Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Alexmelo

San Pedro de Atacama - Onde Ficar?

Posts Recomendados

Acabo de retornar de lá e super recomendo o Hostal Mama Tierra (http://www.hostalmamatierra.cl/en/)

O staff é muito gentil, o café da manhã é bom e se tu fores a algum passeio que saia antes eles preparam um kit para levar.

Todos os dias eles arrumam a cama e deixam uma garrafa de água pra ti sobre ela.

A Wi-fi funciona bem.

Pra chegar a Caracoles tem que caminhar um pouco (uma quadra) e durante o dia o quarto fica um pouco quente, mas não é nada demais.

 

Cathe... vou seguir sua dica.. Fiz reserva lá.

Vou em julho conhecer!

Vlw ::otemo::::otemo::

 

 

Para o retorno de Uyuni reservei no "Alojamiento Licancabur" por uma noite...

Alguém conhece ou tem referencias?

::sos::::sos::::sos::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá pessoal, estou indo agora em fevereiro, alguém tem alguma dica de camping? vamos em duas pessoas e o basico é um chuveiro quente e segurança, vamos estar com carro então distancia do centro da cidade não é problema.

Alguem que já tenha ficado em camping tem alguma dica valida para hospedagem, equipamento que vale a pena ficar, dicas de segurança?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
5 horas atrás, nolberto disse:

Olá pessoal, estou indo agora em fevereiro, alguém tem alguma dica de camping? vamos em duas pessoas e o basico é um chuveiro quente e segurança, vamos estar com carro então distancia do centro da cidade não é problema.

Alguem que já tenha ficado em camping tem alguma dica valida para hospedagem, equipamento que vale a pena ficar, dicas de segurança?

Eu fiquei no Hostal La Casa Del Sol Naciente que é hostel e camping. Como dei o azar de chegar em um final de semana prolongado os preços estavam lá em cima (7mil por cama e 5mil pra camping). Foi o mais barato que encontrei. No geral SPA é um lugar caríssimo então não sei se tem como fugir muito disso.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Daniela Alvarez
      Chegamos em San Pedro pelo aeroporto de Calama. Lá pegamos uma van que cruza parte do deserto e nos leva até o povoado. Nos hospedamos por 5 noites no Ckoi Atacama Lodge http://www.ckoiatacama.cl, uma ótima dica de hospedagem. Boa estrutura, atendimento super simpático, perto de tudo, mas longe o suficiente do barulho e com bom preço. 
      O Atacama é uma viagem cara. Todos os passeios são feitos com agências e embora isso interfira na liberdade de quem é bicho solto, é de fato a única forma de preservar aquela natureza absoluta.
      Uma rua de terra principal com duas paralelas e quatro transversais formam o casco histórico de San Pedro de Atacama. E ali naquele pequeno povoado, naquele oásis perdido em meio a uma paisagem que muda de cor com o passar das horas, há uma efervescência, com mercadinhos, restaurantes e lojas que vão de um artesanato simples a joias de pedras preciosas.
      Não se pode dançar em San Pedro de Atacama. Sob os nossos pés, um imenso cemitério indígena, restos de um povo que acreditava que tudo aquilo o que víamos era o bem mais precioso que tínhamos. Um povo que sabia honrar cada pedaço daquela terra e extrair dela tudo o que precisávamos para existir. Um povo que tinha um enorme respeito pela nossa grande e única fonte de tudo, e entendia sobre o que realmente importava. Ouvir música é permitido, contanto que ela não desperte, no corpo e nos pés, a vontade de manifestar euforia e, por consequência, desrespeito sobre aqueles que nos ensinaram tudo o que jamais poderíamos ter esquecido. 
      E mesmo com todas as fotos e vídeos e relatos que havíamos visto e ouvido, não fazíamos ideia da imensidão que nos aguardava e nem do tamanho que isso seria aqui dentro. 
       
