Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

  • 0
rafa_con

Ajuda: Jalapão com Lençóis Maranhenses?

Pergunta

Então pessoal, já agradeço desde já se uma boa alma conseguir dar uma luz. 

Estou ensaiando montar um roteiro de 15 dias que saia do Jalapão e vá até os Lençóis Maranhenses passando (ou não) pela Chapada das Mesas. Seria uma passagem de São Paulo > Palmas e volta São Luís > São Paulo. O obstáculo: não dirijo. 

A vasta maioria dos roteiros que vejo aqui por essa região envolve locar um carro ao menos para ir de Palmas até Carolina. Gostaria de saber se é tão fim do mundo assim usar transporte público entre Palmas x Carolina e depois Carolina x São Luís. Alguém da região sabe dar informações atuais sobre isso? Por favor, tudo no preço mochileiro de ser, estou pulando fora de transfers VIP (mas também não estou na aventura de pedir carona). Na verdade acho que é mais ajuda pra ver se é possível concretizar esse roteiro sem carro sem perder tanto tempo. 

Valeu! 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

5 respostass a esta questão

Posts Recomendados

  • 0

@rafa_con Nem linha de ônibus tem,Tocantins é terra de latifundiários, então é raro você ver uma pessoa.

Terá que fazer 2 viagens, pois de São Luís também só tem a Barreirinha ,onde estão os Lençóis. 

Ou seja,o problema é sair do Tocantins e chegar a São Luís, não sei se conseguirá chegar a Imperatriz, pois conheço os 2 destinos, menos esse meio justamente por causa disso.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0

@D FABIANO entendi... eu estava vendo aqui, acho que rola ir de ônibus de Palmas para Araguaína... Daí entre Araguaína para Carolina eu teria ver o quer fazer. Deve haver algo não muito caro porque parece que quem vai pra Carolina desce no aeroporto de Araguaína, teria que pesquisar. Daí de Carolina até São Luís são 12 horas parece de ônibus (o trajeto entre São Luís e os Lençóis já tô pensando em outro esquema, a problemática são esses trechos mencionados). Será que fica razoável? Claro que haja disposição pra ficar em ônibus mas parece possível. E também acho que precisaria de mais dias... Talvez uns 17 dias. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

@rafa_con Eu não teria essa disposição,pois lá não deve ter nada para se ver.

Como disse,conheço até o Jalapão,e de São Luis a Barreirinha,um curto percurso feito pela Cisne Branco.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

Eu avaliei este roteiro e a forma mais prática seria ir de avião até palmas --> Jalapão --> Palmas --> SP --> São luis --> SP. E os roteiros nas capitais, fazer de carro ou transfer. De carro até daria pra ir.. ou Ônibus mas vai perder muitos dias que poderiam ser aproveitados em passeios.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0

Para ir de Palmas à Araguaína são comuns micro-ônibus como desta cooperativa que tem vários horários diários: https://www.facebook.com/pg/Cooperban-Cooperativa-978105678959385/about/?ref=page_internal

Também tem a Bueno Viagens (telefone (63) 3415-1582)  e a JamJoy  ( Telefone: (63) 3413-1166) que fazem este percurso em ônibus de turismo. E custam R$ 72,00. Para fins de programação estas viagen levam em torno de 7 horas.

Na estação rodoviária de Palmas saem vários ônibus de diversas empresas para Araguaína, não é problema. De Araguaína na rodoviária mesmo vai te informar em um ponto de venda no canto direito do prédio sobre o que chamam de "vans", na realidade micro-ônibus, para Filadélfia que é na margem oposta a Carolina esta que é a base para a Chapada das Mesas para atravessar o rio é em uma balsa para automóveis e caminhões. De Carolina para São Luis tem várias opções de transporte veja em relatos na internet tem até por trem da Vale.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder esta pergunta...

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por guilhermenavarro
      Duração: 7 dias, passando a primeira e a última noite em Palmas.
      Veículos: Duster 1.6 (Movida), Renegade 1.8 (Unidas). 09 pessoas.
      Acesso aos atrativos sem carro 4x4: Ao fim do texto há uma lista dos atrativos visitados e especificações sobre o acesso.
      Época do Ano: Fim da estação chuvosa, início da estação seca. Caíram apenas algumas gotas de chuva durante a semana.
      Roteiro básico: Palmas – Ponte Alta – Mateiros – cidade de Rio da Conceição – Pindorama do Tocantins – Palmas. Foram percorridos cerca de 1200 km.
      Custo por pessoa: cerca de 800 reais + passagem aérea. O valor total da viagem foi contabilizado e dividido entre as 09 pessoas do grupo pelo aplicativo Tricount. Nesses 800 reais considera-se quase tudo o que foi gasto, inclusive passeios, camping, hostel, almoços, aluguel de carro e combustível.
       
