Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

 Fernando de Noronha é um arquipélago que pertence ao estado de Pernambuco. Noronha acaba sendo um destino não muito econômico, pois todos os produtos utilizados no arquipélago vêm do continente, o que os encarece bastante. Mas cada centavo gasto é muito bem recompensado pelas paisagens. Lembrando que a Baía do Sancho está em primeiro lugar na lista das 25 praias mais bonitas do Brasil pela Traveller’s Choice 2018 e a Praia da Cacimba do Padre também está lá.

Como chegar:

       As duas companhias aéreas que operam voos para Noronha são a Gol e a Azul. Momento “Lá vem estória”: Essa parte me dói só de lembrar. Rs Estava pesquisando já há algum tempo os preços de passagem, até que achei por 700,00, aí fiquei na indecisão: compro ou não compro? Resultado: não comprei. Quando foi a tarde, a passagem já estava 1200,00, fiz a desesperada e comprei. No dia seguinte estava 700,00 de novo. Moral da estória: se a passagem estiver barata, compra logo ou espera o valor reduzir novamente.

WaterMark_2018-04-16-13-42-25

     Para entrar na Ilha é necessário o pagamento da Taxa de Preservação Ambiental que varia de acordo com o tempo de permanência. Segue tabela abaixo:

tabela taxa noronha

       Mais informações no site http://www.noronha.pe.gov.br/turPreservacao.php

       Dica: Já compre antes pela internet para evitar filas no aeroporto. E guarde o comprovante !

    Além da taxa de preservação, é preciso comprar um Ingresso do Parque Nacional Marinho para acessar alguns locais como a Baía do Sueste,a trilha para o Mirante da Baía do Sancho e a Praia do Atalaia, que está R$ 97,00 para brasileiros e R$195,00 para estrangeiros e também pode ser comprado pelo site https://tickets.parnanoronha.com.br/ ou direto lá em Noronha.

Onde ficar:

       Como os valores de hospedagens em hotéis em alta temporada eram muito altos para meu orçamento, depois de muito pesquisa, descobri que alguns moradores fazem adaptações em suas casas transformando em “mini pousadas”. Escolhi a “Casa da Albertina”, pois tinha um valor atrativo e foi super atenciosa comigo e a localização era excelente, no centro – na Vila dos Remédios. Acabei ficando em um quarto anexo do outro lado da rua da casa principal, com micro-ondas, frigobar e sanduicheira. Como o café da manhã não estava incluído, foram extremamente úteis. Quem quiser, eu passo o contato.

O que levar:

> Se ainda não tiver um snorkel, acho válido comprar o seu. Pois você o usará em praticamente todas as atividades, além de poder utilizar em outras viagens e não precisará gastar com o aluguel (além de ser mais higiênico também.rs)

> Câmera subaquática ou gopro. Mas há alguns lugares que alugam essas câmeras.

> Protetor solar e labial

> Um tênis confortável, se for fazer as trilhas.

Tá gostando? Inscreva-se no blog para receber avisos de novos posts, no Instagram @astrolabio.trip e na página no Facebook Astrolábio Trip.

O que fazer em Fernando de Noronha

       Fiquei 6 dias em Noronha e pra mim foi o tempo ideal para aproveitar os passeios de barco, de Buggy, mergulho e trilhas. A ilha não é muito grande, mas oferece muito para se ver e fazer. Organize-se para não desperdiçar nem um minuto!

  • Praia da Cacimba do Padre, Baía dos Porcos e Sancho.

       Um dos cenários mais bonitos de Noronha, em cima e embaixo d´água. O acesso  à Baía dos Porcos e Sancho não é dos mais simples. Do mirante da Baía do Sancho há uma escada na fenda de um penhasco para descer até a Praia do Sancho, mas como tudo em Noronha, vale a pena o esforço para mergulhar nas águas transparentes repletas de peixes e conseguir apreciar o Morro Dois Irmãos de excelentes ângulos.

WaterMark_2018-04-16-13-41-00WaterMark_2018-04-16-13-41-58WaterMark_2018-04-16-13-44-57DSCN2483

  • Ilha Tour

       O passeio pelo arquipélago que pode ser realizado em buggy, van ou 4×4 (dependendo da agência) com visita às praias, pontos históricos, com parada para banho, mergulho livre e dura o dia inteiro. Inclui ainda os mirantes e a Vila dos Remédios. O almoço não está incluso.

watermark_2018-04-16-13-40-041161027693.jpg?w=338&h=254dscn2546509098771.jpg?w=308&h=231

  • Mergulho

       Os mergulhos são os pontos altos de Fernando de Noronha. Devido à sua preservação, podemos entrar em contato com toda sua diversidade de fauna marinha.

P1850926P1850883

        As agências de turismo oferecem mergulhos para credenciados e batismo. Mas como sou uma viajante econômica, achei muito caro. Até que na volta de um dos passeios, chegando na Praia do Porto, conheci um rapaz que cobrava a metade do preço para o mergulho até o Naufrágio GregoEleane Stathatos, afundado em 1929, próximo ao Porto de Santo Antônioe sua profundidade é de 8 metros. Já estava incluído no valor todos os equipamentos (roupa de Neoprene, pés de pato, cilindro, máscara, colete). Para mim esse mergulho foi ideal. Mas para os mais corajosos, oriento verificar direto com as agências os de maior profundidade.P1850937P1850941

  •       Pôr do sol

       Esse é um espetáculo à parte. Os locais mais disputados (sim, ficam cheios) para assistir são a Praia da Conceição, Cacimba do padre e do forte Nossa Senhora do Remédios e o Forte São Pedro do Boldró (nos levam no final do Ilhatour).

