Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''croácia''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Companhia para Viajar
  • Trilhas e Travessias
  • Equipamentos
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 13 registros

  1. Pessoal, tudo bem? Me chamo Yunes (@yunesviana), paulista, 27 anos e depois de ler e aproveitar muito todo o conteúdo do Mochileiros, resolvi compartilhar meu relato sobre a primeira viagem que fiz na vida, onde eu e minha mala visitamos países que tinha muita vontade de conhecer mesmo sem dominar as línguas nativas de cada, com um inglês intermediário e certa timidez que foi sendo perdida ao longo da viagem. Ao todo, passei 29 dias (distribuídos entre 25 de Maio de 2019 até 23 de Junho de 2019) viajando pelos seguintes lugares: 🇮🇹 Itália: 4 noites em Roma; Bate-volta em Pisa; 2 noites em Cinqueterre; 3 noites em Veneza. 🇭🇷 Croácia: 3 noites em Split, incluindo um bate-volta em Plitvice Lakes; 3 noites em Hvar; 2 noites em Dubrovnik. 🇬🇷 Grécia: 4 noites em Santorini; 4 noites em Mykonos; 3 noites em Atenas. Tentarei ser o mais transparente possível nos relatos, pois acredito que seja inevitável um viajante sem experiência passar por perrengues, cair em tourists traps e ser enganado pela taxa cambial dos ATMs distribuídos aos montes na Europa, mas prefiro ver isso como experiência para as próximas viagens e dicas para que outras pessoas não cometam os mesmos erros. Planejamento Sem dúvidas é uma das partes mais importantes da viagem. Acredito que nenhum objetivo, por menor ou maior que seja, é capaz de ser alcançado sem uma boa base por trás. Tentei mitigar todos os imprevistos possíveis (e nem sempre com sucesso 😂) e cometi até alguns excessos, algo que futuramente talvez eu dê uma maior margem para flexibilização, porque viajar te obriga a improvisar em diferentes cenários. Todo o planejamento, seja ele financeiro ou do próprio roteiro em si, começou cerca de um ano anterior à viagem, onde coloquei na cabeça que iria realizar esse sonho. Comecei a fazer várias anotações, colocar lugares numa lista de prioridades sobre o que e como aproveitar nesse atual momento da minha vida, salvar vários blogs nos favoritos até o momento de comprar a passagem, um momento simbólico durante todo esse planejamento. A passagem de ida cerca de 8 meses antes da data de embarque pela LATAM, pagando R$1317 com direito a mala despachada. A partir dessa "virada de chave", pesquisei as mais diversas possibilidades de deslocamento entre as cidades, hostels, itens indispensáveis para levar na mala e palavras básicas de cada idioma (isso ajuda muito!). Entrei no avião com todos os hostels reservados, passagens de ida e volta comprados além dos deslocamentos entre países. Deslocamentos locais (trem na Itália e Ferry Boats pela Croácia e Grécia) comprei no ato ou um dia anterior para ir até outra cidade, pois queria ter essa margem de flexibilidade caso quisesse passar um dia a mais (ou a menos) em um local. Acabei não fazendo nenhuma alteração, mas me arrependo de certa forma em dois locais que vou contar durante o relato. Custos Confesso que agora não faço a menor ideia de quanto gastei na viagem, vou descobrindo com base na minha memória, em toda a papelada que trouxe pra casa como souvenir e pelo extrato do meu cartão. Um euro na época estava R$4,45 (caro mas... que saudades desse valor). Ao fim do relato, atualizo esse post com os gastos detalhados de cada lugar. Hoje, tenho o registro dos seguintes custos: ✈️ Passagens Aéreas: 🇧🇷 - 🇮🇹 Passagem São Paulo - Roma pela LATAM: R$1.317,00 🇮🇹 - 🇭🇷 Passagem Veneza - Split pela Volotea: €236 (R$1050,20) 🇭🇷 - 🇬🇷 Passagem Dubrovnik - Atenas - Santorini: €133,94 (R$596,00) 🇬🇷 - 🇧🇷 Passagem Atenas - Istambul - São Paulo: R$ 2.086,55 💸 Total: R$5049,78 _ 🛏️ Hostels: 🇮🇹 4 noites no The RomeHello: R$858 🇮🇹 2 noites no Grand Hostel Manin: R$365 🇮🇹 3 noites no Combo Venezia: R$809 🇭🇷 3 noites no En Route Hostel: R$231 🇭🇷 3 noites no White Rabbit Hostel: R$274 🇭🇷 2 noites no Hostel Angelina Old Town: R$377 🇬🇷 4 noites no Bedspot Hostel: R$1028 🇬🇷 4 noites no My Cocoon Hostel: R$1258 🇬🇷 3 noites no Bedbox Hostel: R$412 💸 Total: R$5612 _ Outros custos: 🏥 Seguro Viagem Allianz Travel: R$500,27 🛂 Emissão do passaporte: R$257,25 Próximo post: Viagem e primeiro dia em Roma: um choque de realidade
