Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

João Rosenthal

Camboja, Laos e Vietnã em 21 dias - Nov/2017

Posts Recomendados


Dias 01 e 02 - Overdose de avião, Dubai e chegada em Phnom Penh

Após um voo de 1h de Florianópolis para Guarulhos, embarcamos no dia 03 de novembro a 1:10 para Dubai no Airbus A380, o maior avião do mundo. Ele é de fato bem mais espaçoso e a estabilidade é impressionante, mas ainda assim foram penosas 14 horas e 30 minutos de viagem até os Emirados Árabes Unidos.

Às 21:00 (horário local) chegamos em Dubai e fomos recepcionados pelo Dubai Connect, o serviço para pessoas que passam a noite na cidade por conta da Emirates. Eles próprios providenciam o visto, serviço impecável, e o hotel que ficamos era bom, chama-se Copthorne. Só tivemos tempo de jantar no próprio hotel e capotar, pois no dia seguinte teríamos que sair às 6:30.

IMG_20171103_153332291.thumb.jpg.ffb7af2c51ac7f9a8a4bceb0a17ab9a4.jpg

Aeroporto de Dubai - Emirados Árabes Unidos.

Acordamos às 5:30, tomamos banho e comemos, e no horário marcado a van nos esperava. O voo saiu no horário previsto, e às 9:00 decolamos rumo a Phnom Penh, capital do Camboja. O voo demorou 6 horas até Yangon, no Myanmar, e depois seguimos por mais 2 horas no mesmo avião até Phnom Penh.

A imigração no Camboja foi péssima, atendentes mal-educados, com um inglês péssimo, e bem indispostos a ajudar. Na base do achismo fomos fazendo as coisas e deu certo, mas vimos muitos ocidentais tendo problema e indignados com tamanha falta de vontade de todos os funcionários, sem exceção.

Pegamos um táxi rumo ao nosso hotel, o Suite Home Boutique, e que não recomendo por conta da sujeira e cheiro de fritura em todos os quartos. No caminho de táxi até lá eu já estava maravilhado, estava na Ásia! Trânsito caótico, calçadas invadidas por motos e pessoas, comida na rua, tudo desorganizado. E apesar de tudo é incrível, eu amo estar em lugar que não se parece em nada com o Brasil. Chegamos no hotel às 22:00, mas por conta do fuso sem sono nenhum, então fomos até a região do Royal Palace que é onde a cidade mais tem vida. Como era dia do Festival das Águas, havia muita gente, completamente lotado, e as ruas todas iluminadas.

IMG_20171105_183942642.thumb.jpg.4229af2dca9d0f1d2f94b3142835b366.jpg

Pelas ruas de Phnon Pehn.

Como nosso objetivo era comer, fomos a uma pizzaria com vista para o rio e comemos uma pizza cada. Estava gostosa, mas o melhor foi começar a se habituar com os valores para comer nessa região, tudo muito barato! A pizza era individual e custava 5 dólares.

Depois disso ainda rodamos um pouco mais pela praça em frente ao palácio e voltamos para o hotel. Apesar da falta de sono fomos dormir para tentar se adaptar ao fuso; obviamente não foi a melhor noite de sono da vida, mas no limite do possível deu certo e consegui descansar.

Dia 03 - Conhecendo a capital do Camboja

Acordamos às 9:00, tomamos um café da manhã bem ruim, e fomos explorar Phnom Penh a pé. Caminhamos por toda a avenida principal (que margeia o rio) até o Wat Phnom, um dos principais templos da cidade e que deu nome à cidade. Região bonita, bem organizada perto da zona que é Phnom Penh. O Camboja é um país muito pobre, e a sua capital e principal cidade não é diferente: muita sujeira e uma desorganização nas ruas que impressiona. Mas ao mesmo tempo o povo khmer é demais, muito amigável, tentam ajudar ao máximo, e estão sempre com um sorriso no rosto.

Depois do Wat Phnom fomos almoçar em um restaurante que fica à beira do rio, lugar muito agradável, mas não me recordo do nome. Fica um pouco mais afastado da zona principal, e por isso os preços eram mais em conta. Gastamos em torno de 12 dólares para dois por um set menu, que vem uma sequência de pratos variados, todos muito bons, desde sopa até peixe e arroz.

IMG_20171105_153523642_HDR.thumb.jpg.5da818796e53fd22f617afe98750b518.jpg

Royal Palace

Saímos de lá muito bem alimentados e fomos ao Royal Palace, talvez a principal atração de Phnom Penh. O lugar é bonito, mas não me impressionou tanto. É relativamente pequeno e a área de visitação é muito limitada. Não quisemos ficar muito tempo, acho que a coisa mais legal de Phnom Penh é mesmo observar a vida asiática caótica e não turística (muitos dos lugares posteriores que fomos são excessivamente turísticos), e nisso acho que a cidade é fantástica; não é bonita, e nem recomendo passar muito tempo lá, mas conhecê-la foi uma experiência única.

Depois do palácio resolvemos caminhar um pouco mais pela orla do rio, e como era final de tarde ela fica movimentada e cheia de vida, e o choque cultural é impressionante. Uma verdadeira aula de Ásia, com tudo que há de mais marcante na região reunido em uma área pequena. Vimos cenas surreais para os padrões brasileiros, interagimos com locais e ainda arriscamos um jogo de peteca local.

IMG_20171105_183130489.thumb.jpg.df2b15a73e3256259412b1a723212578.jpg

Praça em frente ao Royal Palace - Phnon Pehn

À noite fomos comer em uma padaria, pois estávamos sem muita fome e queríamos apenas um sanduíche mesmo. A padaria por sinal era muito boa, estilo francesa com uma arquitetura muito bonita. Saímos de lá quase 22:00 e voltamos para o hotel. Nosso único dia completo em Phnom Penh estava encerrado.

Dia 04 - Mais um pouco de Phnom Penh e deslocamento para Siem Reap

Acordamos cedo neste dia, pois teríamos voo para Siem Reap à tarde. Decidimos conhecer partes menos convencionais da cidade, e de início fomos ao Monumento da Independência que fica em uma junção de avenidas largas. Lugar interessante, mas a partir de lá fizemos um caminho bem maluco até o Mercado Central, por avenidas nas quais éramos literalmente os únicos ocidentais. Algumas bem bonitas e arrumadas, outras muito sujas e bagunçadas; passamos inclusive por uma avenida de embaixadas, tudo muito luxuoso para contracenar com a pobreza cambojana. Chegamos por fim ao Mercado Central, que tem uma arquitetura no mínimo bizarra, parece uma nave espacial. Lá dentro vendem principalmente joias e roupas, e minha mãe comprou uns xales.

IMG_20171106_121332338.thumb.jpg.bd4c16ec13cec165b31fbba376742b23.jpg

Central Market - Phnon Pehn

Depois voltamos para o hotel. O forte deste era a localização, impecável e de fácil acesso a tudo. Lá pegamos um tuk-tuk, o primeiro da minha vida, e fomos ao Mok Mony, restaurante de melhor custo benefício em Phnom Penh segundo o trip advisor, que fica um pouco afastado da região central (não muito). Não decepcionou, a comida era espetacular, bem típica da culinária khmer, e o valor ficou em torno de 11 dólares para os dois, sendo que comemos muito!

Pegamos novamente um tuk-tuk e voltamos ao hotel. Fizemos check out e às 15h pegamos um táxi para o aeroporto, rumo a um dos destinos mais aguardados da viagem: Siem Reap e o complexo de Angkor! Nosso voo foi tranquilo pela Cambodia Angkor Air, e chegamos às 18:45 em Siem Reap. Lá pegamos um táxi (10 dólares) até o Bayon Boutique Hotel, o melhor disparado da viagem: atendimento impecável, quarto enorme, localização excelente e ainda tinha piscina, massagem gratuita e ainda organizavam todo o planejamento de visita a Angkor com tuk-tuks credenciados pelo mesmo valor dos demais locais da cidade. O único ponto negativo era o café da manhã, vinha pouco e a qualidade era média.

