a cidade até rodovia asfaltada sem acostamento, pouco movimento de veículos. Após algum  tempo entramos à direita numa estrada de terra, trecho bem tranquilo até entrada para São Bento do Sapucaí(pela estrada de terra), viramos à esquerda e começa uma subida longa e forte com lindo visual de montanha, até próximo do bairro Cantagalo (paramos na pousada do Jocemar($65 por pessoa o pernoite e almoço  $20, comemos um ótimo  de doce de figo em calda, $12 o vidro)) no Cantagalo tem mais duas pousadas(da Vó Maria que estava fechada provisoriamente e da Dona Helena $70 por pessoa com café da manhã e almoço ou jantar), como o tempo estava encoberto mas sem sinal de chuva, reprogramamos para dormir em Luminosa ou na Dona Inês(na subida da Luminosa). Pegamos um subida média até a divisa entre São bento Sapucaí  x Paraisopolis), depois começa fortíssima descida até Luminosa.
Chegando em Luminosa o tempo abriu, mas na subida o tempo estava encoberto, sinalizando chuva forte,  paramos na pousada para decidirmos, se continuaríamos ou dormiriámos ali.


Encontramos com o Cleiton,  ciclista de Franca-SP,  na pousada de Luminosa, ele estava aguardando o almoço sair (tinha dormido em Consolação e pedalou direto até ali, ele passou por nós antes, na descida chegando em Luminosa), disse-nos que  ia só almoçar e, imediatamente, subiria  e dormiria em Barão Montês, isso nos animou bastante, pois teríamos companhia na subida, então decidimos subir a Luminosa mesmo com chuva (se houvesse raio, tinha alguns lugares para abrigar).
Como estávamos à pé, combinamos com ele que sairíamos antes e encontraríamos em algum ponto do caminho, despedimos e saímos.
Comemos mais doce e começamos a temida subida.


No início foi tranquilo, vai aumentando de intensidade. Desta vez nem paramos na Dona Inês para tomar um cafezinho e prosear, passamos na plantação de banana do esposo dela e continuamos a subida. Quando vc acha que terminou, não chegou nem na metade.
Um 4 x 4 não conseguiu subir depois da primeira porteira.
Mais acima tem um novo restaurante que fornece refeições bem em conta.
Continuamos subindo até uma porteira à esquerda, atravessamos e fomos ver o lindo visual de toda região(e cadê o Cleiton?).
Voltamos a estrada e continuamos subindo. Um tempo e mais subida forte, chegamos na divisa entre Minas Gerais e São Paulo(caramba, será que o Cleiton desistiu ou dormiu depois do almoço?). Depois começa sequência de subidas e descidas leves até a rodovia asfaltada(poxa, cadê o Cleiton?).
Viramos à esquerda e pegamos uma descida leve e curta,  logo a seguir começa outra subida forte e longa com muitas curvas com pouco movimento de veículos. Passamos pela entrada para a pedra do baú e,  mais uns 2 quilômetros chegamos à Pousada(pensamos, o Cleiton fez o caminho por São Bento do Sapucaí e já deve ter até almoçado, ledo engano, chegamos e ele não estava)
Tomamos banho e comemos excelente comercial de contra filé por $22 cada (tem opções mais barata), no restaurante da pousada.
Obs.: só quando estávamos quase terminando o almoço que o Cleiton chegou,  ficou surpreso por já termos tomado banho e já estávamos almoçando. Ele deve tá pensando até hoje que pegamos carona kkkkk.

Refletindo hoje sobre esse caminho,  acho que só conseguimos fazer abaixo de 10 horas em função do tempo frio e a motivação do Cleiton,  um especial e cordial agradecimento a ele, VALEU MESMO! O melhor da viagem são as pessoas que conhecemos no caminho. Que rapaz educado viu.

Até Cantagalo 03:05hrs - 1120msnm
De Cantagalo até primeiro topo divisa Minas Gerais x São Paulo 03:50hrs no total - 1265msnm (antes de Luminosa)
Chegada Luminosa: 04:35hrs total - 860msnm
Topo da divisa Minas Gerais x São Paulo 1670msnm - 07:00hrs total
Chegada ao asfalto 1730 msnm 07:40hrs
Chegada Pousada Barão Montês: 1680msnm - 08:30hrs