  2. 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/viagem-pela-croacia/ Com paisagens paradisíacas, baladas famosas e cidades históricas a um custo relativamente baixo, a multifacetada Croácia, de onde vieram os dálmatas e as gravatas, vem cada vez mais chamando a atenção do Brasil e do mundo! O país, que faz parte da região dos balcãs, dividia até pouco tempo atrás espaço com Eslovênia, Sérvia, Bósnia e Herzegovina, Macedônia e Montenegro sob o nome de Iugoslávia. A Croácia se tornou independente em 1991, mas as guerras por territórios ainda se estenderam por mais alguns anos, deixando marcas até hoje visíveis nas fachadas das casas de seus habitantes. A Croácia foi incorporada a União Européia em 2013, se tornando o 28º membro do bloco. O país ainda não aderiu ao euro, a moeda oficial continua sendo o Kuna croata e os valores praticados são em geral mais baratos do que outros países da Europa. O idioma oficial é o croata, mas a língua não chega a ser um problema para os turistas. Embora a maioria das palavras seja impronunciável, muitos locais falam inglês, ou se esforçam para serem entendidos de alguma outra maneira, já que são um povo simpático e acolhedor. Gastronomicamente falando, a Croácia é um deleite! Uma cozinha mediterrânea com particularidades em cada região e forte influência italiana, como nas deliciosas pizzas! Pratos com carne de porco são comuns em muitos restaurantes, além é claro de peixes e frutos do mar na região costeira. Para os vegetarianos também não faltam opções, queijo, cogumelos e trufas, por exemplo, são estrelas em algumas receitas! A cerveja e vinho nacional não deixam nada a desejar. Nos dias de calor é prática comum beber vinho branco misturado com água gaseificada naturalmente. Parece estranho, mas é bom! Ao incluir a Croácia no roteiro, muita gente se limita a conhecer Dubrovnik, a chamada Pérola do Adriático, e Split, de onde saem barcos para as paradisíacas ilhas. Mas se o interesse não for apenas as famosas baladas, a Croácia tem muito mais a oferecer! Uma boa maneira de desbravar um pouco mais a fundo esse pedaço tão fantástico do globo é alugando um carro. Pode não ser a opção mais barata, mas além da liberdade, as paisagens nas estradas são motivos bem convincentes para optar por esse meio de transporte entre as cidades. Arquitetura e história na capital Zagreb A capital Zagreb é um pouco contrastante, enquanto na região mais turística segue um padrão bem típico de cidade histórica européia, em suas regiões mais periféricas a arquitetura comunista é bastante presente. Embora não seja muito agradável aos olhos, esses prédios remetem a um período que alguns croatas viam com bons olhos, sendo que o líder da época, Marechal Tito é ainda uma figura bastante popular. A cidade é dividida entre a parte alta e baixa e é perfeitamente possível conhecer a maior parte das atrações a pé. Entre os destaques da chamada Cidade Alta, está a Igreja de São Marcos, famosa por seu telhado de mosaicos, o curioso Museu das relações partidas, com objetos que contam inusitadas histórias o sobre fim de relacionamentos amorosos, e a Torre Lotrščak, construção medieval de onde todos os dias ao meio dia estoura-se um tiro de canhão. Ainda nesse lado da cidade, fica a Catedral da Assunção da Virgem Maria, a Porta de Pedra, passagem medieval que foi transformada em local de orações e agradecimentos e a Tkalčićeva, uma agradável rua de pedestres com bares e restaurantes. Na parte baixa da cidade ficam o Mercado Dolac, colorido conjunto de bancas com alimentos, flores e artesanato e a principal praça de Zagreb. O cemitério de Mirogoj é um pouco mais afastado, mas vale a visita pela arquitetura da entrada. Há poucos quilômetros de carro ainda é possível conhecer fantásticos castelos medievais e pequenas vilas que nos transportam ao passado. Uma das maiores preciosidade da Croácia é o Parque Nacional de Lagos de Plitvice, um surreal conjunto de lagos em tons de azul e verde ligados por cascatas. Há algumas opções de trilhas porém é preciso ter cuidado, as placas não são muito informativas e há uma grande possibilidade de se ver perdido em meio às florestas e passarelas sobre as águas. É Possível se hospedar dentro do parque ou apenas fazer uma day-trip partindo de Zagreb, o impossível é deixar de passar por esse lugar tão fantástico que se tornou inclusive patrimônio da UNESCO! Paisagens paradisíacas pela costa da Croácia Já na costa da Dalmácia, mais ao sul do território croata, fica a pequena Split. A parte turística da cidade concentra-se dentro do Palácio do imperador romano Diocleciano, que é a atração principal junto com a procura pelos passeios às ilhas. Por ter estado sob domínio veneziano durante 377 anos, a arquitetura nessa região é fortemente influenciada pelo estilo italiano. Subir na torre da Catedral de São Domnius para apreciar a vista, passear pelo calçadão e se perder pelas muitas ruelas de pedras brancas são alguns dos meios de conhecer essa charmosa cidade. Assim como Split, Dubrovnik é parada certa de quem vai à Croácia. A cidade, que já foi cenário da série Game of Thrones, sofreu num passado recente com conflitos violentos, mas hoje o que se vê é só beleza e história. A old town é cercada pela muralha conservada do período medieval, de onde se vê o impressionante azul do mar adriático! As ruas dessa pequena cidade são um convite para passar algumas horas agradáveis, parando para uma refeição, um drink ou um sorvete em alguma das muitas vielas com ares italianos. Os passeios de barco até as ilhas são muito procurados. A Ilha de Lokrum é uma das mais próximas e uma ótima opção para