Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Amanda Sfair Gonçalves

Olha Eu na América do Sul - Bolívia Chile e Peru o Clássico mais amado dos Mochileiros

Posts Recomendados


@Amanda Sfair Gonçalves também vou fazer um mochilão em jun/jul 2019 e também quero relatar aqui, pois mesmo tendo tantas pessoas que fizeram e detalharam tanto, que as vezes um relato sucinto ajuda, e muito.

Perguntas:

1. vc levou dólar? real? trocou onde?

2. vc fez Chacaltaya? Vale de la Luna?

até mais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oiii  @Cloris Macedo

Eu levei dólar, troquei aqui no Brasil. Nesse ponto não fui muito preocupada, botei na cabeça que o trabalho de pegar uma cotação com poucos cents de diferença me daria mais stress do que vantagens financeiras. Essa despreocupação fez com que eu não anotace os valores dos cambios... então vai de cabeça aqui

Na Bolívia troquei no Aeroporto de Santa Cruz a maior parte. (não leve euro, a cotação em Uyuni, por exemplo, era a mesma tanto para dolar quanto para euro)

No Chile troquei em São Pedro do Atacama na Calle Toconao (cotação igual ou praticamente igual em todas as agencias) 

No Peru fizemos uma pequena troca na rodoviária de Tacna, outra em Arequipa e mais uma em Cusco. (cotações muito parecidas sempre)

1 Dolar> Real = 3,20

1 Dolar > Bolivianos = +-6,50   não lembro o valor exato mas a gente sempre pensava as coisas como "o dobro do real" então imagino que tenha sido perto disso haha

1 Dolar > Chinenos = 800

1 Dolar > Sol =  3,20 (1/1 no real, mas o dinheiro peruano vale mais vendo o custo das coisas)

 

Eu Fiz o Vale de La Luna (super super super recomendo - te marco quando já estiver escrito sobre ele), mas não fiz o Chacaltaya.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

1º Dia – 01/02/18 – Vamos pegar o primeiro avião com destino a felicidade!

O nosso primeiro vôo era saindo de Curitiba com destino a São Paulo pela Gol 20h17 com chegada prevista 21h20 e era só isso. Nesse dia só iriamos fazer o trecho de CWB para GRU.

O vôo saiu e chegou no horário previsto tudo nos conformes.

Quando fomos comprar as passagens percebemos que valia mais a pena pelo dormir 1 noite em SP mesmo que pagamento hospedagem e Uber do que pegar o vôo “direto” no dia seguinte. É legal para quem tem a liberdade de fazer essas adaptações no roteiro conferir se vale a pena também.

Olhamos os preços na região para hospedagem levando principalmente em consideração a distância do aeroporto e fizemos uma reserva no Cumbipar King Hotel para um casal com banheiro privativo e com café da manhã por R$ 112,00. O hotel era um labirinto mas a cama era ótima o chuveiro também e o café da manhã simples, mas ok. O preço médio do Uber para o aeroporto de Guarulhos foi R$ 25,00 ida/volta.

IMG_20180202_093118_173.thumb.jpg.306b0e9af0eaf80cdeda7cbf6d3c5f10.jpg

E os gastos (+-):

  • Uber:  R$50,00
  • Hospedagem R$ 112,00
  • Total: R$ 162,00 o casal || R$ 81,00 p/pessoa.

(Nem todas as informações terão preço, mas sempre que tiver são os valores cheios, se for o preço por pessoa eu aviso! Como estava eu e meu esposo pode-se considerar que eu paguei 12,50 e ele 12,50 em cada trecho de deslocamento assim como R$ 56,00 por pessoa no hotel)

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

2º Dia – 02/02/18 – Se for pra ter zica que seja logo no começo!

O segundo dia de nosso primeiro mochilão começou cedo, nosso vôo para Santa Cruz de La Sierra estava marcado para as 10h20 mas se tem uma coisa que eu tenho medo é perder avião então tomamos café bem cedinho e fomos para o aeroporto de Guarulhos. Lá acabamos comprando um cartão de internet internacional da Mysimtravel que funcionou muito bem durante toda a viagem (exceto nos desertos haha). Colocamos em um celular só mas quando estávamos nas cidades era possível rotiar (essa palavra existe?) para o outro aparelho e os dois funcionavam bem!