Hospedagem: Pousada Barão Montês, fone:    camas boas, banheiro privado(quarto de casal), sem wifi, não tem Tv. Preco: $60 por pessoa com café da manhã.
Obs.: celular não pega.
Maravilhoso visual de toda região de Luminosa  (foto tirada no último mirante, tem que entrar num colchete à esquerda para vislumbrar isso tudo) SHOW

20180215_132406.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Outras fotos do trecho entre Paraisopolis-Mg x Pousada Barão Montês-Sp

Amanhecendo o dia

20180215_070922.jpg

Vamos subir aquele morro do meio

20180215_074943.jpg

Subida forte com lindo visual

20180215_084110.jpg

Divisa São Paulo x Minas Gerais 

20180215_102214.jpg

Descida antes de Luminosa,  do lado direito a temível subida da Luminosa 

20180215_104239.jpg

Tempo fechando já chovendo no topo

20180215_114615.jpg

Subida forte 

20180215_123339.jpg

Lindo visual de Luminosa 

20180215_124152.jpg

Subida e mais subidas

20180215_130640.jpg

Chegando a outra divisa

20180215_134818.jpg

Trecho já em Campos do Jordão 

20180215_135119.jpg

Rodovia asfaltada sem acostamento 

20180215_143207.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 Chegando ao início de tudo

44° dia - 16.02.2018 - Sexta-feira

Saída da Pousada Barão Montês e chegada a Campos do Jordão-SP
+-23 kms em aprox. 04:30hrs
Acumulado: 1.114 kms.

A pousada gentilmente preparou café da manhã antes das 06 da manhã, saímos com o dia claro.
No início rodovia asfaltada sem acostamento com muitas curvas fechadas, trecho somente em descida (MUITO CUIDADO).
Num bairro viramos à direita e pegamos estrada de terra com muitas subidas médias.
Depois de 02 horas chegamos no topo, onde do lado direito visual da pedra do baú  (que estava encoberta pela neblina) e do esquerdo lindo visual de montanha com casas magníficas - 1600msnm
Depois uma descida leve,  após subidas médias até avenida asfaltada  (1690msnm e 03:05hrs no total).
Atravessamos a avenida e começamos a descer por uma rua com lindas casas. Passamos defronte fábrica de chocante Araucaia e logo chegamos ao centro da cidade, mais uns 200 metros à pousada.
Deixamos as mochilas e comemos um comercial $18 por pessoa num restaurante embaixo do hotel.
Gentilmente o Tadeu, dono da pousada Primavera, conseguiu um Dentista na cidade para restaurar meu dente, que quebrou no dia anterior.

CAMPOS DO JORDÃO: Cidade média,  a cidade mais alta do Brasil, uma das melhores cidades do Brasil para fazer turismo, pousadas ótimas de todo preço,  profissionais preparados. Todos os bancos. Comércio ótimo. Lindas casas e jardins.  Sem dúvida um lugar maravilhoso. Grandes atrações turísticas.

Hospedagem: Pousada Primavera, fone: 012 3663-1023 , camas ótimas, tv sky com alguns canais fechados, ar condicionado, banheiro privado, cofre eletrônico, frigobar, wifi, limpissimo, varanda com flores, estacionamento, praticamente no centro da cidade  (200 metros). Preço: $65 por pessoa com ótimo café da manhã. RECOMENDO
Obs.: ônibus para o horto na porta.
Atendimento nota 10.
O melhor custo-benefício da viagem.

Rodovia asfaltada sem acostamento 

20180216_073308.jpg

Logo a frente viramos à direita 

20180216_073728.jpg

A pedra do Baú estava encoberta 

20180216_084246.jpg

Chegando à avenida com lindas casas

20180216_094451.jpg

Chegando à Pousada Primavera, de onde saímos a mais de 40 dias

20180216_111358.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dias 45° e 47°
Curtindo Campos de Jordão-SP
+- 10 kms
Acumulado: 1124 kms

45° dia - 17.02.2018 - Sábado
Pegamos o carro e fomos rever alguns lugares:
.Pico do Itapeva(pena que o tempo estava encoberto).
.Circuito turístico alto da boa vista, destacando a linda estrada, o palácio do governo e o museu Felicia Leiner  (jardim com lindas esculturas, espetacular visão da pedra do baú e de toda região);
.seguimos até o Mirante de um bairro com ótima visão da cidade.
.Pegamos  estrada asfaltada e fomos até a pousada Barão Montês almoçar.
.volta ao centro da cidade, e passeio pelo centro.

Obs.: deixei o relato do 46° dia para postar no final.

