Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Colaboradores

Camp 2 – Nido de Cóndores

No dia 20 levantamos acampamento e subimos para Nido de Condores, eu, Zaney, Philipp e Andre. Andre era o mais rápido e logo estava bem distante à frente, seguido por Zaney e Philipp, e eu fiquei mais atrás. O trajeto foi tranquilo, bastante frio e ventando um pouco, mas não foi muito sofrido. No trecho final Zaney começou a sentir muita fraqueza e eu o alcancei. Entreguei um chocolate pra ele recobrar as forças e seguimos devagar. Quando enfim chegamos, Andre e Philipp já tinham encontrado um local para suas barracas, que eram menores e menos resistentes aos ventos, então precisavam de um local mais protegido. Nido de Condores é um acampamento muito exposto, então eles tiveram que descer até um lugar um pouco afastado. Como a gente ia deixar a barraca lá montada quando fôssemos descer de volta a Plaza de Mulas, também precisávamos de um local seguro. A previsão para os próximos dias de tempo ruim era de ventos de até 100 km/h em Nido de Condores, e 150 km/h no cume ::ahhhh:: .

Armamos a barraca um pouco abaixo da tenda dos guarda-parques, ao lado de duas grandes rochas, em um espaço estreito cercado dos outros lados por uma descida íngreme e por uma pequena parede de neve. Tivemos que escavar um pouco essa parede de neve pra caber a barraca. Saí à procura de pedras grandes pra fixar a barraca. Não foi fácil descer com as pedras. Maldita falta de oxigênio. Assim que terminamos, Zaney entrou na barraca e disse que não queria mais se mexer :lol: . Eu precisava beber água, então fui iniciar o trabalho de pegar neve pra derreter, antes que o frio aumentasse demais. Já estava aumentando. O frio e o vento ::Cold::

598de35f8133c_VistadaportadabarracaemNidodeCondoress21horasdodia20dedez.jpg.c38f684412656698ee3a5323052a48bc.jpg

Ao fim do processo já estava escurecendo. Mais um espetáculo no céu. Esses pores do sol não vão sair fácil das minhas lembranças.

Essa noite não foi das melhores. Muito difícil de respirar, extremamente frio (uns -20°C), e o vento sacudindo a barraca a noite inteira.

Pela manhã (dia 21) o vento ainda ficou mais forte. Por volta das onze horas criei coragem de subir até os guarda-parques para checar o prognóstico do tempo para os próximos dias. Havia piorado. “Vocês podem dormir mais uma noite aqui, mas amanhã todos descem pra Plaza de Mulas. Muito perigoso. Reforcem mais a barraca, coloquem pedras grandes do lado de dentro. Os ventos serão muito fortes”. Passamos o dia praticamente sem sair da barraca, a não ser pra pegar neve pra fazer água. Ventania o dia todo.

598de35f8a178_Vistadaportadabarracanatardedodia21dedez.jpg.e917aab5746b2a794b12280605f0daf6.jpg

598de35f92904_Noimportavaquoruimestavaoclimaavistaerasempreimpressionante.jpg.94c9b2d237679a007a4c4e288d72ce87.jpg

E na manhã seguinte nos preparamos pra descer os quase 1.200 m verticais que havíamos subido desde o acampamento base.

Saímos por volta das 11:00, com frio e vento piores que no dia anterior. Optamos por deixar as pesadas botas duplas lá em cima, e desci com minhas botas de trekking normais e os gaiters. Tínhamos que descer rápido, nos manter em movimento pra circulação do sangue manter os pés e mãos quentes. Logo no começo da descida veio uma rajada mais forte de vento e me jogou de bunda no chão. Poderia ter sido engraçado de ver. Mas a sensação foi de muita impotência e fragilidade.. fiquei lá no chão uns segundos indignada por ter sido derrubada por um “ventinho” ::lol4:: . Levantei e acelerei pra alcançar o Zaney. Tínhamos que passar pelo acampamento Canadá pra pegar umas coisas que a gente tinha deixado lá, inclusive os saquinhos de cocô. Aproximando de lá, veio um vento branco jogando um monte de neve e gelo com muita força em cima de nós. Era um trecho meio íngreme e tivemos que deitar no chão pra firmar. Frio, frio, frio. Continuamos. Chegando no acampamento Canadá os pés do Zaney estavam começando a congelar. Ele teve que tirar as botas e esfregar os dedos pra fazer a circulação voltar. Enquanto isso as minhas mãos estavam doendo muito de frio e eu tentava pegar algo pra comer e não conseguia. “Pára vento, pára um pouco! pára vento...” era o meu único pensamento. Acho que eu repetia isso em voz alta também, como se o vento fosse me ouvir. E ouviu. Mas só por uns dois minutos, suficientes pra gente conseguir colocar as coisas nas mochilas. Tentei beber água. Estava quase completamente congelada, só saiu um gole. Forcei pra dentro uma barrinha de cereal congelada e voltamos à descida.

