Ir para conteúdo

Deserto do Saara e Surf em Marrocos


Mary Rocha

Posts Recomendados

  • Membros de Honra

Chegar no aeroporto em Marrakesh já foi uma experiência em si. Fomos recebidos com uma temperatura de 37 graus, aquele tipo de calor seco que sugere que você não faça movimentos muito bruscos para não começar a suar logo de cara e que contenha a respiração que fica um pouco mais ofegante, como se de repente  seu canal de respiração reduzisse em 1 centímetro. Quando se vive num país bem mais frio (que é o meu caso que moro na Nova Zelândia), este contraste de temperatura é impactante nos primeiros minutos. O táxi estava esperando por nós para nos levar ao nosso Riad, tipo de acomodação comum que parece um mini palácio no interior da medina, parte antiga de Marrocos. O lugar era lindo e muito bem decorado. Os táxis geralmente não têm permissão para entrar nas medinas, pois não há espaço suficiente nos becos para que os carros passem, então a recepcionista, uma jovem muçulmana marroquina, nos levou a pé, dando-nos a oportunidade de experimentar imediatamente as ruas estreitas, transportando você para o filme de Aladdin. A atmosfera é fora deste mundo e você sente que há cada esquina há um tesouro escondido. Chegando ao nosso alojamento, nos ofereceram biscoitos caseiros e chá de hortelã - a recepcionista disse que era uma tradição quando recebiam hóspedes em suas casas.

Marrakesh é uma cidade movimentada, cosmopolita e barulhenta, com sua praça central sendo o ponto principal para negros africanos que vendem óculos de sol, artes e camisetas coloridas; homens oferecendo seus macacos com fraldas para tirar fotos; Árabes tocando flautas para cobras; carruagens de cavalos, bateristas, restaurantes, tendas de sucos, vendedores de chapéus de palha, vendedores de souveniers, tudo o que imaginar! Além disso, ao caminhar, de vez em quando você ouvia alguém sussurrando e oferecendo “Haxixe?”. Marroquinos são animados e estão sempre prontos para fazer piadas e negociar.

Nosso tour contratado chamado surf e turf, incluía o deserto do Saara e surf na costa oeste e começou no dia seguinte, onde fomos pegos de Marrakech bem cedo e nos juntamos numa van com 13 outros viajantes, uma salada mista de nacionalidades: Canadá, Itália, Portugal, Espanha, Japão e nós (alemão e brasileiro). Seguimos para Ouarzazate, porta de entrada para o extremo sul, cruzando as montanhas do Alto Atlas. No caminho paramos para visitar o famoso Kasbah– a palavra Kasbahsignifica descrever a parte antiga de uma cidade – em Ait Benhaddou, classificada pela Unesco como patrimônio mundial, local para filmagem de grandes filmes como Games of Thrones, Múmia e o Gladiador. Aqui nós tivemos tempo para caminhar com o guia por aldeias pequenas com casas construídas com palha e lama que pareciam ter sido levantadas da sujeira. As montanhas do High Atlas há muito tempo abrigam algumas das aldeias mais remotas do norte da África e foi muito comum ver os Berbers, locais viajando em mulas para trocar mercadorias. Muitos dos mercadores ainda utilizam técnicas antigas em suas vendas.

Continuamos em direção à nossa pousada viajando pelo oásis de Skoura, onde numerosos Kasbahs antigos se encontram entre as palmeiras, uma paisagem espetacular. A temperatura a noite foi bem mais agradável do que Marrakesh, o que nos deu a oportunidade de dormir melhor do que na noite anterior. Eu estava animada para o dia seguinte: o deserto do Saara esteve nos meus sonhos há muitos anos.

De manhã cedo partimos para a pequena cidade chamada Merzouga, localizada no pé do Saara. Enquanto viajávamos pela estrada deserta cercada por montanhas áridas, planaltos, areia e planícies cobertas de cascalho, observava o painel do carro enquanto a leitura térmica subia lentamente. No momento em que chegamos ao hotel às 18:00, a temperatura estava em 45 graus! Nosso motorista, apesar de muito simpático, não falava muito sobre o próximos passos, então eu não sabia exatamente o que estava nos esperando. O grupo foi dividido em diferentes pontos ao longo da vila e o casal canadense e nós tivemos tempo para rapidamente mergulhar na piscina por 5 minutos, juntar escova de dentes e roupas extras para seguir para o nosso passeio de camelo sob o pôr do sol.

