Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#1075090 por Renato37
05 Abr 2015, 16:08
Trilha feita em 03/04/2015.

Álbum com todas as fotos estão em:
https://picasaweb.google.com/1104304139 ... directlink

Eram 10:15 de uma bela manhã de outono qdo lá estava eu, saltando do trem na Estação de Rio Grande da Serra para mais uma pernada, dessa vez não exploratória, mas sim para fins de ter registros fotográficos digitais de algumas cachoeiras que eu já estivera 11 anos atrás, mais precisamente em 2004. Naquela época, a máquina que dispunha ainda era daquelas analógicas. A logística inicial era chegar aqui 2 horas antes, mas infelizmente o despertador falhou e eu só fui acordar 2 horas depois, saindo de casa por volta das 9h00, qdo o programado era sair até as 7h00.

Tinha planejado fazer essas cachoeiras desde Fevereiro desse ano. Para essa trilha, convidei algumas pessoas com algumas semanas de antecedência, mas como nenhuma delas mostrou interesse em me acompanhar (inclusive não dando resposta alguma), acabei deixando para lá e optei por ir solo mesmo, infelizmente....

Chegando ao tradicional ponto do busão para Paranapiacaba, es que encontro a mesma cheio de gente, mas felizmente a maioria estava indo para a vila inglesa de Paranapiacaba. As 10:45 salto em frente ao inicio da trilha para a tradicional cachoeira da fumaça, trilha essa que já foi palco de várias outras pernadas exploratórias nos últimos 10 anos e que outrora já foi uma larga estrada de terra, mas que ficou reduzido a uma reles trilha estreita.

Após ajeitar a mochila e fazer os alongamentos básicos de praxe, dou inicio a pernada propriamente dito as 10:50, logo de cara tendo que meter os pés no mini-lago permanente que existe bem no começo da trilha, por conta da mesma estar em um vale e por passar um córrego ali. Por isso nem calço as botas e vou de chinelo mesmo, calçando as botas mais para frente. Enquanto terminava de ajeitar a mochila, um grupo grande (de cerca de 12 pessoas que desceram junto comigo) passaram por mim e eu logo vi que iriam me atrasar.

Dito e feito, os alcancei num piscar de olhos, mas tive que seguir no ritmo deles até chegar à uma enorme área de charco (o tal pântano), para só então conseguir ultrapassa-los. Isso porque, estavam em ritmo de tartaruga manca com muletas. Assim que cheguei, passei rapidamente na frente deles e disparei na frente, enquanto dava boas risadas por conta das meninas gritando por terem mergulhado seus tênis na lama, literalmente.... ::mmm:

Imagem
Trecho erodito da trilha

A medida que ia me distanciando deles, o silêncio da mata voltou a ser a minha cia, nessa pernada que realizei totalmente solo. Após passar pelo Pântano, a trilha logo mergulha no frescor da mata me livrando do sol forte. Após passar por um grande trecho erodito da trilha, chego ao primeiro riacho, afluente do rio principal, onde quase dou adeus ao conforto da bota seca, se não tivesse visto um banco de areia a esquerda que tornou possível saltar de um lado para o outro sem molhar as botas. Ufa, ainda bem!

Após o trecho de travessia de rio, a trilha passa por uma bifurcação em "T" (onde o caminho a seguir é para a direita), mais uma área de charco e depois passa a acompanhar o rio à direita até chegar ao mirante. Passo por uma mega piscina natural do rio e um descampado que cabe pelo menos umas 3 barracas. Água não é problema nessa trilha, pois a trilha passa por vários bicas e pequenos afluentes do rio e como estava com 1 litro de gatorade + 1 de suco natural na mochila, nem paro para coletar água.

