Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''ceará''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 10 registros

  1. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  2. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  3. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  4. Bem, logo depois de sair da casa da humilde e doce senhora, seguimos nossa caminhada até Fortaleza. A verdade é que não tinhamos nem ideia de como seria ir pela praia, se em algum punto haveria um encontro de rio com o mar ou outras adversidades pelo caminho, não estavamos pensando muito sobre isso, a ideia principal era aproveitar, sem importar o que viria. Assim saímos caminhando pela praia, olhamos no mapa e mostrava 12 lindos Km de pura areia, mar e muitas dunas. Talvez estivamos próximo alguma avenida principal, mas as dunas eram tão altas que só arriscaríamos subir e buscar uma avenida se realmente não fosse possível chegar até a cidade seguinte. A praia era de areia brancas e a terra bem batida, haviam algumas marcas de pneus de carro e moto pelo chão, então talvez íamos conseguir uma carona.. Isso mesmo, na beira da praia!! Literalmente na areia. Foto 1 Mais ou menos 3km depois, ouvimos o barulho de uma moto se aproximando, era apenas uma moto e eramos duas. Cony já estava um pouco cansada, não pelo sol ou pela caminhada mas sim pela sua perna que começa a incomodar um pouco, então, fiz sinal com a mão para a pessoa que vinha na moto. Era um rapaz, ele parou e perguntou se estávamos bem, pedi para que ele levasse a Cony um pouco mais adiante e que eu iria andando, ele disse que não iria muito longe, que mais ou menos em 1km já sairia da praia sentindo a um povoado que vive, bom, era apenas 1km mas já era alguma coisa, ainda tinhamos 8km pela frente economizar algumas passadas sem dúvida ajuda bastante. Ele levou Cony pelos próximos 1km e voltou por mim, não esperava que ele voltaria. mas foi bom porque o sol tava do CarL*** kkkkkkkk. Foto 2 Seguimos caminhando, em poucas horas chegaríamos ao meio dia. Mesmo com muito protetor solar já sentia a pele arder e areia por toda a cara e o sabor do mar que não saia de nossas bocas. Sim, verdade uma caminhada dura mas é uma das coisas que temos que fazer uma vez na vida. aproveitar o sol, o mar e a areia, não ter pressa de chegar e sem se importar com o que próximo passo. Foto 3 Foto 4 Mas 5km caminhando, foi quando ouvimos outra vez o barulho de moto e a possibilidade de uma nova carona. Viramos para ver de onde vinha o som e vimos que eram dois motoqueiros, porém um deles levará uma caixa superrr grande no lugar do passageiro, então outra vez só tinha uma moto. Disse para Cony seguir com eles, porque a perna dela já doía bastante, ela não quis ir, não achava justo. O rapaz que levava a caixa grande me perguntou se queria ir sentada na caixa... Bom, na verdade já estavamos as duas super cansadas e o sol estava muito forte e ainda faltavam mais 3km, então subi na caixa e eles nos levaram até um grande encontro de rio com mar, era impossível a travesar caminhando. Havia um barco pequeno, bom, não era bem um barco, vou deixar uma foto aqui para vocês verem. kkkkkkkk WhatsApp Video 2019-07-18 at 18.39.49.mp4 Vídeo 1 Foto 5 Foto 6 Depois do encontro do rio com o mar já era conhecido como Mundaú-CE, a cidade vizinha. Caminhamos pelo povoado, paramos na praia para observar a paisagem e o mar. Dessa cidade tínhamos que conseguir uma carona direto para Fortaleza, pensávamos em ficar uma noite em Mundaú, mas a cidade era bem mais movimentada que a praia da Baleia