      Deserto do Atacama
      O deserto do Atacama não é real. É um outro planeta inventado num filme. É um sonho confuso que se divide ao acordar. É uma mentira contada sobre um paraíso. É uma miragem que nos faz duvidar, o tempo todo, se estamos acordados. Uma memória que temos certeza que está a nos enganar. Um medo constante dos olhos esquecerem a beleza, a imensidão e a intensidade do que veem. Uma emoção que faz chorar todos os dias diante da magnitude do que nos rodeia. O lugar mais especial que já pisamos. 
      No deserto do Atacama há muitas possibilidades de passeios e dificilmente, por tempo e dinheiro, você fará todos. Pesquise bastante e escolha passeios diferentes e que se encaixem no seu gosto e no seu bolso. Optamos por fechar todos os passeios com a mesma empresa, Araya https://www.arayaatacama.com/, e adoramos. Pode não ser a agência mais barata, mas os guias são excelentes e pontuais, as vans são ótimas e nos pegam e nos deixam de volta no hotel e os lanches oferecidos em cada passeio, eram visivelmente melhores que o de outras empresas.
       

       

       

       
      Escolhemos os seguintes passeios:
       
      Lagunas Escondidas
      Três litros de água por dia é o que se recomenda beber no deserto. O corpo rapidamente sente a secura na boca, nas mãos, nos poros, na língua, na pele. A desidratação chega sutil, a saliva falta e a dor de cabeça se aponta lá no fundo dos olhos. Um mínimo gole de água resolve instantaneamente. Sentimos cada parte do nosso corpo reagir ao ambiente em que recebemos muito mais do que damos, como deveria ser sempre na natureza. 
      Saímos às 8h da manhã para as Lagunas Escondidas, um conjunto de 7 lagoas formadas no meio da Cordilheira do Sal. Uma viagem de uns 20min de carro e uma caminhada de uns 15min nos levam à primeira delas, uma piscina natural com a água tão salgada que, se secarmos as mãos na roupa, uma capa branca se forma no mesmo instante. Dá pra ver pequenas bolhas brotarem do solo, indicando a nascente de água subterrânea, um fenômeno banal explicado pelos geólogos, mas impressionante para nós. Água verde clara, transparente e salgada. 
      Seguimos a trilha adiante e, entre uma e outra lagoa verde, nos deparamos com a penúltima do conjunto. Falta ar e palavras para descrever o que os olhos não acreditavam ver. No meio de um concentrado de sal na superfície, rodeado de rochas de sal que vão escurecendo pelo horizonte até ficarem marrom, um pedaço do céu se abre no chão, de uma cor tão azul esverdeada, tão verde azulada, tão aturquezada, tão ainda sem nome, que os olhos se enchem de lágrimas e a boca saliva a vontade das mãos de toca-la. E o corpo desaba na pedra mais próxima e se rende, sem qualquer outra chance de alternativa, enquanto o silêncio e a suspensão são a única manifestação comum e possível dos sentidos. E ali, naquele instante mágico, naquele intervalo que a noção de tempo não consegue explicar, entendemos o nada que somos. 

       

       

       

       

       
      Vale de La Luna e Vale de la Muerte
      É curioso e surpreendente perceber-se no lugar considerado o mais inóspito da Terra, o ambiente que temos de mais próximo à superfície da Lua. Por isso o nome, Vale de la Luna. 
      23 milhões de anos soam como um número perdido e vago, já que é humanamente incalculável para aqueles que vivem, quando muito, um mísero século por aqui. São 23 mil gerações da nossa família vivendo por um período acima da média. Um número impossível para nós. 
      Mas não para a Terra. Não para a natureza. Não para aquele lugar onde tempo e espaço são conceitos que temos que ressignificar para tentar, com muitos esforços, começar a entender o início de nós. 
      Cavernas no meio de cânions de um tamanho muito além do alcance dos olhos; gesso, argila, cristais de sal, granito, quartzo, infinitos minérios cuja explicação para aparecerem ali não existe; cinzas e pedaços de rochas espalhados por todo o vale; e o vento, que faz tudo aparecer e sumir conforme a sua vontade, moldando esculturas que os humanos, tão perdidos diante daquela fonte gigante de tudo, chamam de “Marias”; e a chuva que, raríssima, quando aparece vem imensa, abrindo caminhos em espaços invisíveis. 
      Da mesma forma é o Vale de la Muerte, que era para ser Marte, pelo óbvio, mas a dramaticidade ocidental não permitiu. Do topo do vale vemos o horizonte rosa, as cordilheiras desenhadas, a terra vermelha, as fontes intermináveis de minérios, o sal, os vulcões, o tamanho daquilo tudo. 
      Ali somos nós os estrangeiros, os extras do território, aqueles que não pertencem, achando que sabem alguma coisa, mas que não conseguem explicar quase nada do que se passa nesse outro planeta, que só parece nosso, mas que é ele muito mais o dono da gente. 