Imagem
Mega piscina natural, onde tb há descampados


Como não tem chovido nos últimos dias, a trilha estava bem menos enlameada e com isso pude desenvolver um bom ritmo, principalmente para recuperar um pouco o atraso lá do começo por conta do grupo grande. Uns 30 minutos desde a rodovia, chego ao 1º mirante, onde faço uma rápida parada para beber algo e também para ver o incêndio nos tanques lá em Santos. Dali era possível ver de longe as labaredas e a imensa cortina preta de fumaça poluindo o já poluído céu de Cubatão. Sempre achei um absurdo esses tanques de gasolina do lado de um ambiente natural e selvagem, como a serra do mar.

Imagem
Vista de Cubatão

As 11:30, após atravessar o rio, passo por um descampado plano para 3 ou 4 barracas e ao lado da 1ºqueda significativa do Rio, uma bela cachoeira com uma piscina natural, onde havia um grupo de 4 pessoas curtindo o local e que cumprimento cordialmente. Por ter perdido cerca de 20 minutos lá atrás, nem paro na cachoeira e continuo em frente, aproveitando alguns rabichos de trilha que cortam caminho e que me livram do tédio de ter que caminhar entre as pedras do rio.

Imagem
1ºCachoeira

10 minutos desde a mirante, vejo uma entrada de uma trilha bem demarcada a direita, que não existira até meados de 3 anos atrás. Antigamente, assim que se passava pela 1º cachoeira, o restante da pernada era pelo leito do rio até chegar ao topo da cachoeira da fumaça.

Imagem
Alto da Cachoeira dos Grampos, com o morro do careca em destaque, a frente

Imagem
Piscina natural do Rio vermelho, que se encontra com o rio da cachoeira da fumaça próximo ao portal

Vou seguindo pela trilha bem demarcada que segue margeando o rio a direita e que termina bem próximo ao topo da cachoeira, o que ajudou a acelerar bastante os passos do que ir pelo rio. As 11:50, com cerca de 1 hora de caminhada desde a rodovia (meu normal sem atrasos é de 40 a 50 minutos), finalmente chego a famosa cachoeira da fumaça, onde para minha surpresa (ainda mais pelo horário -quase meio dia e feriado sem chuva) só havia meia duzia de gato pingado na cachoeira. Imaginei que por ser feriadão e com sol, estaria lotado.

Imagem
Mirante da cachoeira da Fumaça, detalhe para o incêndio nos tanques de gasolina em Cubatão

Imagem
Topo da Cachu da fumaça, vista do alto de um morro

Imagem
Descampado próximo a cachoeira da fumaça

Como meu objetivo não era ali (e por conta dessa cachoeira já ter sido palco de várias outras pernadas que fiz na região nos últimos 10 anos), nem paro e logo pego uma trilha a esquerda do topo dela e inicio a íngreme descida serra abaixo pela sua encosta esquerda em direção ao conhecido vale da Morte, onde se encontram as cachoeiras da Garganta do Diabo e várias outras. A descida nesse trecho inicial é bem tranquila e 15 minutos depois já estava na base da cachoeira da fumaça, que foi merecedora de alguns cliques, é claro. Vale a pena descer até sua base para contempla-la.

Imagem
Descendo pela trilha

Imagem
Vista lateral da Cachu da fumaça

Imagem

Após os cliques, atravesso o rio e pego a continuação da trilha em direção as outras quedas do rio, como as cachus do funil, Poço da fumaça, Portal e Garganta do Diabo. Já havia passado do meio-dia e não poderia perder muito tempo, para não comprometer o retorno e ter que voltar no escuro, embora tenha trazido lanternas para isso.Do outro lado do rio, encontro a continuação da trilha que dá acesso as outras cachoeiras em patamares inferiores a da fumaça.

Imagem
Vista de uma das 2 grandes quedas da cachu

Imagem
A cachoeira, vista por baixo

Imagem

São quedas menores em relação a fumaça, mas que são compensadas por belas poções naturais. As 12:05, chego a uma nova queda do rio, que por não saber o nome, batizei de cachoeira poço da fumaça. É uma bela cachoeira com cerca de 10 metros de queda. Mas chegar ali não foi fácil, pois depois que saí da base da cachu da fumaça, a trilha vira uma pirambeira daquelas, onde qualquer descuido, significaria despencar morro abaixo até o rio. Nos trechos mais complicados, existe cordas que se mostraram extremamente útil, principalmente se você estiver passando por aqui com mochila cargueira ou voltando de noite, por exemplo (antigamente não tinha).