Citar

O cenário no deserto do Saara foi exatamente como nos meus sonhos: vendo aquela extensão de montanhas de areias foi como se o relógio tivesse parado, me dando uma sensação envolvente de antigo e lenda, chegia de maravilhas e mistérios. Meus olhos se encheram de lágrimas.

Fui percebendo ao longo das duas horas de passeio de camelo que este não era tão confortável, então decidi caminhar nas dunas juntamente com o Berber local e naquele momento me senti uma pessoa abençoada por experimentar tudo aquilo. À noite, jantamos em nosso acampamento no deserto com os moradores locais tocando tambores e outros instrumentos e na manhã seguinte voltamos com os camelos, ainda escuro, iluminados apenas pela lua e pelas estrelas. Foi uma experiência mágica e surreal.

Pegamos nossas mochilas e embarcamos em nosso ônibus, desta vez com um grupo menor, já que muitos de nossos colegas de viagem seguiriam para outras partes do Marrocos e nós partimos para uma longa viagem até Agadir, na costa oeste de Marrocos, para passar os últimos três dias relaxando, surfando e tendo uma verdadeira imersão no estilo de vida marroquino. Nossa acomodação no hostel foi numa surf house em que café da manhã, almoço e jantar foram preparados por marroquinos e tivemos a oportunidade de conhecer surfistas de muitos locais.

Eu viajei para muitos países e poucos deles me deram esse sentimento de amor à primeira vista, desde o início até o fim. E o Marrocos é definitivamente um deles. A única coisa que posso dizer para finalizar é "Shukran (obrigada) Marrocos" pela excelente hospitalidade!

Mary Rocha - Fundadora da NZEGA (www.nzega.com) 

Escritora do livro Big Blue - Saiba mais sobre o livro

  • Gostei! 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por ms.priscila
      Roteiro Marrocos (11 dias)
      INFORMAÇÕES GERAIS
      Visto: dispensa de visto por até 90 dias
      Passaporte: deve ter validade de pelo menos 6 meses da data do retorno ao Brasil
      Vacinas: não exige vacina da febre amarela
      Quando ir: mar-maio e set-nov
      Capital: Rabat
      Moeda: dirham marroquino (MAD), podendo ser comprado fora ou dentro do país
      Idioma oficial: árabe e francês
      Cod. telefone: +212
      Padrão bivolt: 220V
      Tomadas: C e E
      Empresas aéreas: Royal Air Maroc (RAM)
      Trem: ONFC
      Ônibus: CTM e Supratours

      VIAJANDO SOZINHA PELO MARROCOS
      Antes de decidir viajar ao Marrocos, pesquisei muito a respeito pois li e ouvi muitos relatos negativos quanto à presença da mulher no país, como por exemplo, perseguição e assédio.
      Por este motivo, optei por viajar com agência de viagens (o que nunca havia experimentado) e, ao final, posso dizer que foi uma boa escolha diante dos argumentos que tratarei mais adiante. A agência escolhida foi a Almanatour (esta informação não é patrocinada), porque somente ela oferecia o tour em novembro pelo tempo e locais pretendidos.
      O Marrocos é um país em expansão e com uma arrojada política de estruturação voltada ao turismo. Assim, a agência, especificamente, cumpriu com todos os serviços contratados, mas de uma maneira geral, os serviços ainda são ruins, mesmo nos hotéis estrelados, mas é um caminho a ser percorrido.
      Quanto à perseguição e assédio mencionados anteriormente, por duas vezes, em Fez e Marrakech, abandonei o tour para andar sozinha pela cidade e as impressões são as seguintes:
      1. O Marrocos é um país muçulmano, portanto, você deve respeitar a figura da mulher dentro da religião;
      2. Independente de ser homem ou mulher, você será extremamente assediado no que diz respeito às compras; e nesse aspecto, eles são incansáveis. Por isso, a dica é: óculos escuros e um educado “no, thanks”;
      3. Evite tirar fotos com animas e fazer tatuagens nas praças principais das grandes cidades; um triste fato é que os vendedores sempre estarão prontos a lhe enganar nos valores comercializados.
      Assim, algumas situações que vimos ou enfrentamos:
      a. Um colega do tour tirou uma foto com um animal, em Marrakech, e o rapaz lhe disse que pela foto ele poderia pagar a quantia que quisesse. Após a foto, o colega ofereceu 5€, o que foi recusado pelo rapaz, que passou a exigir 20€. Nesse momento, o rapaz passou a ir para cima do colega, que começou a chamar a polícia, quando o rapaz empreendeu fuga.
      b. A noite, tirei uma foto de uma praça, em Marrakech, e um rapaz, saindo não-sei-de-onde, me pediu dinheiro pois possivelmente havia saído na minha foto. Expliquei que a foto não estava boa, apaguei e ele se convenceu e foi embora.
      c. Antes de partir de determinado ponto turístico, eu e uma colega do tour perguntamos a alguns policiais quanto era um táxi de onde estávamos para o hotel; eles nos informaram que o valor girava em torno de 20 a 25 MAD. Quando abordamos os taxistas, nos cobraram 80 MAD e aí começam a querer negociar. Ao final, voltamos a pé porque ficamos com receio de negociar valor certo e ser cobrado a maior, quando chegássemos ao destino.
      Assim será em relação a tudo que você tenha que pagar no país. Por esta razão, contratei um tour com tudo incluído e fugi de todos estes percalços.
      Conclusão: o Marrocos é um país lindo, incrível, de cultura apaixonante. Nas grandes cidades medievais vê-se grande número de turistas nas ruas durante todo o dia e noite. Caminhe a vontade pelas medinas, praças e demais pontos turísticos; você, mulher, não será perseguida. Enjoy!