       

       

       

       
      Laguna Céjar
      O céu do deserto do Atacama é de um azul firme, fixo, que de tão certo e forte faz os olhos duvidarem. E o horizonte de montanhas e cordilheiras de um colorido que vai do branco da neve nos cumes dos Andes, passa pelo avermelhado rosa da cordilheira do sal, depois pelas formações rochosas amarronzadas de sal seco, pelo bege do solo de pedras menores, até voltar ao branco do sal puro e, por fim, ao azulverde da água das lagoas. É como uma paleta cíclica de cores que só existem ali. 
      A Laguna Céjar é um imenso de água no meio dessa esfera impossível. Começa rasa e transparente, tentadora aos pés, e aos poucos, ao passo lento e natural que a natureza impõe, vai passando pro verde, todos os tons, até chegar ao azul, confundindo o nosso olhar entre céu e água, entre cima e baixo, entre nós e a imensidão. 
      Ali não se pode tocar. É preciso aprender a apalpar com os olhos. 

       

       

       
      Ojos del Salar
      Acredita-se que há milhões de anos, não se sabe dizer quantos, contra toda e qualquer teoria geológica de probabilidade, dois meteoritos caíram na Terra, um ao lado do outro, bem ali no meio do deserto. E com menos explicação ainda, esses buracos formados se encheram de água, doce, limpa, onde se pode mergulhar. E mesmo com toda a seca que se vive lá, ano após ano, a água não diminui. Se evapora, é novamente alimentada por alguma nascente que não se sabe sequer de onde poderia vir. Os buracos possuem uma profundidade que máquina nenhuma inventada pelo homem consegue calcular. 
      Eles te encaram, imensos, como que rindo da tentativa vã e sem propósito de entender o que não se pode explicar. Nos emocionamos entre os Ojos del Salar.

       

       

       
      Laguna Tebinquiche
      A Laguna Tebinquiche é a origem de tudo. No momento em que o mundo acabar e a Terra sucumbir às torturas que praticamos a cada segundo, é ali que tudo recomeça. As bactérias presentes nas pedras que rodeiam toda a lagoa são capazes de dar início ao ciclo da vida. A potência daquele lugar é assustadora. 
      Há um caminho delimitado para caminhar, para que se tente não acabar com o nosso único possível recomeço. E após uma trilha no meio dessa fonte de vida tão invisível aos nossos olhos, tão possivelmente desacreditável a olho nu, chega-se a um ponto onde a luz do pôr do sol a oeste reflete nas montanhas a leste, mudando-as de cor. A beleza é tão arrebatadora que, ao não sabermos para onde olhar, se para o sol que se põe por trás das montanhas e vem até nós pelo reflexo na água ou para o horizonte que vai seguindo o movimento do olhar em amarelo claro, amarelo escuro, laranja claro, laranja escuro, rosa claro, rosa escuro, até atingir a cor púrpura do outro lado, a luz do dia acaba, deixando somente o silêncio daquela visão impossível. E pedimos, com lágrimas que escorrem em meio ao sorriso incessante, que os olhos não esqueçam o milagre que acabaram de ver.
       
