Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Olá Pessoal!

 

 

Venho aqui deixar a minha impressão também sobre a Bota Salomon Explorer GTX, mas minha comparação leva em conta minhas experiências e impressões com 3 tipos de solado: Vibram da Guartelá, Amazonas da Nômade/Vento (Finisterre) - aliás ainda a minha principal bota de trilha atualmente e agora o Contragrip da Salomon Explorer...

 

Fiz uma trilha de montanha com a Salomon, de ataque, sem cargueira, apenas de subida e descida - até o cume do Itapiroca, montanha vizinha ao Pico Paraná, há duas semanas. Impressões = realmente mais rígida, deixa o pé mais "firme" o que para um terreno plano, na minha opinião é melhor. Em pedras e nos raizeiros da Serra do Ibitiraquire não gostei muito, enrosquei o pé muitas vezes em raízes na trilha, coisa que não costuma ocorrer com a Finisterre e mesmo com a Guartelá, mas isso pode ser algo relacionado com o "costume" com o novo tipo de "pisada" que a bota proporciona. No meu caso senti que ela me deixou com a pisada mais neutra ("pronou" um pouco a minha pisada, que é supinada). A aderência em pedra molhada (pegamos alguma chuva e andamos sobre rochas não tão lisas como de outras regiões daqui) não me deu a mesma segurança que tenho com o Amazonas Segall das Finisterre, que a meu ver ainda continua imbatível neste quesito, mas supera o Vibram da Guartelá com alguma vantagem. Em termos de resistência mecânica não sei se vai aguentar tanto castigo como as botas de couro. Vamos ver com o tempo.

 

Enfim, foram as primeiras impressões. Bota usada por pouco mais de 20 Km até agora (algumas caminhadas urbanas para acostumar o pé). Como disse, pode ainda haver muita influência da minha falta de costume com ela... :mrgreen:

 

Saudações,

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Alguém conhece essa bota SALOMON ELIOS 2 MID GTX MASC ? Ela é boa? Qual é a melhor dessas três? BOTA NÔMADE TITÃ / NÔMADE X-PRO II DRY / SALOMON ELIOS 2 MID GTX ? Quero comprar uma bota no valor de uns R$300,00 para pequenas trilhas e estou em duvida

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não conheço essa, vi as imagens dela no google. Ela é cano médio, mais baixo que as demais. Indicada para hikking, ou seja, caminhadas de um dia sem mochila cargueira.

Acho a marca Salomon melhor que a Vento, já tive uma Titã e tenho uma Explorer agora. Se for para trilhas bate e volta, sem cargueira, essa Salomon serve. Se for pra encarar trilhas maiores com cargueira, prefira uma com cano maior.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dae galera tenho uma Xpro da Nômade (vento) comprei em agosto 2010, fiz algumas trilhas leves e pescarias no geral nao tenho tido problema!! bota parece bem nova(impermeabilidade continua 100%) em dezembro 2012 fiz uma trilha 26 km mato/agua pedra todos terrenos, com mochila pesada, fazia alguns meses q nao a usava....resultado vários calos ....Mas acredito q tenha sido pela falta de uso mesmo, mas mesmo assim compraria outra XPRO sem duvida !! estou amaciando ainda!!! abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Alguém conhece essa bota SALOMON ELIOS 2 MID GTX MASC ? Ela é boa? Qual é a melhor dessas três? BOTA NÔMADE TITÃ / NÔMADE X-PRO II DRY / SALOMON ELIOS 2 MID GTX ? Quero comprar uma bota no valor de uns R$300,00 para pequenas trilhas e estou em duvida

 

Difícil dizer qual é a melhor... Não há uma "melhor em tudo". Vai depender do uso e de calçar estes modelos para ver qual calça melhor seus pés. Já as experimentou?

 

Eu continuo gostando mais das minhas Finisterre do que da minha Salomon Explorer GTX. Para o meu tipo de pisada a Vento (Nômade) Finisterre ainda é a que melhor alia conforto, robustez, impermeabilidade e aderência do solado. Mas isso é a minha opinião, para o meu uso, no tipo de terrenos em que eu ando. Pode não ser a mesma coisa para você ou para outros usuários.