e Jericoacoara. Saímos da praia e buscamos um mercadinho na pequena cidade, compramos atum e pão, comemos ai mesmo. Foi quando parou um senhor para conversar com o dono do mercadinho e ele disse que ia para Fortaleza, bom de uma vez falamos e perguntamos se ele poderia levar-nos, disse ele que sem problemas e assim terminamos nossa pequena viagem pelas praias do Ceará. Alguns dias depois ia para a Colômbia, viver umas das maiores experiencias da minha vida. Cheguei na Colômbia dia 15 de setembro de 2018 e hoje(18/07/2019) sigo por aqui, bom mais isso é outra história e vou contar para você logo logo... OBS> Desculpem por demorar tanto tempo para subir a 2 Part como havia prometido. Foto 7
  5. Nossa viagem começou no final de dezembro, para passar a virada do ano no Ceará, em Icaraí de Amontada, carinhosamente chamada de Icaraizinho, um pequeno vilarejo a 200km de Fortaleza, destino de muito amante do kitesurf, por seus ventos perfeitos pro esporte. A vila é tranquila, as ruas são de pedra, o que dá um charme a mais e a praia é extensa, de mar calmo e morno. O aeroporto mais próximo de Icaraí de Amontada é o de Fortaleza. De lá, é possível pegar um transfer (cerca de 2 horas e meia de viagem, em torno de 400 reais) ou um ônibus para Amontada (cerca de 4 horas de viagem, 25,45 reais com a empresa Fretcar). Optamos por seguir de ônibus. A viagem foi super tranquila e passamos por paisagens lindas, principalmente na região de Tururu. Chegando em Amontada, fomos de carona para Icaraizinho (cerca de 50 minutos). Alugamos uma casa por 5 dias, o que foi uma excelente escolha. A localização era ótima, a 100m da praia, com uma área verde cheia de árvores frutíferas e palmeiras que bailavam no vento. Uma delícia total. Ainda fizemos uma fogueira, que rendeu muitos churrascos de frutos do mar. Às noites, o céu estrelado e o silêncio davam uma sensação de calmaria. Icaraizinho é um desses lugares que te permite se perder no tempo. Tudo é tão tranquilo que a impressão que temos é de que o tempo passa diferente e isso é uma maravilha para quem gosta de viagens para se desligar um pouco de tudo. Além de curtir a praia e principalmente o mar-piscina, há uma série de passeios lindíssimos para descobrir por lá. Próximo a Icaraizinho, tem a Lagoa das Flexeiras, ou Lagoinha, um paraíso de água doce cercado de muito verde. Há alguns barzinhos simples e rústicos que servem cerveja, peixe frito, batata e outros petiscos. Maravilhoso passar a tarde nesse lugar. Eles colocam redes na lagoa para quem gosta de relaxar na água. Um dos passeios mais famosos da região é assistir ao pôr do sol nas dunas do chamado Lençóis Cearenses. O lugar é realmente mágico. Uma paisagem belíssima e um pôr do sol inesquecível. Alguns guias oferecem esse passeio por cerca de 350 reais. O passeio leva o dia todo e deve ser feito num 4X4. Começa pela praia, passa pelas antenas aeólicas nas dunas de Moitas, pega uma estrada coroada de lindos coqueiros e faz uma primeira parada à beira rio para fotos e para ver os barcos de ostras que atracam por ali. Apesar da vista linda pro rio, essa parada não tem nada demais, assim como a segunda parada, num restaurante super cheio, feito para receber grupos turísticos, caro e com um serviço péssimo. Resolvemos pedir só uma água de côco, que para piorar, estava quente. A terceira parada é no alto da duna, com vista e mergulho no rio. Ali você se vê diante da imensidão e da soberania da natureza. A última parada é também no alto de outra duna, com vista para a ferradura do rio, bem onde o sol se põe. É por ali, a creca de 30 minutos de carro, o cemitério mais lindo que já vimos na vida. As lápides ficam na areia, de frente pro mar, lugar perfeito para o “descanso eterno”. 