      Termas de Puritama
      Há 3 mil metros de altitude cresce uma espécie de cacto que só existe em bando. Chegando aos 6 metros de altura e vivendo por cerca de 200 anos, esse tipo que sequer vinga diante da solidão, possui uma madeira porosa diante de sua casca de espinhos perfeita para o artesanato. De tão esbelto e firme, é difícil crer que, assim como as rolinhas, não sabe e não suporta ser só. Mas gosta de topos, talvez para ter a certeza de avistar os seus a todo instante, como uma galinha que não perde seus pequenos de vista, mas todos sendo mãe e filho ao mesmo tempo. 
      Num dos cânions em que vive essa espécie há um rasgo feito por um raio, há milhões de anos, que foi se abrindo com o movimento da Terra e formando um caminho. Por ali corre um rio, que não se sabe como, nasce dentro de um vulcão e vem correndo toda uma montanha até desaguar entre cactos carentes e rabos de raposa, planta que só cresce perto d’água e mais parece um capim dourado brilhando no meio da rocha seca e do céu azul.
      Pequenas cachoeiras de uma água inacreditavelmente morna, que quanto mais se sobe o caminho no cânion, mais quente fica.
      Ora na sombra, ora sob o sol fervente do deserto, quando as mãos encostam nessa água, o corpo inteiro arrepia a sensação inesperada daquela temperatura improvável. 
      Caminhamos por 2 horas na abertura do cânion, às vezes ao lado das águas, às vezes na rocha laranja, avistando somente a vegetação que garantia que o rio estava ali. Com a boca seca e os olhos em choque, atingimos o cume e as famosas Termas de Puritama. 7 piscinas naturais desenhadas como que em andares, cada uma delas com formatos e temperaturas diferentes, que vão dos 23 aos 30 graus.
      A água é quente feito abraço, potável e de uma transparência que se confunde com as lágrimas, dando a impressão de que choramos cada gota daquele elixir que, se não cura doença, acalenta a alma.
      Quando o corpo emerge aquelas águas, o coração palpita; a boca não consegue não beber; as mãos correm os braços na tentativa de sentir ainda mais o abraço que envolve por inteiro; os olhos não conseguem se fechar para não perderem um segundo daquela sensação indescritível e choram ao mesmo tempo em que querem ver; e o sorriso vem, completamente involuntário, mais do que convidado e sem nenhum necessidade de ser chamado, aguçando cada poro e cada mínimo sentido e despertando a absoluta certeza de que a plenitude do amor está dentro e só pode ser isso.
      Esse passeio é o Termas da Puritama + trekking. Não deixe de ir caminhando. A sensação de chegar ao topo vivendo o caminho é incomparável do que alcançar as termas numa van.

       

       
      Tour Astronômico
      A altitude alta e as nuvens raríssimas fazem do céu do Atacama o ponto de observação mais limpo da Terra. É ali que estão os maiores e mais modernos telescópios da Nasa e os mais competentes astrônomos. 
      A realidade é que, para além das pesquisas, olha-se para cima após as 23h e tudo parece um filme. As estrelas são holofotes, dispensando qualquer luz artificial, e o céu parece tão baixo e tão perto que é possível ver o movimento da Terra em tempo real, com os planetas visíveis a olho nu mudando de lugar a cada segundo. A Via Láctea é um borrão branco nítido, grande, que prende os olhos ao tentarmos entender o inexplicável. Mas o que o telescópio mostra ao parar em Saturno beira o indescritível. O coração palpita quando os olhos se deparam com os anéis perfeitos e a nitidez do imaginário de toda uma vida. É preciso coragem para descer as escadas do imenso observador do céu e aceitar registrar aquele instante somente na memória, rezando pra que ele permaneça, forte, vivo e intenso, exatamente como o segundo em que os olhos perceberam o que viam. E num misto de felicidade e medo do que o tempo muitas vezes prega em nossa lembrança volátil, três estrelas cadentes rasgam o céu, roubando a respiração e deixando ainda mais claro que a gente é um pingo de absolutamente nada.
      Fizemos o tour astronômico com a Space Obs, porque lemos muitos relatos de que eles teriam os melhores telescópios. Não gostamos. Extremamente técnico. Grupos grandes, muita espera e filas para cada telescópio. Um casal de simpáticos astrônomos estrangeiros nos recebe e nos guia pelo tour. Observamos o céu a olho nu, com ela apontando estrelas, planetas e constelações. Seguimos para a observação nos telescópios e finalizamos com uma roda de chocolate quente e uma palestra bem entediante sobre física quântica, cálculos astronômicos e informações numéricas pouco interessantes e nada relevantes para quem, como nós, busca um pouco mais de magia. Nos arrependemos de não termos feito também esse passeio com a Araya. Algumas pessoas que fizeram com eles, amaram a experiência. O guia era um senhor nascido no Atacama e entendedor do céu, que em meio aos telescópios, contava sobre as crenças ancestrais do surgimento das constelações. Tudo acompanhado de chocolate quente ou de whisky.
      Preparem-se para o frio da noite do Atacama. Especialmente nesse passeio, que é feito na madrugada por razões óbvias, o frio é congelante. Gorros, cachecol, luvas e meias. Tudo é necessário. 
       