Assim que chegamos definimos nossa programação para a visita aos templos, e ficou da seguinte forma:

·         Dia 1 - Circuito pequeno: Angkor Wat, Bayon, Baphuon, Ta Keo, Ta Phrom e Pre Rup (pôr do sol);

·         Dia 2 - Beng Mealea;

·         Dia 3 - Circuito grande: nascer do sol em Angkor Wat, Preah Khan, Neak Pean e Eastern Mebon.

Achei a divisão dos dias perfeitas, vimos todos os templos que interessavam mais e não ficamos saturados. Beng Mealea foi ótimo pra dar uma quebrada no ritmo, é um templo à parte (sequer faz parte do complexo principal) e muito diferente dos demais.

IMG_20171106_202939056.thumb.jpg.9eecf1b18ec57725ca6f40a0e83383fa.jpg

Quarto do Bayon Boutique em Siem Reap, um dos melhores da viagem

Feita essa programação, saímos para comer. A região central de Siem Reap é insanamente tomada por turistas, é um negócio até meio impressionante depois de sair de Phnom Penh. A cidade vive para turismo. Comemos num local bonito, mas a quantidade de pimenta na comida tornou a nossa janta um tormento, era num nível difícil de comer. A qualidade era muito boa, mas estragaram com a pimenta. Depois disso voltamos pro hotel e fomos dormir, o dia seguinte seria puxado.

Dia 05 - Circuito pequeno de Angkor Wat

Acordamos às 6:30, comemos e às 7:30 nosso tuk tuk estava nos esperando na porta do hotel. Era um cara fantástico, de um coração enorme, sempre com um sorriso no rosto. Não poderíamos ter encontrado melhor. Ele nos levou ao local onde se compra a entrada e escolhemos a de 3 dias pelo valor de 62 dólares por pessoa (Beng Mealea é à parte).

Depois disso seguimos para Angkor Wat... meu amigo, que lugar é aquele?! A chegada, a primeira visão do templo emociona, me sentia num filme, num sonho, sei lá. É inexplicável. O lago ao redor, o portão de entrada, é tudo fantástico. Exploramos Angkor Wat detalhe por detalhe, inclusive perdemos mais tempo do que devíamos para completar a programação do dia. Subimos à parte mais alta dele, que tem fila demorada inclusive, e vimos todos os detalhes das paredes e construções.

IMG_20171107_093320134.thumb.jpg.d73b57d2df5427224f9d643c7a472c8d.jpg

Momento mágico, indescritível

Saímos de lá depois das 12h e fomos ao Bayon, que foi na minha opinião o templo mais bonito. As enormes cabeças e o formato das construções são impressionantes, e por ser pequeno dá pra ser bem explorado nos mínimos detalhes. Seu vizinho, o Baphuon, foi o próximo destino, e apesar do tamanho e da altura, ele é um pouco mal cuidado e cheio de obras, o que torna a visita um pouco sem graça. Mas ainda assim gostei.

IMG_20171107_125702157_HDR.thumb.jpg.b452fa76e576a99b4464d51a88ca9955.jpg

Bayon Temple

Como já era quase 15h decidimos almoçar numa barraca ali perto, comida simples mas boa, e apesar de ser dentro do complexo era um preço razoável, em torno de 6 dólares o prato. De lá seguimos para o Ta Keo, totalmente dispensável e que não incluiria se fosse novamente. Ficamos bem pouco tempo e partimos para o Ta Phrom, esse sim espetacular e dos mais interessantes. Não é só pelas árvores que tomaram as casas, mas os seus labirintos em si são demais e valem a visita.

IMG_20171107_151248421_HDR.thumb.jpg.691934fa79d5b373eb658b612c5a2982.jpg

Entrada do Ta Phrom, sem dúvidas um dos mais bonitos do Complexo de angkor

Para encerrar o dia fomos ao Pre Rup ver o por do sol. Achei o templo em si muito bonito, gostei de conhecê-lo independentemente do por do sol. Apesar de a localização dele para isso não ser tão boa quanto a do Phnom Bakheng, este último é completamente lotado de pessoas, e principalmente de chineses, que tomam o espaço e fazem uma gritaria louca. Valeu a pena, pois o Pre Rup é silencioso e tranquilo, mas nossos dois celulares estavam sem bateria e não temos uma única foto deste momento.

De lá voltamos ao hotel, onde chegamos às 18:30 e saímos para comer. Seguindo recomendação do trip advisor, fomos ao AnnAdyA, bem próximo ao nosso hotel. A comida era maravilhosa, comi um prato com carne de porco que estava delicioso, minha mãe comeu um peixe e dividimos uma salada e um coco. A conta deu 14 dólares, até pouco para a qualidade que comemos. Exaustos, só tivemos energia pra voltar pro hotel e capotar. Foi, sem dúvidas, um dos melhores dias da viagem.

Dia 06 - Beng Mealea

Descobri Beng Mealea através do relato da Samantha, que foi um dos melhores que li sobre esta região: https://www.mochileiros.com/topic/19834-sanuk-tailândia-camboja-e-vietnã-em-35-dias/ - deem uma olhada lá. Agradecimentos à parte, decidimos ir para Beng Mealea de táxi e custou 70 dólares para o dia inteiro. Ele nos buscou às 8:30 e o trajeto demorou uma hora e meia, e é incrível pois você vê a vida cambojana rural, que é um mix de cores, pobreza, comidas diversas e muita alegria. 

Chegamos em Beng Mealea às 10 e o ingresso custa 5 dólares por pessoa. Vale cada centavo, pois este templo é demais! Não houve alterações ou revitalizações, ele está como foi deixado, o que dá um clima de aventura total ao lugar. As pedras desmoronadas ocupam todos os espaços, e as árvores invadem quase tudo. O visitante vai por uma passagem construída que percorre toda a estrutura, mas há caminhos alternativos algumas horas. 

O ponto baixo do local é a quantidade de chinês, todos em grupos enormes gritando sem parar, invadindo o espaço alheio, e (sim, infelizmente) tacando lixo no templo! Fiquei tão indignado com aquela cena que parei e fui dar uma bronca no cara, mas ele não falava uma palavra em inglês e me ignorou. Naquela hora o sangue subiu à cabeça, fiquei muito, mas muito puto, mas não queria que aquilo estragasse meu dia e segui meu caminho.

IMG_20171108_102235751.thumb.jpg.a4a1e9d6a2522287b619550262cb6989.jpg

Beng Mealea - totalmente intacto

Tretas de lado, ficamos 2h em Beng Mealea e senti que foi o suficiente, pois andamos com calma e curtimos a vibe do local sem pressa. O melhor mesmo de lá é que muda muito em relação ao Complexo de Angkor, então é um dia à parte, não possui muita semelhança com os demais. Assim demos uma quebrada já que fomos em Angkor no primeiro e terceiro dias.

Após sairmos de lá passamos ainda em outro templo pequeno no caminho de volta para Siem Reap, não lembro o nome e confesso que era bem sem graça. Muitos incluem Koh Ker no dia de Beng Mealea, mas era muito mais longe e não nos interessamos muito. Decidimos voltar cedo e ficar mais tranquilos o resto do dia. Demos uma volta pelo centro de Siem Reap e minha mãe aproveitou para comprar algumas coisas. Achei Siem Reap muito feia e empoeirada, mas tem muitos mochileiros e dizem que a noite lá é muito boa.

Fim do dia voltamos para o hotel, tomamos um banho e fomos a outro restaurante recomendado pelo Trip Advisor, o Genevieve. Não era tão central, então pegamos um Tuk Tuk e valeu demais. O local é amplo, muito bonito, e a comida é espetacular por um ótimo preço. Comi uma sopa enorme com noodles e frutos do mar, minha mãe comeu um peixe, ambos bebemos água de coco e a conta saiu por 14 dólares. O dono é australiano e mora no Camboja há 6 anos, nos recebeu muito bem e disse para recomendarmos ele, então aqui deixo minha indicação; podem ir sem medo de errar (não estou ganhando nada com isso, juro). ::lol3::

IMG_20171108_205301310.thumb.jpg.2d55645b4ba076d77eb404a149513217.jpg

Comida típica Khmer

Voltamos cedo ao hotel e às 10h já fomos dormir, pois o dia seguinte começaria às 4:30.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 07 - Nascer do sol em Angkor Wat, Circuito Grande (parcial) e deslocamento para Luang Prabang

Normalmente eu choraria por acordar às 4:30, mas para ver o nascer do sol em Angkor Wat eu iria feliz até sem dormir. Foi basicamente levantar, por roupa, escovar os dentes e sair; o café da manhã foi preparado pelo hotel e nos entregaram em sacolas. O Tuk Tuk era o mesmo do primeiro dia, gostamos tanto do cara que fizemos questão de que fosse ele novamente, e pontualmente às 4:50 já estava nos esperando. A cidade obviamente ainda estava vazia, mas o movimento de turistas em direção ao templo já era considerável.