5 dias foi tempo suficiente para curtir esse paraíso cearense. Para sair de Icaraizinho, pegamos um transfer até Amontada (150 reais o carro) e de lá o ônibus da Fretcar na linha Amontada-Fortaleza, por R$22,40, de onde seguimos para Pernambuco, rumo às ladeiras de Olinda. Do que não gostamos: Um transporte comum em Icaraizinho são as carroças de boi. Sabemos que faz parte da cultura e do meio de sobrevivência e trabalho local, mas dá dó ver os bichos magros, com sede, se arrastando pelas ruas de pedra. Muitos são mal tratados, o que é de cortar o coração. Muita gente anda de carro e moto na areia da praia. Um hábito terrível que provoca danos à natureza e perigo a todos que estão curtindo a praia. Para comer: Vila Icaraí - é uma pousada super aconchegante e charmosa. O bar da pousada é aberto também para quem não está hospedado lá e oferece opções deliciosas de sanduíches, que você come à beira da piscina. O preço é muito bom, o atendimento excelente e os drinks são ótimos. Restaurante Hibisco - é o restaurante que muita gente indica. Fomos 2 vezes. Na primeira comemos um camarão com leite de côco gostoso e bem servido. Da segunda vez optamos pelo PF e não foi uma boa escolha. A comida chegou fria e sem nenhum tempero. É caro para o que serve. Papaya Beach - de frente pro mar, o bar é um grande lounge. Cervejas, drinks e petiscos. Música alta, mas uma opção para quem está na praia e quer tomar um goró e curtir o pôr do sol atrás das aeólicas. Posto 1 - mais um barzinho em frente ao mar. Tem cerveja, caipirinhas e um bolinho de arroz com calabresa muito gostoso. O preço é bem bom. Horários dos Ônibus: Fortaleza-Amontada Amontada-Fortaleza
  6. mcm

    Feriado em Canoa Quebrada

    Feriado de 7 de Setembro + promoção para Fortaleza = não recusar. Eram 3 dias, e algumas áreas ainda estavam por explorar. Ubajara era uma delas, Canoa Quebrada era outra. Desde que fomos a Jericoacoara pelo litoral que fiquei na memória que voltaria a Mundaú. No fim das contas, elegemos Canoa Quebrada para o feriado relax de 3 dias. Chegamos em Fortaleza na quinta de noite, apenas para dormir num hotel econômico e partir logo cedo na manhã seguinte. A estrada para Canoa Quebrada está muito boa para os padrões nacionais. E com muitos radares, dentro dos padrões nacionais. Pegamos algum trânsito no caminho (saída de feriado!), mas fomos numa boa. No planejamento eu identifiquei um lugar um pouco antes de Canoa que era encontro de rio com mar. Adoro locais com foz de rio, e esse parecia valer a pena conhecer. Trata-se de Fortim. Foi nossa primeira parada. Chegamos com a maré ainda baixa, mas já crescendo. Curtimos o resto da manhã e o começo da tarde naquele cantinho bacana. Fomos caminhando até perto da foz, passamos por uma pousada isolada à beira-rio, perto do mar, dedicada a esportes de vento. Bem bacana. Local ótimo para quem pratica. Antes de seguirmos para Canoa, ainda entramos mais na cidade para conhecer o Pontal de Maceió, onde já é praia de mar. Apenas conferimos, não era ideia ficar lá. Chegamos em Canoa, largamos o carro na pousada (e só pegamos para ir embora) e fomos conhecer... as falésias! Descemos para a praia, vimos as várias e sucessivas barracas de praia instaladas num patamar mais elevado para “sobreviver” à maré alta. A maré estava alta. Vimos no alto uma passarela que, presumo, enseja um belo visual da área. Mas... está interditada. Visivelmente