      Passeios que não fizemos
      Salar de Tara - queríamos muito, mas estava fechado, com muita no acesso.
      Geyser el Tatio - era muito cedo, muito frio e estávamos mais interessadas nas belezas das lagoas.
      Vale do Arco-Íris - faltou tempo.
      Lagunas Antiplânicas - na seleção de cada passeio, optamos pelas outras lagunas.
       
      Onde comer?
      Não achamos tão tranquilo comer em San Pedro. Tentamos tudo. De restaurantes típicos locais a pizzarias. Destacamos somente a Pizzería El Charrúa, com pizzas crocantes e saborosas, e o Empório Andino, com empanadas de diferentes sabores.

       

       
      Também lemos muito sobre Las Delicias de Carmen. Comemos lá 2 vezes e não gostamos nenhuma. 
       
      Dicas
      Na rodoviária há o precioso e pouco divulgado Mercado dos Produtores. Não deixe de caminhar até lá. É onde os artesão locais tem suas oficinas e lojas. Nos apaixonamos pela Dona Carmem, uma das mais antigas artesãs do Atacama e dona de mãos que tecem belíssimas peças, de uma lã natural que ela mesma prepara, monta em novelos e encaixa em seu tear. E também o Manolo, exímio ourives e conhecedor de cobre, mineral abundante na região. Suas joias são obras de arte.

       

       

       

       
      https://www.instagram.com/trip_se_/
       
    • Por Vinicius Oliveira SIlva
      Olá pessoal! Quero compartilhar com vocês o roteiro que eu fiz no Atacama e também servir de base para outros viajantes.
      Pra chegar lá eu peguei um avião de São Paulo até Santiago, e de lá eu peguei outro voo separado de Santiago até Calama, a  Sky Airline que foi onde eu achei os voos com melhores preços. Chegando em Calama tem mais uma van que você pega até San Pedro de Atacama.
      Minha recomendação principal é que você deixei planejado os lugares que quer visitar pois nem todos tem disponibilidade todos os dias ou todos os horários ou passar mal por não estar aclimatado.
      Particularmente eu fechei todos os passeios com a mesma agência, consegui um bom desconto no final das contas pagando em dinheiro. Eu fechei com os Backpackers, que também estava com um preço de hospedagem bacana em quarto compartilhado no Hostel deles.
      Uma dica, os restaurantes lá são MUITO caros, mas tem um lugar meio escondido atrás do campo de futebol com alguns restaurantes mais simples e que são bem mais em conta e que oferecem basicamente os mesmos pratos dos restaurantes do centro. Pra localizar estes restaurantes é só procurar pelo campo de futebol.
      Como alguns lugares lá são distante e também pra não ter dor de cabeça eu preferi não alugar carro, fiz todos os passeios com a van da agência, e ia dormindo ou fazendo bagunça com a galera hehehe. 
      Na Caracoles e nas ruas próximas é o centro, onde você acha as agências de turismo, bancos, restaurantes e etc. A cidade toda praticamente é voltada para o turismo.

      Primeiro dia
      Meu primeiro passeio foi fazer Sandboarding no Valle de la Muerte, geralmente este passeio é feito a tarde pois o sol está mais fraco, e não tem muito segredo, chegando lá o instrutor vai dar todas as dicas e ensinar todo mundo, e você pode cair na areia a vontade que não machuca. 
      Pra este passeio recomendo passar protetor solar e levar bastante água.

      No mesmo dia fui fazer o Star Tour. Vale bastante a pela, você visita um observatório com vários telescópios gigantes e a instrutora vai explicando sobre as estrelas e constelações.
      No final você pode observar o céu usando os telescópios, eu consegui tirar essa foto maneira da lua apontando a câmera do celular na lente de um deles.

