Ir para conteúdo

Posts Recomendados

Fala galera mochileira!!

Este tópico foi criado para que todos possam postar dicas sobre roteiros, dicas, preços de transpote, comida, hospedagem, e outras na Chapada do Veadeiros e Região.

Alguém se habilita??

Quem não conhece e está afim ou que já foi é quer voltar, seja bem vindo e junte-se à nossa turma!!!!

Abraços,

Sergio

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post

Olá Galera,

Uma dica: comprar o "Guia por onde andar no nordeste Goiano" do Bismarque Villa Real, que custa R$12,00 e mostra todas as atrações do nordeste goiano, dividido em roteiros que passam pela Vila de São Jorge, Alto Paraiso e Cavalcante entre outras.

O guia 4 rodas também tem alguma coisa sobre Alto Paraíso.

 

Sobre a hospedagem, existem desde camping com diarias de R$8,00 por pessoa até pousadas com diárias de mais de R$80,00 o quarto.

 

Julho é uma das melhores épocas para se viajar por lá.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

Carnaval na Chapada.

 

Se for ficar em Camping em São Jorge, é bom se prevenir, pois algumas pessoas se excedem, mas nada que não aconteca em outros locais.

 

Se vc quiser ter um pouco mais de paz é interessante ficar mais afastado do centrinho de São Jorge que na alta temporada fica lotado.

 

Dica: se for para o passeio no Parque Nacional, chegue cedo, pois com o movimento muito grande na cidade, logo a quantidade de guias acaba e quem fica do lado de fora só tem a oportunidade de fazer o passeio no dia seguinte. Talvez seja ate interessante procurar um guia no dia anterior e já chegar no local com ele. Esse passeio é o único da chapada que nao pode ser visto sem a presenca de um guia credenciado do parque. Normalmente é cobrado uma taxa de R$ 50,00 a 60,00 para um grupo de 10 pessoas. A caminhada é puxada e dura o dia inteiro.

 

Bom passeio !!

Compartilhar este post


Link para o post

São Jorge é uma old-búzios. A vila é super simpatica, tem bares, restaurantes e pousadas super charmosas e para todos os bolsos. Tem muitos campings e fica na "porta" da chapada. A noite tem os forrós e o pessoal da vila entrosa sempre com os turistas. É bom d+.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

O povoado de São Jorge fica a 35 km de Alto Paraiso, a maior parte já asfaltada. Lá está a entrada do parque nacional, os habitantes são ótimos anfitrioes, muito hospitaleiros, a coisa mais fácil é arrumar lugar pra ficar lá, isso nao parece problema, nem precisa de reserva, exceto em altíssima temporada.

Compartilhar este post


Link para o post

A chapada não tem segredo. É fácil achar serviços de guias e pousadinhas na cidade. A única coisa difícil é escolher entre um passeio e outro, já que são todos lindos. Mas não deixe de ir no vale da lua (fundamental), ao jardim de maitréia e à cachoeira almecegas.

 

Só uma observação: São Jorge é uma cidade minúscula, bem pequenina mesmo.

 

JJR - Postado - 06/08/2004 : 21:33:23

Realmente São Jorge é um barato ! Vale a pena ficar por lá . É simples, mas muito bom.

Algumas trilhas dá para fazer de lá, mas a maioria te que ir de carro.

Dicas para visitação : Vale da Lua, Raizama, Termas (águas quentes) e o Parque Nacional.

JJ

Compartilhar este post


Link para o post

Olá amigos!

 

Deixando aquela deixa.

Recomendo a Pousada do Eden. Fica 01s 14Km depois d São Jorge. Assim, é 01 lugar d água quente,piscinas naturais, sauna indiana, cháles(detaalhe, sem energia), trilhas, donos são gente boa, assim tudo muito natural. Me parece q o site é o próprio nome da pousada. Sou d Goiânia e aamo ir p ficar por lá. Ainda + se tiver com aquela gata. Daquelas q topa fazer os 14Km a pé, entendeu. rerere lembrando q vcs vão T q voltar, viu!

 

Recomendo tb: Raizama, Vale da Lua, o Parque. E agora Cavaalcante, q ñ tá tão comercial como São Jorge.

 

"01 dia agente se veee, vc vaai veee"

 

Skowa

Compartilhar este post


Link para o post

Eu fui pra Chapada em 2000, foi uma das melhores viagens da minha vida!! Só estou surpresa de alguém ter falado de São Jorge como "comercial"... Será que em 4 anos, aquilo mudou tanto? A gente via araras livres andando pelas ruas de terra enquanto tomávamos a cerveja pós trilha no bar do Pelé... Os passeios próximos a São Jorge são realmente imperdíveis. Eu fiquei no camping Parada Obrigatória que é muito perto da entrada do Parque. Mas eu acho que vale a pena ficar uns dois dias em Alto Paraíso, pq as cachoeiras de Almécegas e São Bento que são muito lindas são mais próximas de lá. Os lugares são distantes uns dos outros. Um carro é muito bem vindo. Eu fiquei dependendo de carona. Peguei várias caronas com desconhecidos, sem medo nenhum, e fiz até amizade um vovô que dirigia um caminhão velho que era amigo de vários donos de terra e por isso fui alguns lugares sem pagar a entrada. Me lembro que tinha um ônibus por dia, de manhã, que ia de Alto Paraíso pra São Jorge. Eu fui no Vale da Lua, mas papei mosca, depois que voltei é q soube que tinha até escorrega de pedra e eu não vi... As águas termais são uma delícia, mas os passeios mais bonitos estão dentro do parque mesmo. Não percam o pôr do sol visto do "aeroporto de disco voador". As fotos que eu tirei, não acreditaram que eram de verdade, ficaram falando, ou vc botou um filtro na lente ou vc mexeu no photoshop, e eu não fiz nada ...

Compartilhar este post


Link para o post

Pessoal, deem uma olhada nas dicas e historia de Cavalcante, postados há muito tempo aqui no mochileiros pelo Bulha. Uma boa opção pra fugir dos destinos obvios de Sao jorge e Alto Paraiso:

 

Quem vai á Chapada dos Veadeiros costuma se limitar a visitar Alto Paraíso e São Jorge, às vezes indo até Colinas contornando o Parque.

No entanto, as pessoas ainda não descobriram (na verdade muitos estão descobrindo) a cidade de Cavalcante.

A partir de Alto Paraíso, chega-se à Cavalvante seguindo a estrada para Terezina de Goiás. Chegando em Terezina, após uns 70 Km, vira-se à esquerda pegando uma estrada asfaltada de uns 25 Km que termina na cidade.

A partir de São Jorge, pela estrada de terra, é só seguir em direção a Colinas e logo depois chegar em Cavalcante.

Cavalcante está localizada entre as Serras das Araras, de Santana e da Boa Vista. De dentro da cidade, para onde se olha, só se vê serra. Os moradores mais antigos da região chamam o local de "Buracão de Cavalcante", pois é um região mais baixa, entre estas três serras, a apenas 730 m de altitude (a cidade).