Imagem
Cachoeira poço da fumaça

Imagem
Piscina natural da cachu

Um outro grupo que estava na base da fumaça (no momento que passei por lá) tb estavam descendo, mas pareciam não saber o onde estava a continuação da trilha e estavam descendo pelo rio a esquerda, enquanto eu atravessei em linha reta até a outra margem e desci pela trilha que segue a direita. Cheguei na base da cachoeira e eles ainda estavam lá em cima procurando o caminho.

Dei uns gritos e apontei para onde estava a trilha que desce. Já na poço da fumaça havia um casal e mais um carinha apenas. Parei rapidamente para tirar fotos e logo retomei a pernada em direção da segunda queda, a cachoeira do Funil.

Imagem
Rio da Cachoeira do vale

Imagem
Trecho pirambeiro com uma corda

E da-lhe pirambeira dos infernos novamente, essa eu tive que descer na base da desescalaminhada, literalmente. Assim como a outra, também havia uma corda instalada que novamente foi bem útil. Mesmo assim, tive que tirar a mochila das costas em alguns trechos, por cautela.

Mesmo com as cordas, foi um pouco tenso descer ali, pois a trilha estava um pouco escorregadia e os poucos pontos de apoio não eram confiáveis. Passado esses trechos, chego na base da 2ºcachoeira, onde não havia ninguém. Dono absoluto do lugar, fiz uma parada para um lanche e relaxar os músculos, que estavam meio trêmulos devido aos trechos tensos que exigiu bastante dos músculos da perna de tão ruim que estava. Só se salvou o fato da trilha ser bem demarcada, não ter bifurcações e agora ter cordas fixas que ajudaram bastante nos trechos mais pirambeiros.

Imagem
Cachoeira do Funil

Imagem

Os 2 trechos são curtos, mas perde-se muito tempo ali. Claro que tudo isso pode ser facilmente evitado pegando uma trilha-atalho que sai lá do topo da cachoeira da fumaça e desce direto por dentro da mata e cai quase ao lado do Portal. Ela corta um belo caminho, evitando todos esses perrengues. Em cerca de 15 a 30 minutos vc chega ao Portal. A outra trilha que desce até a base da cachoeira da fumaça e vai pela margem do rio é só para quem quer ver a cachoeira da fumaça por baixo e quiser passar pelas outras cachoeiras do rio.

Imagem

Por isso, se quiser chegar mais rápido ao Portal e as cachoeiras do Vale da Morte a partir do topo da cachu da fumaça, desça pela trilha atalho que sai dos descampados lá do topo da cachoeira. Ela é bem fácil de achar. Assim, economiza-se pelo menos 40 minutos de caminhada e a descida é bem mais tranquila. Fica a sua escolha!

Após o breve descanço, retomo a pernada, agora em direção ao Portal, onde os 3 grandes rios da cachoeira do vale, grampos e fumaça, se encontram. Depois da 2º cachoeira, há mais um trecho complicado de descida, onde encontro mais uma corda fixa amarrada, dessa vez sobre uma grande rocha. Como estava sozinho, os cuidados tem que ser em dobro para evitar acidentes, pois um resgate num lugar desses é bem complicado e em meio de vales, sinal de celular praticamente inexiste.