      Domingo, 29/04. Palmas, Praça dos Girassóis, Praia da Graciosa, Hostel Aconchego.
      Aluguel de Veículos
      Alugamos a Duster pela Movida. Foi pago 926 reais pelos 7 dias; a Movida não oferece franquia reduzida, sendo que o valor é de 1800 reais e caso o dado ao veículo seja menor do que esse, paga-se o valor do concerto. Me ofereceram seguro contra terceiros, seguro contra pneu furado e vidros, porém não achei nenhum deles vantajoso.
      O outro veículo foi alugado na Unidas, lá eles oferecem o Renegade. Há uma vantagem: a franquia reduzida, que aumenta o valor do aluguel, porém a franquia fica por 500 reais. O valor total pago pelos 7 dias foi de 1400 reais.
      Mas porquê a busca pela franquia reduzida? Já prevíamos que as estradas de terra, pedra e areia fossem danificar esses veículos, especialmente o Renegade, que é mais baixo e que não possui um local feito pra que se amarre a corda ou cinta pra viabilizar o reboque. A Duster possui um ferro com um furo no meio, tanto na dianteira como na traseira que facilita muito o reboque.
      Porquê não alugar uma 4x4? É simples, em Palmas o valor da 4x4 era quase 5 vezes maior que o da Duster e do Renegade, por volta de 4.500 reais durante o mesmo período de uma semana.
      Conhecendo Palmas
      Cheguei em Palmas cerca de 06 horas antes do resto do grupo, aproveitei pra conhecer a cidade, apesar de não achar muita coisa pra se fazer por lá.
      Conheci o Palácio do Araguaia, de fato bem bonito. Próximo a ele ficam dois monumentos em homenagem a Luis Carlos Prestes e à Coluna Prestes.
      Após o passeio cultural, achei legal ir conhecer as praias que margeiam o Rio Tocantins. Elas em geral são cercadas por uma rede que impede a entrada das Piranhas (ainda bem hahaha). Conheci a Praia da Graciosa, é simpática, mas não é grande coisa; pude me refrescar enquanto esperava o resto do pessoal.
      A cidade de Palmas parece uma USP gigante, pra quem conhece a Cidade Universitária... São inúmeras rotatórias e avenidas. As avenidas se estendem por muitos quilômetros, não há trânsito, é uma cidade planejada.
      Hospedagem
      Ao fim da tarde, fui atrás de um lugar pra ficarmos a primeira noite em Palmas. O primeiro lugar que fui, adorei! É o Hostel Aconchego (foto 1).
      Fiz o percurso entre o Aeroporto e o Hostel em cerca de 25 a 30 minutos. O lugar é bem bonito e aconchegante (hahaha é verdade), há uma rede do lado de fora, cadeiras e mesinhas. Do lado de dentro é muito limpo e organizado. Pagamos por volta de 40 reais por pessoas, com direito a um ótimo café da manhã – com uma série de ingredientes locais, um suco de Cajá maravilhoso, goiabada... meu deus hahahaha – e as ótimas dicas e conversas com a Ariela, moça que nos recepcionou no Hostel. Gostamos tanto do local que passamos nossa última noite lá, novamente

      Foto 1: Em frente ao Hostel Aconchego, com a Ariela (a esquerda).
      Feira Local
      A nossa janta foi numa feira local, pra mim o melhor lugar de Palmas. Pudemos encontrar muita comida boa e barata, além de artesanato feito com o capim dourado – num preço muito mais em conta do que se encontra no Jalapão.
      Na feira há muitos tipos de caldos, um que é muito bom e local é o Caldo de Chambari (R$ 7,50) (foto 2). Nós gostamos também de um prato que chama Jantinha, onde vem MUITA carne picada, arroz e feijão tropeiro (R$ 10,00).

      Foto 2
      Vale lembrar que passamos em um supermercado e garantimos mantimentos pra quase toda a viagem... muita água, miojo e pão! Hahahahah
       
      30/04 Ponte Alta – Dunas do Jalapão (Antes de Mateiros), via TO-255.
      Passeios do Dia: Cachoeira do Lajeado.
      O café da manhã no Hostel começava as 07. Saímos um pouco tarde, por volta das 09 horas de Palmas, uma vez que paramos numa loja de pesca pra comprar fogareiro.
      Fomos em direção a Ponte Alta, lá abastecemos o carro e seguimos sentido Mateiros pela TO-255. Quando falo o nome das estradas, não é porque está indicado, mas só pra vocês acharem elas no Google haahha
      A ideia inicial era ir para a Cachoeira da Velha, a 30 km da estrada principal, e terminar o dia nas Dunas, a 6 km da estrada principal. Não sabemos se carro sem ser 4x4 chega a Cachoeira da Velha, por ser muito longe deixamos de ir. Em relação as dunas, os 6 km seriam feitos a pé, não fosse a pick up que nos ofereceu carona na caçamba.
      Há um camping em frente à entrada das Dunas, cuja diária é 25 reais por pessoa. Passamos a noite por lá. Eles servem almoço, deve ser em torno de 30 a 35 reais, porém ficamos com o nosso miojo... o moço disse que seria complicado fazer a janta, pois não havíamos avisado que iríamos jantar lá, e então ele teria que matar a galinha ainda... ok né
      De fato, o que fizemos foi ir a Cachoeira do Lajeado (Foto 3), chegamos lá com certa tranquilidade sem carro traçado, além do fato do caminho até ela ser curto. A cachoeira é mais legal do que as fotos que vimos pela internet, talvez as pessoas tenham ficado apenas nas primeiras quedas.... Há uma pequena trilha, que qualquer pessoa com básico preparo físico consegue fazer e chegar no poço da cachoeira, onde há a maior queda.

      Foto 3
      Terminamos o dia na frente das dunas, porém chegamos após o anoitecer. Atolamos algumas vezes, a maioria delas bastava alguém empurrar pra desatolar. Em um dos casos, um guia que passou com turistas numa caminhonete 4x4 nos salvou! 😃
      O camping em questão era o da Dona Benita (Foto 4). Senhora muito simpática, com uma ótima cachaça 51 com Jalapa, uma batata da região.

      Foto 4: A cachaça fez efeito
      Tempo de Viagem Palmas-Ponte Alta-Dunas
      Não consigo lembrar exatamente quanto tempo demoramos no percurso Palmas-Ponte Alta-Dunas, o que é certo é que curtimos uma cachoeira ótima (por cerca de 2 horas) no meio do caminho, e que saímos de Palmas as 09 horas da manhã e chegamos nas dunas por volta das 19 horas da noite.
      Condição das estradas
      A estrada de asfalto que liga Palmas a Ponte Alta é ruim. Por vezes é um tapete, do nada há tantos buracos que você tem que escolher o menor e passar por cima. Tem que ir de vagar.
      A estrada que liga Ponte Alta a Mateiros passa pelo acesso a Cachoeira da Velha, pela Cachoeira do Lajeado, e pelas dunas é a pior do Jalapão, complicadíssimo para carros não traçados.
      Apenas pra explicar o que torna essa estrada (TO-255) complicadíssima: Os carros atolam quando passam pela Areia (foto X), pelo menos na época seca o problema não é lama. Além disso há inúmeras pedras e verdadeiros blocos na pista. Em um dos trechos, há um morro, onde passar por ele é tão complicado que colocaram um pouco de asfalto nesse trecho; o problema é que há tantos blocos antes do asfalto, e um degrau tão grande entre o asfalto e a pista de “terra” que tivemos que fazer uma força tarefa pra melhorar a pista e os carros passarem (fotos 5 e 6).