Cavalcante é a cidade mais perto dos povoados Kalunga, antigos qilombos. Até os anos 80 pouco se conhecia sobre eles. Hoje em dia são bem conhecidos. Os índios avá-canoeiros também ocupavam a área, mas hoje em dia só restam sete indivíduos em uma reserva em Tocantins.

Nos séculos 18 e 19, Cavalcante era uma cidade muito próspera, em virtude da extração aurífera. Exemplo disso é que em São Félix, antigo distrito de Cavalcante, hoje inundado pela lagoa da hidrelétrica de Serra da Mesa, havia uma casa de fundição. Uma casa de fundição naqueles tempos significava uma grande movimentação econômica.

A cidade, portanto, sempre teve uma riqueza material em virtude do ouro, com uma consequente riqueza cultural, com exibições teatrais e até de operetas, e uma arte barroca não tão desenvolvida como a mineira, mas nem por isso menos importante. A Coluna Prestes passou por Cavalcante.

Ainda hoje é possível encontrar muros de pedra feitos por escravos (Ex: Fazenda Novo Mundo), assim como chiqueiros, aquedutos e fornos construídos com a mesma tecnologia e mão-de-obra.

A produção mineral de Cavalcante era escoada por uma trilha cavaleira que seguia até Veadeiros (antiga Alto Paraíso), seguindo de lá para MG até Parati, onde era embarcada.

No entanto, no começo dos anos 1960, as reservas auríferas diminuíram drasticamente. Com isso, a economia da cidade ruiu. Moradores mais velhos comentam que caminhões saíam carregados de obras de arte em direção aos antiquários do Rio e São Paulo. Até a cúpula de ouro da Igreja de Sant'Anna levou sumiço na ocasião da mudança do local do templo.

Muitos garimpeiros continuaram a procurar ouro. No entanto, hoje em dia, pouco se acha. Muitos condutores de turismo (guias)da cidade eram antigos garimpeiros e podem contar boas estórias.

Há dezenas de maravilhosas cachoeiras da região, com bons locais para aprática de técnicas verticais. Um dos cânions mais radicais para se descer no Centro Oeste utilizando-se as técnicas verticais e de canionismo é o formado pelo Rio São Bartolomeu no local conhecido como Ponte de Pedra.

Hoje em dia a cidade tem uma tendência crescente para o ecoturismo e para o turismo de aventura. Tem duas pousadas, um hotel, duas pousadas campestres, alguns campings e muitos moradores alugam suas casas para os turistas. Festas populares, como a Caçada da Rainha, também estão sendo retomadas com mais força e apoio em virtude do turismo.

Cavalcante passou a ter uma economia baseada na pecuária, agricultura familiar, e extração dos minérios que sobraram. Ainda hoje é possível encontrar dragas no Rio das Almas retirando areia para a construção civil, dano ambiental já denunciado mas pouco apurado. O muro de contenção da barragem de resíduos químicos da mineradora que ainda atua na região quebrou e contaminou o Rio das Almas por algumas semanas. Entendo que o incentivo ao turismo na região poderá incentivar o abandono de tais práticas.

Na entrada da cidade há um pequeno centro de apoio ao turismo onde pode-se encontrar os guias. Eu recomendo o Pedrão, o Daniel ou seu João da Vagem (o que tem as melhores estórias de garimpo).

Quem for, eu recomendo que vá à Cachoeira de Santa Bárbara, que fica dentro do povoado kalunga Engenho II. Na volta, pode-se comer um almoço Kalunga na casa do seu Cirilo. Outros locais legais são o Vale das Araras (onde há uma pousada) e as cachoeiras da Fazenda Veredas.

A ONG Berço das Águas tem um projeto que propõe o incentivo ao ecoturismo e tursimo de aventura como estratégia para o desenvolvimento sustentável da região e está mapeando uma trilha que segue o caminho que os bandeirantes faziam quando carregavam o ouro, desde Cavalcante até Alto Paraíso, e por trilhas menos antigas de Alto Paraíso até São João d'Aliança.

 

 

VISITE CAVALCANTE!

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por JESSICA EMILY
      CHAPADA DOS VEADEIROS EM 3 DIAS GASTANDO POUCO
      Saí de BH com um amigo rumo a Goiás no dia 31/08 e com 12 horas de viagem chegamos a Chapada dos Veadeiros. Média de custo de gasolina: R$ 600 reais (ida e volta). Tendo em vista que a passagem aérea para 2 pessoas daria o dobro desse valor, consideramos ok o custo. No trajeto existem pedágios que pagamos uma média de: 60 reais (ida e volta). Para conhecer os atrativos, os valores ficam entre 20 e 30 reais/atrativo sendo que a cachoeira Santa Bárbara exige um guia que custa entre 100 e 150 dependendo do número de pessoas do grupo. Os almoços na região variam de 20 a 40 reais e a diária do hostel que ficamos (quarto privativo) pagamos 150, caso seja compartilhado custa uma média de 40 reais/pessoa. Conhecemos: Vale da Lua, Loquinhas (existem vários poços a serem descobertos), Cachoeira dos Cristais (São várias quedas d'agua), Cachoeira Barbarinha  e Santa Bárbara (ambas com água azul turquesa). Indico ficar em Hostel e preparar a alimentação toda no local e levar para os passeios, fica bem em conta. Fizemos isso. Iremos voltar pois existem muitas outras cachoeiras na região e é incrível a beleza e os atrativos da Chapada dos Veadeiros. Para saber sobre mais viagens que eu fiz, acessem meu Instagram: @jessplanejatrip. 







    • Por Júlia Saleh
      Quando ir: dá para ir durante o ano todo, mas o mais aconselhável é na época da seca, no meio do ano. Faz bastante sol e calor durante o dia e a noite esfria bem. Na época de cheia existe o risco de trombas d’água e alguns atrativos ficam fechados. Fica sempre cheio de turistas em feriados e férias.
      Quantos dias ficar: por lá ouvi dizer que existem mais de 200 cachoeiras, muitos vão e resolvem ficar para morar, nenhum tempo é suficiente para conhecer tudo. Eu aconselho pelo menos uma semana para visitar os atrativos principais.
       Como chegar: a maneira mais comum é a partir de Brasília (240 km), onde muita gente aluga carro, pede carona ou pega o ônibus da Real Expresso (www.passagemrealexpresso.com.br), que sai de manhã e de noite para Alto Paraíso. A volta de ônibus tem apenas um horário de tarde. Entre Alto Paraíso e São Jorge não tem ônibus.
      O que fazer: o que tem de melhor na chapada são as cachoeiras. Não saia de lá sem conhecer as Cataratas do Rio dos Couros, os saltos de 120 e 80m do parque nacional e a Cachoeira Santa Bárbara.
      Onde ficar: Alto Paraíso e São Jorge oferecem uma infinidade de opções de hospedagem. Como são cidades pequenas, fáceis de andar a pé, o melhor é escolher um lugar perto do centro. Em Alto Paraíso a Av. Ary Valadão Filho concentra os principais restaurantes e lojinhas. Já em São Jorge, a rua principal é a Cinco. Lá eu indico o Camping Taiuá Ambiental, que é simplesmente maravilhoso. Super agradável e bem estruturado, oferece aluguel de barracas e tem vários shows na alta temporada.
      Transporte: dá para ir para a chapada sem carro sim! Essa é a escolha de muitas pessoas e inclusive foi a minha. Não tem ônibus e não dá para ir a pé para São Jorge e para a maioria das cachoeiras, mas existem outras opções. Você pode contratar empresas de turismo que oferecem os passeios ou guias que levam as pessoas em seus próprios carros. Algumas hospedagens também organizam vans que reúnem os viajantes. Dá para alugar bicicleta, a estrada entre Alto Paraíso e São Jorge tem ciclovia! Mas o jeito mais legal de arrumar transporte na chapada é por caronas. Lá se diz que a cultura caroneira é muito forte. É bem fácil conseguir carona na estrada e muita gente fica pedindo. Existem grupos no facebook que reúnem pessoas pedindo e oferecendo carona para chegar lá (https://pt-br.facebook.com/groups/240194479350012/) e para ir para os passeios.
      Se estiver de carro, tudo fica mais fácil. Dá para ir a todos os lugares, os atrativos principais são bem sinalizados.
       