Imagem
Fim da descida do rio da cachoeira da fumaça, detalhe para a corda no rochedo

Imagem
Bifurcação onde os rios vermelho (da cachoeira dos grampos) e da fumaça se encontram). É exatamente nesse ponto que as 2 trilhas-atalho terminam

Pouco antes de chegar ao portal, encontro com 3 trilheiros que estavam fazendo a travessia da ferradura, vindos do Poço de Cristal e cachoeira do vale e que perguntaram da trilha que sobe até a cachu da fumaça. Indiquei as 2 opções de trilhas à eles. A trilha atalho que vai direto ou a trilha que passa pelas cachoeiras, mais bonita, porém mais demorada e com trechos ruins. Eles optaram pela trilha atalho e após mostrar onde estava a entrada, me despeço deles e retomo minha caminhada. No portal, além do encontro dos 3 grandes rios, há tb uma cachoeira conhecida como a Cachoeira do Portal, onde chego as 13:00hs.

Imagem
Cachu do Portal

A partir de agora, os 3 grandes rios viram um só e a partir desse ponto, inicia-se o Rio da Onça, rio esse que desce furiosamente, formando várias outras cachoeiras serra abaixo. Ali é praticamente o coração do Vale da morte. Um vale que fica na base do Morro do careca e encravado em meio a vários outros morros. Após contornar os enormes rochedos, passando por pequenas grutas em meio dos rochedos, inicio a descida do Rio da Onça. A partir dali são cerca de 30 a 40 minutos de caminhada até a Cachoeira da Garganta do Diabo.

Imagem
Inicio do Rio da Onça

Imagem
No Rio da Onça (trecho entre o Portal e a Garganta do Diabo)

Imagem

Vou descendo o rio sem grandes dificuldades, já que o trecho mais íngreme entre a cachu da fumaça e o Portal ficou para trás. E depois de pular pedra aqui, ali, acolá, finalmente chego à cachoeira da Garganta do Diabo as 13:43, com exatas 3 horas de caminhada desde a rodovia para o merecido descanço. Mas não sem antes contemplar a bela cachoeira, que realmente parece uma garganta de tão estreita e profunda que é. O rio afunila e despenca em meio a um enorme paredão estreito que é de impressionar.

Imagem
Cachoeira garganta do Diabo visto por cima

Imagem
De frente

Imagem
Descampado ao lado da cachu

Ao lado da cachoeira, há descampados protegidos e planos no meio da mata para cerca de 4 a 5 barracas do tipo "iglu" e que havia vestígios de acampamento recente, inclusive. Como não havia nínguem, fui dono absoluto do lugar. Depois da contemplação da cachu, almocei e fiquei cerca de 40 minutos a toa ali. Até pensei em seguir mais para frente, mas com o horário avançado (Já havia passado das 14h30 e o céu estava com cara de chuva), resolvi abortar o resto da caminhada até a cachoeira do Tobogan e do Poção.

Imagem

Imagem
A garganta

Imagem
Bem profundo

Imagem

As 14:40 dou adeus a cachoeira e inicio a caminhada de volta que transcorreu sem grandes problemas. Ao contrário da ida, na volta optei por subir pelo atalho que vai direto até o topo da cachu da fumaça. A ideia era essa até notar uma trilha nova que começa exatamente no cruzamento entre 2 rios (da fumaça e dos grampos), que me despertou a curiosidade em explora-la e ver aonde iria dar. Então, abandono a trilha principal em favor dessa trilha nova. As 15:20, inicio a subida da mesma que logo de cara se mostrou uma pirambeira daquelas, com vários lances de escalaminhada, onde o auxílio das mãos foram constantemente necessários para impulso nos troncos e pedras.

Imagem
Cachoeira do rio vermelho

Imagem
Mesma foto, com zoom

A subida é árdua, o que me fez parar algumas vezes para recuperar o fôlego. E da-lhe escalaminhada, mesmo sabendo que é curta, parecia não ter fim. 25 minutos desde o portal, a trilha nivela e logo chego a bifurcação onde a trilha nova encontra com a antiga bem no final dela, terminando nos descampados do alto da cachu da fumaça. Ambas as trilhas sobem o mesmo morro em caminhos diferentes.