Chegamos às 5:15 mais ou menos e ainda foram mais 15 minutos de caminhada até o lago que fica em frente a Angkor Wat, onde a vista do nascer do sol é melhor. Não deu outra, chegamos e já estava tomado de gente, os melhores lugares obviamente ocupados; ainda assim pegamos um espaço excelente e que nos proporcionou uma vista maravilhosa de um momento mágico. O ponto fraco eram os sem noção que simplesmente ficavam na frente de todo mundo tirando fotos mais próximas, e atrapalhando todas as demais fotos. 

IMG_20171109_060349009_HDR.thumb.jpg.5a01a6e3c92f0f88c7922c697ae0d22e.jpg

Sem palavras!!

Quando o sol já estava alto pegamos nosso café da manhã e achamos um banco pra comer. Depois voltamos para a entrada e encontramos nosso motorista para seguir caminho até o Circuito Grande. A primeira parada foi o Preah Khan, um templo de apenas um andar e que possui lados perfeitamente simétricos que levam ao centro da construção, onde há uma estupa. O templo é muito lindo e muito interessante, e ainda possui escavações nas pedras com figuras de budas.

IMG_20171109_085924017_HDR.thumb.jpg.dda2d9d18bcaa80ed0f49e93305e8b4d.jpg

Khmerzinhos!

De lá fomos para o Neak Pean, que fica no meio de um lago, e no espaço construído dentro do lago há outro micro lago onde o templo fica; uma verdadeira inception de lagos. O templo é pequeno, mas vale pelo entorno, pois você chega até ele por um ponte de madeira, um lugar muito diferente dos demais. O nosso planejamento para este dia foi ver templos específicos, todos pesquisados antes, pois não queríamos ficar saturados de templos e, além de tudo, tínhamos voo para Luang Prabang à tarde.

IMG_20171109_075117725.thumb.jpg.2ccf4a38c30622167441d78988e5c0d9.jpg

Detalhes do Preah Kahn - um dos mais bonitos do Circuito Grande

O último templo do dia (e também de Angkor) foi o Eastern Mebon. Foi o meu favorito deste dia, além da sua imponência, ele possui esculturas de elefantes na entrada que me chamaram muito a atenção, pois na maioria dos outros são leões ou nagas. Apesar da preservação precária, as formas dos elefantes ainda estão perfeitamente visíveis. Outra coisa que gostei muito do Eastern Mebon foi a quantidade baixa de turistas, e era muito calmo e silencioso. Tiramos alguns minutos para sentar e relaxar, observar a natureza ao redor e curtir a vibe do local.

IMG_20171109_092732360.thumb.jpg.b6bbddf53ce10897b0afa59aa0249a52.jpg

Eastern Mebon - o único que tem elefantes em vez de nagas ou leões

Perto das 11h voltamos pro Tuk Tuk e de lá pro hotel. Nesse dia estava um calor insuportável em Siem Reap, na faixa dos 35 graus, então fiquei largado em uma sala com ar condicionado que tinha no hotel, e depois arrumamos nossas coisas e fizemos check-out. Saímos para comer e encontramos um restaurante razoável que havia ao lado, o que foi ótimo por conta do enorme calor e falta de vontade de caminhar. Depois voltamos, enrolamos um pouco mais, e às 15h o próprio gerente do hotel nos levou para o aeroporto. O voo foi pela Vietnam Airlines, e saiu às 17h sem atraso. Chegamos em Luang Prabang às 19:20 e pegamos uma van compartilhada para nosso hotel, o valor foi 7 dólares para os dois. Como a cidade é muito pequena chegamos bem rápido no Villa Oudomlith, nossa casa pelos próximos 3 dias. É um hotel muito bem localizado e muito simples; o quarto é ok, mas os serviços são um pouco bagunçados pelo fato de que é um funcionário atendendo todo mundo. 

Deixamos nossas coisas e saímos para comer. De cara o choque veio: a cidade é muito limpa! Muito mesmo, e muito organizada, com construções super bonitas e em um estilo meio europeu. A primeira impressão foi excelente, e já nos sentíamos em casa. Como teríamos o dia seguinte todo para bater perna, focamos em comer, e como eu estava me sentindo meio indisposto (acho que pelo calor de Siem Reap) optei por uma sopa básica. Depois da janta ainda andamos um pouco pelo Night Market e voltamos, pois eu queria dormir cedo, e foi o que fiz.

Dia 08 - Dia de cama e aula de inglês para os locais

Esse foi o dia mais frustrante de todos, pois aquela indisposição do dia anterior virou uma febre que me deixou sem condições de sair da cama. Tentei comer o café da manhã, mas não desceu, e já dava convencido de que não conseguiria sair do hotel. Voltei pra cama e dormi, enquanto minha mãe foi bater perna pela cidade. Ao menos consegui descansar o dia todo e só acordei às 16h, e me sentindo muito melhor. Já conseguia levantar da cama, comi normalmente e a febre tinha passado, mas ainda me sentia um pouco indisposto e com dor de cabeça.

Saí na rua e vi uma grande muvuca ao lado do hotel. Minha mãe estava lá, e descobri que se tratava de um centro onde turistas dão aula de inglês voluntariamente aos jovens locais. Como me sentia bem melhor, topei a experiência e sentei numa mesa com mais 5 laocianos e um inglês (outro voluntário). Confesso que foi uma das melhores experiências de viagem que já tive, pois além de conhecer mais sobre o povo e a cultura do Laos através de pessoas simples e de um coração enorme, ainda estava fazendo um bem enorme e eles se sentiam muito agradecidos e felizes por estarem aprendendo um novo idioma. No meu grupo tinha um cara que falava bem inglês e os outros sofriam um pouco mais, mas na base da paciência sempre funcionava. Fiquei com eles por mais ou menos uma hora, e só parei porque eles precisavam ir embora. 

IMG_20171112_102357088_HDR.thumb.jpg.587b6849e25a20a9bc2fd9914113989b.jpg

Pensa numa cidade com vibe boa

Voltei pro hotel muito feliz após um dia frustrante, e no final das contas aquilo me salvou. Acho que a sensação boa renovou minha energia e à noite já me sentia bem, e saí com a minha mãe para comer. Maneirei um pouco na comida, mas já arrisquei algo a mais do que uma mísera sopa::lol3::.  Comi um sanduíche sem carne e umas bruschettas.

Depois andamos mais um pouco pelo Night Market e minha mãe comprou uma luminária para nossa casa. Voltamos relativamente cedo pro hotel pois o dia seguinte seria o de ir ao Elephant Village, passeio que já estava agendado pela internet há 2 meses.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 09 - Elephant Village

Antes de viajar pesquisei muito sobre esse Elephant Village, e em simplesmente 100% das matérias e comentários eles estavam bem avaliados e, principalmente, eram atestados como o único local no Laos onde os animais são bem tratados. Tem certificado e tudo mais, pois lá é mais do que um local turístico, mas sim um centro de tratamento e recuperação de elefantes, e quando se faz a reserva pela internet você é obrigado a concordar em andar sem cela, direto no pelo, pois assim o animal não sente dores. Enfim, é um local famoso e aparentemente de confiança, pois jamais gastaria dinheiro com um local onde há mau trato.

O tour custou 50 dólares por pessoa, e valeu muito a pena. Nos buscaram em uma van na porta do hotel às 8:30, e depois buscamos outras 4 pessoas que iriam no mesmo grupo, 3 espanhóis e uma australiana. Chegamos lá e fomos direto encontrar os elefantes, a primeira visão impressiona pois são bichos enormes. Parece uma informação besta e óbvia, mas ver pela primeira vez na sua frente dá um frio na barriga. Montamos neles e começamos o trajeto, sempre com um guia no mesmo elefante para ter mais segurança. Fomos através de um rio e depois uma parte por terra, num total de uns 35 minutos em cima do animal. Confesso que achei rápido, mas me explicaram que isso é para comportar todos os visitantes e não passar de 4h total para cada elefante, tempo máximo que eles passeiam por dia.

IMG_20171111_102747398_HDR.thumb.jpg.9e679a5bca9aecaaa6071798f05d74f0.jpg

Mãe e os elefantes.

Depois disso fomos alimentar outros elefantes, e depois pegamos um barco para conhecer os elefantes bebês, que ficam em local separado e obviamente não carregam pessoas. Foi uma experiência incrível como um todo, são animais fantásticos e até que bastante dóceis (mas não se empolgue muito perto deles, tenha sempre cautela). Seguimos de barco até a Tad Sae, uma cachoeira menor e bem menos famosa que a Kuang Si, mas que eu particularmente gostei mais porque lá era possível nadar tranquilo e com poucas pessoas. A cor da água é de cinema, um azul turquesa transparente em várias camadas que formavam uma piscina perfeita. Ficamos lá por 1h e foi um dos pontos altos do dia.

IMG_20171111_113815936.thumb.jpg.43b5e6e94d70a375e1d3558b2c3e9da1.jpg

Tad Sae - menos famosa que a Kuang Si, mas mais vazia e boa pra nadar

Para finalizar o passeio voltamos ao Elephant Village, pegamos uma mesa incrível com vista para o rio e as montanhas, e comemos no Buffet que estava incluso no tour. A comida estava ótima, bastante variedade e sem limite de vezes, o que ajudou para mim que estava passando mal de tanta fome. Comi muito, até exagerei. Depois foi só capotar na van no caminho de volta e esperar chegar no hotel.

IMG_20171111_132138304_HDR.thumb.jpg.a540de2ec09af17336b2bb46c0c5ba3b.jpg

Selva do Laos - espetáculo à parte

Como ainda tínhamos uma tarde pela frente, aproveitamos para bater mais perna pela cidade, algo que sinceramente nunca cansa, e no fim do dia subimos o Mount Phousi para ver o por do sol. O local é espetacular, mas a quantidade de turistas é um pouco insana, então vale mais pelas belas fotos do que por um momento de paz curtindo o visual. Ainda assim não me arrependo nem um pouco, é obrigatório para quem vai a Luang Prabang. 

IMG_20171111_172456174_HDR.thumb.jpg.0c75973531e37b9f65848a1aafc34c2a.jpg

Luang Prabang e um pôr do sol de cinema

De lá andamos um pouco mais por ruas menos convencionais e bem menos cheias, e acabamos entrando num lugar para comer um churrasco do Laos. O restaurante em si era muito bonito, bem arborizado e o ambiente muito agradável; o nome dele é Lao Lao Garden. Bem, o churrasco do Laos é um uma chapa quente com uma sopa ao redor, você frita a carne na chapa e os legumes cozinha na sopa fervente. Eu amei, achei sensacional e muito diferente, mas apenas um para nós dois acabou sendo pouco, então saí de lá com fome. Ah, o valor foi 9 dólares.

IMG_20171111_182718571.thumb.jpg.0d029931fae6b8d43291b0484122d19a.jpg

Churrasco do Laos 

Como eu não estava totalmente satisfeito voltamos à rua principal, onde tomei um sorvete e minha mãe comprou uma bomba de chocolate em uma padaria. Sorvete meia boca, mas eu estava feliz de estar tomando, então valeu. Depois foi nosso tradicional rolê pelo Night Market, e de volta para o hotel.

Dia 10 - Kuang Si Falls e jantar de patrão

Nesse dia tínhamos planejado ir a Kuang Si Falls, e nos deram duas opções: Tuk Tuk ou van compartilhada. Escolhemos a segunda pois era mais em conta, mas o horário era fixo saindo às 11 e voltando às 16:30. Por conta disso acordamos mais tarde e ficamos de bobeira no hotel até o horário marcado. A van era bem apertada e estava com todos os lugares ocupados, então a viagem foi um pouco ruim, mas durou pouco mais de uma hora apenas.

IMG_20171112_152142160.thumb.jpg.fcda54d248c369afc1ab9c42308e82ad.jpg

Chegando lá você passa primeiro por um local onde criam ursos, não entendi muito o intuito daquilo e nem pesquisei, mas os animais eram muito bonitos então eu curti vê-los. De lá chegamos na famosa Kuang Si, talvez a principal atração de Luang Prabang. E sim, ela é famosa por um motivo: é incrivelmente bonita e a queda principal é de cinema, parece um local místico, sei lá. Mas, como já falei antes, preferi ir na Tad Sae porque a quantidade de turistas é pequena, enquanto que na Kuang Si é demais. Apesar disso foi um dia maravilhoso, tomei um banho na cachoeira, visitei toda a extensão dela e tirei belas fotos. Faltando 1h para a van voltar fomos ao restaurante principal que há dentro do parque, e para nossa surpresa o preço era justo, então comemos lá mesmo. A comida era ok, nada de mais, nada a reclamar.

Às 16:30 voltamos ao estacionamento e voltamos para Luang Prabang. A van não nos deixou no hotel, mas sim no centro da cidade próximo ao Night Market. Caminhamos de volta pro hotel, e mesmo cansados é muito bom caminhar por aquela cidade, pois tudo é bonito e ainda tem o Mekong ao redor para dar um charme maior.

IMG_20171112_130434233_HDR.thumb.jpg.59abd20e37e0a14be123b3c4ca73a87f.jpg

Kuang Si Falls

Chegamos no hotel e tiramos uma soneca rápida, e perto das 19h fomos ao View Point Cafe, um restaurante que fica na beira do Mekong. Escolhemos uma mesa que dava de cara com o rio, literalmente, e a vista era sensacional. O restaurante é um dos melhores da cidade segundo o Trip Advisor, e a comida estava espetacular. Porém, como custo benefício achei ruim, pois gastamos 25 dólares para os dois, muito acima da média da região. Mas como iríamos sair do Laos no dia seguinte, queríamos gastar nossos últimos Kip já que perderíamos numa troca. Então gastamos sem culpa e foi uma janta ótima. Comemos peixe, bambu, frango, sopa laociana e uma salada local.

Depois voltamos cedo ao hotel, pois nosso voo para Hanói sairia às 8:50 do dia seguinte, e reservamos nossa van já no hotel mesmo, passariam às 7:30. Nosso último dia em Luang Prabang havia sido ótimo, e era com muita dor no coração que nos despedíamos da lá.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi estou adorando o seu relato .
. Parabéns..
Tenho uma dúvida... Vc acha que seria possível fazer o passeio com os elefantes de manhã e ir nas cachoeiras em Kuang si falls a tarde ??
Qual o horário que retorna do passeio com os elefantes ?? É pra Kuang si falls vc lembra o valor que era pra ir de tuk tuk??
Obrigada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 11 - Primeiro dia em Hanoi

Acordamos bem cedo e às 7:20 nossa van passou para nos buscar rumo ao aeroporto. Tudo ocorreu sem problemas e às 8:50 embarcamos pela Lao Airline rumo ao Vietnã! A chegada e a imigração foram tranquilas, como já tínhamos nosso visto foi bem rápido. No aeroporto mesmo reservamos um serviço de táxi para o hotel, pagamos 36 dólares ida e volta (é bem longe da cidade).

Chegamos perto das 11 no Oriental Central, um dos melhores hotéis da viagem. Muito bem organizado, atendimento impecável e localização excelente, no coração do Old Quarter. E bota coração nisso, de cara já vimos o que seria Hanói: muvuca, muvuca, muvuca e um pouco mais de muvuca. Muita moto, muito comércio, muita gente, muito turista e muita zona. No começo eu adorei tudo, mas confesso que ao final da estadia eu tava doido pra ir embora dali, a cidade me cansou um pouco.

IMG_20171113_134729933_HDR.thumb.jpg.a8d91738b786178ae4ae983362c68030.jpg

Ho Hoan Kiem - muito agradável

Resolvemos dar uma volta de reconhecimento e fomos ao famoso Ho Hoan Kiem, o lago que fica ao lado do Old Quarter e é um dos principais cartões postais da cidade. É um lugar maravilhoso, voltamos muitas e muitas vezes nele apenar para caminhar e observar a vida vietnamita. Além do mais era um ótimo refúgio frente à insanidade do Old Quarter, então ajudava a relaxar. Almoçamos ali perto mesmo, num restaurante recomendado pelo Trip Advisor; como sempre a comida vietnamita é maravilhosa, sempre fui fã e sabia que comer não seria um problema lá. Pratos dos mais variados, com temperos espetaculares e muita criatividade na elaboração.

Depois do almoço nossa ideia era rodar o Old Quarter para fechar o tour para Halong Bay, e passamos em umas 4 agências (são infinitas) até fechar um barco 4 estrelas por 95 dólares por pessoa (sem nenhuma taxa adicional, já ouvi gente falando que pagou coisas à parte) para dois dias depois, passeio 2D/1N. Feito isso, rodamos o resto do dia pelo quarteirão para conhecer mais ele e observar aquela loucura toda. Atravessar a rua mesmo, é uma diversão extra, eu adorava e minha mãe morria de medo. Mas não tem erro, se você vai eles param, se você exita por um segundo as motos já percebem e passam na frente.; o segredo então é olhar bem, estar atento, mas impor respeito, olhar na cara da moto vindo e dar um olhar de "eu que vou agora nessa p***" xD. No final sempre dá certo, não vi um único acidente.

Final de tarde ao redor do lago

Final de tarde ao redor do lago

No final do dia fomos tomar um café em frente ao lago, meu lugar favorito em Hanoi. Ficar caminhando ao redor dele era sensacional, fizemos no mínimo umas 8 vezes pois era muito próximo de onde estávamos. Depois voltamos pro hotel bastante exaustos, pois Hanoi tem uma energia pesada, apesar de uma cidade incrível. Jantamos no hotel mesmo, pedimos pra recepção e eles ligaram pra um delivery pizza pra nós. Acabamos indo dormir cedo, pois no dia seguinte seria mais bate perna.

Dia 12 - Conhecendo a Hanoi menos turística

Acordamos cedo, tomamos o excelente café da manhã do hotel, o primeiro no estilo buffet da viagem, comendo à vontade e com muita variedade. Pegamos nosso mapa, boné na cabeça, muito protetor solar e saímos no sol escaldante de Hanoi rumo ao Ho Tay, o maior lago de cidade e também o menos visitado. Isso fica nítido conforme se aproxima dele, poucos turistas e uma vida cada vez mais puramente vietnamita. O caminho até ele era de aproximadamente 2,5km, e fizemos em uma hora e meia parando bastante no caminho, inclusive entrando em uma micro viela que depois virava um bairro inteiro encravado no meio do concreto, muito doido.

IMG_20171114_112829968_HDR.thumb.jpg.e900d0fcf3c0d37d3a739f01e19a2b6c.jpg

Ho Tay - o maior lago de Hanói

Chegamos lá e a essa altura eu já não estava me sentindo muito bem. Dor de cabeça, indisposição, e não sei exatamente o motivo, acho que um somatório de coisas. Paramos em um café com ar condicionado para descansar e arejar a cabeça, e me ajudou um pouco. Depois seguimos para o lago e foi uma grande decepção, pois ele era feio e muito poluído, então decidimos nem ficar. Voltamos por outro caminho para passar em frente ao Palácio Presidencial e o Mausoléu de Ho Chi Mihn. Fomos por uma avenida larga e muito bonita, e conforme se vai chegando perto desses monumentos tudo fica mais luxuoso, a cidade pobre ganha uma nova cara. Longe de mim querer me engajar em debate político aqui, mas aquele luxo absurdo contrastando com uma pobreza marcante é algo típico dos governos socialistas (e muitos outros também), uma gastança desnecessária para satisfazer os luxos da elite política, enquanto pregam um discurso de igualdade acima dos crescimentos econômico e social. Muita hipocrisia.

IMG_20171114_123047543.thumb.jpg.747c9c7504dc4cd1a5c67cacc48a6930.jpg

Mausoléu de Ho Chi Mihn

Enfim, o Mausoléu é interessante, porém estava em obras nesse dia, então as fotos ficaram horríveis. A praça que separa ele do Palácio do Governo é enorme e cheia de seguranças, então dá um clima um pouco pesado, mas ela é bem cuidada e bonita. Não ficamos lá muito tempo, seguimos para o caminho de volta ao hotel, passando pela avenida das embaixadas e pelo museu das armas, no qual não tivemos interesse em entrar. Eu voltei a me sentir mal e aquilo estava me desanimando, o dia seguinte seria em Halong Bay, um dos mais aguardados, e eu estava ali lutando contra uma febre. Nessa hora pensamos em chamar um táxi, mas desistimos e caminhamos o resto do caminho, que não era tão pouco assim. Foi legal pois entramos por um outro lado do Old Quarter que não havíamos visto ainda, e tinha uma vibe menos turística em relação à área do nosso hotel, parecia bem mais real.

Almoçamos em um restaurante próximo do hotel já bem tarde, se não me engano já eram quase 17h. Eu comi algo leve, sem carne, para me polpar e tentar estar bem pro dia seguinte, mas mesmo os pratos vegetarianos são maravilhosos, pois eles fazem coisas incríveis com os legumes e plantas. Como já estava escurecendo, voltamos pro lago e ficamos sentados em um banco apenas observando. Momento incrível, o dia havia sido cansativo e momentos como aquele me renovavam. Por conta da minha indisposição, fomos dormir bem cedo, e eu rezando para acordar bem.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 13 - Primeiro dia em Ha Long Bay

Acordei e percebi que estava me sentindo muito melhor, e após colocar o termômetro vi que estava sem febre! Aquilo me deixou muito animado para começar o dia e ir rumo a um dos locais mais aguardados da viagem. Tomamos café e às 8:30 nosso ônibus passou para nos buscar, foram 4:30h de viagem com uma parada de meia hora, e perto da hora do almoço entramos no Apricot, nosso barco pelas próximas 24h.

Entramos, colocamos nossas coisas no quarto e já fomos almoçar. A mesa de almoço era bem apertada, mas a comida era muito boa, bastante variedade e em boa quantidade; tinha de tudo um pouco, desde carne vermelha, suína, até frutos do mar, sempre acompanhados de salada, arroz e legumes. Durante o almoço o barco já estava se mexendo e adentrando cada vez mais as formações rochosas de Ha Long, e a visão que eu tinha era um espetáculo, o lugar é incrivelmente bonito. Pra completar o tempo estava nublado e sem chuva, o que dava um ar bucólico à paisagem.

IMG_20171115_164102374_HDR.thumb.jpg.244a5d2ea57f87049f51a4377877dc43.jpg

Depois do almoço demos uma descansada e no deck do navio, a melhor parte para se ficar, e começamos a interagir com os demais passageiros: além de nós, estavam no barco um casal de canadenses, dois casais de russos, um casal de ingleses, um casal de australianos, duas amigas inglesas, dois irmãos argentinos, um pai com uma filha de Cingapura, um cara da França e uma mãe com uma filha e sua amiga de Taiwan. Tirando os russos, que eram mais introvertidos, todos os outros eram muito simpáticos e fáceis de lidar, o que ajudou muito. E eram de todas as idades e vibes, então era um barco extremamente heterogêneo.

Umas 4 da tarde descemos ao bote e fomos até uma caverna que tem por lá, não lembro o nome. Era enorme e interessante, mas achei aquele role pra preencher tempo de turista, preferia ter ficado no deck do barco tomando uma cerveja e admirando aquela vista de cinema. O passeio seguinte foi mais legal, fomos a uma ilha onde há uma escadaria com um mirante no topo, e a vista panorâmica da baía é demais. É ilha até não dar mais vista, realmente impressionante! Saímos de lá quando já estava escurecendo, e voltamos pro barco.

