Use o menu Tags para buscar informações sobre destinos! - Clique aqui e confira outras mudanças!

Ir para conteúdo

Posts Recomendados

Boa tarde mochileiros.

 

Quero fazer uma expedicao em Abril de 4 dias ao Jalapão.

Alguém pode me indicar agências por lá e media de preços para uma expedicao neste periodo?

 

Obrigada!!!! ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Glau!

Estive no Jalapão em Setembro deste ano, lá é massa!!!

Você vai conseguir um preço bem bom na Agência Leotour Ecoturismo e Aventura. É a agência do meu amigo, Leonardo. Tente entrar pelo Facebook e você vai conferir várias fotos!

Qualquer coisa, me chama por aqui.

O Jalapão é brutooooooooooooooo!!! Você vai entender quando chegar lá!

 

Qualquer coisa me add no face...

 

Abraços!!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá!!

Eu, meu marido e meu filho de 15 anos somos de Brasília e acabamos de voltar, em Janeiro de 2016, de uma experiência incrível no Jalapão.

Nós havíamos contratado o sr. Beleco como responsável pelo nosso passeio. Ele foi muito atencioso mas terceirizou o serviço com um rapaz chamado NENEM. Ele abriu uma empresa recentemente e é um guia muito experiente e nos levou aos principais pontos turísticos do jalapão no contra fluxo dos demais grupos o que nos deu a chance de estarmos quase sempre sozinhos, sem pegarmos filas ou termos que dividir espaços, muitos deles pequenos, com outras pessoas. Isto nos deu muita privacidade e mais tempo para desfrutar de cada atração.

Eis o contato: (63) 8472-0830 Whatsapp, (63) 8458-3184, [email protected]ão.com, site_nenemjalapão.com

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • Por laurantoniassi
      Gente, gostaria de indicaçao de campings bem basicos no jalapao, tambem gostaria de saber se é permitido camping selvagem no parque estadual e, pra quem ja teve essa experiencia como é; obrigada
    • Por Bete Pandini
      Olá! Vou em dezembro/2017 para Tocantins, Jalapão chego dia 27/12 15h em Palmas e fico até 04/01/2018, queria combinar Jalapão 5 dias + 02 dias Ilha do Bananal, alguém pode ajudar? Preciso de guia para o Jalapão e para Ilha do Bananal. Alugo carro 4x4 ou agÊncia? Somos um casal com experiência em dirigir com off-road. Alguém indo para lá na mesma época?
    • Por Santiago Asox
      Olá, companheiros de viagem. Espero poder ajudar vocês com o relato do meu roteiro ao Jalapão e à Chapada das Mesas. Fui eu e minha namorada. A nossa viagem ocorreu entre os dias 22/07 e 02/08 do ano de 2017. Ficamos quatro dias no Jalapão e mais quatro na Chapada das Mesas. Saímos de carro de Brasília no dia 22/07 em direção a Ponte Alta do Tocantins-TO, cidade considerada o portal de entrada do Jalapão. São por volta de 770 km de distância. Fui por dentro da Chapada dos Veadeiros, onde você tem o privilégio de desfrutar lindas paisagens. As cidades referências pelo caminho são Alto Paraíso-GO, Campos Belos-GO, Arraias-TO, Natividade-TO, Chapada da Natividade-TO e Pindorama-TO. Há um trecho de estrada de chão de 65 km para se chegar a Pindorama. As rodovias estavam em boas condições. A viagem durou 10 horas, saímos às 6h de Brasília e chegamos às 16h em Ponte Alta. O trecho de terra aumentou um pouco o tempo de duração da viagem. Essa parte do relato é mais para auxiliar pessoas que partirão de carro de Brasília. Pra quem for de avião, tem a opção de alugar um veículo 4x4 em Palmas ou contratar uma agência que busca os turistas em Palmas. Há a possibilidade de incluir a Chapada dos Veadeiros no roteiro, a depender do seu tempo e disposição, ou trocar a Chapada das Mesas pela dos Veadeiros. Eu optei pela das Mesas por ser de Brasília e já ter ido algumas vezes à dos Veadeiros.
      JALAPÃO
      Vou iniciar com algumas considerações que acredito ser importantes para quem vai ao Jalapão.
      - CARRO. É necessário um veículo 4x4 para trafegar pelo Jalapão, ao menos no período de seca, de junho a setembro. Vi um carro sem tração, no caso um doblô, atolar várias vezes e sempre precisar de resgate;
      - GUIA. Eu optei por ir com um guia e recomendo. Acredito que ganhei tempo e segurança estando com o guia. Além disso, tivemos a felicidade de ir com um guia que nos falava sobre a fauna e a flora do Jalapão, que nos chamava a atenção para os animais, identificando-os, que nos contou as histórias dos morros e das serras. Enfim, o guia não era uma seta humana. Fizemos nosso roteiro e apresentamos ao guia, que foi bem solícito para que pudéssemos aproveitar ao máximo o Jalapão. Mas ressalvo que há pessoas que vão sem guia e conseguem ir a grande parte dos lugares. O guia que foi conosco é conhecido como China, telefone (63) 98432-6518. Recomendo-o. Tenho contato de outro guia, que foi quem nos ajudou muito durante o planejamento da viagem, mas não foi conosco por já ter outro passeio no mesmo período. Um cara muito tranquilo e gente boa. Oziel o nome dele, telefone (63) 98424-5822. A diária do guia custa R$ 150,00. O guia Oziel também faz o passeio no carro dele. Acredito que dessa forma seja R$ 600,00 a diária. Vão até 4 pessoas no carro, mais o guia;
      - DINHEIRO. Há poucas opções de caixa eletrônico. Em Ponte Alta, onde há melhor estrutura, só tem Bradesco e Correios, pra quem tem conta no Banco do Brasil. Não sei se tem lotérica, mas deve ter. Alguns restaurantes e pousadas aceitam cartão. Os postos de combustível passam cartão;
      - HOSPEDAGEM. Há poucas opções de hospedagem e os valores nas pousadas, no mês de julho, variaram entre R$ 140,00 e R$ 270,00, o quarto de casal com café da manhã;
      - ALIMENTAÇÃO. Há lugares para jantar em Ponte Alta, Mateiros e São Félix. Contudo, quanto ao almoço, haverá dias em que não será possível almoçar. A refeição custa em média R$ 35,00 por pessoa. Leve lanches a seu critério para comer durante o dia, pois também não há paradas para lanches. Eu e minha namorada somos vegetarianos, mas mesmo assim conseguimos nos alimentar numa boa;
      - GASTOS. A entrada nos fervedouros custa entre R$ 15,00 e R$ 20,00. Nas Dunas é sugerido uma contribuição para manutenção do local e normalmente as pessoas contribuem com R$ 5,00. Fora isso, só é cobrada entrada nas cachoeiras do Formiga, do Prata e das Araras, cujas entradas variam entre R$ 10,00 e R$ 20,00;
      - LEVE REPELENTE E PROTETOR SOLAR. Porém, é proibido utilizá-los nos fervedouros, por questão ambiental.
      1º DIA (23/07) - (Cachoeira da Fumaça / Rio Soninho / Cachoeira do Rio Soninho / Pedra Furada)
      Nesse primeiro dia fomos à cachoeira da fumaça, que tem esse nome por conta da nuvem de fumaça formada por sua volumosa queda d’água. Logo no início do caminho vale a pena sair alguns metros da estrada para ir ao pé do Morro da Cruz. De Ponte Alta até a cachoeira da fumaça são 90 km, sendo 70 km em estrada de chão. Após, voltando pelo mesmo caminho, tomamos banho no Rio Soninho, apreciamos a bela cachoeira do Rio Soninho, e assistimos ao pôr do sol da Pedra Furada. Nesse dia não há parada para almoço. Dormimos novamente em Ponte Alta. Fotos da Cachoeira da Fumaça e da Pedra Furada. Ao fundo da Pedra Furada está o Morro da Cruz.


      2º DIA (24/07) - (Cânion da Sussuapara / Cachoeira do Lajeado / Cachoeira da Velha / Rio Novo / Dunas do Jalapão)
      Daqui pra frente é tudo estrada de chão. Encha o tanque em Ponte Alta, pois em Mateiros e São Félix o litro da gasolina custou R$ 5,25. Saímos às 8h30 de Ponte Alta com destino final Mateiros. Esse é o dia mais longo da viagem. Percorremos 225 km. Mas curtimos cada momento. Cada lugar visitado oferece uma beleza única e peculiar. Essa é uma característica do Jalapão. O Cânion com suas paredes cobertas por vegetação e água brotando de vários pontos das rochas, a beleza e o banho da Cachoeira do Lajeado, a força e o volume d’água da Cachoeira da Velha, o refrescante banho no Rio Novo e, por fim, as Dunas do Jalapão no meio da imensidão do cerrado. Da estrada nesse dia avistamos os Morros da Bigorna, Saca-Trapo e Dedo de Deus. Nesse dia também não há parada para almoço. Fotos do Cânion da Sussuapara, da Cachoeira da Velha e das Dunas do Jalapão com a Serra do Espírito Santo ao fundo.



      3º DIA (25/07) - (Serra do Espírito Santo / Fervedouro Buriti / Fervedouro do Ceiça / Cachoeira do Formiga / Fervedouro Encontro das Águas / Rio Encontro das Águas / Comunidade Mumbuca)
      Neste dia levantamos às 3h45 para assistir ao nascer do sol da Serra do Espírito Santo. Saímos da pousada em Mateiros às 4h10 e chegamos ao sopé da Serra às 4h45. São 24 km no sentido de Ponte Alta. Levamos lanche pra comer durante o trajeto. Gastamos 30 minutos pra subir a Serra, fazendo algumas paradas no caminho para recuperar o fôlego. Sugiro levar uma blusa de frio, porque até o pleno amanhecer faz frio no topo. Foi uma das melhores aventuras no Jalapão. Foi muito bom curtir a paz lá de cima, o vento forte, o horizonte e os primeiros raios solares. Após o nascer do sol, caminhamos três quilômetros pelo topo da Serra até o mirante voltado para as Dunas do Jalapão. Contando subida e descida da Serra, mais a trilha no topo, são 8 km de caminhada. Aproveitamos bastante a Serra e chegamos de volta à pousada às 9h. Tomamos café da manhã e partimos em direção ao fervedouro do Buriti e depois ao do Ceiça. Cada fervedouro tem seu encanto e em alguns a pressão da água é maior. Acredito que o fervedouro Encontro das Águas seja imperdível, por ser o mais forte e dar a melhor sensação de não afundar. Depois do fervedouro do Ceiça, fomos almoçar na cachoeira do Formiga. Cachoeira bonita, água com tom esverdeado e boa pra banho. Em seguida, fomos ao fervedouro Encontro das Águas e nos lavamos, literalmente, no encontro das águas do Rio Formiga com o Rio Soninho. Disse que nos lavamos porque o fervedouro Encontro das Águas é tão forte que você sai cheio de areia. Para finalizar o dia, fomos à Comunidade Quilombola Mumbuca, onde compramos artesanatos de Capim Dourado e conversamos com alguns membros da comunidade, que nos contaram um pouco de sua história. Foi bacana. Depois de tudo isso, às 18h, partimos para São Félix do Tocantins, onde chegamos às 19h30. Gostaríamos de ter ido na Cachoeira do Prata, mas o tempo não foi suficiente. Sugeriria um dia a mais no Jalapão, a quem interessar visitar essa cachoeira.  Fotos do nascer do Sol do alto da Serra do alto Espírito Santo e da Cachoeira do Formiga.


      4º DIA (25/07) - (Fervedouro Bela Vista / Cachoeira das Araras / Serra da Catedral / Morro do Gorgulho)
      Tínhamos programado de fazer o Rafting no Rio do Sono neste dia, mas desistimos porque não formou grupo e pra ir só nós dois ficaria mais caro. A quem interessar, o Rafting geralmente sai da Cachoeira das Araras e tem duração de uma hora e meia. O preço normal é R$ 150,00 por pessoa. Também fazem Rafting no Rio Novo e acredito que os passeios sejam fechados em Mateiros. Há descidas de algumas horas e de até três dias. Dando continuidade à viagem, fomos ao Fervedouro Bela Vista, que é o maior e também é considerado o mais bonito, depois à Cachoeira das Araras, com água límpida e boa para banho, e um ponto para almoço, mas solicitam agendar. Optamos por não ir ao Fervedouro Alecrim, pois já tínhamos sentido a emoção de outros fervedouros e abrimos mão deste. Voltando à estrada, percorremos 140 km da Cachoeira das Araras até Novo Acordo. No caminho pode se avistar ao longe o Morro do Cachimbo ou Fumo e passa-se ao lado da Serra da Catedral e do Morro do Gorgulho. Morro do Gorgulho, ou Vermelho, ou dos Macacos, tratam-se do mesmo lugar e com certeza merece uma parada. Há uma pequena trilha, bem leve, que leva ao topo, de onde se tem um lindo visual. Natureza pura ao redor, vento forte e sensação de muita paz. O Morro do Gorgulho encerra com chave de ouro nossa viagem ao Jalapão. De Novo Acordo até Palmas são 110 km de estrada asfaltada. Fotos do Fervedouro Bela Vista e do Morro do Gorgulho.          


      Por fim, como considerações finais sobre o Jalapão, tenho a dizer que há a possibilidade de fazer o trajeto inverso do que nós fizemos, ou seja, de Novo Acordo a Ponte Alta. Nós optamos por dar a volta completa no parque, já que a distância de Mateiros até Palmas por Novo Acordo é só um pouco maior do que a distância de Mateiros até Palmas por Ponte Alta e também levando em consideração a qualidade das estradas. Se decidir ir somente até Mateiros, o roteiro geralmente vai até a Cachoeira do Formiga.
      DIA 27/07 (VIAGEM DE PALMAS-TO A CAROLINA-MA)
      A continuidade da viagem para a Chapada das Mesas é mais tranquila. Após passarmos a noite em Palmas e conhecermos um pouco da cidade pela manhã, partirmos após o almoço rumo a Carolina-MA, cidade sede para conhecer a Chapada das Mesas. Foram cinco horas e meia de viagem. São 460 km de Palmas até lá. As cidades pelo caminho são Lajeado, Miracema do Tocantins, Miranorte, Colinas do Tocantins e Filadélfia. A estrada entre Miranorte e Colinas do Tocantins, que faz parte da BR Belém/Brasília, é bem movimentada. Entre Colinas do Tocantins e Carolina há um trecho um pouco ruim, com alguns buracos. É necessário pegar uma balsa para atravessar o Rio Tocantins, de Filadélfia-TO para Carolina-MA. Custa R$ 21,50 a travessia. Durante a madrugada custa R$ 28,00. Em Carolina já há mais opções de hospedagem.
      CHAPADA DAS MESAS
      1º DIA (28/07) - COMPLEXO DA PEDRA CAÍDA e PORTAL DA CHAPADA
      O Complexo dista 35 km de Carolina, na direção de Imperatriz. Esse lugar foi o mais decepcionante de toda viagem. Não o indico a ninguém que goste de um contato livre com a natureza. Trata-se de um complexo turístico em que se paga R$ 60,00 para entrar (há meia-entrada). Dentro do complexo há sete cachoeiras acessíveis, piscinas, toboáguas, tirolesas e teleférico. O acesso às piscinas e aos toboáguas é "gratuito". Todos os demais atrativos são pagos à parte, ou seja, fora o valor da entrada. Até pra subir e descer a pé o morro que dá acesso às tirolesas tem de se pagar (R$ 25,00). As piscinas têm boa estrutura, mas os toboáguas não são nada de mais. Há duas tirolesas, sendo uma delas com 392 metros de altura e 1400 metros de comprimento. É possível verificar os valores de todos os passeios no site do complexo. Acho que querem passar a imagem de um ultra/mega empreendimento de lazer, com passeios espetaculares, mas infelizmente no meu ponto de vista não é nada disso. Quero dizer que li alguns relatos negativos sobre o lugar antes de ir, mas mesmo assim achei que poderia valer a pena, que o lugar deveria ser mesmo muito bonito e valer a visita e o dinheiro gasto. Ledo engano. Quando você chega ao local, te direcionam a uma sala, onde há um breve relato sobre todas as atrações do complexo. De lá você se dirige aos guichês para comprar os passeios em horários pré-fixados. Optamos por visitar as cachoeiras Caverna e Capelão, e a cachoeira do Santuário. Acredito que são as mais procuradas. Pagamos mais R$ 50,00 pela Caverna e Capelão, e mais R$ 30,00 pela Santuário, por pessoa. Não há meia-entrada. Fomos num pequeno caminhão para as cachoeiras da caverna e capelão. Não deu 15 minutos o caminho de ida e volta no caminhão. A cachoeira da caverna é bonita. A do Capelão é comum. Foi nessa cachoeira do capelão que nos demos conta que aquele lugar não era pra gente. Digo isso porque, muito embora os passeios sejam guiados, as cachoeiras foram depredadas por pessoas que acham marcante escrever seu nome nas pedras. Mas não sei se isso é o pior. Como a chapada das mesas tem forte presença de arenito em suas formações, na cachoeira do Capelão algum inconsequente do complexo teve a infeliz ideia de abrir buracos nas rochas para que as pessoas pudessem fazer uma pequena escalada e ficar embaixo da queda d’água. Ao ver aquilo, somado aos valores que nos foram cobrados por passeios tão simples, a vontade que nos deu foi de ir embora naquele momento. Não fomos porque queríamos conhecer a cachoeira do Santuário. Entretanto, acabou sendo desapontador também. Caminhamos por uma pequena trilha toda sobre passarela, no horário pré-determinado, com mais umas 50 pessoas e o guia. A cachoeira tem uma queda de 46 metros, cercada por cânions. Algo surreal. O pesar é o fato de suas paredes também terem sido riscadas e a falta de tranquilidade para curtir o lugar numa boa. Falo isso por conta do excesso de pessoas que vão juntas à cachoeira. Ao retornarmos, só aguardamos um tempo para irmos direto ao Portal da Chapada assistir ao pôr do sol de lá. Como consideração final sobre este local, eu pessoalmente não sei se vale a pena visitar, talvez valha pela cachoeira do Santuário, mas mesmo assim, há muito que ponderar, especialmente quanto ao custo-benefício. Claro que minha opinião se baseia nos meus gostos. Outros podem ter uma visão totalmente diferente. Foto da Cachoeira do Capelão com as marcas da falta de respeito e consciência.

      PORTAL DA CHAPADA
      O Portal da Chapada fica a 15 km do Complexo da Pedra Caída, no caminho de volta para Carolina, do lado direito. É cobrado R$ 10,00 pra subir (tem meia-entrada). No alto do morro, esculpido na rocha, há uma fenda que lembra o formato do estado vizinho, o Tocantins. Lá de cima se tem uma linda vista da Chapada, com seus morros, inclusive o do Chapéu, e de grande extensão de cerrado. O início da subida é um pouco cansativo, por ser em areia, mas o restante é em pedra. É uma subida rápida e relativamente tranquila. Além do belo pôr do sol, o que nos marcou intensamente no portal foi a oportunidade de ver casais de araras vermelhas, gaviões, papagaios, periquitos, além de outros pássaros, que têm ninho no topo do morro e que ao final do dia saíram em revoada, passando bem próximos de onde estávamos. Mas para ver isso, caminhe pelo topo, pelo lado direito da pedra. Foi emocionante. A foto mostra o Morro do Chapéu do alto do Portal da Chapada das Mesas.

      2º DIA (29/07) - CACHOEIRAS DO ITAPECURU e SUBIDA DO MORRO DO CHAPÉU
      As cachoeiras do Itapecuru ficam a 30 km de Carolina, sentido Riachão. São duas cachoeiras, também conhecidas como cachoeiras gêmeas, com ótimo espaço pra banho. São muito bonitas. O único porém fica por conta do grande número de pessoas que as visitam no mês de julho. Já tínhamos ciência disso e fomos por escolha própria. Mas foi legal. Em um período menos concorrido, deve ser bem melhor. Há dois pontos de acesso a essas cachoeiras. Cada um fica de um lado do rio. Nós optamos pela entrada pelo Balneário Novo Banho, que fica antes da ponte, à direita. O acesso é por um povoado na beira da estrada. E não foi por acaso. O proprietário do acesso mais famoso, chamado de Itapecuru, invadiu a área do curso da água e fez um deck de cimento pra colocar mesas e cadeiras, destruindo a mata ciliar e desviando o curso do rio. Algo inacreditável. Evite o acesso por este local. Não contribua com quem faz algo assim. Além de que, o valor da entrada pelo Balneário Novo Banho custa R$ 10,00, enquanto o outro, R$ 30,00. Ambos têm meia-entrada. Visitamos essas cachoeiras pela manhã. Fotos de uma das cachoeiras gêmeas e do deck que foi construído no curso do rio.


      MORRO DO CHAPÉU
      Depois de almoçarmos nas cachoeiras do Itapecuru e descansarmos um pouco por lá mesmo, partimos às 15h para subir o morro do chapéu. O morro tem cerca de 400 metros de altura e a trilha até o topo por volta de 500 metros. Contratamos um guia. Não sei se é possível ir sem guia. O guia que contratamos se chama Cleiton. O telefone dele é (99) 99148-8050. Também fomos com ele para as Cachoeiras da Prata e São Romão, cujo relato vou expor na sequência. Um guia muito bom, tirou fotos e nos deixou bem à vontade durante os passeios. Cobrou-nos R$ 150,00 por cada dia. São por volta de 24 km de Carolina até o morro, sendo 16 km em estrada de chão. Se não estiver em carro tracionado, tem de deixar o carro 1 km antes do sopé do morro e ir a pé. A subida é mais intensa do que a da Serra do Espírito Santo, no Jalapão. O nível de dificuldade é maior por conta da subida ser mais íngreme e a trilha ter pedras soltas. Necessário ter mais cuidado. Em julho, no período da tarde, sobe-se pela sombra, o que facilita demais. Gastamos por volta de 35/40 minutos pra subir. Do topo avistamos a cidade de Carolina, o Rio Tocantins, o Portal da Chapada e outros morros ao redor. Assistimos o sol se pôr ao fundo do Rio Tocantins. Logo que a estrela maior sumiu no horizonte, já pegamos o caminho de volta para iniciar a descida ainda com um pouco de luz natural. Foi essencial, porque o primeiro trecho da descida é o mais trabalhoso e perigoso. Após, mesmo com o anoitecer, o restante da descida foi tranquilo. Foto do pôr do Sol do topo do Morro do Chapéu.

      3º DIA (30/07) - CACHOEIRAS PRATA E SÃO ROMÃO
      Ficam a 85 km de Carolina, direção de Imperatriz, sendo 50 km em estrada de chão. É necessário veículo 4×4 e a companhia de um guia. Ficam dentro do Parque Nacional da Chapada das Mesas. É recomendável sair de Carolina 8h30 para aproveitar melhor o dia. Peço desculpas por não recordar o valor exato de entrada de cada uma, mas me lembro que não pagamos mais de R$ 20,00 por pessoa em nenhuma das duas. E há meia-entrada em ambas. São grandes cachoeiras, com bastante volume d’água, principalmente a São Romão. Em ambas há espaço para banho, ao menos na época de seca. Primeiro fomos na Prata, onde almoçamos. É possível almoçar na São Romão também, onde até há uma melhor infraestrutura. Mas não nos arrependemos de termos almoçado na Prata. Fomos muito bem recebidos por um senhor bem simples, que nos preparou uma deliciosa comida caseira pelo valor módico de R$ 20,00 por pessoa. Na nossa opinião, é um dos passeios mais bonitos da Chapada das Mesas, juntamente com a poço azul e o encanto azul. Não pode ficar fora do roteiro. Foto da Cachoeira São Romão.

      4º DIA (31/07) -  ENCANTO AZUL e POÇO AZUL
      São 135 km de Carolina, na direção de Riachão. Fica 25 km depois de Riachão e há um trecho em estrada de chão. Para este trecho não é necessário carro tracionado e há placas indicando o caminho. É recomendado sair por volta de 8h de Carolina, para aproveitar a incidência do sol tanto no encanto azul quanto no poço azul, que ocorre entre 10h e 14h. Melhor ir durante a semana. Disseram ter muita gente aos finais de semana. É um dos melhores passeios da Chapada das Mesas.
      ENCANTO AZUL
      Fomos primeiro no Encanto Azul, que é um poço, cuja água tem um tom azulado. Não faz parte do Poço Azul. Após chegar ao poço azul, tem que percorrer mais 6 km em estrada de areia. Não há como ir sem carro tracionado. Há camionetes no local que cobram R$ 20,00 por pessoa pra levar até lá. O cenário é deslumbrante. Para se chegar até o poço, desce-se uma longa escada, que dizem ter 140 degraus e está em boas condições. Dá pra descer e subir numa boa. Não há restaurante no local. Banheiros só lá em cima, na entrada. Não deixe de levar máscara e snorkel para apreciar o fundo do poço e os peixes. Melhor horário para ir é entre 10h e 13h, quando o sol incide no poço. A entrada custa R$ 20,00 e aceitam meia-entrada. Pagamento só em dinheiro. Optamos por ir ao Encanto Azul primeiro por conta do horário do sol e também para almoçarmos e aproveitarmos o restante do dia no Poço Azul, onde há mais atrativos e um restaurante Self-service. Foto do Encanto Azul.

      POÇO AZUL
      É um complexo turístico que abriga, além do poço azul, seis cachoeiras. No trajeto até o poço, feito por passarelas, passa-se por todas as cachoeiras. Mas ao chegarmos, fomos direto ao poço azul, para apreciá-lo ainda com o sol resplandecendo no poço. Além da beleza, é um delicioso lugar para banho. Depois fomos almoçar. As principais cachoeiras são a Santa Bárbara, que é a mais alta da Chapada das Mesas, com 70 metros, a Santa Paula e a dos Namorados. Há uma tirolesa de 300 metros no local. A entrada custa R$ 50,00, também há meia-entrada e dá direito a todos os atrativos, exceto à tirolesa. Aceita cartão. Neste lugar encerramos toda a nossa viagem. Foto do Poço Azul.

      Há mais ainda o que fazer na Chapada das Mesas e na cidade de Carolina. Na cidade de Carolina vale assistir ao Pôr do sol do Rio Tocantins e caminhar pela cidade à noite para conhecer sua história e um pouco da sua vida. Há opções interessantes para jantar e lanchar à noite. Já na Chapada das Mesas, há ainda outras opções de cachoeiras, como as cachoeiras Adeia do Leão, da Mansinha e do Dodô, que ficam a 18, 27 e 30 km, respectivamente, de Carolina, todas na direção de Imperatriz. São cachoeiras pequenas, mas boas para banho. Tem de passar por estrada de chão, mas não tenho conhecimento das condições. Importante perguntar aos locais antes de ir. Obtive essas informações num mapa que consegui no hotel e em conversa com pessoas da região.
      No regresso a Brasília, decidimos voltar pela Chapada dos Veadeiros, mesmo sendo 150 km mais distante, pois a rodovia Belém-Brasília tem grande fluxo de veículos e nos pareceu bem perigosa, exatamente o contrário da estrada que passa por dentro da Chapada dos Veadeiros.
×