Imagem
Trecho pirambeiro da trilha nova com uma corda

A antiga achei melhor por estar mais larga e batida, embora tenha alguns trechos de trepa-pedra, onde é necessário até tirar a mochila e jogar para cima, para facilitar a escalada por alguns trechos eroditos, estreitos e de pedras. Na trilha nova, não encontrei nenhum trecho assim e em alguns trechos havia até cordas para auxílio, porém ela é um pouco mais estreita que a outra. De volta ao topo da cachu da fumaça, dou um tempo ali para relaxar os músculos das pernas e aproveito para comer algo e molhar a goela seca.

As 16:30 inicio o caminho de volta, chegando a rodovia por volta das 17:25 a tempo de pegar o busão das 17:30 de volta para a estação de trem e depois o trem de volta para Sampa, chegando em casa pouco depois das 19:00h, cansado, mas feliz.

Mesmo 12 anos depois de ter posto os pés pela primeira vez nessa região e de ter explorado trilha por trilha cada fim de semana nessa parte fora da vila de Paranapiacaba, ainda me surpreendo como essa região da serra ainda reserva tantos lugares e cachus escondidas, prontos para serem descobertos. Tudo isso a menos de 50 km duma das maiores cidades da América do sul. As melhores e mais bonitas cachoeiras e belezas naturais de mata virgem e selvagem você só encontra nas entranhas da serra do mar.


----------

Algumas infos, principalmente para os iniciantes em trilhas na serra do mar:

-> A cachoeira da Garganta do Diabo está a mais ou menos 3 a 4 horas de caminhada a partir da Rodovia, contando com algumas paradas para descanço e lanche, dependendo do seu ritmo ou do grupo. A trilha até a cachoeira da Fumaça é bem tranquila, mas a partir do Portal, não há mais trilha e a caminhada é feita pelo leito do rio. Você só reencontrará a trilha na Garganta do Diabo. Já a Cachoeira da Fumaça leva-se em torno de 1 hora em ritmo médio da rodovia até lá. A maioria das pessoas costuma ir somente até a Fumaça.

-> Se não quiser passar pela base da cachoeira da fumaça, além das outras 2 cachoeiras logo abaixo dela, desça pela trilha atalho que sai dos descampados do topo da cachoeira da fumaça a direita. Ela desce direto e termina próximo ao Portal. De lá, segue-se por mais ou menos 40 minutos até a Garganta do Diabo. Muito cuidado no trecho de rio, pois há várias fendas entre as rochas. Utilize calçados adequados, como bota de trilha por exemplo.

-> No trecho entre o Portal e a Garganta do Diabo, há 2 descampados que cabem apenas 1 barraca do tipo "iglu" que podem ser utilizados em caso de emergência ou para o caso de você ter começado tarde a trilha e estar chegando ali a noite. Uma delas está localizado em uma gruta do lado esquerdo do Rio e a outra um pouco mais abaixo, do lado direito do rio.

-> Também é possível chegar na Garganta e em outras cachoeiras mais abaixo a partir da trilha da Cachoeira do Vale e Poço de Cristal. Porém, a distancia até lá é maior. O caminho mais rápido é pela trilha da cachoeira da fumaça. A partir da Garganta do Diabo não me recordo se há descampados planos para montar barraca. Por ser relativamente perto, eu montaria acampamento na Garganta e desceria o resto só de mochila de ataque, se livrando do peso da cargueira.

-> Se for fazer apenas batevolta, comece a trilha no máximo até as 9h00, afim de chegar na Garganta por volta do meio dia e ainda ter tempo para ir as outras 2 cachoeiras logo abaixo que são relativamente próximas a da Garganta (não dá nem 1 hora de caminhada, dependendo do seu ritmo)

-> Se for acampar, traga o seu lixo de volta, mantenha o local limpo, seja consciente para que o local não seja fechado, como ocorreu nas trilhas de Paranapiacaba. Ali, segundo fiquei sabendo, os motivos eram porque tinha gente se perdendo e a quantidade enorme de lixo que muitos deixavam nas areas de acampamento, assim como nas cachoeiras também.