      Foto 5

      Foto 6: Haviam blocos de pedra muitos grandes logo antes de um pequeno trecho asfaltado, exatamente pelo relevo ser íngreme nessa porção da rodovia que liga Ponte Alta a Mateiros.
       
      01/05 Ponte Alta – Mateiros, via TO-255.
      Passeios do dia: Mirante do Espírito Santo, Cachoeira do Formiga.
      Para ver o nascer do sol no Mirante do Espírito Santo, saindo das dunas, acordamos 03:30, desmontamos as barracas, e saímos do Camping as 04:00.. 04:20. Atolamos algumas vezes logo após a saída do camping hahahaha, chegamos rapidamente ao acesso da trilha.
      Sem carro 4x4 não vale a pena pegar essa acesso, mas sim estacionar na própria estrada principal e percorrê-lo a pé, é muito curto.
      Não sabíamos disso, fomos de carro e a Duster atolou (foto 7); o Renegade conseguiu voltar e ficou pela rodovia.

      Foto 7: Duster atolada no acesso à partir da estrada principal para a Trilha do Mirante do Espírito Santo.
      Abandonamos o carro (Foto 8 ) no acesso. A trilha é bem pesada, porém curta. É pesada pois é muito íngreme.

      Foto 8: O carro acima, na rodovia principal é o Renegade. No meio do caminho é a Duster, atolada. Na parte inferior da imagem, estão os carros das agências de turismo. Um moço nos salvou ao nos desatolar! 😃 
      Suponho que a tenha subido em cerca de 30 minutos, parei pra descansar algumas vezes. É importante levar lanterna. É possível demorar muito mais do que 30 minutos pra fazer essa subida, é necessário estar em boa forma.

      Foto 9: O nascer do sol é mais bonito pra quem tá atolado ahahahha não nos rendemos à mafia da 4x4

      Foto 10: descida do Mirante do Espírito Santo

      Foto 11: Outra vista da mesma trilha... parece que a descida da Serra do Espírito Santo é mais bonita do que a vista do mirante em si...
      Lá em cima há a possibilidade de fazer uma outra trilha, de mais 3 km, onde se tem acesso a outra vista – das dunas e a erosão que dá origem às dunas. Não sabemos se é legal ou não, descemos rapidinho pra pedir ajuda a alguma caminhonete 4x4!
      Após desatolar, fomos rapidinho pra Mateiros, reabastecemos o tanque (gasolina por R$ 5,60, em Palmas é R$ 4,60). Fizemos breves reparos no parachoque, com enforca gato... pois descobrimos que alguns parafusos caíram, e um pedaço quebrou – isso nos custou ao fim da viagem R$ 500,00.
      Em Mateiros achamos uma Padaria, lá comemos demais, e gastamos de menos! O pão na chapa era 1 real, café 1 real... coisa assim... tinha suco de laranja, bolo, tudo muito ótimo!
      Partimos pra Cachoeira do Formiga, sentido São Felix, que fica mais a norte. A estrada (TO-247) que liga Mateiros a São Felix é, como quase todas, de terra. Seu estado é incomparavelmente melhor do que a que liga Mateiros a Ponte Alta.
      Na Cachoeira do Formiga o esquema é R$ 30,00 camping + cachoeira. Só a cachoeira fica por R$20,00. Acampamos por lá mesmo. Curtimos a Cachoeira o resto do dia... almoçamos por lá, mas isso não vale a pena: R$ 35 reais por pessoa, não veio tanta comida assim.
      O legal dessa cachoeira é que não há limite de tempo, nem de pessoas. Boa parte do tempo ficamos lá sem ninguém mais. Pudemos inclusive aproveita-la de noite, pois há uma luz no local!
      O camping é meio precário, mas foi tranquilo. Não tivemos coragem de usar o chuveiro com shampoo e sabonete, pois isso iria diretamente para um córrego. O som da cachoeira durante a noite é ótimo.

      Foto 12: Cachoeira do Formiga

      Foto 13: Cachoeira do Formiga

      Foto 14: Cachoeira do Formiga
      02/05 Nascente(“fervedouro”) Buritizinho, Ceiça e Dunas.
      Acordamos ainda na Cachoeira do Formiga, desmontamos nossas barracas e partimos pro Buritizinho, posteriormente para o Ceiça e terminaríamos o dia nas dunas. O acesso aos dois fervedouros é tranquilo sem carro 4x4.
      O fervedouro do buritizinho é pequeno, a água é muito transparente. Vê-se ao fundo a água “ferver”. Paga-se R$ 15 ou 20,00... pudemos ficar lá um bom tempo, só tinha um casal fora o nosso grupo. Tem um rio bem legal lá também, a água é bem límpida.
      Minha opinião pessoal em relação aos “fervedouros” é que eles na verdade são nascentes, muitas vezes devem cavar pra que se faça essas piscinas – apenar de chamarem por fervedouros, na verdade a água não é quente, é apenas uma nascente. O do buritizinho é pequeno, mas dá pra nadar um pouco e rende boas fotos.
      Partimos pra nascente do Ceiça, é mais legal que o Buritizinho, porém bem mais cheia. R$ 20 reais, 15 minutos... Parte do grupo nadou lá, parte do grupo nadou no riozinho do lado de grátis ahahhaha
      Acho que vale muito a pena quando vazio!
      Almoçamos em Mateiros, num restaurante logo ao lado de um mercadinho! Foi bem barato... algo em torno de 15 reais, foi ótimo.
      Partimos pras dunas umas 15:00, chegamos ao final da tarde, nenhum atolamento no caminho ahahha.
      Fomos começar nossa jornada de 6 km pra ir a pé, 6 km pra voltar. Parte do nosso grupo conseguiu uma carona numa caminhonete de um guia muito simpático, o passeio na caçamba foi muito melhor do que dentro de qualquer carro... que visual (foto 15).

      Foto 15: Eunuco e Juru divando da caçamba... nem precisou descer pra tirar foto
       
      Pra voltar das dunas, os guardas do parque deram carona pra todo mundo!
      As dunas (foto 16) devem ser visitadas mais cedo, desde o começo da tarde até o final da tarde. Há uma série de lagoas ao fundo que podem ser visitadas, não tivemos tempo. Além do que, as próprias dunas já são muito impressionantes!

      Foto 16: Pinga divando nas dunas. Serra do Espírito Santo ao fundo.
      Descemos das dunas e pensamos se íamos dormir novamente no camping em frente. Decidimos ir pra Mateiros e acampar na pousada e camping Toinha. O preço foi R$ 20,00 por pessoa.
      03/05 Serras Gerais: Viagem para Dianópolis e Rio da Conceição. Passeios: Lagoa da Serra
      Partindo de Mateiros, saímos pela TO-247 sentido Pedra da Baliza, já na fronteira com a Bahia. Ao chegar lá viramos a direita na BA-458 sentido Panambi. Passamos por um infinito latifúndio, monocultura: soja.
      Uma estrada não assinalada no mapa do Google, perfeitamente asfaltada, nos levou diretamente para Dianópolis. Em Dianópolis deve-se abastecer o carro, pois não há posto de gasolina em Rio da Conceição. Entre Dianópolis e Rio da Conceição é cerca de 30 minutos. De Rio da Conceição a Lagoa da Serra, mais 1 hora. Apesar de termos saído cerca de 08:00 da manhã de Mateiros, só chegamos na Lagoa da Serra 15:00.
      Uma grande confusão foi criada na internet, em vários lugares a Lagoa da Serra foi citada como sendo a mesma que a Lagoa Bonita. Deixo claro que são lugares diferentes. Vale-se ressaltar que a Lagoa Bonita está fechada.
       A Lagoa da Serra (Foto 17) fica na cidade de Rio da Conceição, seu acesso é possível sem carro 4x4, e em seu estacionamento vimos vários carros de passeio comuns.
      O lugar é muito bonito. A água é bem transparente, e a visão da serra é impressionante.

      Foto 17: Galerinha na Lagoa da Serra. O Stand-Up foi emprestado por uma moça muito legal, dona do Restaurante Quintal da Serra e de uma agência de turismo em Rio da Conceição. Ela aluga Stand Up, e acho que vale muito a pena!

      Foto 18: Capa de disco
      Por fim, apesar de não haver nenhuma placa em nenhum lugar, tivemos que pagar 20 reais por pessoa por ficar na Lagoa da Serra.
      Achamos um PF de 12 reais em Rio da Conceição, ótimo. Ao lado dele ficamos na Pousada Brandão, o dono chama Márcio e me deu várias dicas. Negociamos o valor por estarmos em 9... queríamos acampar exatamente pra abaixar o valor, ele nos fez um desconto e pagamos 35 reais ao invés de 40!
      04/05 Viagem pra Pindorama do Tocantins, Passeios: Cachoeira da Fumaça e Lagoa do Japonês
      Partimos de Rio da Conceição por volta das 09 da manhã. Tomamos café da manhã numa padaria onde tudo era muito barato... café 1 real, pão na chapa 1,50...
      Após uma hora de viagem em estrada de chão, chegamos à Cachoeira da Fumaça (foto 19); pra achar o local exato perguntamos numa casa, antes de uma ponte. Não há placas.
       
      Foto 19: A cachoeira da Fumaça tem uma queda bem alta, muito forte. Não é possível nadar nela, apenas em partes do rio um pouco mais acima. É bem bonita, tem um arco-íris permanente. É uma parada rápida durante a viagem.
      Voltamos à estrada em direção a Pindorama, numa única bifurcação pegamos a esquerda, não há placa. Chegamos lá por volta das 14:30. Comemos um PF barato de 12 reais, partimos pra Lagoa do Japonês.
      O caminho entre Pindorama do Tocantins e a Lagoa do Japonês é relativamente bem sinalizado e simples. Todo mundo conhece, basta perguntar caso seja necessário.
      É um caminho de 30 km entre a cidade e a lagoa. A partir de certo momento a estrada passa por uma pequena serra, muito íngreme.
      Alguns córregos são cortados no meio do caminho, tanto a Duster quanto o Renegade desceram sem maiores dificuldades.
      Durante a descida me questionei se os carros subiriam, mas subiram tranquilamente. Inclusive no estacionamento da Lagoa do Japonês havia: HB-20, Civic, uma Mercedez esportiva. Não me perguntem como esses carros chegaram lá, eu não sei... ahahhaha

      Foto 20: Lagoa do Japonês

      Foto 21: Lagoa do Japonês

      Foto 22: Lagoa do Japonês

      Foto 23: Há uma caverna na Lagoa do Japonês

      Foto 24: Júlio dentro da Caverna; é possível entrar em partes que não estão submersas.
      Atrativos e Acessos sem 4x4 (não traçados):
      A ordem é de acordo com o nosso roteiro;
      Estrada Ponte Alta-Mateiros: Cachoeira do Lajeado
      Chegamos sem maiores problemas até a cachoeira, é um acesso a partir da rodovia principal. É sinalizado.
      Há um córrego que passa em terreno bem arenoso, fui andando antes do veículo para saber se afundava; não afundava.
      Na época das chuvas as condições de acesso podem mudar.
      Estrada Ponte Alta-Mateiros: Serra do Espírito Santo
      Não entre na estradinha de acesso à trilha sem veículo 4x4. Estacione na estrada principal que liga Ponte Alta a Mateiros e ande até o início da trilha, deve ser cerca de 300 metros.
      Estrada Mateiros São Felix: Cachoeira do Formiga
      Chega sem veículo 4x4 pois há uma parte da estrada mais recente, onde os veículos passam com tranquilidade.
      Não vá pelas partes onde há areia, é possível evita-las com tranquilidade.
       
      Estrada Mateiros São Felix: “Fervedouro” Buritizinho
      Veículos não traçados chegam tranquilamente.
      Estrada Mateiros São Felix: “Fervedouro” Ceiça
      Veículos não traçados chegam tranquilamente.
      Estrada Ponte Alta-Mateiros: Dunas
      Estacione na entrada da rodovia de acesso. Só chegam até as dunas veículos 4x4. Você pode dar a sorte de pegar carona em algum  veículo 4x4 que passe pelo caminho.
      São cerca de 4 km para ir, 4 km para voltar.
      Na volta é quase certeza que os guardas do parque forneçam carona.
      Cidade Rio da Conceição: Lagoa da Serra
      Veículos não traçados chegam com tranquilidade, ao menos na época seca.
      Cidade Pindorama do Tocantins: Lagoa do Japonês
      Veículos não traçados chegam com tranquilidade. Porém é ideal que o veículo seja alto, é necessário cruzar alguns córregos no caminho.
      Vi um HB 20, um civic, e uma Mercedez esportiva no estacionamento do local, eu não sei como eles chegaram, mas sei que é possível.
      Estrada entre Pindorama do Tocantins e Ponte Alta: Pedra Furada
      Há uma estrada de acesso, sinalizada, para a pedra furada. Tem bastante areia e é preciso tomar cuidado para não atolar.
       
    • Por cioliveira
      Meus caros leitores , Meu nome é Cristhian Alvarenga , amo viajar, nunca escrevi sobre minha experiências mas hoje resolvi escrever este post com objetivo de auxiliar pessoas interessadas em conhecer a região de Foz do Iguaçu, vamos láaaa....
      Sou de São Paulo , fiquei hospedado no Rafain Centro Hotel por 5 dias em Foz do Iguaçu, abaixo vou citar meus primeiros gastos:
      Detalhe fechei pacote com a Decolar com hospedagem + voo + translado + o translado até Cataratas-AR e uma incrível promoção no valor de 50 reais do Kattamaram kkk , esses gastos abaixo são para 3 pessoas , fui junto com meus velhos , primeira viagem deles foi tudo sensacional , segue os gastos kk

      Dentro desse  valor me recordo que o Kattamaram ficou 150 reais.
      Cataratas ficou 180.
      Os demais custos ficaram em taxas , hotel e voo.
       
      Dia 1 – São Paulo – Foz > Templo budista > Itaipu (14/02/2020)
      Meu voo estava marcado para sair ás 08:05 do dia 14/02/2020, então acordei bem cedo e peguei um Uber da cidade de Carapicuíba onde moro até o aeroporto de Guarulhos , chegando em Guarulhos fui fazer o check-in eeeeee deu ruim , ERREI O AEROPORTO , era Congonhas, bateu o desespero e corri para o outro lado da cidade , pegando outro Uber até o aeroporto de Congonhas , lembrando que meu voo era ás 08:05 , pegamos o Uber ás 6:30 e pegamos aquele tradicional trânsito de SP , porém chegámos ás 07:30 no aeroporto , aquele corre com as malas e chegamos no portão de embarque, a porta quase fechando -UFAAAA fomos os últimos e enfim embarcamos.
      Chegada em Foz – Chegámos por volta dás 9:30 e a MMC turismo estava á nossa espera; 25 minutos do aeroporto até o Rafain Centro, no caminho o nosso motorista conversando e explicando um pouco da cidade e como um bom vendedor tentando vender seu peixe porém eu escolhi pesquisar melhor os preços. Chegando no hotel deixámos nossa mala no depósito pois o Check-in estava marcado para ás 14 , fui andar e pesquisar um pouco sobre os preços da região , achei um restaurante sensacional na esquina do Rafain , 16 reais o self-service (comida muito bem preparada), após isso peguei um Uber e fui até a minha primeira atração o templo budista , aliás bem afastado do centro , visitei por 20 minutos , tudo OK  , tirei as fotos rs e partiu Itaipu , que lugar imenso , lindo , amei tudo , peguei o passeio panorâmico e curti demais (duração do passeio 1 hora) , após isso voltei para meu Hotel e fui descansar pois o sábado prometia demais , minha segunda ida a Argentina.
      Preços – Uber
      Carapicuíba – Guarulhos (100 reais)
      Guarulhos – Congonhas (70 reais) ß- Gasto inútil AFFF!
      Hotel – templo Budista (23 reais)
      Templo – Itaipu (8 reais)
      Itaipu – Hotel (18 reais)
      Almoço – 53 reais (3 pessoas)
      Detalhe de gasto – Gastamos 70 reais no mercado Italo próximo ao Rafaim , compramos (bolacha , água , refri e cerveja) << este gasto se deve pois o hotel fornecia com os preços tabelados.
      Preço de Itaipu – 40 reais por pessoa , o templo budista é de graça
       
      Dia 2 – Foz – Cataratas Ar > Marco (Brasil) > dream ice (15/02/2020)
      Acordámos bem cedo para tomar café no hotel (incluso no valor da diária) , EEE que café , maravilhoso , muito completo , após isso a MMC turismo passou em nosso hotel ás 7:30 , no caminho pegaram outros passageiros e passaram com nós na casa de câmbio (troca de câmbio se deve pelo fato da entradas Cataratas ser em peso Argentino , não aceitam real ), trocámos 300 reais e fomos para Aduana e esperámos e esperámos e esperámos um pouco mais este dia estava bem cheio , chegando no parque andamos um pouco pela até a estação de trem e no caminho tem diversos quatis (cuidado com sua comida pois eles roubam kk),Detalhe leve água custo de 10 reais cada e outra coisa eles aceitam real dentro do parque, pegando o trem fomos para o momento mais épico deste dia a Garganta del Diablo , fantástico , da estação até a queda da agua é 20 minutos e voltámos , almoçamos no centro do parque , comemos algumas empanadas e fizemos o circuito inferior bem rápido porem muito bonito após isso esperámos nossa van e fomos levados ao hotel , tomámos um belo banho e partiu marco das 3 fronteiras (recomendo ir ás 19:30 para pegar o espetáculo de dança e o por do sol) , ainda deu tempo de pegar um uber para o dream ice mas gente muita ATENÇÃO , eles oferecem um valor alto de primeira mas chore um pouco , o rapaz ofereceu um valor inicial de 100 reais por pessoa porém eu falei que ia pesquisar na net e ele baixou para 50 reais por pessoa , ok , aceitável , após isso andámos um pouco no dreamland (o parque com diversas atrações como museu de cera , vale dos dinossauros e dream ice) e fomos para o hotel descansar.
      Preços – Uber
      Hotel – Marco (20 reais)
      Marco – dreamland (22 reais)
      Dreamland (15 reais)
      Ingressos Cataratas – 700 Pesoas Argentinos = 70 reais +/- (acrescenta + 9 reais da taxa de turismo), 1670 (3 pessoas)
      Ingresso Marco – 73 reais (3 pessoas)
      Ingresso Ice bar -50 reais por pessoa
      Outra dica legal é comprar o passaporte das atrações de Foz que custa 100 reais e contém o passeio panorâmico por itaipú , entrada do marco lado brasileiro e cataratas lado Brasileiro.
       
      Dia 3 – Foz – Parque das Aves >Cataratas Br > Kattamaram (16/02/2020)
      Devido a previsão de chuva na terça decidimos adiantar o passeio as cataratas brasileiras e tomamos um café e saímos cedo para ir para o lado Brasileiro ,  decidimos fazer o parque das aves pois abre ás 08:30 , o passeio é lindo e dura por volta de 1 hora após isso seguimos para ás cataratas -BR , pegamos o ônibus dentro do parque e ai vem a tristeza , CHUVA kkk, o passeio todo porém aproveitámos muito , vista linda muito similar a da Argentina e saímos por volta dás 13 e almoçamos ali por perto , comida boa a barata , pegámos nosso Uber e fomos para hotel e esperar o passeio que estava marcado ás 16:30 ,assim a MMC turismo buscou nós no hotel e nos levou para o ponto de embarque ao navio um passeio muito legal onde passámos pela ponte Tancredo Neves (AR-BR) e depois fomos até a ponte da amizade (BR-PR) , apesar da chuva , valeu muito a pena pois a comida era boa e a resenha mais ainda , após isso a MMC deixou nós no hotel e fim desse dia louco.
      Preços – Uber
      Hotel-PQ das aves (25 reais)
      Cataratas – hotel (20 reais)
      Atrações
      Pq das aves ( 150 reais os 3) << detalhe pague menos se vc for doador de sangue.
      Cataratas BR (129 os 3)
      Kattamaram (150 reais os 3 ) * Decolar anunciou errado e comprei , preço normal (200 reais incluso janta e transporte)
       
      Dia 4 – Foz – City tour Paraguai + City tour Argentina (17/02/2020)
      Este dia foi especial demais , combinamos com um Uber da região chamado Alexandre, um cara que nos ajudou muito , o preço desses city tour costuma ser em média 85 reais por pessoa , ele fez o city tour do Paraguai por 200 reais e o da Argentina por 150 , preço bom demais.. ele passou ás 8 para nos pegar no hotel e começamos nossa saga por Cidad del Este , iniciamos pela igreja de San Lucas , passamos em frente do estádio 3 de febrero (desativado) , conhecemos a mesquita da cidade e por último fomos até a igreja de San Blas que na minha opinião é mais linda (duração do city tour – 1hora) e seguimos para o centro de compras iniciando pelo shopping Paris que na minha opinião não compensa comprar nada e seguimos para rua e fomos ver os melhores preços
      Segue resumo das melhores lojas > PERFUME – la petisqueira e pioner , ELETRÔNICOS – Cellshop e Mega eletrônicos , as demais coisas não compensa comprar pois a cotação estava á 4,40 além de que fomos somente as lojas grande que não proporcionam produtos falsos , não se engane com os preços baixos ou dólar congelado kk todas essas dicas foram dadas pelo nosso guia Alexandre , super recomendo , ele nos deixou no hotel e almoçamos por ali e descansámos e 16:30 em ponto conforme combinado nossso guia Alexandre estava lá com toda simpatia e nos levou até a Argentina onde seu amigo Marcio um taxista brasileiro que trabalha na Argentina estava nos esperando e iniciamos o tour pelo Duty free (tudo muito caro kk ) , após isso fomos na LA Aripuca lugar muito lindo , uma obra de arte da natureza e seguimos ao marco argentino (do Brasil é melhor) , seguimos para feira e compramos alguns chocolates e comemos uma bela picanha por um preço muito bom e assim nosso amigo Alexandre foi nos buscar na Argentina e nos deixou no hotel.
      Gatos com Uber particular 350 reais
      Almoço – 50 reais (3 pessoas)
      Jantar self-service Argentina – 170 reais (3 pessoas)
      *Não vou especificar meus gastos no Paraguai pois é muito relativo.
       
      Dia 5 – Foz –Paraguai > SP (18/02/2020)
      Esse dia acordamos tarde pois tínhamos que fazer checkout ás 11 , tomamos café e entregámos o quarto , deixámos no depósito a mala e fomos no Paraguai de novo kjkk pois meu pai esqueceu de comprar seu HD , fizemos todo esse dia de pé (não tem perigo ao atravessar a ponte mas fique atento)e seguimos para o Brasil para comprar algumas lembranças uma dica para quem quer comprar chaveiros , canecas ou outras lembranças á AV. Brasil em foz é uma boa pedida e fizemos esse rolê todo  voltámos e almoçamos ás 17 horas por causa do café da manhã um pouco tarde e esperámos a MMC que nos levou até o aeroporto e aguardámos até o embarque e chegámos em SP ás 23:30 e nosso Uber já estava á espera.
      Gastos com Uber: Aeroporto > Casa – 100 reais
      Almoço – 50 reais (3 pessoas)
       
      Esse é meu relato quanto a Foz do Iguaçu , espero que gostem, desculpe alguma discordância gramatical , não sou bom em escrever relatos mas espero ter ajudado , caso alguém queira ver ás fotos ou pedir dicas dessa viagem sensacional, me siga no instagram > cristhian.alvarenga
    • Por Bruno GNR
      Fala galera beleza?
      Gostaria de compartilhar com vocês a viagem que fiz ano passado saindo do interior de SP, da cidade de Limeira, com destino final em Jericoacoara no CE, passando pelos Lençóis Maranhenses.
      Como eu li aqui no fórum muita coisa que me ajudou e também muitos usuários solícitos que sempre foram muito prestativos, queria deixar aqui minha contribuição.
      Quem quiser conferir todas as fotos: https://maladaminhamae.blogspot.com/
      Valeu.
      Depois de maravilhosa e inesquecível viagem por parte da América do Sul, resolvemos partir para uma nova road trip, dessa vez a ideia era chegar até o Ceará, mais precisamente em Jericoacoara, porém, antes passando pelos Lençóis Maranhenses.
      O planejamento foi feito novamente pensando numa trip de baixo custo, no entanto, não passando nenhuma "necessidade", não abrindo mão de lugares que tivessem ar-condicionado e estacionamento.
      Nossa viagem foi feita no seguinte roteiro:

      28/06 - Saída de Limeira (SP)
      29/06 - Brasília (DF)
      30/06 - Palmas (TO)
      01/07 - Grajaú (MA)
      02/07 - Santa Rita (MA)
      03/07 - Santo Amaro do Maranhão (MA)
      04/07 - Santo Amaro do Maranhão (MA)
      05/07 - Santo Amaro do Maranhão (MA)
      06/07 - Jijoca de Jericoacoara (CE)
      07/07 - Jericoacoara (CE)
      08/07 - Jericoacoara (CE)
      09/07 - Jericoacoara (CE)
      10/07 - Teresina (PI)
      11/07 - Bom Jesus (PI)
      12/07 - Barreiras (BA)
      13/07 - Brasília (DF)
      14/07 - Limeira (SP)
       
    • Por Geotur
      Palmas
      Uma cidade bem limpa, com o transito fácil e com boas condições climáticas para visitar o ano todo.
      Sugestão de roteiro:
      1º dia
      O grande cartão postal são as praias https://turismo.to.gov.br/icones/sol-e-praia/palmas/ todas tem estrutura. A Praia da Graciosa tem pier e ótimos bares e restaurantes como o https://www.instagram.com/donamariabeach/?hl=pt-br e o Cafe de la Music. Na Praia também é possível pegar uma canoa ou barco para ter acesso a Ilha da Canela https://turismo.to.gov.br/regioes-turisticas/serras-e-lago-/principais-atrativos/palmas/ilha-canela/ o transporte custa em média 20 reais e inclui ida e volta. Aos finais de semana tem transporte de hora em hora. A ilha possui estrutura de bar, restaurante, banheiros e cadeiras de praia. Tenham um pouco de cuidado pois já vi arraias na ilha, em praias de rio, é bom ter cuidado. Os preços na ilha também são razoáveis um almoço em média sai por 70 a 100 reais para casal.
      Depois de um dia de praia a noite tem várias bares e restaurantes, indico:
      Restaurante Palazzo - https://hotelgirassolplaza.com.br/index.php/pt/servicos-pt/92-descobremais-pt/228-grupogirassois-palazzo-pt 
      por 49,90 mais taxa de serviço tem entradas e sobremesas a vontade + prato principal
      Vila Trancoso Food Park https://www.instagram.com/vilatrancosofoodpark/?hl=pt
      várias opções de comidas, pizza, macarrão, sanduíches etc...
      Smile Foods https://www.instagram.com/smillefoods/?hl=pt-br
      O melhor na relação custo benefício, realmente sabem preparar pratos saborosos.
       
      2º dia
      O Parque Cesamar é incrível para atividades ao ar livre, tem estrutura de lanchonete e banheiros.https://www.visitbrasil.com/pt/atracoes/parque-cesamar.html
      Museu Palacinho https://portal.to.gov.br/reas-de-interesse/cultura/patrimonio-cultural/museu-historico-do-tocantins/
      Ótimo para conhecer a cultura e história do Tocantins, é um lugar lindo para visitar e tirar fotos.
      Praça dos Girassóis, https://turismo.to.gov.br/praca-dos-girassois/
      É enoooorrrmeeee tem muita coisa pra ver e registrar. Vá com tempo... é um lugar lindo.
       
      3º dia 
      Shoppings tem 2: http://www2.palmasshopping.com.br/ e https://www.capimdouradosc.com.br/
      Se a visita for em dia terça ou sexta-feira vale a pena conferir após às 17 horas a Feira da 307 Sulhttps://turismo.to.gov.br/regioes-turisticas/serras-e-lago-/principais-atrativos/palmas/feira-da-304-sul/ grande variedade de comidas, artesanato de capim dourado, frutas exóticas, petiscos etc...
      Aos domingos, final da tarde e noite, tem a Feira do Bosque https://turismo.to.gov.br/regioes-turisticas/serras-e-lago-/principais-atrativos/palmas/bosque-dos-pioneiros/
      ótima para comer, comprar artesanato e passear.
       
      4º dia
      Próximo a cidade, no município de Lajeado tem a Praia do Segredo https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/praia-do-segredo-e-o-novo-destino-turistico-para-banhistas-no-tocantins-fotos.ghtml, linda e com toda a estrutura. É afastada do centro do município e acessível de carro e moto.
      Na região tem também a Pousada Alto do Tocantins, http://www.pousadaaltodotocantins.com.br/, que é acessível via canoa (eles oferecem essa possibilidade de transporte) ou carro, 20 km via estrada sem asfalto. A pousada e a estrutura é ótima, não é barato mas achei que compensa.
      Aproveitem a viagem!!!!
       
       
       
       
    • Por Leandro Z
      Apesar de haver bons relatos no site, espero contribuir com o meu.
      Há 4 ônibus diários entre São Luís e Barreirinhas pela viação CISNE BRANCO, R$51, demora 5h (não procurei vans saindo do aeroporto direto pra Barreirinhas, mas existem). Dizem que é melhor fazer a travessia no sentido Barreirinhas - Santo Amaro, por causa da posição do sol e do vento. A estrada São Luís-Santo Amaro é relativamente nova, está boa e é mais perto que SLZ - Barreirinhas. Além disso, as lagoas de Santo Amaro são mais bonitas. ATENÇÃO com a volta de Santo Amaro para São Luís, acho que não tem ônibus (se tiver, são raros) e dependemos do guia em achar uma van que ia pra lá. Geralmente, o último dia termina 12:30h e o transporte até São Luís demora 4h30min. Grande parte da travessia é em areia firme e fria, então é melhor andar descalço ou com meia. Também tem inevitáveis passagens por lagoas menores, onde se molha, pelo menos, as pernas. Elas são boas para se refrescar (o tempo inteiro eu andei molhado ou úmido de propósito). Melhor época: junho e julho, alguns dizem agosto e até setembro, mas nestes muitas lagoas já estão secas. Preços: como junho e julho são os melhores meses, só diária do guia custa até R$250; hospedagem (café da manhã incluído), em redário, sai por R$35; jantar: R$30 a R$35; água de 2l: R$8. Converse com o guia para ver o que está incluído no preço dele (passeio pelo rio Preguiça, hospedagens e refeições, etc). Cansar vai, mas com certeza vale a pena. Acredito que uns treinos de caminhada de 8km sejam suficientes para preparação. Esta é a travessia mais tradicional do parque, mas tem outras de 6 até 10 dias! Levar: poucas roupas (inclusive com proteção UV), meias, chapéu (nessa época, não precisa levar nada para frio, nem tênis), chinelo, protetor solar, água (pode ser comprada em cada parada),  snacks (frutas desidratadas, amendoim e castanhas), dinheiro em espécie, lanterna (não é essencial, não precisa na caminhada, mas ajuda nas hospedagens), coisas de higiene pessoal (sabonete, escova, pasta, repelente). É recomendável levar aquelas baterias portáteis, power bank, mas dá pra usar a eletricidade em algumas hospedagens. Dia 28/jun - 1º dia: Pegamos um barco em Barreirinhas para fazer o passeio pelo rio Preguiça (R$80) por volta das 10h, o guia já nos acompanhava. O passeio é tranquilo, para em Mandacaru, onde tem um farol, também para em Caburé onde tem dunas e uma lagoa. Termina em Atins, banhamos em uma praia. Depois, final de tarde, caminhamos até Canto de Atins, cerca de 3,5h em ritmo tranquilo, sem paradas para banhos, o GPS marcou 12km de caminhada durante o dia todo (pareceu bem menos). Em Canto de Atins, tem dois restaurantes/pousada: do seu Antônio e da dona Luzia. A dona Luzia foi pioneira e é mais famosa, mas o guia disse que a fama subiu-lhe a cabeça, ficamos no seu Antônio. O camarão na chapa é o prato chefe de ambos, não é barato (com refri e água, saiu R$50 cada um o jantar), mas realmente estava muito gostoso. Dormimos em rede (R$35), local coberto com palha, com luz, mas sem paredes, até às 2:30h da manhã.
       
      Dia 29/jun - 2º dia: Prometia ser o mais pesado, cerca de 17km até Baixa Grande (o quarto dia que foi o mais cansativo). Começamos a travessia por volta das 3:15h, depois de um bom café da manhã, caminhamos sob a lua cheia iluminando tudo e temperatura amena. Andamos pela praia um bom tempo, cerca de 4h (com direito a cochilada no caminho) até chegar às dunas. Valeu a pena? Sempre, no entanto, tem gente que faz este trajeto de carro e isto economiza umas boas horas. Nas dunas, subida, descida, banho em algumas lagoas. Terminamos em Baixa Grande às 12:10h. Cansei muito! O GPS marcou, durante todo o dia, uns 27km. Eu digo "durante todo o dia", porque ainda caminhávamos pelos arredores do local da hospedagem para conhecer lagoas, rios, ver o pôr-do-sol. Baixa grande é um vilarejo no meio do deserto, mas com construção de alvenaria e vegetação por perto. Almoçamos galinha caipira por R$35 (preço padrão e não é você que escolhe o que comer). Descansamos e, à tarde, fomos para uma lagoa e ver o pôr-do-sol. Dormimos, como sempre, em rede (R$35 preço padrão), sem iluminação, mas coberto com palha e "paredes". O dia seguinte seria mais tranquilo.
       
      Dia 30/jun - 3º: Este terceiro dia foi tranquilo, acordamos por volta das 4:30h para sairmos às 5h, após café da manhã simples (tapioca e ovo). Caminhamos devagar, parando bastante em lagoas e terminamos antes do meio-dia em Queimada dos Britos, o GPS indicou 15km. Eu comecei a usar meia, pois vi que estava começando a formar bolha no meu pé. Almoço (R$35) era peixe (estava salgado), teve salada (artigo raro) e até sobremesa. Lagoas, pôr-do-sol, jantar e dormir cedo, porque não tem muito que fazer a noite.
       
      Dia 1º/jul - 4º: De novo, acordamos umas 2:15h, tomamos café e saímos para caminhar às 3h e alguma coisa. Só terminamos à 12:30h, exaustos, em Santo Amaro. Foi o dia mais longo e mais cansativo, cerca de 28km. Neste dia, mais uma vez, é possível pegar um transporte em Vassouras, economizando assim, uns 10km. Pergunta se pegamos? Não. Faltando uns 8km (talvez 6km), o guia novamente perguntou se queríamos pedir um carro e pagar R$50 cada um. Pegamos o carro? Claro que não, só faltavam 8km! kkk. As lagoas perto de Santo Amaro são bem mais bonitas que as de Barreirinhas e, acredito eu, o turismo em Santo Amaro irá aumentar com a boa estrada até são Luís (só falta transporte).
       



×
×
  • Criar Novo...