      Segundo dia
      O segundo dia foi Piedras Rojas, Salar de Atacama e Lagunas Altiplánicas, pra mim foi um dos que valeu mais o custo benefício, você passa o dia inteiro visitando uns dos principais locais do Atacama, neste tinha até almoço incluso.



      Terceiro dia
      O terceiro foi visitar os Geisers del Tatio, este é um dos clássicos! Muita gente compra roupa de frio so pra fazer este tour, mas acho que não precisa... É só levar várias blusas que você aguenta numa boa, este passeio é feito bem cedo porque é o horário que os geisers entram em atividade.

      Logo depois você irá para as águas termais, onde você toma banho na água quentinha. 

      Dependendo de onde você agendou seu passeio, você passa por mais dois lugares, o Valle de los Cactus, e uma pequena cidade chamada Machuca.

      Neste dia também deu pra fazer o passeio mais clássico do Atacama, o Valle de la Luna

      Quarto dia
      Aqui eu visitei as Lagunas Escondidas, as famosas lagoas que você não afunda.  Eu achei que valeu mais a pena que a Laguna Cejar porque estava bem mais barato e achei a experiência um pouco parecida.

      Quinto dia
      Este dia é pra quem curte bike! Eu fiz um pedal que passa por Pukará Quitor, Catarpe, Garganta del Diablo e Valle de la Muerte. É um pouco pesado, aproximadamente 40km no calor seco do Atacama, mas vale muito a pena! Se você quiser um ritmo mais leve, pode ir até  Pukará Quitor somente que já vai valer o passeio. Este aqui eu não fiz com a agência, combinei e fui com um colega e fiz no hostel. Vou deixar um link com mapa e detalhes sobre como fazer este pedal lá, é só clicar aqui.

      Sexto dia
      Este dia eu subi o vulcão Lascar! Foi uma das experiências mais incríveis viajando. Pode ir tranquilo que qualquer um com algum condicionamento consegue fazer com calma, basta estar aclimatado antes que geralmente o guia caminha no ritmo do mais lento.


      Se ficar alguma dúvida pode me mandar mensagem que eu respondo. Eu também escrevi cada passeio detalhado no meu blog: http://www.trilhei.com.br/o-que-fazer-no-atacama-e-como-agendar-os-passeios-roteiro-completo/
    • Por Thaís Gaudencio
      Dia 1 - 09 de Dezembro de 2017
      Chegamos no Aeroporto de Calama as 11:00 e pegamos um transfer para San Pedro do Atacama (Transvip). Caso você pague apenas um trecho, o valor é de 12.000 pesos. Pagando a ida e a volta, o valor passa a ser 20.000. O transfer te deixa na porta do hotel. 
      Ficamos eu, meu pai e minha tia no Hotel Corvatsch. Ele funciona também como Hostel e possui ainda uma agência de viagens. O hotel fica super bem localizado, a equipe é maravilhosa e os quartos super confortáveis. Como chegamos cedo, 12:20, e o check-in era as 14:00, almoçamos no Sol Cor (ou algo parecido), na Rua Calamar. A comida é muito boa mas o serviço é demorado. Vale a pena quando a fome não é muita e o tempo não é curto. Entrada, prato principal e sobremesa custam 7.000 pesos.
      Às 16:00 fizemos o passeio da Laguna Cesar. Fizemos pela agência do hotel com o motorista e guia Florêncio, que realmente entende da região e é muito simpático. Esse passeio permite mergulho nas lagoas de sal. A primeira delas é super pequena e você deve aguardar em uma fila gigante pela chuveirada. Preferimos pular esse banho e conversar com o guia sobre a região. Passamos depois por outros dois laguinhos, onde um deles também pode-se tomar banho, para irmos ao último, Tebinquiche, que é belíssimo e onde permite-se passear apenas pela sua borda. No fim do passeio é servido um lanche com pisco (bebida típica do Chile). Paga-se pelo acesso aos lagos 17.000 pesos e o passeio saiu por 36.000. É importante lembrar de levar sempre uma garrafa de água, protetor e no caso de tomar banho, uma toalha. O retorno foi as 20:00.
      A noite comemos uma empada do mercadinho em frente ao hotel. Que aliás, tem de tudo.
       