-> Não faça fogueiras em hipótese alguma, pois um descuido e você pode começar um incêndio de grandes proporções na mata. Se for esquentar comida, utilize fogareiros.

-> Se não tiver experiência suficiente em caminhadas por trechos de rios e nem farejo de trilha, vá com alguém mais experiente e ganhe conhecimento com essa pessoa.

-> Repelente e protetor solar são itens indispensáveis, principalmente o repelente, pois na Serra do mar há muitos borrachudos que picam até por dentro da roupa, se encontrarem qualquer abertura.

-> Mesmo se não for acampar, leve sempre lanternas com pilhas reserva para não correr o risco de ser pego pelo cair da noite antes de chegar no final. Na Floresta, escurece mais cedo do que na cidade. Atente-se a esses detalhes.

#1075261 por Luka Izzo
06 Abr 2015, 02:21
Renato, seu relato é fantástico e as fotos, mesmo com a fumaça gigante lá em Cubatão (rs) ficaram show de bola.
O lugar realmente é maravilhoso e já há algum tempo está na minha lista de pontos a serem visitados.
Entrei em alguns grupos de whatsapp para essa trilha, mas sempre em cima da hora o povo "pipoca".
Estou vendo que terei que ir sozinho nessa (SQN) kkkk...
Peço permissão para aproveitar o seu tópico para deixar registrado a minha intenção de fazer Paranapiacaba.
Caso surja mais algum com vontade 'real' de fazer a trekk entre em contato!
Mais uma vez, parabéns pelo relato...
::otemo::
#1075334 por jcnow444
06 Abr 2015, 11:20
Renato, parabens pelo relato.
Abandonei Paranapiacaba há anos e depois com os relatos que a guarda tava batendo forte no controle de quem entrava, então enterrei de vez o lugar.
Como em seu relato não foi citado esse fato da guarda, gostaria de saber como esta o acesso. Se estão enchendo o saco ou se estão retirando da trilha, recolhendo barracas e facas.

Abraços.
#1075415 por Renato37
06 Abr 2015, 14:45
Luka Izzo escreveu:Renato, seu relato é fantástico e as fotos, mesmo com a fumaça gigante lá em Cubatão (rs) ficaram show de bola.
O lugar realmente é maravilhoso e já há algum tempo está na minha lista de pontos a serem visitados.
Entrei em alguns grupos de whatsapp para essa trilha, mas sempre em cima da hora o povo "pipoca".
Estou vendo que terei que ir sozinho nessa (SQN) kkkk...
Peço permissão para aproveitar o seu tópico para deixar registrado a minha intenção de fazer Paranapiacaba.
Caso surja mais algum com vontade 'real' de fazer a trekk entre em contato!
Mais uma vez, parabéns pelo relato...
::otemo::


Valeu!

Pode usar sim! :)

jcnow444 escreveu:Renato, parabens pelo relato.
Abandonei Paranapiacaba há anos e depois com os relatos que a guarda tava batendo forte no controle de quem entrava, então enterrei de vez o lugar.
Como em seu relato não foi citado esse fato da guarda, gostaria de saber como esta o acesso. Se estão enchendo o saco ou se estão retirando da trilha, recolhendo barracas e facas.

Abraços.


Bem, o acesso para as cachoeiras da Fumaça, como do vale estão livres....ainda mais porque ficam no trecho entre Rio Grande da Serra e Paranapiacaba, fora daquele pseudo parque municipal que não serve para nada a não ser apenas tirar dinheiro de turistas para usar um lugar público. Fiquei sabendo sobre essa fiscalização na cachu da fumaça, mas nas 2 vezes que estive lá esse ano, não vi nenhum guarda e o povo tava indo e vindo livremente. Como tivemos eleições estaduais no ano passado, o gestor que cuida dessa parte deve ter sido substituido por outro....