      Eventos: diversos eventos acontecem durante o ano na chapada, mas tem dois que eu considero imperdíveis. O Encontro de Culturas e o Festival Ilumina. Ambos em julho.
      Dinheiro: em Alto Paraíso tem uma agência do Itaú e caixa 24h. Em São Jorge não tem nada! Se programe antes. Muitos lugares aceitam cartão, mas nem todos, principalmente cachoeiras que cobram entrada.
      Alimentação: há uma infinidade de opções de restaurantes em Alto Paraíso e em São Jorge. Tem também mercado, padaria e lugares que preparam lanches e kits para levar nas trilhas. A chapada é um paraíso para os vegetarianos e veganos. Tem muitos restaurantes específicos e os outros costumam ter opções.
                  Todo mundo fala e é verdade, a chapada é mágica. Não sei o que tem de especial naquele lugar para reunir tanta coisa boa. Mas é só chegar lá que você já sente. Não é à toa que quem vai não quer mais voltar e muita gente larga tudo para morar lá. Cada lugar, cada cachoeira, cada pessoa que você encontra, parece que está tudo em uma sintonia muito boa. É um lugar perfeito para se conectar com a natureza e conhecer as belezas do cerrado. Fui para lá sozinha e conheci muita gente, arrumei ótimas caronas e fiz boas amizades.
       
      Alto Paraíso ou São Jorge? A Chapada dos Veadeiros é uma grande região, que inclui várias cidades. Quem vai para conhecer as cachoeiras costuma se hospedar em Alto Paraíso de Goiás ou na Vila de São Jorge. Elas ficam apenas meia hora de carro uma da outra e dá para fazer os passeios saindo das duas. Alto Paraíso é uma cidadezinha pequena, já São Jorge é bem menor e mais simpática, não tem nem asfalto. Se for para ficar bastante tempo, eu sugiro dividir sua viagem entre as duas. Senão escolha a que fica mais perto dos atrativos que você quer conhecer. Visite o Centro de Atendimento ao Turista (CAT) para informações nas cidades.
       Alto Paraíso
        Feira do Produtor Local: Acontece todo sábado de manhã e terça das 15h as 18h. Dá para comprar vegetais orgânicos e comer várias coisinhas gostosas.
      Cataratas do Rio dos Couros: A entrada é de graça e o valor do estacionamento é livre. Para chegar pega-se um trecho da estrada em direção a Brasília e depois uma longa estrada de terra, sem indicação em algumas bifurcações. É indicado ir com guia, mas eu acho desnecessário. A primeira trilha é bem curta e leva até uma cachoeira muito linda. É preciso atravessar pela água para chegar nela. Depois a trilha segue o maravilhoso rio dos couros, que forma várias piscinas onde as pessoas tomam banho, até outra cachoeira bem maior. Reserve um dia inteiro para esse passeio.
         Loquinhas: É o atrativo mais perto de Alto Paraíso. Dá para ir de carro ou andando. A entrada custa R$25,00. A trilha é muito curta e muito fácil, toda de madeira, e vai acompanhando o rio e suas mini cachoeiras, com poços para banho. O mais interessante são os miquinhos que aparecem atraídos pelos turistas. O passeio é bem curto, dá para fazer em meio dia.
       Cristais: Parecido com a Loquinhas, mas bem mais bonito, uma trilha fácil e curta segue o rio e suas cachoeiras e poços. Custa R$20,00 para entrar. É um passeio para meio dia, ou um dia inteiro se você for a pé. Saindo de Alto Paraíso são 5 km na estrada em direção a Cavalcante e mais 3 km de estrada de terra.
         Fazenda São Bento – Almécegas I e II e Cachoeira São Bento: A fazenda fica na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge e dá acesso às três cachoeiras. Entrada R$30,00. A cachoeira São Bento é a mais próxima e menorzinha, tem um bom poço para banho. Seguindo de carro por uma estrada de terra fica o acesso a Almécegas I. A trilha não é muito longa, mas é uma subidona bem cansativa. A cachoeira é bem grande e lindíssima. Primeiro se chega a um mirante em um paredão de frente para a queda. De lá dá para descer para o poço ou atravessar as pedras até a parte de cima da cachoeira. De volta à estrada de terra, é preciso seguir de carro até a Almécegas II, acessível por uma trilha curta e fácil. A cachoeira não é tão grande, mas é bonita. Reserve um dia inteiro para aproveitar as três cachoeiras.  
        Novo Portal da Chapada – Ashram do Prem Baba e Festival Ilumina: O Novo Portal é um “santuário ecológico” onde você pode se hospedar e também tem entrada para a cachoeira São Bento. Lá fica o ashram do Prem Baba, que durante uma temporada no ano recebe o guru e seus seguidores. É onde acontece o Festival Ilumina.
        Jardim de Maytrea: É uma paisagem que fica na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge. Tem lugar para estacionar o carro e muitas pessoas vão para ver o pôr do sol. Uma bela amostra das belezas do cerrado e das formações rochosas da região.
         
      São Jorge
         
      Encontro de Culturas e Aldeia Multiétnica: É um evento incrível que acontece na segunda metade de julho e reúne indígenas, quilombolas, e visitantes para palestras, oficinas e shows.
         
      Vale da Lua: Um cenário bem diferente na chapada. Não se trata de uma cachoeira, mas de toda a área por onde a água do rio gastou as pedras formando algo que lembra a lua. Também tem pequenas cachoeiras e poços para nadar, com água bem gelada. A entrada é R$20,00 e a trilha é bem curta e fácil.  É um passeio de meio dia, ou um dia inteiro se for a pé. Seguindo de São Jorge em direção a Alto Paraíso há uma entrada para a estrada de terra, são 10 km no total.
         