      CLIMA NO MARROCOS Por estar próximo ao deserto, acreditava que o Marrocos era sempre quente. Ledo engano. Faz frio e muito frio. Respeite as estações. Fui em novembro (final do outono) e as temperaturas foram sempre amenas (8o a 20o) e mesmo no deserto fez frio durante o dia, mas sob forte sol.

      ROTEIRO DIA A DIA
      Por uma questão didática, expus o roteiro descriminado pela agência, em seu site, e farei comentários, quando julgar necessário.

      Dia 01: Marrakech
      “Chegada ao Aeroporto. Transfer para o hotel escolhido. Jantar incluído.”

      Dia 02: Marrakech – Essaouira – El Jadida – Casablanca
      “Saída para Essaouira logo depois do café da manhã. Visita da cidade, almoço opcional em um restaurante da cidade. Pela tarde vamos em direção a Casablanca. Durante o trajeto faremos paradas em Oualidia e El Jadida. Visita de orientação da cidade de Jadida ou Mazagão (que foi uma antiga cidade portuguesa) e na época considerada o melhor refúgio na Costa Atlântica no ano de 1769. Chegaremos em Casablanca para o jantar e alojamento no Hotel.”
        Essaouira
      Medina da Essaouira

      Dia 03: Casablanca – Meknes e Fez
      “Começamos o dia conhecendo Casablanca, a capital econômica do Marrocos:  Mercado Central,  distrito de Habús, o Palácio Real, a Praça de Mohamed V, a zona Residencial de Anfa, o exterior da Mesquita de Hassan II. Saída para Meknes para visitar a capital “Ismaelita”, a qual tem as maiores muralhas de Marrocos (40 km); a famosa porta de Bab Mansour, os estábulos reais e o bairro Judeu. Almoço durante o trajeto (Opcional). Continuação a Fez. Jantar e alojamento.”
      A parada não permite entrar na Mesquita de Hassan II, em decorrência do tempo. Se estiver sem excursão e decidir entrar na mesquita, é necessário um véu para cobrir ombros e colo.
        Casablanca
      Estábulos reais

      Dia 04: Fez
      “Todo o dia será dedicado a conhecer a Capital Espiritual do Marrocos; visitaremos a Medina Medieval e veremos as escolas muçulmanas mais antigas (exteriores) “Attarine e Medersa Bou Anania”, que fazem parte das Universidades Islâmicas mais antigas do mundo. Durante a nossa visita, também visitaremos a fonde água Nejjarine, a mais antiga da medina, o Mausoléu de Moulay Idriss e a Mesquita de Karaouine, vista exterior somente. Almoço típico (não incluído) em um restaurante local no coração da Medina. Na parte da tarde, visita aos mercados mais tradicionais, os zocos e a parte de  Fez Jdid. Jantar e alojamento no hotel.”
      Neste dia, eu e uma colega do tour decidimos deixar o grupo e passear sozinhas pela principal medina de Fez: Fez El-bali. Passamos cerca de 05 horas no local, guiadas pelo GPS do celular. Esta medina possui mais de 9000 ruelas, portanto, não se percam. Negociamos, compramos, almoçamos e voltamos para o hotel. O táxi foi contratado por 300MAD/30€ (ida e volta) no próprio hotel.
      Medina Fez El-Bali

      Dia 05: Fez-Rabat-Marrakech
      “Saída até a cidade sagrada de Moulay Idriss pelas ruínas de Volúbilis, via a cidade Romana até Rabat, a Capital Administrativa. Visita ao Palacio Real Mechouar, ao Jardim e a Kasbah Oudaya (fortaleza Medieval), ao Mausoléu de Mohamed V e a Torre da Mesquita de Hassan. Almoço opcional durante o trajeto. Continuação da viagem por estrada autopista até Marrakech.  Check-in no hotel , Jantar e alojamento.”
        Volubilis
      Rabat

      Dia 06: Marrakech
      “Todo o dia dedicado para conhecer Marrakech, a segunda mais antiga do Império, também chamada de “A Pérola do Sul”. A visita a parte histórica incluirá o Jardim da Menara, a Tumbas Saadianas,  o Palácio Bahía, a Koutoubia e o Museu de Dar Si Said. Almoço no hotel. Durante a tarde visita dos Zocos de Marrakech e dos bairros dos artesãos, para apreciar a diversidade do local, incluindo a conhecida zona da praça mais famosa do Marrocos, a Djemaa El Fna e seu incomparável ambiente noturno. Jantar típico (opcional) nas Tendas do famoso restaurante “Chez Ali” encantador por suas apresentações de diferentes grupos folclóricos das regiões de nosso país. Alojamento.”
      Ao final do tour, por volta das 17:30h, abandonamos o tour e continuamos na Praça El Fna pelo resto da noite, até por volta das 22h, quando voltamos sozinhas ao hotel a pé.
      Koutoubia
      Palacio Bahia
      Djemma El Fna

      Dia 07: Marrakech, Ouarzazate e Zagora
      “Café da manhã no hotel, partida para Ait Ben Haddou através de Tizi N`tichka (2260 m. de altitude). Visita à famosa Fortaleza, a Kasbah,  que serviu como cenário para filmes famosos e atualmente é patrimônio da UNESCO. Almoço (opcional) em um restaurante local frente a Kasbah e continuação para Zagora, cruzando o Valle  de Draa. Uma paisagem única nos acompanhará neste dia.  Jantar e acomodação no hotel.”
        Ait Ben Haddou
       
      Dia 08: Zagora – Nkob – Tazzarine – Erfoud
      “Saída para Tamgroute, visita ao centro de artesanato e de acordo com a disponibilidade, visita a Livraria Corânica, que contém livros antigos e documentos que datam de antes do século XII. Partida para Erfoud, através de pequenos povoados bereberes como  Tansikht e  N´Kob, onde é possível ver cenários esplêndidos do pré-Saara e das Vilas Berberes da cadeia de montanhas. Almoço (opcional) em Tazzarine  em um pequeno villarejo no deserto. Pela tarde, continuação para Erfoud através da vila de Alnif e Rissani, local de nascimento da atual dinastia Alaouita. Jantar e acomodação no hotel.”
        Centro de artesanato
      Alnif
      “Neste dia, poderá realizar estas excursões opcionais:
      Opcional 1 : Excursão em Jeep  4×4 a Merzouga para ver o pôr do sol ou o nascer do sol nas dunas de Merzouga
      Opcional 2 : Excursão em Jeep  4×4 a Merzouga para ver o pôr do sol e Jantar na Tenda árabe em pleno deserto e regresso ao seu hotel em Erfoud
      Opcional 3 : Excursão em Jeep  4×4 a Merzouga para ver o pôr do sol e Jantar na Tenda árabe em pleno deserto + dormir em uma Tenda Árabe”
      Optei por dormir em uma tenda árabe. Assim, ao chegar ao deserto, fomos ver o pôr-do-sol, jantar e pernoite na tenda. A tenda possui cama de casal, luz elétrica, tomadas, chuveiro elétrico, mas não possui aquecedor.
      Na saída do hotel em Erfoud, em direção ao deserto, há vários vendedores que oferecem véus e colocam na cabeça dos turistas.
        Dunas do Deserto do Saara
      Pôr-do-sol no Deserto do Saara

      O passeio nos dromedários custou 30€
      O passeio para o nascer do sol custou 20€

      Dia 09: Erfoud – Tineghir – Ouarzazate
      “Caso a noite anterior tenha sido passada no hotel em Erfoud, você poderá optar por fazer uma excursão saindo em 4×4 ainda a noite para admirar o nascer do sol nas dunas do deserto.
      Depois do café da manhã, saída para Tineghir; visita da magnífica Garganta de Todra, um desfiladeiro que atinge uma altitude de 250 metros. Almoço (opcional) em um restaurante localizado ali mesmo, aos pés da garganta. À tarde, seguiremos nosso roteiro em direção a Ouarzazate pela famosa estrada das Mil kasbas, passando por lugares inesquecíveis como El Kelaa M’gouna e pela aldeia de Skoura. Jantar e alojamento no hotel.”
      Garganta de Todra

      Dia 10: Ouarzazate – Marrekech
      “Café da manhã e visita panorâmica da cidade de Quarzazate, antes de iniciar o caminho até Marrakech. Ao chegar em Marrakech, almoço no hotel, resto dia livre. Opcional: um jantar típico marroquino no coração da Medina.”
      Infelizmente, todos os jantares que pagamos durante a viagem somente incluíam um único prato típico, chamado Tajine (um cozido de legumes e verduras com/sem carne/frango). Assim, se você pretende provar o famoso cordeiro ou cuscuz marroquino, fuja dos jantares pagos.

      Dia 11: Marrakech-aeroporto
      “Café da manhã e transfer até Marrakech para Aeroporto Menara para embarque, conforme horário previsto para o voo.”
      Além das principais cidades medievais contidas neste tour, você ainda pode visitar:
      CHEFCHAOUEN (Mesquita Azul)
      A única maneira de chegar em Chefchaouen é por terra, ônibus ou carro. A cidade fica mais ao norte do país, e chegar até ela é tranquilo. Saindo de Marrakech, é uma longa viagem, pois Chefchaouen fica a quase 600km de distância, passando por Casablanca, Rabat e Fez.

      CASCADES D’AKCHOUR (40min de carro de Chefchaouen)
      O ponto de partida dos táxis é ao lado do posto de gasolina (só tem um na cidade). É só chegar e falar que quer ir para Akchour.

      CASCATAS DE OUZOUD (160km de Marrakesh)
       
    • Por ARQUITETO_VIAJANTE
      Olá pessoal, compartilhando com vocês esse passeio que fiz com meu namorado até Baia Formosa/RN de carro - buggy saindo de Natal/RN. Somos de Natal e assim como a maioria das pessoas que vivem aqui, não costumamos fazer esse tipo de passeio (apesar de ser um desperdício já que temos um litoral incrível, cheio de paisagens espetaculares) no máximo vamos as praias urbanas e só. No dia anterior ao passeio entrei em contato com o pessoal do insta @baiaformosa.rn e pedi uma indicação de passeio que poderíamos fazer em um dia  percorrendo a maior parte dos atrativos. Em Baia Formosa existem basicamente 3 tipos: buggy, quadricíclo e 4x4 onde opamos pelo de buggy por ser mais em conta para duas pessoas (R$ 350), lá você encontra até por R$ 280, mas como não conheciamos optamos por esse. Assim eles nos indicaram o cara que acredito ser o melhor e mais conhecido bugueiro da região, Welligton (84-99114-1756 @bugueirowellingtonbf) uma pessoa incrível, extremamente pontual e responsável. Ótima escolha!
      Depois de agendarmos com Wellington no dia anterior, partimos de Natal para Baia formosa de carro pela BR101, esse trajeto muito tranquilo dura cerca de uma hora e meia. Fomos direto para o centro da cidade onde havíamos marcado com ele as 9:30h e de lá partirmos para o primeiro destino que seria dá uma passada em Barra do Cunhaú para conhecer esse lindo lugar que faz parte do município vizinho a Baia Formosa, Canguaretama. Fomos pela praia antes que a maré subisse e o ja nos primeiros metros ainda na praia principal de Baia Formosa nos encantamos desde o inicio com um dos cenários principais da novela Flor do Caribe: água calma, tranquila, falésias, areia, vegetação...

      O passeio pela praia é de boa e leva de 15 a 20 minutos até Barra do Cunhaú. Chegando lá a visão é muito linda! Quem nos recebe é o rio Curimataú que em encontro com o mar fica verdinho e tranquilo. Nesse trecho a areia é bem branquinha e o pessoal pratica kite surf aproveitando os ventos favoráveis a esse esporte na região.
      Ali no rio ficamos por cerca de 40 minutos, tomando banho, agua de coco e deitando nas redes que eles colocam dentro da água. O consumo de bebidas e comidas nesse ponto é um pouco salgado mas é aquilo né, lei da oferta e da procura: colo lá tem poucas barracas, eles vendem caro mesmo.
      Depois pegamos o buggy e voltamos para Baia Formosa mas não mais pela praia e sim por dentro de uma fazenda pois o mar ja estava alto e nao havia faixa de areia para o carro passar. Essa mudança do trajeto já é informada desde o inicio para que a pessoa saiba que vamos passar por esse lugar que também é bem legal onde é cobrado um pedágio de R$ 10,00 por carro. Dentro dessa fazenda podemos ver a mata nativa de restinga, com vários rios e lagos entre dunas (tinha até vacas rssr). O Bugueiro nos leva ao alto de uma duna para ver a baia e é tudo muito perfeito: o mar com diversas tonalidades de azul, a areia, o coqueiral!!!