      Dia 02 - 10 de Dezembro de 2017
      Logo cedo meu pai mediu a pressão e descobriu que estava 25/18. Corremos para o hospital da cidade, que fica vizinho a agência bancária na praça principal (5 minutos do hotel a pé) e fomos atendidos pelo enfermeiro. Depois de receber oxigênio, descobriu-se que meu pai estava com o mal da altitude e foi recomendado que ele voltasse imediatamente para Santiago. O que foi feito assim que sua pressão regularizou, na tarde do mesmo dia. 
      Almoçamos, eu e minha tia, no hotel em frente ao nosso, no esquema de entrada, prato principal e sobremesa por 6.000 pesos. As 16:00, fomos fazer o passeio do Vale da Lua e da Morte. Como não sairia passeio de nossa agência, usamos a de uma agência ao lado da Sorveteria Babalu. Fomos em um ônibus com mais 15 pessoas e com guias bem novas que conheciam muito pouco da região. O passeio do Vale da Lua é lindo e inclui a subida ao mirante e a visita a Caverna de Sal (que leva em torno de 20, 30 minutos com trechos feitos com o auxílio da laterna do celular). Saindo de lá, passamos pelo Vale da Morte e fomos ver o pôr-do-sol no mirante Coyote. O passeio custou 38.000 pesos e a entrada no parque, 3.000. O passeio acaba as 20:00.
      Jantamos no Sol Cal (ou algo parecido) um sanduíche e uma salada. Acho que por 4.000 pesos.
      Não esquecer da água, protetor e de tênis confortável.


      Dia 03 - 11 de Dezembro de 2017
      Depois de dois dias de andança, resolvermos passar o dia pela cidade. Conhecemos a igreja na praça da cidade com seu teto feito a partir de madeira de cacto, conhecemos o mercado de artesanato e fomos andar pelas ruas de San Pedro. Aproveitamos para trocar dinheiro na casa de câmbio, na mesma rua do centro turístico (Rua Toconao) e bater perna pela lojinhas espalhadas pelas poucas ruas. Almoçamos no Casa de Piedra, na Rua Caracoles, com menu com entrada e prato principal por 6.000 pesos. Tomamos sorvete na Sorveteria Babalu e fomos curtir a rua e os cachorros gigantescos da cidade. 
      Jantamos no Blanco, um restaurante mais chique com pratos em torno de 9.000 pesos.

      Dia 04 - 12 de Dezembro de 2017
      Acordamos cedo para fazermos o passeio para Pedras Rojas. Não fomos pela agência do hotel, mas lá mesmo organizaram uma van para irmos. Saímos as 7:00 com a guia Andrea (se não me engano). Ela é ex funcionária do hotel, fala inglês, espanhol e português, além de arriscar outras línguas. Entende MUITO da região e é extremamente simpática. A primeira parada do passeio é em uma cidade próxima, Toconao, onde conhecemos a pracinha e sua torre, e passamos em uma lojinha de artesanatos onde provamos pêssegos oferecidos pela dona e visitamos seu quintal com lhamas e pedras da região. De lá fomos conhecer o lago dos flamingos, onde fazemos uma caminhada de 20 minutos para ver os animais e depois tomarmos o café da manhã. 
      Saindo dessa lago, passamos pelos campos de flores e fomos para Pedras Rojas. Essa foi, definitivamente, a vista mais bonita que já vi na vida. Paramos para caminhar pelas pedras e à beira do lago, para seguir viagem para as lagunas altiplânicas, onde almoçamos. Voltamos par caminhar por mais 20 minutos na primeira laguna e retornamos à estrada. Antes de retornar para San Pedro, paramos em um vilarejo para conhecer sua igreja, depois de passar por grandes cânions e suas belíssimas pedras resultantes de erupções vulcânicas. O passeio terminou as 19:00. Jantamos algum RO que tínhamos no quarto. São pagos dois parques no valor de 5.000 pesos cada um, e o passeio saiu por 80.000 pesos