      Mirante do Abismo e da Janela: Simplesmente o visual mais lindo da chapada! Na época da cheia tem a cachoeira do abismo no caminho, na seca é só o mirante. Fica fora do parque, mas a visão que se tem é dos saltos de 120 e 80m. A trilha começa com uma descidona, depois é plana e então vem uma subidona. Mais ou menos uma hora, até chegar no mirante. Dá para fazer em meio dia. A entrada custa R$15,00 e fica pertinho de São Jorge, em direção ao Parque Nacional.
      Cachoeira do Segredo: Para ir a cachoeira do Rio Segredo, é necessário sair de São Jorge na direção contrária à de Alto Paraíso. Não dá para ir a pé. Há uma placa no lado esquerdo da estrada que indica a entrada de uma estradinha de terra que leva até a guarita. Lá se paga R$40,00 para entrar ou se você comprar o ingresso antes em São Jorge tem 5 reais de desconto. A trilha até a cachoeira é bem diferente, com vegetações específicas que eu só vi por lá. O caminho todo é muito lindo e atravessa o rio por diversas vezes. Essa cachoeira é uma das mais altas da Chapada, ela fica cercada por um paredão de pedra e quase não recebe a luz do sol, a água é a mais gelada de todas.

      Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros: O parque fica pertinho de São Jorge, dá para ir a pé ou estacionar o carro lá. A entrada é grátis. Dá para entrar das 8h ao meio dia, mas ele fecha antes se atingir a lotação, o que costuma acontecer cedo em fins de semana de alta temporada. No parque tem 4 trilhas diferentes.
         Cânions e Cariocas: A trilha até a cachoeira Carioca leva aproximadamente 1 hora. O fim é uma descida pelas pedras bem íngreme, com algumas escadas. A cachoeira é grande e linda e tem uma ótima piscina para nadar. Dá para ir embaixo da queda d’água. Voltando um pouco na trilha tem um outro acesso para os cânions onde se encontra pequenas cachoeiras entre paredões de pedra e vários lugares para nadar.
       Saltos de 120 e 80m: São as maiores e mais famosas cachoeiras do parque. A trilha leva mais ou menos uma hora, sendo que boa parte é descida, bastante subida na volta. Primeiro você chega a um mirante dos saltos de 120m. Depois a trilha chega em cima dos saltos e de frente para o de 80m, onde você pode nadar sem chegar próximo da queda. De lá a trilha segue para as corredeiras, boas para nadar.
       Seriema: É uma trilha bem curtinha e sem água. Boa para quem quer andar pelo cerrado, mas não está disposto a fazer as trilhas grandes.
      Travessia da 7 Quedas: É uma trilha de 23 km, para ser feita em dois dias. A pernoite no parque deve ser agendada antes pelo site www.ecobooking.com.br. A cachoeira das 7 quedas é muito bonita e exclusiva, poucas pessoas vão até lá.
         Cavalcante
      Santa Bárbara: A cachoeira Santa Bárbara é uma das mais famosas da chapada, por sua água azul turquesa. Ela é realmente maravilhosa e vale a pena conhecer, mas fica bem longe, em Cavalcante, é um passeio de um dia inteiro. Em Cavalcante há várias outras cachoeiras e quem opta por visita-las pode se hospedar na cidade ou dentro do quilombo kalunga, onde fica a Santa Bárbara. Para visitar a cachoeira é obrigatório o acompanhamento de um guia. Alguns guias levam grupos desde Alto Paraíso, saímos em 9 pessoas em dois carros e ficou R$ 30,00 para cada. No caminho paramos em um mirante e na cachoeira Ave Maria. No quilombo pagamos R$20,00 a entrada, que dá direito também à visita da cachoeira Capivara, que é lindíssima. As trilhas são curtas e fáceis. Após o passeio, almoçamos a comida caseira típica, plantada e preparada no quilombo.
       
        Mais informações sobre esse e outros destinos no site: AVENTUREIRA  
         
       
       