47° 3dia - 19.02.2018 - Segunda-feira

Neste dia fomos caminhando até o horto florestal de Campos do Jordão(+-10kms e 02 horas de caminhada tranquila)sem mochila, assim demos a volta completa  (terminamos onde começamos), estrada asfaltada sem acostamento com visual lindíssimo, casas lindas, jardins. Na volta pegamos ônibus  $3,50 por pessoa até a porta da pousada.
À tarde fomos no circuito turístico Gavião Gonzaga(o mesmo trecho caminho da fé) de carro, lindo visual de montanha e da Pedra do Baú,  estradinha perigosas sem acostamento,  muitas curvas fechadas e, devido às chuvas, muitas árvores caídas e mato alto.
Retornamos pela rodovia asfaltada.
Depois fomos ao circuito turístico do Imbiri, destacando o morro do elefante e a magnífica vista de quase toda a cidade.
Retornamos a pousada para arrumar as coisas pois era o fim da viagem.

RESUMINDO CAMPOS DO JORDÃO:
Simplesmente Sensacional!


Jardim Felicia Leiner 

20180217_113504.jpg

Mirante no jardim 

20180217_113641.jpg

Mirante num bairro

20180217_120420.jpg

Fotos segundo dia:

Lindos condomínios fechados

20180219_072208.jpg

Flores 

20180219_085017.jpg

Chegando ande começamos, portaria do horto florestal de Campos do Jordão - Sp

20180219_085407.jpg

Bela vista de Campos do Jordão desde morro do elefante 

20180219_160835.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Visitando o topo da pedra do baú.
Obs.: Fazer um trecho longo desse  e não subir a pedra do baú é  o mesmo que ir ao Rio de Janeiro e não subir até o Cristo. Por isso deixei esse dia por último no relato.

46° dia - 18.02.2018 - Domingo

Saída de Campos do Jordão e chegada São Bento do Sapucaí - Sp e retorno à Campos do Jordão
+--5kms
Acumulado: 1.129 kms

Pegamos o carro, saímos em direção a Pousada Barão Montês  (tem outra estrada), chegamos na porta do Parque e resolvemos ir até o outro lado(estacionamento do restaurante), rodovia asfaltada estreita, muitas curvas fechadissimas  e com muitas descidas fortíssimas, viramos à esquerda depois de umas casas, e começa subida forte em estrada asfaltada estreita, pouco depois chegamos ao estacionamento do restaurante  (se não for almoçar, cobram $15 para estacionar por veículo)

Somente a parte difícil está aberta, a outra está interditada. Minha parceria resolveu não subir comigo, tive que subir/descer rapidamente, pois ela estava me aguardando e tem problema com hipotermia, e neste dia estava muito frio.
Essa subida é bem forte, tem grampos inseridos nas pedras.
Tive muito cuidado, pois não utilizei proteção,  mas foi até tranquilo,  tem somente uma parte bem tensa. O visual no topo vale todo o esforço. Tirei algumas fotos  e desci rápido. Descemos até o restaurante e resolvemos almoçar ali mesmo, apesar do preço salgado. Retornamos pela mesma estrada com muito movimento e neblina.

.00:35hrs do restaurante até a base da pedra;
.00:16hrs subida pelas escadas e grampos;
.00:15hrs descida até base da pedra;
.00:25hrs descidas base até restaurante.
Neste dia tinha muita gente subindo com guia o que atrapalhava muito.

Almoçamos no restaurante da Pedra do Baú,  $32 (+10% de taxa).
Esperávamos uma comida ótima,  apesar de ter leitoa, frango caipira, achamos muito caro pelo que oferecem.  Comemos comidas bem melhores nesta viagem por no máximo $25 por pessoa.
Se for usar somente o estacionamento cobram $15 por carro.
Retornamos à mesma pousada em Campos do Jordão, dos dias anteriores.
 

Essa parte deu medo

20180218_111848.jpg

Vista do outro lado

20180218_112119.jpg

Linda vista

20180218_112513.jpg

Idem

20180218_113426.jpg

Idem 

20180218_113403.jpg

Idem

20180218_113432.jpg

Topo, isso aqui é lindo demais

20180218_113833.jpg

Simplesmente sensacional 

20180218_114024.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por casal100
      Resolvemos, dessa vez, fazer alguns roteiros distintos: beira-Mar, trilhas em montanhas e travessia.
      Começamos por Ubatuba, foram 10 dias de caminhada, por algumas das principais praias; depois pegamos nosso veículo e fomos fazer alguns roteiros em Extrema-MG e, por último,  a grata surpresa: TRAVESSIA DA SERRA DA CANASTRA-MG, que lugar maravilhoso: belas cachoeiras, trilhas fortes, flora e fauna exuberante, povo amigável, queijos deliciosos(alguns entre os melhores do mundo na sua categoria) sem contar a culinária mineira. Tudo de bom.
    • Por casal100
      ROTEIRO À PÉ:
       