      Dia 05 - 13 de Dezembro de 2017
      O passeio hoje saiu às 5:30 da manhã. Fomos para o Gêiseres del Tatio e Vale dos cactos. Como saímos muito cedo, tivemos que sair bem agasalhada. Pegamos um frio de 7 graus que é essencial para observarmos o gêiseres, resultando da água a 85 graus, por causa do vulcão, que encontra o frio da superfície a 5, 7 graus. O passeio foi feito por uma agência que também não foi do hotel com um guia não muito preocupado em nos explicar o que víamos. Depois de olharmos vários gêiseres voltamos pra van onde tomamos nosso café da manhã. De lá passamos em outra região com outros deles, e onde, em algumas épocas do ano é possível tomar banho (segundo o guia, desde junho está proibido). 
      Saímos de lá e passamos por um lago também com muitos patos e flamingos e em uma cidade bem pequena com uma igrejinha e um local onde servem churrasquinho de lhama. Por fim, antes de voltar para a cidade, passamos pelo vale dos cactos, que estão em um cânion lindíssimo. Novamente, o parque custa 5.000 pesos e o passeio custou 80.000 (mais o passeio do dia seguinte).
      O passeio terminou as 13:00 e na volta da cidade almoçamos da Carmen, pertinho do nosso hotel. 


       
      Dia 06 - 14 de Dezembro
      Último dia de deserto! Fomos pro Vale do Arco Íris com a agência do hotel. Saímos às 8:00 depois de tomar café da manhã no hotel. A estrada para o Vale está sendo reformada, então levamos mais do que a 1:30 programada para chegar na primeira parada, os petroglifos. O lugar é lindo é se paga 3.000 pesos para o seu acesso. É cheio de desenhos rupestres e você leva 20 minutos caminhando por entre os rabiscos. 
      De lá fomos pro Vale, onde caminhamos por 30 minutos para então lancharmos. Por fim, passamos pelo rio e voltamos para a cidade. Almoçamos na Carmen e jantamos empanadas do mercadinho da frente do hotel novamente.


      Dia 07 - 15 de Dezembro
      Às 6:00 a Transvip passou no hotel para nos levar ao aeroporto em Calama para voltarmos para Santiago.
       
      DICAS:
      - Nessa época do ano a temperatura varia de 8 a 29 graus. Quando o sol nasce, rapidamente a temperatura chega a 18 graus e no começo da noite fica por volta disso também.
      - Como o sol é forte, sempre esteja com protetor solar e com garrafas de água.
      - As caminhadas não exigem botas. Com um tênis confortável, você se vira.
      - Como o frio não é grande, um moletom funciona. Nos gêiseres faz mais frio é é interessante levar um casaco mais forte, cachecol, luvas e gorro.
      - O passeio das lagunas altiplânicas e dos gêiseres são em alta altitude (mais de 4.000 metros). É interessante fazer depois de alguns dias no deserto e durante a subida beba pequenos goles de água e se for o caso, tome chá de coca.
      - No dia do passeio dos gêiseres, à tarde, é possível fazer o passeio das termas de puritama. Como eu não sou muito de mergulhos em lagos e lagoas, pulei o passeio, mas ouvi falar que vale muito à penas e não é duradouro.
      - Um passeio clássico dessa viagem é o Salar de Tara. Como é próximo e muito parecido com o passei que já tinha feito no deserto da Bolívia em anos anteriores, preferimos não fazer.
      - As festas são proibidas na cidade (é proibido dançar e beber sem fazer pedido de comida), mas acontecem em locais mais afastados e descobre-se no boca a boca.
      - O câmbio é melhor em Santiago, então já leve seu dinheiro em pesos chilenos ou em dólar.
      - Existem vários locais para aluguel de bicicletas. Para os que têm fôlego, é um passeio bem clássico também.
      - Não consegui reserva para o passeio astronômico (http://www.almaobservatory.org/en/outreach/alma-observatory-public-visits/). É realmente científico, mas exige antecedência de 4 meses.
       
      * Compramos a passagem de Santiago para Calama pela LATAM do Chile (bem mais barata que pela LATAM do Brasil) e custou 312,00 reais. O hotel para 3 pessoas custou 1.071,00 reais (por pessoa).



×
×
  • Criar Novo...