deteriorada. Enfim, aquele Brasil de sempre. Curtimos o logo de Canoa Quebrada na falésia (tem outro num ponto mais distante) praticamente sozinhos (um raro momento naquele feriado!) e fomos curtir o pôr do sol no Restaurante O Nain, que foi nosso ponto de fim de tarde, em todas as tardes. Das melhores lembranças que tenho desse feriado é o visual do gramado e o mar ao fundo com cervejinha ou água de côco no Restaurante O Nain. Voltamos, piscinamos um pouco, e fomos jantar e bater perna no centrinho, a famosa Broadway. É bem bacana, com diversas opções de restaurantes, lojinhas, bares, showzinhos, etc. Dia seguinte foi dia do tradicional passeio de buggy. Fomos andando até o centrinho, pouco antes da Broadway tem o ponto dos buggys. Preço e roteiro são tabelados, então nos descolamos de ficar pesquisando. Passeio para Ponta Grossa custa 350 por buggy. Eu queria esticar até a Praia Redonda, mas não rolava por causa da maré. Ok, então. O passeio dura pouco, umas 3 ou 4 horas, e proporciona belíssimos visuais. Extraordinários mesmo. Pelo caminho vc vê falésias (claro!), para na Garganta do Diabo (onde tem uma fonte de água, mas o que mais curti lá foi o visual), apenas passa pela Lagoa do Mato, passa num mirante estonteante, e segue até Ponta Grossa. Lá há uma parada geral dos buggys, e é onde vc pode curtir o mar (rola um snorkel), ou tentar subir as dunas. Depois de um tempo lá, é hora de voltar. De tarde ficamos de relax na praia, vendo a maré engolir a areia e a área dos banhistas. Tinha a dica da barraca Lazy, mas tava lotada. Ficamos onde havia lugar, até que o mar chegou e acabou com a festa. Galera sobe para as barracas, que ficam lotadas (era feriado!) com a maré alta. Nós fomos para o nosso O Nain, novamente curtir aquela vibe de fim de tarde com visual, paz e cerveja. Nesse dia ainda fomos curtir um voo de parapente (270 para 2 pessoas), que curtimos demais. Eu não voava em algo parecido havia 20 anos (tinha voado de asa delta algumas vezes). Maior paz, maior tranquilidade. E maior visual. Recomendo muito. É outra coisa que levarei na memória durante muito tempo, espero. Ainda deu tempo de curtir o por do sol na duna, delicioso programa tradicional de fim de tarde por lá (vá a pé!). De resto, seguimos o roteiro Broadway, piscina, Broadway de novo. Tava mais cheio nesse dia. No último dia, fomos fazer uma caminhada pela praia seguindo para leste. Passamos pelo outro logo de Canoa Quebrada. Ainda fui até a praia seguinte, Majorlândia, depois voltei. É um longo trajeto, acho que de 1h, entre uma praia habitada e outra. Galera voltou antes e estacionou numa barraca de praia mais tranquila, um pouco distante do burburinho. Curtimos a praia na maré baixa e novamente ficamos curtindo a maré crescendo e tomando a areia. Galera de kyte, de surf. De tarde batemos nosso ponto no O Nain (lembrei-me do Bar Utopia, de Luang Prabang, achei a vibe semelhante). Só no relax com o mar à frente. E o gramado mega aconchegante de lá. Voltamos para Fortaleza de noite. Pernoitaríamos perto do aeroporto para embarcar de madrugada de volta ao Rio – dia seguinte já era novamente dia de trabalho! E assim foi mais um feriado desbravando algum canto do Brasil. [Todas as fotos são do Instagram da Katia]