      RIO GRANDE DO SUL:
      Portão
      Bom Princípio
      Carlos Barbosa
      Garibaldi
      Bento Gonçalves - Vale dos vinhedos
      Bento Gonçalves - Pinto Bandeira
      Bento Gonçalves - pela cidade
      Bento Gonçalves - caminho de Pedras
      Caxias do Sul - flores da Cunha
      Caxias do Sul - estrada dos imigrantes
      Nova Petropolis
      Gramado - Natal de Luz
      Canela - Cachoeira do Caracol
      Gramado - pela cidade (parques, centro)
      Santa Maria Herval
      Picada Café
      Ivoti
      Sapiranga
      Três Coroas
      São Francisco de Paula
      São Francisco de Paula  (parques, lagos e pela cidade)
      Tainhas
      Cambará do Sul
      Cambará do Sul - Canyon Itambezinho
      Cambará do sul - canyon Fortaleza
      Torres - praia
       
      SANTA CATARINA:
      Praia Grande - descida Serra do faxinal
      Balneário Gaivota - Praia
      Balneário arroio do Silva - Praia
      Balneário Rincão - Praia
      Balneário corrente - Praia
      Farol de Santa Marta - Praia
      Laguna - cidade histórica + Praia
      Orleans
      Guatá  (distrito de Lauro Muller) pé da serra do Rio do Rastro
      Bom Jardim da Serra
      ROTEIRO DE ÔNIBUS :
      São Joaquim
      Urubici
      Bom Retiro
      Lages
      Fraiburgo
      CONTINUAÇÃO À PÉ SANTA CATARINA:
      Videira
      Treze Tílias
      Água Doce
      Jaborá
      Concórdia
      Seara
      Chapecó
       
      PARANÁ (ÔNIBUS):
      Curitiba
      Paranagua
      Morretes
       
      QUILÔMETROS /DIAS: +- 1.300 kms em 53 dias
       
      PESSOAS:
      No planejamento da viagem nossa preocupação era de como seríamos recebidos nas pequenas cidades, visto que algumas delas não tinham vocação turística, e "mochileiros"poderiam ser "novidade". Mas, essa preocupação foi rapidamente deixada de lado.
      Fomos recebidos muito bem em todos os lugares (exceto dois episódios, que não afetou em nada nossa caminhada).
      Ficamos impressionados com a educação e o acolhimento da população do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, sempre solícitos às nossas demandas.
      Poxa, que saudade de tudo aquilo, em breve voltaremos.
       
      CIDADES:
      Praticamente todas as cidades desse roteiro tinham pousada ou hotel, somente o distrito de tainhas-SC não tem, somente restaurante (mas esse trecho tem serviço de ônibus intermunicipal).
       
      ESTRADAS:
      Optamos em fazer pelas estradas asfaltadas(alguns trechos fizemos em estrada de terra), pois não conseguimos informações sobre estradas secundárias nesta região.
       
      COBRAS:
      Nunca vimos tantas cobras como na serra Gaúcha, teve dia que vimos umas 5, quase minha esposa pisou numa em uma rodovia asfaltada.
      Elas ficam enroladas na pista de rolamento, é normal vê-las todas esmagadas por veículos, ficam parecendo um desenho no chão (pois vários veículos passam por cima).
       
      ANIMAIS SELVAGENS:
      Outra coisa que nos chamou atenção, vimos muitas espécies(raposa, cobras, tatu, macacos, roedores, porco espinho etc) passando lentamente perto de nós.
       
      PRECONCEITO:
      Tivemos um fato lamentável num hotel fazenda.
      O gerente nos recebeu num descaso tremendo, nem respondia nossas perguntas, foi preciso a intervenção de uma funcionária para resolver a situação (quase mandei o cara a pqp), o infeliz está no lugar errado.
      O outro caso foi mais leve, mas fiquei puto.
      Tirando isso, foi muito tranquilo ser mochileiro naquela região, muito tranquilo mesmo.
       