WaterMark_2018-04-16-13-39-13
WaterMark_2018-04-16-13-38-47
WaterMark_2018-04-16-13-37-58
  • Projeto Tamar

    Além das palestras ambientais que acontecem diariamente às 20h, sobre tubarões, tartarugas, golfinhos e o próprio Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, há uma atividade imperdível: o monitoramento de tartarugas marinhas. Esta atividade pode ser acompanhada por nós, todas as 2ª e 5ª feiras, e é realizada através de captura intencional para marcação das tartarugas, na Praia da Baía do Sueste.tamarDSCN3049

  • Museu do Tubarão

       No museus do tubarão podemos conhecer um pouco mais sobre estes animais e as espécies presentes em Noronha. Há também um restaurante anexo. Uma parte bem divertida desse local são as esculturas onde podemos tirar muitas fotos, além da vista maravilhosa como em toda ilha.

WaterMark_2018-04-16-13-45-53DSCN2542

       Gostou? Então não perca o próximo post com a continuação da viagem, com os Passeios de Barco, Trilhas, vida noturna e dicas úteis.

Inscreva-se no blog para receber avisos de novos posts, no Instagram@astrolabio.trip ,na página no Facebook Astrolábio Trip   e agora no nosso canal no Youtube Astrolábio Trip.

  Até breve, pessoal! Xoxo

Compartilhar este post


Link para o post

  • Passeios de barco em Noronha

       Os passeios de barco são imperdíveis e conseguimos ver golfinhos bem de perto. Há passeios de barco com duração de 3 horas  e 5 horas, que percorrem toda a costa do mar de dentro, com parada para banho na baía do Sancho. A diferença é que no de 5 horas há mais paradas para banho.

>Entardecer Vip = Passeio feito em lancha que inclui o mergulho a reboque também, como alimentação inclusa (no que fiz era um churrasco) com parada para o pôr do sol. Duração de 3 horas.

>Passeio Plana Sub/ Mergulho à reboque = Você é puxado a baixa velocidade durante 30 minutos, segurando em uma prancha de acrílico presa por cabos ao barco. É necessário usar máscara e snorkel.

> Projeto Navi = É um passeio em um barco com algumas partes do fundo transparentes, te dando uma visão do fundo do mar. Não fiz, pois não achei muito interessante. Achei melhor entrar na água logo. Rs  http://projetonavi.com.br/

 

DSCN2657
DSCN2712
WaterMark_2018-04-16-13-51-03
  • Observação de golfinhos

       Para observar os golfinhos no Mirante da Baía dos Golfinhos é preciso madrugar, pois o melhor horário é por volta das seis da manhã. É neste horário que eles costumam aparecer. Há biólogos do Ibama que ficam no local dando orientações e até emprestam binóculos para ver os bichinhos, até mesmo porque nesta praia é proibido mergulhar. A baía é um verdadeiro santuário, onde o banho, a pesca e o mergulho são rigorosamente proibidos – o local é exclusivo dos mamíferos que ali se acasalam, alimentam os filhotes ou simplesmente descansam.

DSCN2960

Está curtindo? Inscreva-se no blog para receber avisos de novos posts, no Instagram @astrolabio.trip  e na página no Facebook Astrolábio Trip.

  • Baía do Sueste

    Fica localizada no mar de fora e possui riquíssima fauna marinha o que a torna perfeita para a prática de snorkelling/mergulho livre. Também é onde é realizada a atividade de monitoramento de tartarugas marinhas pelo Tamar. E foi onde vi meu primeiro tubarão.rs.

     

     

    P1850994
    P1850978
  • Vila dos Remédios

       As construções histórias da Vila dos Remédios são bem conservadas fazendo com que o centro da ilha pareça um cenário. O centro cresceu ao redor da igreja de Nossa Senhora dos Remédios, construída em 1772 pelos portugueses e tombada pelo Iphan. A vila  abriga a sede da administração da ilha – o Palácio de São Miguel,  as ruínas tombadas da Fortaleza de Nossa Senhora dos Remédios, erguida no século XVIII; e o Memorial Noronhense.

 

 

vila dos remedios
WaterMark_2018-04-16-13-50-46
  • Trilhas

       Noronha tem trilhas que levam a praias e mirantes. Todas são bem sinalizadas e a maioria tem entre dois e três quilômetros – a exceção é a Trilha do Capim-Açu, com dez quilômetros. As principais trilhas precisam ser agendadas com antecedência, pois há limite de pessoas por dia.
>Morro São José: 16 vagas
>Abreu: 24 vagas
>Pontinha-Caieira: 40 vagas
>Atalaia: 6 grupos de 16 pessoas (96 vagas)  – pode variar de acordo com a maré e o assoreamento da piscina
>Capim-Açu: 40 vagas

       A trilha que escolhi fazer foi a Trilha Atalaia Longa, mas tive que contratar um guia (geralmente na pousada ou hotel sempre haverá algum a ser indicado). Começamos com uma caminhada de uns 30 minutos até a Praia do Atalaia. Lá fazemos a primeira parada para snorkelling em um aquário natural bem perto da areia. O acesso à praia é controlado pelo Ibama e é preciso agendamento prévio, pois há tempo estipulado na aquário natural e é proibido o uso de protetor solar. Mas te garanto que compensa!

 

P1850623
P1850652

       Depois desse mergulho maravilhoso é hora de começar o  percurso, que  é de 3,7 km, vamos caminhando em meio a paisagens deslumbrantes. Há paradas para banho e muitas paradas para fotos. Essa trilha é imperdível!

 

 

DSCN2870
DSCN2911
WaterMark_2018-04-16-13-51-36
WaterMark_2018-04-16-13-52-12
  • Vida Noturna em Noronha

       Projeto Tamar: Esse é um passeio noturno mais cultural. Há palestras diárias no Centro de Visitantes do Projeto Tamar, a partir das 20h, há apresentação de documentários e debates com entrada franca. Entre os temas estão golfinhos, tubarões, tartarugas marinhas e o Parque Marinho de Noronha.

       A pedida é seguir para o forró do Bar do Cachorro, que reúne nativos e turistas.

       Muzenza Pizzaria :  É uma pizzaria ao lado da igreja na Vila dos Remédios. Cada dia da semana é um estilo musical diferente, mas o que “bomba” é o dia do Reggae.

 

 

DSCN3061
DSCN3064

Dicas :

> No canto da Praia do Cachorro tem uma piscina natural entre as pedras. Infelizmente, só descobri quando estava indo embora e não dava tempo de ir até lá. Mas consegui registrar mesmo de longe.

WaterMark_2018-04-16-13-45-21

> A maioria das agências oferece desconto com pagamento dos passeios em dinheiro.

> Há uma agência do Banco Santander, Banco Postal (BRADESCO em convênio com os Correios ECT) e terminal eletrônico da Caixa Econômica Federal no supermercado Poty da Ilha.

Gostou? Já esteve lá? Conte-nos como foi sua experiência!  Inscreva-se no blog para receber avisos de novos posts, no Instagram @astrolabio.trip  e na página no Facebook Astrolábio Trip.

Até o próximo post, viajantes! XOXO

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por mcm
      Desde sempre que Noronha está no radar. O problema sempre foi preço e logística. Não cabe num fim de semana e, para mim, não cabia num feriado. Dado que perdemos o dia de chegada e boa parte do dia da volta, um feriado de 4 dias resultaria em 2 dias cheios somente. Eu arbitrei para mim que precisava de pelo menos 4 dias cheios. Noronha caía então num limbo: não cabe num feriado, e nas férias vamos para fora.
      Mas eis que a oportunidade chegou. O Rio de Janeiro tem feriado no dia 20 de Novembro. Junte esse com o do dia 15 e temos um mega emendão de 6 dias. Assim que identifiquei isso, no começo de 2018, corri para emitir passagens com milhas. Foram as milhas mais caras que já usei (25 mil por perna com o smiles), mas usei com muita felicidade. Sabendo dos altos preços na ilha, logo reservei uma pousada – Flat do Indio, a mais em conta que encontrei no booking com ar condicionado e banheiro privativo. Por 300 a diária.
      Chegamos em Fernando de Noronha conforme previsto, por volta das 16hs. Fizemos rapidamente o check in na ilha – já havíamos pago a taxa antecipadamente – e, como não tínhamos mala, fomos os 1os a sair. Mas eis que... não havia taxis no aeroporto na chegada! Primeira coisa estranha. Não demorou 5 minutos para que um aparecesse, e assim fomos para nossa pousada. Apenas largamos as coisas por lá e imediatamente partimos para curtir o pôr do sol em algum canto próximo. Podia ser no forte da Vila dos Remédios, mas preferimos as praias. Fomos mapeando o lugar a pé, e logo descobrimos as ladeiras de que tanto falam. De onde estávamos – ficamos na Vila do Trinta -- até a praia era só descida.
       

      Primeira praia foi a do Cachorro. Era pequena, naquela época com muito pouca areia (muita pedra) e não daria pra ver o pôr do sol na plenitude. Seguimos para a Praia do Meio. Melhor, mas seguimos antando ainda assim. E estacionamos no Bar do Meio, que fica entre a Praia do Meio e a da Conceição. Depois soube que é um bar famoso e badalado. Tinha a long neck mais cara que vi na ilha: 20 reais. O preço padrão de Noronha era 15 reais. Curtimos o pôr do sol a seco mesmo. O primeiro pôr do sol de tantos outros, de todos os outros dias. Sempre um belo espetáculo.
       
       
       
      Da Conceição, após escurecer, seguimos andando novamente, agora para o Boldró. Dá uma boa caminhada, por estrada de terra desinteressante, mas tranquilamente caminhável. A ideia era já fazer a carteira do ICMBio, que permite a entrada nas 2 regiões principais da ilha: Golinhos/Sancho/Mirante dos Porcos, e Sueste. Cerca de 100 pratas pelo ingresso. Perguntamos sobre as trilhas, e a galera do próprio ICMBio disse que, se quiséssemos fazer a do Atalaia, o ideal era chegar às 4 da madrugada pra ficar na fila e esperar abrir, o que só ocorreria às 8:30. Não, obrigado. Sem trilhas. Na verdade, do que apurei, tem fila sempre. Mesmo para trilhas com pouca demanda, como a Capim-Açu. Queremos fila não, dispensamos as trilhas.
      Ao lado do ICMBio tem o Projeto Tamar, sempre bem legal. E o de Noronha é grátis! Coisa rara na ilha. Todos os dias às 20hs tem palestra sobre alguma coisa, e creio que seja sempre interessante. Nesse primeiro dia demos a sorte de ser sobre como é viver em Noronha, ou seja, praticamente uma introdução geral para quem chega. Excelente! Às 19hs geralmente também tem outras atividades, sejam visitas guiadas sobre as tartarugas, sejam apresentações de vídeos. Um bom lugar para curtir.
      Depois da palestra ainda voltamos andando até a Vila dos Remédios. Como havíamos almoçado no aeroporto do Recife, só queríamos uma coisa tipo pizza. Encontramos uma na praça, a 40 pratas por cabeça, e que eu diria que era beeem mais ou menos. Enfim, fomos dormir.
      Sexta-feira. Era nosso primeiro dia cheio na ilha, previsão de tempo bom. Vamos logo para o filé mignon, é claro! Chamamos um taxi logo cedo para ir direto para o PIC do Sancho. (PIC = Posto de Informação e Controle, onde verificam sua credencial – aquela que vc precisa tirar no ICMBio). O PIC só abre às 9 (ou será 8?), mas vc pode chegar antes que o pessoal libera acesso para quem quer ir até a Baía dos Golfinhos observar os golfinhos nadando. O Projeto Golfinho Rotador tem sempre gente por lá observando e fazendo contagem dos golfinhos, e também disponibilizando binóculos para quem quiser ver mais de perto (vale a pena!). Nesse dia, conseguimos uma façanha: não havia golfinhos. Nenhum! Nada. Era um belo dia, águas estavam calmas para o período, mas eles não estavam lá. Nem estiveram antes (eventualmente vc vai ler que precisa estar lá às 6 da manhã pra ver). Não era dia.
      Desistimos e seguimos a trilha que vai margeando o paraíso, com sucessivos mirantes para os édens locais. Leia-se Praia do Sancho. Estava um dia sublime, fazendo jus à fama da praia. Do alto de algum dos mirantes, observamos alguns tubarões fazendo a festa com cardumes de sardinhas. Esses cardumes geralmente são identificados como uma mancha escura na beira da praia. Os tubarões vão fazendo strike no cardume para o café da manhã. Logo eles vão embora, e a praia fica acessível a todos. Mas tinha gente nos mirantes que dizia não entrar mais naquela água.
       