       
    • Por Andrei Tunes Claro
      Olá amigos mochileiros. Hoje vou compartilhar com vocês um relato sobre a travessia das 7 quedas da Chapada Dos Veadeiros com eventos que podem ajudar todos que quiserem realizar a travessia, ou estejam pensando em fazer a primeira trilha com camping.
      Todo mundo que ingressou nesse mundo de trekking passou por perrengues que acrescentou grande vivência e amadurecimento, conhecimento dos limites do corpo, aprendizados valiosíssimos que carrega-se para o resto da vida.
      Esse fim de semana eu e a Nanda realizamos a famosa travessia das 7 quedas pela segunda vez junto com quem nunca havia feito e com quem ja fez, mas não adiquiriu muita noção ainda. E essa experiência me inspirou a contar para vocês como faz diferença ter um bom planejamento, conhecer o corpo e saber tomar boas decisões.
      São 23 quilômetros de caminhada feita em dois dias e conhecer a trilha (tipo do terreno, clima, fauna e flora) é fundamental antes mesmo de iniciar a aventura, pois é a partir daí que começamos a montar a mochila com as coisas mais essenciais, e isso faz muita diferença, pois previne de levar coisas desnecessárias que se transformaria em peso e previne de esquecer coisas extremamente necessárias.
      Primeiro vou fazer uma breve explicação sobre esse pequeno trekking.
      A Chapada dos Veadeiros se situa no estado de Goiás, é uma região muito estença no coração do serrado, região essa que é predominada por árvores baixas, vegetação rasteira e clima extremamente seco, a travessia só é permitida ser realizada no período da seca, de julho a setembro, período este que o clima é mais duro ainda. O percurso tem ao todo 23 quilometros (não é uma trilha longa) que se inicia na entrada do parque nacional da Chapada Dos Veadeiros na cidade de São Jorge e acaba na beira da estrada a 11 quilômetros da cidade. Normalmente a travessia é realizada em dois dias e no final tem-se 3 opções: alguém deve estar esperando os trilheiros para serem resgatados na rodovia, ou os trilheiros pedem carona para voltar para São Jorge, ou voltam a pé pela beira da estrada. Voltando a trilha, ela é iniciada seguindo as setas vermelhas, caminho para os Canions, até encontrar com as setas laranjas que são as especificas das 7 quedas, nesta trilha há contato com com o rio em 3 ocasiões, uma quando se encontra o acesso aos Canions I (Não recomendado), outra quando tem que atravessar o rio e a última no camping.
      Agora que vocês ja conhecem o básico, vamos ao relato:
      Organizamos a travessia com um grupo que a princípio seria de 12 pessoas, mas ao final restaram apenas 6. Como só há 30 vagas no camping e é necessário agendar a travessia pela internet, se a pretensão é ir no fim de semana, o recomendado é que faça a reserva logo no dia que é aberta a temporada de reserva, pois elas acabam muito rápido. A reserva custa 18 reais.
      Vou apresentar os integrantes dessa aventura:
      - Eu (Andrei) e Nanda: os experientes do grupo, ja tendo realizado a travessia das 7 quedas e outras trilhas de longa distância com camping.
      - Sônia (minha mãe) e Gabi (minha sobrinha): Ja haviam realizado a travessia das 7 quedas uma vez e outra trilhas pequenas sem camping.
      - Kleber e Livia (amigos): Ja realizaram trilhas pequenas sem camping.
       Como falei anteriormente, conhecendo para onde vamos é que podemos montar a mochila. Em uma trilha que, apesar de curta, é no cerrado em época de seca e com poucos pontos de água, devemos levar um reservatório de água de no mínimo 2 litros por pessoa, lanches leves com grande fonte de energia, uma farmacinha completa também não deve faltar (com no mínimo anti-séptico, álcool, algodão, bandaid, comprimidos para dores musculares, dores de estomago, problemas intestinais, problemas alérgicos, soro, sal e açúcar, pinça, etc). Como a caminhada é com muito sol, tem que ter protetor solar fator 50 no mínimo, repelente, camiseta de manga comprida, calça leve tipo tactel, tenis apropriado e amaciado. Como terá camping, temos que pensar também na barraca, saco de dormir, colchonete ou isolante (algo para não dormir no chão duro) fogareiro (pois é proibido fazer fogo), panela, copo, talher e comidas que não pesem muito na mochila, pois caminhar com muito peso nas costas de baixo de um sol quente não é fácil e lanternas. Por último, roupas leves para mais um dia, roupas para entrar no rio, bonés ou chapeu que cubram o pescoço. Nesta época faz muito calor, então é dispensável roupas de frio.
      Fomos sexta-feira em dois carros para São Jorge as 16:00hs, saindo de Brasília. Já com reservas feitas em uma pousada com o nome de Pousada Refúgio. Decidimos ficar em uma pousada e não em camping para descansarmos melhor, tomar café, poupar tempo para sair e as 8:00hs estarmos iniciando a trilha. A informação que tinha era que o parque abria as 8:00hs, então levantamos as 7:00hs, nos arrumamos e colocamos as mochilas no carro. Fui verificar a equipe, todos ja estavam acordados, fui no quarto de minha mãe e parecia que tudo ja estava pronto, as mochilas pareciam arrumadas, faltando pequenos itens. Dei bom dia e fui pegando uma das mochilas que entendi estar pronta, perguntando se ja podia levar, elas me deram um ok e eu levei. Aquele quarto tudo parecia certo, ja eram 7:20hs. Depois fui no quarto do Kleber e da Livia e parecia que as mochilas também estavam prontas, o Kleber estava com uma nas costas dizendo estar testando, olhei a mochila de relance e parecia uma mochila de trilha com alças de peito e barrigueira e não dei muita atenção para a outra. Como tudo parecia ok falei que ia tomar café e que aguardava todos lá. Eu, a Nanda e a Gabi estavamos no horário tomando café, minha mãe chegou um pouco depois, mas o Kleber e a Livia se atrasaram um pouco e acabamos demorando e se atrasando em meia hora.
      Chegamos no parque por volta das 8:20hs e como da última vez, deixaríamos os carros em um chácara ao lado que tinha parceria com o pessoal do estacionamentodo parque, mas surgiu o primeiro imprevisto, não havia mais parceria, se fossemos deixar o carro no estacionamento além de ter que pagar 15 reais por dia, não teríamos segurança a noite. Minha mãe então resolveu falar com um funcionário do parque que ofereceu carona para que pudessemos deixar os carros na pousada, levar os carros para a pousada e voltar de carona para o parque foi mais atraso. Ao entrarmos no parque, tivemos outro imprevisto, agora além de pagarmos a reserva da pernoite no camping, temos que pagar 17 reais de entrada para uma empresa nova que administra o local. Ainda ficamos sabendo que para os que vão realizar a travessia o parque abria as 7:00hs, falha nossa. Para resumir, iniciamos a trilha ad 9:30hs. O que aprendemos foi sempre se atualizar com todas as informações novas que possa ter e sempre sair no mínimo 30 minutos antes do planejado.
      A trilha:
      Começamos a caminhada seguindo as setas vermelhas. Como estavamos atrasados não tiramos fotos. A Nanda puxava o grupo e eu seguia atrás com os mais lentos. Ao andarmos alguns metros percebi um problema, a Livia estava com uma mochila muito grande para a altura dela, a barrigueira ficava folgada e as alças também, isso iria prejudicar seus ombros. A mochila que minha mãe utilizava também não era apropriada, mas se encaixava bem nas costas. Não falei nada, mas sabia que mais na frente teriamos problemas.

      Apesar do atraso resolvemos passar nos Canions II e relaxar lá por uns 30 minutos. Todos entenderam e tudo foi conforme o planejado, a trilha, incluindo o Canions, aumentou em 3 quilômetros, totalizando 19 quilômetros até o camping. Neste dia tivemos a sorte de estar nublado o tempo todo, minimizando o efeito dos raios do sol. A caminho dos Canions II a Nanda, que puxava o grupo, não percebeu a planta angiquinho, uma planta nativa do cerrado que tem uma flor linda, e acabou batendo o rosto e se cortando toda, foi a primeira necessidade da farmacinha, limpamos o rosto dela e batemos anti-séptico e passamos pomada.

      Quando estavamos no lago dos Canions II, acabei colocando minha mão em uma rocha cheia de minúsculo espinhos que só consegui tirar com pinça, utensílio indispensável na farmacinha. A Nanda estava sentindo dor na virilha e a Gabi estava com dor de cabeça, então a farmacinha novamente entrou em ação com comprimidos para dor.
      Seguimos caminho, voltando dos Canions II para seguir as setas laranjas, a partir deste ponto surgiram novos imprevistos: caminhamos por mais 3 quilômetros e a Gabi começou a passar mal do estomago, com náuseas e dor, paramos na sombra de uma árvore para dar um tempo e analisar a situação, então o Kleber aproveitou para urinar ali perto, foi ai que surgiu a primeira preocupação séria. O Kleber havia feito uma cirurgia para retirada de pedras no rim e estava com um catéter na uretra e só ficamos sabendo naquele momento, pois ele havia urinado sangue e estava preocupado. A história era que o médico do Kleber havia liberado ele para realizar a travessia, mesmo com a informação de que seriam dois dias de caminhada com mochila pesada nas costas. Pelo ponto que estavamos, ou ele e a Livia voltavam 7 quilômetros, ou seguiam por 9 quilômetros até o camping. Ai vai uma dica, nunca pense em fazer alguma trilha logo depois de qualquer tipo de cirurgia, pois seu corpo precisa se recuperar muito bem. Voltando a história, Kleber acabou por assumir o risco e resolveu seguir em frente, a Nanda para ajudar resolveu carregar a mochila do Kleber por um tempo para evitar que ele fizesse muito esforço, a Gabi se recuperou um pouco comendo uma barrinha de cereal e nós seguimos para o camping, eram 11:30 da manhã e foi ai que a Livia comecou a sentir o desconforto da mochila, era impossivel regula-la em seu corpo, então dei a idéia do Kleber trocar de mochila com ela, não ficou 100%, mas melhorou muito, uma mochila no tamanho ideal para o corpo e bem ajustada nunca irá prejudicar a lombar. Seguimos viagem e por algumas vezes precisei abastecer os cantis da Gabi e de minha mãe, pois a garrafinha que elas levaram era apenas de 500ml e para caminhar em um cerrado na seca não era suficiente, ai mais uma dica, nunca leve menos de 2 litros de água para uma trilha de mais de 20 quilômetros.
      Como estávamos um pouco atrasados e sem fome, decidirmos não almoçar ao meio dia e seguir em frente. Ao chegarmos no cruzamento do rio, um ponto onde é necessário atravessar o rio para seguir do outro lado do seu leito, resolvemos dar uma paradinha para encher as garrafinhas de água, ai tivemos mais um probleminha, minha mãe e a Gabi não haviam levado pastilhas de clorin (purificadora de água), por essa razão acabamos compartilhando as que nós tinhamos e isso iria fazer falta, nova dica: se quiser tomar água mais segura sempre tem que levar clorin. No rio resolvemos também dar uma pequena pausa para comer o que minha mãe tinha levado, ela havia preparado charutos de carne enrolados na couve, já prontos e congelados que, com o tempo, foram descongelando, como não era necessario preparar, foi essencial para não perder tempo, comidas rápidas podem poupar muito tempo em uma trilha.
      Após atravessarmos o rio começamos o trajeto mais difícil do dia, pois seriam 8 quilômetros de trilha subindo sem água, com pouca sombra e muito calor e seca. Não sei se aquelas plaquinhas que indicam a distância do camping mais ajudam ou mais atrapalham:

      Só sei que quando encontrávamos com uma era uma alegria e um desespero misturados.
      Fomos caminhando e tivemos que parar novamente, pois a Gabi não estava muito bem, acabou passando mal do estomago novamente, com dores de cabeça e náuseas, estava cansada e próximo de estar naqueles dias. Nada que a farmacinha não possa ajudar, dei para ela um comprimido de buscopan e a Nanda novamente se prontificou em carregar a mochila da Gabi até a plaquinha de 3 quilômetros, demos um tempo para o remédio fazer efeito e seguimos.

      Depois de passarmos a plaquinha de 3 quilômetros, a Gabi já se sentia muito melhor e pode levar sua bagagem, mas logo na subida do morro na metade do trecho minha mãe sentiu o cansaço da subida e precisou parar. A Wonder Woman, Nanda, agiu novamente e resolveu levar a mochila de minha mãe, um detalhe, quando ela levava mochila dos outros era carregando a dela nas costas e a dos outros na frente, fazia isso puxando o grupo ainda. Minha mãe precisou de um tempo para se recuperar e eu fiquei com ela, depois que se sentiu melhor emprestei meus bastões de caminhada para que ela pudesse caminhar melhor, mas uma dica para os que sentem o peso da mochila nas pernas e pés, o bastão de caminhada é essencial e ajuda a distribuir o peso do corpo.
      Mesmo sem a mochila, foi difícil para ela chegar, mas quando chegou foi uma alegria só. Chegamos por volta das 16:30hs e a dica era montar as barracas antes de qualquer coisa no camping. Depois de devidamente instalados fomos curtir o rio das sete quedas, relaxar as costas, tomar um banho sem químicos, pois é proibido utilizar shampoo e sabonete no rio, abastecer nossas garrafas e fazer o almoço. Foi nesse momento que tivemos outro contratempo, pois para um grupo de 6 pessoas nós só tínhamos o meu fogareiro. Isso não foi um problema, mas quando o grupo é grande o ideal é ter no mínimo um fogareiro para cada duas pessoas, ou fazer um jantar bem coletivo de uma panela só, se não acaba gerando fila. Para nós isso foi facilmente resolvido pois fizemos um almoço que deu para todos.

      Mais tarde resolvemos tirar fotos das estrelas, relaxar mais um pouco e depois ir pra cama. Como resultado da trilha a Lívia acabou com o pé cheio de bolhas, pois o tênis era muito novo e não fora amaciado direito, iria ser um problema para o dia seguinte. A dica aqui é sempre amacie o tênis muito bem antes de realizar uma trilha longa, assim diminui o atrito no pé e evita as bolhas. O Kleber e a Lívia não tinham levado nada para deitar, então para eles a noite foi um pouco mais dura pois dormiram apenas em cima do saco de dormir. É sempre bom levar pelo menos um isolante térmico para não deitar diretamente no chão.

      No dia seguinte acordamos as 6:00hs da manhã, mas o problema de ter apenas um fogareiro acabou por alongar demais o tempo do café da manhã e eu também acabei perdendo a noção do tempo no rio, fazendo com que fossemos sair as 10:00hs da manhã. É sempre importante deixar todos os horários bem definidos com o grupo, pois ai todo mundo aproveita o dia e não atrasa ninguém. Por causa disso minha mãe acabou que entrou na água das sete quedas por 10 minutos apenas e a Lívia nem entrou, uma pena.
      A trilha final é bem puxada, são 7 quilômetros onde, metade é subindo o morro e o resto é por uma estrada de chão. Na subida a Gabi novamente passou mal e ficou pra trás comigo, foi preciso tomar outro buscopan e esperar um pouco, no meio do caminho ainda teve uma farpa imensa entrando em seu dedo e adivinhem, tinha na farmacinha álcool, anti-séptico, algodão, pinça, agulha e bandaid, tudo que precisamos para tirar qualquer farpa do dedo. Após ela melhorar ainda acabamos por alcançar a Lívia e o Kleber algumas vezes, pois devido as bolhas nos pés da Lívia ela andava com dificuldade, mas no final todos se encontraram na casinha da torre de celular. Dali para frente seriam mais 3 quilômetros de estrada de terra. Minha mãe emprestou um chinelo para a Lívia e ela conseguiu seguir a caminhada mais aliviada.
      Na torre liguei para os resgates nos pegar na rodovia e todos se superaram e chegaram bem as 12:40hs. Fomos agraciados pelo Célio com uma maravilhosa ducha e uma sauna para relaxar os músculos na pousada Recanto.
      Espero que esse relato ajude todos os trilheiros de primeira viajem a estarem mais preparados.
      Um grande abraço!

    • Por Rodrigo CL
      Série de vídeos fantásticos da Chapada dos Veadeiros, suas trilhas, cachoeiras com imagens aéreas de drone.
      https://youtu.be/3VWMYf6ejwM
    • Por Anderson Paz
      Período: 15 a 19/11/2017 (período chuvoso)
      Cidade-Base: Caiapônia/GO, a 550 km de Brasília e 335 km de Goiânia.
       
      Relato escrito pela companheira de viagem Maria Fernanda. Fiz só algumas pequenas adaptações. Dessa forma muitas vezes vai estar se referindo a mim na 3ª pessoa...hehehe

      Além dela o Raphael também integrou o grupo, na verdade foi ele o mentor da viagem em seu Uninho Mille.

      Dia 15/11, quarta:
       - Saída DF: 05h30
      - Chegada Caiapônia: 13h30
      - Estrada via Iporá em ótimo estado de conservação ao longo de todo o trajeto
       
      - Fomos direto às Cachoeiras Jalapa e Tobogã.
      No caminho de terra à direita avista-se ao longe o "Morro do Gigante Adormecido". Lindão!
      Nível dificuldade das cachús: Zero!
      Segundo nossa avaliação, são as mais "simples", de menor beleza cênica e sujeitas a estarem lotadas nos feriados e finais de semana. Entretanto, quando lá chegamos só havia mais 3 pessoas.

      Depois de ficarmos ali um tempinho, seguimos rumo a Cachoeira Três Tombos
       
      Como chegar: 5 km antes de Caiapônia na GO-221 no sentido Iporá-Caiapônia

      Cachoeira Três Tombos
      Chega-se por cima, onde o Rio São Domingos encontrava-se raso, (na altura de minhas canelas, se tanto!). Do alto, aprecia-se um lindo desfiladeiro e a bela Três Tombos (nome autodescritivo). Próximo ao local do estacionamento à direita há uma trilha para a descida com mais segurança, com cordas para apoio. Não é preciso fazer como nosso audaz e intrépido Anderson Paz que - não encontrando a "descida oficial" - bancou o "Indiana Jones" numa descida arriscada pirambeira abaixo, ok?! O poço dessa cachú é DE-LI-CI-O-SO!! Todos concordamos que suas águas são as mais deliciosas em que tivemos a experiência de nadar / mergulhar. NÃO DEIXEM DE VIVENCIAR ISSO, certo?!
       
      Como chegar: BR 158, 46km em direção a Piranhas a partir do trevo que sai de Caiapônia + 16km de estrada de chão. Tem algumas placas. Confie nelas. (Digitar “Cachoeira 3 Tombos” no Google Maps)
       
      À noite: Restaurante do Ernesto, frente do Hospital Municipal. Fernanda e Rapha foram de "jantinha" (PF reforçado!) e Anderson foi de sanduba sem carne (com ovo, tomate, milho, alface e maionese).
       
      Dia 16/11, quinta feira.

      Cachoeiras Samambaia e Abóbora
      Chega-se por cima da Samambaia, literalmente! Inclusive, cruzamos o riacho q a origina sem que déssemos fé disso. Um pouco mais a frente percebemos que havíamos passado do ponto - ela estava logo à direita do riacho. Ao fazermos o retorno, tivemos a sorte de avistarmos 2-3 catetos ariscos.

      A de scida da Samambaia é tranquila e sinalizada. Queda d'água bonita. Há um poço pequeno .

      Para chegarmos a Abóbora, voltamos ao ponto de início da descida à Samambaia e pegamos uma trilha em frente, curta (talvez 250 m) e discretíssima! É provável q exista outra trilha por baixo, mas não vimos! A queda e o poço da Abóbora são maiores do que a Samambaia. No entanto, ao chegarmos, deparamo-nos com um fedor forte e nauseante de algum bicho morto nas proximidades.  Não permanecemos mais do que alguns poucos minutos por ali. Peninha...
       


      Nota Importante: das que visitamos, estas duas cachoeiras ficam muuuito próximas de pastagens e plantações imensas.
       
      Como chegar: BR 158, 10km em direção a Piranhas a partir do trevo que sai de Caiapônia + 30km de estrada de chão. Na BR entrar na placa escrita "Vivas Samambaia". O carro para em um estacionamento ao lado do córrego que desemboca na Samambaia. A primeira cachoeira é a Samambaia. Uns 300m de trilha a direita fica a Abóbora (digitar “Cachoeira Abobora” no Google Maps)
       
      Após, retornamos ao carro e seguimos nossa aventura em busca à Cachoeira São Domingos...

      Nessa tarde, fomos agraciados com um original e generoso "Safari no Cerrado".

      Além dos catetos que avistamos mais cedo conseguimos ver: 10 ou 12 emas, vários tucanos, dezenas de periquitos, muuuuitas corujas, alguns carcarás, seriemas aos montes, curicacas às dezenas, muuuuuitas Araras. Em especial, passamos por um grande pequizeiro e, logo atrás dele, uma fascinante "Árvore de Araras" com 12 exemplares delas, algumas com pequis nos respectivos bicos!

      Muitos bichos depois, chegamos ao mirante natural da cachú São Domingos...
       
      Cachoeira São Domingos
      Respirações suspensas, expressões estupefatas... Até agora, não encontramos a palavra exata para descrevê-la... BELÍSSIMA! EXUBERANTE! ENCANTADORA!*
      Para quem conheceu o *"Buraco das Araras" em Formosa... 3 ou 4x o diâmetro dela x 96 m de altura. Para quem conheceu o "Véu de Noiva da Chapada dos Gimarães...mais bela na nossa opião!

       

      Após muitas fotos e contemplações, ficamos por uns 40 min procurando a trilha para descer até seu poço.
      Já estávamos desistindo da descida, quando um som de esperança inundou o ar... uma moto estacionou: era uma das moradoras da casa logo na entrada do terreno de acesso à cachoeira. Apontou-nos o início da trilha ao lado da cerca da propriedade. Após uns 15 min de percurso no sentido contrário à cachoeira, em um caminho plano, a trilha inicia uma descida relativamente inclinada rumo ao vale; por baixo, retorna-se por cerca de 1 km em direção à cachoeira e VOILÁ: a queda belíssima e o poço magnífico!! Dá pra chegar bem embaixo da cachoeira, como é possível ver na foto abaixo.


      Após uns 40 min, vimo-nos obrigados a abandonar o paraíso recém-encontrado e retornar: já eram 17h40h. Não queríamos correr o risco de retomar a trilha, em geral bem marcada, mas com alguns trechos que requeriam um pouco mais de atenção, e realizar a subida no escuro.

      Ao chegarmos no topo, não pudemos apreciar o pôr do sol... dia nublado. Mas, fomos premiados com um belo passarinho azul da cara preta e mais 2 casais de curicacas.
       
      Como chegar: a partir da Abóbora, há uma estrada de chão de aproximadamente 40 km (digitar Cachoeira de São no Google Maps)
       
      Início da noite. Já na estradinha deserta em direção à Caiapônia avistamos 3 belíssimos veados (um deles galhado), pastando serenos até que o Anderson tentou tirar uma foto deles e... saíram em disparada!
       
      Chegamos famintos na cidade e fomos jantar no Varandas: restaurante e lanchonete do Daniel, próximo à Universidade Rio Verde. Recomendamos o delicioso macarrão ao molho branco.
       
       Dia 17/11, sexta feira

      Cachoeira e Corredeiras Santa Helena
      Local de acesso facílimo, extenso, prazeroso, com variados poços e cascatas. À direita da estrada, sobe-se para um dos seus melhores e maiores poços. Contaram-nos depois que em algum ponto mais acima há um encontro de águas quentes e frias, com uns ótimos poços de banho seguindo pela esquerda.
       



      De volta ao carro e a caminho das Três Barras, em dois momentos distintos, avistamos tatus próximos à estrada.
       
      Como chegar: seguir 45 km pela GO-221 em direção a Doverlândia, seguir 13 km na GO-188 e entrar a esquerda onde há placa indicativa da Cachoeira Paraíso (acesso 2 km depois da Cachoeira Lageado), seguir por mais 11 km

      Cachoeira Três Barras
      Outro local que nos deixou estupefatos, boquiabertos e sem palavras...talvez DESLUMBRANTE! seja uma boa palavra para descrevê-lo. Ainda pouquíssimo conhecida pelos próprios nativos. Seguindo uma trilha bastante discreta após a segunda ponte, conseguimos chegar na cabeceira da que fica mais no alto (nível da estrada) e tomamos um banho nela. Pela lateral à sua esquerda, "achamos"(?!) uma trilha (discretíssima, cheia de folhas e plantas) que desembocou numa pirambeira perigosa. Retornamos, não sem antes perder o rumo de onde estava o nosso valente Fiat Uno Mille, embrenhados que estávamos literalmente num mato sem cachorro, porém pleno de carrapatos e micuins.
       