      Esse passeio por ali, com a parada na duna deve dá por volta de 30 a 40 minutos. Dali fomos em direção a Lagoa Araraquara mais conhecida como lagoa da coca-cola devido a tonalidade de suas águas que lembram o famoso refrigerante. Pra chegar lá saímos da fazenda e pegamos a estrada asfaltada de entrada da cidade, atravessamos todo o centro dela (passamos em frente da casa do campeão mundial de surf 2019 Ítalo Ferreira) descendo pelas praias do centro e indo em direção ao Sul . A lagoa fica dentro de uma reserva florestal muito importante para o RN e Brasil, a mata da Estrela que é o maior remanescente da mata atlântica sobre dunas do país, para chegar lá nós passamos por dentro dessa mata que é belíssima diga-se de passagem. A lagoa é muito interessante mesmo com suas águas escuras e quentes onde permanecemos por cerca de 30 minutos.
      Depois disso, partimos em direção a ultima praia do litoral potiguar, a praia do Sagi. No caminho passamos pelo farol do Bacubari e Museu do Mar, uma inciativa particular de um senhor que coleta espécies marinhas mortas na região e enterra numa espécie de cemitério que ele organizou. Depois ele expõe os cascos de tartarugas e ossos de animais interessantes como golfinhos, baleias, peixe-boi e outros.
       
      Continuando o passeio chegamos na praia do Sagi e como já passava das 12:00h, fomos direto no restaurante "reservar" nosso almoço. Aqui uma dica interessante dele: Fomos na Ombak - Camarão, cachaça e MPB (@cahacaria) para dá uma olhada rapida por lá, já que é uma cachaçaria bem interessante, ver o cardápio e já fazer o pedido (pois a montagem do prato demora uns 40 minutos) ou seja, escolhemos e fomos dá um passeio enquanto ficava pronto. Sim, isso é possivel!!!  Então, como tínhamos essa possibilidade, fomos direto para o limite entre o RN e PB que é o estuário do rio Curimataú, um lugar muito lindo  e tranquilo. Ali ficamos uns 30 minutos tomando banho no rio/mar e relaxando. Nesse espaço tem umas barracas onde se pode beber e comer petiscos. Ali também você consegue fazer passeio de barco e salto de tiroleza.
      Depois retornamos para o Ombak e o prato estava pronto, um camarão no coco verde com arroz maravilhoso, acompanhado com suco fresco de caju e de sobremesa cocada (R$ 95,00). Dali fomos fazer o passeio de canoa no Rio Sagi com direito a parada para tomar banho no interior do mangue num trecho com terra clara e plana. Quem for fazer esse passeio não deixe de conhecer Toreba, uma figura muito engraçada e carismática da região. O passeio com ele é super animado e interessante ($20 por pessoa) e dua reca de 30 minutos ou até 2 horas se a pessoa quiser ficar tomando banho de rio. Como queríamos apenas conhecer foi bem rápido. Vale salientar que quem quiser pode tomar banho de lama também  e não custa nada rrsrs.
      O passeio se encerra com a volta para o centro de Baia Formosa porém antes ainda teve uma surpresa do nosso bugueiro: ele nos levou para ver o por-do-sol num lugar fantástico!!! Não vou descrever, confiram na foto...

      Depois desse espetáculo o bugueiro ainda brincou com a gente fazendo manobras radicais e dando aquele grau de aventura ao passeio. De lá voltamos ao centro onde nos despedimos com a certeza que em breve voltaremos para aproveitar mais desse paraiso tão pertinho aqui de nós.
    • Por anapemidio
      Esse vídeo explica o esquema de permuta entre hostels e viajantes lowcost. Pra quem gosta, ou quer aprender a surfar, a melhor maneira é mesmo por imersão em uma estada mais estendida. Vale a pena ver essa história e copiar o processo
       
       
×
×
  • Criar Novo...