      PREÇOS HOTÉIS:
      Variou de $25 a 95 por pessoa (mas a crise pegou todo mundo ), em alguns lugares priorizamos ficar em lugares melhores,
      Sempre pechinchamos os preços, na maioria dos casos conseguimos descontos, principalmente à vista.
      Não fizemos nenhuma reserva, foi muito tranquilo.
       
      PREÇOS REFEIÇÕES:
      variou de $10 a $35 por pessoa à vontade.
      Peso : de $20 a $44 o quilo.
      Obs.: em média coloque $22 por refeição sem bebidas.
       
      ABUSO CONTRA TURISTA:
      Só tivemos alguns casos de abuso, mas nada gritante:
      Você chega em duas pessoas e pede somente um cafezinho pequeno, o cara trás dois grandes (claro, mais caro) e na maior cara de pau diz que pedimos dois.
      Isso aconteceu nuns 5 lugares na serra gaúcha, lamentável!
      Obs.: para nos proteger disso, fazíamos assim: chegávamos nos caixas do estabelecimento e pagava antecipadamente, acabou o problema.
       
      CARONA: precisamos pegar carona em algumas oportunidades, e foi até tranquilo conseguir.
      .fomos ao canyon Itambezinho e no Fortaleza à pé, e voltamos de carona, foi tranquilo.
      .quando visitamos uma cachoeira em Cambará do sul, fomos à pé e voltamos de carona ( neste dia pegamos três, cada um nos levou num pequeno trecho).
      .dividimos o trecho entre Seara e Chapecó-SC em dois, como o ônibus demoraria muito, resolvemos ir de carona, demorou uns 40 minutos para aparecer.
       
      SEGURANÇA:
      Em momento algum tivemos problema, somente em Porto Alegre (visita ao mercado central que nos orientaram a ter cuidado), mas os moradores de PA estão preocupados.
      .na saída de Caxias do Sul, saída para estrada dos imigrantes tem um lugar que me pareceu inseguro, mas nada complicado.
       
      NEGOCIAÇÃO HOSPEDAGEM:
      Sempre negocie, em alguns casos conseguimos descontos de 10% abaixo dos sites de hospedagem. Principmente nesta crise, em alguns casos somente nós dois estavam hospedados no hotel.
    • Por casal100
      Realizamos no período de 19 a 28 de julho de 2015, o circuito completo do Vale europeu em Santa Catarina. Foram 10 dias contemplando e vivienciando lugares, pessoas maravilhosas.
      Destaco alguns locais incriveis: Pomerode, blumemau, fazenda campo do zinco e sua maravilhosa cachoeira, lindos mirantes, estradas encantadoras, pessoas hospitaleiras e cordiais. Nāo tivemos nenhum incidente.
       
      Começamos antes do circuito, fazendo o caminho entre blumenau e pomerode a pé, e no final fizemos do mesmo modo a rota enxaimel em Pomerode, por isso o roteiro foi concluido em 10 dias.
       
      Brevemente relato completo.
    • Por casal100
      Realizamos no período de 01 a 30 de janeiro de 2016 o CRER, foram mais de 800 quilômetros de caminhada.
       
      O circuito começa no morro da piedade a uns 15 kms de Caeté -MG e termina no santuário de Aparecida no estado de São Paulo.
       
      Esse circuito ainda está em fase de implantação, no escritório da igreja da piedade não disponibilizam nenhuma informação sobre o roteiro.
      Fornecem somente um pequeno mapa de uma parte do roteiro, não consta nele nenhuma informação sobre hospedagem, refeições, quilometragem.......
      Tem que seguir os marcos , que em alguns lugares foram destruídos dificultando sobremaneira o prosseguimento.
      Mais de 80% deste roteiro seguem o mesmo percurso da Estrada Real, no nosso caso ajudou bastante, pois em caso de dúvida seguíamos os da ER.
       
      Esse é uma demonstração de parte do CRER.

      Em algumas cidades tem essas placas informativa sobre o caminho CRER

      Essas placas informam as distâncias entre cidades..

      O morro da piedade é aquele morro no fundo da foto, é ali que oficialmente começa do caminho CRER

      Essa é a portaria que dá acesso a igreja da Piedade início oficial do CRER

    • Por casal100
      Realizamos no periodo de 05 a 17 de Julho de 2015 a Volta completa da ilha de florianopolis a pé. Foram 12 dias e 251 quilometros.
      Somente a trilha entre ponta de canas e lagoinha que estava fechada, as outras estavam abertas.
      Em breve relato completo.


×
×
  • Criar Novo...