O vôo saiu no horário e como nossas malas foram despachadas desde Curitiba fomos nós e a nossa fé de que a encontraríamos na Bolívia. Chegamos no horário e lá estavam nossas malas. (EU OUVI AMÉM?) ::otemo::

Fomos para a fila da imigração que era longa porém rápida e lá encontramos o Diego um curitibano como nós que também usou dos relatos daqui para montar seu mochilão e por isso cruzamos com ele em inúmeras cidades. Ainda na fila da imigração ele perguntou se já tínhamos comprado nossa passagem de ônibus de Sucre para Uyuni. Não tínhamos e ele nos alertou que tinha visto que várias pessoas não conseguiam as passagens no mesmo dias e que por isso ele tinha comprado através do site  https://www.ticketsbolivia.com . Passamos pela imigração sem grandes problema e enquanto aguardávamos o vôo de Santa Cruz para Sucre tentamos de inúmeras maneiras efetuar a compra da passagem rodoviária sem sucesso. Teríamos que continuar com o planejado, descer no aeroporto de Sucre e seguir para a rodoviária para comprar a passagem.

1950744763_20180202_01AeroportoStaCruz-01(1).thumb.jpeg.dd7e1c388725c3e333862d7cf12b3f8e.jpeg

Também no aeroporto fizemos o câmbio e comemos no subway até que nosso vôo fosse chamado. Os primeiros sinais da zica forte estava aparecendo. Nosso vôo estava marcado para 13h30 com chegada 14h30 em Sucre, mas só saiu de Santa Cruz depois das 15h00. Embarcamos pela pista em um avião de hélice bem pequeno e assustador haha. O vôo correu super bem e no desembarque no aeroporto nos despedimos pela primeira vez do Diego que, como já tinha a passagem comprada, não tinha tanta pressa de ir até a rodoviária como nós.

 

1763085796_20180202_03PistaSucre.thumb.jpg.0240e56ecb4859423531d0ba7acdcd66.jpg

De taxi fomos para a rodoviária que é a coisa mais confusa do universo haha. Para compra a passagem de Sucre para Uyuni você tem duas opções a agência 6 de Octubre e 11 de Julho. Entrando na rodoviária você vira a esquerda, vai até o final do corredor e em seguida vira a direita até o final do corredor novamente e chega na 6 de Octubre, chegamos lá e não havia passagem.. OK vamos na 11 de Julho, volta todo o caminho - a agência ficava na entrada da rodoviária - e para o desespero nosso... não havia passagem. Pronto, começou a zica! Os dois mochileiros de primeira viagem perdidos em Sucre, numa rodoviária bagunçadíssima e sem ter como chegar em Uyuni no tempo previsto.

848853485_20180202_04RodoviriaSucre-01.thumb.jpeg.98b6dc62c89351cb50d1016745102d86.jpeg

Aí você tem que respirar e se agilizar. Fomos até o balcão de informações e uma senhora muito simpática deu a dica, “comprem passagem para Potosí, é no meio do caminho e lá tem várias passagens por dia para Uyuni é provável (mas não certeza) que lá vocês consigam embarcar para Uyuni”. Não pensamos muito e arriscamos na dela, mandamos um whats para a Esmeraldatour, agência do passeio em Uyuni falando do acorrido e compramos a primeira passagem disponível. Eram19h00 quando embarcamos para Potosí.  A viagem foi em um ônibus precário e fedido mas isso não importava, estavam apelando para todos os santos na reza brava e forte para conseguir chegar em Uyuni. Era o primeiro dia de viagem, uma mistura de desespero com excitação. só dava nós dois não bolivianos rindo de nervoso.

 

Chegamos no terminal rodoviário de Potosí eram perto das 22h00, descemos correndo e fomos perguntar onde vendiam passagem para Uyuni. A funcionária também super solicita explicou que Potosí possui duas rodoviárias e que as saídas para Uyuni eram obviamente na outra (que dúvida haha!!) Essa segunda rodoviárias é chamada “ex-terminal”  ela ainda nos disse deveríamos correr porque não sabia se naquela hora ainda haviam passagens e saídas para Uyuni. E lá fomos nós...seguindo nossa saga corremos (mesmo sem ar porque a altitude vem queimando) pegar um taxi e seguimos para o tal de ex-terminal. O taxista foi pouco otimista dizendo que essas horas já estaria fechada mas arriscamos mesmo assim para descobrir que ADIVINHEM? Ele estava certo. Passagens para Uyuni só as 06h00 com chegada prevista as 11h00. Nosso tour saia de Uyuni ás 11h00 o risco era gigante. 