passar o dia rodeado por pavões, os simpáticos habitantes locais. O país ainda guarda alguns segredos como as paradisíacas praias de pedra de Brela e Baska Voda, um órgão marítimo que emite sons com o movimento das ondas do mar, pontes para ursos e outras curiosidades interessantes! E com essa diversidade cultural e histórica e exuberantes belezas naturais, a Croácia começa a ser descoberta como um dos países mais incríveis do Leste Europeu! Sugestão de roteiro pela Croácia Nosso roteiro de 7 dias de carro pela Croácia começou por Zagreb e acabou em Dubrovnik. As distâncias são curtas e as estradas são boas, com vistas espetaculares da costa. Para fazer o último trecho é preciso passar pela fronteira com a Bósnia. A carta de motorista brasileira é aceita no país. Se a ideia é contratar uma agência para ajudar na viagem, recomendo muito a Kamauf Tours, da simpática Marilia do blog Uma brasileira na Croácia. Dia 1 – Zagreb Dia 2 – Zagreb Dia 3 – Zagreb (Bate volta ao Parque Nacional dos Lagos de Plitvice) Dia 4 – Split (Parada em Zadar para conhecer o órgão marítimo) Dia 5 – Brela e Baska Voda Sugestão de hospedagem em Baska Voda: House Bilic Dia 6 – Dubrovnik Dia 7 – Dubrovnik (Bate volta a ilha de Lockrum) Sugestão de hospedagem em Dubrovnik: Hotel Vis 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/viagem-pela-croacia/
  3. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos. Sabe aquelas listas de “Lugares para conhecer antes de morrer”? Bom, esse é um deles! Estávamos em Zagreb (capital da Croácia) e o planejado era passar o dia no Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Pesquisei bastante antes de ir, uns diziam que o melhor era ficar hospedado lá por uma noite pra conseguir ver tudo, outros defendiam que um bate-volta era suficiente, ficamos com a segunda opção. Suficiente não foi, pois não chegamos a ver tudo (o lugar é enorme!), mas acho que foi realmente a melhor opção. De carro o trajeto dura aproximadamente 1:30. Acordamos bem cedo, passamos em um café perto do hotel (onde descobri que “jabuka” é maçã em croata rsrsrs) e partimos pra estrada. No caminho é possível ver marcas de balas em muitas das casas que ainda não foram reformadas, os croatas preferem investir primeiro na parte de dentro das casas (especialmente com sistemas de aquecimento), por isso é normal que muitas delas por fora estejam inacabadas mas por dentro sejam maravilhosas. Em uma determinada parte da estrada fica o museu a céu aberto da guerra (independência da Croácia, de 1991 a 1995), uma grande área com casas completamente destruídas, aviões e tanques de guerra. Um lugar tenso, que realmente impressiona, vale a pena parar alguns minutos por lá. Ao chegar na região do parque, há uma enorme placa onde você pode escolher entre algumas opções de trilhas de acordo com o tempo que pretende ficar e a dificuldade da trilha, escolhemos a nossa e depois de alguns minutos de caminhada já estávamos perdidos! A ideia das trilhas é ótima, mas faltam placas e as que tem são um pouco confusas (essa da foto por exemplo), então acabamos indo aleatoriamente, o que não foi nenhum problema, pois conseguimos ver grande parte das coisas. Ah, apesar do croata ser uma língua incompreensível pra nós, lá quase todos falam inglês, eles estão em uma crescente no turismo então donos de lojas, funcionários de museus, parques, restaurantes etc realmente se esforçam para atender bem os turistas. Nosso primeiro contato visual foi nada menos que este ai! Ou seja, já nesse momento deu pra entender o motivo do parque ser patrimônio nacional da UNESCO. E vale avisar que as fotos não conseguem captar nem metade das cores e tons perfeitos deste lugar. Confesso que fiquei meio medrosa andando nas estreitas passarelas, mas ai passavam grupos e mais grupos de velhinhos andando tranquilamente, muito mais rápido que eu… tive que fingir que estava tudo tranquilo né?! Rsrsrs É o tipo de lugar que pede calma e contemplação, cada passo dado é uma nova paisagem, entre águas de um azul indescritível, bosques de árvores multicoloridas, calmas piscinas naturais, cavernas, paredões e pequenas cachoeiras, um dos pontos altos do parque é a grande queda, uma enorme cascata onde se concentram muitas das pessoas espalhadas pelas diferentes trilhas. Tudo estava realmente maravilhoso, mas o tempo começou a virar (fomos em abril, estava um sol delicioso mas, bem frio!), decidimos pegar um dos barquinhos de travessia para conhecer o outro lado, ali as coisas já eram mais “selvagens”, estava muito mais vazio, começava a chover e ficar escuro, estávamos perdidos de novo e começava a bater um leve desespero. Nesse momento eu só pensava no que um croata havia nos dito no dia anterior; se vocês virem um urso, corram para baixo pois eles tem as patas da frente mais curtas e vão rolar caso tentem ir nesta direção. =0 Sim, porque havia a real possibilidade de existirem ursos soltos no local! (Rara, mas havia) Tem um ponto no parque onde se pode observar-los (de longe), mas acabamos não tendo tempo de ir lá. Ah, ainda uma última coisa sobre eles, em croata, a tradução para “Urso” é “Medo”… propício não? Bom, depois de pouco mais de 3 horas chegamos ao fim do passeio, pegamos o barquinho de volta para o local do estacionamento e saímos de lá com a certeza de termos conhecido um dos lugares mais incríveis do planeta Terra! Ainda na Cróacia, estivemos também em Zagreb, Split, Baska Voda e Dubrovnik, é tanta coisa maravilhosa que não dá pra falar tudo de uma vez só, mas quero já neste primeiro relato agradecer a Marília, do blog Uma brasileira na Croácia, nos encontramos com ela e seu marido em Zagreb e posso dizer que sem eles a viagem não teria sido a mesma coisa! Algumas informações úteis: Site do parque: http://www.np-plitvicka-jezera.hr Moeda: Kuna | 1,00 BRL = 2,43 HRK Preços: Variam muito de acordo com a idade e época do ano, mas no site tem tudo detalhado. Horários: O parque abre diariamente das 07:00 às 20:00 (mas os estacionamentos e os transfers de barcos tem outros horários) Leve um lanche e água pois não há muitos pontos de venda por lá, e sinceramente, acho que nem vale a pena perder tempo com isso, levamos um sanduíche que comemos contemplando as águas azuis. 😃 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
  4. Fala galera, beleza? Meu nome é Lucas e estou iniciando meu 9º mochilão agora dia 19/05/19 e ele vai até 11/08/19. Vou deixar meu roteiro aqui, caso alguém queira dar alguma opinião sobre a quantidade de dias, deslocamentos etc é só comentar; Eu saio de Brasília com destino a Madrid, vou ficar entre os dias 20/05 e 02/06 participando de um curso na Espanha, então vou colocar o roteiro a partir do fim do curso: Obs: Inicialmente eu montei este roteiro invertido, mas resolvi alterar pra não pegar a Croácia em julho. Eu já conheço Barcelona e Budapeste, além disso, eu gosto de andar bastante pra conhecer os pontos turísticos e normalmente evito museus. OBS 2: Nos comentários já adicionei o roteiro final. 03/06 Barcelona, Espanha 04/06 Barcelona > Zagreb, Croácia (avião) 05/06 Zagreb > Parque Plitvice Lakes, Croácia (ônibus) 06/06 Plitvice Lakes > Split, Croácia (ônibus) 07/06 Split 08/06 Split > Hvar, Croácia (barco) 09/06 Hvar 10/06 Hvar 11/06 Hvar 12/06 Hvar > Saravejo, Bósnia e Herzegovina (barco + ônibus) 13/06 Saravejo 14/06 Saravejo 15/06 Saravejo > Mostar, Bósnia e Herzegovina (ônibus) 16/06 Mostar 17/06 Mostar > Dubrovnik, Croácia (ônibus) 18/06 Dubrovnik 19/06 Dubrovnik 20/06 Dubrovnik 21/06 Dubrovnik > Kotor, Montenegro (ônibus) 22/06 Kotor 23/06 Kotor > Budva, Montenegro (ônibus) 24/06 Budva 25/06 Budva > Tirana, Albânia (ônibus) 26/06 Tirana 27/06 Tirana 28/06 Tirana > Berat, Albânia (ônibus) 29/06 Berat 30/06 Berat > Sarande, Albânia (ônibus) 01/07 Sarande 02/07 Sarande > Ohrid, Macedônia (ônibus) 03/07 Ohrid 04/07 Ohrid 05/07 Ohrid > Skopje, Macedônia (ônibus) 06/07 Skopje 07/07 Skopje <> Pristina, Kosovo (ônibus) 08/07 Skopje 09/07 Skopje > Sófia, Bulgária (ônibus) 10/07 Sófia 11/07 Sófia 12/07 Sófia > Plovdiv, Bulgária (ônibus) 13/07 Plovdiv 14/07 Plovdiv > Varna, Bulgária (ônibus) 15/07 Varna 16/07 Varna 17/07 Varna > Bucareste, Romênia (ônibus) 18/07 Bucareste 19/07 Bucareste 20/07 Bucareste 21/07 Bucareste > Brasov, Romênia (ônibus) 22/07 Brasov 23/07 Brasov 24/07 Brasov > Cluj-Napoca, Romênia (ônibus) 25/07 Cluj-Napoca 26/07 Cluj-Napoca > Budapeste, Hungria (ônibus) 27/07 Budapeste 28/07 Budapeste > Ozora Festival, Hungria (trem + ônibus) 05/08 Ozora Festival > Budapeste 06/08 Budapeste 07/08 Budapeste > Bratislava, Eslováquia (trem) 08/08 Bratislava > Budapeste, Hungria (trem) 09/08 Budapeste 10/08 Budapeste 11/08 Budapeste > Brasília, FIM Alguma dúvida ou sugestão? OBS: logo abaixo coloquei o roteiro final.
  5. Bom dia galera tudo bem? Tenho uma dúvida, pra falar a verdade é mais ou menos uma preocupação. Estou planejando viajar para Croácia este ano em Setembro, para visitar a minha namorada(que é Croata). O objetivo é achar um emprego e ficar por lá mesmo. Já tenho até um meio que garantido, usei o sistema do Workaway para achar uma pessoa precisando de ajuda. Daí vou ficar trabalhando pra essa pessoa e morando de "graça". Durante esse tempo vou procurar um emprego na minha área para garantir que eu possa ficar legalmente por lá. Até aqui tudo bem, mas minha preocupação é a seguinte: Comprei as passagens para os seguintes dias: Ida - Setembro 19/09/19 Volta - Janeiro 23/01/2020 Como estarei usando o visto de turista, terei que ficar apenas 90 dias. Visto que minhas passagens são de 40 dias, vcs acreditam que minha entrada será negada? Devido a passagem de volta ultrapassar os 90 dias? Esta é a primeira vez que vou viajar para outro país e por um motivo burro acabei comprando a passagem para a data de volta errada. Estou tão preocupado que imagino o pessoal me escoltando e não deixando eu nem abraçar a minha namorada hahaha Alguém já passou por esta situação? Obrigado pela atenção de todos!
  6. Boa tarde galera mochileira ? Estou montado um roteiro para 31 dias de viagem, já excluídos a viagem de ida e volta. Abaixo estão as cidades que vou passar, e a ideia de quantos dias ficar em cada lugar: Dia 01 - Liubliana - Chegada 08h45 Dia 02 - Liubliana Dia 03 - Liubliana Dia 04 - Dubrovnik Dia 05 - Dubrovnik Dia 06 - Dubrovnik Dia 07 - Split Dia 08 - Split Dia 09 - Split - Hvar ? Dia 10 - Split - Brač ? Dia 11 - Split - Vis ? Dia 12 - Split Dia 13 - Zagreb Dia 14 - Zagreb Dia 15 - Zagreb Dia 16 - Budapeste Dia 17 - Budapeste Dia 18 - Budapeste Dia 19 - Bratislava Dia 20 - Bratislava Dia 21 - Praga Dia 22 - Praga Dia 23 - Cracovia Dia 24 - Cracovia Dia 25 - Cracovia Dia 26 - Cracovia Dia 27 - Varsovia Dia 28 - Varsovia Dia 29 - Varsovia Dia 30 - Frankfurt Dia 31 - Frankfurt - Saída 18h30 Para quem já conhece alguma destas cidades, está ok a distribuição de dias, ou recomenda alterar, para mais ou para menos ? De Split, quero passar alguns dias em alguma ilha. Qual recomendam ? Estava pensando em Brač ?
  7. Boa tarde!! Estou pensando em fazer Rep Checa/Áustria/Hungria/Croácia ano que vem e gostaria de saber se o roteiro inicial está bom: Aceito sugestões e dicas
  8. Boa tarde, Vou para a Europa em Agosto ( saindo de SP dia 16/08) e gostaria de dicas sobre alguns lugares pra visitar e a quantidade de dias para cada local. A viagem será de 22 dias no total, e as cidades que pretendo visitar são: Dubrovnik, Hvar, Zagreb, Budapeste, Praga, Munique, Ibiza, Barcelona. O que recomendam na Áustria? Quais sugestões? Valeu galera!
  9. Boa noite mochileiros. Minha 1ª viagem pela Europa, então vou precisar de muitas dicas dos mochileiros mais experientes. De certo, apenas passagens de ida e volta. Chegada por Milão, e volta de Zagreb, além de um voo low coast Milão > Tallinn. Vou mostrar abaixo o esboço, que certamente irei mudar algumas coisas, e gostaria de apontamentos e sugestões: sex 24.mai - Saída Curitiba 12:05 sáb 25.mai - Chegada Milão 16:10 dom 26.mai - Chegada Tallin 10:30 seg 27.mai - Tallin ter 28.mai - Tallin qua 29.mai - Tallin > Riga qui 30.mai - Riga sex 31.mai - Riga sáb 01.jun - Riga > Vilnius dom 02.jun - Vilnius seg 03.jun - Vilnius ter 04.jun - Vilnius > Varsóvia qua 05.jun - Varsóvia qui 06.jun - Varsóvia sex 07.jun - Varsóvia > Cracóvia sáb 08.jun - Cracóvia dom 09.jun - Cracóvia seg 10.jun - Cracóvia > Busapeste ter 11.jun - Budapeste qua 12.jun - Budapeste qui 13.jun - Budapeste > Split sex 14.jun - Split > Hvar sáb 15.jun - Hvar dom 16.jun - Hvar seg 17.jun - Hvar > Split ter 18.jun - Split qua 19.jun - Split qui 20.jun - Split > Zagreb sex 21.jun - Zagreb sáb 22.jun - Zagreb dom 23.jun - Zagreb seg 24.jun - Saída Zagreb 13:20 ter 25.jun - Chegada Curitiba 11:05 Devo tirar um 1 de Zagreb, talvez 2. Vi muitas pessoas comentando que não tem muito a se ver por lá. Além disso, alguém já foi a Breslávia, na Polônia ? Vale uma parada ? ou alguma outra cidade polonesa além de Varsóvia e Cracóvia ? Sobre os deslocamentos, algum deles haverá dificuldade ? E seria necessário reservar tudo com alguma antecedência ? Qualquer observação será bem vinda.