IMG_20171115_171310057.thumb.jpg.f0c93cbc16cb255570436211ddb86266.jpg

Praia em Halong Bay

Fomos direto pro banho, e apesar de que não havia box e molhava o banheiro inteiro, achei ele bem razoável. Em seguida fomos jantar, era quase a mesma coisa do almoço, mas como tinha comido super bem não achei problema. Depois da janta começou a parte boa, colocaram música no deck, abriram o bar e o pessoal começou a se aglomerar para confraternizar e beber. Como viajava com a minha mãe, não tinha feito nada de noite até então, e confesso que tava sentindo falta, pois gosto muito. Minha mãe foi dormir cedo, e eu fiquei lá bebendo até bem tarde, a galera era muito gente boa e nos demos muito bem. Fui dormir umas 3 da manhã depois de várias cervejas e até shot de tequila.

Dia 14 - Despedida de Ha Long Bay

Acordei às 6:30 da manhã e incrivelmente sem ressaca, e fui pra aula de Tai Chi Chuan que tava rolando. A aula era boa pra dar uma alongada, mas valeu mesmo pelo nascer do sol e pra dar uma acordada. Às 8 serviram o café, novamente muito bom, com pães, café, omelete, frutas e geleias. Comi muito bem e fiquei mais um tempo no deck descansado, não me saturava nunca daquele lugar.

IMG_20171115_144206224.thumb.jpg.3b3e34f72ffe1884109c1012d18f64f9.jpg

Paisagem que não cansa nunca!

No meio da manhã saímos para andar de caiaque, outra experiência bacana pois a gente se sentia minúsculo remando no meio de tantas montanhas enormes. Andamos por quase 1h sem pressa, e o resto da manhã foi no barco relaxando. Como estávamos amigos dos outros hóspedes, passávamos muito tempo conversando e interagindo. Aproveitei para dormir um pouco ali nas espreguiçadeiras mesmo, para amenizar a noite mal dormida. Perto do meio dia esvaziamos o quarto e fomos pro almoço, com algumas coisas novas que não tinha comida no dia anterior, como lula e camarão. Novamente muito bom, a comida foi um dos pontos fortes desse barco.

Durante o almoço notei que o barco já estava voltando pro porto, bateu uma tristeza e uma saudade antecipada, estava muito apegado a Ha Long Bay. Chegamos no porto perto da 1 da tarde e tivemos que esperar um pouco ainda, pois o ônibus não havia chegado. Depois disso foram mais 4:30 de estrada, dormi quase todo o caminho e só fui acordar na periferia de Hanoi. Deixamos algumas pessoas antes e fomos um dos últimos. Para não tornar esse dia em Hanoi morto, fomos ao lago novamente, nosso lugar favorito na cidade. Jantamos em um restaurante que ficava na margem, local muito agradável e a comida era muito boa. Comer no Vietnã era fácil, basicamente qualquer lugar era bom, então bastava escolher um com bom custo benefício e não tinha erro.

IMG_20171116_201239218.thumb.jpg.945f8333e8efeea536387955f028dc43.jpg

Old Quarter

Depois da janta demos mais uma passeada pela região, e inclusive assistimos um grupo de dança feminino que se apresentou com música latina no meio da rua. As vietnamitas tinham um belo gingado, dominavam completamente a música e vários estrangeiros e locais pararam para ver. De lá voltamos pro hotel, e fui dormir porque ainda estava um pouco cansado da noite anterior, e como não tínhamos grandes planos pro últimos em Hanoi, não ativei o despertador.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 15 - Último dia em Hanoi

Acordamos às 9 da manhã e renovados, pois havia ficado com muito sono acumulado da última noite, e por mais que uma viagem não seja jamais para dormir, eliminar o cansaço é fundamental. Comemos e saímos rumo ao Quarteirão Francês, um bairro bem bonito e moderno, com algumas arquiteturas que realmente remetem à França, mas com a muvuca asiática de sempre. É, apesar de tudo, claramente um bairro nobre da capital vietnamita, muito superior à maioria da cidade em termos de infraestrutura e organização.

Nosso objetivo lá era principalmente visitar o Museu da Mulher, minha mãe queria muito conhecer e eu me pilhei a ir junto. É um local relativamente pequeno e interessante, paga-se um valor baixíssimo (algo como 2 dólares) e conta a história de mulheres que marcaram o Vietnã, principalmente no tocante à guerra contra os EUA, glorificando elas frente a um universo historicamente masculino. Se não me engano eram 4 andares, em média ficamos uns 25 minutos em cada, então foi pouco mais de uma hora no museu, o que achei um tempo bom para não cansar, pois museu é algo que satura muito após um tempo, então o tempo nunca pode ser demais.

IMG_20171117_110147104.thumb.jpg.56e4b00dfabb97f9c1d39a876814db9a.jpg

Quase uma vietnamita

De lá caminhamos por umas ruas completamente aleatórias, mas sempre com um mapa na mão. Não sabíamos exatamente onde estávamos, mas com certeza fora do local turístico, pois éramos os únicos ocidentais ali :D. Tomamos um café em um lugar mega chique (mas ainda assim muito barato para nós), e foi bom porque tinha ar condicionado e deu pra refrescar, pois em Hanoi faz um calor absurdo alguns dias. Vale ressaltar que o café vietnamita é muito bom, um dos melhores do mundo, e eles se orgulham muito disso, então a cultura de tomar café lá é bem viva.

IMG_20171117_212450543_BURST000_COVER_TOP.thumb.jpg.67a322f5dddc66b93152c1f24f24d356.jpg

Hanói numa noite de sexta 

Voltamos pro nosso hotel num momento em que o sol já estava queimando, então decidimos dar um tempo lá e recuperar energia pra sair de novo. Perto das 4, quando já estava mais ameno, fomos para o nosso querido lago mais uma vez, como sempre demos a volta nele e curtimos a vida local; o bom do lago é que além de bonito e bem cuidado, ele é cheio de árvores que protegem do sol, então é muito mais ameno do que nos outros locais. Como era sexta-feira, a vida de fim de semana começava a surgir em Hanoi, muita gente vestida para sair para jantar, beber, ir pra festa ou sei lá o que. Muitos jovens na rua e muita coisa rolando, como grupos de dança, brincadeiras com crianças, karaokês (eles amam isso lá) e outras atividades. A cara da cidade mudou, parecia outro lugar, era incrível e com uma vibe muito boa. Andamos bastante e vimos todo tipo de coisa, a população local realmente estava nas ruas e isso era incrível de ver. Só voltamos pro hotel porque tínhamos que acordar muito cedo no dia seguinte, pois às 8:30 da manhã sairia nosso voo para Hué. Comemos algo no hotel mesmo e fomos dormir.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por arielbrothers
      Depois de muitos pedidos e muita procrastinação, eu e minha esposa resolvemos começar a publicar os relatos das nossas viagens. Para isso criamos um blog num formato meio que de diário, contando o dia-a-dia das nossas viagens pelo mundo sempre só com uma mochila nas costas e pouca grana.
      Para quem quiser acessar nosso blog, vai aqui o link: http://arielbrothers.wixsite.com/osmochilinhas
      De qualquer forma, pretendemos publicar nossas histórias aqui também no site dos mochileiros, site este que sempre nos ajudou nos nossos planejamentos. Dessa forma, queremos dar também nossa retribuição para ajudar outros viajantes e incentivar as pessoas a viajar, mostrando que é possível sim conhecer outros países gastando pouco e até menos do que gastaríamos se ficássemos este mesmo período no Brasil.
      Nosso primeiro relato é de uma viagem que fizemos de 35 dias pelo sudeste asiático, nossa primeira viagem para fora do continente. A viagem foi em 2016, sendo assim, há muitas informações que devem ser atualizadas por quem quiser se inspirar em nosso roteiro. Ainda estamos em processo de montagem do blog, por isso, vamos ir postando aos poucos o nosso itinerário, inclusive, no fim de cada cidade/país, pretendo fazer um resumão com mapas e dicas mais práticas dos locais e meios de transporte utilizados.
      SUDESTE ASIÁTICO 1º Dia - Chegando em Bangkok (04/11/2016)
       
      Chegamos em Bangkok por volta das 3h da tarde. Entre imigração, banheiro e trocar um pouco de dinheiro no aeroporto, fomos sair de lá umas 16h30. Aqui já vai uma dica: Antes de passar na imigração é necessário preencher uma outra ficha que não a de imigração e passar no "Health Control" para apresentar a carteira de vacinação contra a febre amarela. No dia que chegamos tinha uma filinha ali, principalmente porque tinha um suíço que não sabia falar inglês (e muito menos tailandês), e a tiazinha no guichê tentava achar alguém que falasse a língua dele para ajudar enquanto gritava para o mesmo: "complete! complete!". O aeroporto Suvarnabhumi é imenso e lindo, todo coberto com uma cobertura (dã) abobadada que lembra muito o Estádio Beira-Rio aqui em Porto Alegre.
        Aeroporto Suvarnabhumi, o principal aeroporto de Bangkok e um dos maiores da Ásia Fomos para o hostel de metrô, é claro, a forma mais barata de sair do aeroporto rumo a cidade. Depois de uma baldeação, chegamos a estação Hua Lamphong por voltas das 17h. Estação esta que dá de frente para a Estação de trens de mesmo nome: Hua Lamphong, a principal estação de Bangkok e onde depois pegaríamos nosso trem em direção à Ayutthaya e Chiang Mai.
      Primeira coisa a fazer, passamos no prédio em frente a estação retirar nossos tíquetes de trem de Ayutthaya para Chiang Mai, comprados com antecedência junto a uma agência de turismo pela internet por garantia devido à época que estávamos visitando, o Festival das Lanternas de Chiang Mai. Depois, antes de seguirmos para nosso hostel, a Juju estava morrendo de fome, por isso fomos logo provar nossa primeira comida de rua na Tailândia. Na primeira venda que enxergamos, ao lado da saída da estação de metrô, pedimos para uma tiazinha, com a ajuda de outra que estava na fila que falava inglês, o mesmo que um outro casal estava comendo (já que não tínhamos ideia do que a tia servia ou o nome das comidas). Para nossa surpresa era uma sopa que mais tarde descobriríamos ser o famoso Tom Yum (muito bom por sinal). A tiazinha nos cobrou ali, aleatoriamente 50 baths (o equivalente a 5 reais), ainda disse que o normal era 40 mas que o nosso era "especial" (será?), por isso mais caro. Desde cedo então descobrimos a gentileza e o carisma dos tailandeses, tanto da tia vendendo o lanche, quanto a tia da fila que nos ajudou, quanto aos demais na mesa improvisada que perguntaram se estávamos gostando da comida, todos muito simpáticos! Ainda improvisei um aroi (gostoso em tailandês) para responde-los, o que os desarmou ainda mais conosco.
      Devidamente alimentados, seguimos para o hostel, a pouco mais de 800 metros dali, costeando um afluente do rio Chao Phraya, o principal rio que cruza a cidade e que é utilizado pela população entre outros, como meio de locomoção. No caminho diversos templos budistas muito bonitos, tuk-tuks e 7elevens (para quem não sabe, 7eleven é uma franquia de lojas de conveniências muito presente mundo afora, sendo que a Tailândia e o Japão são os países que mais possuem lojas desta franquia).
        Espalhados pelas ruas há vários cartazes informando como se deve respeitar o budismo e a figura do Buda. Acha que os turistas respeitam isso? Chegamos no hostel Oldtown e de cara seria um dos melhores hostels, se não o melhor, que ficamos em toda a viagem pela Ásia. Quartos limpos, camas extremamente confortáveis, área comum enorme com jogos, geladeiras, banheiros gigantes também, entrada nos andares com cartão, tudo perfeito, e ainda por cima, pelo preço de 12 reais por pessoa por dia (hoje deve estar mais caro), um dos mais baratos que já ficamos.
        Quarto de 8 pessoas do Oldtown hostel Nos acomodamos num quarto com 8 pessoas e, como sempre, com a adrenalina a mil por recém chegar num lugar diferente, já saímos pela rua para explorar, sem dar a mínima para as mais de 30 horas de voo nas costas ou para o fuso-horário (o que se revelaria uma tremenda burrice mais tarde...).
      Saímos já a noite, em direção a China Town de Bangkok, que fica pertinho do hostel. Aliás, a escolha do mesmo foi justamente por isso. Além de estar perto da estação de trem, onde teríamos que pegar o trem dias depois cedo da manhã, a noite na China Town é uma das melhores da cidade, menos turística que a famosa Khao San Road. Além disso o hostel fica praticamente do lado de uma estação de barco, o que permitiria também ir facilmente (e barato) até o bairro antigo da cidade, onde fica o Grand Palace e o Wat Pho, principais atrações da Tailândia.
      No caminho para a China Town, entramos pela primeira vez num 7 eleven, e foi nosso primeiro choque econômico da viagem. Tudo muito barato! Protetor solar, shampoo, água, comidas, salgadinhos, cervejas... um absurdo! Se já estávamos animados com tudo que vivenciávamos até o momento, ficamos mais ainda. Compramos nossa primeira cerveja Singha (a melhor de todas junto com a Chang) e seguimos, passando pelo  arco chinês e adentrando a rua Yaowarat, a principal da China Town.



      Salgadinhos exóticos e baratos do 7eleven; Cerveja Singha, a melhor da Tailândia, Arco Chinês que dá acesso à China Town.
      Com aquela adrenalina e vontade de desbravar já mencionada, seguimos através das ruas lotadas de barraquinhas de rua e gente, letreiros chineses em neon e enfeites bem característicos de uma China Town. Paramos então para comer o que mais de exótico achássemos e pedimos um espetinho de polvo, o qual foi servido mergulhado numa sacola com um tempero que nós né, tipo: "estou na Tailândia quero provar tudo" pedimos para incluir. Não preciso dizer que aquele tempero era apimentado que é um diabo, e nos fez sofrer para comer aquilo ali (mas comemos tudo!).



      Saboreando um espetinho de polvo de nome impronunciável, conforme se vê no cartaz
      Demos mais uma volta pela rua e fomos parados por um grupo de adolescentes que, ou queriam treinar seu inglês, ou estavam fazendo um trabalho para o colégio, pois fizeram umas perguntas para nós sobre o que achávamos da Tailândia e anotavam as respostas num caderno. Muito simpáticos também (como todos tailandeses que conhecemos). Depois entramos num restaurante/lancheria e pedimos mais uma comida exótica, uma massa tipo yakissoba com bolinhos de frutos do mar, porém essa, mais apimentada ainda que a comida anterior, não conseguimos comer toda.
      Fomos conhecer então as ruas transversais, que também possuem um comércio vasto. Numa delas, vimos uma grande (e estranha) movimentação próxima de um caminhão que descarregava alguma coisa para algumas lojas. Fomos conferir e era um caminhão vendendo calçados muito baratos! A Juju achou uma pantufa do Totoro que custava algo em torno de 90 baths se não me engano (9 reais) e comprou-se então o primeiro souvenir da viagem.
        China Town de Bangkok Antes de voltar para o hostel, ainda ficamos ali observando mais um pouco a vida noturna da região e tivemos mais um choque cultural (que se tornaria natural ao decorrer da viagem). Descobrimos que as louças das barraquinhas de rua não são descartáveis, são todos lavados em uns baldes de higiene duvidosa, sem água corrente. Além disso, descobrimos a convivência pacífica entre os vendedores de rua e os ratos (que pareciam gatos de tão grandes). Um dos vendedores inclusive observava um rato se mexer perto dele e ria. Descobriríamos mais tarde que o Brasil é um dos países "mais higiênicos" do mundo.
      Já de volta ao hostel, esperando a Juju tomar banho, acabei conhecendo na área comum um canadense que estava no nosso quarto e que queria se enturmar a qualquer preço. Me contou que estava nas praias, curtindo muito: "So much party" (frase que depois virou um meme interno) mas teve que vir para a capital para tomar remédios anti rábica por um mês pois levou uma mordida de um macaco na Monkey Island (imagino como deve ter importunado o bichinho). Depois ele tentou puxar papo com um russo que também estava no nosso quarto (o que não deu muito certo), e depois saiu tentando conversar com qualquer coisa que esbarrasse no seu caminho.
      Depois que a Juju voltou para o quarto é que paguei o preço de não ter respeitado o tal de "Jet Lag". Vomitei as tripas, dentro do quarto mesmo, inclusive pingando um pouco nas coisas de um suíço que estava no beliche ao lado (por sorte não tinha ninguém no quarto naquele momento). A Juju rapidamente pegou um pano num armário que tinha no corredor e limpou tudo, mas continuei vomitando até altas horas da madrugada. Com enjoo, dor de cabeça e náuseas, comecei a tomar tudo que é remédio: Dramim, plasil, paracetamol, etc. Enquanto a Juju tranquilona, ficou mais um tempinho lá na área comum apreciando umas Singhas. Continuei vomitando até que consegui dormir, porém no meio da madrugada acordei com uma dor insuportável na barriga, tentei dormir de novo mas não conseguia, até que resolvi tomar um remédio para gases e fui no banheiro onde fiquei por algumas horas, até que, enfim, aliviou as dores e consegui dormir. Fica a lição, respeitar o corpo e não comer nada pesado nem se agitar muito recém chegando depois de 30 horas de voo num fuso horário de 10 horas de diferença.
       