Agora que passa a gente ri mas estávamos sozinhos na rodoviária fechada com um taxista que não sabia o que fazer com a gente. Sério o cara não queria deixar os dois abandonados lá mas também não sabia onde nos levar haha

Do outro lado da rua tinha um hotelzinho de rodoviária que pensávamos ser nossa última parada nesse dia. Descemos do taxi e um pessoal de umas vans vieram falar conosco. Explicamos com a ajuda do taxista nossa situação e, percebendo nosso desespero e nossa cara de otários ofereceu nos levar para Uyuni naquele exato momento de van. O motorista disse q iria pela manhã mas que poderia ir agora conosco, desde que pagando singelos 400bol por pessoas. SIM 800 BOLIVIANOS ::ahhhh::  era uma facada que não estávamos esperando mas tínhamos 2 opções: dormir em Potosí e arriscar tentar comprar a passagem para Uyuni no dia seguinte ou seguir com ele garantindo nossa chegada em Uyuni para o passeio no dia seguinte.

Sem nenhuma chance de negociar os valores acabamos optando por aceitar sermos roubados e seguimos de van para Uyuni. O Vini dormiu logo no começo da viagem mas eu fiquei tão brava com o roubo e ao mesmo tempo tão excitada com tudo o que estava acontecendo que não conseguia dormir, (fora que entramos em uma Van de um desconhecido na frente da rodoviária as 23h00 e estávamos na confiança de que ele estava levando a gente para Uyuni e não para a morte haha). Mas, excluindo a extorsão o motorista era muito gente fina, trocamos várias idéias até cantamos Evidências ::lol4::UM HINO MUNDIAL ::lol4:: ele em espanhol eu em português.

Chegamos em Uyuni eram perto das 2h00 da manhã. O motorista não sabia onde nos deixar (o segundo desde que tínhamos chego na Bolívia haha) e nós também não sabíamos onde ir tão cedo, afinal a idéia era ir no Snack Noris depois de uma noite inteira de viagem mas por irmos de van chegamos muito mais cedo do que o previsto. Acabamos pegando uma diária no primeiro hotel que vimos, que não faço a menor idéia do nome, e encerramos o segundo dia de viagem.

 E os gastos (+-):

  • Cartão de Internet para 1 mês: USD 50,00
  • Subway: 20 Bol
  • Taxi para Rodoviária de Sucre: 15 Bol
  • Passagem para Potosí: 40 Bol
  • Taxi para o Ex-terminal: 15 Bol
  • Van para Uyuni: 800 Bol
  • Hotel Uyuni: 100 Bol
  • Total: 990,00 BOL + 50,00 USD o casal || 495,00 BOL + 25,00 USD p/pessoa.
  • Gostei! 2
  • kkkkkkk 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Mila coni
      Olá pessoal, estou viajando em maio/2019 pra um mochilão pela América do Sul. Procuro boas companhias 
      whats (75) 99255-2704
    • Por omariomadureira
      Fala mochileiros!
      Estou montando o roteiro do meu primeiro mochilão, o clássico, Bolívia-Chile-Peru. Indo em abril (inclusive, quem quiser se juntar, só chamar no inbox!)
      Estou pesquisando o trajeto por ônibus e vi que a maioria dos relatos, o pessoal resolveu ir para Corumbá (MT), pegar um taxi até Puerto Quijaro (BO) e de lá pegar um ônibus ou trem para Santa Cruz (BO). No entanto, vi que tem um ônibus em Sampa que vai direto pra Santa Cruz, através da cia 'La Preferida'. Alguém já foi pra lá com essa cia? Já fizeram esse trajeto de outra forma?
    • Por carloshenriq94
      E então galera, beleza?
      De começo já vou informar que essa viagem foi realizada em Junho de 2017. SIM, 2017!
      Porém fiquei de fazer o relato e sempre enrolava, enrolava e agora estou com tempo e consigo fazer .. a viagem foi tão f*d que até hoje eu não consigo esquecer NENHUMA parte dela e vou passar minha experiência para todos vocês! (exceto a maioria dos gastos L)
      A minha viagem foi inspirada no relato do @RodrigoVix, com algumas alterações .. desde já agradeço @rodrigovix, seu relato foi inspirador e espero conseguir passar para outras pessoas também a minha experiência e dicas.
       
      ROTEIRO
       
      Rota “famosinha” aqui no site, fiz o mochilão entre 3 países, iniciando em Santa Cruz de La Sierra (BOLÍVIA), logo depois  Atacama (CHILE), Peru e depois voltando à Bolívia.
      Tem pessoas que preferem o inverso, porém, pesquisando prós e contras, preferi dessa forma e foi TOP!
      13/05 - Rio de Janeiro x São Paulo x Santa Cruz de La Sierra x Sucre
      14/05 - Sucre x Uyuni
      14/05, 15/05 e 16/05 – Salar de Uyuni
      17/05, 18/05 e 19/05 – Atacama
      20/05 – Atacama x Arica x Tacna
      21/05 – Tacna x  Arequipa
      22/05 – Arequipa
      23/05 – Arequipa x Ica x Huacachina
      24/05 / Huacachina x Ica x Cusco
      25/05, 26/07 – Cusco
      27/05 – Cusco x Águas Calientes
      28/05 – Águas Calientes
      29/05 – Águas Calientes x Cusco x Puno
      31/05 – Puno x Copacabana
      01/06 – Copacabana
      02/06 – Copacabana x La Paz
      03/06 – La Paz
      04/06 – La Paz x Santa Cruz de La Sierra x São Paulo x Rio de Janeiro
       
      O QUE LEVEI ?
       
      Fui com uma mochila de 45L qualquer, deu bastante coisa galera!
      Levei também uma mochila pequena, que serviu para usar em passeios rápidos, etc. (INDICO)
      Não lembro o número exato de camisas, tênis, etc. Mas levei o suficiente! Tente levar o máximo possível, NÃO ESQUEÇA CASACO (de preferência impermeável)!
      Antes de ir passei na farmácia e comprei MUITO REMÉDIO, e usei apenas 1, sério, gastei mais de R$ 100,00 em remédios, etc e usei nem 10%. Porém compraria novamente, uma viagem dessas pode haver diversos acontecimentos e se precisasse de algum remédio, já estaria na mão.
      Levei também uma pasta que serviu para guardar todos os meus documentos (Cartões de embarque, ingressos Machu picchu + huayna, cartão internacional de vacinação, seguro viagem e serviu para guardar todos os papéis de imigrações, entre outras coisas) .. INDISPENSÁVEL!
       
      PREPARATIVOS PARA A VIAGEM
       
      Bem, era +/- janeiro daquele ano, minhas férias estavam marcadas para maio e a meta seria viajar .. logo depois me questionei .. “viajar pra onde?”, “sozinho?” . Foi aí que eu comecei a procurar destinos na América do Sul .. encontrei um lugar chamado PUCÓN, fica no Chile, MEU DEUS! TOP DEMAIS! Decidi que iria para Pucón, comecei a ver passagens, relatos de viagens, entre outras coisas e tinha decido: VOU SOZINHO MERMO!
      Até que .. conversando com o Pietro, um amigo do trabalho, vi que ele iria tirar férias na mesma época e decidimos juntar idéias e mochilar juntos .. Falei de Pucon para ele e ele curtiu, mas vi que não levou muita fé .. depois de um tempo ele veio com papo de ROTA DAS EMOÇÕES, no nordeste .. NÃO! QUERIA IR PARA A AMÉRICA DO SUL, ele tentou ainda me enviar orçamentos, entre outras coisas, prontamente negado, estava centrado em mochilar ..  hahahaha
      Até que navegando pelo mochileiros, vi o relato do @rodrigovix, sobre a viagem Bolívia x Chile x Peru, foi amor à primeira vista por esse roteiro, logo mostrei para o Pietro e ele curtiu a idéia, estava aí a viagem marcada e destino definido.
      Fizemos que nem o Rodrigo e garantimos somente algumas coisas antecipadas:
      ·         Passagens aéreas BRASIL X BOLÍVIA X BRASIL (R$ 1.119,00) e Santa Cruz de La Sierra x Sucre ($ 30)
      ·         Seguro Viagem Assist-Med 24 dias (peguei com um desconto de 30% na época) – R$ 189,71
      ·         Machu Picchu + Huayna – +/- $90
      ·         Ônibus Sucre x Uyuni - $15
      O resto foi na marra e ficaria para acertar na hora mesmo! (melhor coisa que fizemos)
      Sobre o cartão de vacinação: Como na época teve surto de febre amarela aqui no Rio de Janeiro, foi HORRÍVEL de conseguir uma vaga, eu consegui a ÚLTIMA vacina do dia que eu fui (tinha sido a 3ª tentativa), isso mostrando passagem comprada, entre outras coisas.
      Pietro não teve essa sorte, tentou tomar e não conseguiu, FOI NA CARA E NA CORAGEM SEM O CERTIFICADO e deu sorte, não pediram em nenhum momento.
    • Por joshilton
      Se você tivesse que escolher ir ao Titicaca, Qual lado você iria ? Bolívia ou Peru ?
      Meu tempo é extra curto, terei de escolher e quero a opinião de quem já foi nos 2 lados, me ajudem.
    • Por Fernanda TF
      Salve mochileiros.
      Vou tentar contribuir um pouco sobre minha última experiência. Viajei 11 dias pela Bolívia e 5 pelo Peru (Machhu Piccho).😀
      Das conclusões que já posso destacar: 1) Não acredite em tudo o que esses blog´s de viagem dizem, eles são pagos para isso, logo, tudo é uma maravilha, e não é. 🤔 2) Esteja fisicamente preparado para longas caminhadas e subidas. Não estou dizendo que você tem que estar apto para uma maratona, mas tantos os passeios, como ir até os pontos turísticos, ou simplesmente caminhar, exigem bastante. Tem muitas ladeiras em cidades como Sucre, La Paz, cidade velha de Cusco e sem esquecer da ALTITUDE. Essa pega mesmo. A falta de ar é inevitável e inesgotável. 😲🤪 Mas com remédio, chás e balas você vai bem. Relembrando: Se prepare, até porque vale muito muito a pena, Bolívia é maravilhosa.🤩😍❤️
      Várias pessoas me perguntaram o motivo desta viagem.. e a resposta é: Lugares fabulosos que eu precisava conhecer e preço ! Bolívia tem lago, montanhas, deserto, neve e muita paisagem de tirar o fôlego (literalmente)🏂🚣‍♂️🚴‍♂️🏍️🤽‍♀️🏔️🏫🏜️🌋⛪. A gasolina é barata, então acredito que influencie nos demais produtos. Fiquei com receio de comer, pegar alguma virose e atrasar meu roteiro. Então, a maioria dos dias, comi coisas industrializadas... salgadinhos, bolacha ou fazia um rango no Hostel. Raras vezes comi em restaurante. Sinceramente achei que havia sujeira demais, e higiene mínima de menos, então, não sei dizer se isso foi precaução ou frescura mesmo... Mas sai quase ilesa.. e acreditem, perdi 4 quilos. É uma questão cultural, e a impressão que tive é que o país não é preparado para o turismo, os passeios são relativamente baratos e a estrutura é bem precária. Você só pode ir para Bolívia depois de saber que: As pessoal mal te olham nos olhos, tem muita sujeira, condições precárias de higiene, faltam banheiros e eletricidade em alguns lugares, meios de transporte precários e velhos, no mesmo dia faz um sol de rachar e em seguida você quase morre de frio. A chance de ter perrengues é enorme. Tem o fator psicológico, você verá muita pobreza, crianças e idosos pedindo esmolas e comida em todo canto, o tempo inteiro.... Mas, qualquer ser humano é capaz de “suportar” isso, em troca de experiências incríveis.
      Dia 1 (23/12) – Saio de Floripa, cheguei em Santa Cruz as 4 da manhã (passagem, ida e volta paguei R$ 2100,00 pela LATAM). Comprei um voo separado para Sucre, cerca de R$ 300,00, pela cia BoA. Realmente foi um voo super tranquilo. O que achei de interessante, é que na hora do check in para Sucre, haviam pessoas na fila para comprar passagem e o preço estava quase metade da que eu havia pago com 3 meses de antecedência. Então fica a dica, vale arriscar comprar na hora, pois tem voos consecutivos. Sucre tem dois aeroportos, o novo fica cerca de 30 minutos da cidade. Havia lido que a única forma de ir do aeroporto para a cidade era de táxi, e assim o fiz. Dividi com um brasileiro e pagamos 30 soles por cabeça. Chegando no hostel descobri que tem um ônibus circular, você tem que sair do aeroporto e ir a esquerda. Não sei o preço, mas fiquem ligados. Era o começo da tarde, deixei as malas, tomei um banho, afinal haviam sido quase 40 horas viajando, e fui bater perna. Peguei um circular para a rodoviária a fim de garantir a passagem para UYUNI. No dia apenas uma estava aberta e já garanti. Paguei 60 soles por um semi leito, empresa “11 de julho” era única opção. Era véspera de natal, um agito na cidade... a cada rua que entrava, me apaixonava mais por aquela cidade. Que surpresa deliciosa, chegar em um lugar tão fofo quanto Sucre, lotada de museus, praças, feiras, igrejas e inclusive: Universidade. Subi uma mega ladeira até chegar a La Recoleta.... tem uma igreja e um mirante. Coisa mais linda. Tem o Simon Bolivar Park, um parque incrivelmente lindo, com uma feirinha vendendo de tudo. Crianças correndo por todos os lados... O comércio estava polvoroso, alguns pontos haviam distribuição de brinquedos para crianças carentes. Estava um calor de matar. Parei em uma farmácia, comprei uma cartela de Sorochi, por 45 soles, que deveria ser tomado a cada 12 horas. Voltei para descansar e a noite voltei para rua. A Plaza 25 de Mayo estava toda iluminada, com algumas apresentações de danças típicas, ambulantes, crianças brincando, um clima delicioso.... de paz e alegria.... Meu coração transbordou gratidão, e começava ali uma das viagens mais incríveis da minha vida. 🙏
       
      Dia 3 (25/12) – Objetivo do dia era visitar o parque cretácico. É um tanto afastado do centro. Tem 3 formas de chegar até lá: Ônibus circular (1 soles), Táxi (14 soles por pessoa, depois da pechincha) ou Ônibus exclusivo do parque (15 soles por pessoa), esse ônibus tem horários restritos. Todos partem da Praça 25 de Maio. Como queria ir bem cedo, acabei indo de táxi. A entrada do parque custou 30 soles , e sinceramente achava que o parque seria maior. Lá existem pegadas de dinossauros, feito a milhares de anos... E quer ver quando digo que a Bolívia não explora o turismo? Esse parque divide terreno com uma mineradora... Tipo, p você chegar perto das pegadas, você passa pela mineradora... O parque foi feito no meio da empresa. E a principal atração que são as pegadas, estão lá... deteriorando com o tempo. Além do fato de não poder serem tocadas, não tem nenhum cuidado. NENHUM !!!! Tem estátuas de tamanho original, fazem som e tal, tem um pequeno museo, restaurante e uma lojinha. Você entra com um guia que explica cada estátua e depois fica livre para passear. Lembrando, o parque é minúsculo. De hora em hora montam-se grupos para ir com guia próximo as pegadas. Galera, é uma descida animal, bem íngreme.. hora chão de terra, hora escadas...mas quando vai é uma alegria.... Pensa o que sofri para subir, em pleno sol do meio dia. Dessa descida até o final do city tour demora 45 minutos. Guia falava em espanhol e inglês..o que fez nosso passeio demorar mais de 1 hora. Ele mostra as pegadas, mostra um dinossauro de brinquedo, explica o que ele comia, fazia e coisarada;;; Achei que muita informação ali era desnecessária... mas o passeio em si valeu. Matei minha curiosidade. Na saída do parque tem os ônibus exclusivo do parque... Se você o pegar, serão mais 15 soles... tem lugar para táxis, mas quando sai não havia nenhum. Eles vão e voltam o tempo todo...Ai perguntei para uns flanelinhas sobre os ônibus circulares e informaram que paravam no portão da mineradora.... Foi só descer a rua, esperar um pouquinho e lá estava ele, me fazendo economizar 14 soles. Não ganhei somente a economia... o bus levou 1 hora para chegar até a praça.. até lá passei por bairros e lugares fantásticos. Moradores nativos, Sucreanos como são no dia a dia, sem turistas sabe ? O retorno foi um passeio. Só não mais agradável por os ônibus são pequenos e não tem limite para subirem pessoas. Se tiver tempo, vá de circular. Depois aproveitei a tarde para andar. Como era feriado, igrejas e museos fechados, o jeito foi andar pela agradável cidade e no começo da noite, pegar ônibus para UYUNI. Ah, me hospedei no Hostel “Villa Oropea Guest”, super bem localizado, limpo e com cozinha. Próximo post.
       





















×
×
  • Criar Novo...