  7. Salve a todos! Embora haja uma quantidade relativamente boa de informações sobre o Ceará, vou tentar atualizar valores e falar um pouco sobre viajar na época das chuvas e sobre segurança... tentarei escrever um relato mais sucinto do que me é de costume, rs. Mas não sei se vou conseguir, haha! (Obs - não vou). Esta viagem ocorreu entre 3 e 15 de abril, com cidades-base de Fortaleza e Jeri. Os viajantes: eu e meus meninos companheiros de sempre, Gui (marido) e João (filho, 10 anos). O padrinho do João, Lio, tb parceiro de outras aventuras, passou uns dias conosco. O Ceará surgiu aleatoriamente nas minhas buscas rotineiras por passagens baratas... embora tenha comprado passagem para o período das chuvas, o preço ridiculamente barato me convenceu a ir whatever. Normalmente uma passagem pro nordeste saindo do interior do Paraná custa em torno de 800-1000 reais por pessoa. Pagamos 1500,00 nas 3, ida e volta, com 1 mala despachada. Surgiu tb do meu filho pedindo pelamordedeus pra gente viajar pra um lugar quente, com água, e com um pouco de descanso. Segundo ele, não aguenta mais viajar pro frio, acordar cedo e andar muito (fomos pro Japão em dezembro, kkkkk), então, conseguimos atender aos pedidos dele pra comemorar sua primeira década de vida! E eu tenho amigos no Ceará!!! Melhor coisa ever rever amigos! ROTEIRO Dei uma pesquisada no que fazer por Fortaleza, onde chegaríamos, e arredores. Muito se fala em Canoa Quebrada (ao sul) e Jericoacoara (ao norte), mas tem muito mais do que isso no Ceará. Certeza que tem muita gente que iria aproveitar pra conhecer estes dois destinos mega famosos, mas pro meu jeito slowtravel de viajar não cabiam nos dias que me programei, então escolhi ir só pra Jeri e explorar mais outros destinos mais próximos de Fortaleza, como Cumbuco, Águas Belas, Morro Branco e etc. Mas com calma, sem ser só pra tirar foto. E justamente por isso alugamos carro, pra não depender das excursões. Mas pra quem não quer alugar carro, recomendam muito uma agência chamada oceanview. HOSPEDAGENS, CARRO ALUGADO E TRANSFERS JERI Logo que comprei as passagens comecei a dar uma olhada no booking e airbnb em busca de um teto. Quem já leu meus outros relatos sabe que eu sou hiper fã de airbnb e sempre dou preferência para experiências mais locais. E em Fortaleza não foi diferente. Só que quando comecei a procurar achei e apaixonei num apto meio patrão numa região nobre da cidade. Cabia 6, de início estávamos só nós 3. Mostrei pro marido que resolveu topar um conforto uma vez na vida, kkkk, e alugamos. Depois veria se mais alguém queria ir junto, o que acabou acontecendo, mais ou menos. O link do apto está abaixo. Achamos ele bem bonzinho... 1500 reais por 7 noites, se quisesse pra dividir em 6! Amo muito airbnb! https://www.airbnb.com.br/rooms/13183920 O dono é belga mas super fala português, trocamos mensagens pelo whatsapp depois de concretizado o aluguel via airbnb, e ele alugou o caro dele pra nós. Era um Gol simples, mas ninguém queria mais que isso. E com a comodidade de não bloquear todo seu limite de cartão na franquia do aluguel. O apto era bom, mas pra 6 ia ser forçado! Pra 4 é o ideal! Sacada de frente pro aterro de Iracema, tudibom! Um amigo dele taxista faz check in e demais burocracias! Sobre o airbnb: nunca tive experiências ruins, mas sou muito cautelosa. Nunca negocio ou troco mensagens importantes fora do site. Se vc ficou afim de experimentar, se cadastre com o link abaixo que eu e vc ganhamos crédito de viagem! www.airbnb.com.br/c/jcarneiro3 Em Jeri acabamos optando por uma pousada. Embora tb tenha opções de airbnb. A pousada foi achada no booking mas tb troquei mensagem pelo whatsapp com a dona (italiana) pq adicionei um dia a mais depois da Latam ter alterado minhas passagens (sempre) e eu poder esticar mais um dia no paraíso. Espaço Nova Era Pousada, pessoal bacana, lugar HIPER fofo, 250 por noite num quartão pra 3 com mosquiteiro, ar, frigobar e tudo mais, super recomendo, um sossego. E pra chegar em Jeri?? Opções: 1. Ônibus Fretcar, em que se vai até Jijoca de busão normal e lá troca por um estilo pau de arara pra chegar até Jeri. Mais barato, menos confortável e mais lento. Cerca de 80 reais por pessoa, cerca de 7h de viagem. 