       
       
       
      Chegamos então ao Sancho. E logo pegamos a famosa escada, que parece impor algum medo às pessoas. Não é pra tanto, é mais fácil do que parece, só é eventualmente apertado. E, claro, pessoas inaptas à atividade física não devem se arriscar. Descemos e chegamos ao Sancho. Havia gente por lá, mas ainda muito pouca. Ficamos do lado com sombra. E partiu snorkel. De cara me deliciei com uma enorme arraia, pertinho da areia. E vários peixes. Visibilidade excelente, como esperado. Curtimos um bom tempo ali no Sancho, areia, snorkel, areia... Não vi tubarões, acho que àquela altura eles já tinham saciado a fome matinal.
       
       
       
       
      No fim da manhã decidimos subir e conhecer o mirante da Baía dos Porcos. Na hora de subir, havia uma longa fila, então demos mais um tempo na praia. Qdo a fila diminuiu, vimos que havia horários de subida e descida! É coisa nova que começaram a implantar em Novembro mesmo. E naquele horário era descida. Então curtimos mais uma horinha no Sancho, agora do outro lado (naquela hora o sol estava em cima, praticamente não havia sombras). Mais areia, snorkel, areia, e enfim subimos.
       
       
       
       
      Fomos andando pelos mirantes até finalmente nos deparamos com o (ou mais um) cartão postal de Fernando de Noronha, os Dois Irmãos. O visual a partir do mirante da Baía dos Porcos é mesmo extraordinário. Curtimos outro longo tempo por lá. Tem uma fortaleza por lá (na verdade, Fernando de Noronha tem uma série de fortalezas que hoje são meras ruínas em grande parte – mas há planos de revitalizá-las, tanto que a principal, dos Remédios, está em processo), o Forte São João Baptista dos Dois Irmãos, de onde se tem espetacular vista dos Dois Irmãos, da Baía dos Porcos, e do outro lado da Praia do Sancho. Ótimo lugar, de onde pelo visto modelos (e aspirantes) tiram sempre um mesmo tipo de foto deitadas numa árvore com o Dois Irmãos ao fundo.
      Encerramos nossa visita e seguimos de volta. Uma outra coisa muito bacana de lá são os atobás, que de alguma forma me lembraram os boobies de Galápagos. Tem vários ninhos, e vários deles voando por lá.
      Demos saída do PIC e fomos andando para a Cacimba do Padre, que era a praia seguinte, e que é onde há acesso à Baía dos Porcos por baixo. Na hora em que chegamos a maré estava crescendo, então tivemos de subir tudo pelas pedras (na baixa vc faz uma pequena parte pela areia mesmo). É tranquilo. Na Baía dos Porcos, mais snorkel. Mais arraia! E a peixarada de sempre. Ótima visibilidade novamente. O mar não estava nos dias mais calmos – a temporada de mar calmo consta que é de julho a setembro, mais ou menos. A de surf vai de dezembro a março. Então estávamos prestes a entrar na época de surf. Mas o máximo que ocorria era o mar te levar para cá e para lá um pouco, nada que atrapalhasse o snorkel.
       
       
      Curtida a Baía dos Porcos, seguimos. Maré então já estava baixando de novo, de modo que pudemos seguir pela praia, passando pela Cacimba do Padre (lá tinha cerveja; nos PICs não vendem álcool), Quixabinha (que é uma praia escondidinha entre as outras duas) e Bode, onde havia belas piscinas naturais no cantinho. Na Cacimba e no Bode rola aluguel de barraca + 2 cadeiras a 50 pratas. Fora o consumo.
       
       
      Do Bode pegamos trilha. A ideia era seguir pela praia, mas a descida para a praia seguinte, a do Americano, nos pareceu meio complicada, então seguimos pela trilha. Até que nos deparamos com um lugar com barzinho e um forte na frente. Depois do Americano (com vista para lá) e antes do Boldró. Já estava perto do fim de tarde, decidimos estacionar ali para curtir o pôr do sol. Descobrimos que era ali o famoso forte do Boldró, dos locais mais famosos para se assistir ao pôr do sol na ilha. De fato, um espetáculo. E local de parada de diversos buggies e vans e etc. da galera que, presumo, tenha passeado por todo o dia. Fica cheio. Mas tem espaço para todos. E ainda rola música do bar.
       
       
       
       
      Encerrado o espetáculo nosso de cada dia de admirar o pôr do sol, seguimos por trilha novamente, agora para o Boldró. Não estava sinalizada (a sinalização na ilha em geral é muito boa), mas facilmente identificável – e a galera local nos mostrou. Chegamos não na praia do Boldró, mas no alto. Curtimos o Tamar novamente. Nesse dia teve música (forró) e comidinhas na parte externa depois da palestra. Simples e bacana. Foi onde finalmente comemos. Depois de visita guiada, palestra e showzinho com comidinhas, chamamos um taxi e fomos para a pousada dormir.
      Sábado. Nesse dia tomamos um café (a pousada deixa um café para galera beber, embora não ofereça café da manhã) e pegamos um busum para o Sueste. Eu achando que saímos tarde, mas chegamos lá e o PIC do Suste ainda estava fechado: só abre às 9. Chegamos pouco antes disso. Se tivesse chegado muito antes, ideal era ir para o Leão.
      O Sueste é outro espetáculo. Mas sem sombras. Andamos a praia toda, depois estacionamos na área onde se pode banhar. Existem áreas delimitadas na praia: onde ninguém pode entrar, onde todos podem entrar, e onde só se pode entrar com colete para não pisar nos corais.
      Lá vc pode contratar um guia para fazer snorkel. Ele leva onde geralmente se encontra mais bichos (arraias, tubarões, tartarugas). Sai por 60, cai para 50 por pessoa se for mais de 1. O aluguel do colete custa 10. Eu fui. Vimos tartaruga, arraia e uma cobra (esqueci o nome correto! E não era moreia). A correnteza tava meio forte, acabei me cansando na quase uma hora de natação.
       
       
       
       
      De volta à areia dei uma descansada e logo vimos que tinha um tubarãozinho bem na beirada da praia nadando para lá e para cá. E lá fomos nós atrás dele. Nós e vários outros – felizmente apenas para filmar, ninguém cometeu a insanidade de tentar segurar ou mesmo cercar bicho. Deve ser um raro lugar de praia onde as pessoas falam “tubarão” e a galera sai correndo *pra ver* o tubarão, não pra fugir.
       
       
      Salvo engano, era um tubarão-limão. Ele (mas podia ser mais de um) ficou um bom tempo ali nas redondezas, volta e meia alguém apontava e tal. Reconheci um dos integrantes do projeto Tamar por lá, que na verdade era um estagiário de turismo. Ficamos trocando ideia por um tempo (estagiar em Noronha deve ser um paraíso para estudantes de turismo!) antes de mergulhar novamente.
      Fiz novas incursões de snorkel, mas agora solo. E foi paradoxalmente bem melhor do que com guia! Nadei para longe (nadadeiras ajudam muito nesse ponto!), vi tartarugas grandes e um tubarão lixa que estava recluso debaixo de uma pedra. Já valeu pelo snorkel!
      Com o sol do meio dia, decidimos levantar acampamento e seguir para o Leão. Andando. No caminho, um casal de buggy nos ofereceu carona – a única que tivemos em toda a estadia. Bem simpáticos. O visual da chegada à Praia do Leão é estonteante. Estão construindo uma estrutura que vai servir de mirante também. Por ora é no improviso. Mas o espetáculo é o mesmo.
       
       
       
       
       
       
      Descemos e curtimos um pouco da praia, num canto onde as águas batem com mais calma. Dá até pra ficar de piscininha. Mas era maré alta naquela hora, então as ondas, mesmo ondinhas, davam uma chacoalhada. Não há infra no Leão. Curtimos um tempo na praia e depois seguimos de volta.
       
       
      Fomos percorrer os mirantes da região até Caracas. Todos são sublimes, mas destaco o mirante para o Sueste. Pelas cores do mar que vimos daquela posição.
      Andamos de volta para o PIC do Sueste, onde pegamos o busum para a outra ponta da ilha, a Praia do Porto. Estacionamos por lá. Fui verificar o mergulho para fazer no dia seguinte. Tinha a dica do Bodão, mas acabei indo primeiro na Sea Paradise, onde já tive uma boa referência de como seria o mergulho. 250 para credenciados, no cartão, para 1 mergulho. Fui no Bodão e era um pouco acima disso (acho que 270), mas com um percurso mais limitado – era o mesmo do batismo. Na verdade, entendi que ali, em ambos os casos – seja vc mergulhador ou não --, vc vai fazer praticamente a mesma coisa. Optei pela Sea Paradise e marquei para o dia seguinte. Só tinha saída ao meio dia.
      Ficamos de relax no Porto até o pôr do sol. Descobrimos o Recanto da Graça, que tinha cervas de 600ml (Original, Heineken, Bud, Stella) a 18 pratas -- em Noronha, na praia, isso é barato. Foi onde estacionamos. Aproveitamos para petiscar e sair do jejum.
       
       
      Fomos andando de volta para a Vila dos Remédios, em direção ao Forte. Haveria às 19hs um showzinho por lá, do Projeto Música no Forte. Violino pop, foi bacana, curtimos. Depois ainda fomos curtir uma saideira comendo nachos num barzinho em frente ao cachorro. Muito bom.
       
       
      Domingo. Saímos cedo para conhecer o Buraco do Galego, que fica na Praia do Cachorro. Maré tava baixa, mas crescendo. Maior galera na fila para fazer foto, ninguém curte. Não tem como curtir. Tem mais gente que espaço, e todos querem foto. Desencanei de entrar, e logo voltamos. Ficamos um tempo numa sobrinha na Praia da Conceição de relax, aproveitando para mergulhar na maré baixa. Aproveitei para ver o esquema das barracas. Aluguel por 40 da barraca com 2 cadeiras. Na barraca do DudaRei, se vc consumir mais de 50, não paga. Ou pode ficar no restaurante deles, logo atrás.
       
       
       
       
      Depois fomos andando para a Praia do Porto. Estacionamos novamente na Graça (pegamos a última mesa!), e fui para o mergulho.
       
       
       
       
      Eu e mergulho: Em 2012 estivemos em San Andres e foi quando me veio à cabeça aprender a mergulhar. Acabei não levando o plano adiante, mas no ano seguinte eu fiz o curso para logo depois mergulhar na Grande Barreira de Corais, num liveaboard na Austrália. Inesquecível. Mergulhei ainda esporadicamente naquele ano em Arraial (novamente, além dos mergulhos do curso), no Rio e no Abismo Anhumas, no Natal de 2013. Foi quando tive uma inflamação no ouvido. E nunca mais. Passei por algumas grandes oportunidades de mergulho (Caribe, Tailândia, Galápagos), sempre me contentando com snorkel. Mas decidi que voltaria em Noronha. Só que já somavam 5 anos sem mergulhar. A rigor, eu já havia esquecido boa parte do que aprendi. Precisava de uma boa reciclagem, o que felizmente fizemos.
      Mergulhamos 3 pessoas, além do guia. Os outros 2 também eram mergulhadores credenciados que não mergulhavam havia algum tempo, ou seja, todos precisávamos de uma reciclagem. O guia, Rafael, foi ótimo: nos relembrou as coisas básicas, as coisas necessárias, fez um rápido treinamento e seguimos adiante. Um Scuba review express, mas muito útil (ao menos para mim!). Mergulhamos na praia mesmo (na Praia do Porto há duas barracas: a do Sea Paradise e a do Bodão; ambas descem ali mesmo). Vc entra na água e vai baixando. O começo foi realmente de adaptação para mim, de reencontrar o equilíbrio de respiração, sobretudo a calma. Levou um tempinho, e relaxei. E curti. Mas curti muito.
      Nós fomos nos dois naufrágios, o Eleni e o Maria Stathatos, além do Trator de Esteira (que também afundou e lá ficou). Vimos tartaruga, arraias, moreias e muitos peixes coloridos. Passamos por um túnel do naufrágio que é local de peixes praticamente estacionados, muito bacana. Visibilidade excelente. Deu quase uma hora de mergulho, que achei um barato. Por ver o naufrágio, pela peixarada que vimos, e pela minha volta ao fundo do mar. Saí muito feliz.
      Passei o resto do dia mergulhando de snorkel na Praia do Porto, que achei excelente para ver bichos. Vi tartarugas facilmente, e até duas de uma só vez, nadei atrás de um tubarão lixa, e ainda cheguei de novo na área do naufrágio. Praia do Porto para snorkel é ótima!
       
       
      De resto, ficamos de relax na Graça com as cervas e petiscos. Tentei descolar passeio de barco para o dia seguinte, mas a galera dizia que estava para entrar um swell que tornaria o passeio mais “agitado”. Como Katia veta solenemente passeios de barco que não sejam absolutamente tranquilos, desencanei.
      Pegamos um busum para a Vila dos Remédios e fomos ver o pôr do sol do alto do Forte. Passamos no mercado e compramos umas cervas para acompanhar (latinhas geladas de Heineken a 6). Mais um espetáculo.
       
       
      Encerramos o dia repetindo o anterior, com nachos no barzinho em frente ao Bar do Cachorro.
      Segunda-feira. Acordamos mais cedo e saímos pra ver o sol nascer do forte da Vila dos Remédios. Chegando lá, tinha mais gente. Acho que o melhor lugar deve ser o Buraco da Raquel, que dá de frente. De qq forma, foi bacana, curtimos. Vimos golfinhos ao longe lá do alto do forte. Ainda passamos na Praia do Cachorro pra ver o Buraco do Galego sendo castigado pelas ondas. Aproveitamos para passear pela área quando todos ainda estão acordando, e ir no mercado comprar suprimentos para comer no café da manhã. Depois do café, fomos pegar o busum.
       
       
       
       
      Como era dia de swell, conforme previsões – a discussão era quanto à intensidade --, optamos por pegar praia. Escolhemos a Cacimba do Padre para a 1ª parada. Descemos do busum e fomos andando, via Bode. Estacionamos numa das barracas de 50 pratas e passamos a manhã por lá. A Baía dos Porcos estava com o mar bem agitado. A maré baixa embeleza bastante o cenário, mas mar estava agitado mesmo. Conforme o dia foi passando, e a maré aumentando, a força do mar foi aumentando também. Houve momentos em que era difícil resistir ao mar puxando pra dentro. Era dia pra não entrar no mar. Ainda assim vimos alguns barcos – ou seja, rolou passeio. Mas vimos ao longe como eles chacoalhavam entre as ondas. Consta que a Cacimba do Padre é a praia que os surfistas buscam, mas na temporada de surf.
       
       
      De tarde fomos para a Praia da Conceição, passando novamente pela Quixabinha, Bode e Boldró. Maré estava um pouco alta pra passar, mas dava. Entre a Quixabinha e o Bode, me estrepei nas pedras (se beber, evite as pedras!), mas foi coisa leve. Com maré alta e swell, nada de piscinas no Bode. Na Conceição estacionamos no DudaRei, onde ficamos observando as ondas altas. Nesse dia fomos curtir o pôr do sol no Bar do Cachorro, com direito a sax. Não tinha visão direta do sol, mas o clima é bem bacana. Nesse dia nos permitimos uma esbanjada e fomos jantar em restaurante pela 1ª e única vez – era nossa última noite. Escolhemos o Cacimbas, e foi realmente ótimo.
       
       
       
       
      Terça-feira. Decidimos rever o principal de Noronha, então partimos cedo de taxi para o PIC do Sancho. Mais cedo que da 1ª vez. Direto para a Baía dos Golfinhos. E dessa vez, sim, eles estavam lá! Dessa vez havia vários – e havia bastante gente pra ver também, tanto que não havia mais binóculos disponíveis. Curtimos um longo tempo por lá, aprendemos mais sobre os golfinhos conversando com o pessoal do Projeto Golfinho-Rotador. E seguimos nosso passeio.
      Além de o céu estar um pouco nublado, a Praia do Sancho estava bem diferente nesse dia. O swell tinha entrado firme, e era nítido como o mar estava remexido. Longa faixa de espuma, onde antes víamos o azul, a mancha escura de sardinhas e os tubarões passeando. Manchas de areia espalhadas, indicando como o mar estava levantando a areia daquelas áreas. E ondas mais fortes batendo na praia, que dias antes estava calma.
       
       
      Seguimos para o Mirante da Baía dos Porcos e a diferença era ainda maior. Onde eu havia feito snorkel dia antes agora era um mar de espuma e areia, visto do alto. O cenário de beleza da praia fica intacto praticamente, no entanto. Mas não estava interessante para banho de mar.
      Voltamos para o PIC, e a ideia era tentar o Sueste. Mas mudamos de ideia, presumindo que toda a ilha estaria afetada pelo swell. Fomos então conhecer o Buraco da Raquel e arredores. Pegamos o busum para lá.
      Descemos no Porto e vimos como estava a praia. O que antes eram ondinhas mínimas, ideal para a criançada e para ficar flutuando de snorkel, agora era onda que atraía surfistas. Completamente diferente. As barracas de mergulho (Bodão e Sea Paradise) nem deram as caras. Era outro cenário.
      Conhecemos o Buraco da Raquel, visitamos o Museu do Tubarão – muito bacana, bem informativo não apenas sobre os tubarões (ensinava até mesmo o swell!), e grátis – depois fomos seguindo até a pontinha, onde se chama Air France, onde tem o encontro do mar de dentro com o mar de fora. Ambos agitados. Mirante dos tubarões, onde possivelmente se enxerga o bichão, estava lá, também com o mar agitado. Nada de ver tubarões. Fizemos um relax na praia. Só tinha surfista. Depois pegamos o busum de volta para a vila.
       
       
       
       
      Na vila ficamos visitando algumas atrações culturais que deixamos para o final. Tinha um museu, mas que estava fechado (mas a placa na porta indicava que ele deveria estar aberto...), tinha o Palácio, e outras atrações menores. Noronha é praia mesmo, de modo que descemos para o Cachorro para admirar o swell batendo firme na praia e puxando para o mar o que tinha pela frente. O som do mar recuando em meio às pedras era um barato. E o Buraco do Galego lá ao longe, sendo castigado. Encerramos nossa estadia com uma saideira no Bar do Cachorro.
       
       
       
       
      Voltamos para a pousada, banho, taxi, aeroporto, Recife.
      A Gol mudou algumas vezes os vôos desde a emissão da passagem e, no fim das contas, a volta acabou prejudicada. O que antes era uma simples conexão de uma hora em Recife chegando de noite no Rio, virou uma longa conexão de mais de 9 horas, chegando ao Rio de manhã no dia seguinte. Passamos a noite na Boa Viagem e aproveitamos para jantar e rever amigos. Dia seguinte estávamos de volta ao Rio e ao batente.
       
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Quantos dias? Eu sempre tive para mim que pelo menos 4 dias cheios eram necessários. Eu hoje diria que o mínimo para Noronha são 3 dias cheios. Eu dividiria +- como fiz: 1º dia percorrendo Golfinhos, Sancho, Porcos, Cacimba e etc. Mar de dentro. 2º dia com Sueste, Leão e qq outro canto que sobrar para o fim de tarde. 3º dia para mergulho, passeio de barco e praia do Porto. E os bônus eventuais de tempo dos dias da chegada e partida. Necessário ter sorte para todos os dias estejam bons e sem swell. Mas esse é o mínimo. Quanto mais, melhor (e mais caro!).
      Quanto $$$$$? Isso vai de cada um. Vc pode ficar no albergue com banheiro compartilhado, pode ficar na pousada finesse das celebridades. Idem para comida. Mas vamos a alguns preços comuns (em Novembro de 2018): Garrafinha de água (500ml) varia entre 5 e 6 reais. Cerveja long neck é praticamente tabelada a 15 nos bares (20 no Bar do Meio, 16 no DudaRei, 12 no Recanto da Graça). Nos mercados esse preço cai pela metade. Barracas de praia: aluguel de guarda sol e 2 cadeiras sai a (acho que) 25 no PIC Sueste, 50 na Cacimba e no Bode. Na Praia do Porto era 40. Mas no bar Recanto da Graça você se sentava de graça (desde que consumisse, claro). Na Conceição o 1o que perguntei falou em 30. Em seguida o bar DudaRei disse cobrar 30 mas se consumir 50 reais não paga pelo aluguel. Corridas de taxi custam entre 30-40. Busum sai a 5 reais. Guarde o número da cooperativa de taxis – mas qualquer pessoa na ilha vai ter.
      Onde ficar? Vila dos Remédios. É onde tem o agito, é onde tem mais opções. Fiquei na Vila do Trinta e também achei muito bom, fica um pouco mais afastada e basta caminhar (não temos problemas em caminhar – vide o relato). Mas é importante saber que é ladeira. Por exemplo: Da praia do cachorro até o ponto do nortaxi é subida em pedra antiga. Ruim de andar de chinelos. Depois é subida em asfalto. E segue subindo, até a Vila do Trinta. Tem pousadas no Sueste, mas só se vc alugar carro e/ou quiser isolamento, ou se quiser se dedicar ao Sueste.
      Curiosidades linguísticas: Fernando de Noronha é como a galera começou a chamar Fernão de Loronha, que foi o primeiro “dono” da ilha, ainda nos tempos das capitanias. Boldró é como ficou conhecida a região em que os americanos ocuparam (daí a Praia do Americano, logo ao lado) e que chamavam de “bold rock”. Bold rock = boldró. Durante a 2GM, os americanos fizeram base na região e chamavam a região de bold rock.
       