    • Por Tadeu Pereira
      Salve Salve Mochileiros! 
      Segue o relato do mochilão realizado no Sudeste da Ásia em 2018 batizado de The Spice Boys and the Girl.
       
      1º Dia: Partida - 04/11/18 - 19h05min - São Paulo x Madrid - Empresa AirChina - R$3.680,00 Reais
           Partimos do Aeroporto de Guarulhos - GRU em São Paulo por volta das 19:30 do dia 04 de Novembro de 2018, fizemos um check-in tranquilo com a empresa AirChina e embarcamos para nossas primeiras 9 horas de vôo até Madrid na Espanha onde fizemos conexão. O vôo foi bem tranquilo, até conseguimos dormir, porém a comida do avião não é das melhores mas acabei comendo assim mesmo e já começava ali a sentir o cheiro e o gosto da Ásia hahahahah. Chegamos em Madrid na Espanha por volta das 5:00am e fizemos uma conexão de 3 horas, deu tempo de dar uma volta no Free Shop, banheiro, comer alguma coisa (caríssima), fazer os procedimentos burocráticos e embarcar novamente pois teríamos a China ainda pela frente.
       
       
      2º Dia: Partida - 04/11/18 - 8h15min - Madrid x Pequim - Empresa AirChina
           Chegamos em Pequim ainda de madrugada com uma temperatura de 7º, quem se deu bem foi quem ficou com as cobertinhas que a empresa AirChina empresta para as pessoas no avião, pois não esperávamos passar tanto frio no aeroporto da China como passamos naquela conexão rss. Assim que descemos do avião caminhamos um longo caminho até os terminais eletrônicos onde se inicia os procedimentos burocráticos de conexão da China. Finalizamos depois de alguns minutos os procedimentos e dormimos um pouco em bancos do aeroporto sendo acordados e presenteados por um lindo nascer do sol no Aeroporto de Beijing. Procedimentos concluídos no Aeroporto de Beijing partimos para o nosso tão desejado e esperado destino final daquela cansativa viagem de aproximadamente 23 horas, a capital da Tailândia, a grandiosa Banguecoque.  
       
      3º Dia: Chegada - 06/11/18 - 15h15min - Pequim x Banguecoque - Tailândia (Taxi ฿1.000 Baht, Chip ฿600,00 Baht, Hostel ฿340,00 Baht)
           Chegamos por volta das 15:00 pelo horário local, fizemos os procedimentos de imigração, primeiro o health control depois na fila de imigração, carimbamos nossos passaportes, pegamos nossas mochilas e pronto, lá estávamos livres para explorar Banguecoque. Trocamos $100,00 dólares  no aeroporto com um câmbio de $1,00 dólar = ฿31,60 baht, depois compramos um chip para o telefone por ฿600,00 baht com 6 Gigas por um período de 30 dias e chamamos um Graab, como se fosse o Uber no Brasil, onde pegamos na parte superior do Aeroporto Internacional Suvarnabhumi por ฿400,00 baht em torno de R$40,00 reais que nos levou em 30 minutos até o nosso hostel, o The Mixx Hostel. Ficamos hospedados na rua Ram Buttri que fica do lado da rua mais famosa de Banguecoque, a Kaoh San Road onde rola a grande noite da cidade, uma ótima opção para mochileiros. Muita comida típica e exótica boa e barata, cervejas baratas, diversos bares, baladas, artistas de rua, drogas, sexo e tudo que uma bela noite de Banguecoque pode te oferecer pra se divertir. Vale a pena conferir! Na hospedagem pagamos por dois dias ฿340,00 baht, ficamos em um quarto com quatro camas/beliche, ar condicionado, banheiro compartilhado e café da manhã incluso, o hostel é simples mas atende as necessidades com uma ótima localização.
       

           Conhecemos alguns templos na capital, alguns fomos a pé mesmo pois são muito próximos um do outro. Wat Pho (Buda reclinado), Wat Saket (Monte dourado) e Wat Arun (Templo do amanhecer). A cidade é bem frenética mas andar a pé pelas suas ruas foi uma bela escolha. caminhamos muito por essas ruas, muito das vezes sem um rumo certo, mas logo nos achávamos pelo google maps. A cada esquina que se vira na Tailândia você vê uma foto do rei. Embora o já tenha falecido, o povo Thai tem muito respeito pelo rei Bhumibol Adulyadej que morreu em Outubro de 2016 com 88 anos de idade após 70 anos no poder que hoje tem como rei o seu filho Maha Vajiralongkorn.       
            
           
           
        
       


       

           A culinária asiática é muito exótica, a cada comida que você experimenta é uma surpresa de sabores. Experimentei o famoso prato típico de rua tailandesa Pad Thai, uma espécie de macarrão de arroz frito com frutos do mar ou carne de porco ou de frango, acompanhado de castanhas com pimenta que custa em média ฿100,00 Baths e se encontra em todo lugar da Tailândia, experimentei também o Thai Mango Sticky Rice, uma sobremesa tradicional tailandesa feita de arroz glutinoso, manga fresca e leite de coco, ambos baratos e deliciosos, mas existem uma infinidades de comidas para serem saboreadas na Tailândia.   
       
        
           Ficamos 3 dias na capital Banguecoque e além de conhecer templos tentamos entrar na rotina das pessoas locais. No terceiro dia para chegar em um templo tivemos que pegar um transporte público BTS Skytrain no rio Chao Phraya. Passamos por alguns pontos e depois retornamos até chegar no templo Wat Arun. As passagens são muito baratas, pagamos por volta de ฿80,00 baths tanto ida quanto volta, então vale muito mais a pena o tour por conta e ainda tivemos uma vista maravilhosa totalmente diferente da cidade vista pelo rio.  

       
                Ficamos no templo Wat Arun até fechar por volta das 19:00pm, depois fomos de barco pelo rio Chao Phraya até o porto que da acesso ao grande mercado Asiatique, um maravilhoso complexo de lojas e restaurantes, um verdadeiro shopping ao céu aberto localizado às margens do rio Chao Phraya situado nas antigas docas de uma empresa que realizava comércio na região portuária no século passado. Em função da sua localização e história, seu layout é temático e apresenta uma decoração especial com tema inspirado no reinado do Rei Chulalongkorn (1868-1910) e na atividade marítima. Ficamos umas boas horas comendo, bebendo e curtindo o local, depois pegamos um táxi por ฿200,00 baht para o hostel pois no outro dia logo de manhã tínhamos o nosso vôo para as belas praias da Tailândia. 
       

            Assim que chegamos no hostel deixamos reservado nosso táxi para o aeroporto Don Mueang - DMK por ฿400,00 baht pois sairíamos bem cedo para o aeroporto. Acordamos por volta das 5:00am da manhã e o táxi já estava nos esperando na porta do hostel no horário combinado, após 30 minutos chegamos no aeroporto. Partiu praias... 

       
      6º Dia: Praia - 09/11/18 - 7h25min - Banguecoque x Krabi x Ao Nang - Empresa Air Asia - R$148,00 Reais
       
      (((((Continua no próximo post)))))
       
       
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/

       


×
×
  • Criar Novo...