O vento começou a amenizar nesse segundo trecho. Zaney quis pegar um atalho que na verdade não dava em nenhuma trilha. Pra não ter que voltar atrás, optamos por atravessar uma parte de gelo liso pra alcançar um outro caminho mais à frente. Escorregamos sentados por uns seis metros. Também poderia ter sido divertido, se eu não tivesse cortado a mão tentando frear no gelo. Mas voltamos ao caminho e seguimos. Ali os ventos já estavam mais calmos :)

  • Gostei! 4
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores

598de35faf7b6_25dedezemPlazadeMulasvistaencobertadocomeodarotanormaldeascenso.jpg.b9e1701029ffbd435f1fa0a233e972dd.jpg

Dia 26 de dezembro acordamos ainda com neve e vento. Mas a previsão dizia que melhoraria no período da tarde. Então fomos nos preparando pra subir. Aguardamos, e o tempo não melhorava. Por volta de 13 hs decidimos iniciar a subida mesmo assim. Comecei na frente e lentamente fomos seguindo com a neve na cara. Assim que saímos da área do acampamento e começamos a subir, já não dava pra enxergar nada poucos metros à frente, tudo branco. O vento estava constante e a neve fina não parecia que iria parar. Avançamos no máximo 300 metros e parei, virei pra trás e falei que não parecia uma boa ideia continuar subindo naquelas condições. Esperei parada pelas reações. Atrás de mim estava o Philipp, depois o Zaney, e o Andre ainda estava no acampamento, mas nos alcançaria em minutos. Philipp e Zaney concordaram e na mesma hora começamos os três a descer de volta. Andre ficou indignado: “c’mon guys! we can get there, tomorrow is gonna be the same!” Eu também não queria abortar a subida depois de tudo preparado, passar mais uma noite ali e correr o risco do clima estar igual ou pior no dia seguinte. Mas a falta de visibilidade me preocupava. No começo estaríamos juntos, mas depois seria cada um no seu ritmo e eu não queria ficar sozinha montanha acima naquela nevasca sem enxergar nada à frente e sem enxergar o caminho (todo coberto de neve fresca). Mas falei então que toparia o que eles decidissem. Zaney e Philipp disseram que preferiam ficar. E voltamos cabisbaixos pra tenda comunitária. No misto de sentimentos, fiquei também um pouco aliviada de não enfrentar a subida naquela nevasca, confesso... E Andre fechou a discussão com “vocês sabem que amanhã não vai estar melhor, certo? Vai estar assim ou pior, e não teremos escolha senão subir, ok?”. Ele estava um pouco bravo. Todos estavam, claro, mas Andre era o mais preparado de nós e acho que teria chegado em Nido com certa tranquilidade. É compreensível que tenha ficado mais chateado...

Foi uma boa decisão no fim das contas. Quase todos que haviam começado a subida antes de nós desceram em seguida. Um grupo que estava no camp 1 passou maus bocados e uma pessoa sofreu hipotermia no começo da tarde. Nossos colegas russos subiram, com exceção da menina, que desistiu do cume e ficou aguardando eles em Mulas.

Chegando à tenda comunitária, quebrei nossos cinco minutos de silêncio sugerindo um jogo, já que nosso humor não estava dos melhores pra conversar. E jogamos por umas 3 horas, revezando pra buscar água e pra fechar a porta que teimava em abrir com o vento e jogar quilos de neve pra dentro. No fim da tarde, com atraso em relação à previsão, o tempo melhorou. Parou de nevar e começaram a surgir pequenos pedaços de azul em meio ao branco-cinza que cobria o céu. Saímos pra montar de volta a barraca do Andre e fiquei mesmerizada com a paisagem ao redor. Sem o vento, um grande silêncio e paz. E uma beleza única até onde a vista podia alcançar.

598de35fa3447_PlazadeMulas-26dedezembro2016.jpg.68920588ce443cb6ee93e222a6c4146d.jpg

Na madrugada, novamente muito frio e muita condensação. Amanheceu com vento e outra vez a rotina de gelo caindo sobre todas as coisas e deixando meu saco de dormir mais molhado. Já estava úmido por dentro também, porque tive que comprimi-lo pra guardar no dia anterior sem tempo pra secar antes, na nossa tentativa falha de subida. Iniciamos novamente a preparação para a subida: guardar as coisas na mochila, comer, usar o banheiro pela última vez, esquentar água parcialmente congelada e encher as garrafas, colocar os gaiters, separar snacks de fácil acesso para o percurso... Pendurei o saco de dormir ao vento pra ver se secava um pouco, mas em vez disso congelou :lol::roll: . Enquanto isso, tentei em vão derreter meu protetor solar que estava duro igual pedra. O vento começou a acalmar. Céu azul. Sem neve. Perfeito. Agradeci mentalmente ao universo, à Pachamama e ao Apu do Aconcágua por poder dizer: “ainda bem que esperamos pra subir hoje :D ”. E é claro que o Andre respondeu: “você sabe que teríamos conseguido ontem sem problemas”. Na verdade eu não confiava nisso não rs.

  • Gostei! 4
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Silnei featured this tópico

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...