2. Transfer privativo em 4x4. Mais caro, confortável e rápido. Em média 500 reais o carro fechado por trecho, cerca de 4-5 horas de viagem. Me recomendaram: Marcel – 088 99956-0419. Falei com ele, foi atencioso, mas acabei não utilizando os serviços. 3. MELHOR: Vans que pegam a gente em horários fixos e levam até Jijoca, e de lá seguem com 4x4 pau de arara. Preço tabelado, 75 reais por pessoa por trecho, 150 reais ida e volta. Cacei na internet e optei pela empresa abaixo. Fiz o contato pelo site, me responderam por email e whatsapp. Fechei com eles mesmo. Depositei um sinal de 180 reais para reserva (total 450) e paguei o restante em dinheiro no dia do embarque. Eles me pegaram na “porta de casa” rs. S. Frank // (55) 088 - 99868-0254 // http:jericoacoara.biz/ (Ceará Rotas) Este tipo de transporte tb oferece adicionais tabelados... na ida levam até a pedra furada e na volta, saem de Jeri de manhã, param na Lagoa Paraíso pra almoçar e curtir mais um pouco, e depois seguem pra Fortaleza chegando lá ao fim do dia. Recomendo a empresa contratada, mas na verdade é tudo uma zona! Eles repassam clientes de uma empresa pra outra dependendo do tanto de passageiros e na volta achamos o motorista da Van um babaca, dando em cima de uma passageira e bem pouco atento a estrada! Mesmo assim, sem sombra de dúvida, esta é a opção mais barata e confortável, já que o pau de arara de Jijoca até Jeri é o mesmo da fretcar (não tem mais ônibus, é só de caminhonete adaptada), mas em Fortaleza os caras te buscam em “casa”. SEGURANÇA EM FORTALEZA Eu li gente dizendo que tava o Ó, e li gente dizendo que não era tão foda assim. Dias antes da viagem fui apresentada a um fortalezense (isso mesmo) que me botou puuuta medo... matam 30 por dia, não carregue nada com vc e por aí vai. Mas tb tenho dois amigos que moram lá e me tranquilizaram... relaxa que a bruxa não é tão feia como pintam. E assim achei. Dá pra andar dando sopa com celular e câmera em que lugar do Brasil? Fortaleza não é diferente! Já adianto que no dia que ficamos zanzando pela parte histórica de Fortaleza evitamos celulares na mão, nas imediações do mercado municipal é ruim. Idem no dia da praia do Futuro, cujas barracas contam com seguranças na areia! Na feira beira a mar a noite foi sempre sussa. Não vi nada demais, e comparado ao Rio de Janeiro, achei bem tranquilo, kk. Em Jeri é só sossego! DETALHES DO ROLÊ Como foi ir pro Ceará no período das chuvas? Valeu a pena? Choveu eterno? Logo mais!
  8. Daniel Sousa 12

    Teresina-Jeri / out

    Pessoal, tô planejando viajar pra Jericoacoara saindo de Teresina-Pi. Quero dicas de hostel, saber como funciona o transporte, valores, onde desço (planejo ir de ônibus), passeios... Pode me procurar no insta @daniellucas.s.s
  9. robsonBR

    Jericoacoara

    Pessoal, Estou indo prá Fortaleza na próxima semana... até já conheço, inclusive, Jeri (apenas 2 dias). Estou querendo ir prá DESCANSAR e pretendo ficar todos os meus 9 dias em Jeri... será muito tempo lá ? Tem o que fazer os 9 dias ? Acredito até que o barato do lugar é ficar curtindo aquele astral meio que a toa mesmo ? Parece que a maioria da galera fica uns 2-4 dias e sai fora... é isso ? Dividir com Lençois é uma boa ? Abraço, Robson.
  10. o que fazer em Guaramiranga Eu, meu marido e um casal de amigos resolvemos sair de Fortaleza no dia de Natal (25/12/2010) para curtir um fim de semana na charmosa serra de Guaramiranga, a 110 km da capital. Nossa proposta de "Férias de um dia" era fazer um roteiro econômico, sem muita badalação, indo num período que, embora seja alta estação, não tem preços elevados na cidade e sem a quantidade de pessoas que geralmente tem nos dias de Carnaval, por exemplo, onde a cidade fica quase que intransitável. Bem, vamos ao nosso relato: 1º dia Saímos no sábado (25/12) de Fortaleza por volta das 6h30 da matina, debaixo de muita chuva. Fizemos algumas paradas no caminho, para lanchar, abastecer (estávamos em um Palio. Com R$ 60,00 fomos e voltamos, bem como rodamos muitoooooo na cidade), fazer algumas comprinhas para a viagem e também, claro, fazer fotos no caminho, como em Baturité. Ao chegarmos em Guaramiranga, fomos direto para a casa onde ficaríamos hospedados. Fiquei encantada com a simplicidade do local e o acolhimento do casal Paulo e Toinha, como de toda sua família. Encontrei nessa família e em sua casa lembranças da minha infância na casa dos meus avós, como a comidinha feita no fogo de lenha, louça lavada a moda antiga, água puxada da bomba... Muito bom!!! Ali tive a certeza que o fim de semana ia ser perfeito. Após o almoço saímos para realizar nossos passeios. Afinal, o tempo era ouro nessa viagem! Tínhamos como destino neste dia o Parque das Cachoeiras e o Pico Alto, dois dos principais pontos turísticos em Guaramiranga. Chegamos ao Parque das Cachoeiras e na entrada pagamos, cada adulto, R$ 5,00 que ao final poderia ser revertido em consumação no restaurante do Parque. Lá ficamos a tarde. A água estava uma delícia e muito, muito, muitoooo gelada. Mas depois do impacto inicial, você curte bastante os banhos. Não sei se devido a chuva que caia, mas não tinha muitas pessoas no banho, tornando-o ainda mais agradável. Ficamos no Parque até por volta das 17h, já que uma chuva forte insistia em cair. Deixamos então o passeio do Pico Alto para outra oportunidade, já que queríamos ver o pôr do sol e esse não seria possível! Voltamos então para casa e após um banho e um bom descanso, descemos para o centro de Guaramiranga. Era noite de natal e estava fazendo um friozinho de 18º. Passeamos pela praça, lanchamos no Ponto da Tapioca (onde tomei o melhor chocolate quente da minha vida!), fizemos algumas comprinhas e de lá seguimos para o conhecido Bar do Odilon para apreciar um bom vinho. Embora nosso roteiro fosse econômico, não podíamos deixar de ir ao Emporium. Tinha essa dica de lá e queria provar dessas delícias, mas me surpreendi ao perguntar para vários moradores onde ficava e ninguém saber. Mas mesmo assim encontramos, já que o centro de Guaramiranga não é tão grande e acha-se fácil tudo. 2º dia Acordamos cedinho e fomos a uma feira na cidade de Pacoti, ali pertinho. A feira é ao ar livre e ficamos muito tempo olhando desde artesanato a roupas de frio. Volta para Guaramiranga já perto de meio dia, com uma fome daquelas... Almoçamos na pracinha mesmo, comidinha caseira, deliciosa e barata. Dali seguimos para o nosso próximo destino, o Parque das Trilhas, mas infelizmente estava fechado (embora no site informasse que funciona aos domingos e feriados). O jeito foi seguirmos viagem e no caminho paramos no Recanto das Cachoeiras. Pagamos, cada adulto, R$ 2,00 para entrar e lá ficamos durante toda a tarde onde, por volta das 16h, retornamos para Fortaleza.
×
×
  • Criar Novo...