Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Érica Munhoz

39 dias pela Alemanha, Eslovênia, Itália e Praga em jul/ago 2018 com gastos+fotos

Posts Recomendados


Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Diogo Falcomer Silveira
      Pessoal, viajamos eu e minha esposa para a cidade de Januária no ultimo feriado do dia 15/11/2018 até 18/11/2018, uma das cidades que integra o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu. No site do ICMBio tem algumas informações, e um link com guias: ICMBio Cavernas do Peruaçu 
      Como não tínhamos muitas informações sobre a cidade, fomos ao Google. Encontramos a página  do sesc (Link do Sesc ) com muitas informações e hospedagem muito barata. Pagamos um valor de R$ 162 na hospedagem em quarto com ventilador (peguem o quarto com ar condicionado, a cidade é quente pra caramba!!) e com café da manhã incluso. Para reserva é necessário que todos possuam carteira do sesc para apresentar na hospedagem.
      Após marcar a hospedagem, fomos atrás do guia (ao entrar em contato com pessoas que estão cadastradas no site do icmbio, nos recomendaram o seu Joaquim com apelido kinka). Marcamos um passeio para os dias 16,17 e 18. Porém com o caminho de volta com estradas  muito ruins, acabamos fazendo em dois dias, ficando melhora para voltar para casa co mais tranquilidade e aproveitar também o clube do sesc. O valor do Guia ficou em R$ 450 para todas as cavernas que fomos. 
      15/11 - Saída de Brasília -> Januária
      Saímos de Brasília 8:40, tínhamos o dia todo para andar na estrada. Durante o percurso, pegamos estrada de chão entre Urucuia e Pintópolis, e de São Francisco a Pedras de Maria da Cruz. A parte com estrada de chão da 138 Kms, o restante do percurso todas estradas de asfalto estavam com pavimentação boa. 
      Estrada de chão em Urucuia - MG

      Atravessando o São Francisco de Balsa.

       
      Chegamos no SESC Januária por volta das 17:30. Não conseguimos pegar a piscina, e pedimos uma carne de sol com batatas fritas e um feijão tropeiro com coca 600ml. Incríveis R$ 32 pra muita comida. Depois fomos andar na cidade, como era feriado tudo fechado. 
       
      16/11 - Lapa do Rezar, Caboclo e Carlúcio,  Indio, Bonita e Boquete.
      Primeiro dia de passeio, combinamos com o guia 8 Hrs na entrada do parque, que fica a 45 minutos do SESC. Acordamos 6:20 e fomos pro café (Café muito delicioso por sinal), chegamos na entrada do parque 7:40. Fizemos todos os tramites com o Guia e Fomos a pé da sede, para a Lapa do Rezar. Essa lapa era utilizada pelos locais para rezas e festas, também tem um sítio com desenhos rupestres.
      Tem uma escada grande pra subir.

      Entrada da lapa.

      Conhecendo a lapa por dentro.

      Pinturas rupestres do lado de fora.

       
      Após conhecer a Lapa do rezar, voltamos todo o caminho até a sede. Pegamos o carro e fomos para os caminhos do Silú ( Lapa do Caboclo e Carlúcio). A lapa do caboclo é menor e também tem pinturas rupestres, não entramos muito a dentro. Vemos os desenhos e voltamos para ir para a Lapa do Carlúcio.
      Pinturas na Lapa do Caboclo.

       
      No caminho para a lapa do Carlúcio, temos uma vista do mirante. Lá é possível ter uma ampla visão do vale, na época da seca você consegue ver melhor pois as arvores ficam sem folhas. 

       
      Lapa do Carlúcio.
      Chegamos na lapa do Carlúcio (uma das mais bonitas que achei). Essa caverna não tem pinturas, mas tem paredes brancas que dão lindas cores com o sol misturado com a escuridão da caverna. 
      Entrada da caverna


      Vista do interior para a entrada

      Após finalizar o passeio, pegamos o carro novamente e fomos em direção as ultimas 3 cavernas do dia, já tínhamos passado das 13hrs. Eu esqueci o lanche, acabamos dividindo o do guia. Mas mantendo o ritmo para fazer em 2 dias. Faltavam ainda 3 cavernas. 
      Chegamos a lapa do índio, que tem uma vista muito bonita para o janelão e todo o vale. Ela também possui mais desenhos rupestres e segundo o guia passando pra dentro tem mais de 150 metros de tuneis. 
      Vista da lapa do índio.

      Pinturas da lapa do índio.

      A lapa bonita (é pra mim realmente a mais bonita.) tem um limite de 5 pessoas por vez. Chegamos quase 15hrs então não tinha mais ninguém, ficamos bastante tempo, e da até um pouco de sono pois dentro é bem agradável e com um silêncio delicioso para descansar. 
      Vista de fora da Lapa Bonita. 

      Estalactites 

      No interior da Lapa Bonita.

      Salão Vermelho (não é possível acessar), ficamos apenas na porta:

      Mais formações rochosas

      Vista da Lapa bonita por Dentro.