  10. olá mochileiros, Acabei de comprar uma promo (GRU - FRANKFURT - GRU) no período do reveillon, chegada dia 27 de Dezembro e retorno 16/01/2019. Serão 20 dias de viagem. Será minha primeira vez na Europa, e realmente estou um pouco perdida, ando lendo relatos aqui no Mochileiros para ver se clareia um pouco a minha mente na hora do planejamento low cost da viagem. Estou indo em casal. Foco da viagem: queremos muito conhecer Kiev e fazer o tour Chernobyl (pesquisamos e terá tour , com a empresa responsável, disponível nessa época )Amsterdã (3 dias), Bruxelas (1 dia), Berlim (1 a dois dias), Dubrovinik e Split. minhas duvidas: 1- eu sei que incluir Kiev é totalmente contra-mão da viagem, mas andamos pesquisando e há passagens no app do jetcost das empresas aéreas bem baratas, ( voo de media 2h), então acreditamos que para realizar isso, temos que deixar disponível +- 3 dias ( cogitamos e vimos no site, chegar em frankfurt [chegaremos 12h] e ir direto para kiev pela noite , chegando lá por volta das 22h , e considerando o desembarque, alfandega, chegada ao hostel etc, enfim chegaríamos por volta da madrugada, no dia seguinte teriamos o dia para conhecer kiev, e no segundo dia para conhecer chernobyl, e iriamos para outra cidade no dia seguinte.) 2- cogitamos sair de KIEV - BERLIM - AMSTERDÃ - BRUXELAS - CROACIA - FRANKFURT. Vocês acham que está muito inviável esse roteiro ? cansativo ? caro ? 3- Onde vocês sugerem passar o reveillon? 🍺 Obrigada pela ajuda !
  11. Olá pessoal! Como vocês estão? Como sempre, alguns meses depois finalmente parei para poder escrever o meu relato da minha viagem para a Croácia que fiz em Julho/2017. Nesta viagem, fomos apenas eu e Anna Luiza, minha namorada. Caso queiram acompanhar nosso instagram de viagens: www.instagram.com/QuandoAGenteViaja Diferentemente da última viagem que tínhamos feito para a Europa que com com mais um casal de amigos, caso tenham interesse de verificar como foi podem acessar o relato também: CLICA AQUI :) Vamos aos detalhes? QUANTO GASTAMOS? Acredito que essa seja a principal pergunta quando se está falando de viagens, né não? A viagem foi relativamente curta mas não relativamente barata hahahaha Em relação aos gastos diários, levamos em consideração uma média de preço fornecida pelo site Quanto Custa Viajar e alguns relatos daqui mesmo. Passagem do Brasil para a Europa: R$ 2.200,00 / EUR 577,00 Gasto diários: EUR 940,00 Hospedagens: EUR 410,00 Translados (SpeedBoat + Avião): EUR 190,00 Seguro Viagem: R$ 400,00 / EUR 102 TOTAL: EUR 2.200,00 / R$ 8.580,00 por pessoa. Euro na época estava a R$ 3,90 O que encarece bastante a viagem para nós brasileiros, acaba nem sendo a quantidade de dias e sim o peso do preço da passagem, porque uma vez que está lá as coisas são mais baratas, pelo menos é o que acho. PASSAGEM TRANSATLANTICA: Dessa vez, a companhia escolhida foi a AirEuropa, foi a promoção que conseguimos comprar. Como moramos em Aracaju/SE, cerca de 4h de carro até Salvador/BA, compramos a passagem a partir de Salvador. O valor da passagem ficou em R$ 2.200,00 saindo de 18/07 Salvador > 19/07 Madrid > 19/07 Roma e o retorno em 01/08 Roma > 01/08 Madrid > Salvador. A escolha de ir para Roma foram por dois motivos; meu pai mora bem próximo à Roma, coisa de 30 minutos de carro, e além disso, os transportes para a Croácia também são bem tranquilos já da Itália. Ah, pra quem anda com dúvida onde acompanhar as promoções de passagens, indico os instagram da Melhores Destinos e o Passagens Imperdíveis, o Pi to achando mais esperto do que o ME, uma dica legal é acionar a notificação de quando eles postarem, assim você vai ser sempre ligado no que tiver rolando. Ambos também possuem aplicativo DESTINOS: 19/07 - Roma 20/07 - Roma > Split 21/07 - Split 22/07 - Split 23/07 - Split > Hvar 24/07 - Hvar 25/07 - Hvar 26/07 - Hvar > Dubrovnik 27/07 - Dubrovnik 28/07 - Dubrovnik 29/07 - Dubrovnik > Roma O restante dos dias fiquei na casa do meu pai, então não vai ter muita coisa para falar sobre TRANSLADOS EUROPA: ROMA > SPLIT: Fomos de avião saindo do principal aeroporto de Roma, o Fiumicino. Fomos de Vueling, nos custou EUR 95,00 por pessoa. Ah, não esqueçam de pegar um lugar na janela, a vista da aproximação em Split é linda demais! <3 SPLIT > HVAR: Já na Croácia, usamos os barcos gigantes que possuem várias saídas durante o dia, você praticamente não sente o balanço e é bem rápido até, mas compramos antes pela internet, a empresa foi a M.B. Kapetan Luka, que custou KUNAS 80,00 por perssoa. HVAR > DUBROVNIK: Fomos novamente pela Kapetan Luka, KUNAS 200,00 por pessoa. DUBROVNIK > ROMA: Voltamos novamente de avião, pela Vueling, por EUR 70,00 por pessoa. HOSPEDAGENS: Valores para o casal ROMA: The Yellow Hostel - EUR 64,00 - Reservado pelo Booking Como chegamos em Roma praticamente umas 19h decidimos dormir por lá mesmo em vez de irmos à casa do meu pai, até para comprar algumas roupas e curtir a noite. Os quartos são super bacanas, possuem lockers embaixo das camas, o que é bom pra quem estiver viajando com mala grande, não sei se são todos assim mas o quarto que fiquei era. Ahh, caso queiram curtir uma baladinha, o bar do Yellow é bem movimentado e quem reserva o quarto pelo site ganha um desconto legal nas bebidas SPLIT: Split Inn Apartments - EUR 195 - Reservado pelo Booking Muito muito muito boa a localização, praticamente na parte antiga da cidade, para a orla principal de Split que é onde fica o movimento não dá 5 minutos caminhando. Recomendo demais! Isso sem falar do atendimento da recepcionista onde nos indicou vários lugares e restaurantes. Ah, sem falar do quarto que era ótimo também! :)) HVAR: The White Rabbit Hostel - US 76,00 - Reservado pelo Hostel World Bem localizado também, fica bem próximo a antiga igreja e próximo à uns restaurantes na praça. A equipe do hostel é bem simpática e ele é bem movimentado. Ahh, até tinha alguns brasileiros que trocaram alguns dias de hospedagens por um trabalhinho, caso queiram economizar Sobre aluguel de lancha, perguntem à recepcionista que ela vai indicar uma lancha bem no precinho e ainda dão o cooler, vale a pena demais! O que ela nos indicou foi de longe a lancha mais barata que encontramos, foi 450 kunas e podiam 6 pessoas! DUBROVNIK: Old Town Hostel - EUR 40,00 - Reservado pelo Hostel World Mais um hostel super bem localizado, dentro da cidade murada. Um porém é que como é na parte murada, o hostel não tinha elevador, então caso esteja com mala grande você irá sofrer para subir as escadinhas hahahah Ah, o restaurante em frente ao hostel é muito gostoso! Recomendo! VAMOS COMEÇAR O RELATO? Como não lembro de muitos detalhes, vou fazer como fiz no meu último relato, vou citando as cidades e o que mais me chamou a atenção. Além do que, fizemos vlogs diários e postamos no youtube. Então para começar, segue o primeiro dia, da viagem de Salvador até Roma. SALVADOR > MADRID > ROMA - Não sei vocês mas não curto viajar de AirEuropa, o serviço é bem fraquinho. Indico que levem seus respectivos fones de ouvido, senão terão que comprar para poder se entreter durante o vôo ; - O aeroporto de Madrid é gigantesco, logo, é melhor saber onde vocês possuem o embarque para não perder o vôo saindo do freeshopping e caminhando mais de 40 minutos para o seu portão; - A imigração por Madrid está bem mais tranquila, passamos sem muitas perguntas na segurança; VLOG: Continua :))
  12. Relato original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/brela-e-baska-voda-paraisos-escondidos-na-croacia/ Brela e Baska Voda, uma do lado da outra, são minúsculas cidadezinhas na Croácia que escondem praias verdadeiramente paradisíacas banhadas pela imensidão azul do mar adriático! Na verdade mesmo, não havia nada pra fazer lá, o único atrativo era uma ilhota de pedra com árvores no meio do mar que parecia incrível no Google Images (e que praticamente foi o motivo de escolhermos esse lugar tão fora do roteiro) e que ao vivo era bem menos pitoresca. Mas havia calmaria, simpatia sincera e cenários que fazem meu coração palpitar até hoje, e o melhor, tudo isso só pra nós dois, ou quase. Depois de passar pelas paisagens mais lindas das estradas croatas (fizemos praticamente a costa toda nessa viagem), chegamos em Baska Voda. Nosso “hotel” era na verdade era um flatzinho que os próprios moradores alugam (já falei um pouco sobre isso aqui no post de Split), o nome era Haus Bilic e reservamos pelo Booking.com. O lugar era grande e super aconchegante. Aliás, entrando na cidade já era possível sentir o clima de aconchego que pairava por lá. A mulher que veio nos receber era de uma simpatia extrema, deixou uma cestinha com bananas e ainda se ofereceu para lavar nossas roupas. Muito amor, muita simpatia! Como eu disse, não havia muito o que fazer, foi um dia totalmente relax (o único, em uma intensa programação de 30 dias e aproximadamente 10 cidades) e foi maravilhoso! As vezes, tão bom quanto um dia cheio de novidades e cultura é parar e simplesmente andar a toa, sentar nas pedras (lá não tem areia, são praias de pedras), ouvir o mar e se sentir totalmente realizada, naquele momento não queria estar em nenhum outro lugar além daquele! Passamos pelo modesto porto, algumas lojinhas e uma estátua virada para o mar que ainda estou tentando buscar o significado. Andando pelas poucas ruas da cidade vimos muitos carros modelo Renault 4, muito comuns na época comunista, antes da antiga Iugoslávia se desmembrar em países separados, sendo um deles a Croácia. Antes do pôr-do-sol pegamos o carro para ir até Brela e ver a tal pedra! Parece até mentira de tão poética a paisagem que íamos tendo no caminho, as casas em frente a gigantes montanhas com seus topos encobertos por nuvens. O visual do sol se pondo então, foi espetacular! Aliás, a Croácia está lá em cima na minha lista de pores-do-sol maravilhosos! Voltando para Baska Voda, já de noite, observamos um caixa eletrônico no meio do “calçadão”, é engraçado pra nós que estamos sempre preocupados com segurança a ideia de tirar dinheiro assim, tão “abertamente”… é outro modo de viver! Pra terminar nosso day-off da viagem do melhor jeito possível paramos num restaurantezinho pra tomar uma cerveja e comer os melhores cogumelos-recheadinhos-de-queijo-sobre-arroz do mundo! (não faço ideia do nome desse prato e também nunca mais achei igual em outro lugar, mas era divino). O Dan foi de carne de porco com fritas, bem tradicional por lá. E assim foi um dia pacato, numa cidade pequena e totalmente desconhecida do qual não vamos nos esquecer jamais.