       
    • Por wellisiane
      Olá pessoal! Bom dia!
      Hoje vou comentar aqui sobre minha viagem para Fernando de Noronha. Muitos pensam que ir para Noronha é coisa de rico, que é algo muito distante mas não é bem assim...
      O ideal é escolher época de baixa temporada e fazer um pacote (dividido em 10x é claro!). Fiz um pacote para a semana do Natal que não é muito cheio. Já o reveillon lota e quase tudo dobra de preço. O pacote ficou 2900 por pessoa (voo e pousada para 5 noites) quarto duplo. Se for quarto triplo fica 2500 por pessoa.
      Na ilha economizamos bastante e gastamos cerca de mil reais por pessoas (contando passeio, comida e taxas de preservação).
      No blog www.wellisiane.blogspot.com.br conto detalhadamente com foi cada dia.
      Espero ter ajudado!
      Abraços.
      Lisiane

    • Por DeiveRS
      Olá galera...
      Sou do Rio Grande do Sul, minha única experiência nesta modalidade(mochileiro) foi 10 dias em Maceió, viciei, estou indo para Noronha dia 01/03
      apenas com minha mochila, coragem e pouca grana.
      É obrigatório adquirir reservas em pousadas?
      Não existe uma maneira de dormir num saco de dormir no mato?
      Pois o que menos vou fazer é dormir mesmo, gostaria de ficar 8 dias, mas não tenho condições de gastar r$1000 em estadia...
      Alguém pode me dar uma luz?
       
      Valeu parceria...id=yellow>id='Arial'>id=size4>
    • Por José Carlos de Miranda
      Lugares por onde andei: Fernando de Noronha   Considerando o que se ouve, se fala e se olha sobre Fernando de Noronha, evidentemente que, dá uma vontade muito grande de ver como é que é, ainda mais quando, dias atrás, um viajante, lá pelas bandas do Jalapão disse que em matéria de turismo, Noronha está em primeiro lugar como ponto de visitação no Brasil. Quando ouvi, logo imaginei que tal turista tinha passado por lá para dar este veredito. Estas palavras permaneceram em mim até o dia, no qual poderia comprovar tal afirmativa, pois em se tratando de Jalapão, nadamos de braçadas. Mas, este assunto é para outra postagem. E o dia de conhecer Noronha, chegou. E viva o ecoturismo e a aventura! Viva as praias, as baias, mergulhos, surfe e as trilhas.  
      A justificativa pra conhecer tal ilha baseia-se, primeiramente na “inveja”, segundamente no gosto pela aventura e, malandramente, pela oportunidade, aguardada. E lá vamos nós, nuvens adentro, rumo ao arquipélago. A aterrisagem foi tranquila numa tarde cinzenta, porem calorenta. A passagem pelo hall de acesso á ilha, um tanto quanto modorrenta, pelo fato de alguns não terem pago a taxa de entrada na ilha na compra do pacote turístico e ter que faze-lo no momento da entrada nas instalações do aeroporto, fato muito comum no trade, ao qual já estamos bastante acostumados. Aliás, para aproveitar os encantos da ilha, é necessário pagar uma taxa diária, a TPA – Taxa de Preservação Ambiental, que pode ser paga antecipadamente. Do lado de fora, vans, taxis e bugs disputavam a prioridade no traslado dos visitantes a suas respectivas pousadas, contratadas anteriormente, sem saber que a poucos metros um ponto de ônibus poderia ser utilizado para embarque num coletivo que faria o mesmo trajeto, com enorme economia. Bem, e nós? Embarcamos numa van, convidados que fomos por um agente que nos entregou à Pousada contratada. As Pousadas se equivalem, pois sobram na ilha. Café da manhã básico, quarto com ar condicionado e espaço bem definido para pouca bagagem. O atendimento dentro daquele padrão estimulo-resposta tão comum em nossas andanças. Claro que fomos bem recebidos e atendidos sempre que as duvidas apareciam quanto a locais, direção e aconselhamentos. E depois destas conversas, adentramos pelas trilhas da ilha, induzidos que fomos a fazer um tour motorizado para os iniciantes do passeio. Ilha tour é um passeio realizado por caminhonetes, taxis, bugs onde os turistas, caso sejam apanhados primeiro, vão na cabine, caso contrário, sobra pra carroceria. Carroceria coberta e as laterais livres para admirar melhor a paisagem. Mas, o itinerário é curto, o que demora mais são as caminhadas por escadas, pedras e mergulho nas águas claras das enseadas. E passou-se o primeiro dia.   No segundo dia, embicamos nossos narizes para o passeio marítimo e lá fomos, mas adentro, ver golfinhos, tartarugas, pedaços de embarcações, peixes de várias cores, espécies e tamanhos. É neste passeio que temos a oportunidade de mergulho e ser rebocado por uma embarcação através da prancha subaquática (planasub), que nada mais é do que olhar para o fundo do mar, de óculos e respirando por canudinho (snorkel). Um passeio assaz interessante. Teve até uma gaivota nos acompanhando. Um churrasquinho a bordo e muito agua em volta. No terceiro dia, que deveria ter sido o primeiro, fomos dar uma volta naquele coletivo (micro-ônibus), citado no inicio desta relato, assim que saímos do aeroporto, lembram? Um passeio bem interessante, onde passamos a saber exatamente onde estávamos, a distancia dos atrativos, o tempo percorrido e a melhor noticia, saber onde se localizava a praia do Porto, local de treinamento para os passeios aquáticos destinado aos iniciantes nas águas azuis e mornas de Fernando de Noronha. E assim foi nossa visita á tão falada ilha, de tantas histórias e glamourização. Mais um lugar por andamos.


×