       
      Próximo das 16:30, chegamos ao ultimo destino do dia Lapa do Boquete. E lá foram encontrados várias ferramentas, dois corpos com mais de 7000 anos AP, e um corpo mumificado com entre 2000 e 2500 anos AP. É um local onde também foi encontrado balaios com sementes de feijão e milho que eram usados pelos habitantes do local. Também possui pinturas rupestres.
      Pinturas da Lapa do Boquete

      Vista de onde foram feitas as escavações:

      Depois disso, fizemos todo o caminho de volta, deixamos o guia na entrada do parque e fomos pro hotel. Estávamos cansados, então apenas fomos a lanchonete do sesc e eu pedi uma Galinhada e ela pediu um macarrão na chapa com uma coca no total deu R$ 24. Acabamos não indo na cidade, e as piscinas já estavam fechadas. Tomamos um banho gelado e fomos dormir para acordar cedo no outro dia. 
      17/11 - Lapa do Desenho, e Janelão.
      Para o segundo dia de passeio, sobrou a Lapa do Desenho e o Janelão ( a maior atração do PN Cavernas do Peruaçu.) Acordamos cedo novamente, tomamos café e partimos para a entrada do parque. Encontramos o Kinka e fomos de carro até a entrada do caminho para a Lapa do Desenho. 
      Na lapa do desenho encontramos muito mais desenhos rupestres que em outras Lapas, muito legal ficar lá por um bom tempo tentando decifrar os desenhos e verificar como os povos faziam para desenhar nas paredes uma grande altura. A qualidade da preservação do local surpreende, pois o guia nos contou que todas aquelas áreas tinham plantações e gado. 
      Pinturas na Lapa dos Desenhos


       
      Voltamos o caminho após admirar os desenhos e fomos para o Janelão. A Gruta do Janelão é bem maior que as outras lapas, tem claraboias e você se sente uma formiguinha lá dentro. São 4,8km de caminhada ingrime. 
      Entrada do Janelão

      Claraboia do Coração

      Formação de Cogumelos ( achei bem legal)

      Sente a Altura dessa caverna


       
      Pedra que parece uma Tartaruga

      A Maior estalactite do mundo - Perna de Bailarina.


       
      Após fazer o caminho de volta, deixamos o guia na Sede. Acertamos com ele, e ele ainda nos deu um monte de manga rosa. Fomos de volta ao Sesc, conseguimos pegar a feijoada no refeitório, os 2 pratos de feijoada e mais um h2o ficou por 17 reais.
      Fomos no quarto rapidinho e por causa do calor que estava em Januária. Fomos direto pra piscina, pedimos uma porção batata frita uma cerveja por 15 reais. Tudo lá no sesc é muito barato pra quem está acostumado com os valores praticados em brasília. Ficamos nadando na água morna do clube até 19hrs. Voltamos pro quarto e fomos dormir, muito cansados o batidão de 2 dias estava cobrando o preço. 
      18/11 - Volta Januária - Brasília. 
      Acordamos mais tarde, tomamos o café da manhã tranquilamente e fomos pra piscina curtir um pouco da manhã. Água muito boa mesmo, estádia fantastica no SESC. Deu vontade de ficar mais tempo e curtir mais o hote. Saímos do SESC as 11hrs e voltamos para Brasília. O Kinka tinha nos dado uma dica para voltar para brasília por chapada gaucha sem atravessar de balsa. Pegamos 158 Km de estrada de chão e 40 Km estavam bem ruins, porém após chapada gaucha a estrada fica muito boa. Ganhamos um pouco de tempo. Andar pela mistura de sertão com cerrado é muito bom!!


       
      Pessoal aqui está o contato do guia: 
      Joaquim (Kinka) - Kinka nasceu e viveu dentro do parque nacional ( antes de virar parque) e conhece tudo lá dentro, inclusive mais de 200 cavernas que nem estão catalogadas ainda. Recomendo demais o passeio com ele.
      38 9866-8666
       
    • Por Mulher Casada Viaja
      Como encontrei pouco material em Português sobre a região - belíssima - das Dolomitas, nos Alpes Italianos, uma região perfeita para quem gosta de trekking ou mesmo para admirar as montanhas, vales e lagos da janela do carro, compartilho aqui o primeiro post que escrevi sobre Alpe di Siussi, o maior planalto de altitude europeu.
      Aos poucos vou publicar dicas de outros pontos, como a viagem de Veneza a Cortina d'Ampezzo, sobre a cidade de Trento e sobre os Rifugios Falzarego e Lourenzo.
      O relato começa assim:
       
      "Se houvesse teletransporte e você fosse enviado por uma falha qualquer na programação para Alpe di Siussi, é provável que pensasse estar morto e ter ganhado o paraíso como destino final. Isso se fosse primavera no hemisfério Norte, claro, quando os campos verdes do maior platô de altitude europeu se enchem de flores selvagens amarelas e os sinos das vacas que por todo lado pastam deixam no ar fresco da montanha uma melodia cheia de paz para completar o clima de paraíso. OK, harpas seriam mais adequadas, mas não produzem som algum apenas com o movimento das simpáticas cabeças bovinas.
       
      Eu não fui teletransportada: Alpe di Siussi era um dos três destinos da minha tão esperada viagem ao Alpes Italianos naquele início de Junho. Os demais foram Lago Misurina, nos arredores de Cortina D’Ampezzo, e Val di Funes. Entre um ponto e outro, estradas com tantas curvas quanto paisagens dramáticas, arquitetura ora alpina ora italiana e igrejinhas que parecem ter sido construídas com aqueles tijolinhos de madeira de nossa infância. Mas as montanhas eram as protagonistas e eu não conseguia parar de repetir “Ai, que lindo!”, para desespero de minha colega de viagem...."
       
      https://mulhercasadaviaja.com/2016/06/22/alpe-di-siussi-o-paraiso-nos-alpes-italianos/



×
×
  • Criar Novo...