      No que pese a deslumbrante paisagem, não recomendamos esta aventura para turistas incautos ou iniciantes no trekking. Por enquanto e pelo que pudemos avaliar in loco, temos a firme convicção de que apenas pessoas com ampla experiência em trilhas, com os equipamentos necessário, possam fazer esse desfiladeiro magnífico!
       
      Como chegar: seguir 12 km pela GO-118 após o acesso para a Cachoeira Santa Helena e depois entrar a esquerda onde há placa indicativa da cachoeira e andar mais 13 km
       
      À noite, voltamos ao restaurante Varandas. O Rapha comeu e recomenda o Burritos de Frango. Fernanda não gostou do contra-filé com mandioca: estavam duros! E Anderson manteve-se na aposta segura e apetitosa do macarrão com molho branco!
       
      Dia 18/11, sábado chuvoso

      Mais um dia de aventuras, descobertas e encantos na Serra do Caiapó/GO.

      Excepcionalmente, fomos acompanhados do Guia Valdivino "Jacaré".

      Cachoeiras Salomão e Índio
      O estacionamento fica logo acima e à direita da cabeceira da Salomão. A descida foi tranquila, ainda que escorregadia (há cabo de aço para apoio). Queda de 26 m e um poço pequeno.


      Ao subirmos e nos dirigirmos à cachú do Índio, tivemos a enorme felicidade e emoção de ver bem próximo um belíssimo exemplar do Tamanduá Bandeira. Chegando em sua cabeceira, o Guia e o Raphael avistaram um Cangambá.

      A descida era muito inclinada, fechada e, por conta das chuvas, estava um pouco escorregadia. Mas mesmo assim o Anderson quis descer até o poço da cachoeira. Não teve jeito: lá foi o pobre do Jacaré acompanha-lo!  

      Fernanda e o Rapha aguardaram na cabeceira. Minutos depois, eles retornaram da empreitada sãos, salvos e felizes (desconfio que o guia mais ainda que o Anderson! ) Retornamos todos ao Valente Fiat Mille.

      Cachoeiras Rio Verdão e do Coqueiro
      Para chegar nelas, paramos o carro próximo à sede de uma fazenda e atravessamos a pé 1 km d'uma estrada barrenta, escorregadia e mais uns 600m d'um pasto verdejante, sob uma chuva fina.
      A descida foi tranquila. "Rio Verdão" consiste num paredão em formato de meia-lua com uma queda d'água abundante e um grande poço, mas o fundo estava com muitos troncos e (não sei se porque chovia?) a água estava escura. Quando saíamos dela, a chuva engrossou!
       

       
      A "Cachoeira do Coqueiro" é uma "irmã-menor" da Rio Verdão. Foi a nossa quarta e a mais difícil do dia, pois a fizemos varando o mato, SEM TRILHA, meio que às cegas e com chuva forte!
       


      Quando retornávamos absolutamente encharcados e com frio ao carro, o guia Jacaré informou que poucas vezes viera até ali, uma vez q os turistas preferiam ir nas atrações mais conhecidas e badaladas.
       
      Após um reconfortante banho quente no Hotel e deliciosas roupas secas, fomos no "Jantinha Ki Delícia", bem ao lado da Igreja Matriz. Um local simples, mas surpreendeu-nos com UM SHOW de DELÍCIAS e SABORES!!
      Tudo o que comemos estava DE-LI-CI-O-SO: a jantinha, os bolinhos de arroz, o caldo de galinha, o pudim de leite... PUTZ!! Afirmamos: quem ainda não provou as gostosuras feitas pela Dona Elma e sua filha, não sabe o que está perdendo.

      19/11/2017, domingo nublado

      Anderson e Raphael saíram cedo para uma aventura "exploratória" à Cachoeira Pantano. Fernanda que já estava cansadinha, com dores nos joelhos das aventuras dos últimos e intensos 4 dias, descansou até às 10h e depois foi bater pernas pela simpática e limpa Caiapônia. Tentei visitar a Igreja Matriz, mas estava fechada. A imensa Assembléia de Deus (logo em frente) estava em pleno funcionamento. Fui até a feirinha local, onde comprei alguns hortifrutigranjeiros a bom preço. E descobri que há mais hotéis e pousadas no Centro do que supõe nossa vã internet.
       
      *** [Agora é a parte que eu entro na escrita do relato... hehehe]

      Cachoeira Pantano
      A cachoeira é uma das mais próximas da cidade, a apenas 10 km dela. O dono da fazenda não permite o acesso de grupos ou pessoas que não estão acompanhadas por guia. Como não queríamos pagar um apenas para ir nessa cachoeira. Paramos o carro na estrada, pouco depois da ponte que passa sobre o rio da cachoeira, e seguimos andando pela beira da mata de galera/ciliar, acompanhando um tracklog. Há trilhas abertas na mata, tanto de um lado quanto do outro do rio. Atravessamos o rio e seguimos pela sua margem direita, acompanhando o tracklog. Chegamos ao ponto final e não achamos a cachoeira. Voltamos, acreditando que poderíamos ter passado ela, mas não a encontramos. Depois de algumas idas e voltas e de muita perda de tempo, consideramos que o tracklog estava errado e resolvemos seguir a nossa intuição.
      Seguimos então acompanhando a mata da margem direita do rio e depois de uma caminhada de aprox. 30 min a partir da ponte, avistamos a cachoeira deslumbrante do alto. Vista maravilhosa e uma grande satisfação de termos encontrado a cachoeira seguindo a nossa intuição.

      Infelizmente, como estávamos com o tempo um pouco apertado e também como não conseguimos ver facilmente uma trilha para descer até a parte de baixo da cachoeira, tivemos que deixar a vontade de conhecer a cachoeira por baixo para uma próxima viagem.
      Como chegar: GO - 221, 10km em direção a Doverlândia. Deixamos o carro na estrada logo após a ponte.
       
      Depois da cachoeira, voltamos ao hotel, tomamos banho, terminamos de arrumar nossas coisas e pegamos a estrada. Na saída da cidade, paramos para abastecer e percebemos que o restaurante do posto estava aberto. Era o único aberto no domingo. Comemos ali uma boa comida goiana no self-service com precinho camarada.
       
      Depois do almoço,  nos despedimos de Caiapônia, já pensando em um retorno para conhecermos a Pantano por baixo, a maravilhosa Cachoeira Alvorada (que segundo relatos estava com pouca água) e outras cachoeiras como a bela Campo Belo.
       
      Hospedagem: Hotel Palace Avenida. Limpo, organizado e observei que todos os dias a camareira promovia o arejamento e limpeza dos quartos - ainda que desocupados. Ótimo café da manhã. Apreciei, em especial, o capricho da cozinheira Márcia que procurava enfeitar as bandejas, fazendo esculturas com os alimentos. Apreciei também sua higiene e cuidado com os utensílios e ambiente de trabalho. Funcionários simpáticos.


×
×
  • Criar Novo...