Mesmo assim, se for acampar, o melhor mesmo é evitar os lugares manjados, como os descampados do alto da cachoeira da fumaça por exemplo e acampar em outros lugares onde os guardas não costumam ir....
#1075420 por jcnow444
06 Abr 2015, 15:07
Renato, obrigado pelas informações. Vou colocar novamente Paranapiacaba no meu roteiro para os meses de maior frio.
Não querendo abusar de sua boa vontade, poderia compartilhar comigo os tracklogs de suas travessias? Caso positivo meu e-mail é jcnow444@gmail.com.

Forte abraço e ótimas travessias.
#1075868 por Renato37
07 Abr 2015, 13:42
jcnow444 escreveu:Renato, obrigado pelas informações. Vou colocar novamente Paranapiacaba no meu roteiro para os meses de maior frio.
Não querendo abusar de sua boa vontade, poderia compartilhar comigo os tracklogs de suas travessias? Caso positivo meu e-mail é jcnow444@gmail.com.

Forte abraço e ótimas travessias.


Olá, infelizmente eu não tenho....vou ficar te devendo! ::mmm:
As travessias que eu fiz por serem classicas, há vários tracklogs delas disponíveis por ai...Mas deixo aqui um link onde você pode fazer uma busca por um tracklog especifico:

http://pt.wikiloc.com/wikiloc/home.do

Vivi Mar escreveu:Parabens pelo relato Renato.
Show.


Oi Vivi! Você leu o relato....teve paciência, ehehe
#1076310 por NersoJr
08 Abr 2015, 17:39
Eu tenho uma dúvida quanto a essas trilhas.
Já fiz duas (a que dá na cachoeira da fumaça e a que dá na cachoeira escondida)
Chegando na cachoeira escondida paralelo a ela eu consigo enxergar a brisa da cachoeira da fumaça, porém, como eu eu faço para seguir até o encontro dos rios?
E aonde vai dar? É possível continuar pela cachoeira escondida e chegar em Cubatão?
Ou daria também pra continuar pela cachoeira da fumaça e chegar em Cubatão?

Queria fazer essa travessia, porém preciso levantar mais informações para não entrar em furada! Andei a ultima vez 1hr abaixo da cachoeira escondida e não tive coragem pra seguir adianta, ja era 15:00h e teria pouca luz do dia para retornar.
#1076375 por Renato37
08 Abr 2015, 21:28
NersoJr escreveu:Eu tenho uma dúvida quanto a essas trilhas.
Já fiz duas (a que dá na cachoeira da fumaça e a que dá na cachoeira escondida)
Chegando na cachoeira escondida paralelo a ela eu consigo enxergar a brisa da cachoeira da fumaça, porém, como eu eu faço para seguir até o encontro dos rios?
E aonde vai dar? É possível continuar pela cachoeira escondida e chegar em Cubatão?
Ou daria também pra continuar pela cachoeira da fumaça e chegar em Cubatão?

Queria fazer essa travessia, porém preciso levantar mais informações para não entrar em furada! Andei a ultima vez 1hr abaixo da cachoeira escondida e não tive coragem pra seguir adianta, ja era 15:00h e teria pouca luz do dia para retornar.


Olá NersoJr, a cachoeira escondida fica na trilha da cachoeira do vale e Poço de cristal. Como disse no relato, o caminho mais rápido é indo pela trilha da cachoeira da fumaça, trilha essa que sai do Km45 da Rodovia. A partir do topo da cachoeira, há 2 trilhas que descem até o portal, a mais rápida é a que vai por dentro da mata e sai dos descampados a direita do topo da cachoeira.

Talvez você esteja confundindo as cachoeiras, pois não há como ver a cachoeira da fumaça do alto da escondida, só do alto do morro do careca é que você consegue ver as cachoeiras do vale, grampos, fumaça, escondida e o vale da morte.