 

Outra coisa, você diz que quer uma bota na faixa de uns R$ 300,00, mas a Salomon Elios 2 MID GTX está na média acima de R$ 400,00... ::toma::

 

Saudações!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Eu continuo gostando mais das minhas Finisterre do que da minha Salomon Explorer GTX. Para o meu tipo de pisada a Vento (Nômade) Finisterre ainda é a que melhor alia conforto, robustez, impermeabilidade e aderência do solado. Mas isso é a minha opinião, para o meu uso, no tipo de terrenos em que eu ando. Pode não ser a mesma coisa para você ou para outros usuários.

 

Outra coisa, você diz que quer uma bota na faixa de uns R$ 300,00, mas a Salomon Elios 2 MID GTX está na média acima de R$ 400,00... ::toma::

 

Saudações!

 

Getúlio

Para bota Salomon, R$400 é barganha ::hahaha:: , talvez não para essa bota que tem um visual pouco "agressivo", liso/discreto, como a finis e pouco apelo de "aventura" . Mas pelo que li nos reviews, não é linha "bota de shopping" da Salomon. É uma bota para mochilas de peso médio que se sai bem no frio,altitudes médias, etc, com solado, membrana, construção de bota "de verdade". Teria que ver como ela sai no bafo do clima brasileiro.

 

Em termos exclusivamente de preço, acho que as Vento feitas pra Centauro sob a grife Nord são imbatíveis, infelizmente aquela que eu vi na loja esgotou lá e no site, o negócio é esperar a reposição.

 

Eu ia lhe perguntar sobre uma coisa que você falou aqui ou em tópico paralelo, sobre a durabilidade das Salomon (você citou a chapada), isso diz respeito a desgaste (descola) de sola ou ao resto? Elas, em média, não aguentam abrasão de ambiente brasileiro na parte de cima (costuras, nobuck, nylon) ? Isso é importante pra mim.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Trauco!

 

 

Sobre o preço, também acho que R$ 400,00 não está ruim, se tratando de Salomon, só estranhei o fato do colega ter dito que queria uma bota até R$ 300 e estar listando a Salomon Elios e outras, acima do dito preço... Ficou incoerente. Quanto à bota em si, este modelo Elios 2 Mid GTX, me pareceu também uma boa bota, mas sequer achei ela aqui em Curitiba ("ao vivo") para poder ver o material e fazer algum comentário. Ela simplesmente não existe no mercado aqui.

 

E as Vento/NORD realmente ficaram imbatíveis, e nem acho que seja só pelo preço não, e também não estranho nada elas terem desaparecido rapidinho das lojas... Viu, quem mandou ficar espalhando que aquelas NORD são na verdade botas VENTO :mrgreen:::toma::::lol4::::lol4::

 

E agora vamos ao item mais polêmico do seu último post... Resistência/durabilidade das botas Salomon.

 

Acho que as botas Salomon são botas de primeira linha, MAS sua resistência não é das maiores. E digo isso baseado em minhas observações, que são empíricas, já que não tive (ou tenho) qualquer intenção de ser científico para isso, até mesmo por me faltar ferramental técnico adequado e tempo para isso. Essas observações tenho feito sobre a minha bota (Explorer GTX, com pouco mais de 2 meses de uso agora), uma Salomon Authentic GTX (da minha esposa, que não faz trekking e tampouco qualquer outro esporte "agressivo" com ela, indo para 3 anos de idade agora) e outros modelos da Salomon (Cosmic 4D GTX, XTracks, XA Pro 3D GTX Mid, Discovery GTX, Fastpacker 3D Mid - de diferentes pessoas do meu círculo de amizades, de diferentes tempos e tipos de uso) com os quais tenho algum contato por meio dos pés (e das trips) dessas pessoas...

 

Minhas constatações, repito, bem empíricas e subjetivas, é que as Salomon apresentam desgaste "visível" bem mais rápido que algumas outras botas, especialmente às de cabedal confeccionado totalmente em couro nobuck, à exceção das botas ditas "de shopping". Esse desgaste se mostra tanto no solado (pequenos e "quase" imperceptíveis descolamentos em áreas sensíveis com pouco tempo de uso, passando por descolamentos maiores na região da biqueira, chegando em descolamentos de entressola e até trincas em casos mais extremos e nos modelos mais "surrados"). Os casos mais extremos de danos que observei sempre se manifestam por volta de 3 anos de uso (pelo menos nos calçados que observei/observo aqui), e geralmente são mais evidentes no cabedal do que no solado. Uma exceção a isso tem sido justamente a bota que considero a menos "surrada", que é justamente a da minha esposa, que a usa muito pouco e, quando usa, só para caminhar num dia de chuva no centro da cidade. Alguém poderá dizer: "tá, mas 3 anos de uso para uma bota dessas, em uso mais ou menos intenso está bom!" Pode ser. Mas tenho vários amigos que usam botas de couro com vida útil normalmente não inferior a 5 anos. Tive bota que durou 8 anos de uso árduo e intenso, tendo sido ressolada 2 vezes (que só "aposentei" por estar feia) e tenho bota, hoje, que está comigo há 7 anos, sem ressola, em rotina de uso que considero mediana, e está em excelente estado, o que me dá mostras de que permanecerá comigo pelo menos mais uns 3 anos ainda... Provavelmente eu é que sou um usuário muito cuidadoso ou não faço nada que detone as botas. Táh! O "detalhe" é que essas botas custaram meno$ que uma $alomon, e a mais "velha" que conheço tem pouco mais de 4 anos e está no só "bagaço". Uma das candidatas a "mais velha" Salomon teve seu óbito atestado recentemente pelo seu proprietário no meio de uma travessia, pois a bota simplesmente não aguentou e se desfez (descolou/desmanchou totalmente a entressola), voltou para casa colada com silver tape, deixou o dono em sérios apuros (aparentemente não dava sinais de problemas na entressola) e, nem preciso dizer, foi direto pro lixo.

 

Coincidentemente (ou não) as Salomon mais desgastadas são justamente as que passaram por alguns períodos de uso intenso em terrenos rochosos e vegetação com dura, como nos sertões do Jalapão, Chapada Diamantina e Chapada dos Guimarães. São as que trazem consigo as marcas de uso mais evidentes e contundentes: cortes e esfolamentos no tecido (trama de nylon) e no couro, desgaste/rompimento de costuras, esfolamentos e até "arrancamentos" de pedaços de solado, esfolamentos e cortes de biqueira, desprendimento/arrancamento de passadores de cadarço. Óbvio que nestes tipos de terrenos/vegetações qualquer bota sofre este tipo de castigo, mas comparando (empiricamente, enfatizo de novo...) com o desgaste apresentado em outros modelos de botas, especialmente as tradicionais de couro nobuck hidrofugado (~ 2mm) - modelos nacionais de marcas consagradas, como Nômade/Vento/Milipol, Snake/Guartelá, Santuário (isso para ficar apena nas nacionais) de pessoas que fizeram os mesmos roteiros ou andaram nas mesmas regiões, em atividades e por tempos semelhantes, ficou claro para mim que, provavelmente, as Salomon duraram/durarão menos tempo. Coloquei "provavelmente" de forma proposital, pois não tenho como afirmar (minhas observações são totalmente empíricas, lembra?...) que isso vá ocorrer com todo e qualquer usuário. Fiz a observação comparando algumas "lesões" nos materiais de algumas botas e a "aparência" é de que o material das Salomon irá abrir o bico antes. Obviamente existem dezenas de variáveis envolvidas, como por exemplo o cuidado do usuário com o calçado (conservação, limpeza, uso, etc), tipo de terreno/clima/vegetação de uso mais frequente/intenso da bota, tipo de pisada do usuário, e etc, etc, etc...

 

Volto a insistir que isso não é uma verdade absoluta, não há nenhuma pretensão de que seja. É apenas uma impressão/constatação minha, totalmente empírica, pessoal. Não quero também desmerecer em nada a marca ou os produtos Salomon, que como falei no início destas considerações, tenho como uma linha de produtos de primeira linha, possuindo inclusive, "na família", dois pares de botas e um par de tênis da marca.

 

Que venham as pedras agora... :mrgreen:

 

Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá pessoal!

 

 

Esqueci de mencionar no meu último post (que aliás ficou bem longo), minhas impressões atualizadas sobre minha Salomon Explorer GTX:

 

Atualmente ela está com pouco mais de 2 meses de uso, estimo cerca de 40 Km de trilhas e caminhadas urbanas. Apesar dos percalços com ela, tenho insistido no seu uso para as trips mais curtas e cotidianas, até para sentir melhor suas características e me acostumar melhor com ela...

 

Continuo achando o solado Contragrip dela deficiente em termos de aderência em rocha molhada. A mudança no meu tipo de pisada (como já citei antes, ela tende a deixar minha pisada mais pronada) às vezes me ocasiona alguns tropeços em terrenos inclinados, como encostas de morros, mas ainda creio que fruto da falta de costume com ela (mudança da pisada).

 

Uma coisa que me incomodou nela foi a palmilha (Ortholite), que considero de qualidade sofrível no quesito conforto. Êta palmilhinha vagaba! Fina e dura prá caramba. Nas primeiras caminhadas em trilhas mais longas com ela saí com a planta dos dedos dolorida, coisa que nunca me ocorreu com bota nenhuma. As palmilhas da Vento e da Guartelá, nacionais, só para citar as minhas botas ativas atualmente, dão de 10 a 0 nesta Ortholite... Em grande parte resolvi o problema substituindo a palmilha original por uma especial em silicone e espuma injetada da Dr. Scholl, dessas que se compram em lojas de podologia. Testada com essa palmilha em duas trips recentes, a melhora notada foi de 85%. Ainda vou testá-la com a palmilha de uma Finisterre. Se aprovar e ficar melhor que a palmilha Dr. Scholl compro uma aqui, direto na fábrica da Vento...

 

Desgaste: tive, na trip de páscoa na região dos Agudos (Sapopema), um pedaço de um dos cravos do solado Contagrip arrancado, provavelmente atrito com as rochas na subida do Agudo de Sapopema. Arranhados e marcas nas laterais frontais do solado e na biqueira são bem evidentes.

 

Era isso! Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Getúlio

Valeu pela "revisão", eu mais ou menos imaginava essa fragilidade que você relatou. Normalmente meus calçados acabam na sola, minha última bota foi exceção porque as partes de plástico na região da entressola perderam o plastificante com o tempo e começaram a esfarelar irreversivelmente, mas o solado ainda ia, tranquilamente mais dois anos e o cabedal mais ainda. Pode ser o uso (tinha seis anos) ou pode ser efeito colateral de umas duas aplicações de impermeabilizante no nobuk, mas pela idade, valeu o que custou.Era toda de nobuck e agora eu queria uma mix de nobuck e nylon/cordura porque elas ventilam/transpiram melhor mas também podem ser usadas com clima frio. Além disso, esse mix deixa as botas ligeiramente mais leves. Mas eu tive um tenis Salomon XA que me deixou um pouco desconfiado do material, a tela dele se desgastou na dobra do pé/dedos, simplesmente de tanto dobrar ela esgaçou. Continuei usando pois a Salomon não dava garantia decente (agora não sei) e quando o Contagrip gastou e o EVA ficou exposto, o aposentei, aí, examinando antes de jogar fora achei uma série de descolados no solado que inevitavelmente iam gerar um "jacaré", aquele tenis que se abre no bico como um animal desses.Foram dois anos e meio, eu acho, de uso intenso. Comprei um modelo menos estiloso de tenis da Salomon que é muito superior em materiais e resistência a abrasão e acho que parte da fragilidade do XA era programada para o sujeito que compete e usa numa temporada e descarta pelo modelo seguinte.

Com botas, eu penso que deve existir mentalidade semelhante, as mais fashion e estilosas são feitas para uma temporada de montanha e no ano seguinte é trocada por outra onde o 3D virou 4D e assim por diante. Vou olhar os modelos que são mais low profile, que demoram mais tempo a serem substituidos por outro quase equivalente.

Uma coisa que você falou eu faço igual, eu sou cuidadoso com calçado e equipamento em geral, se puder evitar uma situação que force o equipamento, eu evito, hábito de quem andava com equipo fotográfico no mato.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Meus amigos , uma duvida que esta marretando a cabeça, nao estou com uma fase boa para botas, estou passando um momento bom com a minha, que a principio pareceu satisfazer meu uso (trail pro da curtlo) , porem mes que vem estou indo para Trilha Salkantay , e por mais que o pós venda da Curtlo esta sendo impecavel, me enviando botas novas, estou querendo algo mais especifico , e me interessei muito pela SALOMON QUEST 4D MASC GORE-TEX, mas desde os primeiros posts reparei uma variação de qualidade (sorte na verdade) com varios diferentes modelos dessa marca. Pois bem, o que vocês , mais experientes , me dizem sobre esse modelo SALOMON QUEST 4D MASC GORE-TEX, algum relato atual.

 

Me indicaram tambem a Snake Tronador, o que conhecem sobre ela tambem ?

Agradeço a todos desde ja .

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...