  13. Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/ No caminho entre a capital Zagreb e Dubrovnik, a pérola do Adriático, se encontra a pequena Split, a capital da região da Dalmácia e segunda maior cidade do país, destino comum para quem visita a Croácia. Muita gente a inclui no roteiro exclusivamente como acesso para uma das inúmeras ilhas, mas não foi nosso caso. Alugamos um carro em Zagreb e descemos até Split fazendo uma rápida parada em Zadar, para conhecer o intrigante órgão marítmo. As estradas croatas são bastante boas, e usando o GPS não tivemos nenhum problema. Chegando na cidade, comecei a ficar meio preocupada, quase desisti de parar por lá, isso porque a parte turística e histórica se concentra exclusivamente dentro do antigo palácio do imperador romano Diocleciano, declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO. Fora deste domínio ela não é nada atrativa! Com alguma dificuldade encontramos o estacionamento (que fica na parte de fora do palácio, não circulam carros por lá) e partimos para uma missão dificílima, encontrar o hotel! Na verdade, não era um hotel, era um apartamento, esse esquema de hospedagem é muito comum por lá, usamos duas vezes reservando pelo Booking.com e foram boas (e baratas) experiências. O lugar em si não era mais que um quarto com banheiro e frigobar, mas para uma noite, está ótimo (e dentro do palácio). É difícil encontrar pois são várias vielas com apartamentos não muito bem identificáveis, e claro, com nomes impronunciáveis. Uma dica é reparar nas portas, geralmente há uma placa azul com um ícone de hospedagem e o termo “sobe”. Na entrada da cidade velha, próximo ao Portão de Ouro (cada lado do palácio tem um portão: ouro, prata, ferro e latão) está a gigante estátua do bispo Gregório de Nin, que lutou para que os serviços religiosos fossem divulgados também na língua eslava, para que todos pudessem entender, já que na época era usado para estes fins apenas o latim. A tradição manda esfregar a mão no dedão de seu pé esquerdo para trazer sorte. O palácio de pedras brancas da ilha de Brac foi construído a mando do imperador Diocleciano, que nasceu nesta região e comandou Roma de 284 a 305, quando abdicou voluntariamente de seu cargo. Era conhecido pela fama de perseguidor de cristãos. Ele encomendou aos arquitetos Filotas e Zotikos a então luxuosa construção onde passou seus últimos anos de vida. Após sua morte, o palácio virou residência do governador e foi usado ainda para escritórios administrativos. Em 615, refugiados de Salona, vizinha de Split, se abrigaram no palácio já abandonado, após ter sua cidade destruída pelos avaros e eslavos. Neste momento, começa a surgir a cidade de Split, que com o passar dos anos foi se expandindo para além dos domínios do palácio. Caminhar por lá é como mergulhar no passado, áreas muito bem conservadas convivem em harmonia com ruínas, colunas coríntias greco-romanas, esfinges egípcias, esculturas e roupas penduradas para fora das janelas. Estilos artísticos e arquitetônicos se misturam, do gótico ao renascentista. Todas as ruas, praças e casas desta região tem ares italianos, o que não é exatamente uma surpresa, já que a cidade foi ocupada por Veneza durante um período. Saindo pelo portão de latão, a Riva, grande calçadão branco com palmeiras imperiais, margeia as águas do porto (Split é uma cidade basicamente portuária, sem praias na região central). Há uma maquete do palácio em alto relevo e diversos cafés e restaurantes beira-mar. Vale a pena subir no alto da torre do campanário da Catedral de São Domnius. O trajeto é longo, cansativo e claustrofóbico, mas a vista da cidade e do espetacular azul do mar adriático compensam o esforço. O local era o antigo mausoléu do imperador, quando a religião católica ganhou liberdade, foi transformado em catedral onde foram colocados os restos mortais de São Domnius, padroeiro de Split, e Santo Anastácio, ambos mortos a mando de Diocleciano. No vestíbulo, que fica próximo ao campanário, costumam acontecer apresentações musicais. Diz-se que as galerias subterrâneas foram usadas como depósitos de lixo na ocupação da cidade pelos refugiados de Salona e que foi isso que conservou a estrutura. Hoje no local ficam diversos stands vendendo de tudo um pouco, é um bom lugar para encontrar souvenirs. A noite paramos para comer no Restaurant Central, na Praça do povo (Narodni Trg) que fica fora das muralhas, com alguns restaurantes, lojas e um intenso fluxo de turistas. É também onde ficam a prefeitura e a torre da guarda, com um relógio em sua fachada. Para os carnívoros, a pedida é o porco, muito consumido pelos croatas. Já eu preferi uma massa com funghi (os cogumelos também são muito frequentes na culinária local) e foi uma das melhores coisas que já comi na vida, que delícia! O vinho croata, assim como a cerveja, também não deixa nada a desejar. Na manhã seguinte tomamos café em uma pekara (padaria) próxima à marina e quando percebemos estava tocando Gustavo Lima!… Até na Croácia! Ainda passeamos mais um pouco por lá e partimos para Baska Voda, uma praia paradisíaca e desconhecida. Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/
×
×
  • Criar Novo...