Para chegar ao encontro do rio, é só descer pela trilha atalho até cair novamente no rio (e continuar descendo pelo mesmo). Todos os rios das cachoeiras dessa parte descem até esse cruzamento. A partir desse ponto, seguindo o rio, você passará pelas cachoeiras da Garganta do Diabo, Tobogan e Poção, sendo o ultimo ponto possível de se chegar por trilha ou leito de rio, ali só no vara-mato nervoso e os poucos relatos que já li de gente que fez a travessia até Cubatão, levou de 2 a 3 dias para chegar lá.

Eu mesmo já tentei fazer essa travessia, mas qdo vi os buracos e os precipícios, abortei....o cara precisa ter muito sangue frio e se possível ou conhecimento básico de pratica de rapel para desescalaminhar trechos muito ingremes e por vezes quase intransponíveis. Dá para fazer a travessia, só que é uma trip bem hardcore mesmo.

Es 2 relatos:

vale-da-morte-a-pe-t62052.html

vale-da-morte-uma-das-mais-desafiadoras-travessias-da-serra-do-mar-t77323.html
#1076543 por NersoJr
09 Abr 2015, 10:56
Valeu Renato pelas dicas!!
Tenho equipamento para rapel, e tenho também um pouco de prática, mas como é algo desconhecido, vou ver se consigo chegar até os vales pelo menos para ver o nível de descida.
E quanto a Cachoeira escondida, realmente vc não consegue enxergar a da fumaça, mas se vc olhar por cima da vegetação vc enxerga somente a ''brisa'' que agora estou tentando assimilar qual cachoeira que é que enxergamos a brisa, olhando pelo google, acho que não é da fumaça, pq está longe da escondida.
Pode ser a cachoeira do rio onde tem o lago de cristal?

confuso agora ::dãã2:: ::dãã2::
#1106536 por samarah.santos
14 Jul 2015, 13:59
Renato37 escreveu:
Luka Izzo escreveu:Renato, seu relato é fantástico e as fotos, mesmo com a fumaça gigante lá em Cubatão (rs) ficaram show de bola.
O lugar realmente é maravilhoso e já há algum tempo está na minha lista de pontos a serem visitados.
Entrei em alguns grupos de whatsapp para essa trilha, mas sempre em cima da hora o povo "pipoca".
Estou vendo que terei que ir sozinho nessa (SQN) kkkk...
Peço permissão para aproveitar o seu tópico para deixar registrado a minha intenção de fazer Paranapiacaba.
Caso surja mais algum com vontade 'real' de fazer a trekk entre em contato!
Mais uma vez, parabéns pelo relato...
::otemo::







Valeu!

Pode usar sim! :)

jcnow444 escreveu:Renato, parabens pelo relato.
Abandonei Paranapiacaba há anos e depois com os relatos que a guarda tava batendo forte no controle de quem entrava, então enterrei de vez o lugar.
Como em seu relato não foi citado esse fato da guarda, gostaria de saber como esta o acesso. Se estão enchendo o saco ou se estão retirando da trilha, recolhendo barracas e facas.

Abraços.


Bem, o acesso para as cachoeiras da Fumaça, como do vale estão livres....ainda mais porque ficam no trecho entre Rio Grande da Serra e Paranapiacaba, fora daquele pseudo parque municipal que não serve para nada a não ser apenas tirar dinheiro de turistas para usar um lugar público. Fiquei sabendo sobre essa fiscalização na cachu da fumaça, mas nas 2 vezes que estive lá esse ano, não vi nenhum guarda e o povo tava indo e vindo livremente. Como tivemos eleições estaduais no ano passado, o gestor que cuida dessa parte deve ter sido substituido por outro....

Mesmo assim, se for acampar, o melhor mesmo é evitar os lugares manjados, como os descampados do alto da cachoeira da fumaça por exemplo e acampar em outros lugares onde os guardas não costumam ir....




Preciso de ajuda, com essa trilha pode podem chamar no whats?
11 98387-5344

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante